Ceará-Mirim

Município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte
Disambig grey.svg Nota: Para o rio de mesmo nome, veja Rio Ceará-Mirim.

Ceará-Mirim é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte, localizado na Grande Natal e no Polo Costa das Dunas. Encontra-se localizada a 33 km da capital do estado, Natal.

Ceará-Mirim
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Ceará-Mirim
Bandeira
Brasão de armas de Ceará-Mirim
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Cidade dos verdes canaviais"
Gentílico ceará-mirinense[1][2]
Localização
Localização de Ceará-Mirim no Rio Grande do Norte
Localização de Ceará-Mirim no Rio Grande do Norte
Mapa de Ceará-Mirim
Coordenadas 5° 38' 02" S 35° 25' 33" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Norte
Região intermediária[3] Natal
Região imediata[3] Natal
Região metropolitana Natal
Municípios limítrofes Maxaranguape, São Gonçalo do Amarante, Extremoz, Ielmo Marinho, Taipu
Distância até a capital 33 km
História
Fundação 6 de junho de 1755 (266 anos)
Aniversário 30 de julho
Administração
Prefeito(a) Julio Cesar Soares Camara[4] (PSD, 2021 – 2024)
Vereadores 15
Características geográficas
Área total 724,838 km²
População total (estimativa IBGE/2021[5]) 74 268 hab.
 • Posição RN: 6º
Densidade 102,5 hab./km²
Clima tropical atlântico
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[6]) 0,684 médio
PIB (IBGE/2018[7]) R$ 849 204,80 mil
PIB per capita (IBGE/2018[7]) R$ 11 617,19
Sítio https://cearamirim.rn.gov.br/ (Prefeitura)

Com área territorial de 740 km², sua população, conforme estimativas do IBGE de 2021, era de 74 268 habitantes.[5]

EtimologiaEditar

A etimologia da cidade de Ceará-Mirim permanece uma incógnita. Em seu livro "Nomes da Terra: História, Geografia e Toponímia do Rio Grande do Norte", o historiador Câmara Cascudo nos dá algumas alternativas propostas por outros historiadores, todas remontando à língua tupi[8]. José de Alencar sugere que o nome Ceará tenha origem na expressão tupi cê-ará, fala ou canta o papagaio. Teodoro Sampaio nos dá ceará ou cemo-ará, sai papagaio ou papagaio de saída, ou ainda papagaio da fonte ou do rio. Temos ainda as versões de Paulino Nogueira e João Brigido que sugerem, respectivamente, çoô-ará, verdadeiro tempo de caça e ciri-ará, caranguejo branco. Seus habitantes são chamados ceará-mirinenses.

HistóriaEditar

Inicialmente povoada por índios potiguares às margens do Ryo Seara[9], posteriormente rio Ceará-Mirim. Os potiguares fizeram seus primeiros contatos com o mundo ocidental através do comércio de pau-brasil com franceses e espanhóis. Posteriormente, com a consolidação da colonização do Brasil, foi ocupada pelos portugueses.

Desde sempre a varze do Ryo Seara (posteriormente Rio Ceará-Mirim) foi ocupada, pois eram terras proveitosas para o cultivo, e lá se instalaram lavouras e pequenas criações de gado. Por todo o século XVIII houve inúmeras sesmarias, dividindo completamente a região com maior ou menor utilidade para a agricultura, notadamente de proprietários de Extremoz[10]. Os primeiros engenhos de Ceará-Mirim surgiram posteriormente ao ano de 1840, mas em 1858, quando ocorreu a transferência da sede, havia notável desenvolvimento industrial e pecuário.

Na relação do Ouvidor Domingos Monteiro da Rocha[11], em junho de 1757, já se inclui a Povoação do Ceará-Mirim, onde diz-se "com bastantes moradores". A primeira escola surgiu apenas em 1858, instalada em Bôca da Mata, município de Extremoz. A primeira reunião em Câmara Municipal) ocorreu em 14 de outubro de 1858, na Vila do Ceará-Mirim[9]

A organização inicial da comunidade é atribuída ao líder Felipe Camarão, combatente na expulsão dos holandeses do Nordeste. No início do século XVII, suas terras são concedidas a vários donatários, dentre eles a Companhia de Jesus.

Os jesuítas fundam um convento na localidade conhecida como Guajirú, dando início à construção das primeiras edificações públicas. O município foi criado em 1767.

GeografiaEditar

O território de Ceará-Mirim equivale a 1,3725% da superfície estadual e cobre uma área 724,838 km², a décima oitava maior dentre todos os municípios potiguares. Faz parte da Região Metropolitana de Natal e está a 33 km de distância da capital estadual[12] e a 2 437 km da capital federal.[13] É limitado a norte por Maxaranguape, a sul São Gonçalo do Amarante, Extremoz e Ielmo Marinho, a leste novamente Extremoz e Maxaranguape, além do Oceano Atlântico, a oeste por Taipu.[14] Na divisão territorial do Brasil feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, Ceará-Mirim pertence às regiões geográficas intermediária e imediata de Natal.[3] Até então, na divisão em mesorregiões e microrregiões que vigorava desde 1989, o município fazia parte da microrregião de Macaíba, por sua vez uma das quatro subdivisões da mesorregião do Leste Potiguar.[15]

Com sua extensa área territorial, Ceará-Mirim possui um relevo variado, porém baixo, apresentando altitudes inferiores aos cem metros e baixas declividades. As áreas costeiras são caracterizadas pela existência de dunas de areia que formam a planície litorânea, modeladas pela ação do vento e originárias do período Quaternário. Essas planícies vão sendo, em direção ao interior do continente, sucedidas pelos tabuleiros costeiros ou planaltos rebaixados, constituídos por argila. As margens nos leitos dos rios constituem planícies fluviais, compostas de areia e cascalho. A maior parte do território municipal está inserido no Grupo Barreiras, formado por rochas do período Terciário Superior cobertas por arenitos.[14]

Assim como no relevo, a geologia é também variada, com diversos tipos de solo, sendo predominantes os latossolos (do tipo vermelho amarelo distrófico), os neossolos (areias quartzosas) e os gleissolos ou solos gley eutróficos, todos porosos e cada um deles com uma textura diferenciada. Os dois primeiros são bastante drenados, profundos e pouco férteis, enquanto o último, apesar de ter maior fertilidade, é mal drenado.[16] Outras classes de solo existentes são os solos indiscriminados de mangue, os luvissolos ou bruno não cálcicos e os planossolos.[17]

 
Fotografia panorâmica da praia de Porto-Mirim

Ceará-Mirim possui seu território incluído nas bacias hidrográficas dos rios Ceará-Mirim (que cobre 35% da área do município), Maxaranguape (31,99%) e Doce (24,78%), além da faixa litorânea leste de escoamento difuso (8,22%).[14] A cidade está localizada na margem sul do Rio Ceará-Mirim, que nasce em Lajes, na região central do Rio Grande do Norte, e percorre outros seis municípios até a comunidade de Barra do Rio, em Extremoz, onde deságua no Oceano Atlântico.[18] Outros rios que passam pelo território municipal são: Delfinos, dos Índios, Guajiru, do Mudo, Macaio, Matura de Cima, Raposo, Riachão e São Pedro, além dos riachos Caratá, Capela e da Goiabeira.[14] Ceará-Mirim possui 11,72 km de litoral,[19] que é formado pelas praias de Prainha, Muriú, Porto-Mirim e Jacumã.

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas
registrados em Ceará-Mirim por meses (INMET)[20]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 104 mm 23/01/2004 Julho 241,3 mm 30/07/1998
Fevereiro 148,5 mm 18/02/1981 Agosto 128,7 mm 08/08/2008
Março 111,4 mm 14/03/2014 Setembro 129,9 mm 09/09/2014
Abril 105,7 mm 03/04/1997 Outubro 99,1 mm 22/10/1971
Maio 148,6 mm 17/05/1972 Novembro 89,9 mm 09/11/1971
Junho 146,3 mm 15/06/2014 Dezembro 44,2 mm 23/12/2016
Período: 01/01/1971 a 26/03/2020

Ceará-Mirim está inserido no bioma da Mata Atlântica, cuja vegetação original foi, em sua maior parte, desmatada e substituída pela monocultura, principalmente de cana-de-açúcar, e pastagens. A Mata Atlântica varia entre os campos de várzea, que margeiam os cursos de água e também ocorrem nas áreas de várzeas úmidas, e as florestas subcaducifólias, cujas espécies se mantêm verdes na estação das chuvas e perdem suas folhas na época mais seca. Nas áreas costeiras existem os manguezais, que são ecossistemas de transição entre os ambientes terrestre e marinho sujeitos ao regime das marés, cujas espécies são halófilas, isto é, adaptadas para resistir à salinidade.[14]

O clima é tropical chuvoso quente com verão seco,[14] com chuvas concentradas entre no período de março a julho e elevados índices de umidade relativa do ar. O tempo médio de insolação é de aproximadamente 2 770 horas anuais.[21] Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de janeiro de 1971 a março de 2020, a menor temperatura registrada em Ceará-Mirim foi de 16,2 °C em 30 de agosto de 1998 e a maior atingiu 35,4 °C em 1 de março de 2005. O maior acumulado de precipitação em 24 horas alcançou 241,3 mm em 30 de julho de 1998, seguido por 153,8 mm em 2 de julho de 2008, 148,6 mm em 17 de maio de 1972, 148,5 mm em 19 de fevereiro de 1981, 146,3 mm em 16 de junho de 2014 e 146,2 mm em 17 de junho de 2007.[20]

Dados climatológicos para Ceará-Mirim
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 34,6 35 35,4 34,6 34,2 34 32,7 32,6 32,7 32,8 33,5 34,8 35,4
Temperatura máxima média (°C) 31,5 31,7 31,4 30,7 30,3 29,3 29 29,3 30,1 30,9 31,4 31,7 30,6
Temperatura média compensada (°C) 27 27 26,9 26,4 26 25 24,5 24,5 25,2 26 26,4 26,9 26
Temperatura mínima média (°C) 22,8 22,8 23 22,8 22,3 21,5 20,8 20,6 20,9 21,5 22 22,5 22
Temperatura mínima recorde (°C) 19 18,8 18,2 19,7 18,6 18,2 16,3 16,2 16,5 17,7 18,6 18 16,2
Precipitação (mm) 89,2 88,9 185,5 200,5 182,2 229,3 169,6 83,9 32,5 13,7 19,5 19,8 1 314,6
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 7 7 13 15 13 14 13 9 6 3 3 4 107
Umidade relativa compensada (%) 76,8 77,7 79,2 82,3 82,9 84 82,7 80,8 77,5 74,4 74,3 74,9 79
Horas de sol 238,3 216,1 215,4 190,6 208,7 180,2 201,3 234,2 255,2 277 273,5 279,4 2 769,9
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[21] recordes de temperatura: 01/01/1971 a 26/03/2020)[20]

DemografiaEditar

Crescimento populacional
Censo Pop.
187218 064
190010 865
192026 319142,2%
194021 765−17,3%
195025 73918,3%
196034 95935,8%
197037 9308,5%
198040 1065,7%
199152 15730,0%
200062 42419,7%
201068 1419,2%
Est. 202173 88674268[5]8,4%
Fonte: IBGE[22]

Com 68 141 habitantes no último censo demográfico, Ceará-Mirim era o sexto município mais populoso do estado do Rio Grande do Norte e o 437° do Brasil, com uma densidade demográfica de 94,07 hab/km². De acordo com o mesmo censo, 50,47% da população eram mulheres e 49,53% homens, tendo uma razão de sexo de aproximadamente 98 homens para cada cem mulheres, e 52,09% da população vivendo na zona urbana.[23][24] Quanto à faixa etária, 64,47% da população tinham entre 15 e 64 anos, 28,56% menos de quinze anos e 6,96% 65 anos ou mais.[25]

 
Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, padroeira de Ceará-Mirim e o maior tempo católico do Rio Grande do Norte[26]

Na pesquisa de autodeclaração, 63,52% dos habitantes se declararam pardos, 26,27% brancos, 8,44% pretos, 1,57% amarelos e 0,02% indígenas.[27] Com relação à nacionalidade, 99,98% eram brasileiros natos e 0,02% estrangeiros,[28] sendo 72,53% do total naturais do município (dos 96,35% nascidos no estado).[29] Dentre os naturais de outras unidades da federação, havia residentes de 20 estados diferentes, sendo os principais a Paraíba (1% dos habitantes), Pernambuco (0,82%) e São Paulo (0,53%).[30]

Ainda segundo o mesmo censo, 82,22% da população eram católicos apostólicos romanos, 12,96% protestantes e 3,55% não seguiam nenhuma religião. As outras denominações existentes somavam 1,27%.[31] Na Igreja Católica, a padroeira de Ceará-Mirim é padroeira Nossa Senhora da Conceição; a paróquia, que faz parte da Arquidiocese de Natal, foi criada em 6 de junho de 1847.[32] Dentre os credos protestantes/reformados, destaca-se a Assembleia de Deus, que abrangia 7,68% dos habitantes, seguido pela Igreja Batista (0,62%) e pela Igreja Universal do Reino de Deus (0,53%).[31]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era 0,616, estando na 63ª posição a nível estadual e na 3 371ª colocação a nível nacional. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é 0,774, o valor do índice de renda é 0,599 e o de educação 0,505.[6] Em 2010, 67,19% da população viviam acima da linha de pobreza, 18,85% entre as linhas de indigência e de pobreza e 13,96% abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, os 20% mais ricos acumulavam 54,66% do rendimento total municipal, enquanto os 20% mais pobres apenas 3,05%, sendo o valor do índice de Gini, que mede a desigualdade social, igual a 0,526. No período de 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até R$ 140 mensais reduziu em 43,18%.[33][34]

Política e administraçãoEditar

O primeiro administrador de Ceará-Mirim foi o coronel Felismino Dantas, que governou Ceará-Mirim como intendente por 21 anos, desde 1892 até 1913. Existiram na história do município cinco intendentes até a criação do cargo de prefeito, que fora ocupado pela primeira vez em 1930 por Cândido de Melo Pinto até o ano seguinte.[35] O atual chefe do executivo municipal é Júlio César Câmara, do Partido Social Democrático, eleito pela primeira vez em eleição suplementar realizada em dezembro de 2019[36] e reeleito em novembro de 2020.[37] O prefeito representa o poder executivo e é auxiliado pelo seu gabinete de secretários, sendo, em algumas ocasiões, substituído pelo vice-prefeito.[38]

A administração municipal também se dá por meio do poder legislativo, exercido pela câmara municipal, constituída por quinze vereadores (em observância do artigo 29 da Constituição). Dentre as atribuições da casa legislativa estão elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal, conhecido por lei de diretrizes orçamentárias. Tanto o prefeito quanto os vereadores são eleitos pelo voto direto para mandatos de quatro anos. O município se rege por lei orgânica, promulgada em 2 de abril de 1990 e atualizada por emendas posteriores.[38]

Existem também alguns conselhos municipais em atividade, sendo alguns deles: Alimentação Escolar, Assistência Social, Desenvolvimento Rural, Direitos da Criança e do Adolescente, Direitos da Pessoa Idosa, Direitos da Pessoa com Deficiência, Educação, FUNDEB, Habitação, Meio Ambiente, Saúde e Tutelar.[39][40][41] Ceará-Mirim possui uma comarca do poder judiciário estadual, de entrância intermediária, que tem como o termo o município de Taipu.[42] Pertence à 6ª zona eleitoral do Rio Grande do Norte, possuindo, em dezembro de 2020, 50 697 aptos a votar, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), equivalente a 2,155% do eleitorado potiguar.[43]

BairrosEditar

Nome
Barro Vermelho
Bela Vista
Centro
Cinco Bocas
Conjunto Camurupim
João de Barro
Loteamento Guararapes
Loteamento São José
Luiz Varella (COHAB)
Maninho Barretto
Nova Ceará-Mirim
Nova Conquista
Nova Descoberta
Novo Horizonte
Novos Tempos
Paraíba
Passa e Fica
Planalto
Residencial Otávio Praxedes
Santa Águeda
São Geraldo
Vale do Amanhecer
Verdes Canaviais

Infraestrutura básicaEditar

 
Estação Ferroviária de Ceará-Mirim da Estrada de Ferro Central do Rio Grande do Norte, 1906. Arquivo Nacional

O serviço de abastecimento de água de Ceará-Mirim é realizado pela Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE)[44] e a concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), do Grupo Neoenergia, presente em todos os municípios potiguares.[45] A voltagem nominal da rede é de 220 volts.[46] Em 2010, o município possuía 92,85% dos mais de 17 mil domicílios com água encanada,[47] 99,14% com eletricidade[48] e 62,33% com coleta de lixo.[49]

O código de área (DDD) de Ceará-Mirim é 084[50] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 59570-000.[51] Há cobertura de quatro operadoras de telefonia: Claro,[52] Oi,[53] TIM[54] e Vivo,[55] sendo Oi e Vivo em 3G e a demais 4G. Em 2010, de acordo com o IBGE, 67,84% domicílios do município tinham apenas telefone celular, 11,87% celular e telefone fixo, 1,24% apenas o fixo e 19,05% não possuíam nenhum.[56]

A frota municipal no ano de 2020 era de 20 995 veículos, sendo cerca de 80% formado por automóveis e motocicletas.[57] Por Ceará-Mirim passam as rodovias federais BR-101 e BR-406 e as rodovias estaduais, entre elas: RN-064, RN-160 e RN-309.[58] No transporte ferroviário, é servido pela linha norte do Sistema de Trens Urbanos de Natal,[59] possuindo três estações: Ceará-Mirim, Lagoa Grande e Massangana.

Feriados municipaisEditar

O seguintes dias são feriados no município de Ceará-Mirim[60]:

  • 30 de julho – aniversário de emancipação política do município
  • 8 de dezembro – dia da padroeira no município (Nossa Senhora da Conceição)

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Dicionário Aulete». www.aulete.com.br 
  2. «Dicionário Houaiss». houaiss.uol.com.br 
  3. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  4. Prefeito e vereadores de Ceará-mirim tomam posse Portal G1 - acessado em 2 de janeiro de 2021
  5. a b c «Estimativa populacional 2021 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2021. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  6. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Consultado em 4 de setembro de 2013 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  8. Nomes da Terra: História, Geografia e Toponímia do Rio Grande do Norte, Câmara Cascudo, pág. 82
  9. a b Nomes da Terra: História, Geografia e Toponímia do Rio Grande do Norte, Câmara Cascudo, pág. 172
  10. Nomes da Terra: História, Geografia e Toponímia do Rio Grande do Norte, Câmara Cascudo, pág. 171
  11. «Documentos manuscritos avulsos da Capitania de Pernambuco». books.google.com.br 
  12. «Distância de Ceará-Mirim a Natal». Consultado em 5 de julho de 2021 
  13. «Distância de Ceará-Mirim a Brasília». Consultado em 5 de julho de 2021 
  14. a b c d e f Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA) (2013). «Ceará-Mirim» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021 
  15. IBGE (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 44–45. Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2017 
  16. IDEMA-RN (2008). «CEARÁ-MIRIM» (PDF). Consultado em 13 de junho de 2015. Cópia arquivada em 13 de junho de 2015 
  17. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) (1971). «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Ceará-Mirim, RN» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  18. «Idema faz levantamento em municípios da Bacia do Rio Ceará-Mirim». Tribuna do Norte. 1 de setembro de 2011. Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2017 
  19. IBGE (2020). «Anuário Estatístico do Brasil» (PDF). Consultado em 5 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  20. a b c INMET. «Estação: CEARÁ-MIRIM (82596)». Consultado em 5 de julho de 2021 
  21. a b Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Consultado em 24 de março de 2018 
  22. IBGE. «Evolução da população, segundo os municípios» (PDF). Consultado em 6 de julho de 2021 
  23. IBGE (2010). «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo». Consultado em 6 de julho de 2021 
  24. IBGE (2010). «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Consultado em 6 de julho de 2021 
  25. «Ceará-Mirim, RN». Consultado em 6 de julho de 2021 
  26. «A Paróquia de Nossa Senhora da Conceição». 26 de fevereiro de 2011. Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2018 
  27. IBGE (2010). «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Características Gerais da População». Consultado em 6 de julho de 2021 
  28. IBGE (2010). «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade». Consultado em 6 de julho de 2021 
  29. IBGE (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação». Consultado em 6 de julho de 2021 
  30. IBGE (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 6 de julho de 2021 
  31. a b IBGE (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 6 de julho de 2021 
  32. «Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Ceará-Mirim». Consultado em 6 de julho de 2021 
  33. «ODS 01 Erradicação da pobreza». Consultado em 6 de julho de 2021 
  34. «ODS 10 Redução de desigualdades». Consultado em 6 de julho de 2021 
  35. ANDRÉ NETO, João (30 de abril de 2016). «TODOS OS PREFEITOS DE CEARÁ-MIRIM». Consultado em 6 de julho de 2021 
  36. «Júlio César Câmara, do PSD, é eleito prefeito de Ceará-Mirim neste domingo, 1». Tribuna do Norte. 1 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2019 
  37. «Na Grande Natal, três prefeitos foram reeleitos». Tribuna do Norte. 16 de novembro de 2020. Consultado em 6 de julho de 2021 
  38. a b «Lei Orgânica do Município de Ceará-Mirim» (PDF). Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2021 
  39. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2017». Consultado em 6 de julho de 2021 
  40. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2018». Consultado em 6 de julho de 2021 
  41. IBGE. «MUNIC - Perfil dos Municípios Brasileiros 2019». Consultado em 6 de julho de 2021 
  42. «LEI COMPLEMENTAR Nº 643, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2018». Consultado em 5 de julho de 2021 
  43. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «Estatísticas do eleitorado – Consulta por município/zona eleitoral». Consultado em 5 de julho de 2021 
  44. «SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgoto». Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 10 de junho de 2011 
  45. «COSERN». Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  46. Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) (11 de março de 2016). «Tensões Nominais». Consultado em 6 de julho de 2021 
  47. IBGE (2010). «Tabela 2065 - Domicílios particulares permanentes, por existência de água canalizada e forma de abastecimento de água». Consultado em 6 de julho de 2021 
  48. IBGE (2010). «Tabela 3217 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, por situação do domicílio, segundo a forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Consultado em 6 de julho de 2021 
  49. IBGE (2010). «Tabela 3503 - Domicílios particulares permanentes, por tipo de material das paredes externas, segundo o número de cômodos, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água, o destino do lixo, a existência de energia elétrica e a existência de alguns bens duráveis». Consultado em 6 de julho de 2021 
  50. «Listas de códigos DDD da região Rio Grande do Norte (RN)». Consultado em 6 de julho de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2012 
  51. «CEP 59570-000». Consultado em 6 de julho de 2021 
  52. «Mapa de cobertura Claro». Consultado em 6 de julho de 2021 
  53. «Mapa de Cobertura». Consultado em 6 de julho de 2021 
  54. «Mapa de Cobertura». Consultado em 6 de julho de 2021 
  55. «Área de cobertura». Consultado em 6 de julho de 2021 
  56. IBGE (2010). «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Consultado em 6 de julho de 2021 
  57. IBGE (2020). «Frota de veículos». Consultado em 6 de julho de 2021 
  58. Ministério dos Transportes (2013). «Mapa multimodal do Rio Grande do Norte» (PDF). Consultado em 6 de julho de 2021 
  59. «Natal». Consultado em 6 de julho de 2021 
  60. «Ministério Público do RN: feriados municipais» (PDF). Sítio do MPRN. Consultado em 10 de junho de 2017