Abrir menu principal

Eleições estaduais na Paraíba em 1990

As eleições estaduais na Paraíba em 1990 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados brasileiros. Foram eleitos o governador Ronaldo Cunha Lima, o vice-governador Cícero Lucena, o senador Antônio Mariz, 12 deputados federais e 36 estaduais. Como nenhum candidato a governador atingiu metade mais um dos votos válidos, houve um segundo em 25 de novembro e segundo a Constituição, o governador tomaria posse em 15 de março de 1991 para um mandato de quatro anos sem direito a reeleição.[1][nota 1][2]

1986 Brasil 1994
Eleições estaduais na  Paraíba em 1990
3 de outubro de 1990
(Primeiro turno)
25 de novembro de 1990
(Segundo turno)
Ronaldo Cunha Lima.jpg Male portrait placeholder cropped.jpg
Candidato Ronaldo Cunha Lima Wilson Braga
Partido PMDB PDT
Natural de Guarabira, PB Conceição, PB
Vice Cícero Lucena Enivaldo Ribeiro
Votos 704.375 571.802
Porcentagem 55,19% 44,81%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

Durante o Regime Militar de 1964 o MDB triunfou sobre a ARENA na maioria das eleições para senador e atingiu um número significativo de deputados federais e estaduais até o fim do bipartidarismo quando o PMDB viu sua chapa sofrer uma derrota em 1982 ante o PDS que fez Wilson Braga governador, José Carlos da Silva Júnior vice-governador e Marcondes Gadelha senador. Com a Nova República o PMDB assistiu ao embate entre Wilson Braga e Tarcísio Burity pelo controle do PFL e com a vitória do primeiro restou a Burity o ingresso no PTB.[3][4] Graças a essa desavença entre antigos correligionários o PMDB recebeu o apoio de Braga e elegeu Antônio Carneiro Arnaud prefeito de João Pessoa em 1985, entretanto no ano seguinte ofereceu sua legenda a Tarcísio Burity que se elegeu governador da Paraíba numa disputa com Marcondes Gadelha enquanto Wilson Braga perdia a eleição para senador naquele ano de 1986.[5][2]

Encerrada a apuração o advogado Ronaldo Cunha Lima foi eleito governador da Paraíba ao vencer Wilson Braga em segundo turno. Natural de Guarabira, ele é formado na Universidade Federal da Paraíba e iniciou sua carreira política como vereador em Campina Grande e em 1962 foi eleito deputado estadual pelo PTB[6] reelegendo-se via MDB em 1966. Dois anos depois foi eleito prefeito de Campina Grande, mas teve o mandato cassado pelo Ato Institucional Número Cinco e após isso foi morar no Rio de Janeiro só retornando à política em 1982 quando foi eleito para um novo mandato como prefeito de Campina Grande pelo PMDB. Sua chegada ao Palácio da Redenção fez da Paraíba o único estado governado pelo PMDB em todo o Nordeste e embora a legenda tenha elegido Tarcísio Burity em 1986, foi a primeira vez que um político originário do MDB venceu a disputa pelo executivo paraibano. Sobre Tarcísio Burity ele se filiou ao PRN e apoiou, sem sucesso, a candidatura de João Agripino Maia.[nota 2][7][8][9]

Outro vencedor foi o engenheiro civil Cícero Lucena. Natural de São José de Piranhas e primo de Humberto Lucena, formou-se na Universidade Federal da Paraíba e trabalhou numa empresa de construção civil e terraplanagem como diretor financeiro antes do ingresso na política. Filiado ao PMDB foi eleito vice-governador da Paraíba na chapa de Ronaldo Cunha Lima em 1990 e nos últimos meses de mandato assumiu o governo estadual quando o titular pediu licença para tratar de um assunto de caráter pessoal e depois foi efetivado quando Cunha Lima renunciou para eleger-se senador.[10]

Na eleição para senador o vitorioso foi Antônio Mariz. Nascido em João Pessoa e diplomado em Ciência Política na Universidade de Nancy, graduou-se advogado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e desempenhou as funções de promotor de justiça adjunto em cidades potiguares e paraibanas até assumir a subchefia da Casa Civil no governo Pedro Gondim em 1962.[nota 3] Eleito prefeito de Sousa via PTB em 1963, ocupou o cargo até o fim do mandato embora tenha sido preso brevemente por ocasião do Regime Militar de 1964. Nomeado promotor de justiça em Itabaiana[nota 4] foi secretário de Educação no governo João Agripino.[11] Eleito deputado federal pela ARENA em 1970, 1974 e 1978, foi derrotado por Tarcísio Burity na convenção que indicou o candidato arenista ao governo em 1978 e após a reforma partidária migrou para o PP e a seguir para o PMDB sendo derrotado ao disputar o governo estadual em 1982.[12] Nomeado para uma diretoria do Banco Nacional da Habitação no primeiro ano de José Sarney na Presidência da República, deixou o cargo em 1986 quando foi eleito deputado federal e participou da elaboração da Constituição de 1988. Em 1990 foi eleito senador pela Paraíba e quatro anos depois venceu a eleição para governador.[1][13]

Diante da posterior renúncia de Antônio Mariz a representação paraibana recebeu o ingresso de Ney Suassuna. Natural de Campina Grande e morador do Rio de Janeiro desde 1965, presidiu a Associação Comercial da Barra da Tijuca[14] e dentre seus negócios como empresário estão o Colégio Anglo-Americano e participações nos setores de construção civil e construção naval. Formado em Pedagogia pela Faculdade Castelo Branco, ingressou na Universidade Federal do Rio de Janeiro onde se graduou em Administração e Economia. Assessor técnico do Ministério do Planejamento durante grande parte do Regime Militar de 1964, foi derrotado ao candidatar-se a senador pela Paraíba via PMDB em 1982, mas em 1990 foi eleito primeiro suplente na chapa de Antônio Mariz.[15]

Resultado da eleição para governadorEditar

Primeiro turnoEditar

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba foram apurados 1.150.025 votos nominais (77,58%), 202.478 votos em branco (13,66%) e 129.946 votos nulos (8,76%) resultando no comparecimento de 1.482.449 eleitores.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Wilson Braga
PDT
Enivaldo Ribeiro
PFL
12
Coligação Democrática Progressista
(PDT, PFL, PTB, PL, PSC, PTR)
498.763
43,37%
Ronaldo Cunha Lima
PMDB
Cícero Lucena
PMDB
15
Paraíba Sim Senhor
(PMDB, PST, PSDB)
462.562
40,22%
João Agripino Maia
PDS
João Rafael de Aguiar
PRN
11
PDS, PRN
137.487
11,96%
Genival França
PT
Emília Correia Lima
PT
13
PT, PSB, PCB, PCdoB
44.719
3,89%
Juracy Palhano
PDC
João Ariosvaldo Pereira da Silva
PDC
17
PDC (sem coligação)
6.494
0,56%
  Segundo turno

Segundo turnoEditar

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba foram apurados 1.276.177 votos nominais (90,92%), 31.417 votos em branco (2,24%) e 95.946 votos nulos (6,84%) resultando no comparecimento de 1.403.540 eleitores.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Ronaldo Cunha Lima
PMDB
Cícero Lucena
PMDB
15
Paraíba Sim Senhor
(PMDB, PSDB)
704.375
55,19%
Wilson Braga
PDT
Enivaldo Ribeiro
PFL
12
Coligação Democrática Progressista
(PDT, PFL, PTB, PL, PSC, PTR)
571.802
44,81%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senadorEditar

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba houve 893.486 votos nominais (60,27%), 469.352 votos em branco (31,66%) e 119.611 votos nulos (8,07%) resultando no comparecimento de 1.482.449 eleitores.[2][nota 5]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Antônio Mariz
PMDB
Ney Suassuna
PMDB
151
Paraíba Sim Senhor
(PMDB, PSDB)
490.376
54,88%
Marcondes Gadelha
PFL
Maurício Leite
PFL
251
Coligação Democrática Progressista
(PDT, PFL, PTB, PL, PSC, PTR)
296.278
33,16%
Joacil Pereira
PDS
Rildo Cavalcanti Fernandes
PDS
111
PDS, PRN
60.706
6,80%
Paulo de Araújo Neto
PSB
Alberto Magno
PSB
401
PT, PSB, PCB, PCdoB
29.511
3,30%
Francisco Asfora
PDC
José Palhano Freire
PDC
171
PDC (sem coligação)
16.615
1,86%

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados. Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997 quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[16][17]

Deputado federal eleito Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Lúcia Braga PDT 67.462 9,08% João Pessoa   Paraíba
Ivan Burity PDS 44.466 5,98% João Pessoa   Paraíba
Ivandro Cunha Lima PMDB 44.231 5,95% Guarabira   Paraíba
Rivaldo Medeiros PDS 39.473 5,31% Patos   Paraíba
Vital do Rego PDT 33.468 4,50% Campina Grande   Paraíba
Adauto Pereira PFL 30.456 4,10% Pombal   Paraíba
Efraim Morais PFL 30.308 4,08% Santa Luzia   Paraíba
Evaldo Gonçalves PFL 29.569 3,98% São João do Cariri   Paraíba
Francisco Evangelista PDT 27.307 3,68% Alexandria   Rio Grande do Norte
José Maranhão PMDB 25.860 3,48% Araruna   Paraíba
José Luiz Clerot PMDB 25.106 3,38% Mamanguape   Paraíba
Zuca Moreira PMDB 22.105 2,98% Cajazeiras   Paraíba

Deputados estaduais eleitosEditar

36 deputados estaduais foram eleitos para a legislatura 1991-95. As vagas foram assim distribuídas: 9 para o PFL, 8 para PDS, PMDB e PDT, 1 para PT e PCdoB.

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Deusdete Queiroga Filho PDS 23.131 2,69% João Pessoa   Paraíba
Armando Abílio PFL 20.205 2,35% Itaporanga   Paraíba
Nominando Diniz PDS 18.755 2,18% Princesa Isabel   Paraíba
Carlos Dunga PDS 17.464 2,03% Pombal   Paraíba
Valdecir Amorim PDS 15.911 1,85% Teixeira   Paraíba
Gervásio Maia PDS 15.446 1,79% Catolé do Rocha   Paraíba
Djaci Brasileiro PDT 15.086 1,75% Itaporanga   Paraíba
Zenóbio Toscano PMDB 14.936 1,73% Ingá   Paraíba
Walter Brito PDS 14.042 1,63% Campina Grande   Paraíba
Levi Olímpio PMDB 13.828 1,61% São Bentinho   Paraíba
Dr. Lauri PDT 13.386 1,55% Brejo dos Santos   Paraíba
Nilo Feitosa PFL 13.336 1,55% Monteiro   Paraíba
Milton Lúcio PFL 13.132 1,52% São Bento   Paraíba
Álvaro Neto PFL 12.375 1,44% Campina Grande   Paraíba
Dr. Bosco PMDB 12.027 1,4% João Pessoa   Paraíba
Vani Braga PDT 11.864 1,34% Conceição   Paraíba
Tião Gomes PDT 11.822 1,37% Pombal   Paraíba
Zé Feliciano PMDB 11.633 1,35% Sapé   Paraíba
Múcio Sátyro PDS 11.349 1,32% Patos   Paraíba
Afrânio Bezerra PFL 11.029 1,28% João Pessoa   Paraíba
José Lacerda Neto PFL 11.013 1,28% São José de Piranhas   Paraíba
Roberto Burity PDS 10.982 1,27% João Pessoa   Paraíba
Antônio Ivo PDS 10.734 1,25% João Pessoa   Paraíba
Arnóbio Viana PDT 10.525 1,22% Solânea   Paraíba
Aércio Pereira PFL 10.519 1,22% Pombal   Paraíba
Ademir Morais PDT 10.410 1,21% Santa Luzia   Paraíba
Egídio Madruga PFL 10.316 1,2% Pedras de Fogo   Paraíba
Terezinha Pessoa PFL 10.199 1,18% Currais Novos   Rio Grande do Norte
Tarcísio Marcelo PDT 10.099 1,17% João Pessoa   Paraíba
Ivânio Ramalho PMDB 9.961 1,16% Patos   Paraíba
Pedro Adelson PDT 9.654 1,12% Esperança   Paraíba
José Aldemir PMDB 9.613 1,12% Cajazeiras   Paraíba
Fernando Melo PMDB 7.590 0,88% Guarabira   Paraíba
Gilvan Freire PMDB 15.027 0,83% São Mamede   Paraíba
Simão Almeida PCdoB 4.538 0,53% João Pessoa   Paraíba
Chico Lopes PT 4.482 0,52% Itaporanga   Paraíba

Notas

  1. A posse dos governadores eleitos em 1990 foi determinada pelo Art. 4º, § 3º do Ato das Disposições Constituições Transitórias, exceto no Amapá, Distrito Federal e Roraima, que empossaram seus mandatários em 1º de janeiro de 1991 conforme o Art. 28 da Carta Magna.
  2. A cassação de Ronaldo Cunha Lima levou à efetivação do vice-prefeito Orlando Augusto César de Almeida, mas este seria afastado pelos militares que empossaram o General Manoel Paz de Lima como interventor.
  3. No Rio Grande do Norte trabalhou em Arês, Martins e Natal e na Paraíba atuou em São João do Cariri e São João do Rio do Peixe.
  4. Cidade paraibana homônima à de Sergipe.
  5. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.

Referências

  1. a b «BRASIL. Presidência da República: Constituição de 1988». Consultado em 17 de julho de 2017 
  2. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 17 de julho de 2017 
  3. Burity não aceita Braga e sai do PFL (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 27/02/1985. Primeiro caderno, p. 02. Página visitada em 17 de julho de 2017.
  4. Estratégia do PTB é modesta (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 18/03/1986. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 17 de julho de 2017.
  5. Braga domina três partidos e sonha em ser vice-presidente (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 25/11/1985. Primeiro caderno, p. 02. Página visitada em 17 de julho de 2017.
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Ronaldo Cunha Lima». Consultado em 17 de julho de 2017 
  7. «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 17 de julho de 2014 
  8. Braga diz que agora é de esquerda (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 18/11/1990. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 18 de julho de 2017.
  9. PMDB decide ser oposição e promete punir adesista (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/01/1990. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 19 de julho de 2017.
  10. «Senado Federal do Brasil: senador Cícero Lucena». Consultado em 17 de julho de 2017 
  11. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Antônio Mariz». Consultado em 17 de julho de 2017 
  12. PP e PMDB decidem unir-se (online). Folha de S. Paulo, 21/12/1981. Página visitada em 18 de julho de 2014.
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Antônio Mariz». Consultado em 17 de julho de 2017 
  14. A associação emergente da Barra (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 26/03/1995. Cidade, p. 18. Página visitada em 18 de julho de 2017.
  15. «Senado Federal do Brasil: senador Ney Suassuna». Consultado em 17 de julho de 2017 
  16. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 18 de julho de 2014. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  17. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 18 de julho de 2014