Abrir menu principal

Noronha

Família Noronha
(Redirecionado de Noronha (apelido))

Origens históricasEditar

Família das mais ilustres da Península Ibérica, tem raízes toponímicas, sendo o nome tirado da vila de Noreña em Astúrias, outorgada em condado pelo rei D. Henrique II de Castela, Rei de Castela, ao seu filho natural Afonso Henriques, conde de Gijón e Noronha havido antes do casamento em Elvira Íñiguez.

D. Afonso, conde de Noreña e Gijón, nasceu em Burgos em 1378 tendo casado com D. Isabel de Portugal, senhora de Viseu, filha natural do rei D. Fernando I de Portugal.

Todos os filhos deste casal passaram a Portugal na primeira metade do século XV, sendo órfãos e menores, chamados por seu tio D. João I, onde foram providos de grandes casas e ricos senhorios.

O primogénito, D. Pedro de Noronha, foi arcebispo de Lisboa e teve filhos legitimados por carta real, com geração, nomeadamente, nos condes dos Arcos e marqueses de Angeja. O seu irmão D. Fernando casou com a filha herdeira do primeiro conde de Vila Real, Dona Brites de Menezes.

 
Armas de D. Pedro de Menezes no contrato de dote de 1431

Deste casamento descendem, em linha directa, os Noronha-Menezes, ou seja as famílias que usaram sucessivamente os títulos de Marquês de Vila Real, Conde de Linhares, Conde de Valadares, Marquês de Torres Novas e Conde de Parati. Outro, D. Sancho de Noronha, foi o 1º conde de Odemira. A única filha, D. Constança de Noronha, foi duquesa de Bragança pelo casamento.

Passaram aos Açores, Ilha Terceira, no século XVI na pessoa de D. Luísa de Noronha, filha de Pedro Ponce Leão, fidalgo da Casa Real e veador-mor da raínha D. Catarina, e de D. Helena de Noronha, da nobilíssima geração dos Noronhas.

Tinha esta família o seu solar na cidade de Angra, no alto da Rua do Gallo (hoje denominada de D. Amélia), no sítio onde actualmente existe o Palacete Silveira e Paulo que foi pertença do comendador João Jorge da Silveira e Paulo.

Existem outras famílias de nome Noronha que não têm esta origem. Todavia, as famílias radicadas ou com origem em Aveiro e Viseu - D. António de Menezes, neto de D. António de Noronha, 1° Conde de Linhares, foi Alcaide-Mor de Viseu, aliás como seu filho primogénito D. Pedro de Menezes, tio do 1° Conde de Valadares - desde a primeira metade do século XV com sobrenome Noronha têm proveniência na verdadeira génese do nome.

Famílias variantesEditar

Atualmente, há várias famílias que provêem do radical de Noronha: de Albuquerque de Noronha, de Noronha Demony, de Noronha de Brito, de Noronha Dias, de Noronha de Alarcão, de Sena de Noronha, de Noronha de Paiva Couceiro, da Gama Lobo de Noronha, de Noronha e Távora ou de Tovar e Noronha, de Noronha Osório, Côrte-Real de Noronha, de Sousa e Noronha, de Noronha e Meneses, de Noronha de Lima, de Noronha Xavier, de Noronha do Nascimento, de Saldanha e Noronha, Pinto de Noronha, de Sá de Noronha, Joya de Noronha, de Matos e Noronha, Barradas de Noronha entre outras.

 
Escudo de Brasão da família Noronha.

Brasão da família NoronhaEditar

Escudo esquartelado, sendo os primeiro e quarto de prata, cinco escudetes de azul postos em cruz, cada qual carregado de cinco besantes do campo, postos em aspa; bordadura de vermelho, carregada de sete castelos de ouro; os segundo e terceiro um castelo de ouro, aberto, iluminado e lavrado de azul, mantelado de prata, dois leões afrontados de púrpura, armados e lampassados de vermelho; bordadura composta de ouro e veiros, de dezoito peças. Timbre: um leão do escudo sainte.

Armas da família Noronha-MenezesEditar

 
Armas dos Condes depois Marqueses de Vila Real

Descrição das armas representadas:

— Esquartejado : o I e IV de prata, cinco escudetes de azul em cruz, cada um carregado de cinco besantes do campo, bordadura de vermelho, carregada de sete castelos de oiro; o II e III de vermelho, castelo de oiro, com portas, frestas e lavrado de azul, o campo mantelado de prata, com dois leões batalhantes de púrpura, armados e linguados de vermelho, bordadura de escaques de oiro e veiros de dezasseis peças; sobre o todo: cortado de um traço, partido de dois, o que faz seis quartéis: o I de azul, estoque de prata, empunhado de oiro; o II, IV e VI de oiro, quatro palas de vermelho; o III e V de vermelho, duas onças passantes e sotopostas de oiro, mosqueadas de negro; sobre o todo do todo, de oiro liso.

— Estas armas representam as da Casa de Vila Real (Noronhas) tendo sobrepostas as assumidas pelo 1.° Conde de Vila Real, conforme estão pintadas no contrato de casamento de sua filha D. Beatriz com D. Fernando de Noronha e o primeiro quartel das últimas substituído pelo emblema da Capitania de Ceuta.

Ao longo dos séculos os Noronhas foramEditar

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • "Nobiliário da Ilha Terceira", Eduardo de Campos de Castro de Azevedo Soares, 2ª Edição Volume II, edit. 1944;
  • "Armorial Lusitano - Genealogia e Heráldica", Doutor Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, Lisboa, 1961.

Ligações externasEditar