Abrir menu principal
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Barbra Streisand
Barbra Streisand em 2013
Informação geral
Nome completo Barbara Joan Streisand
Também conhecido(a) como Babs, Miss Barbra Streisand, Ms. Streisand
Nascimento 24 de abril de 1942 (77 anos)
Origem Williamsburg, Brooklyn, New York
País  Estados Unidos
Gênero(s)
Instrumento(s) Voz
Modelos de instrumentos Mezzo-soprano
Período em atividade 1957-presente
Outras ocupações Atriz, Diretora, Produtora
Gravadora(s) Sony
Afiliação(ões) Neil Diamond, Donna Summer, Frank Sinatra, Celine Dion, Bryan Adams e Barry Gibb
Barbra Streisand
Ocupação Atriz, Diretora, Produtora, Cantora
Atividade 1968 - presente
Cônjuge James Brolin (1998 - presente)
Elliott Gould (1963 - 1971)
Oscares da Academia
Melhor Atriz Principal
1969 - Funny Girl
Melhor Canção Original
1977 - A Star Is Born
Emmys
Melhor Realização Individual
1965 - My Name Is Barbra
Outstanding Program Achievement
1965 - My Name Is Barbra
Outstanding Variety, Music or Comedy Special
1995 - Barbra Streisand: The Concert
Outstanding Individual Performance in a Variety or Music Program
1995 - Barbra Streisand: The Concert
Outstanding Special Class Special
2001 - Reel Models: The First Women of Film
Outstanding Individual Performance in a Variety or Music Program
2001 - Timeless: Live in Concert
Tonys
Tony Award
1970 - Special Tony Award: Star of the decade
Globos de Ouro
Melhor Filme Comédia ou Musical
1984 - Yentl
Melhor Direção
1984 - Yentl
Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1977 - A Star Is Born
1969 - Funny Girl
Melhor Canção Original
1977 - A Star Is Born
Prémio Cecil B. DeMille
2000 - Prêmio Honorário
Página oficial

Barbara Joan Streisand, (Brooklyn, Nova Iorque, 24 de abril de 1942), conhecida como Barbra Streisand, é uma cantora, compositora, atriz, diretora e produtora cinematográfica norte-americana, de origem judaica, vencedora de 2 Oscars, tendo sido indicada para mais três estatuetas. Ela divide com Cher o diferencial de ter sido premiada com o Oscar de Melhor Atriz e também o de ter um single número um no Hot 100 da Billboard. Ela ganhou dois Oscar,[1] quinze Grammy,[2] seis Prêmios Emmy,[3] um prémio Tony especial, um American Film Institute[4], seis People's Choice, onze Golden Globe, três Peabody, um Cable ACE e um Directors Guild of America.

Barbra é uma das artistas mais bem sucedidas, tanto comercialmente como de crítica, na história do entretenimento norte-americano, com mais de 72,5 milhões de álbuns vendidos nos Estados Unidos e 152,5 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo.[5][6] Barbra Streisand é uma das poucas estrelas do show business a conquistar prémios em diversas áreas da arte - Oscar (cinema; 2), Grammy (música; 15), Tony (teatro; 1) e Emmy (televisão; 6). Ela foi também a primeira mulher a, simultaneamente, produzir, dirigir, escrever e atuar em um filme ("Yentl", de 1983).

Ela iniciou a sua carreira em 1962 com a peça da Broadway "I Can get it For you Wholesale". O seu primeiro disco, The Barbra Streisand Album, foi lançado em 1963 e premiou-a com dois Prémios Grammy. Barbra possui uma voz poderosa e imprime uma interpretação dramática às músicas que grava, especialmente nas baladas românticas. Fez duetos com artistas como Neil Diamond, Donna Summer, Frank Sinatra, Celine Dion, Bryan Adams, Burt Bacharach e Barry Gibb.

A sua estreia no cinema foi em 1968, com o musical Funny Girl e sua atuação rendeu-lhe o Oscar de melhor atriz. Foi indicada também pelo filme Nosso Amor de Ontem, em 1973. Também ganhou o Oscar de melhor canção original pelo filme Nasce uma Estrela em 1976. Em 1964, casou-se com o ator Elliot Gouldy com quem teve o seu único filho, Jason, mas o divórcio veio logo após conquistar o Oscar de melhor atriz. Depois de vários romances, Barbra casou-se em 1998 com o ator e diretor James Brolin.

O trabalho de Barbra Streisand como compositora também foi reconhecido ao ter algumas de suas canções incluídas no Great American Soundbook, sendo considerado o cânone das composições mais famosas da cultura popular dos Estados Unidos no século XX.

Barbra recebeu também condecorações civis do governo. No ano 2000 foi agraciada com a National Medal of Arts, concedida pelo Congresso dos Estados Unidos a artistas em "especial reconhecimento pela extraordinária contribuição à excelência, crescimento, apoio e disponibilidade das artes nos Estados Unidos."[7]. Em 2007 Barbra recebeu a comenda Ordem Nacional da Legião de Honra do presidente da França[8]. Em 2008 recebeu o Prêmio Kennedy pelo seu trabalho[9]. Já no ano de 2015 a artista recebeu do então presidente Barack Obama a Medalha Presidencial da Liberdade[10], nas categoria "música" e "teatro/cinema".

A RIAA e a Billboard reconhecem Streisand como detentora do recorde de artista feminina que conquistou mais álbuns Top10 da história: um total de 34 desde 1963[11]. De acordo com a Billboard, Streisand detém o recorde para artista feminina que mais vezes conquistou álbum número um, totalizando 11 vezes[12]. A Billboard também reconhece Streisand como a maior mulher de todos os tempos em sua tabela Billboard 200 e um dos maiores artistas de todos os tempos em sua tabela Hot 100[13].

Afirma a Billboard que Streisand é a única artista a ter um álbum número um em cada uma das últimas seis décadas[14], tendo lançado 53 álbuns de ouro, 31 álbuns de platina e 14 álbuns multi-platina nos Estados Unidos[15].

Primeiros anosEditar

 
Barbra Streisand em 1962

Barbara Joan Streisand nasceu em 24 de abril de 1942, em Brooklyn, Nova York, numa família de judeus, filha de Emmanuel e Diana Streisand. É a segunda de dois filhos por parte do pai Emmanuel, um professor de uma escola respeitada. Quinze meses após o nascimento de Streisand, Emmanuel morreu de uma hemorragia cerebral e a família quase foi a falência.[16]

A carreira de Barbra Streisand começou quando ela se tornou uma cantora de boate, durante a sua adolescência. Ela queria ser atriz e apareceu em várias produções teatrais, incluindo Driftwood em 1959, com a então desconhecida Joan Rivers. Driftwood durou apenas seis semanas.[17] Quando o seu namorado, Barry Dennen, ajudou a criar um clube de música chamado O Leão começou o seu sucesso como cantora. Enquanto cantava em O Leão ao longo de várias semanas, ela mudou o seu nome de Barbara para Barbra.

A primeira aparição de Streisand na televisão foi em The Tonight Show, apresentado por Jack Paar. Começou, então, a fazer sucesso na televisão e assim ganhou o seu primeiro papel na Broadway, com uma pequena participação. Decidiu, então, lançar o seu primeiro álbum, The Barbra Streisand Album, que ganhou dois Grammy Awards (Álbum do Ano e Melhor Performance Vocal Feminina) em 1963. Após o seu sucesso com The Barbra Streisand Album, Streisand fez várias aparições no The Tonight Show em 1962 e 1963.

Streisand voltou à Broadway em 1964 com uma atuação aclamada como Fanny Brice em Funny Girl. Por causa do sucesso da peça, ela apareceu na capa da Time, e em 1968 apareceu na adaptação cinematográfica de Funny Girl que lhe deu o Oscar de melhor atriz.

Carreira musicalEditar

 
Barbra Streisand em Abril de 1965

Streisand gravou 35 álbuns de estúdio, quase todos com a Columbia Records. Os seus trabalhos mais conhecidos no início da década de 1960 são The Barbra Streisand Album, People, Stoney End, The Way We Were, Guilty, The Broadway Album e Higher Ground. Os discos de Streisand foram nomeados para mais de 44 prémios Grammy, ganhando 15 desses, incluindo todos os especiais.

The Barbra Streisand AlbumEditar

Inicialmente, o presidente da Columbia Goddard Lieberson resistiu à assinatura de um contrato com Streisand, onde ela procurava encontrar o seu estilo muito próximo ao cabaret e cantores que ele não gostava como Jo Stafford ou Rosemary Clooney, tendo gravado com eles na década de 1950. Após uma entrevista de televisão de Streisand por Mike Wallace na PM East / West PM, por pressão dos associados, Lieberson cedeu e concordou em assinar com ela.

Ele alcançou a posição #8 no Billboard200 de álbuns pop, e foi certificado um disco de ouro pela RIAA.[19] Em agosto de 1963, apenas seis meses após o lançamento de The Barbra Streisand Album, ela lançou The Second Barbra Streisand Album, gravado em apenas quatro dias em junho de 1963, todas as canções dos três primeiros álbuns foram gravadas nessas sessões. O álbum alcançou a posição #2 na Billboard200, superando o pico de seu álbum anterior, que chegou a #8, foi certificado Ouro pela RIAA.

Décadas de 1960 e 1970Editar

Em fevereiro de 1964 ela lançou a última parte do seu álbum, o The Third Album, que atingiu #5 na Billboard200, logo veio o seu primeiro álbum que firmaria o seu nome nos Estados Unidos, People foi lançado em Setembro de 1964 e alcançou o pico da Billboard200, seu primeiro #1 dentro do país. Em abril de 1965 ela lançou seu quinto álbum de estúdio, My Name Is Barbra, o álbum foi certificado Ouro e alcançou a posição #2 nas paradas dos Estados Unidos. Streisand ganhou dois prémios Grammy e estabeleceu-se como uma das maiores cantoras da década de 60. Com o sucesso adquirido com My Name Is Barbra, ela lançou uma segunda parte intitulada My Name Is Barbra...,Two, outro grande sucesso. Barbra recebeu prémios e muita aclamação na década de 60, onde acumulou 4 prémios Grammy, 2 Emmy, 1 Golden Globe, foi considerada a Best Selling Female Vocalist pela Music Business Association.

Durante os anos 1970, ela também teve grande sucesso nas paradas pop, com músicas Top 10 na Hot100 como The Way We Were (EUA Nº. 1), Evergreen (EUA Nº. 1), No More Tears (Enough Is Enough) (1979, com Donna Summer), que até hoje é considerado o dueto de maior sucesso comercial, (EUA Nº. 1), You Don't Bring Me Flowers (com Neil Diamond) (EUA Nº. 1), Stoney End (EUA Nº. 5), My Heart Belongs To Me (EUA Nº. 4) e The Main Event (EUA Nº. 3). Como o fim da década de 1970, Streisand foi nomeada o artista mais bem sucedido nos EUA atrás somente de Elvis Presley e The Beatles.[20]

A Star Is Born e o sucesso GuiltyEditar

 
Barbra Streisand na Premiere do filme A Star Is Born em Dezembro de 1976

A Star Is Born, que lhe rendeu o Óscar de Melhor Canção Original por Evergreen, foi todo produzido por Barbra Streisand e Kris Kristofferson, sendo bem-sucedido, alcançando o número um na Billboard 200 por 5 semanas e vendeu mais de 4 milhões de cópias nos Estados Unidos e mais de 14 milhões no mundo.

Em 1980, Barbra lançou o seu álbum de maior sucesso comercial: Guilty, tendo vendido até hoje mais de 20 milhões de cópias e foi produzido por Barry Gibb dos Bee Gees junto com a equipa de produção de Albhy Galuten e Karl Richardson.

A faixa-título, um dueto entre Streisand e Gibb, ganhou o Prémio Grammy de Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo com Vocal em 1981, e foi o # 3 da Billboard Hot 100 hit. O primeiro single Woman in Love tornou-se uma das canções de maior sucesso da carreira de Streisand. A música passou um total de três semanas na posição # 1 da parada da Billboard. Além desses dois hits, o álbum também trouxe mais dois outros sucessos: What Kind Of Fool, outro dueto entre Streisand e Gibb e Promises. Em 2005, Barry Gibb propôs lançar uma sequência para este álbum, Guilty Pleasures. Não gerou tanto êxito como o álbum de 1980, mas possui músicas notáveis como Stranger In A Stranger Land e Above The Law, dueto entre ambos. Também em 2005 Barbra relançou o álbum remasterizado com novas entrevistas dela com Gibb, duas performances ao vivo de 1986 e uma galeria de fotos.

Sucesso mundialEditar

Depois de anos fora da Broadway, trabalhando apenas em música pop em favor de um material mais contemporâneo, Streisand voltou ao seu teatro-musical com The Broadway, que foi um sucesso inesperado, segurando o cobiçado 1 º lugar da Billboard por três semanas seguidas, e ser certificado quádruplo de platina. O álbum contou com músicas de Rodgers & Hammerstein, George Gershwin, Jerome Kern, e Stephen Sondheim, que foi persuadido a reformular algumas de suas músicas especialmente para esta gravação. The Broadway Album foi recebido com aclamação, incluindo uma indicação ao Grammy de álbum do ano, e finalmente, entregou a Streisand o seu oitavo Grammy de Melhor Cantora. Depois de lançar o álbum ao vivo One Voice em 1986, Streisand criou Great White Way em 1988. No início da década de 1990, Streisand passou a concentrar-se nos esforços como diretora de filmes e se tornou quase inativa no estúdio de gravação. Em 1991, um conjunto de caixa de quatro discos, foi apresentado.

Em 1993, o crítico de música do New York Times Stephen descreveu Streisand da seguinte forma:

 
Barbra Streisand em Setembro de 1995

Em setembro de 1993, Streisand anunciou o seu primeiro concerto em público em 27 anos. O que começou como um evento de dois anos da noite de Ano Novo no MGM Grand Hotel em Las Vegas, eventualmente, levou a uma turnê multi-cidade no verão de 1994. Os ingressos para a turnê foram vendidos em menos de uma hora. Streisand também apareceu nas capas das principais revistas mundiais onde a Time descreveu como O Evento de Música do Século. A turnê foi uma das maiores paradas de todos os meios de comunicação e mercadoria da história. Os preços dos ingressos variavam nos Estados Unidos entre $50 a $1.500 - tornando Streisand a concertista mais bem pago da história. Barbra Streisand: The Concert passou a ser o concerto de maior bilheteria do ano e ganhou cinco prêmios Emmy, enquanto a transmissão da HBO, é até à data, o show de maior audiência especial na história da HBO de 30 anos.

Em 1997, ela finalmente voltou ao estúdio de gravação, gravando Higher Ground, uma coleção de canções de natureza fracamente inspirada que também contou com um dueto com Céline Dion. O álbum recebeu críticas geralmente favoráveis ​​e, notavelmente, mais uma vez, estreou como número 1 nas paradas pop.

Na véspera de Ano Novo de 1999, Streisand voltou ao palco de concertos, com o concerto de maior bilheteria em Las Vegas história até hoje. Um álbum duplo ao vivo do concerto intitulado Timeless: Live in Concert foi lançado em 2000. Streisand realizou versões do concerto Timeless em Sydney e Melbourne, na Austrália, no início de 2000.

 
Barbra Streisand em Julho de 2007

Década de 2000 e atualmenteEditar

Mais recentemente ela lançou Christmas Memories em 2001, uma coleção um tanto sombria das canções do feriado, e The Movie Album 2003, com famosos temas de filmes e apoiado por uma orquestra sinfônica de grande porte.

Em fevereiro de 2006, Streisand gravou a canção "Smile" ao lado de Tony Bennett em Malibu. Em setembro de 2006, a dupla filmou uma apresentação ao vivo da música para um especial dirigido por Rob Marshall, intitulada Tony Bennett: An American Classic. O especial foi ao ar na NBC 21 de novembro de 2006, e foi lançado em DVD no mesmo dia. Em 2006, Streisand anunciou sua intenção de uma nova turnê, em um esforço para arrecadar dinheiro e atenção para várias questões. Após quatro dias de ensaio no Sovereign Bank Arena, em Trenton, New Jersey, a turnê começou em 4 de outubro no Wachovia Center na Filadélfia, continuou com uma parada de destaque em Fort Lauderdale, na Florida, e concluiu no Staples Center em Los Angeles em 20 de novembro de 2006. O show foi conhecido como Streisand: O Tour que foi um recorde de bilheteria.

Em 17 de novembro de 2008, Streisand voltou ao estúdio para começar a gravar o que seria o seu álbum sexagésimo terceiro e foi anunciado que Diana Krall estava produzindo o álbum.[22] Em 25 de abril de 2009, na CBS foi ao ar último especial de TV de Streisand, Streisand: Live in Concert, com destaque para a parada acima caracterizado de sua turnê norte-americana em 2006, em Fort Lauderdale, Florida. Em 26 de setembro de 2009, Streisand fez um show de uma noite somente no Village Vanguard, em Vila de Nova York Greenwich.[23] Este performance foi lançado em DVD como One Night Only Barbra Streisand e Quartet at The Village Vanguard. Em 29 de setembro de 2009, Streisand e Columbia Records lançou seu álbum mais recente de estúdio, Love Is the Answer, produzido por Diana Krall.

Atualmente Streisand ja vendeu 140 milhões de álbuns mundialmente, e 71.5 milhões de álbuns nos Estados Unidos e é a artista feminina que mais vendeu discos nos Estados Unidos, ocupando a oitava colocação na lista geral.

Carreira CinematograficaEditar

Estrela de MusicaisEditar

 
Barbra Streisand no filme Hello, Dolly!
 
Barbra Streisand, 1970

Seu primeiro filme foi uma reprise do seu sucesso da Broadway, Funny Girl (1968), um sucesso artístico e comercial dirigido pelo veterano William Wyler . Streisand ganhou o Oscar de Melhor Atriz para o papel, compartilhando-o com Katharine Hepburn ( O Leão no Inverno ), foi a única vez que houve um empate nesta categoria do Oscar. Seu próximo filme também foi baseado um musicail, Hello, Dolly! , dirigido por Gene Kelly (1969) e Alan Jay Lerner. E depois On a Clear Day You Can See Forever outro musical dirigido por Vincente Minnelli.

Durante a década de 1970, Streisand estrelou em várias comédias , incluindo What's Up, Doc? (1972) e The Main Event (1979), ambos co-estrelado por Ryan O'Neal. Um de seus papéis mais famosos durante este período foi no drama The Way We Were (1973) com Robert Redford , pelo qual recebeu uma nomeação ao Oscar como Melhor Atriz. Ela ganhou seu segundo Oscar de Melhor Canção Original como compositor (em conjunto com o letrista Paul Williams ) para a canção " Evergreen ", de A Star Is Born , em 1976.

Trabalho como Diretora e RoteiristaEditar

Streisand iniciou seu trabalho como diretora, produtora e roteirista com o filme Yentl pelo qual ela se tornou a primeira mulher da historia a atuar, dirigir, produzir e escrever um filme, e também se tornou a primeira mulher a vencer um Globo de Ouro de Melhor Diretor, mas apesar de ter vencido o globo de ouro o filme nem sequer foi indicado ao Óscar de melhor filme e Óscar de melhor diretor o que causou muita discussão.[24]

Após o sucesso de Yentl, Streisand dirigiu e produziu mais dois filmes Príncipe dos Mares em 1991 e The Mirror Has Two Faces em 1996. Pelo o filme Príncipe dos Mares ela recebeu mais uma nomeação ao Óscar dessa vez na categoria Melhor Filme, mas novamente não foi nomeado na categoria de Melhor Diretor.

Regresso ao CinemaEditar

Após 8 anos afastado do cinema, Streisand retornou ao cinema em 2004 com o filme Meet the Fockers (e na sequencia Meet the Parents ), atuando ao lado de Dustin Hoffman , Ben Stiller , Blythe Danner e Robert De Niro . Em 2005 a Barwood Streisand Films, empresa de Streisand, comprou os direitos do livro Anão de Mendel,[25] onde ela futuramente dirigiria e atuaria em uma adaptação do livro para o cinema. Em dezembro de 2008, ela declarou que ela estava pensando em dirigir uma adaptação do livro de Larry Kramer Coração Normal , um projeto que ela tem trabalhado desde os meados da década de 1990.[26]

Em 2009 foi revelado que Streisand estaria disputando ao lado de Glenn Close e Meryl Streep pelo o papel de Norma Desmond no filme adaptação da versão musical de Sunset Boulevard.[27] Em 28 de Janeiro de 2011, o The Hollywood Reporter anunciou que a Paramount Pictures deu a Streisand comédia road-trip, Maldição da minha mãe, para que ela dirigisse e atuasse no filme.

Vida PessoalEditar

 
Barbra Streisand com o então marido Elliot Gould e o filho Jason,em 1967

Casamento e FamiliaEditar

Streisand ja foi casada duas vezes. Seu primeiro marido foi o ator Elliott Gould , a quem ela foi casada de 1963 até 1971. Eles tiveram um filho, o ator Jason Gould (n. 1966), que viria a estrela como seu filho na tela O Príncipe das Marés . Seu segundo marido é o ator James Brolin, com quem se casou em 1 de julho de 1998. Enquanto eles não têm filhos juntos, Brolin tem dois filhos do primeiro casamento, inclusive o ator indicado ao Oscar Josh Brolin, e uma criança do seu segundo casamento. Streisand divide seu aniversário com Shirley MacLaine, e elas celebram juntos todo ano.

PolíticaEditar

Streisand tem sido um apoiante ativa do Partido Democrata e defendendo muitas de suas causas.

FilantropiaEditar

Streisand pessoalmente reuniu 25 milhões dólares para as organizações através de suas performances ao vivo. A Fundação Streisand, criada em 1986, contribuiu com mais de 16 milhões dólares por cerca de 1.000 bolsas para organizações nacionais que trabalham na preservação do meio ambiente, a proteção das liberdades civis e dos direitos civis, aos direitos da mulher.

Em 2008, Streisand levantou 5 milhões para dólares de Pesquisa Cardiovascular da Barbra Streisand para o Centro do Coração da Mulher.[29] Em setembro daquele ano a revista Parade, colocou Streisand num relatorio anual do Ranking das celebridades que fizeram a maior doação a instituições de caridade, em 2007, de acordo com registros públicos.[30] Em 2009, Streisand vendeu a leilão 526 itens valiosos e de longa data para doações em instituições de caridade.

Na cultura popularEditar

TelevisãoEditar

 
Barbra é sempre referenciada na serie Glee

Streisand é referenciada com frequência na serie musical da Fox Glee. A personagem Rachel (Lea Michele) faz várias referencias a Barbra, e sempre diz que ela é seu idolo. Além disso, no episódio Sectionals de Glee, Rachel canta a o sucesso de Streisand "Don't Rain on My Parade". No episódio Hell-O, Jesse St. James (Jonathan Groff) critica desempenho de Rachel em "Don't Rain on My Parade", dizendo que ela não tinha profundidade emocional de Barbra. Os personagens de Kurt Hummel (Chris Colfer) e Rachel também cantaram a música Get Happy Days,esta canção é um dueto cantado por Streisand e Judy Garland em 1963 no show semanal de Garland. Quando Glee ganhou o prêmio de Melhor TV Série de Comédia ou Musical no Globo de Ouro em 2010, o criador Ryan Murphy brincou no palco, e disse "Obrigado à Imprensa Estrangeira de Hollywood e a Senhorita Barbra Streisand". Na quarta temporada a personagem Rachel faz audições na Broadway para obter o papel principal em Funny Girl e obtém sucesso.

Streisand é frequentemente mencionada na serie televisiva The Nanny, a personagem Fran Belas (Fran Drescher) afirma que ela é o seu grande idolo. Fran e sua mãe adoram Streisand, e muitas vezes competem em quem a ama mais.

Streisand é mencionada também na serie Will & Grace, principalmente pelo personagem Jack McFarland . Algumas das músicas de Streisand que ficaram famosas , como Papa Can You Hear Me? de Yentl e Cant Help Lovin Dat Man do The Broadway Album são reproduzidas pelos personagens da série.

Na serie Sex and the City no episódio "Ex in the City", a protagonista Carrie Bradshaw (Sarah Jessica Parker) compara ela e sua vida amorosa com a personagem de Streisand, Katie Morosky em The Way We Were.

Na Family Guy no episódio "Mind Over Murder ", Lois canta um ato de cabaré com "Don't Rain on My Parade" originalmente cantada por Streisand em Funny Girl. Em "Stewie Kills Lois", Peter recebe o seguro de vida após a morte aparente de Lois, e afirma que ele tem mais dinheiro do que Streisand. Isto foi seguido por um corte onde mostra uma cena de Streisand soprando dinheiro para fora de seu nariz.

No episódio 12 da 1ª temporada do seriado animado South Park, Barbra Streisand faz uma aparição animada, episódio em que a atriz, faminta por mais fama, busca o poder de um triângulo mágico para transformar-se em 'Mecha Barbra', um robô gigante cuja única intenção é chamar a atenção destruindo coisas.

No seriado de comédia brasileira "Vai Que Cola", transmitido pelo Multishow. O personagem Ferdinando interpretado pelo ator Marcus Majella, sempre diz que Barbra é o seu ídolo e inspiração.

CinemaEditar

No filme In & Out, Streisand é lembrado como o idolo do personagem Howard Brackett, interpretado por Kevin Kline, que finalmente admite ser gay de pé no altar. Sua infeliz noiva, interpretada por Joan Cusack, grita em frustração para a família e amigos presentes, "Alguém aqui sabe quantas vezes eu tive que sentar-se com Funny Lady? "

Na comédia romântica Mrs. Doubtfire, Robin Williams, enquanto tenta se fantasiar da personagem Mrs. Doubtfire que ele usa uma peruca parecida com o cabelo de Streisand e canta alguns versos de "Don't Rain on My Parade".

Em 2005 na animação Chicken Little, a mãe de Runt Chicken, depois que ela pensa que ele está mentindo sobre ter visto uma nave alienígena, diz "Não me faça tirar a sua coleção Streisand!" e Runt retorna com, "Mãe, você deixa Barbra fora disso!".

Em 2014 na animação Rio 2, Clara, a capivara estava na audição organizada por Pedro, Nico, Rafael e Carla, e ela canta alguns versos da canção "Memory".

Turnês e PerformancesEditar

Performances TeatraisEditar

Na BroadwayEditar

Ano Título Notas
1961–1963 I Can Get It for You Wholesale Nomeada — Tony de Melhor Atriz em um Musical
1964–1965 Funny Girl Nomeada — Tony de Melhor Atriz em um Musical

Em West End

Ano Título Notas
1966 Funny Girl Teatro Prince of Wales, em Londres

Especiais de TelevisãoEditar

Ano Título Notas
1965 My Name Is Barbra
1966 Color Me Barbra
1967 The Belle of 14th Street
1968 A Happening in Central Park
1973 Barbra Streisand...And Other Musical Instruments
1975 Funny Girl to Funny Lady
1976 Barbra: With One More Look at You
1983 A Film Is Born: The Making of 'Yentl'
1986 Putting it Together: The Making of The Broadway Album
1987 One Voice
1994 Barbra Streisand: The Concert
2001 Barbra Streisand: Timeless
2009 Streisand: Live in Concert
2009 Friday Night with Jonathan Ross

TurnêsEditar

Ano Título Continente Bilheteria Audiência
1966 An Evening with Barbra Streisand América do Norte $480,000 60,000
1994 Barbra Streisand: The Concert Tour América do Norte e Europa $50 milhões 400,000
2000 Timeless: Live in Concert Tour América do Norte e Oceania $70 milhões 200,000
2006–2007 Streisand: The Tour América do Norte e Europa $119.5 milhões 425,000
2012 Back to Brooklyn América do Norte $40,657,170 154,287
2013 Barbra Streisand Live América do Norte, Europa e Ásia $25,689,348 103,876

DiscografiaEditar

FilmografiaEditar

Ano Titulo Papel Notas
1968 Funny Girl Fanny Brice Oscar de Melhor Atriz Empatada com Katharine Hepburn por The Lion in Winter
David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira Empatada com Mia Farrow por Rosemary's Baby
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1969 Hello, Dolly! Dolly Levi Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1970 On a Clear Day You Can See Forever Daisy Gamble / Melinda Tentres
The Owl and the Pussycat Doris Wilgus
1972 What's Up, Doc? Judy Maxwell
Up the Sandbox Margaret Reynolds
1973 The Way We Were Katie Morosky David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira Empatada com Tatum O'Neal por Paper Moon
Nomeada - Oscar de Melhor Atriz
Nomeada - BAFTA de Melhor Atriz Principal
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz - Drama
1974 For Pete's Sake Henrietta 'Henry' Robbins
1975 Funny Lady Fanny Brice Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1976 A Star Is Born Esther Hoffman Howard (também produtora executiva)
Oscar de Melhor Canção Original Compartilhado com Paul Williams pela a canção Evergreen
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
Globo de Ouro de Melhor Canção Original Compartilhado com Paul Williams pela a canção Evergreen
1979 The Main Event Hillary Kramer
1981 All Night Long Cheryl Gibbons
1983 Yentl Yentl/Anshel (também produtora, diretora e roteirista)
Globo de Ouro de Melhor Diretor
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1987 Nuts Claudia Faith Draper Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz - Drama
1991 The Prince of Tides Dr. Susan Lowenstein (também produtora, diretora e roteirista)
Nomeada - Oscar de Melhor Filme
Nomeada - Directors Guild of America Award
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Diretor
1996 The Mirror Has Two Faces Rose Morgan (também produtora, diretora e roteirista)
Nomeada - Oscar de Melhor Canção Original Compartilhado com Marvin Hamlisch, Robert John Lange e Bryan Adams pela a canção "I Finally Found Someone"
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Canção Original Compartilhado com Marvin Hamlisch, Robert John Lange e Bryan Adams pela a canção "I Finally Found Someone"
2004 Meet the Fockers Roz Focker
2010 Little Fockers Roz Focker
2012 The Guilt Trip Joyce Brewster
2013 Gypsy Mama Rose

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Session Timeout — Academy Awards Database — AMPAS». Awardsdatabase.oscars.org. Consultado em 9 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 7 de março de 2012  |urlmorta= e |ligação inativa= redundantes (ajuda)
  2. «Gold & Platinum — December 9, 2009». RIAA. Consultado em 9 de dezembro de 2009 
  3. «Primetime Emmy Award Database | Emmys.com». Cdn.emmys.tv. Consultado em 9 de dezembro de 2009 
  4. >«AFI Life Achievement Award: Barbra Streisand». American Film Institute (em inglês) 
  5. «Gold & Platinum — December 9, 2009». RIAA. Consultado em 9 de dezembro de 2009 [ligação inativa]
  6. Published: 11:56PM BST Oct 8, 2009 (8 de outubro de 2009). «The way she was: Barbs personal items up for auction». London: Telegraph. Consultado em 9 de dezembro de 2009 
  7. «Lifetime Honors: National Medal of Arts». web.archive.org. 17 de setembro de 2013. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  8. Média, Prisma. «Barbra Streisand reçoit la Légion d'Honneur - Gala». Gala.fr (em francês). Consultado em 16 de agosto de 2019 
  9. AP, Kevin Wolf / (8 de dezembro de 2008). «Streisand, Freeman honored by Kennedy Center». TODAY.com (em inglês). Consultado em 16 de agosto de 2019 
  10. «President Obama Names Recipients of the Presidential Medal of Freedom». whitehouse.gov (em inglês). 16 de novembro de 2015. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  11. «Billboard 200». Wikipédia, a enciclopédia livre. 24 de julho de 2019 
  12. «Barbra Streisand Makes History at No. 1 on Billboard 200 Chart». Billboard. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  13. «Greatest of All Time Billboard 200 Artists : Page 1». Billboard. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  14. «Barbra Streisand Makes History at No. 1 on Billboard 200 Chart». Billboard. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  15. Desk, BWW News. «Barbra Streisand Goes Platinum for History-Making 31st Time with PARTNERS». BroadwayWorld.com (em inglês). Consultado em 16 de agosto de 2019 
  16. «Barbra Streisand». Jewishvirtuallibrary.org. 24 de abril de 1942. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  17. Autobiography of Joan Rivers: Enter Talking (New York: Delacorte Press, 1986) p. 85-96, p. 182
  18. Barbra Streisand. Just for the Record... Columbia C4K 44111, 1991, liner notes.
  19. «The Barbra Streisand Music Guide — The Barbra Streisand Album». Consultado em 30 de outubro de 2008. Arquivado do original em 30 de outubro de 2008 
  20. «Recording Industry Association of America: Newsletter 1999». Consultado em 17 de maio de 2008. Cópia arquivada em 14 de maio de 2007 . RIAA.com.
  21. «Barbra Streisand Mixes Star Power And High Concept by Stephen Holden, New York Times, June 27, 1993». Nytimes.com. 27 de junho de 1993. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  22. Gardner, Elysa (10 de abril de 2009). «For Diana Krall, quiet time is a rare thing. By Elysa Gardner, USA TODAY. Retrieved on April 14, 2009». Usatoday.com. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  23. Sisario, Ben (28 de setembro de 2009). «Lucky Streisand Fans Were A-Listers for a Night». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2010 
  24. 1983 Academy Awards Winners and History. Filmsite.com.
  25. By (14 de abril de 2005). «Variety. "Streisand buys Dwarf". April 14, 2005». Variety.com. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  26. «AT HOME WITH: Larry Kramer; When a Roaring Lion Learns to Purr. By ALEX WITCHEL. New York Times, Thursday, January 12, 1995». Nytimes.com. 12 de janeiro de 1995. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  27. Andrew Lloyd Webber on Eurovision and the Phantom sequel. Times Online. Dec. 29, 2008.[ligação inativa]
  28. «Transcript of Streisand's Nov. 2, 1998 live chat on AOL». Web.archive.org. 27 de outubro de 2009. Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2009 
  29. «Raising awareness about women's heart health». Discoveringforlife.org. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  30. «The Giving Back Fund press release. September 14, 2008». Givingback.org. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 26 de julho de 2011 

Ligações externasEditar