Barbra Streisand

Barbara Joan Streisand, (Brooklyn, Nova Iorque, 24 de abril de 1942), conhecida como Barbra Streisand, é uma cantora, atriz e cineasta americana, de origem judaica. Com uma carreira de mais de seis décadas, ela alcançou sucesso em vários campos do entretenimento e está entre os poucos artistas premiados com Emmy, Grammy, Óscar e Tony (EGOT).

Barbra Streisand
Nome completo Barbara Joan Streisand
Nascimento 24 de abril de 1942 (79 anos)
Brooklyn, Nova Iorque
 Estados Unidos
Ocupação Atriz, Diretora, Produtora, Cantora
Atividade 1960–presente
Cônjuge Elliott Gould(c. 1963; div. 1971)​
James Brolin ​(c. 1998)
Filho(s) Jason Gould
Oscares da Academia
Melhor Atriz Principal
1969 - Funny Girl
Melhor Canção Original
1977 - A Star Is Born
Emmys
Melhor Realização Individual
1965 - My Name Is Barbra
Outstanding Program Achievement
1965 - My Name Is Barbra
Outstanding Variety, Music or Comedy Special
1995 - Barbra Streisand: The Concert
Outstanding Individual Performance in a Variety or Music Program
1995 - Barbra Streisand: The Concert
Outstanding Special Class Special
2001 - Reel Models: The First Women of Film
Outstanding Individual Performance in a Variety or Music Program
2001 - Timeless: Live in Concert
Tonys
Tony Award
1970 - Special Tony Award: Star of the decade
Globos de Ouro
Melhor Filme Comédia ou Musical
1984 - Yentl
Melhor Direção
1984 - Yentl
Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1977 - A Star Is Born
1969 - Funny Girl
Melhor Canção Original
1977 - A Star Is Born
Prémio Cecil B. DeMille
2000 - Prêmio Honorário
Página oficial

Streisand começou sua carreira se apresentando em casas noturnas e teatros da Broadway, no início dos anos de 1960. Após suas participações em vários programas de televisão, ela assinou contrato com a Columbia Records, que conseguiu contratá-la após ceder a ela total controle sobre suas produções, sendo esse tipo de exigência notória ao longo de sua carreira.[1] O primeiro disco, The Barbra Streisand Album, foi lançado em 1963, e premiou-a com dois prêmios Grammy. Ao longo de sua carreira musical, Streisand atingiu a posição de #1 na parada da Billboard 200, dos Estados Unidos, com 11 álbuns - um recorde para uma mulher - incluindo os álbuns People (1964), The Way We Were (1974), Guilty (1980) e The Broadway Album (1985).[2] Ela também possui cinco singles em primeiro lugar na Billboard Hot 100, dos Estados Unidos - "The Way We Were", "Evergreen", "You Don't Bring Me Flowers", "No More Tears (Enough Is Enough)" e "Woman in Love".

Seguindo o sucesso na música, estabelecido na década de 1960, Streisand se aventurou no cinema no final daquela década.[3] Ela estrelou o filme aclamado pela crítica Funny Girl (1968), pelo qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz.[4] A notoriedade de seu trabalho seguiu com filmes que incluem: o musical Hello, Dolly! (1969), a comédia What's Up, Doc? (1972), e o drama romântico The Way We Were (1973). Streisand ganhou um segundo Óscar por escrever a música tema de A Star Is Born (1976), tornando-se a primeira mulher a ser premiada como compositora.[5] Com o lançamento de Yentl (1983), Streisand se tornou a primeira mulher a escrever, produzir, dirigir e estrelar um filme para um grande estúdio.[6] O filme ganhou um Oscar de Melhor Trilha Sonora e um Globo de Ouro de Melhor Filme Musical. Streisand também recebeu o Globo de Ouro de Melhor Diretor, tornando-se a primeira (e por 37 anos, a única) mulher a ganhar esse prêmio. Streisand mais tarde dirigiu The Prince of Tides (1991) e The Mirror Has Two Faces (1996).

Com vendas superiores a 150 milhões de discos em todo o mundo, Streisand é um dos artistas mais vendidos de todos os tempos.[7][8] De acordo com a Recording Industry Association of America (RIAA), ela é a artista feminina com mais álbuns com certificados nos Estados Unidos, 68,5 milhões de unidades, junto com a cantora Mariah Carey.[9] A Billboard classificou Streisand como a maior artista feminina na parada Billboard 200 e a maior artista feminina nas charts de Adult Contemporary de todos os tempos.[10][11] Seus prêmios incluem dois prêmios da Academia,[12] dez prêmios Grammy, incluindo o Grammy Lifetime Achievement Award e o Grammy Legend Award,[13] cinco prêmios Emmy, quatro Prêmio Peabody,[14] a Medalha Presidencial da Liberdade,[15] e nove Globos de Ouro.[16]

Primeiros anosEditar

FamíliaEditar

Streisand nasceu em 24 de abril de 1942, no Brooklyn, em Nova York, filha de Diana (nascida Ida Rosen) e Emanuel Streisand. Sua mãe tinha sido soprano na juventude e considerou uma carreira na música, mas mais tarde se tornou uma secretária escolar.[17] Seu pai era professor de segundo grau na mesma escola de sua mãe, e foi lá onde os dois se conheceram.[18] A família de Streisand era judia.[19][20][21] Seus avós paternos emigraram da Galícia (Polônia-Ucrânia) e seus avós maternos do Império Russo, onde seu avô tinha sido cantor.[22][23]

Em agosto de 1943, alguns meses após o primeiro aniversário de Streisand, seu pai morreu, aos 34 anos, de complicações de uma crise epiléptica, possivelmente resultante de um ferimento na cabeça que ocorrera anos antes.[24]:3 A família passou dificuldades financeiras e sua mãe passou a trabalhar como contadora, recebendo um salário de valor baixo.[25] Já adulta, Streisand lembrou-se dessa época e disse lembrar-se de como sempre se sentia um "pária", explicando: "O pai de todo mundo voltava do trabalho no final do dia. O meu não."[24]:3 Sua mãe tentou, pagava suas contas, mas não podia dar à filha a atenção que ela ansiava: "Quando eu queria o amor de minha mãe, ela me dava comida", diz Streisand.[24]:3

Streisand lembra que sua mãe tinha uma "grande voz" e cantava semi-profissionalmente na ocasião. Durante uma visita a Catskills, quando Streisand tinha 13 anos, ela e sua mãe gravaram algumas canções, aquela sessão foi a primeira vez em que se afirmou como artista e também seu "primeiro momento de inspiração".[26]

Ela tem um irmão mais velho, Sheldon, e uma meia-irmã, a cantora Roslyn Kind,[27][28][29] do casamento de sua mãe com Louis Kind, que ocorreu em 1949.[30][31]

EducaçãoEditar

Streisand começou sua educação na Judaica Ortodoxa Yeshivá, do Brooklyn, quando ela tinha cinco anos.[32] Ela era considerada inteligente e curiosa sobre tudo; no entanto, tinha pouca disciplina e costumava gritar com as pessoas na escola.[33][24]:3 Em seguida, ela entrou na Public School 89, no Brooklyn, e durante os primeiros anos escolares começou a assistir televisão e a ir ao cinema. "Eu sempre quis ser alguém, ser famoso ... Você sabe, sair do Brooklyn."[24]:3

Streisand ficou conhecida em sua vizinhança por sua voz. Ela se lembra de sentar na varanda em frente ao prédio e cantar: "Eu era considerada a garota com a boa voz."[24]:3 Esse talento tornou-se uma forma de ela chamar a atenção. Ela costumava praticar seu canto no corredor de seu prédio, que possuia grande quantidade de eco.[34]

A estreia como cantora ocorreu em uma assembleia do PTA, onde se tornou uma revelação para todos, exceto para sua mãe, que era bastante crítica. Streisand foi convidada para cantar em casamentos e acampamentos de verão, além de ter uma audição malsucedida na MGM Records quando tinha nove anos. Quando ela tinha 13 anos, sua mãe começou a acreditar no seu talento, ajudando-a a fazer uma fita demo de quatro músicas, incluindo "Zing! Went the Strings of My Heart" e "You'll Never Know".[24]:4

Tornar-se atriz era seu principal objetivo. Esse desejo se tornou mais forte quando ela viu sua primeira peça na Broadway, The Diary of Anne Frank, quando ela tinha 14 anos. A estrela da peça era Susan Strasberg, cuja atuação ela queria imitar.[24]:4 Streisand começou a passar seu tempo livre na biblioteca, estudando as biografias de várias atrizes de palco, como Eleanora Duse e Sarah Bernhardt. Além disso, ela começou a ler romances e peças de teatro e estudar as teorias de atuação de Konstantin Stanislavski e Michael Chekhov.[24]:4

Ela frequentou a Erasmus Hall High School, no Brooklyn, em 1956, onde se tornou uma estudante honorária em história moderna, inglês e espanhol e se juntou ao Freshman Chorus and Choral Club, onde cantou com outro membro do coral e colega de classe, Neil Diamond.[35] Diamond relembra: "Éramos duas crianças pobres no Brooklyn. Saíamos na frente da Erasmus High e fumávamos cigarros." A escola ficava perto de um cinema de arte, e ele lembra que ela sempre estava atenta aos filmes que eles exibiam.[36] Também em sua classe no Erasmus Hall estava Bobby Fischer, que foi campeão americano de xadrez em 1957.[37]

Durante o verão de 1957, ela teve sua primeira experiência de palco no Playhouse em Malden Bridge, Nova York. Essa pequena aparição foi seguida por um papel como a irmã mais nova em Picnic e um como uma vampira em Desk Set.[24]:4 Em seu segundo ano, ela conseguiu um emprego noturno no Cherry Lane Theatre, no Greenwich Village, ajudando nos bastidores. Quando ela estava no último ano, ela ensaiou para um pequeno papel em Driftwood, uma peça encenada em um sótão no centro da cidade.[24]:5

Ela se formou, aos 16 anos, no Erasmus Hall em janeiro de 1959, e apesar dos apelos de sua mãe para que ela ficasse fora do show business, ela começou a tentar conseguir papéis no palco da cidade de Nova York.[24]:5 Depois de alugar um pequeno apartamento na rua 48, no coração do distrito dos teatros, ela aceitava qualquer trabalho que pudesse envolvendo o palco, e em todas as oportunidades, ela "circulava" pelos escritórios de elenco.[24]:5

Início da carreiraEditar

 
Barbra Streisand em 1962

Com 16 anos e morando sozinha, Streisand teve vários empregos braçais para ter alguma renda. Durante um certo período, ela não teve um endereço permanente e se viu dormindo na casa de amigos ou em qualquer outro lugar onde pudesse montar o berço do exército que carregava. Quando muito necessitada, ela voltava ao apartamento da mãe, no Brooklyn, para uma refeição caseira. Sua mãe ficou horrorizada com o "estilo de vida cigano" da filha, escreveu a biógrafa Karen Swenson, e novamente implorou que ela desistisse de tentar entrar no show business,[24] mas Streisand considerou os apelos de sua mãe um motivo a mais para continuar tentando: "Meus desejos foram fortalecidos por querer provar para minha mãe que eu poderia ser uma estrela."[24]

Ela conseguiu um emprego como recepcionista no Teatro Lunt-Fontanne na época do The Sound of Music, no início de 1960. Durante o andamento da peça, ela soube que o diretor de elenco estava fazendo testes para mais cantores, e isso marcou a primeira vez que ela cantou em busca de um emprego.[24] Embora o diretor achasse que ela não era adequada para o papel, ele a encorajou a incluir seu talento como cantora em seu currículo ao procurar outro trabalho.[24]

Ela pediu a seu namorado, Barry Dennen, gravar seu canto, para que ela pudesse distribuir cópias para possíveis empregadores. Dennen encontrou um guitarrista para acompanhá-la:

Passamos a tarde gravando, e no momento em que ouvi a primeira reprodução fiquei louco ... Essa maluca maluca tinha uma das vozes mais deslumbrantes que eu já ouvi ... quando ela terminou e desliguei a máquina, Eu precisei de um longo momento antes de ousar olhar para ela.[24]

Dennen ficou entusiasmado e a convenceu a entrar em um concurso de talentos no Lion, uma boate gay no Greenwich Village de Manhattan. Ela cantou duas músicas, após as quais houve um "silêncio atordoante" da plateia, seguido por "aplausos estrondosos" quando foi declarada a vencedora.[24] Ela foi convidada a voltar e cantou no clube por várias semanas.[38] Foi nessa época que ela abandonou o segundo "a" de seu primeiro nome,[38] mudando de "Bárbara" para "Barbra", devido à sua antipatia por seu nome original.[39]

No início, Streisand foi repetidamente informada de que ela era muito feia para ser uma estrela e aconselhada a fazer uma plástica no nariz, o que ela não fez.[1]

Apresentações em boates e palcos da BroadwayEditar

Streisand foi convidada a fazer um teste na boate Bon Soir, depois do qual ela foi contratada por US $125 por semana. Foi seu primeiro compromisso profissional em setembro de 1960, onde foi a banda de abertura da comediante Phyllis Diller. Ela lembra que foi a primeira vez que esteve naquele ambiente sofisticado: "Eu nunca tinha estado em uma boate antes de cantar em uma."[24]

Dennen agora queria expor Streisand as gravadoras de algumas cantoras de sucesso, incluindo Billie Holiday, Mabel Mercer, Ethel Waters e Édith Piaf. Streisand percebeu que ela ainda poderia se tornar uma atriz ganhando reconhecimento como cantora.[24] De acordo com o biógrafo Christopher Nickens, ouvir outras grandes cantoras beneficiou seu estilo, pois ela começou a criar diferentes personagens durante as apresentações.

Ela melhorou sua presença de palco ao falar com o público entre as músicas. Ela descobriu que seu estilo de humor criado no Brooklyn foi recebido favoravelmente.[24] Durante os próximos seis meses aparecendo no clube, alguns começaram a comparar sua voz a nomes famosos como Judy Garland, Lena Horne e Fanny Brice. Sua habilidade de conversação para encantar o público e humor espontâneo durante as apresentações tornou-se mais sofisticada e profissional.[24] O crítico de teatro Leonard Harris escreveu: "Ela tem vinte anos; quando chegar aos trinta, terá reescrito o livro dos recordes."[24]

Streisand aceitou seu primeiro papel no palco de Nova York em Another Evening with Harry Stoones, uma peça de comédia satírica na qual ela atuou e cantou dois solos. O show recebeu críticas terríveis e fechou no dia seguinte. Com a ajuda de seu novo empresário pessoal, Martin Erlichman, ela fez shows de sucesso em Detroit e St. Louis. Erlichman então a reservou em uma boate ainda mais sofisticada em Manhattan, a Blue Angel, onde ela se tornou um grande sucesso durante o período de 1961 a 1962. Streisand uma vez disse a Jimmy Fallon, com quem ela cantou um dueto,[40] no The Tonight Show Starring Jimmy Fallon que Erlichman foi um "empresário fantástico" e que conseguiu levar sua carreira por mais de 50 anos.[41]

Enquanto aparecia no Blue Angel, o diretor de teatro e dramaturgo Arthur Laurents a convidou para fazer um teste para uma nova comédia musical que ele estava dirigindo, I Can Get It for You Wholesale. Ela conseguiu o papel de secretária do ator principal, um empresário interpretado pelo então desconhecido Elliott Gould.[24] Eles se apaixonaram durante os ensaios e eventualmente se mudaram para um pequeno apartamento. O show estreou em 22 de março de 1962, no Shubert Theatre, e recebeu ótimas críticas. Sua performance "parou o show", escreveu Nickens. Streisand recebeu uma indicação ao Tony e o prêmio do New York Drama Critic de Melhor Atriz Coadjuvante.[42] O show foi gravado e transformado em um álbum.[24]

Aparições na televisão, casamento e primeiros álbunsEditar

 
Barbra Streisand em Abril de 1965

A primeira aparição de Streisand na televisão foi no The Tonight Show, oportunidade dada graças ao apresentador Jack Paar. Sua aparição ocorreu durante um episódio em abril de 1961, apresentado por Orson Bean que naquele dia substituíra Paar. Ela cantou "A Sleepin 'Bee" de Harold Arlen.[43] Durante sua aparição, Phyllis Diller, também uma convidada no show, a chamou de "um dos maiores talentos musicais do mundo".[44]

Mais tarde, em 1961, antes de ser escalada para Another Evening With Harry Stoones, ela se tornou figura frequente no programa PM East / PM West, que consistia em um programa de entrevistas e variedades apresentada por Mike Wallace e Joyce Davidson.[45]

No início de 1962, ela foi ao estúdio da Columbia Records para uma gravação com o elenco de I Can Get It for You Wholesale. Também naquela primavera, participou de uma gravação em estúdio do 25º aniversário de Pins and Needles, clássico musical originado em 1937 pelo International Ladies 'Garment Workers' Union. As resenhas de ambos os álbuns destacaram as performances de Streisand.[46]

Em maio de 1962, Streisand apareceu no The Garry Moore Show, onde cantou "Happy Days Are Here Again" pela primeira vez. Sua versão triste e lenta da animada canção-tema do Partido Democrata dos anos de 1930 se tornou sua canção favorita durante esta fase inicial de sua carreira.[24]

Johnny Carson contou com a presença de Steisand no Tonight Show várias vezes entre 1962 e 1963, devido a sua popularidade com o público e admiração de Carson. ele a descreveu como uma "nova cantora empolgante".[47] Durante um programa, ela brincou com Groucho Marx, que gostava de seu estilo de humor.[24]

Em dezembro de 1962, ela fez a primeira de uma série de aparições no The Ed Sullivan Show. Mais tarde, ela foi co-apresentadora do Mike Douglas Show e também causou impacto em uma série de especiais de Bob Hope. Se apresentando com ela no The Ed Sullivan Show estava Liberace, que se tornou um fã instantâneo da jovem cantora. Liberace a convidou para ir a Las Vegas para abrir seus shows no Riviera Hotel. Liberace é creditado por apresentar Barbra ao público na Costa Oeste.[48] No mês de setembro seguinte, durante seus shows no Harrah's Hotel em Lake Tahoe, ela e Elliott Gould tiraram uma folga para se casar em Carson City, Nevada. Com sua carreira e popularidade crescendo rapidamente, ela viu seu casamento com Gould como uma "influência estabilizadora".[24]

Aos 21 anos, assinou um contrato com a Columbia Records que lhe deu total controle criativo, em troca de menos dinheiro. Lieberson cedeu e concordou em contratá-la. Quase três décadas depois, Streisand disse:

A coisa mais importante sobre aquele primeiro contrato - na verdade, aquilo que esperávamos - foi uma cláusula única que me dava o direito de escolher meu próprio material. Era a única coisa com que realmente me importava. Eu ainda recebi muita pressão da gravadora para incluir alguns sucessos pop em meu primeiro álbum, mas eu mantive as músicas que realmente significavam algo para mim.[49][1]

Ela tirou proveito disso várias vezes durante sua carreira.[1]

A Columbia queria chamar seu primeiro álbum, no início de 1963, de Sweet And Saucy Streisand (A Streisand Doce e Picante, em português); Streisand usou seu controle para insistir que se chamasse The Barbra Streisand Album, dizendo "se você me viu na TV, você poderia simplesmente ir [à loja de discos] e pedir o álbum Barbra Streisand. É bom senso".[1] O álbum alcançou o top 10 na parada da Billboard e ganhou três prêmios Grammy.[24] O álbum fez dela a artista feminina mais vendida no país.[24] Naquele verão, ela também lançou o segundo álbum The Second Barbra Streisand Album, o que a estabeleceu como "a personalidade mais empolgante desde Elvis Presley."[24] Ela terminou aquele ano revolucionário de 1963 realizando concertos de uma noite em Indianápolis, San Jose, Chicago, Sacramento e Los Angeles.[24]

Streisand voltou à Broadway em 1964 como a artista Fanny Brice em Funny Girl no Winter Garden Theatre. O show apresentou duas de suas canções mais famosas, "People" e "Don't Rain on My Parade". Por causa do sucesso da peça, ela apareceu na capa da revista Time. Em 1964, Streisand foi indicada ao prêmio Tony de Melhor Atriz Principal em Musical, mas perdeu para Carol Channing em Hello, Dolly!. Streisand recebeu o prêmio honorário do Tony de "Estrela da Década" em 1970.[50] Em 1966, ela repetiu seu sucesso com Funny Girl no West End de Londres, no Prince of Wales Theatre. De 1965 a 1968, ela apresentou seus primeiros quatro especiais solo de televisão.

CarreiraEditar

MúsicaEditar

 
Barbra Streisand em Abril de 1965
 
Barbra Streisand no Ed Sullivan Show, em 1969

Streisand gravou 50 álbuns de estúdio, quase todos com a Columbia Records. Seus primeiros trabalhos na década de 1960 (sua estreia, The Barbra Streisand Album, The Second Barbra Streisand Album, The Third Album, My Name Is Barbra, etc.) são considerados clássicos e possuem canções do teatro e cabaré, incluindo sua versão uptempo de "Happy Days Are Here Again", que chegou a ser gravada em um dueto com Judy Garland no The Judy Garland Show. No episódio que contou cam a aparição de Streisand, Garland se referiu a ela como uma das últimas grandes belters e cantaram "There's No Business Like Show Business", com Ethel Merman.[51]

Seus primeiros álbuns eram muitas vezes cheios de medleys retirados de seus especiais de televisão. A partir de 1969, ela começou a tentar material mais contemporâneo, já que na época a moda eram canções de rock e artistas como os The Beatles e The Rolling Stones. Com o sucesso do álbum Stoney End, produzido por Richard Perry, em 1971, ela renovou o repertório e atingiu um novo público.[52] A faixa-título, escrita por Laura Nyro, foi um grande sucesso para Streisand.[52] Durante toda década de 1970, ela foi altamente proeminente nas paradas pop, são dessa época suas canções com melhor posição nas charts, como "The Way We Were", "Evergreen (Love Theme de A Star Is Born)", "No More Tears (Enough Is Enough)" (1979, com Donna Summer) e "You Don't Bring Me Flowers" (com Neil Diamond) que atingiram a posição de #1 e "The Main Event" que atingiu a posição de #3, algumas das canções são de trilhas sonoras de seus filmes.[53] No final da década de 1970, Streisand foi nomeada a cantora feminina de maior sucesso nos EUA - apenas Elvis Presley e The Beatles venderam mais álbuns.[54] Em 1980, ela lançou seu álbum mais vendido até o momento, Guilty, produzido por Barry Gibb.[55] O álbum continha os sucessos "Woman in Love", "Guilty" e "What Kind of Fool" e vendeu mais de 12 milhões de cópias no mundo.[56][52]

Depois de anos ignorando a Broadway e a música pop tradicional em favor de um material mais contemporâneo, Streisand voltou às suas raízes, o teatro musical.[57] A Columbia Records foi contra o projeto, argumentando que as canções que ela queria cantar não eram canções pop, mas como o contrato dava a Streisand o controle criativo total a ela, ela se manteve firme a ideia.[58] O álbum contou com músicas de Rodgers e Hammerstein, George Gershwin, Jerome Kern e Stephen Sondheim e foi recebido com aclamação, sendo indicado ao Grammy de álbum do ano e deu a Streisand seu oitavo Grammy como Melhor Vocalista Feminina.[59] No início da década de 1990, Streisand começou a se concentrar em seus esforços na direção de filmes e tornou-se quase inativa no estúdio de gravação. Em 1991, uma caixa de quatro discos, Just for the Record, foi lançada. A compilação abrangia toda a carreira de Streisand até então, com mais de 70 faixas de performances ao vivo, grandes sucessos, raridades e material inédito.[60]

No ano seguinte, os shows para arrecadação de fundos ajudaram a impulsionar o presidente Bill Clinton para os holofotes e para o cargo.[61] Streisand mais tarde apresentou Clinton em sua inauguração em 1993.[62] A carreira musical de Streisand, entretanto, estava em grande parte parada. Uma aparição em 1992, em um show beneficente do APLA,[63] bem como a apresentação inaugural mencionada anteriormente, indicava que Streisand estava se tornando mais receptivo à ideia de apresentações ao vivo. Uma turnê foi sugerida, embora Streisand não se comprometesse imediatamente com ela, citando seu conhecido medo de palco, bem como preocupações com a segurança. Durante esse tempo, Streisand finalmente voltou ao estúdio de gravação e lançou Back to Broadway, em junho de 1993.[64] O álbum não foi tão elogiado como seu antecessor, mas atingiu a posição de número 1 nas paradas.[53] Um dos destaques do álbum foi um medley de "I Have A Love" / "One Hand, One Heart", um dueto com Johnny Mathis, que Streisand disse ser um de seus cantores favoritos.[65][66]

Em 1993, o crítico musical do The New York Times Stephen Holden escreveu que Streisand "goza de um status cultural que apenas um outro artista americano, Frank Sinatra, alcançou no último meio século".[67] Em setembro de 1993, Streisand anunciou sua primeira apresentação em concerto, em 27 anos (se não contarmos suas apresentações em clubes noturnos de Las Vegas entre 1969 e 1972).[68] O que começou como um evento de duas noites de Ano Novo no MGM Grand Las Vegas levou a uma turnê por várias cidades no verão de 1994.[68] Os ingressos se esgotaram em menos de uma hora e Streisand apareceu nas capas das principais revistas, tal fato fez com que a revista Time chamasse o episódio de "O Evento Musical do Século".[68] A turnê foi uma das maiores arrecadações de toda a história.[68] Os preços dos ingressos variaram de US $ 50 a US $ 1.500, tornando Streisand o artista de concerto mais bem pago da história. Barbra Streisand: The Concert foi o concerto de maior bilheteria do ano e ganhou cinco prêmios Emmy e o prêmio Peabody, enquanto a transmissão gravada na HBO foi o concerto de maior audiência nos 30 anos de história da HBO.[68] Após a conclusão da turnê, Streisand mais uma vez fez pouco musicalmente, concentrando seus esforços em atuar e dirigir, além de engatar um romance com o ator James Brolin.[68]

Em 1996, Streisand lançou "I finally Found Someone", um dueto com o cantor e compositor canadense Bryan Adams.[53] A canção foi indicada ao Oscar por fazer parte da trilha sonora do filme de Streisand, The Mirror Has Two Faces.[69] Ele alcançou a posição #8 na Billboard Hot 100 tornando-se seu primeiro hit na lista (e primeiro single certificado com um disco de ouro),[70] desde 1981.[53]

Em 1997, ela finalmente voltou ao estúdio de gravação, lançando Higher Ground, uma coleção de canções de natureza vagamente inspiradora que também contou com um dueto com Céline Dion. O álbum recebeu críticas geralmente favoráveis ​​e mais uma vez estreou em primeiro lugar nas paradas pop.[53] Após seu casamento com Brolin em 1998, Streisand gravou um álbum de canções de amor intitulado A Love Like Ours, no ano seguinte.[71] As críticas foram mistas, com muitos críticos reclamando dos sentimentos um tanto melosos e dos arranjos excessivamente exuberantes;[71] no entanto, trouxe um sucesso mediano para Streisand com a canção country "If You Ever Leave Me",[53] um dueto com Vince Gill.[71]

Na véspera de Ano Novo de 1999, Streisand voltou aos palcos, com os ingressos do show esgotando nas primeiras horas de vendas e oito meses antes do acontecimento.[72] No final do milênio, ela era a cantora número um nos EUA, com pelo menos dois álbuns em primeiro lugar em cada década desde que começou a se apresentar. Um álbum ao vivo e duplo do show intitulado Timeless: Live in Concert foi lançado em 2000.[73] Antes de quatro shows (em Los Angeles e Nova York) em setembro de 2000, Streisand anunciou que estava se aposentando dos palcos.[74] Sua apresentação da música "People" foi transmitida na Internet via America Online. Os álbuns seguintes foram Christmas Memories (2001), uma coleção de canções natalinas, e The Movie Album (2003), apresentando temas de filmes famosos e apoiados por uma grande orquestra sinfônica.[75][76] Guilty Pleasures (chamado Guilty Too no Reino Unido), uma colaboração com Barry Gibb e uma sequência de Guilty de 1980, foi lançado mundialmente em 2005.[77]

 
Barbra Streisand na turnê de 2007.

Em fevereiro de 2006, Streisand gravou a música "Smile" ao lado de Tony Bennett na casa de Streisand em Malibu. A música está incluída no álbum de aniversário de 80 anos de Bennett, Duets.[78] Em setembro de 2006, a dupla filmou uma performance ao vivo da música para um especial dirigido por Rob Marshall intitulado Duets: An American Classic. O especial foi ao ar na NBC em 21 de novembro de 2006 e foi lançado em DVD no mesmo dia.[79] Em 2006, Streisand anunciou sua intenção de fazer uma turnê novamente, em um esforço para arrecadar dinheiro e conscientizar sobre várias questões. Após quatro dias de ensaio no Sovereign Bank Arena em Trenton, New Jersey, a turnê começou em 4 de outubro no Wachovia Center na Filadélfia, continuou com uma parada em Fort Lauderdale, Flórida, (este foi o show que Streisand escolheu para filmar um especial de TV), e concluído no Staples Center em Los Angeles em 20 de novembro de 2006.[80] Os convidados especiais Il Divo estiveram entrelaçados ao longo do show que ficou conhecido como Streisand: The Tour. A turnê de 20 apresentações bateu recordes de bilheteria, arrecadando $92.457.062. Seu show de 9 de outubro de 2006 no Madison Square Garden, é a terceira maior bilheteria do estádio, os recordes de primeiro e segundo lugar, são também dois shows da cantora, que ocorreram em setembro de 2000. Ela estabeleceu o recorde de segundo lugar na MGM Grand Garden Arena com seu show em 31 de dezembro de 1999, sendo o recorde da casa e o show de maior bilheteria de todos os tempos. Isso levou muitas pessoas a criticar abertamente Streisand por aumentar o preço, visto que muitos ingressos eram vendidos por mais de US $ 1.000.[81]

Uma álbum duplo com performances selecionadas em diferentes shows da turnê, Streisand: Live in Concert 2006, estreou em 7º lugar na Billboard 200, tornando-se o 29º álbum Top 10 de Streisand.[82] No verão de 2007, Streisand deu concertos pela primeira vez na Europa continental. O primeiro concerto ocorreu em Zurique (18 de junho), depois em Viena (22 de junho), Paris (26 de junho), Berlim (30 de junho), Estocolmo (4 de julho, cancelado), Manchester (10 de julho) e Celbridge, perto de Dublin ( 14 de julho), seguido por três shows em Londres (18, 22 e 25 de julho), a única cidade europeia onde Streisand se apresentou antes de 2007.[83] O show da Irlanda foi marcado por problemas sérios com estacionamento e assentos, levando o evento a ser considerado um fiasco pela Hot Press.[84] A turnê incluiu uma orquestra de 58 peças.[83]

Em fevereiro de 2008, a Forbes listou Streisand como a segunda cantora que mais fez dinheiro entre junho de 2006 e junho de 2007, com ganhos de cerca de US $ 60 milhões.[85] Em 17 de novembro de 2008, Streisand voltou ao estúdio para começar a gravar o que seria seu 63º álbum[86] e foi anunciado que Diana Krall estava produzindo o álbum.[87] Streisand recebeu honras do Kennedy Center em 2008.[88] Em 7 de dezembro de 2008, ela visitou a Casa Branca como parte das cerimônias.[86]

Em 26 de setembro de 2009, Streisand realizou um show de apenas uma noite no Village Vanguard, em Greenwich Village, Nova York.[89] Esta performance foi lançada posteriormente em DVD como One Night Only: Barbra Streisand & Quartet at the Village Vanguard.[90] Em 29 de setembro de 2009, Streisand e a Columbia Records lançaram seu mais novo álbum de estúdio, Love Is the Answer, produzido por Diana Krall.[91] Em 2 de outubro de 2009, Streisand fez sua estréia na televisão britânica com uma entrevista no Friday Night with Jonathan Ross para promover o álbum. Este álbum estreou em primeiro lugar na Billboard 200 e registrou suas maiores vendas semanais desde 1997, fazendo de Streisand a única artista na história a alcançar o primeiro lugar em cinco décadas diferentes.[92][93]

Em 1 de fevereiro de 2010, Streisand se juntou a mais de 80 outros artistas na gravação de uma nova versão do single beneficente de 1985 "We Are the World". Quincy Jones e Lionel Richie planejaram lançar a nova versão para marcar o 25º aniversário de sua gravação original.[94] Esses planos mudaram, no entanto, em vista do terremoto devastador que atingiu o Haiti em 12 de janeiro de 2010, e em 12 de fevereiro, a canção, agora chamada "We Are the World 25 for Haiti", fez sua estreia como single de caridade para apoiar ajuda humanitária para a nação insular.[94] Em 2011, Streisand cantou "Somewhere" do musical da Broadway West Side Story, com a criança prodígio Jackie Evancho, no álbum de Evancho Dream with Me.[95] Streisand foi homenageado como MusiCares Person of the Year em 11 de fevereiro de 2011, dois dias antes do 53º Grammy Awards.[96]

Em 11 de outubro de 2012, Streisand fez um show de três horas diante de uma multidão de 18.000 como parte dos eventos inaugurais do Barclays Center, no Brooklyn. Acompanhada pelo trompetista Chris Botti, o trio operístico italiano Il Volo e seu filho Jason Gould. O concerto incluiu tributos musicais de Streisand a Donna Summer e Marvin Hamlisch, ambos mortos no início de 2012. Os participantes confirmados incluíram Barbara Walters, Jimmy Fallon, Sting, Katie Couric, Woody Allen, Michael Douglas e o prefeito de Nova York Michael Bloomberg, bem como os designers Calvin Klein, Donna Karan, Ralph Lauren e Michael Kors.[97][98] Em junho de 2013, ela fez dois concertos no Estádio Bloomfield, em Tel Aviv. Streisand é um dos muitos cantores que usam teleprompters durante suas apresentações ao vivo e defendeu sua escolha em usar teleprompters para exibir letras e, às vezes, brincadeiras.[99]

Em setembro de 2014,[100] ela lançou Partners, um novo álbum de duetos que apresenta colaborações com Elvis Presley, Andrea Bocelli, Stevie Wonder, Lionel Richie, Billy Joel, Babyface, Michael Bublé, Josh Groban, John Mayer, John Legend, Blake Shelton e Jason Gould.[101] Este álbum chegou ao topo da Billboard 200 com vendas de 196.000 cópias na primeira semana, tornando Streisand o único artista a ter um álbum número um em cada uma das últimas seis décadas.[102] Também foi certificado como disco de ouro em novembro de 2014 e platina em janeiro de 2015, tornando-se o 52º álbum de ouro e 31º álbum de platina de Streisand, mais do que qualquer outra artista feminina na história.[103]

Em maio de 2016, Streisand anunciou o álbum Encore: Movie Partners Sing Broadway a ser lançado em agosto após uma turnê por nove cidades, chamada Barbra: The Music, The Mem'ries, The Magic, incluindo apresentações em Los Angeles, Las Vegas, Filadélfia, e um retorno à sua cidade natal, Brooklyn.[104] Em junho de 2018, Streisand confirmou que estava trabalhando em um álbum intitulado Walls.[105] Este álbum, um protesto contra o governo Trump, foi lançado em 2 de novembro de 2018, pouco antes da eleição de meio de mandato nos EUA. Uma das faixas apresentadas neste álbum é "Don't Lie to Me".[106] No The New York Times, ela revelou que escreveu essa música pelas indignações que tinha pelo mau comportamento de Donald Trump, que a mantinham acordada à noite.[107]

AtuaçãoEditar

 
Barbra Streisand no filme Hello, Dolly!
 
Barbra Streisand, 1970

Seu primeiro filme foi uma reprise de seu sucesso na Broadway, Funny Girl (1968), um sucesso artístico e comercial dirigido pelo veterano de Hollywood William Wyler. Streisand ganhou o Oscar de melhor atriz em 1968 pelo papel,[108] compartilhando-o com Katharine Hepburn (O Leão no Inverno), a única vez em que houve um empate nesta categoria do Oscar.[109] Seus dois filmes seguintes também foram baseados em musicais - Hello, Dolly! de Jerry Herman, dirigido por Gene Kelly (1969); e On a Clear Day You Can See Forever, de Alan Jay Lerner e Burton Lane, dirigido por Vincente Minnelli (1970) - enquanto seu quarto filme foi baseado na peça da Broadway The Owl and the Pussycat (1970).[110]

Durante a década de 1970, Streisand estrelou em várias comédias malucas, incluindo What's Up, Doc? (1972) e The Main Event (1979), ambos coestrelados por Ryan O'Neal, e For Pete's Sake (1974) com Michael Sarrazin.[110] Um de seus papéis mais famosos durante esse período foi no drama The Way We Were (1973), com Robert Redford, pelo qual recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz. Ela ganhou seu segundo Oscar, mas dessa vez como Melhor Canção Original (com o letrista Paul Williams) pela canção "Evergreen", de A Star Is Born em 1976, no qual ela também estrelou.[111]

Junto com Paul Newman, Sidney Poitier e mais tarde Steve McQueen, Streisand formou a First Artists Production Company, em 1969, para que os atores pudessem garantir propriedades e desenvolver projetos de filmes. A produção inicial de Streisand com a companhia foi Up the Sandbox (1972).[112]

De 1969 a 1980, Streisand apareceu no Top Ten Money Making Stars Poll, a enquete dos exibidores de filmes das 10 maiores arrecadações de bilheteria do ano, em um total de 10 vezes,[113] muitas vezes como a única mulher na lista. Após o decepcionante desempenho comercial de All Night Long, em 1981, a produção cinematográfica de Streisand diminuiu consideravelmente. Ela atuou em apenas oito filmes desde então.[110]

Streisand produziu vários de seus próprios filmes, criando a Barwood Films, em 1972. O primeiro filme que ela fez, Yentl (1983), foi rejeitado por todos os estúdios de Hollywood pelo menos uma vez quando ela pediu não apenas para dirigir o filme, mas também para ser a protagonista, até que a Orion Pictures assumiu o projeto e deu ao filme um orçamento de $ 14 milhões.[114] Para Yentl (1983), foi produtora, diretora e atriz, experiência que repetiu para The Prince of Tides (1991) e The Mirror Has Two Faces (1996). Houve controvérsia quando Yentl recebeu cinco indicações ao Oscar, mas nenhuma para as categorias principais de Melhor Filme, Atriz ou Diretor.[115] O Príncipe das Marés recebeu ainda mais indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme e Melhor Roteiro, embora não para o diretor. Após a conclusão do filme, seu roteirista, Pat Conroy, que também escreveu o romance, chamou Streisand de "uma deusa que anda sobre a terra".[24] Streisand também escreveu o roteiro de Yentl (com Jack Rosenthal), algo pelo qual ela nem sempre recebe crédito.[116] De acordo com o editor da página editorial do The New York Times, Andrew Rosenthal, em uma entrevista com Allan Wolper, "A única coisa que deixa Barbra Streisand louca é quando ninguém lhe dá o crédito por ter escrito Yentl."[117]

Em 2004, Streisand voltou a atuar no cinema após um hiato de oito anos, na comédia Meet the Fockers (uma sequência de Meet the Parents), contracenando com Dustin Hoffman, Ben Stiller, Blythe Danner e Robert De Niro.[118] Em 2005, a Streisand's Barwood Films, Gary Smith e Sonny Murray compraram os direitos do livro de Simon Mawer, Mendel's Dwarf.[119] Em dezembro de 2008, ela declarou que estava considerando dirigir uma adaptação da peça de Larry Kramer, The Normal Heart, um projeto no qual ela trabalhou desde meados dos anos 1990.[120] Em dezembro de 2010, Streisand apareceu em Little Fockers, o terceiro filme da trilogia Meet the Parents. Ela reprisou o papel de Roz Focker ao lado de Dustin Hoffman.[121]

Em 28 de janeiro de 2011, o The Hollywood Reporter anunciou que a Paramount Pictures deu sinal verde para começar a filmar a comédia My Mother's Curse, com Seth Rogen interpretando o filho da personagem de Streisand. Anne Fletcher dirigiu o projeto com um roteiro de Dan Fogelman, produzido por Lorne Michaels, John Goldwyn e Evan Goldberg. Os produtores executivos incluíram Streisand, Rogen, Fogelman e David Ellison, cuja Skydance Productions co-financiou o road movie.[122] As filmagens começaram na primavera de 2011 e terminaram em julho; o título do filme foi eventualmente alterado para The Guilt Trip, e foi lançado em dezembro de 2012.[122]

Streisand foi sugerida para estrelar uma adaptação cinematográfica do musical Gypsy - com música de Jule Styne, um livro de Arthur Laurents e letras de Stephen Sondheim - com Richard LaGravenese supostamente ligado ao projeto como roteirista.[123] Em abril de 2016, foi relatado que Streisand estava em negociações avançadas para estrelar e produzir o filme, que seria dirigido por Barry Levinson e distribuído pela STX Entertainment.[124] Dois meses depois, o roteiro do filme foi concluído e a produção estava programada para começar no início de 2017.[125]

Em 2015, surgiram planos para Streisand dirigir um filme biográfico sobre a imperatriz russa do século XVIII Catarina II da Rússia, baseado no roteiro da Lista Negra de 2014, produzido por Gil Netter[126] e com Keira Knightley estrelando.[127] Em 2021, nada aconteceu desses planos.

Habilidades vocaisEditar

Streisand possui um alcance vocal meio-soprano,[128][129] que Howard Cohen do Miami Herald descreve como "incomparável".[129] Whitney Balliett escreveu: "Streisand impressiona seus ouvintes com sua dinâmica perspicaz, sua bravura sobe, seu vibrato ondulante e a singular qualidade nasal de Streisand-from-Brooklyn em sua voz - uma voz tão imediatamente reconhecível em seu caminho quanto a de Louis Armstrong."[130] A escritora musical Allegra Rossi acrescenta que Streisand cria composições completas em sua cabeça: "Mesmo que ela não possa ler ou escrever música, Barbra ouve melodias como composições completas em sua cabeça. Ela ouve uma melodia e a absorve, aprendendo rapidamente. Barbra desenvolveu sua habilidade de sustentar notas longas porque ela quis. Ela pode moldar uma melodia que outros não podem; ela é capaz de cantar entre o canto e a fala, mantendo-se afinada, carregando ritmo e significado.[34][131]

Embora ela seja predominantemente uma cantora pop, a voz de Streisand foi descrita como "semi-operática" devido à sua força e qualidade de tom.[132] De acordo com Adam Feldman da revista Time Out, o "estilo vocal característico" de Streisand é "uma ponte suspensa entre o belting da velha escola e o pop de microfone".[133] Ela é conhecida por sua habilidade de segurar notas relativamente altas, tanto altas quanto suaves, com grande intensidade, bem como por sua capacidade de fazer enfeites leves, mas discretos, em uma linha melódica. A qualidade anterior levou o pianista clássico Glenn Gould a se autodenominar "um freak Streisand".[134]

Nos últimos anos, os críticos e o público notaram que sua voz "baixou e adquiriu um tom ocasionalmente rouco". No entanto, o crítico de música do The New York Times, Stephen Holden, observou que seu tom distinto e instintos musicais permanecem, e que ela ainda "tem o dom de transmitir um desejo humano primordial em um belo som".[132] Paul Taylor, do The Independent, escreveu que a voz de Streisand "parece um pouco áspera e desgastada, embora a determinação firme e a técnica soberba com que Streisand consegue superar essas dificuldades tenha parecido moral e esteticamente impressionante".[135] Em uma crítica sobre o álbum de estúdio Partners, Gil Naveh do Haaretz descreveu a voz de Streisand como "aveludada, clara e poderosa ... e o passar dos anos deu a ela uma profundidade e aspereza fascinantes."[136]

Vida pessoalEditar

Relacionamentos e famíliaEditar

 
Barbra Streisand com o então marido Elliot Gould e o filho Jason, em 1967
 
Barbra Streisand com o marido James Brolin, em 2013

Streisand foi casada duas vezes. Seu primeiro marido foi o ator Elliott Gould, com quem se casou em 13 de setembro de 1963. Eles anunciaram sua separação em 12 de fevereiro de 1969 e se divorciaram em 6 de julho de 1971. Eles tiveram um filho, Jason Gould, que apareceu como seu filho na tela em O Príncipe das Marés. Em 1969 e 1970, Streisand namorou o primeiro-ministro canadense Pierre Trudeau.[137][138][139] Ela começou um relacionamento com o cabeleireiro / produtor Jon Peters em 1973.[140] Ele passou a ser seu empresário e produtor. Eles se separaram em 1982 durante a produção de Yentl, mas continuam amigos. Ela é a madrinha de suas filhas, Caleigh Peters e Skye Peters.[141] De novembro de 1983 a outubro de 1987, Streisand morou com o herdeiro do sorvete Baskin-Robbins, Richard Baskin, que escreveu a letra de "Here We Are At Last" em seu álbum de 1984, Emotion.[142] Ela namorou o ator Don Johnson de dezembro de 1987 até pelo menos setembro de 1988, a dupla gravou um dueto de "Till I Loved You".[143][144] Em 1983 e 1989, respectivamente, Streisand namorou brevemente os atores Richard Gere[145] e Clint Eastwood.[146] De 1989 a 1991, ela esteve envolvida com o compositor James Newton Howard.[147]

Streisand namorou o campeão de tênis Andre Agassi de 1992 a 1993. Escrevendo sobre o relacionamento em sua autobiografia de 2009, Agassi disse: "Concordamos que somos bons um para o outro, e daí se ela for 28 anos mais velha? Somos simpáticos, e o clamor público apenas adiciona tempero à nossa conexão. Isso faz com que nossa amizade pareça proibida, um tabu - outra parte da minha rebelião geral. Namorar Barbra Streisand é como usar Lava Quente."[148] Durante o início da década de 1990, Streisand estava em relacionamentos românticos com vários homens bem sucedidos, incluindo o apresentador Peter Jennings,[149] bem como os atores Liam Neeson,[150] Jon Voight[151] e Peter Weller.[152] Ela é conhecida por ter tido ligações com o presidente dos EUA Bill Clinton,[153][154] Príncipe Charles,[155][156] e Dodi Fayed.[157][158]

Seu segundo marido é o ator James Brolin, com quem ela se casou em 1 de julho de 1998.[159] Embora eles não tenham filhos juntos, Brolin tem dois filhos de seu primeiro casamento, incluindo o ator Josh Brolin, e uma filha de seu segundo casamento.[160][161]

Streisand é dona de vários cães, e ela amava tanto sua cadela Samantha, que a clonou.[162]

Em março de 2019, Streisand se desculpou por suas declarações polêmicas sobre os acusadores de Michael Jackson.[163]

NomeEditar

Streisand mudou seu nome de "Barbara" para "Barbra" porque, ela disse, "Eu odiava o nome, mas me recusei a mudá-lo."[164] Streisand explicou ainda: "Bem, eu tinha 18 anos e queria ser única , mas não queria mudar meu nome porque era muito falso. Sabe, as pessoas estavam dizendo que você poderia ser Joanie Sands ou algo parecido. (Meu nome do meio é Joan.) E eu disse: 'Não, vamos veja, se eu tirar o 'a', ainda é 'Barbara', mas é único."[165] Uma biografia de 1967 com um programa de concerto dizia: "a grafia de seu primeiro nome é um exemplo de rebeldia parcial: ela era aconselhada a mudar seu sobrenome e retaliou retirando um "a" do primeiro."[166]

PolíticaEditar

Nos primeiros anos de sua carreira, o interesse de Streisand pela política foi limitado, com exceção de sua participação em atividades do grupo anti-nuclear Women Strike for Peace, em 1961 e 1962.[167] Em julho de 1968, com Harry Belafonte e outros, ela se apresentou no Hollywood Bowl em um concerto para arrecadação de fundos patrocinado pela Southern Christian Leadership Conference.[168]

Streisand é uma apoiadora ativa (e de longa data) do Partido Democrata e de muitas de suas causas. Ela estava entre as celebridades na lista de inimigos políticos do presidente Richard Nixon, de 1971.[169] Em 1995, Streisand falou na Escola de Governo John F. Kennedy de Harvard sobre o papel do artista como cidadão, em apoio a programas de artes e financiamento.[170][171]

Streisand é um defensora dos direitos dos homossexuais e apoiou a campanha "No on 8" em uma tentativa malsucedida de derrotar a Proposição 8 da Califórnia (2008).[172]

Em 2012, Streisand declarou: "As novas leis que exigem que os cidadãos dos EUA apresentem documentos de identidade com foto nas urnas são projetadas para privar os cidadãos idosos e de minorias do precioso direito de votar. Essas leis regressivas são em si a fraude eleitoral mais perigosa que ameaça a democracia americana."[173] Streisand continuou sua defesa dos direitos do eleitor em 2020, tweetando um link para VoteRiders, uma organização sem fins lucrativos que ajuda os cidadãos a obterem a carteira de eleitor.[174]

Em junho de 2013, ela ajudou a comemorar o 90º aniversário de Shimon Peres realizado no centro de convenções internacional de Jerusalém.[175] Ela também se apresentou em dois outros concertos em Tel Aviv na mesma semana, parte de sua primeira turnê de concertos em Israel.[176]

Em janeiro de 2017, ela participou da Marcha Feminina 2017, em Los Angeles. Apresentado por Rufus Wainwright, Streisand apareceu no palco e fez um discurso.[177]

Em uma entrevista de outubro de 2018 com Emma Brockes, do The Guardian, Streisand discutiu o tema de seu novo álbum Walls: o perigo que ela acreditava que o presidente Donald Trump representava para os Estados Unidos. Ela disse: "Esta é uma época perigosa nesta nação, nesta república: um homem que é corrupto e indecente e está atacando nossas instituições. É muito, muito assustador. E eu só rezo para que as pessoas que são compassivas e respeitam a verdade venham e votem. Estou dizendo mais do que apenas votar. Vote nos democratas!"[178]

FilantropiaEditar

 
Streisand em 2018, fazendo uma leitura no J. Edward Rall Cultural Lecture, onde ela destacou a questão da saúde cardiovascular da mulher.

Em 1984, Streisand doou o Emanuel Streisand Building for Jewish Studies à Universidade Hebraica de Jerusalém, no campus do Monte Scopus, em memória de seu pai, um educador e estudioso que morreu quando ela era jovem.[179][180][181]

Streisand arrecadou sozinha mais de $25 milhões[182] para organizações por meio de suas apresentações ao vivo. A Streisand Foundation,[183] estabelecida em 1986, contribuiu com mais de $16 milhões por meio de quase 1.000 doações para "organizações nacionais que trabalham na preservação do meio ambiente, educação de eleitores, proteção das liberdades civis e direitos civis, questões femininas[184] e nuclear desarmamento".[185]

Em 2006, Streisand doou US $ 1 milhão para a Fundação William J. Clinton em apoio à iniciativa de mudança climática do ex-presidente Bill Clinton.[186]

Em 2009, Streisand doou US$ 5 milhões para Barbra Streisand Women's Cardiovascular Research and Education Program no Centro do Coração da Mulher do Cedars-Sinai Medical Center.[187] Em setembro daquele ano, a revista Parade incluiu Streisand em sua segunda pesquisa anual Giving Back 30 do Giving Back Fund, "uma classificação das celebridades que fizeram as maiores doações para instituições de caridade em 2007 de acordo com registros públicos",[188] como a terceira mais celebridade generosa. O Giving Back Fund afirmou que Streisand doou US $ 11 milhões, que a Fundação Streisand distribuiu. Em 2012, ela arrecadou US $ 22 milhões para apoiar seu centro cardiovascular feminino, trazendo sua própria contribuição pessoal de US $ 10 milhões. O programa foi oficialmente denominado Centro do Coração da Mulher Barbra Streisand.[189]

Em Julien's Auctions em outubro de 2009, Streisand, uma colecionadora de arte e móveis de longa data, vendeu 526 itens, com todo o dinheiro revertido para sua fundação. Os itens incluíam uma fantasia de Funny Lady e um gabinete odontológico vintage comprado pela artista aos 18 anos. O lote mais valioso da venda foi uma pintura de Kees van Dongen.[190]

Em dezembro de 2011, ela apareceu em uma gala de arrecadação de fundos para instituições de caridade das Forças de Defesa de Israel.[191]

Em junho de 2020, ela presenteou a filha de George Floyd, Gianna Floyd, com Disney shares.[192]

LegadoEditar

HonrasEditar

Streisand recebeu o Distinguished Merit Award da revista Mademoiselle, em 1964 e foi selecionada como Miss Ziegfeld, em 1965.[193] Em 1968, ela recebeu a Israel Freedom Medal, o maior prêmio civil de Israel, e os prêmios Pied Piper da ASCAP e o Prix De L ' Academie Charles Cros, em 1969, além do Crystal Apple em sua cidade natal City of New York, e o Woman of Achievement in the Arts pela Anti-Defamation League, em 1978.[193] Em 1984, Streisand recebeu o Women in Film Crystal Award para mulheres de destaque que, por meio de sua resistência e a excelência de seu trabalho ajudaram a expandir o papel das mulheres na indústria do entretenimento.[194] Ela recebeu o Woman of Courage Award da National Organization for Women (NOW), a Ordre des Arts et des Lettres[195] e o Scopus Award do American Friends of The Hebrew University.[193]

Em 1991, no simpósio Women, Men and Media, ela recebeu o Breakthrough Awards por "fazer filmes que retratam mulheres com grande complexidade".[196] Em 1992, recebeu o Commitment to Life Award do AIDS Project Los Angeles (APLA) e o Prêmio Bill of Rights da União Americana de Liberdades Civis do Sul da Califórnia; além do Dorothy Arzner Special Recognition pelo Women in Film Crystal + Lucy Awards e o Golden Plate pela Academy of Achievement.[193] Ela foi homenageada com o Prêmio Humanitário Harry Chapin da ASCAP em 1994 e o Prêmio Peabody em 1995, no mesmo ano em que recebeu um Honorary Doctorate in Arts and Humanities pela Universidade de Brandeis.[195] Ela também foi premiada como Filmmaker of the Year por "realização de uma vida inteira no cinema" pelo ShowEast and Peabody Award em 1996, e pelo Christopher Award, em 1998.[193]

Em 2000, o presidente Bill Clinton presenteou Streisand com o National Medal of Arts, a maior honraria especificamente concedida por realizações nas artes,[197] e o Library of Congress Living Legend,[193] ela também recebeu uma homenagem pela carreira no cinema, o AFI Life Achievement, prêmio do American Film Institute e os prêmios Liberty and Justice Award da Rainbow/PUSH Coalition, Gracie Allen Award, First Annual Jewish Image Awards, em 2001 e o Humanitarian Award "por seus anos de liderança, visão e ativismo na luta pelas liberdades civis, incluindo religião, raça, igualdade de gênero e liberdade de expressão, bem como todos os aspectos dos direitos dos homossexuais", da Human Rights Campaign, em 2004.[193] Em 2007, o presidente francês Nicolas Sarkozy a presenteou com o Legion of Honour, a mais alta condecoração da França, e o presidente George W. Bush apresentou uma homenagem no Kennedy Center, o maior reconhecimento de conquistas culturais.[193]

Em 2011, ela recebeu o Board of Governors Humanitarian Award por seus esforços em prol da saúde cardíaca das mulheres e suas muitas outras atividades filantrópicas pelo Cedars-Sinai Heart Institute.[193] Ela recebeu o Prêmio L'Oréal Paris Legend na 18ª revista Elle Magazine Women in Hollywood.[193] Em 2012, ela recebeu um prêmio pelo conjunto da obra do Women Film Critics Circle, e o título de Honorary Doctorate of Philosophy pela Universidade Hebraica de Jerusalém em 2013. Nesse mesmo ano, ela também recebeu o Charlie Chaplin Award for Lifetime Achievement da Film Society of Lincoln Cente como a única artista feminina a dirigir, escrever, produzir e estrelar o mesmo filme por um grande estúdio, Yentl,[198] junto com o Lifetime Achievement Glamour Awards.[199]

Em 2014, Streisand esteve em uma das oito capas da revista New York comemorando os "100 anos, 100 canções, 100 noites: um século de música pop em Nova York" da revista. Ela também recebeu o prêmio Board of Governors da American Society of Cinematographers (ASC),[193] o Sherry Lansing Leadership Award no evento anual Women in Entertainment Breakfast do The Hollywood Reporter,[200] e ficou em primeiro lugar no 1010 Wins Iconic Celebrity Poll da CBS, em 2015.[195] Em novembro de 2015, o presidente Barack Obama anunciou que Streisand receberia a Medalha Presidencial da Liberdade, o maior prêmio civil dos Estados Unidos.[201] Streisand foi introduzida ao Hollywood Walk of Fame em 1976, e ao Goldmine Hall of Fame em 2002,[202] outros prêmios semelhantes foram: Long Island Music Hall of Fame em 2007,[203] Hit Parade Hall of Fame em 2009,[204] National Museum of American Jewish History e o Hall da Fama da Califórnia, em 2010.[195]

Em 1970, ela recebeu um Tony Award especial denominado "Estrela da Década", e foi eleita "Estrela da Década" pela National Association of Theatre Owners (NATO) em 1980 e "Estrela da Década" pela NATO / ShowWest e o President's Award da NARM, em 1988.[193] Naquele ano, ela também foi indicada como Artista Musical Favorita de Todos os Tempos pelo People's Choice Awards. Em 1986, a revista Life nomeou-a como uma das "Cinco Mulheres Mais Poderosas de Hollywood".[205] Em 1998, Harris Poll relatou que ela é a "cantora mais popular entre os adultos americanos de todas as idades". Ela também foi apresentada no VH1 100 Greatest Women of Rock N Roll,[206] Top 100 Singers de todos os tempos pela revista Mojo,[207] eleita a melhor cantora do século em uma enquete da Reuters/Zogby, e "Melhor Artista Feminina do Século" pela Recording Industry Association of America, em 1999.[208][209] Em 2006, Streisand foi um dos homenageados no Legends Ball da Oprah Winfrey.[210]

Em 2015, o The Daily Telegraph classificou Streisand como uma das 10 melhores cantoras e compositoras de todos os tempos.[211] A revista A&E's Biography classificou Streisand como uma das atrizes favoritas de todos os tempos,[212] ela também apareceu na lista Voices of the Century da BBC,[213] e na lista das "100 maiores estrelas de cinema do tempo" compilada pela revista People. [214] Streisand também aparece na lista da VH1 de os "200 maiores ícones da cultura pop de todos os tempos",[215] e nas listas de os "100 maiores artistas de todos os tempos" (classificada em 13º lugar) e "lista das maiores estrelas de cinema de todos os tempos" da Entertainment Weekly,[206] bem como em "As 50 Maiores Atrizes de Todos os Tim" da AMC,[216] e na Billboard Hot 100 de Top Artistas de Todos os Tempos.[217] A Billboard classificou Streisand como a melhor musicista judia de todos os tempos.[218] Como um ícone gay, Streisand foi nomeada pela The Advocate como uma das "25 mulheres mais legais" e na lista de "9 mulheres mais legais que atraem tanto lésbicas quanto homens gays",[219] e foi colocada entre os "12 maiores ícones gays femininos of All Time" da revista Out.[220] Também foi reconhecida como um dos principais ícones gays das últimas três décadas pela Gay Times.[221]

Durante a primeira década do século XXI o American Film Institute comemorou 100 anos dos maiores filmes do cinema americano. Quatro das canções de Streisand foram representadas no AFI's 100 Years ... 100 Songs, que destacou "A Melhor Música da América no Cinema": "The Way We Were" em # 8, "Evergreen (Love Theme From A Star Is Born)" em # 16, "People" em # 13 e "Don't Rain on My Parade" em # 46.[193] Muitos de seus filmes foram representados na série 100 anos ... da AFI. AFI's 100 Years ... 100 Laughs, destacando "os filmes e artistas de cinema que fizeram o público rir ao longo do século", classificou What's Up, Doc? em # 61.[193] AFI's 100 Years ... 100 Passions destacou as 100 maiores histórias de amor do cinema americano e colocou The Way We Were em # 8, Funny Girl em # 41 e What's Up, Doc? em # 68.[193] O Greatest Movie Musicals da AFI destacou os 25 maiores musicais do cinema americano, classificando Funny Girl em # 16.[193]

Em dezembro de 2016, o filme Funny Girl foi selecionado para preservação pela Biblioteca do Congresso no National Film Registry.[222] Em março de 2017, a música "People" foi selecionada para preservação no Registro Nacional de Gravações. Streisand disse que recebeu com humildade a notícia de ter a canção homenageada "como parte do fluxo da cultura de nossa nação".[223]

Turnês e PerformancesEditar

Performances TeatraisEditar

Na BroadwayEditar

Ano Título Notas
1961–1963 I Can Get It for You Wholesale Nomeada — Tony de Melhor Atriz em um Musical
1964–1965 Funny Girl Nomeada — Tony de Melhor Atriz em um Musical

Em West End

Ano Título Notas
1966 Funny Girl Teatro Prince of Wales, em Londres

Especiais de TelevisãoEditar

Ano Título Notas
1965 My Name Is Barbra
1966 Color Me Barbra
1967 The Belle of 14th Street
1968 A Happening in Central Park
1973 Barbra Streisand...And Other Musical Instruments
1975 Funny Girl to Funny Lady
1976 Barbra: With One More Look at You
1983 A Film Is Born: The Making of 'Yentl'
1986 Putting it Together: The Making of The Broadway Album
1987 One Voice
1994 Barbra Streisand: The Concert
2001 Barbra Streisand: Timeless
2009 Streisand: Live in Concert
2009 Friday Night with Jonathan Ross

TurnêsEditar

Ano Título Continente Bilheteria US$ Audiência
1966 An Evening with Barbra Streisand América do Norte $480 000 60 000
1994 Barbra Streisand: The Concert Tour América do Norte e Europa $50 milhões 400 000
2000 Timeless: Live in Concert Tour América do Norte e Oceania $70 milhões 200 000
2006–2007 Streisand: The Tour América do Norte e Europa $119,5 milhões 425 000
2012 Back to Brooklyn América do Norte $40 657 170 154 287
2013 Barbra Streisand Live América do Norte, Europa e Ásia $25 689 348 103 876

DiscografiaEditar

Álbuns de estúdioEditar

FilmografiaEditar

Ano Titulo Papel Notas
1968 Funny Girl Fanny Brice Oscar de Melhor Atriz Empatada com Katharine Hepburn por The Lion in Winter
David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira Empatada com Mia Farrow por Rosemary's Baby
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1969 Hello, Dolly! Dolly Levi Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1970 On a Clear Day You Can See Forever Daisy Gamble / Melinda Tentres
The Owl and the Pussycat Doris Wilgus
1972 What's Up, Doc? Judy Maxwell
Up the Sandbox Margaret Reynolds
1973 The Way We Were Katie Morosky David di Donatello de Melhor Atriz Estrangeira Empatada com Tatum O'Neal por Paper Moon
Nomeada - Oscar de Melhor Atriz
Nomeada - BAFTA de Melhor Atriz Principal
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz - Drama
1974 For Pete's Sake Henrietta 'Henry' Robbins
1975 Funny Lady Fanny Brice Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1976 A Star Is Born Esther Hoffman Howard (também produtora executiva)
Oscar de Melhor Canção Original Compartilhado com Paul Williams pela a canção Evergreen
Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
Globo de Ouro de Melhor Canção Original Compartilhado com Paul Williams pela a canção Evergreen
1979 The Main Event Hillary Kramer
1981 All Night Long Cheryl Gibbons
1983 Yentl Yentl/Anshel (também produtora, diretora e roteirista)
Globo de Ouro de Melhor Diretor
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
1987 Nuts Claudia Faith Draper Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz - Drama
1991 The Prince of Tides Dr. Susan Lowenstein (também produtora, diretora e roteirista)
Nomeada - Oscar de Melhor Filme
Nomeada - Directors Guild of America Award
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Diretor
1996 The Mirror Has Two Faces Rose Morgan (também produtora, diretora e roteirista)
Nomeada - Oscar de Melhor Canção Original Compartilhado com Marvin Hamlisch, Robert John Lange e Bryan Adams pela a canção "I Finally Found Someone"
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Atriz em Comédia ou Musical
Nomeada - Globo de Ouro de Melhor Canção Original Compartilhado com Marvin Hamlisch, Robert John Lange e Bryan Adams pela a canção "I Finally Found Someone"
2004 Meet the Fockers Roz Focker
2010 Little Fockers Roz Focker
2012 The Guilt Trip Joyce Brewster
2013 Gypsy Mama Rose

Ver tambémEditar

Precedida por
Katharine Hepburn
por Guess Who's Coming to Dinner
Oscar de Melhor Atriz
por Funny Girl

1969
Sucedida por
Maggie Smith
por The Prime of Miss Jean Brodie
Precedida por
Keith Carradine
por Nashville
Oscar de melhor canção
por A Star Is Born

1976
Sucedida por
Joseph Brooks
por Luz da Minha Vida
Precedida por
Anne Bancroft
por The Graduate
Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical
por Funny Girl

1969
Sucedida por
Patty Duke
por Me, Natalie
Precedida por
Ann-Margret
por Tommy
Globo de Ouro de melhor atriz em comédia ou musical
por A Star Is Born

1976
Sucedida por
Diane Keaton
por Annie Hall
Precedida por
Richard Attenborough
por Gandhi
Globo de Ouro de melhor diretor
por Yentl

1984
Sucedida por
Miloš Forman
por Amadeus

Referências

  1. a b c d e Savage, Mark (4 de agosto de 2021). «Barbra Streisand: 'I've always had the right to sing what I want'». BBC News 
  2. «Chart Watch Extra: The Acts With The Most Top 10 Albums, Ever – Chart Watch». Yahoo! Music. 17 de outubro de 2008. Consultado em 9 de dezembro de 2009 
  3. Mhairi Graham (24 de abril de 2012). «Barbra Streisand: Hollywood Rebel». AnOther. Consultado em 23 de março de 2020 
  4. «Barbra Streisand's Awards». IMDb. 2 de março de 2013. Consultado em 2 de março de 2013 
  5. «Barbra Streisand to Sing 'The Way We Were' for the Oscars Memorial Segment». movies.broadwayworld.com. 22 de fevereiro de 2013. Consultado em 2 de março de 2013 
  6. Kagan, Jeremy. Directors Close Up, Scarecrow Press (2006) p. 297
  7. Embley, Jochan (6 de março de 2019). «Barbra Streisand to headline British Summer Time: How to get tickets for BST Hyde Park». Evening Standard. Consultado em 6 de março de 2019 
  8. McDonald, Soraya. «After 51-year absence, Barbra Streisand takes the host chair at 'The Tonight Show'». The Washington Post. Consultado em 17 de junho de 2015 
  9. «Top Selling Artists (albums)». RIAA. 25 de março de 2015. Consultado em 25 de março de 2015 
  10. «Greatest of All Time (Billboard 200 Artists)». Billboard. Consultado em 13 de novembro de 2015 
  11. «AC's Top Artists» (PDF). Billboard. 23 de julho de 2011. p. 16. Consultado em 24 de julho de 2021 
  12. «Academy Awards Database». Academy of Motion Picture Arts and Sciences. 29 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de julho de 2012 [ligação inativa] 
  13. "Barbra Streisand Goes Platinum for History-Making 31st Time with Partners". Broadway World. January 20, 2015.
  14. «The Ultimate Show Biz Coup: PEGOT». The Peabody Awards. Consultado em 10 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2020 
  15. Johnson, Ted. «Steven Spielberg, Barbra Streisand to Receive Presidential Medal of Freedom». Variety. Yahoo!. Consultado em 17 de novembro de 2015. Arquivado do original em 23 de março de 2017 
  16. «Awards Search». Hollywood Foreign Press Association. Consultado em 10 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  17. Gavin, James (5 de outubro de 2012). «'Hello, Gorgeous – Becoming Barbra Streisand,' by William J. Mann». The New York Times. Consultado em 31 de outubro de 2012 
  18. «'Guilt Trip': Streisand on Songs, Films And Family». NPR. 17 de dezembro de 2012. Consultado em 29 de abril de 2018 
  19. Walden, Celia (26 de agosto de 2011). «Barbra Streisand interview». The Telegraph. Consultado em 29 de abril de 2018 
  20. Rayner, Jay (6 de maio de 2007). «One-night stands don't come cheap». The Guardian. Consultado em 29 de abril de 2018 
  21. Chabin, Michele (21 de junho de 2013). «Streisand wows Israelis, makes headlines for segregation stand». USA Today. Consultado em 11 de maio de 2018 
  22. Andersen, Christopher (2006). Barbra: The Way She Is . [S.l.: s.n.] pp. 20–22 
  23. Cords, Suzanne (24 de abril de 2017). «Barbra Streisand at 75: A girl from Brooklyn makes it big». Deutsche Welle. Consultado em 11 de maio de 2018 
  24. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah Christopher Nickens, and Swensen, Karen. The Films of Barbra Streisand, Citadel Press (2000)
  25. «Barbra Streisand Archives | Childhood, Brooklyn, 1942, Diana Kind». Barbra-archives.com. Consultado em 4 de dezembro de 2013 
  26. Barbra Streisand Interview with Rosie Rosie O'Donnell, April 29, 2016
  27. Paskin, Barbra (30 de maio de 2013). «Streisand's kid sister is happy as one of Kind». The Jewish Chronicle. Consultado em 11 de maio de 2018 
  28. «Official Site». Roslyn Kind. Consultado em 4 de dezembro de 2013 
  29. Hernandez, Greg."My Chat w/Roslyn Kind: Streisand's sister is on the comeback trail..." Arquivado 2011-07-13 no Wayback Machine insidesocal.com, January 29, 2008
  30. Fink, Jerry (11 de novembro de 2008). «Streisand's sister has 'come to terms' with superstar's shadow». Las Vegas Sun 
  31. «Barbra Streisand». Jewishvirtuallibrary.org. Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 17 de julho de 2011 
  32. «Heroes - Trailblazers of the Jewish People». Beit Hatfutsot. Arquivado do original em 17 de novembro de 2019 
  33. Usborne, David (29 de janeiro de 2005). «Barbra Streisand: A star is reborn». The Independent. Consultado em 11 de maio de 2018 
  34. a b Rossi, Allegra. Barbra: A Retrospective, Sterling Publishing, N.Y. (2012) pp. 176–179
  35. Jackson, Laura. Neil Diamond: His Life, His Music, His Passion, ECW Press (2005) p. 155
  36. Rolling Stone magazine, March 21, 1996 p. 36
  37. David Boyer (March 11, 2001). "NEIGHBORHOOD REPORT: FLATBUSH; Grads Hail Erasmus as It Enters a Fourth Century". The New York Times. Retrieved August 15, 2009.
  38. a b «The Lion». Barbra-archives.com. 1 de julho de 1960. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 7 de julho de 2011 
  39. «Barbra Streisand Archives | 1962 Not Success Yet (Interview)». Barbra-archives.com. 17 de junho de 1962. Consultado em 20 de maio de 2016 
  40. "Jimmy Fallon and Barbra Streisand", fair use clip Arquivado 2016-03-12 no Wayback Machine
  41. video: Barbra Streisand on the Tonight Show, 2014. fair use clip
  42. video: Barbra Streisand on the Tonight Show, hosted by Johnny Carson, October 4, 1962 – fair use clip
  43. Tommasini, Anthony (27 de setembro de 2009). «Streisand's Fine Instrument and Classic Instinct». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2010 
  44. video: Barbra Streisand on the Jack Paar Show, 1961 – fair use clip
  45. «'P.M. East P.M. West' at». Barbra-archives.com. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 7 de julho de 2011 
  46. Mann, William J. (2012). Hello Gorgeous: Becoming Barbra Streisand. Boston and New York: Houghton Mifflin Harcourt. pp. 213–214, 245. ISBN 978-0-547-36892-4 
  47. Barbra Streisand on Johnny Carson's Tonight Show, 1962 – fair use clip
  48. Thomas, Bob, (1987) "Liberace, The True Story." (London, Weidenfeld and Nicolson).
  49. Barbra Streisand. Just for the Record... Columbia C4K 44111, 1991, liner notes.
  50. «Tony Awards Drop Competitive Special Event Category». Los Angeles Times. 19 de junho de 2009. Consultado em 3 de fevereiro de 2014 
  51. Barbra Streisand, Judy Garland, and Ethel Merman on "The Judy Garland Show", 1963
  52. a b c William Ruhlmann. «Allmusic Review: Stoney End». Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  53. a b c d e f «Barbra Streisand > Charts & Awards > Billboard Singles». AllMusic. Consultado em 11 de agosto de 2021. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2015 
  54. «The American Recording Industry Announces its Artists of the Century» (Nota de imprensa). Recording Industry Association of America. 10 de novembro de 2009. Arquivado do original em 14 de maio de 2007 
  55. William Ruhlmann. «Allmusic Review: Guilty». Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  56. Loman, Anthony (28 de setembro de 2005). «Sounds like guilty». The Westmorland Gazette. Newsquest. Consultado em 9 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2021 
  57. William Ruhlmann. «Allmusic Review: The Broadway Album». allmusic (em inglês). Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  58. Savage, Mark (4 de agosto de 2021). «Barbra Streisand: 'I've always had the right to sing what I want'». BBC News 
  59. «Grammy Award Results for Barbra Streisand». The Recording Academy. Consultado em 27 de março de 2020. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2020 
  60. William Ruhlmann. «Allmusic Review: Just For the Record». allmusic (em inglês). Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  61. Newfield, Jack (novembro de 1996). «Diva Democracy». George. Barbra-archives.com. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  62. Tessa Stuart; Brittany Spanos e Kory Grow (13 de janeiro de 2017). «From Dylan to Beyonce: Most Legendary Inauguration Performances». Rolling Stone. Consultado em 3 de setembro de 2021 
  63. David J. Fox (20 de novembro de 1992). «A Night of Giving : Hollywood Opens Its Heart -and Its Purse- at AIDS Project L.A. Fund-Raiser at Universal Amphitheatre». Los Angeles Times. Consultado em 3 de setembro de 2021 
  64. William Ruhlmann. «Allmusic Review: Back to Broadway (Barbra Streisand album)». allmusic (em inglês). Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  65. Waldman, Allison J. (2001). The Barbra Streisand Scrapbook. [S.l.]: Citadel Press. p. 14. ISBN 0-8065-2218-6. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  66. Nudd, Tim; Wihlborg, Ulrica (26 de abril de 2012). «Barbra Streisand Celebrates 70th Birthday with John Travolta & Celeb Pals». People. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  67. Holden, Stephen (27 de junho de 1993). «Barbra Streisand Mixes Star Power And High Concept». The New York Times. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  68. a b c d e f «Archived copy». Consultado em 12 de agosto de 2012. Arquivado do original em 23 de agosto de 2012 
  69. «Allmusic Review: The Mirror Has Two Faces». Consultado em 26 de Agosto de 2012 
  70. «Gold & Platinum Database: "Barbra Streisand"» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 10 de agosto de 2021 
  71. a b c «Allmusic Review: A Love Like Ours». Consultado em 26 de Agosto de 2012 
  72. «Biography». barbrastreisand.com. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  73. «Allmusic Review: Timeless: Live in Concert». Consultado em 26 de Agosto de 2012 
  74. «Barbra Streisand se despede definitivamente dos palcos». Folha de S.Paulo. UOL HOST. 28 de setembro de 2000. Consultado em 3 de setembro de 2021 
  75. «Allmusic Review: Christmas Memories». Consultado em 26 de Agosto de 2012 
  76. «Allmusic Review: The Movie Album». AllMusic. Consultado em 22 de Agosto de 2012 
  77. «Allmusic Review: Guilty Pleasures». AllMusic. Consultado em 22 de Agosto de 2012 
  78. William Ruhlmann. «Tony Bennett: Biography». AllMusic. Consultado em 11 de junho de 2005. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2011 
  79. Todd Leopold (18 de outubro de 2007). «Tony Bennett remains true to standards». CNN. Consultado em 21 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2008 
  80. «Barbra Streisand Archives | North American Concert Tour 2006». Barbra-archives.com. Consultado em 13 de agosto de 2012 
  81. Tierney, John (26 de junho de 1994). «The Big City; Scalping, Fair and Square». The New York Times. Consultado em 4 de dezembro de 2013 
  82. «Chart Beat Chat». Billboard. 7 de julho de 2007. Consultado em 26 de julho de 2012 
  83. a b «Barbra-Archives:Streisand: Live in Concert 2006». Consultado em 22 de Agosto de 2012 
  84. «The Streisand fiasco: Fear and loathing in Castletown House». Hot Press. Consultado em 4 de dezembro de 2013 
  85. Pomerantz, Dorothy. «In Pictures: The Top-Earning Women In Music». Forbes. Consultado em 2 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2008 
  86. a b Marks, Peter (December 7, 2008). "Kennedy Center Honoree Barbra Streisand." The Washington Post. Retrieved December 10, 2008.
  87. Gardner, Elysa (10 de abril de 2009). «For Diana Krall, quiet time is a rare thing». USA Today. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  88. Frey, Jennifer. (December 8, 2008). "A Night Filled With Extra Stars." The Washington Post. Retrieved December 10, 2008.
  89. Sisario, Ben (28 de setembro de 2009). «Lucky Streisand Fans Were A-Listers for a Night». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2010. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2013 
  90. «Allmusic Review». Consultado em 26 de Agosto de 2012 
  91. «Barbra Streisand official site» (Nota de imprensa). Barbrastreisand.com. 22 de junho de 2009. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 1 de outubro de 2011 
  92. «Barbra Streisand Surprises With Ninth No. 1 On Billboard 200». Billboard.com. 14 de setembro de 2009. Consultado em 7 de outubro de 2009 
  93. Bacalzo, Dan (16 de novembro de 2009). «Barbra Streisand's Love Is the Answer Certified Gold: Theater News on TheaterMania.com - 11/16/2009». Theatermania.com. Consultado em 8 de julho de 2010 
  94. a b Johnson, Billy (21 de janeiro de 2010). «'We Are The World' Re-recording Reportedly In The Works». Yahoo! Music 
  95. «Jackie Explains Duet». barbratimeless.com. 17 de junho de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2012. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2013 
  96. «Barbra Streisand Named 2011 MusiCares Person of the Year». grammy.org. 10 de janeiro de 2011. Consultado em 13 de setembro de 2012 
  97. Gardner, Elysa (12 de outubro de 2012). «Her name is Barbra, and Brooklyn is her town». USA Today. Consultado em 12 de outubro de 2012 
  98. Fekadu, Mesfin (12 de outubro de 2012). «Barbra Streisand Is a Proud Brooklynite at Concert». Associated Press (via U.S. News & World Report). Consultado em 12 de outubro de 2012 
  99. «Barbra Streisand | Streisand's Stagefright Prompted By Forgotten Lyrics». Contactmusic. 25 de setembro de 2009. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  100. «Barbra Streisand sings with Elvis on new album». Music Week. Consultado em 8 de novembro de 2014 
  101. Bernstein, Jacob (14 de setembro de 2014). «Barbra Streisand, a Voice to Be Reckoned With». The New York Times 
  102. "Barbra Streisand Makes History at No. 1 on Billboard 200 Chart". Billboard Chart Beat. September 23, 2014.
  103. «Gay icon Barbra Streisand makes more history with latest album». Gay Star News. Consultado em 8 de novembro de 2014 
  104. «Breaking News: Barbra Streisand is Headed Back on 9-City Tour; Plus Reveals Third Broadway Album». broaDwayWorldNews. Consultado em 16 de maio de 2016 
  105. Sheehan, Paul (21 de junho de 2018). «Barbra Streisand interview: Emmys and new Netflix concert special». Gold Derby. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  106. Streisand, Barbara (9 de outubro de 2018). «Barbara Streisand: Don't Lie to Me». Consultado em 30 de outubro de 2018 – via YouTube 
  107. Haberman, Maggie (30 de outubro de 2018). «Barbra Streisand Can't Get Trump Out of Her Head. So She Sang About Him.». The New York Times. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  108. «Funny Girl (1968)». tcm. Consultado em 13 de setembro de 2012 
  109. Heinemann, Sue (1996). Timelines of American Women's History. [S.l.]: Perigee Trade. p. 362. ISBN 978-0-399-51986-4 
  110. a b c Cast and Crew: Barbra Streisand Rogerebert.com. Consultado em 3 de setembro de 2021.
  111. Ruhlmann, William. «A Star Is Born». AllMusic. Consultado em 13 de setembro de 2012 
  112. «Art Isn't Easy». Consultado em 13 de setembro de 2012. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2010 
  113. «Top Ten Money Making Stars». Quigley Publishing Company. 14 de abril de 2005. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2014 
  114. Spada, James (dezembro de 1983). «Streisand's 15-Year Quest to Make 'Yentl'». Billboard (Archive: 1963–2000). 95: BS8, BS10 – via ProQuest 
  115. 1983 Academy Awards Winners and History. Filmsite.com.
  116. «Yentl (1983)». IMDb 
  117. «Listen to On-Demand audio». streamguys.net 
  118. «Seqüência explora o abismo entre as famílias». Folha de S.Paulo. 28 de janeiro de 2005. Consultado em 21 de fevereiro de 2018 
  119. «Streisand buys 'Dwarf'». Variety. 14 de abril de 2005. Consultado em 17 de agosto de 2011 [ligação inativa] 
  120. Witchel, Alex (12 de janeiro de 1995). «AT HOME WITH: Larry Kramer; When a Roaring Lion Learns to Purr». The New York Times. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  121. International release dates Arquivado em 30 de agosto de 2010, no Wayback Machine. - site oficial do filme.
  122. a b Belloni, Matthew (28 de janeiro de 2011). «Exclusive: Barbra Streisand, Seth Rogen to Star in 'My Mother's Curse' for Paramount». The Hollywood Reporter. Consultado em 26 de julho de 2012 
  123. Perlman, Jake (August 1, 2014). "The 'Gypsy' Film with Barbra Streisand Might Still Be Happening After All". Entertainment Weekly. Retrieved June 16, 2015.
  124. «Barbra Streisand, Barry Levinson Reviving 'Gypsy' for STX Entertainment (EXCLUSIVE)». Variety. 11 de abril de 2016. Consultado em 11 de abril de 2016 
  125. «Barbra Streisand Gypsy Film Script Complete and Aiming for 2017 Start». Playbill. 14 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  126. «Barbra Streisand Directing 'Catherine the Great' Movie». Variety Media. 3 de dezembro de 2015. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  127. «Keira Knightley Circling Catherine the Great Biopic». Hollywood Reporter. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 31 de maio de 2020 
  128. Lee, Cliff (25 de setembro de 2014). «Five reasons Barbra Streisand has stayed on top for 50 years». The Globe and Mail. Consultado em 11 de março de 2018 
  129. a b Cohen, Howard (6 de dezembro de 2016). «Miami, did you hear her? Barbra Streisand sounded better than buttah in concert». Miami Herald. Consultado em 11 de março de 2018 
  130. Balliett, Whitney (20 de junho de 1994). «Barbra Streisand profile». The New Yorker. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  131. video clip:Barbra Streisand and Kris Kristofferson in A Star is Born
  132. a b Holden, Stephen (12 de outubro de 2012). «Barbra Streisand at Barclays Center, a Homecoming». The New York Times 
  133. Feldman, Alan (23 de janeiro de 2012). «The 25 best Broadway divas of all time». Time Out. Consultado em 15 de fevereiro de 2016 
  134. «Barbra Streisand Archives». Barbra-archives.com. Consultado em 4 de julho de 2014 
  135. Taylor, Paul (3 de junho de 2013). «Music review: Barbra Streisand's unparallelled vocal gifts were in awesome evidence at the O2». The Independent. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  136. Naveh, Gil (16 de setembro de 2014). «Come rain and not shine: Barbra Streisand's 'Partners' is pretentious kitsch». Haaretz. Haaretz Daily Newspaper Ltd. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  137. Tierney, Ben (30 de janeiro de 1970). «Pierre Shy But Barbra Loved It». Calgary Herald. Consultado em 1 de fevereiro de 2013. Miss Streisand arrived in Ottawa Wednesday night ... and attended a performance of the Royal Winnipeg Ballet Company, in capital's [sic] posh National Arts Centre, with the prime minister. The outing, their third together, was enough, said a local newspaper, to 'set Ottawa buzzing with romantic speculation.' 
  138. Klassen, Nicholas (27 de setembro de 2012). «Longing for a Suave Prime Minister». Ballast. Consultado em 27 de setembro de 2012. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2012 
  139. «Barbra – Act 2». Ottawa Citizen. 8 de junho de 1970. Consultado em 1 de fevereiro de 2013 
  140. Haber, Joyce (November 26, 1973) Jon, Barbra More Than Patron, Client Los Angeles Times, November 26, 1973
  141. Smith, Liz (22 de setembro de 2004). «Time to say, You're Friared!». Newsday. Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  142. Shirley Eder (27 de outubro de 1987). «Streisand-Baskin split-up for real, but it's friendly». Detroit Free Press 
  143. «Spring Fervor». PEOPLE 
  144. «30 years ago, Barbra Streisand and Don Johnson were a 'gooey-eyed' Hollywood 'it' couple — and #couplehairgoals to the max». Yahoo 
  145. Liz Smith (28 de janeiro de 1983). «Carson's Field day with the press». New York Daily News 
  146. Suzy (17 de abril de 1989). «Eastwood now may be making Streisand's day». The Miami Herald 
  147. «Companions for Barbra Streisand». Turner Classic Movies 
  148. Agassi, Andre (2009), Open: An Autobiography, ISBN 978-0307388407, Vintage 
  149. «Suddenly Single». PEOPLE 
  150. Smith, Dinitia (4 de dezembro de 1994). «IT'S...! LIAM NEESON». The New York Times 
  151. Lampert, Nicole (12 de abril de 2012). «Barbra's 'royal conquest'». www.standard.co.uk 
  152. Saltonstall, Dave. «'People who love people'? Streisand doesn't share wealth with mom, book claims». baltimoresun.com. Arquivado do original em 16 de junho de 2020 
  153. «Barbra Streisand And Bill Clinton Had An Affair, Says Juanita Broaddrick, Calling Trump's Critic 'Full Of It'». The Inquisitr. 11 de fevereiro de 2018 
  154. «Barbra's Boys?». CBS News 
  155. «Barbra Streisand references alleged Prince Charles affair onstage: 'I could have been the first Jewish princess'». AOL 
  156. «Prince Charles, Barbra Streisand May Have Had An Affair: Author». HuffPost Canada. 20 de abril de 2016 
  157. «Extraordinary claims about Streisand's sex life». The Sydney Morning Herald. 29 de março de 2006 
  158. «Of Barbra Streisand and her liaisons». Hindustan Times. 29 de março de 2006 
  159. Schindehette, Susan (20 de julho de 1998). «The Way They Were». People. Consultado em 13 de setembro de 2012 
  160. «Barbra Streisand and James Brolin Celebrate 20th Anniversary». Us Weekly. 2 de julho de 2018. Consultado em 3 de julho de 2018 
  161. «Barbra Streisand celebrates 20 years of marriage with James Brolin». Music-News.com. Consultado em 3 de julho de 2018 
  162. Streisand, Barbra (2 de março de 2018). «Barbra Streisand Explains: Why I Cloned My Dog». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 29 de março de 2018 
  163. «Barbra Streisand apologises for comments on Michael Jackson's accusers». The Guardian. 24 de março de 2019 
  164. «The Mouse That Wails». Rogue. Barbra. Novembro de 1963. Consultado em 26 de agosto de 2010 
  165. «Her name is Barbra». CBS News. 27 de setembro de 2010. Consultado em 26 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2010 
  166. «An Evening With Barbra Streisand». Barbra Archives. 9 de julho de 1967. Consultado em 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2012 
  167. Mann. Hello Gorgeous. [S.l.: s.n.] 165 páginas 
  168. «Hollywood Flashback: Barbra Streisand Sang for Civil Rights in 1968». The Hollywood Reporter. 2 de junho de 2016 
  169. «Harassment plots for Nixon's foes». Anchorage Daily News. Associated Press. 27 de junho de 1973. Consultado em 1 de fevereiro de 2013 
  170. «The Artist as Citizen – Barbra Streisand». Barbrastreisand.com. Consultado em 3 de novembro de 2018 
  171. «The Artist as Citizen Barbra Streisand». Iop.harvard.edu. Consultado em 3 de novembro de 2018 
  172. «Prop. 8 Reignites Calif. Same-Sex Marriage Battle». NPR.org (em inglês). Consultado em 13 de setembro de 2020 
  173. «Taking aim at ID laws». Malibu Times (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2020 
  174. Streisand, Barbra (18 de agosto de 2020). «Barbra Streisand on Twitter». Twitter (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2020 
  175. «Barbra Streisand sings Avinu Malkeinu & People for Shimon Peres 90 birthday». 27 de junho de 2013. Consultado em 3 de novembro de 2018 – via YouTube 
  176. "Barbra Streisand echoes Monroe's birthday tribute for Shimon Peres", The Guardian, June 19, 2013
  177. «Celebrities attend Women's Marches around the world (Photos)». CBS News. 21 de janeiro de 2017. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  178. Brockes, Emma (26 de outubro de 2016). «Barbra Streisand: 'Trump is corrupt and indecent and is assaulting our institutions'». The Guardian. Consultado em 6 de abril de 2021 
  179. Eisenbud, Daniel K. (17 de junho de 2013). «Barbra Streisand given honorary doctorate at HU». The Jerusalem Post. Consultado em 17 de junho de 2013 
  180. «Barbra Picks Up PhD, Sees the Sights, Sings for President». 17 de junho de 2013. Consultado em 17 de junho de 2013. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2013 
  181. Berrin, Danielle (20 de maio de 2013). «Barbra Streisand expected to perform publicly in Israel for the first time». Jewish Journal. Consultado em 17 de junho de 2013 
  182. Grein, Paul. «Interview with Barbra Streisand». National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 11 de julho de 2011 
  183. «Barbra News.com 2006 Interview with Marge Tabankin». Barbranews.com. 24 de outubro de 2006. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 20 de julho de 2011 
  184. «Barbra Streisand Endows Program at Cedars-Sinai Women's Heart Center: $5 Million Gift Supports Women's Cardiovascular Research and Education». Heartworknews.com. Consultado em 22 de abril de 2008. Arquivado do original em 21 de junho de 2008 
  185. «Barbra Streisand». Sonymusic.com. Consultado em 26 de julho de 2012. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2008 
  186. Dugger, Celia W. (23 de setembro de 2006). «Clinton Effort Reaps Pledges of $7.3 Billion in Global Aid». The New York Times. Consultado em 17 de agosto de 2011 
  187. «Raising awareness about women's heart health». Discoveringforlife.org. Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 26 de julho de 2011 
  188. «The Giving Back Fund press release. September 14, 2008». Givingback.org. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 26 de julho de 2011 
  189. «Barbra Streisand Talks Up Women's Heart Health | NIH: National Institute of Allergy and Infectious Diseases». www.niaid.nih.gov (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2021 
  190. Douglas, Sarah. "In the Air: Star Ambitions."Art+Auction, October 2009.
  191. «The way we were: Streisand and Saban shore up for Israel». Jewish Journal. 14 de dezembro de 2011. Consultado em 29 de julho de 2015 
  192. Owoseje, Toyin. «Barbra Streisand gifts George Floyd's daughter Disney shares». CNN. Consultado em 15 de junho de 2020 
  193. a b c d e f g h i j k l m n o p «Awards». Barbra Archives. Consultado em 4 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2021 
  194. «Past Recipients». Wif.org. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 24 de julho de 2011 
  195. a b c d «Barbra Streisand Career Professional honors and awards». whoswho.com. Consultado em 10 de dezembro de 2014 
  196. «Breakthrough Awards to Go to 12 in Media». Los Angeles Times. 5 de abril de 1991 
  197. «Lifetime Honors – National Medal of Arts». Nea.gov. Consultado em 17 de agosto de 2011. Arquivado do original em 21 de julho de 2011 
  198. «On the Scene: Barbra Streisand Receives Film Society of Lincoln Center's Charlie Chaplin Award». Entertainment Weekly. Consultado em 23 de abril de 2013 
  199. «Barbra Streisand: The Legend». Glamour. Consultado em 10 de dezembro de 2013 
  200. «Barbra Streisand to be Honored at The Hollywood Reporter 2015 Women in Entertainment Breakfast». Billboard. Consultado em 13 de outubro de 2015 
  201. «President Obama Names Recipients of the Presidential Medal of Freedom». whitehouse.gov. 16 de novembro de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2015 – via National Archives 
  202. «Goldmine's Hall of Fame Inductees». Goldmine Hall of Fame. Consultado em 5 de julho de 2012 
  203. «Barbra Streisand». Long Island Music Hall of Fame. Consultado em 23 de abril de 2014. Arquivado do original em 13 de abril de 2014 
  204. «Barbra Streisand». Hit Parade Hall of Fame. Consultado em 23 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 7 de outubro de 2014 
  205. «Hollywood's Most Powerful Women». Life. Consultado em 14 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 24 de junho de 2015 
  206. a b «Barbra Streisand's Trivia». IMDb. Consultado em 14 de janeiro de 2015 
  207. «Mojo Readers Top 100 Singers of All Time». Rock List Music (Julian White). Consultado em 30 de junho de 2012 
  208. «Century Bests». Time Inc. 12 de outubro de 1998. Consultado em 28 de agosto de 2005 
  209. «*foot notes». Los Angeles Times. 7 de janeiro de 2000. Consultado em 28 de agosto de 2004 
  210. «Oprah Winfrey's Legends Ball». American Broadcasting Company. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2007 
  211. «The 50 top female singer-songwriters». The Daily Telegraph. 29 de maio de 2015. Consultado em 28 de agosto de 2015 
  212. «Audrey Hepburn Named Favorite All-Time Oscar-Winning Actress by Biography Magazine Readers». PR Newswire. 29 de maio de 2001. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  213. «Ol' Blue Eyes is tops, poll shows». The Guardian. 17 de maio de 2001. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  214. Laufenberg 2005, p. 120.
  215. «The 200 Greatest Pop Culture Icons Complete Ranked List» (Nota de imprensa). VH1. 21–25 de julho de 2003. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 1 de maio de 2017 
  216. «The 50 Greatest Actresses of All Time». AMC. Consultado em 24 de novembro de 2015. Arquivado do original em 27 de outubro de 2015 
  217. «The Billboard Hot 100 All-Time Top Artists». 2008. Consultado em 17 de março de 2011 
  218. «The Top 30 Jewish Musicians». 2013. Consultado em 17 de março de 2014 
  219. «The Advocate's 25 Coolest Women». The Advocate. 23 de novembro de 1999 
  220. «The 12 Greatest Female Gay Icons of All Time». Out magazine. 17 de maio de 2014. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  221. «Gay Times Top 30 gay icons of the last 30 years». Gay Times. 17 de maio de 2014. Consultado em 28 de outubro de 2014. Arquivado do original em 24 de junho de 2015 
  222. «With "20,000 Leagues," the National Film Registry Reaches 700». Loc.gov. Consultado em 3 de novembro de 2018 
  223. «National Recording Registry Picks Are 'Over the Rainbow'». Library of Congress. 29 de março de 2016. Consultado em 29 de março de 2016 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Barbra Streisand