Abrir menu principal

Império colonial francês

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Março de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



Empire colonial français
Império colonial francês

Império

1534 – 1980
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Império Francês
Mapa anacrônico do Império Colonial Francês (1534-1970).
Continente África, América, Ásia e Oceania
Capital Paris
Língua oficial Francês
Religião Catolicismo romano
Governo Monarquia absoluta
República
Soberano
 • 1643 - 1715 Luís XIV
 • 1799 - 1815 Napoleão I
 • 1852 - 1870 Napoleão III
Período histórico Era dos Descobrimentos,Revolução Industrial,Revolução Francesa, Era Napoleônica, Neoimperialismo, Primeira Guerra Mundial, Período entreguerras e Segunda Guerra Mundial e Guerra Fria
 • 1534 Fundação
 • 1980 Independência de Vanuatu
Área 23 500 000 km²

O Império colonial francês foi o conjunto das colônias que a França estabeleceu na África, Américas, Ásia e na Oceania entre os séculos XVI e XX. Esse fenômeno do colonialismo ou imperialismo colonial não deve ser confundido com o fenômeno de colonização feita pelos próprios estados a fim de ocupar suas terras. Caso, por exemplo do Império Brasileiro que entre 1822 e 1889 promoveu a imigração, ou seja, a vinda de estrangeiros para ocuparem colônias, na maior parte, agrícolas com o objetivo de aumentar o número da população que ocupava as terras de seu Império.

As primeiras tentativas dos franceses para estabelecerem colônias no Brasil (França Antártica), em 1555, e na Flórida, em 1564 (em Fort Caroline, atualmente Jacksonville), realizada por huguenotes, não tiveram sucesso, devido à vigilância dos portugueses e espanhóis. A tentativa seguinte foi em 1598, em Sable Island, no sudeste da atual província da Nova Escócia do Canadá; esta colônia não teve abastecimentos e os 13 sobreviventes tiveram de voltar a França.

A história do Império colonial francês começou em 27 de Julho de 1605 com a fundação em Port Royal, atualmente Annapolis (igualmente na Nova Escócia), da colônia da Acádia.

Índice

Colônias francesas na América do NorteEditar

Depois da fundação em Port Royal, em 1605, Samuel de Champlain funda Quebec em 1608, e esta colônia passa a ser a capital da enorme, mas pouco povoada, colônia de "Nova França" (também chamada "Canadá"), que tinha como objetivo o comércio de peles.[1]

A França também tomou possessão das ilhas de São Pedro e Miquelão, que até ao presente mantêm a cidadania francesa.

Colônias francesas no BrasilEditar

Franceses fizeram algumas tentativas de estabelecer seu Império Colonial no Brasil. [2]

  • Expedição de Goneville (1504). Teria visitado o atual Estado de Santa Catarina, no Brasil, de onde levara para a França o indígena chamado Essomeriq.
  • França Antártica (1555), no Rio de Janeiro, sendo a primeira tentativa de ocupação francesa no Brasil.
  • França Equinocial (1615), em São Luís do Maranhão, sendo a segunda tentativa de ocupação francesa no Brasil.
  • Expedições de Duclerc e Duguay-Troin (1710), no Rio de Janeiro, sendo a terceira tentativa de ocupação francesa no Brasil.

Colônias agrícolas com franceses no BrasilEditar

Mesmo não sendo uma ocupação do Império Colonial, os franceses também participaram do movimento de migração/imigração e colonização realizada pelo Império Brasileiro (entre 1822-1889). Poucas foram as colônias agrícolas que foram implantadas por famílias francesas ou que teve participação com colonos franceses em maior ou menor número. Podem ser citadas[3]:

  • Nova Friburgo (1818/1820), no Rio de Janeiro.
  • Novo Rio (1855), atual município de Rio Novo do Sul, no Espírito Santo.
  • Saí (1841), atual Vila da Glória, no município de São Francisco do Sul, em Santa Catarina.
  • Palmital (1842), atual município de Guaruva, em Santa Catarina.
  • Belga (1845), atual município de Ilhota, em Santa Catarina.
  • Teresa Cristina (1847), atual município de Cândido de Abreu, no Paraná.
  • Mucuri (1847), em Minas Gerais.
  • Dona Francisca (1851), atual município de Joinville, em Santa Catarina.
  • Superagui (1852), atual município de Guaraqueçaba, no Paraná.
  • Assungui (1860), atual município de Cerro Azul, no Paraná.
  • Argelina (1869), atual bairro de Portão, no município de Curitiba, Paraná.
  • Santa Cândida, atual bairro do município de Curitiba, Paraná.
  • Orleãns, atual bairro do município de Curitiba, Paraná.
  • Santo Inácio, atual bairro do município de Curitiba, Paraná.
  • Dom Pedro, atual bairro do município de Curitiba, Paraná.
  • Riviére, atual bairro do município de Curitiba, Paraná.
  • América (1877), próximo a Morretes, Paraná.
  • Brochier (1848), atual município de Brochier, no Rio Grande do Sul.
  • Santo Ângelo (1857), no Rio Grande do Sul.
  • Nova Petrópolis (1858), no Rio Grande do Sul.
  • Santa Maria de Soledade (1855), no Rio Grande do Sul.
  • Dona Isabel (1870), atual município de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul.
  • Conde d'Eu (1870), atual município de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.
  • Carlos Barbosa, atual município do Rio Grande do Sul.
  • Barão, atual município do Rio Grande do Sul,
  • São Feliciano (1873), atual município de Dom Feliciano, no Rio Grande do Sul.
  • Santo Antônio (1880), no Distrito de Quilombo, município de Pelotas, no Rio Grande do Sul.
  • Philippson (1904), colônia extinta próxima de Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Colônias agrícolas com franceses no ParaguaiEditar

  • Nueva Burdeos (1855)[4]

Colônias agrícolas com franceses na ArgentinaEditar

  • Esperanza ou Baradero (1856)[5]
  • San Jose (1857)
  • San Carlos (1858)
  • San Geronimo Norte

Colônias francesas no CaribeEditar

No Caribe, a França colonizou as ilhas de Martinica, Guadalupe e Haiti. A ilha de Saint Martin foi dividida com a Holanda.[6]

Colônias francesas na ÁfricaEditar

Na África, foi no Senegal que os franceses primeiro estabeleceram entrepostos em 1624, mas não formaram verdadeiras colônias até ao século XIX, limitando-se a traficar escravos para as suas colônias no Caribe. No Oceano Índico, os franceses colonizaram a Île Bourbon (atual Reunião), em 1664, Île de France (atualmente Maurícia), em 1718 e as Seychelles, em 1756. Durante o reinado de Napoleão, o Egito foi também conquistado por um breve período, mas a dominação francesa nunca se estendeu para além da área imediatamente à volta do Nilo.[7]

O verdadeiro interesse da França pela África manifestou-se em 1830 com a invasão da Argélia e o estabelecimento de um protetorado na Tunísia, em 1881. Entretanto, expandiram-se para o interior e para sul, formando, em 1880, a colônia do Sudão francês (atual Mali) e, nos anos que se seguiram ocupando a grande parte do Norte da África e da África ocidental e central. Em 1912, os franceses obrigaram o sultão de Marrocos a assinar o Tratado de Fez, tornando-se outro protetorado.

Foram os seguintes os atuais países africanos que se tornaram independentes da França no século XX (data da independência):

Entretanto, vários territórios africanos continuam sob administração francesa, depois de vários referendos:

Colônias francesas na ÁsiaEditar

Referências

  1. ANDREWS, C. M. The American Nation: a history of colonial self-government, 1652-1689 Harper & Brothers, 1904 - 369 pg.
  2. BETEMPS, Leandro Ramos. A Presença Francesa no Sul do Brasil: o caso de Pelotas/RS. Porto Alegre: EST, 2010.
  3. BETEMPS, Leandro Ramos. A Presença Francesa no Sul do Brasil: o caso de Pelotas/RS. Porto Alegre: EST, 2010.
  4. BETEMPS, Leandro Ramos. A Presença Francesa no Sul do Brasil: o caso de Pelotas/RS. Porto Alegre: EST, 2010.
  5. BETEMPS, Leandro Ramos. A Presença Francesa no Sul do Brasil: o caso de Pelotas/RS. Porto Alegre: EST, 2010.
  6. David Patrick Geggus (2002). Haitian Revolutionary Studies. [S.l.]: Indiana University Press. p. 28 
  7. KANYA-FORSTNER. "FRANCE, AFRICA, AND THE FIRST WORLD WAR." The Journal of African History 19.1 (1978): 11-23. Print.
  8. Paul French (2011). The Old Shanghai A-Z. [S.l.]: Hong Kong University Press. p. 215 
  9. "Protectorates and Spheres of Influence – Spheres of influence prior to World War II" Encyclopedia of the New American Nation

Ver tambémEditar