Ramon Menezes

futebolista brasileiro

Ramon Menezes Hubner, mais conhecido como Ramon Menezes, Apelido, "Reizinho da Toca" (Mutum, 30 de Junho de 1972), é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista. Atualmente está sem clube.

Ramon Menezes
Ramon Menezes
Ramon sendo "coroado" como o Reizinho da Toca.
Informações pessoais
Nome completo Ramon Menezes Hubner
Data de nasc. 30 de junho de 1972 (48 anos)
Local de nasc. Mutum (MG), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,70 m
destro
Apelido Reizinho da Toca
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Ex-meio-campista
Função Treinador
Clubes de juventude
Minas Gerais Recanto Azul (clube amador)
Minas Gerais Cruzeiro
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1989–1993
1993
1994–1995
1995–1996
1996–2000
2000
2001
2001–2002
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2007–2008
2008–2010
2011–2012
2012
2013
Brasil Cruzeiro
Brasil Bahia
Brasil Vitória
Alemanha Bayer Leverkusen
Brasil Vasco da Gama
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Fluminense
Brasil Atlético Mineiro
Brasil Vasco da Gama
Japão Tokyo Verdy
Brasil Fluminense
Brasil Botafogo
Brasil Vasco da Gama
Catar Al-Gharafa
Brasil Atlético Paranaense
Brasil Vitória
Brasil Joinville
Brasil Caxias
Brasil Cabofriense
0053 0000(9)
0010 0000(1)
0067 000(17)
0015 0000(1)
0176 000(61)
0032 000(15)
0010 0000(6)
0030 0000(7)
0027 000(21)
0025 0000(6)
0036 000(14)
0038 0000(9)
0049 0000(9)
0000 0000(0)
0012 0000(2)
0128 000(35)
0049 000(13)
0003 0000(0)
0000 0000(0)
Seleção nacional
1991
2001
Brasil Brasil Sub-20
Brasil Brasil
0005 0000(0)
0006 0000(1)
Times/Equipas que treinou
2013–2015
2015
2016
2016
2016
2017
2018
2019–2020
2020
Brasil Joinville (auxiliar-técnico)
Brasil ASEEV
Brasil Anápolis
Brasil Guarani-MG
Brasil Joinville
Brasil Anápolis
Brasil Tombense
Brasil Vasco da Gama (auxiliar-técnico)
Brasil Vasco da Gama
Última atualização: 13 de agosto de 2020

Especialista em cobranças de falta e escanteios, destacou-se primeiramente no Vitória em 1995, clube que voltou a defender entre 2008 e 2010, e fez parte do elenco do Vasco que marcou época no futebol brasileiro entre 1997 e 2000. Durante a carreira, jogou em outros vários grandes clubes do Brasil, como Cruzeiro, Bahia, Atlético Mineiro, Fluminense, Botafogo e Atlético Paranaense, tornando-se um dos jogadores com mais partidas e gols na história do Campeonato Brasileiro.

Carreira como jogadorEditar

ComeçoEditar

Ramón iniciou sua carreira em 1983 nas categorias de base do Cruzeiro, oriundo do futebol amador contagense, alcançando o nível profissional na Raposa em 1990. Depois de algumas temporadas no time mineiro, onde ajudou nas conquistas de diversos títulos, como duas Supercopas Libertadores, um Campeonato Mineiro e uma Copa do Brasil, se transferiu para o Bahia, em 1993.

Primeira passagem no VitóriaEditar

Chegou ao Vitória em 1994 e, logo na sua estreia, marcou os 3 gols do triunfo sobre o Jacobina por 3 a 0, em um jogo amistoso. Durante as quase duas temporadas que jogou no Leão, foi sempre destaque nas equipes que formou. Foi artilheiro do Baianão de 1995, com 25 gols, tornando-se o maior goleador de um único certame desde Cláudio Adão, em 1986, até hoje. Pelos seus gols, principalmente os de falta, no Barradão, ficou conhecido como Reizinho da Toca.[1]

Suas apresentações chamaram atenção do Bayer Leverkusen, da Alemanha, que o contratou no segundo semestre de 1995. Permaneceu apenas uma temporada no clube alemão e, em 1996, foi repatriado pelo Vasco.

Consagração no VascoEditar

No clube carioca, Ramon conquistou quase tudo. Comandou o meio-campo vascaíno durante quatro temporadas e foi um dos principais destaques de diversas conquistas, como Campeonato Brasileiro de 1997, a Libertadores de 1998, o Torneio Rio-São Paulo de 1999 e o Carioca de 1998.[2] O meia também ajudou o time carioca a chegar à final do Campeonato Mundial de Clubes da FIFA de 2000, sendo derrotado pelo Corinthians. Jogando ao lado de nomes como Juninho Pernambucano, Romário, Edmundo e muitos outros, marcou época no futebol brasileiro.[3]

Atlético Mineiro e FluminenseEditar

No início de 2000, foi para o Atlético-MG, onde foi novamente destaque, sagrando-se campeão mineiro em 2000, inclusive marcando o gol que garantiu o título do Galo sobre o Cruzeiro.[4]

No ano seguinte, foi contratado pelo Fluminense, mais uma vez mantendo um rendimento acima da média, o que lhe rendeu um lugar na Seleção Brasileira para a disputa da Copa das Confederações. Retornou ao Atlético ainda em 2001, permanecendo até o começo de 2002, quando foi contratado pelo Vasco.

Destaque novamente no VascoEditar

No seu retorno ao Clube da Colina, comandou o elenco jovem do clube carioca no Brasileirão de 2002, sendo fundamental para a fuga do rebaixamento com seus 15 gols ao longo do certame. Com uma média de 0,88 gols por partida, terminou recebendo a Bola de Prata de melhor meio-campo da competição.[5]

Fora do Brasil, mais Rio e ParanáEditar

Depois de uma rápida passagem no Japão, em 2003, onde defendeu o Tokyo Verdy, retornou ao Brasil para defender o Fluminense e, em seguida, o Botafogo (que o contratou com ajuda da empresa fornecedora de material esportivo Kappa), nas temporadas de 2004 e 2005, respectivamente.[6][7][8]

No ano de 2006, em seu segundo retorno ao Gigante da Colina, viveu momentos conturbados, entrando em conflito com o então técnico do time, Renato Gaúcho,[2][9] e foi negociado ainda no decorrer da temporada com o Al-Gharafa, do Qatar.[10] Em 2007, retornou ao Brasil para jogar pelo Atlético Paranaense, fazendo uma passagem discreta.[11]

De volta ao LeãoEditar

Ainda no primeiro semestre de 2008, numa parceria que envolveu compra e venda de vários jogadores entre o Vitória e o Furacão, Ramon retornou ao clube onde jogou 15 anos antes: o Vitória.

Na sua segunda passagem pelo Leão, Ramon foi fundamental na conquista do Estadual de 2008, campeonato em que o time baiano se encontrava numa situação muito delicada, tendo sido considerado campeão apenas pelo número de gols marcados, no quadrangular final da competição. Também foi um dos principais destaques na surpreendente campanha do Rubro-Negro no Brasileirão do mesmo ano. Porém, ainda na disputa do torneio, depois de desentendimentos com o então técnico do clube baiano Vágner Mancini, ele foi dispensado e aceitou um convite para jogar no futebol turco, onde atuou apenas oito vezes em partidas amistosas.[12]

Em março de 2009, o Vitória, já sem Mancini, contratado pelo Santos, anunciou outra vez a contratação do jogador, depois de ser dada como certa a sua transferência para o Santa Cruz.[13] Nas finais do do Baianão de 2009, marcou três dos quatro gols que o time baiano fez contra o seu maior rival, o Bahia, garantindo o tricampeonato leonino, e também o terceiro título da carreira do jogador.[14] No dia 19 de agosto, o Reizinho da Toca entrou para a história do Campeonato Brasileiro ao marcar o seu 93° gol, o primeiro da vitória do time rubro-negro sobre o Atlético-PR por 2 a 1, em Brasileirões, igualando-se a Reinaldo na décima posição na lista dos maiores artilheiros da história da competição.[15]

Já em 2010, na primeira metade de sua terceira temporada seguida com a camisa rubro-negra, foi fundamental na conquista do tetracampeonato baiano e na campanha do Vitória na Copa do Brasil, na qual sagrou-se vice-campeão.[16] No dia 18 de julho, ao completar 200 jogos com a camisa vermelha e preta, foi homenageado com uma placa no começo da partida contra o São Paulo, em que Ramon marcou o terceiro gol da vitória por 3 a 2 do time da casa.[17]

No final da temporada, porém, o clube foi rebaixado e Ramon não teve seu contrato renovado.[18] No começo de 2011, enviou uma carta aberta à torcida rubro-negra se despedindo:

JoinvilleEditar

No começo de 2011, transferiu-se para o Joinville.[21] Estreou marcando na vitória por 2 a 1 sobre o Brusque.[22] Voltou a marcar na virada sobre o Concórdia por 6 a 3, duas vezes,[23] e na vitória sobre a Chapecoense por 2 a 1, com um gol de voleio.[24] Continuou a ser o maestro da equipe no decorrer do Campeonato Catarinense, levando-a às semifinais do primeiro turno do torneio, e marcando o único gol da derrota que culminou com a eliminação para o Figueirense, por 3 a 1.[25] No segundo turno, manteve a boa forma, distribuindo assistências e marcando mais gols, porém, após a derrota por 1 a 0 para a Chapecoense, foi criticado pelo companheiro Lima, que o acusou de ser individualista.[26] Já no jogo seguinte, na goleada por 4 a 0 sobre o Avaí, os desentendimentos aparentemente acabaram, tendo Ramon marcado uma vez e Lima duas, sendo uma com assistência do meia.[27] Após mais uma eliminação no segundo turno do estadual, Ramon levou a equipe ao título da Copa Santa Catarina de 2011. Após algumas incertezas na "copinha", o JEC tornaria-se campeão brasileiro da Série C em 2011 com apenas uma derrota na competição. Em 2012, Ramon manteve a regularidade, sendo uma das estrelas no campeonato catarinense. Porém, o JEC não conseguiu sequer chegas às finais. Com poucas oportunidades no time que disputava a Série B (nas poucas oportunidades mostrou seu bom futebol), sendo aproveitado durante a Copa Santa Catarina de 2012, Ramon transferiu-se para o Caxias, buscando mais espaço para mostrar seu bom futebol.

CaxiasEditar

No dia 9 de outubro de 2012, o meia foi anunciado pelo Caxias, com contrato até o final do ano, com opção de renovação para o Gauchão do ano seguinte. O meia participou da reta final da fase de grupos da Série C de 2012, onde o clube gaúcho foi eliminado ao terminar em 5º lugar. Devido a mudança de direção e a readequação salarial do time, o meia foi liberado.

CabofrienseEditar

No dia 14 de fevereiro de 2013, Ramon tinha se oferecido ao Olaria e fechado, mas mudou de ideia e acabou negociando com a Cabofriense.[28] Em 6 de março de 2013, data em que comemorou quatro décadas de vida, o jogador assumiu que, apesar da idade, ainda não vislumbrava sua aposentadoria. Em relação ao final de sua carreira, Ramon respondeu: "Não gosto de ficar projetando o depois".[29]

Carreira como treinadorEditar

Após a sua aposentadoria, Ramon fez estágio com o Técnico Oswaldo de Oliveira no Botafogo, e depois seguiu para o Joinville, para atuar desta vez como auxiliar-técnico, fazendo parte da comissão que conquistou a Série B de 2014. e em seguida, foi treinador de futebol do modesto ASSEV[30], que disputava a terceira divisão goiana e, terminou essa competição como campeão, seguiu para o comando do Anápolis até 2016, onde não ficou por muito tempo por não atender as expectativas do clube naquele momento. No mesmo ano se transferiu para o Guarani de Divinópolis, para tentar reabilitar a equipe que corria risco de descenso ao módulo ll do Campeonato Mineiro de Futebol, o que não ocorreu, porém. O bom trabalho foi reconhecido por torcedores, diretoria e imprensa local, devido ao bom aproveitamento após sua chegada no clube[31].

Ainda chegou novamente ao Joinville com a missão de evitar um rebaixamento em 2016, levando a briga até as ultimas rodadas, mas não foi o suficiente. Em 2018, ele recebeu uma nova missão, que consistia em tentar salvar o Tombense de um rebaixamento no estadual, mas ficou no quase novamente.

Após a saída de Valdir Bigode, Assumiu o Cargo de auxiliar-técnico permanente do Vasco da Gama em 27 de dezembro de 2018.[32]

Então, em 30 de março de 2020, após a demissão de Abel Braga, o cruz-maltino procurou uma alternativa caseira para resolver a péssima campanha deixada pelo antecessor no Estadual, assim efetivando Ramon no cargo de treinador do Vasco da Gama.[33]

EstatísticasEditar

Clube Temp. Estadual Copa Liga Competições
continentais
Outras
competições
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
  Cruzeiro
1989 0 3 0 4 0 0 0 7 0
1990 0 2 0 19 4 0 0 21 4
1991 2 2 0 11 1 0 0 13 3
1992 1 0 0 8 1 0 0 8 2
1993 1 4 0 0 0 0 0 4 0
  Bahia
1993 0 0 0 0 10 1 0 0 0 0 10 1
  Vitória
1994 8 3 0 18 7 2 2 0 0 23 17
1995 25 4 3 0 0 0 0 0 0 4 2
  Bayer Leverkusen
1995–96 0 0 0 0 15 1 0 0 0 0 15 1
  Vasco da Gama
1996 0 0 0 0 13 5 5 1 0 0 18 6
1997 24 14 1 2 30 7 6 2 2 4 63 29
1998 5 3 4 1 19 10 11 1 5 1 44 16
1999 14 1 3 2 19 4 5 2 5 1 46 10
2000 0 0 0 0 0 0 0 0 5 0 5 0
  Atlético-MG
2000 9 5 2 13 2 14 2 0 0 32 15
  Fluminense
2001 5 5 5 1 0 0 0 0 0 0 10 6
  Atlético-MG
2001 0 0 0 0 27 6 0 0 0 0 27 6
2002 0 0 1 0 0 0 0 0 2 1 3 1
  Vasco da Gama
2002 7 4 0 0 17 15 0 0 3 2 27 21
  Tokyo Verdy
2003 0 0 2 1 24 6 0 0 0 0 26 7
  Fluminense
2004 8 2 3 1 25 11 0 0 0 0 36 14
  Botafogo
2005 11 3 3 2 24 4 0 0 0 0 38 9
  Vasco da Gama
2006 8 1 10 2 27 6 1 0 0 0 46 9
  Al-Gharafa
2007
  Atlético-PR
2007 0 0 0 0 12 2 1 0 0 0 13 2
  Vitória
2008 10 3 2 1 30 7 0 0 0 0 42 11
2009 9 5 6 0 23 4 0 0 0 0 38 9
2010 18 10 5 3 19 1 2 1 4 0 48 15
  Joinville
2011 19 8 0 0 11 1 0 0 7 2 37 11
2012 8 2 0 0 0 0 0 0 0 0 8 2
  Caxias
2012 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Total no Brasil 146 106 66 20 379 99 47 11 33 11 671 247
Total na carreira 146 106 68 21 418 106 47 11 33 11 712 255

Estatísticas como treinadorEditar

  • Atualizado até 7 de outubro de 2020[34]
Equipe Estatísticas
J V E D % Vit
Anápolis 5 2 2 1 40%
Guarani-MG 4 2 1 1 50%
Joinville 12 4 4 4 33.33%
Tombense 26 8 7 11 30,77%
Vasco da Gama 16 8 3 5 50%

TítulosEditar

Como JogadorEditar

Cruzeiro
Vitória
Vasco da Gama
Atlético-MG
Joinville

Como TreinadorEditar

ASEEV

Prêmios individuaisEditar

Referências

  1. «Ramon conquistou a torcida na década de 90». 2 a 8 de março de 2008. barradaoonline.com.br. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  2. a b «"Jogador do dia" - Ramón». supervasco.com. 13 de novembro de 2008. Consultado em 19 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 18 de março de 2014 
  3. «Ramon considera a Libertadores de 98 como o título mais importante da carreira». supervasco.com. 3 de agosto de 2010. Consultado em 3 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 10 de agosto de 2010 
  4. «Campeonato Mineiro 2000». webgalo.comze.com. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  5. «Meio-campo Ramon está de volta ao Vasco, agora é pra valer». supervasco.com. 6 de janeiro de 2006. Consultado em 3 de janeiro de 2011 [ligação inativa] 
  6. «Les transferts pour 2004». fr.sambafoot.com. Consultado em 3 de janeiro de 2011 [ligação inativa] 
  7. «Edmundo e Ramón acertam com o Flu». canalfluminense.com.br. 12 de janeiro de 2004. Consultado em 3 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 18 de março de 2014 
  8. «Botafogo passa sufoco, mas derrota o América na estreia». esporte.uol.com.br. 22 de janeiro de 2005. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  9. «Ramon assina hoje contrato de um ano com o Vasco». supervasco.com. 6 de janeiro de 2006. Consultado em 3 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 12 de agosto de 2009 
  10. «Ramon Menezes surpreendido com notícia do América Mineiro». futebolinterior.com.br. 2007. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  11. «Atlético-PR acerta com o meia Ramon, ex-Vasco». folha.uol.com.br. 9 de janeiro de 2007. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  12. «Ramon Menezes chega domingo pela manhã». ecvitoria.com.br. 12 de março de 2009. Consultado em 19 de dezembro de 2010 [ligação inativa] 
  13. «Reforço do Vitória 2008/2009/2010 - Ramon Menezes Hubner». 16 de março de 2009. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  14. «Vitória comemora tricampeoanto baiano». oglobo.globo.com. 3 de maio de 2009. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  15. «Ramon entra na lista dos dez maiores artilheiros do Brasileiro». pe360graus.globo.com. 21 de agosto de 2009. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  16. «Mesmo com derrota, Santos é o novo campeão da Copa do Brasil». estadao.com.br. 4 de agosto de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  17. «Ramon Menezes alcança 200 jogos com o manto sagrado rubro-negro e recebe homenagem da diretoria no Estádio Barradão». ecvitoria.com.br. 17 de julho de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 23 de julho de 2010 
  18. «Ídolos revelam mágoa com a diretoria do Vitória». atarde.com.br. 18 de dezembro de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2010 
  19. «Veterano meia Ramon Menezes se despede do Vitória com carta aberta». GloboEsporte.com. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  20. «Com carta aberta, Ramon se despede do Vitória». esportes.terra.com.br. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  21. «Ramon Menezes vai para o Joinville». GloboEsporte.com. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 3 de janeiro de 2011 
  22. «Joinville vence o Brusque de virada na Arena». clicrbs.com.br. 16 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de janeiro de 2011 
  23. «Em virada histórica, JEC vence o Concórdia por 6 a 3». nossajoinville.com.br. 26 de janeiro de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2011 [ligação inativa] 
  24. «Com 1h de atraso, aniversariante Joinville vence a Chapecoense». GloboEsporte.com. 29 de janeiro de 2011. Consultado em 30 de janeiro de 2011 
  25. «Figueirense vence e faz clássico com Criciúma na final do 1º turno». esportes.terra.com.br. 20 de fevereiro de 2011. Consultado em 12 de abril de 2011 
  26. «A bomba explodiu! Lima chama Ramon de Pelé». portaljec.com.br. 23 de março de 2011. Consultado em 12 de abril de 2011 [ligação inativa] 
  27. «Avaí perde em Joinville». avai.com.br. 27 de março de 2011. Consultado em 12 de abril de 2011 
  28. «Cabofriense anuncia meia Ramon Menezes». futebolinterior.com.br. 14 de fevereiro de 2013. Consultado em 14 de fevereiro de 2013 
  29. Sem previsão de parar, Ramon começa novo projeto na Cabofriense
  30. «Ramon do Vasco #1: treinador dispensou pescaria para estudar e mandou trocar colchões em Goiás». ge. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  31. «Ramon do Vasco 2#: com um xodó, técnico sofre com rebaixamentos e aprende a ser mais "sanguíneo"». ge. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  32. «Vasco dispensa Valdir Bigode; Ramon e Carlos Germano chegam para 2019». Terra. Consultado em 15 de janeiro de 2019 
  33. Superesportes; Superesportes (30 de março de 2020). «Vasco efetiva auxiliar Ramon Menezes como treinador». Superesportes. Consultado em 17 de agosto de 2020 
  34. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome SW

Ligações externasEditar