Fernando Diniz

futebolista brasileiro
 Nota: Este artigo é sobre o treinador de futebol. Para o ex-deputado, veja Fernando Diniz (político).

Fernando Diniz Silva (Patos de Minas, 27 de março de 1974) é um treinador, psicólogo[2] e ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista.[3] Atualmente comanda o Fluminense. Em 2023, foi eleito pela IFFHS como o 5º melhor técnico do mundo.[4]

Fernando Diniz
Informações pessoais
Nome completo Fernando Diniz Silva
Data de nasc. 27 de março de 1974 (49 anos)
Local de nasc. Patos de Minas, Minas Gerais, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,83 m
destro
Apelido Pirulito[1]
Informações profissionais
Clube atual Fluminense
Posição ex-meio-campista
Função treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1993–1996
1996
1996
1997–1998
1998–2000
2000–2003
2003
2004
2004
2005
2006–2007
2007
2008
2008
Juventus-SP
Guarani (emp.)
Palmeiras
Corinthians
Paraná
Fluminense
Flamengo
Juventude
Cruzeiro
Santos
Paulista
Santo André
Juventus-SP
Gama
000? 0000(?)000
0018 0000(3)
0022 0000(1)
0050 0000(2)
0040 0000(2)
0102 0000(7)
0012 0000(1)
000? 0000(?)000
0008 0000(0)
0005 0000(0)
0016 0000(3)
0016 0000(1)
0014 0000(0)
0001 0000(0)
Times/clubes que treinou
2009–2010
2010–2011
2011
2011–2012
2013–2014
2014
2014–2015
2015
2015–2016
2016
2016–2017
2017–2018
2018
2019
2019–2021
2021
2021
2022–
2023
Votoraty
Paulista
Botafogo-SP
Atlético Sorocaba
Audax
Guaratinguetá
Audax
Paraná
Audax
Oeste
Audax
Guarani
Atlético Paranaense
Fluminense
São Paulo
Santos
Vasco da Gama
Fluminense
Brasil (interino)
Última atualização: 5 de janeiro de 2024

Carreira como jogador editar

Início editar

Iniciou sua carreira em 1993 no Juventus da Mooca, onde jogou até 1996, quando se transferiu para o Guarani.[5]

Palmeiras editar

Fernando Diniz, então com 22 anos, foi contratado pelo Palmeiras no segundo semestre de 1996, depois que o famoso "time dos 100 gols" conquistou o Campeonato Paulista de maneira arrasadora e alcançou também à final da Copa do Brasil, sendo derrotado pelo Cruzeiro. O meio-campista chegou ao Alviverde após passagens por Juventus da Mooca e Guarani, e custou 120 mil dólares à Parmalat, empresa que geria o futebol do Verdão.[6]

Em sua apresentação no Palestra Itália, o jovem mostrou personalidade e disse que mostraria que o investimento em seu futebol valeria à pena.[7]

Não vim para ser mais um. Se pagaram US$ 120 mil, é porque tenho valor.

A chegada de Diniz, aliás, fez parte da reformulação do elenco palestrino naquele ano, já que alguns dos melhores jogadores do time, como Rivaldo, foram vendidos para a Europa. O meia passou por uma situação no mínimo curiosa: ele estava concentrado com o grupo que iria enfrentar o Atlético Mineiro, pelo Campeonato Brasileiro, mas foi obrigado a ser liberado para ser mesário no segundo turno das eleições municipais de 1996.[8]

Corinthians, Paraná e Fluminense editar

Após deixar o Palmeiras, foi defender as cores do rival Corinthians entre 1997 a 1998. Por lá, o jogador conquistou o Campeonato Paulista de 1997 e ajudou o Timão a escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro.[9]

Sem espaço no Corinthians, Diniz transferiu-se para o Paraná em 1998. As boas atuações no tricolor paranaense chamaram a atenção do Fluminense, que contratou o jogador em 2000. Lá, fez parte da equipe conquistou o Campeonato Carioca de 2002. O meio-campista ficou no clube das Laranjeiras até meados de 2003.[5]

Flamengo editar

Em abril de 2003, Fernando Diniz foi cedido até o final do ano ao Flamengo, em uma negociação que envolveu uma troca com Lopes.[10] A estreia do meia, então com 29 anos, foi curiosamente contra o seu ex-clube Fluminense. Ele entrou no lugar de Fábio Baiano numa goleada por 4 a 1, válida pelo Campeonato Brasileiro.[11]

Na Gávea, porém, Diniz não conseguiu repetir as mesmas atuações dos tempos de Fluminense. Sofreu com algumas lesões e fez apenas 12 jogos no elenco que contava com nomes como Edílson, Júlio Cesar, Felipe, Fernando Baiano e Ibson. O único gol que Diniz marcou com a camisa do Flamengo foi no empate em 1 a 1 contra o São Caetano, no Estádio Anacleto Campanella, em jogo válido pelo Brasileirão. Ele roubou a bola, entrou na área e chutou cruzado no contrapé do goleiro Silvio Luiz.[12]

Outros clubes editar

Em 2004 acabou sendo negociado com o Juventude. Posteriormente, viria a jogar no Cruzeiro em 2004,[13] no Santos em 2005,[14] no Paulista de Jundiaí entre 2006 e 2007, no Santo André em 2007, retornou ao Juventus-SP em 2008 e encerrou sua carreira no Gama, aos 34 anos.[15]

Carreira como treinador editar

Votoraty editar

Diniz iniciou a carreira no Votoraty em 2009, conseguindo já em seu primeiro ano como técnico os títulos da Campeonato Paulista Série A3 e Copa Paulista contra o Paulista de Jundiaí.[3] No ano seguinte levou o clube a segunda fase da Copa do Brasil de 2010, sendo eliminado pelo semifinalista daquela edição, o Grêmio.[16] Este foi o último jogo do técnico pelo clube, pois os donos da equipe resolveram extinguir o clube em seguida.[17][18]

Paulista editar

Prestigiado no interior, Fernando Diniz aceitou a proposta do próprio Paulista de Jundiaí e dirigiu a equipe na Copa Paulista de 2010. Mesmo com desconfianças da torcida acerca do seu modelo de jogo, já sem posições fixas e extremamente inovador para a época, o treinador obteve sucesso e conquistou o título da competição pela segunda vez consecutiva,[19][20][21][3] batendo o Red Bull Brasil na decisão.[22][23] O técnico renovou o seu contrato para o Paulistão de 2011, mas permaneceu apenas cinco rodadas e foi demitido após um início ruim no torneio.

Botafogo de Ribeirão Preto editar

Teve uma breve passagem pelo Botafogo de Ribeirão Preto em fevereiro de 2011,[24] sendo demitido após disputar apenas quatro jogos.[25]

Atlético Sorocaba editar

No final de 2011, Fernando assumiu o comando do Atlético Sorocaba, com o qual atingiu a terceira colocação na Série A2 de 2012, conseguindo o acesso à primeira divisão do futebol paulista em 2013.[26] Foi demitido no segundo semestre de 2012, após a eliminação na Copa Paulista.

Guaratinguetá editar

Passou pelo Guaratinguetá em 2014, mas teve um fraco aproveitamento na equipe; em 18 partidas, o técnico conseguiu apenas seis vitórias.[27]

Paraná editar

Anunciado pelo Paraná em julho de 2015,[28] Diniz comandou a equipe paranaense em boa parte do segundo semestre. O treinador acabou sendo demitido em setembro, após uma derrota para o Atlético Goianiense, pela 28ª rodada da Série B. Em 17 partidas pelo clube, obteve sete vitórias, três empates e sete derrotas.[29]

Audax editar

Após ser demitido da equipe paranaense, no final de 2015 Fernando Diniz assumiu o comando do então recém fundado Audax. No dia 20 de março de 2016, alcançou sua primeira vitória contra um dos times do Trio de Ferro ao ganhar do Palmeiras por 2 a 1.[30] Nesse ano ganhou projeção nacional ao levar a equipe à final do Campeonato Paulista, eliminando São Paulo e Corinthians no mata-mata, até ser derrotado pelo Santos na decisão.[31]

Com o fim do estadual, Diniz foi treinar o Oeste, que tinha uma parceria com o Audax, absorvendo a comissão técnica e os jogadores restantes do elenco.[32] Entretanto, o time foi apenas o 16º colocado na Série B daquele ano,[33] e o treinador retornou ao Audax em janeiro de 2017.[34]

Após cinco anos, deixou o comando da equipe no dia 2 de junho.[35]

Atlético Paranaense editar

Foi anunciado como novo coordenador técnico geral e treinador da equipe principal do Atlético Paranaense no dia 3 de janeiro de 2018.[36] Diniz, no entanto, não treinou o time campeão paranaense naquele ano,[37] mas acompanhou de perto do trabalho do técnico Tiago Nunes. Com isso, teve tempo para implementar seu estilo de jogo[38] à equipe principal do Furacão para a disputa da Copa do Brasil, da Copa Sul-Americana e do Campeonato Brasileiro.

Por conta dos resultados ruins, acabou sendo demitido no dia 25 de junho. Em 21 jogos pela equipe, o treinador obteve cinco vitórias, sete empates e nove derrotas — 34% de aproveitamento.[39]

Fluminense editar

Em 19 de dezembro de 2018, Fernando Diniz foi anunciado como novo técnico do Fluminense.[40]

A primeira competição disputada pelo clube com Diniz no comando foi o Campeonato Carioca de 2019. Não abrindo mão de seu estilo característico, mesmo sob críticas de boa parte da imprensa por conta dos resultados de seu trabalho anterior, o técnico rapidamente modificou o padrão de jogo do tricolor, que surpreendeu com a melhoria significativa de suas exibições, passando a valorizar a posse de bola e o futebol bonito. Por conta disso, recebeu o prêmio de Melhor Treinador no final do campeonato.[41]

Em 19 de agosto de 2019, foi demitido do Flu após deixar a equipe na 18.ª colocação do Campeonato Brasileiro. No total, somou três vitórias, três empates e nove derrotas na competição.[42]

São Paulo editar

No dia 26 de setembro de 2019, foi anunciado como novo treinador do São Paulo.[43]

Completou um ano no comando da equipe paulista no dia 26 de setembro de 2020, somando 44 jogos, com 20 vitórias, 11 empates e 13 derrotas (53,8% de aproveitamento).[44] A marca fez com que o treinador se tornasse o técnico com maior permanência no tricolor paulista desde a terceira passagem de Muricy Ramalho. No período, o São Paulo encerrou o Brasileirão na 6ª posição e foi eliminado pelo Mirassol no Campeonato Paulista de 2020, nas quartas de final, pelo placar de 3 a 2 para o clube do interior.[45]

Em 2021, conseguiu um desempenho bom no Campeonato Brasileiro de 2020, na qual foi líder por boa parte do torneio.[46] No entanto, teve uma franca queda de desempenho após a eliminação nas semifinais da Copa do Brasil para o Grêmio,[47] chegando inclusive a xingar o volante Tchê Tchê durante um jogo contra o Red Bull Bragantino.[48][49] Teve sua saída do clube confirmada no dia 1 de fevereiro, após um ano e quatro meses no cargo, antes mesmo do fim do Campeonato Brasileiro de 2020 — que ainda durava por conta do atraso do início da competição, devido à pandemia de COVID-19. No total, Diniz dirigiu a equipe em 74 partidas, com 34 vitórias, 20 empates e 20 derrotas.[50]

Santos editar

Foi anunciado oficialmente como novo treinador do Santos no dia 7 de maio de 2021, assinando por um ano com opção de prorrogação por mais um, sem multa rescisória.[51] Diniz estreou no dia 11 de maio, na Vila Belmiro, com uma vitória por 1 a 0 sobre o Boca Juniors pela Copa Libertadores. O treinador, porém, foi expulso por reclamação no segundo tempo.[52] Foi demitido em 5 de setembro, após sequência de maus resultados.[53]

Vasco da Gama editar

Em 8 de setembro de 2021, foi anunciado como novo treinador do Vasco da Gama para os jogos restantes da Série B, assumindo o clube em 10º colocado na 23ª rodada.[54] Com a meta de levar o Vasco da Gama à Série A de 2022, Diniz não obteve êxito em seu objetivo, na qual foi confirmado na derrota por 3 a 0 contra o Vitória, em São Januário, restando três rodadas para o término da competição.[55]

O treinador deixou a equipe no dia 11 de novembro, não tendo o seu contrato renovado para a temporada seguinte.[56]

Retorno ao Fluminense editar

2022 editar

Foi anunciado como novo treinador do Fluminense no dia 30 de abril, assumindo a equipe após a saída de Abel Braga.[57][58]

No dia 26 de maio, o Fluminense de Fernando Diniz aplicou a maior goleada da história da Copa Sul-Americana: 10 a 1 sobre o Oriente Petrolero, da Bolívia, em jogo realizado no Estádio Ramón Tahuichi Aguilera.[59] No entanto, apesar do placar elástico, o clube carioca não se classificou para as oitavas de final da competição.[60]

Na Copa do Brasil, o treinador guiou o clube até as semifinais da competição, caindo para o Corinthians.[61] Já pelo Campeonato Brasileiro, Diniz comandou a equipe durante todo o torneio e realizou uma boa campanha. Nos 38 jogos sob seu comando, foram 21 vitórias, sete empates e dez derrotas, com o Fluminense terminando em 3º colocado e garantindo uma vaga na fase de grupos da Copa Libertadores da América.[62]

2023 editar

Iniciou o ano com uma vitória por 2 a 0 contra o Resende no dia 14 de janeiro, em jogo que marcou a estreia no Campeonato Carioca.[63] Seu primeiro grande resultado foi no dia 4 de março, na goleada por 5 a 0 contra o Bangu, em jogo realizado no Estádio Mané Garrincha.[64] Levou o Fluminense à conquista da Taça Guanabara no dia 8 de março, ao vencer o Flamengo no Maracanã por 2 a 1, de virada, com gols de Germán Cano e Gabriel Pirani.[65] Já no dia 9 de abril, após mais uma vitória contra o rival Flamengo, dessa vez uma goleada por 4 a 1 (gols de Marcelo, Cano e Alexsander), o Fluminense conquistou o Campeonato Carioca. A equipe foi elogiada pela grande atuação durante os 90 minutos, pois conseguiu reverter uma derrota por 2 a 0 no jogo de ida.[66] Com essa conquista, Fernando Diniz faturou seu primeiro título de expressão.[67]

No dia 4 de outubro, Diniz conduziu o Fluminense à final da Copa Libertadores da América, eliminando o Internacional na semifinal, após vencer por 4 a 3 no agregado. Quinze anos após o vice de 2008 contra a LDU, o tricolor carioca classificou-se para sua segunda final da competição sul-americana.[68]

Na grande final da Libertadores realizada no dia 4 de novembro, no Maracanã, o treinador foi o responsável por comandar a equipe no título inédito.[69] Fernando Diniz foi muito elogiado pela frase motivacional durante a entrada do atacante John Kennedy, numa substituição realizada aos 34 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Flu empatava em 1 a 1 com o Boca Juniors, e o técnico exclamou três vezes: "Você vai fazer o gol do título!". O atacante de 21 anos brilhou, marcou na prorrogação, o Fluminense venceu por 2 a 1 e conquistou a Libertadores pela primeira vez em sua história.[70]

Seleção Brasileira editar

No dia 4 de julho de 2023, a CBF acertou um contrato com Fernando Diniz para ser o treinador interino da Seleção Brasileira, até a possível chegada de Carlo Ancelotti. O contrato será de seis meses ou um ano, dependendo da data em que o italiano poderá deixar o Real Madrid. Diniz, que chegou para suceder o também interino Ramon Menezes, combinou nas negociações para conciliar o trabalho com o Fluminense e se apresentar nas Datas FIFA para comandar a Seleção. A CBF procurou o clube carioca para tratar da liberação e a resposta foi que isso só ocorreria perante pagamento de multa, mas as partes chegaram a um consenso. Com o acordo, o Tricolor não foi prejudicado em momentos-chave da temporada, como o mata-mata da Libertadores.[71] No dia seguinte, em sua apresentação na sede da CBF, no Rio de Janeiro, Diniz declarou: "Vou fazer o meu melhor para trazer muita alegria aos torcedores".[72]

Em 8 de setembro, na sua estreia como treinador da Seleção, o Brasil venceu a Bolívia por 5 a 1 no Mangueirão, em partida válida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2026.[73] Em seguida venceu o Peru fora de casa por 1 a 0, encerrando sua primeira Data FIFA como técnico da Seleção Brasileira.[74]

No dia 12 de outubro enfrentou a Venezuela na Arena Pantanal, empatando em 1 a 1, e em seguida foi derrotado por 2 a 0 para o Uruguai, fora de casa. Já no dia 16 de novembro, viu o Brasil ser derrotado para a Colômbia por 2 a 1, fora de casa. Essa foi a primeira derrota da história da Amarelinha para a Seleção Colombiana pelas Eliminatórias. Por outro lado, no dia 21 de novembro, Diniz orientou seus comandados para mais um clássico entre Brasil e Argentina, onde os brasileiros perderam por 1 a 0 no Maracanã. Essa foi a terceira derrota consecutiva do Brasil nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2026, e a primeira vez na história que a Seleção perdeu um jogo das Eliminatórias em casa.[75]

Após o fracasso das negociações com Carlo Ancelotti, Fernando Diniz foi demitido da Seleção Brasileira no dia 5 de janeiro de 2024, sendo esse o primeiro ato de Ednaldo Rodrigues no retorno ao comando da CBF. Ao todo, o treinador comandou o Brasil em seis partidas, obtendo duas vitórias, um empate e três derrotas.[76]

Estilo de jogo editar

Para Fernando Diniz, o maior troféu da sua carreira é recuperar um atleta, e seu estilo de jogo dá a liberdade para os jogadores tocarem a bola e se movimentarem livremente no campo. Os times treinados por Diniz preservam o toque de bola e não apelam para chutes de longa distância ("chutões") nem em momentos de alta pressão dos adversários.[77] Além disso, há uma constante troca de posições.[78] Em seus times, o goleiro é mais um a participar deste constante toque de bola. Na filosofia do treinador, o goleiro precisa "jogar na linha, usar os pés e participar do jogo."[79]

São alguns conceitos do "Dinizismo": a saída curta para atrair a marcação (com a troca de passes na defesa com o goleiro utilizando mais os pés), o passe curto para quebrar linhas do adversário, além da ideia de atacar espaços não ocupados. Esses conceitos citados criam uma das principais características no estilo de jogo de Fernando Diniz, que é a superioridade numérica.[80]

O treinador explica que seu estilo de jogo, apesar de ser comparado ao tiki-taka, tem algumas diferenças. "A gente usa muito mais o goleiro na saída de bola, se arrisca mais. A rotatividade dos nossos jogadores é maior." Por isso, a imprensa paulista apelidou seu estilo de jogo de tiki-taka à paulista[79] ou Dinizismo.[81]

Estatísticas como treinador editar

Atualizadas até 4 de janeiro de 2024

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Guaratinguetá 18 6 7 5 46.3%
Votoraty 76 38 17 21 59.21%
Botafogo-SP 4 1 0 3 25%
Paulista 32 14 9 9 53.13%
Atlético Sorocaba 45 24 8 13 59.26%
Paraná 17 7 3 7 47.06%
Audax 112 50 31 31 53.87%
Oeste 37 9 16 12 38.74%
Atlético Paranaense 21 5 7 9 34.92%
Fluminense 168 85 35 48 57.54%
São Paulo 77 36 20 21 55.41%
Santos 27 10 7 10 50.62%
Vasco da Gama 12 4 3 5 41.67%
Seleção Brasileira 6 2 1 3 38,88%

Títulos como jogador editar

Corinthians
Fluminense

Títulos como treinador editar

Votoraty
Paulista
Fluminense

Prêmios individuais editar

Referências

  1. «Fernando Diniz jogou no Santos em 2005 e esteve no último título do clube como adversário». Terra. 8 de maio de 2021. Consultado em 30 de maio de 2023 
  2. André Martins (5 de outubro de 2023). «Diniz, o psicólogo: técnico do Flu tira de si holofotes e divide méritos». UOL. Consultado em 17 de fevereiro de 2024 
  3. a b c «Jovem e campeão, Fernando Diniz quer aumentar sua coleção de títulos». Federação Paulista de Futebol. Consultado em 16 de outubro de 2012. Arquivado do original em 11 de setembro de 2013 
  4. «Fernando Diniz é eleito o quinto melhor técnico do mundo». O Dia. 29 de dezembro de 2023. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  5. a b c d Túlio Nassif. «Fernando Diniz - Que fim levou?». Terceiro Tempo. Consultado em 19 de setembro de 2023 
  6. «Rival no Choque-Rei, Diniz jogou no Palmeiras de Luxa em 1996». ND Mais. 30 de outubro de 2019. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  7. Francisco De Laurentiis e Vladimir Bianchini (10 de agosto de 2020). «Fernando Diniz como jogador do Palmeiras: transferência em dólar e comandado por Luxemburgo». ESPN Brasil. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  8. Eduardo Rodrigues (27 de novembro de 2019). «São Paulo x Vasco: a história do dia em que Fernando Diniz desfalcou o time de Luxa para ser mesário». GloboEsporte.com. Consultado em 8 de março de 2023 
  9. Vladimir Bianchini (7 de julho de 2023). «Ex-técnico da seleção que comandou Diniz no Corinthians faz alerta: 'Flu tem 500 jogos, não sei como vai conciliar'». ESPN Brasil. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  10. «Fernando Diniz se apresenta ao Flamengo». Folha de Londrina. 8 de abril de 2003. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  11. «Em 2003, Flamengo vence Fluminense por 4 a 1 pelo Campeonato Brasileiro». ge. Consultado em 5 de novembro de 2023 
  12. Vladimir Bianchini (22 de março de 2019). «Fernando Diniz no Flamengo: 1 gol, lesões, salários atrasados e 'fora, Waldemar!'». ESPN Brasil. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  13. «Lembra? Fernando Diniz teve passagem discreta no Cruzeiro e corte em jogo por risco de doping». ge. 18 de setembro de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  14. «Santos contrata o meia-atacante Fernando Diniz». Folha de S.Paulo. 12 de janeiro de 2005. Consultado em 7 de maio de 2021 
  15. João Paulo (4 de maio de 2023). «Você sabia? Fernando Diniz teve passagem relâmpago pelo Gama». DF Esportes. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  16. «Grêmio vence Votoraty e está nas oitavas de final». O Globo. 1 de abril de 2010. Consultado em 8 de março de 2023 
  17. «Votoraty muda de cidade e vira Ribeirão Futebol Clube» . Estadão. 8 de abril de 2010. Consultado em 8 de março de 2023 
  18. Jornal Cruzeiro do Sul. «Saída à francesa» (PDF). Consultado em 18 de outubro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  19. «Com gol no final, Paulista é campeão da Copa Paulista e está na Copa do Brasil». UOL. 28 de novembro de 2010. Consultado em 8 de março de 2023 
  20. «Paulista empata com Red Bull e conquista vaga na Copa do Brasil-2011». Folha de S.Paulo. 28 de novembro de 2010. Consultado em 8 de março de 2023 
  21. «Súmula e Relatório da Partida». Federação Paulista de Futebol. Consultado em 8 de março de 2023 
  22. «Paulista FC - Campeão da Copa Paulista 2010». YouTube. 30 de dezembro de 2010. Consultado em 5 de novembro de 2023 
  23. «Técnico do São Paulo levou Paulista ao seu último título conquistado em Jundiaí». Tribuna de Jundiaí. 31 de outubro de 2019. Consultado em 8 de março de 2023 
  24. Folha de S. Paulo (5 de fevereiro de 2011). «Botafogo troca Fonseca por Fernando Diniz». Consultado em 8 de março de 2023 
  25. «Fernando Diniz é demitido após Botafogo-SP ser goleado» . Estadão. 5 de março de 2011. Consultado em 8 de março de 2023 
  26. Emilio Botta (29 de abril de 2020). «Há oito anos, Fernando Diniz conduzia o Atlético Sorocaba à elite do Paulistão». GloboEsporte.com. Consultado em 19 de setembro de 2023 
  27. «F. Diniz justifica "migração" do Guará a descaso com o gramado do Dario». GloboEsporte.com. 19 de setembro de 2014. Consultado em 6 de agosto de 2023 
  28. Guilherme Moreira (8 de julho de 2015). «Fernando Diniz, ex-Audax, é o novo técnico do Paraná». Terra. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  29. «Após derrota em casa, Paraná anuncia a saída do técnico Fernando Diniz». GloboEsporte.com. 27 de setembro de 2015. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  30. «Audax leva a melhor sobre Palmeiras e amplia crise alviverde». Terra. 20 de março de 2016. Consultado em 8 de março de 2023 
  31. Emilio Botta (21 de março de 2023). «Como o Audax-SP foi de sensação sob o comando de Diniz à última divisão do Paulista em sete anos». ge. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  32. «Depois de ser vice paulista com Audax, Fernando Diniz encara uma dura realidade no Oeste». Superesportes. 3 de novembro de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  33. «Fernando Diniz cria 'time perfeito', mas que não faz gol». ESPN Brasil. 30 de agosto de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  34. Emilio Botta (21 de outubro de 2016). «Do céu ao inferno: a temporada do técnico sensação Fernando Diniz». GloboEsporte.com. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  35. «Após cinco anos, Fernando Diniz deixa comando do Audax-SP». LANCE!. 2 de junho de 2017. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  36. «Sem acerto com Seedorf, Atlético-PR anuncia Fernando Diniz como novo técnico». GloboEsporte.com. 3 de janeiro de 2018. Consultado em 8 de março de 2023 
  37. Napoleão de Almeida (8 de janeiro de 2018). «Com conceito dos "aspirantes", Atlético-PR aumenta valorização do Estadual». UOL. Consultado em 8 de março de 2023 
  38. Ricardo Brejinski (1 de fevereiro de 2018). «Fernando Diniz já impõe metodologia no Atlético, que ainda precisa ser aprimorado». Tribuna do Paraná. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  39. «Atlético-PR demite o técnico Fernando Diniz, que sai com 34% de aproveitamento». GloboEsporte.com. 25 de junho de 2018. Consultado em 8 de março de 2023 
  40. Felipe Siqueira (19 de dezembro de 2018). «Fluminense anuncia Fernando Diniz como novo técnico». GloboEsporte.com. Consultado em 8 de março de 2023 
  41. «Com seis jogadores, Flamengo domina seleção do Campeonato Carioca». GloboEsporte.com. 21 de abril de 2019. Consultado em 8 de março de 2023 
  42. «Fernando Diniz não é mais técnico do Fluminense». Gazeta Esportiva. 19 de agosto de 2019. Consultado em 8 de março de 2023 
  43. «Fernando Diniz é o novo técnico do São Paulo». Site oficial do São Paulo. 27 de setembro de 2019. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  44. Murilo Borges (26 de setembro de 2020). «Indicação dos jogadores, amor e ódio com torcida e recorde na era Leco: Diniz completa um ano de São Paulo». ESPN Brasil. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  45. Fellipe Lucena (29 de julho de 2020). «São Paulo dá vexame no Morumbi e é eliminado pelo Mirassol». Terra. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  46. Rodolfo Rodrigues (11 de janeiro de 2021). «Com tropeço do São Paulo, Brasileirão 2020 tem 6 times na briga pelo título». UOL. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  47. «São Paulo tem noite pouco inspirada, Grêmio segura empate e vai à final da Copa do Brasil». ESPN Brasil. 30 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  48. «Tchê Tchê fala pela primeira vez sobre polêmica com Diniz: 'Não sou perninha'». ISTOÉ Independente. 31 de agosto de 2021. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  49. «Diniz chorou após chamar Tche Tchê de 'perninha', diz Reinaldo». UOL. 29 de junho de 2022. Consultado em 15 de novembro de 2023 
  50. «Nota oficial». Site oficial do São Paulo. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 29 de abril de 2023 
  51. «Santos anuncia a contratação do técnico Fernando Diniz». GloboEsporte.com. 7 de maio de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  52. «Santos vence o Boca Juniors na estreia de Diniz (expulso) e renasce na Libertadores». GloboEsporte.com. 11 de maio de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  53. «Fernando Diniz não é mais técnico do Santos». GloboEsporte.com. 5 de setembro de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  54. «Fernando Diniz é o novo treinador do Vasco». GloboEsporte.com. 9 de setembro de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2023 
  55. «Vasco perde para o Vitória e ficam sem chances de acesso à Série A». UOL. 10 de novembro de 2021. Consultado em 8 de março de 2023 
  56. Fred Gomes e Marcelo Baltar (11 de novembro de 2021). «Primeira mudanças: Alexandre Pássaro e Fernando Diniz não ficam no Vasco em 2022». GloboEsporte.com. Consultado em 8 de março de 2023 
  57. «Fluminense anuncia a contratação do técnico Fernando Diniz». ge. 30 de abril de 2022. Consultado em 16 de fevereiro de 2024 
  58. «Fluminense acerta o retorno do técnico Fernando Diniz». Extra. 30 de abril de 2022. Consultado em 8 de março de 2023 
  59. «Fluminense atropela o Oriente Petrolero e aplica maior goleada da história da Sul-Americana». ge. 26 de maio de 2022. Consultado em 16 de fevereiro de 2024 
  60. «Fluminense faz 10 no Oriente Petrolero, mas está eliminado da Sul-Americana». Superesportes. 26 de maio de 2022. Consultado em 8 de março de 2023 
  61. Alexandre Araújo e Gabriel dos Santos (15 de setembro de 2022). «Festa em Itaquera: Corinthians vence Fluminense e vai encarar Fla na final». UOL. Consultado em 16 de fevereiro de 2024 
  62. «Fluminense garante vaga direta na fase de grupos da Libertadores após São Paulo 2 x 2 Atlético-MG». ge. 1 de novembro de 2022. Consultado em 16 de fevereiro de 2024 
  63. «Fluminense vence o Resende na estreia pelo Campeonato Carioca». UOL. 14 de janeiro de 2023. Consultado em 8 de março de 2023 
  64. «Fluminense goleia o Bangu em tarde de dois gols de Cano e golaço de Ganso». UOL. 4 de março de 2023. Consultado em 7 de julho de 2023 
  65. Matheus Dantas (8 de março de 2023). «Fluminense vira, aumenta crise no Flamengo e conquista a Taça Guanabara». Terra. Consultado em 7 de julho de 2023 
  66. «Fluminense goleia o Flamengo, reverte vantagem e conquista o bi do Carioca». Terra. 9 de abril de 2023. Consultado em 7 de julho de 2023 
  67. Marcello Neves (9 de abril de 2023). «Campeão com o Fluminense, Fernando Diniz obtém primeiro título de expressão como treinador». O Globo. Consultado em 7 de julho de 2023 
  68. «Fluminense vence o Internacional de virada e vai à final da Libertadores». Terra. 4 de outubro de 2023. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  69. Luiza Sá e Rodrigo Mattos (4 de novembro de 2023). «Ufa! Flu supera trauma, vence Boca na prorrogação e leva 1ª Libertadores». UOL. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  70. «Diniz profetiza consagração de John Kennedy em vitória Fluminense: "Vai fazer o gol do título"». 4 de novembro de 2023. Consultado em 5 de janeiro de 2024 
  71. Bruno Cassucci, Cahê Mota, Eric Faria e Marcelo Braga (4 de julho de 2023). «Seleção brasileira: CBF se acerta com o Fluminense, e Fernando Diniz será o treinador interino». ge. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  72. «Fernando Diniz: "Vou fazer o meu melhor para trazer muita alegria aos torcedores"». Confederação Brasileira de Futebol. 5 de julho de 2023. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  73. «Brasil estreia nas Eliminatórias com goleada diante da Bolívia». Terra. 8 de setembro de 2023. Consultado em 21 de dezembro de 2023 
  74. «Diniz afirma que Seleção venceu com méritos em Lima». Confederação Brasileira de Futebol. 13 de setembro de 2023. Consultado em 21 de dezembro de 2023 
  75. «Brasil perde em casa pela primeira vez na história das eliminatórias». ge. 21 de novembro de 2023. Consultado em 21 de dezembro de 2023 
  76. Felipe Rosa Mendes, Marcos Antomil e Ricardo Magatti (5 de janeiro de 2024). «Fernando Diniz é demitido do cargo de técnico da seleção brasileira por Ednaldo Rodrigues». Terra 
  77. «Para o gasto: Corinthians encurrala o "suicida" Audax para vencer; análise». GloboEsporte.com. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 8 de março de 2023 
  78. Allan Brito (22 de janeiro de 2014). «Apelidado de "carrossel", Audax joga bonito e sai exaltado do Pacaembu». Terra. Consultado em 21 de janeiro de 2021 
  79. a b Danilo Sardinha e Silas Pereira (10 de setembro de 2014). «Goleiro-linha e tiki-taka: a estratégia de Fernando Diniz no "Garcelona"». GloboEsporte.com. Consultado em 8 de março de 2023 
  80. Leonardo Miranda (12 de maio de 2023). «Veja alguns conceitos táticos que explicam o "Dinizismo" no Fluminense». Blog Painel Tático. Consultado em 11 de setembro de 2023 
  81. «Dinizmo ou Dinizismo? São Paulo encerra polêmica nas redes sociais». GloboEsporte.com. 26 de março de 2020. Consultado em 8 de março de 2023 
  82. «VOTORATY x GE OSASCO». Federação Paulista de Futebol (FPF). 21 de junho de 2009. p. 2. Consultado em 5 de novembro de 2023 
  83. «VOTORATY x PAULISTA». Federação Paulista de Futebol (FPF). 6 de dezembro de 2009. p. 2. Consultado em 5 de novembro de 2023 
  84. «Súmula e Relatório da Partida». Federação Paulista de Futebol (FPF). 28 de novembro de 2010. p. 1. Consultado em 5 de novembro de 2023 
  85. «Santos domina seleção do Paulistão; Audax emplaca dois e mais o técnico». GloboEsporte.com. 9 de maio de 2016. Consultado em 2 de janeiro de 2023 

Ligações externas editar

Precedido por
Antônio Carlos Zago
Treinador do Audax
2013–2017
Sucedido por
Maércio Zeferino
Precedido por
Lisca
Treinador do Guarani
2018
Sucedido por
Umberto Louzer
Precedido por
Fabiano Soares
Treinador do Atlético Paranaense
2018
Sucedido por
Tiago Nunes
Precedido por
Fábio Moreno (interino)
Marcão (interino)
Treinador do Fluminense
2019
2022–
Sucedido por
Marcão (interino)
Precedido por
Cuca
Treinador do São Paulo
2019–2021
Sucedido por
Hernán Crespo
Precedido por
Marcelo Fernandes
Treinador do Santos
2021
Sucedido por
Fábio Carille
Precedido por
Lisca
Treinador do Vasco da Gama
2021
Sucedido por
Fábio Cortez (interino)
Precedido por
Ramon Menezes (interino)
Treinador da Seleção Brasileira (interino)
2023
Sucedido por
Dorival Júnior