Juninho Pernambucano

futebolista brasileiro

Antônio Augusto Ribeiro Reis Júnior, mais conhecido como Juninho Pernambucano ou simplesmente Juninho (Recife, 30 de Janeiro de 1975), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista. Atualmente é diretor de futebol do Lyon.

Juninho Pernambucano
Juninho Pernambucano
Juninho durante anúncio de sua aposentadoria como jogador em 2014.
Informações pessoais
Nome completo Antônio Augusto Ribeiro Reis Júnior
Data de nasc. 30 de janeiro de 1975 (45 anos)
Local de nasc. Recife (PE), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,78 m[1]
destro
Apelido Juninho Pernambucano
Reizinho da Colina
Informações profissionais
Equipa atual Lyon
Função Diretor de Futebol
Clubes de juventude
1991–1992 Sport
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos)
1993–1995
1995–2001
2001–2009
2009–2011
2011–2012
2013
2013[2]
Total
Sport
Vasco da Gama
Lyon
Al-Gharafa
Vasco da Gama
New York Red Bulls
Vasco da Gama
00024 0000(3)[3]
00295 0000(56)[3]
00344 000(100)[4]
00066 0000(22)
00076 0000(19)
00013 00000(0)
00022 00000(2)
00839 000(202)
Seleção nacional3
1999–2006 Brasil 00040 0000(6)
Times/Equipas que treinou3

Pela Seleção Brasileira, anotou 6 gols em 40 partidas e disputou a Copa América de 2001, Copa das Confederações de 2005 e Copa do Mundo de 2006.

CarreiraEditar

ReconhecimentosEditar

Ídolo do Vasco da Gama e do Lyon, o jogador Brasileiro foi citado por Ken Bray[5], um físico Inglês, em um trecho do seu Livro "How to Score: Science and Beautiful Game". Por conta das suas características técnicas e da versatilidade, o escritor o considerou o maior batedor de faltas da história.[6]

Juninho também foi eleito por jornalistas o terceiro maior ídolo da história do Vasco[7]. O jornal espanhol As e a revista francesa Onze Mondial colocaram Juninho no topo do ranking da artilharia em cobranças de falta direta. Foram 77 gols em jogos oficiais na carreira.[8][9] Foi ainda eleito o terceiro melhor estrangeiro a atuar na França, de acordo com a revista France Football.[10] Juninho esteve presente nas sete conquistas consecutivas do Lyon no Campeonato Francês, tendo saído do clube após oito temporadas, onde marcou 100 gols em 344 partidas. Em 2015, foi eleito pelo canal Eurosport, o melhor jogador do Campeonato Francês do século 21[11]. Em 2020, foi eleito por internautas em votação popular, o maior nordestino do futebol[12].

SportEditar

Juninho foi revelado nas categorias de base do Sport, onde chegou aos 16 anos. Apesar de ter sido aprovado no vestibular para o curso de administração de empresas,[13] Juninho, depois de permanecer durante quase três temporadas nas divisões de base do clube, optou pelo futebol e fez sua estreia na equipe principal em 11 de novembro de 1993, entrando no decorrer do segundo tempo do empate em 0 a 0 com o Fluminense.[14] No clube, fez parte da "geração de ouro" e consagrou-se como ídolo da torcida, sendo peça importante nas conquistas do campeonato estadual e da Copa do Nordeste, ambos em 1994. Foi também no Leão da Ilha que Juninho mostrou ser um excelente cobrador de faltas, algo que, depois, viraria marca registrada em sua carreira.

Suas atuações com a camisa do Sport começaram a chamar a atenção dos grandes do futebol brasileiro. Não demorou muito e Juninho acabou recebendo uma proposta do carioca Vasco da Gama, que foi aceita. Com um início difícil, logo acabou se tornando um peça fundamental e estrela da equipe.[14]

Vasco da GamaEditar

Foi contratado pelo Vasco da Gama em 1995 por indicação do zagueiro Ricardo Rocha ao diretor de futebol, Eurico Miranda, que também foi responsável pela contratação do atacante Leonardo, que atuava ao lado de Juninho pelo Leão[15].

No dia 26 de agosto, em sua estreia em jogos oficiais, apresentou aos vascaínos o que seria marca registrada em sua carreira. Após a sobra de uma tentativa de corte do companheiro, acertou um belo chute com o pé direito de fora da área, marcando o seu primeiro gol com a camisa do Vasco, foi o quarto gol da vitória vascaína sobre o Santos por 5 a 3 na Vila Belmiro no Campeonato Brasileiro de 1995[16][17]. O que muitos talvez não podiam imaginar, é que ali surgia um dos maiores ídolos da história do clube.

Mesmo com o inicio promissor, Juninho teve um pouco de dificuldade para se firmar na equipe cruzmaltina. Após uma sequência de jogos como titular, Juninho que marcaria 3 gols naquele campeonato, frequentou o banco de reservas durante um tempo, todavia, sempre entrando nas partidas.

Em 1996 a situação muda. Juninho crava a titularidade na equipe com 57 partidas disputadas e 13 gols marcados (marca de gols que ele superaria no clube apenas 16 anos depois)[18]. Foi nesse ano que marcou o seu primeiro gol de falta pelo clube, um belo arremate fechando a vitória de 2 a 0 sobre o Fluminense, no Campeonato Carioca de 1996.

Em 1997, Juninho destacou-se ainda mais, registrando sua importância como jogador, sua marca e o seu nome na memória do torcedor vascaino. Liderado por Edmundo, o Vasco conquistou seu terceiro título nacional, repetindo as campanhas de 1974 e 1989, vencendo depois de muito tempo o Campeonato Brasileiro de 1997[19].

Juninho foi um dos principais jogadores da competição, na qual fez gols importantes, alguns deles, é claro, de falta e contribuiu com assistências. Foi neste ano também, que pela primeira vez, ouviu das arquibancadas de São Januário, o grito que marcaria sua trajetória no clube: "ei, ei, ei, o Juninho é o nosso rei"[20]. Ao fim do campeonato, foi premiado pela CBF como melhor meia da competição[21].

Em 1998, Juninho se destacou ainda mais, tornando-se um dos maiores ídolos da torcida vascaina. O ano do centenário começa com o Vasco sendo campeão do Campeonato Carioca de 1998, em partida contra o Bangu vencida por 1 a 0 com assistência de Juninho para gol de Mauro Galvão[22]. Contudo, a glória maior vem logo após, com a conquista da Copa Libertadores da América de 1998.[23] Como momento áureo, destaca-se a segunda partida da semi-final, no dia 22 de julho, diante do River Plate, no Monumental de Núñez. Aos 37 minutos do segundo tempo, Juninho marcou em linda cobrança de falta, o gol do empate que garantiu a presença na final da Libertadores[24][25][26]. O tento, rendeu anos após sua saída do clube, uma canção, cantada pela torcida mencionando o feito: "Vou torcer para o Vasco ser campeão, São Januário meu caldeirão. Vasco, tua glória é tua história, é relembrar o expresso da vitória. Contra o River Plate, sensacional (gol de quem?), gol do Juninho, monumental"[27]. Em votação realizada na internet, o gol foi eleito o mais importante da história do clube[28]. Na final diante do Barcelona de Guayaquil, Juninho daria duas assistências para os gols do título na segunda partida vencida por 2 a 1[29]. Com a conquista continental e a participação no Mundial de Clubes de 1998 asseguradas, o Vasco desprezou o Campeonato Brasileiro daquele ano. Assim, no dia 1 de dezembro, o Vasco enfrenta o Real Madrid no Estádio Olímpico de Tóquio pela decisão do Mundial de Clubes. O time cruzmaltino joga melhor do que o adversário e Juninho marca um belo gol na partida, contudo, mesmo com a excelente atuação, o Real Madrid venceu o Vasco por 2 a 1 e levou a taça[30][31]. Em 2019, a atuação do Vasco naquela partida, foi eleita por internautas a melhor de um time brasileiro contra um europeu em final de Mundiais[32].

Em 1999, mais uma vez é um dos grandes nomes de uma conquista do Vasco, sendo campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1999. Nas semi-finais diante do São Paulo, marcou de pênalti e deu assistência na derrota por 3 a 2 no Maracanã. O Vasco venceu a volta no Morumbi por 3 a 1 e carimbou a decisão[33]. Nas finais diante do Santos, deu assistência e marcou um belo gol de falta na partida de ida, vencida por 3 a 1, no Maracanã[34]. Na partida de volta, fez o gol do título na vitória por 2 a 1 no Morumbi.[35][36]. Também viveu um momento especial em sua carreira naquele ano, quando se tornou o primeiro jogador na história a disputar duas partidas em países diferentes no mesmo dia. Isso aconteceu em 7 de setembro, quando pela primeira vez foi convocado para a Seleção Brasileira, pelo técnico Vanderlei Luxemburgo. Após entrar no segundo tempo da vitória sobre a Argentina (4 a 2), disputada em Porto Alegre, embarcou para Montevidéu e, após um voo problemático, conseguiu chegar ao Uruguai a tempo de entrar no segundo tempo da partida contra o Nacional, pela Copa Mercosul. Apesar de todo o esforço de Juninho, o Vasco acabou perdendo por 3 a 0.[37]

Em 2000, continuou primordial para a equipe. Após as derrotas nas finais do Mundial, Torneio-Rio São Paulo e Estadual, forma no segundo semestre um quarteto infernal ao lado de Juninho Paulista, Euller e Romário, chegando inclusive a formarem o quarteto ofensivo da Seleção Brasileira[38]. Na Copa Mercosul de 2000, Juninho esteve presente numa das mais épicas conquistas do futebol brasileiro. Na semi-final diante do River Plate, deu assistência para o primeiro e fez a jogada do segundo gol na vitória por 4 a 1 no Monumental[39]. O Vasco venceu a volta em São Januário por 1 a 0 e garantiu a final. Na decisão, o Vasco venceu a primeira partida sobre o Palmeiras por 2 a 0, com Juninho marcando um gol de falta. Na segunda partida, o Palmeiras venceu por 1 a 0. Por isso, houve uma terceira partida para decidir o campeão da competição. Na noite do dia 20 dezembro, no Parque Antártica, após sair perdendo por 3 a 0 no primeiro tempo, a equipe cruzmaltina conseguiu virar a partida, que terminou 4 a 3[40][41]. Eleita a maior virada de todos os tempos no futebol[42][43], foi mais um título na carreira do já vitorioso e ídolo Juninho, que logo após a partida, comentou:

Na Copa João Havelange (Brasileiro de 2000), Juninho mantém a sina de ser um dos jogadores mais efetivos em decisões da história do Vasco. Nas oitavas de final, marcou de falta o terceiro gol no empate por 3 a 3 diante do Bahia na Fonte Nova[44]. O Vasco venceu a volta em São Januário por 3 a 2 e avançou[45]. Na semi-final, após um empate na partida de ida em São Januário contra o Cruzeiro (2 a 2), sai do pé direito de Juninho, em linda cobrança de falta, o primeiro gol da vitória vascaína por 3 a 1 na partida de volta dentro do Mineirão[46][47]. Na final, após empate por 1 a 1 fora de casa, a grande decisão que fora remarcada para o Maracanã no dia 18 de Janeiro de 2001, após o acidente que ocasionou a queda de parte do alambrado de São Januário, marcaria a despedida da primeira passagem de Juninho pelo clube. Em meio as especulações de saída, fez o primeiro gol da equipe na vitória por 3 a 1 sobre o São Caetano, comemorando de forma tímida e emocionado, ouviu de um Maracanã cheio o coro: "Fica! Fica! Fica!". Após o apito final e com o título brasileiro, encerrava ali a primeira passagem de um dos jogadores mais vitoriosos com a camisa do clube[48]. Com o encerramento do campeonato, foi premiado com a Bola de Prata da Revista Placar como o melhor meia do certame nacional[49].

O grande motivo da saída de Juninho, fora a falta de valorização por parte da diretoria. O meia que era uma das principais estrelas do Vasco, continuava com um dos mais baixos salários do elenco. Após não conseguir um aumento com a direção, resolveu ser o primeiro jogador brasileiro a entrar na justiça após a instituição da Lei Pelé que pôs fim ao passe dos clubes brasileiros. Essa briga judicial se prolongou durante seis meses, sendo que Juninho ficou sem atuar durante esse período. Sua situação mudou quando o treinador do Olympique Lyonnais, Jacques Santini, indicou sua contratação em 2001. Por meio de uma liminar, Juninho conseguiu se transferir[50].

Em sua primeira passagem pelo Vasco, o "reizinho" atuou em 295 partidas, fez 55 gols e conquistou 10 títulos[51].

LyonEditar

Mesmo tendo saído pela "porta dos fundos" do Vasco e ter ficado durante algum tempo sem atuar, Juninho foi convocado pela Seleção Brasileira para a disputa da Copa América de 2001 e chegou com moral no clube francês, que na época, apesar de ser o atual vice-campeão nacional, não era muito conhecido do Brasil e até mesmo na Europa. Sua intenção era apenas se estabelecer no futebol europeu, o que aconteceu logo em sua primeira temporada: com um elenco limitado e, mesmo fazendo sua estreia no futebol local, Juninho atuando com a camisa 12, foi muito importante na conquista do inédito título da Ligue 1 de 2001-02. Em seguida, conquistou a Supercopa da França de 2002, após o Lyon atropelar o Lorient por 5 a 1.

Sua temporada seguinte foi ainda melhor, já com a preferida camisa 8, conseguiu conquistar o segundo título consecutivo na Ligue 1, além de terminar como artilheiro e maior assistente da equipe no campeonato e na temporada. Na decisão da Supercopa da França de 2003, deu duas assistências para a vitória por 2 a 1 sobre o Auxerre e o Lyon levou o troféu.

E não parou por aí: na temporada 2003-04, o terceiro título da Ligue 1, dessa vez Juninho não terminou como artilheiro da equipe, mas foi o principal jogador daquela conquista e o vice artilheiro do time na liga. De um clube modesto e desconhecido, o Lyon virara a maior força no país, tendo Juninho declarado a imprensa mais tarde:

Após essa temporada, Juninho foi eleito o melhor estrangeiro de 2004 do país[52] e eleito para a seleção do torneio pela revista France Football, além de ser considerado a personalidade do ano da cidade de Lyon. O tri da Supercopa da França veio contra o Paris Saint-Germain após disputa de pênaltis. Nesse mesmo ano, se iniciava a campanha do quarto título da Ligue 1 consecutivo da equipe, igualando o recorde de Saint-Étienne e Marseille, sendo Juninho no final da campanha, artilheiro do time na liga e eleito para a seleção do torneio novamente.

Com as outras equipes tradicionais em baixa no cenário nacional, não foi muito difícil para quebrar o recorde de títulos da Ligue 1 consecutivos. E isso aconteceu na temporada de 2005–06, uma das principais de Juninho no clube, sendo eleito o melhor jogador da mesma e, pelo quinto ano consecutivo, para a seleção do torneio. A fase espetacular vivida no Lyon lhe garantiu vaga incontestável na Seleção Brasileira para as disputas da Copa das Confederações 2005 e da Copa do Mundo de 2006.

O domínio no cenário nacional ainda durou mais duas temporadas, com as conquistas da Ligue 1 de 2006-07 e 2007-08. E mesmo nessas últimas duas temporadas, o capitão e ídolo Juninho tendo ultrapassado os 32 anos de idade, ainda assim, se destacou com suas assistências e tentos de falta, sendo indicado na lista de 30 jogadores para o prêmio de melhor jogador do mundo pela FIFA em 2007, ficando na 20ª colocação[53][54]. Também foi fundamental na campanha do título da Copa da França de 2007–08. Foi dele o gol que classificou o time para a decisão, após a vitória por 1 a 0 sobre o Sedan na semi-final[55]. O Lyon venceu o Paris Saint-Germain na final e o capitão Juninho ergueu a taça[56]. O Lyon havia feito até ali, com a ajuda do ídolo Juninho, o que jamais se vira na história do futebol francês, erguendo sete vezes consecutivas o troféu da Ligue 1. Conquistou também seis vezes seguidas a Supercopa da França.

Apesar do domínio no cenário nacional, o Lyon nunca conseguiu o mesmo no cenário europeu. Apesar de em suas duas primeiras temporadas disputando a Liga dos Campeões da UEFA, o clube ter terminado em terceiro em seu grupo, passando a disputar a Copa da UEFA, o Lyon conseguiu na terceira, quarta e quinta temporada de Juninho no clube, chegar às quartas de final, sua melhor colocação na competição. Nessas três temporadas, o Lyon terminou em primeiro em seu grupo, à frente de Bayern de Munique, Manchester United e Real Madrid, respectivamente. Já na sexta, pela segunda vez, o Lyon terminou à frente do Real Madrid em seu grupo, porém, dessa vez caiu nas oitavas de final.

Em termos individuais, Juninho dificilmente não se destacava, sempre articulando e construindo as jogadas ofensivas, bem como fazendo gols contra equipes poderosas da competição como Real Madrid, Barcelona, Bayern de Munique e outras.

Em sua última temporada na equipe de Lyon, Juninho teve atuações destacas, porém, nessa temporada, o clube não terminou pela primeira vez desde sua chegada, como campeão. A equipe terminou apenas em terceiro na classificação geral, perdendo o título para o Bordeaux. Sua última partida com a camisa do Lyon aconteceu na vitória sobre o Caen, em 23 de maio de 2009, onde ele marcou seu último e centésimo tento com a camisa do Lyon.[57][58] Juninho é considerado pela torcida como o maior ídolo e jogador da história do clube[59][60][61].

Pelo Lyon foram 343 partidas, 100 gols marcados e 14 títulos conquistados[62].

Al-GharafaEditar

Tendo recebido propostas tanto de clubes internacionais, como brasileiros, Juninho acabou acertando com o mundo árabe, para defender o Al-Gharafa, do Qatar.[63] Usando a camisa número cinco e com um contrato de duas temporadas, logo em sua temporada de estreia, conquistou três títulos: a Qatar Stars Cup,[64] a Liga do Qatar (sendo o tricampeonato consecutivo do Al-Gharafa)[65] e a Qatar Crown Prince Cup. Logo após a conquista do último, também foi eleito o melhor jogador da temporada no Qatar.[66]

Retorno ao Vasco da GamaEditar

Em 2011, após não renovar seu contrato com o Al-Gharafa, Juninho, aos 36 anos de idade, acertou seu retorno ao Vasco, dez anos após deixar o clube rumo à França, para a alegria da torcida vascaína que desde sempre sonhava com o regresso do ídolo, principalmente após circular na internet um vídeo do jogador afirmando a um torcedor que o encontrara no aeroporto em 2006: "um dia eu volto"[67]. Tendo sido anunciado oficialmente em 27 de abril, Juninho abriu mão do seu alto salário no futebol do Qatar para receber durante seu período no clube um salário mínimo (R$ 545,00 na época) aliado a produtividade, metas e prêmios fixados em contrato[68][69].

Sua reapresentação oficial ao Vasco aconteceu no dia 11 de junho, antes da primeira partida do time após a conquista da Copa do Brasil de 2011, no empate por 1 a 1 contra o Figueirense pelo Campeonato Brasileiro de 2011. Com os refletores do estádio apagados e um canhão de luzes no gramado como se fosse um show, o surgimento de Juninho no gramado ao sair do túnel, fez explodir em festa a torcida que lotou São Januário e a música em referência ao gol no Monumental de 1998, bem como o emblemático grito de "ei, ei, ei, o Juninho é o nosso rei", ecoaram das arquibancadas de torcedores visivelmente emocionados[70][71]. A cerimônia contou ainda com a presença de outros grandes ídolos do clube como Edmundo (este fora o mais saudado), Carlos Germano, Luisinho, Geovani, Felipe que estava no clube e o ex-técnico Antônio Lopes. Todos foram reverenciados pelo então presidente e maior ídolo da história do clube, Roberto Dinamite[72][73]. Sua reestreia aconteceu em 6 de julho, na derrota de virada por 2 a 1 para o Corinthians no Pacaembu. Com a histórica camisa 8 e a faixa de capitão, Juninho marcou o primeiro tento da partida logo aos dois minutos, numa cobrança de falta. Porém, o Vasco acabou sofrendo a virada ainda no primeiro tempo, não conseguindo reverter o placar.[74][75] Juninho liderou o time e foi um dos principais responsáveis pelas ótimas campanhas do Vasco nas competições que disputou. Em 2011, ele foi peça-chave do Vasco da Gama para o time alcançar o segundo lugar no Campeonato Brasileiro, na melhor campanha do clube na história em pontos corridos e foi fundamental para o time chegar às semifinais da Copa Sul-Americana, feito inédito no clube[76][77].

Em 2012, o capitão Juninho permanece fundamental na equipe, todavia o time não alcança os grandes objetivos da temporada. No Estadual ajuda a equipe a chegar nas finais da Taça Guanabara e Taça Rio, contudo, o Vasco perde as duas finais de turno. Na Copa Libertadores da América de 2012, como um dos favoritos da competição, cai nas quartas-de-final diante do também favorito Corinthians, no que fora na opinião de muitos, uma espécie de final antecipada[78]. Já no Campeonato Brasileiro de 2012, é o principal jogador do time (que era um dos favoritos ao título) na competição. Entretanto, apesar do excelente primeiro turno, o time sofrera desmanche em seu elenco e fez péssimo returno. Por conta disso, o clube que não saía da zona de classificação para a Libertadores desde o ano anterior, acabou ficando na quinta colocação e fora da competição continental do ano seguinte[79]. Neste campeonato, Juninho foi um dos destaques marcando sete gols e distribuindo dez assistências, liderando na maior parte do tempo a pontuação do prêmio Bola de Prata (Placar) na sua posição[80][81][82][83]. Todavia, com a queda de produção da equipe, foi ultrapassado na última rodada por Zé Roberto (mesmo este tendo menos gols e menos assistências) e não ficou com o prêmio[84]. Anos depois, Juninho que parece nunca ter digerido muito bem o ocorrido, faria uma publicação em sua rede social, sugerindo que o tradicional prêmio fosse "carta marcada"[85].

Em dezembro, mesmo com proposta de renovação, Juninho foi mais um a deixar o clube naquele ano. O clube vivia momento político aflorado e enfrentava problemas financeiros (o que dissolveu a equipe no segundo turno do campeonato). O meia alegou que havia um "ambiente sujo" no clube e que a sua saída ajudaria ao Vasco, pois com ela todos veriam as dificuldades que o clube vivia e trabalhariam para mudar a situação[86].

Na sua segunda passagem pelo Vasco, Juninho atuou em 76 partidas e marcou 19 gols pela equipe, também estabeleceu um recorde de gols em uma só temporada pelo Vasco: foram 14 gols em 2012.[87][88][89]

New York Red BullsEditar

Em 17 de dezembro de 2012, Juninho acerta sua ida para o New York Red Bulls.[90][91]

Ele estreou pelo clube norte-americano em uma partida em que atuou apenas por 36 minutos, onde o New York Red Bulls venceu o Malmö por 3 a 2,[92][93] em Bradenton, na Flórida.[94] Marcou seu primeiro gol em 17 de fevereiro de 2013, numa assistência de Thierry Henry. No entanto, sua equipe acabou perdendo o jogo por 3 a 1.[95]

Em 3 de Julho de 2013, Juninho anunciou sua rescisão com o clube, alegando pouco rendimento e má relação com o treinador da equipe: "Não estava me sentindo bem em campo, sem render o que poderia. Minha relação com o treinador (Mike Petke) dificultava ainda mais. Resolvi sair agora e quero agradecer ao clube a oportunidade de desfrutar da MLS (Major League Soccer)", explicou em texto divulgado no Facebook.[96]

Terceira passagem pelo Vasco da GamaEditar

Sete meses após rejeitar a renovação de contrato com o Vasco da Gama, Juninho, aos 38 anos, voltou ao clube para atuar em sua terceira passagem pelo Gigante da Colina e agora encerrar sua vitoriosa carreira. No dia 11 de julho de 2013, o Vasco anunciou seu retorno ao clube.[97]

Juninho reestreou com a camisa do Vasco no dia 21 de julho de 2013, contra o Fluminense. Marcou o primeiro gol da partida no Maracanã e deu uma assistência para o gol de André, ajudando o Vasco a sair com a vitória.[98] Logo na sua segunda partida, ele marcou mais um gol e foi destaque ajudando o Vasco a vencer o Criciúma em São Januário por 3 a 2. Foram os únicos gols de Juninho naquele ano, tendo distribuído 7 assistências no campeonato. Sua última partida profissional aconteceria na trigésima terceira rodada do campeonato. Aos sete minutos de jogo contra o Santos, no Maracanã, o ídolo cruzmaltino cobrou uma falta da esquerda e já caiu com muitas dores na região posterior da coxa direita, próximo ao púbis. Sem chances de permanecer no jogo, foi substituído aos 10 minutos. A partida terminou empatada em 2-2 e marcou o encerramento de sua carreira.[99] Sem poder atuar, viu longe dos gramados, o rebaixamento do clube no final do campeonato.

Nessa última passagem pelo Vasco e última temporada profissional, atuou em 22 partidas.

Seleção BrasileiraEditar

Juninho estreou pela Seleção Brasileira no dia 7 de setembro de 1999, na vitória por 4 a 2 sobre a Seleção Argentina. A data ficou marcada, pois além de ser convocado para defender a seleção nacional pela primeira vez, se tornou o primeiro jogador na história a disputar duas partidas em países diferentes no mesmo dia. Após entrar no segundo tempo da vitória da Seleção Brasileira sobre a Argentina, disputada em Porto Alegre, embarcou para Montevidéu e, após um voo problemático, conseguiu chegar ao Uruguai a tempo de entrar no segundo tempo da partida do Vasco contra o Nacional, pela Copa Mercosul.

Presente em algumas partidas das eliminatórias da Copa do Mundo de 2002 e nas quatro partidas da desastrosa participação brasileira na Copa América de 2001, onde a Seleção Brasileira foi eliminada pela inexpressiva Seleção de Honduras nas quartas de final. Juninho acabou ficando de fora da lista de convocados da Copa do Mundo de 2002.

Acabou retornando à seleção em 2003, sob o comando de Carlos Alberto Parreira e, a partir daí, não saindo mais do grupo. Mesmo não tendo participado da Copa América de 2004 (A seleção disputara a competição com uma espécie de time "B") , esteve presente no título da Copa das Confederações de 2005. Participou de três partidas, marcando na primeira, na vitória sobre a Grécia (3 a 0), seu primeiro gol pelo Brasil, seis anos após estrear pela Seleção Canarinho. Também jogou a final contra a Argentina, que o Brasil venceu por 4 a 1.

Juninho foi importante na campanha das eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, participando de 11 das 18 partidas que o Brasil disputou. Ainda marcou um tento, no empate contra a Bolívia, em La Paz (1 a 1). Curiosamente, nessa partida, surpreendeu a todos quando pegou algumas bolas para treinar cobranças de falta antes do jogo. E o gol de Juninho saiu justamente de uma cobrança de falta.

Na Copa do Mundo de 2006, Juninho disputou três partidas, marcando um tento em sua estreia contra o Japão (4 a 1). Apesar do Brasil fazer uma Copa bem abaixo das expectativas, Juninho foi um dos nomes menos criticados. Na partida contra a França, responsável pela eliminação brasileira no torneio, Juninho foi o único jogador da equipe visivelmente emocionado durante a execução do hino, antes da derrota. Curiosamente, aquela foi a sua última partida com a camisa da Seleção Canarinho.[100]

Pela Seleção Brasileira, Juninho disputou 40 partidas e marcou 6 gols.

AposentadoriaEditar

Juninho havia confirmado que iria se aposentar logo após o fim do Campeonato Carioca de 2014, mas isso acabou acontecendo antes do tempo previsto. Dia 29 de janeiro, após a goleada por 4 a 0 do Vasco da Gama sobre o Audax Rio, foi anunciado pelo presidente do clube Roberto Dinamite que Juninho confirmou sua aposentadoria aos 39 anos.[102][103]

Comentarista esportivoEditar

Em abril de 2014, esteve como comentarista esportivo especial pela TV Globo, nas finais do Campeonato Carioca de 2014[104] e na semifinal da Liga dos Campeões de 2013–14 (Real Madrid x Bayern de Munique). Nesse mesmo mês, estreou na Rádio Globo, no programa Futebol de Verdade, ao lado de Zico.[105]

No dia 7 de maio de 2018, Juninho deixou a Globo depois de uma polêmica causada por criticar os setoristas dos clubes.[106]

EstatísticasEditar

ClubesEditar

Atualizado até 15 de agosto de 2013[107]

Clube Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional
Outros
torneios¹
Competições
Internacionais
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Sport 1993 2 0 - - - - - - 2 0
1994 22 2 - - - - 22 2
Total 24 2 - - 24 2
Vasco da Gama 1995 21 3 - - 7 0 - - 28 3
1996 15 6 2 0 27 7 3 0 57 13
1997 18 4 3 1 28 2 4 1 51 8
1998 18 3 4 0 7 1 8 2 37 6
1999 20 2 4 0 31 9 6 1 57 12
2000 29 5 1 0 20 5 14 2 64 12
2001 1 1 - - - - - - 1 1
2011 21 4 - - - - 5 1 26 5
2012 29 7 - - 14 5 7 2 50 14
2013 19 2 1 0 - - - - 20 2
Total 191 37 15 1 134 29 47 9 391 76
Olympique Lyonnais 2001-02 29 5 2 0 2 0 4+4 0+0 41 5
2002-03 31 13 1 0 1 0 6+2 0+0 41 13
2003-04 32 10 3 2 1 0 10 5 46 17
2004-05 32 13 2 1 1 0 9 2 44 16
2005-06 32 8 4 1 0 0 8 4 44 13
2006-07 31 10 2 1 2 0 7 1 42 12
2007-08 32 8 4 2 2 0 8 3 46 13
2008-09 30 8 1 0 1 0 7 3 39 11
Total 250 75 19 7 10 0 59+6 18+0 343 100
Al-Gharafa 2009-10 21 7 1 0 2+4 0+3 6 0 34 10
2010-11 19 8 3 1 2+3 2+1 5 0 32 12
Total 40 15 4 1 4+7 2+4 11 0 66 22
Red Bulls 2013 13 0 - - - - - - 13 1
Total 13 0 - - - - - - 13 1
Total na carreira 505 134 37 9 126 34 127 27 795 205

¹Em Outros torneios, incluindo jogos e gols por torneios amistosos, jogos amistosos, pelo Campeonato Estadual, Copa do Nordeste, Torneio Rio-São Paulo e Copa da Liga.

SeleçãoEditar

Brasil
Ano Jogos Gols
1999 4 0
2000 3 0
2001 4 0
2002 0 0
2003 4 0
2004 11 0
2005 11 3
2006 6 3
Total 40 6

TítulosEditar

Sport
Vasco da Gama
Lyon
Al-Gharafa
  • Qatari Stars Cup: 2009
  • Liga do Qatar: 2009–10
  • Qatar Crown Prince Cup: 2010 e 2011
Seleção Brasileira

Prêmios individuaisEditar

  • Seleção do Campeonato Brasileiro: 1997
  • Bola de Prata: 2000
  • Melhor Estrangeiro na França: 2004
  • Equipe ideal da Ligue 1: 2002-03, 2003–04, 2004–05, 2005–06 e 2006-07
  • Jogador do mês da Ligue 1: Fevereiro de 2005, Março de 2005 e Outubro de 2007
  • Melhor jogador da Ligue 1: 2005–06
  • Equipe do Ano ESM: 2005–06 e 2006–07
  • Melhor Jogador da temporada no Qatar: 2009-10

Referências

  1. «Juninho Pernambucano» 
  2. «Juninho desiste de jogar Carioca e resolve se aposentar, diz jornal». Fox Sports. Consultado em 29 de janeiro de 2014 
  3. a b «..:: National Football Teams ::.. Player - Juninho Pernambucano:» 
  4. «Oficial: Juninho Pernambucano não é mais jogador do Lyon» 
  5. «How to Score». www.amazon.com. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  6. Ivan Raupp (5 de julho de 2011). «Físico: versatilidade faz de Juninho o maior batedor de faltas da história». GloboEsporte.com. Consultado em 25 de julho de 2019 
  7. «Juninho Pernambucano, 3º maior ídolo do Vasco: 'Se já estivesse entre os 100, ficaria feliz'». O Globo. Consultado em 29 de maio de 2020 
  8. «Revista francesa coloca Juninho Pernambucano como maior artilheiro em faltas». Blog do Torcedor. 5 de abril de 2019. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  9. «Os 10 jogadores com mais gols de falta da história». 90min.com. 16 de julho de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  10. «Revista lista maiores estrangeiros que atuaram na França. Juninho em 3º». GloboEsporte.com. 27 de agosto de 2012. Consultado em 25 de julho de 2019 
  11. «Juninho desbanca Ibrahimovic e é eleito o melhor do Francês no século». Globo Esporte. Consultado em 30 de maio de 2020 
  12. «Juninho é eleito por internautas o maior nordestino do futebol; Ricardo Rocha e Bebeto no top-3». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  13. Baú EE: Juninho Pernambucano fala sobre a adaptação ao futebol francês
  14. a b c d e «Juninho Pernambucano». Consultado em 2 de abril de 2010. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2009 
  15. «Ricardo Rocha revela que trouxe Juninho Pernambucano para o Vasco em 95». Vasconotícias. Consultado em 27 de maio de 2020 
  16. «Memória: na estreia de Juninho em 95, Vasco derrota o Santos de virada». Sportv. Consultado em 27 de maio de 2020 
  17. «Pé direito: Juninho iniciava reinado há 20 anos com gol e vitória na Vila». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  18. «Aos 39 anos, Juninho encerra carreira antes de completar jogo 400 no Vasco». Globo Esporte. Consultado em 27 de maio de 2020 
  19. «Vasco é o campeão brasileiro de 97». UOL Folha Online. Consultado em 27 de maio de 2020 
  20. «Idolatria, dedicação e muitas histórias: o caso de amor entre Juninho e Vasco». Globo Esporte. Consultado em 27 de maio de 2020 
  21. «Vascaínos são a maioria na Seleção da CBF». Folha de Londrina. Consultado em 27 de maio de 2020 
  22. «Em 1998, Vasco vence o Bangu por 1 a 0 pela 5ª rodada da Taça Rio e é campeão Carioca». Globoplay. Consultado em 27 de maio de 2020 
  23. «A Libertadores 20 anos depois: a história da maior conquista do Vasco». Globo Esporte. Consultado em 27 de maio de 2020 
  24. «Vasco empata com River e vai a decisão contra os equatorianos». Folha de Londrina. Consultado em 27 de maio de 2020 
  25. «Gol 'monumental' de Juninho no Vasco x River pela Libertadores de 1998 completa 10 anos». Extra. Consultado em 27 de maio de 2020 
  26. «Gol de Juninho contra o River completa 15 anos e Vasco faz homenagem». O Globo. Consultado em 27 de maio de 2020 
  27. «Juninho se emociona com homenagem». Consultado em 2 de abril de 2010 
  28. «Com quase 50% dos votos, gol de Juninho contra o River é eleito o mais marcante da história do Vasco». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  29. «É campeão! Vasco vence o Barcelona no Equador e conquista a Libertadores de 98». Globo Esporte. Consultado em 27 de maio de 2020 
  30. «Há 20 anos, Vasco dominava, mas perdia para o Real Madrid no Mundial: 'Merecíamos vencer'». ESPN. Consultado em 27 de maio de 2020 
  31. «20 anos de um jogaço em Tóquio: O excelente Real Madrid 2×1 Vasco e o gol mítico de Raúl». trivela. Consultado em 27 de maio de 2020 
  32. «Atuação do Vasco em 1998 é eleita a melhor de time brasileiro contra europeu em final de Mundiais nos últimos 30 anos». GE. Consultado em 16 de junho de 2020 
  33. «1999 - Vasco conquista o Torneio Rio-São Paulo». Vasco.com.br. Consultado em 29 de maio de 2020 
  34. «Em 1999, Vasco vence Santos por 3 a 1 e abre vantagem na final do Rio-São Paulo». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  35. «Vasco é tricampeão do Rio-São Paulo». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de maio de 2020 
  36. «Em 1999, Vasco vence Santos por 2 a 1 e conquista o título do Torneio Rio-São Paulo». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  37. «Há 14 anos, Juninho disputou dois jogos no mesmo dia». SuperVasco. Consultado em 29 de maio de 2020 
  38. «Romário marca 4, e Brasil goleia Venezuela». Terra. Consultado em 29 de maio de 2020 
  39. «Vasco goleia River Plate na Argentina». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020 
  40. «Virada histórica do Vasco sobre Palmeiras, na Mercosul, faz 16 anos». O Globo. Consultado em 29 de maio de 2020 
  41. «Copa Mercosul-2000: dez anos de uma virada inesquecível para o Vasco». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  42. «Virada do Vasco contra o Palmeiras é eleita a maior de todos os tempos». Vasconotícias. Consultado em 29 de maio de 2020 
  43. «Flamengo x River? Mercosul 2000? Maracanazo? Elegemos a maior virada de todos os tempos». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  44. «Romário marca e Vasco fica perto da classificação». Terra. Consultado em 29 de maio de 2020 
  45. «Vasco elimina Bahia e vai às quartas». Terra. Consultado em 29 de maio de 2020 
  46. «Vasco atropela no final do ano e vai à decisão da JH». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020 
  47. «Em 2000, Vasco vence o Cruzeiro por 3 a 1 pela semifinal do Campeonato Brasileiro». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  48. «Vasco derrota São Caetano e é campeão da JH». Terra. Consultado em 29 de maio de 2020 
  49. «Bola de Prata Placar 2000». VEJA. Consultado em 29 de maio de 2020 
  50. «Juninho Pernambucano acerta com o Olympique Lyonnais». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de maio de 2020 
  51. «Juninho Pernambucano é eleito o maior nordestino do futebol». Vasconoticias. Consultado em 29 de maio de 2020 
  52. «Revista elege Henry o melhor jogador da França». Consultado em 23 de maio de 2010 
  53. «Juninho Pernambucano indicado ao título de melhor jogador do mundo da FIFA». Supervasco. Consultado em 30 de maio de 2020 
  54. «Três brasileiros concorrem ao prêmio de melhor do mundo da Fifa». UOL. Consultado em 30 de maio de 2020 
  55. «Gol de Juninho põe Lyon na decisão». Globo Esporte. Consultado em 2 de junho de 2020 
  56. «Lyon vence PSG e fecha temporada com título da Copa da França». UOL. Consultado em 2 de junho de 2020 
  57. «Lyon 3 - 1 Caen». Consultado em 2 de abril de 2010. Arquivado do original em 25 de junho de 2009 
  58. «Juninho deixa o Lyon, e fica entre o mundo árabe e o Vasco». Consultado em 2 de abril de 2010 
  59. «Qual é o brasileiro com a maior idolatria em um clube europeu? Juninho no Lyon é forte candidato». O Goal. Consultado em 2 de junho de 2020 
  60. «Vídeo: Torcida do Lyon faz mosaico em 3D para homenagear Juninho Pernambucano». O Dia. Consultado em 2 de junho de 2020 
  61. «Juninho é considerado o maior jogador do século da França, aponta site». Jovem Pan. Consultado em 2 de junho de 2020 
  62. «Jornal francês crava volta de Juninho Pernambucano ao Lyon como dirigente». Gazeta Esportiva. Consultado em 2 de junho de 2020 
  63. «Juninho Pernambucano assina por dois anos com time de Fernandão e Araújo». Consultado em 2 de abril de 2010 
  64. «Araújo faz três gols, e Al-Gharafa é campeão da Qatar Stars Cup». Consultado em 2 de abril de 2010 
  65. «Sob a batuta de Juninho e com gol de Araújo, Al-Gharafa é tricampeão no Qatar». Consultado em 2 de abril de 2010 
  66. «FOTO: Juninho Pernambucano e Caio Jr ganham prêmios no Qatar». Consultado em 23 de maio de 2010 
  67. «Torcedor citado por Juninho diz que se sente responsável pela volta». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  68. «Juninho Pernambucano volta ao Vasco ganhando salário mínimo». Consultado em 14 de maio de 2011 
  69. «Com 'salário mínimo', Juninho está oficialmente de volta ao Vasco». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  70. «Monumental: torcida vascaína recebe Juninho como um rei na Colina». Globo Esporte. Consultado em 30 de maio de 2020 
  71. «Vasco apresenta Juninho para a torcida em noite mágica». Esporte IG. Consultado em 2 de junho de 2020 
  72. «Juninho afirma que jamais esquecerá sua reapresentação no Vasco». Supervasco. Consultado em 29 de maio de 2020 
  73. «Após festa na apresentação, Juninho afirma: 'Fiquei muito emocionado'». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  74. «No retorno, Juninho justifica a fama em apenas dois minutos de partida». Consultado em 8 de julho de 2011 
  75. «Juninho Pernambucano marca no regresso ao "Brasileirão"». Consultado em 7 de Julho de 2011 [ligação inativa]
  76. «Reizinho essencial: Juninho participa de 57% dos gols do time no Brasileiro». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  77. «Participativo em nove gols do Vasco, Juninho tem ausência lamentada». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  78. «COM TITE 'LOUCO' E GOL DE PAULINHO, TIMÃO VENCE O VASCO E ESTÁ NA SEMI». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  79. «Vasco desmonta elenco campeão em 18 meses e vê apenas oito remanescentes para 2013». UOL. Consultado em 29 de maio de 2020 
  80. «Juninho bate números pessoais de 2011 e anima Vasco para jogo contra Corinthians». UOL. Consultado em 29 de maio de 2020 
  81. «Domínio carioca segue, e Deco acirra briga com Juninho Pernambucano pela Bola de Ouro». ESPN. Consultado em 29 de maio de 2020 
  82. «De bandeja: Juninho lidera ranking de assistências no Brasileirão». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  83. «Vasco volta a vencer, e Juninho Pernambucano amplia liderança no Prêmio Bola de Prata». ESPN. Consultado em 29 de maio de 2020 
  84. «Juninho Pernambucano perdeu na última rodada a 'Bola de Prata». Vasconoticias. Consultado em 29 de maio de 2020 
  85. «Comentarista da Globo detona "Bola de Prata" da Placar/ESPN por não premiar Éverton Ribeiro: "carta marcada?». Yahoo Esportes. Consultado em 29 de maio de 2020 
  86. «Sem arrependimento, Juninho faz desabafo: 'Ao sair, ajudei o Vasco'». Globo Esporte. Consultado em 29 de maio de 2020 
  87. «Juninho deixa Vasco com recorde de gols, ausência de títulos e polêmica por salários». Consultado em 18 de dezembro de 2012 
  88. «Jogos de Juninho Pernambucano pelo Vasco». Consultado em 20 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2012 
  89. «Alvo de reverências, Juninho está a um gol de bater recorde pelo Vasco». Consultado em 4 de outubro de 2012 
  90. NewYorkRedBulls.com (17 de dezembro de 2012). «Red Bulls Sign Brazilian Star Midfielder Juninho» (em inglês). 17 de dezembro de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2012 
  91. GloboEsporte.com (17 de dezembro de 2012). «New York RB anuncia acerto com Juninho Pernambucano». 17 de dezembro de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2012 
  92. Reuters Brasil. «Aos 37 anos, Juninho Pernambucano assina com o Red Bulls, de NY». Consultado em 15 de dezembro de 2012 
  93. Ogol.com. «Vasco perde Juninho para o New York Red Bulls». Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  94. Globo Esporte. «Juninho é titular, mas joga apenas 36 minutos em estreia pelo New York RB». Consultado em 8 de fevereiro de 2013 
  95. «O primeiro gol de Juninho nos EUA». Consultado em 17 de Fevereiro de 2013 
  96. «Juninho Pernambucano marca pela primeira vez, mas New York Red Bulls perde na pré-temporada». Consultado em 18 de Fevereiro de 2013 
  97. «O Reizinho voltou: Juninho acerta com o Vasco até o fina da temporada» 
  98. JUNINHO REINA NA VOLTA AO MARACANÃ, VASCO DERROTA O FLU E SOBE NA TABELA
  99. Juninho sofre grave lesão e admite que pode ter feito último jogo da carreira
  100. «Decepcionado, Juninho se despede da seleção brasileira». Consultado em 2 de abril de 2010 
  101. «Juninho se despede da seleção». Consultado em 2 de abril de 2010 
  102. Dinamite confirma o adeus de Juninho: 'Decidiu encerrar a carreira'
  103. Juninho se pronuncia após o fim da carreira: 'Bom enquanto durou'
  104. NaTelinha (5 de abril de 2014). «Juninho Pernambucano estreia como comentarista da Globo neste domingo». 18:39:02. Consultado em 17 de abril de 2014 
  105. Rádio Globo (13 de abril de 2014). «Zico e Juninho Pernambucano estreiam programa na Rádio Globo Rio». 13:05:34. Consultado em 17 de abril de 2014 
  106. «Juninho Pernambucano deixa a Globo após crítica a jornalistas». Veja. 8 de maio de 2018. Consultado em 22 de junho de 2018 
  107. JUNINHO PERNAMBUCANO

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Juninho Pernambucano