Abrir menu principal

O monarquismo no Brasil é um conjunto de ideias, correntes e movimentos que visavam a manutenção ou restauração do regime monárquico nos períodos colonial e imperial, bem como visam a sua restauração desde a proclamação da República, ocorrida em 15 de novembro de 1889, em versão constitucional e parlamentarista.

No período imperial, os principais partidos políticos defendiam a manutenção do regime monárquico como forma de se manter a unidade territorial. Em fins do século XIX e ao longo do século XX, monarquistas iniciaram movimentos e revoltas com o intuito de restaurar a monarquia, sob a liderança dos herdeiros dos Bragança.

No século XXI, com destaque para a década de 2010, verifica-se aumento de mobilizações de grupos e movimentos monarquistas no país, sobretudo nas redes sociais, aproveitando o desenrolar da crise política e da destituição de Dilma Rousseff da Presidência da República.[1] O monarquismo é uma das pautas históricas do conservadorismo brasileiro.[2]

Índice

HistóricoEditar

Período colonialEditar

 Ver artigo principal: Colonização do Brasil

Reino Unido de Portugal, Brasil e AlgarveEditar

 
Maria I de Portugal, primeira monarca do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve.

O Reino do Brasil foi criado em 16 de dezembro de 1815, quando o Príncipe D. João, Príncipe do Brasil, que atuava como regente de sua mãe doente, a Rainha Dª. Maria I, elevou a colônia ao status de reino, que juntamente com o Reino de Portugal e do Reino do Algarve, passaram a formar o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve, com capital no Rio de Janeiro.[3] Enquanto a Corte Real, ainda baseada no Rio de Janeiro, D. João ascendeu como Rei do Reino Unido em 1816, tendo retornado a Portugal em 1821,[4] por exigência das Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa. D. Pedro de Alcântara, Príncipe Real do Reino Unido, permanece como seu Regente no Reino do Brasil. Em setembro do mesmo ano, o Parlamento Português, ameaçou diminuir a autonomia do Brasil para que voltasse ao sua anterior condição de colônia, desmantelaram todas as Agências Reais no Rio de Janeiro, e exigiu que Dom Pedro de Alcântara  também retornasse para Lisboa.[4] O Príncipe, porém, temendo que estes movimentos, desencadeassem movimentos separatistas, recusou-se a cumprir tal ordem, sendo um dos principais atores dos movimentos que culminaram, em 7 de setembro de 1822, na declaração de Independência do Brasil, levando à formação do Império do Brasil, na forma de uma monarquia constitucional.

Império do BrasilEditar

 Ver artigo principal: Império do Brasil

Uma das principais preocupações dos políticos monarquistas antes, durante e depois da independência do Brasil, era de que se deveria manter a união de todas as regiões que compunha a América Portuguesa. Estes sabiam da importância de se manter um regime que lhes era conhecido, a monarquia, visto que este, no entendimento deles, seria a solução mais favorável entre os interesses da Inglaterra, a potência econômica e militar da época, e os dos grandes proprietários de terras e escravos, como também se apresentava como a forma política mais viável de se manter a unidade nacional.[5]

Após a abdicação de D. Pedro I à coroa em 7 de abril de 1831, houve novamente a preocupação dos monarquistas quanto a continuidade do regime monárquico, uma vez que os republicanos e federalistas estavam se aproveitando deste período para instaurarem uma república no país.[5] Uma regência foi instaurada no Brasil e os monarquistas logo se movimentaram para que a monarquia fosse restaurada, o que ocorreu em 24 de julho de 1840 quando o filho de D. Pedro I, Pedro II, ascendeu ao trono no episódio que ficou conhecido como a Declaração da Maioridade.[6]

Durante o Segundo Reinado, dois partidos se alternavam no poder, ambos monárquicos: o Conservador, apelidado de saquarema e o Liberal, chamado de luzia.[7] Os conservadores eram principalmente grandes latifundiários escravocratas e burocratas do Estado, que defendiam um governo centralizado e forte.[7] Já os liberais compunham-se de camadas sociais semelhantes as de seus rivais, mas também de setores urbanos, como pequenos proprietários, jornalistas e advogados, que defendiam um governo descentralizado e com uma certa autonomia para as províncias, além do fortalecimento do parlamento em detrimento do Poder Moderador.[7] Ambos estavam ligados à exportação - principalmente de café -, mas os liberais defendiam uma abolição gradual da escravidão. Porém, após a Guerra do Paraguai, com o regime se enfraquecendo, alguns membros do Partido Liberal passaram a advogar pela causa republicana, enquanto os conservadores se ressentiam cada vez mais com a monarquia, devido ao apoio da Coroa à abolição da escravidão. Em 1889, entretanto, era o Partido Liberal - com Visconde de Ouro Preto, Senador Dantas, Conselheiro Saraiva, Joaquim Nabuco, Ruy Barbosa, entre outros - que estava no poder e era ele o principal defensor do regime monárquico brasileiro, até sua queda, em novembro daquele ano.

Após a Proclamação da RepúblicaEditar

 
Visconde de Ouro Preto, um dos primeiros a organizar o movimento monarquista após a queda do Império.

Logo após a proclamação da república, movimentos monárquicos e revoltas surgiram como consequência do fim do Império do Brasil e da expulsão da Família Imperial, que se exilou na França.

No fim do século XIX a monarquia brasileira já dava claros indícios de que findaria. Com o aumento do poder dos militares e a incapacidade do regime de conciliar as velhas e as novas demandas o poder imperial já não tinha mais sustentação e não conseguia suprimir a crescente bandeira republicana. Mesmo após reformas políticas e sociais organizados por Dom Pedro II com a nomeação do Visconde de Ouro Preto para chefiar o gabinete ministerial, em julho de 1889, os conservadores esboçaram críticas aos mesmos, levando logo em seguida a queda do Império.[8]

Como em toda mudança ou transição houve dissensões, divergências, disputas no início do novo regime e, em seguida houve conciliação dos diferentes interesses das forças que o sustentavam. Os monarquistas aproveitaram as brechas destas mudanças iniciais, compondo elementos descontentes com os primeiros governos republicanos com o intuito de restaurar a monarquia.[8]

No ano de 1890 foi criado o Diretório Monárquico do Brasil, no Rio de Janeiro, pelo Visconde de Ouro Preto[9] com o intuito de organizar os monarquistas e se reportar diretamente a família imperial exilada.

Entre os anos 1891 e 1894 ocorreu a Revolta da Armada, um movimento de rebelião promovido por unidades da Marinha do Brasil contra o governo ditatorial de Floriano Peixoto, supostamente apoiado pela oposição monárquica à recente instalação da república.[10] Fazia parte da Revolução Federalista, liderada pelo monarquista Gaspar da Silveira Martins, um dos últimos ministros do Império do Brasil[11] e um insatisfeito com Deodoro da Fonseca.

Em 1902, na cidade de Riberãozinho (atual Taquaritinga), ocorreu a Revolta de Riberãozinho, um movimento de monarquistas paulistas que tinha o objetivo de restaurar o antigo sistema de governo e coroar Dom Luís de Orleans e Bragança. Com pouco apoio das cidades vizinhas, o levante popular fracassou.[12]

Fundada em 1928, a Acção Imperial Patrianovista Brasileira, ou simplesmente patrianovismo, era uma organização monarquista que estava presente em vários estados brasileiros e que expressava as ideias nacionalistas e autoritárias do final da década de 1920 e início da década de 1930.[13] Idealizado por Arlindo Veiga Dos Santos, teve como objetivo estabelecer uma nova monarquia no Brasil, baseada em uma filosofia política conservadora. O movimento estava ligado ao príncipe Pedro Henrique de Orléans e Bragança,[14] então chefe da Casa Imperial do Brasil e herdeiro do trono, além de Plínio Salgado, líder e fundador da Ação Integralista Brasileira.[15]

Há também a Casa Imperial do Brasil que é uma instituição da causa monárquica no país, sendo presidida pelo pretendente ao trono brasileiro Luís Gastão de Orléans e Bragança[16]

Nova RepúblicaEditar

 Ver artigo principal: Nova República

Em 1993, quando chamados em plebiscito a decidir que sistema político o Brasil deveria seguir, entre presidencialismo, parlamentarismo ou monarquia, 13,4% do eleitorado brasileiro escolheram a monarquia.[17] Importante notar que o plebiscito foi realizado no dia 21 de abril, data em que se comemora o Dia da Inconfidência Mineira, movimento de revolta contra a monarquia portuguesa e que teve como um de seus líderes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

Em 2011, existiam no Brasil quatro partidos políticos defendendo o regresso da monarquia procurando o registro oficial: O Partido da Real Democracia Parlamentar (RDP), o Partido Monárquico Parlamentarista Brasileiro (PMPB), o Partido do Movimento Monarquista do Brasil (PMMB) e o Partido da Construção Imperial (PCI). Todos se alinham com a Casa Imperial do Brasil, entidade sem fins lucrativos dirigida por Luís Gastão de Orleans e Bragança, com o objetivo de "coordenar as atividades relacionadas à causa da restauração do regime imperial do Brasil, a preservação de nossa história, valores e tradições".[17]

Os quatro partidos defendiam um sistema de monarquia parlamentarista. Em 2011, encontravam-se em fase de coleta de assinaturas, necessitando um total de cerca de quinhentas mil entre o eleitorado nacional, de acordo com a legislação brasileira, sem as quais estes não têm existência formal perante o Tribunal Superior Eleitoral. Segundo o Partido da Real Democracia Parlamentar, a formação dos quatro partidos pretendia "atender o grande número dos pedidos para dirigir os diretórios estaduais e municipais", almejando também uma futura coligação entre os quatro movimentos.[17]

Em maio 2016, o Partido da Real Democracia Parlamentar (RDP), estava com o processo de formação quase concluído, aguardando ainda a finalização do processo de recolha de assinaturas. É presidido pelo Comendador Antônyo da Cruz, apoiando um parlamentarismo puro, com um chefe de Estado hereditário, proveniente tanto da Casa Imperial, como de uma nova dinastia.[18] Em 2018 o PSL era o único partido político do Brasil que possuía uma ala monarquista expressiva, liderada por Luiz Philippe de Orléans e Bragança, que defende a restauração da monarquia por meio de um plebiscito.[19][20]

Em meio a crise política no país que se instaurou desde 2014, movimentos de minorias afloraram principalmente nos meios sociais de comunicação. Os movimentos pró-monarquia também tiveram participações em vários protestos pró-impeachment de Dilma Rousseff.[21] Existem diversos grupos pró-monarquia espalhados pelo país que realizam reuniões e manifestações públicas em diversas cidades. Dentre eles, destacam-se os grupos Movimento de Restauração da Monarquia no Brasil, Pró Monarquia e o Monarquia Brasil por terem, em 2017, por volta de 45 mil, 65 mil e 35 mil seguidores no Facebook, respectivamente.[22]

Uma proposta de referendo pela restauração da monarquia, a Sugestão Legislativa 18/2017, foi feita na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado. Esta em específico tinha, até a manhã de 20 de julho de 2017, 26 099 votos favoráveis contra apenas 3 364 contrários.[22]

 
Luiz Philippe de Orléans e Bragança discursando na Câmara dos Deputados. Março de 2019.

Cerca de 130 anos depois da proclamação da república um membro da família imperial brasileira volta a ter poderes políticos de relevância quando o tetraneto do imperador D. Pedro II, Luiz Philippe de Orléans e Bragança foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo nas eleições de 2018.[23]

Base ideológicaEditar

 
Dom Bertrand de Orléans e Bragança, ativista monarquista e segundo na linha de sucessão ao trono brasileiro.

Os casos de corrupção envolvendo o alto escalão do governo brasileiro são uma das razões para o surgimento de movimentos monárquicos ao país. Certo grupo, composto por 15 jovens da cidade de Taubaté, interior paulista, argumentou: “Queremos a mudança cultural e governamental no Brasil. A família Orleans Bragança está na linha sucessória [da família de Dom Pedro II, último monarca a governar no Brasil] e iríamos eleger um primeiro ministro. O povo continua votando, iria continuar cidadania e democracia, já que o ministro seria eleito pelo povo”, e além do poder moderador exercido pelo imperador, que teria o poder de dissolver o parlamento em caso de necessidade.[24]

É possível considerar que a proclamação da república foi ilegítima, pois não houve apoio popular. Entende-se que um sistema político sem legitimidade resulta em desordem[25] e ainda que o processo tivesse a bandeira da democracia, houve ausência do povo. Sem aclamação popular, o movimento se desenrolou como golpe e mesmo 128 anos depois é possível discutir tal processo, segundo o historiador José Murilo de Carvalho.[25] Há uma certa "memória genética" sobre o período imperial que faz como que o povo sinta saudade daquele período, afirma o ativista monarquista e pretendente ao trono Bertrand Maria José de Orléans e Bragança.[26]

Na vigência da monarquia no país, o segundo reinado (18401889) foi o mais longevo e estável durante toda a história do Brasil, diferentemente do que acontecia com os países vizinhos com seus sucessivos golpes.[27] Segundo o historiador Lyra o Brasil teve a sua melhor e mais plena estabilidade política e econômica, sendo a 4ª economia do mundo e o 9º maior império da história, mostrando um desenvolvimento expressivo em muito pouco tempo, crescendo economicamente em 8,81% ao ano.[28]

O movimento monarquista propõe a restauração da monarquia vigente no Brasil Império, mas em modelo diferente daquele. O modelo proposto prevê a separação entre chefe de Estado (o monarca) e chefe de governo (um primeiro-ministro). Também incluem na proposta eleições parlamentares, espelhando-se nos regimes de países monárquicos como Reino Unido, Suécia e Japão.[29]

Em meio à crise política no Brasil desde 2014, o movimento buscou se estabelecer como solução à crise sob a promessa de que o regime monárquico garantiria unidade, estabilidade e continuidade.[21]

ParlamentarismoEditar

O presidente do Conselho de Ministros era o cargo para o dirigente do Poder Executivo no Brasil, no Segundo Reinado do Império do Brasil, de 1847 até 1889, quando aconteceu o golpe da proclamação da república brasileira. O Poder Executivo, que era exercido pelo Presidente do Conselho de Ministros, estava subordinado ao Poder Moderador, que era exercido pelo Imperador. O cargo equivale ao cargo de primeiro-ministro, tendo sido criado pelo decreto imperial n.º 523 de 20 de julho de 1847. O Presidente do Conselho de Ministros era um político nomeado pelo imperador D. Pedro II do Brasil de acordo com o resultado das eleições para a Câmara dos Deputados. O partido político que vencesse as eleições (Partido Liberal ou Partido Conservador) organizava o Gabinete de Ministros.

Foram 37 gabinetes no período de 1840 a 1889, sendo que só a partir do sexto gabinete, em 20 de julho de 1847, passou a existir o cargo de Presidente do Conselho de Ministros. De 1840 até 1847, era o próprio Imperador que presidia o Conselho de Ministros. Os gabinetes que existiram antes deste período não contavam com a figura do Presidente do Conselho de Ministros.[30] O cargo de Presidente do Conselho de Ministros foi criado em 20 de julho de 1847 pelo decreto n. 523, sob a justificativa de dar às secretarias de Estado uma organização mais adaptada às condições do sistema representativo, cabendo ao órgão propor o regulamento a ser submetido à sanção imperial.

De acordo com a Constituição de 1824, em seu artigo 101, cabia ao imperador, no exercício do Poder Moderador, nomear todos os ministros do gabinete. A partir de 1847, o soberano passava a designar somente o presidente do Conselho de Ministros, que deveria organizar o seu gabinete. Na prática, esta foi a grande mudança ocorrida após a criação do cargo de presidente; a transferência da prerrogativa do imperador de nomear e demitir livremente os ministros de Estado para as mãos de um dos ministros, que seria o responsável pela convocação de outros nomes para compor o ministério.[31]

Durante o Segundo Reinado a presidência do Conselho de Ministros foi ocupada por políticos vinculados ao Partido Liberal em 17 oportunidades, enquanto os políticos conservadores estiveram à frente por 15 vezes. Entretanto, quando observamos o tempo de permanência de cada um destes partidos à frente do órgão, este aparente equilíbrio é rompido, ficando os Conservadores à frente do governo por um total de 27 anos, enquanto os Liberais estiveram no poder por apenas 15 anos e cinco meses, praticamente a metade do tempo.[32]

Dom Pedro II criou o cargo por meio do decreto aqui transcrito:

Cria um Presidente de Conselho de Ministros
Tomando em consideração a conveniência de dar ao Ministério uma organização mais adaptada às condições do sistema representativo; hei por bem criar um Presidente do Conselho dos Ministros; cumprindo ao dito Conselho organizar o seu regulamento, que será submetido à
minha imperial aprovação.
Francisco de Paula Sousa e Melo, do meu Conselho de Estado, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império, o tenha assim entendido e faça executar.
Palácio do Rio de Janeiro, em 20 de julho de 1847, 26.º da Independência e do Império.
Com a rubrica de Sua Majestade o Imperador.
assinado: Francisco de Paula Sousa e Melo.

[33]

Pretendentes ao tronoEditar

 
Brasão da Casa de Orléans e Bragança, primeira na linha de sucessão ao trono.

Em uma eventual restauração monárquica no país o primeiro na atual linha de sucessão ao trono é o chefe da casa imperial brasileira Luís Gastão de Orléans e Bragança, bisneto da princesa Isabel e trineto do último monarca do Brasil, Dom Pedro II.[34][35] D. Luís nasceu na cidade de Mandelieu, na França, no dia 6 de junho de 1938. Ele conheceu o Brasil apenas no final da Segunda Guerra Mundial, e estudou química na Universidade de Munique.[35] Em 2011 vivia na cidade de São Paulo onde chefia a casa Imperial do Brasil.[34]

O segundo na linha de sucessão é seu irmão Bertrand Maria de Orléans e Bragança.[26] Ambos fazem parte do chamado Ramo de Vassouras, da família imperial.

O ramo sucessor é a família Saxe-Coburgo e Bragança liderados por Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança, austríaco radicado no Brasil. Ele é descendente da princesa Leopoldina, irmã da princesa Isabel.[36]

Há ainda o Ramo de Petrópolis cujo membros são descendentes do primogênito da princesa Isabel e do Conde d'Eu, Pedro de Alcântara de Orléans e Bragança. Em 1908, Pedro renunciou para si e seus descendentes o trono brasileiro[37] para que ele pudesse se casar com a condessa Elisabeth de Dobrzenicz, visto que sua mãe a considerava de nobreza inferior e era contra o casamento.[34] Tal renúncia é motivo de controvérsia entre os ramos parentes, Vassouras e Petrópolis.[38] Um dos argumentos sobre o instrumento de renúncia ser válido é que fora assinado em cartório.[38] Outros dizem que não era possível renunciar algo que não existia.[39]

Todavia, um dos partidos monarquistas em ascensão, o RDP, também apoia a ideia de uma nova dinastia.[18]

CríticasEditar

O sistema monárquico é relacionado, segundo seus apoiadores, com o fim da corrupção onde é implantado. Porém o cientista político Fernando Luis Schuler diz que o mesmo não faz qualquer sentido, sendo que na verdade depende mais do tipo de modelo institucional do que propriamente um sistema político. O parlamentarismo e a monarquia parlamentarista foram debatidos no plebiscito de 1993, no qual a maioria da população brasileira escolheu como forma de governo a república, sendo um tema considerado encerrado já que era uma reivindicação dos monarquistas que argumentavam que os brasileiros nunca foram ouvidos sobre que tipo de governo deveria vigorar no Brasil.[22]

Segundo Maicon Tenfen, da revista Veja, o movimento restaurador serve apenas para mostrar que a república não é um bem em si, que possui falhas e que necessita de estrita observância. Ainda segundo ele um monarca despreparado poderia deflagar crises institucionais incontroláveis e que, por isso, uma monarquia no Brasil teria um rei nada mais como um mero enfeite, tendo um papel simbólico na política.[27]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «'O Brasil precisa rever a legitimidade da República', diz Luiz de Orleans e Bragança». A Crítica. 9 de janeiro de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  2. Melo 1878, p. 13.
  3. Vianna 1994, p. 22.
  4. a b Miller, James Russel. «Pedro II, Emperor of Brazil». Historical Text Archive. Consultado em 13 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 31 de julho de 2016 
  5. a b Janotti 1979, pp. 19, 20.
  6. Silva, Bruno Izaías da (2008). «Golpe da maioridade - História do Brasil». InfoEscola. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  7. a b c Martins, Ulisses. «Segundo Reinado (1840-1889) - educação». História - educação. Consultado em 10 de maio de 2019 
  8. a b Agnelo, Vítor Amorim de (17 de outubro de 2008). «Monarquia e República: Entenda a transição entre essas duas formas de governo». UOL Educação. Consultado em 18 de agosto de 2018 
  9. Soares, David (10 de agosto de 2016). «Projeto de Decreto Legislativo 101/2016». Câmara Municipal de São Paulo. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  10. Smallman 2002, p. 20.
  11. «Gaspar Silveira Martins». UOL Educação. Consultado em 31 de julho de 2018 
  12. GOBATO, Osmar Ossis (2000). A Revolta Monarquista de 1902 no Estado de São Paulo. São Paulo: [s.n.] 
  13. «Ação Imperial Patrianovista». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 31 de julho de 2018 
  14. «Folheto da Acção Imperial Patrianovista Brasileira, pregando a instauração do Império Brasileiro.». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 31 de julho de 2018 
  15. Reiss 1974, pp. 124-126.
  16. «Casa Imperial do Brasil». www.monarquia.org.br (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  17. a b c «Quatro partidos monárquicos buscam registro no Brasil». Terra. 29 de abril de 2011. Consultado em 8 de abril de 2017 
  18. a b Amendola, Gilberto (10 de maio de 2016). «De 12 siglas em formação, só 1 é pró-governo». O Estado de S. Paulo. Estadão. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  19. Pierry, Flávia (5 de maio de 2018). «Bolsonaro recebe apoio dos monarquistas». Gazeta do Povo. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  20. Amendola, Gilberto; Venceslau, Pedro (5 de maio de 2018). «O séquito de Bolsonaro já tem um príncipe - Política - Estadão». Estadão. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  21. a b Vizeu, Rodrigo (25 de abril de 2016). «Família imperial quer usar clima de divisão para restaurar monarquia». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  22. a b c Cordeiro, Tiago (7 de agosto de 2017). «Por que tanta gente quer a volta da monarquia no Brasil?». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  23. Vieira, Bárbara Muniz (8 de outubro de 2018). «Alexandre Frota e tataraneto de D. Pedro II são eleitos deputados federais por SP». G1. Consultado em 12 de outubro de 2018 
  24. «Jovens de Taubaté defendem a volta da monarquia contra a corrupção». G1. 17 de dezembro de 2017. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  25. a b Mendes, Vinícius (15 de novembro de 2017). «Proclamação da República: por que, 128 anos depois, historiadores concordam que monarquia sofreu um 'golpe'». BBC Brasil. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  26. a b Junqueira, Diego (27 de março de 2017). «A família imperial "tem sangue negro", diz "príncipe" do Brasil». R7 Brasil. Consultado em 24 de janeiro de 2018 
  27. a b Tenfen, Maicon (27 de dezembro de 2017). «É verdade que a volta da Monarquia pode salvar o Brasil?». O Leitor. VEJA.com. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  28. Lyra 1977, p. 9.
  29. Faria, Ricardo (7 de setembro de 2017). «Grupo a favor da monarquia no Brasil protesta na Esplanada». Correio Braziliense. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  30. «Decreto n.º 523, de 20 de Julho de 1847». www2.camara.leg.br. Consultado em 12 de setembro de 2013 
  31. «Constituição de 1824». linux.an.gov.br. Consultado em 10 de maio de 2019. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2018 
  32. «Presidente do Conselho de Ministros». linux.an.gov.br. Consultado em 10 de maio de 2019. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2018 
  33. «Decreto n.º 523, de 20 de Julho de 1847 - Dados da Norma - Portal Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br 
  34. a b c Araújo, Tarso (18 de abril de 2011). «Se o Brasil ainda fosse uma monarquia, quem seria o imperador?». Mundo Estranho. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  35. a b Graff, Mateus (22 de abril de 2016). «Como seria o Brasil se ainda vivêssemos na Monarquia? Quem seria o imperador do Brasil?». Fatos Desconhecidos. Consultado em 2 de fevereiro de 2018 
  36. Lessa 1951, p. 132.
  37. «Entre Vassouras e Petrópolis». Educacional. Consultado em 20 de março de 2018 
  38. a b Sobrinho, Wanderley (6 de março de 2008). «Família imperial se divide em disputa pelo direito ao "trono" brasileiro». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  39. «Onde foi parar a realeza Brasileira - ISTOÉ Independente». ISTOÉ Independente. 20 de fevereiro de 2008. Consultado em 27 de agosto de 2018 

BibliografiaEditar

  • Culver, John W.; de Oliveira Torres, Joao Camillo (1964). «A democracia coroada. Teoria politica de Imperio do Brasil.». The Hispanic American Historical Review. 48 (2). 338 páginas. ISSN 0018-2168. doi:10.2307/2510809 
  • Janotti, Aldo (1979). «Monarquia, restauração monárquica e o problema da unidade nacional na época da regência». Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. 0 (21). 19 páginas. ISSN 2316-901X. doi:10.11606/issn.2316-901x.v0i21p19-32 
  • Lessa, Clado Ribeiro de (1951). «O Segundo Ramo da Casa Imperial e a nossa Marinha de Guerra». Revista do Instituto Historico e Geografico Brasileiro. 211. ISSN 0101-4366 
  • Lyra, Heitor (1977). História de Dom Pedro II. Ascensão, Fastígio e Declínio. São Paulo: Itatiaia. 334 páginas. ISBN 978-8531903571 
  • Melo, Américo Brasiliense de Almeida (1878). Os programas dos partidos e o 2. imperio. São Paulo: Typ. de Jorge Seckler. 264 páginas 
  • Reiss, Regina Weinfield (1974). «Integralismo (o fascismo brasileiro na década de 30)». Revista de Administração de Empresas. 14 (6). ISSN 0034-7590. doi:10.1590/S0034-75901974000600010 
  • Santos, Armando Alexandre dos (1988). «A legitimidade monárquica no Brasil». Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 250 páginas 
  • Smallman, Shawn C. (2002). Fear & memory in the Brazilian army and society, 1889-1954. Chapel Hill [N.C.]: University of North Carolina Press. ISBN 0807860506. OCLC 52417852 
  • Vianna, Helio (1994). História do Brasil 15 ed. São Paulo, SP: Melhoramentos. ISBN 8506019990. OCLC 32205013 

Ligações externasEditar