Campeonato Italiano de Futebol – Série A

sistema de ligas de futebol da Itália
(Redirecionado de Serie A 2005-06)

A Serie A (pronúncia italiana: [ˈsɛːrje ˈa][1]), também chamada de Serie A TIM devido ao patrocínio da TIM, é uma competição de clubes de futebol localizados no topo do sistema da Liga Italiana de Futebol.[2] O vencedor é premiado com o Scudetto e a Coppa Campioni d'Italia.

Lega Nazionale Professionisti Serie A
Serie A TIM
Dados gerais
Organização FIGC
Patrocinador actual TIM
Edições 112
Local de disputa Itália
Número de equipes 20
Sistema temporada, pontos corridos
Divisões
Serie A
Série B
Série C
Série D
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

O torneio foi organizado pelo Direttorio Divisioni Superiori até 1943 e pela Lega Calcio até 2010, quando a Lega Serie A foi criada para a temporada de 2010–11. A Serie A é considerada uma das melhores ligas de futebol do mundo e é frequentemente descrita como a liga nacional mais tática e defensivamente sólida. A Serie A foi a liga nacional mais forte do mundo em 2020 de acordo com a IFFHS e está classificada em terceiro lugar entre as ligas europeias de acordo com o coeficiente da liga da UEFA, atrás da La Liga e da Premier League e à frente da Bundesliga e da Ligue 1. A Serie A liderou o ranking da UEFA de 1986 a 1988 e de 1990 a 1999.

O Campeonato Italiano de Futebol passou de rodadas regionais e inter-regionais para uma liga de nível único a partir da temporada de 1929–30. Os títulos do campeonato conquistados antes de 1929 são oficialmente reconhecidos pela FIGC com a mesma ponderação dos títulos que foram posteriormente atribuídos. Da mesma forma, a temporada de 1945–46, que foi disputada em dois grupos geográficos devido à devastação da Segunda Guerra Mundial, não é considerada estatisticamente, mesmo que seu título seja totalmente oficial.[3]

A Serie A é uma das ligas de futebol com mais história do mundo. Dos 100 maiores jogadores de futebol da história escolhidos pela revista FourFourTwo em 2017, 42 jogadores jogaram na Série A, mais do que qualquer outra liga do mundo.[4]

HistóriaEditar

A Serie A, como está estruturada hoje, começou durante a temporada de 1929–30. De 1898 a 1922, a competição foi organizada em grupos regionais. Devido ao crescente número de times que participam de campeonatos regionais, a Federação Italiana de Futebol (FIGC) dividiu a CCI (Confederação Italiana de Futebol) em 1921. A CCI fundou em Milão a Lega Nord (Liga do Norte de Futebol), ancestral da atual Lega Serie A. Quando as equipes da CCI voltaram a se juntar à FIGC, criaram duas divisões inter-regionais renomeando as categorias em divisões e dividindo as seções da FIGC em duas ligas norte-sul. Em 1926, devido a crises internas e pressões fascistas, a FIGC mudou as configurações internas, adicionando equipes do sul à divisão nacional, levando ao acordo da temporada de 1929–30. O Torino foi declarado campeão na temporada de 1948–49 após um acidente de avião próximo ao final da temporada em que toda a equipe morreu.

O título da Serie A é frequentemente referido como Scudetto ("pequeno escudo") porque, desde a temporada de 1923-24, a equipe vencedora carregará um pequeno brasão com o tricolor italiano em seu uniforme na temporada seguinte. O clube de maior sucesso é a Juventus com 36 títulos, seguida pelo Milan e pela Internazionale, com 18 títulos cada. Da temporada de 2004–05 em diante, um troféu real foi concedido ao clube em campo após a última rodada do campeonato. O troféu, chamado Coppa Campioni d'Italia, foi oficialmente usado desde a temporada de 1960–61, mas entre 1961 e 2004 foi entregue aos clubes vencedores na sede da Lega Nazionale Professionisti.

Em abril de 2009, a Série A anunciou uma separação da Serie B. Dezenove dos vinte clubes votaram a favor da mudança em uma discussão sobre os direitos da televisão; o Lecce, ameaçado de rebaixamento, votou contra a decisão. Maurizio Beretta, ex-chefe da associação de donos da Itália, tornou-se presidente da nova liga.[5][6][7][8]

Em abril de 2016, foi anunciado que a Série A foi selecionada pelo International Football Association Board para testar o árbitro assistente de vídeo (VAR) durante a temporada de 2017–18.[9] Sobre a decisão, o presidente da FIGC, Carlo Tavecchio, disse: "Estávamos entre os primeiros a apoiar o uso da tecnologia em campo e acreditamos que temos tudo o que é necessário para oferecer nossa contribuição a esta importante experiência."[10]

FormatoEditar

Durante a maior parte da história da Série A, havia 16 ou 18 clubes competindo. Desde a temporada de 2004–05, entretanto, houve 20 clubes ao todo. Uma temporada (1947–48) foi jogada com 21 times por razões políticas, após tensões pós-guerra com a Iugoslávia. Abaixo está um registro completo de quantas equipes jogaram em cada temporada ao longo da história da liga;

  • 18 clubes: 1929–1934
  • 16 clubes: 1934–1943
  • 20 clubes: 1946–1947
  • 21 clubes: 1947–1948
  • 20 clubes: 1948–1952
  • 18 clubes: 1952–1967
  • 16 clubes: 1967–1988
  • 18 clubes: 1988–2004
  • 20 clubes: 2004–presente
 
Patch de scudetto

Durante a temporada, que vai de agosto a maio, cada clube joga contra cada uma das outras equipes duas vezes; uma vez em casa e uma vez fora, totalizando 38 jogos para cada equipe ao final da temporada. Desde a temporada 1994–95, as equipes recebem três pontos por vitória, um ponto por empate e nenhum ponto por derrota.

As quatro melhores equipas da Serie A qualificam-se diretamente para a Liga dos Campeões da UEFA. A equipa que ficar em quinto lugar, junto com o vencedor da Coppa Itália, qualifica-se para a Liga Europa da UEFA. O sexto ou sétimo clube mais bem classificados, dependendo do desempenho do vencedor da Coppa Itália, junta-se à pré-eliminatória da Liga Conferência Europa da UEFA de 2021–22. As três equipes que tiverem menos pontos são rebaixadas para a Serie B.

Desde a temporada 2005–06, se duas ou mais equipes estão empatadas em pontos os desempates são os seguintes:

  1. Confronto direto (resultados e pontos)
  2. Diferença de gols no confronto direto
  3. Diferença de gols geral
  4. Maior número de gols marcados
  5. Desempate

Até a temporada de 2004–05, um playoff seria usado para determinar os campeões, vagas europeias ou rebaixamento, se as duas equipes estivessem empatadas em pontos. Nenhum play-off foi realizado após o final da temporada regular. O último playoff para decidir o título ocorreu na temporada de 1963–64, quando Bologna e Inter terminaram com 54 pontos. O Bologna venceu o play-off por 2 a 0.

ClubesEditar

Temporada de 2020–21Editar

Os 20 clubes a seguir competirão na Série A durante a temporada de 2020–21.

Time Cidade Natal Região Estádio Capacidade Temporada de 2019–20
Atalanta Bérgamo Lombardia Estádio Atleti Azzurri d'Italia 25,000 3º na Serie A
Benevento Benevento Campânia Stadio Ciro Vigorito 16,867 Campeão da Serie B
Bologna Bolonha Emília-Romanha Stadio Renato Dall'Ara 36,462 12º na Serie A
Cagliari Cagliari Sardenha Sardegna Arena 16,416 14º na Serie A
Crotone Crotone Calábria Stadio Ezio Scida 16,640 2º na Serie B
Fiorentina Florença Toscana Stadio Artemio Franchi 45,000 10º na Serie A
Genoa Génova Ligúria Stadio Luigi Ferraris 36,600 17º na Serie A
Hellas Verona Verona Vêneto Stadio Marcantonio Bentegodi 39,371 9º na Serie A
Internazionale Milão Lombardia Stadio Giuseppe Meazza 75,923 2º na Serie A
Juventus Turim Piemonte Juventus Stadium 41,507 Campeão da Serie A
Lazio Roma Lácio Stadio Olimpico 70,634 4º na Serie A
Milan Milão Lombardia Stadio Giuseppe Meazza 75,923 6º na Serie A
Napoli Nápoles Campânia Stadio Diego Armando Maradona 54,726 7º na Serie A
Parma Parma Emília-Romanha Stadio Ennio Tardini 27,906 11º na Serie A
Roma Roma Lácio Stadio Olimpico 70,634 5º na Serie A
Sampdoria Génova Ligúria Stadio Luigi Ferraris 36,599 15º na Serie A
Sassuolo Sassuolo Emília-Romanha Mapei Stadium 23,717 8º na Serie A
Spezia La Spezia Ligúria Stadio Alberto Picco 10,336 Vencedor dos playoffs da Serie B
Torino Turim Piemonte Stadio Olimpico Grande Torino 27,958 16º na Serie A
Udinese Udine Friul-Veneza Júlia Estádio Friuli 25,144 13º na Serie A

Temporadas da Serie AEditar

Há 67 equipes que participaram de 89 campeonatos da Série A da temporada de 1929–30 até a temporada de 2020–21. As equipes em negrito competem na Série A atualmente. A Internazionale é a única equipe que jogou na Série A em todas as temporadas.

Direitos de televisãoEditar

No passado, os clubes que competiam na liga tinha o direito de vender seus direitos de transmissão para canais específicos em toda a Itália, ao contrário da maioria dos outros países europeus. Atualmente, as duas emissoras na Itália com direitos de transmissão são a emissora por satélite, Sky Italia, e a plataforma de streaming, DAZN; A RAI pode transmitir apenas os melhores momentos. Esta é uma lista de direitos televisivos na Itália (desde a temporada de 2018–19):

  • Sky Italia (7 jogos por semana)
  • DAZN (3 jogos por semana)
  • RAI (melhores momentos)

Desde a temporada de 2010–11, os clubes da Série A negociaram os direitos televisivos coletivamente, em vez de individualmente, tendo abandonado a negociação coletiva no final da temporada de 1998–99.[11]

BrasilEditar

A Série A já foi transmitida pela televisão brasileira pela Rede Bandeirantes, nos antigos programas Bandeirantes Esporte (1967 e 1983), Super Domingo Esportivo (1967 e 1983), Show do Esporte (1983 e 2004) e no Band Esporte Clube (2008). O torneio chegou a ser transmitido ao vivo pela Rede Globo nos anos 1980. Sua cobertura ocorria nas manhãs de domingo no programa Panorama do Futebol Italiano. Também foi transmitido pela RedeTV! entre 2009 e 2012.

Em 2018, o Campeonato Italiano deixaria de ser transmitido no Brasil após 36 temporadas, pois a ESPN e a Fox Sports não chegaram a um acordo sobre os direitos de transmissão. Dessa forma, as opções existentes para assistir às partidas dos clubes italianos no país são o canal italiano RAI, disponível em algumas operadoras de TV, e a compra do streaming Serie A Pass, da agência IMG, além da DAZN.

Em setembro de 2020, a Rede Bandeirantes adquiriu os direitos de transmissão da competição junto à IMG, atual detentora dos direitos de transmissão do campeonato, e após alguns meses o campeonato estará de volta para o público brasileiro, desta vez em TV aberta. A emissora vai mostrar um jogo por rodada em TV aberta, preferencialmente nas tardes de sábado. O restante será exibido no Band Sports, canal esportivo da empresa na TV fechada.[12]

Em 18 de setembro de 2020, o SporTV fechou um acordo com a IMG e o Grupo Bandeirantes e adquiriu um jogo por rodada da temporada de 2020–21.

Em outubro de 2020, a Turner adquiriu os direitos de transmissão da competição junto à IMG e transmitirá nove partidas por rodada na TNT Sports e no Estádio TNT Sports (Antigo Esporte Interativo Plus).[13] O foco do grupo Turner será exibir as partidas da Juventus, que tem como principal astro o jogador português Cristiano Ronaldo.[14]

TítulosEditar

Serie AEditar

Ano Campeão Vice-Campeão Terceiro Lugar Quarto Lugar Melhor(es) Marcador(es)
2020–21 Internazionale (19) Milan Atalanta Juventus   Cristiano Ronaldo (Juventus), 29
2019–20 Juventus (36) Internazionale Atalanta Lazio   Ciro Immobile (Lazio), 36
2018–19 Juventus (35) Napoli Atalanta Internazionale   Fabio Quagliarella (Sampdoria), 26
2017–18 Juventus (34) Napoli Roma Internazionale   Ciro Immobile (Lazio), 29
2016–17 Juventus (33) Roma Napoli Atalanta   Edin Džeko (Roma), 28
2015–16 Juventus (32) Napoli Roma Internazionale   Gonzalo Higuaín (Napoli), 36
2014–15 Juventus (31) Roma Lazio Fiorentina   Luca Toni (Hellas Verona)
  Mauro Icardi (Internazionale), 22
2013–14 Juventus (30)
   
Roma Napoli Fiorentina   Ciro Immobile (Torino), 22
2012–13 Juventus (29) Napoli Milan Fiorentina   Edinson Cavani (Napoli), 29
2011–12 Juventus (28) Milan Udinese Lazio   Zlatan Ibrahimović (Milan), 28
2010–11 Milan (18) Internazionale Napoli Udinese   Antonio Di Natale (Udinese), 28
2009–10 Internazionale (18) Roma Milan Sampdoria   Antonio Di Natale (Udinese), 29
2008–09 Internazionale (17) Juventus Milan Fiorentina   Zlatan Ibrahimović (Internazionale), 25
2007–08 Internazionale (16) Roma Juventus Fiorentina   Alessandro Del Piero (Juventus), 21
2006–07 Internazionale (15) Roma Lazio Milan   Francesco Totti (Roma), 26
2005–06 Internazionale (14) Roma Milan Chievo   Luca Toni (Fiorentina), 31
2004–05 Juventus
(título revogado)
Milan Internazionale Udinese   Cristiano Lucarelli (Livorno), 24
2003–04 Milan (17) Roma Juventus Internazionale   Andriy Shevchenko (Milan), 24
2002–03 Juventus (27) Internazionale Milan Lazio   Christian Vieri (Internazionale), 24
2001–02 Juventus (26) Roma Internazionale Milan   David Trézéguet (Juventus)
  Dario Hübner (Piacenza), 24
2000–01 Roma (3) Juventus Lazio Parma   Hernán Crespo (Lazio), 26
1999–00 Lazio (2) Juventus Milan Internazionale   Andriy Shevchenko (Milan), 24
1998–99 Milan (16) Lazio Fiorentina Parma   Amoroso (Udinese), 22
1997–98 Juventus (25) Internazionale Udinese Roma   Oliver Bierhoff (Udinese), 27
1996–97 Juventus (24) Parma Internazionale Lazio   Filippo Inzaghi (Atalanta), 24
1995–96 Milan (15) Juventus Lazio Fiorentina   Igor Protti (Bari)
  Giuseppe Signori (Lazio), 24
1994–95 Juventus (23) Lazio Parma Milan   Gabriel Batistuta (Fiorentina) 26
1993–94 Milan (14) Juventus Sampdoria Lazio   Giuseppe Signori (Lazio), 23
1992–93 Milan (13) Internazionale Parma Juventus   Giuseppe Signori (Lazio), 26
1991–92 Milan (12) Juventus Torino Napoli   Marco van Basten (Milan), 25
1990–91 Sampdoria (1) Milan Internazionale Genoa   Gianluca Vialli (Sampdoria), 19
1989–90 Napoli (2) Milan Internazionale Juventus   Marco van Basten (Milan), 19
1988–89 Internazionale (13) Napoli Milan Juventus   Aldo Serena (Internazionale) 22
1987–88 Milan (11) Napoli Roma Sampdoria   Diego Maradona (Napoli), 15
1986–87 Napoli (1) Juventus Internazionale Verona   Pietro Paolo Virdis (Milan), 17
1985–86 Juventus (22) Roma Napoli Fiorentina   Roberto Pruzzo (Roma), 19
1984–85 Verona (1) Torino Internazionale Sampdoria   Michel Platini (Juventus), 18
1983–84 Juventus (21) Roma Fiorentina Internazionale   Michel Platini (Juventus), 20
1982–83 Roma (2) Juventus Internazionale Verona   Michel Platini (Juventus), 16
1981–82 Juventus (20)
  
Fiorentina Roma Napoli   Roberto Pruzzo (Roma), 15
1980–81 Juventus (19) Roma Napoli Internazionale   Roberto Pruzzo (Roma), 18
1979–80 Internazionale (12) Juventus Torino Ascoli   Roberto Bettega (Juventus), 16
1978–79 Milan (10)
 
Perugia Juventus Internazionale   Bruno Giordano (Lazio), 19
1977–78 Juventus (18) Vicenza Torino Milan   Paolo Rossi (Vicenza), 24
1976–77 Juventus (17) Torino Fiorentina Internazionale   Francesco Graziani (Torino), 21
1975–76 Torino (7) Juventus Milan Internazionale   Paolino Pulici (Torino), 21
1974–75 Juventus (16) Napoli Roma Lazio   Paolino Pulici (Torino), 18
1973–74 Lazio (1) Juventus Napoli Internazionale   Giorgio Chinaglia (Lazio), 24
1972–73 Juventus (15) Milan Lazio Fiorentina   Paolino Pulici (Torino)
  Gianni Rivera (Milan)
  Giuseppe Savoldi (Bologna), 17
1971–72 Juventus (14) Milan Torino Cagliari   Roberto Boninsegna (Internazionale), 22
1970–71 Internazionale (11) Milan Napoli Juventus   Roberto Boninsegna (Internazionale), 24
1969–70 Cagliari (1) Internazionale Juventus Milan   Luigi Riva (Cagliari), 21
1968-69 Fiorentina (2) Cagliari Milan Internazionale   Luigi Riva (Cagliari), 20
1967–68 Milan (9) Napoli Juventus Fiorentina   Pierino Prati (Milan), 15
1966–67 Juventus (13) Internazionale Bologna Napoli   Luigi Riva (Cagliari), 18
1965–66 Internazionale (10)
 
Bologna Napoli Fiorentina   Luís Vinício (Vicenza), 25
1964–65 Internazionale (9) Milan Torino Juventus   Alberto Orlando (Fiorentina)
  Sandro Mazzola (Internazionale), 17
1963–64 Bologna (7) Internazionale Milan Fiorentina   Harald Nielsen (Bologna), 21
1962–63 Internazionale (8) Juventus Milan Bologna   Harald Nielsen (Bologna)
  Pedro Manfredini (Roma), 19
1961–62 Milan (8) Internazionale Fiorentina Bologna     José João Altafini (Milan)
  Aurelio Milani (Fiorentina),27
1960–61 Juventus (12) Milan Internazionale Sampdoria   Sergio Brighenti (Sampdoria), 27
1959–60 Juventus (11) Fiorentina Milan Internazionale     Omar Sívori (Juventus), 27
1958–59 Milan (7) Fiorentina Internazionale Juventus     Antonio Angelillo (Internazionale), 33
1957–58 Juventus (10)
 
Fiorentina Padova Napoli   John Charles (Juventus), 28
1956–57 Milan (6) Fiorentina Lazio Udinese     Dino da Costa (Roma), 24
1955–56 Fiorentina (1) Milan Internazionale Lazio   Gino Pivatelli (Bolgona), 29
1954–55 Milan (5) Udinese Roma Bolgona   Gunnar Nordahl (Milan), 27
1953–54 Internazionale (7) Juventus Milan Fiorentina   Gunnar Nordahl (Milan), 23
1952–53 Internazionale (6) Juventus Milan Napoli   Gunnar Nordahl (Milan), 26
1951–52 Juventus (9) Milan Internazionale Fiorentina   John Hansen (Juventus), 30
1950–51 Milan (4) Internazionale Juventus Lazio   Gunnar Nordahl (Milan), 34
1949–50 Juventus (8) Milan Internazionale Lazio   Gunnar Nordahl (Milan), 35
1948–49 Torino (6) Internazionale Milan Juventus   István Nyers (Internazionale), 26
1947–48 Torino (5) Milan Juventus Triestina   Giampiero Boniperti (Juventus), 27
1946–47 Torino (4) Juventus Modena Milan   Valentino Mazzola (Torino), 29
1945–46 Torino (3) Internazionale Juventus Milan   Eusebio Castigliano (Torino), 13
Os campeonatos de 1943–44 e 1944–45 não foram realizados devido a deflagração da Segunda Guerra Mundial
1942–43 Torino (2) Livorno Juventus Ambrosiana-Inter   Silvio Piola (Lazio), 21
1941–42 Roma (1) Torino Venezia Genova   Aldo Boffi (Milan), 22
1940–41 Bologna (6) Ambrosiana-Inter Milano Fiorentina     Ettore Puricelli (Bologna), 22
1939–40 Ambrosiana-Inter (5) Bologna Juventus Lazio   Aldo Boffi (Milano), 24
1938–39 Bologna (5) Torino Ambrosiana-Inter Genova     Ettore Puricelli (Bologna)
  Aldo Boffi (Milan), 19
1937–38 Ambrosiana-Inter (4) Juventus Milano Genova   Giuseppe Meazza (Ambrosiana-Inter), 20
1936–37 Bologna (4) Lazio Torino Milan   Silvio Piola (Lazio), 21
1935–36 Bologna (3) Roma Torino Internazionale   Giuseppe Meazza (Internazionale), 25
1934–35 Juventus (7) Internazionale Fiorentina Roma     Enrique Guaita (Roma), 28
1933–34 Juventus (6) Internazionale Napoli Bologna   Felice Borel (Juventus), 31
1932–33 Juventus (5) Internazionale Bologna Napoli   Felice Borel (Juventus), 29
1931–32 Juventus (4) Bologna Roma Fiorentina   Angelo Schiavio (Bologna)
  Pedro Petrone (Fiorentina), 16
1930–31 Juventus (3) Roma Bologna Genoa     Rodolfo Volk (Roma), 29
1929–30 Internazionale (3) Genoa Juventus Torino   Giuseppe Meazza (Internazionale), 31

Campeonato Italiano de FutebolEditar

Ano Campeão Vice-Campeão Terceiro Lugar Quarto Lugar Melhor(es) Marcador(es)
1928–29 Bologna (2) Torino Milan Juventus   Gino Rosetti (Torino), 36
1927–28 Torino (1) Genoa Alessandria Juventus     Julio Libonatti (Torino), 35
1926–27 Torino (título revogado) Bologna Juventus Genoa   Anton Powolny (Internazionale), 22
1925–26 Juventus (2) SS Alba Roma Bologna FC Internazionale-Naples   Ferenc Híres (Juventus), 35
1924–25 Bologna SS Alba Roma Genoa Anconitana   Mario Magnozzi (Livorno), 19
1923–24 Genoa (9) Savoia Bologna SS Alba Roma   Heinrich Schönfeld (Torino), 22
1922–23 Genoa (8) Lazio Pro Vercelli Savoia Desconhecido
1921–22 (FICG) Novese (1) Sampierdarenese SPAL AS Petrarca Desconhecido
1921–22 (CCI) Pro Vercelli (7) Fortitudo Genoa SSD Puteolana Desconhecido
1920–21 Pro Vercelli (6) Pisa Bologna Livorno Desconhecido
1919–20 Internazionale (2) Livorno Juventus Fortitudo Desconhecido
Os campeonatos de 1916–17, 1917–18 e 1918–19 não foram realizados devido a deflagração da Primeira Guerra Mundial
1914–15 Genoa(7) O campeonato de 1914-15 foi interrompido após a deflagração da Primeira Guerra Mundial, e a FICG declarou o Genoa como campeão, sob protestos da equipe da Lazio, que até os dias de hoje briga pelo reconhecimento do título daquele ano.
1913–14 Casale(1) Lazio Genoa US Internazionale Napoli Desconhecido
1912–13 Pro Vercelli(5) Lazio Genoa Naples FC Desconhecido
1911–12 Pro Vercelli(4) Milan Genoa Internazionale Desconhecido
1910–11 Pro Vercelli(3) Milan Torino Andrea Doria Desconhecido
1909–10 Internazionale(1) Pro Vercelli Juventus Torino Desconhecido
1909 Pro Vercelli(2) US Milanese Genoa Venezia   Amilcare Pizzi (US Milanese) 9
1908 Pro Vercelli(1) US Milanese Andrea Doria Juventus Desconhecido
1907 Milan(3) Torino Andrea Doria Genoa Desconhecido
1906 Milan(2) Juventus Genoa US Milanese Desconhecido
1905 Juventus(1) Genoa US Milanese Milan Desconhecido
1904 Genoa(6) Juventus Milan FC Torinese Desconhecido
1903 Genoa(5) Juventus Milan Andrea Doria Desconhecido
1902 Genoa(4) Milan FC Torinese Juventus Desconhecido
1901 Milan(1) Genoa Juventus Ginnastica Torino Desconhecido
1900 Genoa(3) FC Torinese Milan Juventus Desconhecido
1899 Genoa(2)
Internazionale Torino Ginnastica di Torino FC Torinese Desconhecido
1898 Genoa(1) Internazionale Torino Ginnastica di Torino FC Torinese Desconhecido

Por clubeEditar

Clubes Vezes Campeão Ano Campeão
Juventus
36
1905, 1925-26, 1930-31, 1931-32, 1932-33, 1933-34, 1934-35, 1949-50, 1951-52, 1957-58, 1959-60, 1960-61, 1966-67, 1971-72, 1972-73, 1974-75, 1976-77, 1977-78, 1980-81, 1981-82, 1983-84, 1985-86, 1994-95, 1996-97, 1997-98, 2001-02, 2002-03, 2011-12, 2012-13, 2013-14, 2014-15, 2015-16, 2016-17, 2017-18, 2018-19, 2019-20
Internazionale¹
19
1909-10, 1919-20, 1929-30, 1937-38, 1939-40, 1952-53, 1953-54, 1962-63, 1964-65, 1965-66, 1970-71, 1979-80, 1988-89, 2005-06, 2006-07, 2007-08, 2008-09, 2009-10, 2020-21
Milan
18
1901, 1906, 1907, 1950-51, 1954-55, 1956-57, 1958-59, 1961-62, 1967-68, 1978-79, 1987-88, 1991-92, 1992-93, 1993-94, 1995-96, 1998-99, 2003-04, 2010-11
Genoa
9
1898, 1899, 1900, 1902, 1903, 1904, 1914-15, 1922-23, 1923-24
Pro Vercelli
7
1908, 1909, 1910-11, 1911-12, 1912-13, 1920-21, 1921-22 (CCI)
Bologna
7
1924-25, 1928-29,1935-36, 1936-37, 1938-39, 1940-41, 1963-64
Torino
7
1927-28, 1942-43, 1945-46, 1946-47,1947-48, 1948-49, 1975-76
Roma
3
1941-42, 1982-83, 2000-01
Fiorentina
2
1955-56, 1968-69
Napoli
2
1986-87, 1989-90
Lazio
2
1973-74, 1999-00
Casale
1
1913-14
Novese
1
1921-22 (FIGC)
Cagliari
1
1969-70
Hellas Verona
1
1984-85
Sampdoria
1
1990-91

Observações:

(1) - Um conquistado como "Ambrosiana" e dois como "Ambrosiana-Inter"
(2) - As Serie A de 2004–05 e 2005–06 foram originalmente vencidas pela Juventus, porém os títulos foram retirados devidos a escândalos de manipulação de resultados na FIGC. O título de 2004–05 foi anulado, enquanto o de 2005–06 teve a Internazionale campeã, pois a equipe terminou o campeonato em terceiro lugar, atrás de Juve e Milan, punidos.

Por cidadeEditar

Cidade Títulos Clubes
  Turim 43 Juventus (36), Torino (7)
  Milão 37 Internazionale (19), Milan (18)
  Gênova 10 Genoa (9), Sampdoria (1)
  Bolonha 7 Bologna (7)
Vercelli 7 Pro Vercelli (7)
  Roma 5 Roma (3), Lazio (2)
  Florença 2 Fiorentina (2)
  Nápoles 2 Napoli (2)
  Cagliari 1 Cagliari (1)
Casale Monferrato 1 Casale (1)
Novi Ligure 1 Novese (1)
Verona 1 Hellas Verona (1)

Por regiãoEditar

Região Títulos Clubes
  Piemonte 52 Juventus (36), Torino (7), Pro Vercelli (7), Casale (1), Novese (1)
  Lombardia 37 Internazionale (19), Milan (18)
  Ligúria 10 Genoa (9), Sampdoria (1)
  Emilia-Romagna 7 Bologna (7)
  Lácio 5 Roma (3), Lazio (2)
  Campania 2 Napoli (2)
  Toscana 2 Fiorentina (2)
  Sardenha 1 Cagliari (1)
  Vêneto 1 Hellas Verona (1)

RecordesEditar

 
Gianluigi Buffon é o futebolista com o maior número de aparições na Serie A (656)

Mais partidasEditar

# País Jogador Período Jogos
  Gianluigi Buffon 1995–Presente 656
  Paolo Maldini 1985–2009 647
  Francesco Totti 1992–2017 619
  Javier Zanetti 1995–2014 615
  Gianluca Pagliuca 1987–2007 592
  Dino Zoff 1961–1983 570
  Pietro Vierchowod 1980–2000 562
  Roberto Mancini 1981–2001 541
  Silvio Piola 1929–1954 537
10º   Enrico Albertosi 1958–1970 532
 
Silvio Piola é o maior artilheiro da história da Serie A, com 274 gols

Maiores artilheirosEditar

# País Jogador Período Gols
  Silvio Piola 1929–1954 274
  Francesco Totti 1992–2017 250
  Gunnar Nordahl 1948–1958 225
   Mazzola 1958–1976 216
  Giuseppe Meazza 1929–1947
  Antonio Di Natale 2002–2016 209
  Roberto Baggio 1986–2004 205
  Kurt Hamrin 1956–1971 190
  Giuseppe Signori 1991–2004 188
  Alessandro Del Piero 1993–2012
  Alberto Gilardino 1999–2017

JogadoresEditar

Jogadores fora da União EuropeiaEditar

Ao contrário da La Liga, que impôs uma cota sobre o número de jogadores de fora da UE em cada clube, os clubes da Série A poderiam contratar tantos jogadores de fora da UE quantos disponíveis por transferência doméstica.

Durante as décadas de 1980 e 1990, a maioria dos clubes da Série A contrataram um grande número de jogadores de países estrangeiros (membros da UE e não membros da UE). Jogadores estrangeiros notáveis ​​que jogaram na Série A durante esta era incluíram o irlandês Liam Brady, os ingleses Paul Gascoigne e David Platt, os franceses Michel Platini e Laurent Blanc, os alemães Lothar Matthäus e Jürgen Klinsmann, os holandeses Ruud Gullit e Dennis Bergkamp e o argentino Diego Maradona.

Mas desde a temporada de 2003–04, uma cota foi imposta a cada um dos clubes, limitando o número de jogadores não pertencentes à UE, não pertencentes à EFTA e não suíços que podem ser contratados do exterior a cada temporada.

No meio da temporada de 2000–01, o antigo sistema de cotas foi abolido, o que não limitava mais cada equipe a ter mais de cinco jogadores de fora da UE e não usar mais de três em cada partida.[15][16] Simultaneamente à abolição da cota, a FIGC investigou jogadores de futebol que usavam passaportes falsos. Alberto Valentim, Warley, Alejandro Da Silva e Jorginho Paulista da Udinese; Fábio Júnior e Gustavo Bartelt da Roma; Dida do Milan; Álvaro Recoba da Internazionale; Thomas Job, Francis Zé e Jean Ondoa da Sampdoria e Jeda e André Leone do Vicenza foram todos suspensos em julho de 2001 por durações que variam de seis meses a um ano.[17][18] No entanto, a maioria das proibições foi posteriormente reduzida.

O número de jogadores de fora da UE foi reduzido de 265 na temporada de 2002–03 para 166 na temporada de 2006–07. Também incluiu jogadores que receberam status da UE depois que seus respectivos países aderiram à UE: Adrian Mutu, Valeri Bojinov, Marek Jankulovski e Marius Stankevičius.[19]

A regra passou por pequenas alterações em agosto de 2004, junho de 2005, junho de 2006 e junho de 2007.

Desde a temporada de 2008–09, três cotas foram atribuídas a clubes que não têm jogadores de fora da UE em seu elenco (anteriormente, apenas os clubes recém-promovidos podiam ter três cotas); os clubes que têm um jogador não pertencente à UE têm duas cotas. Os clubes que têm dois jogadores não pertencentes à UE recebem uma cota e uma cota condicional, que é atribuída após:

1) Transferir um jogador não pertencente à UE para o estrangeiro;

2) Liberar um jogador não europeu como agente livre;

3) Um jogador de fora da UE que recebeu nacionalidade da UE;

Os clubes com três ou mais jogadores de fora da UE têm duas cotas condicionais, mas liberando dois jogadores de fora da UE como agente livre, terão apenas uma cota em vez de duas. Os clubes da Serie B e Lega Pro não podem contratar jogadores estrangeiros do exterior, exceto aqueles que seguiram o clube promovido da Serie D.

Grandes clubes com muitos estrangeiros geralmente pedem cotas emprestadas de outros clubes que têm poucos ou nenhum estrangeiro para contratar mais jogadores de fora da UE. Por exemplo, Adrian Mutu juntou-se à Juventus via Livorno em 2005, já que na época a Romênia não era membro da UE.[20] Outros exemplos incluem Júlio César, Victor Obinna e Maxwell, que ingressaram na Internazionale vindos do Chievo e do Empoli, respectivamente.[21]

Jogadores caseirosEditar

A Serie A também impôs a regra dos jogadores caseiros. Ao contrário da UEFA, a Série A no início não limitou o número de jogadores da primeira equipe a 25, o que significa que o clube poderia contratar mais estrangeiros, aumentando o tamanho do plantel.[22] No entanto, um limite de 25 (jogadores sub-21 foram excluídos) foi introduzido na temporada de 2015–16 (a regra exige oito jogadores locais, mas não requer quatro deles de sua própria equipe juvenil).

Na temporada de 2016–17, a FIGC sancionou o Sassuolo por colocar em campo o jogador inelegível, Antonino Ragusa. Embora o clube não tenha excedido a capacidade de 21 jogadores que não pertenciam à sua equipe juvenil (apenas Domenico Berardi era elegível como produto juvenil próprio), bem como menores de 21 anos (nascidos em 1995 ou depois, dos quais quatro jogadores eram elegível) na convocação de 24 jogadores, foi relatado que no lado da Lega Serie A a lista de convocados não foi atualizada.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «DiPI Online - Dizionario di Pronuncia Italiana». www.dipionline.it. Consultado em 10 de maio de 2021 
  2. «TIM AND LEGA SERIE A RENEW SPONSORSHIP AGREEMENT UNTIL 2021» (em inglês). www.legaseriea.it. Consultado em 11 de maio de 2021 
  3. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 16 de julho de 2011. Consultado em 11 de maio de 2021 
  4. Alex Reid. «FourFourTwo's 100 Greatest Footballers EVER» (em inglês). fourfourtwo.com. Consultado em 11 de maio de 2021 
  5. «Serie A to form breakaway league» (em inglês). 30 de abril de 2009. Consultado em 11 de maio de 2021 
  6. Sports, P. A. «Serie A clubs to set up their own league». Bleacher Report (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  7. «Serie A set for breakaway». Sky Sports (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  8. Staff, Guardian (30 de abril de 2009). «Italian league could split in two after meeting ends in stalemate». the Guardian (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  9. «Serie A will start with VAR | Football Italia». www.football-italia.net. Consultado em 11 de maio de 2021 
  10. «Serie A selected by IFAB to test video replay - Sportsnet.ca». www.sportsnet.ca. Consultado em 11 de maio de 2021 
  11. May 2010, app 13. «Italian clubs cross fingers over TV ruling». fourfourtwo.com (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  12. «Band anuncia que transmitirá o Campeonato Italiano 2020/2021». VEJA. 9 de setembro de 2020. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  13. Rodrigo Mattos (23 de outubro de 2020). «Turner fecha compra de pacote principal do Italiano». UOL. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  14. «Turner fecha acordo para transmitir Campeonato Italiano». LANCE!. 23 de outubro de 2020. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  15. UEFA.com (17 de julho de 2002). «Italians bar non-EU imports | Inside UEFA». UEFA.com (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  16. «Milan challenge non-EU rule» (em inglês). 3 de novembro de 2000. Consultado em 11 de maio de 2021 
  17. «BBC SPORT | EUROPE | Fake passport scandal hits Serie A». news.bbc.co.uk. Consultado em 11 de maio de 2021 
  18. «Lazio hit with passport charges» (em inglês). 8 de maio de 2001. Consultado em 11 de maio de 2021 
  19. Charley Moreira. «Marek Jankulovski chegou ao ápice no Milan e recusou ser envolvido em troca com a Inter». Calciopédia. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  20. Caio Dellagiustina. «A ascensão e a queda de Adrian Mutu na Serie A». Calciopédia. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  21. Charley Moreira. «Maxwell e Inter, a simbiose perfeita entre jogador e clube num período vitorioso». Calciopédia. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  22. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 29 de outubro de 2018. Consultado em 11 de maio de 2021 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Serie A