Abrir menu principal
Campeonato Brasileiro de Futebol
Copa Brasil
Cbf brazilian championship trophy.svg
Ilustração do Troféu Copa Brasil, este troféu foi criado pela CBD em 1975, sendo um oferecimento da Caixa Econômica Federal.
Dados gerais
Organização CBF
Edições 18
Local de disputa  Brasil
Sistema Fase de grupos e mata-mata
editar

O Troféu Copa Brasil,[1][2] popularmente conhecido como Taça das Bolinhas, é um troféu criado em 1975 para premiar o primeiro clube do Brasil a vencer o Campeonato Brasileiro de Futebol três vezes seguidas ou cinco vezes alternadamente a partir de 1975.[3][4][5] Foi criado pela CBD em 1975, sendo um oferecimento da Caixa Econômica Federal.[6] Entre 1975 e 1992, todos os clubes que venceram o Campeonato Brasileiro receberam uma réplica do troféu.[7]

O troféu

Em 1975, a CBD lançou o Troféu Copa Brasil (popularmente conhecida como "Taça das Bolinhas"), uma taça mais elaborada produzida pelo artista plástico Maurício Salgueiro, sendo um oferecimento da Caixa Econômica Federal. Além de adotar um novo troféu, a entidade também alterou o nome oficial do campeonato nacional para Copa Brasil.[8]

O troféu tem uma altura de 60 centímetros e pesa 5,6 quilos, é composto por 156 esferas, sendo uma de ouro e as demais de pratas, banhadas a ródio para proteger o metal. As esferas estão distribuídas em 13 níveis, elas vão aumentando de tamanho a cada nível, apoiadas em uma base de madeira de jacarandá, como um todo, essas esferas constituem o formato de uma taça. Segundo seu criador, a ideia era valorizar o campeonato, sendo assim, o contínuo aumento no tamanho das esferas representa o crescimento dos times durante o certame, cabendo ao campeão brasileiro da temporada o ápice, a esfera de ouro e de maior volume situada no núcleo do nível superior.[9][10][11]

Assim como os troféus Taça Brasil, não era confeccionada uma nova taça a cada edição da competição, o troféu original retornava ao cofre do banco após ser erguida e realizada a volta olímpica pela equipe campeã. Mas diferentemente dos referidos troféus, desta vez os clubes recebiam uma réplica em tamanho reduzido, de 30 centímetros. E, os regulamentos da Confederação Brasileira também determinavam que o time que conquistasse esta taça três vezes seguidas ou cinco vezes alternadas ficaria em posse definitiva da mesma.[12] Como a peça foi criada apenas em 1975, os títulos brasileiros anteriores a esta data não faziam parte da contagem de conquistas necessárias para a posse definitiva do troféu.[9][13][14]

Entre 1980 e 1985, os clubes também receberam um outro troféu, de mais de um metro de altura, devido ao nome do Campeonato Brasileiro na época ser Taça de Ouro. Em 1987 e 1988, quando o torneio ficou popularmente conhecido como Copa União, a revista Placar também ofereceu um outro troféu ao campeão, o Troféu Copa União. Ao todo, onze clubes conquistaram o Troféu Copa Brasil, até 1992, quando ele saiu de cena em julho, após o Flamengo sagrar-se campeão brasileiro. O clube alegava ter sido aquela a sua quinta conquista.[9] Porém, uma das conquistas reivindicadas pelo Flamengo se trata da polêmica Copa União de 1987, torneio este, que, segundo os regulamentos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tratou-se apenas do Módulo Verde do Campeonato Brasileiro de 1987, e atualmente a entidade reconhece apenas o Sport como único campeão brasileiro daquele ano.[15] Em 7 de fevereiro de 1988, O Sport recebeu a sua réplica ao derrotar o Guarani na decisão do Campeonato Brasileiro de 1987 com um gol de cabeça do zagueiro Marco Antônio.[7][16]

Portanto, o objetivo da posse definitiva do Troféu Copa Brasil pelo clube que a conquistasse três vezes consecutivas ou cinco vezes alternadas continua fora de alcance.[7]

Posse definitiva

A polêmica sobre o time detentor da taça começou há muitos anos. Em 7 de julho de 1987, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Octávio Pinto Guimarães, declarou que a entidade não tinha condições de bancar as despesas dos clubes no Campeonato Brasileiro de 1987 se não conseguisse um patrocinador, e que os clubes teriam que arcar com as suas próprias despesas com as viagens, ou então, não havendo acordo, a CBF realizaria um campeonato regionalizado com poucas viagens, diminuindo assim as despesas,[17] admitindo que seria necessário fazer o campeonato "de qualquer maneira", para "não demonstrar a incapacidade da CBF".[18]

 
A CBF declarou o Sport como campeão brasileiro de 1987, enquanto o Clube dos 13[19] fez o mesmo com o Flamengo. Porém, o clube de Carlos Miguel Aidar, o São Paulo Futebol Clube, que na época pertencia ao Clube dos 13, não manteve posteriormente esta postura, como evidenciado pela sua postura quando da polêmica com o próprio Flamengo pela Taça de Bolinhas.[19][20]
Ilustração do Troféu Copa União oferecido pela revista Placar ao campeão do Módulo Verde, vencido pelo Flamengo em 1987. Em 1988, o troféu da Placar foi levantado pelo Bahia ao lado da réplica do troféu oficial[21] e em 1990, a revista criadora do troféu entregou-a de presente ao flamenguista Zico em sua despedida dos gramados.[22][23]
Entre 1975 e 1992, todos os clubes que venceram o Campeonato Brasileiro receberam uma réplica deste troféu, a Copa Brasil.[7]

Querendo organizar a competição criando a Copa União, o Clube dos 13 entrou em acordo com as exigências da CBF de que fossem indicados mais três outros clubes de outros estados, além dos clubes participantes que já eram membros da associação Clube dos 13. Em seguida a CBF cria um outro campeonato paralelo à Copa União com clubes que estavam de fora da competição chamando-o de "Módulo Amarelo da Copa Brasil" e propõe que o campeão e vice da Copa União, que seria o Módulo Verde, fizesse um cruzamento contra o campeão e vice dessa mesma competição criada por ela para decidir quais seriam os dois clubes que representariam o Brasil na Taça Libertadores da América.[24][25][26][27][28][29]

A CBF determinou que os dois primeiros de cada Módulo fizessem o quadrangular final para determinar o campeão brasileiro de 1987, proposta que a CBF sugeria desde 24 de julho de 1987, anteriormente ao início dos jogos, iniciados em 11 de setembro de 1987. Segundo o Jornal do Brasil de 1987, a fórmula da CBF (primeira divisão com 32 clubes em dois módulos de dezesseis, com quadrangular entre os dois primeiros de cada módulo para definir o campeão) foi pela primeira vez sugerida pela CBF em 24 de julho, anunciada pela CBF em 28 de agosto, com o acordo entre CBF e clubes anunciado pelo presidente da CBF em 3 de setembro.[30][31][32][33][34][35][36] O dirigente Eurico Miranda assinou na CBF um documento em nome do Clube dos 13 comprometendo-se ao quadrangular final.[37] A ideia de fazer o Campeonato Brasileiro de 1987 com apenas dezesseis clubes, e que seriam os maiores do Brasil, foi sugerida pela primeira vez em setembro de 1986, pelo então dirigente vascaíno Eurico Miranda, em um momento em que o Vasco da Gama estava ameaçado de rebaixamento, e dizia o Estadão de 27 de setembro de 1986: "Vasco cria torneio pirata para 1987".[38][39]

De acordo com a CBF, o Flamengo foi campeão do Módulo Verde e o Sport foi campeão do Módulo Amarelo. Como no regulamento da Copa União que havia sido planejado pelo Clube dos 13, não existia o cruzamento entre os dois primeiros times de cada módulo,[40] Flamengo (campeão do módulo verde) e Internacional (vice-campeão do mesmo módulo), amparados pelo Clube dos 13, negaram tal condição imposta pela CBF e se recusaram a jogar contra Sport e Guarani (campeões do módulo amarelo que após empate em 11 a 11 nos pênaltis dividiram o título através de um acordo entre os dois clubes e, em 22 de janeiro de 1988, a CBF deu o título da chave ao Sport, pela sua melhor campanha).[41][42][43][44][45][46] Com isso, apenas Sport e Guarani fizeram a final, vencida pelos pernambucanos. No regulamento da Confederação Brasileira de Futebol, o campeonato teria 32 clubes participantes divididos em duas chaves, denominadas de "Módulo Verde" e "Módulo Amarelo", com o campeão e o vice de cada módulo disputando um quadrangular final para decidir o campeão brasileiro de 1987 e os clubes representantes do Brasil na Libertadores de 1988.[47][48][49] Com a recusa de Flamengo e Internacional de não disputarem o quadrangular, a CBF declarou Sport como campeão e as duas equipes como representantes do Brasil na Taça Libertadores de 1988.[47][50][51] Em contrapartida, o CND deu o título em favor do Flamengo.[45] O caso acabou sendo levado à justiça comum, esta, em processo cuja decisão já se tornou definitiva (sem possibilidade de recurso), deu ganho de causa ao Sport.[52] Por ironia, o fundador presidente do Clube dos 13, na época, Carlos Miguel Aidar que sempre defendeu o título em favor do Flamengo, também era presidente do São Paulo e Juvenal Juvêncio que presidia o São Paulo, também era um dos dirigentes do clube naquele momento.[53]

Para a CBF, entidade que detém a taça, o Flamengo soma apenas cinco títulos brasileiros e não foi o primeiro clube a conseguir tal feito.[54] Após muita polêmica, em 14 de abril de 2010, a CBF, através de um parecer do seu Departamento Jurídico, decidiu que o clube de futebol que receberia o troféu seria o São Paulo Futebol Clube, por ter conquistado o Campeonato Brasileiro cinco vezes alternadamente (1977, 1986, 1991, 2006 e 2007).[47][55][56] Com essa decisão, a CBF confirmou o entendimento do Tribunal Regional Federal em considerar o Sport o campeão brasileiro de 1987.[57] O Flamengo encaminhou várias cópias de documentos do clube dos 13 ao departamento jurídico da CBF para que a entidade proprietária da taça formalmente reconsiderasse sua decisão.[58] A Taça das Bolinhas foi entregue ao São Paulo em 14 de fevereiro de 2011 pela Caixa Econômica Federal, mesmo tendo o Flamengo conseguido uma liminar para impedir a entrega.[59]

Em 2010 Fábio Koff derrotou Kléber Leite, candidato de Ricardo Teixeira ao cargo de presidente do Clube dos Treze, por 12 votos a oito. A então diretoria do Flamengo acreditava que tal atitude de entregar a taça ao São Paulo seria uma retaliação da CBF pelo fato do clube não ter votado no candidato apoiado pela entidade e ainda causar uma desestabilização entre a nova diretoria eleita.[60] Entre os clubes que apoiaram Koff estão os três envolvidos na polêmica: São Paulo, Flamengo e Sport.[61] O presidente do Clube dos Treze, Fábio Koff, manifestou interesse em dividir o prêmio, alegando que a CBF teve dezoito anos para decidir a taça e que São Paulo, Flamengo e Sport continuam unidos, independentemente do destino do troféu.

No dia 21 de fevereiro de 2011 a CBF reconheceu também o Flamengo como campeão brasileiro de 1987. Na época, a referida entidade esportiva usou como justificativa para a decisão, uma suposta existência de dois campeonatos brasileiros naquele ano, um conquistado pelo Flamengo, e outro pelo Sport. Internacional e Guarani são os vices.[62][63] O Flamengo ingressou com um pedido de busca e apreensão na 50.ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, visando a recuperação do Troféu Copa Brasil. O juiz Gustavo Quintanilha Telles de Menezes determinou como medida cautelar a devolução da taça à Caixa Econômica Federal até que haja uma decisão final.[64]

No dia 22 de fevereiro de 2011, o juiz Gustavo Quintanilha Telles de Menezes, da 50.ª Vara Cível do Rio de Janeiro, determinou que o São Paulo teria 24 horas para devolver o troféu à Caixa Econômica Federal. A taça deveria ficar em posse da CEF até que a situação fosse resolvida. No dia seguinte, o São Paulo tentou suspender a decisão, alegando que o juiz carioca contrariara decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de 1999, que teria decretado o Sport vencedor do Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional de 1987. Segundo o São Paulo, o Flamengo pretendia rediscutir um tema já resolvido pelo STJ.

Em 3 de março de 2011, a ministra Isabel Gallotti, do Superior Tribunal de Justiça,[65] analisou o processo de 1999 (aberto pelo Sport Recife) e divulgou uma nota no site do STJ e explicou que "o Superior Tribunal de Justiça não se manifestou sobre o mérito da questão, isto é, sobre quem efetivamente é o campeão brasileiro de 1987; o que foi julgado em 1999 apenas confirmou que era inviável ser apreciado pelo STJ o recurso especial contra decisão favorável ao Sport". Além disso, "a medida cautelar determinada pelo juiz da 50.ª Vara Cível do Rio de Janeiro em relação à destinação da 'Taça das Bolinhas' segue válida".

Em 14 de junho de 2011, a CBF acata a decisão da 10ª Vara da Justiça Federal de Primeira Instância da Seção Judiciária de Pernambuco e revoga a resolução que considerava também o Flamengo como campeão. Assim sendo o Sport Club do Recife volta a ser reconhecido como único campeão brasileiro de futebol de 1987.[66][67][68]

Apesar de uma decisão da Justiça ter determinado que o São Paulo deveria devolver a taça à Caixa Econômica Federal, o clube só foi fazê-lo em 4 de maio de 2012, após determinação de que força policial fosse usada se necessário. O ato administrativo da CBF dando a posse definitiva ao São Paulo foi anulada pela liminar do Flamengo, porque que o troféu em questão não estava em disputa desde 1992.[7] Com isso, a taça foi guardada em um cofre da Caixa Econômica Federal, na cidade de São Paulo. No entanto, o local onde o objeto está armazenado não foi revelado pela instituição.[69]

Em 8 de abril de 2014, o STJ manteve o Sport como único campeão brasileiro de 1987[70] e, em 4 de março de 2016, foi a vez do Supremo Tribunal Federal (STF) que não aceitou a divisão do título considerando o Sport como único campeão brasileiro de 1987.[15] O Flamengo recorreu ao posicionamento do STF e um novo julgamento ocorreu em 18 de abril de 2017. Por 3 votos a 1, a Primeira Turma do STF negou o recurso do Flamengo e manteve o Sport como único campeão de 1987.[71] O clube carioca ainda podia contestar essa decisão no próprio STF, mas a probabilidade de ser revertida era praticamente nula.[72][73] Em 5 de dezembro de 2017 o STF ratificou a decisão anterior.[74] E, em 16 de março de 2018, foi homologado em última instância o título de 1987 ao Sport, mantendo a decisão dos outros julgamentos, sendo que o Flamengo não pode mais recorrer.[75]

Em dezembro de 2018, a grande mídia noticiou que o Flamengo entrou com um processo no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) contra a CBF para discutir o reconhecimento do clube como campeão brasileiro de 1987. O objetivo do clube carioca é que o Módulo Verde do Campeonato Brasileiro de 1987 — oficialmente denominado Troféu João Havelange e mais conhecido como Copa União —, seja equiparado ao Campeonato Brasileiro. Nesta ação, seria mantida a legitimidade da conquista do Sport, transitada em julgado no STF, o que faria o ano em questão ter dois campeões brasileiros. Em abril de 2019, a justiça do Rio de Janeiro agendou uma audiência de conciliação para o dia 3 de junho daquele ano, quando as partes poderiam ou não entrar em acordo sobre o tema.[76][77][78] Porém, a decisão não era sobre a divisão do título de 1987, com sentença transitada em julgado negando o título ao Flamengo, mas sobre a improcedência do pedido do São Paulo e que nega o direito ao clube da posse definitiva do troféu. Anteriormente, a liminar do Flamengo, que anulou a entrega, alegava que o troféu Copa Brasil não estava mais em disputa desde 1992. O clube paulista teve o seu pedido indeferido.[79][80][7] O regulamento prevendo a posse definitiva do troféu pelo clube campeão brasileiro, 3 vezes consecutivas ou 5 vezes alternadamente, começou com o troféu Taça Brasil, o primeiro modelo ficou com o Santos por ter sido tricampeão em 1963. Já o segundo modelo ficou com o Botafogo por ter sido o último clube a erguer a taça.

No dia 30 de abril de 2019, a juíza Cristina de Araújo Goes Lajchter, da 50ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, determinou que o Troféu Copa Brasil, em posse da Caixa Econômica Federal desde 2017, fosse devolvido pelo banco para a CBF para que a entidade tome "as medidas cabíveis acerca do destino da mencionada taça". No entanto, não foi estipulado um prazo para que a CBF tome uma decisão sobre o assunto.[81][82]

Os campeões do Troféu Copa Brasil (1975–1992)[7]

Ano Campeão Placar(es) Vice 3º lugar 4º lugar
1975
Detalhes
 
Internacional
1 – 0  
Cruzeiro
 
Fluminense
 
Santa Cruz
1976
Detalhes
 
Internacional
2 – 0  
Corinthians
 
Atlético Mineiro
 
Fluminense
1977
Detalhes
 
São Paulo
0 – 0 (prorr.)
(3 – 2 pên.)
 
Atlético Mineiro
 
Operário-MS
 
Londrina
1978
Detalhes
 
Guarani
1 – 0
1 – 0
 
Palmeiras
 
Internacional
 
Vasco da Gama
1979
Detalhes
 
Internacional
2 – 0
2 – 1
 
Vasco da Gama
 
Coritiba
 
Palmeiras
1980
Detalhes
 
Flamengo
0 – 1
3 – 2
 
Atlético Mineiro
 
Internacional
 
Coritiba
1981
Detalhes
 
Grêmio
2 – 1
1 – 0
 
São Paulo
 
Ponte Preta
 
Botafogo
1982
Detalhes
 
Flamengo
1 – 1
0 – 0
1 – 0
 
Grêmio
 
Guarani
 
Corinthians
1983
Detalhes
 
Flamengo
1 – 2
3 – 0
 
Santos
 
Atlético Mineiro
 
Atlético Paranaense
1984
Detalhes
 
Fluminense
1 – 0
0 – 0
 
Vasco da Gama
 
Grêmio
 
Corinthians
1985
Detalhes
 
Coritiba
1 – 1 (prorr.)
(6 – 5 pên.)
 
Bangu
 
Brasil de Pelotas
 
Atlético Mineiro
1986
Detalhes
 
São Paulo
1 – 1
3 – 3 (prorr.)
(4 – 3 pên.)
 
Guarani
 
Atlético Mineiro
 
America
1987[16]
Detalhes
 
Sport
0 – 0
1 – 0
 
Guarani
 
Flamengo[83]
 
Internacional[83]
1988
Detalhes
 
Bahia
2 – 1
0 – 0
 
Internacional
 
Fluminense
 
Grêmio
1989
Detalhes
 
Vasco da Gama
1 – 0  
São Paulo
 
Cruzeiro
 
Botafogo
1990
Detalhes
 
Corinthians
1 – 0
1 – 0
 
São Paulo
 
Grêmio
 
Bahia
1991
Detalhes
 
São Paulo
1 – 0
0 – 0
 
Bragantino
 
Atlético Mineiro
 
Fluminense
1992
Detalhes
 
Flamengo
3 – 0
2 – 2
 
Botafogo
 
Vasco da Gama
 
Bragantino

Ver também

Bibliografia

Referências

  1. «Criador da Taça das Bolinhas expõe arte cinética no Rio de Janeiro». Notícias do Dia. Consultado em 10 de junho de 2016 
  2. «O que representa e quem criou a polêmica Taça das Bolinhas?». Revista Placar. Consultado em 10 de junho de 2016 
  3. «Título do Campeonato Brasileiro de 1987 volta a opor Sport e Flamengo no STF no próximo dia 18». R7. 7 de abril de 2017. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  4. «Patrícia Amorim desabafa e reivindica Taça das Bolinhas para Fla». IG. 2 de fevereiro de 2017. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  5. «Força policial poderá tirar Taça das Bolinhas do São Paulo». Yahoo!. Br.esportes.yahoo.com. Consultado em 4 de maio de 2012 
  6. «Fla e São Paulo querem a taça de penta». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  7. a b c d e f g Cassio Zirpoli (15 de março de 2016). «Todos os campeões da Taça das Bolinhas». Diario de Pernambuco. Consultado em 16 de junho de 2016 
  8. «A história dos campeonatos nacionais - Anos 70: O início de muita bagunça no futebol brasileiro». Ranking de Clubes Brasileiros. Consultado em 18 de maio de 2017 
  9. a b c «Todos os campeões da Taça das Bolinhas». Blog de Esportes. 15 de março de 2016. Consultado em 18 de maio de 2017 
  10. «Caixa leva Taça das Bolinhas em segredo para agência em São Paulo». Folha de S.Paulo. 26 de abril de 2017. Consultado em 18 de maio de 2017 
  11. «O que representa e quem criou a polêmica Taça das Bolinhas?». Veja. 22 de abril de 2016. Consultado em 18 de maio de 2017 
  12. «Patrícia Amorim desabafa e reivindica Taça das Bolinhas para Fla». IG. 2 de fevereiro de 2017. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  13. Meu Artigo. «A Taça das Bolinhas e a polêmica criada entre a Confederação Brasileira de Futebol – CBF, Flamengo, Sport Clube Recife e o São Paulo Futebol lube». UOL. Consultado em 18 de maio de 2017 
  14. «Título do Campeonato Brasileiro de 1987 volta a opor Sport e Flamengo no STF no próximo dia 18». R7. 7 de abril de 2017. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  15. a b UOL (4 de março de 2016). «Fla sofre derrota na Justiça, e Sport é declarado único campeão de 1987». Consultado em 10 de julho de 2019 
  16. a b Cassio Zirpoli (18 de outubro de 2013). «As duas Taças das Bolinhas nas mãos do Sport». Diário de Pernambuco. Consultado em 7 de junho de 2016 
  17. Folha de S.Paulo (8 de julho de 1987). «Octávio diz que CBF está `quebrada`, Brasileiro 87 pode ser regionalizado - Página 17» 
  18. O Estado de S. Paulo (8 de julho de 1987). «Octávio teme dificuldades - Página 14» 
  19. a b Globoesporte.com (16 de abril de 2010). «Flamengo entrega à CBF documentos do Clube dos 13 e aguarda Taça de Bolinhas». Consultado em 15 de março de 2016 
  20. Globoesporte.com (4 de outubro de 2011). «Renato, sobre Taça das Bolinhas: 'Dá uma para cada e acaba com a briga'». Consultado em 15 de março de 2016 
  21. «Cópia arquivada». Consultado em 30 de junho de 2016. Arquivado do original em 13 de outubro de 2016 
  22. Revista Placar (27 de novembro de 1987). «Copa União aqui está o troféu». Consultado em 15 de junho de 2016 
  23. IG - O Dia (17 de dezembro de 2011). «Zico e o troféu da Copa União: 'Nesse nem o Fla põe a mão'». Consultado em 15 de junho de 2016 
  24. Globoesporte. «Para especialista, Fla é o campeão de 87». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  25. A Gazeta Esportiva. «Clube dos 13 ganha a luta contra a CBF» (JPG). v5.tvgazeta.com.br 
  26. Jornal do Brasil. «Campeonato começa sob o signo da confusão - Página 27» 
  27. Jornal do Brasil (15 de julho de 1987). «Nabi na presidência desafia Clube dos 13 - Página 32» 
  28. Folha de S.Paulo: Nabi ameaça expulsar da CBF os treze grandes clubes, pág 14 - 15/7/1987
  29. Jornal do Brasil (16 de julho de 1987). «Clube dos 13. A UDR do futebol. - Página 28» 
  30. «Flu perde 5 pontos e chance de ser campeão». Jornal do Brasil. 25 de julho de 1987. p. 26. Consultado em 16 de março de 2016 
  31. «Dois meses de contradições e desencontros». Consultado em 16 de março de 2016 
  32. «Jornal O Estado de S. Paulo». Consultado em 16 de março de 2016 
  33. «Jornal O Estado de S. Paulo». Consultado em 16 de março de 2016 
  34. Jornal O Estado de S. Paulo 16/8/1987, página 31.
  35. «Jornal do Brasil, 3/9/1987». Consultado em 16 de março de 2016 
  36. «Jornal do Brasil». Consultado em 16 de março de 2016 
  37. «O Estado de S. Paulo». Consultado em 16 de março de 2016 
  38. Jornal O Estado de S. Paulo. «Vasco cria torneio pirata para 1987». Consultado em 16 de março de 2016 
  39. «Revista Manchete de 1986». Consultado em 16 de março de 2016 
  40. «Flamengo rebate anúncio da CBF sobre campeonato de 1987». Jornal Nacional. g1.globo.com 
  41. UOL Esporte (1 de dezembro de 2009). «'Virada de mesa' foi decisiva para polêmica em torno do título brasileiro de 1987». Consultado em 15 de março de 2016 
  42. Folha de S.Paulo (15 de dezembro de 1987). «CBF pode marcar outro jogo para definir campeão do módulo amarelo». Consultado em 15 de março de 2016 
  43. O Estado de São Paulo: Nabi declara Sport campeão, 23/01/1988
  44. Justiça Federal de Pernambuco. «Sentença da 10ª Vara Federal de Pernambuco sobre o campeonato brasileiro de 1987». Consultado em 15 de março de 2016 
  45. a b «Crise, revolução e traição». Trivela. Trivela.uol.com.br 
  46. Esporte. «'Virada de mesa' em 1987 foi decisiva para polêmica da Taça das Bolinhas». Universo Online. Esporte.uol.com.br 
  47. a b c «CBF acata parecer do Departamento Jurídico que dá posse definitiva do troféu "Copa Brasil" (Taça de Bolinhas) ao São Paulo». Confederação Brasileira de Futebol (oficial). Cbf.com.br. Consultado em 14 de abril de 2010. Arquivado do original em 18 de julho de 2010 
  48. «Parecer do Departamento Jurídico da CBF» (PDF). Confederação Brasileira de Futebol (oficial). Cbf.com.br. Consultado em 10 de agosto de 2010 
  49. «A polêmica sobre o Brasileirão de 1987 mais uma vez reascendida». A verdade sobre 1987. Campeões do Futebol. Consultado em 21 de abril de 2010 
  50. «Taça Libertadores da América de 1988». Bola n@ Área 
  51. «Relembre como foi disputado o Campeonato Brasileiro de 1987». Lance!. Lance!Net 
  52. «Justiça Comum (1)» (PDF). TRF 
  53. Globoesporte. «Entenda a história da Copa União 87». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  54. «Campeões - Campeonato Brasileiro Série A». CBF. Arquivado do original em 13 de dezembro de 2009 
  55. «São Paulo ganha taça das bolinhas». Gazeta Press. Abril.com.br. 14 de abril de 2010. Consultado em 14 de abril de 2010 
  56. CBF decide:, Taça de Bolinhas será entregue ao São Paulo. «CBF decide: Taça de Bolinhas será entregue ao São Paulo». Lance!. Msn.lancenet.com.br. Consultado em 14 de abril de 2010 
  57. «Briga pelo Troféu das Bolinhas vai render». Universo Online. Blogdomaria.blog.uol.com.br 
  58. Globoesporte. «Flamengo entrega à CBF documentos do Clube dos 13 e aguarda Taça de Bolinhas». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  59. «Liminar é ignorada e Taça das Bolinhas é entregue ao São Paulo». otempo.com.br. 14 de fevereiro de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  60. Globoesporte. «Patrícia Amorim sobre a Taça das Bolinhas: 'A briga apenas começou'». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  61. «Para Koff, CBF quer dividir clubes com a Taça de Bolinhas». Globo.com. O Globo. Consultado em 15 de abril de 2010 
  62. «CBF reconhece título do Fla». CBF. 21 de fevereiro de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  63. «Título brasileiro do Flamengo de 1987 é reconhecido pela CBF». Extra. 21 de fevereiro de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  64. «Justiça determina que São Paulo tem 24h para devolver Taça das Bolinhas». Globo.com. Globoesporte.globo.com 
  65. «Superior Tribunal de Justiça (STJ)». STJ.jus.br 
  66. «CBF volta a reconhecer Sport como único campeão brasileiro de 1987». Globoesporte.com. 15 de junho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  67. «CBF reconhece Sport como 'único' campeão brasileiro de 1987». O Estado de S. Paulo. 15 de junho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  68. «Por decisão da Justiça, CBF tira título do Flamengo e considera Sport único campeão de 1987». espn.com.br. 15 de junho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2019 
  69. «Decisão do STF não dá fim à novela da Taça das Bolinhas». R7.com. 21 de março de 2018. Consultado em 10 de julho de 2019 
  70. «STJ anula resolução da CBF e mantém Sport como único campeão de 1987.» 
  71. «STF nega recurso do Flamengo e mantém Sport como campeão de 1987». UOL Esporte. 18 de abril de 2017. Consultado em 10 de julho de 2019 
  72. «Flamengo estuda 'todas as possibilidades' de recurso após derrota no STF sobre 1987». Extra. 19 de abril de 2017. Consultado em 10 de julho de 2019 
  73. «Flamengo deve recorrer de decisão do STF por título brasileiro de 1987». O Estado de S.Paulo. 18 de abril de 2017. Consultado em 10 de julho de 2019 
  74. «De novo, STF confirma o Sport como único campeão brasileiro de 1987». O Estado de S.Paulo. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 10 de julho de 2019 
  75. «Flamengo perde em última instância e Sport é o campeão brasileiro de 1987». GazetaEsportiva.com. 17 de março de 2018. Consultado em 10 de julho de 2019 
  76. «Justiça intima Caixa e ordena CBF a decidir destino da Taça das Bolinhas». uol.com.br. 14 de maio de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  77. «Justiça marca audiência entre Flamengo e CBF sobre 1987». uol.com.br. 23 de abril de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  78. «Justiça marca audiência entre Flamengo e CBF por título brasileiro de 1987». daynews.com.br. 23 de abril de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  79. https://www.jusbrasil.com.br/processos/93187798/processo-n-0044632-2620118190001-do-tjrj
  80. «1987: transitado em julgado (de novo)». Diario de Pernambuco. Consultado em 15 de setembro de 2019 
  81. «Justiça intima Caixa a devolver Taça das Bolinhas para a CBF». Folha de S.Paulo. 19 de maio de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  82. «Justiça manda CBF decidir se Taça das Bolinhas vai para São Paulo ou Flamengo». destakjornal.com.br. 15 de maio de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  83. a b RSSSF Brasil. «Campeonato Brasileiro de Futebol de 1987». Consultado em 16 de junho de 2016 

Ligações externas