Grande Prêmio do Azerbaijão de 2021

6ª etapa do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2021

O Grande Prêmio do Azerbaijão de 2021 (formalmente denominado Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021) foi a sexta etapa da temporada de 2021 da Fórmula 1. Foi disputado em 6 de junho de 2021 no Circuito Urbano de Bacu, em Bacu, Azerbaijão.[1][2] A corrida foi vencida por Sergio Pérez que conquistou sua segunda vitória da carreira na Fórmula 1 e igualou o número de vitórias de seu compatriota, Pedro Rodríguez. Sebastian Vettel ficou em segundo e deu o primeiro pódio da equipe Aston Martin na Fórmula 1 e Pierre Gasly da AlphaTauri na terceira posição.

Grande Prêmio do Azerbaijão de F-1 2021
Formula1 Circuit Baku.svg
Grande Prêmio do Azerbaijão de 2021.
Detalhes da corrida
Data 06 de junho de 2021
Nome oficial Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021
Local Circuito Urbano de Bacu, Bacu, Azerbaijão
Total 51 voltas / 306.049 km
Pole
Piloto
Mônaco Charles Leclerc Ferrari
Tempo 1:41.248
Pódio
Primeiro
México Sergio Perez Red Bull Racing-Honda
Segundo
Alemanha Sebastian Vettel Aston Martin-Mercedes
Terceiro
França Pierre Gasly AlphaTauri-Honda

RelatórioEditar

AntecedentesEditar

 Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 no Azerbaijão

Os pilotos e equipes eram os mesmos da lista de inscritos da temporada, sem pilotos substitutos adicionais para a corrida.[3]

O fornecedor de pneus Pirelli trouxe os compostos de pneus C3, C4 e C5 (designados duros, médios e macios, respectivamente) para as equipes usarem no evento.[4][5]

No ano anterior, a etapa disputada em Bacu ficou fora do calendário devido as restrições impostas em razão da pandemia de COVID-19.[6][7]

Limites da PistaEditar

Com muros, Circuito de Rua de Baku não tem áreas polêmicas para os limites da pista, mas, a direção de prova tem outra preocupação neste fim de semana: a lentidão desnecessária na parte final do circuito e trecho entre as curvas 17 e 20.[8]

Pilotar desnecessariamente devagar

Essa é a grande preocupação de Michael Masi, o diretor de provas da FIA. O item 24 das Race Notes explica bem este item. O documento relembra o artigo 27.4 do regulamento esportivo, que diz: "em nenhum momento um carro pode ser pilotado de forma desnecessariamente devagar, erraticamente ou de uma maneira que possa ser considerada potencialmente perigosa para outros pilotos ou pessoas." Ou seja: se um piloto acabar atrapalhando um adversário, a questão será encaminhada para os comissários esportivos do GP do Azerbaijão. Se um piloto andar mais devagar que ele em suas voltas de aquecimento ou retorno aos boxes, estará sujeito a punições. A saída dos boxes, inclusive, está contemplada nesta regra.

Trecho entre as curvas 17 e 20

O trecho mais preocupante para este problema é justamente o início do trecho de aceleração de 2,2 km, por segurança. Mais precisamente entre as curvas 17 e 20. Ou seja: se um piloto quiser criar um espaço à sua frente para abrir sua volta rápida, deve fazer antes deste trecho. Se um piloto estiver devagar demais neste local, será considerada uma violação do artigo 27.4

Treino classificatórioEditar

A qualificação começou às 16:00 hora local em 5 de junho.[9] Lance Stroll e Antonio Giovinazzi (ambos no Q1), Daniel Ricciardo (Q2), Yuki Tsunoda e Carlos Sainz Jr. (ambos Q3) sofreram acidentes que resultaram em quatro bandeiras vermelhas ao longo da qualificação, empatando com o Grande Prêmio da Hungria de 2016 como o recorde de mais bandeiras vermelhas em uma sessão de qualificação.[10] Charles Leclerc conquistou sua segunda pole position consecutiva.[11]

Após a qualificação, Lando Norris disse que ficou "decepcionado" após ter recebido uma penalidade de três posições no grid, bem como três pontos de penalidade em sua superlicença FIA por não seguir corretamente os procedimentos da bandeira vermelha.[12][13] Charles Leclerc ficou surpreso por estar na pole e disse que achou que sua pole foi "uma merda".[14] Lewis Hamilton saudou seu segundo lugar no grid como um "esforço monumental".[15][16] O líder do campeonato, Max Verstappen, ficou frustrado com o terceiro lugar na grelha depois do que descreveu como "uma qualificação estúpida".[17][18] Fernando Alonso, que se classificou em nono, criticou abertamente o fato de os motoristas que causam bandeiras vermelhas não serem punidos, considerando "injusto" que os motoristas que causam bandeiras vermelhas possam manter suas posições no grid.[19] Valtteri Bottas ficou perplexo com seu desempenho na qualificação depois de terminar em décimo, oito posições atrás do companheiro de equipe Hamilton, dizendo que "algo está errado" com seu carro.[20]

CorridaEditar

O início da corrida foi bastante cauteloso da parte de todos os pilotos. A primeira volta foi absolutamente limpa, sem incidentes maiores incidentes. Para não dizer que não houve nada, Mick Schumacher e Lance Stroll se tocaram na primeira curva. Charles Leclerc manteve a liderança e foi seguido por Lewis Hamilton e Max Verstappen. Quem foi bem demais foi Sergio ‘Checo’ Pérez, que ganhou as posições de Carlos Sainz e Pierre Gasly e subiu de sexto para quarto.

A corrida ganhou novo líder já na abertura da terceira volta. Ainda sem o auxílio da asa móvel, Hamilton pegou o vácuo da Ferrari de Leclerc, fez a ultrapassagem na reta dos boxes e assumiu a liderança. Pouco antes, Verstappen chegou a cortar caminho por dentro de um pequeno atalho na curva 15. A estratégia já se fazia presente desde o início da prova. George Russell e Antonio Giovinazzi foram aos boxes para fazer o pit-stop e trocar para pneus duros. Esteban Ocon também foi para os boxes, mas foi para abandonar após problemas no motor do carro da Alpine na volta 4.

O primeiro pelotão tinha Hamilton, Leclerc e Verstappen muito próximos, enquanto Pérez vinha um pouco mais atrás, em quarto. Gasly era o quinto e conseguia sustentar uma boa diferença para Carlos Sainz. Fernando Alonso aparecia em sétimo e tinha ótima performance com a Alpine, sendo seguido por Yuki Tsunoda e Sebastian Vettel. Valtteri Bottas não conseguia sair do décimo lugar. Verstappen usou a asa móvel e passou Leclerc na abertura da volta 7 na reta dos boxes. O monegasco, sem ter como acionar o DRS, foi presa fácil para o piloto holandês, que partiu para cima de Hamilton, enquanto Pérez apertou o ritmo para chegar na Ferrari. Na volta seguinte, o mexicano assumiu o terceiro lugar. Também no oitavo giro, a McLaren chamou Norris para o pit-stop e trocou pneus macios pelos duros. Antes de ir para os boxes fazer a troca de pneus, Tsunoda foi chamado pelo rádio. Um dos engenheiros da AlphaTauri pediu ao piloto que aumentasse o ritmo para abrir vantagem para Leclerc. A resposta do japonês foi ríspida e grosseira: “Cale a boca”, gritou.

Na sequência da corrida, vários pilotos foram aos boxes e realizaram seus pit-stops: Leclerc, Sainz, Alonso, Sainz, Stroll, Ricciardo e Gasly. Na volta de retorno à pista, Sainz escapou na saída da curva 8 e perdeu tempo antes de voltar à pista. Hamilton fez seu pit-stop na volta 11, com a Mercedes a colocar pneus duros para o britânico ir até o fim da corrida. Houve, então, uma grande perda de tempos no procedimento de parada, em 4s6. Para piorar, Lewis teve à sua frente o tráfego da AlphaTauri de Gasly, que o atrasou ainda mais. Verstappen, que fez a troca de pneus na volta seguinte, voltou à frente do heptacampeão. O tempo do pit-stop da Red Bull: 1s9. Pérez fez o pit-stop na abertura da volta 14. Aí a Red Bull não foi perfeita e perdeu tempo, com a parada do mexicano em 4s3. Mesmo assim, Pérez voltou à frente de Hamilton, enquanto Sebastian Vettel assumia a liderança provisória da corrida. Algo que não acontecia desde o GP do Brasil de 2019. Depois que Vettel fez seu pit-stop, Verstappen assumiu de vez a liderança da corrida. O cenário da prova, com todos os 19 pilotos na pista com pneus duros, era o seguinte: Max na liderança, seguido por Pérez, Hamilton, Lance Stroll, Gasly, Leclerc, Vettel, Tsunoda, Norris e Bottas como os dez primeiros colocados.

Lewis tinha mais ritmo e pressionava Pérez na luta pelo segundo lugar, enquanto Verstappen tinha a chance de abrir ainda mais vantagem. O grande problema para Hamilton tentar se aproximar do carro #11 da Red Bull era que o mexicano tinha um desempenho melhor no miolo do circuito, enquanto a Mercedes se aproximava no grande trecho de pé embaixo. Sainz era apenas o 14º e lutava com a Alfa Romeo de Antonio Giovinazzi. O espanhol ganhou uma posição e partiu para cima do compatriota Alonso, mas ainda longe da zona de pontuação. O que chamava a atenção era a excelente performance de Lance Stroll. Em quarto com a Aston Martin, o canadense ainda tinha de fazer uma parada, mas tinha o melhor ritmo dos pilotos fora do top-3, sendo cerca de 0s5 mais rápido que Bottas, que tinha atuação sofrível e continuava em décimo lugar.

Ao invés do caos, a corrida teve ares de grande normalidade, que se acentuou na segunda metade da disputa. Mas é Baku, e Baku sempre reserva muitas surpresas. Na volta 31, Stroll encerrou precocemente uma grande corrida depois de bater muito forte depois de perder o controle do carro em plena reta dos boxes. Por sorte, tudo bem com Lance. O safety-car entrou em ação pela primeira vez na corrida. Antes da saída do safety-car, as equipes do fim do grid chamaram seus pilotos para um pit-stop extra. A Haas se enrolou na parada de Mick Schumacher e teve problemas na fixação de uma das rodas. A falha foi percebida logo depois que o alemão saiu, o que fez a equipe brecá-lo e trazê-lo de volta para ajustar o pneu dianteiro direito. A relargada trouxe outro momento empolgante na corrida. Em exuberante atuação, Vettel passou Leclerc — que, por sua vez, por muito pouco não acertou Hamilton na relargada —, e depois o tetracampeão deixou Pierre Gasly para trás para assumir o quarto posto. Verstappen manteve a dianteira, seguido por Pérez, enquanto Hamilton vinha em terceiro. Lá atrás, Bottas estava só em P13 e era ultrapassado até pela Alfa Romeo de Kimi Räikkönen. Verstappen voltou a abrir boa vantagem na liderança e já tinha 3s7 para Pérez, enquanto o mexicano tentava suportar a pressão imposta por Hamilton. Bottas dava sequência ao vexame e estava em P14 depois de perder a posição para outra Alfa Romeo, a de Giovinazzi. Hamilton tratou de manter a perseguição a Pérez, mas o cenário era o mesmo do início da corrida: a Red Bull abria vantagem no miolo do circuito, enquanto a Mercedes era melhor nos trechos mais rápidos. Assim, a diferença se mantinha em cerca de 1s3.

Só que tudo mudou de novo, de forma inacreditável, na abertura da volta 47. Verstappen foi outro piloto a bater forte na reta dos boxes depois de o pneu traseiro esquerdo estourar. Fim de prova para o então líder do campeonato e clima de velório para a Red Bull, que ainda tinha Pérez na ponta da corrida depois do que aconteceu. O safety-car chegou a ser acionado pela direção de prova logo depois do acidente, mas pouco depois a bandeira amarela foi substituída pela vermelha, o que interrompeu a corrida a três voltas do fim. Os carros tiveram de voltar para o pit-lane e alinharam um atrás do outro antes da nova determinação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

A direção de prova determinou o reinício da corrida às 18h10 (horário local), 11h10 de Brasília e com largada parada.

Quando a espera finalmente se encerrou e os pilotos voltaram para a pista, todos retornaram com pneus macios. Era chegada a hora da verdade no Azerbaijão para duas voltas que se desenhavam como eletrizantes. Pouco antes do alinhamento no grid, George Russell voltou para os boxes da Williams. Hamilton forçou demais na relargada depois de passar Pérez e passou reto na área de escape da curva 1. ‘Checo’ voltou para a liderança e partiu para a vitória, com Vettel em segundo e Gasly em terceiro. Em final incrível, Gasly lutou pelo terceiro lugar com Leclerc, enquanto Norris também chegou para a briga. Mas o francês levou a melhor e completou um pódio improvável ao lado de Pérez e Vettel. Hamilton terminou apenas em 15º.[21]

PneusEditar

Os compostos de pneus fornecidos pela Pirelli para este Grande Prêmio
Nome do composto Cor Banda de rolamento Condições de Tempo Dry Type Aderência Longevidade
Macio (C5)   Slick
(P Zero)
Seco Soft Mais aderência Menos durável
Médio (C4)   Slick
(P Zero)
Seco Medium Médio Médio
Duro (C3)   Slick
(P Zero)
Seco Hard Menos aderência Mais durável
Intermediário   Sulcos
(Cinturato)
Molhado Intermediate
(água não estagnante)
Chuva   Sulcos
(Cinturato)
Molhado Wet
(água estagnante)

ResultadosEditar

Treino classificatórioEditar

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 16   Charles Leclerc Ferrari 1:42.241 1:41.659 1:41.218 1
2 44   Lewis Hamilton Mercedes 1:41.545 1:41.634 1:41.450 2
3 33   Max Verstappen Red Bull Racing-Honda 1:41.760 1:41.625 1:41.563 3
4 10   Pierre Gasly AlphaTauri-Honda 1:42.288 1:41.932 1:41.565 4
5 55   Carlos Sainz Jr. Ferrari 1:42.121 1:41.740 1:41.576 5
6 4   Lando Norris McLaren-Mercedes 1:42.167 1:41.813 1:41.747 9[nt 1]
7 11   Sergio Pérez Red Bull Racing-Honda 1:41.968 1:41.630 1:41.917 6
8 22   Yuki Tsunoda AlphaTauri-Honda 1:42.521 1:41.654 1:42.211 7
9 14   Fernando Alonso Alpine-Renault 1:42.934 1:42.195 1:42.327 8
10 77   Valtteri Bottas Mercedes 1:42.701 1:42.106 1:42.659 10
11 5   Sebastian Vettel Aston Martin-Mercedes 1:42.460 1:42.224 11
12 31   Esteban Ocon Alpine-Renault 1:42.426 1:42.273 12
13 3   Daniel Ricciardo McLaren-Mercedes 1:42.304 1:42.558 13
14 7   Kimi Räikkönen Alfa Romeo-Ferrari 1:42.923 1:42.587 14
15 63   George Russell Williams-Mercedes 1:42.728 1:42.758 15
16 6   Nicholas Latifi Williams-Mercedes 1:43.128 16
17 47   Mick Schumacher Haas-Ferrari 1:44.158 17
18 9   Nikita Mazepin Haas-Ferrari 1:44.238 18
Tempo dos 107%: 1:48.653
NQ 18   Lance Stroll Aston Martin-Mercedes S/Tempo 19[nt 2]
NQ 99   Antonio Giovinazzi Alfa Romeo-Ferrari S/Tempo 20[nt 2]
Fonte:[22][23][24]

CorridaEditar

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Pit Stop Pneus Grid Pontos
1 11   Sergio Pérez Red Bull Racing-Honda 51 2:13:36.410 2     6 25
2 5   Sebastian Vettel Aston Martin-Mercedes 51 +1.385 2     11 18
3 10   Pierre Gasly AlphaTauri-Honda 51 +2.762 2     4 15
4 16   Charles Leclerc Ferrari 51 +3.828 2     1 12
5 4   Lando Norris McLaren-Mercedes 51 +4.754 2     9 10
6 14   Fernando Alonso Alpine-Renault 51 +6.382 3      8 8
7 22   Yuki Tsunoda AlphaTauri-Honda 51 +6.624 2     7 6
8 55   Carlos Sainz Jr. Ferrari 51 +7.709 2     5 4
9 3   Daniel Ricciardo McLaren-Mercedes 51 +8.874 2     13 2
10 7   Kimi Räikkönen Alfa Romeo-Ferrari 51 +9.576 2     14 1
11 99   Antonio Giovinazzi Alfa Romeo-Ferrari 51 +10.254 3      20
12 77   Valtteri Bottas Mercedes 51 +11.264 3      10
13 47   Mick Schumacher Haas-Ferrari 51 +14.241 4       17
14 9   Nikita Mazepin Haas-Ferrari 51 +14.315 4       18
15 44   Lewis Hamilton Mercedes 51 +17.668 2     2
16 6   Nicholas Latifi Williams-Mercedes 51 +42.379[nt 3] 2     16
17[nt 4] 63   George Russell Williams-Mercedes 48 Caixa de câmbio 3      15
18[nt 4] 33   Max Verstappen Red Bull Racing-Honda 45 Pneu 1    3
Ret 18   Lance Stroll Aston Martin-Mercedes 29 Pneu 0   19
Ret 31   Esteban Ocon Alpine-Renault 3 Turbocompressor 0   12
Volta mais rápida:   Max Verstappen (Red Bull Racing-Honda) – 1:44.481 (volta 44)
Fonte: [23][25][26]

Voltas na liderançaEditar

Nº de Voltas Piloto Voltas
37   Max Verstappen (11) e (18–45)
9   Sergio Pérez (12–13) e (46–51)
9   Lewis Hamilton (2–10)
4   Sebastian Vettel (14–17)
1   Charles Leclerc (1)

2021 DHL Fastest Pit Stop AwardEditar

ResultadoEditar

Pos. Nu. Piloto Construtor Tempo Pontos
1 33   Max Verstappen Red Bull Racing-Honda 1.98 25
2 7   Kimi Raikkonen Alfa Romeo-Ferrari 2.13 18
3 63   George Russell Williams-Mercedes 2.13 15
4 16   Charles Leclerc Ferrari 2.33 12
5 99   Antonio Giovinazzi Alfa Romeo-Ferrari 2.37 10
6 14   Fernando Alonso Alpine-Renault 2.42 8
7 5   Sebastian Vettel Aston Martin-Mercedes 2.44 6
8 55   Carlos Sainz Jr. Ferrari 2.47 4
9 3   Daniel Ricciardo McLaren-Mercedes 2.48 2
10 10   Pierre Gasly AlphaTauri-Honda 2.52 1
Fonte:

ClassificaçãoEditar

Ver tambémEditar

Tabela do campeonato após a corridaEditar

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Referências

  1. «F1 schedule 2021: Formula 1 announces provisional 23-race calendar for 2021». Formula1.com (em inglês). 10 de novembro de 2020. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  2. «F1 confirma GP em Ímola para abril, adia Austrália e adianta GP do Brasil». motorsport.uol.com.br. 12 de janeiro de 2021. Consultado em 12 de janeiro de 2021 
  3. «2021 Azerbaijan Grand Prix - Entry List» (PDF) (em inglês). Fédération Internationale de l'Automobile. 3 de Junho de 2021. Consultado em 11 de Junho de 2021 
  4. Kadu Gouvêa (2 de Junho de 2021). «Pirelli leva pneus mais macios para o GP de Azerbaijão de F1». F1Mania. Consultado em 11 de Junho de 2021 
  5. Lucas Couto (2 de Junho de 2021). «Pirelli aposta em estratégia e leva gama mais macia de pneus para GP do Azerbaijão». Grande Prêmio. Consultado em 11 de Junho de 2021 
  6. Rafael Monteiro (12 de Junho de 2020). «Covid-19: Fórmula 1 cancelas GPs do Azerbaijão, Singapura e Japão». Agência Brasil. Consultado em 11 de Junho de 2021 
  7. «Fórmula 1 anuncia cancelamento dos GPs do Azerbaijão, Singapura e Japão em 2020». Grande Prêmio. 12 de Junho de 2020. Consultado em 11 de Junho de 2021 
  8. Lopes, Rafael (4 de junho de 2021). «Azerbaijão sem limites de pista, mas preocupação com lentidão». Voando Baixo. Consultado em 4 de junho de 2021 
  9. «Azerbaijan Grand Prix 2021». Formula1.com (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  10. «2021 Azerbaijan Grand Prix Qualifying facts and stats: A red flag record in Baku». formula1.com (em inglês). Formula 1®. Consultado em 17 de Junho de 2021 
  11. Andrew Benson. «Azerbaijan Grand Prix: Charles Leclerc on pole position in Baku». BBC Sport (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  12. Scott Michell; Valentin Khorounzhiy. «'Gutted' Norris: Baku grid penalty and licence points unfair». The Race (em inglês). The Race Media Ltd. Consultado em 17 de Junho de 2021 
  13. Andrew Benson. «Azerbaijan Grand Prix: Lando Norris says grid penalty unfair». BBC Sport (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  14. Filip Cleeren. «Leclerc didn't expect Baku F1 pole after "shit lap"». motorsport.com (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  15. James Galloway. «Lewis Hamilton describes Mercedes' Azerbaijan GP turnaround to front row start as 'monumental'». Sky Sports (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  16. «Lewis Hamilton hails 'monumental' P2 on Baku grid». PlanetF1 (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  17. Matt Morlidge. «Azerbaijan GP: Max Verstappen to start behind Lewis Hamilton after 'stupid' and 'annoying' qualifying». Sky Sports (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  18. «Verstappen curses 'stupid' qualifying session in Baku as he loses another chance of pole to red flag» (em inglês). Formula 1®. Consultado em 17 de Junho de 2021 
  19. «Fernando Alonso expects talks over 'unfair' qualifying rule». PlanetF1 (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  20. «'Something is wrong' claims Valtteri Bottas after quali woes». PlanetF1 (em inglês). Consultado em 17 de Junho de 2021 
  21. Silva, Fernando (6 de junho de 2021). «Acidente de Verstappen no fim muda GP do Azerbaijão: Pérez vence e Vettel vai ao pódio». Grande Prêmio. Consultado em 6 de junho de 2021 
  22. «Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021 – Qualifying». Formula1.com. 5 de junho de 2021. Consultado em 5 de junho de 2021 
  23. a b «Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021 – Starting Grid». Formula1.com. 5 de junho de 2021. Consultado em 5 de junho de 2021 
  24. «Norris handed three-place grid drop for red flag offence in qualifying». Formula1.com. 5 de junho de 2021. Consultado em 5 de junho de 2021 
  25. «Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021 – Race Result». Formula1.com. 6 de junho de 2021. Consultado em 6 de junho de 2021 
  26. «Formula 1 Azerbaijan Grand Prix 2021 – Fastest Laps». Formula1.com. Consultado em 6 de junho de 2021 

Notas

  1. Lando Norris (McLaren-Mercedes) desrespeitou uma bandeira vermelha e permaneceu na pista durante o Q1, por isso foi punido em três posições no grid de largada
  2. a b Lance Stroll e Antonio Giovinazzi não conseguiram definir um tempo durante a qualificação e foram autorizados a correr a critério dos comissários
  3. Nicholas Latifi recebeu uma penalidade stop-and-go de 10 segundos convertida em uma penalidade de 30 segundos por não entrar no pit lane conforme instruído durante o período do safety car
  4. a b George Russell e Max Verstappen foram classificados por terem completado mais de 90% da distância da corrida

Ligações externasEditar

Corrida anterior:
GP de Mônaco de 2021
Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA
Temporada 2021
Próxima corrida:
GP da França de 2021

Corrida anterior:
GP do Azerbaijão de 2019
Grande Prêmio do Azerbaijão Próxima corrida:
GP do Azerbaijão de 2022