Abrir menu principal

HMS Repulse (1916)

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2011). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
HMS Repulse
HMS REPULSE www.kepfeltoltes.hu.jpg
Carreira  Reino Unido
Operador Marinha Real Britânica
Fabricante John Brown & Company
Batimento de quilha 25 de janeiro de 1915
Lançamento 8 de janeiro de 1916
Comissionamento 18 de agosto de 1916
Indicativo visual 34
Estado Naufragado
Fatalidade Afundado perto de Kuantan em
10 de dezembro de 1941
Características gerais
Tipo de navio Cruzador de batalha
Classe Renown
Deslocamento 32 740 t (1916)
35 260 t (1939)
Maquinário 1916:
2 turbinas a vapor
42 caldeiras


1939:
4 turbinas a vapor
8 caldeiras
Comprimento 242 m
Boca 27,5 m
Calado 8,2 m (1916)
9 m (1939)
Propulsão 4 hélices
- 112 000 hp (83 500 kW)
Velocidade 31,5 nós (58,3 km/h) (1916)
30,5 nós (56,5 km/h) (1939)
Autonomia 1916:
4 000 milhas náuticas a 18 nós
(7 400 km a 33 km/h)


1939:
6 580 milhas náuticas a 18 nós
(10 590 km a 33 km/h)
Armamento 1916:
6 canhões de 381 mm
20 canhões de 102 mm
2 canhões antiaéreos de 76 mm
2 tubos de torpedo de 533 mm


1939:
6 canhões de 381 mm
12 canhões de 102 mm
6 canhões antiaéreos de 102 mm
8 canhões antiaéreos de 40 mm
Blindagem 1916:
Cinturão: 76 a 152 mm
Convés:25 a 64 mm
Barbetas: 102 a 178 mm
Torres de artilharia: 178 a 229 mm
Torre de comando: 254 mm
Anteparas: 76 a 102 mm


1939:
Cinturão: 76 a 229 mm
Convés:25 a 127 mm
Barbetas: 102 a 178 mm
Torres de artilharia: 178 a 229 mm
Torre de comando: 254 mm
Anteparas: 76 a 102 mm
Aeronaves 4 hidroaviões
Tripulação c. 1200

O HMS Repulse era um cruzador de batalha da Classe Renown, um dos últimos cruzadores construídos por John Brown & Co, Clydebank, Escócia, para a Marinha Real Britânica. Originalmente, foi projetado como uma unidade dos couraçados da Classe R (Revenge), mas foi construído sobre um projeto modificado. Foi lançado à água em 1916, demasiado tarde para lutar na batalha da Jutlândia. E no entanto, demasiado cedo para incorporar as lições dessa batalha.

Juntou-se à Grande Frota em Setembro de 1916, ainda a tempo tomar parte na 1.ª Guerra Mundial como a capitânia do 1ª Esquadra de Cruzadores de Batalha. O Repulse teve a primeira grande ação no dia 17 de Novembro de 1917, na 2.ª Batalha da Angra da Heligolândia. Comandado pelo Capitão William Boyle; enfrentou momentaneamente dois coraçados, SMS Kaiser e SMS Kaiserin, antes que se estes se retirassem. No mês seguinte, Repulse foi danificado na colisão com o cruzador de batalha HMAS Australia. Considerado um navio de elevada manutenção, ele recebeu o apelido de HMS Repair. Seu navio gémeo HMS Renown, recebeu o apelido de HMS Refit.

As primeiras reconstruções no Repulse ocorreram de 1918 a 1920. O elemento principal da reconstrução foi a colocação de uma couraça, junto com protuberâncias antitorpedo - BULGES - melhoradas. Isto significou umas 4.300 toneladas adicionais de Blindagem. Seus tubos de torpedo foram movidos de baixo da linha d'água para uma plataforma. Após a reforma foi enviado para o Mediterrâneo.

No início da Segunda Guerra Mundial, o Repulse operou em vários grupos de caça formados para perseguir os navios corsários alemães - mas não combateu nenhum. Em Dezembro de 1939, executou o dever de escoltar navios transportadores de tropas entre o Canadá e Reino Unido. No começo da campanha aliada na Noruega, em Julho de 1940, quando o contratorpedeiro Glowworm foi perdido no ataque do Admiral Hipper, o Repulse fez parte na sua busca, mas não fez nenhum contato. Perto do fim da campanha, durante a evacuação de tropas britânicas e devido à previsão que uma invasão alemã de Islândia estava começando, o Repulse foi destacado de proteger comboios da Noruega para procurar pela força da invasão. De facto, nenhuma invasão estava por perto. Subseqüentemente, por volta de 1941, o Repulse retornou à protecção dos comboios.

Em Janeiro de 1941, o Repulse participou na caçada contra os couraçados alemães Scharnhorst e Gneisenau. Em Maio, fez parte da perseguição do Bismarck. Programado originalmente para escoltar o Comboio WS-8B destinado ao Oriente Médio em torno da África, o Repulse operou como parte da Home Fleet, mas foi destacado do corpo principal antes do último combate devido ao medo de se repetir a perda do HMS Hood e à falta de combustível.

Em Agosto, foi transferido para Cidade do Cabo, África do Sul, e em Outubro, foi enviado para a Índia, chegando em 28 de Outubro. No fim de 1941, quando a ameaça da guerra com o Japão pareceu aumentar, o Repulse foi destacado para o Extremo Oriente como um impedimento a uma agressão japonesa. Logo após o início da guerra no Pacífico, em 8 de Dezembro de 1941, o Repulse saiu de Singapura na companhia do outro elemento principal da frota oriental, o couraçado HMS Prince of Wales e de quatro contratorpedeiros, para tentar interceptar os comboios japoneses de invasão que se dirigiam para a Malásia.

O comandante da frota (conhecida como a Força Z), almirante Sir Tom Philips, embora soubesse que as forças britânicas não poderiam garantir o controle do ar para as suas forças, prosseguiu de qualquer maneira porque pensou de que as forças japonesas não poderiam operar tão longe da terra natal, e pensou também de que seus navios eram imunes a danos fatais através de ataques vindos do ar, uma vez que até esse dia, nenhum navio importante tinha sido afundado no mar somente por ataques aéreos. A maior unidade que tinha sido afundada unicamente por aviões até essa época era um cruzador pesado.

Entretanto, a 10 de Dezembro, por não encontrar nenhuma das forças japonesas de invasão, e ter tomado curso ao sul, de regresso a Singapura, um avião japonês foi avistado. De seguida, surgiram 86 aviões japoneses da 22° Flotilha do ar, baseada em Saigão. Atacaram o Prince of Wales e o Repulse. Embora fosse um navio mais velho do que o Prince of Wales, o Repulse sobreviveu a um impacto de bomba e conseguiu evitar 19 torpedos antes de ser afundado em 20 minutos, após ter recebido 5 impactos de torpedo.

O Prince of Wales (no fundo, à esquerda) e o Repulse (no fundo, atrás dele) sob o ataque aéreo japonês em 10 de Dezembro de 1941. Um contratorpedeiro, ou o Electra ou o Express, estão manobrando em primeiro plano.

Os contratorpedeiros HMS Electra e HMS Vampire moveram-se no sentido de resgatar sobreviventes do Repulse, enquanto os sobreviventes do Prince of Wales foram salvos pelo HMS Express. Mesmo depois de serem salvos, alguns sobreviventes do Repulse assumiram posições de batalha no Electra, para libertar do trabalho os marinheiros do Electra para salvar mais sobreviventes. No detalhe, os atiradores do Repulse equiparam os canhões de 4.7 polegadas e o dentista do navio do Repulse ajudou as equipes médicas do Electra com os feridos. No total, 1.285 sobreviventes do Repulse foram salvos, desses o Electra salvou 571; 327 morreram. O Electra e os outros destroyers regressaram então a Singapura para desembarcar os sobreviventes. O afundamento do Repulse e do Prince of Wales pelo ataque aéreo demonstrou que os navios importantes eram vulneráveis a menos que protegido corretamente pelos porta-aviões ou por aviões baseados em terra.

O local da destruição foi designado como "um lugar protegido" em 2001 sob a proteção do acto militar 1986 do Remains, apenas antes do 60th Aniversario do seu naufrágio.