História

eventos ocorridos no passado
(Redirecionado de Histórico)
 Nota: Para outros significados, veja História (desambiguação).

História (do grego antigo ἱστορία, transl.: historía, que significa "pesquisa", "conhecimento advindo da investigação")[1] é o estudo e a documentação sistemática do passado humano.[2] O período de acontecimentos anteriores à invenção dos sistemas de escrita é considerado pré-história.[3] "História" é um termo abrangente que abarca eventos passados, bem como a memória, a descoberta, a coleção, a organização, a apresentação e a interpretação destes eventos. Os historiadores buscam o conhecimento do passado usando fontes históricas, como documentos escritos, relatos orais, arte e artefatos materiais e marcadores ecológicos.[4]

Heródoto ( c. 484 a.C.) foi considerado o "pai da história" no mundo ocidental.

A história é uma disciplina acadêmica que utiliza uma narrativa para descrever, examinar, questionar e analisar eventos passados e pesquisar seus padrões de causa e efeito.[5][6] Os historiadores debatem qual narrativa explica melhor um evento, assim como o significado das diferentes causas e efeitos, a natureza da história como um fim em si mesma e a sua utilidade para dar perspectiva aos problemas do presente.[5][7][8][9]

Histórias comuns a uma determinada cultura, mas que não são apoiadas por fontes externas (como os contos que cercam o Rei Artur), são geralmente classificadas como patrimônio cultural ou lendas.[10][11] A história difere do mito porque é apoiada por evidências verificáveis. No entanto, influências culturais antigas ajudaram a criar interpretações variáveis da natureza da história, que evoluíram ao longo dos séculos e continuam a mudar atualmente. O estudo moderno da história é amplo e inclui a pesquisa de regiões específicas e de certos elementos tópicos ou temáticos da investigação histórica. A história geralmente é ensinada como uma disciplina parte do currículo do ensino primário e secundário, mas o estudo acadêmico da história também é uma disciplina importante no ensino superior.

Heródoto, um historiador grego do século V a.C., é frequentemente considerado o "pai da história", como um dos primeiros historiadores da tradição ocidental,[12] embora tenha sido criticado como o "pai das mentiras".[13][14] Junto com seu contemporâneo Tucídides, ele ajudou a formar as bases para o estudo moderno de eventos e sociedades passadas.[15] Suas obras continuam a ser lidas atualmente e a lacuna entre Heródoto, com foco na cultura, e Tucídides, com foco militar, continua sendo um ponto de discórdia ou abordagem na escrita histórica moderna. No Leste Asiático, uma crônica estatal, os Anais de Primavera e Outono, tinha a reputação de datar de 722 a.C., embora apenas textos do século II a.C. tenham sobrevivido.

Etimologia

A palavra história vem de historia ( em grego clássico: ἱστορία).[16] Foi neste sentido que Aristóteles usou a palavra na sua obra Da História dos Animais.[17] A palavra ancestral ἵστωρ é atestada desde o início nos hinos homéricos, Heráclito, o juramento dos efebos (jovens do sexo masculino) atenienses e em inscrições boeóticas (no sentido jurídico, "juiz" ou "testemunha", ou similar). A palavra grega foi emprestada para o latim clássico como historia, que significa "investigação, pesquisa, relato, descrição de eventos passados".[18]

Descrição

 
História de Frederick Dielman (1896)

Os historiadores escrevem no contexto do seu próprio tempo e tendo em devida conta as ideias atualmente dominantes sobre como interpretar o passado e, por vezes, escrevem para fornecer lições para a sua própria sociedade. Nas palavras do historiador italiano Benedetto Croce: “Toda história é história contemporânea”. A história é facilitada pela formação de um “verdadeiro discurso do passado” através da produção de narrativas e análises de acontecimentos passados relativos à espécie humana.[19]

Todos os eventos que são lembrados e preservados de alguma forma autêntica constituem o registro histórico.[20] A tarefa do discurso histórico é identificar as fontes que podem contribuir de forma mais útil para a produção de relatos precisos do passado. Portanto, a constituição do arquivo do historiador é o resultado da circunscrição de um arquivo mais geral, invalidando o uso de certos textos e documentos (falsificando as suas pretensões de representar o “verdadeiro passado”). Parte do papel do historiador é usar de forma hábil e objetiva as muitas fontes do passado, mais frequentemente encontradas nos arquivos. O processo de criação de uma narrativa gera inevitavelmente debate, à medida que os historiadores relembram ou enfatizam diferentes acontecimentos do passado.[21]

 
A página de título da História do Mundo dos Historiadores

O estudo da história às vezes foi classificado como parte das humanidades, outras vezes como parte das ciências sociais.[22] Pode ser visto como uma ponte entre essas duas grandes áreas, incorporando metodologias de ambas. Alguns historiadores apoiam fortemente uma ou outra classificação.[23] No século XX, a Escola dos Annales revolucionou o estudo da história, ao usar disciplinas externas como economia, sociologia e geografia no estudo da história global.[24]

Tradicionalmente, os historiadores registram acontecimentos do passado, quer por escrito, quer através da transmissão de uma tradição oral, e tentam responder a questões históricas através do estudo de documentos escritos e relatos orais. Desde o início, os historiadores usaram fontes como monumentos, inscrições e imagens. Em geral, as fontes do conhecimento histórico podem ser separadas em três categorias: o que está escrito, o que é dito e o que é preservado fisicamente, e os historiadores consultam frequentemente todas as três.[25][26][27]

A arqueologia é especialmente útil para desenterrar locais e objetos enterrados, que contribuem para o estudo da história. Os achados arqueológicos raramente são isolados, com fontes narrativas complementando suas descobertas. As metodologias e abordagens da arqueologia são independentes do campo da história. A arqueologia histórica é um ramo específico da arqueologia que frequentemente contrasta suas conclusões com as de fontes textuais contemporâneas.[28]

Existem diversas formas pelas quais a história pode ser organizada, inclusive cronologicamente, culturalmente, territorialmente e tematicamente. Estas divisões não são mutuamente exclusivas e existem interseções significativas. É possível que os historiadores se preocupem tanto com o muito específico como com o muito geral, embora a tendência tenha sido para a especialização. A área denominada Grande História resiste a esta especialização e busca padrões ou tendências universais. A história tem sido frequentemente estudada com algum objetivo prático ou teórico, mas pode ser estudada por simples curiosidade intelectual.[29]

Pré-história

 Ver artigo principal: Pré-história

A história humana é a memória da experiência passada do Homo sapiens sapiens em todo o mundo, tal como essa experiência foi preservada, em grande parte em registos escritos. Por "pré-história", os historiadores entendem a recuperação do conhecimento do passado numa área onde não existem registos escritos, ou onde a escrita de uma cultura não é compreendida. Ao estudar pinturas, desenhos, esculturas e outros artefatos, algumas informações podem ser recuperadas mesmo na ausência de registro escrito. Desde o século XX, o estudo da pré-história é considerado essencial para evitar a exclusão implícita da história de certas civilizações, como as da África Subsaariana e da América pré-colombiana. Os historiadores do Ocidente têm sido criticados por se concentrarem desproporcionalmente no mundo ocidental.[30] Em 1961, o historiador britânico E. H. Carr escreveu:

A linha de demarcação entre os tempos pré-históricos e históricos é cruzada quando as pessoas deixam de viver apenas no presente e passam a interessar-se conscientemente tanto pelo seu passado como pelo seu futuro. A história começa com a transmissão da tradição; e tradição significa levar os hábitos e lições do passado para o futuro. Registros do passado começam a ser mantidos para o benefício das gerações futuras.[31]

Historiografia

 Ver artigo principal: Historiografia
 
A página de título de La Historia d'Italia

A historiografia tem vários significados relacionados.[32] Em primeiro lugar, pode referir-se à forma como a história foi produzida: a história do desenvolvimento de metodologias e práticas (por exemplo, a passagem de uma narrativa biográfica de curto prazo para uma análise temática de longo prazo). Em segundo lugar, pode referir-se ao que foi produzido: um corpo específico de escritos históricos (por exemplo, "historiografia medieval durante a década de 1960" significa "Obras de história medieval escritas durante a década de 1960").[32] Em terceiro lugar, pode referir-se à razão pela qual a história é produzida: a filosofia da história. Como uma análise das descrições do passado, esta terceira concepção pode relacionar-se com as duas primeiras na medida em que a análise geralmente se concentra nas narrativas, interpretações, cosmovisão, uso de evidências ou método de apresentação de outros historiadores. Há debate acadêmico sobre se a história pode ser ensinada como uma narrativa única e coerente ou como uma série de narrativas concorrentes.[33][34]

Métodos

 Ver artigo principal: Método histórico
 
Uma representação da antiga Biblioteca de Alexandria
Noções básicas do método histórico
As seguintes questões são usadas por historiadores no trabalho moderno.
  1. Quando a fonte, escrita ou não, foi produzida (data)?
  2. Onde foi produzido (localização)?
  3. Por quem foi produzido (autoria)?
  4. A partir de que material pré-existente foi produzido (análise)?
  5. Em que forma original foi produzido (integridade)?
  6. Qual o valor probatório do seu conteúdo (credibilidade)?

As quatro primeiras são conhecidas como crítica histórica; a quinta, crítica textual; e, em conjunto, críticas externas. A sexta e última pesquisa sobre uma fonte é chamada de crítica interna.

Os europeus escreveram e publicaram extensivamente para reunir uma "história universal" no início do período moderno. Este corpus escrito e oral na Europa inclui encontros etnográficos, filosofia comparada, bem como descobertas arqueológicas.[35]

Heródoto, do século V a.C.,[36] foi aclamado como o "pai da história". No entanto, credita-se ao seu contemporâneo Tucídides ter abordado a história pela primeira vez com um método histórico bem desenvolvido na obra História da Guerra do Peloponeso. Tucídides, ao contrário de Heródoto, considerava a história como o produto das escolhas e ações dos humanos e olhava para a causalidade, em vez do resultado da "intervenção divina" (embora o próprio Heródoto não estivesse totalmente comprometido com esta ideia).[36] Em seu método histórico, Tucídides enfatizou a cronologia, um ponto de vista nominalmente neutro, e que o mundo humano era o resultado de ações humanas. Os historiadores gregos viam a história como cíclica, com eventos recorrentes regularmente.[37]

Houve um uso sofisticado do método histórico na China antiga e medieval. A base para a historiografia profissional no Ásia Oriental foi estabelecida pelo historiador da corte Sima Qian (145–90 a.C.), autor dos Registros do Historiador (Shiji) e postumamente conhecido como o "pai da historiografia chinesa". Santo Agostinho foi influente no pensamento cristão e ocidental no início do período medieval. Durante a Idade Média e o Renascimento, a história era frequentemente estudada através de uma perspectiva sagrada ou religiosa. Por volta de 1800, o filósofo e historiador alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel trouxe a filosofia e uma abordagem mais secular ao estudo histórico.[29]

No prefácio de seu livro Muqaddimah (1377), o historiador e antigo sociólogo árabe Ibne Caldune alertou sobre 7 erros que ele pensava que os historiadores cometiam. Nesta crítica, ele abordou o passado como estranho e necessitado de interpretação. A originalidade de Caldune foi afirmar que a diferença cultural de outra época deve governar a avaliação do material histórico relevante, distinguir os princípios segundo os quais seria possível tentar a avaliação e sentir a necessidade de experiência, além de princípios racionais, a fim de avaliar uma cultura do passado. Caldune criticou a "superstição ociosa e a aceitação acrítica de dados históricos". Ele introduziu um método científico no estudo da história e referiu-se a ele como sua "nova ciência".[38] Seu método lançou as bases para a observação do papel do Estado, da comunicação, da propaganda e do preconceito sistemático na história,[39] e por isto é às vezes considerado o "pai da historiografia".[40][41] ou o "pai da a filosofia da história”.[42]

No mundo ocidental, os historiadores desenvolveram métodos modernos de historiografia nos séculos XVII e XVIII, especialmente na França e na Alemanha. Em 1851, Herbert Spencer resumiu estes métodos: "Dos sucessivos estratos de nossos depósitos históricos, eles [os historiadores] reúnem diligentemente todos os fragmentos altamente coloridos, atacam tudo o que é curioso e brilhante e riem como crianças de suas brilhantes aquisições; enquanto isto, as ricas veias de sabedoria que se ramificam em meio a esse inútil escombro, jazem totalmente negligenciados. Volumes pesados de lixo são acumulados avidamente, enquanto aquelas massas de minério rico, que deveriam ter sido escavadas, e das quais verdades douradas poderiam ter sido fundidas, são deixadas sem serem ensinadas e sem serem procuradas."[43] Por "minério rico" Spencer quis dizer a teoria científica da história. Enquanto isso, Henry Thomas Buckle expressou o sonho de que a história se tornasse uma ciência: "No que diz respeito à natureza, eventos aparentemente os mais irregulares e caprichosos foram explicados e demonstraram estar de acordo com certas leis fixas e universais. Isto tem sido feito porque homens de habilidade e, acima de tudo, homens de pensamento paciente e incansável estudaram os acontecimentos com o objetivo de descobrir a sua regularidade e se os acontecimentos humanos fossem submetidos a um tratamento semelhante, temos todo o direito de esperar resultados semelhantes.[44] Ao contrário do sonho de Buckle, o historiador do século XIX com maior influência nos métodos foi Leopold von Ranke, na Alemanha. Ele limitou a história "ao que realmente aconteceu" e, com isso, afastou o campo da ciência. Para Ranke, os dados históricos deveriam ser coletados cuidadosamente, examinados objetivamente e elaborados com rigor crítico. Mas estes procedimentos "são apenas os pré-requisitos e preliminares da ciência. O coração da ciência é procurar ordem e regularidade nos dados que estão sendo examinados e formular generalizações ou leis sobre eles."[45]

Como historiadores como Ranke e muitos que o seguiram o seguiram, não, a história não é uma ciência. Assim, se os historiadores nos dizem que, dada a maneira como pratica o seu ofício, este não pode ser considerado uma ciência, devemos acreditar na sua palavra. Se ele não estiver fazendo ciência, então, seja o que for que esteja fazendo, ele não estará fazendo ciência. O historiador tradicional não é, portanto, nenhum cientista e a história, tal como é convencionalmente praticada, não é uma ciência.[46]

No século XX, os historiadores acadêmicos concentraram-se menos em narrativas nacionalistas épicas, que muitas vezes tendiam a glorificar a nação ou os "grandes homens", e concentraram-se menos em análises mais objetivas e complexas das forças sociais e intelectuais. Uma tendência importante da metodologia histórica no século XX foi tratar a história mais como uma ciência social do que como arte, o que tradicionalmente acontecia. Os principais defensores da história como ciência social eram um conjunto diversificado de estudiosos que incluía Fernand Braudel e E. H. Carr. Muitos são conhecidos pela sua abordagem multidisciplinar, por exemplo, Braudel combinava história com geografia. No entanto, essas abordagens não conseguiram produzir uma teoria da história. Até agora, apenas uma teoria da história veio de um historiador profissional.[47]

Atualmente, a maioria dos historiadores inicia suas pesquisas nos arquivos, seja em plataforma física ou digital. Frequentemente, propõem um argumento e usam pesquisas para apoiá-lo. O historiador britânico John H. Arnold propôs que a história é um argumento que cria a possibilidade de criar mudanças.[4] Empresas de informação digital, como o Google, geraram controvérsia sobre o papel da censura na Internet no acesso à informação.[48]

Teoria marxista

 Ver artigo principal: Materialismo histórico

A teoria marxista do materialismo histórico teoriza que a sociedade é fundamentalmente determinada pelas condições materiais em um determinado momento - em outras palavras, as relações que as pessoas mantêm umas com as outras, a fim de satisfazer necessidades básicas, como alimentação, vestuário e moradia, para si e para suas famílias.[49] No geral, Karl Marx e Friedrich Engels afirmaram ter identificado cinco fases sucessivas do desenvolvimento destas condições materiais na Europa Ocidental.[50] A historiografia marxista já foi ortodoxia na União Soviética, mas desde o colapso do comunismo, a sua influência foi significativamente reduzida.[51]

Potenciais deficiências na produção da história

Muitos historiadores acreditam que a produção da história está impregnada de preconceitos porque os eventos e fatos conhecidos na história podem ser interpretados de várias maneiras. O historiador alemão Constantin Fasolt sugeriu que a história está ligada à política pela própria prática do silêncio.[52] Ele disse: "Uma segunda visão comum da ligação entre história e política repousa na observação elementar de que os historiadores são frequentemente influenciados pela política."[52] Segundo Michel-Rolph Trouillot, o processo histórico está enraizado nos arquivos, portanto os silêncios, ou partes da história que são esquecidas, podem ser uma parte intencional de uma estratégia narrativa que dita como as áreas da história são lembradas.[21] As omissões históricas podem ocorrer de várias maneiras e podem ter um efeito profundo nos registros históricos. As informações também podem ser excluídas propositalmente ou omitidas acidentalmente. Os historiadores cunharam vários termos que descrevem o ato de omitir informações históricas, incluindo: "silenciamento",[21] "memória seletiva",[53] e "apagamentos".[54] Gerda Lerner, uma historiadora do século XX que concentrou grande parte do seu trabalho nas omissões históricas envolvendo as mulheres e as suas realizações, explicou o impacto negativo que estas omissões tiveram sobre os grupos minoritários.[53]

O historiador ambiental William Cronon propôs três maneiras de combater preconceitos e garantir narrativas autênticas e precisas: as narrativas não devem contradizer fatos conhecidos, devem fazer sentido ecológico (especificamente para a história ambiental) e o trabalho publicado deve ser revisado pela comunidade acadêmica e outros historiadores para garantir responsabilidade.[54]

Áreas de estudo

Estudos e campos específicos
Estas são abordagens da história; não estão listadas histórias de outros campos, como história da ciência, história da matemática e história da filosofia .
  • História antiga: o estudo da história desde o início da história humana até o início da Idade Média.
  • História Atlântica: o estudo da história dos povos que vivem no Oceano Atlântico ou perto dele.
  • História da arte: o estudo das mudanças e do contexto social da arte.
  • História comparada: a análise histórica de entidades sociais e culturais não confinadas às fronteiras nacionais.
  • História contemporânea: o estudo dos acontecimentos históricos recentes.
  • História contrafactual: o estudo de eventos históricos como eles poderiam ter acontecido em diferentes circunstâncias causais.
  • História cultural: o estudo da cultura no passado.
  • História digital: o uso de tecnologias de computação para fazer pesquisas massivas em fontes publicadas.
  • História da economia: a utilização de modelos económicos adaptados ao passado.
  • História intelectual: o estudo das ideias no contexto das culturas que as produziram e seu desenvolvimento ao longo do tempo.
  • História marítima: o estudo do transporte marítimo e todos os assuntos relacionados.
  • História material: o estudo dos objetos e das histórias que eles podem contar.
  • História moderna: o estudo dos tempos modernos, a era pós-Idade Média.
  • História militar: o estudo da guerra, das guerras históricas e da história naval, que às vezes é considerada um sub-ramo da história militar.
  • História oral: coleta e estudo de informações históricas por meio de entrevistas faladas com pessoas que viveram eventos passados.
  • Paleografia: o estudo de textos antigos.
  • História popular: o trabalho histórico na perspectiva das pessoas comuns.
  • História política: o estudo da política no passado.
  • Psico-história: o estudo das motivações psicológicas dos acontecimentos históricos.
  • Pseudo-história: estudos sobre o passado que estão fora do domínio da história dominante (às vezes equivalente à pseudociência).
  • História social: o estudo do processo de mudança social ao longo da história.
  • História das mulheres: a história do ser humano feminino. A história de gênero está relacionada e abrange a perspectiva de gênero.
  • História mundial: o estudo da história a partir de uma perspectiva global, com especial atenção às sociedades não ocidentais.

Locais geográficos

 
Alegoria do reconhecimento do Império do Brasil e de sua independência. A pintura retrata o diplomata britânico Sir Charles Stuart apresentando sua carta credencial ao imperador Pedro I do Brasil, que está flanqueado por sua esposa Maria Leopoldina, sua filha Maria da Glória (mais tarde rainha Maria II de Portugal ), e outros dignitários. À direita, figura alada, representando a História, gravando o “grande acontecimento” numa lápide de pedra.[55]

Localizações geográficas específicas podem formar a base do estudo histórico, por exemplo, continentes, países e cidades. Compreender por que os eventos históricos ocorreram é importante. Para fazer isto, os historiadores recorrem frequentemente aos métodos e à teoria da disciplina da geografia.[56] Segundo Jules Michelet no seu livro Histoire de France (1833), "sem base geográfica, os povos, os fazedores da história, parecem andar no ar".[57] Os padrões climáticos, o abastecimento de água e a paisagem de um lugar afetam a vida das pessoas que ali vivem. Por exemplo, para explicar por que os antigos egípcios desenvolveram uma civilização bem-sucedida, é essencial estudar a geografia do Egito. A civilização egípcia foi construída às margens do rio Nilo, que inundava todos os anos, depositando solo em suas margens. O solo rico poderia ajudar os agricultores a cultivar culturas suficientes para alimentar as pessoas nas cidades. Isto significava que nem todos precisavam cultivar, então algumas pessoas poderiam realizar outros trabalhos que ajudassem a desenvolver a civilização. Há também o caso do clima, que historiadores como Ellsworth Huntington e Ellen Churchill Semple citaram como uma influência crucial no curso da história. Huntington e Semple argumentaram ainda que o clima tem impacto no temperamento racial.[58]

Política

 Ver artigo principal: História política

A história política abrange o tipo de governo, os ramos do governo, os líderes, a legislação, o ativismo político, os partidos políticos e a votação.[59]

Militar

 Ver artigo principal: História militar

A história militar diz respeito à guerra, às estratégias, às batalhas, às armas e à psicologia do combate.[60] Desde os anos 1970, a "nova história militar" tem-se preocupado mais com os soldados do que com os generais, com a psicologia mais do que com as táticas e com o impacto mais amplo da guerra na sociedade e na cultura.[61]

Religiosa

 Ver artigo principal: História da religião

A história da religião tem sido um tema principal para historiadores seculares e religiosos durante séculos e continua a ser ensinada em seminários e academias. Os principais periódicos incluem História da Igreja: Estudos do Cristianismo e Cultura, The Catholic Historical Review e History of Religions. Os tópicos variam amplamente, desde dimensões políticas, culturais e artísticas até teologia e liturgia.[62] Esta disciplina estuda religiões de todas as regiões e áreas do mundo onde os humanos viveram.[63]

Social

 Ver artigo principal: História social

A história social, às vezes chamada de "nova história social", é o campo que inclui a história das pessoas comuns e suas estratégias e instituições para lidar com a vida.[64] Em sua "era de ouro", nas décadas de 1960 e 1970, foi um campo de grande crescimento entre os acadêmicos e ainda está bem representada nos departamentos de história. Em duas décadas, de 1975 a 1995, a proporção de professores de história nas universidades estadunidenses que se identificam com a história social aumentou de 31% para 41%, enquanto a proporção de historiadores políticos caiu de 40% para 30%.[65] Nos departamentos de história das universidades britânicas em 2007, dos 5.723 membros do corpo docente, 1.644 (29%) identificaram-se com a história social, enquanto a história política veio em seguida com 1.425 (25%).[66] A “velha” história social antes da década de 1960 era uma miscelânea de tópicos sem um tema central e muitas vezes incluía movimentos políticos, como o populismo, que eram “sociais” no sentido de estarem fora do sistema de elite. A história social foi contrastada com a história política, a história intelectual e a história dos grandes homens. O historiador inglês G. M. Trevelyan via a história social como o ponto de ligação entre a história econômica e a história política, refletindo que, "sem história social, a história econômica é estéril e a história política ininteligível."[67] Embora o campo tenha sido frequentemente visto negativamente como a história com a política deixada de lado, também tem sido defendido como "a história com as pessoas recolocadas".[68]

Cultural

 Ver artigo principal: História cultural

A história cultural substituiu a história social como forma dominante nas décadas de 1980 e 1990. Normalmente combina as abordagens da antropologia e da história para examinar a linguagem, as tradições culturais populares e as interpretações culturais da experiência histórica. Examina os registros e descrições narrativas de conhecimentos, costumes e artes anteriores de um grupo de pessoas. A forma como os povos construíram a sua memória do passado é um tema importante. A história cultural inclui o estudo da arte na sociedade, bem como o estudo das imagens e da produção visual humana (iconografia).[69]

Diplomática

A história diplomática centra-se nas relações entre as nações, principalmente no que diz respeito à diplomacia e às causas das guerras.[70] Mais recentemente, analisa as causas da paz e dos direitos humanos. Normalmente apresenta os pontos de vista do Ministério das Relações Exteriores e os valores estratégicos de longo prazo, como a força motriz da continuidade e da mudança na história. Este tipo de história política é o estudo da condução das relações internacionais entre Estados ou através das fronteiras internacionais ao longo do tempo. A historiadora Muriel Chamberlain observa que após a Primeira Guerra Mundial, "a história diplomática substituiu a história constitucional como carro-chefe da investigação histórica, ao mesmo tempo o mais importante, mais exato e mais sofisticado dos estudos históricos".[71]

Econômica

 Ver artigo principal: História da economia

Embora a história económica esteja bem estabelecida desde o final do século XIX, nos últimos anos os estudos acadêmicos têm-se deslocado cada vez mais para os departamentos de economia e afastando-se dos departamentos de história tradicionais.[72] A história empresarial trata da história de organizações empresariais individuais, métodos de negócios, regulamentação governamental, relações trabalhistas e impacto na sociedade. Também inclui biografias de empresas, executivos e empreendedores individuais. Está relacionada à história econômica. A história dos negócios é ensinada com mais frequência nas escolas de negócios.[73]

Ambiental

 Ver artigo principal: História ambiental

A história ambiental é um novo campo que surgiu na década de 1980 para examinar a história do meio ambiente, especialmente no longo prazo, e o impacto das atividades humanas sobre ele.[74]

Mundo

A história-mundo é o estudo das principais civilizações dos últimos 3 mil anos ou mais. pE principalmente um campo de ensino, e não um campo de pesquisa. Ganhou popularidade nos Estados Unidos,[75] no Japão[76] e em outros países após a década de 1980, com a percepção de que os estudantes precisam de uma exposição mais ampla ao mundo à medida que a globalização avança. A World History Association publica o Journal of World History trimestralmente desde 1990.[77] A lista de discussão H-World[78] serve como uma rede de comunicação entre profissionais da história mundial, com discussões entre acadêmicos, anúncios, programas de estudos, bibliografias e resenhas de livros.

 Ver artigo principal: História popular

A história popular é um tipo de trabalho histórico que tenta explicar eventos históricos da perspectiva das pessoas comuns. A história de um povo é a história do mundo, que é a história dos movimentos de massa e dos estrangeiros. Indivíduos ou grupos não incluídos no passado em outros tipos de escrita sobre a história são o foco principal, que inclui os desprivilegiados, os oprimidos, os pobres, os não-conformistas e as pessoas de outra forma esquecidas. Os autores são tipicamente de esquerda e têm em mente um modelo socialista.[79]

Intelectual

 Ver artigo principal: História intelectual

A história intelectual e a história das ideias surgiram em meados do século XX, com o foco nos intelectuais e nos seus livros, por um lado, e por outro, no estudo das ideias como objetos desencarnados com uma carreira própria.[80][81]

Gênero

A história de gênero é um subcampo da História e dos estudos de gênero, que olha o passado a partir da perspectiva de gênero. O desenvolvimento da história do gênero a partir da história das mulheres resultou do fato de muitas historiadoras não feministas rejeitarem a importância das mulheres na história. De acordo com a historiadora estadunidense Joan W. Scott, "o gênero é um elemento constitutivo das relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos e o gênero é uma forma primária de significar as relações de poder",[82] o que significa que os historiadores de gênero estudam os efeitos sociais da percepção diferenças entre os sexos e como todos os gêneros usam o poder atribuído nas estruturas sociais e políticas. Apesar de ser um campo relativamente novo, a história de gênero teve um efeito significativo no estudo geral da história, mas difere tradicionalmente da história das mulheres na inclusão de todos os aspectos do tema, como a masculinidade e a feminilidade, e pessoas que se identificam fora desse binário. A história LGBT trata dos primeiros casos registrados de amor e sexualidade entre pessoas do mesmo sexo de civilizações antigas e envolve a história de povos e culturas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) em todo o mundo.[83]

Pública

 Ver artigo principal: História pública

A história pública descreve a ampla gama de atividades realizadas por pessoas com alguma formação na disciplina de história que geralmente trabalham fora de ambientes acadêmicos especializados. A prática da história pública tem raízes bastante profundas nas áreas de preservação histórica, arquivística, história oral, curadoria de museus e outros campos relacionados. O próprio termo começou a ser usado nos Estados Unidos e no Canadá no final da década de 1970 e a área tornou-se cada vez mais profissionalizada desde então. Alguns dos ambientes mais comuns para a história pública são museus, casas históricas e locais históricos, parques, campos de batalha, arquivos, empresas de cinema e televisão e todos os níveis de governo.[84]

Períodos

História
Pré-história Idade da Pedra

Paleolítico

Paleolítico Inferior c. 3,3 milhões - c. 300.000 a.C.
Paleolítico Médio c. 300.000 - c. 30.000 a.C.
Paleolítico Superior c. 30.000 - c. 10.000 a.C.
Mesolítico c. 13.000 - c. 9.000 a.C.

Neolítico

c. 10.000 - c. 3.000 a.C.
Idade dos Metais Idade do Cobre c. 3.300 - c. 1.200 a.C.
Idade do Bronze c. 3.300 - c. 700 a.C.
Idade do Ferro c. 1.200 a.C. - c. 1.000 d.C.
Idade Antiga Antiguidade Oriental c. 4.000 - c. 500 a.C.
Antiguidade Clássica c. 800 a.C. - 476 d.C.
Antiguidade Tardia c. 284 d.C. - c. 750
Idade Média Alta Idade Média 476 - c. 1000
Baixa Idade Média Idade Média Plena c. 1000 - c. 1300
Idade Média Tardia c. 1300 - 1453
Idade Moderna 1453 - 1789
Idade Contemporânea 1789 - hoje
 Ver artigo principal: Periodização da história

O estudo histórico geralmente se concentra em eventos e desenvolvimentos que ocorrem em determinados períodos de tempo. Os historiadores dão nomes a esses períodos de tempo para permitir que "ideias organizadoras e generalizações classificatórias" sejam usadas pelos historiadores.[85] Os nomes dados a um período podem variar de acordo com a localização geográfica, assim como as datas de início e fim de um determinado período. Séculos e décadas são períodos comumente usados e o tempo que representam depende do sistema de datação utilizado. A maioria dos períodos são construídos retrospectivamente e, portanto, refletem julgamentos de valor feitos sobre o passado. A forma como os períodos são construídos e os nomes que lhes são dados podem afetar a forma como são vistos e estudados.[86]

Periodização pré-histórica

O campo da história geralmente deixa a pré-história para os arqueólogos, que possuem conjuntos de ferramentas e teorias totalmente diferentes. Na arqueologia, o método usual de periodização do passado pré-histórico distante é basear-se em mudanças na cultura e tecnologia materiais, como a Idade da Pedra, a Idade do Bronze e a Idade do Ferro, com subdivisões que também se baseiam em diferentes estilos de restos materiais. Aqui a pré-história é dividida em uma série de "capítulos" para que os períodos da história possam se desenrolar não apenas em uma cronologia relativa, mas também em uma cronologia narrativa.[87]

Apesar do desenvolvimento, nas últimas décadas, da capacidade, através da datação por radiocarbono e de outros métodos científicos, de fornecer datas reais para muitos locais ou artefatos, parece provável que estes esquemas há muito estabelecidos continuem a ser utilizados. Em muitos casos, culturas vizinhas com escrita deixaram relatos sobre culturas sem escrita que podem ser usados. A periodização, no entanto, não é vista como uma estrutura perfeita, visto que "as mudanças culturais não começam e param convenientemente (combinadas) nos limites da periodização" e que diferentes trajetórias de mudança precisam ser estudadas por si mesmas antes de chegarem entrelaçada com fenômenos culturais.[88]

Historiadores

Historiador é um indivíduo que estuda e escreve sobre a história e é considerado uma autoridade neste campo.[89] Historiadores se preocupam com a narrativa contínua e metódica, e também com a narrativa que pode ser descontínua e subjetiva, bem como a pesquisa dos eventos passados relacionados ao ser humano,[90] e o estudo dos eventos ocorridos ao longo do tempo e também no espaço. Embora o termo historiador possa ser usado para descrever tanto os profissionais quanto os amadores da área, costuma ser reservado para aqueles que obtiveram uma graduação acadêmica na disciplina.[91] Alguns historiadores, no entanto, são reconhecidos unicamente com mérito em seu treinamento e experiência no campo.[91]

Pseudo-história

 Ver artigos principais: Pseudo-história e Negacionismo histórico

Pseudo-história é um termo aplicado a textos que pretendem ser de natureza histórica, mas que se afastam das convenções historiográficas padrão de uma forma que mina as suas conclusões. Está intimamente relacionado com o enganoso revisionismo histórico. Trabalhos que extraem conclusões controversas de evidências históricas novas, especulativas ou contestadas, particularmente nos campos de assuntos nacionais, políticos, militares e religiosos, são frequentemente rejeitados como pseudo-história.[92]

Ensino

Nacionalismo

Desde as origens dos sistemas escolares nacionais no século XIX, o ensino da história para promover o sentimento nacional tem sido uma grande prioridade. Nos Estados Unidos, após a Primeira Guerra Mundial, surgiu um forte movimento a nível universitário para ministrar cursos sobre a civilização ocidental, de modo a dar aos estudantes uma herança comum com a Europa. Nos Estados Unidos, depois de 1980, a atenção voltou-se cada vez mais para o ensino da história mundial ou para a exigência de que os alunos frequentassem cursos em culturas não ocidentais, a fim de preparar os alunos para a vida numa economia globalizada.[93]

O ensino de história nas escolas francesas foi influenciado pela Nouvelle histoire divulgada após a década de 1960 pelos Cahiers pédagogiques e Enseignement e outras revistas para professores. Também influente foi o Instituto Nacional de Pesquisa e Documentação Pedagógica (INRDP). Joseph Leif, o Inspetor-Geral da Formação de Professores, disse que os alunos devem aprender sobre as abordagens dos historiadores, bem como sobre fatos e datas. Louis François, Reitor do grupo de História/Geografia da Inspeção de Educação Nacional aconselhou que os professores fornecessem documentos históricos e promovessem "métodos activos" que proporcionassem aos alunos "a imensa felicidade da descoberta". Os defensores disseram que era uma reação contra a memorização de nomes e datas que caracterizava o ensino e deixava os alunos entediados. Os tradicionalistas protestaram ruidosamente que se tratava de uma inovação pós-moderna que ameaçava deixar a juventude ignorante do patriotismo francês e da identidade nacional.[94]

Viés no ensino escolar

 
Livros de história em uma livraria

Em vários países, os manuais de história são ferramentas para promover o nacionalismo e o patriotismo e fornecem aos alunos a narrativa oficial sobre os inimigos nacionais.[95]

Em muitos países, os manuais de história são patrocinados pelo governo nacional e são escritos para colocar o património nacional sob a luz mais favorável. Por exemplo, no Japão, a menção ao Massacre de Nanquim foi removida dos livros didáticos e toda a Segunda Guerra Mundial recebe um tratamento superficial, o que foi questionado por outros países.[96] Outro exemplo inclui a Turquia, onde não há menção ao Genocídio Arménio nos livros didáticos turcos.[97]

Era política padrão nos países comunistas apresentar apenas uma historiografia marxista rígida.[98][99]

Nos Estados Unidos, os livros didáticos publicados pela mesma empresa muitas vezes diferem em conteúdo de estado para estado.[100] Um exemplo de conteúdo que é representado de forma diferente nas diferentes regiões do país é a história dos estados do Sul, onde a escravidão e a Guerra de Secessão são tratadas como temas polêmicos. A McGraw-Hill Education, por exemplo, foi criticada por descrever num livro didático os africanos trazidos para as plantações americanas como "trabalhadores" em vez de escravos.[101]

Os historiadores acadêmicos têm frequentemente lutado contra a politização dos manuais escolares, por vezes com sucesso.[102][103]

Na Alemanha do século XXI, o currículo de história é controlado pelos 16 estados e é caracterizado não pelo superpatriotismo, mas sim por um "tom quase pacifista e deliberadamente antipatriótico" e reflete "princípios formulados por organizações internacionais como a UNESCO ou o Conselho da Europa, portanto orientado para os direitos humanos, a democracia e a paz." O resultado é que “os manuais alemães geralmente minimizam o orgulho e as ambições nacionais e visam desenvolver uma compreensão da cidadania centrada na democracia, no progresso, nos direitos humanos, na paz, na tolerância e na europeidade”.[104]

Ver também

Referências

  1. Joseph, Brian (Ed.); Janda, Richard (Ed.) (2008). The Handbook of Historical Linguistics. [S.l.]: Blackwell Publishing (publicado em 30 de Dezembro de 2004). p. 163. ISBN 978-1405127479 
  2. «What is History & Why Study It?». Consultado em 21 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2014 
  3. Prehistory Definition & Meaning. Consultado em 6 de dezembro de 2022 
  4. a b Arnold, John H. (2000). History: A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press. ISBN 019285352X 
  5. a b Professor Richard J. Evans (2001). «The Two Faces of E.H. Carr». History in Focus, Issue 2: What is History?. University of London. Consultado em 10 de novembro de 2008. Arquivado do original em 9 de agosto de 2011 
  6. Professor Alun Munslow (2001). «What History Is». History in Focus, Issue 2: What is History?. University of London. Consultado em 10 de novembro de 2008. Arquivado do original em 9 de agosto de 2011 
  7. Tosh, John (2006). The Pursuit of History 4th ed. [S.l.]: Pearson Education Limited. ISBN 978-1405823517 
  8. Stearns, Peter N.; Seixas, Peter Carr; Wineburg, Samuel S. (2000). Knowing, teaching, and learning history : national and international perspectives. [S.l.]: New York University Press. ISBN 978-0814781418 
  9. Nash l, Gary B. (2000). «The "Convergence" Paradigm in Studying Early American History in Schools». In: Peter N. Stearns; Peters Seixas; Sam Wineburg. Knowing Teaching and Learning History, National and International Perspectives. New York & London: New York University Press. pp. 102–115. ISBN 0814781411 
  10. Seixas, Peter (2000). «Schweigen! die Kinder!». In: Peter N. Stearns; Peters Seixas; Sam Wineburg. Knowing Teaching and Learning History, National and International Perspectives. New York & London: New York University Press. ISBN 978-0814781418 
  11. Lowenthal, David (2000). «Dilemmas and Delights of Learning History». In: Peter N. Stearns; Peters Seixas; Sam Wineburg. Knowing Teaching and Learning History, National and International Perspectives. New York & London: New York University Press. ISBN 978-0814781418 
  12. Halsall, Paul. «Ancient History Sourcebook: 11th Brittanica: Herodotus». Internet History Sourcebooks Project. Fordham University. Consultado em 3 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 27 de novembro de 2020 
  13. Vives, Juan Luis; Watson, Foster (1913). Vives, on education : a translation of the De tradendis disciplinis of Juan Luis Vives. [S.l.]: Cambridge : The University Press 
  14. Juan Luis Vives (1551). Ioannis Ludouici Viuis Valentini, De disciplinis libri 20. in tres tomos distincti, quorum ordinem versa pagella iudicabit. Cum indice copiosissimo (em latim). [S.l.]: apud Ioannem Frellonium 
  15. Majoros, Sotirios (2019). All About Me: The Individual (em inglês). [S.l.]: FriesenPress. ISBN 978-1525558016. Consultado em 10 de maio de 2022. Cópia arquivada em 30 de julho de 2022 
  16. ἱστορία
  17. Ferrater-Mora, José. Diccionario de Filosofia. Barcelona: Editorial Ariel, 1994.
  18. "history, n". OED Online. Oxford University Press, Dezembro de 2014. 9 de março de 2015.
  19. W.D. Whitney, (1889). The Century dictionary; an encyclopedic lexicon of the English language Arquivado em 2021-02-02 no Wayback Machine. p. 2842 Arquivado em 2021-01-20 no Wayback Machine.
  20. WordNet Search – 3.0 Arquivado em 17 setembro 2005 no Wayback Machine, "History".
  21. a b c Trouillot, Michel-Rolph (1995). «The Three Faces of Sans Souci: The Glories and the Silences in the Haitian Revolution». Silencing the Past: Power and the Production of History. Boston: Beacon Press. pp. 31–69. ASIN B00N6PB6DG 
  22. Gordon, Scott; Irving, James Gordon (1991). The History and Philosophy of Social Science. [S.l.]: Routledge. ISBN 0415056829 
  23. Ritter, H. (1986). Dictionary of concepts in history. Reference sources for the social sciences and humanities, no. 3. Westport, Conn: Greenwood Press. p. 416.
  24. Appelrouth, Scott; Edles, Laura Desfor (2010). Sociological Theory in the Contemporary Era: Text and Readings (em inglês). [S.l.]: Pine Forge Press. ISBN 978-1412987615. Consultado em 20 de julho de 2022. Cópia arquivada em 30 de julho de 2022 
  25. Lemon, Michael C. (1995). The Discipline of History and the History of Thought. [S.l.]: Routledge. ISBN 0415123461 
  26. Sinclair, A. (2016). «The Intellectual Base of Archaeological Research 2004–2013: A visualisation and analysis of its disciplinary links, networks of authors, and conceptual language». Internet Archaeology (42). doi:10.11141/ia.42.8  
  27. Sinclair, A. (2022). «Archaeological Research 2014 to 2021: an examination of its intellectual base, collaborative networks and conceptual language using science maps». Internet Archaeology (59). doi:10.11141/ia.59.10  
  28. Kristiansen, Kristian (2009). «The Discipline of Archaeology». The Oxford Handbook of Archaeology. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0191743443 
  29. a b Graham, Gordon (1997). «Chapter 1». The Shape of the Past. [S.l.]: Universidade de Oxford 
  30. Jack Goody (2007) The Theft of History Arquivado em 15 setembro 2015 no Wayback Machine (from Google Books)
  31. Carr, Edward H. (1961). What is History?. [S.l.]: Penguin Books. p. 108. ISBN 0140206523 
  32. a b «What is Historiography? – Culturahistorica.org». Consultado em 20 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2021 
  33. Ernst Breisach, Historiography: Ancient, medieval, and modern (University of Chicago Press, 2007).
  34. Georg G. Iggers, Historiography in the twentieth century: From scientific objectivity to the postmodern challenge (2005).
  35. Samuel Moyn; Andrew Sartori (2013). Global Intellectual History. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 5–6. ISBN 9780231160483 
  36. a b Lamberg-Karlovsky, C.C.; Jeremy A. Sabloff (1979). Ancient Civilizations: The Near East and Mesoamerica. [S.l.]: Benjamin-Cummings Publishing. ISBN 9780881338348 
  37. Lamberg-Karlovsky, C.C.; Jeremy A. Sabloff (1979). Ancient Civilizations: The Near East and Mesoamerica. [S.l.]: Benjamin-Cummings Publishing. ISBN 9780881338348 
  38. Ibn Khaldun; Rosenthal, Franz; Dawood, N.J. (1967). The Muqaddimah: An Introduction to History. [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 0691017549 
  39. H. Mowlana (2001). "Information in the Arab World", Cooperation South Journal, vol1
  40. Ahmed, Salahuddin (1999). A Dictionary of Muslim Names. [S.l.]: C. Hurst & Co. Publishers. ISBN 1850653569 
  41. Enan, Muhammed Abdullah (2007). Ibn Khaldun: His Life and Works. [S.l.]: The Other Press. ISBN 9789839541533 
  42. S.W. Akhtar (1997). "The Islamic Concept of Knowledge", Al-Tawhid: A Quarterly Journal of Islamic Thought & Culture 12 (3).
  43. Cited in Robert Carneiro, The Muse of History and the Science of Culture, New York: Kluwer Publishers, 2000, p 160.
  44. Muse of History, pp. 158–159.
  45. Muse of History, p 147.
  46. Muse of History, p 150.
  47. Max Ostrovski, The Hyperbole of the World Order, Lanham: Rowman & Littlefield, 2006.
  48. King, Michelle T. (2016). «Working With/In the Archives». Research Methods for History 2nd ed. Edinburgh: Edinburgh University Press 
  49. Ver, in particular, Marx and Engels, The German Ideology Arquivado em 2017-10-22 no Wayback Machine
  50. Marx makes no claim to have produced a master key to history. Historical materialism is not "an historico-philosophic theory of the marche generale imposed by fate upon every people, whatever the historic circumstances in which it finds itself" (Marx, Karl: Letter to editor of the Russian paper Otetchestvennye Zapiskym, 1877). His ideas, he explains, are based on a concrete study of the actual conditions that pertained in Europe.
  51. Mikhail M. Krom, "From the Center to the Margin: the Fate of Marxism in Contemporary Russian Historiography", Storia della Storiografia (2012) Issue 62, pp. 121–130
  52. a b Fasolt, Constantin (2004). The Limits of History. Chicago: University of Chicago Press. pp. xiii–xxi. ISBN 0226239101 
  53. a b Lerner, Gerda (1997). Why History Matters: Life and Thought. New York: Oxford University Press. pp. 199–211. ISBN 0195046447 
  54. a b Cronon, William (1992). «A Place for Stories: Nature, History, and Narrative». The Journal of American History. 78 (4): 1347–1376. JSTOR 2079346. doi:10.2307/2079346 
  55. Schwarcz, Lilia Moritz (1998). As barbas do imperador : D. Pedro II, um monarca nos trópicos . São Paulo: Companhia das Letras. 181 páginas. ISBN 85-7164-837-9 
  56. Bryce, James (1902). «The Importance of Geography in Education». The Geographical Journal. 23 (3): 29–32. JSTOR 1775737. doi:10.2307/1775737 
  57. Darby, Henry Clifford (2002). The Relations of History and Geography: Studies in England, France and the United States. Exeter: University of Exeter Press. ISBN 978-0859896993 
  58. Rao, B.V. (2007). World history from early times to AD 2000. New Delhi: Sterling Publishers Pvt. Ltd. ISBN 978-8120731882 
  59. Politics: The historical development of economic, legal, and political ideas and institutions, ideologies and movements. In The Dictionary of the History of Ideas.
  60. Howard, Michael; Bond, Brian; Stagg, J. C. A.; Chandler, David; Best, Geoffrey; Terrine (1988). «What is Military History ... ?». In: Juliet Gardiner. What is History Today ... ?. [S.l.]: Macmillan Education UK. pp. 4–17. ISBN 978-0333422267. doi:10.1007/978-1-349-19161-1_2. Consultado em 20 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 9 de junho de 2018 
  61. Pavkovic, Michael; Morillo, Stephen (2006). What is Military History?. Oxford: Polity Press. pp. 3–4. ISBN 978-0745633909 
  62. Cochrane, Eric (1975). «What Is Catholic Historiography?». Catholic Historical Review. 61 (2): 169–190. JSTOR 25019673 
  63. For example, see Gajano, Sofia Boesch; Caliò, Tommaso (1998). «Italian Religious Historiography in the 1990s». Journal of Modern Italian Studies. 3 (3): 293–306. doi:10.1080/13545719808454982 
  64. Peter Stearns, ed. Encyclopedia of Social History (1994)
  65. Haber, Stephen H.; Kennedy, David M.; Krasner, Stephen D. (1997). «Brothers under the Skin: Diplomatic History and International Relations». International Security. 22 (1). JSTOR 2539326. doi:10.1162/isec.22.1.34 
  66. «Teachers of History in the Universities of the UK 2007 – listed by research interest». Arquivado do original em 30 de maio de 2006 
  67. G.M. Trevelyan (1973). «Introduction». English Social History: A Survey of Six Centuries from Chaucer to Queen Victoria. [S.l.]: Book Club Associates. ISBN 978-0582484887 
  68. Mary Fulbrook (2005). «Introduction: The people's paradox». The People's State: East German Society from Hitler to Honecker. Londres: Yale University Press. ISBN 978-0300144246 
  69. Gervereau, Laurent, ed. (2006). Dictionnaire mondial des images [World Dictionary of Images]. Paris: Nouveau monde éd. ISBN 978-2847361858. (With 275 specialists from all continents, all specialities, all periods from prehistory to nowadays)  Gervereau, Laurent (2008). Images: Une histoire mondiale (em francês). Paris: Nouveau monde éd. ISBN 9782847363623 
  70. Watt, D. C.; Adams, Simon; Bullen, Roger; Brauer, Kinley; Iriye, Akira (1988). «What is Diplomatic History ... ?». In: Juliet Gardiner. What is History Today ... ? (em inglês). [S.l.]: Macmillan Education UK. pp. 131–142. ISBN 978-0333422267. doi:10.1007/978-1-349-19161-1_12. Consultado em 20 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2021 
  71. Muriel E Chamberlain, Pax Britannica'? British Foreign Policy 1789–1914 (1988) p. 1
  72. Robert Whaples, "Is Economic History a Neglected Field of Study?", Historically Speaking (April 2010) v. 11#2 pp. 17–20, with responses pp. 20–27
  73. Franco Amatori, and Geoffrey Jones, eds. Business History Around the World (2003) online edition Arquivado em 2009-06-19 no Wayback Machine
  74. J.D. Hughes, What is Environmental History (2006) excerpt and text search Arquivado em 22 abril 2016 no Wayback Machine
  75. Ainslie Embree and Carol Gluck, eds., Asia in Western and World History: A Guide for Teaching (M.E. Sharpe, 1997)
  76. Shigeru Akita, "World History and the Emergence of Global History in Japan", Chinese Studies in History, 2010, Vol. 43 Issue 3, pp. 84–96
  77. «Journal of World History». The History Cooperative. Consultado em 7 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 1 de maio de 2011 
  78. «H-World». H-Net. Consultado em 7 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 10 de março de 2011 
  79. Wade Matthews (2013). The New Left, National Identity, and the Break-up of Britain. [S.l.]: Brill. pp. 20–21. ISBN 978-9004253070. Consultado em 8 de maio de 2016. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2020 
  80. Grafton, Anthony (2006). «The History of Ideas: Precept and Practice, 1950–2000 and beyond» (PDF). Journal of the History of Ideas. 67 (1): 1–32. doi:10.1353/jhi.2006.0006. Consultado em 6 de dezembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 3 de junho de 2016 
  81. Horowitz, Maryanne Cline, ed. (2004). New Dictionary of the History of Ideas. 6. [S.l.: s.n.] 
  82. Wallach Scott, Joan (1988). «Gender: A Useful Category of Analysis». Gender and the Politics of History. New York: Columbia University Press. pp. 28–50. ISBN 0231188013 
  83. Morris, Bonnie J. «History of Lesbian, Gay, Bisexual and Transgender Social Movements». American Psychological Association. Consultado em 20 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2021 
  84. Glassberg, David (1996). «Public History and the Study of Memory». The Public Historian. 18 (2): 7–23. JSTOR 3377910. doi:10.2307/3377910 
  85. Marwick, Arthur (1970). The Nature of History. [S.l.]: The Macmillan Press LTD 
  86. Tosh, John (2006). The Pursuit of History. [S.l.]: Pearson Education Limited. pp. 168–169 
  87. Lucas, Gavin (2005). The Archaeology of Time. Oxon: Routledge. 50 páginas. ISBN 0415311977 
  88. Arnoldussen, Stijn (2007). A Living Landscape: Bronze Age Settlement Sites in the Dutch River Area (c. 2000–800 BC). Leiden: Sidestone Press. 468 páginas. ISBN 978-9088900105 
  89. "historian[ligação inativa]". Wordnet.princeton.edu. Visitado em 28 de junho de 2008
  90. LE GOFF, J.; LADURIE, L. R.; DUBY, G. et alii (1991). A Nova História. Lisboa, Edições 70.
  91. a b Herman, A. M. (1998). Occupational outlook handbook: 1998-99 edition. Indianapolis: JIST Works. pág. 525.
  92. «Joseph Goebbels On the "Big Lie"». www.jewishvirtuallibrary.org. Consultado em 27 de março de 2024 
  93. Jacqueline Swansinger, "Preparing Student Teachers for a World History Curriculum in New York", History Teacher, (Novembro de 2009), 43#1 pp. 87–96
  94. Abby Waldman, " The Politics of History Teaching in England and France during the 1980s", History Workshop Journal Issue 68, Autumn 2009 pp. 199–221 online
  95. Jason Nicholls, ed. School History Textbooks across Cultures: International Debates and Perspectives (2006)
  96. Claudia Schneider, "The Japanese History Textbook Controversy in East Asian Perspective", Annals of the American Academy of Political and Social Science, May 2008, Vol. 617, pp. 107–122
  97. Guillory, John (2015). The Common Core and the Evasion of Curriculum vol 130 ed. [S.l.]: PMLA. pp. 666–672 
  98. "Problems of Teaching Contemporary Russian History", Russian Studies in History, Winter 2004, Vol. 43 Issue 3, pp. 61–62
  99. Wedgwood Benn, David (2008). «Blackwell-Synergy.com». International Affairs. 84 (2): 365–370. doi:10.1111/j.1468-2346.2008.00708.x 
  100. Goldstein, Dana (12 de janeiro de 2020). «Two States. Eight Textbooks. Two American Stories.». The New York Times. Consultado em 5 de maio de 2020. Arquivado do original em 5 de maio de 2020 
  101. Fernandez, Manny; Hauser, Christine (5 de outubro de 2015). «Texas Mother Teaches Textbook Company a Lesson on Accuracy». The New York Times. Consultado em 14 de julho de 2018. Arquivado do original em 15 de julho de 2018 
  102. "Teaching History in Schools: the Politics of Textbooks in India", History Workshop Journal, April 2009, Issue 67, pp. 99–110
  103. Tatyana Volodina, "Teaching History in Russia After the Collapse of the USSR", History Teacher, February 2005, Vol. 38 Issue 2, pp. 179–188
  104. Simone Lässig and Karl Heinrich Pohl, "History Textbooks and Historical Scholarship in Germany", History Workshop Journal Issue 67, Spring 2009 pp. 128–129 online at project MUSE

Bibliografia

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Definições no Wikcionário
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias
  Cursos na Wikiversidade
Em inglês
  • Macrohistory — WORLD HISTORY and TIMELINE. Página visitada em 12 de Julho de 2014.
  • Best History Sites — Welcome To Best Of History Websites. Página visitada em 12 de Julho de 2014.
  • Fordham — Internet History Sourcebooks Project. Site da Universidade Fordham. Página visitada em 12 de Julho de 2014.
Em português