Interior do Rio de Janeiro

O Interior do estado do Rio de Janeiro ou interior fluminense é a região que abrange todo o estado do Rio de Janeiro, com exceção da metrópole.

Interior fluminense, em marfim.

A mais populosa cidade do interior do estado é Campos dos Goytacazes, com mais de 500 mil habitantes.[1]

O Rio Paraíba do Sul é o principal abastecedor de água dessa região, havendo ainda destaque para os rios Paraibuna, Piabanha, Rio Pomba, Rio Muriaé, e Rio Paquequer, todos eles tributários do Paraíba do Sul, que corre da Região do Médio Paraíba (no Sul), atravessando a Região Centro-Sul Fluminense até a Região Norte Fluminense, desaguando no Oceano Atlântico.

Carioca é o gentílico oficial do município do Rio de Janeiro, capital do estado do Rio de Janeiro, no Brasil, também podendo referir-se, como adjetivo, a tudo que pertence ao município do Rio de Janeiro, como por exemplo aos seus bairros. Popularmente, no entanto, é também aceito popularmente como gentílico de todo o estado do Rio de Janeiro e ao que se refere a ele, por exemplo em Campeonato Carioca de Futebol, mesmo sendo "fluminense" o gentílico oficial.

EconomiaEditar

O PIB (produto interno bruto) do estado do Rio de Janeiro em 2013 foi de 626,320 bilhões de reais (IBGE/2013), sendo 404,37 bilhões referentes à Região Metropolitana do Rio de Janeiro e 221,95 bilhões referentes ao interior (inclusa a região serrana).

Com uma força econômica superior à de países como a Eslováquia e mais de 3 vezes a do Uruguai, o interior fluminense tem atraído cada vez mais empresas da capital estadual e de outros estados, que buscam custos menores, espaço para crescer e infraestrutura que favoreça o escoamento da produção e possíveis expansões futuras, sem comprometimento de sua produção ou da localidade onde estão instaladas. Impostos com alíquotas mais baixas também costumam atrair esses investimentos, já que os municípios interioranos costumam fazer renúncias fiscais bem atrativas a novos negócios[carece de fontes?].

Esses fatores tornam a região um polo de investimentos industriais que tem atraído muitas empresas, principalmente para o espaço produtivo formado por municípios da Mesorregião Sul Fluminense: Volta Redonda, Resende e Barra do Piraí.

Essa área é fortemente industrializada na região do Médio Paraíba e caracteriza-se por sua economia forte e bastante diversificada, sendo marcante a presença de indústrias de transformação na área siderúrgica, metalúrgica, têxtil, de energia elétrica (hidrelétrica, termoelétrica e nuclear) e automobilística, além de agropecuária leiteira.

O Norte Fluminense é responsável por 87% do petróleo nacional, e as cidades que mais se destacam são: Campos dos Goytacazes, maior cidade do interior fluminense, tanto em área quanto em população, e Macaé, ambas entre as mais ricas do Brasil devido à prospecção petroleira. A indústria ceramista e a de açúcar e álcool também se destacam.

No Noroeste Fluminense, a agropecuária e a fruticultura são as principais atividades econômicas, tendo, ainda, a extração de pedras ornamentais ganhado espaço em algumas cidades, como Santo Antônio de Pádua.

Na Região Serrana, estão algumas importantes cidades voltadas para o turismo, como Petrópolis (Cidade Imperial, com seu casario histórico preservado), Teresópolis (que abriga a Granja Comary, local de treinamento da Seleção Brasileira de Futebol, e o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, local de onde pode ser melhor avistado o Dedo de Deus, com 1 692 metros de altitude e que, na verdade, situa-se em Guapimirim), e Nova Friburgo, a "Suíça Brasileira", com seus restaurantes, suas cachoeiras e suas montanhas, como a Pedra do Cão Sentado (2 111 metros), Pico da Caledônia (2 219 metros de altitude) e os Três Picos de Salinas, maior elevação da Serra do Mar na região, com 2 310 metros de altitude.

A Região dos Lagos atrai grande quantidade de turistas, principalmente nos meses de verão. Os turistas procuram por algumas das mais belas praias do litoral fluminense, cabendo registrar as cidades de Armação dos Búzios (balneário reconhecido internacionalmente), Cabo Frio, Araruama, Arraial do Cabo, São Pedro da Aldeia, Saquarema (destino dos praticantes de surfe) e Iguaba Grande.

TransportesEditar

O interior do Rio de Janeiro conta com uma razoável porém eficiente rede de transportes, tendo, como eixos principais, as rodovias Presidente Dutra (BR-116), Lúcio Meira (BR-393), Amaral Peixoto (RJ-106), Saturnino Braga (RJ-155) entre Barra Mansa e Angra dos Reis, Rodovia Mario Covas BR-101, que corta o litoral do estado de Norte a Sul, bem como a Rodovia Washington Luís (BR-040), ligando a cidade do Rio de Janeiro a Juiz de Fora em Minas Gerais, Rodovia João Goulart (RJ-116), ligando a cidade de Itaboraí, na Região Metropolitana a Itaperuna, no Noroeste Fluminense, passando por Nova Friburgo, na Região Serrana, e dezenas de outras estradas estaduais que garantem acesso (com calçamento) a todas as cidades interioranas.

Além do sistema rodoviário, a região também conta com os aeroportos internacionais de Cabo Frio e de Macaé, e aeroportos domésticos em Angra dos Reis, Campos dos Goytacazes e Resende, estando em processo licitatório o de Volta Redonda.

Na área portuária, ficam, nessa região, os portos de Angra dos Reis, o Porto do Forno, em Arraial do Cabo e em projeto o de Açu, em São João da Barra, além de outros portos menores e terminais de minérios e petróleo nas cidades litorâneas.

EducaçãoEditar

O interior do Rio de Janeiro possui diversas instituições de ensino, tanto médio como superior, sendo em grande parte privada. As universidades públicas de destaque nessa região são os campi da Universidade Federal Fluminense (com sede em Niterói) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (com sede na capital) e a sede da Universidade Estadual do Norte Fluminense, em Campos dos Goytacazes. A rede federal de educação profissional também está presente em diversos municípios fluminenses por meio do Instituto Federal Fluminense, ofertando cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação.

Municípios do interior do Rio de Janeiro por área urbanaEditar

[2][3]

Posição entre os 92 municípios do Estado do RJ Município Área
urbana
(km²)[4]
2 Campos dos Goytacazes 222,468
5 Petrópolis 165,76
9 Araruama 114,636
12 Saquarema 87,371
13 Macaé 78,517
15 Angra dos Reis 65,8
16 Volta Redonda 65,492
17 Teresópolis 64,318
18 Barra Mansa 57,07
19 Nova Friburgo 49,899
20 Resende 48,217
22 Cabo Frio 47,633
24 São Pedro da Aldeia 43,315
27 Rio das Ostras 32,997
28 Barra do Piraí 31,824
29 Armação dos Búzios 29,998
30 São Francisco de Itabapoana 29,225
32 São João da Barra 26,518
34 Itaperuna 25,546
35 Cachoeiras de Macacu 25,291
36 Três Rios 24,957
37 Iguaba Grande 20,019
38 Rio Bonito 18,42
39 Miguel Pereira 18,03
41 Itatiaia 17,215
42 Valença 16,883
43 Porto Real 15,487
44 Paty do Alferes 14,859
45 Mangaratiba 14,493
47 Paraty 12,914
48 Santo Antônio de Pádua 12,202
49 Piraí 11,929
50 Paraíba do Sul 11,75
51 Arraial do Cabo 11,443
52 Vassouras 9,9
53 Silva Jardim 9,886
54 São José do Vale do Rio Preto 9,686
56 Bom Jesus do Itabapoana 9,484
57 Casimiro de Abreu 8,664
59 Sapucaia 7,786
60 Conceição de Macabu 7,61
61 São Fidélis 6,877
62 Rio Claro 6,805
63 Bom Jardim 6,178
64 Itaocara 6,128
65 Miracema 6,019
66 Aperibé 5,978
67 Areal 5,563
68 Pinheiral 5,396
69 Quissamã 5,287
70 Cordeiro 4,972
71 Carapebus 4,954
72 Natividade 4,81
73 Cantagalo 4,785
74 Engenheiro Paulo de Frontin 4,395
75 Cambuci 4,164
76 Mendes 4,144
77 Italva 4,129
78 Cardoso Moreira 3,919
79 Quatis 3,708
80 Porciúncula 3,6
81 Carmo 3,285
82 Santa Maria Madalena 3,261
83 Comendador Levy Gasparian 3,226
84 Trajano de Moraes 3,194
85 Sumidouro 3,113
86 Duas Barras 3,101
87 Rio das Flores 2,787
88 São Sebastião do Alto 1,911
89 Varre-Sai 1,716
90 Laje do Muriaé 1,401
91 Macuco 1,154
92 São José de Ubá 0,98
Total (km²) 3 949,677

DemografiaEditar

Principais cidadesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  Este artigo sobre geografia do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.