Abrir menu principal

Wikipédia β

Nova Friburgo

Município no Estado do Rio de Janeiro
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Nova Friburgo é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro, Região Sudeste do país. Sua população estimada em 2017 era de 185 381 habitantes.[3] Localiza-se no centro-norte do estado, a 22º16'55" de latitude sul e 42º31'52" de longitude oeste, a uma altitude média de 985 metros,[6] distando 136 km da capital fluminense. Ocupa uma área de 933,414 km². Compreende os distritos de Riograndina, Campo do Coelho, Amparo, Lumiar, Conselheiro Paulino, São Pedro da Serra e Mury.

Município de Nova Friburgo
"Capital Nacional da Moda Íntima"
"Friburgo"
"Suíça Brasileira

"Friba"
"

Nova Friburgo vista a partir do Instituto Politécnico do Rio de Janeiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Nova Friburgo vista a partir do Instituto Politécnico do Rio de Janeiro da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Bandeira de Nova Friburgo
Brasão de Nova Friburgo
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 16 de maio de 1818 (200 anos)
Gentílico friburguense
Prefeito(a) Renato Bravo (PP)
Localização
Localização de Nova Friburgo
Localização de Nova Friburgo no Rio de Janeiro
Nova Friburgo está localizado em: Brasil
Nova Friburgo
Localização de Nova Friburgo no Brasil
22° 16' 55" S 42° 31' 51" O22° 16' 55" S 42° 31' 51" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Região
intermediária

Petrópolis IBGE/2017[1]

Região
imediata

Nova Friburgo IBGE/2017[1]

Municípios limítrofes Bom Jardim, Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Abreu, Duas Barras, Macaé, Silva Jardim, Sumidouro, Teresópolis e Trajano de Morais
Distância até a capital 136 km
Características geográficas
Área 933,414 km² [2]
População 185 381 hab. estatísticas IBGE/2017[3]
Densidade 198,61 hab./km²
Altitude 846 m
Clima tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,745 (11º) – elevado PNUD/2010[4]
PIB R$ 4 423 753,75 mil IBGE/2015[5]
PIB per capita R$ 23 939,88 IBGE/2015[5]
Página oficial
Prefeitura www.novafriburgo.rj.gov.br/

As principais atividades econômicas são baseadas em: indústria metalúrgica, moda íntima, olericultura, caprinocultura e indústria (têxteis, vestuário) e turismo. É também a cidade mais fria do estado. No dia 1º de setembro, foi oficialmente declarado que Nova Friburgo é a Suíça Brasileira. O governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, sancionou a lei de autoria do deputado Samuel Malafaia, que homenageia a cidade. A lei entrou em vigor em 4 de setembro, após ser publicada no Diário Oficial do Estado.[7]

Índice

HistóriaEditar

 
Barão e Baronesa de Nova Friburgo

Até 1755, a região da atual Nova Friburgo era habitada por índios goitacases e puris[8][9] e portugueses. Em 16 de maio de 1818, o Rei Dom João VI, sentindo a necessidade de estreitar os laços de amizades com os povos germânicos a fim de obter apoio contra o Império Francês, propôs uma colonização planejada, a fim de promover e dilatar a civilização do Reino do Brasil. Baixou, então, um decreto que autorizou o agente do Cantão de Fribourg, na Suíça, Sebastien Nicolas Gachet, a estabelecer uma colônia de cem famílias suíças na Fazenda do Morro Queimado, no Distrito de Cantagalo, localidade de clima e características naturais semelhantes às de seu país de origem. Entre 1819 e 1820, a região foi colonizada por 265 famílias suíças, totalizando 1 458 imigrantes. Foi batizada pelos suíços com o nome de Nova Friburgo, em homenagem à cidade de onde partiu a maioria das famílias, Fribourg ("Friburgo" em português, "Fribourg" em francês, "Freiburg" em alemão, idioma em que foi criado o nome da cidade a partir das palavras "frei" - livre e " burg" - castelo/forte), no Cantão de Fribourg. Foi, também, o primeiro município no Brasil colonizado por alemães, tendo estes imigrantes, ao todo 456, chegado à cidade em 3 de maio de 1824,[10] três meses antes que imigrantes alemães chegassem à cidade de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Nova Friburgo foi a primeira colônia não lusitana a ser fundada no Brasil em caráter oficial.[11]

Foi nomeado inspetor da projetada colônia o monsenhor Pedro Machado de Miranda Malheiros, que, de imediato, tratou da aquisição dos terrenos necessários à dita empresa; adquiriu duas datas de terra com meia légua de testada cada uma, pertencentes a Manuel de Sousa Barros e a José Antônio Ferreira Guimarães, e também a sesmaria chamada Morro Queimado, que pertencera a Lourenço Correia Dias, na qual, mercê de seu clima ameno e da sua situação topográfica, foi instalada a sede da colônia que tomou o nome de Nova Friburgo. Seus limites eram Santo Antonio de Sá, Cachoeiras de Macacu, Magé, Paraíba do Sul, Minas Gerais, trecho onde hoje localiza-se a cidade de Além Paraíba, Cantagalo, Macaé e Cabo Frio, onde se localiza nos dias atuais o município de Silva Jardim.

Entre 1819 e 1820, chegavam a Nova Friburgo 261 famílias de colonos suíços, 161 a mais do que havia sido combinado nos contratos, formando-se assim o núcleo inicial da povoação. Sabendo o quão promissora era a cooperação desses estrangeiros para com a nova pátria, o Governo Real subscreveu, a 3 de janeiro de 1820, um alvará elevando Nova Friburgo à categoria de vila, desmembrando, para isso, suas terras das de Cantagalo. A instalação da vila deu-se a 17 de abril desse mesmo ano.

 
Nova Friburgo durante sua colonização suíça e alemã, 1820-1830.

Após a proclamação da Independência do Brasil (1822), o Governo Imperial enviou o major George Antônio Scheffer à Alemanha a fim de ali contratar a vinda de imigrantes para as colônias de Leopoldina e Frankenthal estabelecidas na então Província da Bahia desde 1816, às margens dos rios Caravelas e Viçosa. Por motivos ignorados esses colonos acabaram sendo enviados a Nova Friburgo, onde chegaram a 3 e 4 de maio de 1824; eram oitenta famílias - encabeçadas pelo pastor Frederico Sauerbronn - que foram recebidas por Monsenhor Miranda, então readmitido no cargo de inspetor, do qual se exonerara. Esse sistema especial de administração da colônia por intermédio de um Inspetor designado pelo Governo Imperial vigorou até 1831; a partir desse ano a jurisdição passou a ser superintendida pela Câmara da Freguesia, a exemplo das outras vilas brasileiras.

 
Nova Friburgo, década de 1960. Arquivo Nacional.

Finalmente, a 8 de janeiro de 1890, Nova Friburgo foi elevada à categoria de cidade, tendo sua população aumentado com a chegada de imigrantes italianos, portugueses e sírios. Em 1872, o Barão de Nova Friburgo trouxe, até a região, os trilhos da Estrada de Ferro Leopoldina, a fim de escoar a produção de café proveniente de Cantagalo, que durante um longo período era a maior do gênero no mundo, levando em consideração a proporção por município, correspondendo a média de 70% do território. A partir de 1910, Nova Friburgo, que, até então, devia o seu progresso ao desenvolvimento da agricultura e ao seu clima seco ideal para município de veraneio, viu chegar vários cidadãos de iniciativa, tais como Conselheiros Julius Arp, Maximilian Falck e William Peacock Denis, que foram os pioneiros da era industrial friburguense. A estes, se juntaram outros elementos de valor, provocando o surto de progresso verificado até meados da década de 1980. Os investimentos por conta da industrialização da região serrana pararam a medida que o grande negócio passou a ser a extração de petróleo na Bacia de Campos; o grande parque industrial não saiu do papel, a ideia de tornar Nova Friburgo um polo regional com rodovias de proporções e estruturada para absorver o desenvolvimento, a melhoria dos meios de comunicação com as cidades do Rio de Janeiro e Niterói demoraram anos e a indústria de turismo incorporou-se às demais fontes de renda da municipalidade. Paralelamente, manteve-se o comércio local, uma das fontes de renda da comunidade. A ferrovia foi desativada no final da década de 1960. Porém, existe uma indicação legislativa de autoria do deputado Rogério Cabral (Partido Socialista Brasileiro), em trâmite desde 2007, para trazer de volta essa modalidade de transporte, que ligaria as cidades de Nova Friburgo e Cachoeiras de Macacu, com fins turísticos.

SubdivisãoEditar

RegiõesEditar

O município se estende de sul a norte, em comprimento. As primeiras informações sobre a cidade contam que os imigrantes chegaram à Fazenda do Morro Queimado pelas encostas do Pico da Caledônia, por isso a região do Cônego possivelmente é uma das primeiras colonizadas da região.

Nova Friburgo pode ser dividida nas regiões norte (Conselheiro Paulino e Riograndina), sul (Olaria e Mury), oeste (Campo do Coelho e Conquista) e leste (Amparo, Lumiar e São Pedro da Serra).

Distritos
 
Distrito de Lumiar, arredores de Nova Friburgo

Compreende os distritos:[12]

A grande concentração da população em Nova Friburgo está distribuída no centro da cidade e entorno (Cordoeira, Ypú, Perissê, Paissandú, Vila Guarani, Village), nos bairros de Olaria (Cônego, Cascatinha, Bela Vista, Parque São Clemente); Varginha (Ponte da Saudade, Parque Dom João VI, Parque Imperial, Santa Luzia, Ouro Verde, Lucerne, Oscar Shultz, Fazenda Bela Vista, Curuzu, Nova Suíça, Sans Souci); São Geraldo (Santa Bernadete, Solares, Nilo Martins, Nova Esperança); Chácara do Paraíso (Jacina, Novo Horizonte, Bom Jesus, Vale do Paraíso); Duas Pedras (Villa Nova, Loteamento São João, Córrego D'Antas); e no distrito de Conselheiro Paulino e seu entorno (Prado, Jardim Ouro Preto, Santo André, São Jorge, Jardim Califórnia e Floresta).

Histórico das subdivisõesEditar

Até 1838, só havia um distrito em Nova Friburgo, cujo território se estendia até as divisas com Magé, Paraíba do Sul, Minas Gerais, Cantagalo, Macaé, Cabo Frio, Santo Antônio de Sá, quando, pela deliberação de 13 de outubro daquele ano, foi criado um segundo distrito, com a denominação de Nossa Senhora do Paquequer "Sumidouro".

Em 9 de setembro de 1844, houve uma nova divisão administrativa cuja deliberação determinou a criação de mais distritos:

  • 1° distrito - freguesia de São João Batista.
  • 2° distrito - freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Paquerer.
  • 3° distrito - freguesia da Aparecida

No dia 4 de fevereiro de 1863, foi criado o distrito de Nossa Senhora da Conceição de Sebastiana. Posteriormente outros distritos foram criados, mas a área do município de Nova Friburgo sofreu grande diminuição com a cessão de mais partes do seu território para formação de outros municípios como Sapucaia, Teresópolis, Carmo, Sumidouro, Bom Jardim e outras pequenas porções para organizar a divisão territorial. Os demais distritos de Nova Friburgo foram surgindo à medida que pequenas vilas foram crescendo e se unindo em aglomerados urbanos maiores e a terem maior importância política. A lei n° 1809, de 25 de janeiro de 1924, estabeleceu novo ordenamento dos distritos no município de Nova Friburgo com as seguintes denominações: 1° Cidade (atual cidade de Nova Friburgo); 2° Estação do Rio Grande; 3° Distrito de Terras Frias, com sede em Campo do Coelho; 4° Amparo e 5° São Pedro.

A lei n° 2181 de 16 de novembro de 1927 criou o 6° distrito com o nome de Galdinópolis (homenagem ao líder político da cidade Galdino do Vale), com terras desmembradas do atual 5° distrito de Lumiar e que foi logo extinto pelo decreto n° 19.398 de 29 de janeiro de 1931, sendo seu território novamente incorporado ao atual 5° distrito de Lumiar.

O 5° distrito de Lumiar, antiga freguesia de São João Batista de Nova Friburgo, como um dos mais antigos distritos de Nova Friburgo, foi parte do antigo 5° distrito de São Pedro, que tinha sede em São Pedro da Serra, que era denominado como São Pedro de Lumiar. Foi constituído no dia 6 de abril de 1889, passando no dia 18 de outubro do mesmo ano, também a distrito de paz.

Entre 1909 e 1987 houve mudanças sucessivas entre as hoje vilas de Lumiar e São Pedro de Lumiar como sede do 5° distrito.

A lei municipal n° 2107, de 2 de abril de 1987, de autoria do então vereador Benício Valladares, criou o 7° distrito do município de Nova Friburgo com o topônimo de São Pedro da Serra, com terras desmembradas dos atuais 4° distrito - Amparo e 5° distrito - Lumiar.

GeografiaEditar

 
Pico Maior de Friburgo - Ponto culminante da Serra do Mar - 2 366 m.

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[13] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Petrópolis e Imediata de Nova Friburgo.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Nova Friburgo, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Centro Fluminense.[14]

Nova Friburgo localiza-se a 846 m de altitude na sede do município, representado por um marco de ferro aos pés da estátua de Alberto Braune, no centro da Praça Getúlio Vargas. Outro marco importante de Nova Friburgo é o ponto geodésico aos pés de Getúlio Vargas, na mesma praça, que representa o ponto exato onde fica o centro do estado do Rio de Janeiro.

Em alguns bairros e distritos do município a altitude chega até 1000 m ou mais, como os bairros do Caledônia, alguns trechos da estrada Mury-Lumiar (RJ-142) e o Alto de Theodoro de Oliveira. Existem trechos da cidade, como a localidade de São Romão, em Lumiar, em que a altitude chega a 300 metros, uma extrema na serra.

O ponto culminante do município é o Pico Maior de Friburgo, com altitude de 2 366 metros, sendo, também, o ponto culminante de toda a Serra do Mar. Também merece menção o Pico da Caledônia, cuja altitude chega a 2 257 metros.[15]

HidrografiaEditar

O município de Nova Friburgo é banhado pelas bacias do rio Grande, rio Bengalas, dos ribeirões de São José e do Capitão e do rio Macaé. Os principais rios que cortam o centro da cidade são o Santo Antônio, Cônego e Bengalas, que se forma após o encontro destes rios.

O rio Cônego nasce da junção do córrego Caledônia, córrego Bambuaçú e do rio Cascatinha, no mesmo bairro. Percorre os bairros da Cascatinha, Santo Antônio, Cônego, Olaria, Bela Vista, em sua parte baixa e centro.[16]

Já o rio Santo Antônio nasce no bairro do Debossan, corta as localidades de Mury, Ponte da Saudade, Bairro Ypú e centro, e juntamente com o rio Cônego forma o rio Bengalas.[16]

O rio Bengalas, durante seu percurso entre o centro da cidade e a cidade de Bom Jardim, recebe as águas dos pequenos córregos que vêm das partes altas da cidade, principalmente dos bairros Braunes, Tingly e ainda as águas do córrego do Relóge ou relógio, do córrego dos Inhames e do córrego D'Antas. Deságua no rio Grande, no distrito bomjardinense de Banquete.[16]

O rio Macaé nasce na localidade de Macaé de Cima, distrito de Muri, e segue rumo ao leste do município, em direção a Lumiar. Em Lumiar, recebe as águas de diversos rios, como o rio Bonito e o rio São Pedro. Possui diversos trechos cheios de cachoeiras, o que propicia a prática de esportes radicais, como o rafting, boiacross e a canoagem, que fazem de Lumiar um dos mais importantes redutos de esportes radicais do estado, com competições como os Circuitos Estadual e Nacional de Canoagem, muito concorridos.[16]

 
Cachoeira dos Frades

O rio Grande nasce na Serra do Morro Queimado, no bairro de São Lourenço, localizado no terceiro distrito de Nova Friburgo, Campo do Coelho, zona rural da cidade. Rio que banha as áreas rurais da cidade cortando bairros como Conquista, Campo do Coelho, Rio Grande de Cima e o distrito de Riograndina, o Grande é um dos mais importantes afluentes do Paraíba do Sul, rio que nasce em São Paulo e deságua em São João da Barra, no nordeste fluminense, cortando os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.[16] Sofre com a erosão causada pelas enxurradas e por causa das construções irregulares às suas margens. A poluição também prejudica a saúde do rio, já que um dos mais importantes mananciais de abastecimento de Nova Friburgo e de quase toda região serrana norte depende dele. Ao longo de seu curso até o Paraíba recebe dejetos industriais e residenciais de vários municípios, tais como Bom Jardim, Cordeiro, Macuco, Trajano de Moraes e São Sebastião do Alto. Recebe águas de vários rios importantes como o rio Negro, que nasce em Duas Barras e forma, junto com o Grande, o rio Dois Rios, na divisa entre Itaocara e São Fidélis, norte do estado.

A maioria dos rios existentes na Serra dos Órgãos têm suas precipitações geradas nas montanhas de Nova Friburgo, como é o caso dos rios Macacu, Guapiaçu, São João e Capivari, entre outros. Os ribeirões de São José e do Capitão nascem no Morro do Curuzu em Varginha, cortando grande área rural da localidade e do Distrito do Amparo. O Capitão deságua no São José, que por sua vez deságua no rio Grande, já na cidade de Bom Jardim.

Trata-se de rios poluídos, devido à grande quantidade de agrotóxicos lançados in natura pelos lavradores e pela falta de saneamento básico nas regiões, onde o esgoto domiciliar é lançado sem qualquer tratamento em suas águas. Mas isso está mudando, pois já foi inaugurada a primeira estação de tratamento de esgoto, localizada no bairro de Olaria, que trata trinta por cento do esgoto do município.

ClimaEditar

 
Geada aos arredores do Parque Estadual dos Três Picos em Nova Friburgo no ano de 2011.

Nova Friburgo possui um clima tropical de altitude (Cwb de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger), com invernos frescos e secos e verões agradáveis e úmidos.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 2003, a menor temperatura registrada em Nova Friburgo foi de 1 °C em quatro ocasiões, duas em junho de 1968, nos dias 1° e 28, e as demais em 7 de junho de 1969 e 22 de julho de 1981.[17] Porém, fora desse período, mais recentemente, em 8 de agosto de 2014, a temperatura mínima no município, na estação automática do mesmo instituto, foi de -1,1 °C.[18] O recorde de maior temperatura é de 36 °C em 17 de novembro de 1985.[19]

Ainda de acordo com o INMET, nos períodos de 1961 e 1983 e 2002 a 2003, o maior acumulado de precipitação em 24 horas atingiu de 165,4 mm em 16 de dezembro de 1966. Outros grandes acumulados foram 125,8 mm em 20 de outubro de 1962, 113 mm em 24 de janeiro de 1964, 108,6 mm em 13 de janeiro de 1978, 105,6 mm em 28 de novembro de 1978 e 103,8 mm em 24 de dezembro de 1966.[20] Janeiro de 1964, com 503,7 mm, foi o mês de maior precipitação.[21]

Dados climatológicos para Nova Friburgo
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 35,2 33,3 35,8 33,6 32,2 29,4 30,2 33 33,6 35 36 34 36
Temperatura máxima média (°C) 27,9 28,5 27 26,1 23,7 22,5 22,2 23,2 23,5 25 25,8 26,2 25,1
Temperatura mínima média (°C) 17,8 17,7 17,5 16,1 13 10,6 9,9 10,8 12,9 14,9 16,2 17 14,5
Temperatura mínima recorde (°C) 10 7 9,1 3,6 1,3 1 1 2 2 6,6 5,3 9,2 1
Precipitação (mm) 232,1 165,2 154,6 61,4 39,8 32,3 24,7 23,7 52,4 86,3 186,1 221,2 1 279,8
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 14 11 11 7 5 5 4 3 5 9 12 14 100
Umidade relativa compensada (%) 77 78 78 82 82 83 83 81 80 81 80 80 80,4
Horas de sol 153,2 136,6 157,3 133,2 158,7 132 149,1 166,1 139,4 97,3 109,2 143,5 1 675,6
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1981-2010;[22] precipitação, umidade relativa
e horas de sol: normal climatológica de 1961-1990;[22] recordes de temperatura: 01/02/1961 a 28/02/2003)[17][19]

EconomiaEditar

O município tem um forte apelo para o turismo devido à sua paisagem, aos seus rios e trilhas e aos seus lugares bucólicos. O distrito urbano é procurado por famílias e casais devido ao clima frio. Friburgo possui também atrações afastadas de centro, procuradas por praticantes de ecoturismo e esportes de aventura. Um dos distritos mais conhecidos é o vilarejo de São Pedro da Serra.

O município também é conhecido como a Capital Nacional da Moda Intíma, por sua enorme produção (em torno de 600 milhões de reais), com grande variedade de modelos. Suas marcas estão começando a competir no mercado exterior (exporta, atualmente, 4,6 milhões de dólares). 25% da produção nacional de lingerie é produzida no município.[23]

Nova Friburgo é a segunda maior produtora de flores do Brasil, sendo superada apenas por Holambra, em São Paulo; a comunidade de Vargem Alta, no distrito de São Pedro da Serra, é a principal região produtora. Nos últimos anos, o município tem recebido muitos estudantes, que procuram as universidades do município, evitando os grandes centros.

Apesar da tradição industrial trazida pela imigração alemã desde o final do século XIX, com fábricas como a Arp Fios e Bordados, Ypu, Filó, Sinimbu, entre outras, desde 1990 o município tem experimentado um lento crescimento econômico, principalmente no setor industrial, mas que desde 2004 vem se recuperando.

As principais indústrias do município são do setor têxtil, seguido pelo setor metalúrgico. O município tem no setor agrícola uma fatia considerável de sua receita. A maior parte do PIB deriva do setor dos serviços, seguido pela indústria e a agricultura.

A cidade tem o décimo primeiro melhor nível de vida do estado do Rio de Janeiro, com um Índice de Desenvolvimento Humano de 0,745. A cidade de Nova Friburgo, além de ser considerada por muitos a "Capital nacional da Lingerie", ocupa lugar entre as maiores potências nacionais na produção de queijos, vinhos e chocolate, além de oferecer uma das maiores cartas de cervejas para degustação no país.

TurismoEditar

Nova Friburgo é um dos municípios que mais possui atrativos turísticos no estado. Considerada uma cidade de veraneio por famílias cariocas e da baixada fluminense, ainda mantém o ar bucólico de ser uma estação climática em meio ao verde de seus parques e praças. Alguns distritos do município, como Lumiar e São Pedro da Serra, têm paisagens naturais famosas. Nova Friburgo possui um das maiores redes hoteleiras do interior do estado do Rio de Janeiro.[24].[25]

A Prefeitura disponibiliza informações sobre turismo e lazer no Centro de Turismo, que fica na Praça Dermeval Barbosa Moreira, no centro da cidade.

Entre os atrativos turísticos do município, os mais conhecidos são:

  • Casa Suíça - Considerada um dos marcos mais significativos da colonização suíça na região, a chamada Queijaria Escola tem um espaço agradável e com vários atrativos como o Memorial da Colonização Suíça, contando a histórias das famílias que aqui chegaram, vindas da Europa, o Museu de Taxidermia, o Galpão Encanto e Arte e nos jardins, bem cuidados, a estátua de Guilherme Tell, herói nacional suíço e a maior no mundo com 3,09 metros, além da cervejaria Alpendorf; situada na RJ-130, no bairro de Conquista.
  • Jardim do Nêgo, na RJ-130.
  • Apiário Amigos da Terra, com produção de artigos derivados do mel e o Museu da Belinha, espaço educativo que explica todo o processo produtivo das abelhas, na RJ-130.
  • Parque Estadual dos Três Picos, o maior parque estadual do Rio de Janeiro, com entrada pelo bairro de São Lourenço, no distrito de Campo do Coelho, RJ-130.
  • Pico da Caledônia – é uma das maiores elevações da Serra do Mar. Com 2 257 metros de altitude;[26] em um dos seus cumes estão as torres de transmissão da Petrobras, que transmitem o sinal da capital diretamente para a base de Campos dos Goytacazes, sem nenhum interferência em seus caminhos. Este local também ganha muita notoriedade no inverno devido à ocorrência de geadas e temperaturas negativas.
  • O maior e mais sofisticado Polo Gastronômico da região, localizado no bairro de Mury, com uma dezenas de restaurantes nas mais diversas especialidades, inclusive com Biergarten para degustação de cervejas no estilo alemão.
  • A arquitetura no estilo alpino preservada nos prédios do MuryShopping, dos hoteis Bucsky e Garlipp e do Restaurante Bräun & Bräun.
  • [[Parque de Furnas do Catete – na RJ-116, onde se localiza a Pedra do Cão Sentado. A pedra referida é considerada o símbolo da cidade. No parque há um lago com pedalinhos, equipamentos de esportes radicais, além das trilhas entre cavernas, como a Igreja dos Macacos.
  • Praça do Suspiro – recanto onde se encontram o teleférico, a Igreja de Santo Antônio, Praça dos Trovadores, a Fonte dos Suspiros, o Tiro de Guerra, Teatro Municipal Laércio Ventura e a Praça das Colônias, construído em homenagem às dez colônias que formaram a população da cidade.[27]
  • Praça Getúlio Vargas, a principal praça da região central, ladeada por grandes eucaliptos.
  • Praça Marcílio Dias – porta de entrada da cidade. É considerada o marco inicial da colonização, pois ali ficaram acampados os primeiros alemães, onde se ergueu em 3 de maio 1824 a primeira Igreja Luterana da América Latina. Dá nome ao bairro boêmio do Paissandu, o qual é um ponto comercial dotado de um entroncamento rodoviário que conduz à cidade do Rio de Janeiro e aos bairros de Olaria, Cônego e Cascatinha.
  • Parque São Clemente (Nova Friburgo Country Clube) – onde se localiza o Chalé do Barão de Nova Friburgo (1860).
  • Pavilhão das Artes – localizado no bairro do Cônego.
  • Catedral São João Batista – localizada na praça Demerval Barbosa Moreira, no Centro da Cidade.
  • Instituto Politécnico Campus Regional da UERJ (IPRJ)[28] – antigo Ginásio Nova Friburgo da Fundação Getúlio Vargas,[29] está localizado no Parque Ambiental Luiz Simões Lopes, antigo Parque Cascata.

DemografiaEditar

EtniasEditar

Etnias em Nova Friburgo (fonte: IBGE))
Cor / Raça Porcentagem
Branca
  
72,01%
Parda
  
18,95%
Preta
  
8,47%
Amarela
  
0,48%
Indígena
  
0,09%

É o município com o maior número de pessoas autodeclaradas brancas do estado do Rio de Janeiro, devido à grande colonização europeia, especialmente a alemã e a suíça.

Fonte: IBGE – Censo 2010.[30]

ReligiãoEditar

Religiões em Nova Friburgo (2010)
Religião Porcentagem
Catolicismo romano
  
47,72%
Evangélicos
  
35%
Espíritas
  
11%

De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de Nova Friburgo está composta por: 86 882 Católicos (47,72%), 51 384 evangélicos (35%) e 6 404 espíritas (11%).[31] Segundo a divisão da Igreja Católica no Brasil, a Diocese de Nova Friburgo está situada no território da Província Eclesiástica de Niterói.

InfraestruturaEditar

EducaçãoEditar

Nos últimos anos, várias instituições de ensino superior têm instalado novas unidades no município de Nova Friburgo, contribuindo para a mudança do seu perfil industrial para estudantil. Dentre elas pode-se destacar um campus regional da UERJ, o Instituto Politécnico, contando com cursos de engenharia da computação e mecânica, bem como pós-graduação com mestrado e doutorado, CEFET/RJ, que conta com os cursos de engenharia elétrica, turismo, sistema de informação e física, bem como pós-graduação, Universidade Estácio de Sá, Universidade Cândido Mendes e Universidade Federal Fluminense (UFF).

Ensino MédioEditar

No ensino regular e cursos preparatórios, Nova Friburgo possui escolas entre as melhores instituições do Brasil em termos de nível de aprovação. As principais escolas da cidade são o Colégio Anchieta, o Colégio São João Batista (CSJB), o Colégio Nossa Senhora das Dores (CNSD), o Educandário Miosótis, o Colégio Nossa Senhora das Mercês, o Externato Santa Ignez, o Colégio Dom Pedro I, o Instituto CPM e o Casa Escola Espaço Livre.

SegurançaEditar

Nova Friburgo tem como vetor de segurança o 11° BPM, que, além da cidade, é responsável pela segurança de mais 10 municípios da região centro norte fluminense. Também está localizada na cidade a 151° DP.

TransportesEditar

Nova Friburgo possui algumas rodovias de grande importância. A RJ 116, que liga Itaboraí, na baixada fluminense, a Comendador Venâncio, em Itaperuna, Noroeste Fluminense, é a sua principal via de chegada e saída. Corta o centro urbano do município na beira-rio, recebendo vários nomes de personalidades tais como Galdino do Valle Filho, Rui Barbosa, Comte Bittencourt e Roberto Silveira. Nela existe o entroncamento com a RJ 142, a famosa Serra-Mar, que liga Nova Friburgo a Casimiro de Abreu, na região da baixada litorânea. O entroncamento com a RJ 150, ligando Nova Friburgo ao distrito de Amparo e São José do Ribeirão, distrito de Bom Jardim. O final da RJ 130, que liga Teresópolis ao bairro de Duas Pedras e a RJ 148, que liga Conselheiro Paulino e Riograndina à cidade do Carmo, no entroncamento da RJ 160. Além dessas rodovias, a cidade também é cortada pela RJ 242, ligando Nova Friburgo (Conquista) ao distrito de Campinas (Sumidouro) e à comunidade de Água Quente, em Teresópolis, sendo uma das rodovias que ligam Nova Friburgo à BR-116,

 
Nova Friburgo em 1972.

A cidade tem apenas uma empresa de ônibus municipal, a Friburgo Auto Ônibus Ltda (Faol). Com frota parcialmente renovada (novos ônibus foram comprados em 2017 e estes estão adaptados para portadores de necessidades especiais),[32] há um sistema de integração dos ônibus, que contam com bilhetagem eletrônica Riocard, à bilhetagem oficial do Estado do Rio de Janeiro. Nesse sistema, o passageiros têm o direito de viajar, durante um determinado período, integrando-se em qualquer ponto da cidade com o cartão. A cidade possuía uma rodoviária de integração entre as linhas urbanas e rurais, o terminal urbano César Guinle, transformado em uma grande espaço de eventos, chamado de estacão cultural.

Além disso, a cidade possui a Rodoviária Sul, no bairro da Ponte da Saudade, que recebe os ônibus que vêm das cidades do Rio de janeiro, São Paulo e Niterói, em sua maioria pela Auto Viação 1001, e a Rodoviária Norte, no bairro de Duas Pedras, que recebe os ônibus que vêm das cidades do centro-norte, norte, noroeste fluminense e zona da mata mineira, pelas empresas Auto Viação 1001, Empresa Brasil e Viação Teresópolis. Existe ainda a linha de ônibus que liga Nova Friburgo a Soledade (distrito de Sumidouro), via Conquista e Pilões. Esta linha é mantida pela Viação Carmense.

CulturaEditar

Nova Friburgo é o berço de três grandes artistas de renome internacional: Alberto da Veiga Guignard, pintor; Lígia Pape, gravadora, escultora, pintora, cineasta, professora e artista multimídia brasileira, identificada com o movimento conhecido por neoconcretismo; Benito di Paula, compositor, cantor e pianista que ganhou grande popularidade nacional e internacionalmente com sucessos como Retalhos de Cetim, Mulher Brasileira, Charlie Brown, Como Dizia o Mestre, Do Jeito que a Vida Quer, Além de Tudo, Se não For Amor e muitos outros.

O teatro também faz parte da cultura municipal. Artistas renomados na cidade se apresentam em todo o Brasil. A cidade inaugurou em 2008 o Teatro Municipal Laércio Ventura, na Praça do Suspiro, no centro, que trouxe para a cidade e região grandes espetáculos teatrais, além de musicais e eventos em geral.

A música também tem seus representantes. As bandas centenária Euterpe Friburguense e Campesina Friburguense fazem concertos de graça para a população na Praça Dermeval Barbosa Moreira. A Universidade Cândido Mendes, campus Nova Friburgo, comemorou com sucesso o primeiro ano da Orquestra Sinfônica da cidade, que ganhou destaque por causa dos arranjos e das músicas apresentados por ela, encantando milhares de pessoas de todas as idades. Os artistas da voz já são sucesso fora da cidade. Também conta com grupos de pagode e rock.

Os artistas plásticos sempre expõem seus trabalhos no Centro de Artes, no centro, que se destaca não só pelo estilo de construção, mas pelos trabalhos divulgados. As crianças também participam da cultura friburguense através da Oficina Escola, com inúmeros cursos para a criançada aprender e mostrar os resultados para o público em geral. O artesanato friburguense ganhou vida no Brasil graças aos seus artistas. No Pavilhão das Artes e no Encanto e Arte, os artistas mostram seus trabalhos de formas, cores e estilos diferentes, atraindo gente de todos os cantos do estado para comprar ou presentear alguém com peças únicas e exclusivas do local. Nova Friburgo também conta com o Centro de Documentação Histórica Pró-Memória, com fotos e jornais que contam a história da cidade.

A literatura também é bem representada, por diversos poetas e escritores que se apresentam em saraus e eventos literários na cidade e no país. A Academia Friburguense de Letras (AFL) foi fundada em 22 de junho de 1947, por um grupo de intelectuais, tendo à frente o Dr. Rudá Brandão Azambuja e o Professor Messias de Moraes Teixeira, duas figuras atuantes do setor cultural da época em Nova Friburgo. A cidade é considerada o berço dos Jogos Florais, devido ao primeiro concurso do gênero ter sido instituído na cidade em 1960. Em 2013, a Câmara Municipal de Nova Friburgo realizou seu primeiro concurso literário, nas modalidades "Conto", "Crônica", e "Poesia", homenageando o escritor Affonso Romano de Sant'anna.

CarnavalEditar

 Ver artigo principal: Carnaval de Nova Friburgo

Nova Friburgo realiza, todos os anos, os tradicionais desfiles das escolas de samba na Avenida Alberto Braune. O carnaval da serra é considerado o melhor do interior do estado, perdendo apenas para a capital.

As quatro escolas de samba da cidade (Alunos do Samba, Imperatriz de Olaria, Unidos da Saudade e Vilage no Samba) e os blocos de enredo (Bola Branca, Globo de Ouro, Raio de Luar e Unidos do Imperador, Bloco das Piranhas da Predial Primus, Maluco Beleza e Bloco dos 9 aos 90), além dos blocos de embalo, animam a cidade nesta época. Há também shows nas praças e bairros da cidade com os artistas locais de renome nacional.

As escolas de samba Unidos do Amparo, Acadêmicos das Braunes e Acadêmicos do Prado não desfilam mais.

EsportesEditar

Em Nova Friburgo, pode-se praticar vários esportes radicais, como: canoagem, canyoning, downhill, escalada, montanhismo, off-road, parapente, rafting, rappel e trekking. A cidade é uma ótima opção para esses esportes, pois tem muitas montanhas, rios e cachoeiras.

Nova Friburgo tem seu representante no futebol, o Friburguense, fundado em 14 de março de 1980. Os principais resultados da equipe profissional de futebol começaram a surgir na década de 1990. O clube já disputou 13 campeonatos estaduais e esteve na elite do Campeonato Carioca desde a conquista do título do Campeonato Estadual da Segunda Divisão de 1997, o que permitiu o acesso à primeira divisão, até 2010, quando foi rebaixado. O quadro social do Friburguense tem hoje mais de 1 300 sócios proprietários e sua área é de 41 500 m², contando com o estádio Eduardo Guinle, com capacidade para 12 mil pessoas, dimensões oficiais de 105 m X 68 m, com iluminação e placar eletrônico.

Tem tido crescimento na cidade o futebol americano, com a equipe dos Yetis, com uma participação expressiva no campeonato estadual da modalidade.

EventosEditar

  • Fevest – criada em 1992 pelo ex-prefeito Paulo Azevedo, a Feira Brasileira de Moda Íntima, Praia, Fitness e Matéria-prima, é realizada no Nova Friburgo Country Clube. Considerada a maior feira de moda íntima da América Latina, recebe compradores de todas as regiões brasileiras, aí incluídos os representantes das maiores redes de lojas de departamentos do Brasil e do exterior.
  • Festa de São Pedro - a tradicional festa de São Pedro no distrito de São Pedro da Serra, uma festa junina típica, ocorre sempre na semana do dia 29 de junho desde 1865 e é o mais antigo festejo do município e da região.
  • Festival de Queijos e Vinhos – anualmente realizado no Nova Friburgo Country Clube, o Festival do Vinho já é festa tradicional na região e atrai muitos turistas interessados em música, queijos e vinhos.
  • Festival de Inverno – no ano de 1998, foi realizado o primeiro Festival de Inverno no Nova Friburgo Country Clube. A partir de 2001 passou a ser realizado pelo SESC Rio com apoio do Sistema Fecomércio RJ; acontece em meados de julho a início de agosto com shows musicais de diversos gêneros, espetáculos teatrais e de dança, concertos eruditos, mostras de cinema, literatura e atividades culturais diversas.
  • Jogos Florais – os Jogos Florais de Nova Friburgo acontecem há cinquenta anos, sendo os primeiros jogos florais do Brasil, um movimento que envolve toda a comunidade.
  • Festa Suíça e Festival do Chocolate, em comemoração ao dia primeiro de agosto, data nacional da Suíça.

ImprensaEditar

TV Aberta

  • SBT (SBT Interior RJ) canal 3 analógico/24 digital - Sediado em Nova Friburgo, é a única emissora própria do Grupo Silvio Santos fora de capital. Produz dois programas regionais (SBT Cidade e Programa Atual).
  • RedeTV! (RedeTV! Rio de Janeiro) canal 5 analógico - Não produz conteúdo local.
  • Band (TV Bandeirantes Rio Interior) canal 8 analógico/35 digital - Não produz conteúdo local.
  • Rede Globo (InterTV Serra+Mar) canal 12 analógico/30 digital - Produz 3 programas regionais (RJTV 1, RJTV 2, InterTV Rural), porém todos em Cabo Frio.
  • RecordTV (RecordTV Interior RJ) canal 53 analógico/39 digital - Não produz conteúdo local.
  • Rede Vida canal 25 analógico/34 digital - Não produz conteúdo local.

TV Fechada

  • TV Zoom, canal 10 - Principal canal local com conteúdo voltado para Nova Friburgo, com grade de programação variada.[33] (www.tvzoom.com.br)
  • Luau TV, canal 5 - Grade de programação variada, voltada, especialmente, para o entretenimento. (www.luautv.com.br)
  • TVC, canal 6 - Programação variada voltada a comerciais locais.
  • Nova TV, canal 14 - Programação voltada à cobertura imediata de fatos jornalísticos ocorridos na cidade. (www.novatvfriburgo.com.br)

Nova Friburgo possui dois jornais impressos:

  • A Voz da Serra - Único jornal impresso diário do município.

Outros jornais também circulam na cidade, como o Jornal da Região (Cantagalo) e o Século XXI. Já foi sede de O Sol, o Fluminense, Jornal da Serra, Friburguense e Jornal Panorama.

A cidade conta ainda com a cobertura de rádios:

Filhos ilustresEditar

Feriados municipaisEditar

Em Nova Friburgo, só há um feriado municipal estipulado por lei,[34] que é:

Data Nome Notas
16 de maio Aniversário da Cidade Comemora-se a fundação da cidade, que ocorreu no ano de 1818.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 1 de dezembro de 2017. 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 26 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2018 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 26 de fevereiro de 2018. 
  4. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 29 de julho de 2013.. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  5. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2015». Consultado em 26 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2018 
  6. «Dados gerais na página da prefeitura municipal de Nova Friburgo, no ponto mais alto a altitude chega a 2 310». Consultado em 26 de junho de 2007. 
  7. Lei nº 7683 de 01 de setembro de 2017 do Rio de janeiro
  8. Os índios de Sumidouro. Disponível em http://sumidouro.chez.com/indios.htm. Acesso em 9 de setembro de 2012.
  9. Nova Friburgo entra para a história. Acesso em 9 de setembro de 2012.
  10. Portal Luteranos. «A caminho em terras brasileiras» 
  11. Nova Friburgo: 196 anos de emancipação política Jornal da Região.
  12. Distritos de Nova Friburgo Turismo em Nova Friburgo.
  13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 26 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2018 
  14. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 88. Consultado em 26 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada (PDF) em 26 de fevereiro de 2018 
  15. Pico Maior em Nova Friburgo, RJ, é a maior montanha da 'Serra do Mar' G1. (Novembro, 2014).
  16. a b c d e Água: abundância não significa eternidade, muito menos infinitude Jornal A Voz da Serra. (Maio, 2016).
  17. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Nova Friburgo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  18. Friburgo, RJ, registra a temperatura mais baixa dos últimos quatro anos G1. (Agosto, 2014)
  19. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Nova Friburgo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  20. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Nova Friburgo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  21. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Nova Friburgo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  22. a b «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 11 de julho de 2018. 
  23. «Observatório Brasileiro» 
  24. Nova Friburgo Parque Tecnológico Região Serrana.
  25. Férias Brasil. «NOVA FRIBURGO» 
  26. «Novas medições definem altitude das montanhas mais altas da Serra do Mar». Consultado em 29 de dezembro de 2014. 
  27. Praça do Suspiro, em Nova Friburgo, será revitalizada Notícias da Serra. (Julho, 2010).
  28. IPRJ Instituto Politécnico.
  29. Ginásio Nova Friburgo da Fundação Getúlio Vargas Ginásio/Colégio Nova Friburgo.
  30. «Tabela 3175 - População residente, por cor ou raça, segundo a situação do domicílio, o sexo e a idade». IBGE. 2010 
  31. «Religião». população.net 
  32. G1. «Novos ônibus começam a circular em Nova Friburgo, RJ, nesta sexta-feira». Consultado em 7 de julho de 2013. 
  33. «Dados de audiência de TV em Nova Friburgo». IPP Pesquisas de Mercado. 6 de abril de 2016. Consultado em 9 de janeiro de 2017. 
  34. 2016: Veja a lista de feriados municipal, estadual e nacional Nova Friburgo em Foco.

Ligações externasEditar