La Usurpadora

telenovela mexicana
(Redirecionado de La usurpadora)

La Usurpadora (no Brasil, A Usurpadora) é uma telenovela mexicana produzida por Salvador Mejía e dirigida por Beatriz Sheridan para a Televisa e exibida pelo Canal de las Estrellas de 9 de fevereiro a 24 de julho de 1998.[1] A novela teve 120 capítulos originais, pois os primeiros 35 episódios tinham duração de 30 minutos. Porém a partir de 30 de março de 1998, após o fim da telenovela Huracán passou a oferecer capítulos de uma hora, mas a edição de A usurpadora é de 102 Capitulos. Substituiu María Isabel e foi substituída por El privilegio de amar. Foi escrita por Carlos Romero, sendo um remake de La usurpadora, telenovela venezuelana da RCTV de 1971.

La Usurpadora
A Usurpadora (PT/BR)
La Usurpadora
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 30 min. (1–35)
45 min. (36–120)
Estado Finalizada
Criador(es) Carlos Romero (adaptação)
Baseado em La usurpadora de Inés Rodena
Elenco
País de origem México
Idioma original espanhol mexicano
Episódios 120 (original)
102 (versão Internacional)
Produção
Diretor(es) Beatriz Sheridan
Produtor(es) Salvador Mejía
Câmera Multicâmera
Tema de abertura La usurpadora, Pandora
Empresa(s) produtora(s) Televisa
Exibição
Emissora original las Estrellas
Formato de exibição 480i (SDTV)
Formato de áudio Estéreo
Transmissão original 9 de fevereiro – 24 de julho de 1998
Cronologia
Más allá de La usurpadora
Programas relacionados La usurpadora (1971)
La usurpadora (2019)

Esta é a segunda adaptação da Televisa da obra de Inés Rodena, que em 1981 levou ao ar El hogar que yo robé.[2][3]

Gabriela Spanic protagoniza ao lado de Fernando Colunga e ao mesmo tempo antagoniza junto com Chantal Andere, Juan Pablo Gamboa, Mario Cimarro, Silvia Caos e Dominika Paleta, com atuação estelar de Libertad Lamarque, Magda Guzmán e Silvia Derbez.

Produção

editar

As localidades retratadas na trama foram a Cidade do México (onde a trama se centrou, e onde a maior parte dela foi gravada), Cancún, Cuernavaca, Monterrey, Acapulco, Mônaco, Paris e o Havaí.

A primeira atriz cogitada para o papel das gêmeas foi Thalía, que não aceitou,[1] pois tinha de divulgar seu álbum mais vendido, o «Amor a la Mexicana». Vários outros nomes foram cotados, até que o autor Carlos Romero sugeriu a então desconhecida Gabriela Spanic, que havia participado do Miss Venezuela em 1992.[4][5]

Gabriela Spanic tem uma irmã gêmea na vida real, Daniela Spanic, que é modelo.[6] Nos primeiros capítulos, quando as gêmeas Paulina e Paola apresentaram-se juntas em uma cena, Daniela Spanic trabalhou como dublê com Gabriela.[2] Quando Daniela Spanic foi Paola, Gabriela Spanic foi Paulina e vice-versa. Eventualmente, Gabriela fez ambos os papéis usando truques gráficos durante o resto da telenovela.[7] A Usurpadora não é a primeira novela em que Gabriela Spanic interpreta gêmeas e tendo sua irmã Daniela como dublê: elas já haviam trabalhado assim em Como tú, ninguna, telenovela da Venevisión em 1994.[2] Em 2001, elas voltariam a retratar irmâs gêmeas em La intrusa, novamente produzida pela Televisa.[2]

Gabriela Spanic atuou ao lado de Miguel de León, que era seu marido na época. O casal se conheceu nas gravações de Como tú, ninguna.[8][9]

Como afirmou Gabriela Spanic, eles gravavam cerca de 15 cenas por dia e a equipe trabalhava cerca de 14 horas por dia. Ainda de acordo com a atriz, a produção da novela durou dez meses.[10]

No capítulo 86 (1 minuto e 17 segundos), enquanto Leandro e Abigail estão conversando numa festa de casamento, ocorreu um erro atrás de Abigail: no vídeo, o câmera pôde ser visto filmando Leandro.

A novela foi lançada em DVD pela Televisa, com mais de 6 horas de resumo, em 3 DVDs (1 dupla face e 1 face única).

Prolongamento

editar
 Ver artigo principal: Más Allá de La Usurpadora

La usurpadora ganhou uma continuação com o especial Más Allá de La Usurpadora, que se passa 1 ano após os eventos da primeira trama. Foi produzida também por Salvador Mejía Alejandre e dirigida por Beatriz Sheridan.O elenco principal da primeira trama foi mantido Gabriela Spanic volta como Paulina, assim como Fernando Colunga como Carlos Daniel. A nova antagonista é a personagem Raquel, interpretada por Yadhira Carrillo.[11] Foi exibida em quatro ocasiões no Brasil: em 1999, na primeira reprise de 2000, na quinta reprise de 2013 e na sexta reprise de 2015. A continuação é apresentada pelo SBT após o fim regular da telenovela, recebendo o nome de Além da Usurpadora, em 3 capítulos.

Enredo

editar

Duas mulheres idênticas na aparência e distintas em sentimentos e personalidade se encontraram por casualidade e participam de um terrível plano. Paula Martins, uma mulher pobre e humilde, tem duas filhas gêmeas, Paola e Paulina, porém devido à situação lastimável de miséria em que vive, ela abandona Paola, que no futuro é adotada pela família rica Montaner. Já Paulina cresceu em extrema pobreza ao lado da mãe, enfrentando grandes dificuldades na vida, porém sem perder o bom caráter e a generosidade.

Com o passar dos anos, Paulina cresceu e reveza seu tempo trabalhando como camareira e cuidando da mãe, que está prestes a morrer devido a uma doença grave. Enquanto isso, Paola cresceu cercada de luxo, priorizando a riqueza acima de tudo e todos, se tornando uma mulher ambiciosa, dissimulada, fria e calculista. Paola é casada com Carlos Daniel Bracho, um empresário muito rico. Tendo casado apaixonado, com o tempo ela se torna infiel, sendo um milionário quase falido que está em seu segundo casamento e possui dois filhos: a esperta e encantadora Lizete e o rebelde e problemático Carlinhos. Carlos Daniel é paquerado por sua ambiciosa prima distante Leda Durán, que pretende ser a sua esposa quando ele se divorciar, mas, por ser casado, ele não corresponde às investidas da moça. Ardilosa, Paola também mantém um caso extraconjugal com o cunhado, o inescrupuloso Willy, casado com a atormentada e fanática Estephanie Bracho, uma mulher amargurada e ressentida com a vida que veste-se de forma horrível. Paola também desperta o vício em álcool da sua sogra, Vovó Piedade Bracho, e trata mal os seus enteados.

O destino, no entanto, coloca as duas irmãs frente a frente novamente e Paulina tem sua vida totalmente modificada por Paola.

Paola, frustrada e cansada de viver com sua família da qual detesta a todos, resolve viajar para se divertir com um de seus amantes, Luciano Alcântara, e nessa viagem encontra Paulina em um toalete de senhoras. Ela vê na jovem uma oportunidade perfeita de se ver livre de sua família, então planeja uma usurpação - ela propõe a Paulina que se passe por ela durante um ano na mansão da família Bracho. Para obrigar a moça a aceitar o seu diabólico plano, arma-lhe uma armadilha chantagista, acusando-a de lhe ter roubado uma joia sua e se Paulina não aceitar se passar por ela, a colocará atrás das grades definitivamente.

Sem alternativa e abandonada pelo então namorado Osvaldo, com a mãe já sem vida e com medo de ir para a prisão, Paulina aceita se passar por Paola Bracho e durante a sua estadia na mansão da família Bracho, ela aprende a ser como Paola, se tornando uma mulher fina e elegante. Sem ser reconhecida por sua aparência completamente idêntica, ela se vê entre uma família desestruturada e percebe que há pessoas que precisam de sua ajuda. Ela então começa a mudar a vida da família, consertando os malfeitos de Paola e contribui positivamente no destino de todos que lhe cruzam o caminho, mas não sem antes sofrer e pagar caro por todos os erros cometidos por Paola no passado.

Quando Paulina finalmente encontra sua felicidade ao lado de Carlos Daniel e de sua família, Paola volta disposta a lutar pelo seu antigo lugar. Usando de uma suposta invalidez, promete infernizar os Bracho novamente e com isso uma pequena guerra entre eles se inicia. Com a ajuda de Leda e Willy, ela jura destruir os Bracho e sua irmã gêmea Paulina, a qual hipocritamente chama de "a usurpadora", e para isso tentará de tudo, provocando a prisão da irmã e acusando-a no julgamento, fazendo Paulina se afastar da casa dos Bracho e permitindo que Paola volte para a mansão para perturbar toda a família. Paola pede um milhão de dólares para ir embora e divorciar-se, pois Carlos Daniel já está ciente das infidelidades da esposa. Além disso, ela planeja, aliada a Willy, incendiar a fábrica Bracho e acabar de vez com a fortuna da família. Contudo, nem tudo sai como Paola planeja: depois de ser desmascarada pela sua enfermeira Elvira, ela sofre um terrível acidente e fica entre a vida e a morte. Só então ela se dá conta de tudo que fez, e pede perdão a Paulina. Paulina, com seu bom coração de irmã, a perdoa do fundo de seu coração, os Bracho esquecem todo o mal que ela os infringiu e a perdoam, só então Paola morre.

Leda viaja para a Europa, Estephanie fica louca e Willy é preso. Após se ver livre da cadeia através da ação de seu advogado, Paulina primeiramente hesita, e quase se casa com Edmundo Serrano, mas finalmente ela e Carlos Daniel se casam, trazendo a tão sonhada paz a família Bracho.[12]

Elenco

editar
Ator/atriz Personagem
Gabriela Spanic Paulina Martins Hernandes (A Usurpadora)
Paola Montaner Bracho
Fernando Colunga Carlos Daniel Bracho
Libertad Lamarque Piedade Bracho (Vovó Piedade)
Chantal Andere Estephanie Bracho de Monteiro
Juan Pablo Gamboa William Monteiro (Willy)
Dominika Paleta Leda Durán Bracho
Marcelo Buquet Rodrigo Bracho
Magda Guzmán Adelina Cintra
Paty Díaz Lalinha
Jessica Jurado Patricia Bracho
Ninón Sevilla Cacilda
Sergio Guerrero Carlinhos Bracho
María Solares Lizete Bracho
Jaime Garza Delegado Merino
María Luisa Alcalá Filomena Tamayo
Rafael Amador Dr. Galícia
Adriana Nieto Beatriz
Héctor Parra Dr. João Manuel Montesinos
Sara Montes Enfermeira Eloísa
Renata Flores Estela
Alejandro Ruiz Leandro Gomez
Anastasia Acosta Viviana Carrillo Gomez
Adriana Fonseca Verônica Soriano
Mario Cimarro Luciano Alcântara
Miguel de León Douglas Maldonado
Tito Guízar Seu Chico
Jesús Lara Felipe
Eduardo Rivera Larry
Arturo Peniche Edmundo Serrano
Antonio de Carlo Osvaldo Resendiz
Azela Robinson Enfermeira Elvira
Mario Carballido Amador
Silvia Caos Antônia Rocha
Meche Barba Abigail Rosales
René Muñoz Luis Felipe Benitez (Moacir)
Silvia Derbez Isabel Rocha
Enrique Lizalde Alexandre Farina
Irán Eory Lourdes
Miguel Córcega Bráulio

Lançamento e repercussão

editar

Audiência

editar

No México, sua audiência foi de 33.3.[13]

Em sua primeira transmissão brasileira no SBT, A Usurpadora foi um sucesso imediato, alcançando no Brasil um índice semanal de audiência entre 19, 20 e 21 pontos, segundo o Ibope.[14][15][16][17][18][5] Cada ponto na época equivale a cerca de 80 mil telespectadores na Grande São Paulo.[14] É um ótimo índice, principalmente quando se comparada com as audiências da época de Força de um Desejo, que tinha de 20 e 23 pontos.[14] e de Suave Veneno, a novela mais vista da TV brasileira na ocasião, que atinge médias entre 35 e 38 pontos.[14] Seu último capítulo exibido em 9 de novembro de 1999, teve picos de 30 pontos, com média de 27, para o SBT segundo o Ibope.[19][20]

Nas demais exibições, A Usurpadora conquistou também bons índices ao SBT, como aconteceu no capítulo exibido em 28 de fevereiro de 2005 da segunda reprise, a produção mexicana teve 13 pontos contra 20 de Laços de Família em Vale a Pena Ver de Novo sendo que, durante 55 minutos, a novela global venceu A Usurpadora por apenas quatro pontos (19 a 15).[21] A trama foi subindo e em 7 de março de 2005, no horário das 14h53 às 15h44 concorrendo com Laços de Família, Rede Globo e SBT tiveram contagem média de 14 pontos no Ibope, sendo que o SBT chegou a apresentar um pico de 15 pontos. Cada ponto equivale a 49,5 mil domicílios.[22] Mesmo com uma reprise de sucesso não conseguiu ganhar em nenhum momento de Laços de Família, ao contrário da reprise de Deus Nos Acuda que deixou o horário em baixa e foi encurtada.[23]

A estreia da quarta reprise em dezembro de 2012 a maio de 2013 alcançou em seus dois primeiros dias de retorno, média de 5 pontos no Ibope, sendo que no terceiro capítulo, A Usurpadora chegou à média de 6 pontos, o dobro da Rede Record, terceira colocada com seu Programa da Tarde. No mesmo horário, a Globo liderou com doze pontos de média.[24] A sua audiência aumentou para média de 9 pontos de Ibope no capítulo exibido em 10 de abril de 2013,[25] agora cada ponto correspondendo a 62 mil domicílios na Grande São Paulo. No mesma faixa de horário, a Globo teve média de 11 pontos com a Liga dos Campeões entre Barcelona e Paris Saint-Germain.[26] Em 2 de maio a trama registrou média de 8,3 pontos. No mesmo horário, com a Sessão da Tarde, a Globo teve 8,9 pontos, Record ficou com 4,9 pontos de média e a Band, com 3,5.[27] A Usurpadora também esteve entre os principais assuntos do Twitter durante esta reprise no SBT,[2][3][28][29] a Hashtag: #GabySpanicNossaEternaUsurpadora ficou em 1.º lugar no Twitter, no período da última parte do Além da Usurpadora exibida no dia 10 de maio de 2013.[30] Segundo medição do Ibope na Grande São Paulo, de 29 de abril a 5 de maio de 2013, A Usurpadora foi um dos cinco produtos mais vistos pelo público do SBT.[31]

Em sua quinta reprise de 2015, o primeiro capítulo ficou em segundo lugar com 6,7 pontos consolidados de média de Ibope, sendo assim uma excelente audiência para o SBT na faixa das 16h56 às 17h35. Cada ponto equivale a 67 mil domicílios na Grande São Paulo. No mesmo horário, a Rede Record, terceira colocada, obteve 4,3 pontos. A Rede Globo, que exibia O Rei do Gado, ficou na liderança com 21 pontos.[32]

Graças ao sucesso que a trama teve no Brasil, a sua protagonista, Gabriela Spanic e seu marido Miguel de León, vieram ao país em 1999 e participaram dos programas do SBT Em Nome do Amor,[33][34] De Frente com Gabi,[17] Hebe,[17] Programa do Ratinho,[35][36] Programa Livre, Domingo Legal[17] e Gabriela Spanic fez comerciais do Baú da Felicidade e chamadas da trama sucessora, O Privilégio de Amar. Em 2013 durante a quarta reprise, ela novamente visitou o país e participou do Domingo Legal[37] e foi até mesmo entrevistada por programas da concorrência, casos de Agora É Tarde[38] e Pânico na Band.[39]

Ela registrou o maior índice de audiência na estreia de uma telenovela nos Estados Unidos. Em 4 de janeiro de 1999, quando foi ao ar o primeiro capítulo pela Univisión, que só exibe programas em espanhol, ficou à frente das redes CBS[desambiguação necessária] e NBC na Grande Los Angeles.[40] Em Los Angeles, por exemplo, o primeiro capítulo foi acompanhado em 51 mil domicílios, superando a audiência de programas consagrados, como a comédia Everybody Loves Raymond, da CBS[desambiguação necessária].[17] Também tirou de Acapulco, cuerpo y alma, exibida em 1995, o título de novela mais vista da emissora.[41]

Avaliação em retrospecto

editar

Especialistas em novelas afirmaram que La usurpadora é um autêntico resgate dos folhetins franceses do século XIX, das radionovelas cubanas e das fotonovelas brasileiras.[14] O novelão, como é conhecido na América Latina, tornou-se tema de estudos acadêmicos. O mestre em novelas pela USP, Mauro Alencar, é um de seus defensores: "Adoro A Usurpadora. A protagonista, Gabriela Spanic, é lindíssima. Vi em vários países o poder de atração dessa novela", diz.[14] Ele descreve que é no cenário "paradisíaco" de Cancún, "o mais belo balneário mexicano", que se passa o folhetim melodramático, as mazelas da sociedade dividida entre ricos e pobres: "As pessoas têm de entrar nesse jogo de teleficção, onde a trama se torna verossímil. Acredito que falta um pouco de edição de imagens à A Usurpadora, além de uma melhor trilha sonora e um bom stock-shot (recurso de imagens gravadas)", afirmou Alencar, para quem a teledramaturgia permite a integração latino-americana, a ponto de se converter em tema de sua futura tese de doutorado.[14]

Silvia Oroz, professora de comunicação da UFRJ e da UNB, que também era assessora de dramaturgia da Televisa afirmou que: "A Televisa vem investindo muito em teledramaturgia para recuperar sua audiência, ameaçada com o surgimento, em 93, da rival TV Azteca", Oroz argumenta que a TV Azteca é mais comercial. "Ela já foi fundada com a missão de modernizar as produções mexicanas, não só de novelas, muitas delas exportadas para os EUA". A professora conta que, na novela Mirada de mujer (Olhar de Mulher), da TV Azteca, a protagonista é uma mulher na menopausa, que se apaixona por um homem mais jovem. A melhor amiga dela é uma mulher liberal que se relaciona com vários homens e acaba contraindo o vírus HIV: "Esses temas são de vanguarda, diferentes de A Usurpadora, com a clássica troca de identidade das gêmeas Paola e Paulina, interpretadas pela atriz venezuelana Gabriela Spanic, e da mãe abnegada, desempenhada pela atriz e ex-cantora Libertad Lamarque (vovó Piedade)". Para Oroz, A Usurpadora é uma novela absolutamente tradicional, em termos de teledramaturgia e de contexto mexicanos".[14] "A emoção, característica fundamental das narrativas populares e da teledramaturgia, está presente em A Usurpadora, um novelão exemplar, do qual gosto muito", disse Oroz afirmando que a Televisa tem uma linha de montagem nesse segmento de telenovelas: "Enquanto a TV Globo grava três novelas ao mesmo tempo, a Televisa roda seis". Cada capítulo da Globo custa entre R$ 80 mil e R$ 120 mil. Já na Televisa, esses valores caem para R$ 30 mil.[14]

Por outro lado, Mariana Zylberkan da revista Veja citou A Usurpadora como uma trama trash e que inclui o melodrama caricato, o visual exagerado dos personagens e a dublagem malfeita.[42]

Na primeira exibição do SBT, A Usurpadora era exibida logo após Chiquititas, o que fez com que uma parte significativa do público de A Usurpadora fosse formada por crianças. Algumas bem pequenas. Segundo pesquisa do Ibope, 29% dos telespectadores da novela mexicana estavam na faixa entre 2 e 9 anos. Para efeito de comparação, é quase a mesma porcentagem de Chiquititas (36%).[5] De acordo com a terapeuta de família e professora universitária Lídia Aratangy, A Usurpadora tem vários elementos de um conto infantil. Primeiro, há um ritmo de história em quadrinhos: "Os cortes são muito rápidos, não há encheção de linguiça como nas novelas da Globo", avalia Lídia.[5] Além disso, os personagens bons e maus são bem marcados. Segundo a psicóloga, os traços de caráter são enfatizados até pela maquiagem, como numa peça de teatro infantil: "As boazinhas têm traços leves, e as más usam uma pintura pesada. Se tirar o áudio, dá para saber quem é o vilão", analisa.[5]

Exibição

editar

No México

editar

Em seu país de origem, o primeiro capítulo de La usurpadora foi exibido no dia 9 de fevereiro de 1998, substituindo María Isabel na faixa das 21h pelo El Canal de las Estrellas com capítulos de 30 minutos. Durante sete semanas, dividiu o horário com as últimas semanas da telenovela Huracán, e por isso apresentou capítulos de 30 minutos. A partir de 30 de março de 1998, após o fim de Huracán passou a oferecer capítulos de uma hora, que somaram no total 120 capítulos, mais 1 capítulo duplo depois do final intitulado Más allá de La usurpadora que durou 2 horas, terminando com 122 capítulos e sendo sucedida no México por El privilegio de amar.

Foi reprisada pelo seu canal original entre 11 de setembro de 2006 a 10 de janeiro de 2007 substituindo Vivo por Elena e sendo substituída por El privilegio de amar e pela segunda vez desde 10 de julho de 2024, substituindo Esmeralda ás 14h30.[43]

Foi reprisada pelo TLNovelas de 7 de outubro a 13 de dezembro de 2019, substituindo Laberintos de pasión e sendo substituída por Cuento de Navidad. Voltou a ser reprisada pelo canal entre 26 de junho e 1 de setembro de 2023, substituindo La dueña e sendo substituída por Destilando amor.[44]

No Brasil

editar

No Brasil, foi exibida pela primeira vez de 22 de junho a 9 de novembro de 1999,[45][46] em 120 capítulos, substituindo a telenovela brasileira Pérola Negra,[41][45] e sendo substituída pela telenovela mexicana inédita O Privilégio de Amar.[18][46] Um sucesso imediato que, devido a isto, foi reprisada diversas vezes pelo SBT.

Foi reprisada pela primeira vez pelo SBT entre 3 de julho a 4 de dezembro de 2000 na sessão Tarde de Amor, em 101 capítulos, substituindo Passa ou Repassa e sendo substituída por Coração Selvagem.[47]

Foi reprisada pela segunda vez pelo SBT entre 3 de janeiro a 20 de maio de 2005, em 100 capítulos, substituindo Maria do Bairro e sendo substituída por A Madrasta.[48]

Foi reprisada pela terceira vez pelo SBT entre 25 de junho a 13 de novembro de 2007, em 102 capítulos, substituindo Mundo de Feras e sendo substituída por Maria do Bairro.[49][50]

Foi exibida pela primeira vez pelo canal pago TLN Network entre 30 de janeiro a 19 de junho de 2012 substituindo Esmeralda e sendo substituída por Rosalinda.

Foi reprisada pela quarta vez pelo SBT entre 10 de dezembro de 2012 a 07 de maio de 2013, em 107 capítulos, substituindo María Mercedes e sendo substituída por Rubi.[51][52]

Foi exibida pela segunda vez pelo canal pago TLN Network entre 9 de fevereiro a 30 de junho de 2015 substituindo A feia mais bela e sendo substituída por Paixão e Poder.

Foi reprisada pela quinta vez pelo SBT entre 30 de março a 26 de agosto de 2015 em 108 capítulos, substituindo A Feia Mais Bela e sendo substituída pela novela mexicana inédita A Dona.[53][54]

Foi reprisada pela sexta vez pelo SBT entre 7 de novembro de 2016 a 16 de janeiro de 2017, em apenas 51 capítulos, sendo substituída mais uma vez por Rubi.[55] tendo nessa exibição baixo índice de audiência.

Foi exibida pelo canal por assinatura Viva, que pertence ao Grupo Globo, entre 27 de junho a 15 de novembro de 2022, em 102 capítulos, substituindo Marimar e sendo substituída por Maria do Bairro, às 20h30, com reapresentação às 3h20 e 11h45 e maratona aos sábados às 7h30, sendo a primeira vez em que é exibida fora do SBT.[56]

Em algumas exibições do SBT, a canção de abertura era "Sonho Lindo" de Paulo Ricardo. Posteriormente sendo retomada o tema original "La Usurpadora" da banda Pandora.

Outras mídias

editar

Foi disponibilizada na íntegra na plataforma de streaming Globoplay em 15 de novembro de 2021.[57]

Após diversas exibições, a novela foi reclassificada pelo Ministério da Justiça de "não recomendado para menores de dez anos" para "não recomendado para menores de doze anos". Para o órgão, a telenovela apresenta tendências de violência, linguagem imprópria e drogas lícitas.[58]

Em Portugal

editar

Foi exibida em Portugal pela RTP1 entre 25 de outubro de 1999 a 31 de março de 2000.

Exibição Internacional

editar

A telenovela foi vendida para 120 países e traduzida em mais de 25 idiomas.[14]

País[59] Emissora(s) Início da exibição Final da exibição Título
  Canal de las Estrellas
TLNovelas
9 de fevereiro de 1998
16 de agosto de 2010
7 de Outubro de 2019
26 de junho de 2023
14 de julho de 1998
10 de janeiro de 2011
13 de Dezembro de 2019
1 de setembro de 2023
La Usurpadora
  Canal 9
Magazine
2004
19 de setembro de 2011
2004
10 de fevereiro de 2012
La Usurpadora
  SBT 22 de junho de 1999
3 de Julho de 2000
3 de Janeiro de 2005
25 de Junho de 2007
10 de dezembro de 2012
30 de março de 2015
7 de novembro de 2016
9 de novembro de 1999
4 de dezembro de 2000
20 de maio de 2005
13 de Novembro de 2007
10 de Maio de 2013
26 de agosto de 2015
16 de janeiro de 2017
A Usurpadora
Viva 27 de junho de 2022 15 de novembro de 2022
 
 
 
TLN Network 30 de janeiro de 2012 22 de junho de 2012 A Usurpadora
  Caracol TV
RCN
2001
2009
2002
2010
La Usurpadora
 

 

Univision 1998 1999 La Usurpadora
  Sigma TV 2001 2002 Paulina
  Skai TV 1999 2000 Paulina
  TVN 1999 1999 Paulina
  Acasă
Antena 1
2005
1999
2006
2000
Uzurpatoarea, Uzurpatoarea... Un An Mai Tarziu
Deceptii, Dincolo De Deceptii
  BTV 2002 2002 Paulina
  Doma TV 2000 2000 Otimacica
  RTL Klub 24 de junho de 1999 13 de dezembro de 1999 Paula és Paulina
  Evrokom 2003
25 de maio de 2016
2003
14 de outubro de 2016
Узурпаторката
  POP TV 1999 1999 Prevare
 
 
Lady Channel 2000

2012

2000

2012

Il Usurpadora
  FOX TV 2001 2002 Sahte Dünyalar
  GMA Network 2000 2001 Paulina
 

 

NTV7 5 de junho de 2001 29 de outubro de 2001 Cinta Paulina
  RTP1 25 de outubro de 1999 31 de março de 2000 A Usurpadora
  Global TV 2003 2003 The Usurper
  RTV Pink 2000 2000 Zlobnica
  TV Tsentr 1999 1999 Узурпаторша
  Viva Tv 2003 2004 המתחזה
  Mega junho de 1998
outubro de 2000
dezembro de 1998
março de 2001
La Usurpadora
  América Televisión 1999

2015

1999

2015

La Usurpadora
  TVE1 março de 2000 agosto de 2000 La Usurpadora
  Venevisión janeiro de 1999 junho de 1999 La Usurpadora
  Sitel Television 2000 2000 Paulina
 
 
 
 
 
 
TMC novembro de 2000 maio de 2001 L'Usurpateur
  Monte Carlo TV fevereiro de 1999 julho de 1999 La Usurpadora
  Gama TV junho de 1999 novembro de 1999 La Usurpadora
  MNCTV agosto de 2001 janeiro de 2002 Cinta Paulina
  TV4 abril de 2003 setembro de 2003 Paulina
  Telefuturo maio de 1999 outubro de 1999 La Usurpadora
  TV3 Ghana 2001 2001 The Usurper
  TVGE 2003 2003 La Usurpadora
  CCTV-8 2005 2005 篡位者
  Bolivisión janeiro de 2000 junho de 2000 La Usurpadora
  Pink BH 2004 2004 Paulina
  Pink M março de 2008 agosto de 2008 Paulina
  Telemetro 1999 1999 La Usurpadora.
 
 
Zap Novelas 2011 2011 A Usurpadora
  TV JOJ 2009 2009 The Usurper
  Vizion Plus 2002 2002 Paulina
  Televisiete julho de 1998 dezembro de 1998 La Usurpadora
  Teletica 1999 1999 La Usurpadora
  Telemicro 2000 2000 La Usurpadora
  TV3 2004 2004 Paulina
  Televicentro 1999 2000 La Usurpadora
  İctimai Television 2008 2008 Lotubazlıq
  TCS 2000 2000 La Usurpadora
  LNT 2006 2006 Paulina
  TVC 2000 2001 La Usurpadora
  TVM 2003 2003 Il-Usurper
  Shant TV 2009 2009 բռնատիրող
  RTB3 2011 2011 The Usurper
  Citizen TV 2005 2005 The Usurper
  AIT 2010 2010 The Usurper
  VTV 2008 2008 những kẻ cướp ngôi

Prêmios e indicações

editar

La usurpadora foi apelidada em espanhol, The queen of the ratings (A rainha dos votos), enquanto transmitida pela Univision, em 2000. Embora a telenovela mexicana tenha recebido votos massivos, ela não faturou nenhum prêmio das premiações anuais Prêmio TVyNovelas de 1999, perdendo na categoria de melhor telenovela para sua sucessora, El privilegio de amar.

Categoria Nomeado(a) Resultado
Melhor telenovela Salvador Mejía Nomeado
Melhor atriz protagonista Gabriela Spanic Nomeada
Melhor ator protagonista Fernando Colunga Nomeado
Melhor ator antagonista Juan Pablo Gamboa Nomeado
Melhor atriz co-protagonista Chantal Andere Nomeada
Melhor ator co-protagonista Marcelo Buquet Nomeado
Melhor atriz principal Libertad Lamarque Nomeada
Melhor direção de câmeras Jesús Nájera
Manuel Barajas
Ganhadores

Versões

editar

Referências

  1. a b Barbosa, Guilherme M (2016). Como ser má – um estudo de caso sobre as personagens principais da telenovela A Usurpadora (PDF) (Monografia). Universidade de Brasília. 97 páginas. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  2. a b c d e Maria da Luz Miranda (16 de fevereiro de 2013). «Loucos por drama, fãs de novelas mexicanas multiplicam-se unidos pelas redes sociais». O Globo. Globo.com. Consultado em 9 de março de 2015 
  3. a b Maria da Luz Miranda (17 de fevereiro de 2013). «Loucos por drama, fãs de novelas mexicanas multiplicam-se unidos pelas redes sociais». O Globo. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  4. «A Usurpadora». Telenoveleiros. 3 de abril de 2010. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  5. a b c d e Ricardo Valladares (22 de setembro de 1999). «Chiquititas 2». Veja. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  6. [1]
  7. «A Usurpadora». The Internet Movie Database. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  8. Alexandre Maron (14 de outubro de 1999). «Há protagonistas demais em novela brasileira, diz Spanic». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  9. «Elenco inclui uma ex-vedete argentina e estrela venezuelana». Folha de S.Paulo. UOL. 5 de setembro de 1999. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  10. «Lista: 10 curiosidades sobre A Usurpadora». SBT na Web. SBT. 1 de novembro de 2016. Consultado em 10 de junho de 2015 
  11. Pandora. «Usurparon la television mexicana». Consultado em 24 de dezembro de 2012 
  12. «La usurpadora». SBT. Consultado em 14 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  13. [2]
  14. a b c d e f g h i j Andréa de Lima (5 de setembro de 1999). «Novela mexicana amplia seu sucesso». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 8 de julho de 2014 
  15. «Mundo das novelas». Terra Networks. 23 de setembro de 1999. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
  16. Sônia Apolinário (17 de outubro de 1999). «Ela anda usurpando ibope da Globo». O Estado de S. Paulo. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  17. a b c d e Eduardo Zanelato (17 de outubro de 1999). «Gabriela Spanic faz maratona no SBT». O Estado de S. Paulo. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  18. a b Eduardo Zanelato (31 de outubro de 1999). «Substituta de 'A Usurpadora' entra no ar no mês que vem». O Estado de S. Paulo. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  19. Francisco Martins da Costa (11 de novembro de 1999). «Seriado de Tiazinha terá striptease virtual». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  20. Jornal do Brasil, Quinta-feira, 11 de novembro de 1999, página 06
  21. Daniel Castro (2 de março de 2005). «Governo livra Globo e mantém 'Laços' livre». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  22. «Usurpadora empata com Laços de Família no Ibope». Terra Networks. 8 de março de 2005. Consultado em 27 de fevereiro de 2015 
  23. «Entrelinhas». O Estado de S. Paulo. TV-Pesquisa. 19 de março de 2005. Consultado em 9 de março de 2015 
  24. Heloisa Tolipan (13 de abril de 2013). «Com 'A usurpadora', SBT registra o dobro de audiência da Record!». Jornal do Brasil. Consultado em 15 de março de 2015 
  25. Heloisa Tolipan (11 de abril de 2013). «'A usurpadora' assusta Globo e quase supera Ibope de 'O profeta'!». Jornal do Brasil. Consultado em 15 de março de 2015 
  26. «Reprise de "A Usurpadora" bate recorde e encosta no futebol da Globo». Folha de S.Paulo. UOL. 11 de abril de 2013. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  27. Heloisa Tolipan; Beatriz Medeiros (3 de maio de 2013). «'A usurpadora': morte de vilã em reprise de dramalhão assusta a Globo no Ibope». Jornal do Brasil. Consultado em 15 de março de 2015 
  28. Cristina Padiglione (28 de março de 2013). «Ibope passa a analisar TV das redes sociais». O Estado de S. Paulo. Grupo Estado. Consultado em 9 de março de 2015 
  29. «Novelas mexicanas rendem comentários no microblog». Folha de S.Paulo. UOL. 25 de abril de 2013. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  30. Marcella Laka (12 de maio de 2013). «Twitter». Twitter. Consultado em 9 de março de 2015 
  31. Keila Jimenez (8 de maio de 2013). «Ranking dos mais vistos tem até novela mexicana». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  32. Keila Jimenez (31 de maio de 2015). «Quinta reprise de "A Usurpadora" garante vice-liderança ao SBT». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 14 de abril de 2015 
  33. Renieri Lima, José Eustáquio Júnior, Luiz Ramos e Pedro Nascimento (novembro de 2011). «Entrevista SBTpedia: Gabriela Spanic». SBTpedia. Consultado em 9 de março de 2015 
  34. «Em Nome do Amor». Gabriela Spanic Web Page. OoCities. Consultado em 9 de março de 2015 
  35. «"Programa do Ratinho" faz versão de 'A Usurpadora'». Folha de S.Paulo. UOL. 3 de outubro de 1999. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  36. Francisco Martins da Costa (21 de outubro de 1999). «Verdadeira usurpadora atua em "A Xupadora"». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  37. «"Domingo Legal" recebe a atriz Gaby Spanic ao vivo no palco». NaTelinha. UOL. 15 de agosto de 2013. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  38. Vitor Andrade (22 de agosto de 2013). «Gaby Spanic é convidada de Danilo Gentili». Band.com.br. UOL. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  39. «'Pânico na Band' entrevista Gabriela Spanic 'A Usurpadora'». Blog do Bob. Spaceblog. 17 de dezembro de 2012. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  40. «'A Usurpadora' bate recorde em Los Angeles». Folha de S.Paulo. UOL. 6 de junho de 1999. Consultado em 8 de julho de 2014 
  41. a b Eduardo Zanelato (20 de junho de 1999). «SBT volta a apostar em drama mexicano». O Estado de S. Paulo. TV-Pesquisa. Consultado em 9 de março de 2015 
  42. Mariana Zylberkan (12 de maio de 2013). «'A Usurpadora' é trash, mas está na moda. E nas redes». Veja. Editora Abril. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  43. «Esmeralda cambia de horario y aquí te contamos todos los detalles». Las Estrellas. 9 de julho de 2024. Consultado em 13 de julho de 2024 
  44. «Televisa volverá a transmitir telenovela que lanzó a la fama internacional a su protagonista». Radio Fórmula (em espanhol). 4 de maio de 2023. Consultado em 2 de janeiro de 2024 
  45. a b Thiago Stivaletti (20 de junho de 1999). «Mexicana substitui "Pérola" no SBT». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 8 de julho de 2014 
  46. a b Francisco Martins da Costa (9 de novembro de 1999). «SBT extingue "Ô Coitado!", mas Filó ganha sitcom». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 8 de julho de 2014 
  47. Anna Lee (27 de junho de 2000). «Você pediu e vai ver de novo:SBT vai reprisar A Usurpadora». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  48. Daniel Castro (22 de dezembro de 2004). «"A Usurpadora" substitui "Maria do Bairro" no SBT». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 9 de março de 2015 
  49. Luan Borges (12 de novembro de 2007). «Hoje volta Maria do Bairro». Blog do Luan. WordPress. Consultado em 9 de março de 2015 
  50. Luan Borges (12 de novembro de 2007). «Estréia de Maria do Bairro tem picos de 8 pontos». Blog do Luan. WordPress. Consultado em 9 de março de 2015 
  51. «A Usurpadora está de volta a partir do dia 10 de dezembro». SBT. 21 de novembro de 2012. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  52. «SBT escala "Rubi" para substituir "A Usurpadora" a partir de maio». NaTelinha. UOL. 12 de abril de 2013. Consultado em 9 de março de 2015 
  53. Reniere Lima (fevereiro de 2015). «Confirmado: 'A Usurpadora' está de volta em março nas tardes do SBT». SBTpedia. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 
  54. «'A Usurpadora' será reprisada pela 5.ª vez no Brasil». Caras. UOL. 27 de fevereiro de 2015. Consultado em 3 de março de 2015 
  55. «Novela "A Usurpadora" será exibida pela sétima vez no SBT». UOL. 31 de outubro de 2016. Consultado em 14 de outubro de 2017 
  56. «A Usurpadora' tem data de estreia confirmada no Canal Viva». Revista Quem. 27 de maio de 2022. Consultado em 27 de maio de 2022 
  57. «'A Usurpadora' está no Globoplay! Veja 5 motivos para maratonar». Gshow. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  58. http://portal.mj.gov.br/ClassificacaoIndicativa/jsps/DadosObraForm.do?select_action=&tbobra_codigo=493
  59. [3]
  60. Silva, Paulo (26 de abril de 2019). «No México, nova versão de 'A Usurpadora' tem elenco divulgado, confira». Amescla: a versão brasileira de um site global. Consultado em 26 de abril de 2019 
  61. TIM, Televisa. «La Usurpadora: revelan quién es quién en el claquetazo inicial de grabaciones». Las Estrellas TV (em espanhol). Consultado em 26 de abril de 2019 

Ligações externas

editar