Abrir menu principal

Wikipédia β

Campeonato Brasileiro de Futebol de 1967 (Taça Brasil)

O Campeonato Brasileiro de Futebol de 1967, originalmente denominado Taça Brasil pela CBD, foi a décima edição do Campeonato Brasileiro e foi vencido pelo Palmeiras, conquistando assim o seu terceiro título de campeão brasileiro.[1][2] Título este que é compartilhado oficialmente pela CBF com o próprio Palmeiras, que também venceu o Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967. O clube sagrou-se campeão após vencer dois dos três jogos das finais contra o Náutico.[3][4]

X Campeonato Brasileiro de Futebol
Taça Brasil de 1967
Dados
Participantes 21
Organização CBD
Local de disputa Brasil
Período 30 de julho29 de dezembro
Gol(o)s 168
Partidas 61
Média 2,75 gol(o)s por partida
Campeão Palmeiras (3º título)
Vice-campeão Náutico
Melhor marcador Chicletes (Treze) – 9 gols
◄◄ 1967 (RGP) Soccerball.svg 1968 (RGP) ►►

O jogo decisivo, que contou com o placar de 2 a 0 para a equipe paulista, foi disputado no Maracanã. Com o triunfo nesta edição, o alviverde paulista se sagrou tricampeão brasileiro, pois neste mesmo ano de 1967 conquistou também o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, com o clube paulista já tendo vencido em 1960 a segunda edição da Taça Brasil. A conquista deste terceiro título nacional foi marcante para a consolidação da Primeira Academia de Futebol do Palmeiras como um dos melhores times da história.

Esta edição contou com a participação de vinte e um clubes. Devido o Cruzeiro ter classificado-se para a disputa desta edição por ser o então atual campeão brasileiro e, como a equipe também conquistou o Campeonato Mineiro de 1966, o Atlético Mineiro, vice-campeão mineiro, acabou ficando com a vaga destinada ao clube campeão do Estado de Minas Gerais. O Palmeiras, ao lado do vice-campeão Náutico, foram os dois representantes brasileiros na Taça Libertadores de 1968.[5]

Apesar de sua importância, e de seu vencedor ser considerado o campeão brasileiro já na época de sua disputa,[6][7][8] somente em 2010 que o torneio foi reconhecido oficialmente pela CBF como um dos dois Campeonatos Brasileiros de Futebol de 1967.[9]

Índice

HistóriaEditar

A Taça Brasil foi a primeira competição nacional de clubes de futebol do Brasil a dar ao seu vencedor o título de campeão brasileiro (já na época de sua disputa, o vencedor da Taça Brasil era considerado o campeão brasileiro).[6][10][11][8] Apesar do certame ter sido instituído em 1954 pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos, atual CBF), com a finalidade de apontar o clube campeão brasileiro da temporada e, ter seu regulamento definido no ano seguinte, a primeira edição da competição não pôde ser disputada em 1955, como o planejado, devido o calendário do futebol brasileiro de 1955 a 1958 já está aprovado e não podendo sofrer alterações por causa da Copa do Mundo de 1958. Sendo assim, ficou definido naquela época para a Taça Brasil começar somente em 1959.[12][13] Porém, como ainda havia limitação de data, restrições econômicas e dificuldades para viagens interestaduais devido a precariedade da infraestrutura do país na época, a competição foi montada do modo mais econômico possível. Sendo assim, participavam apenas os campeões estaduais, além de seu campeão do ano anterior, que se enfrentavam em um grande sistema eliminatório.[6][14][11]

A décima edição do Campeonato Brasileiro de Futebol, foi realizada em 1967 e contou com a participação de vinte e um clubes, que se enfrentaram em sistema eliminatório de ida e volta. O Cruzeiro (campeão brasileiro de 1966) e o Palmeiras (campeão paulista de 1966), por ser considerados as equipes mais fortes, tornando-se algo merecedor para as circunstâncias da época, entraram diretamente na semifinal da competição.[15][16]

A CBD, organizadora do certame, decidiu que o campeão paulista do ano anterior iria entrar diretamente na semifinal. Com isso, o Palmeiras, por ter vencido o disputado Campeonato Paulista de 1966, entrou diretamente na reta final da competição. Porém, o clube enfrentou grandes dificuldades para conquistar novamente o título nacional. O primeiro jogo foi contra o Grêmio, que tinha um elenco extremamente forte e era pentacampeão gaúcho na época. A equipe gaúcha havia ficado na primeira colocação em uma chave que também contou com a participação da Ferroviário do Paraná e do Perdigão Santa Catarina, o Grêmio recebeu o Palmeiras e venceu a equipe paulista por 2 a 1 no Estádio Olímpico; Alcino e Joãozinho marcaram para os donos da casa, enquanto que Áureo, marcando um gol contra, foi o autor do tento palmeirense. Mas, contando com um inspirado César Maluco e com toda a força de seu torcedor, o time palestrino, respondeu com uma vitória de 3 a 1 no Estádio do Pacaembu, forçando um jogo desempate, novamente vencido pelo Alviverde, que com um placar de 2 a 1, avançou à fase final da competição.[4][17]

Na final, encarou seu algoz no Campeonato Brasileiro de 1966, quando foi eliminado pelo mesmo Náutico nas quartas de final. O então pentacampeão pernambucano passava por uma das melhores fases de sua história, eliminou o América de Sergipe na terceira fase, o Atlético Mineiro nas quartas de final e na semifinal passou pelo campeão da edição de 1966, o Cruzeiro. No primeiro jogo, César, Zequinha e Lula surpreenderam os nordestinos e garantiram a vitória para o Palmeiras em plena Ilha do Retiro, no entanto, na partida de volta foi a vez de Fraga e Ladeira garantirem um 2 a 1 para o Náutico; Baldocchi descontou. Com a vitória, o clube pernambucano forçou um jogo desempate, para ser disputado dois dias depois, já às vésperas do Ano-Novo. O último e decisivo jogo foi marcado para ocorrer no Maracanã, em 29 de dezembro, e assim como no Mundial Interclubes de 1951, a equipe alviverde saiu da capital carioca com o título, após César Maluco e Ademir da Guia garantiram o triunfo palmeirense por 2 a 0. Com a conquista do terceiro título brasileiro do Palmeiras, veio a consagração da Academia de Futebol no cenário nacional. E também com a conquista da competição o Palmeiras assegurou uma vaga para disputar a Taça Libertadores da América de 1968.[4][5][17]

CaracterísticasEditar

Algumas equipes consideradas mais fortes entraram diretamente nas fases mais importantes da competição, caso do Cruzeiro, que entrou diretamente na semifinal, por ter sido o campeão da edição de 1966. O mesmo aconteceu com o Palmeiras também entrou diretamente nas semifinais, pois era o campeão paulista de 1966. O Grêmio, campeão gaúcho de 1966, o Botafogo, campeão da Taça Guanabara de 1967; o Atlético Mineiro, e o vice-campeão Náutico foram se incorporando nas fases mais decisivas do certame.

TabelaEditar

Primeira faseEditar

Grupo NordesteEditar

Jogos de ida
30 de julho de 1967 ABC   2 – 2   Treze Juvenal Lamartine, Natal (RN)

     

30 de julho de 1967 América   1 – 1   CSA

   

2 de agosto de 1967 CSA   2 – 3   Treze

      

2 de agosto de 1967 América   3 – 1   ABC

     

6 de agosto de 1967 América   1 – 1   Treze

Mirobaldo     Chicletes Árbitro: Nivaldo Magalhães
  • Treze: Galego; Lopes, Amorim, Mané e Janca; Leduar e Zeca; Lima, Cordeiro, Chicletes e Zé Luis.

6 de agosto de 1967 CSA   2 – 1   ABC

    
Jogos de volta
9 de agosto de 1967 Treze   3 – 0   ABC

   

9 de agosto de 1967 CSA   4 – 2   América

       

13 de agosto de 1967 ABC   2 – 1   América

    

13 de agosto de 1967 Treze   1 – 1   CSA

   

16 de agosto de 1967 Treze   1 – 0   América

 

20 de agosto de 1967 ABC   1 – 1   CSA

   


Classificação - Primeira Fase (Grupo Nordeste)
Time PG J V E D GP GC SG
1 Treze 9 6 3 3 0 11 6 5
2 CSA 7 6 2 3 1 11 9 2
4 América-SE 4 6 1 2 3 8 10 - 2
3 ABC 4 6 1 2 3 7 12 - 5
PG - pontos ganhos; J - jogos; V - vitórias; E - empates; D - derrotas; GP - gols pró; GC - gols contra; SG - saldo de gols

Grupo NorteEditar

30 de julho de 1967 Paysandu   2 – 1   Piauí Leônidas Castro, Belém (PA)

Rubilota      Sabará Árbitro: Gilberto Ferreira
  • Paysandu: Benicio; Abel, Valtinho, Carlos Pedro e Nascimento; Paulo Tavares e Quarenta; Zito, Rubilota, Benê e Ércio. Técnico: Castilho.
  • Piauí: Batista; Dalvan, Nonato, Valdivino e Manuelzinho; Chamega e Valdemir; Décio, Nonato Leite, Sarrinho e Sabará. Técnico: José Enio da Silva.

2 de agosto de 1967 Moto Club   0 – 0   Piauí Nhozinho Santos, São Luís (MA)

Árbitro: Louralber Monteiro
  • Moto Club: Vilanova; Paulo Silva, Alzimar, Alvim da Guia e Corrêa; Ronaldo e Ananias; Zezico, Hamilton, Pelezinho e Ribamar (Expedito). Técnico: Rinaldi Maia.
  • Piauí: Batista; Chico, Valdivino, Manuelzinho e Aloisio; Nonato Leite e Pilla; Valdemir, Sabará, Baé e Sanega (Carrinho). Técnico: José Enio da Silva.

6 de agosto de 1967 Moto Club   3 – 4   Paysandu Nhozinho Santos, São Luís (MA)

Pestana  
Expedito  
Ananias  
    Benê
  Nascimento
Árbitro: José Teixeira Carvalho
  • Moto Club: Vilanova; Paulo Silva, Alzimar, Alvim da Guia e Corrêa; Ronaldo (Almir) e Ananias; Zezico, Hamilton, Pestana e Expedito. Técnico: Rinaldi Maia.
  • Paysandu: Benicio; Abel, João Tavares, Paulo Tavares e Carlionhos; Tito e Quarenta; Nascimento, Rubilota, Benê e Ércio. Técnico: Castilho.

9 de agosto de 1967 Piauí   0 – 1   Moto Club Lindolfo Monteiro, Teresina (PI)

  38' Expedito Árbitro: José Teixeira Carvalho
  • Piauí: Batista; Chico, Nanô, Manuelzinho e Aloisio; Nonato Leite e Pilla; Valdemir, Barbosa, Carrinho (Baé) e Sanega. Técnico: José Enio da Silva.
  • Moto Club: Vilanova; Paulo Silva, Alzimar, Alvim da Guia e Corrêa; Almir e Ananias; Zezico, Hamilton, Pestana e Expedito. Técnico: Rinaldi Maia.

13 de agosto de 1967 Piauí   3 – 1   Paysandu

      Rubilota

16 de agosto de 1967 Paysandu   2 – 0   Moto Club Leônidas Castro, Belém (PA)

Zezinho   10'
Corrêa   76' (GC)
Árbitro: José Aldo Pereira
  • Paysandu: dmar; Valtinho, Abel, João Tavares e Paulo Tavares; Tito e Quarenta; Jorge Laurindo, Zezinho (Nascimento), Benê e Ércio. Técnico: Castilho.
  • Moto Club: Vilanova; Baezinho, Paulo Silva, Alvim da Guia e Corrêa; Almir e Ananias; Zezico, Hamilton, Isaac (Pestana) e Expedito. Técnico: Rinaldi Maia.

___________________________________________________________________________________________________

Chave Norte Nordeste - Grupo A 1º Paysandu - 2º Piauí - 3º Moto Clube.

Classificado - Paysandu.

___________________________________________________________________________________________________

Chave Centro 1º Goytacaz - 2º Rio Branco - 3º Goiás - 4º Rabelo.

Classificado - Goytacaz.

___________________________________________________________________________________________________

Chave Sul 1º Grêmio - 2º Ferroviário - 3º Perdigão.

Classificado - Grêmio. Obs: O Grêmio foi diretamente para a semifinal, Pois foi considerada uma equipe mais forte. Campeão gaúcho.

___________________________________________________________________________________________________

Primeira faseEditar

Paysandu 0 x 1 - 0 x 1 América.

Treze 2 x 1 - 2 x 1 Leônico.

Atlético Mineiro 2 x 1 - 5 x 1 Goytacaz.

Obs: O Leônico, Atlético Mineiro e América, já entraram diretamente na primeira fase por serem consideradas equipes mais fortes.

___________________________________________________________________________________________________

Segunda faseEditar

América 2 x 0 - 1 x 1 Treze

Botafogo 3 x 2 - 0 x 1 - 1 x 1 Atlético Mineiro.

Obs: O Botafogo entrou diretamente na segunda fase, pois foi considerada uma equipe mais forte.

___________________________________________________________________________________________________

Terceira faseEditar

Náutico 1 x 0 - 1 x 0 América.

Obs: O Náutico entrou diretamente na terceira fase para decidir a Chave Norte/Nordeste, por ser considerada uma equipe mais forte.

___________________________________________________________________________________________________

Quartas de finalEditar

Náutico 3 x 0 - 0 x 2 - 2 x 2 Atlético Mineiro.

___________________________________________________________________________________________________

SemifinaisEditar

1º jogo - dia 06/12/1967 - Grêmio 2 x 1 Palmeiras

2º jogo - dia 13/12/1967 - Palmeiras 3 x 1 Grêmio

3- jogo - dia 15/12/1967 - Palmeiras 2 x 1 Grêmio (jogo desempate).

Obs: O Palmeiras entrou diretamente na semifinal por ser uma equipe mais forte. Campeão paulista de 1966.


SemifinaisEditar

1º jogo - dia 06/12/1967 - Cruzeiro 2 x 1 Náutico

2º jogo - dia 13/12/1967 - Náutico 3 x 0 - Cruzeiro

3º jogo - dia 15/12/1967 - Náutico 0 x 0 Cruzeiro

Obs: O Cruzeiro entrou diretamente na semifinal por ter sido o campeão da Taça Brasil de 1966.

FinaisEditar

1° jogo
20 de dezembro de 1967 Náutico   1 – 3   Palmeiras Ilha do Retiro, Recife (PE)

Nino   17'   23' César Maluco
  37' Zequinha
  46' Lula
Público: 20.000
Árbitro:   Arnaldo Cezar Coelho
 
     
 
 
Náutico
     
 
 
Palmeiras
 
NÁUTICO:
G Lula
LD Fernando
Z Mauro
Z Fraga
LE Clóvis
M Salomão   43'
M Ivan
A Miruca
A Ladeira
A Nino
A Lala
Substituição:
A   Paulo Choco   43'
Treinador:
  Duque
PALMEIRAS:
G   Pérez
LD   Geraldo Scalera
Z   Baldocchi
Z   Minuca
LE   Ferrari
M   Dudu (C)
M   Zequinha
M   Ademir da Guia
A   César Maluco
A   Tupãzinho
A   Lula
Treinador:
  Mário Travaglini
2° jogo
27 de dezembro de 1967 Palmeiras   1 – 2   Náutico Pacaembu, São Paulo (SP)

Tupãzinho   81'   17' Ladeira
  43' Nino
Público: 28.000
Árbitro:   Arnaldo Cezar Coelho
 
     
 
 
Palmeiras
     
 
 
Náutico
 
PALMEIRAS:
G   Pérez
LD   Geraldo Scalera
Z   Baldocchi    
Z   Minuca
LE   Ferrari
M   Dudu (C)
M   Zequinha
A   César Maluco
A   Servílio    
A   Tupãzinho
A   Lula   42'
Substituição:
M   Ademir da Guia   42'
Treinador:
  Mário Travaglini
NÁUTICO:
G Lula   67'
LD Gena
Z Mauro
Z Fraga    
LE Clóvis
M Rafael
M Ivan
A Miruca
A Ladeira    
A Nino
A Lala   33'
Substituição:
Z Limeira   33'
G Valter Serafim   67'
Treinador:
  Duque
Jogo de desempate
29 de dezembro de 1967 Palmeiras   2 – 0   Náutico Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

César Maluco   7'
Ademir da Guia   79'
Público: 16.577
Árbitro:   Armando Marques
 
     
 
 
Palmeiras
     
 
 
Náutico
 
PALMEIRAS:
G   Pérez
LD   Geraldo Scalera
Z   Baldocchi
Z   Minuca
LE   Ferrari
M   Dudu (C)
M   Zequinha
M   Ademir da Guia
A   César Maluco
A   Tupãzinho
A   Lula
Treinador:
  Mário Travaglini
NÁUTICO:
G Valter Serafim
LD Gena
Z Mauro
Z Fraga
LE Clóvis
M Rafael
M Ivan
A Miruca
A Ladeira   43'
A Nino
A Lala
Substituição:
A   Paulo Choco   43'
Treinador:
  Duque

PremiaçãoEditar

Campeonato Brasileiro de 1967 (Taça Brasil)
 
Sociedade Esportiva Palmeiras
(3º título)

Classificação finalEditar

Classificação
Time Pts J V E D GP GC
1   Palmeiras 8 6 4 0 2 12 7
2   Náutico 12 11 5 2 4 14 12
3   Grêmio 8 7 3 2 2 16 8
4   Cruzeiro 3 3 1 1 1 2 4
5   Atlético Mineiro 10 8 4 2 2 15 11
6   Botafogo 3 3 1 1 1 4 4
7   América-CE 7 6 3 1 2 5 3
8   Treze 14 10 5 4 1 16 11
9   Goytacaz 8 8 3 2 3 12 15
10   Paysandu 6 6 3 0 3 9 9
11   Leônico 0 2 0 0 2 2 4
12   Rio Branco 7 5 3 1 2 8 3
13   CSA 7 6 2 3 1 11 9
14   Goiás 6 6 1 4 1 4 4
15   Ferroviário 5 4 2 1 1 6 6
16   América-SE 4 6 1 2 3 8 10
17   ABC 4 6 1 2 3 7 12
18   Piauí 3 4 1 1 2 4 4
19   Moto Club 3 4 1 1 2 4 6
20   Rabello 3 6 1 1 4 3 10
21   Perdigão 1 4 0 1 3 6 16
Pts – pontos; J – jogos disputados; V - vitórias; E - empates; D - derrotas;
GP – gols pró; GC – gols contra
Para efeitos de classificação, eram contabilizados apenas os pontos conquistados
na fase em que o clube foi eliminado
Finalistas
Semifinalistas
Quarto-finalista
Finalistas de zona
Semifinalistas de zona
Finalistas de grupo
Fase de grupos

Referências

  1. «Página 13 do jornal A Gazeta Esportiva de 30 de dezembro de 1967». Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  2. «Página do jornal O Estado de S. Paulo de 30 de dezembro de 1967». Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  3. "Canal 100 - 1967: Palmeiras x Náutico", Jovem Pan Online, 12/06/2008
  4. a b c «Confira detalhes do título do Palmeiras na Taça Brasil de 1967». Portal Terra. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  5. a b «Taça Brasil 1967 - Campeonato Brasileiro de Futebol 1967». Quadro de Medalhas. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  6. a b c «Antes do Big Bang». Revista Trivela. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  7. «A sabatina sobre Taça Brasil e Robertão continua». Odir Cunha. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  8. a b «Europa também chamava o vencedor da Taça brasil de campeão brasileiro». Odir Cunha. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  9. «CBF oficializa títulos nacionais de 1959 a 70 com homenagem a Pelé». Globo Esporte. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  10. «Livreto com resumo do Dossiê sobre a unificação dos títulos brasileiros» (PDF). Canelada. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  11. a b «O primeiro campeonato nacional». Consultado em 28 de novembro de 2016 
  12. «Taça Brasil». Consultado em 28 de novembro de 2016 
  13. «Taça Brasil saiu de Minas». Estado de Minas. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  14. «Historiador critica comparações de Copa do Brasil com Taça Brasil». Esportes.terra. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  15. «Um olhar weberiano sobre a unificação dos títulos brasileiros a partir de 1959». EFDeportes.com. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  16. «Palmeiras, dono de 12 títulos nacionais, sendo oito do Brasileiro. É isso mesmo?». Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  17. a b «A nona conquista». O Estado de S. Paulo. Consultado em 6 de janeiro de 2017