Abrir menu principal

Liberalismo

(Redirecionado de Política liberal)
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros usos do termo, veja Liberal.

Liberalismo é uma filosofia política e moral baseada na liberdade, consentimento dos governados e igualdade diante da lei.[1][2][3] Os liberais defendem uma ampla gama de pontos de vista, dependendo da sua compreensão desses princípios, mas em geral, apoiam ideias como um governo limitado, direitos individuais (incluindo direitos civis e direitos humanos), capitalismo (livre mercado), democracia, secularismo, igualdade de gênero, igualdade racial, internacionalismo, liberdade de expressão, liberdade de imprensa e liberdade religiosa.[4][5][6][7][8] Amarelo é a cor política mais comumente associada com o liberalismo.[9][10]

O liberalismo começou a alcançar notoriedade durante o Iluminismo, quando se tornou popular entre filósofos e economistas. O liberalismo buscou contestar diversas normas sociais vigentes na época, como o privilégio hereditário, Estado confessional, monarquia absolutista e o direito divino dos reis. Os liberais também encerraram políticas mercantilistas, monopólios e outras barreiras ao comércio, promovendo mercados livres em vez disso.[11] A fundação do liberalismo como uma tradição distinta é comumente atribuída ao filósofo inglês John Locke, tendo ele argumentado que o liberalismo deve basear-se no contrato social, e que cada homem tem um direito natural à vida, liberdade e propriedade, e que os governos não devem violar tais direitos.[12] Enquanto a tradição liberal britânica tenha enfatizado a expansão da democracia, o liberalismo francês enfatizou a rejeição do autoritarismo e esteve ligado à construção da nação.[13]O filósofo John Locke, do século XVII, é muitas vezes creditado como fundador do liberalismo como uma tradição filosófica distinta. Locke argumentou que cada homem tem um direito natural à vida, liberdade e propriedade,[14] acrescentando que os governos não devem violar esses direitos com base no contrato social. Os liberais opuseram-se ao conservadorismo tradicional e procuraram substituir o absolutismo no governo pela democracia representativa e pelo Estado de direito.

Líderes revolucionários da Revolução Gloriosa de 1688,[15] da Revolução Americana de 1776 e da Revolução Francesa de 1789 usaram a filosofia liberal para justificar derrocadas armadas contra realezas tiranas. O liberalismo espalhou-se rapidamente, em especial após a Revolução Francesa. O século XIX viu governos liberais estabelecidos em nações da Europa e da América do Sul, ao passo que também estavam bem estabelecidos ao lado do republicanismo nos Estados Unidos.[16] Na Grã-Bretanha vitoriana, foi usado para criticar o establishment político, apelando para a ciência e a razão em favor do povo.[17] Durante o século XIX e início do século XX, o liberalismo no Império Otomano e no Oriente Médio influenciou períodos de reformas como o Tanzimat e o Al-Nahda, bem como a ascensão do secularismo, constitucionalismo e nacionalismo; neste último sendo usado como pilar da Unificação Alemã (1864-1870) e da Unificação da Itália (1848-1860).[18]Essas mudanças, juntamente com outros fatores, ajudaram a criar uma sensação de crise dentro do Islã, que continua até hoje, culminando no renascimento islâmico. Antes de 1920, o principal adversário ideológico do liberalismo clássico era o conservadorismo, mas nos anos seguintes o liberalismo passou a enfrentar grandes desafios ideológicos de novos opositores: o fascismo e o comunismo. No entanto, durante o século 20, as ideias liberais continuaram a se espalhar ainda mais - especialmente na Europa Ocidental - em forma de democracias liberais, elas estiveram do lado vencedor em ambas as guerras mundiais. [19]

Na Europa e na América do Norte, o estabelecimento do liberalismo social (muitas vezes chamado simplesmente de "liberalismo" nos Estados Unidos) tornou-se um componente-chave na expansão do estado de bem-estar social, nos conhecidos 30 Anos Gloriosos.[20][21] Hoje, os partidos liberais continuam a exercer poder e influência em todo o mundo. No entanto, o liberalismo ainda tem desafios a superar na África e na Ásia. Os elementos fundamentais da sociedade contemporânea têm raízes liberais. As primeiras ondas do liberalismo popularizaram o individualismo econômico enquanto expandiam o governo constitucional e a autoridade parlamentar.[22] Os liberais procuraram e estabeleceram uma ordem constitucional que valorizava liberdades individuais importantes, como liberdade de expressão e liberdade de associação; um judiciário independente e julgamento público por júri; assim como a abolição dos privilégios aristocráticos.[22] Ondas posteriores do pensamento e da luta liberal moderna foram fortemente influenciadas pela necessidade de expandir os direitos civis.[23] Os liberais defenderam a igualdade de gênero e racial em suas campanhas para promover os direitos civis e um movimento global pelos direitos civis no século XX alcançou vários objetivos em relação a ambas as metas. O liberalismo europeu continental divide-se entre moderados e progressistas, com os moderados tendendo ao elitismo e os progressistas ao apoio a universalização de instituições fundamentais, como o sufrágio universal, a educação universal e a expansão dos direitos de propriedade. Com o tempo, os moderados tomaram o lugar dos progressistas como os principais guardiões do liberalismo europeu continental.[13]

Etimologia e definição

Palavras como liberal, liberdade, libertário e libertino traçam sua história até o Latim liber, que significa "livre".[24] Uma das primeiras instâncias registradas da palavra liberal ocorreu em 1375, quando foi usada para descrever as artes liberais no contexto de uma educação desejável para um homem nascido livre.[24] A ligação inicial da palavra com a educação clássica de universidades medievais logo deu lugar a uma proliferação de diferentes denotações e conotações. Liberal poderia se referir àquele "livre na concessão" inicialmente em 1387, "feito sem restrição" em 1433, "livremente permitido" em 1530 e "livre de restrição" - muitas vezes como uma observação pejorativa - nos séculos XVI e XVII.[24] Na Inglaterra do século XVI, as palavras relacionadas poderiam ter atributos positivos ou negativos, podendo se referir à generosidade ou indiscrição de alguém.[24] Em Muito Barulho por Nada, William Shakespeare escreveu sobre "uma vilania liberal" que "confessa [...] seus encontros vis"[24].Com a ascensão do Iluminismo, a palavra adquiriu decisivamente mais tons positivos, sendo definida como "livre de preconceitos estreitos" em 1781 e "livre do fanatismo" em 1823.[24] Em 1815, o primeiro uso da palavra "liberalismo" apareceu em inglês.[25] Na Espanha, os liberales, o primeiro grupo a usar o rótulo liberal em um contexto político,[26] lutaram por décadas para a implementação da Constituição de 1812. De 1820 a 1823, durante o Triênio Liberal, o rei Fernando VII foi forçado pelos liberais a jurar defender a Constituição. Em meados do século XIX, o termo liberal foi usado de forma politizada para partidos e movimentos em todo o mundo.[27]

Com o tempo, o significado da palavra liberalismo começou a assumir sentidos díspares em diferentes partes do mundo. De acordo com a Encyclopædia Britannica: "Nos Estados Unidos, o liberalismo está associado às políticas de welfare state do programa New Deal da administração democrata do Pres. Franklin D. Roosevelt, enquanto que na Europa é mais comumente associado a um compromisso com políticas econômicas de governo limitado e laissez-faire ".[28] Consequentemente, nos Estados Unidos, as ideias de individualismo e economia de laissez-faire anteriormente associadas ao liberalismo clássico tornaram-se a base para a emergente escola do pensamento libertário[29] e são componentes-chave do conservadorismo americano.

Ao contrário da Europa e da América Latina, a palavra liberalismo na América do Norte refere-se quase exclusivamente ao liberalismo social. O partido canadense dominante é o Partido Liberal e o Partido Democrata dos Estados Unidos é geralmente considerado liberal.[30]

No Brasil, a palavra "liberal" designa geralmente proponentes da direita política, mais especificamente defensores da liberdade econômica - o termo "neoliberal" é usado, no Brasil, de maneira pejorativa para designar parte do mesmo grupo.[31][32]

História

 
Adam Smith, um dos principais economistas liberais

A história do liberalismo abrange a maior parte dos últimos quatro séculos, começando na Guerra Civil Inglesa e continua após o fim da Guerra Fria. O liberalismo começou como uma doutrina principal e esforço intelectual em resposta as guerras religiosas, segurando a Europa durante os séculos XVI e XVII, embora o contexto histórico para a ascensão do liberalismo remonta a Idade Média. A primeira encarnação notável da agitação liberal veio com a Revolução Americana, e do liberalismo plenamente explodiu como um movimento global contra a velha ordem durante a Revolução Francesa, que marcou o ritmo para o futuro desenvolvimento da história humana.

Liberais clássicos, que em geral destacaram a importância do livre mercado e as liberdades civis, dominaram a história liberal no século após a Revolução Francesa. O início da Primeira Guerra Mundial e a Grande Depressão, porém, aceleraram a tendência iniciada no final do século XIX na Grã-Bretanha para um novo liberalismo que enfatizou um maior papel para o Estado melhorar as condições sociais devastadoras. No início do século XXI, as democracias liberais e as suas características fundamentais de direitos civis, liberdades individuais, sociedades pluralistas e o estado de bem-estar haviam prevalecido na maioria das regiões do mundo. O liberalismo defendia a descentralização política. Países como Canadá[33] tem um forte movimento liberal atualmente.

Impacto e influência

Os elementos fundamentais da sociedade contemporânea têm raízes liberais. As primeiras ondas do liberalismo popularizaram o individualismo econômico, ao mesmo tempo em que expandiam os governos constitucionais e a autoridade parlamentar.[22] Um dos maiores triunfos liberais envolveu a substituição da natureza caprichosa dos governos monárquicos e absolutistas por um processo de tomada de decisão codificado em leis escritas.[22] Liberais procuraram e estabeleceram de fato uma ordem constitucional que prezava pelas liberdades individuais, como a liberdade de expressão e a de associação, um Poder Judiciário independente e o julgamento por um júri público, além da abolição dos privilégios aristocráticos.[22]

Estas mudanças radicais na autoridade política marcaram a transição do absolutismo para a ordem constitucional.[22] A expansão e promoção dos mercados livres foi outra grande conquista liberal. Antes que eles pudessem estabelecer novas estruturas de mercado, no entanto, os liberais tiveram que destruir as antigas estruturas econômicas do mundo. Nesse sentido, os liberais acabaram com as políticas mercantilistas, monopólios reais e diversas outras restrições sobre as atividades econômicas.[22] Eles também tentaram abolir as barreiras internas ao comércio, eliminando as guildas, tarifas locais e as proibições sobre a venda de terras.[22]

As ondas posteriores do pensamento e da luta liberal foram fortemente influenciadas pela necessidade de expandir os direitos civis. Nas décadas de 1960 e 1970, a causa da segunda onda do feminismo nos Estados Unidos desenvolveu-se, em grande parte, por organizações feministas liberais como a Organização Nacional das Mulheres.[23] Além de defender a igualdade de gênero, os liberais também defendiam a igualdade racial a fim de promover os direitos civis, sendo que o movimento dos direitos civis no século XX alcançou vários desses objetivos. Entre os vários movimentos regionais e nacionais, o movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos durante a década de 1960 realçou fortemente a cruzada liberal pelos direitos iguais. Descrevendo os esforços políticos do período, alguns historiadores têm afirmado que "a campanha pelo direito de votar marcou ... a convergência de duas forças políticas em seu zênite: a campanha negra por igualdade e o movimento pela reforma liberal", comentando ainda sobre como "a luta para garantir o voto aos negros coincidiu com o apelo liberal pela maior ação federal para proteger os direitos de todos os cidadãos ".[34] O projeto da Grande Sociedade lançado pelo presidente dos Estados Unidos Lyndon B. Johnson previa a criação do Medicare e do Medicaid, o estabelecimento do Programa Head Start e o Job Corps, como parte da política contra a pobreza, uma série de eventos rápidos que alguns historiadores têm chamado de a Hora Liberal.[35]

Outra importante conquista liberal inclui a ascensão do internacionalismo liberal, que é considerado o responsável pelo estabelecimento de organizações globais, como a Liga das Nações e, após a Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas.[36] A ideia de exportar o liberalismo para o mundo inteiro e construir uma ordem internacionalista harmoniosa e liberal tem dominado o pensamento dos liberais desde o século XVIII.[37] "Todos os lugares em que o liberalismo floresceu internamente, este tem sido acompanhado por visões de internacionalismo liberal", escreveu um historiador[37] Mas a resistência ao internacionalismo liberal foi profunda e amarga, com críticos argumentando que a crescente interdependência mundial poderia resultar na perda da soberania nacional e que as democracias representavam uma ordem corrupta incapaz de alcançar uma boa governança doméstica ou global.[38]

Críticas e elogios

 
Execução de Torrijos e seus homens em 1831. O rei espanhol Fernando VII tomou medidas repressivas contra as forças liberais em seu país
 
Em 2014, o escritor saudita e o criador do site Free Saudi Liberals, Raif Badawi, foi condenado a 10 anos de prisão e 1000 chicotadas por "insultar o Islã"

O liberalismo atraiu críticas e apoios em sua história de diversos grupos ideológicos. O menos amigável aos objetivos do liberalismo foi o conservadorismo. Edmund Burke, considerado por alguns como o primeiro grande proponente do pensamento conservador moderno, ofereceu uma crítica violenta da Revolução Francesa que atacava as pretensões liberais ao poder da racionalidade e à igualdade natural de todos os seres humanos.[39]

Há certa confusão sobre a relação entre o liberalismo social e socialismo, apesar do fato de que muitas variantes do socialismo se distinguem marcadamente do liberalismo devido ao fato de se opor ao capitalismo, a hierarquia e a propriedade privada. O socialismo faz parte de um grupo de ideologias divergentes ao liberalismo no século XIX, assim como o socialismo cristão, comunismo (com os escritos de Karl Marx) e o anarquismo (com os escritos de Mikhail Bakunin), os dois últimos influenciados pela Comuna de Paris. Essas ideologias – assim como o liberalismo e o conservadorismo – foram divididos em vários movimentos maiores e menores nas décadas seguintes.[40] Marx rejeitou os aspectos fundamentais da teoria liberal, na esperança de destruir o Estado e a distinção liberal entre a sociedade e o indivíduo juntando os dois em um trabalho coletivo projetado para derrubar a ordem capitalista em desenvolvimento do século XIX.[41] Hoje, os partidos e ideias socialistas continuam sendo uma força política com diferentes graus de poder e influência em todos os continentes, liderando os governos nacionais em muitos países.

Vladimir Lenin alega que – ao contrário do marxismo – a ciência liberal defende a escravidão do salário.[42][43] No entanto, alguns defensores do liberalismo, como George Henry Evans, Silvio Gesell e Thomas Paine, são críticos da escravidão do salário.[44][45] Uma das críticas mais abertas do liberalismo foi da Igreja Católica,[46] que resultou em longas lutas de poder entre os governos nacionais e a Igreja. Na mesma linha, os conservadores também atacaram o que eles percebem como a busca liberal imprudente de progresso e ganhos materiais, argumentando que tais preocupações prejudicam os valores sociais tradicionais enraizados na comunidade e a continuidade dos mesmos.[47] No entanto, algumas variações de conservadorismo, como conservadorismo liberal, expõe algumas das mesmas ideias e princípios defendidos pelo liberalismo clássico, incluindo "governo pequeno e capitalismo próspero".[39]

A social democracia, ideologia que defende a modificação progressiva do capitalismo, surgiu no século XX e foi influenciada pelo socialismo. No entanto, ao contrário do socialismo, não é coletivista nem anticapitalista. Definido de forma geral como um projeto que visa corrigir, por meio do reformismo governamental, o que considera como os defeitos intrínsecos do capitalismo, reduzindo as desigualdades,[48] a social-democracia também não estava contra o estado. Vários comentaristas observaram fortes semelhanças entre o liberalismo social e a social-democracia, com um cientista político que até mesmo chamou o liberalismo americano de "bootleg social democracy" devido à ausência de uma tradição social-democrata significativa nos Estados Unidos que os liberais tentaram corrigir.[49] Outro movimento associado à democracia moderna, a democracia cristã, espera espalhar as ideias sociais católicas e ganhou um grande número de seguidores em alguns países europeus.[50] As primeiras raízes da democracia cristã se desenvolveram como uma reação contra a industrialização e a urbanização associado com o liberalismo laissez-faire do século XIX.[51] Apesar desses complexos relacionamentos, alguns estudiosos argumentaram que o liberalismo realmente "rejeita o pensamento ideológico" em conjunto, em grande parte porque tal pensamento poderia levar a expectativas irrealistas para a sociedade humana.[52]

Fascistas acusam o liberalismo de materialismo e uma falta de valores espirituais.[53] Em particular, o fascismo opõe-se ao liberalismo pelo seu materialismo, racionalismo, individualismo e utilitarismo.[54] Os fascistas acreditam que a ênfase liberal na liberdade individual produz divisão nacional,[53] mas muitos fascistas concordam com os liberais em seu apoio aos direitos à propriedade privada e economia de mercado.[54]

Estudiosos têm elogiado a influência do internacionalismo liberal, alegando que o aumento da globalização "constitui um triunfo da visão liberal que apareceu pela primeira vez no século XVIII" ao mesmo tempo que escreve que o liberalismo é "a única visão ampla e esperançosa dos assuntos mundiais".[55]

Ver também

Referências

  1. McLean, Iain.; McMillan, Alistair. (2009). The concise Oxford dictionary of politics 3rd ed ed. Oxford: Oxford University Press. ISBN 9780199207800. OCLC 173498589 
  2. Dunn, John, 1940- (1993). Western political theory in the face of the future Canto ed., 2nd ed ed. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0521437555. OCLC 28111574 
  3. "With a nod to Robert Trivers' definition of altruistic behaviour" (Trivers 1971, p. 35), Satoshi Kanazawa define o liberalismo (em oposição ao conservadorismo) como "a preocupação genuína pelo bem-estar de outros geneticamente não relacionados e a vontade de contribuir com grandes proporções de recursos privados para o bem-estar desses outros "(Kanazawa 2010, p. 38).
  4. "O liberalismo situa-se no plano político-religioso. Defende a absoluta liberdade individual, tanto de pensamento como de ação, na vida privada e pública.", Dom Dadeus Grings. Dialética da política: história dialética do cristianismo. EDIPUCRS; GGKEY:3PUD50DKR6P. p. 257.
  5. "(...) o liberalismo incorporou ideias como o livre comércio, a democracia e a autodeterminação nacional.", William Outhwaite. Dicionário do pensamento social do século XX. Jorge Zahar Editor; 1996. ISBN 978-85-7110-345-0. p. 421.
  6. Kathleen G. Donohue. Freedom from Want: American Liberalism and the Idea of the Consumer (New Studies in American Intellectual and Cultural History). [S.l.]: Johns Hopkins University Press. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Three of them - freedom from fear, freedom of speech, and freedom of religion - have long been fundamental to liberalism. 
  7. The Economist, Volume 341, Issues 7995-7997. [S.l.]: The Economist. Consultado em 31 de dezembro de 2007. For all three share a belief in the liberal society as defined above: a society that provides constitutional government (rule by laws, not by men) and freedom of religion, thought, expression and economic interaction; a society in which ... 
  8. Corentin de Salle. A Tradição da Liberdade - Grandes Obras do Pensamento Liberal. Movimento Liberal Social; ISBN 978-989-97083-1-0. p. 18.
  9. Stone, Terry Lee.; Morioka, Noreen. (2006). Color design workbook : a real-world guide to using color in graphic design. Gloucester, Mass.: Rockport Publishers. ISBN 159253192X. OCLC 60393965 
  10. Kumar, Rohit Vishal (14 de março de 2007). «Colour, Colour Everywhere: In Marketing Too». SSRN. Consultado em 2 de julho de 2019 
  11. Gould, Andrew, 1962- (1999). Origins of liberal dominance : state, church, and party in nineteenth-century Europe. Ann Arbor: University of Michigan Press. p. 3. ISBN 9780472023363. OCLC 651663510 
  12. "All mankind [...] being all equal and independent, no one ought to harm another in his life, health, liberty, or possessions", John Lock, Second Treatise of Government
  13. a b Kirchner, Emil Joseph. (1988). Liberal parties in Western Europe. Cambridge [England]: Cambridge University Press. p. 3. ISBN 0521323940. OCLC 17325567 
  14. "All mankind ... being all equal and independent, no one ought to harm another in his life, health, liberty, or possessions", John Locke, Second Treatise of Government
  15. Pincus, Steven C. A., (2009). 1688 : the first modern revolution. New Haven: Yale University Press. ISBN 9780300156058. OCLC 593239844 
  16. Zafirovski, Milan, 1958- (2007). Liberal modernity and its adversaries : freedom, liberalism and anti-liberalism in the 21st century. Leiden, the Netherlands: Brill. ISBN 9789047420699. OCLC 646789927 
  17. Eddy, Matthew Daniel (1 de dezembro de 2017). «The politics of cognition: liberalism and the evolutionary origins of Victorian education». The British Journal for the History of Science (em inglês). 50 (4): 677–699. ISSN 0007-0874. doi:10.1017/S0007087417000863 
  18. «Загрузка статьи». sci-hub.tw 
  19. Gosewinkel, Dieter, 1956-. Anti-liberal Europe : a neglected story of Europeanization. New York: [s.n.] ISBN 9781782384267. OCLC 903206604. Consultado em 2 de julho de 2019. O liberalismo, os valores liberais e as instituições liberais formaram parte importante desse processo de consolidação da Europa. Quinze anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, a identidade liberal e democrática da Europa Ocidental havia sido reforçada em quase todos os lados pela definição do Ocidente como símbolo de liberdade. Em contraste à opressão no Oriente comunista, pelo lento desenvolvimento de uma maior compreensão do horror moral do nazismo, pelo engajamento de outros intelectuais e com seus novos estados (e sistemas sociopolíticos) emergentes do mundo não-europeu para o sul 
  20. "Liberalism in America: A Note for Europeans" by Arthur Schlesinger, Jr. (1956) from: The Politics of Hope (Boston: Riverside Press, 1962). "Liberalism in the U.S. usage has little in common with the word as used in the politics of any other country, save possibly Britain."
  21. Schlesinger, Jr., Arthur (1956). «Liberalism in America: A Note for Europeans». Boston Riverside Press. Consultado em 2 de julho de 2019 
  22. a b c d e f g h Gould, p. 3.
  23. a b Worell, p. 470.
  24. a b c d e f Gross, Jonathan David, 1962- (2001). Byron : the erotic liberal. Lanham, Md.: Rowman & Littlefield. p. 5. ISBN 0742511618. OCLC 45015624 
  25. Gross, Jonathan David, 1962- (2001). Byron : the erotic liberal. Lanham, Md.: Rowman & Littlefield. p. 2,3. ISBN 0742511618. OCLC 45015624 
  26. Palmer, R. R. (Robert Roswell), 1909-2002. (1995). A history of the modern world 8th ed ed. New York: McGraw-Hill. p. 479. ISBN 0070408262. OCLC 30154745 
  27. Kirchner, Emil Joseph. (1988). Liberal parties in Western Europe. Cambridge [England]: Cambridge University Press. ISBN 0521323940. OCLC 17325567 
  28. «"Liberalism",Encyclopædia Britannica» 
  29. Rothbard, Murray N. «The Libertarian Heritage: The American Revolution and Classical Liberalism». LewRockwell. Consultado em 2 de julho de 2019 
  30. Piano, Aili.; Puddington, Arch.; Eiss, Camille.; Rylance, Tyler.; Freedom House (U.S.) (2007). Freedom in the world 2007 : the annual survey of political rights & civil liberties. New York: Freedom House. p. 142. ISBN 0742558975. OCLC 227049906 
  31. Leme, Og (29 de abril de 2019). «Faz sentido falar de neoliberalismo? (segunda parte)». Instituto Liberal. Consultado em 2 de julho de 2019 
  32. «O profeta do fracasso do liberalismo». Época. 2016 
  33. Brooke Jeffrey, Dismantling Canada. Stephen Harper’s New Conservative Agenda. (2015, Montreal: McGill-Queen’s University Press).
  34. Mackenzie e Weisbrot, p. 178.
  35. Mackenzie and Weisbrot, p. 5.
  36. Sinclair, p. 145.
  37. a b Schell, p. 266.
  38. Schell, pp. 273–80.
  39. a b Grigsby, p. 108.
  40. Grigsby, pp. 119–22.
  41. Koerner, pp. 9–12.
  42. Selsam, Howard; Martel, Harry (1963). Reader in Marxist Philosophy. [S.l.]: International Publishers. p. 37. ISBN 0717801675. Consultado em 1 de junho de 2017 
  43. Lenin, Vladimir (2008). On Culture and Cultural Revolution. [S.l.]: Wildside Press LLC. p. 34. ISBN 1434463524. Consultado em 1 de junho de 2017 
  44. «Social Security History». www.ssa.gov 
  45. Rodriguez, Junius P. (2007). Slavery in the United States: A Social, Political, and Historical Encyclopedia, Volumen 1. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 500. Consultado em 1 de junho de 2017 
  46. Grew, Raymond (1997). «Liberty and the Catholic Church in 19th century Europe». In: Richard Helmstadter. Freedom and Religion in the 19th Century. [S.l.]: Stanford University Press. p. 201. ISBN 978-0-8047-3087-7 
  47. Koerner, p. 14.
  48. Lightfoot, p. 17.
  49. Susser, p. 110.
  50. Riff, pp. 34–36.
  51. Riff, p. 34.
  52. Wolfe, p. 116.
  53. a b Marvin Perry, Myrna Chase, Margaret Jacob, James R. Jacob. WESTERN CIVILIZATION: IDEAS, POLITICS, AND SOCIETY- FROM 1600, Volume 2. 9th ed. Boston, Massaschussetts, USA: Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company, 2009 Pp. 760.
  54. a b Sternhell, Zeev, Mario Sznajder and Maia Ashéri. The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution (Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1994) 7.
  55. Venturelli, p. 247.

Bibliografia

  • Farr, Thomas. World of Faith and Freedom. New York: Oxford University Press US, 2008. ISBN 0-19-517995-1
  • Mackenzie, G. Calvin and Weisbrot, Robert. The liberal hour: Washington and the politics of change in the 1960s. New York: Penguin Group, 2008. ISBN 1-59420-170-6
  • Pierson, Paul. The New Politics of the Welfare State. New York: Oxford University Press, 2001. ISBN 0-19-829756-4
  • Schell, Jonathan. The Unconquerable World: Power, Nonviolence, and the Will of the People. New York: Macmillan, 2004. ISBN 0-8050-4457-4
  • Sinclair, Timothy. Global governance: critical concepts in political science. Oxford: Taylor & Francis, 2004. ISBN 0-415-27662-4
  • Worell, Judith. Encyclopedia of women and gender, Volume I. Amsterdam: Elsevier, 2001. ISBN 0-12-227246-3
  • Venturelli, Shalini. Liberalizing the European media: politics, regulation, and the public sphere. New York: Oxford University Press, 1998. ISBN 0-19-823379-5
  • A. Paloni and M. Zonardi, eds., Neoliberalism: A Critical Introduction. London: Pluto, 2005.
  • Bhikhu Parekh, “The Cultural Particularity of Liberal Democracy”, Political, Volume 40, Issue Supplement s1, pages 160–175, August 1992
  • Joppke, C. 2004. The Retreat of Multiculturalism in the Liberal State: Theory and Policy. British Journal of Sociology 55(2): 237-257.
  • Kymlicka, W. 2010. “Testing the Liberal Multiculturalist Hypothesis: Normative Theories and Social Science Evidence,” Canadian Journal of Political Science 43(2): 257-271.

Ligações externas