Abrir menu principal

Envolvimento dos Estados Unidos em mudanças de regime

(Redirecionado de Ações de derrubada de governos patrocinadas pela CIA)
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «United States involvement in regime change» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.
História dos Estados Unidos da América
Expansão e influência mundial
Flag of the United States.svg
Imperialismo americano
Expansão territorial
Expansão ultramarina
Intervenções militares
História militar
Relações internacionais
Bases militares
Não-intervencionismo
Destino Manifesto
51.º estado
Pax Americana
Quintal dos Estados Unidos
Envolvimento em mudanças de regime
Mapa da interferência dos Estados Unidos
  Estados Unidos
  Ação em golpes de Estado e mudanças de regime
  Interferência eleitoral
  Anexações na sequência de ação de mudança de regime e invasão

O envolvimento dos Estados Unidos em mudanças de regime tem implicado tanto ações abertas quanto dissimuladas com o objetivo de alterar, substituir ou preservar governos estrangeiros. Na segunda metade do século XIX, o governo dos Estados Unidos iniciou ações para mudança de regime, principalmente na América Latina e no sudoeste do Pacífico, e incluiu as guerras mexicano-americanas, hispano-americanas e filipino-americanas. No início do século XX, os Estados Unidos desenvolveram ou instalaram governos amigos em muitos países ao redor do mundo, incluindo os vizinhos Panamá, Honduras, Nicarágua, México, Haiti e República Dominicana.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos ajudaram a derrubar muitos regimes fantoches da Alemanha nazista ou do Japão Imperial. Exemplos incluem regimes nas Filipinas, na Coreia, na parte oriental da China e em grande parte da Europa. As forças dos Estados Unidos também foram fundamentais para acabar com o domínio de Adolf Hitler sobre a Alemanha e de Benito Mussolini sobre a Itália.

Na sequência da Segunda Guerra Mundial, o governo dos Estados Unidos lutou com a União Soviética pela liderança e influência global no contexto da Guerra Fria. Ampliou o escopo geográfico de suas ações para além de sua área tradicional de operações, a América Central e o Caribe. Operações significativas incluíram o golpe de Estado no Irã em 1953, organizado pelos Estados Unidos e Reino Unido, a invasão da Baía dos Porcos em 1961 contra Cuba e o apoio à derrubada de Sukarno pelo general do Exército Suharto na Indonésia. Além disso, os Estados Unidos interferiram nas eleições nacionais de muitos países, inclusive no Japão nas décadas de 1950 e 1960, para manter seu partido preferencial, o Partido Liberal Democrata de centro-direita, no poder usando fundos secretos; nas Filipinas para orquestrar a campanha presidencial de Ramon Magsaysay em 1953 e no Líbano para ajudar os partidos cristãos nas eleições de 1957 usando aplicações secretas de dinheiro. [1] Os estadunidenses executaram pelo menos 81 intervenções conhecidas e encobertas em eleições estrangeiras durante o período de 1946 a 2000.[2]

Também após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos ratificaram em 1945[3] a Carta das Nações Unidas, o mais importante documento de direito internacional,[4] que legalmente vinculava o governo estadunidense às provisões da Carta, incluindo o Artigo 2 (4), que proíbe a ameaça ou uso de força nas relações internacionais, exceto em circunstâncias muito limitadas.[5] Portanto, qualquer reivindicação legal apresentada para justificar a mudança de regime por uma potência estrangeira implica um encargo particularmente pesado. [6]

Após a dissolução da União Soviética, os Estados Unidos lideraram ou apoiaram guerras para determinar a governança de vários países. Os objetivos declarados dos Estados Unidos nesses conflitos incluem lutar na Guerra ao Terror como na Guerra do Afeganistão de 2001, ou remover regimes ditatoriais e hostis como na Guerra do Iraque de 2003 e na intervenção militar na Líbia em 2011.

Índice

Intervenções do século XIXEditar

1887–1889: SamoaEditar

A crise samoana foi um confronto entre os Estados Unidos, a Alemanha e a Grã-Bretanha de 1887 a 1889, com as potências apoiando os pretendentes rivais ao trono das Ilhas Samoa durante a Primeira Guerra Civil Samoana. [7] A Segunda Guerra Civil Samoana se seguiu em 1898, envolvendo os Estados Unidos (que apoiaram o rei em exercício) e a Alemanha, resultando, por meio da Convenção Tripartite de 1899, na divisão das Ilhas Samoa em Samoa Americana e Samoa Alemã. [8][9]

1893-1917: império e expansionismo estadunidenseEditar

Década de 1890Editar

1893: Reino do HavaíEditar

Elementos antimonárquicos, principalmente estadunidenses, no Havaí, provocaram a derrubada do Reino do Havaí. Em 17 de janeiro de 1893, a monarca nativa, a rainha Lili'uokalani, foi deposto. O Havaí foi inicialmente reconstituído como uma república independente, mas o objetivo final da ação era a anexação das ilhas aos Estados Unidos, o que foi finalmente realizado em 1898.

1898: Cuba e Porto RicoEditar

Como parte da Guerra Hispano-Americana, os Estados Unidos invadiram e ocuparam Cuba e Porto Rico em 1898. Cuba foi ocupada pelos Estados Unidos de 1898 a 1902 sob o comando do governador militar Leonard Wood, e novamente de 1906 a 1909, em 1912 e de 1917 a 1922; regido pelos termos da Emenda Platt até 1934.

A Campanha de Porto Rico foi uma operação militar e terrestre militar estadunidense na ilha de Porto Rico durante a Guerra Hispano-Americana. A Marinha dos Estados Unidos atacou a capital colonial do arquipélago, San Juan. Embora os danos infligidos à cidade fossem mínimos, os estadunidenses conseguiram estabelecer um bloqueio ao porto da cidade, a baía de San Juan. A ofensiva terrestre começou em 25 de julho com 1.300 soldados de infantaria. Todas as ações militares em Porto Rico foram suspensas em 13 de agosto, depois que o presidente dos Estados Unidos William McKinley e o embaixador francês Jules Cambon, em nome do governo espanhol, assinaram um armistício pelo qual a Espanha renunciou à soberania sobre os territórios de Porto Rico, Cuba, Filipinas e Guam.

1899: FilipinasEditar

A Guerra Filipino-Americana foi parte de uma série de conflitos da luta filipina pela independência contra a ocupação dos Estados Unidos. Os combates irromperam entre as forças revolucionárias filipinas e as forças estadunidenses em 4 de fevereiro de 1899 e rapidamente intensificaram-se na Batalha de Manila em 1899. Em 2 de junho de 1899, a Primeira República Filipina declarou oficialmente a guerra contra os Estados Unidos.[10] A guerra terminou oficialmente em 4 de julho de 1902. [11] Essa intervenção dos Estados Unidos tinha como objetivo impedir uma mudança de regime e manter o controle estadunidense sobre as Filipinas.

Década de 1900Editar

1903: PanamáEditar

Em 1903, os Estados Unidos ajudaram na secessão do Panamá da República da Colômbia. A secessão foi projetada por uma facção panamenha apoiada pela Companhia do Canal do Panamá, uma corporação franco-estadunidense cujo objetivo era a construção de uma hidrovia através do istmo do Panamá, conectando assim os oceanos Atlântico e Pacífico. Em 1903, os Estados Unidos assinaram o Tratado Hay-Herrán com a Colômbia, concedendo aos Estados Unidos o uso do istmo do Panamá em troca de compensação financeira [12][13] em meio à Guerra dos Mil Dias. O Canal do Panamá já estava em construção e a Zona do Canal do Panamá foi criada e colocada sob soberania dos Estados Unidos. Os Estados Unidos não transfeririam a zona ao Panamá até 2000.

1900 a 1920: HondurasEditar

No que ficou conhecido como as "Guerras das Bananas", entre o fim da Guerra Hispano-Americana em 1898 e o início da Política da Boa Vizinhança em 1934, os Estados Unidos organizaram muitas invasões e intervenções militares na América Central e no Caribe. [14] O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que na maioria das vezes combateu nessas guerras, desenvolveu um manual chamado The Strategy and Tactics of Small Wars em 1921 com base em suas experiências. Na ocasião, a Marinha forneceu apoio naval e tropas do exército também foram usadas. A United Fruit Company e a Standard Fruit Company dominavam o importante setor exportador de bananas de Honduras e seus latifúndios e ferrovias associadas. Os Estados Unidos encenaram invasões e incursões de tropas em 1903 (apoiando um golpe de Manuel Bonilla), 1907 (apoiando Bonilla contra um golpe apoiado pela Nicarágua), 1911 e 1912 (defendendo o regime de Miguel R. Davila de uma revolta), 1919 (manutenção da paz durante uma guerra civil e instalação do governo interino de Francisco Bográn), 1920 (defendendo o regime Bográn de uma greve geral), 1924 (defendendo o regime de Rafael López Gutiérrez de uma revolta) e 1925 (defendendo o governo eleito de Miguel Paz Barahona) para defender os interesses estadunidenses. [15] O escritor O. Henry cunhou o termo "república das bananas" em 1904 para descrever Honduras.

Década de 1910Editar

1912–1933: NicaráguaEditar

O governo dos Estados Unidos invadiu a Nicarágua em 1912, após intermitentes desembarques militares e bombardeios navais estadunidenses nas décadas anteriores. Os Estados Unidos estavam fornecendo apoio político às forças lideradas pelos conservadores que se rebelavam contra o presidente José Santos Zelaya, um liberal. Os motivos dos Estados Unidos incluíram o desacordo com o proposto Canal da Nicarágua, uma vez que os estadunidenses controlavam a Zona do Canal do Panamá - que incluía o Canal do Panamá - e as tentativas do presidente Zelaya de regular o acesso de estrangeiros aos recursos naturais da Nicarágua. Em 17 de novembro de 1909, dois estadunidenses foram executados por ordem de Zelaya depois que os dois homens confessaram ter colocado uma mina no rio San Juan com a intenção de explodir o Diamante. Os Estados Unidos justificaram a intervenção alegando proteger vidas e propriedades estadunidenses. Zelaya renunciou mais tarde naquele ano. Os Estados Unidos ocuparam o país quase continuamente de 1912 a 1933.


1915–1934: HaitiEditar

Os Estados Unidos ocuparam o Haiti de 1915 a 1934. Os bancos estadunidenses emprestaram dinheiro ao Haiti e solicitaram a intervenção do governo dos Estados Unidos. Os Estados Unidos instalaram um novo governo em 1917 e ditaram os termos de uma nova constituição haitiana em 1917, que instituiu mudanças que incluíam o fim da proibição anterior da propriedade de terras por não haitianos. Os Cacos eram originalmente milícias armadas de pessoas anteriormente escravizadas que se rebelaram e assumiram o controle de áreas montanhosas após a Revolução Haitiana em 1804. Tais grupos travaram uma guerra de guerrilha contra a ocupação estadunidense no que ficou conhecido como "Guerras Cacos". [16]

1916–1924: República DominicanaEditar

Os fuzileiros navais estadunidenses invadiram a República Dominicana e a ocuparam de 1916 a 1924, e isso foi precedido por intervenções militares estadunidenses em 1903, 1904 e 1914. A Marinha dos Estados Unidos instalou seu pessoal em todas as posições-chave no governo e controlou o exército e a polícia dominicana. [17] Dentro de alguns dias, o presidente constitucional, Juan Isidro Jimenes, renunciou. [18]

Primeira Guerra Mundial e período entreguerrasEditar

1918: RússiaEditar

Depois que o novo governo bolchevique se retirou da Primeira Guerra Mundial, os militares estadunidenses e as forças aliadas invadiram a Rússia em 1918. Aproximadamente 250.000 soldados invasores, incluindo tropas da Europa, dos Estados Unidos e do Império do Japão invadiram a Rússia para ajudar o Exército Branco contra o Exército Vermelho do novo governo soviético na Guerra Civil Russa. Os invasores lançaram uma invasão no norte da Rússia a partir de Arkhangelsk e uma invasão na Sibéria a partir de Vladivostok. As forças invasoras incluíam 13.000 tropas estadunidenses cuja missão após o fim da Primeira Guerra Mundial incluía a derrubada do novo governo soviético e a restauração do regime czarista anterior. Os Estados Unidos e outras forças ocidentais não tiveram êxito nesse objetivo e se retiraram em 1920, mas os militares japoneses continuaram a ocupar partes da Sibéria até 1922 e a metade norte de Sacalina até 1925.[19]

1941: PanamáEditar

O governo dos Estados Unidos usou seus contatos na Guarda Nacional do Panamá, que os estadunidenses haviam treinado anteriormente, para orquestrar um golpe contra o governo panamenho em outubro de 1941. Os Estados Unidos haviam solicitado que o governo do Panamá lhe permitisse construir mais de 130 novas instalações militares dentro e fora da Zona do Canal do Panamá, mas o governo do Panamá recusou esta requisição ao preço proposto pelos estadunidenses. [20] O presidente Arnulfo Arias fugiu do país e Ricardo Adolfo de la Guardia, o líder golpista e amigo do governo estadunidense, tornou-se presidente. [21]

Guerra FriaEditar

Década de 1940Editar

1945–1950: Coreia do SulEditar

Quando o Império do Japão se rendeu em agosto de 1945, foram formados em toda parte da Coreia comitês sob a liderança de Lyuh Woon-Hyung para coordenar a transição para a independência coreana. Em 28 de agosto de 1945, esses comitês formaram um governo nacional temporário na Coreia, nomeando-o República Popular da Coreia algumas semanas depois. [22][23] Em 8 de setembro de 1945, o governo dos Estados Unidos desembarcou forças na Coreia e depois estabeleceu o Governo Militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia (USAMGK) para governar a Coreia ao sul do paralelo 38 norte. O USAMGK constituiu a administração governante com governadores japoneses e muitos outros oficiais japoneses que fizeram parte do brutal governo colonial do Império Japonês e com os coreanos que haviam colaborado com este, o que tornou o governo impopular e gerou resistência.[24] O USAMGK se recusou a reconhecer o governo da República Popular da Coreia - que havia sido formado para autogovernar o país - e o Governo Provisório da República da Coreia, que esteve baseado na China durante a Segunda Guerra Mundial e havia lutado contra os japoneses e, em seguida, o USAMGK por decreto militar baniu o governo da República Popular da Coreia.[25][26] Em outubro de 1948, o USAMGK enviou unidades para atacar os coreanos que buscavam a independência da Coreia e realizou várias atrocidades em massa, incluindo a morte de centenas de civis coreanos na ilha de Jeju que eram suspeitos de apoiar aqueles favoráveis a independência. [27][28][29]

Em 1952, os Joint Chiefs of Staff instruíram o general Mark W. Clark a formular um plano para derrubar o presidente sul-coreano Syngman Rhee temendo que a crise política que surgiu a partir de sua conduta autoritária colocasse em risco os objetivos militares. A Operação Everready, como o plano foi nomeado, foi arquivada assim que Rhee cedeu à pressão estadunidense e libertou os líderes da oposição presos. O plano foi revivido para apreciação em 1953, quando receou-se que Rhee não aceitaria o Acordo de Armistício Coreano.[30][31]

1946–1949: ChinaEditar

O governo dos Estados Unidos forneceu ajuda militar, logística e de outros tipos para o exército do Partido Nacionalista Chinês (KMT), liderado por Chiang Kai-shek, na Guerra Civil Chinesa contra as forças do Partido Comunista Chinês. Os Estados Unidos transportaram muitas tropas do KMT da China central para a Manchúria. Aproximadamente 50.000 soldados estadunidenses foram enviados para proteger locais estratégicos em Hupeh e Shandong. Os Estados Unidos treinaram e equiparam as tropas do KMT e transportaram tropas coreanas e até mesmo tropas japonesas inimigas de volta para ajudar as forças do KMT a ocupar as zonas chinesas e a conter áreas controladas pelos comunistas. [32] O presidente Harry Truman explicou que: "Ficou perfeitamente claro para nós que, se disséssemos aos japoneses que depusessem suas armas imediatamente e marchassem para o litoral, o país inteiro seria tomado pelos comunistas. Portanto, tivemos que dar o passo incomum de usar o inimigo como guarnição até que pudéssemos transportar as tropas nacionalistas chinesas para o sul da China e enviar fuzileiros navais para proteger os portos marítimos".[33] Dentro de menos de dois anos após a Guerra Sino-Japonesa, o KMT recebeu US $ 4.43 bilhões dos Estados Unidos - a maioria dos quais era ajuda militar.[32][34]

1946–1949: GréciaEditar

Os militares britânicos, juntamente com as forças gregas governistas, lutaram pelo controle do país na Guerra Civil Grega contra o Exército Democrático da Grécia. O Exército Democrático da Grécia era composto principalmente de partisans comunistas que, como parte do Exército Popular de Libertação da Grécia no verão de 1944, haviam libertado quase todo o país da ocupação militar do Terceiro Reich. [35] No início de 1947, o governo britânico não podia mais arcar com o enorme custo de financiar a guerra contra a Exército Democrático da Grécia, e de acordo com o Acordo de Percentuais de outubro de 1944 entre Winston Churchill e Joseph Stalin, a Grécia continuaria a fazer parte da esfera de influência ocidental. Consequentemente, os britânicos solicitaram que o governo dos Estados Unidos interviesse e os estadunidenses repassaram ao país equipamento militar, assessores militares e armas. [36]:553–554[37]:129[38][39] Com o aumento da ajuda militar dos Estados Unidos, em setembro de 1949, o governo grego acabou vencendo.[40]:616–617

1947 – década de 1970: ItáliaEditar

Em 1947, a Democracia Cristã (DC), apoiada pelos Estados Unidos e liderada por Alcide De Gasperi, estava perdendo popularidade, e o Partido Comunista da Itália (PCI) estava crescendo particularmente rápido devido a seus esforços de organização apoiando meeiros na Sicília, Toscana e Umbria, movimentos que também foram reforçados pelas reformas de Fausto Gullo, o ministro comunista da agricultura. [41] A DC projetou a expulsão de todos os ministros de esquerda do gabinete em 31 de maio. O PCI não teria uma posição nacional no governo novamente por vinte anos. De Gasperi fez isso sob pressão do secretário de Estado dos Estados Unidos, George Marshall, que o informou que o anticomunismo era uma condição prévia para receber ajuda estadunidense, [42][43] e do embaixador James Clement Dunn, que havia pedido diretamente a Gasperi para dissolver o parlamento e remover o PCI. [44]

A Agência Central de Inteligência (CIA) reconheceu doar US $ 1 milhão para os partidos centristas italianos para as eleições de 1948. A CIA também publicou cartas forjadas para desacreditar os líderes do Partido Comunista Italiano (PCI). As agências estadunidenses realizaram uma campanha de escrever dez milhões de cartas, fizeram numerosas transmissões de rádio de ondas curtas e financiaram a publicação de livros e artigos, os quais advertiram os italianos do que se acreditavam serem as consequências de uma vitória comunista. A revista Time apoiou a campanha para as audiências domésticas estadunidenses, apresentando o líder do Partido da Democracia Cristã e primeiro-ministro Alcide De Gasperi em sua capa e em sua matéria principal em 19 de abril de 1948. [45][46][47][48] Enquanto isso, os Estados Unidos secretamente convenceram o Partido Trabalhista Britânico a pressionar os social-democratas a encerrar seu apoio ao PCI e promover uma divisão no Partido Socialista Italiano. [49]

A CIA em última análise, gastou pelo menos US $ 65 milhões ajudando eleger políticos italianos, [50] incluindo "todos os democratas cristãos que já ganharam uma eleição nacional na Itália."[51]

1949: SíriaEditar

O governo democraticamente eleito de Shukri al-Quwatli foi deposto por uma junta liderada pelo chefe do Estado-Maior do Exército sírio na época, Husni al-Za'im, que se tornou presidente da Síria em 11 de abril de 1949. A natureza exata do envolvimento dos Estados Unidos nesse golpe ainda é altamente controversa.

Década de 1950Editar

1952: EgitoEditar

O Projeto FF (o "FF" que significa "Fat Fucker") foi um programa da CIA projetado inicialmente para modernizar o Reino do Egito sob Farouk I, aproximando o Egito para o campo anti-soviético. No entanto, a falta de vontade do rei em consentir levou Kermit Roosevelt Jr. a apoiar os esforços para substituir o regime inteiramente. Ao ouvir rumores do descontentamento dentro do exército egípcio, Roosevelt encontrou-se com os líderes nacionalistas e anticomunistas do Movimento dos Oficiais Livres, mais notavelmente o futuro presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, e informou-os do apoio estadunidense ao seu iminente golpe de Estado. Em 23 de julho de 1952, o Movimento dos Oficiais Livres derrubou a monarquia e estabeleceu a República do Egito. [52]

1953: IrãEditar

O golpe de Estado no Irã em 1953 (conhecido no Irã como o "golpe de 28 Mordad") foi a deposição do governo democraticamente eleito do primeiro-ministro iraniano Mohammad Mosaddegh em 19 de agosto de 1953, orquestrada pelas agências de inteligência do Reino Unido (sob o nome "Operação Boot") e dos Estados Unidos (sob o nome "TPAJAX Project"). [53][54][55] O golpe constatou a transição de Mohammad Reza Pahlavi de um monarca constitucional para um autoritário que dependia fortemente do apoio do governo dos Estados Unidos para manter o poder até sua própria deposição em fevereiro de 1979. [56]

1954: GuatemalaEditar

Em uma operação da CIA de codinome "Operação PBSUCCESS", o governo dos Estados Unidos executou um golpe de Estado que depôs o governo democraticamente eleito do presidente Jacobo Árbenz e instalou Carlos Castillo Armas, o primeiro de uma linha de ditadores de direita em seu lugar. [57][58][59] Não só foi feito com o propósito ideológico de contenção, mas a CIA tinha sido abordada pela United Fruit Company, uma vez que viu uma possível perda nos lucros devido à situação dos trabalhadores no país. [60] O sucesso percebido da operação faria dela um modelo para futuras operações da CIA, uma vez que a agência mentiu para o presidente dos Estados Unidos ao informá-lo sobre o número de vítimas. [61]

1955–1960: LaosEditar

O governo dos Estados Unidos assumiu o financiamento do orçamento militar do Governo Real do Laos em sua guerra civil contra o movimento comunista Pathet Lao, que havia tomado o controle de uma parte do país. Os Estados Unidos pagaram 100% do orçamento militar do governo e em 1957 pagavam os salários do Exército Real do Laos. Além disso, os Estados Unidos estabeleceram o encoberto Programs Evaluation Office para mobilizar pessoal civil estadunidense com experiência militar, porque um tratado que os Estados Unidos haviam assinado proibia expressamente os conselheiros militares estadunidenses. [62][63][64] Em julho de 1959, porém, os Estados Unidos enviaram unidades de comando vestidas como civis para treinar o Exército Real do Laos. [65]

Golpes fracassados na SíriaEditar

  • 1956: Operação Straggle. A CIA fez planos para um golpe de Estado no final de outubro de 1956 para derrubar o governo sírio. O plano implicava a tomada pelos militares sírios de importantes cidades e passagens de fronteira. [66][67][68] O plano foi adiado quando Israel invadiu o Egito em outubro de 1956 e os organizadores estadunidenses consideraram que sua operação não teria sucesso em um momento em que o mundo árabe estava lutando contra a "agressão israelense". A operação foi descoberta e os conspiradores estadunidenses tiveram que fugir do país.[69]
  • 1957: Operação Wappen. Uma segunda tentativa de golpe de Estado no ano seguinte considerou o assassinato de altos oficiais sírios, encenando incidentes militares na fronteira síria para responsabilizar a Síria e depois ser usada como pretexto para uma invasão por tropas iraquianas e jordanianas, uma intensa campanha de propaganda estadunidense visando a população síria, e "sabotagem, conspirações nacionais e diversas atividades intimidadoras" para responsabilizar Damasco. [70][71][68][72] Esta operação falhou quando oficiais militares sírios pagos com milhões de dólares em subornos para realizar o golpe revelaram o complô para a inteligência síria. O Departamento de Estado dos Estados Unidos negou a acusação de uma tentativa de golpe e juntamente com a mídia estadunidense acusou a Síria de ser um "satélite" da URSS. [71][73][74]

1957–1959: IndonésiaEditar

Como membro fundador do Movimento Não Alinhado e sede da Conferência de Bandung de abril de 1955, a Indonésia estava traçando um rumo para uma política externa independente que não estava militarmente comprometida com nenhum dos lados da Guerra Fria. [75][76] A partir de 1957, a CIA apoiou um plano golpista fracassado de rebeldes militares indonésios. Pilotos da CIA, como Allen Lawrence Pope, pilotaram aviões operados pela organização de fachada da CIA, Civil Air Transport (CAT), que bombardeou alvos civis e militares na Indonésia. A CIA instruiu os pilotos da CAT a alvejar o transporte comercial a fim de afugentar os navios mercantes estrangeiros das águas indonésias, enfraquecendo assim a economia indonésia e, por conseguinte, desestabilizando o governo democraticamente eleito da Indonésia. O bombardeio aéreo da CIA resultou no afundamento de vários navios comerciais [77] e no bombardeio de um mercado que matou muitos civis.[78] A tentativa de golpe falhou na época [79] e o presidente Dwight D. Eisenhower negou qualquer envolvimento dos Estados Unidos. [80]

1958: LíbanoEditar

Os Estados Unidos lançaram a Operação Blue Bat em julho de 1958 para intervir na crise do Líbano de 1958. Esta foi a primeira aplicação da Doutrina Eisenhower, segundo a qual os Estados Unidos deveriam intervir para proteger os regimes considerados ameaçados pelo comunismo internacional. O objetivo da operação era reforçar o governo libanês pró-ocidente do presidente Camille Chamoun contra a oposição interna e as ameaças da Síria e do Egito.

1959: IraqueEditar

Richard Sale, da United Press International, citando Adel Darwish e outros especialistas, relatou que a tentativa de assassinato de outubro de 1959 contra o primeiro-ministro iraquiano Abd al-Karim Qasim envolvendo o jovem Saddam Hussein e outros conspiradores baathistas foi uma colaboração entre a CIA e a inteligência egípcia. [81] Bryan R. Gibson contestou a veracidade de Sale e Darwish, citando documentos desclassificados que indicam que a CIA foi surpreendida pelo timing da tentativa de assassinato de Qasim e que o Conselho de Segurança Nacional "tinha acabado de reafirmar [sua] política de não-intervenção" seis dias antes do ocorrido. [82] Embora a tentativa de assassinato tenha fracassado depois que Saddam (que deveria apenas dar cobertura) abriu fogo contra Qasim — forçando Saddam a passar mais de três anos no exílio na República Árabe Unida sob ameaça de morte caso retornasse ao Iraque — isso levaria à ampla exposição de Saddam e do Ba'ath dentro do Iraque, quando ambos já estavam definhando na obscuridade, e mais tarde se tornou uma parte crucial da imagem pública de Saddam durante seu mandato como presidente do Iraque. [83][84] É possível que Saddam tenha visitado a embaixada dos Estados Unidos no Cairo durante seu exílio. [85]

Década de 1960Editar

1960: CongoEditar

Em janeiro de 1961, o primeiro-ministro democraticamente eleito do Congo, Patrice Lumumba, foi morto pelo regime de Mobutu Sese Seko em um golpe orquestrado pelas atividades da CIA sob o governo Eisenhower, como resultado dos receios em torno do desenvolvimento das relações do primeiro-ministro. com os governos soviético e chinês. Mobutu subsequentemente instituiu um regime totalitário cujas ações contribuíram para a atual situação do país empobrecido e acossado pela guerra.

1960: LaosEditar

Em 9 de agosto de 1960, o Capitão Kong Le com seu batalhão de paraquedistas assumiu o controle da capital administrativa, Vientiane, em um golpe sem derramamento de sangue em uma plataforma "neutralista" com os objetivos declarados de acabar com a guerra civil no Laos, encerrar a interferência estrangeira no país, acabar com a corrupção causada pela ajuda externa e melhorar o tratamento para soldados. [86][87] Com o apoio da CIA, o marechal-de-campo Sarit Thanarat, o primeiro-ministro da Tailândia, criou um grupo secreto de assessoria militar tailandesa chamado Kaw Taw. O Kaw Taw, juntamente com a CIA, orquestrou um contra-golpe em novembro de 1960 contra o novo governo neutralista em Vientiane, fornecendo artilharia, artilheiros e assessores ao general Phoumi Nosavan, primo de Sarit. Também implantou a Unidade de Reforço Aéreo da Polícia, patrocinada pela CIA, para operações no Laos. [88] Com a ajuda da organização de fachada da CIA, a Air America, para transporte aéreo de suprimentos de guerra e outras assistências militares e ajuda secreta estadunidense a partir da Tailândia, as forças do general Phoumi Nosavan capturaram Vientiane em novembro de 1960. [89][90]

1961: República DominicanaEditar

 
Trujillo stamp from 1933

Em maio de 1961, o governante da República Dominicana, Rafael Trujillo, foi assassinado com armas fornecidas pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA).[91][92] Um memorando interno da CIA afirma que uma investigação do Office of Inspector General de 1973 sobre o assassinato revelou "um envolvimento bastante extenso da Agência com os conspiradores". A CIA descreveu seu papel em "mudar" o governo da República Dominicana como um "sucesso", na medida em que ajudou a transferir a República Dominicana de uma ditadura totalitária para uma democracia ao estilo ocidental."[93][94] Juan Bosch, um beneficiário anterior de financiamento da CIA, foi eleito presidente da República Dominicana em 1962 porém seria deposto em 1963.[95]

Década de 1960: CubaEditar

A CIA orquestrou uma força composta de exilados cubanos treinados pela CIA para invadir Cuba com apoio e equipamento dos militares estadunidense, numa tentativa de derrubar o governo cubano de Fidel Castro. A invasão foi lançada em abril de 1961, três meses depois de John F. Kennedy ter assumido a presidência nos Estados Unidos. As forças armadas cubanas, treinadas e equipadas pelas nações do bloco oriental, derrotaram os combatentes invasores em três dias.

A Operação Mongoose foi um longo esforço do governo dos Estados Unidos para derrubar o governo de Cuba.[96] A operação incluiu guerra econômica, abrangendo um embargo contra Cuba, "para induzir o fracasso do regime comunista em suprir as necessidades econômicas de Cuba", uma iniciativa diplomática para isolar Cuba e operações psicológicas "para aumentar o ressentimento popular contra o regime". [97] A ramificação da operação da guerra econômica também incluiu a infiltração de agentes da CIA para realizar muitos atos de sabotagem contra alvos civis, tal como ponte ferroviária, instalações de armazenamento de melaço, usina de energia elétrica e colheita de açúcar, não obstante os repetidos pedidos de Cuba ao governo dos Estados Unidos para cessar suas operações armadas. [98][97] Além disso, a CIA orquestrou uma série de tentativas de assassinato contra Fidel Castro, chefe do governo de Cuba, incluindo tentativas que implicaram a colaboração da CIA com a máfia americana.[99][100][101]

1961–1964: BrasilEditar

Quando o presidente do Brasil Jânio Quadros renunciou em agosto de 1961, foi legalmente sucedido por João Goulart, o vice-presidente eleito democraticamente do país.[102] Goulart era um defensor dos direitos democráticos, da legalização do Partido Comunista e das reformas econômicas e agrárias, mas o governo dos Estados Unidos insistiu que ele impusesse um programa de austeridade econômica. O governo dos Estados Unidos implementou um plano com o codinome Operação Brother Sam para a desestabilização do Brasil, cortando a ajuda ao governo brasileiro, fornecendo ajuda aos governadores do Brasil que se opuseram ao novo presidente e encorajando altos oficiais militares brasileiros a tomarem o poder e apoiar o chefe do Estado-Maior do Exército, general Humberto Castelo Branco, como líder golpista.[103][104] O general Castelo Branco liderou a deposição do governo constitucional do presidente João Goulart em abril de 1964 e foi instalado como primeiro presidente do regime militar, declarando imediatamente o estado de sítio e prendendo mais de 50.000 adversários políticos no primeiro mês da tomada do poder, enquanto o governo dos Estados Unidos expressou aprovação e reinstituiu a ajuda e o investimento no país. [105]

1963: IraqueEditar

Várias fontes, notavelmente Said Aburish, alegaram que o golpe de fevereiro de 1963 que resultou na formação de um governo baathista no Iraque foi "planejado" pela CIA. [106] No entanto, nenhum documento desclassificado estadunidense confirmou essa alegação. [107] Tareq Y. Ismael, Jacqueline S. Ismael e Glenn E. Perry afirmam que "as forças baathistas e oficiais do exército derrubaram Qasim em 8 de fevereiro de 1963, em colaboração com a CIA."[108] Por outro lado, Gibson argumenta que "a preponderância das evidências corrobora a conclusão de que a CIA não esteve por trás do golpe baathista de fevereiro de 1963".[109] Os Estados Unidos ofereceram apoio material para o novo governo baathista após o golpe, apesar de um sangrento expurgo anticomunista e das atrocidades contra rebeldes curdos e civis iraquianos. [110] Por causa disso, Nathan Citino afirma: "Embora os Estados Unidos não tenham iniciado o golpe do Ramadã, na melhor das hipóteses, tolerou e, na pior das hipóteses, contribuiu para a violência que se seguiu." [111] O governo baathista colapsou em novembro de 1963 com a questão da unificação com a Síria (onde um ramo rival do Partido Baath havia tomado o poder em março).[112] Tem havido muita discussão acadêmica com relação às alegações do rei Hussein da Jordânia e outros de que a CIA (ou outras agências estadunidenses) forneceu ao governo baathista listas de comunistas e outros esquerdistas, que foram então presos ou mortos pela milícia do Partido Baath - a Guarda Nacional. Gibson e Hanna Batatu enfatizam que as identidades dos membros do Partido Comunista Iraquiano eram publicamente conhecidas e que o Baath não precisaria confiar na inteligência estadunidense para identificá-las, enquanto o Citino considera as alegações plausíveis porque a embaixada dos Estados Unidos no Iraque havia realmente compilado tais listas e porque os membros da Guarda Nacional Iraquiana envolvidos na depuração receberam treinamento nos Estados Unidos. [113][114][115]

1963: VietnãEditar

Embora os Estados Unidos fossem aliados do Vietnã do Sul durante a Guerra do Vietnã, o governo Kennedy tornar-se-ia cada vez mais frustrado com o governo corrupto e repressivo do presidente sul-vietnamita Ngo Dinh Diem. Em vista da recusa de Diem de adotar reformas, as autoridades estadunidenses debateram se deveriam apoiar os esforços para substituí-lo. Esses debates resultaram no envio do telegrama 243 em 24 de agosto de 1963, que instruiu o embaixador dos Estados Unidos no Vietnã do Sul, Henry Cabot Lodge Jr., a "examinar todas as possíveis alternativas de liderança e fazer planos detalhados sobre como poderíamos conduzir a substituição de Diem caso isso se tornar necessário". Lodge e seu oficial de ligação, Lucien Conein, estabeleceram contato com oficiais descontentes do Exército da República do Vietnã e estimularam sua decisão de derrubar Diem. Esses esforços culminaram em um golpe de Estado em 2 de novembro de 1963, durante o qual Diem e seu irmão Ngô Đình Nhu foram assassinados.[116]

Os Pentagon Papers concluíram que "a partir de agosto de 1963 nós, de diferentes maneiras, autorizamos, sancionamos e encorajamos os esforços de golpe dos generais vietnamitas e oferecemos apoio total para um governo sucessor. Em outubro, cortamos a ajuda a Diem em uma rejeição direta, dando permissão aos generais. Mantivemos contato clandestino com eles durante todo o planejamento e execução do golpe e procuramos rever seus planos operacionais e propusemos novo governo."[117]

1965–1966: República DominicanaEditar

Na Guerra Civil Dominicana de 1965, uma junta liderada pelo presidente Donald Reid Cabral lutava contra as forças "constitucionalistas" ou "rebeldes" que defendiam a restauração do poder ao primeiro presidente democraticamente eleito da República Dominicana, o presidente Juan Bosch, cujo mandato havia sido interrompido por um golpe de Estado. Os Estados Unidos lançaram a "Operação Power Pack", uma operação militar para interpor os militares estadunidenses entre os rebeldes e as forças da junta, a fim de impedir o avanço dos rebeldes e, possivelmente, sua vitória. [118][119] A maioria dos conselheiros civis indicou contrariedade a uma intervenção imediata na esperança de que a junta pudesse pôr fim à guerra civil, mas o presidente dos Estados Unidos Lyndon B. Johnson aceitou o conselho de seu embaixador em Santo Domingo, William Tapley Bennett, que sugeriu a intervenção estadunidense. [120] O chefe do Estado-Maior General Wheeler disse a um subordinado: "Sua missão não anunciada é impedir que a República Dominicana se tornasse comunista".[121] Uma frota de 41 embarcações estadunidenses foi enviada para bloquear a ilha quando os Estados Unidos invadiram. Em última análise, 42.000 soldados e fuzileiros navais foram ordenados para a República Dominicana e os Estados Unidos ocuparam o país. [122]

1965-1967: IndonésiaEditar

Oficiais subalternos do exército e o comandante da guarda do palácio do presidente Sukarno acusaram os militares dos altos escalões da Indonésia de planejar um golpe de Estado apoiado pela CIA contra Sukarno e mataram seis generais em 1 de outubro de 1965. O general Muhammad Suharto e outros altos oficiais militares atacaram os oficiais subalternos no mesmo dia e acusaram o Partido Comunista da Indonésia (PKI) de orquestrar o assassinato dos seis generais. [123] O exército lançou uma campanha de propaganda baseada em mentiras e agitaram as turbas civis para atacar os supostos defensores do PKI e outros oponentes políticos. Forças do governo indonésio com a colaboração de alguns civis perpetraram assassinatos em massa durante muitos meses. A CIA reconheceu que "em termos do número de pessoas mortas, os massacres anticomunistas e anti-chineses na Indonésia classificam-se como um dos piores assassinatos em massa do século XX". [124] As estimativas do número de civis mortos variam de meio milhão a um milhão[125][126][127], mas estimativas mais recentes colocam o número em dois a três milhões. [128][129] O embaixador dos Estados Unidos, Marshall Green, encorajou os líderes militares a agir com força contra os oponentes políticos. [124] Em 2017, documentos desclassificados da Embaixada dos Estados Unidos em Jacarta confirmaram que os Estados Unidos tinham conhecimento detalhado e contínuo dos assassinatos em massa e os facilitaram e os encorajaram ativamente por seus próprios interesses geopolíticos. [130][131][132][133] Diplomatas estadunidenses admitiram à jornalista Kathy Kadane, em 1990, que haviam fornecido ao exército indonésio milhares de nomes de supostos partidários do PKI e outros supostos esquerdistas e que os oficiais estadunidenses haviam, em seguida, retirado de suas listas aqueles que haviam sido assassinados. [134][135] A base de apoio do presidente Sukarno foi em grande parte aniquilada, aprisionada e o restante aterrorizada, e assim ele foi forçado a deixar o poder em 1967, substituído por um regime militar autoritário liderado pelo general Suharto.[136][137] Alguns acadêmicos atualmente referem aos assassinatos em massa como um genocídio. [138][139][140]

1967: GréciaEditar

Em 21 de abril de 1967, apenas algumas semanas antes das eleições marcadas, um grupo de oficiais de direita do exército liderados pelo brigadeiro-general Stylianos Pattakos e os coronéis George Papadopoulos e Nikolaos Makarezos tomaram o poder em um golpe de Estado. [141] Os líderes golpistas posicionaram tanques em locais estratégicos em Atenas, ganhando efetivamente o controle total da cidade.

Ao mesmo tempo, um grande número de pequenas unidades móveis foram enviadas para prender políticos importantes, figuras de autoridade e cidadãos comuns suspeitos de simpatias com a esquerda, segundo listas preparadas com antecedência. Um dos primeiros a ser preso foi o tenente-general Grigorios Spandidakis, comandante-em-chefe do exército grego. Os coronéis persuadiram Spandidakis a juntar-se a eles, fazendo-o ativar um plano de ação previamente elaborado para levar o golpe adiante. Nas primeiras horas da manhã, toda a Grécia estava sob controle dos coronéis. Todos os principais políticos, incluindo o primeiro-ministro em exercício, Panagiotis Kanellopoulos, foram presos e mantidos incomunicáveis pelos conspiradores. Às 6:00 da manhã EET, Papadopoulos anunciou que onze artigos da constituição grega foram suspensos. [142]

O fundador do partido de esquerda União do Centro, Georgios Papandreou, foi preso após uma incursão noturna em sua villa em Kastri, Attica. Andreas Papandreou foi preso no mesmo período, depois que sete soldados armados com baionetas e uma metralhadora entraram à força em sua casa. Andreas escapou para o telhado de sua casa, mas se rendeu depois que um dos soldados apontou uma arma para a cabeça de seu filho, então com catorze anos de idade, George Papandreou.[142] Gust Avrakotos, um oficial de alto escalão da CIA na Grécia, que era próximo dos coronéis, supostamente os aconselhou a "atirar no filho da puta porque ele vai voltar para assombrá-lo".[143]

Os críticos estadunidenses do golpe incluíram o então senador Lee Metcalf, que criticou o governo Johnson por fornecer ajuda a um "regime militar de colaboradores e simpatizantes do nazismo". Phillips Talbot, o embaixador dos Estados Unidos em Atenas, desaprovou o golpe, queixando-se de que representava "um estupro de democracia", ao que John M. Maury, chefe da estação da CIA em Atenas, respondeu: "Como você pode estuprar uma prostituta?" [142] A CIA afirma que o timing do golpe aparentemente pegou a agência de surpresa.[144]

Década de 1970Editar

1971: BolíviaEditar

O governo dos Estados Unidos apoiou o golpe de 1971 liderado pelo general Hugo Banzer, que depôs o presidente Juan José Torres, da Bolívia. [145][146] Torres desagradou Washington ao convocar uma "Asamblea del Pueblo" (Assembleia do Povo ou Assembléia Popular), na qual representantes de setores proletários específicos da sociedade estavam representados (mineiros, professores sindicalizados, estudantes, camponeses) e, mais genericamente, liderando o país, o que foi percebido como uma direção a esquerda. Banzer eclodiu uma sangrenta revolta militar, que teve inicio em 18 de agosto de 1971, na qual conseguiria tomar o poder em 22 de agosto de 1971. Após Banzer ascender o poder, os Estados Unidos forneceram extensa ajuda militar e outros auxílios para a ditadura Banzer uma vez que esta reprimiu a liberdade de expressão e dissensão, torturou milhares, "desapareceu" e assassinou centenas e fechou sindicatos e universidades. [147][148] Torres, que havia fugido da Bolívia, seria sequestrado e assassinado em 1976 como parte da Operação Condor, a campanha de repressão política e terrorismo de Estado dos ditadores de direita sul-americanos apoiada pelos Estados Unidos. [149][150][151]

1972-1975: IraqueEditar

Os Estados Unidos secretamente forneceram milhões de dólares para a insurgência curda apoiada pelo Irã contra o governo iraquiano. [152][153] O papel dos Estados Unidos era tão secreto que até o Departamento de Estado dos Estados Unidos e o "40 Committee", criados para supervisionar as operações encobertas, não foram informados. As tropas do Partido Democrático Curdo foram lideradas por Mustafa Barzani. Notavelmente, sem o conhecimento dos curdos, essa era uma ação de mudança de regime encoberta que os estadunidenses queriam fracassar, destinada apenas a drenar os recursos do país. [154][155] Os Estados Unidos suspenderam abruptamente o apoio aos curdos em 1975 e, apesar dos pedidos de ajuda curdos, recusaram-se a estender até mesmo a ajuda humanitária aos milhares de refugiados curdos criados como resultado do colapso da insurgência. [156][153]

1973: ChileEditar

O presidente democraticamente eleito Salvador Allende foi deposto pelas forças armadas e pela polícia nacional chilena. O golpe de Estado de 1973 ocorreu após um período prolongado de agitação social e política entre o Congresso do Chile dominado pela direita e Allende, bem como uma guerra econômica empreendida pelo governo dos Estados Unidos. [157] Como um prelúdio para o golpe, o chefe de gabinete do exército chileno,René Schneider, um general dedicado a preservar a ordem constitucional, foi assassinado em 1970 durante uma tentativa frustrada de sequestro apoiada pela CIA.[158][159] O regime de Augusto Pinochet, que chegou ao poder com o golpe, é notável por ter, por estimativas conservadoras, "desaparecido" com cerca de 3200 dissidentes políticos, encarcerado 30.000 (muitos dos quais foram torturados), e exilado cerca de 200.000 chilenos.[160][161][162] A CIA, através do Projeto FUBELT (também conhecido como Track II), trabalhou secretamente para orquestrar as condições para o golpe. Inicialmente, os Estados Unidos negaram qualquer envolvimento, mas muitos documentos relevantes foram desclassificados nas décadas seguintes. [163]

1979-1989: AfeganistãoEditar

No que ficou conhecido como "Operação Ciclone", o governo dos Estados Unidos secretamente forneceu armas e financiamento para diversos de senhores da guerra e várias facções de guerrilheiros jihadistas conhecidos como os Mujahideen do Afeganistão lutando para derrubar o governo afegão e as forças militares soviéticas que o apoiavam. Através do Inter-Services Intelligence (ISI) do Paquistão, os Estados Unidos canalizaram treinamento, armas e dinheiro para os combatentes afegãos, incluindo jihadistas que mais tarde ficaram conhecidos como Talibãs, e a um custo estimado de US $ 800 milhões para 35.000 combatentes estrangeiros árabes. [164][165][166][167] Os árabes afegãos também se "beneficiariam indiretamente a partir do financiamento da CIA, através do ISI e das organizações de resistência" [168][169] Alguns dos maiores beneficiários afegãos da CIA eram comandantes arabistas como Jalaluddin Haqqani e Gulbuddin Hekmatyar que foram principais aliados de Osama Bin Laden durante muitos anos. [170][171][172] Alguns dos militantes financiados pela CIA se tornariam parte da al Qaeda mais tarde, incluindo Osama Bin Laden, de acordo com o ex-secretário de Relações Exteriores Robin Cook e outras fontes. [173][174][175][176][177] No entanto, essas alegações são rejeitadas por Steve Coll ("Se a CIA teve contato com bin Laden durante a década de 1980 e, posteriormente, encobriu, até agora fez um excelente trabalho")[178], Peter Bergen ("A teoria de que Bin Laden foi criado pela CIA é invariavelmente desenvolvida como um axioma sem evidência corroborante") [179] e Jason Burke ("Costuma-se dizer que bin Laden foi financiado pela CIA. Isso não é verdade, e, de fato, teria sido impossível, dada a estrutura de financiamento que o general Zia ul-Haq, que havia assumido o poder no Paquistão em 1977, havia estabelecido").[180] Embora a Operação Ciclone tenha terminado oficialmente em 1989 com a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, o financiamento do governo dos Estados Unidos para os Mujahideen continuou até 1992, quando os Mujahideen derrubaram o governo afegão em Cabul.[181]


Década de 1980Editar

1980-1989: PolôniaEditar

Ao contrário do governo Carter, as políticas de Reagan apoiaram o movimento Solidariedade na Polônia e - com base na inteligência da CIA - empreenderam uma campanha de relações públicas para impedir o que o governo Carter considerou "um movimento iminente de grandes forças militares soviéticas na Polônia". [182] Michael Reisman, da Yale Law School, nomeou as operações na Polônia como uma das ações secretas da CIA durante a Guerra Fria. [183] O coronel Ryszard Kukliński, um oficial superior do Estado-Maior polonês, estava secretamente enviando relatórios à CIA. [184] A CIA transferiu cerca de US $ 2 milhões anuais em dinheiro para o Solidarność, num total de US $ 10 milhões ao longo de cinco anos. Não havia ligações diretas entre a CIA e o Solidariedade, e todo o dinheiro era canalizado através de terceiros.[185] Oficiais da CIA foram impedidos de se reunir com líderes do Solidarnosc e os contatos da CIA com ativistas do movimento foram mais fracos do que os da AFL-CIO, o qual levantou US $ 300.000 de seus membros, que forneciam material e dinheiro diretamente ao Solidariedade, sem controle de uso deste pelo Solidariedade. O Congresso dos Estados Unidos autorizou o National Endowment for Democracy para promover a democracia, e este alocou US $ 10 milhões para o Solidariedade. [186]

Quando o governo polonês lançou a lei marcial em dezembro de 1981, no entanto, o Solidariedade não foi alertado. Explicações possíveis para isso variam; alguns acreditam que a CIA foi pega de surpresa, enquanto outros sugerem que os decisores políticos estadunidenses consideravam uma repressão interna como preferível a uma "inevitável intervenção soviética". [187] O apoio da CIA ao Solidariedade incluía dinheiro, equipamento e treinamento, que era coordenado pelas operações especiais.[188] Henry Hyde, membro do comitê de inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, declarou que os Estados Unidos forneciam "suprimentos e assistência técnica em termos de jornais clandestinos, radiodifusão, propaganda, dinheiro, ajuda organizacional e conselhos".[189] Os fundos iniciais para ações encobertas da CIA foram de US $ 2 milhões, mas logo após a autorização foram aumentados e em 1985 a CIA se infiltrou com sucesso na Polônia. [190]

1980-1992: El SalvadorEditar

O governo de El Salvador travou uma sangrenta guerra civil contra a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), uma organização guarda-chuva de grupos de oposição política de esquerda, e contra líderes de cooperativas agrícolas, líderes trabalhistas e outros que defendiam a reforma agrária e melhores condições para "camponeses" (rendeiros e outros trabalhadores agrários) que apoiaram a FMLN. O exército salvadorenho organizou esquadrões da morte militares para aterrorizar a população civil rural para que esta cessasse seu apoio à FMLN. [191] As forças governamentais mataram mais de 75.000 civis durante a guerra entre 1980 e 1992. [192][193][194][195][196][197] O governo dos Estados Unidos forneceu treinamento militar e armas para os militares salvadorenhos. O Batalhão Atlacatl, um batalhão de contra-insurgência, foi organizado em 1980 na Escola das Américas e teve um papel de liderança na política militar de "terra arrasada" contra a FLMN e nas aldeias rurais que a apoiavam. Os soldados do Atlacatl foram equipados e dirigidos por conselheiros militares estadunidenses que operavam em El Salvador. [198][199][200] O Batalhão de Atlacatl também participou do Massacre de El Mozote em dezembro de 1981. [201] Em maio de 1983, oficiais estadunidenses assumiram posições nos altos escalões das forças armadas salvadorenhas, estavam tomando decisões críticas e administrando a guerra.[202][203][204][205] Uma comissão de apuração de fatos do Congresso dos Estados Unidos concluiu que a política de repressão de "secar o oceano" do exército de El Salvador implicava em eliminar "aldeias inteiras do mapa, para isolar os guerrilheiros e negar-lhes qualquer base rural da qual possam se suprir". [206] A estratégia de "secar o oceano" ou "terra arrasada" foi baseada em táticas semelhantes àquelas empregadas pela contra-insurgência da junta na vizinha Guatemala e foram derivadas e adaptadas da estratégia dos Estados Unidos durante a Guerra do Vietnã e ensinadas por assessores militares estadunidenses. [207][208]

1982–1989: NicaráguaEditar

O governo dos Estados Unidos tentou derrubar o governo da Nicarágua ao armar secretamente, treinar e financiar os Contras, um grupo rebelde baseado em Honduras que foi criado para sabotar a Nicarágua e desestabilizar o governo nicaraguense. [209][210][211][212] Como parte do treinamento, a CIA distribuiu um manual detalhado intitulado "Psychological Operations in Guerrilla Warfare", que instruiu os Contras, entre outras coisas, sobre como explodir prédios públicos, assassinar juízes, criar mártires e chantagear cidadãos comuns. [213] Além de orquestrar os Contras, o governo estadunidense também explodiu pontes e minou o porto de Corinto, causando o afundamento de vários navios civis nicaraguenses e estrangeiros e muitas mortes de civis. [214][215][216][217] Após a Emenda Boland ter tornado ilegal o patrocínio das atividades dos Contras pelo governo estadunidense, a administração do presidente Reagan vendeu secretamente armas ao governo iraniano para financiar um aparato secreto do governo dos Estados Unidos que continuava a financiar ilegalmente os Contras, no que ficou conhecido como o caso Irã-Contras. [218] Os Estados Unidos continuaram a armar e treinar os Contras mesmo depois que o governo sandinista da Nicarágua venceu as eleições de 1984. [219][220]

1983: GranadaEditar

No que o governo dos Estados Unidos chamou de Operação Fúria Urgente, os militares estadunidenses invadiram a pequena nação insular de Granada para remover o governo marxista que a administração Reagan considerou condenável.[221][222] A Assembleia Geral das Nações Unidas chamou a invasão de "uma violação flagrante da lei internacional"[223], mas uma resolução similar amplamente apoiada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas foi vetada pelos Estados Unidos. [224][225]

1989: PanamáEditar

Em dezembro de 1989, em uma operação militar chamada Operação Justa Causa, os Estados Unidos invadiram o Panamá. O presidente George H. W. Bush lançou a guerra dez anos depois que os Tratados Torrijos-Carter foram ratificados para transferir o controle do Canal do Panamá dos Estados Unidos para o Panamá no ano 2000. Os Estados Unidos depuseram o líder panamenho de facto, o general e ditador Manuel Noriega. O presidente eleito Guillermo Endara foi empossado no cargo e a Força de Defesa do Panamá foi dissolvida.

Pós-Guerra FriaEditar

Década de 1990Editar

1991: KuwaitEditar

Depois que o Iraque invadiu o Kuwait em agosto de 1990, o governo dos Estados Unidos fez lobby aos governos representados no Conselho de Segurança das Nações Unidas para apoiarem uma resolução autorizando os membros da ONU a usar "todos os meios necessários" para retirar as forças iraquianas do Kuwait.[226] A Resolução 678, incluindo tal linguagem, foi aprovada e os Estados Unidos reuniram uma força de coalizão de 34 países para intervir. A operação foi lançada em janeiro de 1991 e possuiu o codinome "Operação Tempestade no Deserto". A coalizão liderada pelos Estados Unidos repeliu as forças iraquianas do Kuwait e retornou o poder ao emir, xeique Jaber Al-Ahmad Al-Sabah.[227]

1994–2000: IraqueEditar

A CIA lançou a Operação DBACHILLES, uma operação golpista contra o governo iraquiano, recrutando Ayad Allawi, que liderava o Acordo Nacional Iraquiano, uma rede de iraquianos que se opunha ao governo de Saddam Hussein, como parte da operação. A rede incluía militares iraquianos e oficiais de inteligência, mas foi infiltrada por pessoas leais ao governo iraquiano. [228][229][230] Também usando Ayad Allawi e sua rede, a CIA dirigiu uma campanha de sabotagem e bombardeio em Bagdá entre 1992 e 1995, contra alvos que - segundo o governo iraquiano na época - mataram muitos civis, incluindo pessoas em uma sala de cinema lotada. [231] A campanha de bombardeio da CIA pode ter sido apenas um teste da capacidade operacional da rede de ativos da CIA no terreno e não pretendia ser o lançamento do golpe em si.[231] O golpe foi malsucedido, mas Ayad Allawi foi mais tarde nomeado primeiro-ministro do Iraque pelo Conselho Governante Iraquiano, criado pela coalizão liderada pelos Estados Unidos após a invasão e ocupação do Iraque em março de 2003. Como uma medida não secreta, os Estados Unidos em 1998 promulgaram a "Iraq Liberation Act", que afirma, em parte, que "deve ser a política dos Estados Unidos apoiar os esforços para remover o regime liderado por Saddam Hussein do poder no Iraque" e destinar fundos para a ajuda estadunidense "às organizações democráticas da oposição iraquiana". [232]

1997: IndonésiaEditar

A administração Clinton viu uma oportunidade para derrubar o presidente indonésio Suharto, quando seu governo sobre a Indonésia tornou-se cada vez mais precário depois da crise financeira asiática de 1997. As autoridades estadunidenses tentaram exacerbar a crise monetária da Indonésia fazendo com que o Fundo Monetário Internacional se opusesse aos esforços de Suharto para estabelecer um comité monetário para estabilizar a rupia, provocando assim descontentamento. O diretor do FMI, Michel Camdessus, gabou-se: "criamos as condições que obrigaram o presidente Suharto a deixar o cargo". O ex-secretário de Estado dos Estados Unidos Lawrence Eagleburger comentou mais tarde: "Fomos bastante espertos ao apoiarmos o FMI quando este derrubou [Suharto]. Se isso foi uma maneira sábia de proceder é outra questão. Eu não estou dizendo que o Sr. Suharto deveria ter ficado, mas eu meio que gostaria que ele tivesse saído em termos diferentes daqueles pelo qual o FMI o expulsou". [233][234] Centenas morreriam na crise que se seguiu.

Década de 2000Editar

2000: IugosláviaEditar

Do período de 1998 a 2000, pouco mais de US $ 100.000.000 foram canalizados do Departamento de Estado dos Estados Unidos através de Quangos para partidos da oposição, a fim de provocar uma mudança de regime na Iugoslávia. [235] Após as questões relativas aos resultados das eleições iugoslavas de 2000, o Departamento de Estado dos Estados Unidos apoiou fortemente grupos de oposição como o Otpor! através do fornecimento de material promocional e também de serviços de consultoria via Quangos.[236] O envolvimento dos Estados Unidos serviu para acelerar e organizar a dissidência por meio de exposição, recursos, incentivo moral e material, apoio tecnológico e aconselhamento profissional.[235] Esta campanha foi um dos fatores que contribuíram para a Revolução Bulldozer e, portanto, a derrubada do presidente de longa data Slobodan Milošević em 5 de outubro de 2000. [235]

2003: IraqueEditar

A Guerra do Iraque foi um prolongado conflito armado que começou em março de 2003. Uma coalizão militar liderada pelos Estados Unidos invadiu o país e derrubou o governo iraquiano.


Ver tambémEditar

Referências

  1. The Washington Post, 13 de outubro de 2016, "The Long History of the US Interfering with Elections Elsewhere", Arquivado em 16 de junho de 2017 no Wayback Machine.
  2. New York Times, 17 de fevereiro de 2019, "Russia Isn't the Only One Meddling in Elections, We Do It, Too", Arquivado em 19 de fevereiro de 2018 no Wayback Machine. citing Conflict Management and Peace Science, 19 de setembro de 2016 "Partisan Electoral Interventions by the Great Powers: Introducing the PEIG Dataset"
  3. United Nations Foundation, 20 de agosto de 2015, "The American Ratification of the UN Charter", Arquivado em 10 de setembro de 2016 no Wayback Machine.
  4. Mansell, Wade and Openshaw, Karen, "International Law: A Critical Introduction", Chapter 5, Hart Publishing, 2014,
  5. "All Members shall refrain in their international relations from the threat or use of force against the territorial integrity or political independence of any state." United Nations, "Charter of the United Nations", Article 2(4), Arquivado em 28 de outubro de 2017 no Wayback Machine.
  6. Fox, Gregory, "Regime Change," 2013, Oxford Public International Law, Max Planck Encyclopedia of Public International Law, Sections C(12) and G(53)–(55), Arquivado em 4 de Novembro de 2016 no Wayback Machine.
  7. Stevenson, Robert Louis (1892). A Footnote to History: Eight Years of Trouble in Samoa. [S.l.]: BiblioBazaar. ISBN 978-1-4264-0754-3 
  8. Ryden, George Herbert. The Foreign Policy of the United States in Relation to Samoa. New York: Octagon Books, 1975. (Reprint by special arrangement with Yale University Press. Originally published at New Haven: Yale University Press, 1928), p. 574; the Tripartite Convention (United States, Germany, Great Britain) was signed at Washington on December 2, 1899.
  9. Ryden, George Herbert. The Foreign Policy of the United States in Relation to Samoa. New York: Octagon Books, 1975. (Reprint by special arrangement with Yale University Press. Originally published at New Haven: Yale University Press, 1928), p. 574; the Tripartite Convention (United States, Germany, Great Britain) was signed at Washington on December 2, 1899 with ratifications exchanged on February 16, 1900
  10. Kalaw 1927, pp. 199–200
  11. Worcester 1914, p. 180 in The Philippines: Past and Present (Volume 1 of 2) by Dean C. Worcester
  12. This Day in History, "November 3: 1903 Panama Declares Independence," Arquivado em 12 de março de 2018 no Wayback Machine.
  13. In a state speech in December 1903, President Theodore Roosevelt put the number of "revolutions, rebellions, insurrections, riots, and other outbreaks" in Panama at 53, within the space of 57 years. in "Theodore Roosevelt's third state of the union address" Arquivado em 2 de maio de 2012 no Wayback Machine.
  14. Gilderhusrt, Mark T. (2000). The Second Century: U.S.–Latin American Relations Since 1889. [S.l.]: Rowman & Littlefield. p. 49 
  15. Becker, Marc. «History of U.S. Interventions in Latin America». www2.truman.edu 
  16. Giles A. Hubert, War and the Trade Orientation of Haiti
  17. United States Naval Institute (1879). Proceedings of the United States Naval Institute. Annapolis, MD: [s.n.] p. 239 
  18. Atkins, G. Pope & Larman Curtis Wilson. (1998). The Dominican Republic and the United States: From Imperialism to Transnationalism. Athens, GA: Univ. of Georgia Press. p. 49. ISBN 978-0-8203-1930-8 
  19. Beyer, Rick, "The Greatest Stories Never Told" 2003: A&E Television Networks / The History Channel, pp. 152–153, ISBN 0060014016
  20. Coatsworth, John. H. "Central America and the United States: The Clients and the Colossus," Twayne Publishers, New York: 1994, pp. 45, 225
  21. The Stanford Daily, "Panamanian President Ousted in Coup d'Etat", Volume 100, Issue 15, October 10, 1941, Arquivado em 13 de março de 2018 no Wayback Machine.
  22. Hart-Landsberg, Martin, Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy, Monthly Review Press (1998), p. 65
  23. Cumings, Bruce, The Origins of the Korean War, Liberation and the Emergence of Separate Regimes, 1945–1947, Princeton University Press (1981), p. 88
  24. Hart-Landsberg, Martin, Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy, Monthly Review Press (1998), pp. 63–67, 70–77
  25. Cumings, Bruce, "The Autumn Uprising," The Origins of the Korean War, Liberation and the Emergence of Separate Regimes, 1945–1947, Princeton University Press(1981)
  26. Korea Times, June 15, 2015, "Korea Neglects Memory of Provisional Government", Arquivado em 8 de janeiro de 2017 no Wayback Machine.
  27. Kim, Hunjoon (Novembro de 2009). «Seeking truth after 50 years: The National Committee for Investigation of the Truth about the Jeju 4.3 events». International Journal of Transitional Justice. 3 (3): 406–23. doi:10.1093/ijtj/ijp014 
  28. The National Committee for Investigation of the Truth about the Jeju April 3 Incident, Jeju 4·3 Peace Foundation, March 29, 2003, "The Jeju 4.3 Incident Investigation Report", Arquivado em 21 de setembro de, 2015 no Wayback Machine.
  29. The Hankyoreh, January 8, 2009, "439 Civilians Confirmed Dead in Yeosu-Suncheon Uprising of 1948: New Report by The Truth Commission Places Blame on Syngman Rhee and The Defense Ministry, Advises Government Apology" Arquivado em 11 de maiode 2011 no Wayback Machine.
  30. Gwertzman, Bernard (4 de agosto de 1975). «Papers Show U.S. Considered Ousting Rhee in Korean War». The New York Times 
  31. Jong, Yil Ra (Abril de 1992). «Political Crisis in Korea, 1952: The Administration, Legislature, Military and Foreign Powers». Journal of Contemporary History. 27 (2): 301–318. JSTOR 260912. doi:10.1177/002200949202700205 
  32. a b Nguyễn Anh Thái (chief author); Nguyễn Quốc Hùng; Vũ Ngọc Oanh; Trần Thị Vinh; Đặng Thanh Toán; Đỗ Thanh Bình (2002). Lịch sử thế giới hiện đại (em Vietnamese). Ho Chi Minh City: Giáo Dục Publisher. pp. 320–322. 8934980082317 
  33. Harry S. Truman, "Memoirs, Vol. Two: Years of Trial and Hope," 1946–1953 (Great Britain 1956), p. 66
  34. p. 23, U.S. Military and CIA Interventions Since World War II, William Blum, Zed Books 2004 London.
  35. "EAM-ELAS: Resistance of National Liberation Movement," Thanasis Hajis, pp. 69–70 in Greece: From Resistance to Civil War, Marion Sarafis, editor, Russell Press Ltd (1980)
  36. McCullough, David (1992). Truman. New York: Simon & Schuster 
  37. Patterson, James T. (1996). Grand Expectations. New York: Oxford University Press 
  38. Panourgia, Neni, "Dangerous Citizens: The Greek Left and The Terror of the State," (New York: Fordham University Press, 2009) Chapter 5. 1946–1949: Emphýlios, Witness of the Mountains, available online at: https://dangerouscitizens.columbia.edu/1946-1949/witness-of-the/1/index.html Arquivado em 25 de dezembro de 2017 no Wayback Machine.
  39. Iatrides, John O., and Nicholas X. Rizopoulos, "The International Dimension of the Greek Civil War," World Policy Journal (2000): 87–103. in JSTOR Arquivado em 7 de agosto de 2018 no Wayback Machine.
  40. Herring, George C. (2008). From Colony to Superpower: U.S. Foreign Relations Since 1776. New York: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-507822-0 
  41. Ginsborg, A History of Contemporary Italy, pp. 106–113
  42. James Ciment, Encyclopedia of Conflicts Since World War II (Routledge, 2015)
  43. Ginsborg, A History of Contemporary Italy, pp. 106–113
  44. Corke, Sarah-Jane (12 de setembro de 2007). US Covert Operations and Cold War Strategy: Truman, Secret Warfare and the CIA, 1945-53 (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 47–48. ISBN 9781134104130 
  45. "How to Hang On", Time, April 19, 1948
  46. «CNN Cold War Episode 3: Marshall Plan. Interview with F. Mark Wyatt, former CIA operative in Italy during the election». CNN. 1998–1999. Arquivado do original em 31 de agosto de 2001 
  47. CIA memorandum to the Forty Committee (National Security Council), presented to the Select Committee on Intelligence, United States House of Representatives (the Pike Committee) during closed hearings held in 1975. The bulk of the committee's report that contained the memorandum was leaked to the press in February 1976 and first appeared in book form as CIA – The Pike Report (Nottingham, England, 1977). The memorandum appears on pp. 204–05 of this book.
  48. Alternet, July 27, 2007, "The True – And Shocking – History of the CIA, An on-the-Record Master History of the CIA Has Finally Been Published, and Its Lesson Is That an Incompetent Intelligence Agency Can Be as Great a Threat to National Security as Not Having One at All" Arquivado em 20 de fevereiro de 2018 no Wayback Machine. citing Tim Weiner, "Legacy of Ashes: The History of the CIA" (Doubleday, 2007) p. 27
  49. Pedaliu, E. (23 de outubro de 2003). Britain, Italy and the Origins of the Cold War (em inglês). [S.l.]: Springer. pp. 57–62. ISBN 9780230597402 
  50. «CIA Covert Aid to Italy Averaged $5 Million Annually from Late 1940s to Early 1960s, Study Finds | National Security Archive». nsarchive.gwu.edu (em inglês) 
  51. Alternet, July 27, 2007, "The True – And Shocking – History of the CIA, An on-the-Record Master History of the CIA Has Finally Been Published, and Its Lesson Is That an Incompetent Intelligence Agency Can Be as Great a Threat to National Security as Not Having One at All" Arquivado em 20 de fevereiro de 2018 no Wayback Machine. citing Tim Weiner, "Legacy of Ashes: The History of the CIA" (Doubleday, 2007) p. 298
  52. Holland, Matthew F. (1996). America and Egypt: From Roosevelt to Eisenhower. [S.l.]: Praeger. pp. 26–29. ISBN 978-0-275-95474-1 
  53. Clandestine Service History: Overthrow of Premier Mossadeq of Iran, Mar. 1954: p. iii.
  54. Ends of British Imperialism: The Scramble for Empire, Suez, and Decolonization. [S.l.]: I.B.Tauris. 2007. pp. 775 of 1082. ISBN 978-1-84511-347-6 
  55. New York Times, 2000, "Secrets of History: The United States in Iran," https://www.nytimes.com/library/world/mideast/041600iran-cia-index.html Arquivado em 20 de janeiro de 2013 no WebCite
  56. U.S. foreign policy in perspective: clients, enemies and empire. David Sylvan, Stephen Majeski, p. 121.
  57. Blakeley, Ruth (2009). State Terrorism and Neoliberalism: The North in the South. [S.l.]: Routledge. p. 92. ISBN 978-0-415-68617-4 
  58. Coatsworth, John. H. "Central America and the United States: The Clients and the Colossus," Twayne Publishers, New York: 1994, pp. 58, 226
  59. Kornbluh, Peter; Doyle, Kate, eds. "CIA and Assassinations: The Guatemala 1954 Documents", National Security Archive Electronic Briefing Book overview, Washington, D.C.: National Security Archive Arquivado em 24 de Novembro de 2016 no Wayback Machine.
  60. «(DELETED) MEMO TO JAMES LAY FROM (DELETED) RE GUATEMALA 1954 COUP | CIA FOIA (foia.cia.gov)». www.cia.gov 
  61. Kornbluh, Peter; Doyle, Kate, eds. "CIA and Assassinations: The Guatemala 1954 Documents", National Security Archive Electronic Briefing Book Document 5, Washington, D.C.: National Security Archive. Arquivado em 24 de Novembro de 2016 no Wayback Machine.
  62. Blakeley, Ruth (2009). State Terrorism and Neoliberalism: The North in the South. [S.l.]: Routledge. p. 92. ISBN 978-0-415-68617-4 
  63. Coatsworth, John. H. "Central America and the United States: The Clients and the Colossus," Twayne Publishers, New York: 1994, pp. 58, 226
  64. Kornbluh, Peter; Doyle, Kate, eds. "CIA and Assassinations: The Guatemala 1954 Documents", National Security Archive Electronic Briefing Book overview, Washington, D.C.: National Security Archive, http://nsarchive.gwu.edu/NSAEBB/NSAEBB4/index.html Arquivado em 24 de novembro de 2016 no Wayback Machine.
  65. Kornbluh, Peter; Doyle, Kate, eds. "CIA and Assassinations: The Guatemala 1954 Documents", National Security Archive Electronic Briefing Book Document 5, Washington, D.C.: National Security Archive, http://nsarchive.gwu.edu/NSAEBB/NSAEBB4/index.html Arquivado em 24 de novembro de 2016 no Wayback Machine.
  66. Saunders, Bonnie, "The United States and Arab Nationalism: The Syrian Case, 1953–1960," (Westport, CT: Greenwood, 1996), p. 49
  67. Sylvan, David and Majeski, Stephen, "U.S. Foreign Policy in Perspective: Clients, Enemies and Empire" (New York: Routledge, 2009) Arquivado em 1 de abril de 2018 no Wayback Machine.
  68. a b Blum, William, "Killing Hope: U.S. Military and CIA Interventions Since World War II," (Monroe, ME: Common Courage Press, 1995), pp. 86–87
  69. Saunders, Bonnie, "The United States and Arab Nationalism: The Syrian Case, 1953–1960," (Westport, CT: Greenwood, 1996), p. 51
  70. The Guardian, September 26, 2003, "Macmillan Backed Syria Assassination Plot, Documents Show White House and No. 10 Conspired over Oil-Fuelled Invasion Plan" Arquivado em 3 de junho de 2015 no Wayback Machine.
  71. a b John Prados, Safe for Democracy: The Secret Wars of the CIA (Chicago: Rowman & Littlefield, 2006), p. 164 [1]
  72. Jones, Matthew. "The 'Preferred Plan': The Anglo-American Working Group Report on Covert Action in Syria, 1957," Intelligence and National Security 19(3), Autumn 2004, pp. 404–406
  73. Dorril, Stephen, "MI6: Inside the Covert World of Her Majesty's Secret Intelligence Service," (New York: Touchstone, 2000), p. 656 656
  74. Blum, William, "Killing Hope: U.S. Military and CIA Interventions Since World War II," (Monroe, ME: Common Courage Press, 1995), pp. 88–91
  75. Daily News (Sri Lanka), "Bandung Conference of 1955 and the Resurgence of Asia and Africa"
  76. Kahin, George McTurnan, "The Asian-African Conference: Bandung, Indonesia, April 1955" (Ithaca: Cornell University Press, 1956)
  77. Conboy, Kenneth; Morrison, James (1999) "Feet to the Fire CIA Covert Operations in Indonesia, 1957–1958," (Annapolis: Naval Institute Press, 1999), p. 155, ISBN 1557501939
  78. Conboy, Kenneth; Morrison, James (1999) "Feet to the Fire CIA Covert Operations in Indonesia, 1957–1958," (Annapolis: Naval Institute Press, 1999), p. 131, ISBN 1557501939
  79. Los Angeles Times, October 29, 1994, "CIA's Covert Indonesia Operation in the 1950s Acknowledged by U.S." Arquivado em 19 de janeiro de 2018 no Wayback Machine.
  80. Stone, Oliver and Kuznick, Peter, "The Untold History of the United States" (New York: Simon & Schuster, Inc., 2012), pp. 347–348
  81. Sale, Richard (10 de abril de 2003). «Exclusive: Saddam Key in Early CIA Plot». United Press International 
  82. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. xvii, 25–26, 31, 200, 208. ISBN 978-1-137-48711-7 
  83. Karsh, Efraim; Rautsi, Inari (2002). Saddam Hussein: A Political Biography. [S.l.]: Grove Press. pp. 15–22, 25. ISBN 978-0-8021-3978-8 
  84. Makiya, Kanan (1998). Republic of Fear: The Politics of Modern Iraq, Updated Edition. [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-92124-5 
  85. Karsh, Efraim; Rautsi, Inari (2002). Saddam Hussein: A Political Biography. [S.l.]: Grove Press. pp. 20–21. ISBN 978-0-8021-3978-8 
  86. US Library of Congress, Federal Research Division, Library of Congress Country Studies, "Laos: The Attempt to Restore Neutrality"
  87. Castle, Timothy, "At War in the Shadow of Vietnam: United States Military Aid to the Royal Lao Government, 1955–1975," (New York: Columbia University Press, 1993), pp. 32–33
  88. Castle, Timothy, "At War in the Shadow of Vietnam: United States Military Aid to the Royal Lao Government, 1955–1975," (New York: Columbia University Press, 1993), pp. 33–35, 40, 59
  89. US Library of Congress, Federal Research Division, Library of Congress Country Studies, "Laos: The Attempt to Restore Neutrality"
  90. Castle, Timothy, "At War in the Shadow of Vietnam: United States Military Aid to the Royal Lao Government, 1955–1975," (New York: Columbia University Press, 1993), pp. 21–25, 27
  91. Kross, Peter (9 de dezembro de 2018). «The Assassination of Rafael Trujillo». Sovereign Media 
  92. «The Kaplans of the CIA - Approved For Release 2001/03/06 CIA-RDP84-00499R001000100003-2» (PDF). Central Intelligence Agency. 24 de Novembro de 1972. p. 3–6 
  93. CIA "Family Jewels" Memo, 1973 (see page 434) Family Jewels (Central Intelligence Agency)
  94. Ameringer, Charles D. (1 de janeiro de 1990). U.S. Foreign Intelligence: The Secret Side of American history 1990 ed. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 978-0669217803 
  95. Iber, Patrick (24 de Abril de 2013). «"Who Will Impose Democracy?": Sacha Volman and the Contradictions of CIA Support for the Anticommunist Left in Latin America». Diplomatic History 
  96. Office of the Historian, United States Department of State, Foreign Relations of the United States, 1961–63, Volume X, Cuba, January 1961–September 1962, "291. Program Review by the Chief of Operations, Operation Mongoose (Lansdale)", January 18, 1962, Arquivado em 12 de outubro de 2017 no Wayback Machine.
  97. a b Office of the Historian, United States Department of State, Foreign Relations of the United States, 1961–63, Volume X, Cuba, January 1961–September 1962, "291. Program Review by the Chief of Operations, Operation Mongoose (Lansdale)", January 18, 1962, pp. 711–17, Arquivado em 12 de outubro de 2017 no Wayback Machine.
  98. Domínguez, Jorge I. "The @#$%& Missile Crisis (Or, What Was 'Cuban' About US Decisions During the Cuban Missile Crisis)," Diplomatic History: The Journal of the Society for Historians of Foreign Relations, Vol. 24, No. 2, Spring 2000: 305–15
  99. NBC News, June 26, 2007, "CIA Acknowledges Castro Plot Went All the Way to the Top, Dulles Personally Approved 1960 Operation to Assassinate Castro" Arquivado em 4 de novembro de 2016 no Wayback Machine.
  100. Escalante Font, Fabián, "Executive Action: 634 Ways to Kill Fidel Castro," Melbourne: Ocean Press, 2006
  101. The Guardian, August 2, 2006, "638 Ways to Kill Castro" Arquivado em 30 de agosto de 2013 no Wayback Machine.
  102. Stone and Kuznick (2012, pp. 343–344) citingCrandall, Britta H. (2011), Hemispheric Giants: The Misunderstood History of U.S.–Brazilian Relations, ISBN 978-1-4422-0787-5, Rowman & Littlefield  and Schmitz, David F. (1999), Thank God they're on our side: the United States and right-wing dictatorships, 1921–1965, ISBN 978-0-8078-2472-6, U. of North Carolina Press, p. 98  and Schmitz, David F. (1999), Thank God They're on Our Side: The United States and Right-Wing Dictatorships, 1921–1965, U. North Carolina Press, pp. 272–273 
  103. Stone and Kuznick (2012, pp. 343–344) citingCrandall, Britta H. (2011), Hemispheric Giants: The Misunderstood History of U.S.–Brazilian Relations, ISBN 978-1-4422-0787-5, Rowman & Littlefield  and Schmitz, David F. (1999), Thank God they're on our side: the United States and right-wing dictatorships, 1921–1965, ISBN 978-0-8078-2472-6, U. of North Carolina Press, p. 98  and Schmitz, David F. (1999), Thank God They're on Our Side: The United States and Right-Wing Dictatorships, 1921–1965, U. North Carolina Press, pp. 272–273 
  104. National Security Archive, April 2, 2014, "Brazil Marks 50th Anniversary of Military Coup, On 50th anniversary, Archive Posts New Kennedy Tape Transcripts on Coup Plotting against Brazilian President Joao Goulart"
  105. Stone and Kuznick (2012, pp. 343–344) citing Hellman, Robert G.; Rosenbaum, H. Jon (1975), Latin America: The Search for a New International Role, Wiley, p. 80 
  106. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 57, 220. ISBN 978-1-137-48711-7 
  107. Hahn, Peter (2011). Missions Accomplished?: The United States and Iraq Since World War I. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-533338-1 
  108. Ismael, Tareq Y.; Ismael, Jacqueline S.; Perry, Glenn E. (2016). Government and Politics of the Contemporary Middle East: Continuity and Change 2nd ed. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-317-66282-2 
  109. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 52–54, 57–58, 200. ISBN 978-1-137-48711-7 
  110. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 59–61, 68–72, 80. ISBN 978-1-137-48711-7 
  111. Citino, Nathan J. (2017). «The People's Court». Envisioning the Arab Future: Modernization in US-Arab Relations, 1945–1967. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-1-108-10755-6 
  112. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 77–79. ISBN 978-1-137-48711-7 
  113. Batatu, Hanna (1978). The Old Social Classes and the Revolutionary Movements of Iraq. [S.l.]: Princeton University Press. pp. 985–987. ISBN 978-0-86356-520-5 
  114. Gibson, Bryan R. (2015). Sold Out? US Foreign Policy, Iraq, the Kurds, and the Cold War. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 978-1-137-48711-7 
  115. Citino, Nathan J. (2017). «The People's Court». Envisioning the Arab Future: Modernization in US–Arab Relations, 1945–1967. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 220–222. ISBN 978-1-108-10755-6 
  116. Kinzer, Stephen (2007). Overthrow: America's Century of Regime Change from Hawaii to Iraq. New York: Henry Holt and Company. pp. 158–166. ISBN 978-1-4299-0537-4 
  117. «U.S. and Diem's Overthrow: Step by Step». The New York Times. 1 de julho de 1971 
  118. Stanford University, Fearon, James and Laitin, David, June 27, 2006, "Dominican Republic (Dominican RepublicRN1.2)"; pp. 4–6, Arquivado em 13 de março de 2016 no Wayback Machine.
  119. New York Times, 2 de Novembro de 2001, "Juan Bosch, 92, Freely Elected Dominican President, Dies" Arquivado em 29 de agosto de 2016 no Wayback Machine.
  120. Stephen G. Rabe, "The Johnson Doctrine", Presidential Studies Quarterly 36
  121. «Foreign Relations of the United States, 1964–1968 Volume XXXII, Dominican Republic; Cuba; Haiti; Guyana, Document 43». US Dept. of State 
  122. Encyclopedia of the Cold War: A Political, Social, and Military History, 2013, p. 267
  123. Stone, Oliver and Kuznick, Peter, "The Untold History of the United States" (New York, Simon & Schuster, Inc., 2012), p. 350 citing David F. Schmitz, "The United States and Right-Wing Dictatorships, 1965–1989" (New York: Cambridge University Press, 2006), p. 45
  124. a b Mark Aarons (2007). "Justice Betrayed: Post-1945 Responses to Genocide." In David A. Blumenthal and Timothy L. H. McCormack (eds). The Legacy of Nuremberg: Civilising Influence or Institutionalised Vengeance? (International Humanitarian Law). Arquivado em 5 de janeiro de 2016 no Wayback Machine. Martinus Nijhoff Publishers. ISBN 9004156917 p. 81.
  125. Robinson, Geoffrey B. (2018). The Killing Season: A History of the Indonesian Massacres, 1965–66. [S.l.]: Princeton University Press. p. 3. ISBN 978-1-4008-8886-3 
  126. Melvin, Jess (2018). The Army and the Indonesian Genocide: Mechanics of Mass Murder. [S.l.]: Routledge. p. 1. ISBN 978-1-138-57469-4 
  127. Time Magazine, 30 de setembro de 2015, The Memory of Savage Anticommunist Killings Still Haunts Indonesia, 50 Years On Arquivado em 1 de março de 2017 no Wayback Machine., Time
  128. Indonesia's killing fields Arquivado em 14 de fevereiro de 2015 no Wayback Machine. Al Jazeera, 21 de dezembro de 2012.
  129. Gellately, Robert; Kiernan, Ben (Julho de 2003). The Specter of Genocide: Mass Murder in Historical Perspective. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 290–291. ISBN 978-0-521-52750-7 
  130. «Files reveal US had detailed knowledge of Indonesia's anti-communist purge». The Associated Press via The Guardian. 17 de outubro de 2017 
  131. Melvin, Jess (20 de outubro de 2017). «Telegrams confirm scale of US complicity in 1965 genocide». Indonesia at Melbourne. University of Melbourne. The new telegrams confirm the US actively encouraged and facilitated genocide in Indonesia to pursue its own political interests in the region, while propagating an explanation of the killings it knew to be untrue. 
  132. Scott, Margaret (26 de outubro de 2017). «Uncovering Indonesia's Act of Killing». The New York Review of Books. According to Simpson, these previously unseen cables, telegrams, letters, and reports "contain damning details that the U.S. was willfully and gleefully pushing for the mass murder of innocent people." 
  133. Bevins, Vincent (20 de outubro de 2017). «What the United States Did in Indonesia». The Atlantic 
  134. Kadane, Kathy (21 de maio de 1990). «U.S. Officials' Lists Aided Indonesian Bloodbath in '60s». The Washington Post 
  135. Robinson, Geoffrey B. (2018). The Killing Season: A History of the Indonesian Massacres, 1965–66. [S.l.]: Princeton University Press. p. 203. ISBN 978-1-4008-8886-3. a US Embassy official in Jakarta, Robert Martens, had supplied the Indonesian Army with lists containing the names of thousands of PKI officials in the months after the alleged coup attempt. According to the journalist Kathy Kadane, "As many as 5,000 names were furnished over a period of months to the Army there, and the Americans later checked off the names of those who had been killed or captured." Despite Martens later denials of any such intent, these actions almost certainly aided in the death or detention of many innocent people. They also sent a powerful message that the US government agreed with and supported the army's campaign against the PKI, even as that campaign took its terrible toll in human lives. 
  136. Simpson, Bradley (2010). Economists with Guns: Authoritarian Development and U.S.–Indonesian Relations, 1960–1968. [S.l.]: Stanford University Press. p. 193. ISBN 978-0-8047-7182-5. Washington did everything in its power to encourage and facilitate the army-led massacre of alleged PKI members, and U.S. officials worried only that the killing of the party's unarmed supporters might not go far enough, permitting Sukarno to return to power and frustrate the [Johnson] Administration's emerging plans for a post-Sukarno Indonesia. This was efficacious terror, an essential building block of the neoliberal policies that the West would attempt to impose on Indonesia after Sukarno's ouster. 
  137. Stone, Oliver and Kuznick, Peter, "The Untold History of the United States" (New York: Simon & Schuster, Inc., 2012), p. 352
  138. Melvin, Jess (2017). «Mechanics of Mass Murder: A Case for Understanding the Indonesian Killings as Genocide». Journal of Genocide Research. 19 (4): 487–511. doi:10.1080/14623528.2017.1393942 
  139. Robinson, Geoffrey B. (2018). The Killing Season: A History of the Indonesian Massacres, 1965–66. [S.l.]: Princeton University Press. p. 4. ISBN 978-1-4008-8886-3 
  140. McGregor, Katharine; Melvin, Jess; Pohlman, Annie, eds. (2018). The Indonesian Genocide of 1965: Causes, Dynamics and Legacies (Palgrave Studies in the History of Genocide). [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 978-3-319-71454-7 
  141. «American/World History 1967-1968». Historycentral.com 
  142. a b c Ganser, Daniele (2005). NATO's secret armies: Operation Gladio and Terrorism in Western Europe. Routledge. p. 216.
  143. Charlie Wilson's War, George Crile, 2003, Grove/Atlantic.
  144. Weiner, Tim (2007), Legacy of Ashes: The History of the CIA, Doubleday, p. 383.
  145. North American Congress on Latin America (NACLA) 25 de Setembro de 2007, "Alliance for Power: U.S. Aid to Bolivia Under Banzer", Arquivado em 17 de março de 2018 no Wayback Machine.
  146. Huffington Post, 23 de outubro de 2008 , "U.S. Intervention in Bolivia", Arquivado em 21 de janeiro de 2017 no Wayback Machine. reposted from Foreign Policy in Focus
  147. BBC News, 5 de março de 2009, "Hidden Cells Reveal Bolivia's Dark Past" Arquivado em 10 de março de 2009 no Wayback Machine.
  148. The Guardian, 5 de maio de 2002, "Hugo Banzer: Former President and Dictator of Bolivia Who Headed a Brutal Military Regime", Arquivado em 21 de julho de 2016 no Wayback Machine.
  149. National Security Archive 8 de março de 2013, "Operation Condor on Trial: Legal Proceeding on Latin American Rendition and Assassination Program Open in Buenos Aires", Arquivado em 17 de março de 2018 no Wayback Machine.
  150. Blakeley, Ruth (2009). State Terrorism and Neoliberalism: The North in the South. [S.l.]: Routledge. p. 22 & 23. ISBN 978-0-415-68617-4 
  151. McSherry, J. Patrice (2011). «Chapter 5: "Industrial repression" and Operation Condor in Latin America». In: Esparza, Marcia; Henry R. Huttenbach; Daniel Feierstein. State Violence and Genocide in Latin America: The Cold War Years (Critical Terrorism Studies). [S.l.]: Routledge. p. 107. ISBN 978-0-415-66457-8 
  152. Michael M. Gunter, Conflict Quarterly, Fall 1992, "Foreign Influences on the Kurdish Insurgency in Iraq," p. 8
  153. a b Los Angeles Times, 14 de Abril de 1991, "A People Betrayed: Twice Before, Washington Let Kurds Die to Promote Foreign-Policy Designs. Now it's the Bush Administration Doing the Deed Arquivado em 2016-03-07 no Wayback Machine."
  154. Michael M. Gunter, Conflict Quarterly, Fall 1992, "Foreign Influences on the Kurdish Insurgency in Iraq," p. 10
  155. "Even in the context of covert action, ours was a cynical enterprise," according to the 1976 final report of the Pike Committee, the Congressional committee that investigated US intelligence operations. Los Angeles Times, 14 de Abril de 1991, "A People Betrayed: Twice Before, Washington Let Kurds Die to Promote Foreign-Policy Designs. Now it's the Bush Administration Doing the Deed"
  156. Michael M. Gunter, Conflict Quarterly, Fall 1992, "Influences on the Kurdish Insurgency in Iraq," p. 11
  157. Peter Kornbluh. «Chile and the United States: Declassified Documents Relating to the Military Coup, September 11, 1973» 
  158. CIA Admits Involvement in Chile. ABC News. September 20
  159. Dinges, John (2005). The Condor Years: How Pinochet And His Allies Brought Terrorism To Three Continents. [S.l.]: The New Press. p. 20. ISBN 978-1-56584-977-8 
  160. Valech Report Arquivado em 22 de março de 2015 no Wayback Machine. Valech Report
  161. Gómez-Barris, Macarena (2010). «Witness Citizenship: The Place of Villa Grimaldi in Chilean Memory». Sociological Forum. 25 (1): 34. doi:10.1111/j.1573-7861.2009.01155.x 
  162. «El campo de concentración de Pinochet cumple 70 años». El País. 3 de dezembro de 2008 
  163. «Chile President Pinera to ask Obama for Pinochet files». BBC News. 23 de março de 2011 
  164. Washington Post, 27 de dezembro de 2007, "Sorry Charlie This is Michael Vickers's War" Arquivado em 26 de Novembro de 2017 no Wayback Machine.
  165. Riedel, Bruce 2014, "What We Won: America's Secret War in Afghanistan, 1979–1989," Brookings Institution Press. pp. ix–xi, 21–22, 98–105
  166. Newsweek, 1 de outubro de 2001, Evan Thomas, "The Road to September 11," «The Road to September 11». Outubro de 2001. Arquivado do original em 22 de Novembro de 2013 
  167. The National Security Archive, 9 de outubro de 2001, "U.S. Analysis of The Soviet War in Afghanistan: Declassified"
  168. Ewans, Martin (1 de dezembro de 2004). Conflict in Afghanistan: Studies in Asymetric Warfare. [S.l.]: Routledge. ISBN 9781134294817 – via Google Books 
  169. Ewans, Sir Martin; Ewans, Martin (5 de setembro de 2013). Afghanistan – A New History. [S.l.]: Routledge. ISBN 9781136803390 – via Google Books 
  170. Anand Gopal, et al, "Taliban in North Waziristan" in Talibanistan: Negotiating the Borders Between Terror, Politics, and Religion, Peter Bergen, Katherine Tiedemann eds, pp. 132–142
  171. «The Haqqani History: Bin Ladin's Advocate Inside the Taliban». nsarchive.gwu.edu 
  172. Kepel, Gilles (9 de agosto de 2018). Jihad: The Trail of Political Islam. [S.l.]: I.B.Tauris. ISBN 9781845112578 – via Google Books 
  173. Cook, Robin (8 de julho de 2005). «The struggle against terrorism cannot be won by military means». The Guardian. London. Cópia arquivada em 10 de julho de 2005 
  174. "During the anti-Soviet jihad Bin Laden and his fighters received American and Saudi funding. Some analysts believe Bin Laden himself had security training from the CIA." BBC News, 20 de julho de 2004, "Al-Qaeda's Origins and Links"Arquivado em 24 de março de 2013 no Wayback Machine.
  175. "By 1984, he Osama bin Laden was running a front organization known as Maktab al-Khidamar – the MAK – which funneled money, arms and fighters from the outside world into the Afghan war. What the CIA bio conveniently fails to specify (in its unclassified form, at least) is that the MAK was nurtured by Pakistan's state security services, the Inter-Services Intelligence agency, or ISI, the CIA's primary conduit for conducting the covert war against Moscow's occupation." "So bin Laden, along with a small group of Islamic militants from Egypt, Pakistan, Lebanon, Syria and Palestinian refugee camps all over the Middle East, became the 'reliable' partners of the CIA in its war against Moscow." NBC News, 24 de agosto de 1998, "Bin Laden Comes Home to Roost: His CIA Ties Are Only the Beginning of a Woeful Story", Arquivado em 18 de julho de 2016 no Wayback Machine.
  176. "...bin Laden's Office of Services, set up to recruit overseas for the war, received some US cash." The Guardian, 17 de janeiro de 1999 "Frankenstein the CIA Created", Arquivado em 3 de dezembro de 2016 no Wayback Machine.
  177. "And some of the same warriors who fought the Soviets with the C.I.A.'s help are now fighting under Mr. bin Laden's banner." New York Times, 24 de agosto de 1998 "Afghan Camps, Hidden in Hills, Stymied Soviet Attacks for Years", Arquivado em 2 de abril de 2018 no Wayback Machine.
  178. Coll, Steve (2004). Ghost Wars: The Secret History of the CIA, Afghanistan, and Bin Laden, from the Soviet Invasion to September 10, 2001. [S.l.]: Penguin Group. 87 páginas. ISBN 978-1-59420-007-6 
  179. Bergen, Peter (2006). The Osama bin Laden I Know: An Oral History of al Qaeda's Leader. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 60–61. ISBN 978-0-7432-9592-5 
  180. Burke, Jason (2004). Al-Qaeda: Casting a Shadow of Terror. [S.l.]: I.B. Tauris. ISBN 978-1-85043-666-9 
  181. Crile, George (2003) Charlie Wilson's War: The Extraordinary Story of the Largest Covert Operation in History, Atlantic Monthly Press, p. 519
  182. Douglas J. MacEachin. «US Intelligence and the Polish Crisis 1980-1981». CIA 
  183. Looking to the Future: Essays on International Law in Honor of W. Michael Reisman
  184. Richard T. Davies, "The CIA and the Polish Crisis of 1980–1981." Journal of Cold War Studies (2004) 6#3 pp: 120-123. online
  185. Gregory F. Domber (2008). Supporting the Revolution: America, Democracy, and the End of the Cold War in Poland, 1981--1989. [S.l.]: ProQuest. p. 199. ISBN 9780549385165 , revised as Domber 2014, p. 110 [2].
  186. Domber, Gregory F. (28 de agosto de 2014), What Putin Misunderstands about American Power, University of California Press Blog, University of North Carolina Press 
  187. MacEachin, Douglas J. "US Intelligence and the Polish Crisis 1980–1981." CIA. 28 de junho de 2008.
  188. Cover Story: The Holy Alliance By Carl Bernstein Sunday, 24 de junho de 2001
  189. Branding Democracy: U.S. Regime Change in Post-Soviet Eastern Europe Gerald Sussman, page 128
  190. Executive Secrets: Covert Action and the Presidency William J. Daugherty. page 201-203
  191. Larsen, Neil (2010). «Thoughts on Violence and Modernity in Latin America». In: Grandin & Joseph, Greg & Gilbert. A Century of Revolution. Durham & London: Duke University Press. pp. 381–393 
  192. The Center for Justice and Accountability, "El Salvador, 12 Years of Civil War", Arquivado em 12 de março de 2018 no Wayback Machine.
  193. Report of the UN Truth Commission on El Salvador (Relatório). United Nations. 1 de abril de 1993 
  194. El Salvador, In Depth: Negotiating a settlement to the conflict, Uppsala Conflict Data Program Conflict Encyclopedia, Uppsala, Sweden: Uppsala University, While nothing of the aid delivered from the US in 1979 was earmarked for security purposes, the 1980 aid for security only summed US$6.2 million, close to two-thirds of the total aid in 1979. 
  195. Danner, Mark (1993). The Massacre at El Mozote. [S.l.]: Vintage Books. p. 9. ISBN 978-0-679-75525-8 
  196. Maurice Lemoine (19 de março de 2009), «El Salvador : des guérilleros au pouvoir», Le Monde diplomatique 
  197. NACLA, Revolution Brews cited in McClintock, Michael (1985). The American Connection: State Terror and Popular Resistance in El Salvador. [S.l.]: Zed Books. ISBN 978-0-86232-259-5 , p. 270
  198. "A Year of Reckoning: El Salvador a Decade After the Assassination of Archbishop Romero" Human Rights Watch, 1990, pp. 224–225
  199. "How U.S. Advisors Run the War in El Salvador", Philadelphia Inquirer, 29 de maio de 1983
  200. "How U.S. Actions Helped Hide Salvador Human Rights Abuses" Arquivado em 29 de janeiro de 2018 no Wayback Machine. New York Times, 21 de março de 1993
  201. «From Madness to Hope: the 12-year war in El Salvador: Report of the Commission on the Truth for El Salvador» (PDF). Commission on the Truth for El Salvador. 15 de março de 1993 
  202. The Philadelphia Inquirer, 29 de maio de 1983, How U.S. Advisers Run The War in El Salvador"
  203. "El Salvador Accountability and Human Rights: the Report of the United Nations Commission on the Truth for El Salvador," Human Rights Watch, 10 de agosto de 1993
  204. Michael Smith (2007). Killer Elite. [S.l.]: Macmillan. p. 52. ISBN 978-0-312-36272-0 
  205. The Daily Beast, 9 de Novembro de 2014, "Bringing El Salvador Nun Killers to Justice: More than 30 Years Later, Justice Closes in on the Salvadorans Behind the Rape and Murder of American Nuns", Arquivado em 13 de janeiro de 2018 no Wayback Machine.
  206. "Central America, 1981: report to the Committee on Foreign Affairs, U.S. House of Representatives" Gerry E. Studds, William Woodward, United States. Congress. House. Committee on Foreign Affairs, 1981
  207. Michael McClintock (1992), Instruments of Statecraft: U.S. Guerilla Warfare, Counterinsurgency, and Counterterrorism, 1940–1990  Web project by Michael McClintock based on the 1992 book by the same name published by Pantheon Books, a division of Random House, Inc.
  208. Torture techniques used to interrogate prisoners made use of techniques detailed in secret US counter-insurgency manuals and, when US planners proposed a similar counter-insurgency program for dealing with the Iraq insurgency after the 2003 US-led regime change in Iraq, it was referred to as "the Salvador Option".Tom Gibb (27 de janeiro de 2005). «Salvador Option Mooted for Iraq». BBC News  and Thomas Blanton & Peter Kornbluh (5 de dezembro de 2004). «Prisoner Abuse: Patterns from the Past». The National Security Archive 
  209. National Security Decision Directive 17 (NSD-17), January 1982, Arquivado em 24 de abril de 2016 no Wayback Machine.
  210. Presidential Finding authorizing paramilitary activities, December 1981, Arquivado em 30 de outubro de 2012 no Wayback Machine.
  211. New York Times, 22 de fevereiro de 1985, "President Asserts Goal Is to Remove Sandinista Regime" Arquivado em 14 de agosto de 2016 no Wayback Machine.
  212. Terrorism Research and Analysis Consortium, "Contras", Arquivado em 19 de outubro de 2016 no Wayback Machine.
  213. Facts on File World News Digest, 19 de outubro de 1984, "U.S. Orders Probe of CIA Terror Manual" archived at Live Journal: Arquivado em 31 de maio de 2006 no Wayback Machine.
  214. Woodward, Bob, "Veil, The Secret Wars of the CIA," 1987 New York: Simon & Schuster
  215. Gilbert, Dennis, "Sandinistas: The Party and The Revolution," Oxford: Basil Blackwell, 1988, p. 167
  216. Los Angeles Times, 5 de março de 1986, "Setback for Contras : CIA Mining of Harbors 'a Fiasco'"Arquivado em 18 de dezembro de 2013 no Wayback Machine.
  217. International Court of Justice, Nicaragua v. United States of America, 27 de junho de 1986, «Cour internationale de Justice - International Court of Justice | International Court of Justice». Arquivado do original em 1 de março de 2015 
  218. New York Times, 10 de julho de 1987, "Iran-Contra Hearings; Boland Amendments: What They Provided" Arquivado em 31 de maio de 2013 no Wayback Machine.
  219. BBC News, 27 de junho de 1986, "BBC On This Day – 5 – 1984: Sandinistas claim election victory" Arquivado em 22 de setembro de 2013 no Wayback Machine.
  220. New York Times, 16 de novembro de 1984, "Nicaraguan Vote: 'Free, Fair, Hotly Contested'" Arquivado em 1 de julho de 2017 no Wayback Machine.
  221. New York Times, 30 de março de 1984, "Medals Outnumber G.I.s in Grenada Assault" Arquivado em 13 de fevereiro de 2017 no Wayback Machine.
  222. Stuart, Richard W., 2008, "Operation Urgent Fury: The Invasion of Grenada, October 1983" U.S. Army, Arquivado em 24 de setembro de 2015 no Wayback Machine.
  223. United Nations General Assembly Resolution 38/7, 2 de novembro de 1983, Arquivado em 11 de novembro de 2016 no Wayback Machine.
  224. Global Policy Forum, Foreign Policy in Focus, Zunes, Stephen, October 2003, "The U.S. Invasion of Grenada: A Twenty Year Retrospective" Arquivado em 23 de maio de 2017 no Wayback Machine.
  225. United Nations Security Council vetoes, 28 de outubro de 1983, Arquivado em 19 de outubro de 2016 no Wayback Machine.
  226. Global Policy Reform, "Baker Twists Arms of Yemen, Colombia and Malaysia", Arquivado em 2 de setembro de 2009 no Wayback Machine. citing James A. Baker III, The Politics of Diplomacy: Revolution, War and Peace, 1989–1992 (New York: G.P. Putnam's Sons, 1995), pp. 317–320
  227. New York Times, 15 de março de 1991, "After the War: Kuwait; Kuwaiti Emir, Tired and Tearful, Returns to His Devastated Land", Arquivado em 12 de outubro de 2017 no Wayback Machine.
  228. Association of Former Intelligence Officers (19 de maio de 2003), US Coup Plotting in Iraq, Weekly Intelligence Notes 19-03 
  229. «The CIA And the Coup That Wasn't». The Washington Post. 16 de maio de 2003 
  230. «With CIA's Help, Group in Jordan Targets Saddam; U.S. Funds Support Campaign To Topple Iraqi Leader From Afar». The Washington Post. 23 de junho de 1996 
  231. a b «Ex-C.I.A. Aides Say Iraq Leader Helped Agency in 90's Attacks». The New York Times. 9 de junho de 2004. The Iraqi government at the time claimed that the bombs, including one it said exploded in a movie theater, resulted in many civilian casualties ... One former Central Intelligence Agency officer who was based in the region, Robert Baer, recalled that a bombing during that period 'blew up a school bus; school children were killed.' Mr. Baer ... said he did not recall which resistance group might have set off that bomb. Other former intelligence officials said Dr. Allawi's organization was the only resistance group involved in bombings and sabotage at that time. But one former senior intelligence official recalled that 'bombs were going off to no great effect.' 'I don't recall very much killing of anyone,' the official said. 
  232. Pub.L. 105–338, Arquivado em 29 de março de 2017 no Wayback Machine., 112 Stat. 3178, Arquivado em 22 de setembro de 2016 no Wayback Machine., promulgada em 31 de outubro de 1998
  233. Hanke, Steve (6 de julho de 2017). «20th Anniversary, Asian Financial Crisis: Clinton, The IMF And Wall Street Journal Toppled Suharto». Forbes 
  234. Tyson, James L. (10 de fevereiro de 1999). «'Dollar diplomacy' rises again as foreign-policy tool». The Christian Science Monitor 
  235. a b c Ray Jennings (2011). «346. Serbia's October Revolution: Evaluating International Efforts Promoting Democratic Breakthrough». Global Europe Program 
  236. Nicholas Thompson (2001). «This Ain't Your Momma's CIA». Washington Monthly. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2007 

BibliografiaEditar

  • Bass, Gary J. (2008). Freedom's Battle: The Origins of Humanitarian Intervention. [S.l.]: Knopf Doubleday. ISBN 978-0-307-26929-4 
  • Bert, Wayne (2016). American Military Intervention in Unconventional War: From the Philippines to Iraq. [S.l.]: Springer. ISBN 978-0-230-33781-7 
  • Blakeley, Ruth (2009). State Terrorism and Neoliberalism: The North in the South. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-0-415-68617-4 
  • Blum, William (2003). Killing Hope: US Military and CIA Interventions Since World War II. [S.l.]: Zed Books. ISBN 978-1-84277-369-7  Parâmetro desconhecido |title-link= ignorado (ajuda)
  • Bruzzese, Anthony (2008). The Origins of Intervention: America, Italy, and the Fight Against Communism, 1947–1953. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-494-46952-1 
  • Cooley, Alexander (2012). Great Games, Local Rules: The New Power Contest in Central Asia. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-981200-4 
  • Cullinane, Michael (2012). Liberty and American Anti-Imperialism: 1898–1909. [S.l.]: Springer. ISBN 978-1-137-00257-0 
  • Foner, Philip (1972). The Spanish-Cuban-American War and the Birth of American Imperialism Vol. 1: 1895–1898. [S.l.]: NYU Press. ISBN 978-0-85345-266-9 
  • Foner, Philip (1972). The Spanish-Cuban-American War and the Birth of American Imperialism Vol. 2: 1898–1902. [S.l.]: NYU Press. ISBN 978-0-85345-267-6 
  • Fouskas, Vassilis; Gökay, Bülent (2005). The New American Imperialism: Bush's War on Terror and Blood for Oil. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-275-98476-2 
  • Grow, Michael (2008). U.S. Presidents and Latin American Interventions: Pursuing Regime Change in the Cold War. [S.l.]: University Press of Kansas. ISBN 978-0-7006-1586-5 
  • Harland, Michael (2013). Democratic Vanguardism: Modernity, Intervention, and the Making of the Bush Doctrine. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 978-0-7391-7970-3 
  • Hiro, Dilip (2014). War Without End: The Rise of Islamist Terrorism and Global Response. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-136-48556-5 
  • Kinzer, Stephen (2006). Overthrow: America's Century of Regime Change from Hawaii to Iraq. [S.l.]: Times Books. ISBN 978-0-8050-8240-1 
  • Little, Douglas (2009). American Orientalism: The United States and the Middle East since 1945. [S.l.]: University of North Carolina Press. ISBN 978-0-8078-7761-6 
  • Little, Douglas (2016). Us versus Them: The United States, Radical Islam, and the Rise of the Green Threat. [S.l.]: UNC Press Books. ISBN 978-1-4696-2681-9 
  • Maurer, Noel (2013). The Empire Trap: The Rise and Fall of U.S. Intervention to Protect American Property Overseas, 1893–2013. [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 978-1-4008-4660-3 
  • McPherson, Alan (2016). A Short History of U.S. Interventions in Latin America and the Caribbean. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-118-95400-3 
  • McPherson, Alan (2013). Encyclopedia of U.S. Military Interventions in Latin America. [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 978-1-59884-260-9 
  • North, David (2016). A Quarter Century of War. [S.l.]: Mehring Books. ISBN 978-1-893638-69-3 
  • Parmar, Inderjeet; Cox, Michael (2010). Soft Power and US Foreign Policy: Theoretical, Historical and Contemporary Perspectives. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-135-15048-8 
  • Sandstrom, Karl (18 de julho de 2013). Local Interests and American Foreign Policy: Why International Interventions Fail. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-135-04165-6 
  • Schoonover, Thomas (2013). Uncle Sam's War of 1898 and the Origins of Globalization. [S.l.]: University Press of Kentucky. ISBN 978-0-8131-4336-1 
  • Sullivan, Michael (2008). American adventurism abroad: invasions, interventions, and regime changes since World War II. [S.l.]: Blackwell Publishers. ISBN 978-1-4051-7075-8 
  • Wilford, Hugh (2008). The Mighty Wurlitzer: How the CIA Played America. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-04517-0 
  • Wilford, Hugh (2013). America's Great Game: The CIA's Secret Arabists and the Shaping of the Modern Middle East. [S.l.]: Basic Books. ISBN 978-0-465-01965-6