Abrir menu principal

Copa das Confederações FIFA

Copa das Confederações FIFA
(Redirecionado de Copa das Confederações)
Copa das Confederações FIFA
FIFA Confederations Cup
Troféu da Copa das Confederações
Dados gerais
Organização FIFA
Edições 10
Outros nomes Copa Rei Fahd
Local de disputa País-sede da Copa do Mundo FIFA no ano seguinte.
Sistema Grupos e eliminatórias
editar

Copa das Confederações FIFA (português brasileiro) ou Taça das Confederações FIFA (português europeu) (em inglês: FIFA Confederations Cup), é um torneio de futebol organizado pela FIFA entre seleções a cada quatro anos (a partir de 2005, anteriormente a cada dois anos). Os participantes são os seis campeões continentais, estes são os vencedores do Campeonato Africano das Nações, a Copa da Ásia, o Campeonato Europeu de Futebol, a Copa das Nações da OFC, bem como vencedores da Copa América e Copa Ouro, que são respectivamente as competições continentais da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) e a Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe (CONCACAF), acrescidos do país-sede e o campeão mundial, perfazendo um total de oito países.

As duas primeiras edições foram disputadas na Arábia Saudita, a competição era conhecida como Copa Rei Fahd. Na terceira edição, também na Arábia Saudita, a FIFA assumiu o comando da organização da competição. Seu status foi incrementado, o número de países participantes aumentaram para oito e o nome mudado para a versão atual. Em 2001, o torneio foi sediado pela Coreia do Sul e Japão como uma prévia para a Copa do Mundo FIFA de 2002. A partir de 2005, este precedente foi repetido antes de todas as edições da Copas do Mundo (Alemanha em 2005, África do Sul em 2009, Brasil em 2013 e Rússia em 2017), servindo para testar a preparação do país-anfitrião e proporcionar uma competição à sua seleção nacional, uma vez que não disputa os torneios de qualificação.

O Brasil é o maior vencedor da competição, vencendo quatro das dez edições em 1997, 2005, 2009 e 2013. A França é a segunda com duas vitórias em 2001 e 2003, enquanto outras quatro seleções ganharam uma vez: Argentina em 1992, Dinamarca em 1995, México em 1999 e Alemanha em 2017. A CONMEBOL é a entidade continental com mais vitórias, com cinco conquistas, seguido da UEFA, com quatro conquistas.

Em 15 de março de 2019, a FIFA anunciou um novo formato para a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, que contará com a inclusão de mais equipes e passará a ser disputado sempre um ano antes da Copa do Mundo, assim como era a Copa das Confederações, marcando o fim da competição intercontinental.

em 2021 a Copa das Confederações não sera no Catar, devido as condições climaticas, sera em outro país asiático. O Qatar não tera o ''evento teste''

HistóriaEditar

AntecedentesEditar

 Ver artigo principal: Troféu Artemio Franchi

A Copa Intercontinental de Seleções, ou Troféu Artemio Franchi, foi criada no modelo da Copa Intercontinental, uma competição de clubes existente desde 1960, entre os vencedores da América do Sul e da Europa. Este torneio é considerado por alguns como uma forma precursora não oficial da Copa das Confederações, embora a FIFA tenha reconhecido apenas os torneios de 1992 em diante como os "verdadeiros" vencedores da Copa das Confederações.

A Copa Intercontinental de Seleções de 1985 aconteceu no Parc des Princes, em Paris. Diante de 20.405 espectadores, enfrentaram-se as equipes da França e do Uruguai, respectivamente vencedores do Campeonato Europeu de Futebol de 1984 e da Copa América de 1983. O treinador francês Henri Michel armou sua equipe em um esquema de 4-4-2 com dois centroavantes, Dominique Rocheteau e José Touré, sem pontas nas laterais. Ambos os jogadores marcaram dois gols que permitiu a França vencer a partida por 2 a 0. Dominique Rocheteau lançado pelo meio-campista Michel Platini, marca perto do quinto minuto. José Touré, em seguida, marcou o segundo gol de voleio. O encontro é totalmente dominado pela França, cujo jogo "raramente foi tão fluido", segundo Alain Giresse. Quanto à equipe uruguaia, inclui o meia-atacante Enzo Francescoli do River Plate, da Argentina.

Uma segunda e última edição desta Copa Intercontinental de Seleções ocorreu em 24 de Fevereiro de 1993, no Estádio José María Minella, em Mar del Plata, entre a Argentina e a Dinamarca. Cerca de 34.683 espectadores assistiram a partida terminando em um empate de 1-1 com um gol contra a favor dos dinamarqueses. Claudio Caniggia aos 30 minutos marcou para os argentinos. O jogo foi decidido nas penalidades. Diego Armando Maradona marca o primeiro gol para os sul-americanos que finalmente vencem por 5 a 4 graças ao goleiro Sergio Goycochea, que defende dois pênaltis contra uma única defesa de Peter Schmeichel, da Dinamarca.

A criaçãoEditar

A primeira edição da Copa das confederações ocorreu em 1992, em Riad, na Arábia Saudita, de 15 a 20 de outubro. O favorito era a Argentina, vice-campeão mundial dois anos antes. Se Maradona não estava presente, o treinador sul-americano Alfio Basile ainda leva uma "equipe de estrelas" com Batistuta, Redondo, Caniggia e Simeone. A Argentina levantou a taça após vencerem o país-sede na decisão, mesmo diante de uma torcida local bastante entusiasmada. Os outros dois participantes do torneio naquele ano foram Estados Unidos e Costa do Marfim.[1]

Em 1995, volta a ser realizado na Arábia Saudita. O torneio é aumentado para seis equipes e recebe campeões continentais de todas as confederações, com exceção da Oceania. O país anfitrião é o único não-campeão continental. O Japão e a Arábia Saudita são eliminados na primeira rodada. O México ocupa o terceiro lugar. A Dinamarca e Argentina, encontram-se na final. A equipe da Argentina é baseada em uma nova geração incorporada pelos jogadores Roberto Ayala, Ariel Ortega e Javier Zanetti, enquanto os dinamarqueses são liderados pelos irmãos Brian e Michael Laudrup. Nesta final, os jogadores do treinador dinamarquês Richard Møller Nielsen tomam rapidamente uma vantagem de 1-0 em uma cobrança de pênalti convertido por Michael Laudrup. Os europeus, em seguida, confirmam a sua "clara superioridade" no jogo ao vencer, por 2-0, na sequência de um gol no segundo tempo, marcado pelo dinamarquês Peter Rasmussen.[2]

A FIFA assume a organizaçãoEditar

 
Pontapé inicial da partida entre Brasil e Argentina pela final da edição de 2005.

A partir de 1997, a FIFA, decidiu organizar o torneio, a fim de dar-lhe uma "base formal de longo prazo" para a competição poder "ganhar uma vaga no calendário internacional". O objetivo da FIFA era permitir que equipes de cada continente para pudessem competir em um torneio a nível mundial, embora não pertencessem à elite do futebol mundial. O torneio é então expandido para oito seleções. Além dos seis campeões continentais, o atual campeão mundial está agora automaticamente qualificado, bem como o país organizador. Para completar o quadro, se necessário, em caso de cancelamento ou uma seleção ganhar duas competições classificatórias (campeão do mundo e campeão continental ou campeão continental e o país anfitrião), ficaria a cargo da FIFA convocar outra seleção, através de um convite (geralmente a primeira escolha é o finalista de uma ou outra das competições continentais).

Em 1997, o Brasil carimbou com autoridade a sua conquista, que veio de forma impressionante. Um dos principais objetivos para a realização do torneio ficou evidente com a chegada da Austrália à final, diante dos então tetracampeões do mundo.[3]

Em 1999, o México mereceu o título após ser um dos dois selecionados que terminaram a fase de grupos invictos. O fator local, é claro, pesou: em casa, o México não era vencido há 18 anos. O Brasil correspondeu às expectativas, levando ao torneio uma série de jovens jogadores fora de série. A competição também testemunhou um padrão de grandes goleiros raramente visto em um único torneio, com arqueiros do nível de Kasey Keller (Estados Unidos), Jorge Campos (México), Dida (Brasil) e Michael Utting (Nova Zelândia). Houve também algumas surpresas, como a Arábia Saudita, que se recuperou após sofrer 5 a 1 do México na estreia e chegou às semifinais depois de golear o Egito pelo mesmo placar, em um clássico do futebol árabe. Os Estados Unidos bateram a poderosa Alemanha e por pouco não chegaram à final, após perderem do México na prorrogação, com "gol de ouro" do artilheiro Cuauhtémoc Blanco. A Nova Zelândia foi para casa feliz por encarar Alemanha e Estados Unidos de igual para igual.[4]

Na Coreia do Sul e Japão, em 2001, uma multidão de 65 mil pessoas viu a campeã do mundo França vencer os anfitriões japoneses na final por 1 a 0, ganhar o torneio e chegar à impressionante marca de três grandes títulos em um intervalo de apenas quatro anos. Mas os franceses tiveram de se segurar na defesa no segundo tempo, quando o Japão veio para cima em busca do empate.[5]

Em 2003, a França, campeã europeia, sediou a Copa das Confederações FIFA. Três estádios que receberam jogos da Copa do Mundo de 1998 foram as sedes: Stade de France, Stade de Gerland e Stade Geoffroy-Guichard. O Brasil voltou para casa mais cedo, ao cair ainda na fase de grupos em uma chave difícil, contra Camarões, Turquia e Estados Unidos. Os anfitriões, recuperados do mau desempenho na Copa do Mundo FIFA de 2002, foram campeões na sua chave. A Turquia consolidou o crescimento como uma potência do futebol mundial e por pouco não chegou à final da competição. O torneio foi ofuscado pela trágica morte do camaronês Marc-Vivien Foé.[6] Os companheiros dele acabariam perdendo por um triz a emocionante final diante da também abalada França.

Apesar da ausência do super craque e artilheiro Ronaldo em 2005, o Brasil brilhou em uma grande final contra a rival Argentina, ganhando o título pela segunda vez na história. Adriano recebeu o merecido reconhecimento como um grande jogador, ganhando tanto a Bola de Ouro como a Chuteira de Ouro. Embora a derrota na decisão tenha sido dura para a Argentina, o desempenho e as qualidades demonstradas pelo craque Riquelme lhe renderam a Bola de Prata. A competição também demonstrou que a Alemanha estava bem preparada para sediar a Copa do Mundo da FIFA de 2006 e apresentou ao mundo um novo plantel — especialmente os promissores Podolski e Schweinsteiger — que, comandado pelo técnico e ídolo Jürgen Klinsmann, conquistou o terceiro lugar em uma emocionante prorrogação contra o México.

Em 2009, pela primeira vez na história, a Copa das Confederações da FIFA ocorreu em solo africano. A África do Sul provou ser capaz de sediar a Copa do Mundo FIFA de 2010 e, de forma impressionante, apresentou algumas das cidades-sede para o Mundial: Joanesburgo, Rustemburgo, Mangaung/Bloemfontein e Tshwane/Pretória. O emocionante torneio na África do Sul terminou com uma ótima final reunindo Brasil e Estados Unidos em Joanesburgo. Com uma vitória por 3 a 2, os brasileiros conquistaram a taça pela terceira vez.

OrganizaçãoEditar

Equipes participantesEditar

Oito seleções são elegíveis para participar da Copa das Confederações. Em primeiro lugar a seleção do país anfitrião que organiza a competição e a equipe campeã mundial. Os outros seis países convidados são os seis campeões continentais, respectivamente os vencedores dos torneios continentais organizados pelas seis confederações internacionais de futebol. O vencedor da Copa Ouro representante da CONCACAF, que é a confederação da América do Norte, Central e do Caribe. A Copa América designa a representante da Confederação da América do Sul, a CONMEBOL. Os vencedores do Campeonato Europeu, Campeonato Africano das Nações, a Copa da Ásia e a Copa das Nações representam, como tal, confederações de UEFA, AFC e OFC.

Entidade Continente Classificação
FIFA
País anfitrião
Seleção do país sede
Mundo
Campeão da Copa do Mundo
CAF
África
Campeão da Copa das Nações Africanas
CONCACAF
América do Norte, Central e Caribe
Campeão da Copa Ouro
CONMEBOL
América do Sul
Campeão da Copa América
AFC
Ásia
Campeão da Copa da Ásia
UEFA
Europa
Campeão da Eurocopa
OFC
Oceania
Campeão da Copa das Nações da Oceania

País anfitriãoEditar

 
Comitê organizador para a edição de 2009, na África do Sul.

As duas primeiras edições do torneio foram na Arábia Saudita e são nomeados Copa Rei Fahd em honra ao Rei Fahd da Arábia Saudita, rei da Arábia Saudita de 1982 a 2005. Em 1997, o torneio é renomeada para Copa das Confederações FIFA e é realizado pela terceira vez na Arábia Saudita, no Estádio Internacional Rei Fahd. O torneio então muda regularmente: em 1999, o México, em 2001, a Coreia do Sul e o Japão, que organizam a Copa do Mundo de 2002 no ano seguinte, e em 2003, a França. A organização é confiada pela FIFA a um comitê organizador da nação anfitriã.

Desde a edição de 2005, a Copa das Confederações acontece a cada quatro anos, um ano antes da Copa do Mundo, no país que organiza no ano seguinte. Por exemplo, a Alemanha recebe a competição em 2005, a África do Sul em 2009, o Brasil em 2013 e a Rússia em 2017. No entanto, este não é o caso do Catar em 2021, já que a FIFA decidiu retirar a organização devido às altas temperaturas no verão. Este lugar especial no calendário internacional torna possível "testar infra-estruturas" da próxima Copa do Mundo em uma competição internacional e, em particular, para verificar o funcionamento dos estádios selecionados para o mundial. A Copa das Confederações é considerado um "aperitivo", a um ano da Copa do Mundo.

TítulosEditar

Por ediçãoEditar

# Ano Sede Final Semifinalistas
Campeão Placar Vice-campeão Terceiro lugar Placar Quarto lugar
1 1992
Detalhes
 
Arábia Saudita
 
Argentina
3 – 1  
Arábia Saudita
 
Estados Unidos
5 – 2  
Costa do Marfim
2 1995
Detalhes
 
Arábia Saudita
 
Dinamarca
2 – 0  
Argentina
 
México
1 – 1
5 – 4
(pen)
 
Nigéria
3 1997
Detalhes
 
Arábia Saudita
 
Brasil
6 – 0  
Austrália
 
República Tcheca
1 – 0  
Uruguai
4 1999
Detalhes
 
México
 
México
4 – 3  
Brasil
 
Estados Unidos
2 – 0  
Arábia Saudita
5 2001
Detalhes
  Coreia do Sul
  Japão
 
França
1 – 0  
Japão
 
Austrália
1 – 0  
Brasil
6 2003
Detalhes
 
França
 
França
1 – 0
(m.s.)
 
Camarões
 
Turquia
2 – 1  
Colômbia
7 2005
Detalhes
 
Alemanha
 
Brasil
4 – 1  
Argentina
 
Alemanha
4 – 3
(pro)
 
México
8 2009
Detalhes
 
África do Sul
 
Brasil
3 – 2  
Estados Unidos
 
Espanha
3 – 2
(pro)
 
África do Sul
9 2013
Detalhes
 
Brasil
 
Brasil
3 – 0  
Espanha
 
Itália
2 – 2
3 – 2
(pen)
 
Uruguai
10 2017
Detalhes
 
Rússia
 
Alemanha
1 – 0  
Chile
 
Portugal
2 – 1
(pro)
 
México

Por seleçõesEditar

Seleção Títulos Vice Terceiro Quarto
  Brasil 4 (1997, 2005, 2009 e 2013) 1 (1999) 0 1 (2001)
  França 2 (2001 e 2003) 0 0 0
  Argentina 1 (1992) 2 (1995 e 2005) 0 0
  México 1 (1999) 0 1 (1995) 2 (2005 e 2017)
  Alemanha 1 (2017) 0 1 (2005) 0
  Dinamarca 1 (1995) 0 0 0
  Estados Unidos 0 1 (2009) 2 (1992 e 1999) 0
  Austrália 0 1 (1997) 1 (2001) 0
  Espanha 0 1 (2013) 1 (2009) 0
  Arábia Saudita 0 1 (1992) 0 1 (1999)
  Japão 0 1 (2001) 0 0
  Camarões 0 1 (2003) 0 0
  Chile 0 1 (2017) 0 0
  República Checa 0 0 1 (1997) 0
  Turquia 0 0 1 (2003) 0
  Itália 0 0 1 (2013) 0
  Portugal 0 0 1 (2017) 0
  Uruguai 0 0 0 2 (1997 e 2013)
  Costa do Marfim 0 0 0 1 (1992)
  Nigéria 0 0 0 1 (1995)
  Colômbia 0 0 0 1 (2003)
  África do Sul 0 0 0 1 (2009)

Por confederaçãoEditar

Confederação Títulos Vices 3º lugar 4º lugar
CONMEBOL 5 (1992, 1997, 2005, 2009 e 2013) 4 (1995, 1999, 2005 e 2017) 0 4 (1997, 2001, 2003 e 2013)
UEFA 4 (1995, 2001, 2003 e 2017) 1 (2013) 6 (1997, 2003, 2005, 2009, 2013 e 2017) 0
CONCACAF 1 (1999) 1 (2009) 3 (1992, 1995 e 1999) 2 (2005 e 2017)
AFC 0 2 (1992 e 2001) 0 1 (1999)
OFC 0 1 (1997) 1 (2001) 0
CAF 0 1 (2003) 0 3 (1992, 1995 e 2009)

Estatísticas e recordesEditar

Maiores goleadasEditar

Estas são as maiores goleadas da Copa das Confederação FIFA.

Data Cidade Mandante Placar Visitante
20/06/2013 Rio de Janeiro   Espanha 10 – 0   Taiti
23/06/2013 Recife   Uruguai 8 – 0   Taiti
01/08/1999 Guadalajara   Brasil 8 – 2   Arábia Saudita
21/12/1997 Riad   Brasil 6 – 0   Austrália
17/12/1997 Riad   Emirados Árabes Unidos 1 – 6   República Checa
17/06/2013 Belo Horizonte   Taiti 1 – 6   Nigéria
14/12/1997 Riad   Arábia Saudita 0 – 5   México
30/05/2001 Daegu   França 5 – 0   Coreia do Sul
22/06/2003 Saint-Denis   França 5 – 0   Nova Zelândia
14/06/2009 Rustenburg   Nova Zelândia 0 – 5   Espanha

Classificação históricaEditar

Abaixo, a pontuação histórica de todas as seleções que participaram da Copa das Confederações FIFA.

Pos. Seleção Pts J V E D GP GC SG Part.
1   Brasil 74 33 23 5 5 76 28 +48 7
2   México 39 27 11 6 10 44 43 +1 7
3   França 27 10 9 0 1 24 5 +19 2
4   Alemanha 26 13 8 2 3 29 22 +7 3
5   Espanha 22 10 7 1 2 26 8 +18 2
6   Argentina 18 10 5 3 2 22 14 +8 3
7   Austrália 18 16 5 3 8 17 25 –8 4
8   Japão 17 16 5 2 9 19 25 –6 5
9   Uruguai 16 10 5 1 4 22 13 +9 2
10   Camarões 14 11 4 2 5 7 11 –4 3
11   Portugal 11 5 3 2 0 9 3 +6 1
12   Itália 11 8 3 2 3 13 15 –2 2
13   Arábia Saudita 10 12 3 1 8 13 31 –18 4
14   Bolívia 9 3 0 2 1 2 3 –1 1
15   Nigéria 8 6 2 2 2 11 7 +4 2
16   Dinamarca 7 3 2 1 0 5 1 +4 1
17   República Checa 7 5 2 1 2 10 7 +3 1
18   Turquia 7 5 2 1 2 8 8 0 1
19   Chile 6 5 1 3 1 4 3 +1 1
20   Colômbia 6 5 2 0 3 5 5 0 1
21   Coreia do Sul 6 3 2 0 1 3 6 –3 1
22   África do Sul 5 7 1 2 4 9 12 –3 2
23   Egito 5 6 1 2 3 8 17 –9 2
24   Rússia 3 3 1 0 2 3 3 0 1
25   Tunísia 3 3 1 0 2 3 5 –2 1
26   Emirados Árabes Unidos 3 3 1 0 2 2 8 –6 1
27   Iraque 2 3 0 2 1 0 1 –1 1
28   Estados Unidos 2 12 4 1 7 15 17 –2 4
29   Grécia 1 3 0 1 2 0 4 –4 1
30   Canadá 1 3 0 1 2 0 5 –5 1
31   Nova Zelândia 1 12 0 1 11 3 32 –29 4
32   Costa do Marfim 0 2 0 0 2 2 9 –7 1
33   Taiti 0 3 0 0 3 1 24 –23 1

Treinadores campeõesEditar

Ano Treinador Campeão
1992   Alfio Basile   Argentina
1995   Richard Møller Nielsen   Dinamarca
1997   Zagallo   Brasil
1999   Manuel Lapuente   México
2001   Roger Lemerre   França
2003   Jacques Santini   França
2005   Carlos Alberto Parreira   Brasil
2009   Dunga   Brasil
2013   Luiz Felipe Scolari   Brasil
2017   Joachim Löw   Alemanha

ArtilheirosEditar

Premiações individuaisEditar

Bola de OuroEditar

A bola de ouro é um prêmio concedido, em cada edição, ao melhor jogador do campeonato.

Edição Bola de Ouro Bola de Prata Bola de Bronze
Arábia Saudita 1997   Denílson   Romário   Vladimír Šmicer
México 1999   Ronaldinho   Cuauhtémoc Blanco   Marzouk Al-Otaibi
Coreia do Sul/Japão 2001   Robert Pirès   Patrick Vieira   Hidetoshi Nakata
França 2003   Thierry Henry   Tuncay Şanlı   Shunsuke Nakamura
Alemanha 2005   Adriano   Riquelme   Ronaldinho
África do Sul 2009   Kaká   Luís Fabiano   Clint Dempsey
Brasil 2013   Neymar   Andrés Iniesta   Paulinho
Rússia 2017   Julian Draxler   Alexis Sánchez   Leon Goretzka

Chuteira de ouroEditar

A Chuteira de Ouro é um prêmio concedido ao artilheiro da competição. Caso haja mais de um artilheiro, o primeiro critério de desempate são as assistências. Caso persista o empate, o prêmio é dado para o atleta que jogou menos tempo durante toda a competição.

Edição Chuteira de Ouro Gols
Arábia Saudita 1992   Gabriel Batistuta 2
Arábia Saudita 1995   Luis Garcia 3
Arábia Saudita 1997   Romário 7
México 1999   Ronaldinho 6
Coreia do Sul/Japão 2001   Robert Pires 2
França 2003   Thierry Henry 4
Alemanha 2005   Adriano 5
África do Sul 2009   Luís Fabiano 5
Brasil 2013   Fernando Torres 5
Rússia 2017   Timo Werner 3

Luva de ouroEditar

A luva de ouro é um prêmio concedido, em cada edição desde 2005, ao melhor goleiro do campeonato.

Edição Luva de Ouro
Alemanha 2005   Oswaldo Sánchez
África do Sul 2009   Tim Howard
Brasil 2013   Júlio César
Rússia 2017   Claudio Bravo

Fair PlayEditar

O Prêmio FIFA Fair Play é concedido para a equipe que pratica o melhor fair play durante o torneio, seguindo os critérios estabelecidos pelo Comitê FIFA Fair Play.

Edição Prêmio FIFA Fair Play
Arábia Saudita 1997   África do Sul
México 1999   Nova Zelândia e   Brasil
Coreia do Sul/Japão 2001   Japão
França 2003   Japão
Alemanha 2005   Grécia
África do Sul 2009   Brasil
Brasil 2013   Espanha
Rússia 2017   Alemanha

Público nos estádiosEditar

 
Vista das arquibancadas durante a competição de 2005.

A média de público está em 35.879 desde a primeira competição em 1992 até 2009.

Os quatro jogos da edição de 1992 foram assistidos por uma média de 42.375 espectadores. Os melhores públicos são nas partidas da seleção local, a Arábia Saudita. As semifinais do país anfitrião contra o Estados Unidos e na final contra a Argentina tiveram um público de, respectivamente, 70.000 e 75.000 pessoas no Estádio Internacional Rei Fahd.

A média cai para pouco mais de 20.000 espectadores nas duas edições seguintes de 1995 e 1997, também jogadas na Arábia Saudita. Isso ocorre porque o número de jogos disputados aumentou de quatro jogos em 1992 para oito em 1995 e dois anos mais tarde dezesseis jogos. Além das grandes multidões durante os jogos sauditas e durante a final, há cada vez mais multidões.

A organização da Copa das Confederações de 1999 no México foi um grande sucesso popular: quase um milhão de pessoas assistem os dezesseis jogos do torneio, uma média de 60.625 por partida. A melhor torcida do torneio e o melhor público absoluto da competição foram durante o final entre México e Brasil que foi o vice-campeão mundial de 1998: 110.000 espectadores estavam presentes no Estádio Azteca, no México. A média de público está a estabilizar em edições subsequentes entre 30.000 e 40.000 espectadores.

Edição Público total Jogos Média de público
  1992 169.500 4 42.375
  1995 165.000 8 20.625
  1997 333.500 16 20.844
  1999 970.000 16 60.625
    2001 557.191 16 34.824
  2003 491.700 16 30.731
  2005 603.106 16 37.694
  2009 584.894 16 36.556
  2013 804.659 16 50.291
  2017 628.304 16 39.269

TroféuEditar

O troféu da Copa das Confederações foi criado em 1995 por Fritz Jucker e Walter Schumacher. O tamanho do troféu é de 44,5 centímetros, para uma envergadura máxima de 17 centímetros e um peso de 7,5 kg. O diâmetro da base é de 17 centímetros.

A taça é obtida através do bronze derretido coberto com ouro. Em cima do troféu a um globo simbolizando o mundo e seus seis continentes. O nome da competição está gravado em duas faixas em espiral ao redor da coluna que leva o globo. O conjunto é montado em uma base de madeira hexagonal, com placas de ouro com o nome dos vencedores. Dois anéis de Lápis-lazúli são afixados na base e fazem a ligação entre ele e a coluna do troféu. Os logotipos das seis confederações internacionais de futebol estão afixados nos anéis.

Oposição a competiçãoEditar

Desde o início da competição pela FIFA em 1997, os méritos da competição e a realização do torneio são questionados pelas ligas organizadoras dos maiores campeonatos europeus. Essas ligas, que representam os interesses dos clubes de futebol, organizam suas competições principalmente de agosto a maio e os clubes não estão dispostos a disponibilizar seus jogadores internacionais para as seleções nacionais. Após a impossibilidade das federações francesa, alemã e brasileira de enviarem seus melhores jogadores para a Copa das Confederações de 1999, a data do torneio é modificada. A partir de 2001, a competição acontece em 4 de junho, logo após o final dos grandes campeonatos europeus, para que os jogadores destes campeonatos possam participar da Copa das Confederações. No entanto, esta mudança na data do torneio também é criticado por ameaçar a recuperação dos jogadores sobre o período de descanso que é a paragem de Verão na Europa.

Outra queixa sobre a competição é a falta de interesse da competição devido ao nível das equipes. Diante desta crítica, a FIFA vê a Copa das Confederações como uma "pequena Copa do Mundo baseada na solidariedade", que deve permitir que os melhores times de cada continente disputem um torneio em nível mundial, mesmo que não pertençam a a elite do futebol mundial. Isso significa dar oportunidade às equipes de "pequenas federações não-sul-americanas ou não-europeias que não têm a oportunidade de se classificar para a Copa do Mundo para competir em um nível muito alto".

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Argentina, a 1ª campeã dos campeões». FIFA. 20 de outubro de 2012. Consultado em 3 de julho de 2013 [ligação inativa]
  2. «Intercontinental Championship Saudi Arabia 1995» (em inglês). FIFA. Consultado em 3 de julho de 2013 
  3. «Copa das Confederações de 1997». Placar. 9 de abril de 2013. Consultado em 3 de julho de 2013. Arquivado do original em 7 de julho de 2013 
  4. «Copa das Confederações de 1999». FIFA. Consultado em 3 de julho de 2013. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2013 
  5. «Coreia/Japão 2001: França passeia no Extremo Oriente». FIFA. Consultado em 3 de julho de 2013. Arquivado do original em 10 de abril de 2014 
  6. «Um leão nunca morre, apenas dorme». FIFA. 26 de junho de 2013. Consultado em 3 de julho de 2013. Arquivado do original em 23 de julho de 2013 

Ligações externasEditar