Da Cor do Pecado

telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo

Da Cor do Pecado é uma telenovela brasileira produzida pela TV Globo e exibida originalmente de 26 de janeiro a 27 de agosto de 2004 em 185 capítulos,[4] com o último capítulo reexibido no dia subsequente, 28 de agosto.[5] Substituiu Kubanacan e foi substituída por Começar de Novo, sendo a 66ª "novela das sete" exibida pela emissora.

Da Cor do Pecado
Shades of Sin (EN)[1]
El Color del Pecado (ES)[2]
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero romance
Duração 50 minutos
Criador(es) João Emanuel Carneiro
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Denise Saraceni
Câmera multicâmera
Roteirista(s) Ângela Carneiro
Vincent Villari
Vinícius Vianna
Elenco
Tema de abertura "Da Cor do Pecado", Luciana Mello
Tema de encerramento "Da Cor do Pecado", Luciana Mello
Composto por Alberto de Castro Simões da Silva
Exibição
Emissora original TV Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 26 de janeiro – 27 de agosto de 2004
Episódios 185
Cronologia
Kubanacan
Começar de Novo

Escrita por João Emanuel Carneiro, com a colaboração de Ângela Carneiro, Vincent Villari e Vinícius Vianna, contou com a supervisão de texto de Sílvio de Abreu. A direção foi de Paulo Silvestrini e Maria de Médicis, com direção geral de Luiz Henrique Rios e Denise Saraceni, também diretora de núcleo.

Contou com as participações de Taís Araújo, Reynaldo Gianecchini, Giovanna Antonelli, Lima Duarte, Rosi Campos, Aracy Balabanian, Guilherme Weber, e Tuca Andrada.[3]

EnredoEditar

No final da década de 1960, o empresário Afonso Lambertini tem um romance com uma copeira da sua mansão, Edilásia Sardinha, que engravida. Afonso é marido de Sílvia, mulher de saúde frágil a quem ama, e abre o jogo para a esposa. Esta aceita criar o filho do marido. Porém Edilásia esconde de Afonso que está grávida de gêmeos, dois meninos. Germana, a governanta da casa e grande amiga de Afonso e Sílvia, ajuda Edilásia a fugir, deixando um menino com Afonso e levando o outro. Pouco tempo depois, Sílvia morre, mergulhando Afonso em depressão e o destinando a viver sua vida dentro de sua enorme mansão, saindo apenas para administrar suas empresas do Grupo Lambertini, tornando-se um dos homens mais ricos do mundo. Afonso, no entanto, vai se tornando, igual à evolução de sua fortuna, cada vez mais amargurado e solitário.

27 anos se passam, e Paco, filho de Afonso, é um botânico bastante dedicado à sua profissão e que não concorda nem um pouco com os atos do pai, que desmata e queima para realizar seus multimilionários empreendimentos. Paco nem suspeita que possui um irmão gêmeo e não conhece sua mãe biológica, Edilásia, achando que é filho único de Sílvia. Numa viagem para o Maranhão, Paco conhece Preta, linda moça negra de São Luís do Maranhão que vende ervas na barraca junto com sua mãe, Lita. Paco a conhece numa roda de dança de tambor de crioula, em que Preta dança provocante e sensual, olhando para ele. É amor à primeira vista e eles trocam juras de paixão eterna, porém Preta está desconfiada de que um homem branco e rico a ame de verdade, por ser negra e pobre. Paco é noivo de Bárbara, mulher ardilosa e manipuladora, que fará de tudo para que o romance dos dois acabe e ela fique com a herança de Afonso, saindo assim da decadência financeira em que vive. Costuma referir-se a Preta de modo pejorativo, tratando-a por "neguinha" e a acusando de ser interesseira.

Enquanto isso, Apolo vive com sua mãe Edilásia e seus quatro meio-irmãos: os lutadores Ulisses, Thor, Abelardo e Dionísio na beira da praia, com uma vida simples, porém bastante afetuosa. Edilásia, chamada pelos filhos de Mamushka, é uma mulher divertida, porém rígida e triste por ter deixado o outro filho, Paco, nas mãos de um homem poderoso como Afonso. Seu falecido marido, Napoleão Sardinha, fora um grande lutador de luta livre e é venerado por toda a família, que também pratica o esporte (com exceção do pacifista Abelardo, que deseja ser maquiador). Apolo não sabe a verdade e pensa ser filho de Napoleão, segundo marido de Edilásia que aceitou criar e registrar Apolo ainda recém-nascido. Os três filhos mais novos se envolvem com Tina, uma cômica e ousada moça que acaba entrando para a família, apesar das constantes brigas com Edilásia. O pesadelo da família é exatamente as irmãs lutadoras de uma família rival – Greta, Nieta e Natasha – que ameaçam o reinado de Tina no coração dos homens da praia e dos irmãos Sardinha no tatame.

A história também tem outros núcleos, como o de Pai Helinho, um falso pai-de-santo maranhense, amigo de Preta, que enrola as pessoas fingindo ter visões e incorporações, sempre com a ajuda de seu fiel parceiro, Cezinha. Tem as divertidas confusões de Edu e Verinha, os pais trambiqueiros de Bárbara, que são divorciados e que adoram fazer pose de bacana, mas que vivem na maior dureza, sendo sustentados por Bárbara. Os dois apoiam completamente o golpe da filha sobre Paco, só para poderem sair da decadência em que vivem. Na trama ainda tem Moa, uma surfista apaixonada pelo esporte e que acaba se envolvendo com Apolo, Ulisses, Thor, Abelardo e Dionísio, confundindo a vida dos cinco. E ainda há a história de Kaíke, o amante de Bárbara cego de amor por ela e que fará tudo o que a moça pedir, incluindo armadilhas para separar Paco e Preta.

É em uma dessas armadilhas em que Paco se desilude com Preta: Kaíke e Bárbara fazem parecer que Preta comprou quase cinquenta mil reais em eletrodomésticos e móveis para a sua casa, usando os cartões de crédito do namorado, e ainda o traiu com seu ex-namorado, o marginal Dodô, que foi comparsa de Bárbara em algumas de suas armações. Ao mesmo tempo, Paco descobre que Bárbara está grávida dele - quando na verdade o filho é de Kaíke - e tem uma briga feia com seu pai. Logo, Paco descobre que Bárbara é amante de Kaíke, e fica uma fera com ela. A víbora convence Afonso a internar Paco numa clínica para loucos. Tudo isso culmina numa viagem de helicóptero de Paco com Bárbara. Ao mesmo tempo, Apolo e Ulisses estão viajando pelo Brasil com um veleiro. Numa noite, os irmãos hospedam alguns homens com aparência estranha. Ulisses descobre que eles estão transportando quase cem milhões de dólares em ouro, roubados do Grupo Lambertini. Ao saberem que Ulisses descobriu a mentira, os homens tentam matá-lo, porém Apolo impede e é "morto", caindo no mar juntamente com todo o ouro. Os homens então, fogem. Na manhã seguinte, Paco, cheio de rancor da vida, joga o helicóptero onde estava com Bárbara ao mar. Esta escapa, mas ele fica preso após ela bater com um ferro na sua cabeça. Quem o salva da morte é Ulisses, que coincidentemente estava no mesmo lugar. Ulisses, ainda sentindo-se culpado pela morte do irmão, julga que Paco é Apolo, pois os dois são perfeitamente idênticos. Paco então prova a Ulisses que não é Apolo, e os dois ficam intrigados. Ulisses, porém, não tem coragem de contar à mãe que seu filho "favorito" morreu e sugere a Paco que fique no seu lugar. Vendo uma chance única de abandonar a vida cercada de falsidades e brutalidades de todos os que convivem à sua volta, podendo começar uma nova vida do zero, Paco aceita. Ao mesmo tempo, no Maranhão, Preta tem duas notícias: a primeira é que Paco, o amor da sua vida, morreu. A segunda é que ela está grávida de Paco.

Oito anos se passam. Paco ainda está no Maranhão com Ulisses, se preparando para a volta para casa. Preta é mãe de Raí, menino peralta porém de bom coração, e quer provar que o menino é filho de Paco. Para isso, vai a cidade do Rio de Janeiro, após a morte de Lita, sua mãe. Lá está Bárbara e seu filho problemático Otávio, maltratado pela mãe. Bárbara se casa com Tony, um empregado de Afonso inescrupuloso e calculista que quer se vingar do empresário, já que ele culpa a falência de seu pai em Afonso. Os dois armarão de tudo para que Preta não prove que Raí é filho de Paco. Agora, Paco - fingindo ser Apolo - e Ulisses estão de volta, e as vidas de todos - Paco, Preta, Bárbara, Tony, Raí, Otávio, Afonso, Germana, Edilásia e Kaíke - irão mudar com a volta e a descoberta para alguns deste irmão gêmeo: Apolo, que não estava morto, apenas desmemoriado.[5]

ProduçãoEditar

 
As primeiras gravações ocorreram nos Lençóis Maranhenses.

A trama marcou a estreia de João Emanuel Carneiro como autor, e foi a maior audiência do horário dos anos 2000. Em maio de 2003, o autor recebeu carta branca da Globo e entrou na fila do horário das 19h.[6] A primeira fase da trama teve vinte capítulos e foi exibida até 17 de fevereiro de 2004. A segunda fase iniciou no capítulo 21, exibido em 18 de fevereiro de 2004. A telenovela seria ambientada na Bahia, mas devido a dificuldades nas negociações, a equipe escolheu o Maranhão como locação dos capítulos iniciais.[7] As gravações da novela começaram em 20 de outubro de 2003 nas cidades de São Luís, Alcântara, Barreirinhas, além do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

A primeira parte das gravações no estado duraram pouco mais de um mês.[8] Uma das cenas mais emblemáticas da trama é quando o vilão Tony (Guilherme Weber) obriga Bárbara (Giovanna Antonelli) a se vestir de noiva e depois a abandona num lixão. As cenas foram exibidas no capítulo 73, em 19 de abril de 2004 e foram gravadas num lixão público real.[9]

Escolha do elencoEditar

A cantora Kelly Key foi convidada para interpretar a fogosa Tina, porém recusou para focar em sua carreira musical.[10][11] Karina Bacchi foi originalmente escolhida para interpretar Moa e chegou a realizar aulas de surf para compor a personagem, porém, com a desistência de Kelly, a direção decidiu remaneja-la para o papel de Tina e escalar Alinne Moraes para interpretar a surfista Moa.[12]

Para dar vida aos seus personagens, os atores Reynaldo Gianecchini, Leonardo Brício, Caio Blat, Cauã Reymond, Pedro Neschling, Rosi Campos e Karina Bacchi tiveram aulas de artes marciais, em diversas modalidades.[13] A telenovela marcou a estreia de Guilherme Weber na TV, ator vindo do cinema e do teatro. Ele interpretou Tony, o grande vilão da trama. As primeiras cenas do personagem foram ao ar no capítulo 23, exibido em 20 de fevereiro de 2004.[14] Também foi a estreia do ator Matheus Nachtergaele em novelas. O ator aceitou fazer a novela, porque o convite partiu do próprio autor João Emanuel Carneiro.[15] Leonardo Brício passou vários dias afastado da trama. A justificativa encontrada para a ausência do ator foi de que seu personagem Ulisses estava viajando, em busca do seu irmão Apolo. O ator voltou à trama no último capítulo, junto com Apolo.[16]

Taís Araújo se tornou a segunda atriz negra a protagonizar uma telenovela na Globo — após Ruth de Souza em A Cabana do Pai Tomás (1969).[17][18] Oito anos antes Taís já havia se tornado a terceira atriz na história da televisão a protagonizar uma telenovela em Xica da Silva (1996), na Rede Manchete, logo após a própria Ruth e Yolanda Braga, em A Cor da Sua Pele (1965) na TV Tupi.[19][20]

Participações especiaisEditar

Solange Couto fez uma participação nos primeiros capítulos da novela. Interpretou Lita, mãe da protagonista Preta.

O cantor Sidney Magal interpretou Frazão, um surfista veterano que dominava as artes marciais, e que se envolve com Edilásia (Rosi Campos).[21]

A morte do personagem Afonso (Lima Duarte) estava prevista para ocorrer no início da novela, mas o entrosamento que ele tinha com Raí (Sérgio Malheiros) era tão grande que o autor decidiu adiar a morte do personagem.[22] Mesmo tendo sua participação prolongada, o ator saiu da trama antes do término. Afonso morreu baleado por Tony (Guilherme Weber).[23]

ElencoEditar

Intérprete Personagem[3][24]
Taís Araújo Preta de Souza
Reynaldo Gianecchini Paco Lambertini
Apolo Sardinha
Giovanna Antonelli Bárbara Campos Sodré
Lima Duarte Afonso Lambertini
Rosi Campos Edilásia Sardinha (Mamuska)
Guilherme Weber Tony Peixoto de Almeida[25]
Aracy Balabanian Germana
Caio Blat Abelardo Sardinha (Bel)
Cauã Reymond Thor Sardinha
Pedro Neschling Dionísio Sardinha (Dio)
Karina Bacchi Tina Fuchs
Matheus Nachtergaele Pai Helinho
Maitê Proença Vera Campos Sodré (Verinha)
Ney Latorraca Eduardo Campos Sodré
Leonardo Brício Ulisses Sardinha
Alinne Moraes Moa Nascimento
Rocco Pitanga Felipe Garcia
Sérgio Malheiros Raí de Souza
Felipe Latgé Otávio Lambertini
Vanessa Gerbelli Tancinha
Graziela Moretto Valfrida (Beki)
Tuca Andrada Kaíke Oliveira
Liliana Castro Olívia[3]
Sidney Magal Frazão
Thiago Martins Sal
Giordanna Forte Walkíria (Kika)
Mônica Torres Nívea
Victor Perales Brasilino (Brad)
Arlindo Lopes Cezinha
Jorge Coutinho Ítalo Garcia
Maria Rosa Laura Garcia
Marilu Bueno Stela
Carmen Frenzel Empregada de Verinha

Participações especiaisEditar

Intérprete Personagem
Jonathan Haagensen Dodô
Samara Felippo Greta Bazarov
Fernanda Paes Leme Nieta Bazarov
Tarciana Saad Natasha Bazaróv
Francisco Cuoco Pai Gaudêncio
Solange Couto Dona Lita
Carolina Dieckmann Júlia
Glória Menezes Kiki
Sérgio Guizé Guilherme
Flávia Alessandra Lena
Kadu Moliterno Locutor do campeonato de surf
Natália Lage Roxane
Rômulo Estrela Minotauro
Rodrigo Hilbert Roberval
Ivone Hoffmann Marina
Sérgio Mamberti Desembargador
Giuseppe Oristânio Sérgio
Roger Gobeth Beto
Milena Toscano Tiete de Thor e Dionísio[carece de fontes?]
Daniel Erthal Pedra
Neco Vila Lobos Afonso (jovem)
Leona Cavalli Edilásia (jovem)
Micaela Góes Germana (jovem)
Jamil Hamdan Napoleão Sardinha
Gabriela de Cicco Eva
Maria Pompeu Dona Dinah
Luciana Vendramini Gracielle
Maurício Ludewig Silva
Flávia Bonato Dalva
Alexandre Zacchia Turcão[carece de fontes?]
Ivy Goulart Maquiador do ano[carece de fontes?]
Fernanda Pontes Pit Cachorra
Paulo Figueiredo Dr. Eriberto
Paulo Ascenção Motorista[carece de fontes?]
Caco Baresi Policial rodoviário
David Cardoso Pimenta
Jacqueline Laurence Víúva de Almeidinha
Tuna Dwek Bancária suíça
Mário Schoemberger Borja
Adriana de Broux Clarisse (mulher de Borja)
Cláudia Ohana Zuleide
Juliana Mesquita Mila[carece de fontes?]
Iara Jamra Margarida
Paula Burlamaqui Cliente de Pai Helinho
Mara Manzan Cliente de Pai Helinho
Yaçanã Martins Cliente de Pai Helinho
Jandir Ferrari Carvalho
Carvalhinho Silveirinha
Berta Loran Dinorá
José Carlos Sanches Vendedor de carros
Dirce Migliaccio Zazi
Castro Gonzaga Padre
José D'Artagnan Júnior Luís
Eliane Costa Marizete
Paulo Giardini Vilhena
Gustavo Rodrigues Dr. Júlio Malheiros (médico de Moa)
Ricardo Martins Vinícius
Ricardo Pavão Nonato (fundidor de ouro)
Marcos Otávio Repórter[carece de fontes?]
Ricardo Rathsam Evaristo
Samuel Vieira Íris
Bernardo Castro Alves Neco
Paulo Júnior Assaltante
Diego Cristo Wolney Pavão
Tatiana Muniz Intelectual apaixonada por Thor
Leandro Oliva Wanderley
Luiz Nicolau Jibóia (presidiário amigo de Kaíke)
Edmilson Barros Joba
Emerson Montovani Policial[carece de fontes?]
José Maurício Machline Francisquinho
Vanessa Pascale Paula (namorada de Felipe)
Tamara Ribeiro Luísa (namorada de Raí)
Plínio Soares Edgar
Sérgio Loroza Tonhão
Ida Gomes Tia Heloísa
Rita Guedes Mariana
Lafayette Galvão Pai Serafim
Francisca Queiroz Carla
Amilton Monteiro Dr. Laerte (advogado de Paco)
Aramis Trindade Matuto[carece de fontes?]
Murilo Grossi Advogado de Toni
André Bicudo Grama (amigo de Paco e Felipe)
Iracema Starling Carmem
Nicolas Trevijano Solano
Paula de Paula Recepcionista da empresa Lambertini
Leandro Hassum Vendedor de avestruzes
Hugo Gross Apresentador de luta
Otto Jr. Policial[carece de fontes?]
Raymundo de Souza Delegado
Marcius Melhem Pretendente nordestino de Verinha[carece de fontes?]
Fernando Caruso Pretendente gago de Verinha[carece de fontes?]
Sandro Cristopher Strondelli / Firmino Álvares Bezerra[carece de fontes?]
Ed Oliveira Nogueira (chefe da segurança de Afonso)[carece de fontes?]
Fausto Maulle Jamil
David Herman Dr. Kruger
Giovani di Toni Odete
Marcelo Ferreira Ricardo
Octávio Mendes Conde
Márcio Vito Juiz[carece de fontes?]
Adalberto Nunes Pai-de-santo
Ada Chaseliov Solange
Jaime Leibovitch Gerente do hotel[carece de fontes?]
Thaís Garayp Parteira de Preta
Murilo Elbas Médico do sanatório
Fábio Lago Sem-teto
Milhem Cortaz Ladrão
Cássio Pandolfi Dono de um mercado
Alberto Brigadeiro Inspetor Malta
Alexandre Picarelli Vigarista da festa com Eduardo
Cláudio Caparica Vigarista da festa com Eduardo
Jean Paul Vigarista da festa com Eduardo
Felipe Nunes Naim Raí (bebê)[carece de fontes?]
Cachorro Floquinho Vitamina[carece de fontes?]
Cachorro Dachsund Chocolate[carece de fontes?]

RecepçãoEditar

AudiênciaEditar

Exibição original

O primeiro capítulo obteve 42 pontos de média e 61% de participação, sendo considerada a melhor estreia desde 1996.[26] Sua menor audiência foi de 30 pontos, alcançada em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2004. A trama bateu recorde de audiência no dia 20 de julho de 2004, segundo dados consolidados, foram alcançados 51 pontos de média. Neste dia foram ao ar as cenas que Afonso desmascara Bárbara.[27] Seu último capítulo teve média de 51 pontos e 55 de pico em São Paulo, com 69% de share.[28] Teve média geral de 43 pontos, sendo a maior audiência do horário das 19 horas nos anos 2000.[29]

Reprises

A primeira reprise, em 2007, teve média geral de 19 pontos, satisfatório para a faixa vespertina.[30]

A segunda reprise, em 2012, estreou com apenas 12 pontos, índice considerado muito baixo para a faixa.[31] Atingia índices pífios entre 9 e 12 pontos, o que ocasionou em seu antecipamento. Porém, só viu seus índices crescerem durante a reta final, atingindo índices na casa dos 17 e 20 pontos.[32][33][34] Nessa reprise teve a média geral de 13 pontos, sendo até então o pior desempenho do Vale a Pena Ver de Novo, até ser superado por O Profeta, sua sucessora.[30]

ControvérsiaEditar

A expressão "da cor do pecado" é considerada racista por ser associada a sexualização de mulheres negras, remetendo ao período de escravidão do Brasil quando a cor negra representava uma espécie de "castigo divino". Na época da exibição da novela, o uso da expressão como título da obra, além da associação da adaptação de samba homônimo composto por Bororó como tema de abertura, receberam críticas negativas. Vinicius Torres Freire, para a Folha de S.Paulo, faz questionamentos sobre os motivos que teriam levado a adotarem a expressão para a trama e associa com "a tolerância com a estupidez, a convivência naturalizada com miríades de preconceitos ou a indiferença estupidificada das pessoas que vivem diante da televisão", que naturaliza "um chavão racista suave e cordial, sem que pareça fazê-lo".[35] Outras críticas também associam o esteriótipo da expressão com a abordagem da trama principal.[36][37]

 
Nas frames dos primeiros vídeos de divulgação da exibição de Da Cor do Pecado no canal Viva (carregados em sua página no YouTube), o nome da novela é ocultado ("capítulo inédito" acima, "nova novela" abaixo). O mesmo aconteceu nas redes sociais da emissora e em chamadas exibidas na TV no dia da estreia.[38]

Com o anúncio da exibição da novela no canal Viva, em 2021, o assunto voltou à tona. Apesar da divulgação prévia mencionar Da Cor do Pecado, o canal passou a omitir o título da trama no dia de sua estreia em todas as suas plataformas (incluíndo a hastag oficial #DaCorDoPecadoNoVIVA), em 19 de abril de 2021.[38] Ao final da exibição do primeiro capítulo, a emissora inseriu uma cartela com a frase “esta obra reproduz comportamentos e costumes da época em que foi realizada”, sem uma explicação prévia quanto a este aviso.[39][40] O mesmo alerta passou a ser veiculado ao final de todas as telenovelas em exibição (em ordem de exibição posterior, A Viagem, O Salvador da Pátria e Era uma Vez...).[41] Em comunicado para a imprensa, o Viva confirmou o lançamento da iniciativa após da estreia de Da Cor do Pecado e que iria estender a toda a programação: "Como relembramos ao final da novela, nossas obras reprisadas reproduzem costumes e comportamentos da época em que foram realizadas, um retrato da sociedade que evolui – e de uma Globo que evolui."[42] A partir da reapresentação do primeiro capítulo no dia seguinte, o título da novela passou a ser mencionado em suas plataformas e na TV, em chamadas e com uso da hastag no canto superior.

Para o site Telepadi, o autor João Emanoel Carneiro associa a ideia do aviso criado pelo Viva com as falas racistas da vilã interpretada por Giovanna Antonelli, dizendo que são justificadas "porque saem da boca da vilã". Quanto ao título, o autor cita que "era uma homenagem à música [o tema de abertura], pode ser que nos dias de hoje soe um pouco anacrônico, de época mesmo."[43]

A ação do canal Viva foi criticada pelo jornalista Mauricio Stycer, em texto para a Folha de S.Paulo, onde afirma que não está claro o motivo da empresa ter tomado essa ação agora, após quase 11 anos no ar exibindo conteúdos antigos da Globo. Ele concorda com a iniciativa chamada de "cartela de contexto da época", mas ressalta que não quer que a ideia "sirva apenas para a Globo 'lavar as mãos' e dizer que 'as coisas eram assim' no passado. É importante olhar para trás com disposição de encarar os erros e falar deles no presente." e sugere que a empresa trate do assunto (que iniciou por causa de Da Cor do Pecado) abertamente com os espectadores: "Explicar por que está fazendo essa advertência, quais são os problemas de cada novela e por que não aceitamos eles hoje. Isso sim seria o retrato de uma sociedade que evolui."[44]

ExibiçãoEditar

Exibição InternacionalEditar

Da Cor do Pecado já foi vendida para mais de mais de cem países e é a segunda novela mais exportada pela Globo.[45] Avenida Brasil, também de João Emanuel Carneiro, é a mais vendida, com 130 países.[46] A Vida da Gente praticamente empata com Da Cor do Pecado, tendo sido vendida para 98 países.[47]

ReprisesEditar

Foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo de 7 de maio a 16 de novembro de 2007, substituindo Era uma vez... e sendo substituída por Coração de Estudante.[48] Durante a exibição desta reprise, o capítulo de número 78, que seria exibido em 22 de agosto de 2007, uma quarta-feira, não foi ao ar devido à transmissão do amistoso de futebol entre Brasil e Argélia. Com isso, a reprise, que teria 140 capítulos, fechou com 139.[49]

Foi reapresentada novamente no Vale a Pena Ver de Novo de 24 de setembro de 2012 a 22 de fevereiro de 2013, substituindo Chocolate com Pimenta e sendo substituída por O Profeta.[50]

Foi exibida na íntegra pelo Canal Viva de 19 de abril a 19 de novembro de 2021, substituindo Mulheres Apaixonadas e sendo substituída por Páginas da Vida no horário das 23h, com reprise às 13h30 e maratona aos domingos (das 19h às 23h45).[51]

Outras MídiasEditar

Após a sua exibição no Viva a novela foi disponibilizada na versão integral no serviço de streaming o Globoplay no dia 3 de janeiro de 2022.[52]

Trilha sonoraEditar

NacionalEditar

Da Cor do Pecado: Nacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 12 de fevereiro de 2004
Gênero(s)
Duração 56:39
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre

A primeira trilha sonora da telenovela foi lançada em 12 de fevereiro de 2004 pela Som Livre, trazendo o repertório nacional. Taís Araújo estampou a capa do álbum.[53]

Lista de faixas
N.º TítuloMúsicaPersonagem tema Duração
1. "Vou Deixar"  SkankFamília Sardinha 3:43
2. "Jura Secreta"  Zélia DuncanPreta e Paco 3:25
3. "Samba do Approach"  Zeca Baleiro e Zeca PagodinhoEduardo, Verinha e Beki 3:31
4. "É Você"  TribalistasMoa e Paco 3:16
5. "Pras Bandas de Lá"  Mystical RootsGeral 3:42
6. "Você Me Vira a Cabeça (Me Tira do Sério)"  AlcionePreta 3:20
7. "Palavras ao Vento"  Cássia EllerPreta e Paco 3:47
8. "Temporal"  PittyKika e Sal 3:45
9. "Dezembros"  FagnerPaco 3:45
10. "Márcia Rodinha"  RamatisTina 3:20
11. "Atordoado"  CPM 22Abelardo, Thor e Dionísio 3:24
12. "Maior que o Verão"  Adelmo CaséUlisses 3:15
13. "Tem quem Queira"  Antônio VieiraPai Helinho 3:31
14. "Da Cor do Pecado"  Luciana MelloAbertura 3:38
15. "Só Você"  Fábio AlmeidaGeral 3:27
16. "Da Cor do Reggae"  Alpha BethGeral 3:31

InternacionalEditar

Da Cor do Pecado: Internacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 25 de março de 2004
Gênero(s)
Duração 52:11
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre

A segunda trilha sonora da telenovela foi lançada em 25 de março de 2004 pela Som Livre, trazendo o repertório internacional. Alinne Moraes estampou a capa do álbum.[53]

Lista de faixas
N.º TítuloMúsicaPersonagem tema Duração
1. "When I See You"  Macy GrayPreta 3:43
2. "Times Like These"  Jack JohnsonPaco 3:25
3. "Don't Leave Home"  DidoKika e Sal 3:31
4. "I Believe in a Thing Called Love"  The DarknessAbelardo 3:16
5. "Epoca"  Gotan ProjectBárbara 3:42
6. "Crash Push"  Robi Draco RosaRaí 3:20
7. "What a Difference a Day Made"  Jamie CullumAfonso e Germana 3:47
8. "Super Duper Love"  Joss StoneTina e os irmãos Sardinha 3:45
9. "Françafrique"  Tiken Jah FakolyGeral 3:45
10. "Crazy Little Thing Called Love"  Michael BubléEdilásia 3:20
11. "Unbelievable"  Stereo Bros.Thor / Dinísio 3:24
12. "Désert D'amour"  Da PhazzVerinha, Eduardo e Beki 3:15
13. "Try"  Nelly FurtadoMoa e Paco 3:31
14. "The Last Goodbye"  Lara FabianKaike e Olívia 3:38
15. "Paradise Island" (Instrumental)IbizaGeral 3:27

Prêmios e IndicaçõesEditar

APCA (Ano 2004)
Troféu Raça Negra (Ano 2004)
Troféu Imprensa (Ano 2004)
Troféu Internet (Ano 2005)
  • Música "Vou Deixar" Skank
Prêmio Qualidade Brasil RJ (Ano 2004)
TV Press (Ano 2004)
Troféu Leão Lobo (Ano 2004)
Melhores do Ano Domingão do Faustão (2004)
Prêmio Contigo! (Ano 2004)

Vencido

Indicações

Referências

  1. «Shades of Sin». screening.globo.com. Consultado em 21 de maio de 2018 
  2. «El Color del Pecado». globotvinternational.com. Consultado em 22 de julho de 2019 
  3. a b c d «Da Cor do Pecado». Teledramaturgia. Consultado em 19 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 23 de abril de 2021 
  4. GShow (27 de agosto de 2019). «'Da Cor do Pecado' marcou a estreia de Romulo Estrela, Sergio Guizé e outros galãs nas novelas» 
  5. a b Memória Globo. «Da Cor do Pecado». Consultado em 28 de agosto de 2004 
  6. Daniel Castro (21 de maio de 2003). «Globo aposta em nova safra de autores». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de dezembro de 2017 
  7. Terra (12 de outubro de 2003). «Na próxima semana, começam gravações de "Da Cor do Pecado"». Consultado em 11 de agosto de 2014 
  8. Gazeta Digital (21 de outubro de 2003). «Novela é gravada no Maranhão». Consultado em 11 de agosto de 2014 
  9. Área Vip (14 de abril de 2004). «Da Cor do Pecado: Barbara é abandonada vestida de noiva no lixão». Consultado em 11 de agosto de 2014 
  10. «Kelly Key revela que recusou papeis em novela. Cauã Reymond seria seu par». Ponto Pop. Consultado em 18 de dezembro de 2010 
  11. «Kelly Key comenta sobre Latino: 'Não tenho o que falar bem'». Globo. Consultado em 18 de dezembro de 2010 
  12. «"Se precisar, aprendo a voar", diz Karina Bacchi». Terra. Consultado em 30 de abril de 2018 
  13. Babado IG (18 de dezembro de 2003). «Elenco de Da Cor do Pecado aprende artes marciais». Consultado em 12 de agosto de 2014 
  14. Terra (27 de junho de 2004). «"O público não dá folga a Tony", diz Weber». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  15. Terra (26 de abril de 2004). «"Perdi o medo de novela", diz Matheus Nachtergaele». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  16. Diário de Pernambuco (10 de agosto de 2004). «Por onde anda Ulisses de Da Cor do Pecado?». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  17. Nilson Xavier (2019). «A TV deveu grandes papeis a Ruth de Souza, sempre escalada para coadjuvantes». Teledramaturgia. Consultado em 23 de abril de 2021 
  18. Nilson Xavier (26 de janeiro de 2019). «Há 15 anos, Globo lançou 1ª protagonista negra em novela e quase nada mudou». UOL. Consultado em 23 de abril de 2021 
  19. Paraná Online (24 de janeiro de 2004). «A estoteante Taís Araújo é a primeira protagonista negra em novela contemporânea». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  20. Nilson Xavier (26 de janeiro de 2019). «Há 15 anos, Globo lançou 1ª protagonista negra em novela e quase nada mudou». UOL. Consultado em 23 de abril de 2021 
  21. Área Vip (21 de maio de 2004). «Da Cor do Pecado: Sidney Magal começa a gravar como Frazão». Consultado em 11 de agosto de 2014. Arquivado do original em 12 de agosto de 2014 
  22. Rede Globo (5 de agosto de 2009). «Morte de Afonso, de da Cor do Pecado, foi adiada pelo autor». Consultado em 2 de agosto de 2014. Arquivado do original em 11 de agosto de 2009 
  23. Diário do Grande ABC (26 de julho de 2004). «Afonso se despede de 'Da Cor do Pecado'». Consultado em 2 de agosto de 2014 
  24. «Personagens». Memória Globo. Consultado em 3 de Março de 2013 
  25. «'Curitibanos não gostam de incomodar os outros', diz ator Guilherme Weber». Folha de S.Paulo. Consultado em 30 de abril de 2020 
  26. «"Da Cor do Pecado" faz melhor estréia no horário desde 1996». Folha Ilustrada. 27 de janeiro de 2004. Consultado em 22 de dezembro de 2013 
  27. «'Da Cor do Pecado' tem recorde de audiência». 1 de agosto de 2004. Consultado em 10 de março de 2015 
  28. «"Da Cor do Pecado alavanca Ibope no último capítulo». Uol. 28 de agosto de 2004. Consultado em 3 de setembro de 2015. Arquivado do original em 21 de setembro de 2016 
  29. «Globo reprisa 'Da cor do pecado', primeira novela de João Emanuel Carneiro». Extra. 16 de agosto de 2012. Consultado em 6 de abril de 2020 
  30. a b «Além de O Clone: 5 novelas que tiveram duas reprises no Vale a Pena desde 2001». NaTelinha. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  31. Willmersdorf, Com Pedro (2 de maio de 2021). «Reprise de 'Da Cor do Pecado' estreia com péssima audiência na Globo». Acervo. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  32. «Novela "Da Cor do Pecado" perde audiência na Globo». NaTelinha. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  33. «Fracasso da reprise de 'Da Cor do Pecado' abala 'Sessão da Tarde' e 'Malhação'». Jornal do Brasil. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  34. «Episódio final de Da Cor do Pecado registra maior audiência desde 2011». redeglobo.globo.com. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  35. Vinicius Torres Freire (29 de janeiro de 2004). «A cor do pecado da cor». Folha de São Paulo. Consultado em 23 de abril de 2021 
  36. Paulo Lima (3 de fevereiro de 2004). «Da cor do preconceito». Observatório da Imprensa. Consultado em 23 de abril de 2021 
  37. Dennis de Oliveira; Maria Ângela Pavan (2004). «Identificações e estratégias nas relações étnicas na telenovela "Da Cor do Pecado"» (PDF). Intercom. Consultado em 23 de abril de 2021 
  38. a b Cristina Padiglone (20 de abril de 2021). «'Politicamente incorreta hoje? Viva faz advertência em 'Da Cor do Pecado'». Telepadi. Consultado em 23 de abril de 2021 
  39. Machado, Fernando (20 de abril de 2021). «Viva divulga mensagem em relação ao conteúdo de 'Da Cor do Pecado' ao final do capítulo». Oniverso Abominável. Consultado em 20 de abril de 2021 
  40. «'Da Cor do Pecado': Canal VIVA inclui aviso após a reprise do primeiro capítulo». O Dia. 21 de abril de 2021. Consultado em 23 de abril de 2021 
  41. NewsPrime (20 de abril de 2021). «Viva surpreende e exibe aviso após primeiro capítulo de Da Cor do Pecado». TV História. Consultado em 20 de abril de 2021 
  42. Danielle Amorim (20 de abril de 2021). «Canal Viva exibe alerta em novelas antigas que reproduzem costumes preconceituosos». Notícias da TV. Consultado em 23 de abril de 2021 
  43. Cristina Padiglone (20 de abril de 2021). «Autor de 'Da Cor do Pecado' lembra preconceito à mocinha negra em 2004». Telepadi. Consultado em 23 de abril de 2021 
  44. Mauricio Stycer (21 de abril de 2021). «Não basta fazer alerta em 'Da Cor do Pecado', é preciso explicar conteúdos inaceitáveis». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de abril de 2021 
  45. Redação (2 de dezembro de 2013). «Após perder Emmy, novela Avenida Brasil é vendida à Mongólia». UOL. Notícias da TV. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  46. Redação (8 de julho de 2014). «"Avenida Brasil", licenciada para 130 países, é a mais exportada da Globo». UOL. Notícias da TV. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  47. Redação (24 de setembro de 2014). «"A Vida da Gente" entra para o ranking das novelas mais exportadas pela Globo». RD1]. Notícias da TV. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  48. «Novela 'Da cor do pecado' será reexibida a partir do dia 7 de maio na Globo». O Globo. 24 de abril de 2007. Consultado em 27 de julho de 2015 
  49. «Folha de S.Paulo - Programação de TV - 22/08/2007». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  50. «Nilson Xavier - Globo reprisa novamente "Da Cor do Pecado" no Vale a Pena Ver de Novo». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  51. «Da Cor do Pecado" será exibida pela 4ª vez na TV brasileira; saiba quando começa». Midiamax. Consultado em 31 de março de 2021 
  52. «Globoplay: BBB 22 e novela 'Da Cor do Pecado' estreiam em janeiro». F5. 28 de dezembro de 2021. Consultado em 2 de janeiro de 2022 
  53. a b «Desejos de Mulher: Nacional». Teledramaturgia. Consultado em 18 de março de 2018 

Ligações externasEditar