Mulheres Apaixonadas

telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo

Mulheres Apaixonadas é uma telenovela brasileira produzida pela TV Globo e exibida de 17 de fevereiro a 10 de outubro de 2003, em 203 capítulos,[2] com o último capítulo reexibido em 11 de outubro de 2003.[1] Substituiu Esperança e foi substituída por Celebridade, sendo a 63.ª "novela das oito" exibida pela emissora.

Mulheres Apaixonadas
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero crônica do cotidiano
Duração 40–60 minutos
(por capítulo)
Estado finalizada
Criador(es) Manoel Carlos
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Ary Coslov
Marcelo Travesso
Diretor(es) de criação Ricardo Waddington
(núcleo e geral)
Rogério Gomes
José Luiz Villamarim
(geral)
Câmera multicâmera
Distribuição Rede Globo
Roteirista(s) Maria Carolina
Fausto Galvão
Vinícius Vianna
Elenco
Tema de abertura "Pela luz dos olhos teus", Tom Jobim e Miúcha
Empresa(s) produtora(s) TV Globo
Localização Rio de Janeiro
Exibição
Emissora original TV Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 17 de fevereiro – 10 de outubro de 2003
Episódios 203

Escrita por Manoel Carlos, com colaboração de Maria Carolina, Fausto Galvão e Vinícius Vianna. A direção ficou a cargo de José Luiz Villamarim, Marcelo Travesso, Rogério Gomes e Ary Coslov, com direção geral de Ricardo Waddington, Gomes e Villamarim e direção de núcleo de Waddington.

Contou com as participações de Christiane Torloni, José Mayer, Tony Ramos, Susana Vieira, Giulia Gam, Marcello Antony, Helena Ranaldi e Dan Stulbach.[1]

EnredoEditar

Helena vive um casamento estável mas sem paixão com Téo, saxofonista de uma banda de jazz, e passa a se questionar se é verdadeiramente feliz. Ela é diretora da Escola Ribeiro Alves (ERA), propriedade de seu marido e da sua cunhada Lorena. Helena tem duas irmãs, Hilda e Heloísa, também casadas. Hilda é casada com Leandro e Heloísa é casada com Sérgio, por quem nutre um ciúme doentio. Grandes amigas, as três irmãs compartilham suas angústias e incertezas sobre o futuro e a felicidade. Como parte dessas incertezas, Helena desconfia de um caso de Téo com uma certa Fernanda, uma ex-garota de programa. Mas isso foi no passado, de cujo relacionamento nasceu Lucas, filho adotivo do casal, fato que Helena desconhece mas que acaba por descobrir depois da morte de Fernanda.

Helena reencontra César, um antigo namorado a quem abandonou para se casar com Téo. O reencontro a faz rever as escolhas que fez na vida. Teria ela se casado com o homem errado? César, que ficou viúvo, está morando na mesma cidade, onde é neurocirurgião na clínica onde também trabalha sua enteada Luciana. Marcinha, filha de César, é aluna da escola ERA. César se ressentiu pelo abandono que sofreu por Helena e tornou-se um homem rude, temido pelos que trabalham com ele na clínica.[1][3]

ElencoEditar

 Ver artigo principal: Elenco de Mulheres Apaixonadas

AntecedentesEditar

 Ver artigos principais: História da Rede Globo e Novela "das oito"

Depois de participar de trabalhos em outras emissoras, coordenando teleteatros e humorísticos, Manoel Carlos estreou como autor de telenovelas da Rede Globo em 1978 com Maria, Maria e A Sucessora, ambas exibidas no horário das 18h.[nota 1][4][5] Dois anos depois, em 1980, serviu de colaborador em Água Viva, novela de autoria de Gilberto Braga no horário das 20h e, em 1981, escreveu Baila Comigo, sua primeira como titular no horário.[6][7] Protagonizada por Lílian Lemmertz, esta foi a sua primeira novela a ter uma protagonista de Helena, iniciando a chamada "série de Helenas", que tornaria-se marca característica de suas produções do tipo.[7][8] Após escrever Sol de Verão em 1982, o autor saiu da Globo e retornou à emissora em 1991 com Felicidade, transmitida às 18h e protagonizada por Maitê Proença.[9]

O setor de teledramaturgia da Rede Globo estreou no mesmo ano de sua inauguração, em 1965, com O Ébrio, no horário das 20 horas.[nota 2][11][12] Durante as décadas de 1960, 19670 e 1980, a faixa sofreu quatro interrupções: a primeira, após a exibição do folhetim supracitado;[11] a segunda, depois de Rosa Rebelde;[13] a terceira, logo após Escalada;[14] e a quarta, após Sol de Verão.[15] Desde o lançamento da primeira produção, até Esperança (2002), haviam sido produzidas 62 novelas nesta faixa.[16]

ProduçãoEditar

Concepção e desenvolvimentoEditar

Originalmente, Gilberto Braga seria o autor responsável pela novela das oito sucessora de Esperança, idealizada por Benedito Ruy Barbosa, tendo sido anteriormente cotado para substituir O Clone, de Glória Perez. Contudo, a sinopse da trama foi desaprovada pela emissora por abordar a fama, mesmo tema central do folhetim das 19 horas, Desejos de Mulher, necessitando de readequações nos perfis dos personagens, especialmente na protagonista.[17] Assim, em maio de 2002, a Globo recorreu a Manoel Carlos, que estava de férias em Nova Iorque e ainda não tinha concebido o enredo, enquanto Gilberto teve a sua trama (Celebridade) reescalada para suceder Manoel.[17][18] Manoel Carlos passou 15 dias reunido com sua pesquisadora para começar a desenvolver a sua próxima telenovela, já tendo definido dois dos temas que seriam abordados: a bissexualidade feminina e união legal entre homossexuais.[19] Ao jornal Folha de S. Paulo, ele comentou a estrutura da novela, comparando-a com suas obras anteriores:

Ao contrário de suas novelas anteriores, que geralmente levavam cerca de um ano de pesquisa antes de sua exibição, esta teve um período de sete meses devido à escalação da emissora anunciada às pressas.[19] Iniciado em junho de 2002, o esquema de pesquisa funcionava da seguinte forma: a pesquisadora do autor, Gabriela, fazia um levantamento geral com possíveis opções de abordagem. Caso o tema fosse escolhido, ela fazia uma pesquisa mais específica, realizando mais pesquisas sempre que necessário ao longo da novela.[19] Ela também entrava em contato com o autor na estreia das novelas e servia como orientadora da equipe nas gravações.[19] Manoel Carlos voltou de viagem em agosto com ideias plenamente desenvolvidas, tendo escrito quatro capítulos até novembro daquele ano.[18] Mulheres Apaixonadas seria a sua sexta novela da "série de Helenas", representada pela última vez em 2000, quando Vera Fischer deu vida à protagonista-título em Laços de Família.[8] O seu título reflete a ideia de pluralidade de personagens femininas e o amor como tema central, e já havia sido reservado pela emissora três anos antes a pedido do autor.[20]

Mulheres Apaixonadas marcou a quinta e última parceria de Manoel Carlos com o diretor Ricardo Waddington, iniciada em História de Amor (1995-96), do horário das seis, participando conjuntamente da produção, escolha do elenco, trilha sonora, figurinos e até mesmo cortes de cabelo dos atores, a fim de maior adequação para o tom dos personagens.[21] Manoel Carlos contou com a colaboração de Maria Carolina, Fausto Galvão e Vinícius Vianna na escrita dos capítulos.[22] Como parte da preparação para a novela, Marcello Antony e Eduardo Lago tiveram aulas de vôlei intercaladas com exercícios físicos na praia do Leblon.[23] Tony Ramos emagreceu quatro quilos e teve aulas de saxofone para a construção do personagem Téo, um músico que toca o instrumento e é casado com a protagonista Helena. Maria Padilha, a confeiteira Hilda, visitou um ateliê culinário, e o elenco do núcleo da Escola Ribeiro Alves visitou um colégio tradicional no Rio de Janeiro.[23] Leonardo Miggiorin, que havia trabalhado com Manoel Carlos na minissérie Presença de Anita, realizou diversos procedimentos para viver o personagem Rodrigo: praticou aulas de boxe, aprendeu a andar de moto, frequentou um dermatologista para melhorar a pele e contratou um personal trainer.[24] Carolina Kasting, José Mayer e Camila Pitanga, para interpretarem os médicos Laura, César e Luciana, acompanharam trabalhos do neurocirurgião Paulo Niemeyer, incluindo até mesmo uma cirurgia,[25] enquanto Lavínia Vlasak colocou silicone nos seios para viver a socialite Estela.[26] Para a composição da ciumenta Heloísa, a atriz Giulia Gam leu o livro Mulheres que Amam Demais, de Robin Norwood, e visitou o grupo de apoio Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA), sendo acompanhada por um psiquiatra nas gravações das cenas mais pesadas.[27]

Escolha do elencoEditar

 
O autor Manoel Carlos (centro) e parte do elenco feminino em coletiva da telenovela.

Christiane Torloni foi escolhida para interpretar a protagonista Helena, encaixando o desejo do autor de "uma mulher bonita, determinada, de nariz em pé, com certa arrogância e atrevimento".[18] À época da escolha, a atriz estava com projetos marcados em São Paulo quando Manoel Carlos, de férias em Nova Iorque, lhe contatou. Eles se encontraram no Central Park e o autor lhe ofereceu o papel, destacado os aspectos da Helena.[28] Torloni dispensou o papel de Mina, de O Beijo do Vampiro (que ficou com Claudia Raia) para viver Helena — que, nas palavras do autor, seria a sua primeira Helena "politicamente incorreta", que pensa não só em outros personagens mas também nela mesma.[29] Em seguida, Tony Ramos foi selecionado para dar vida a Teófilo, com Susana Vieira e Leonardo Miggiorin sendo também escalados para a novela.[30][31]

José Mayer, Maria Padilha, Giulia Gam, Paulo Figueiredo, Natália do Valle, Marly Bueno e Cláudio Marzo foram alguns dos outros nomes revelados por Manoel Carlos em entrevista à Folha de S. Paulo em novembro de 2002,[18] com Erik Marmo e Carolina Dieckmann juntando-se ao elenco no mesmo período.[18][32] Em dezembro, a Globo apresentou o elenco oficialmente numa festa realizada no Rio de Janeiro, com alguns artistas sendo anunciados pelo jornal O Estado de S. Paulo: Camila Pitanga, Marcello Antony, Rodrigo Santoro, Regina Braga, Helena Ranaldi e Umberto Magnani.[29] Assim como em seus trabalhos anteriores, o autor começou a escrever já com o elenco fechado, para que cada personagem funcionasse plenamente para cada ator. Três núcleos de ação principal foram escolhidos: uma escola, um hospital e um hotel.[29] Ricardo Waddington serviu como o diretor de núcleo, trabalhando também na direção geral em conjunto com José Luiz Villamarim e Rogério Gomes. Marcelo Travesso e Ary Coslov completaram o time de direção.[22] Um total de mais de cem atores foram selecionados, um dos maiores números da emissora.[29]

Roberta Rodrigues e Diego Gonçalves, presentes no filme Cidade de Deus, fizeram testes e foram aprovados conjuntamente para a novela, tendo trabalhado anteriormente no teatro e cinema, sendo esta a primeira experiência televisiva do trio.[33] Dan Stulbach foi selecionado após Manoel Carlos assisti-lo na peça Novas Diretrizes em Tempos de Paz, de Bosco Brasil, onde contracenava com Tony Ramos.[27] Rafael Calomeni, ex-modelo e estreante na profissão de ator, realizou quatro testes até ser finalmente aprovado.[34] Mais de 25 atores fizeram a sua estreia na televisão através do folhetim,[35] como Bruna Marquezine e Carol Castro.[36] Rodrigo Santoro teve seu primeiro papel em novelas desde Estrela-Guia, de 2001, filmando quatro filmes nos Estados Unidos e no Brasil nesse meio-tempo.[37]

Filmagens, cenários e caracterizaçãoEditar

 
Vista aérea do bairro do Leblon, onde a trama se passou e foram filmadas várias cenas.

As primeiras cenas a serem filmadas foram com Torloni e Ramos e ocorreram em novembro de 2002 em Cancún, no México, onde eles ficaram por uma semana.[38] No mês seguinte, as filmagens foram transferidas para a cidade do Rio de Janeiro e o interior do estado, com primeiras tomadas sendo feitas no antigo Autódromo de Jacarepaguá e na Pedra da Gávea. Em janeiro, foi gravado o casamento entre os personagens de Paloma Duarte e Santoro em Vassouras, em sequência às cenas em estúdio.[39] Parte das gravações foram atrasadas, no início de 2003, em decorrência de chuvas que atingiram a cidade do Rio de Janeiro.[40]

Ao contrário de outras novelas da Globo, Mulheres Apaixonadas não possuiu uma cidade cenográfica; em vez disso, utilizou-se cerca de 6 mil de cenários nos estúdios do Projac, mais do que o dobro do habitual.[20] À exceção disto, as cenas foram gravadas nos bairros do Leblon, Ipanema, Copacabana e Barra da Tijuca, para "que o espectador veja as belezas naturais e históricas do Rio interagindo na trama".[20] Outra inovação das gravações da novela foi filmar, no dia de exibição do capítulo, cenas em que os personagens comentassem fatos reais ocorridos horas antes, de forma que a novela tratasse "quase em tempo real" temas da atualidade — a exemplo do ocorrido em 25 de fevereiro de 2003, quando Susana Vieira e Júlia Almeida comentaram um incêndio de ônibus na cidade do Rio de Janeiro daquele dia, uma cena que foi gravada três horas antes da exibição.[41] Ruas, comércios e pontos de encontro do Leblon, bairro retratado na trama, foram fotografados e reunidos num álbum pela figurinista Helena Gastal para compor os trajes da trama. Moradores e transeuntes também foram fotografados — incluindo entregadores, jovens, idosos, crianças, babás e cachorros —, proporcionando um tom realista e contemporâneo à caracterização dos personagens.[22] A produção da novela custou, ao todo, cerca de R$ 40,4 milhões.[42]

Uma das sequências de maior trabalho foi a em que Téo e Fernanda são baleados numa rua do Leblon. As cenas começaram a ser gravadas, inicialmente, em 5 de agosto de 2003 e foram estendidas por outros quatro dias, dentre ensaios e filmagens, contando com cerca de mil pessoas como plateia, 400 profissionais da equipe de produção e gravação, mais de 120 carros, 500 tiros de festim, cinco câmeras — incluindo uma panorâmica — e membros da CET-Rio e da polícia militar para monitorar o bloqueio das ruas adjacentes.[22][43] Uma gravação foi descartada pois um flash apareceu no momento do tiro em Fernanda e, assim, o diretor Rogério Gomes proibiu fotos e gravou a cena inteira com a rua fechada, e também deu sequência às cenas do resgate.[44] Outros problemas ocorreram na sequência: a CET-Rio proibiu as gravações, alegando que a cena atrapalharia o trânsito, e sugeriu transferência para a Praia da Reserva no Recreio dos Bandeirantes, que estava interditada.[43] A Associação Brasileira da Indústria Hoteleira, e o Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Bares do Rio também protestaram contra as gravações, comentando que a novela afastaria os turistas. Ao final, a sequência foi autorizada pelo prefeito César Maia e foi a última a ser filmada naquele dia.[43]

ExibiçãoEditar

Originalmente, Mulheres Apaixonadas teve a sua estreia encomendada para março de 2003, agradando ao próprio autor.[40] Entretanto, com a baixa audiência de Esperança e a consequente pressa para o seu encerramento, a Globo decidiu antecipar o seu lançamento para fevereiro daquele ano, um ato que causou desavenças entre Manoel Carlos e executivos da emissora.[40] Mulheres Apaixonadas estreou em 17 de fevereiro de 2003, sendo exibida de segunda à sábado às 20h30, após o Jornal Nacional,[45] com classificação indicativa de imprópria para menores de 12 anos.[46] Entretanto, a partir de 30 de junho de 2003, o Ministério da Justiça a reclassificou como não recomendada para menores de 14 anos, em virtude das cenas violentas e insinuações sexuais além do permitido.[46] Totalizando 203 capítulos, o último foi exibido em 10 de outubro, uma sexta-feira, e reprisado no dia seguinte.[22][47]

Exibição internacionalEditar

Internacionalmente, foi exibida através da Globo Internacional e outras emissoras,[27][48] como a Telefé na Argentina,[49] a Ecuavisa no Equador,[50] a Telemundo nos Estados Unidos[51] e a SIC em Portugal,[52] onde ganhou reprise em 2009.[53]

ReprisesEditar

Foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo de 1º de setembro de 2008 a 27 de fevereiro de 2009, em 130 capítulos, substituindo Cabocla e sendo substituída por Senhora do Destino.[54] A reprise foi oficialmente anunciada a cinco dias de sua estreia e recebeu a classificação de imprópria para menores de 10 anos, com boa parte da violência e das cenas fortes da original sendo removidas.[54][55]

O Viva, canal de propriedade da Globosat, reprisou a novela na íntegra como parte das comemorações de dez anos do canal,[56][57] de 24 de agosto de 2020 a 16 de abril de 2021, com o último capítulo reexibido no dia seguinte, substituindo O Clone e sendo substituída por Da Cor do Pecado.[57][58] Esta exibição, similar às antecessoras, contou com uma maratona dos capítulos nas noites de domingo. No dia de seu encerramento, o canal promoveu uma conversa com os atores Leonardo Miggiorin e Carol Castro no Instagram, uma transmissão dos melhores momentos da novela no YouTube e um resumo das últimas semanas.[59]

Outras mídiasEditar

Mulheres Apaixonadas foi disponibilizada no serviço de streaming, Globoplay em 10 de maio de 2021.[60]

Vinheta de aberturaEditar

O tema de abertura da trama é "Pela luz dos olhos teus", interpretada por Tom Jobim e Miúcha, usada anteriormente em Dona Xepa, de 1977.[20] A vinheta foi criada pela equipe de Hans Donner e consistia em fotos de mulheres em diferentes momentos, exibidas em um tom azul. Para tal, a Globo promoveu um concurso aos telespectadores selecionando imagens de mulheres com seus filhos, maridos, parentes ou amigas.[61] Inicialmente, a ideia era renovar as fotos a cada mês, mas devido ao grande número de retratos enviados — mais de 100 mil foram considerados — a tomada passou a ser atualizada a cada 15 capítulos.[61] Na última semana de exibição, constaram fotos de parentes da equipe envolvida na produção do folhetim.[61] Para a reprise no Viva, a equipe do canal recorreu ao mesmo método, solicitando aos seus assinantes o envio de fotos e montando uma nova abertura, também atualizada periodicamente.[62]

TemáticasEditar

Assim como em outras produções de Manoel Carlos, Mulheres Apaixonadas contou com uma série de temáticas contundentes introduzidas ao longo da trama por meio de diversos personagens, alguns dos quais tiveram alguma relação com a protagonista Helena.[63][64][65] O adultério e a infidelidade serviram como fio condutor da trama da própria personagem, que trai seu antigo amor César com o futuro marido Téo; durante o casamento, ela trai Téo numa viagem ao México com um hóspede no hotel, e trai-o novamente anos depois com o César, já insatisfeita com o casamento.[66] Os temas também foram abordados através de Téo, que trai Helena com a ex-garota de programa Fernanda e origina os filhos Salete e Lucas, que Helena pensa ser adotado de outra família.[66] Uma situação similar ocorreu com a personagem Silvia que, assim como Helena, está insatisfeita com seu casamento e trai o marido Afrânio com o taxista Caetano.[67]

Notoriamente, a homossexualidade retratada em Mulheres Apaixonadas, através das personagens Clara e Rafaela, foi uma das primeiras a serem bem aceitas na teledramaturgia. Embora a audiência não aceitasse um beijo, conforme pesquisa encomendada pela Globo, elas deram um selinho interpretando Romeu e Julieta na escola.[68][47] Um casal lésbico chegou a ser incluído em Torre de Babel (1998), mas a rejeição do público fez com que o autor Silvio de Abreu as eliminassem da trama numa cena da explosão do shopping Tropical Towers.[69] O alcoolismo foi retratado através da professora de geografia Santana, viciada em bebida. Ela chegou a dar aula embriagada, foi afastada do trabalho e, num momento de abstinência, bebeu perfume para saciar o vício. Este momento serviu de epifania à personagem, que passa a frequentar grupos de alcoólicos anônimos. A violência urbana foi abordada em diversos diálogos da novela, e teve um impulso com um tiroteio envolvendo Téo e Fernanda. Ele fica internado mas se recupera, enquanto ela morre, vítima de bala perdida.

Duas relações de caráter obsessivo foram destaques na trama, embora de formas diferentes. O casamento de Heloísa e Sérgio, já em crise com a falta de filhos, se deteriora com as constantes crises de ciúmes obsessivos dela. Como exemplo dos ataques, a irmã de Helena vistoria os bolsos de Sérgio, corta suas roupas, o esfaqueia e ameaçou se suicidar em determinados pontos da trama, além de nutrir uma raiva por Dóris e Vidinha, que não resistem às cantadas de Sérgio. Para tentar controlar seus ataques de ciúmes, ela frequenta reuniões do grupo Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA). A segunda relação, entre Raquel e Marcos, ficou marcada pelo caráter controlador e agressivo de Marcos, que além de ameaçar Raquel a agride com raquetes de tênis. A paixão dela pelo jovem Fred aumenta os ataques de Marcos, que é denunciado por Raquel à Delegacia Especial da Mulher, acompanhada por Helena. Helena Ranaldi relembrou a personagem Raquel em algumas oportunidades: para o Superpoderosas, da Band, ela disse ter achado interessante a abordagem da violência doméstica "com uma personagem que era uma pessoa instruída, que tinha estudo, preparo, classe média",[70] enquanto para a rádio Jovem Pan relembrou ter tido crises de choro após algumas gravações das cenas de agressão.[71]

Outras temáticas de destaque na trama foram representadas pela família de Irene e Carlão, vizinhos de Helena. O filho Carlinhos, virgem, assedia a empregada Zilda e menciona masturbação, enquanto o preconceito contra idosos foi abordado com a filha Dóris, que maltrata e desrespeita os avós Leopoldo e Flora, que diz que eles ocupam espaço e deveriam morar num asilo e rouba dinheiro dos idosos. O celibato foi discutido com a socialite Estela, prima de Helena que se apaixona pelo padre Pedro, que realizou sua primeira comunhão; depois de se jogar nos braços dele várias vezes, ele abandona a batina e inicia a relação com ela. Outra personagem ligada a Helena, sua cunhada Lorena representou a diferença de idade num relacionamento, ao apaixonar-se pelo jovem Expedito. A virgindade foi discutida através dos jovens Edwiges e Cláudio que, apaixonado, tenta várias vezes transar com ela, sem sucesso. Edwiges tem sua primeira noite de amor com Cláudio no final da novela, quando se casa com ele.

MúsicaEditar

 Ver artigo principal: Música de Mulheres Apaixonadas

Considerada uma "personagem invisível, mas importante, presente, bonita, e sedutora" por João Máximo do O Globo, a música de Mulheres Apaixonadas foi selecionada pelo próprio Manoel Carlos em conjunto com o diretor Ricardo Waddington e Mariozinho Rocha, diretor musical da emissora. Eles trabalharam também com o compositor Alberto Rosenblit para as passagens instrumentais presentes nos capítulos, de forma que elas combinassem "com o traço psicológico do personagem ou com o tom da cena".[72] Uma controvérsia foi criada em relação ao uso da música "Só chamei porque te amo", de Gilberto Gil, regravada da original "I Just Called to Say I Love You", de Stevie Wonder, mas ambas as partes chegaram a um acordo e a sua inclusão foi mantida.[73][74]

A trilha sonora da novela foi lançada pela Som Livre, gravadora da Globo responsável pelos lançamentos discográficos das novelas da emissora, e inovou em sua distribuição, sendo comercializada como um disco duplo, apresentando as músicas nacionais em um CD e as internacionais em outro.[75] Além de Gilberto e da música de abertura "Pela luz dos olhos teus", a coletânea nacional incluiu canções de artistas como Tribalistas, Gal Costa, Luiza Possi e Fernanda Abreu.[75] A pedido do autor, constou também a canção "Você", interpretada pela jornalista Marília Gabriela e seu então marido, o ator Reynaldo Gianecchini.[76] Na compilação internacional, entraram temas de Norah Jones, Avril Lavigne, Bon Jovi, Matchbox Twenty, Maná, Shakira, Jennifer Lopez e outros.[75] A trilha sonora foi um grande sucesso comercial, recebendo um certificado de diamante pela Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD), representando mais de 1 milhão de cópias vendidas, entregue ao autor Manoel Carlos pelo diretor da Som Livre, João Araújo. Com o sucesso, um segundo volume foi comercializado, contendo músicas ausentes da anterior.[77][78]

RecepçãoEditar

AudiênciaEditar

Exibição original

O principal objetivo da Globo com Mulheres Apaixonadas era recuperar a audiência perdida com Esperança, que até então havia registrado os piores índices da história da emissora na faixa das 20h. Para tal, apostou-se numa trama com abordagem contemporânea e foi imposta, pelos diretores, uma meta de 45 pontos de audiência, similar a outras produções do mesmo horário.[79][80] Na Grande São Paulo, principal mercado publicitário brasileiro, a novela estreou com exatos 45 pontos de média, dois a menos que a estreia de Esperança,[81] e viu sua audiência estabilizar em sua primeira semana: o segundo capítulo repetiu os 45 do anterior, um feito considerado "raro", e os quatro primeiros capítulos obtiveram 44 pontos de média — um a mais do que O Clone e atrás de Terra Nostra (1999, 46 pontos) — e 63% de share em São Paulo, segundo dados do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE).[82][83]

Os dois primeiros meses de Mulheres Apaixonadas renderam os resultados esperados pela emissora, com diversos capítulos entre abril e maio alcançando e ultrapassando a média esperada. A média total deste período foi de 40 pontos na Grande São Paulo e, a partir de abril de 2003, a novela aumentou sua média semanal, atingindo um recorde de 51 pontos em 26 de maio.[84] Numa "escala gradativa" prevista pelo autor, Mulheres Apaixonadas teve seu primeiro recorde em 24 de março com 44 pontos, superado em 16 de abril com 46 pontos, em 20 de maio com 49 pontos, e com 51 pontos ainda no mesmo mês, além de picos de 58 quando Heloísa esfaqueia Sérgio.[85][86] Em junho, voltou a bater seu próprio recorde com 52 pontos de média e picos de 56; entre 21 e 27 de julho, obteve média semanal recorde de 50 pontos.[87][88] No dia do capítulo exibido o tiroteio em que a personagem Fernanda é baleada, um sábado, registrou 48 de média e 56 de recorde;[88] na segunda-feira seguinte, com a reexibição da sequência, a novela marcou seu recorde até então: 58 de audiência com picos de 62 pontos e 83% de share em São Paulo.[89] Àquela altura, a trama atingiu 45 pontos de média, índices superiores aos obtidos por O Clone e Terra Nostra até os capítulos de número 152.[90] O folhetim registrou seu recorde definitivo no capítulo final, em 10 de outubro de 2003, com 59 pontos de média e share de 71% na Grande São Paulo.[47][91] Mulheres Apaixonadas finalizou seus 203 capítulos com uma média final de 47 pontos, uma elevação de nove pontos em relação aos 38 pontos de Esperança.[92] Segundo reportagem da Veja, aproximadamente 35 milhões de pessoas assistiam à novela todos os dias, a nível nacional.[86]

Primeira reprise

Reestreou com 16 pontos.[93] Sua maior audiência foi de 26 pontos no último capítulo e fechou com uma média geral de 18 pontos, tendo vencido ocasionalmente as novelas das seis e das sete à época, respectivamente, Negócio da China e Três Irmãs.[54][94][95][96]

Avaliação críticaEditar

 
Para Artur Xexéo, do O Globo, o personagem Téo, é um papel que "não parece adequado à sua personalidade televisiva".

Em seus primeiros dias de exibição, Mulheres Apaixonadas foi recebida positivamente por periodistas da Folha de S. Paulo. Ester Hamburger recebeu com entusiasmo a "opção folhetinesca" pretendida pela Globo com a trama, vindo a concluir: "Exemplar bem realizado de uma tradição, a novela encarna as limitações de um imaginário centrado no amor romântico, que a indústria cultural se encarregou de difundir como ideal possível".[97] Xico Sá, por sua vez, avaliou que a predominância de mulheres, aliada às diversas situações da trama, ajudou a "ressuscitar" a novela das 20h.[98] Ricardo Valladares, da Veja, compartilhou da mesma opinião; ele considerou que, de tal forma, "as pessoas voltam a ver a novela no dia seguinte", e comentou: "O mais importante é que a trama tem sal e, até agora, foi ousada sem ser chocante nem pesadona. (...) Entre as qualidades exibidas até agora pela novela, estão os diálogos e os ganchos de continuação. Descontadas algumas frases teatrais, as conversas são afiadas e convincentes".[99] Em matéria para a IstoÉ Gente, Marina Monzillo avaliou a estreia da novela com quatro estrelas de cinco e elogios direcionados aos diferentes dramas dos personagens, como o conflito entre César e Rodrigo e os maus-tratos de Dóris a seus avós, recebendo com entusiasmo a "fórmula bem-sucedida e já característica" entre Manoel Carlos e Ricardo Waddington.[100]

Artur Xexéo, d'O Globo, avaliou que seus recursos televisivos demonstraram "que Manoel Carlos domina os segredos da telenovela". Ele também considerou que as duas primeiras situações da novela — uma festa de casamento e um enterro — permitiu "reunir em apenas dois ambientes todos, ou quase todos, os personagens [num] quem-é-quem esclarecedor e divertido", destacou as atuações de Suzana Vieira, Paloma Duarte, Rodrigo Santoro e Maria Padilha, e criticou o personagem de Tony Ramos por não "parece[r] adequado à sua personalidade televisiva".[101] Concluiu: "E, para culminar, o bom primeiro capítulo terminou com um gancho. (...) A estreia de Mulheres Apaixonadas mostrou que um mestre está no ar. Abram alas para ele".[101] Duas jornalistas d'O Estado de S. Paulo tiveram opiniões positivas acerca do folhetim, embora com visões diferentes: Leila Reis ponderou sobre a diferença do folhetim em relação à programação comum, argumentando que o glamour e os conflitos da classe média carioca contribuíram para a sua audiência,[102] enquanto Cristina Padiglione focou-se no realismo tratado na novela que, para ela, permitiu que o dia ganhasse "cronologia de vida real" mas expôs falhas "evidentes" da produção.[103]

Talvez seja a avalanche de desgraças que a TV despeja em cima do telespectador todos os dias que leve o público a desejar um refresco. Um pouco de glamour para contrabalançar com o festival de rebeliões, desbarrancamento de encostas, acidentes de trânsito, crimes nefastos, desgraças individuais exploradas às últimas consequências pelas revistas femininas, programas de auditório e pelos "noticiários" policiais. Talvez esteja aí também a boa receptividade do telespectador para com Mulheres Apaixonadas.[102]
 
Leila Reis, do Estado de S. Paulo.

Prêmios e indicaçõesEditar

O sucesso crítico de Mulheres Apaixonadas refletiu-se nas premiações televisivas, conquistando uma série de prêmios e indicações nos anos de 2003 e 2004. Dentre as múltiplas vitórias, destacaram-se 5 pelo Prêmio Extra de Televisão e Melhores do Ano, 4 do Troféu Imprensa, 11 do Prêmio Qualidade Brasil (considerado as votações de ambas as edições carioca e paulista) e 6 do Prêmio Contigo!. Além destes prêmios, a personagem Heloísa, interpretada por Giulia Gam, foi eleita a melhor neurótica e ciumenta de Manoel Carlos, obtendo 59% dos votos de uma enquete realizada com 3 mil leitores da Folha de S. Paulo.[104]

LegadoEditar

Impacto comercial e culturalEditar

Não sei a razão desses dados, mas imagino que seja a atração que exercem sobre as pessoas mais carentes histórias do dia a dia, temas comuns a todo mundo, personagens identificados com a realidade e os cenários naturais belíssimos do Rio.

—Manoel Carlos sobre a resposta positiva da novela em diferentes classes, em declaração à Folha de S. Paulo.[105]

Mulheres Apaixonadas representou um grande sucesso comercial para a Globo, cumprindo fielmente a proposta dos executivos de recuperar a audiência da antecessora Esperança, que havia registrado os piores índices para uma produção das 20h e lidou com diversos problemas em sua produção.[85][105] Além de ter recuperado o público do horário, Mulheres Apaixonadas introduziu novos públicos para uma novela das oito, em especial o infanto-juvenil, feminino e pertencente às classes D e E — algo que Lilian Fernandes, do O Globo, creditou às diversas histórias entrelaçadas e que agradaram públicos de diferentes idades. Ela destacou algumas dessas histórias em matéria do jornal, como o núcleo dos jovens Cláudio e Edwiges, o romance dos co-protagonistas Téo e Helena, os maus tratos aos idosos Leopoldo e Flora pela neta Dóris, e a aceitação do romance lésbico entre Clara e Rafaela.[85]

Os bons resultados da novela refletiram-se também na publicidade.[106] De acordo com o autor, a novela representou o seu maior sucesso de merchandising até então, chegando a contabilizar duas ações do tipo em alguns capítulos e com mais de 40 inserções ocorrendo por volta do capítulo 100.[106] Empresas como Natura, Nestlé e Omo desembolsaram aproximadamente US$ 150 mil dólares — o equivalente a R$ 550 mil na época[107] — para terem seus produtos veiculados na trama, rendendo à emissora R$ 412 mil por capítulo.[108][106][42] Mulheres Apaixonadas movimentou também o setor fonográfico brasileiro: o primeiro volume da trilha sonora da novela vendeu 430 mil unidades em três meses,[78] atingindo a marca de 1 milhão de cópias e se tornando o álbum mais vendido no Brasil em 2003, enquanto o segundo constou entre os vinte mais comprados daquele ano.[77][109] Ambas as coletâneas geraram músicas bem sucedidas no país.[78] "Velha infância", do grupo Tribalistas, foi a mais tocada nas rádios brasileiras em 2003, com o álbum homônimo certificado diamante;[109] "Mais uma vez", de Renato Russo, foi a quinta mais reproduzida do ano;[109] "I'm with You", interpretada por Avril Lavigne, foi a vigésima mais tocada nas rádios em 2003, sendo a única internacional entre as vinte mais;[109] e "Don't Know Why", cantada por Norah Jones, cresceu em popularidade ao longo do ano e o seu uso na novela ajudou a impulsionar no país as vendas de seu álbum, Come Away with Me, certificado como platina ao final do ano.[110][109]

À parte de seu sucesso comercial, Mulheres Apaixonadas foi também um dos maiores sucessos críticos do ano, com uma série de troféus sendo conquistados pela trama e por seus atores, com os mais premiados sendo Dan Stulbach, eleito melhor ator pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA),[111] Giulia Gam, vencedora do prêmio de melhor atriz no Troféu Imprensa,[112] e Bruna Marquezine, ganhadora de troféus como atriz revelação e mirim.[112][113][114] Foi parodiada nos humorísticos Casseta & Planeta, Urgente!, sob o título Mulheres Recauchutadas, e CQC, onde os atores Helena Ranaldi e Dan Stulbach realizaram uma esquete invertendo os seus respectivos papéis na trama.[115][116] Em julho de 2003, a revista Veja fez uma matéria de capa sobre a novela, aprofundando a boa aceitação dos temas retratados e a alta audiência,[86] assim como a estadunidense Newsweek no mesmo período, que destacou a variedade de abordagens temáticas e a construção dos capítulos — chegando a fazer um trocadilho de seu título por Mulheres Exageradas, devido às diferentes características e situações das personagens.[108]

Impacto socialEditar

A abrangência temática de Mulheres Apaixonadas foi um dos principais pontos responsáveis por seu sucesso em audiência e crítica, com cerca de 623 ações socioeducativas — comumente denominadas como "merchandising sociais" — ocorrendo ao longo da trama.[117] O relacionamento de Heloísa e Sérgio, interpretado por Giulia Gam e Marcello Antony, ajudou a expor e ampliar o alcance do trabalho dos grupos Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA), que lida com casos de mulheres obsessivas por seus maridos. A popularidade da temática deste casal impulsionou as vendas do livro Mulheres que Amam Demais, da terapeuta Robin Norwood: de 300 exemplares por mês, saltou para 2 mil por mês e atingiu a marca de 80 mil réplicas vendidas até setembro de 2003, consoante Elite Cotrim, gerente comercial de vendas do Grupo Siciliano. Originalmente lançada em 1995, a obra ganhou uma edição especial com a exibição da novela.[118]

Em 27 de agosto de 2003, os atores Helena Ranaldi e Dan Stulbach, intérpretes de Raquel e Marcos, foram à Brasília visitar o então presidente Luís Inácio Lula da Silva e participaram do lançamento do Programa Nacional de Combate à Violência contra a Mulher.[119] Após a exibição do capítulo de 22 de setembro, quando Raquel denuncia Marcos à Delegacia Especial da Mulher, o número de denúncias contra violência doméstica aumentou em todo o país; no Rio de Janeiro, por exemplo, o registro de ocorrências aumentou em 40%.[120] Dois anos depois, foi instituída a Lei Maria da Penha para coibir atos de violência doméstica contra a mulher.[121] Os maus tratos realizados por Dóris a seus avós Leopoldo e Flora também influenciaram a sociedade brasileira, incentivando o aumento de denúncias de agressões contra os idosos e levando à aprovação do Estatuto do Idoso pelo Senado Federal ainda em 2003.[122][123] O projeto vinha sendo amplamente discutido no Congresso, e foi antecedido pelo programa Cidade Amiga da Terceira Idade, cujo lançamento contou com a presença dos atores Regiane Alves, Daniel Zettel, Oswaldo Louzada e Carmem Silva.[123]

Outras duas temáticas populares no desenvolvimento da trama, o câncer de mama e o alcoolismo foram plenamente representadas no mercado literário, com uma série de obras sendo encomendadas e tendo suas vendas impulsionadas pela novela.[118] A escritora Rita Ruschel relatou à Gazeta Digital um aumento considerável nas vendas de suas obras depois que alguns núcleos seus — a partir dos quais, segundo ela, o autor Manoel Carlos inspirou-se para compor as histórias de Heloísa e Silvia — foram incluídos na novela.[118] No dia 9 de agosto de 2003, um sábado, logo após a exibição da cena em que Fernanda é baleada, o ator José Mayer iniciou o Criança Esperança discursando contra a violência, acompanhado de Bruna Marquezine.[124] Em cima da discussão da violência urbana, foram gravadas cenas da novela na manifestação Brasil Sem Armas, promovida pelo Movimento Viva Rio e apoiada pela Globo e pelo autor; atores da trama participaram do movimento, como Tony Ramos, caracterizado de cadeira de rodas — representando o personagem Téo, que estava em processo de recuperação da bala atingida. A passeata reuniu cerca de 40 mil pessoas em Copacabana com o objetivo de pressionar a aprovação do Estatuto do Desarmamento, sancionado em 23 de dezembro daquele ano.[27][125] O romance entre as adolescentes Clara e Rafaela, bem aceitos pelo público, inspirou a cantora e escritora Vange Leonel a lançar o romance Baladas para Meninas Perdidas, focado num casal de jovens lésbicas. Ela comentou para a Gazeta Digital:

Essa aceitação do público, a recepção que Clara e Rafaela vêm recebendo, ajuda quem sempre falou sobre o assunto, como eu. É uma via de mão dupla. Antes do Maneco compor as personagens, mandei muito material meu sobre o assunto para ele. Agora a trama dele abre as portas para os livros sobre o assunto. É muito bom esse intercâmbio.[118]

Comentários em retrospectoEditar

Em retrospecto, Mulheres Apaixonadas foi avaliada positivamente por atores que participaram da novela e também pelo próprio autor. Para o Gshow, Christiane Torloni, que viveu a protagonista Helena, comentou que o papel "coroa" uma carreira e que "se você está fazendo uma novela tão contemporânea e com a dramaturgia que o Maneco tem, a qualidade é a humanidade, não se pode ter julgamento de valor".[8] Em coletiva de imprensa da novela Em Família, onde viveu a última Helena durante as segundas e terceira fase, Bruna Marquezine, intérprete de Salete, demonstrou-se generosa por Manoel Carlos ter lhe dado a oportunidade de um papel de tamanha responsabilidade emocional em sua estreia na televisão, complementando: "A partir do momento em que eu adquiri um pouco mais de maturidade, eu revi Mulheres Apaixonadas [e] foi aí que eu tive noção do que a Salete foi pra mim como atriz. Se eu já admirava o Maneco, a partir desse momento, passei a admirá-lo ainda mais (...)".[126] Vanessa Gerbelli, que interpretou a mãe de Salete, Fernanda, disse ao Gshow que a novela "foi um trabalho muito especial na minha carreira. Aprendi muito ali com grandes artistas e também amadureci como mulher, como profissional" e que Manoel Carlos é "um autor espetacular, que escreve com a subjetividade e propõe uma liberdade ao ator, que torna o trabalho orgânico e tudo fica de verdade".[127]

Durante a participação de Regiane Alves no Video Show, Marcos Caruso, intérprete de Carlão, elogiou a atuação e comprometimento da colega de trabalho; ela relembrou ter sofrido represálias nas ruas na época de exibição da novela,[128] ironizando em 2019 em seu Twitter que "os tempos estão tão estranhos que, se eu fizesse a Dóris nos dias de hoje, seria amada".[129] A atriz Giulia Gam comentou ao mesmo programa que a personagem Heloísa "mudou a minha percepção, no sentido de até onde uma atriz pode ir" e que pessoas ainda a agradecem por ter sido como uma "terapeuta" e "alguém que, de certa maneira abriu uma janela" para o debate sobre obsessão numa relação.[130] Entrevistado pelo O Estado de S. Paulo, Manoel Carlos considerou que Mulheres Apaixonadas foi a sua primeira obra a "enfatizar" os temas de violência doméstica, preconceito contra idosos e homossexualidade. Ele creditou o seu sucesso ao conjunto da obra: direção, equipe, atores, produção e os diferentes núcleos, que ofereceram ao telespectador uma visão mais dinâmica do formato novelístico, incorporando elementos de séries e minisséries.[131]

Notas

  1. À época, o horário das seis era destinado a adaptações televisivas de romances da literatura brasileira. Maria, Maria é uma adaptação de Maria Dusá, de Lindolfo Rocha, e A Sucessora é baseada no romance homônimo de Carolina Nabuco.[4][5]
  2. Ilusões Perdidas de Enia Petri foi a primeira telenovela exibida pela emissora. Contudo, sua produção recaiu à TV Paulista, recém-comprada por Roberto Marinho, o que resultaria na sua transformação em Globo São Paulo.[10]

Referências

  1. a b c d «Mulheres Apaixonadas». Teledramaturgia 
  2. «Mulheres Apaixonadas». Memória Globo 
  3. «Trama Principal». Memória Globo 
  4. a b «Maria, Maria – Curiosidades». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  5. a b «A Sucessora». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  6. «Água Viva». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  7. a b «Baila Comigo – Curiosidades». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  8. a b c «As Helenas de Manoel Carlos». Gshow. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  9. «Felicidade – Curiosidades». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  10. «Ilusões Perdidas». Memória Globo. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  11. a b «O Ébrio». Memória Globo. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  12. Nilson Xavier. «O Ébrio». Teledramaturgia. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  13. «Rosa Rebelde». Memória Globo. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  14. «Bastidores | Pecado Capital - 1ª versão». Memória Globo. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  15. Nilson Xavier. «Sabor de Mel». Teledramaturgia. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  16. «Esperança». Memória Globo. Consultado em 14 de outubro de 2019 
  17. a b «TV Globo veta braga e escala Manoel Carlos». Folha de S. Paulo. 30 de maio de 2002. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  18. a b c d e f Fernanda Dannemann (17 de novembro de 2002). «O autor do plano B». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  19. a b c d Lilian Fernandes (30 de junho de 2002). «Como nasce uma novela». O Globo. Consultado em 13 de maio de 2002 
  20. a b c d «Novela Mulheres Apaixonadas será a redenção da Globo». Terra. 15 de fevereiro de 2003. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  21. «Manoel Carlos é a esperança da Rede Globo». Valor Econômico. 30 de janeiro de 2003. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  22. a b c d e «Mulheres Apaixonadas». Memória Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  23. a b Lilian Fernandes (5 de janeiro de 2003). «Quer ver? É só ir até o Leblon». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  24. Vivianne Cohen (6 de março de 2003). «Revoltado rouba a cena». IstoÉ Gente. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  25. «Carolina Kasting acompanha cirurgia para Mulheres Apaixonadas». Terra. 10 de janeiro de 2003. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  26. «Lavínia Vlasak coloca silicone para estrelar Mulheres Apaixonadas». Terra. 29 de dezembro de 2002. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  27. a b c d «Mulheres Apaixonadas – Curiosidades». Memória Globo. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  28. Ligea Paixão (26 de abril de 2021). «Christiane Torloni revela bastidores de Mulheres Apaixonadas e Dança dos Famosos». Cláudia. Abril. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  29. a b c d Beatriz Coelho Silva (22 de dezembro de 2002). «Globo apresenta elenco de 'Mulheres Apaixonadas'». O Estado de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  30. Keila Jimenez (17 de agosto de 2002). «Tony Ramos estará na próxima das 8». O Estado de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  31. «A volta do Zezinho». Folha de S. Paulo. 13 de outubro de 2002. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  32. Simone Mousse (1º de dezembro de 2002). «O pulo do gato». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  33. «Mudança de tela». Jornal do Brasil. 4 de janeiro de 2001. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  34. Daniel Castro (18 de dezembro de 2002). «Novela da Globo lança novo 'Gianecchini'». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  35. «Conheça o elenco de Mulheres Apaixonadas, nova novela das oito». Terra. 19 de dezembro de 2002. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  36. «Mulheres Apaixonadas foi vitrine de novas caras». Terra. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  37. Fernanda Dannemann (9 de fevereiro de 2003). «Rodrigo Santoro volta à TV depois de quatro filmes». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  38. «Christiane Torloni e Tony Ramos gravam no México». iG. 25 de novembro de 2002. Consultado em 13 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2017 
  39. Lilian Fernandes (29 de dezembro de 2002). «Polêmica e rotina nas ruas do Leblon». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  40. a b c Daniel Castro (23 de janeiro de 2003). «Final». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  41. Daniel Castro (27 de fevereiro de 2003). «Globo põe notícia do dia em novela das 8». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  42. a b Daniel Castro (17 de agosto de 2003). «Merchandising paga 'Mulheres Apaixonadas'». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  43. a b c Luiz Ernesto Magalhães (12 de julho de 2003). «Prefeito intervém da Espanha na novela das 8». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  44. Simone Mousse; Taís Mendes (6 de agosto de 2003). «Fernanda vai ter que ser baleada de novo». O Globo. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  45. «Estréia "Mulheres Apaixonadas"; confira resumo das novelas». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. 17 de fevereiro de 2003. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  46. a b Daniel Castro (27 de junho de 2003). «Governo veta novela das oito antes das 21h». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Consultado em 7 de julho de 2019 
  47. a b c «Final de "Mulheres Apaixonadas" rende 59 pontos de ibope». Folha de S. Paulo. 11 de outubro de 2003. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  48. «Women in Love» (em inglês). Globo TV International. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  49. Dolores Graña (2 de julho de 2004). «Telenovela sobre mujeres apasionadas» (em inglês). La Nación. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  50. «Mujeres apasionadas hizo su debut en ecuador» (em espanhol). TVLatina. 6 de julho de 2004. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  51. Magaly Morales (19 de janeiro de 2004). «Brazilian telenovela that made waves hits our shores». Sun-Sentinel (em inglês). Tribune Company. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  52. «Mulher Apaixonada». Correio da Manhã. 19 de abril de 2003. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  53. Ana Margarida Leite (10 de fevereiro de 2009). «Mulheres Apaixonadas regressa à televisão». Diário de Notícias. Global Notícias. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  54. a b c Duh Secco (1º de setembro de 2008). «Há 10 anos, Globo peitava Classificação Indicativa e reexibia "Mulheres Apaixonadas"». RD1. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  55. «Classificação Indicativa – Mulheres Apaixonadas (Vale a Pena Ver de Novo)». Ministério da Justiça. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  56. Cristina Padiglione (27 de agosto de 2019). «Com Bruna Marquezine criança e raquetadas, 'Mulheres Apaixonadas' voltará no Viva». Folha de S. Paulo. Grupo Folha/UOL. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  57. a b «'Mulheres Apaixonadas': canal Viva anuncia reprise de novela». O Estado de S. Paulo. 16 de maio de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  58. «Da Cor do Pecado ganha terceira reprise e chega ao Viva; saiba quando estreia». Notícias da TV/UOL. 31 de março de 2021. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  59. Duh Secco (15 de abril de 2021). «Canal Viva promove maratona e live para último capítulo de Mulheres Apaixonadas». RD1. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  60. Bárbara Chieregate (27 de abril de 2021). «Novidades do Globoplay em maio têm Caso Evandro e How I Met Your Mother». Terra. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  61. a b c «VOCÊ SABIA?: abertura de Mulheres Apaixonadas recebeu 100 mil fotos». Rede Globo. 15 de janeiro de 2012. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  62. «Viva recria a abertura de Mulheres Apaixonadas com fotos de telespectadores». O Tempo. 21 de agosto de 2020. Consultado em 10 de maio de 2022 
  63. «A paixão pela ótica feminina». Jornal do Brasil. 16 de fevereiro de 2003. Consultado em 10 de maio de 2022 
  64. Mariana Pagno (24 de agosto de 2020). «Alcoolismo, violência doméstica e desarmamento: relembre os temas polêmicos de "Mulheres Apaixonadas"». Zero Hora. Consultado em 10 de maio de 2020 
  65. Nilson Xavier (22 de agosto de 2020). «Temas polêmicos e personagens inesquecíveis: 10 curiosidades de Mulheres Apaixonadas, que estreia no Viva». Consultado em 10 de maio de 2022 
  66. a b «Christiane Torloni deu vida à Helena politicamente incorreta de 'Mulheres apaixonadas'». Extra. 12 de novembro de 2011. Consultado em 10 de maio de 2022 
  67. «Na novela 'Em Família', Natália do Vale cita sua personagem adúltera de 'Mulheres Apaixonadas'». Folha de S. Paulo. 26 de fevereiro de 2014. Consultado em 10 de maio de 2022 
  68. Daniel Castro (24 de abril de 2003). «Outro Canal: Público aprova gays, mas reprova beijos». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  69. «Explosão conservadora». Folha de S. Paulo. 12 de julho de 1998. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  70. «'Qualquer pessoa está sujeita', diz Helena Ranaldi sobre violência doméstica». Yahoo!/UOL. 10 de abril de 2018. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  71. «Helena Ranaldi teve "crise de choro" ao gravar cena da raquete em "Mulheres Apaixonadas"». Jovem Pan. 31 de outubro de 2017. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  72. João Máximo (31 de março de 2003). «Personagem invisível brilha na novela das oito». O Globo. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  73. Daniel Castro (26 de abril de 2003). «Globo põe Gil em trilha de espancamento». Folha de S. Paulo. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  74. Elena Corrêa (4 de maio de 2003). «Gravadora pede para tirar música de Gil do ar». O Globo. Consultado em 16 de maio de 2019 
  75. a b c Mauro Ferreira (31 de março de 2003). «Mulheres Apaixonadas». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  76. «Gianecchini e Gabi vão interpretar trilha sonora de Mulheres Apaixonadas». Terra. 11 de fevereiro de 2003. Consultado em 16 de outubro de 2019 
  77. a b Mauro Ferreira (25 de agosto de 2003). «Mulheres Apaixonadas 2». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  78. a b c Daniel Castro (26 de junho de 2003). «Formada». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  79. Robinson Borges (30 de janeiro de 2003). «Manoel Carlos é a esperança da Rede Globo». Valor Econômico. Consultado em 10 de maio de 2022 
  80. «O piloto do horário nobre da TV Globo». Jornal do Brasil. 23 de fevereiro de 2003. Consultado em 10 de maio de 2022 
  81. Daniel Castro (19 de fevereiro de 2003). «Registro». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de maio de 2022 
  82. «'Mulheres Apaixonadas' faz bonito no IBOPE». O Estado de S. Paulo. 22 de fevereiro de 2003. Consultado em 10 de maio de 2022 
  83. Daniel Castro (22 de fevereiro de 2023). «Felicidade». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de maio de 2022 
  84. Keila Jimenez (13 de maio de 2003). «'Mulheres' e 'Eperança': Ibope similar». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  85. a b c Lilian Fernandes (1º de junho de 2003). «Público já se apaixona». O Globo. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  86. a b c Ricardo Valladares; Silvia Rogar (9 de julho de 2003). «Mulheres apaixonadas e apaixonantes». Grupo Abril. Veja. 36 (27): 68–74. ISSN 0100-7122. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  87. Daniel Castro (25 de junho de 2003). «Sobe». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  88. a b Adriana del Ré (11 de agosto de 2003). «Tiroteiro rende 48 pontos de audiência». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  89. Daniel Castro (13 de agosto de 2003). «Estratosfera». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  90. Daniel Castro (15 de agosto de 2003). «Recorde». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  91. Luiz Carlos Merten (13 de outubro de 2003). «A vida como ela é em 'Mulheres Apaixonadas'». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  92. Mauricio Stycer (20 de outubro de 2017). «Salto no Ibope de A Força do Querer não acontecia no horário desde 2003». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2022 
  93. Fernandes, Wandreza (3 de setembro de 2008). «Reprise de de Mulheres Apaixonadas, mantém audiência». Área VIP. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  94. «Mulheres Apaixonadas bate audiência de Negócio da China». UOL. 15 de janeiro de 2009. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  95. Daniel Castro (2 de fevereiro de 2009). «Outro Canal». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  96. Elizabeth Antunes (18 de fevereiro de 2009). «'Mulheres apaixonadas' dá mais ibope que novelas atuais». Patrícia Kogut/O Globo. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  97. Esther Hamburger (19 de fevereiro de 2003). «Análise: "Mulheres Apaixonadas" reforça opção folhetinesca». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  98. Xico Sá (25 de fevereiro de 2003). «Mulheres demais ressuscitam novelão das 8». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  99. Ricardo Valladares (26 de fevereiro de 2003). «Mulheres desesperadas». Veja. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  100. Marina Monzillo (24 de fevereiro de 2003). «Mulheres Apaixonadas». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  101. a b Artur Xexéo (19 de fevereiro de 2003). «Um primeiro capítulo que dá a vontade de ver mais». O Globo. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  102. a b Leila Reis (23 de fevereiro de 2003). «Novelão de Manoel Carlos é o refresco da TV». O Estado de S. Paulo. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  103. Cristina Padiglione (19 de fevereiro de 2003). «Ficção realista atropela 'Mulheres'». O Estado de S. Paulo. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  104. «"Heloquisa" é a melhor neurótica e ciumenta de Manoel Carlos». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. 29 de agosto de 2006. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  105. a b Daniel Castro (3 de março de 2003). «Nova novela das oito atrai mais pobres». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  106. a b c Laura Mattos (22 de junho de 2003). «Merchandising bate recorde, diz autor de novela». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  107. Etienne Jacintho (6 de julho de 2003). «Quanto vale o show das marcas?». O Estado de S. Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  108. a b «Sex and Sanctimony». Newsweek (em inglês). IBT Media. 27 de julho de 2003. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  109. a b c d e «Mercado Brasileiro de Música» (PDF). Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  110. «Norah Jones canta música de novela e leva 3º Grammy». Folha de S. Paulo. 23 de fevereiro de 2003. Consultado em 13 de outubro de 2019 
  111. «APCA elege os melhores de 2003». O Estado de S. Paulo. 17 de dezembro de 2003. Consultado em 17 de maio de 2022 
  112. a b «Globo lidera ganhadores de Troféu Imprensa 2004». Terra. 17 de maio de 2004. Consultado em 17 de maio de 2022 
  113. «6º Prêmio Contigo! - Vencedores». Contigo!. Abril. Consultado em 10 de maio de 2022 
  114. «Faustão entrega prêmio aos "Melhores de 2003"». Terra. 28 de dezembro de 2003. Consultado em 10 de maio de 2022 
  115. «Casseta & Planeta e suas novelas recauchutadas». O Estado de S. Paulo. 23 de setembro de 2003. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  116. «Helena Ranaldi vai ao "CQC" para se "vingar" de raquetadas de Dan Stulbach». UOL. 28 de abril de 2015. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  117. Daniel Castro (10 de março de 2004). «Globo bate recorde de merchandising social». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. Consultado em 17 de outubro de 2019 
  118. a b c d «Mulheres Apaixonadas inspira lançamentos de livros». Gazeta Digital. 14 de setembro de 2003. Consultado em 17 de novembro de 2019 
  119. «Lançado programa de combate à violência contra a mulher». O Estado de S. Paulo. 27 de agosto de 2003. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  120. «Novela faz mulher perder o medo de denunciar». O Estadão. 29 de setembro de 2003. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  121. «Mídia é importante parceira no combate à violência contra mulher». Época Negócios. 25 de novembro de 2020. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  122. Giba Bergamin Jr. (27 de setembro de 2003). «Crescem denúncias de idosos agredidos». Folha de S. Paulo. Consultado em 13 de agosto de 2019 
  123. a b «Sarney recebe atores de "Mulheres Apaixonadas"». Senado Federal. 4 de setembro de 2003. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  124. «Globo exibe polêmica cena de tiroteio em "Mulheres Apaixonadas"». Folha de S. Paulo. UOL. 9 de agosto de 2003. Consultado em 14 de setembro de 2021 
  125. «Passeata Brasil Sem Armas leva 40 mil às ruas no Rio». Agência Brasl. 14 de setembro de 2003. Consultado em 19 de agosto de 2022 
  126. Carla Neves (22 de janeiro de 2014). «Bruna Marquezine chora ao falar sobre Helena: "É síndrome da Salete"». UOL. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  127. Cristiane Rodrigues (17 de junho de 2020). «Vannessa Gerbelli relembra parceria com Bruna Marquezine em 'Mulheres Apaixonadas': 'Fenômeno de espontaneidade'». Gshow. Consultado em 18 de junho de 2020 
  128. Guilherme Rodrigues (18 de dezembro de 2018). «Regiane Alves relembra no Vídeo Show 'jornalzada' e ameça com rottweilers por causa da Dóris de Mulheres Apaixonadas». UOL. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  129. «Regiane Alves diz que personagem que agredia os avós seria amada hoje: 'Tempos estranhos'». Folha de S. Paulo. Grupo Folha. 12 de abril de 2019. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  130. «O Personagem que Mudou a Minha Vida: Giulia Gam elege Heloísa, de Mulheres Apaixonadas». Rede Globo. 28 de maio de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  131. «Manoel Carlos fala sobre seu sucesso do ano». O Estado de S. Paulo. 29 de setembro de 2003. Consultado em 16 de dezembro de 2019 

Ligações externasEditar