Abrir menu principal

Lista de governantes da Baviera

artigo de lista da Wikimedia

Esta é uma lista de governantes durante a história da Baviera. A Baviera foi governada por vários duques e reis, dividida e reunificada, sob o controle de várias dinastias. Desde 1949, a Baviera é um estado democrático da República Federal da Alemanha.

Índice

Ducado da BavieraEditar

Dinastia AgilolfingaEditar

Por volta de 548 os reis dos Francos colocaram a região fronteiriça da Baviera sob governo de um duque (provavelente franco ou então escolhodo por entre as famílias nobres locais) que se supunha atuar como governador em nome do rei Franco. O primeiro duque conhecido foi Garibaldo, membro da poderosa e influente Casa Agilolfinga, que dominou a Baviera até à sua extinção em 788.

Nome Imagem Início do governo Fim do governo Parte Notas
Garibaldo I 555 591 Baviera Primeiro duque da Baviera. Algumas fontes designam-no como Reis dos Bávaros.[1]
Tassilão I 591 610 Baviera Auto-proclamou-se Rei da Baviera.
Garibaldo II 610 630 Baviera
Teodão   680 11 de dezembro de 716 Baviera No seu governo, o ducado bávaro alcançou a independência efetiva dos reis francos. Os seus filhos dividiriam o ducado entre si, mas em 719 acabou por reverter por inteiro para Grimualdo da Baviera.
Teobaldo 702 719 Partes da Baviera Filho de Teodão. Governa conjuntamente com Teodoberto, Tassilão II e Grimualdo.
Teodoberto 711 Salzburgo Filho de Teodão.
Tassilão II 11 de dezembro de 716 Passau Filho de Teodão.
Grimualdo 725 Frisinga (até 719)
Baviera (após 719)
Filho de Teodão.
Huberto 725 737 Baviera Filho de Teodoberto. Em 725(?), Carlos Martel, governador de facto, mas não oficialmente. No seu tempo o reino franco quis reassumir autoridade régia no ducado, assassinando o seu antecessor, Grimualdo e anexando várias porções da Baviera.
Odilo 737 18 de Janeiro de 748 Baviera Filho de Godofredo da Alamânia.
Grifo 18 de Janeiro de 748 748 Baviera Usurpador carolíngio. Usurpou o trono ducal da Baviera
Tassilão III   748 788 Baviera Em 757 reconheceu a suserania do rei franco Pepino III e prestou vassalagem a Carlos Magno em 781, e de novo em 787, enquanto perseguia ua política mais independente. Em 788, Carlos Magno condeu Tassilão à morte por traição. Tendo-lhe sido garantido o perdão, entrou num mosteiro e renunciou formalmente ao seu ducado em Frankfurt am Main, em 794.

Dinastia Carolíngia e Dominação direta do Sacro Império Romano-GermânicoEditar

Os Reis Francos assumiram controlo total sobre a Baviera, colocando a Baviera sob governadores de cargo não hereditário e servos civis. Os Carolíngios não se entitulavam Duques, mas sim Reis. Após o Tratado de Verdun de 840, que dividia as posses de Luís I, o Piedoso entre os seus filhos, coube à Frância Oriental, mais tarde designada Alemanha, que coube o governo da Baviera.

Nome Imagem Início do governo Fim do governo Parte Notas
Carlos I, o Grande   788 794 Baviera Rei dos Francos desde 771. Em 794 entrega o governo da Baviera a um governador.
Geraldo de Vintzgau 794 799 Baviera Governador subserviente aos Carolíngios.
Carlos I, o Grande   799 28 de janeiro de 814 Baviera Rei dos Francos desde 771. Em 794 entrega o governo da Baviera a um governador.
Lotário I   28 de janeiro de 814 817 Baviera Pelo Tratado de Verdun, divide o seu império entre os filhos. Em 817, Luís cedeu o trono germânico ao seu filho, que se auto-proclamou Rei da Baviera.
Luís I, o Piedoso   817 817 Baviera Pelo Tratado de Verdun, divide o seu império entre os filhos. Em 817, Luís cedeu o trono germânico ao seu filho, que se auto-proclamou Rei da Baviera.
Luís II, o Germânico   817 864 Baviera Filho de Luís I. Era suposto que, quando Luís I lhe cedeu a Baviea em 817, que Luís o Germânico a governasse subordinado a seu pai, até à morte deste em 840. A partir de 843, a Baviera integrou a Frância Oriental. Em 864, Luís cedeu a Baviera a seu filho Carlomano. A este sucederam-lhe os irmãos, Luís e Carlos.
Carlomano   864 29 de setembro de 880 Baviera Filho primogénito de Luís II.
Luís III, o Jovem   29 de setembro de 880 20 de janeiro de 882 Baviera Filho de Luís II
Carlos II, o Gordo   20 de janeiro de 882 887 Baviera Filho mais novo de Luís II. Unificou, pouco antes da sua morte, todas as posses dos Carolíngios, chegando mesmo a Imperador.
Arnulfo I   887 8 de dezembro de 899 Baviera Bastardo de Carlomano, revoltou-se contra Carlos II e tomou o poder.
Engeldeu 890 895 Baviera Opositores não-dinásticos, com o título de Margrave.
Leopoldo 895 907 Baviera
Luís IV, o Menino   8 de dezembro de 899 24 de setembro de 911 Baviera Filho de Arnulfo

O Ducado da Baviera como feudo de encargo imperialEditar

Em 911, com a morte do último Carolíngio, a Baviera tornou-se um feudo cujos governantes eram nomeados pelo Imperador Romano-Germânico. Assim se explica a grande variedade de famílias que, até 1180, possuíram o governo deste ducado. Eram duques semi-hereditários, uma vez que, apesar de o transmitirem à sua descendência, podiam a qualquer momento ser despojados da sua herança pelo Imperador, que, no seu lugar, apontava quem desejasse, não tendo de pertencer à mesma família.

Dinastia Leopoldina, 911–947Editar

      Dinastia Leopoldina

Leopoldo, fundador dos Leopoldinos, não era Duque da Baviera, mas pretendeu aquela terra no tempo dos últimos Carolíngios, Arnulfo e Luís A Criança. Era um Margrave da Caríntia, então também sob alçada carolíngia. O poder franco começou a ceder dadas as invasões frequentes dos povos húngaros, dando aos governantes destas províncias mais afastadas (provavelmente por falta de apoio) maior margem de manobra, e consequentemente uma maior independência. O filho de Leopoldo, Arnulfo, reclamou o título de Duque a partir de 911, e foi reconhecido como tal em 920.

Reis alemães e parentes, 947–1070Editar

      Casa de Liudolfing       Dinastia Saliana       Casa de Luxemburgo

Entre 947 e o século XI, os reis da Alemanha interferiram com maior frequência na política bávara, mudando o governo com frequência (por vezes instalando-se eles próprios), nunca deixando que uma determinada família se instalasse como governante. Foi o período não-hereditário do ducado bávaro, com várias famílias a governar e a sucederem-se entre si, muitas vezes não estando sequer relacionadas.

Casas de Guelfos e Babenberg, 1070–1180Editar

      Casa de Guelfos       Casa de Babenberg

Em 1070, Henrique IV do Sacro Império Romano-Germânico depôs o duque Otão, dando o ducado a Guelfo IV, membro da Família Este. Guelfo fez guerra com o Imperador alemão, que o privou do ducado por 19 anos, durante os quais o próprio imperador governou a terra; Guelfo recuperou o ducado em 1096, e restabeleceu a semi-hereditariedade na Baviera, transmitindo o ducado a seus filhos Guelfo II e Henrique IX. Em 1139, em consequência de novas guerras com o rei alemão Conrado III da Germânia, Henrique X (filho de Henrique IX) foi despojado do ducado, que foi entregue a Leopoldo IV da Áustria. Henrique XI sucede ao irmão sem descendentes, e pareceu querer estabelecer-se na Baviera, casando-se inclusivamente com a então viúva de Henrique X, Gertrudes. Porém, em 1156, o Imperador Frederico I oferece a Henrique o título de duque de Áustria em troca da Baviera, trato aceite nesse mesmo ano, pelo decreto Privielgium Minus. Foi o fim dos Babenberg na Baviera.

DuquesEditar

Nome Imagem Início do governo Fim do governo Casa Notas
Arnulfo, o Mau   24 de setembro de 911
920
14 de julho de 937 Leopoldina Filho de Leopoldo. Reclamou o título de duque em 911, que lhe foi concedido por Henrique I da Germânia em 920.
Eberardo 937 938 Leopoldina Banido pelo Imperador, que desejava reafirmar o seu controlo. No seu lugar é colocado o seu tio Bertoldo, irmão de Arnulfo.
Bertoldo 937 23 de novembro de 947 Leopoldina Filho mais novo de Leopoldo.
Henrique I   23 de novembro de 947 1 de novembro de 955 Liudolfing Filho de Henrique I da Germânia e portanto irmão de Otão I do Sacro Império Romano-Germânico, que deu a Baviera a este irmão, genro de Arnulfo o Mau.
Henrique II, o Belicoso   1 de novembro de 955 976 Liudolfing Em 985, guerreou contra o seu primo, Otão II do Sacro Império Romano-Germânico, que desta fora o privou do ducado, dando-o ao duque da Suábia (e primo) Otão., que acumulou assim os dois ducados
Otão I   976 982 Liudolfing Também duque da Suábia. Com a sua morte sem descendência, o ducado retornou aos Leopoldinos.
Henrique III, o Jovem 983 985 Leopoldina A Baviera foi dada ao filho de Bertoldo da Baviera, Henrique, que restaura por u breve período de tempo o governo dos Leopoldinos da Baviera, que termina definitivamente com o negócio que fez com o Imperador, trocando a Baviera pela Caríntia, em 985.
Henrique II, o Belicoso   985 995 Liudolfing Restaura o seu governo em 985.
Henrique IV, o Santo   995 1004 Liudolfing Filho de Henrique II. Henrique IV foi eleito Imperador em 1004 e nessa altura deu a Baviera ao cunhado, Henrique I do Luxemburgo.
Henrique V 1004 1009 Luxemburgo Filho de Siegfried do Luxemburgo. Em 1009 o ducado é-lhe retirado, dada a necessidade do Imperador de reafirmar a sua autoridade e controlo sobre as suas terras originais.
Henrique IV, o Santo   1009 1017 Liudolfing Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico
Henrique V 1017 27 de fevereiro de 1026 Luxemburgo Recupera a Baviera em 1017, e governa-a até à morte. Conrado II do Sacro Império Romano-Germânico, deu o ducado de Henrique V ao seu próprio filho, o futuro Imperador Henrique III, em 1026.
Henrique VI, o Negro   27 de fevereiro de 1026 1042 Saliana Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico, desde 1039. Filho de Conrado II do Sacro Império Romano-Germânico.
Henrique VII   1042 16 de outubro de 1047 Luxemburgo Filho de Frederico do Luxemburgo. Em 1042, [[Henrique III do Sacro Império Romano-Germânico], garantiu o ducado ao conde Henrique II do Luxemburgo, sobrinho de Henrique I/V do Luxemburgo-Baviera.
Henrique VI, o Negro   16 de outubro de 1047 1049 Saliana Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico.
Conrado I (Kuno) 1049 1053 Ezzonen Filho de Ludolfo da Lotaríngia.

Depois da morte de Henrique VII, o ducado regressou à administração imperial. Em 1049 Henrique VI dá o ducado a Conrado/Kuno, Conde de Zütphen, in 1049. Foi deposto.

Inês de Aquitânia (regente)   1053 1061 Saliana Regência; Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico. Filho de Henrique VI (III como Sacro-Imperador)
Henrique VIII   1053 1054 Saliana Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico. Filho de Henrique VI (III como Sacro-Imperador)
Conrado II 1054 1055 Saliana
Henrique VIII   1055 1061 Saliana Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico.
Otão II 1061 1070 Nordheim Em 1061, a Imperatriz Inês de Aquitânia confiou o ducado a Otão de Nordheim.
Guelfo I   1070 1077 Guelfos Guerreou com o Imperador Henrique IV, e foi provado do seu ducado em 1077, que voltou à administração direta do Imperador.
Henrique VIII   1077 1096 Saliana Administração direta do Sacro Império Romano-Germânico. Filho de Henrique VI (III como Sacro-Imperador)
Guelfo I   1096 6 de novembro de 1101 Guelfos Recuperou o ducado em 1096.
Guelfo II, o Gordo   6 de novembro de 1101 24 de setembro de 1120 Guelfos Filho do seu antecessor.
Henrique IX, o Negro   24 de setembro de 1120 13 de dezembro de 1126 Guelfos Irmão do anterior. Abdicou.
Henrique X, o Orgulhoso   13 de dezembro de 1126 20 de outubro de 1139 Guelfos Filho de Henrique IX. Numa luta de poder com o rei alemão, Conrado III da Germânia, este tirou-lhe o ducado.
Leopoldo I, o Generoso   20 de outubro de 1139 18 de outubro de 1141 Babenberg Aquando da sua morte, Conrado III da Germânia garantiu-o Henrique, irmão e herdeiro de Leopoldo.
Henrique XI, Jasomirgott   18 de outubro de 1141 1156 Babenberg Irmão de Leopoldo, sucedeu-lhe na Baviera e também nos domínios austríacos.
Henrique XII, o Leão   1156 1180 Guelfos Quando Frederico I se tornou rei da Alemanha, restaurou a Baviera à Casa de Guelfos, cujo chefe na altura era Henrique, filho de Henrique X. Também Duque da Saxónia.

Ducado hereditário da BavieraEditar

Em 1180, o Imperador Frederico I, despojou Henrique XII de todos os seus feudos por ter recusado auxílio nas campanhas italianas. Foi nesta altura que o Imperador colocou Otão VI de Wittelsbach no trono ducal, e a família acabou, por entre vários ramos, manter a Baviera em seu poder sucessivamente até 1918.

Casa de WittelsbachEditar

Partições da Baviera sob governo dos WittelsbachEditar

Ducado da Baviera
(1180-1253)
Baixa Baviera
(1ª criação)
(1253-1340)
Alta Baviera
(1ª criação)
(1253-1340)
Ducado da Baviera
(Linha da Alta Baviera)
(1340-1349)
Baixa Baviera
(2ª criação)
(1349-1353)
Alta Baviera
(2ª criação)
(1349-1363)
(dividido entre os restantes ducados)
Landshut
(1353-1503)
      
Straubing
(1353-1432)
(dividido entre os restantes ducados)
Munique
(1392-1503)
Ingolstadt
(1392-1445)
      
      
      
Dachau
(1467-1501)
             
             
Ducado da Baviera
(Linha de Munique)
(1503-1623)

Os governantesEditar

(Nota: A numeração dos duques é a mesma para todos os ducados, uma vez que todos se intitularam Duques da Baviera. Os duques estão numerados por ano de sucessão.)

Governante Nascimento Reinado Morte Parte Consorte Notas
Otão III O Cabeça Vermelha   1117 1180-1183 11 de julho de 1183 Baviera Inês de Loon
1169
onze filhos
Em 1180, Frederico I do Sacro Império Romano-Germânico deu a Baviera a Otão, que então retinha o senhorio de Wittelsbach.
Inês de Loon
(regente)
1150 1183-1189 1191 Baviera Otão I O Cabeça Vermelha
1169
onze filhos
Regente em nome do seu filho, Luís, assegurou a herança dele.
Luís I O de Kelheim   23 de dezembro de 1173 1189-1231 15 de setembro de 1231 Baviera Ludmila da Boémia
1204
um filho
Filho de Otão III, obteve o Eleitorado do Palatinado em 1214, sendo a partir daí conde Palatino do Reno. Foi assassinado.
Otão IV O Ilustre   7 de abril de 1206 1231-1253 29 de novembro de 1253 Baviera Inês do Palatinado
1222
Worms
onze filhos
Também Conde Palatino do Reno. Após a sua morte a Baviera foi repartida entre os seus dois filhos: Henrique recebeu a Baixa Baviera; Luís a Alta Baviera. Seria o início de uma série de divisões que perdurariam até ao início do séc. XVI.
Henrique XIII   19 de novembro de 1235 1253-1290 3 de fevereiro de 1290 Baixa Baviera Isabel da Hungria
1250
dez filhos
Filho de Otão IV, recebeu a Baixa Baviera depois da partição de 1253.
Luís II O Rigoroso   13 de abril de 1229 1253-1294 2 de fevereiro de 1294 Alta Baviera Maria de Brabante
2 de agosto de 1254
(decapitada)
sem filhos

Ana de Głogów
1260
dois filhos

Matilde de Áustria
24 de outubro de 1273
quatro filhos
Filho de Otão IV, recebeu a Alta Baviera depois da partição de 1253.
Otão V O Bávaro   11 de fevereiro de 1261 1290-1312 9 de novembro de 1312 Baixa Baviera Catarina de Áustria
janeiro de 1279
dois filhos

Inês de Głogów
18 de maio de 1309
dois filhos
Filhos de Henrique XIII, governaram em conjunto. EM 1305, Otão tornou-se Rei da Hungria e da Croácia, como neto de Béla IV da Hungria.
Luís III 9 de outubro de 1269 1290-1296 9 de outubro de 1296 Baixa Baviera Isabel de Lorena
1287
sem filhos
Estêvão I 14 de março de 1271 1290-1310 10 de dezembro de 1310 Baixa Baviera Judite de Świdnica-Jawor
1299
oito filhos
Matilde de Áustria (regente)   1253 1294-1296 23 de dezembro de 1304 Alta Baviera Luís II O Rigoroso
24 de outubro de 1273
quatro filhos
Viúva de Luís II, e regente em nome dos filhos menores.
Rodolfo I O Gago   4 de outubro de 1274 1296-1317 12 de agosto de 1319 Alta Baviera Matilde de Nassau
1 de setembro de 1294
Nuremberga
seis filhos
Governou com seu irmão Luís IV. Em 1317 Rodolfo abdicou dos seus direitos bávaros para o irmão, que em 1328 foi eleito Sacro Imperador Romano-Germânico, e em 1340 reuniu a Baviera sob o seu cetro.
Henrique XIV O Velho 29 de setembrp de 1305 1312-1339 1 de setembro de 1339 Baixa Baviera Margarida da Boémia
12 de agosto de 1328
dois filhos.
Filhos de Estêvão I (Henrique XIV e Otão VI) e de Otão V (Henrique XV). Governaram em conjunto.
Otão VI 3 de janeiro de 1307 1312-1334 14 de dezembro de 1334 Baixa Baviera Ricarda de Jülich
1330
um filho
Henrique XV O de Natternberg 28 de agosto de 1312 1312-1333 18 de junho de 1333 Baixa Baviera Ana de Áustria
entre 1326 e 1328
sem filhos
João I A Criança 29 de novembro de 1329 1339-1340 20 de dezembro de 1340 Baixa Baviera Ana da Alta Baviera
18 de abril de 1339
Munique
sem filhos
Não deixou filhos, o que permitiu a seu primo e sogro Luís IV reunir a Baviera, em 1340.
Luís IV O Bávaro   5 de abril de 1282 1296-1340 11 de outubro de 1347 Alta Baviera Beatriz de Świdnica-Jawor
14 de outubro de 1308
seis filhos

Margarida II, Condessa de Holanda-Hainaut
26 de fevereiro de 1324
Colónia
dez filhos
Governou com o seu irmão Rodolfo I até 1317 — depois sozinho. Luís foi eleito Rei da Alemanha em 1314. Pelo Tratado de Pavia (1329) Luís abdicou do Palatinado do Reno para os filhos de Rodolfo I. Depois da morte de João I (1340, Luís reunificou a Baviera.

Administração direta do Sacro Império, desde 1328.
1340-1347 Baviera
Luís V O de Brandemburgo  | maio de 1315 1347-1349 18 de setembro de 1361 Baviera Margarida da Dinamarca
1324
sem filhos

Margarida, Condessa do Tirol
10 de fevereiro de 1342
Meran
quatro filhos
Filhos de Luís IV, dividiram a herança em 1349. Luís V, Luís VI e Otão VII ficaram com a Alta Baviera; Guilherme, Alberto e Estêvão com a Baixa Baviera. Depois da partição de 1349, receberam a Alta Baviera. Em 1351, Luís VI e Otão VII desistiram da herança bávara para tomar a dignidade eleitoral em Brandemburgo. Perdendo o Eleitorado de Brandemburgo em 1373, Otão regressou à Baviera para reclamar nova herança. Desta forma, partilha os bens dos sobrinhos (filhos de seu irmão Estêvão II).

Na Baixa Baviera, os irmãos fazem nova partição: Estêvão recebe o Landshut, Guilherme e Alberto recebem Straubing em conjunto, aos quais se junta Alberto II, filho de Alberto I, em 1389.

1349-1361 Alta Baviera
Luís VI O Romano   7 de maio de 1328 1347-1349 17 de maio de 1365 Baviera Cunegunda da Polónia
antes de 1349
sem filhos

Ingeborg de Mecklemburgo-Schwerin
1360
sem filhos
1349-1351 Alta Baviera
Otão VII O Indolente   1340/42 1347-1349 15 de novembro de 1379 Baviera Catarina da Boémia
19 de março de 1366
sem filhos
1349-1351 Alta Baviera
1375-1379 Baviera-Landshut
Estêvão II O Representante   1319 1347-1349 13 de maio de 1375 Baviera Isabel da Sicília
27 de junho de 1328
quatro filhos

Margarida de Nuremberga
14 de fevereiro de 1359
três filhos
1349-1353 Baixa Baviera
1353-1375 Baviera-Landshut
Guilherme I O Louco   12 de maio de 1330 1347-1349 15 de abril de 1389 Baviera Matilde de Leicester
1352
Londres
sem filhos
1349-1353 Baixa Baviera
1353-1389 Baviera-Straubing
Alberto I   25 de julho de 1336 1347-1349 13 de dezembro de 1404 Baviera Margarida de Brzeg
depois de 19 de julho de 1353
Passau
sem filhos

Margarida de Clèves
1394
Heusden
sem filhos
1349-1353 Baixa Baviera
1353-1404 Baviera-Straubing
Alberto II   1368 1389-1397 21 de janeiro de 1397 Baviera-Straubing Não casou
Meinardo I   9 de fevereiro de 1344 1361-1363 13 de janeiro de 1363 Alta Baviera Margarida de Áustria
4 de setembro de 1359
Passau
sem filhos
Não deixou descendentes. Após a sua morte, a Alta Baviera foi dividida entre os restantes ducados bávaros.
Dividido e definitivamente anexado pelos ducados de Baviera-Landshut e Baviera-Straubing
Frederico I O Sábio 1339 1375-1393 4 de dezembro de 1393 Baviera-Landshut Ana de Neuffen
1360<brum filho

Madalena Visconti
2 de setembro de 1381
cinco filhos
Governaram conjuntamente (e com o tio Otão VII até 1379). Em 1392 os irmãos dividiram a terra uma vez mais. Frederico reteve Landshut para si, Estêvão recebeu Ingolstadt e João Munique.
Estêvão III O Magnífico 1337 1375-1392 26 de setembro de 1413 Baviera-Landshut Tadeia Visconti
13 de outubro de 1364
dois filhos

Isabel de Clèves
17 de janeiro de 1401
Colónia
dois filhos
1392-1413 Baviera-Landshut-Ingolstadt
João II 1341 1375-1392 14 de junho/1 de julho de 1397 Bavaria-Landshut Catarina da Gorizia
1372
três filhos
1392-1393 Baviera-Landshut-Munique
Henrique XVI O Rico   1386 1393-1450 30 de julho de 1450 Baviera-Landshut Margarida de Áustria
25 de novembro de 1412
Landshut
seis filhos
Anexou Ingolstadt em 1445.
Ernesto I   1373 1397-1438 2 de julho de 1438 Baviera-Landshut-Munique Isabel Visconti
26 de janeiro de 1395
Pfaffenhofen an der Ilm
quatro filhos
Governaram em conjunto.
Guilherme II   1375 1397-1435 12 de setembro de 1435 Baviera-Landshut-Munique Não casou
Guilherme III   5 de abril de 1365 1404-1417 31 de maio de 1417 Baviera-Straubing Margarida de Borgonha
12 de abril de 1385
Cambrai
um filho
Filho primogénito de Alberto I.
Luís VII O Barbudo   1368 1413-1443 1 de maio de 1447 Baviera-Landshut-Ingolstadt Ana de Bourbon-La Marche
1 de outubro de 1402
dois filhos

Catarina de Alençon
1413
dois filhos
Detido pelo próprio filho, que se aliava a Henrique XVI da Baviera-Landshut. Morreu na prisão.
Jaquelina   15 de julho de 1401 1417-1432 8 de outubro de 1436 Baviera-Straubing João, Delfim de França
6 de agosto de 1415
Haia
sem filhos

João IV, Duque de Brabante
10 de março de 1418
Haia
(anulação duvidosa em 1422)
sem filhos

Humberto de Lencastre, Duque de Gloucester
7 de março de 1423
Hadleigh
(secretamente; anulação duvidosa em 1428)
sem filhos

Frank van Borssele
1434
sem filhos
Contestada pelo tio, João III. Em 1432 abdicou de todos os títulos e terras. Straubing foi desta forma dividida entre os restantes ducados bávaros.
João III O Impiedoso (oponente)   1374 1417-1425 6 de janeiro de 1425 Baviera-Straubing
(a contestar)
Isabel I, Duquesa do Luxemburgo
1418
sem filhos
Filho de Alberto I. Contestou Jaqueline até à sua morte em 1425.
Dividido e anexado defintivamente pelos restantes ducados bávaros
Alberto III   27 de março de 1401 1438-1460 29 de fevereiro de 1460 Baviera-Landshut-Munique Agnes Bernauer
c.1432?
(morganático)
sem filhos

Ana de Brunswick-Grubenhagen
22 de janeiro de 1437
Munique
dez filhos
Filho de Ernesto.
Luís VIII O Corcunda 1 de setembro de 1403 1443-1445 7 de abril de 1445 Baviera-Landshut-Ingolstadt Margarida de Brandemburgo
20 de julho de 1441
sem filhos
Depois da sua morte Ingolstadt foi novamente anexado a Landshut.
Defintivamente anexado pelo Ducado da Baviera-Landshut
Luís IX O Rico   23 de fevereiro de 1417 1450-1479 18 de janeiro de 1479 Baviera-Landshut Amália da Saxónia
21 de março de 1452
Landshut
quatro filhos
João IV 4 de outubro de 1437 1460-1463 18 de novembro de 1463 Baviera-Landshut-Munique Não casou Filho de Alberto III, governou com os irmãos. Em 1467, Sigismundo criou o seu próprio ducado, com centro em Dachau.
Sigismundo   26 de julho de 1439 1460-1467 1 de fevereiro de 1501 Baviera-Landshut-Munique Não casou Em 1467, Sigismundo criou o seu próprio ducado, com centro em Dachau, mas não deixou descendência, e o ducado voltou para a Baviera-Munique após a sua morte.
1467-1501 Baviera-Landshut-Munique-Dachau
Jorge I O Rico   15 de agosto de 1455 1479-1503 1 de dezembro de 1503 Baviera-Landshut Edviges da Polónia
14 de novembro de 1475
Landshut
cinco filhos
Não deixou herdeiros masculinos, pelo que o seu ducado, após a sua morte, integrou a Baviera-Munique, que desta forma pôde reunificar a Baviera.
Alberto IV O Sábio   15 de dezembro de 1447 1460-1503 18 de março de 1508 Baviera-Landshut-Munique Cunegunda da Áustria
3 de janeiro de 1487
Munique
sete filhos
Governou com os irmãos até 1467. Reuniu o ducado em 1503. Em 1506 Alberto decretou que o ducado apenas deveria passar de geração em geração de acordo com as leis da primogenitura.
1503-1508 Baviera
Guilherme IV O Firme   13 de novembro de 1493 1508-1550 7 de março de 1550 Baviera Maria de Baden-Sponheim
5 de outubro de 1522
Munique
quatro filhos
Filhos de Alberto IV. Foram o último par de irmãos a governar em conjunto a Baviera.
Luís X   18 de setembro de 1495 1516-1545 22 de abril de 1545 Baviera Não casou
Alberto V O Magnânimo   29 de fevereiro de 1528 1550-1579 24 de outubro de 1579 Baviera Ana de Áustria
4 de julho de 1546
Regensburg
sete filhos
Guilherme V O Piedoso   29 de setembro de 1548 1579-1597 7 de fevereiro de 1626 Baviera Renata de Lorena
22 de fevereiro de 1568
Munique
dez filhos
Abdicou para o filho em 1597.
Maximiliano I O Grande   17 de abril de 1573 1597-1623 27 de setembro de 1651 Baviera Isabel de Lorena
9 de fevereiro de 1595
Nancy
sem filhos

Maria Ana de Áustria
15 de julho de 1635
Viena
dois filhos
Filho de Guilherme V, era um aliado de Fernando II do Sacro Império Romano-Germânico na Guerra dos Trinta Anos. Quando o Eleitor do Palatinado, Frederico V, chefe de um ramo dos Wittelsbach, se envolveu na guerra contra o Imperador, foram-lhe retirados todos os títulos e cargos políticos. Maximiliano recebeu o Eleitorado do Palatinado em 1623.

Eleitores da BavieraEditar

Casa de WittelsbachEditar

# Nome Início do governo Fim do governo Cognome(s) Notas
1 Maximiliano I   25 de Fevereiro de 1623 27 de Setembro de 1651 Até 1623, Maximiliano foi Duque da Baviera .
2 Fernando Maria   27 de Setembro de 1651 26 de Maio de 1679
3 Maximiliano II Emanuel   26 de Maio de 1679 26 de Fevereiro de 1726
4 Carlos Alberto   26 de Fevereiro de 1726 20 de Janeiro de 1745
5 Maximiliano III José   20 de Janeiro de 1745 30 de Dezembro de 1777
6 Carlos Teodoro   30 de Dezembro de 1777 16 de Fevereiro de 1799
7 Maximiliano IV José   16 de Fevereiro de 1799 1 de Janeiro de 1806 A partir de 1806, Maximiliano torna-se o primeiro rei da Baviera.

Reis da BavieraEditar

Casa de WittelsbachEditar

# Nome Início do governo Fim do governo Cognome(s) Notas
1 Maximiliano I   1 de Janeiro de 1806 13 de Outubro de 1825 Até 1806, Maximiliano era Eleitor da Baviera.
2 Luís I   13 de Outubro de 1825 20 de Março de 1848
3 Maximiliano II   20 de Março de 1848 10 de Março de 1864
4 Luís II   10 de Março de 1864 13 de Junho de 1886
5 Otão   13 de Junho de 1886 5 de Novembro de 1913
6 Luís III   5 de Novembro de 1913 13 de Novembro de 1918 Luís III acabou por perder o trono na Revolução Espartaquista, no final da Primeira Guerra Mundial.

Ligações externasEditar

  • Paulo, o Diácono (1907), History of the Langobards (Historia Langobardorum) Arquivado em 29 de maio de 2009, no Wayback Machine., William Dudley Foulke, trad. (Philadelphia: University of Pennsylvania), III, x Arquivado em 25 de setembro de 2008, no Wayback Machine., chama-o "Rei dos Bávaros". A fonte de meados do século XIII, Series Ducum Bavariæ designa-o Garibaldus rex, veja FMG. Arquivado em 2008-02-24 no Wayback Machine.