Abrir menu principal

Wikipédia β

Roma Antiga

(Redirecionado de Civilização romana)
Nota: Romano e romana redirecionam para este artigo. Para outros significados dos termos, veja Romanos e Romana (desambiguação).



Roma Antiga
753 a.C. – 476

Brasão de Roma Antiga

Brasão

Localização de Roma Antiga
Animação da evolução territorial do Estado romano.
Continente Eurásia e África
Capital Roma (753 a.C.-330)

Constantinopla (330-476)

Língua oficial Latim
Governo Reino (753 a.C.-509 a.C.)
República (509 a.C.- 27 a.C.)
Império (27 a.C.-476 d.C.)
Período histórico Antiguidade
 • 753 a.C. Fundação de Roma
 • 509 a.C. Queda de Tarquínio, o Soberbo
 • 27 a.C. Otaviano proclamado Augusto
 • 476 Queda do Império Romano

Roma Antiga foi uma civilização itálica que surgiu no século VIII a.C. Localizada ao longo do Mar Mediterrâneo e centrada na cidade de Roma, na Península Itálica, expandiu-se para se tornar um dos maiores impérios do mundo antigo,[1] com uma estimativa de 50 a 90 milhões de habitantes (cerca de 20% da população global na época[2][3]) e cobrindo 6,5 milhões de quilômetros quadrados no seu auge entre os séculos I e II.[4][5][6]

Em seus cerca de 12 séculos de existência, a civilização romana passou de uma monarquia para a república clássica e, em seguida, para um império cada vez mais autocrático. Através da conquista e da assimilação, ele passou a dominar a Europa Ocidental e Meridional, a Ásia Menor, o Norte da África e partes da Europa Setentrional e Oriental. Roma foi preponderante em toda a região do Mediterrâneo e foi uma das mais poderosas entidades políticas do mundo antigo. É muitas vezes agrupada na Antiguidade Clássica, juntamente com a Grécia Antiga e culturas e sociedades semelhantes, que são conhecidas como o mundo greco-romano.

A sociedade romana antiga contribuiu para o governo, o direito, a política, a engenharia, as artes, a literatura, a arquitetura, a tecnologia, a guerra, as religiões, as línguas e as sociedade modernas. Como uma civilização altamente desenvolvida, Roma profissionalizou e expandiu suas forças armadas e criou um sistema de governo chamado res publica, a inspiração para repúblicas modernas,[7][8][9] como os Estados Unidos e a França. Conseguiu feitos tecnológicos e arquitetônicos impressionantes, tais como a construção de um amplo sistema de aquedutos e estradas, bem como a construção de grandes monumentos, palácios e instalações públicas.

Até o final da República (27 a.C.), Roma tinha conquistado as terras em torno do Mediterrâneo e além: seu domínio se estendia do Atlântico à Arábia e da boca do Reno ao norte da África. O Império Romano surgiu com o fim da República e da ditadura de Augusto César. Os 721 anos de Guerras Romano-Persas começaram em 92 a.C. com a sua primeira guerra contra o Império Parta. Este se tornaria o mais longo conflito da história humana e teve grandes efeitos e consequências duradouros para ambos os impérios. Sob Trajano, o Império atingiu o seu pico territorial. Os costumes e as tradições republicanas começaram a diminuir durante o período imperial, com guerras civis tornando-se um prelúdio comum para o surgimento de um novo imperador.[10][11][12] Estados dissidentes, como o Império de Palmira, iriam dividir temporariamente o Império durante a crise do terceiro século. Atormentado pela instabilidade interna e atacado pelas invasões bárbaras, a parte ocidental do império dividiu-se em reinos independentes no século V. Esta fragmentação é um marco para os historiadores, que a usam para dividir a Antiguidade Tardia da "Idade das Trevas" pré-medieval na Europa.

Índice

História

 Ver artigo principal: História de Roma

Mito fundador

 Ver artigo principal: Fundação de Roma
 
De acordo com a lenda, Roma foi fundada em 753 a.C. por Rômulo e Remo, que foram criados por uma loba.

Os antigos povos que habitavam a região do Lácio, os latinos, pequeno povo de camponeses indo-europeus vindo da Ásia e do centro da Europa,[13] nas proximidades de Roma, desenvolveram uma economia baseada na agricultura e nas atividades pastoris. A sociedade, nesta época, era formada por patrícios (nobres proprietários de terras) e plebeus (comerciantes, artesãos e pequenos proprietários). O sistema político era a monarquia: a cidade era governada por um rei, originalmente de origem latina, porém os últimos reis do período monárquico foram de origem etrusca.[carece de fontes?]

Os romanos deste período eram politeístas, venerando deuses semelhantes aos dos gregos (embora com nomes diferentes). Os gregos também influenciavam, juntamente com os etruscos, as primeiras formas de arte realizadas pelos romanos deste período.[carece de fontes?]

Conforme a versão lendária da fundação de Roma, relatada em diversas obras literárias romanas, tais como a Ab Urbe condita libri[14] (literalmente, "desde a fundação da Cidade"), de Tito Lívio, e a Eneida, do poeta Virgílio, Eneias, príncipe troiano filho de Vénus, fugindo de sua cidade, destruída pelos gregos, chegou ao Lácio e se casou com uma filha de um rei latino.

Seus descendentes, Rómulo e Remo, filhos de Reia Sílvia, rainha da cidade de Alba Longa, com o deus Marte, foram jogados por Amúlio, rei da cidade, no rio Tibre. Mas foram salvos por uma loba que os amamentou, tendo sido, em seguida, encontrados por camponeses. Conta ainda a lenda que, quando adultos, os dois irmãos voltaram a Alba Longa, depuseram Amúlio e em seguida fundaram Roma, em [753 a.C. A data tradicional da fundação (21 de abril de 753 a.C.[15]) foi convencionada bem mais tarde por Públio Terêncio Varrão, atribuindo uma duração de 35 anos a cada uma das sete gerações correspondentes aos sete mitológicos reis. Segundo a lenda, Rômulo matou o irmão e se transformou no primeiro rei de Roma.[carece de fontes?]

Reino

 Ver artigo principal: Reino de Roma
 
Cícero denuncia Catilina, afresco que representa o senado romano reunido na Cúria Hostília. Palazzo Madama, Roma.
 
O Fórum Romano, o centro político, econômico, cultural e religioso da cidade durante a República e, mais tarde, durante o Império, está agora em ruínas.

A documentação do período monárquico de Roma encontrada até hoje é muito precária, o que torna este período menos conhecido que os períodos posteriores. Várias dessas anotações registram a sucessão de sete reis, começando com Rômulo em 753 a.C., como representado nas obras de Virgílio (Eneida) e Tito Lívio (História de Roma).[carece de fontes?]

A região do Lácio foi habitada por vários povos. Além dos latinos, os etruscos tiveram um papel importante na história da Monarquia de Roma, já que vários dos reis tinham origem etrusca.

O último rei de Roma teria sido Tarquínio, o Soberbo (534 a.C.-509 a.C.) que, em razão de seu desejo de reduzir a importância do senado na vida política romana, acabou sendo expulso da cidade e também assassinado. Este foi o fim da monarquia em Roma.[carece de fontes?]

Durante esse período, o monarca (rei) acumulava os poderes executivo, judicial e religioso, e era auxiliado pelo senado, ou conselho de anciãos, que detinha o poder legislativo e de veto, decidindo aprovar, ou não, as leis criadas pelo rei.[carece de fontes?]

República

 Ver artigo principal: República Romana

República Romana é a expressão usada por convenção para definir o Estado romano e suas províncias desde o fim do Reino de Roma em 509 a.C. ao estabelecimento do Império Romano em 27 a.C.

Durante o período republicano, Roma transformou-se de simples cidade-estado num grande império, voltando-se inicialmente para a conquista da península Itálica e mais tarde para a Gália e todo o mundo da orla do mar Mediterrâneo.[carece de fontes?]

Império

 
Maquete de Roma durante o reinado de Constantino (306-337)
 Ver artigo principal: Império Romano

Império Romano é a designação utilizada por convenção para referir o Estado romano nos séculos que se seguiram à reorganização política efetuada pelo primeiro imperador, Augusto. Embora Roma possuísse colônias e províncias antes desta data, o estado pré-Augusto é conhecido como República Romana.

Os historiadores fazem a distinção entre o Principado, período de Augusto à crise do terceiro século, e o Domínio ou Dominato que se estende de Diocleciano ao fim do Império Romano do Ocidente. Durante o Principado (da palavra latina princeps, que significa primeiro), a natureza autocrática do regime era velada por designações e conceitos da esfera republicana, manifestando os imperadores relutância em se assumir como poder imperial. No Domínio (palavra com origem em dominus, senhor), pelo contrário, estes últimos exibiam claramente os sinais do seu poder, usando coroas, púrpuras e outros ornamentos simbólicos do seu estatuto.[carece de fontes?]

Sociedade

 Ver artigo principal: Sociedade Romana

Os principais grupos sociais que se construíram em Roma eram os patrícios, os clientes, os plebeus e os escravos.

  • Patrícios: eram grandes proprietários de terras, rebanhos e escravos. Desfrutavam de direitos políticos e podiam desempenhar altas funções públicas no exército, na religião, na justiça ou na administração. Eram os cidadãos romanos.
  • Clientes: eram homens livres que se associavam aos patrícios, prestando-lhes diversos serviços pessoais em troca de auxílio econômico e proteção social. Constituíam ponto de apoio da dominação política e militar dos patrícios.
  • Plebeus: eram homens e mulheres livres que se dedicavam ao comércio, ao artesanato e aos trabalhos agrícolas. Apesar da conotação do nome, havia plebeus ricos.
  • Escravos: Representavam uma propriedade, e, assim, o senhor tinha o direito de castigá-los, de vendê-los ou de alugar seus serviços. Muitos escravos também eram eventualmente libertados.

Casamento

 
Paquius Proculus e a sua esposa. Fresco de Pompeia, século I, atualmente exposto no Museu de Capodimonte.
 Ver artigo principal: Casamento na Roma Antiga

Nos primeiros séculos da República Romana, existiam simultaneamente duas formas de casamento: a confarreatio, própria dos patrícios, e a coemptio, que era o casamento plebeu. A confarreatio consistia essencialmente numa cerimônia religiosa celebrada diante do altar doméstico: espalhava-se sobre a vítima imolada uma papa de farinha (feita de espelta, far) e dividia-se pelos noivos, que o comiam, um bolo, também feito de espelta. O caráter rústico e sem dúvida propriamente latino e muito arcaico deste rito é evidente. Constituía o momento solene das núpcias, mas era precedido e seguido de toda uma série de práticas pitorescas descritas pelos autores antigos. [carece de fontes?]

Na véspera do casamento, a jovem noiva oferecia as suas bonecas aos lares da casa paterna. No mesmo dia, vestia uma túnica branca (tunica recta) cujo pano fora tecido segundo um processo arcaico e que apertava na cintura com dois nós. Penteava o cabelo com a ajuda de um instrumento especial em ponta de lança (hasta caelibaris): o cabelo era dividido em seis madeixas atadas com pequenas fitas e reunidas num carrapito. Em seguida, sobre o cabelo assim penteado, dispunha-se um véu cor de laranja (flamineum) e por cima da túnica um manto (palla), espécie de xale largo que envolvia a parte superior do corpo. Por vezes, acrescentava-se uma coroa de flores e várias joias, um colar de ouro, pulseiras. A jovem noiva calçava sandálias da mesma cor que o flamineum.[carece de fontes?]

Terra e propriedade

 
Gravura que mostra dois romanos fazendo a colheita na Roma Antiga: a agricultura era a atividade econômica fundamental da época.

Na Roma antiga, a agricultura era a atividade econômica fundamental, diferente de outros povos da época, que preferiam dar maior importância ao comércio e ao artesanato. [carece de fontes?]. Mas isso se deve, em parte, à geografia favorável da península Itálica, que, diferentemente do que ocorria nas terras da Grécia, permitia o trabalho agrícola em grande escala.[carece de fontes?]

Alguns especialistas recentes acreditam que Roma se tenha formado a partir de uma aldeia de agricultores e pastores. Inicialmente, a terra era utilizada de forma comunitária, com base em grupos de famílias chamados clãs ou gens. Mas essa situação começara a mudar com a expansão de territórios e o crescimento econômico e populacional. As famílias mais antigas e poderosas, que possuíam terras mais férteis, passaram a apropriar-se de terras que até então eram públicas.[carece de fontes?]

Num processo de ocupação de terras, os romanos chegaram numa situação em que, de um lado, havia os grandes latifundiários que concentravam todos os poderes políticos das regiões e, de outro, os pequenos proprietários que, sem direitos de manifestação e de representação, viam-se arruinados pela contínua perda de suas próprias terras. Isso causou desequilíbrios sociais e, durante vários séculos, conflitos. A sociedade romana da época tinha um nível de desigualdade social abaixo dos países industrializados dos dias atuais, mesmo considerando a escravidão.[16][17]

Força militar

Roma foi um Estado militarista cuja história e desenvolvimento sempre foram muito relacionados às grandes conquistas militares, durante os seus doze séculos de existência. Então, o tema central a ser falado quando se discute a história militar da Roma Antiga é o sucesso conseguido pelos exércitos romanos em batalhas campais que garantiam sua hegemonia, desde a conquista da península Itálica às batalhas finais contra os bárbaros.[carece de fontes?]

A maior prova do sucesso militar do Império Romano foi sua expansão territorial, pela qual Roma passou de uma simples cidade-estado para um verdadeiro império, que abrangia boa parte da atual Europa Ocidental, boa parte do norte da África e uma parte da Ásia. Essas grandes conquistas militares do Império Romano se deram pelo avanço da ciência militar que ela desenvolveu, inovando cada vez mais na indústria bélica. Eles criaram armas que envolviam tática e força, como o corvo, o gládio, o pilo e a catapulta; mas também deve-se ressaltar que as conquistas romanas se deram pela grande organização e empenho dos exércitos.[carece de fontes?]

Podemos citar algumas guerras onde os Romanos tiveram grande êxito, como: As Guerras Samnitas, as Guerras Púnicas, a Guerra Lusitânica, as Guerras macedônicas, a Guerra Jugurtina, as Guerras Mitridáticas, as Guerras da Gália, as Guerras Cantábricas, as Guerras Germânicas de Augusto, as invasões romanas das ilhas britânicas, as Campanhas de Trajano na Dácia e as Campanhas de Trajano na Pártia. Mas os romanos não tiveram apenas guerras expansionistas, isto é, fora de seu território, também tiveram, assim como todos os impérios, revoltas e rebeliões internas. Dentre as quais, podemos citar: as revoltas do Ano dos quatro imperadores, as Guerras civis Romanas (várias), a Guerra Social, os Motins de Nika, a Revolta dos batavos, as revoltas dos judeus (várias) e as Guerras Servis. E no contexto de guerras expansionistas, revoltas e rebeliões romanas, não poderíamos deixar de destacar alguns dos grandes líderes militares de Roma, os grandes generais: Júlio César; Pompeu, o Grande; Lúcio Cornélio Sula; Caio Mário; Cipião Africano e Fábio Máximo.[carece de fontes?]

Engenharia, arquitetura e tecnologia

 
Aqueduto de Segóvia, Espanha, um aqueduto romano construído durante os séculos I e II
 Ver artigo principal: Arquitetura da Roma Antiga

Além de construir estradas que ligavam todo o império, os romanos edificaram aquedutos que levavam água limpa até as cidades e também desenvolveram complexos sistemas de esgoto para dar vazão à água servida e aos dejetos das casas.[carece de fontes?]

A arquitetura romana sofreu uma enorme influência da arquitetura grega, porém, adquiriu algumas características próprias. Os romanos, por exemplo, modificaram a linguagem arquitetônica que receberam dos gregos, uma vez que acrescentaram aos estilos herdados (dórico, jônico e coríntio) duas novas formas de construção: os estilos toscano e compósito.[carece de fontes?]

As características que abrangiam os traços arquitetônicos gregos e romanos foram chamadas de Arquitetura Clássica por muitos escritores. Alguns exemplos característicos deste estilo expandiram-se por toda a Europa, devido ao expansionismo do Império Romano, nomeadamente o aqueduto, a basílica, a estrada romana, o Domus, o Panteão, o arco do triunfo, o anfiteatro, termas e edifícios comemorativos.[carece de fontes?]

A evolução da arquitetura romana reflete-se fundamentalmente em dois âmbitos principais: o das obras públicas e o das particulares. No âmbito das obras públicas (templos, basílicas, anfiteatros, etc), elas apresentavam dimensões monumentais e quase sempre formavam um conglomerado desordenado em torno do fórum - ou praça pública - das cidades.[carece de fontes?]

As obras particulares, como os palácios urbanos e as vilas de veraneio da classe patrícia, se desenvolveram em regiões privilegiadas das cidades e em seus arredores, com uma decoração deslumbrante e distribuídas em torno de um jardim.[carece de fontes?]

A plebe vivia em construções de insulas muito parecidos com nossos atuais edifícios, com portas que davam acesso a sacadas e terraços, mas sem divisões de ambientes nesses recintos. Seus característicos tetos de telha de barro cozido ainda subsistem em pleno século XXI.[carece de fontes?]

Cultura

 
Jovem romano com toga. A toga era o traje distintivo dos homens romanos, enquanto as mulheres usavam estolas. A túnica era usado sob a toga, embora os pobres, escravos e crianças pequenas usassem apenas túnicas.
Estátua de c. 20 - 30 d.C. Gliptoteca de Munique
 Ver artigo principal: Cultura da Roma Antiga

Os balneários romanos espalharam-se pelas grandes cidades. Eram locais onde os senadores e membros da aristocracia romana iam para discutirem política e ampliar seus relacionamentos pessoais.

A língua romana era o latim, que depois de um tempo espalhou-se pelos quatro cantos do império, dando origem, na Idade Média, ao português, francês, italiano, romeno e espanhol (línguas neolatinas).[carece de fontes?]

A mitologia romana representava formas de explicação da realidade que os romanos não conseguiam explicar de forma científica. Trata também da origem de seu povo e da cidade que deu origem ao império. Entre os principais mitos romanos, podemos destacar o mito da Fundação de Roma, com Rômulo e Remo e o Rapto das Sabinas.[carece de fontes?]

Língua

 
Mosaico satírico da primeira metade do século III encontrado em Tisdro (atual El Jem), no que era a África Proconsular, que faz lembrar um cartoon, onde nem sequer faltam os balões escritos em latim
 Ver artigos principais: Línguas do Império Romano e Latim

A língua nativa dos romanos era o latim, uma língua itálica.[18] Seu alfabeto era baseado no alfabeto etrusco, que por sua vez era baseado no alfabeto grego.[19] Embora a maior parte da literatura latina sobrevivente seja composta quase inteiramente pelo latim clássico, uma língua literária e altamente estilizada, polida e artificial do século I a.C, a língua falada do Império Romano era o latim vulgar, que diferia significativamente do latim clássico em aspectos como gramática e vocabulário, e, eventualmente, na pronúncia.[20]

Enquanto o latim continuou a ser a principal língua escrita do Império Romano, o grego veio a ser a língua falada pela elite bem-educada, visto que a maioria da literatura estudada pelos romanos era escrita em grego. Na metade oriental do Império Romano, que mais tarde se tornou o Império Bizantino, o latim nunca foi capaz de substituir o grego e, após a morte de Justiniano I, o grego se tornou a língua oficial do governo bizantino.[21] A expansão do Império Romano espalhou o latim em toda a Europa e o latim vulgar evoluiu para dialetos em diferentes locais, mudando gradualmente e se tornando as muitas línguas românicas distintas atuais.

Educação

 Ver artigo principal: Educação na Roma Antiga

A educação na Roma Antiga progrediu de um sistema informal, familiar de educação no início da república, para um sistema baseado em aulas pagas durante o dominato e o império.[22] O sistema de ensino romano foi baseado no sistema grego - e muitos dos professores particulares no sistema romano eram escravos ou libertos gregos.[carece de fontes?]

Devido à extensão do poder de Roma, a metodologia e o currículo utilizado na educação romana foram copiados em suas províncias, e, assim, estabeleceu a base para os sistemas de educação em toda a civilização ocidental mais tarde. A educação organizada permaneceu relativamente rara, e há poucas fontes primárias ou relatos do processo educativo romano até o século II.[carece de fontes?]

Em razão do extenso poder exercido pelo paterfamilias sobre famílias romanas, o nível e a qualidade da educação oferecida às crianças romanas variavam drasticamente de família para família. No entanto, a moralidade popular romana veio eventualmente a esperar que os pais tivessem seus filhos, mas não inicialmente filhas, educados e, até certo ponto, uma educação avançada e completa era esperada de qualquer romano que desejava entrar na política.[23]

As escolas eram nitidamente democráticas no fato de que estavam abertas a todas as classes, e que as taxas eram pouco mais que nominais. Considerando a disciplina e o tratamento dos alunos, não foi feita qualquer distinção entre os filhos dos mais humildes e aqueles das famílias mais suntuosas.[24]

Religião

 Ver artigo principal: Religião na Roma Antiga

Os romanos tendiam ao sincretismo, enxergando os mesmos deuses sob diferentes nomes e em diferentes lugares do Império, aceitando e assimilando outros deuses europeus, como dos helenos, germânicos e celtas, e semíticos e de outros grupos no Oriente Médio. Sob a autoridade romana, os vários mitos nacionais mais parecidos com os de Roma foram incorporados por analogia no mito romano geral, consolidando ainda mais o controle imperial. Consequentemente, os romanos eram geralmente bastante tolerantes e aceitavam novas divindades e as experiências religiosas de outros povos que faziam parte do seu Império.[25]

Ascensão do cristianismo

 Ver artigo principal: Cristianismo e História do cristianismo
 
Pórtico do Templo de Antonino e Faustina, mais tarde transformado em uma igreja, San Lorenzo in Miranda.

Apegados ao monoteísmo, os cristãos não juravam o culto divino ao imperador, provocando reações violentas. As perseguições ocorreram em curtos períodos, embora violentos, na medida em que o culto divino ao imperador, estabelecido por Augusto mas formalizado por Domiciano, era aplicado nas províncias.[26] Muitos foram perseguidos, outros morreram nas arenas, devorados por feras. Ao mesmo tempo, cada vez mais pessoas se convertiam ao cristianismo, especialmente pobres e escravos, que se voltavam para a Igreja por acreditarem na promessa de vida eterna no Paraíso.

No ano 313, o imperador Constantino I fez publicar o Édito de Milão, que instituía a tolerância religiosa no império, beneficiando principalmente os cristãos. Com isso, recebeu apoio em sua luta para se tornar o único imperador e extinguir a tetrarquia. Em 361, assumiu o trono Juliano, que tentou reerguer o paganismo, dando-lhe consistência ético-filosófica e reabrindo os templos. Três anos depois o imperador morreu e, com ele, as tentativas de retomar a antiga religião romana. Em 380, Teodósio I (imperador de 379 a 395) oficializou o cristianismo nos territórios romanos e perseguiu os dissidentes. Após seu reinado, o império foi dividido em duas partes. Os filhos de Teodósio assumiram o poder: Arcádio herdou o Império Romano do Oriente, cujo centro político era Constantinopla (antiga Bizâncio, rebatizada em homenagem ao imperador Constantino, localizava-se onde hoje é a cidade turca de Istambul); a Honório coube o Império Romano do Ocidente, com capital em Roma.

Perseguições e fim do politeísmo

À época da conversão de Constantino I ao cristianismo, os pagãos ainda eram a imensa maioria da população de Roma e os cristãos perfaziam somente 10%, número bastante pequeno e incapaz de fazer do cristianismo uma prática comum e aceita.[27] Mesmo tendo uma maioria pagã, a conversão dos imperadores romanos ao cristianismo levou à perseguição da população pagã de Roma, até o completo aniquilamento das crenças ancestrais. As ações de Constâncio II, que reinou de 337 a 361, marcaram o início da era da perseguição formal contra o paganismo pelo Império Romano Cristão, com a emanação de leis e editos que puniam as práticas pagãs.[28][29]

A partir dos anos 350, novas leis impuseram a pena de morte para aqueles que realizassem ou participassem de sacrifícios pagãos e da adoração de ídolos,[30] os templos foram fechados[25][29] e o tradicional Altar da Vitória foi removido do Senado.[31] Houve também episódios frequentes de cristãos destruindo, saqueando, profanando e vandalizando muitos dos antigos templos pagãos, túmulos e monumentos.[32][33] Mas os rígidos editos imperiais tiveram que enfrentar o vasto seguimento do paganismo entre a população e a resistência passiva dos governadores e magistrados.[25][34][35][36]

Entre tempos de maior e de menor tolerância, a vida dos pagãos tornou-se cada vez mais difícil em Roma e a população foi sendo convertida ao cristianismo.[37] O triunfo do cristianismo no Ocidente sobre o paganismo romano, o arianismo e o paganismo dos bárbaros deveu-se, em grande medida, ao apoio que recebeu do Estado romano e das posteriores monarquias bárbaras convertidas.[38][39]

Arte

 Ver artigo principal: Arte da Roma Antiga
 
Pintura de uma mulher tocando cítara.

A cultura romana foi muito influenciada pela cultura grega. Os romanos adotaram muitos aspectos da arte, pintura e arquitetura grega. Ao longo de sua história, a arte romana sofreu três grandes influências: a etrusca (na técnica), a grega (na decoração) e a oriental (na monumentalidade). É comum se dizer que Roma conquistara a Grécia militarmente, fora por ela conquistada culturalmente. No começo do período imperial, destacavam-se os romanos que dominavam a língua grega, vestiam-se como os gregos e conheciam as notícias sobre Atenas e Corinto. Em Roma, as casas da elite eram decoradas com estátuas e vasos gregos, originais ou réplicas. Roma tornara-se "a maior cidade grega do mundo".[carece de fontes?]

A arte romana desenvolveu-se principalmente a partir do século II a.C. Para os romanos, a arquitetura era uma arte prática por excelência. Construíram obras importantes, como pontes, viadutos, aquedutos, arcos e colunas triunfais, estradas, termas, teatros, anfiteatros e circos. Destacavam-se as técnicas do arco pleno ou de meia circunferência, que permitiam a construção de abóbadas e cúpulas, e da coluneta ou conjunto de colunas. Embora se valessem de estilos gregos - jônico e coríntio -, os romanos desenvolveram dois tipos de colunas: a toscano e o compósito (uma sobreposição dos dois estilos gregos mencionados). Desenvolvendo novas concepções de espaço, os arquitetos romanos souberam solucionar problemas de ventilação, iluminação e circulação. Utilizaram largamente pedras e tijolos bem cozidos para edificar e argamassas e mármore nos revestimentos.[carece de fontes?]

A arte cristã primitiva nasceu na fase da perseguição, o que provavelmente explica os poucos exemplares restantes. Perseguidos e impedidos de demonstrar sua fé entre os séculos I e IV, os cristãos desenhavam e pintavam símbolos nas paredes das catacumbas.[carece de fontes?]

Ver também

Referências

  1. Chris Scarre, The Penguin Historical Atlas of Ancient Rome (London: Penguin Books, 1995).
  2. McEvedy and Jones (1978).
  3. an average of figures from different sources as listed at the US Census Bureau's Historical Estimates of World Population; see also *Kremer, Michael (1993). "Population Growth and Technological Change: One Million B.C. to 1990" in The Quarterly Journal of Economics 108(3): 681–716.
  4. There are several different estimates for the Roman Empire. Scheidel (2006, p. 2) estimates 60. Goldsmith (1984, p. 263) estimates 55. Beloch (1886, p. 507) estimates 54. Maddison (2006, p. 51, 120) estimates 48. Roman Empire Population estimates 65 (while mentioning several other estimates between 55 and 120).
  5. Mclynn Frank "Marcus Aurelius" p. 4. Published by The Bodley Head 2009
  6. Taagepera, Rein (1979). «Size and Duration of Empires: Growth-Decline Curves, 600 B.C. to 600 A.D». Duke University Press. Social Science History. 3 (3/4): 125. JSTOR 1170959. doi:10.2307/1170959 
  7. A critical dictionary of the French Revolution By François Furet, Mona Ozouf. Pg 793.
  8. Democratization in the South: the jagged wave By Robin Luckham, Gordon White. Pg 11.
  9. American republicanism: Roman ideology in the United States Constitution By Mortimer N. S. Sellers. Pg. 90.
  10. The greatness and decline of Rome, Volume 2 By Guglielmo Ferrero, Sir Alfred Eckhard Zimmern, Henry John Chaytor. Pg. 215+.
  11. Shakespeare and republicanism By Andrew Hadfield. Pg. 68.
  12. The philosophy of law: an encyclopedia, Volume 1 By Christopher B. Gray. Pg. 741.
  13. Imagia - Les Romains. Texto de Philippe Simon e Marie-Laure Bouet; Ilustrações de Marie-Christine Lemayeur, M.I.A.: Giampietro Costa e Bernard Alunni; Concepção de Émilie Beaumont. 1997, Groupe Fleurus, Paris. ISBN 978-2-215-08781-6, pág 6
  14. «Project Gutenberg - Roman History, Books I-III by Titus Livius» (em inglês). Consultado em 11 de abril de 2010 
  15. JANNUZZI, Giovanni (2005). Breve historia de Italia. 1 1 ed. Buenos Aires: Letemendía. pp. 80 p. ISBN 987-21732-7-3 
  16. Biker Jun (16 de dezembro de 2011). «Income inequality in the Roman Empire» (HTML). Per Squale Mile (em inglês). Per Squale Mile. Consultado em 7 de dezembro de 2014. The U.S. is not faring well historically, either. Even the Roman Empire, a society built on conquest and slave labor, had a more equitable income distribution. 
  17. Walter Scheidel; Steven J. Friesen (1 de janeiro de 2009). «The size of the economy and the distribution of income in the Roman Empire» (PDF). Universidade de Princeton (em inglês). Universidade Stanford. 34 páginas. Consultado em 7 de dezembro de 2014. This means that unless we are prepared to believe that average per capita income throughout the Roman Empire was as high as the mean for Austria, Belgium, Denmark, France, the Netherlands, Sweden, the United Kingdom and the United States in the early nineteenth century, Dutch economic performance around 1580/1600 – or that of England roughly a century later – does in fact represent a level of development that the Roman world as a whole could not possibly have hoped to reach.9  *Nota: Fazer download do arquivo pelo link.
  18. Latin Online: Series Introduction by Winfred P. Lehmann and Jonathan Slocum. Linguistics Research Center. The University of Texas at Austin. Written 2007-2-15. Retrieved 2007-4-1.
  19. The Latin Alphabet by J. B. Calvert. University of Denver. Written 1999-8-8. Retrieved 2007-4-1.
  20. Classical Latin Supplement. page 2. Retrieved 2007-4-2.
  21. Adkins, 1998. page 203.
  22. Michael Chiappetta, “Historiography and Roman Education,” History of Education Journal 4, no. 4 (1953): 149-156.(em inglês)
  23. THE ROMAN REPUBLIC AND ROMAN LIFE - Structure of the Roman Family: Power of the Paterfamilias por Anita L. Fisher (2014) (em inglês)
  24. The Private Life of the Romans por Harold Whetstone Johnston "Capítulo 4: CRIANÇAS E EDUCAÇÃO" (1903)
  25. a b c "A History of the Church", Philip Hughes, Sheed & Ward, rev ed 1949, vol I chapter 6.[1]
  26. ATIENZA, Juan G. (1995). Santos pagãos. Deuses ontem, santos hoje. 1 1 ed. São Paulo: Ícone. 295 páginas. ISBN 85-274-0371-4 
  27. The Controversy of Constantine’s Conversion to Christianity
  28. Kirsch, J. (2004) God against the Gods, pp.200-1, Viking Compass
  29. a b "The Codex Theodosianus On Religion", XVI.x.4, 4 CE
  30. Theodosian Code 16.10.6
  31. Sheridan, J.J. (1966) The Altar of Victor – Paganism's Last Battle. in L'Antiquite Classique 35 : 186-187.
  32. Ammianus Marcellinus Res Gestae 22.4.3
  33. Sozomen Ecclesiastical History 3.18.
  34. Catholic Encyclopedia (1914) Flavius Julius Constantius
  35. Ammianus Marcellinus Res Gestae 9.10, 19.12. quote summary: Ammianus describes pagan sacrifices and worship taking place openly in Alexandria and Rome. The Roman Calendar of 354 cites many pagan festivals as though they were still being openly observed. See also the descriptions of pagan worship in the following works: Firmicius Maternus De Errore Profanorum Religionum; Vetus Orbis Descriptio Graeci Scriptoris sub Constantio.
  36. Bowder, D. (1978) The Age of Constantine and Julian
  37. Cameron, Alan.(2010) The Last Pagans of Rome
  38. R. Kirsch, "God Against the Gods," p. 278, Viking Compass, 1997.
  39. J.N Hillgarth, ed. "Christianity and Paganism 350-750,:The Conversion of Western Europe", rev. ed., University of Pennsylvania Press, 1986.

Bibliografia

  • COLETTO, Daniel Pereira. História temática: terra e propriedade. 2.ed. São Paulo: Scipione, 2002. ISBN 85-262-4567-8=AL
  • GIBBON, Edward. Declínio e queda do Império Romano. Edição abreviada. São Paulo: Companhia da Letras: Círculo do Livro, 1989.
  • GRIMAL, Pierre. 'O Amor em Roma, São Paulo: Edições 70, 2005.

Ligações externas

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Roma Antiga