Abrir menu principal

Wikipédia β

Mário Zagallo

futebolista brasileiro
(Redirecionado de Mário Jorge Zagallo)
Mário Zagallo
Treinador de futebol
Zagallo Foto: Valter Campanato/ABr.
Informações pessoais
Nome completo Mário Jorge Lobo Zagallo
Data de nasc. 9 de agosto de 1931 (86 anos)
Local de nasc. Atalaia (AL),  Brasil
Apelido Formiguinha (como jogador)
Velho Lobo
Informações profissionais
Equipa atual aposentado
Clubes profissionais
Seleção nacional
Times/Equipas que treinou

Mário Jorge Lobo Zagallo (Atalaia, 9 de agosto de 1931)[1] é um ex-futebolista e treinador brasileiro. Ele detém o recorde de títulos das Copas do Mundo em geral. Já vitorioso como jogador em 1958 e 1962, ganhou a competição como treinador em 1970 e depois como assistente técnico em 1994, totalizando quatro conquistas em três funções diferentes.[2] Zagallo ainda treinou o Brasil em 1974 e 1998 (onde obteve um vice-campeonato) e foi assistente técnico em 2006. Foram cinco finais em sete participações em Copas do Mundo.[3]

Índice

CarreiraEditar

JogadorEditar

Atuando como ponta-esquerda, conquistou títulos de campeão carioca e foi convocado para a seleção brasileira, que disputaria a Copa do Mundo de 1958 na Suécia. Era o armador pela esquerda, o desafogo da defesa, o idealizador do contra ataque, o ajudante no lateral, o formiguinha do time campeão do mundo. Como jogador, em clubes, iniciou sua carreira nos aspirantes do America carioca, onde chegou a conquistar o Torneio Início em 1949; transferiu-se, e foi posteriormente tricampeão carioca pelo Flamengo, bicampeão carioca pelo Botafogo, clube onde também veio a conquistar a Taça Brasil, e outros títulos, além de bicampeão mundial pela seleção brasileira. No Botafogo participou da fase áurea do time, jogando ao lado de astros como Garrincha, Didi e Nilton Santos.

Seus títulos cariocas e a conquista da Taça Brasil o levaram a seleção brasileira de futebol. Com ele o Brasil inovou taticamente e jogou em 1958 no esquema 4-3-3, pois Zagallo era um ponta esquerda que recuava para ajudar no meio-de-campo. Nessa Copa e na seguinte (1962) deixou na reserva Pepe, grande astro do Santos e companheiro de Pelé.

TreinadorEditar

Meses depois de aposentar-se como jogador em 1966, iniciou a carreira de treinador da categoria juvenil do Botafogo,[4] iniciando sua longa carreira.

Em clubes treinou o próprio Botafogo em quatro oportunidades, Flamengo por três vezes, Vasco da Gama por duas vezes, Fluminense, Al Hilal, Bangu e Portuguesa.

Em seleções nacionais, comandou a Seleção Brasileira por três vezes, Seleção do Kuwait, Seleção Saudita e Seleção dos Emirados Árabes Unidos. Seu último trabalho foi como coordenador técnico de Carlos Alberto Parreira na Seleção Brasileira. Conquistou um mundial como técnico da Seleção nacional e um como coordenador técnico, além de vencer duas edições da Copa das Confederações. Também como treinador, conquistou dois títulos Sul-americanos e vários outros títulos, que o tornaram técnico de renome mundial.

Número 13Editar

Apegado publicamente ao número treze desde a época de jogador, revelou que isto originou-se com sua esposa, que era devota de Santo António, comemorado em 13 de junho.[5]

Entre algumas das coincidências envolvendo o número que apareceram na sua trajetória, pode-se citar o fato que as Copas de 1958 e 1994, que terminaram com vitória do Brasil e de Zagallo, foram em anos cuja soma dos últimos dois dígitos dá treze. Além disso, a de 1994 foi realizada nos Estados Unidos, cujo nome em português possui treze letras e a bandeira nacional treze listras.

Outros trabalhosEditar

TítulosEditar

Como jogadorEditar

America-RJEditar

FlamengoEditar

  •   Taça dos Campeões Estaduais:1956
  •   Torneio Início: 1951 e 1952
  •   Campeonato Carioca: 1953, 1954, 1955
  •   Elfsborg Cup: 1951
  •   Torneio Quadrangular do Peru: 1952
  •   Troféu Cidade de Arequipa: 1952
  •   Torneio Quadrangular da Argentina: 1953
  •   Torneio Quadrangular de Curitiba: 1953
  •   Torneio Triangular do Rio de Janeiro: 1954
  •   Torneio Internacional do Rio de Janeiro: 1954, 1955
  •   Torneio Gilberto Cardoso: 1955
  •   Troféu Embaixador Oswaldo Aranha: 1956
  •   Troféu Ponto Frio: 1957
  •   Taça Brasília: 1957
  •   Troféu Almana Idrotts Klubben: 1957
  •   Torneio Quadrangular de Israel: 1958
  •   Troféu Sporting Club de Portugal: 1958

BotafogoEditar

Seleção BrasileiraEditar

Como treinadorEditar

FlamengoEditar

FluminenseEditar

BotafogoEditar

AL-HilalEditar

  •   Campeonato Saudita: 1979

Vasco da GamaEditar

Seleção Árabia Saudita

  Copa da Ásia: 1984Editar

BanguEditar

Seleção BrasileiraEditar

Referências

  1. «Zagallo». Secretaria de Estado da Cultura - SECULT. Consultado em 29 de Agosto de 2016. 
  2. estadao.com.br: Único tetracampeão do mundo, Zagallo recebe homenagem do Botafogo (arquivo)
  3. espn.uol.com.br: Zagallo previu que Baggio erraria pênalti na final da Copa de 94 (arquivo)
  4. «Único tetracampeão do mundo, Zagallo recebe homenagem do Botafogo». Estadão. 9 de agosto de 2011 
  5. «Zagallo explica como começou o carinho pelo número 13». globoesporte.com. 6 de janeiro de 2010 
  6. esportes.terra.com.br/ Luxemburgo vira estrela de reality show

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Mário Jorge Lobo Zagallo
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mário Zagallo