Assassin's Creed

série de jogos eletrônicos de ficção
Disambig grey.svg Nota: Para o primeiro jogo, veja Assassin's Creed (jogo eletrônico). Para adaptação cinematográfica de 2016, veja Assassin's Creed (filme).
Assassin's Creed
Logotipo oficial
Gênero(s) Acção-aventura
Desenvolvedora(s) Ubisoft Montreal
Ubisoft Annecy
Ubisoft Sofia
Ubisoft Milan
Ubisoft Quebec
Ubisoft Toronto
Gameloft
Griptonite Games
Blue Byte
Distribuidora(s) Ubisoft
Criador(es) Patrice Désilets
Jade Raymond
Corey May
Primeiro título Assassin's Creed
13 de Novembro de 2007
Último título Assassin's Creed Odyssey
5 de outubro de 2018
http://assassinscreed.com
Portal Portal de jogos eletrônicos

Assassin's Creed é uma série de jogos eletrônicos. A premissa central da história envolve-se a partir da rivalidade entre duas sociedades secretas ancestrais: os Assassinos, que desejam a paz através do livre arbítrio, e os Templários, que têm o objetivo de dominar o mundo e impor a ordem na humanidade. Ambos tiveram uma relação indireta com uma espécie que viveu antes dos humanos, cuja sociedade foi destruída por uma gigantesca tempestade solar. Misturando personagens e ficção histórica com eventos e figuras reais, a ordem cronológica dos jogos começa em 2012, e fala de Desmond Miles, um jovem que com a ajuda do Animus (uma máquina que permite ver as suas "memórias ancestrais"), explora as memórias de alguns dos mais proeminentes Assassinos da história.

Retirando inspiração a partir do romance Alamut, do escritor esloveno Vladimir Bartol,[1] Assassin's Creed começou como um spin-off da série Prince of Persia. O jogo original foi um esboço para Prince of Persia: The Two Thrones, antes da equipa decidir fazer uma nova propriedade intelectual, incluindo também um cenário no Médio Oriente, baseado no culto histórico de Assassinos Islâmicos activos durante as Cruzadas.[2]

A série começou em 2007 com o lançamento de Assassin's Creed e os jogos já foram lançados para várias plataformas incluindo PlayStation 3, PlayStation 4, Xbox 360, Xbox One, Microsoft Windows, Mac OS X, Nintendo DS, PlayStation Portable, PlayStation Vita, iOS, HP webOS,[3] Android, Nokia, Symbian, Windows Phone, Wii U, Google Stadia, Nintendo Switch, PlayStation 5 e Xbox Series X. Os jogos principais foram na sua maior parte produzidos pelo estúdio Ubisoft Montreal com a colaboração do Ubisoft Annecy para o multijogador. Os portáteis já foram produzidos pela Gameloft e Gryptonite Studios com trabalho adicional da Ubisoft Montreal.

A série Assassin's Creed, particularmente os jogos principais, receberam análises muito positivas tanto da critica especializada como do público. Muitos já chamaram a Assassin's Creed "...a série que se destaca na [sétima geração] de consoles". Em setembro de 2016 já tinham sido vendidas mais de 100 milhões de cópias de jogos Assassin's Creed, tornando-se a série mais vendida da Ubisoft e uma das series de videojogos mais vendidas de sempre. Para além dos jogos já foi adaptada para os mais variados média como livros, banda desenhada, roupa, brinquedos e um filme.

JogabilidadeEditar

 
Ezio lutando contra dois guardas em Revelations, fazendo uso de uma espada e da lâmina oculta.

A maior parte dos jogos se passa dentro do Animus, onde a interface do dispositivo exibe a saúde, progresso, momento na história de seu ancestral, equipamentos e objetivos do jogador. Durante o uso do Animus, o jogador deve manter o nível de sincronização com seu ancestral, evitando fazer uso de ações que diminuem esse nível, como levar dano, matar pessoas inocentes e acessar áreas não disponíveis no momento. Os objetivos do jogo geralmente consistem em assassinar algum alvo, infiltrar-se em locais proibidos ou resgatar algum artefato perdido.

O jogador conta com vários recursos para realizar os assassinatos, como uma grande habilidade de parkour, podendo escalar quase qualquer construção e um vasto arsenal, sendo a principal arma a lâmina oculta, um dispositivo escondido no braço que saca uma lâmina e sutilmente assassina o inimigo. Mas, o jogo conta também com outras armas brancas e de fogo, além das habilidades de arremessar facas e fazer uso de bombas. Mesmo com várias armas à disposição do jogador, o jogo encoraja o uso dos modos mais sutis possíveis para assassinar os alvos, para que não chame muita atenção e evite que os guardas da cidade comecem a caçá-lo. Para isso o jogo usa o conceito de movimentos passivos, que são sutis e discretos, e movimentos ativos como correr pelas ruas, escalar construções e correr pelos telhados das casas, que permitem velocidade, mas, chamam muita atenção.

Duas habilidades chave à disposição do jogador são o Salto de Fé, pelo qual o personagem pula (praticamente se jogando) de lugares muito altos para se descer normalmente, caindo em lugares que amortecem a queda, tais como carroças de feno, montes de folhas e na água, a Visão Aquilina, que permite ao jogador distinguir aliados dos inimigos e alvos, por meio do uso de cores, além de haver detalhes que só podem ser vistos por meio desta habilidade. Ao longo do jogo, também tem a ajuda de várias facções que pode ser usada, como outros assassinos, além de cortesãs, ladrões, mercenários e ciganas. Por fim, o jogador deve libertar as cidades da influência dos templários, queimando estruturas que representam a dominação dos templários na região e reconstruindo a parte dominada, restaurando construções como ferrarias, alfaiatarias e pontos turísticos. No sexto jogo principal da série, Edward pode fazer uma exploração submarina..

EnredoEditar

Os jogos da série passam-se inicialmente em 2012, época em que Desmond Miles, um barman e descendente de uma linhagem da Ordem dos Assassinos, é sequestrado por membros das Indústrias Abstergo - uma fachada para os cavaleiros templários atuais - para descobrir a localização dos Pedaços de Éden, artefatos antigos de grande poder criados por Aqueles Que Nos Precederam. Para isso, Warren Vidic, um empregado da Abstergo, e Lucy Stillman, uma assassina infiltrada, forçam Desmond a usar o Animus, um dispositivo capaz, dentre outras coisas, de criar projeções em três dimensões a partir de memórias de ancestrais contidas no DNA, chamadas na série de memórias genéticas. A partir de tais lembranças, o dispositivo permitia ao paciente revivê-las, conferindo inclusive um controlo parcial sobre as cenas, como se estivessem sendo revividas.

No primeiro jogo da série, Desmond vive a vida do sírio Altair, membro de uma Ordem de Assassinos denominada Hashshashin da época da Terceira Cruzada da Terra Santa; e o seu principal objetivo é eliminar os membros da Ordem dos Templários, responsáveis pela Terceira Cruzada. Para eliminar certas vítimas, a personagem cruza as cidades de Damasco, Jerusalém e Acre, cumprindo o seu dever no meio de uma guerra secreta.

É possível misturar-se no meio das pessoas comuns das cidades para se camuflar e, assim, passar despercebido por guardas e outros inimigos - um elemento inédito e que caracterizou a jogabilidade da franquia em títulos futuros. Para a sua época, os gráficos são além do seu tempo, embora a realização de algumas missões acabe se tornando um tanto repetitiva no decorrer do jogo.

Ao conseguirem a informação desejada pela Abstergo, a morte de Desmond é ordenada, mas, ele é salvo por um pequeno grupo de assassinos, compostos por Lucy Stillman, Shaun Hastings e Rebecca Crane. Com isso, Desmond ajuda os Assassinos na corrida pelos Pedaços do Éden usando novas versões do Animus para fazer uso das memórias do nobre italiano Ezio Auditore da Firenze e do guerreiro indígena norte-americano Ratonhnhaké: ton/Connor Kenway, assassinos do Renascimento e da Revolução Americana, respectivamente, para poder descobrir a localização dos outros artefatos.

Ao explorar as memórias dos três assassinos Desmond busca a localização das Maçãs do Éden, orbes douradas capazes de corromper seu usuário e de controlar a mente de outros seres humanos, os tornando meros servos leais e cegos ao portador da orbe. O artefacto recebeu este nome pois o vilão templário Al Mualim, um árabe muçulmano medieval, acreditava que este objeto era o fruto proibido que levou Adão e Eva a serem expulsos do paraíso por Deus (informação esta que mais tarde se revelou estar de certa forma correta dentro da trama da série, mas não da forma como Al Mualim acreditava). Uma Maçã do Éden acabou parando nas mãos de Altair, que nunca chegou a se corromper pelo objeto e que adquiriu conhecimentos muito além dos estudiosos medievais de sua época, porém os guardou para si em um Códice que escreveu.

A partir das memórias de Ezio Auditore Desmond também passa a procurar a localização de templos construídos por Aqueles Que Nos Precederam (também chamados de Isu). Ezio, um nobre italiano renascentista, havia encontrado e completado o Códice de Altair, que se revelou ser um mapa-mundi completo e muito mais avançado do que qualquer outro que existia em sua época. Através deste mapa ele encontra a localização de um templo dos Isu no subterrâneo de Roma. Ezio impede que o corrupto e controverso Rodrigo Borgia (retratado como um vilão templário no jogo) tivesse acesso ao templo. Os templários na época acreditavam que iriam encontrar o Deus cristão no Templo, porém no lugar do Deus cristão Ezio encontra a "deusa" venerada por seus antepassados romanos, Minerva. Em outras aventuras na Itália e também na Turquia Ezio encontra outros dois templos e encontra a deusa romana Juno e o deus romano Júpiter. Sendo um italiano renascentista e amigo próximo de Leonardo Da Vinci, Ezio se recusa a acreditar que encontrou deuses romanos e chega a conclusão que encontrou mensagens pré-gravadas por uma tecnoogia muito mais avançada da que a de sua época.

O último templo somente foi encontrado na América do Norte, durante a vida de Ratonhnhaké:ton (também conhecido como Connor Kenway). Em algum momento durante ou antes do século 18, os habitantes da aldeia iroquesa de Kanatahséton, encontraram um dos artefatos da Primeira Civilização conhecidos como Bola de Cristal. A Mãe do Clã o usava para se comunicar com os "espíritos" dos membros da Primeira Civilização. Quando a Mãe do Clã permitiu que Ratonhnhaké:ton se comunicasse com os espíritos, na tentativa de dissuadi-lo de deixar o solo sagrado da tribo, ele se encontrou com Juno. Juno deu a ele acesso ao Nexus e o convenceu a se juntar aos Assassinos na tentativa de recuperar o amuleto roubado por seu pai Haytham Kenway e impedir que os Templários tivessem acesso ao Grande Templo. Depois que Ratonhnhaké:ton derrotou os Templários (incluindo seu arquinimigo Charles Lee) e recuperar o amuleto, ela o fez escondê-lo onde, supostamente, ninguém poderia encontrá-lo.

Desmond acorda em 21 de dezembro de 2012 e, com seus aliados, encontra o amuleto enterrado por Connor; a chave da porta interna do templo. Atrás dela, há uma esfera de controle capaz de interromper uma erupção solar. Juno aparece e incentiva Desmond a tocá-lo, mas Minerva aparece e o avisa para não fazê-lo, pois liberaria Juno como uma entidade que protegeria contra a explosão solar, mas também se tornaria uma ameaça para o futuro da humanidade. Desmond opta por lançar Juno, acreditando que a humanidade terá uma chance melhor de lutar contra Juno. A energia da esfera de controle protege a Terra das explosões solares, mas mata Desmond. A consciência de Juno escapa do templo e a partir daí, ela se espalha pela Web para habitar uma ampla variedade de sistemas em rede (Juno planejou escapar do templo num momento em que a tecnologia humana estivesse avançada o suficiente para sua consciência se espalhar pelo planeta).

Após o final de Assassin's 3, a série toma um novo rumo, contando a história do galês Edward James Kenway, pirata e corsário que viveu na Época Dourada da Pirataria, pai de Haytham Kenway e avô de Ratonhnhakéton (Connor Kenway). Edward era um corsário da Marinha Real e uma vez aceito, se viu estacionado nas Índias Ocidentais. No entanto, um fim abrupto da Guerra da Sucessão Espanhola e a promessa de ouro, glória e fama acabaram por seduzi-lo a uma vida de pirataria. Foi durante essa época que Edward encontrou as ordens dos Assassinos e dos Templários e se envolveu em sua luta. Kenway buscou desvendar uma conspiração entre Templários de alto escalão para manipular os Impérios Britânico, Espanhol e Francês para localizar o Sábio - mais tarde identificado como Bartholomew Roberts - o único homem que poderia levá-los ao Observatório. Construído para permitir a visualização remota da visão de qualquer indivíduo através do uso de uma Caveira de Cristal, era essencialmente um centro de vigilância usado pelos Isu para rastrear certos indivíduos. Os Templários queriam ter acesso ao Observatório pois queriam espionar na época líderes mundiais como reis, rainhas, imperadores, etc. Vendo o perigo que este local representava ele foi completamente destruído pelos Assassinos. (Nesta época tanto os Assassinos e Templários já chamavam os Isu de "Aqueles Que Nos Precederam")

Logo após a história de Edward, a franquia nos mostra a história do assassino que se tornou templário Shay Patrick Cormac, que nasceu na América Britânica, filho de imigrantes irlandeses, e acompanhou a Guerra dos Sete Anos e se tornou um amigo e aliado de Haytham. Shay decide trair os Assassinos após uma experiência traumática após o roubo de um Pedaço do Éden ter ocasionado no Terremoto de Lisboa de 1755. Com o objetivo de impedir que os Assassinos causem outros desastres naturais na América do Norte, Shay decide caçar todos os seus ex-companheiros assassinos e se juntar aos Templários.

Um pouco depois conhecemos a história do nobre francês Arno Victor Dorian, que viveu na França durante a Revolução Francesa. Em sua história Arno busca encontrar a Espada do Éden. Esta pode conceder aos seus portadores um grande poder e liderança, e foi usada por influentes seres humanos em guerras e conquistas; vários famosos conquistadores e heróis tinham estado em posse desta Espada. A espada também é capaz de projetar raios em inimigos. A espada, que havia sido de Jacques de Molay, foi adquirida pelo vilão François-Thomas Germain, o grão-mestre da facção extremista da Ordem dos Templários. Germain usou a espada durante sua luta contra Arno Dorian e a amada deste Élise de la Serre. A espada foi danificada no confronto, quebrando e emitindo uma onda de choque que matou Élise e mortalmente feriu o próprio Germain. Após o evento, a Espada acabou em poder de Arno, embora enquanto não possuísse seus poderes anteriores por conta dos danos causados ​​na luta final, permaneceu como uma das armas mais poderosas do arsenal de Arno.

Então temos história dos irmãos gêmeos Jacob e Evie Frye, ele sendo líder de uma gangue de rua e ela sendo uma pesquisadora de peças antigas, sendo que viveram na Inglaterra vitoriana. Os irmãos gêmeos buscavam encontrar o Sudário de Éden (tamém chamado de Velo de ouro), um artefacto capaz de curar doenças e regenerar ferimentos. O Sudário foi transferido para uma cripta construída sob o Palácio de Buckingham por Albert, príncipe consorte em 1847. Em 1868, durante a Revolução Industrial, tanto os Assassinos quanto os Templários procuravam o artefato. Por fim, foi encontrado e usado por Crawford Starrick durante um confronto com Evie Frye, Jacob Frye e Henry Green, embora os três tenham conseguido removê-lo de do vilão templário e posteriormente o mataram enquanto ele não estava mais com a posse do objeto, com Jacob retornando o Sudário para o seu lugar de descanso.

Em 2016, a série foi introduzida nos cinemas onde o enrendo ocorre no século XV, durante a Inquisição Espanhola, o herói dessa vez é Aguilar de Nerha, um ancestral de Callum Lynch, um presidiário que irá passar por pena de morte, e esta nas mãos das Indústrias Abstergo, ele entra no Animus e investiga o passado do seu ancestral.

Em Assassin's Creed Origins conhecemos a história de Bayek, um guerreiro do Antigo Egipto (durante a guerra civil do faraó Ptolomeu XIII contra a sua irmã Cleopatra) cuja luta para proteger o seu povo o levou a criar a Ordem dos Ocultos (precursores dos Assassinos), com o jogo explorando a origem de seu conflito com a Ordem dos Anciões (precursores dos Templários). Bayek também busca vingança pela morte de seu filho, caçando todos os membros da Ordem dos Anciões, chegando até o general romano Flavius Metellus. Na DLC The Curse of the Pharaohs, Bayek chegou a viajar para o Vale dos Reis, onde teve de enfrentar os faraós revividos Aquenáton, Nefertiti, Ramsés II e Tutancâmon. No século 21 sabe-se que os faraós usaram a tecnologia d'Aqueles Que Nos Precederam (acreditado por eles serem artefactos mágicos) a fim de tentarem atingirem a vida eterna, porém na época Bayek acreditava que era uma "maldição" por ter invandido o túmulo dos faraós. Porém depois ele descobre que a maldição foi resultado das manipulações de uma antiga relíquia aos cuidados da sacerdotisa Isidora, que a usou para conjurar os espíritos desencarnados de vários faraós do passado, aparentemente retornando ao mundo dos vivos para vingar-se dos ladrões de túmulos e profanadores que atormentavam a região por gerações. Bayek,depois de investigar sua origem, recuperou a relíquia e assassinou Isidora. A própria relíquia foi então escondida.

Em Assassin's Creed Odyssey exploramos as memórias de Kassandra, amazona espartana da Grécia Antiga que lutou na Guerra do Peloponeso. Kassandra descobre que é uma descendente direta dos "deuses do Olimpo" (no século 21 considerados apenas como membros d'Aqueles Que Nos Precederam... não como divindades de fato) enquanto tenta impedir que o recém formado Culto do Kosmos (predecessores dos Templários e liderados por Alexios... irmão de Kassandra) encontre a mitológica Atlântida, uma vasta biblioteca de conhecimento do que os antigos gregos acreditavam ser dos "Deuses do Olimpo". Kassandra destroe o Culto e sela Atlântida. Em sua jornada Kassandra também encontrou monstros mitológicos da Grécia Antiga como cíclopes, o minotauro e medusa... porém é revelado no século 21 que esses monstros foram frutos de bizarras experiências biológicas realizadas pelos Isu, usando humanos sequestrados como cobaias e relíquias precursoras criadas especificamente para os transformar em monstros: os artefatos de Atlantida. Em sua história também é revelada as origens dos Templários e da Lâmina Oculta.

ProtagonistasEditar

Protagonistas de toda a série, em ordem cronológica de acordo com o período de tempo abordado nos jogos que protagonizaram ou tema principal do enredo.

Figuras HistóricasEditar

Figuras históricas estão bastante presentes na série, devido a esta se basear em acontecimentos reais em lugares existentes, essas figuras servem de apoio para Ordem dos Assassinos ou para Ordem dos Templários ou fazem simples participações especiais na trama. Em ordem cronológica de acordo com o período de tempo abordado nos jogos ou tema principal do enredo (somente jogos da série principal).

Ordem cronológica da históriaEditar

Jogos por ano e plataforma
A negrito denota um título que faz parte da série principal
País(es) e Período histórico Ano(s) Título Ano Consoles Computadores Portáteis Celular Outros
Sultanato Aiúbida (focado nos territórios dos atuais Líbano, Síria, Israel e Chipre) durante a Terceira Cruzada 1191 DC (AH 587 – 588) Assassin's Creed 2007 PlayStation 3, Xbox 360 Windows
1190 DC (AH 586 – 587) Assassin's Creed: Altaïr's Chronicles 2008 Nintendo DS Android, iOS, Symbian, webOS, Windows Phone
1191 DC (AH 587 – 588) Assassin's Creed: Bloodlines 2009 PlayStation Portable
República Florentina, República de Veneza, Estados Pontifícios, Reino de Nápoles, Reino da Espanha e Império Otomano durante o Renascimento 1476-1499 DC Assassin's Creed II PlayStation 3, Xbox 360, PlayStation 4, Xbox One OS X, Windows Symbian OnLive
1491 DC Assassin's Creed II: Discovery Nintendo DS iOS
1499-1507 DC Assassin's Creed: Brotherhood 2010 PlayStation 3, Xbox 360, PlayStation 4, Xbox One OS X, Windows OnLive
1511-1512 DC (AH 917 – 918) Assassin's Creed: Revelations 2011 Windows Android, Symbian
Colônias da Nova Inglaterra, Província de Nova Iorque e Luisiana Espanhola durante a Revolução Americana 1754-1783 DC Assassin's Creed III 2012 PlayStation 3, Xbox 360, Wii U Symbian PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch
1765-1777 DC Assassin's Creed III: Liberation[a] PlayStation 3, Xbox 360 PlayStation Vita
Colônias espanholas, britânicas e francesas no Caribe durante a Era de Ouro da Pirataria 1715-1722 DC Assassin's Creed IV: Black Flag 2013 PlayStation 3, Xbox 360, Wii U, PlayStation 4, Xbox One
1716-1718 DC Assassin's Creed: Pirates Windows[b] Android, iOS
1735-1737 DC Assassin's Creed: Freedom Cry[c] 2014 PlayStation 3, Xbox 360 Windows
Treze Colônias Britânicas e Nova França durante a Guerra dos Sete Anos 1752-1776 DC Assassin's Creed Rogue PlayStation 4, Xbox One
Renascimento Italiano 1501-1506 DC Assassin's Creed Identity Android, iOS
França em plena Revolução Francesa 1776-1800 DC Assassin's Creed Unity PlayStation 4, Xbox One Windows
China sob a Dinastia Ming 1526-1532 DC (4222-4229 do calendário chinês) Assassin's Creed Chronicles: China[d] 2015 PlayStation Vita[e]
Inglaterra Vitoriana em meio a Revolução Industrial 1868 DC Assassin's Creed Syndicate
Império Indiano Sikh 1841 DC (1763 – 1764 no calendário Shaka Samvat) Assassin's Creed Chronicles: India 2016 PlayStation Vita[e]
Rússia em meio a Revolução Russa 1918 DC Assassin's Creed Chronicles: Russia
Antigo Egipto 49-43 AC (275-281 da XXXIII dinastia, do 3º ao 9º ano do reinado de Cleopatra) Assassin's Creed Origins 2017
Cidades-estados da Grécia Antiga 431-404 AC (2º ano da 87ª Olimpíada até o 1º ano da 94ª Olimpiada) Assassin's Creed Odyssey 2018 Stadia
Atuais Noruega e Grã-Bretanha- Expansões vikings 873 DC (1093 do calendário rúnico) Assassin's Creed Valhalla 2020 PlayStation 4,PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X Windows
Notes
  1. Released under the title Assassin's Creed: Liberation HD for Microsoft Windows, PlayStation 3 and Xbox 360.
  2. Available for Windows 8.1 and Windows 10 from the Microsoft store.
  3. Originally released as DLC for all versions of Assassin's Creed IV: Black Flag.
  4. Originally announced as part of the season pass for Assassin's Creed Unity.
  5. a b Released as a compilation titled Assassin's Creed Chronicles Trilogy Pack.

JogosEditar

Série principalEditar

Assassin's CreedEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed (jogo eletrônico)

Desmond Miles é um bartender que é sequestrado por uma poderosa empresa chamada Abstergo. Embora em cativeiro, Desmond é informado que deve usar uma máquina chamada Animus, criada pelas Indústrias Abstergo, para reviver as memórias de seus ancestrais. Ele é obrigado a aceitar usar a máquina para reviver as memórias de seu ancestral, Altaïr Ibn-La'Ahad.

Altaïr, o primeiro ancestral acompanhado por Desmond, é um membro de um grupo denominado Assassins (Assassinos). Este grupo vive sob três leis absolutas:

  1. Nunca matar uma pessoa considerada inocente;
  2. Ser sempre discreto;
  3. Nunca comprometer a Irmandade.

Entretanto, por causa de sua arrogância e descuido, Altaïr quebra essas leis, desonrando-se e comprometendo a Irmandade. A fim de recuperar seu antigo status, Altaïr deve caçar e matar nove alvos a mando de seu mestre, Al Mualim. Altaïr relutantemente aceita a tarefa e, um a um, assassina oito dos nove homens. Cada um de seus alvos, minutos antes da morte, fala sobre um membro que Altaïr nem imagina que faz parte da caçada do reino dos perdidos aos Pedaços do Éden. Por fim, sua nona vítima é Robert de Sablé, o líder dos Cavaleiros Templários e principal alvo de Altaïr.

Ao alertar o rei Ricardo Coração de Leão, líder do exército cruzado, sobre a traição de Robert de Sablé, ele permite um duelo até a morte entre Altaïr e Robert. Após sua derrota, Robert de Sablé revela toda a verdade, confessando a traição. Robert confessa também que não eram nove, mas dez conspiradores para obter o Pedaço do Éden.

O décimo era seu mentor, Al Mualim, que queria manter os artefatos todos para si e, portanto, enviou Altaïr, seu melhor homem, para matar os outros nove. De volta a Masyaf, fortaleza dos assassinos, Al Mualim tinha tomado controle sobre as mentes das pessoas usando um Artefato do Éden (Maçã do Éden, como se fala no jogo). Ao chegar ao local, Altaïr é avisado por um dos moradores do que estava acontecendo. Ao se aproximar do castelo onde treinavam os assassinos, Altaïr é atacado por seus próprios companheiros. Mas, já encurralado e sem esperança, Altaïr recebe uma ajuda inesperada de amigos de outras cidades.

Ao encontrar Al Mualim, Altaïr exige respostas, e é exatamente o que seu mestre lhe dá. Depois de confessar que sempre planejou fingir se juntar aos outros para conseguir os artefatos para si, Al Mualim e Altaïr travam uma grande batalha. Mesmo usando um dos artefatos encontrados, Al Mualim sucumbe, com o Aprendiz ganhando do Mestre. Altaïr jura guardar um dos Pedaços do Éden consigo, definindo assim sua jornada. A memória que Abstergo estava procurando, onde se localiza o Pedaço do Éden, revela que é apenas um de 28 que estão espalhados por todo o mundo.

De volta a 2012, a Abstergo envia uma equipe para recuperar tantas peças quanto possível. Decidindo que não precisam mais de Desmond, dão ordens para matá-lo. Lucy Stillman, uma empregada da Abstergo que revelou a Desmond que é uma assassina disfarçada, convence-os a não matá-lo até que recuperem as peças, dando-lhe tempo.

Desmond é deixado sozinho na sala do Animus e, pelo uso da visão de águia herdada de Altaïr pelo "efeito sangria" causado pelo uso prolongado do Animus, ele vê muitos símbolos desenhados com sangue nas paredes de sua sala e nos pisos do laboratório. Estes símbolos contêm referências ao fim do mundo em muitas línguas diferentes. Desmond agora precisa escolher se vai tentar compreender os símbolos e deter os Templários ou fugir e tentar voltar à vida que tinha.

Assassin's Creed IIEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed II

Assassin's Creed: BrotherhoodEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed: Brotherhood

Assassin's Creed: RevelationsEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed: Revelations

Assassin's Creed IIIEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed III

Assassin's Creed IV: Black FlagEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed IV: Black Flag

Assassin's Creed: RogueEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Rogue

A 5 de agosto de 2014 a Ubisoft anunciou Assassin's Creed Rogue, que inicialmente seria lançado exclusivamente para Xbox 360 e PS3. Foi lançado para essas plataformas em Novembro de 2014,[4] e para Windows em Março de 2015.[5]

Assassin's Creed UnityEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Unity

Foi lançado em 11 de novembro de 2014[6][7][8] nos Estados Unidos e no Brasil[9] para Xbox One, PS4 e PC. O jogo se passa na Revolução Francesa com o novo Assassino e protagonista Arno Victor Dorian. Apresenta inovações nas armas, como a Phantom Blade com capacidades ocultas, e um modo de jogo co-op com novas possibilidades para missões de até quatro jogadores.[10]

Assassin's Creed SyndicateEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Syndicate

Em Dezembro de 2014, escaparam para a Internet várias imagens e informações sobre um novo jogo Assassin's Creed, com o nome de código Victory. Acabou por ser mais tarde confirmado pela Ubisoft que Victory seria lançado em 2015 para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One e que está a ser produzido pelo estúdio Ubisoft Quebec.[11] Em Maio de 2015 o Kotaku revelou que Victory teria um novo subtítulo, Syndicate.[12] A 12 de Maio de 2015, Assassin's Creed Syndicate foi anunciado oficialmente pela Ubisoft. As versões PlayStation 4 e Xbox One foram lançadas a 23 de Outubro de 2015, enquanto que a versão Microsoft Windows foi lançada em 19 de Novembro do mesmo ano. Em Syndicate a história ocorre em Londres em 1868, durante a Era Vitoriana, no pico da Revolução Industrial, e apresenta pela primeira vez na série dois Assassinos jogáveis, os gémeos Jacob e Evie Frye.[13][14][15]

Assassin's Creed OriginsEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Origins

Assassin's Creed Origins foi anunciado oficialmente durante a conferência de imprensa da Microsoft na E3 2017. Em Origins os jogadores controlam Bayek, um dos primeiros Assassinos, que viveu no Antigo Egipto. Origins foi lançado em 27 de outubro de 2017 para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One.[16][17]

Assassin's Creed OdysseyEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Odyssey

Antes da Electronic Entertainment Expo 2018, em 31 de maio de 2018, o site Jeuxvideo apresentava imagens de um ainda anunciado título, Assassin's Creed Odyssey. A Ubisoft confirmou no mesmo dia que Assassin's Creed Odyssey será o próximo título da série, prometendo mais detalhes na Expo. Assassin's Creed Odyssey se passa na Grécia Antiga durante a Guerra do Peloponeso e os jogadores podem escolher entre dois personagens para se jogar: Kassandra ou Alexios, que são irmãos. Odyssey foi lançado em 5 de outubro de 2018 para Microsoft Windows, Playstation 4 e Xbox One.

Assassin's Creed ValhallaEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Valhalla

Assassin's Creed Valhalla será o próximo título da série, anunciado em abril de 2020. O jogo será baseado no cenário nórdico que envolveu os vikings. [18] A Ubisoft Montreal está liderando seu desenvolvimento, juntamente com catorze outros estúdios da Ubisoft. [19] O título vazou no início de abril de 2019 com o nome Assassin's Creed Kingdom.[20] [21] [22]

Outros jogosEditar

Assassin's Creed: Altaïr's ChroniclesEditar

Assassin's Creed: Fallen EagleEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed: Fallen eagle

Assassin's Creed II: DiscoveryEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed II: Discovery

Assassin's Creed: Project LegacyEditar

Assassin's Creed: Project Legacy é um jogo browser como uma aplicação do Facebook, desenhado como promoção para Assassin's Creed: Brotherhood. O jogo é maioritariamente texto, mas inclui gráficos, som e alguns vídeos.

Assassin's Creed: RecollectionEditar

Assassin's Creed: Recollection é um jogo de tabuleiro em tempo real para iOS.[23]

Assassin's Creed: Multiplayer RearmedEditar

Assassin's Creed: Multiplayer Rearmed é um jogo multijogador para iOS. É o único jogo Assassin's Creed que faz o progresso pelo dinheiro fictício do jogo.[24]

Assassin's Creed III: LiberationEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed III: Liberation

É um Assassin's Creed originalmente concebido para a PlayStation Vita.[25] Foi depois re-lançado em janeiro de 2014 como Assassin's Creed: Liberation HD para PlayStation 3, Xbox 360 e Microsoft Windows via PlayStation Network, Xbox Live Arcade e Steam, respectivamente.[26]

Assassin's Creed: PiratesEditar

Assassin's Creed: Pirates é um jogo móvel lançado para iOS e Android em Dezembro de 2013.[27] Foi produzido pelo estúdio Ubisoft Paris.[28]

Assassin's Creed: Freedom Cry

Foi lançado no dia 18 de dezembro de 2013 como uma DLC do título da saga principal Assassin's Creed IV: Black Flag. Assassin's Creed: Freedom Cry foi lançado como um jogo standalone no dia 19 de fevereiro de 2014 para PS3, PS4, Xbox 360, Xbox One. No dia 25 de fevereiro de 2014 ele foi lançado como standalone para PC via Steam e Ubi Store.

Assassin's Creed MemoriesEditar

Assassin's Creed Memories é um jogo móvel lançado para iOS em Agosto de 2014. Memories combina cartas e batalhas, perseguição de alvos e multijogador competitivo. Memories decorre em várias eras históricas, incluindo a Terceira Cruzada, a Época Dourada da Pirataria, o Japão Feudal e o Império Mongol.[29]

Assassin's Creed ChroniclesEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Chronicles

Assassin's Creed Chronicles é um conjunto de três jogos para Microsoft Windows, PlayStation 4 e Xbox One.[30]

Assassin's Creed IdentityEditar

 Ver artigo principal: Assassin's Creed Identity

Assassin's Creed Identity é um jogo para os aparelhos iOS e Android em 3D e na terceira pessoa.[31]

Outra mídiaEditar

Livros da SérieEditar

Assassin's Creed: Renascença é o primeiro livro baseado na série Assassin's Creed, escrito por Oliver Bowden e publicado pela Penguin Books, em janeiro de 2009. Trata-se de uma versão literária do jogo Assassin's Creed II mas, em vez de estender por um bom período de tempo o livro passa-se somente no século XV, sem menção ao eventos do presente do jogo. Em março de 2011, a editora Galera Record publicou o livro, sob o nome de Assassin's Creed: Renascença. O primeiro livro da série retrata o inicio da jornada de Ezio Auditore de Florença, em busca de vingança e erradicar a corrupção pelo o qual o seu povo estava submetido, além de tentar restaurar a honra de sua família.[32]

Assassin's Creed: Brotherhood é o segundo livro baseado na série Assassin's Creed, escrito por Oliver Bowden e é uma continuação de "Renascença". Foi publicado pela Penguin Books em fevereiro de 2010 e, assim como o livro anterior, é uma versão literária do jogo Assassin's Creed: Brotherhood. Também como o anterior, não há menção sobre os eventos vividos por Desmond no presente, somente uma referência sobre um "fantasma" feita por Ezio. Diferentemente dos eventos do jogo, que começaram em 1499, a trama do livro começa em 1503. Assim como o anterior, a editora Galera Record publicou o livro no Brasil sob o título de Assassin's Creed: Irmandade, e foi lançado em março de 2012.[33]

Assassin's Creed: The Secret Crusade é o terceiro livro baseado na série Assassin's Creed, escrito por Oliver Bowden e é uma continuação de "Brotherhood". Foi publicado pela Penguin Books em junho de 2011. A história é narrada por Niccolo Polo, pai do explorador Marco Polo. A história é sobre a vida de Altaïr ibn la-Ahad. A editora Galera Record publicou o livro no Brasil em agosto de 2012 com o nome de Assassin's Creed: A Cruzada Secreta.

Assassin's Creed: Revelations é o quarto livro da série Assassin's Creed, escrito por Oliver Bowden e é uma continuação de "The Secret Crusade". Foi publicado pela editora Penguin Books em maio de 2012. Assim como Renaissance e Brotherhood, Revelations é uma versão literária de jogo Assassin's Creed: Revelations. Igualmente os outros livros, não contém nenhum dos eventos do presente incluindo Desmond. Como no jogo, Ezio tem que deixar sua vida para trás em busca de respostas, em busca da verdade. Em Assassin's Creed Revelations, o agora Mestre Assassino Ezio Auditore segue os passos do seu lendário mentor, Altair, numa jornada de descobertas e revelações. É um caminho perigoso - um caminho que levará Ezio a Constantinopla, à "encruzilhada do mundo", ao coração do Império Otomano, onde um exército crescente de Templários ameaça desestabilizar a região. A editora Galera Record publicou o livro no Brasil em abril de 2013 com o nome de Assassin's Creed: Revelações.

Assassin's Creed: Renegado é o quinto livro da série Assassin's Creed, escrito por Oliver Bowden. Conta a história do jogo centrado na Revolução Americana. Drama vivido por Haytham Kenway.[34] Diferentemente dos demais livros, que são divididos em diversos capítulos, Renegado é constituido por quatro partes, que são: Parte Um - Trechos do diário de Haytham E. Kenway; Parte Dois - 1747, doze anos depois; Parte Três - 1753, seis anos depois e; Parte Quatro - 1774, dezesseis anos depois. Seguido de um epílogo, sendo que as quatro primeiras partes são narradas a partir da visão de Haytham Kenway e a última na de Connor. De forma contrária ao jogo, tal obra tem como protagonista o próprio Haytham, não o seu filho Connor. No Brasil, a editora Galera Record publicou o livro em novembro de 2012 com o nome de Assassin's Creed: Renegado.[35]

Assassin's Creed: Black Flag é uma novelização inspirada na franquia de games Assassin's Creed. Escrito por Oliver Bowden, o sexto livro começa em 1715 e conta a história de Edward Kenway, um notável pirata e corsário que viveu na Era Dourada dos Piratas. Ele é o pai de Haytham Kenway e avô de Ratonhnhaké:ton (Connor Kenway), personagens apresentados aos leitores em Assassin's Creed: Renegado. Assassin's Creed: Bandeira Negra mistura exploração naval com combate e aventuras, tanto em terra quanto no mar das Caraíbas.

Assassin's Creed: União é o equivalente ao jogo Assassin's Creed Unity e uma continuação da série de livros da franquia Assassin's Creed escrito por Oliver Bowden. O sétimo livro é ambientado na França durante a Revolução Francesa. O livro centra-se nos acontecimentos da Revolução na perspectiva da templária Élise De La Serre, que junto do assassino Arno Victor Dorian investigam a morte do pai de Élise bem como o crescimento de uma ideologia dentro da Ordem dos Cavaleiros Templários que ameaça a própria organização. Arno está apaixonado por Élise, cuja família o adotou após a morte do pai biológico de Arno, que ocorreu quando este tinha apenas 8 anos, sendo que na época Arno não sabia que o pai era um Assassino. Quando o seu pai adotivo é assassinado, parte numa tentativa de redenção juntando-se à Irmandade dos Assassinos, subindo gradualmente de nível e vivendo mais tarde um romance proibido com Élise (esta havia traído os templários na tentativa de unir Assassinos e Templários). Outros personagens incluem o libertino Marquês de Sade e o político templário Maximilien de Robespierre. Foi lançado em 2014.

Assassin’s Creed: Submundo é o equivalente ao jogo Assassin’s Creed Syndicate, lançado também em 2015. Ambos os títulos se passam na Inglaterra da Era Vitoriana, com o livro se iniciando no ano de 1862, antes de concluir com o enredo de Jacob e Evie Frye em Assassin's Creed: Syndicate. Neste livro, o foco da história é ninguém menos que Henry Green, o Assassino de Londres que direciona os irmãos Jacob e Evie Frye no jogo. No livro, ficamos sabendo mais sobre o passado do personagem (que, na verdade, se chama Jayadeep Mir, filho de Arbaaz Mir, personagem principal dos quadrinhos Assassin’s Creed Brahman e estrelando o jogo Assassin’s Creed Chronicles India).

Assassin's Creed: Heresia é um livro escrito por Christie Golden e lançado em 15 de novembro de 2016. Christie Golden traz uma história original ambientada no universo de Assassin's Creed. Revivendo as memórias de seu ancestral Gabriel Laxart, que lutou ao lado de Joana d'Arc, o Templário de alto escalão, Simon Hathaway, revela lentamente segredos do passado que poderiam perigosamente impactar o seu presente... e de toda a ordem dos Templários.

Assassin's Creed: Livro Oficial do Filme é a adaptação da Ubisoft do filme de 2016 Assassin's Creed, escrito por Christie Golden. Foi lançado em 21 de dezembro de 2016. Além de adaptar o filme em si, que conta a história de Callum Lynch e seu antepassado que viveu durante a Inquisição Espanhola, Aguillar de Nehar, o livro também vem com "Regressões", uma antologia de histórias curtas de Nathan, Emir, Moussa e Lin com seus respectivos antepassados Duncan Walpole, Yusuf Tazim, Baptiste e Shao Jun. Também contem um trecho de Assassin's Creed: Heresy.

Assassin's Creed Origins - Juramento do Deserto é uma romantização escrita por Oliver Bowden, que foi lançado em 10 de outubro de 2017. É uma prequela de Assassin's Creed: Origins, ambientada em 70 a.C. Antes de Assassin's Creed: Origins, houve um juramento. Egito, 70 a.C, um assassino implacável vagueia pela terra. Sua missão: encontrar e destruir os últimos membros de uma ordem antiga, os Medjay - para erradicar a linhagem. Em uma Síua pacífica, o protetor da cidade parti abruptamente, deixando seu filho adolescente, Bayek, com perguntas sobre seu próprio futuro e uma sensação de propósito que ele sabe que ele deve cumprir. Bayek partiu em busca de respostas, sua jornada levando-o ao longo do Nilo e através de um Egito em tumulto, de frente para os perigos e os mistérios dos "Medjay".

Assassin's Creed: Odisseia é a adaptação literária de Assassin's Creed Odissey. Kassandra foi criada por seus pais para ser feroz e indiferente, a criança espartana ideal, destinada à grandeza. Mas quando uma tragédia terrível a deixa encalhada na ilha de Kephallonia, perto da Grécia, ela decide encontrar trabalho como mercenária, longe das restrições de Esparta. Muitos anos depois, Kassandra é atormentada por dívidas e vive sob a sombra de um tirano quando um estranho misterioso oferece a ela um acordo: assassinar o Lobo, um renomado general espartano, e ele vai limpar sua dívida. A oferta é simples, mas a tarefa não é, pois para ter sucesso ela precisará se infiltrar na guerra entre as duas principais cidades-estados da Grécia Antiga: a democrática Atenas e a ditatorial Esparta.

Histórias em quadrinhosEditar

  • Assassin's Creed: Graphic Novel
  • Assassin's Creed, Volume 1: Desmond
  • Assassin's Creed, Volume 2: Aquilus
  • Assassin's Creed, Volume 3: Accipiter
  • Assassin's Creed, Volume 4: Hawk
  • Assassin's Creed, Volume 5: El Cakr
  • Assassin's Creed, Volume 6: Leila
  • Assassin's Creed: The Fall
 Ver artigo principal: Assassin's Creed: The Fall
  • Assassin's Creed: The Chain
 Ver artigo principal: Assassin's Creed: The Chain
  • Assassin's Creed: Brahman
 Ver artigo principal: Assassin's Creed: Brahman

FilmesEditar

Assassin's Creed: Lineage

Assassin's Creed: Lineage é um filme de 36 minutos que serve como uma prequela (prelúdio) para o jogo Assassin's Creed II. A curta, lançada em três partes pelo YouTube, promoveu o jogo e foi a primeira tentativa da Ubisoft de dar o seu primeiro passo em direção à indústria cinematográfica. A história é sobre Giovanni Auditore, pai de Ezio, que investiga a morte misteriosa do Duque de Milão Galeazzo Maria Sforza, e as suas primeiras descobertas sobre a conspiração de Rodrigo Borgia.

Assassin's Creed: Ascendance

Assassin's Creed: Ascendance é uma curta-metragem de animação feita pela UbiWorkshop e pela Ubisoft Montreal, e serve como uma ligação entre a história de Assassin's Creed II e Assassin's Creed: Brotherhood. Conta a história de pano de fundo de como Cesare Borgia subiu ao poder. A curta foi lançada a 16 de Novembro de 2010. A história toma lugar no meio dos eventos de Brotherhood, quando Ezio está procurando e juntando informações sobre Cesare Borgia e de um homem encapuzado, que, mais tarde, é descoberto ser Leonardo da Vinci. Está disponível para compra na Xbox Live, PlayStation Network e na iTunes Store.

Assassin's Creed: Embers

Assassin's Creed: Embers é uma curta-metragem animada criada pela UbiWorkshop. O curta foi incluído nas versões Signature e Collector's Edition do jogo Assassin's Creed: Revelations. UbiWorkshop lançou um trailer da curta em 21 de julho de 2011, que foi apresentado na Comic-Con 2011. O trailer de Embers mostra um Ezio mais velho, temendo que alguém esteja atrás dele. Os desenvolvedores descreveram Embers como um epílogo final da história de Ezio, e mesmo podendo assisti-lo a qualquer hora, deveria ser assistido após o final de Assassin's Creed: Revelations, para compreender totalmente o conto de Ezio Auditore da Firenze. O curta mostra a história de um Ezio mais velho, vivendo uma vida pacífica na zona rural de Toscana, com sua mulher Sofia e seus filhos, Flavia e Marcello, e escrevendo suas memórias. Um dia, uma estranha aparece; uma Assassina Chinesa, chamada Shao Jun, que veio até Ezio para buscar conhecimento de sua vida como Assassino. Apesar de Ezio não querer que ela fique, para deixar sua vida como Assassino para trás, Sofia a convida para passar a noite. No dia seguinte, Ezio encontra Jun lendo suas memórias, e a ordena a ir embora, mas volta atrás após ela perguntar o que significa ser um Assassino. Durante uma viagem a Florença, Ezio reconta a história de como seu pai e seus irmãos foram assassinados em praça pública, o forçando a virar um Assassino, e como uma vida é definida pela dor que traz e causa. Quando eles vão embora, os dois são atacados por um estranho, também de origem asiática. Após matá-lo, Jun revela que ela era uma concubina, agora em fuga dos servos do imperador chinês Jiang, e explica como seu antigo mestre a libertou de sua influência. Depois de retornar para sua casa, Ezio diz para Sofia e os seus filhos para saírem de casa, sabendo que outros viriam. Ele então ensina a Jun o segredo para salvar o seu povo da influência do Imperador. Mais tarde, naquela noite, a casa de campo de Ezio é atacada por mais inimigos, e depois de uma dura luta, eles conseguem derrotá-los. Na manhã seguinte, Ezio dá a Shao Jun uma pequena caixa e diz que ela pode vir a usá-la um dia, mas somente "se ela se perder no caminho". Ele, então a manda embora, quando dois cavaleiros aparecem na casa de campo. Algum tempo depois Ezio viaja para Florença, com a sua esposa Sofia e sua filha Flavia, mesmo sofrendo de infartos. Enquanto está descansando num banco, vendo a sua esposa e a sua filha, sorrindo, Ezio tem uma pequena conversa com um jovem com uma cicatriz no rosto — o tipo de jovem que ele era na juventude — ele exala e morre na frente da sua família. A curta então termina quando uma carta que Ezio deixou para Sofia é lida, dizendo que de todas as coisas que o motivou para seguir em frente na vida, o amor pelo mundo em seu redor foi o motivo maior.

Adaptação para o cinema
 Ver artigo principal: Assassin's Creed (filme)

Um filme, Assassin's Creed, que decorre no mesmo universo que os videojogos (entre outra média),[36] tem lançamento previsto para dezembro de 2016.[37] A produção começou em Outubro de 2011, quando a Sony Pictures começou as negociações finais com a Ubisoft Motion Pictures.[38] Foi anunciado que Michael Fassbender terá o papel principal do filme, assim como irá co-produzir.[39] Interpretará o papel de Callum Lynch, cujo ancestral, Aguilar, é um assassino espanhol do século XV.[40] Em Outubro de 2012, a Ubisoft revelou que o filme já não seria produzido pela Sony, mas sim uma co-produção com a New Regency e distribuído pela 20th Century Fox.[41] Michael Lesslie foi contratado para escrever o filme,[42] com Scott Frank, Adam Cooper e Bill Collage a reescreverem o enredo.[43][44] Em Abril de 2014, Justin Kurzel estava em negociações para ser o realizador.[45] As filmagens terão lugar em Malta, Londres e Espanha.[40] Em outubro de 2015, os actores Jeremy Irons e Brendan Gleeson foram confirmados para o elenco do filme.[46]

TelevisãoEditar

Aymar Azaizia da Ubisoft confirmou em Marco de 2017 que estava a ser produzida uma série Assassin's Creed para a televisão, numa parceria com a Netflix. "Tal como o filme, vamos levar o nosso tempo para entregarmos algo de que nos podemos orgulhar," referiu.[47] Mais tarde foi confirmado que será uma série de animação, baseada na anime japonesa.[48]

RecepçãoEditar

Avaliação
a 04 de Junho de 2019
Jogo GameRankings Metacritic
Assassin's Creed (PC) 80%[49]
(PS3) 79%[50]
(X360) 83%[51]
(PC) 79/100[52]
(PS3) 81/100[53]
(X360) 81/100[54]
Assassin's Creed: Altaïr's Chronicles (NDS) 58%[55] (NDS) 58/100[56]
Assassin's Creed: Bloodlines (PSP) 64%[57] (PSP) 63/100[58]
Assassin's Creed II (PC) 84%[59]
(PS3) 91%[60]
(X360) 90%[61]
(PC) 86/100[62]
(PS3) 91/100[63]
(X360) 90/100[64]
Assassin's Creed II: Discovery (NDS) 71%[65] (NDS) 69/100[66]
Assassin's Creed: Brotherhood (PC) 88%[67]
(PS3) 90%[68]
(X360) 91%[69]
(PC) 88/100[70]
(PS3) 90/100[71]
(X360) 89/100[72]
Assassin's Creed: Revelations (PC) 75%[73]
(PS3) 80%[74]
(X360) 79%[75]
(PC) 80/100[76]
(PS3) 80/100[77]
(X360) 80/100[78]
Assassin's Creed III (PC) 81%[79]
(PS3) 86%[80]
(WIIU) 83%[81]
(X360) 85%[82]
(PC) 80/100[83]
(PS3) 85/100[84]
(WIIU) 85/100[85]
(X360) 84/100[86]
Assassin's Creed III: Liberation (PC) 66%[87]
(PS3) 62%[88]
(Vita) 72%[89]
(X360) 62%[90]
(PC) 66/100[91]
(PS3) 64/100[92]
(Vita) 70/100[93]
(X360) 62/100[94]
Assassin's Creed IV: Black Flag (PC) 83%[95]
(PS3) 88%[96]
(PS4) 85%[97]
(WIIU) 87%[98]
(X360) 86%[99]
(XONE) 81%[100]
(PC) 84/100[101]
(PS3) 88/100[102]
(PS4) 83/100[103]
(WIIU) 86/100[104]
(X360) 86/100[105]
(XONE) –[106]
Assassin's Creed Rogue (PC) 70%[107]
(PS3) 74%[108]
(X360) 73%[109]
(PC) 75/100[110]
(PS3) 72/100[111]
(X360) 72/100[112]
Assassin's Creed Unity (PC) 73%[113]
(PS4) 68%[114]
(XONE) 70%[115]
(PC) 70/100[116]
(PS4) 70/100[117]
(XONE) 72/100[118]
Assassin's Creed Syndicate (PS4) 77.28%[119]
(XONE) 80.76%[120]
(PS4) 77/100[121]
(XONE) 77/100[122]
Assassin's Creed Origins (PS4) 81[123]
(XONE) 85[124]
(PC) 84[125]
Assassin's Creed Odyssey (PS4) 83[126]
(XONE) 87[127]
(PC) 86[128]

A série Assassin's Creed, particularmente os jogos principais, receberam análises muito positivas tanto da crítica especializada como dos fãs. Muitos já chamaram a Assassin's Creed "...a série que se destaca na sétima geração de consoles".[129] Em Setembro de 2016 já tinham sido vendidas mais de 100 milhões de cópias de jogos Assassin's Creed.[130]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Interview: Assassin's Creed». CVG. Consultado em 2 de setembro de 2012 
  2. «The Making Of: Assassin's Creed». EDGE. 27 de agosto de 2012. Consultado em 3 de março de 2013. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2013 
  3. «Assassin's Creed: Altair's Chronicles for Palm Pre». Gameloft. Consultado em 26 de dezembro de 2010 
  4. Karmali, Luke (28 de agosto de 2014). «Assassin's Creed Unity Release Date Delayed To November». IGN. Consultado em 28 de agosto de 2014 
  5. Futter, Mike (13 de outubro de 2014). «Assassin's Creed Rogue Coming To PC In 2015». Game Informer. GameStop. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  6. http://jovemnerd.com.br/jovem-nerd-news/games/ubisoft-atrasa-o-lancamento-de-assassins-creed-unity
  7. http://jogos.uol.com.br/ultimas-noticias/2014/08/28/lancamento-de-assassins-creed-unity-e-adiado-para-11-de-novembro.htm
  8. http://omelete.uol.com.br/assassins-creed-unity/games/assassins-creed-unity-e-adiado-para-11-de-novembro/#.VATdYfldX_8
  9. http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2014/08/assassins-creed-unity-atrasa-e-sera-lancado-em-11-de-novembro.html
  10. http://assassinscreed.ubi.com/pt-br/games/assassins-creed-unity.aspx
  11. Schreier, Jason (1 de dezembro de 2014). «Next Year's Big Assassin's Creed Is Set In Victorian London [UPDATE]». Kotaku. Consultado em 4 de dezembro de 2014 
  12. Jason Schreier (7 de maio de 2015). «Next Assassin's Creed To Be Announced Next Week; Now Called Syndicate». Kotaku. Consultado em 8 de maio de 2015 
  13. Louise Blain (12 de maio de 2015). «Who is Evie Frye? Meet Assassin's Creed Syndicate's female hero». GamesRadar+. Consultado em 13 de maio de 2015 
  14. Alexa Ray Corriea (12 de maio de 2015). «Everything We Know About Assassin's Creed Syndicate». GameSpot. Consultado em 13 de maio de 2015 
  15. Alexa Ray Corriea (12 de maio de 2015). «Assassin's Creed Syndicate Story, Characters, and Setting Breakdown». GameSpot. Consultado em 13 de maio de 2015 
  16. Gabe Gurwin, Steven Petite (13 de junho de 2017). «EVERYTHING WE KNOW ABOUT 'ASSASSIN'S CREED ORIGINS'». Digital Trends. Consultado em 14 de junho de 2017 
  17. Samit Sarkar (12 de junho de 2017). «New Assassin's Creed Origins trailer introduces ancient Egypt». Polygon. Consultado em 14 de junho de 2017 
  18. https://www.vg247.com/2020/04/29/assassins-creed-valhalla-full-reveal-tomorrow/
  19. https://www.gamespot.com/articles/assassins-creed-valhalla-15-studios-are-working-on/1100-6476656
  20. http://www.guinnessworldrecords.com/news/2019/4/assassins-creed-kingdom-gaming-marathons-gamers-podcast-episode-19
  21. https://www.vg247.com/2019/04/06/assassins-creed-kingdom-features-vikings/
  22. https://kotaku.com/odd-tease-in-the-division-2-spills-the-beans-on-the-nex-1833838193
  23. «Assassin's Creed Recollection for iPhone 3GS, iPhone 4, iPhone 4S, iPhone 5, iPod touch (2nd generation), iPod touch (3rd generation), iPod touch (4th generation), iPod touch (5th generation), and iPad on the iTunes App Store». itunes.apple.com. 18 de agosto de 2012. Consultado em 30 de novembro de 2012 
  24. «Assassin's Creed Rearmed for iPhone 3GS, iPhone 4, iPhone 4S, iPod touch (2nd generation), iPod touch (3rd generation), iPod touch (4th generation) and iPad on the iTunes App Store». Itunes.apple.com. 3 de maio de 2012. Consultado em 15 de agosto de 2012 
  25. «Sony announces white PS Vita bundle with Assassin's Creed III: Liberation». Engadget. Consultado em 15 de agosto de 2012 
  26. Lewis, Anne (24 de outubro de 2013). «ASSASSIN'S CREED LIBERATION HD – RELEASE DATE AND PRE-ORDER BONUSES». UbiBlog. Ubisoft. Consultado em 24 de outubro de 2013 
  27. Goldfarb, Andrew (25 de novembro de 2013). «Assassin's Creed Pirates Release Date, Price Announced». IGN. Consultado em 26 de novembro de 2013 
  28. Goldfarb, Andrew (10 de setembro de 2013). «Assassin's Creed Liberation HD, Pirates Announced». IGN. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  29. Miller, Matt (21 de agosto de 2014). «Assassin's Creed Memories Launches On iOS». Game Informer. GameStop. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  30. Marchiafavra, Jeff (22 de setembro de 2014). «Assassin's Creed Unity Season Pass Includes Newly Announced 2.5D Downloadable Title». Game Informer. GameStop. Consultado em 22 de setembro de 2014 
  31. Sinha, Robin (1 de outubro de 2014). «Ubisoft Unveils Assassin's Creed Identity for IPhone and IPad». NDTV Gadgets. NDTV Convergence Limited. Consultado em 16 de outubro de 2014 
  32. «Assassin's Creed: Renascença». Galera Record. Consultado em 2 de março de 2012 
  33. «Assassin's Creed: Irmandade». Galera Record. Consultado em 10 de março de 2012 
  34. Stephany Nunneley (18 de Julho de 2012). «Assassin's Creed: Forsaken – novel tells the story of AC3′s Connor» (em inglês). VG247. Consultado em 12 de Abril de 2013. Ubisoft has announced a novelization of Assassin’s Creed III will be released on December 4. Written by Oliver Bowden, the novel “Assassin’s Creed: Forsaken” will tell the origins of Connor [...]. [A Ubisoft anunciou que uma romanceação de Assassin’s Creed III será lançada em 4 de Dezembro. Escrito por Oliver Bowden, o romance “Assassin’s Creed: Forsaken” contará as origens de Connor [...].] 
  35. Felipe Felizardo (11 de novembro de 2012). «Assassin's Creed: Renegado é livro que conta as origens do protagonista Connor Kenway» (em inglês). GameFM. Consultado em 26 de abril de 2013. A Livraria Saraiva já tem em seu estoque o mais novo lançamento da Editora Galera em parceria com a Ubisoft. “Assassin’s Creed: Renegado“, escrito por Oliver Bowden, conta as origens de Connor Kenway, o protagonista de origem indígena de “Assassin’s Creed III“. 
  36. Osborn, Alex (28 de agosto de 2015). «ASSASSIN'S CREED MOVIE FEATURES SHARED UNIVERSE WITH GAMES». IGN. Consultado em 28 de agosto de 2015 
  37. Tom Phillips (6 de janeiro de 2015). «Assassin's Creed film now due Christmas 2016». Eurogamer. Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  38. Graser, Marc (20 de outubro de 2011). «Sony breeds 'Creed'». Variety. Consultado em 10 de agosto de 2014 
  39. Wigler, Josh (9 de julho de 2012). «Michael Fassbender To Star In 'Assassin's Creed'». MTV. Consultado em 10 de agosto de 2014 
  40. a b Doty, Meriah (27 de agosto de 2015). «'Assassin's Creed' First Look: Here's Michael Fassbender as Brand New Character (Exclusive)». Yahoo. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  41. Graser, Marc (22 de outubro de 2012). «New Regency, Fox partner on Ubisoft's 'Assassin's Creed'». Variety. Consultado em 10 de agosto de 2014 
  42. Siegel, Tatiana (14 de janeiro de 2013). «New Regency and Ubisoft Tap Brit Writer for 'Assassin's Creed' Film (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Consultado em 10 de agosto de 2014 
  43. Vejvoda, Jim (16 de agosto de 2013). «Scott Frank Rewriting Assassin's Creed Movie». IGN. Consultado em 16 de agosto de 2013 
  44. Fleming Jr., Mike (7 de abril de 2014). «'Exodus' Scribes Adam Cooper & Bill Collage Take 'Assassin's Creed'». Deadline.com. Consultado em 7 de abril de 2014 
  45. Fleming, Jr., Mike (29 de abril de 2014). «Michael Fassbender Poised To Re-Team With 'Macbeth' Helmer On 'Assassin's Creed'». Deadline.com. Consultado em 29 de abril de 2014 
  46. Luís Alves (4 de outubro de 2015). «Jeremy Irons e Brendan Gleeson confirmados para o filme de Assassin's Creed». Eurogamer. Consultado em 5 de outubro de 2015 
  47. Moore, Rose (23 de março de 2017). «Assassin's Creed TV Show In Development». ScreenRant. Consultado em 23 de março de 2017 
  48. «ASSASSIN'S CREED ANIME ANNOUNCED BY CASTLEVANIA NETFLIX PRODUCER». IGN 
  49. «Assassin's Creed: Director's Cut Edition Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  50. «Assassin's Creed Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  51. «Assassin's Creed Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  52. «Assassin's Creed: Director's Cut Edition Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  53. «Assassin's Creed Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  54. «Assassin's Creed Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  55. «Assassin's Creed: Altaïr's Chronicles Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  56. «Assassin's Creed: Altaïr's Chronicles Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  57. «Assassin's Creed: Bloodlines Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  58. «Assassin's Creed: Bloodlines Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  59. «Assassin's Creed II Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  60. «Assassin's Creed II Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  61. «Assassin's Creed II Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  62. «Assassin's Creed II Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  63. «Assassin's Creed II Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  64. «Assassin's Creed II Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  65. «Assassin's Creed II: Discovery Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  66. «Assassin's Creed II: Discovery Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  67. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  68. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  69. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  70. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  71. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  72. «Assassin's Creed: Brotherhood Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  73. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  74. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  75. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  76. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  77. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  78. «Assassin's Creed: Revelations Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  79. «Assassin's Creed III Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  80. «Assassin's Creed III Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  81. «Assassin's Creed III Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  82. «Assassin's Creed III Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  83. «Assassin's Creed III Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  84. «Assassin's Creed III Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  85. «Assassin's Creed III Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  86. «Assassin's Creed III Reviews». Metacritic. Consultado em 19 de junho de 2011 
  87. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». GameRankings. Consultado em 27 de abril de 2014 
  88. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». GameRankings. Consultado em 27 de abril de 2014 
  89. «Assassin's Creed III: Liberation Reviews». GameRankings. Consultado em 19 de junho de 2011 
  90. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». GameRankings. Consultado em 27 de abril de 2014 
  91. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». Metacritic. Consultado em 27 de abril de 2014 
  92. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». Metacritic. Consultado em 27 de abril de 2014 
  93. «Assassin's Creed III: Liberation Reviews». Metacritic. Consultado em 17 de abril de 2015 
  94. «Assassin's Creed Liberation HD Reviews». Metacritic. Consultado em 27 de abril de 2014 
  95. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  96. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  97. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  98. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  99. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  100. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». GameRankings. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  101. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  102. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  103. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  104. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  105. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  106. «Assassin's Creed IV: Black Flag Reviews». Metacritic. Consultado em 30 de outubro de 2013 
  107. «Assassin's Creed Rogue Reviews». GameRankings. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  108. «Assassin's Creed Rogue Reviews». GameRankings. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  109. «Assassin's Creed Rogue Reviews». GameRankings. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  110. «Assassin's Creed Rogue Reviews». Metacritic. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  111. «Assassin's Creed Rogue Reviews». Metacritic. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  112. «Assassin's Creed Rogue Reviews». Metacritic. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  113. «Assassin's Creed Unity Reviews». GameRankings. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  114. «Assassin's Creed Unity Reviews». GameRankings. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  115. «Assassin's Creed Unity Reviews». GameRankings. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  116. «Assassin's Creed Unity Reviews». Metacritic. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  117. «Assassin's Creed Unity Reviews». Metacritic. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  118. «Assassin's Creed Unity Reviews». Metacritic. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  119. «"Assassin's Creed Syndicate for PlayStation 4"». GameRankings. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  120. «"Assassin's Creed Syndicate for Xbox One"». GameRankings. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  121. «"Assassin's Creed Syndicate for PlayStation 4 Reviews"». Metacritic. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  122. «"Assassin's Creed Syndicate for Xbox One Reviews"». Metacritic. Consultado em 22 de outubro de 2015 
  123. http://www.metacritic.com/game/playstation-4/assassins-creed-origins
  124. http://www.metacritic.com/game/xbox-one/assassins-creed-origins
  125. http://www.metacritic.com/game/pc/assassins-creed-origins
  126. https://www.metacritic.com/game/playstation-4/assassins-creed-odyssey
  127. https://www.metacritic.com/game/xbox-one/assassins-creed-odyssey
  128. https://www.metacritic.com/game/pc/assassins-creed-odyssey
  129. «Assassin's creed 3 Review». Blast. Consultado em 11 de novembro de 2012 
  130. «Assassin's Creed Franchise Has Sold 100 Million Copies». Escapist Magazine. 13 de setembro de 2016. Consultado em 19 de outubro de 2016 

Ligações externasEditar