Abrir menu principal

Wikipédia β

Pindamonhangaba

município da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte no estado de São Paulo, no Brasil

Pindamonhangaba é um município brasileiro da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, no estado de São Paulo. O principal acesso à cidade se dá pela Rodovia Presidente Dutra, no quilômetro 99. O município está a cerca de cem quilômetros da divisa com o estado Rio de Janeiro e a cerca cinquenta quilômetros da divisa com o estado de Minas Gerais. A capital mais próxima de Pindamonhangaba é São Paulo, que está a 146 quilômetros de distância.[9] Pindamonhangaba também faz divisa com a estância climática de Campos do Jordão. A distância entre os dois municípios é de aproximadamente cinquenta quilômetros e a ligação é feita pela Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro ou pela Estrada de Ferro Campos do Jordão, que possui o ponto ferroviário mais alto do Brasil, a 1 743 metros de altitude.

Município de Pindamonhangaba
"Princesa do Norte"
"Capital Nacional da Reciclagem"
"Pinda"
Bandeira de Pindamonhangaba
Brasão de Pindamonhangaba
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 10 de julho
Fundação 10 de julho de 1705 (312 anos) [nota 1]
Gentílico pindamonhangabense
Lema Pro Patria Semper
Pela Pátria Sempre
Padroeiro(a) Nossa Senhora do Bom Sucesso[1][2]
Prefeito(a) Isael Domingues (PR)
(2017–2020)
Localização
Localização de (Sem nome)
Localização de Pindamonhangaba em São Paulo
Pindamonhangaba está localizado em: Brasil
Localização de Pindamonhangaba no Brasil
22° 55' 26" S 45° 27' 43" O22° 55' 26" S 45° 27' 43" O
Unidade federativa  São Paulo
Região
intermediária

São José dos Campos IBGE/2017 [3]

Região
imediata

Taubaté-Pindamonhangaba IBGE/2017 [3]

Região metropolitana Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, Sub-região 2-Taubaté
Municípios limítrofes N:Campos do Jordão

NE:Guaratinguetá, Potim

L:Roseira,

O:Taubaté,Tremembé

NO:Santo Antônio do Pinhal

SO: Lagoinha (São Paulo)

Distância até a capital 146 km[4]
Características geográficas
Área 729,9 km² [5]
População 164 000 hab. Estimativa IBGE/2017[5]
Densidade 224,69 hab./km²
Altitude 540 m
Clima Subtropical úmido (Cwa) [6]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,773 (SP: 96°) – elevado PNUD/2010[7]
PIB R$ 6 227 820 mil (BR: 148º) – IBGE/2014[8]
PIB per capita R$ 39 202 21 IBGE/2014[8]
Página oficial
Prefeitura Website oficial
Câmara Website oficial

A população aferida pelo IBGE no Censo de 2010 era de 146 995 habitantes, distribuídos em uma área de 729,9 km², o que resultava em uma densidade populacional de 201,39 habitantes por km².[5] Na estimativa populacional calculada pelo IBGE para 1º de julho de 2017, a população de Pindamonhangaba era de 164 000,[5] resultando em uma densidade estimada de 224,69 habitantes por km².

A cidade possui o maior polo industrial de reciclagem de latas de alumínio da América Latina.[10] Também possui a maior comunidade ligada ao Movimento Hare Krishna da América Latina.[11]

Índice

TopônimoEditar

O nome da cidade deriva do tupi e significa "lugar onde se fazem anzóis", através da junção das palavras pindá (anzol), monhang (fazer) e aba (lugar)[12] [nota 2]

HistóriaEditar

São duas as teorias sobre a fundação da cidade:

Primeira teoriaEditar

A região da atual Pindamonhangaba foi ocupada por portugueses pelo menos desde 22 de julho de 1643, registro mais remoto da ocupação por um certo capitão João do Prado Martins. Seis anos depois, em 17 de maio de 1649, a área foi formalizada como uma sesmaria e doada ao capitão. Parece não haver informação sobre o que ocorreu entre esta data e 12 de agosto de 1672, portanto treze anos depois, data do primeiro registro da construção de uma capela em homenagem a São José pelos irmãos Antônio Bicudo Leme e Braz Esteves Leme, filhos do bandeirante Brás Esteves Leme, que fundaram a povoação de São José de Pindamonhangaba, tendo o Padre João de Faria Fialho como primeiro vigário. Os irmãos Leme teriam adquirido da Condessa de Vimieiro essas glebas de terra ao norte da Vila de Taubaté, à margem direita do Rio Paraíba do Sul. Não há notícia de como a sesmaria teria passado das mãos do Capitão Martins para a Condessa de Vimieiro.
A capela foi edificada no alto de uma colina, exatamente onde hoje se localiza a Praça Padre João de Faria Fialho, conhecida como praça do Quartel.

Baseado nesta teoria, em 7 de dezembro de 1953, o então prefeito Caio Gomes Figueiredo (1952-1955 e 1969-1972) [13] oficializou, pela Lei 197, a data de 12 de agosto de 1672 como a data da fundação de Pindamonhangaba, tendo como fundadores, Antônio Bicudo Leme e Braz Esteves Leme.[14] Esta lei, porém, foi revogada em 1973, como se verá a seguir.

Segunda teoriaEditar

No início do Século XVII, sesmarias foram sendo concedidas na zona de Taubaté – Pindamonhangaba – Guaratinguetá, destacando-se uma que foi concedida em 17 de maio de 1649 ao capitão João do Prado Martins na paragem chamada Pindamonhangaba. De acordo com a respectiva carta de doação, esse povoador, vindo de São Paulo com a família e agregados, já estava de posse de suas terras, naquela paragem, desde o dia 22 de julho de 1643. Por esta teoria, seria então a data de fundação de Pindamonhangaba, pois o sítio então aberto por João do Prado se situava no mesmo rocio da futura vila e cidade de nossos dias. A partir daí, da paragem à margem direita do Rio Paraíba do Sul, teria se formado um bairro dependente de Taubaté, para onde foram afluindo novos povoadores e moradores. Começou a funcionar, no povoado, uma igreja, de porte pequeno, cujo orago era Nossa Senhora do Bom Sucesso. A sua ereção foi devida ao padre João de Faria Fialho, considerado, segundo esta teoria, o fundador de Pindamonhangaba. Aquela antiga igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso, edificada na atual praça Padre João de Faria Fialho ou praça do Quartel, cedeu seu orago para o novo templo, construído em 1707 pelo mesmo sacerdote, onde é a atual capela mor da Matriz (Santuário Mariano Diocesano). A igreja antiga no largo do Quartel tomou o orago de São José a partir de 1727.

 
Igreja de São José, construída por volta de 1848

Foi demolida em 1840, tendo sido transferida para uma nova, edificada no largo São José, atual praça Barão do Rio Branco, cuja construção foi concluída em 1848. No local estão sepultados os corpos de soldados do Império, que integravam a guarda de honra de Dom Pedro. A igreja, tombada pelo patrimônio histórico, foi interditada em 2010 por apresentar rachaduras nas paredes, que são de taipa de pilão.[15]

Data oficial da fundaçãoEditar

Diante das incertezas históricas sobre a data de fundação (12 de agosto de 1672 pela primeira teoria ou 22 de julho de 1643, pela segunda teoria), o prefeito João Bosco Nogueira (1973-1976 e 1983-1988) [13] promulgou a Lei Municipal n° 1336, de 9 de março de 1973, oficializando a data magna do município como sendo a data da emancipação política, 10 de julho de 1705, revogando a lei anterior.[16][17]
Esta data permanece a oficial até que seja encontrada de forma documental, a verdadeira data da fundação.

Moreira César (Distrito)Editar

 Ver artigo principal: Moreira César

É este um dos mais importantes bairros de Pindamonhangaba, de cuja sede dista treze quilômetros, contíguo ao bairro de Coruputuba onde se localiza a fazenda de igual nome da Cia. Agrícola Cícero Prado. De certa forma, o intenso progresso desse bairro vem exatamente do surgimento daquela companhia.

Inicialmente, ali estabeleceu-se Antônio Claro César, fazendeiro muito temido pelos escravos, entre os lugares denominados Barranco Alto e Nhambuí, nomes hoje desusados.

Acredita-se que passasse por ali um caminho para Ubatuba, para onde era escoada a produção de café das fazendas situadas naquela faixa, desde a Mantiqueira até a Quebra-Cangalha, donde também a razão de ser do nome desta serra.

Em 18 de janeiro de 1877 foi inaugurada a Estrada de Ferro São Paulo - Rio de Janeiro, construída pela Companhia São Paulo e Rio de Janeiro, presidida pelo Barão Homem de Melo, em Pindamonhangaba. Em 8 de julho do mesmo ano, era inaugurado o trecho total da estrada entre São Paulo e Cachoeira, de 231 km, conforme o projeto original sancionado pela Lei Provincial nº 28, pelo Presidente da Província, Dr. Antonio da Costa Pinto e Silva.[18]

Por volta de 1880, foi instalado um posto telegráfico no bairro e, desde então, os fazendeiros das redondezas se interessaram pela instalação de uma estação ferroviária. Nisso se empenharam o Capitão Alexandre Mendes, Antônio Ferreira César e Bernardino de Sena Leite, os quais doaram as terras necessárias àquele fim.

Anos mais tarde, em 1890, logo após a Proclamação da República, a estrada de ferro seria encampada pelo governo federal, passando, no ano seguinte, a denominar-se Estrada de Ferro Central do Brasil.

Em 7 de janeiro de 1898, foi inaugurada a Estação de Moreira César, em homenagem ao pindamonhangabense Coronel Antônio Moreira César, que morreu na Campanha de Canudos, na Bahia, no comando de tropas do governo.

O bairro foi classificado como distrito policial em 1907, com a construção de uma cadeia e a nomeação dos seguintes subdelegados: Capitão Alexandre Mendes, Antônio Alves Moutinho, Ildefonso de França Machado e Olímpio Marcondes de Azevedo.

Na primeira legislatura após a redemocratização do país em 1946, conseguiu eleger um representante de fato desse bairro, o Vereador José Francisco Machado, que, no entanto, faleceu durante seu mandato. Na segunda legislatura, em 1954, outro vereador foi eleito - Ângelo Paz da Silva - que pleiteou pela primeira vez a elevação do bairro de Moreira César à categoria de distrito de paz, o que só veio a ocorrer a 31 de dezembro de 1958, pela Lei Estadual n.º. 5.121. O Distrito de Paz de Moreira César foi instalado a 31 de dezembro de 1962, em solenidade realizada no pátio da Escola Estadual Deputado Claro César, com a presença do então juiz de direito da Comarca de Pindamonhangaba, Paulo de Campos Azevedo. O primeiro subprefeito do distrito foi o contador Alfredo Augusto Mesquita.

DesenvolvimentoEditar

Em fins do século XVII, Pindamonhangaba vivia apenas da agricultura de subsistência. No início do século XVIII, alguns pindenses saem para a Serra da Mantiqueira e para Minas Gerais para desbravar novas terras e acabam beneficiando a Vila e o Vale do Paraíba com o ouro ali encontrado, mas em torno de 1778 o ouro começa a escassear e estanca a economia de Pindamonhangaba e do Vale do Paraíba.

Por volta de 1789, para suprir as necessidades trazidas pela falta de ouro, o Vale acha na agricultura do café uma saída para a economia.

Durante o século XVIII, além do café, desenvolveu-se também em Pindamonhangaba uma atividade agropastoril, com predominância da cultura de cana-de-açúcar e a produção de açúcar e aguardente em engenhos. Durante o período do café no Brasil, a cidade viveu sua fase de maior brilho e se destacou no cenário Nacional. O ciclo do café floresceu no Município a partir de 1820, e Pindamonhangaba se tornou um grande centro cafeeiro, apoiado em suas terras férteis e na mão de obra escrava. Entre 1840 e 1860 Pindamonhangaba atinge o auge da nobreza, tornando-se a maior produtora de café da região. Nessa época, foram construídos o Palácio Dez de Julho, o Palacete Visconde da Palmeira, o Palacete Tiradentes, a Igreja São José e a Igreja Matriz Nossa Senhora do Bom Sucesso, que ainda hoje são marcos da riqueza produzida pelo café.

Pindamonhangaba foi elevada a cidade por lei provincial de 3 de abril de 1849 e ganhou, do cronista e poeta Emílio Zaluar em 1860, o título de "Princesa do Norte".

 
Zona rural de Pindamonhangaba. Ao fundo, sede da Cachaça Sapucaia e a Serra da Mantiqueira.

A nobreza rural neste período esteve bem representada em Pindamonhangaba:

Em meados de 1870, com o esgotamento das terras, o movimento abolicionista e a produção cada vez maior do Oeste paulista, acontece o início da decadência da cultura cafeeira de Pindamonhangaba, que se extinguiu no final da década de 1920, não tendo resistido aos golpes produzidos pela exaustão das terras, a libertação dos escravos e a crise econômica mundial. A partir daí Pindamonhangaba passa por mais um de seus graves períodos de estagnação econômica. Com a chegada de algumas famílias vindas principalmente de Minas Gerais, a economia de Pindamonhangaba passou a se apoiar na constituição de uma importante bacia leiteira, em extensas culturas de arroz e na produção de hortigranjeiros. Foi uma época de pequeno crescimento econômico, que se estendeu até o final da década de 1950, quando o Município entrou no ciclo pré-industrial, com o beneficiamento de produtos agropecuários, principalmente o arroz e o leite, movimentando a economia local.. O período de 1970 a 1985 foi, para Pindamonhangaba, uma fase de crescimento industrial extremamente acelerado, com a implantação de grandes indústrias, crescimento do comércio e da população, mudando profundamente, a face do Município.

Economia atualEditar

 
Símbolo da reciclagem de alumínio em Pindamonhangaba, que é o maior polo de reciclagem de latas de alumínio da América Latina

Pindamonhangaba, em 2014, possuía um PIB de R$ 6,23 bilhões, que a colocava em 148º lugar entre os 5 570 municípios brasileiros. Deste valor, a maior participação foi do setor de serviços, com valor adicionado de R$ 2,362 bilhões (37,9%); em segundo lugar, o setor industrial, com R$ 2,283 bilhões (36,6%) e em terceiro lugar, a agropecuária, com R$ 23,58 milhões (0,38%). O valor adicionado de impostos foi de R$ 1,034 bilhões (16,6%) e o adicionado da administração, serviços públicos e seguridade social foi R$ 524,2 milhões (0,84%).[8] Sua indústria tem importante atuação na reciclagem de alumínio.[10]

Evolução do PIB de 1999 a 2014Editar

Fonte: IBGE – Cidades [5]

Ano PIB (R$) Evolução
1999 1,134 bilhão
2000 1,305 bilhão +15,1%
2002 1,765 bilhão +35,2%
2004 2,324 bilhões +31,7%
2006 2,987 bilhões +28,5%
2008 4,048 bilhões +35,5%
2010 3,820 bilhões -5,6%
2012 5,119 bilhões +34,0%
2014 6,227 bilhões +21,6%

IndústriasEditar

DemografiaEditar

Dados do Censo - 2010Editar

Estimativa populacionalEditar

Estimativa calculada pelo IBGE para 1.º de julho de 2017: 164 000 habitantes.[5]

Evolução populacional de 1991 a 2017Editar

Fonte: IBGE – Cidades [35][5]

Ano Habitantes Evolução/ano
1991 102 063
1996 113 318 +2,2%
2000 126 026 +2,8%
2007 135 682 +1,1%
2010 146 995 +2,8%
2014 158 864 +2%
2017 164 000 +1,1%

EtniasEditar

Cor/Raça Nº de pessoas Percentagem
Branca 95 057 64,67%
Parda 43 595 29.66%
Preta 6 946 4,73%
Amarela 1 254 0,85%
Indígena 143 0,10%

Fonte: IBGE – Censo 2010 [36]

ReligiãoEditar

No Censo de 2010, os resultados aferidos pelo IBGE constataram que a maioria da população residente permanecia adepta da religião Católica Apostólica Romana (64,42%), vindo em seguida a religião Evangélica (24,48%), depois a religião Espírita (2,41%), seguida da Testemunhas de Jeová (1,31%). Declararam-se sem religião, 5,59%. Os restantes 1,78% da população residente declararam-se de outras denominações ou de religiosidade indeterminada.

Religião Nº de pessoas Percentagem
Católica Apostólica Romana 94 701 64,42%
Evangélica 35 984 24,48%
Espírita 3 548 2,41%
Testemunhas de Jeová 1 924 1,31%
Outras religiões 2 614 1,78%
Sem religião 8 224 5,59%

Fonte: IBGE – Censo 2010 [37]

GeografiaEditar

ClimaEditar

Pindamonhangaba está à altitude de 540 metros, possui clima subtropical úmido, apresentando temperatura média anual de 22,4°C. A temperatura média no inverno é de 11°C e a média no verão é de 31°C. Seu Índice pluviométrico anual é de 1.436,9 mm, sendo janeiro o mês mais chuvoso, com precipitação de 243,9 mm e julho o menos chuvoso, com 27,5 mm.[6] Tem um clima ameno por estar situada no centro do Vale do Paraíba paulista e próxima tanto da Serra da Mantiqueira, como da Serra do Mar.

FloraEditar

Pindamonhangaba, por estar localizada entre as serras da Mantiqueira e do Mar possui exuberantes matas, rios e cachoeiras. Entre as dezenas de pontos turísticos espalhados pela zona rural do município, destaca-se a Reserva Ecológica Municipal do Trabiju. Ao redor de sua cachoeira existem espécies raras da flora, entre elas o angico-branco, embaúba, guarantã, peroba, jaborandi, palmeiras e samambaias. A lei municipal nº 1627, de 27 de junho de 1979,[38] criou a “Reserva Florestal do Trabiju”, uma área compreendida pela Fazenda Represa, de propriedade do Município e localizada no bairro denominado Trabiju, a cerca de 16 km do centro da cidade. Esta Lei proíbe desmatar qualquer parcela daquela propriedade ou retirar espécimes da fauna e da flora existentes naquela mata.[39]

HidrografiaEditar

InfraestruturaEditar

 
Ponto da linha férrea mais alta do país entre Pindamonhangaba e Campos do Jordão.

RodoviasEditar

FerroviasEditar

EducaçãoEditar

AdministraçãoEditar

Filhos IlustresEditar

ArtesEditar

EsportesEditar

 
Memorial a João do Pulo na entrada de Pindamonhangaba.

FilantropiaEditar

HistóriaEditar

JustiçaEditar

  • Manuel da Costa Manso - promotor de justiça - Procurador geral do Estado e ministro do Tribunal de Justiça de São Paulo.

MilitarismoEditar

PolíticaEditar

SaúdeEditar

Pontos TurísticosEditar

Vista do alto da Serra da Mantiqueira a partir do Pico do Itapeva

Cidades irmãsEditar

Notas

  1. Vide data oficial da fundação.
  2. Uma outra teoria aceita é que Pindamonhangaba significa "lugar onde o rio faz a curva", devido ao curso do Rio Paraíba do Sul ao passar pelo Bosque da Princesa. Esta tese é reforçada pelo fato de que os indígenas da época não conheciam (e nem poderiam fabricar) anzóis.(Gênese da imprensa valeparaibana: os primeiros cinco anos (1859-1863)-Página 11)


Ver tambémEditar

Referências

  1. «Paróquia Nossa Senhora do Bom Sucesso celebra Novena e Festa da Padroeira». ValeNews. 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 9 de novembro de 2011 
  2. Pinda celebra a padroeira Nossa Senhora do Bom Sucesso
  3. a b «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  4. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  5. a b c d e f g h «São Paulo » Pindamonhangaba». IBGE Cidades. IBGE. 1 de julho de 2017. Consultado em 30 de agosto de 2017 
  6. a b «Clima dos Municípios Paulistas_Pindamonhangaba». Cepagri_Unicamp. Consultado em 27 de setembro de 2013 
  7. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 5 de agosto de 2013 
  8. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». IBGE. Consultado em 24 de julho de 2017 
  9. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 28 de janeiro de 2011 
  10. a b «Brasil recicla 98% das latas de alumínio fabricadas». Portal G1. 23 de abril de 2012. Consultado em 24 de agosto de 2014 
  11. «Nova Gokula inicia reforma de templos na fazenda em Pinda». Portal G1. 1 de outubro de 2012. Consultado em 24 de agosto de 2014 
  12. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 69.
  13. a b «Prefeitos de Pindamonhangaba». Jornal Tribuna do Norte. 4 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 25 de março de 2016 
  14. «Lei Ordinária de Pindamonhangaba/SP, nº 197/1953 de 07/12/1953». Leis municipais. Consultado em 20 de julho de 2013 
  15. «Igreja centenária corre o risco de desabar em Pindamonhangaba». Portal G1. 4 de agosto de 2013. Consultado em 31 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2017 
  16. «Lei Ordinária de Pindamonhangaba/SP, nº 1336/1973 de 09/03/1973». Leis municipais. Consultado em 20 de julho de 2013 
  17. C. Cornejo, J.E.Gerodetti (1999). Lembranças de São Paulo. O Interior Paulista nos Cartões postais e Álbuns de Lembranças. [S.l.]: Editora Solaris. 205 páginas. ISBN 8590096335 
    No Google livros: Pindamonhangaba-A Princesa do Norte
  18. Moura, Carlos Eugênio Marcondes de (1999). Vida cotidiana em São Paulo no século XIX (PDF). [S.l.]: UNESP. 407 páginas. ISBN 8585851678 
  19. Empresa: Aromax Industria E Comercio Ltda
  20. Pindamonhangaba Plant
  21. Brasbar Embalagens Descartáveis do Brasil
  22. a b c Pagamento de ação trabalhista injeta R$ 34 milhões em Pinda
  23. Gerdau investirá R$ 280 milhões em novo projeto em Pinda
  24. Gerdau recruta formados há mais de 2 anos em qualquer área
  25. Referências e escritórios
  26. «Alckmin discute implantação de nova planta da siderúrgica GV do Brasil em Pinda». O Vale. 18 de setembro de 2017. Consultado em 29 de setembro de 2017 
  27. Pinda: Trabalhadores da Latasa conquistam 11% de aumento na PLR
  28. A Novelis, líder mundial em laminados e em reciclagem de alumínio, comemora os 40 anos de sua fábrica em Pindamonhangaba
  29. Empresa/Unidade - Pindamonhangaba
  30. Company Overview of Rogama Indústria e Comércio Ltda
  31. Total Lubrificantes investe R$ 10 milhões no País
  32. Complexo industrial
  33. Zodiac lança produtos na Colômbia e participa de evento sobre Saúde Feminina
  34. «Informações dos Municípios Paulistas – IMP». Governo do Estado de São Paulo. 2013. Consultado em 2 de maio de 2013 
  35. «Pindamonhangaba - Evolução populacional». IBGE 
  36. «Tabela 3175 - População residente, por cor ou raça, segundo a situação do domicílio, o sexo e a idade». IBGE. 2010. Cópia arquivada em 20 de março de 2016 
  37. «Tabela 2103 - População residente, por religião». IBGE. 2010 
  38. «Lei Ordinária de Pindamonhangaba-SP, nº 1627 de 27/06/1979». Leis Municipais. 27 de junho de 1979. Consultado em 2 de maio de 2013 
  39. «Turismo em Pindamonhangaba». Prefeitura de Pindamonhangaba. Consultado em 2 de maio de 2013 
  40. a b «Parceria despolui rios urbanos em Pindamonhangaba». Abril de 2009. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  41. «As Janelas do Museu». Jornal Lince - Paulo Tarcizio S. Marcondes. Janeiro de 2010. Consultado em 10 de setembro de 2013 
  42. Eduardo P. C. Gomes; Simey T. V. Fisch; Waldir Mantovani (setembro de 2005). «Estrutura e composição do componente arbóreo na Reserva Ecológica do Trabiju, Pindamonhangaba, SP, Brasil». Sociedade Botânica do Brasil. Consultado em 31 de maio de 2015 
  43. «Lei Ordinária de Pindamonhangaba/SP, nº 5127/2010 de 11/11/2010». Leis Municipais. 11 de novembro de 2010. Consultado em 27 de setembro de 2013 

Ligações externasEditar