Luiz Inácio Lula da Silva

35.º e 39.º presidente do Brasil
(Redirecionado de Lula da Silva)

Luiz Inácio Lula da Silva (nascido Luiz Inácio da Silva;[nota 2] Garanhuns,[nota 3] 27 de outubro de 1945), mais conhecido como Lula, é um ex-metalúrgico, ex-sindicalista e político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). É o 39.º presidente do Brasil desde 2023, além de ter sido o 35.º presidente da República entre 2003 e 2011.

Luiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva
Foto oficial em 2023
39.º Presidente do Brasil
Período 1.º de janeiro de 2023
até a atualidade
Vice-presidente Geraldo Alckmin
Antecessor(a) Jair Bolsonaro
35.º Presidente do Brasil
Período 1.º de janeiro de 2003
a 1.º de janeiro de 2011
Vice-presidente José Alencar
Antecessor(a) Fernando Henrique Cardoso
Sucessor(a) Dilma Rousseff
Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil
Período 17 de março de 2016
a 18 de março de 2016
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Jaques Wagner
Sucessor(a) Eva Chiavon (interina)
Presidente do Partido dos Trabalhadores
Período 15 de julho de 1990
a 24 de janeiro de 1994
Antecessor(a) Luiz Gushiken
Sucessor(a) Rui Falcão
Período 9 de agosto de 1980
a 17 de janeiro de 1988
Antecessor(a) cargo criado
Sucessor(a) Olívio Dutra
Deputado Federal por São Paulo
Período 27 de março de 1989
a 1.º de fevereiro de 1991
Período 1.º de fevereiro de 1987
a 25 de fevereiro de 1989
Dados pessoais
Nascimento 27 de outubro de 1945 (78 anos)
Garanhuns, Pernambuco, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Eurídice Ferreira de Melo
Pai: Aristides Inácio da Silva
Prêmio(s) ver lista
Cônjuge Maria de Lourdes (c. 1969; v. 1971)
Marisa Letícia (c. 1974; v. 2017)
Rosângela Silva (c. 2022)
Filhos(as) Marcos Cláudio (n. 1971)
Lurian da Silva (n. 1974)
Fábio Luís (n. 1975)
Sandro Luís (n. 1979)
Luís Cláudio (n. 1985)
Partido PT (1980–presente)
Religião católico[nota 1]
Profissão
Residência Palácio da Alvorada
Assinatura Assinatura de Luiz Inácio Lula da Silva
Website lula.com.br

De origem pobre, migrou ainda criança de Pernambuco para São Paulo com sua família. Foi metalúrgico e sindicalista, época em que recebeu a alcunha "Lula", forma hipocorística de "Luís". Durante a ditadura militar, liderou grandes greves de operários no ABC Paulista e ajudou a fundar o PT em 1980, durante o processo de abertura política. Lula foi uma das principais lideranças do movimento Diretas Já, no período da redemocratização, quando iniciou sua carreira política. Elegeu-se em 1986 deputado federal pelo estado de São Paulo com votação recorde. Em 1989 concorreu pela primeira vez à presidência da República, perdendo no segundo turno para Fernando Collor de Mello. Foi candidato a presidente por outras duas vezes, em 1994 e em 1998, perdendo ambas as eleições no primeiro turno para Fernando Henrique Cardoso. Venceu a eleição presidencial de 2002, derrotando José Serra no segundo turno. Na eleição de 2006, foi reeleito ao superar Geraldo Alckmin no segundo turno.

O governo Lula teve como marco a consolidação de programas sociais como o Bolsa Família e o Fome Zero, ambos reconhecidos pela Organização das Nações Unidas como iniciativas que possibilitaram a saída do país do mapa da fome. Durante seus dois mandatos, empreendeu reformas e mudanças radicais que produziram transformações sociais e econômicas no Brasil, que acumulou substanciais reservas internacionais, triplicou seu PIB per capita e alcançou o grau de investimento. Os índices de pobreza, desigualdade, analfabetismo, desemprego, mortalidade infantil e trabalho infantil caíram significativamente, enquanto o salário mínimo e a renda média do trabalhador tiveram ganhos reais e o acesso à escola, à universidade e ao atendimento de saúde se expandiram. Na política externa, desempenhou um papel de destaque, incluindo atividades relacionadas ao programa nuclear do Irã, ao aquecimento global, ao Mercosul e aos BRICS. Lula foi considerado um dos políticos mais populares da história do Brasil e, enquanto presidente, foi um dos mais populares do mundo. Foi sucedido no cargo pela chefe da Casa Civil no seu governo, Dilma Rousseff, eleita em 2010 e reeleita em 2014.

Após a presidência, Lula manteve-se ativo no cenário político e passou a ministrar palestras no Brasil e no exterior. Candidatou-se à presidência nas eleições de 2018, mas teve a sua candidatura indeferida por ter sido condenado à prisão no âmbito da Operação Lava Jato, em um julgamento controverso. Em 2019, foi libertado com base em decisão do Supremo Tribunal Federal, que anulou paulatinamente suas condenações. Com seus direitos políticos restituídos, candidatou-se à presidência pela sexta vez nas eleições de 2022 e, ao vencer Jair Bolsonaro no segundo turno, tornou-se a primeira pessoa a derrotar um presidente brasileiro candidato à reeleição.

Primeiros anos, trabalho e vida sindical

Origens e infância

 
Lula em seu primeiro retrato, tirado em 1949 ao lado da irmã Maria
 
Memorial aos retirantes no Parque Dona Lindu, em Recife, representando Dona Lindu e seus oito filhos

Luiz Inácio Lula da Silva nasceu em 27 de outubro de 1945[nota 4] na localidade de Caetés,[nota 3] em Garanhuns, interior de Pernambuco.[5] É o sétimo dos oito filhos[nota 5] de Aristides Inácio da Silva e Eurídice Ferreira de Melo, conhecida como Dona Lindu, um casal de lavradores iletrados que vivenciaram a fome e a miséria na zona mais pobre de Pernambuco.[8] Faltando poucos dias para sua mãe dar à luz, Aristides decidiu tentar a vida como estivador em Santos, levando consigo Valdomira Ferreira de Góis, a "Mocinha",[9] uma prima de Dona Lindu, com quem formaria uma segunda família.[10] Quando viajaram, Mocinha já estava grávida.[11] Aristides e Valdomira tiveram dez filhos juntos.[12] Nos primeiros anos, Aristides enviava dinheiro a Dona Lindu.[13]

A casa em que Lula nasceu era uma meia-água construída com estuque, sendo que seu chão era de terra. Possuía um quarto e uma sala. Não havia banheiro, de modo que os banhos ocorriam em açudes que se localizavam de seis a oito quilômetros de distância. Os filhos dormiam juntos em redes. Havia dificuldade em acessar água potável; a água que a família bebia era transportada de açudes ou de barreiros, precisando ser coada diante da quantidade de sujeira.[14]

Em dezembro de 1952, Dona Lindu migrou para o litoral do estado de São Paulo com seus filhos para se reencontrar com Aristides. Ela acreditava que seu marido havia feito esse pedido, quando na verdade foi seu filho Jaime, que já morava com o pai, quem escreveu dizendo que esse era o desejo de Aristides. Após treze dias de viagem em um "pau-de-arara",[15] chegaram a Guarujá, onde tiveram que dividir a convivência de Aristides com sua segunda família; ele já os havia visitado no Nordeste em 1950, quando inclusive apresentou seus novos filhos para sua primeira família.[16]

A convivência difícil com Aristides,[nota 6] que era obsessivamente controlador, violento e arbitrário,[18][19][nota 7] levou Dona Lindu a sair de casa com os filhos, morando inicialmente em um barraco próximo de Aristides e, em 1955, se mudando para a Vila Carioca, um bairro de São Paulo.[21] Lula e seu irmão José Ferreira de Melo — o Frei Chico — moraram algum tempo ainda com o pai, junto com sua segunda família, mudando-se para a capital em 1956.[22] Após a separação, Lula quase não se reencontrou mais com seu pai, que morreu em 1978 e foi enterrado como indigente. Lula e seus irmãos só souberam da morte de Aristides vários dias após o enterro.[23][24]

Educação e trabalho

Durante o período em que as duas famílias de seu pai conviveram, Lula foi alfabetizado no Grupo Escolar Marcílio Dias, apesar da falta de incentivo do pai, analfabeto, que entendia que seus filhos não deveriam ir à escola, mas apenas trabalhar.[25][26] Ainda quando morava no Guarujá, aos oito anos, trabalhou como vendedor no cais.[27] Tinha que ir ao mangue para retirar lenha, marisco e caranguejo, além de buscar água e trabalhar eventualmente como vendedor nas ruas.[28][29]

 
Lula durante a juventude

Aos doze anos, já em São Paulo, começou a trabalhar como entregador de roupas de uma tinturaria a fim de contribuir na renda familiar.[30] Durante o mesmo período também trabalhou como engraxate e auxiliar de escritório. Em 1960, conseguiu seu primeiro emprego com carteira assinada, como office boy nos Armazéns Gerais Colúmbia.[31][32] Após, passou a trabalhar como aprendiz de torneiro mecânico na metalúrgica Parafusos Marte. Em 1961, foi aprovado em um curso de tornearia mecânica que era mantido por um convênio entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e a Parafusos Marte.[33][34] Nos próximos dois anos, trabalhava por meio período na Parafusos Marte e no outro meio período estudava no SENAI.[35] Em 1963, recebeu seu diploma de meio-oficial de torneiro-mecânico no SENAI.[36]

Posteriormente, refletindo sobre o impacto de sua formação como torneiro mecânico, Lula afirmou: "O SENAI foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Por quê? Porque aí, eu fui o primeiro filho da minha mãe a ter uma profissão, eu fui o primeiro filho da minha mãe a ganhar mais que o salário mínimo, eu fui o primeiro a ter uma casa, eu fui o primeiro a ter um carro, eu fui o primeiro a ter uma televisão, eu fui o primeiro a ter uma geladeira. Tudo por conta dessa profissão, de torneiro mecânico, por causa do SENAI".[37]

Na Parafusos Marte, Lula participou de movimentos grevistas pela primeira vez.[38] Quando sua reivindicação por aumento salarial não logrou êxito, deixou a Parafusos Marte pela Metalúrgica Independência. Foi ali que, em 1964, esmagou seu dedo em um torno mecânico,[39][nota 8] tendo que esperar horas até que o dono da fábrica chegasse e o levasse ao médico, que optou por cortar o resto do dedo mínimo da mão esquerda.[41] Nos meses iniciais, sentia muita vergonha da mutilação, buscando esconder a mão no bolso.[42][43]

De 1964 a 1965, trabalhou na Fris-moldu-car como meio oficial torneiro.[44][45] Após não ir trabalhar em um sábado, foi demitido.[46] No ano de 1965, ficou muito tempo desempregado, assim como seus irmãos, época em que passaram por privações, sobrevivendo de trabalhos eventuais, os chamados "bicos".[47] Em 1966, foi admitido nas Indústrias Villares, uma grande empresa metalúrgica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.[48][49] Lula ali trabalhou como torneiro mecânico, recebendo um salário muito mais alto que o dos seus empregos anteriores.[50] Igualmente, as Indústrias Villares era maior e mais organizada se comparada com as metalúrgicas em que havia trabalhado.[51] Lula se manteve ligado à empresa até 1980.[52]

Sindicalismo

Quando o golpe de Estado de 1964 foi deflagrado, Lula não se insurgiu; naquele momento, não possuía interesse em temas que envolviam a política e, como descreveu mais tarde, "eu não tinha a menor noção do significado daquilo".[53][nota 9] Em 1968, filiou-se ao Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema.[56] Lula relutou em filiar-se e candidatar-se a um cargo sindical pois à época tinha uma visão negativa do sindicato e seu grande lazer era jogar futebol.[57][nota 10] Apesar de não ter qualquer experiência sindical, já era apontado como pessoa carismática, que se destacava e dizia o que os trabalhadores queriam escutar.[59] Convencido a integrar a chapa, sob influência de seu irmão Frei Chico, militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB)[60] e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul,[61] elegeu-se no 19.º lugar na lista dos 25 diretores e suplentes,[62] continuando a exercer suas atividades de operário.[63]

 
Lula discursando para metalúrgicos em 1979

Empossado suplente no Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, Lula passou a gostar das atividades sindicais e,[64] segundo narrou, foi quando obteve "um mínimo de consciência de classe".[65] Tornou-se uma presença ativa na vida sindical, procurando acompanhar o atendimento jurídico conferido aos filiados.[66] Tinha uma abordagem conciliadora com seus adversários durante as negociações, o que lhe garantiu destaque entre as lideranças sindicais da região, mas não era considerado um orador notável. Conforme recordou, "eu era tão inibido que, quando citavam meu nome numa assembleia, eu já ficava vermelho".[67] No decorrer de seu período como sindicalista, participou de inúmeros cursos que abordavam relações entre empresas e trabalhadores, a legislação sobre o tema e estudou ainda oratória.[68]

Nas eleições sindicais de 1972, seu trabalho na suplência lhe rendeu a indicação unânime para a primeira secretaria, que na hierarquia era superada apenas pela presidência.[69] Após a vitória de sua chapa, que era liderada por Paulo Vidal, foi dispensado das atividades como operário, recebendo seu salário integral.[70] Foi criada a Diretoria de Previdência Social e FGTS, que lhe foi atribuída.[71] Também viajou pelo Brasil buscando representar o sindicato e defendendo a visão que a entidade possuía sobre o "novo sindicalismo brasileiro".[72] Na época, o líder comunista Emílio Bonfante Demaria tentou convencê-lo a filiar-se ao partido, mas Lula não se interessou nem pelo PCB, nem por "nenhuma outra organização clandestina".[73][nota 11]

Em 1975, Lula foi eleito presidente do sindicato, em um pleito que não contou com chapas opositoras. Nos bastidores do movimento sindical, acreditava-se que Vidal, agora primeiro secretário, continuaria liderando a categoria, enquanto Lula, como uma estrela em ascensão do "novo sindicalismo", exerceria um papel decorativo. A posse da nova diretoria contou com a presença do governador Paulo Egydio Martins; anos depois, Paulo Egydio revelou que decidiu ir na solenidade pois acreditava que Lula era um desafeto dos comunistas.[77][nota 12] Lula eventualmente afastou a influência de Vidal no sindicato.[79]

 
Foto da ficha de Lula no DOPS de São Paulo, registrada em 1980

Na presidência, ganhou projeção nacional ao liderar reivindicações pela reposição dos salários.[80] Lula tentou estabelecer sua imagem como um agente independente, "sem o rabo preso", ao mesmo tempo em que cultivava relações com autoridades da ditadura militar, da indústria e da mídia.[81] Quando o presidente da República, Ernesto Geisel, esteve em São Bernardo do Campo, Paulo Egydio apresentou-lhe Lula, que buscava entregar uma carta com as reivindicações. O governador descreveu Lula como "o mais importante dirigente sindical do país".[82] Nas suas viagens para Brasília, considerou que a representatividade de trabalhadores no Congresso era baixa e, apesar de reiterar que não gostava de política, começou a se aproximar da política convencional; neste período, foi-lhe atribuído um bordão que afirmava que, se alguém quisesse criar um "partido dos trabalhadores", teria que "usar macacão".[83]

Lula foi reeleito presidente em 1978, novamente sem oposição.[84] No segundo mandato, com a inflação crescente diminuindo o poder de compra, a campanha pela reposição salarial ganhou força.[85] Lula e o sindicato adotaram uma postura mais assertiva e conflituosa, organizando greves de metalúrgicos da Região do ABC no final dos anos 1970 e início dos anos 1980.[86][87] A primeira iniciou em 12 de maio de 1978, reivindicando aumento salarial e melhores condições de trabalho.[88] Nos quatro meses seguintes, as paralisações abrangeram 235 000 trabalhadores;[89] em 1978, 539 000 trabalhadores tomaram parte de 24 greves.[90] Em março de 1979, uma greve geral envolveu 600 fábricas da região.[88] No Estádio 1.º de Maio, o sindicato organizou manifestações que reuniram entre 55 000 e 105 000 grevistas, familiares e espectadores.[91] Ao término do movimento, o governo concedeu aumentos salariais superiores ao previsto.[92]

O Poder Judiciário declarou ilegais as greves dos metalúrgicos.[88] Por seu papel de liderança, Lula foi detido por 31 dias nas instalações do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) paulista,[nota 13] sob a acusação de violar a Lei de Segurança Nacional.[94] O sindicato sofreu intervenção, aprovada pelo ministro Murilo Macedo, e Lula teve seu mandato suspenso temporariamente.[95] Em 1981, foi condenado pela Justiça Militar a três anos e meio de detenção por incitação à desordem coletiva, tendo, porém, recorrido e sido absolvido no ano seguinte.[96] Por outro lado, as greves no ABC fizeram com que ganhasse proeminência nacional e internacional. O The New York Times escreveu em 1981 que "Luiz Inácio da Silva é para o Brasil o que Lech Wałęsa é para a Polônia".[97] Além disso, tais eventos levaram-no a ser conhecido por seu "comando carismático". Em 2010, a historiadora Lilia Schwarcz ressaltou, juntamente com o carisma, sua retórica "sedutora" e "linguagem populista".[98]

Início da carreira política e criação do Partido dos Trabalhadores

 
Lula rodeado por outros membros da Assembleia Nacional Constituinte de 1987, entre eles José Serra

Apesar de cético em relação aos políticos e partidos dominantes na ditadura, Lula e seus assessores apoiaram candidatos a cargos eletivos[99] — dentre eles, Fernando Henrique Cardoso em sua campanha ao Senado em 1978.[100] Durante a greve de 1979, começou a sugerir a necessidade de estabelecer um partido político. Naquele ano, iniciaram-se as preparações para a criação do Partido dos Trabalhadores, com Lula atuando como um dos principais dirigentes sindicais aliados e assumindo a presidência da executiva nacional em 26 de maio de 1980, uma semana após deixar a prisão no DOI-CODI.[101] Em agosto de 1980, discursou: "O PT é uma coisa muito prática [...] Estamos precisando de um instrumento, uma ferramenta, para abrir espaço pra participação política do trabalhador. E o PT é isso!"[102] O partido gradativamente reuniu personalidades da esquerda, do PCB até a Ação Popular.[103] Com feições radicais,[nota 14] o PT rejeitava todos os modelos de esquerda existentes, adotando um discurso socialista que seria apoiado pelas "massas em luta".[105]

Em fevereiro de 1980, Lula anunciou publicamente a criação do PT, e o partido foi reconhecido formalmente pelo Tribunal Superior Eleitoral em 11 de fevereiro de 1982.[106] Candidato a governador de São Paulo na eleição de novembro, Lula ficou em quarto lugar, com 1,1 milhão de votos votos, o equivalente a 10,77%.[107] O resultado, aquém do esperado, levou-o a uma "profunda depressão", sendo questionada sua permanência como liderança política. Acabou decidindo permanecer politicamente ativo, tendo sido aconselhado por Fidel Castro a não abandonar a política.[nota 15] Em 1984, foi uma das principais lideranças das Diretas Já, movimento que buscava reestabelecer o voto direto para presidente.[109] O Congresso não promulgou a Emenda Dante de Oliveira e a eleição presidencial foi novamente indireta. O PT boicotou o processo e a maioria de seus deputados federais se abstiveram na votação que elegeu Tancredo Neves.[110]

No pleito de 1986, Lula decidiu disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. Eleito com 651 000 votos, a maior votação para o cargo até aquele momento, foi empossado como deputado federal, integrando a Assembleia Nacional Constituinte de 1987, responsável pela elaboração da Constituição Federal de 1988.[111] A experiência como parlamentar não lhe foi gratificante. Considerava os colegas elitistas e sua esposa e família permaneceram residindo em São Bernardo do Campo.[112] Acreditava que os discursos não resolviam os problemas — e sequer eram ouvidos pelos demais deputados. Em meados de 1987, considerou renunciar, mas foi aconselhado a manter o cargo para não prejudicar uma candidatura à presidência. Lula foi assíduo em 95% das votações ocorridas na Câmara; algumas vezes, votava conforme o desejo do PT, ao invés de seu próprio, como forma de incentivar a disciplina partidária.[nota 16]

Durante os trabalhos da Constituinte, Lula votou a favor do direito de greve, do aviso prévio proporcional, da reforma agrária, da estabilidade do dirigente sindical, do turno de seis horas de trabalho, do aumento real do salário mínimo, da licença-paternidade, da nacionalização do petróleo, da redução de 44h para 40h da jornada de trabalho e da manutenção do presidencialismo como sistema de governo. Entre 1987 e 1990, encaminhou seis projetos de leis e proferiu 69 discursos na tribuna da Câmara.[114] Também foi favorável à limitação do direito de propriedade privada, ao aborto,[115] ao voto aos 16 anos de idade, à estatização do sistema financeiro, à criação de um fundo de apoio à reforma agrária e ao rompimento de relações diplomáticas com países que adotassem políticas de discriminação racial.[116] Na publicação Quem foi Quem na Constituinte, produzida pelo DIAP, foi descrito como "[...] incansável na defesa dos direitos sociais dos trabalhadores. Demonstrou habilidade e revelou-se um competente negociador. Votou a favor da nacionalização das reservas minerais, da reforma agrária e da proteção da empresa nacional. Disse não aos cinco anos [de mandato] para [José] Sarney".[117][nota 17]

Campanhas presidenciais

Candidatura à Presidência da República em 1989

 
Lula no final dos anos 1980

Em 1989, realizou-se a primeira eleição direta para presidente da República desde o golpe militar de 1964. Numa disputa fragmentada, as pesquisas de opinião para o primeiro turno revelavam a liderança de Fernando Collor, ex-governador de Alagoas, cuja campanha focava em apresentá-lo como um "candidato contra o sistema" que se empenharia em perseguir os "marajás", e intitulá-lo como "o oposto de José Sarney". As candidaturas de Lula e de Mário Covas, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), angariaram sólido apoio de seus respectivos partidos políticos. Outros candidatos incluíram Leonel Brizola, que reivindicava o papel de herdeiro do populismo de Getúlio Vargas, Paulo Maluf, candidato da direita, e Ulisses Guimarães, que presidiu a Assembleia Constituinte e era um símbolo da oposição à ditadura. De acordo com as novas regras constitucionais estabelecidas, era necessário que um candidato recebesse mais de 50% dos votos válidos para vencer no primeiro turno.[119]

Lula foi apoiado pela "Frente Brasil Popular", uma coligação de partidos de esquerda — PT, PSB e PC do B. Como companheiro de chapa, escolheu o senador gaúcho José Paulo Bisol.[120] Sua campanha era amadora, não possuindo recursos financeiros suficientes e apoio técnico. Lula chegou a cogitar desistir quando pesquisas indicavam que suas intenções de votos eram de 2,5%. No entanto, com o início da propaganda eleitoral gratuita, atraiu maior apoio do eleitorado.[121] O manifesto do PT advogou pelo desfalque da dívida externa e por uma reforma agrária. Tidas como radicais, as propostas mobilizaram setores da classe média e de conservadores a se oporem à sua candidatura.[122][nota 18]

Em abril de 1989, tornou-se pública a existência de sua filha, Lurian, fruto de um relacionamento com Miriam Cordeiro, assim como a acusação de Miriam de que Lula havia lhe prometido dinheiro para abortar Lurian. A acusação foi explorada pelos adversários e, quando Lurian tentou se suicidar, Lula ficou "severamente depressivo".[124][125] A campanha de Lula precisou ainda disputar uma vaga no segundo turno com Brizola, pois era improvável que dois candidatos de esquerda avançassem para a etapa final. Neste contexto, Brizola acusou o candidato a vice de Lula de utilizar indevidamente seu cargo de senador para receber empréstimos.[126] Na primeira votação, Collor liderou, com 30,48% dos votos, seguido por Lula (17,19%) e Brizola (16,51); a diferença entre os dois últimos foi de 454 000 votos, num universo de 67,6 milhões de votos válidos.[127]

No segundo turno, Lula recebeu apoio do PDT, do PCB, do PMDB e do PSDB,[nota 19] e Collor dos demais partidos. As pesquisas revelavam a vantagem de Collor que, contudo, reduziu-se ao ponto de, às vésperas da votação, haver um empate técnico entre os candidatos. Em uma atmosfera tensa, com troca de acusações mútuas,[130] a campanha petista buscou suavizar a imagem de Lula com uma visão otimista — dentre as iniciativas, lançou o jingle "Lula Lá".[131][nota 20] No último debate, ocorrido na TV Globo, a emissora foi acusada de favorecer Collor[nota 21] e, em 11 de dezembro, o empresário Abilio Diniz foi sequestrado por integrantes do Movimento de Esquerda Revolucionária, sendo libertado um dia antes da votação. Os jornais publicaram que camisetas e faixas do PT foram encontradas com os sequestradores.[nota 22] Em 17 de dezembro, Collor foi eleito presidente da República, derrotando Lula por 53% a 47%, uma margem de quatro milhões de votos. Com exceção da região Sul, Collor venceu no restante do país. Nos estados, Lula ganhou no Distrito Federal (62,7%), em Pernambuco (50,9%), no Rio Grande do Sul (68,7%) e no Rio de Janeiro (72,9%).[127]

Campanhas de 1994 e 1998

 
Lula discursando em 1999

No governo Collor, Lula se dedicou ao fortalecimento do PT, retornando à presidência do partido em junho de 1990. Em paralelo a seu compromisso com o socialismo,[nota 23] concluiu que, com a derrota no pleito de 1989, necessitava formar alianças com o centro e com a direita.[141] Por meio do manifesto "O Socialismo Petista", o partido se comprometeu com os valores da democracia plural, classificou a União Soviética como antidemocrática, apoiou movimentos como o Solidariedade polonês e criticou o que denominava de imperialismo norte-americano e o capitalismo.[142][143] Em julho de 1990, o partido formou um "governo paralelo", imitando o shadow cabinet inglês, para fiscalizar o governo Collor, apresentar propostas e "treinar" um eventual governo da sigla. Lula foi um dos líderes do governo paralelo.[144][145] Em 1992, foi um dos articuladores do movimento que culminou no afastamento de Collor.[146] No plebiscito sobre o sistema de governo em 1993, apoiou o parlamentarismo.[147] No mandato de Itamar Franco, manteve boas relações pessoais com o presidente, mas permaneceu na oposição ao seu governo.[148]

Em 1993, Lula percorreu o país na "Caravana da Democracia", viajando a 23 estados, com vistas a pavimentar sua segunda candidatura presidencial. Em seus discursos, focava nas necessidades dos pobres e afirmava que a classe política era descolada de suas demandas.[149][150][151] O candidato do PT comandou as pesquisas de opinião com folga até meados de 1994, quando o sucesso do Plano Real — que Lula menosprezava e classificava como estelionato eleitoral — fortaleceu a candidatura de Fernando Henrique Cardoso, ministro da Fazenda que foi lançado como o candidato governista.[152][153] No primeiro turno, FHC foi eleito com 54,3% dos votos, ante os 27% de Lula. A derrota avassaladora da candidatura petista era inconcebível dois anos antes, sendo a vitória de FHC atribuída ao sucesso do Plano Real.[154] Lula continuou sua atuação como opositor e se dedicou a concorrer à presidência novamente. Em 1995, deixou a presidência do PT.[155]

Em 1998, Lula concorreu à presidência contra FHC. Desta vez, com o antigo rival Leonel Brizola como candidato a vice-presidente em sua chapa. Buscando construir novos segmentos de apoio, dialogou com representantes de igrejas evangélicas. Lula tentou culpar FHC pela crise econômica, mas a estratégia não funcionou. Novamente, a eleição foi decidida em primeiro turno, com a reeleição de FHC, com 35,9 milhões de votos a 21,4 milhões de Lula.[156] Após a derrota, debateu com assessores sobre a possibilidade de ser substituído por outro nome da esquerda na eleição seguinte. Lula incentivou colegas de partido como Tarso Genro e Eduardo Suplicy a percorrerem o país, de modo a testar suas viabilidades eleitorais. Ainda assim, o partido definiu que Lula era a melhor opção,[157] e ele derrotou Suplicy nas prévias presidenciais do PT em 2002 por 84,4% a 15,6%.[158]

Vitória em 2002

 
Lula e a primeira-dama Marisa Letícia, ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso, no parlatório do Palácio do Planalto na posse em 1.º de janeiro de 2003

Decidido a concorrer à presidência pela quarta vez, Lula abdicou dos "erros" cometidos em campanhas anteriores, como manifestações de posições tidas como radicais. Para aumentar sua base de apoio, pactuou os compromissos necessários em termos de alianças e de programa eleitoral.[159] Como marqueteiro, contratou Duda Mendonça, que havia trabalhado em campanhas de Collor e Maluf.[nota 24] No âmbito social, a proposta mais atrativa era acabar com a fome.[163] Em junho de 2002, publicou a "Carta ao povo brasileiro" para acalmar o mercado financeiro. No texto, comprometeu-se a equilibrar o desenvolvimento econômico com a justiça social, a controlar a inflação, a respeitar o equilíbrio fiscal e a administrar a dívida interna e externa.[164] Para a vice-presidência, escolheu o senador e empresário José Alencar, que atuou como ponte entre o petista e o mercado.[165]

A campanha de Lula focou nas cidades mais populosas do país. O leque de alianças foi mais amplo, aglutinando forças políticas anteriormente rivais.[166] No primeiro turno, Lula conquistou 39 milhões de votos, representando 46,4% do total de votos válidos, sendo seguido por José Serra, Anthony Garotinho e Ciro Gomes. Candidato do governo FHC, Serra havia recebido 23,2% dos votos.[167] A campanha de segundo turno entre ambos foi estável,[168] com Lula atraindo a declaração de votos de políticos como Antônio Carlos Magalhães.[169] Em 28 de outubro, foi eleito com 61% dos votos, vencendo em todos os estados e no Distrito Federal, salvo em Alagoas. Sua eleição representou a primeira vitória de um candidato presidencial de esquerda no país.[170] No seu discurso de diplomação, afirmou: "E eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter um diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país".[171]

Presidência do Brasil (2003–2011)

 Ver artigo principal: Governo Lula (2003–2011)

Primeiro mandato

 
Foto oficial do primeiro mandato de Lula

Lula foi empossado como o 35.º presidente da República em 1.º de janeiro de 2003, tornando-se o primeiro filiado ao PT e o primeiro ex-operário a ocupar o cargo.[172] Em seu discurso de posse, classificou a data como o "dia do reencontro do Brasil consigo mesmo", prometendo combater a fome, gerar empregos, implantar políticas de proteção social, valorizar o comércio exterior e as relações internacionais, tendo a América do Sul como prioridade.[173] Lula proclamou a chegada de uma "nova era" e convocou "todos os homens e mulheres brasileiros, empresários, sindicalistas e intelectuais, a construir uma sociedade mais justa, fraterna e solidária".[174] Desejando estabelecer um governo de coalizão, a composição ministerial contava com 34 pastas, das quais 18 foram destinadas a petistas, englobando ainda membros do PL, PC do B, PPS, PSB, PDT, PTB e PV.[175] Foram nomeados políticos como Dilma Rousseff (Minas e Energia), José Dirceu (Casa Civil), Aloízio Mercadante (Fazenda), Ciro Gomes (Integração Nacional), Celso Amorim (Relações Exteriores), Marina Silva (Meio Ambiente), Gilberto Gil (Cultura) e Cristóvam Buarque (Educação).[176]

Na presidência, Lula desejava atingir rapidamente seus objetivos relacionados à justiça social. No entanto, a equação para concretizá-los era "extraordinariamente complicada". Havia a necessidade de que o novo presidente acalmasse o mercado financeiro e ajustasse as contas públicas. A austeridade fiscal era uma exigência do Fundo Monetário Internacional (FMI) para que o Brasil recebesse ajuda. Também eram altas as expectativas entre seus apoiadores, os quais "estavam convencidos de que presenciavam uma alternância histórica comandada por um líder que, pela primeira vez, não era filho de uma família rica, mas vinha das camadas mais humildes da sociedade".[175]

A política econômica descartou uma transição para um modelo de Estado intervencionista ou mesmo ao socialismo, assim como rejeitou tendências populistas e atitudes radicais.[175] O governo Lula foi o primeiro desde a redemocratização a não criar um plano econômico próprio. O Plano Real foi mantido[177] e a autonomia do Banco Central, apesar de não garantida por lei, foi respeitada como forma de buscar ativamente as metas de inflação.[178] As reformas consideradas necessárias pela nova gestão foram executadas de modo programático e gradual.[175] A consolidação da estabilidade econômica ocorreu com o respeito à política macroeconômica, baseada no tripé macroeconômico, composto por flutuação cambial, metas de inflação e austeridade fiscal, bem como conciliando políticas de transferência de renda e aquecimento da economia, com vistas a aumentar o poder de compra da classe baixa.[177] A moderação de Lula na economia decepcionou determinadas correntes de seu partido e personalidades mais à esquerda,[177][nota 25] ao mesmo tempo em que recebeu elogios dos meios de comunicação liberais e financeiros.[nota 26]

 
Lula e líderes da UNASUL durante encontro em 2006

Para combater a insegurança alimentar, Lula anunciou, em 2003, a criação do Fome Zero. O programa se tornou a principal vitrine do governo, sendo o Bolsa Família seu carro-chefe. O Bolsa Família é um programa de transferência de renda mensal, variável de acordo com a composição da família; a título de exemplo, famílias que possuíam gestantes ou crianças com até 15 anos de idade recebiam mais. Como contrapartida, era necessário que as crianças frequentassem a escola e fossem vacinadas. Para as gestantes, era preciso que continuassem recebendo acompanhamento médico.[181][182] Em seu primeiro ano, o Bolsa Família abrangia 3,6 milhões de famílias, atingindo 12,5 milhões em 2010.[183] Os gastos com esta política social também se multiplicaram, de 0,03% do produto interno bruto em 2003 (570 milhões de reais) para 0,38% em 2010 (14,37 bilhões de reais).[184]

Nas relações internacionais, Lula defendeu um sistema em que os países desenvolvidos do norte dialogassem de modo mais democrático com os em desenvolvimento do sul.[175] Foi contrário à Guerra do Iraque,[185] clamou por uma reforma do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas que incluísse não apenas o Brasil como membro permanente, mas também outros países como a Alemanha,[186] e seguiu a "diplomacia Sul-Sul", priorizando a interação do Brasil com países em desenvolvimento.[187] Lula engajou-se em negociações comerciais multilaterais, reforçou a integração sul-americana, sendo o Mercosul a prioridade mais importante da diplomacia brasileira,[188] e intensificou as relações com países africanos.[189] De 2003 a 2006, Lula realizou 102 visitas a 52 países, mais do que qualquer outro presidente brasileiro. Destas, 40 viagens foram para países da América do Sul e 20 para da África.[nota 27]

Eleito presidente com uma bancada minoritária no Congresso Nacional, Lula buscou formar alianças com diversos partidos, inclusive com alguns situados mais à direita no espectro político brasileiro. Conseguiu apoio do PP, PTB e parcela do PMDB, às custas de dividir com estes o poder. Após dois anos de governo mantendo maioria no Congresso, o que facilitava a aprovação de projetos de interesse do executivo, uma disputa interna de poder entre os partidos aliados resultou no escândalo do mensalão, irrompido em 2005, o qual consistia em um esquema de pagamento de propina a parlamentares para que votassem a favor de projetos do governo.[191] Lula negou conhecimento desse esquema e se comprometeu a ajudar com as investigações, bem como a combater a corrupção.[175] Mais tarde, 25 réus foram condenados por crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato.[192] Lula não foi denunciado criminalmente.[193]

Reeleição em 2006

 
Lula celebra sua reeleição em 29 de outubro de 2006

Em julho de 2006, Lula oficializou sua candidatura à reeleição, mantendo José Alencar como vice. Sua coligação "A Força do Povo" contou com o apoio formal de PT, PRB e PC do B. Na mesma época, uma pesquisa do Datafolha apontou sua vantagem como superior a dois dígitos em relação ao oponente mais forte, o tucano Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo.[194] A retórica de sua campanha foi mais populista do que em 2002 e comparava o primeiro mandato com o governo FHC.[195] Havia a expectativa de que a reeleição fosse garantida em primeiro turno, e as pesquisas de opinião indicavam esse cenário. No primeiro turno, entretanto, Lula recebeu 48,61% dos votos válidos, enquanto Alckmin somou 41,64%, forçando uma nova votação. O escândalo do dossiê, em que petistas foram acusados de encomendar um dossiê contra tucanos, e a ausência de Lula no debate da TV Globo foram considerados fatores que enfraqueceram sua candidatura.[196][197]

A estratégia da campanha mudou, visando apresentá-lo mais uma vez como o candidato "paz e amor", como em 2002. Participou dos debates com Alckmin e permaneceu mais acessível à mídia. Afirmou que Alckmin cortaria gastos da política social — o que o tucano negava — e privatizaria empresas públicas.[198] Em 29 de outubro, Lula foi reeleito com 58,2 milhões de votos, ou 60,83% dos votos válidos.[199] A atuação do governo na área social foi classificada como fundamental para o êxito de sua candidatura, cuja grande bandeira era a continuidade de um "governo para os mais necessitados".[200] Discursando na Avenida Paulista após a confirmação de sua reeleição, Lula prometeu que o Brasil cresceria mais rápido, que "não gastaria mais do que ganha" e que daria mais atenção aos pobres. Referiu que não detinha mais o "direito moral, ético e político de cometer erros daqui para frente".[201]

Segundo mandato

 
Foto oficial do segundo mandato de Lula

Empossado para seu segundo mandato presidencial em 1.º de janeiro de 2007, Lula reiterou como prioridade avançar nos interesses dos mais pobres.[202] O governo rebateu as acusações de que sua política social era um gasto populista, estabelecido para "comprar os pobres",[nota 28] afirmando que se tratava de uma reparação histórica.[175] O salário mínimo cresceu 23,69% em termos reais no primeiro mandato e 20,94% no segundo.[204] Em paralelo, buscava vigorar o crescimento econômico, com taxas mais altas de crescimento anual do PIB.[175] O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi uma das medidas definidas para este fim. O PAC fixou ações na infraestrutura, estímulo ao crédito e financiamento, desoneração tributária e metas fiscais de longo prazo.[205][206]

Para seu segundo mandato, Lula contou com apoio de uma coalizão formada pelo PT e pela maior parte do PMDB, além do PDT, PSB, PC do B, PR, PP, PTB,[207] PHS, PTC, PV, PRB e PSC.[208] Os líderes de tais partidos possuíam assento no Conselho Político e reuniam-se com o presidente e os ministros de Estado.[209] Dentre os parlamentares aliados, Lula elogiou Fernando Collor, Renan Calheiros[210] e José Sarney, defendendo este último quando fora acusado de corrupção.[211] A base aliada ajudou o governo durante os processos de confirmação de seus indicados para o Supremo Tribunal Federal.[nota 29] De 2003 a 2010, Lula designou oito ministros para a corte, sendo todos aprovados pelo Senado.[214] Dentre eles, Joaquim Barbosa foi o terceiro negro a integrar o STF e Cármen Lúcia a segunda mulher a tornar-se ministra.[215]

Sob o governo Lula, o Brasil ampliou ou fortaleceu suas relações com países que não faziam parte do Mundo ocidental. O presidente buscava diversificar as relações exteriores, atuando como um "garoto-propaganda" como meio de vender os produtos brasileiros em novos mercados. A ampliação dos parceiros comerciais incluiu países como Irã, Venezuela, Sudão, Líbia, Cuba e Guiné Equatorial, os quais eram acusados de práticas atentatórias aos direitos humanos.[216] Em 2009, Lula defendeu o direito do Irã de possuir um programa nuclear para fins pacíficos[217] e, no ano seguinte, ajudou a negociar um acordo sobre o tema.[218] Também em seu mandato, o Brasil enviou tropas para o Haiti, inicialmente por conta do contexto social naquele país[219] e, após, para reconstruí-lo em decorrência de um terremoto.[220]

Em 2010, o governo criou o Sistema de Seleção Unificada (SISU) no contexto de uma política que buscava facilitar o acesso ao ensino superior. Para este propósito, o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) foi aprimorado, permitindo que mais jovens de baixa renda chegassem às universidades,[221] e foram construídas 18 universidades federais e 173 campus universitários.[222] O Programa Universidade para Todos (PROUNI) foi o principal responsável pela inserção de afrodescendentes no ensino superior; de 2003 a 2010, mais jovens negros ingressaram nas universidades do que nos vinte anos anteriores.[223]

Dando continuidade às propostas de política habitacional lançadas nos anos anteriores, com o apoio das aplicações no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, do PAC, do Plano Nacional de Habitação (PLANHAB) e do programa Minha Casa, Minha Vida, criado em 2009, os recursos destinados para a habitação popular passaram de cerca de 8 bilhões de reais em 2002 para mais de 90 bilhões em 2010. Segundo Nabil Bonduki, o PLANHAB reconheceu a diversidade da rede urbana e da zona rural brasileira, superando a homogeneidade com que a questão habitacional vinha sendo tratada e, além de identificar os déficits quantitativos e qualitativos, projetou as necessidades futuras, "o que significou uma inovação relevante". Entre 2009 e 2010 o Minha Casa, Minha Vida contratou a construção de mais de um milhão de unidades habitacionais, entregando 237 800 destas até o fim de 2010, enquanto as demais estavam em fase de produção.[224] Contudo, esses programas enfrentaram muitas dificuldades e suas diretrizes não foram implementadas integralmente e, mesmo representando um alívio no déficit habitacional crônico do Brasil, em muitos casos a qualidade das construções foi considerada baixa.[224][225]

O segundo mandato de Lula foi mais calmo. O presidente não apenas era objeto indiscutível da afeição popular, como foi o primeiro presidente a trazer um modesto bem-estar a muitas pessoas e agora estava no controle total de seu próprio governo. Quando a Grande Recessão provocou consequências significativas nos Estados Unidos e na Europa, Lula declarou que o Brasil sentiria apenas "uma marolinha".[226] Em 2008, a economia do Brasil estava em bom estado para resistir à crise financeira global; a expansão da economia brasileira durou pelo menos até 2014.[227]

Impacto e legado

 
Lula e sua sucessora, Dilma Rousseff

Em 2002, o Brasil ocupava a 14.ª posição no ranking global de economias, segundo dados do FMI, chegando a subir para a 7.ª posição em 2011.[228] Geralmente se coloca entre as maiores conquistas dos governos de Lula as que ocorreram na área social, em particular a redução da pobreza e da fome.[229] O índice Gini de desigualdade social caiu de 57,6 em 2002 para 52,9 em 2011.[230] De 2003 a 2014, a quantidade de pessoas abaixo da linha da pobreza caiu de 42 milhões para 14 milhões; no mesmo período, o número de brasileiros na extrema pobreza passou de 13 milhões para 5 milhões.[231] Em 2000, 10,9% da população encontrava-se em estado de desnutrição, reduzindo para 5,6% em 2007 e para 2,5% em 2014.[232] Em 2010, Lula recebeu o título de "Campeão Mundial na Luta Contra a Fome", concedido pela Organização das Nações Unidas.[233]

Durante o governo Lula, houve escândalos de corrupção, como o mensalão no primeiro mandato, e o escândalo dos cartões corporativos no segundo.[234] Após deixar o cargo, foram descobertos desvios na Petrobras estimados pela Polícia Federal em 42,8 bilhões de reais.[235] É controversa a atuação de Lula nestes casos: se por um lado os investigadores e a oposição o acusam de ter conhecimento e até de comandar tais esquemas,[nota 30] Lula defendeu a atuação de seu governo, pontuando medidas como a autonomia da Polícia Federal,[238] a escolha do procurador-geral da República dentre o mais votado da lista tríplice e a não obstacularização das investigações.[239]

A ênfase nas políticas sociais e a boa repercussão delas foram fatores essenciais para garantir a manutenção da sua popularidade em meio às crises políticas.[240] Ao fim do seu segundo mandato indicadores de diversas áreas registravam desempenho positivo. Além da queda da desigualdade e a redução de pessoas passando fome e vivendo na pobreza, o analfabetismo entre pessoas com mais de 15 anos de idade caiu de 11,6% em 2003 para 8,6% em 2011,[241] as reservas internacionais passaram de 49,3 bilhões de dólares em 2003 para 288,5 bilhões em 2010,[242] o salário mínimo continuava tendo ganho real,[240] o desemprego caiu de 10% em 2003 para 6,9% em 2011,[243] a inflação diminuiu de 14,7% em 2003 para 6,6% em 2011[244] e a Taxa SELIC, inicialmente em 25,36% em 2003, estava em 11,17% em 2011.[245]

Na eleição presidencial de 2010, Dilma Rousseff foi eleita presidente da República. O apoio de Lula foi fundamental para o êxito de sua candidatura. O Wilson Center apontou que "pesquisas de opinião pública revelam que o brasileiro médio quer a continuação das políticas de Lula, mais especificamente, sustentando o crescimento econômico, gerenciando os investimentos em infraestrutura e aprofundando a política social".[246] Lula deixou o cargo com aprovação pessoal superior a 80%, a melhor avaliação popular da história do país.[nota 31]

Pós-presidência (2011–2022)

Após deixar a presidência, Lula iniciou uma carreira como palestrante. Sua primeira palestra foi em março de 2011, para executivos da LG. As estimativas dos valores de suas palestras rondaram a casa dos 200 000 reais no Brasil e 332 000 reais no exterior.[249] Lula manteve-se como articulador político, aconselhando Dilma e seu governo. Entre outubro de 2011 e março de 2012, visitou mais de 30 países.[250] Em 2012, impôs no âmbito interno de seu partido a vitoriosa candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo,[251][252] apostando em Haddad como uma renovação.[253] Em 2013, assinou um contrato com o jornal norte-americano The New York Times para escrever uma coluna mensal no jornal sobre política e economia internacionais.[254] Em 2014, contrariando rumores, declarou que não disputaria a presidência naquele ano.[255]

Operação Lava Jato

   
Manifestações contrárias e favoráveis a Lula durante os processos judiciais envolvendo a Operação Lava Jato

Em 2014, com o início da Operação Lava Jato, investigadores passaram a apurar desvios bilionários ocorridos na Petrobras durante os governos Lula e Dilma. O esquema, intitulado "Petrolão", envolvia a cobrança de propina das empreiteiras, assim como lavagem de dinheiro e superfaturamentos de obras públicas, como meio de financiar políticos, funcionários, partidos e campanhas eleitorais.[256] De acordo com investigações e delações premiadas, estavam supostamente envolvidos em corrupção membros da Petrobras, funcionários públicos e políticos eleitos, incluindo Lula.[257][258] A Operação Lava Jato foi saudada por seu combate à corrupção, mas apontada como uma das causas para a perda de investimentos e de milhões de empregos.[259][260]

A presidente Dilma foi reeleita para seu segundo mandato em 2014, contando com o engajamento de Lula na campanha.[261] No entanto, a crise econômica e política e as revelações da Operação Lava Jato contribuíram para o aumento generalizado da insatisfação popular.[262][263] A partir do início de 2016, a vida política de Lula passou a mostrar-se conturbada, com investigações contra si por acusações como lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e ocultação de patrimônio.[264] Lula eventualmente se tornou réu em dez ações penais no âmbito da Operação Lava Jato.[265]

De acordo com os investigadores, Lula recebeu propina de empreiteiras, como a OAS e a Odebrecht (atual Novonor).[266][267] Em março de 2016, o senador petista Delcídio do Amaral afirmou que Lula possuía conhecimento do esquema e agiu direta e pessoalmente para barrar as investigações.[268] No mesmo mês, Lula foi designado pela presidente Dilma para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil. Como a função confere a prerrogativa do foro privilegiado, a nomeação foi criticada por alguns juristas, que a consideravam uma tentativa de impedir que os processos contra o ex-presidente fossem julgados pelo juiz Sergio Moro.[269] Houve protestos em 18 estados e no Distrito Federal contra a nomeação.[270] Em 18 de março, o ministro Gilmar Mendes, do STF, suspendeu a nomeação, julgando que Lula tinha a intenção de fraudar as investigações.[271] O Deutsche Welle considerou que a indicação de Lula era a "última cartada de Dilma", que buscava dar sobrevida ao seu governo e decidiu conferir amplos poderes ao antecessor em temas como articulação política e economia.[272] Em agosto de 2016, Dilma foi destituída da presidência pelo Senado.[273]

Em 2017, Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, incluindo o recebimento de propina da OAS no valor de 2,2 milhões de reais.[274] Lula foi o primeiro ex-presidente brasileiro a ser condenado criminalmente desde a redemocratização.[275] No início de 2018, o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em decisão unânime, manteve a condenação e aumentou a pena para doze anos e um mês.[276] Após a Suprema Corte rejeitar emitir um habeas corpus preventivo em seu favor, Lula entregou-se à Polícia Federal em 7 de abril de 2018, passando a cumprir sua pena[277] e convertendo-se no primeiro ex-presidente do Brasil a ser preso por um crime comum.[278] Em 2019, foi novamente condenado, a doze anos e onze meses de reclusão, pelo recebimento de vantagens indevidas. A condenação foi ratificada pelo STJ em julgamento unânime.[279]

Durante as investigações e no período em que permaneceu preso, Lula rejeitou as acusações e prometeu que provaria sua inocência.[280][281] Lula acusava os promotores e o Judiciário, em especial Moro, de serem parciais e lhe condenarem, sem provas, por questões políticas.[282] Em 2019, Moro se tornou ministro do governo Bolsonaro e diálogos divulgados pelo The Intercept revelaram um conluio entre o magistrado e promotores no decorrer dos processos envolvendo Lula.[283] Em 8 de novembro de 2019, foi solto após o STF julgar que a prisão em segunda instância era inconstitucional, tendo completado 580 dias na prisão.[284] Em 2021, o ministro Edson Fachin, em decisão mais tarde referendada pela maioria de seus pares, anulou todas as condenações contra Lula em relação à operação Lava Jato, julgando que a Justiça Federal de Curitiba não possuía competência para julgar tais processos.[285] No mesmo ano, a corte decidiu que Moro era suspeito para julgá-lo.[286] Assim, Lula não possui condenação com trânsito em julgado, sendo considerado juridicamente inocente de três acusações; em 23 casos os inquéritos foram arquivados ou as denúncias rejeitadas por prescrição, falta ou nulidade de provas e inépcia.[287]

Candidatura presidencial em 2018

 
Em 2018, Lula oficializou sua candidatura à presidência, mas foi impedido pela Justiça Eleitoral e substituído pela chapa Fernando Haddad e Manuela d'Ávila (na imagem)

Em 2017, Lula anunciou publicamente que seria novamente o candidato do PT à presidência da República.[288] Em setembro daquele ano, saiu em caravana pelos estados do Brasil, começando por Minas Gerais.[289] No ano seguinte, ao atravessar a região Sul do país, a caravana petista foi recebida com protestos. No Paraná, o ônibus da comitiva foi atingido por tiros, e no Rio Grande do Sul, militantes pró-Lula foram atingidos por pedras.[290] Mesmo após sua prisão, o PT insistiu e manteve Lula como candidato do partido à presidência. As pesquisas apontavam Lula na liderança do pleito; em junho de 2018, possuía 33% das intenções de votos, conforme o Ibope, mais que o dobro do segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro.[291] De dentro da cadeia, articulou uma aliança nacional com o PC do B e alianças regionais com o PSB, contribuindo para isolar a candidatura de seu maior adversário no campo da esquerda, o ex-governador Ciro Gomes.[292]

O PT oficializou a candidatura de Lula em 5 de agosto, em São Paulo. Na impossibilidade da presença física do candidato, uma carta sua foi lida. Fernando Haddad foi oficializado como candidato a vice-presidente, representando Lula em eventos e debates. Esperava-se que, com a declaração da inelegibilidade de Lula, nos termos da Lei da Ficha Limpa, Haddad passaria à condição de presidenciável.[293] Em meados de agosto, o comitê de Direitos Humanos da ONU recomendou que Lula não fosse impedido de concorrer até que sua condenação transitasse em julgado.[294] No entanto, em setembro, o Tribunal Superior Eleitoral indeferiu o registro de sua candidatura.[295] No dia seguinte, o PT anunciou oficialmente que Haddad seria o novo candidato do partido, contando com Manuela d'Ávila como vice.[296] Bolsonaro venceu com 55,13% dos votos válidos, contra 44,87% de Haddad.[297]

Campanha presidencial de 2022

 
Lula formalizando a chapa presidencial com Geraldo Alckmin como vice

Solto da prisão em 2019 e com os direitos políticos restaurados, Lula pavimentou sua campanha pelo retorno à presidência da República na eleição de 2022,[298] buscando uma vitória contra o candidato à reeleição Jair Bolsonaro, cujo governo encontrava-se desgastado, principalmente, por medidas negacionistas tomadas durante a pandemia de COVID-19 e políticas econômicas, ambientais e culturais.[299] O PT reuniu em sua coligação nove partidos,[300] entre os quais o PSB, que integrou a chapa lançando o candidato a vice-presidente Geraldo Alckmin, antigo adversário político de Lula que havia se desfiliado do PSDB, em uma aliança considerada "improvável".[301] Estiveram na coalizão também partidos como o PSOL, que deixou de lançar candidatura própria em contraponto ao programa do PT para apoiar Lula em uma frente de esquerda, afirmando ser parte de um "processo de superação da extrema-direita" que se iniciaria com a derrota de Bolsonaro.[302][303]

Lula defendeu um programa centrado nas questões sociais, em particular no poder de compra, e na proteção ambiental.[304] Nas semanas que antecederam o pleito, Bolsonaro aumentou os benefícios sociais, cortou impostos e pressionou a Petrobras a diminuir os preços dos combustíveis.[305] O governo Bolsonaro gastou, até meados de 2022, cerca de 343,4 bilhões de reais para garantir a reeleição do presidente.[306] Lula criticou o "uso da máquina pública" para fins eleitorais por parte do governo, alegando ser sem precedentes no Brasil.[307] No decorrer da campanha, Lula firmou uma "frente ampla" com o apoio de diversas figuras políticas, incluindo os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e José Sarney, além de Simone Tebet, terceira colocada no pleito presidencial, que se engajou em sua campanha.[308]

Lula terminou o primeiro turno da eleição com 57,2 milhões de votos, ou 48,43%, contra 51 milhões, ou 43,20%, de Bolsonaro, avançando para o segundo turno. Em 30 de outubro, tornou-se o primeiro candidato a derrotar um presidente incumbente ao receber 60,3 milhões de votos (50,9%), ante os 58,2 milhões do adversário (49,1%). Esses resultados tornaram a disputa presidencial a mais acirrada da história.[309] Em seu discurso de vitória, afirmou: "[...] essa não é uma vitória minha, não é uma vitória só do PT. Essa foi uma vitória de todas as mulheres e homens que amam a democracia, que querem liberdade, que querem um país mais justo. Essa foi a vitória das pessoas que querem mais cultura, que querem mais educação, que querem mais fraternidade, mais igualdade". Lula classificou ainda o governo derrotado como fascista.[310]

Presidência do Brasil (2023–presente)

 Ver artigo principal: Governo Lula (2023–presente)
 
Lula recebendo a faixa presidencial de populares

A transição presidencial para o governo Lula iniciou no início de novembro de 2022.[311] Ainda assim, Bolsonaro não congratulou o presidente eleito nem reconheceu sua derrota. Durante os últimos meses do ano, apoiadores ferrenhos de Bolsonaro realizaram manifestações golpistas em todo o país contra a vitória de Lula e, inflamados pela desconfiança de Bolsonaro no sistema eleitoral e nas urnas eletrônicas, pediram intervenção militar para impedir seu retorno ao Executivo federal.[312]

Em 1.º de janeiro de 2023, Lula foi empossado sem receber a faixa presidencial do antecessor; foi encontrada como alternativa a transferência simbólica por pessoas que representavam diferentes setores da sociedade brasileira.[313] Sob o slogan "União e reconstrução",[314] o governo foi composto inicialmente por 37 ministérios, dos quais onze eram comandados por mulheres, o maior número da história política do país.[315] Uma semana depois de sua posse, uma tentativa de golpe contra seu governo acabou não logrando êxito.[316]

Vida pessoal

Casamentos e filhos

Lula e a segunda esposa, Marisa Letícia, no Palácio da Alvorada, em 2007
Lula e a terceira esposa, Rosângela da Silva, em 2022

Em 24 de maio de 1969, Lula casou-se com a operária mineira Maria de Lourdes da Silva, irmã de seu melhor amigo, Jacinto Ribeiro dos Santos, o "Lambari". Lourdes contraiu hepatite no oitavo mês de gravidez, em junho de 1971, vindo a falecer quando os médicos decidiram fazer uma cesariana para tentar salvar mãe e filho, que também não sobreviveu.[317]

Em 1974, teve uma filha chamada Lurian com a enfermeira Miriam Cordeiro, sua namorada na época. Mais tarde no mesmo ano, casou-se com a então viúva Marisa Letícia Casa dos Santos, vindo anos depois a adotar o filho dela, Marcos Cláudio, que nem chegara a conhecer o pai biológico. O casamento de mais de trinta anos com Marisa gerou três filhos: Fábio Luís (1975), Sandro Luís (1979), e Luís Cláudio (1985).[318] Marisa faleceu em 2017, em decorrência de um acidente vascular cerebral.[319]

Ainda em 2017 Lula iniciou um relacionamento com a socióloga Rosângela da Silva, conhecida como Janja, que só se tornou público em 2019, quando o ex-presidente estava preso em Curitiba.[320] Casaram-se em 18 de maio de 2022.[321]

No fim de seu segundo mandato, em 2010, o Ministério das Relações Exteriores concedeu um passaporte diplomático a seu filho Luís Cláudio. O passaporte diplomático destina-se a autoridades, diplomatas ou pessoas que representem o país no exterior, dando privilégios em diversos países. Em decisão judicial de 2012 expedida pela 14.ª Vara Federal do Distrito Federal, o passaporte foi suspenso. A decisão proferida alegou que houve "absoluta confusão de interesses públicos com interesses pessoais".[322]

Em 1 de março de 2019, o neto de Lula, Arthur Lula da Silva, morreu aos 7 anos em decorrência de infecção generalizada provocada pela bactéria Staphylococcus aureus, que costuma ser encontrada em infecções de pele. A causa de morte do neto, levado ao Hospital Bartira, em Santo André (SP), foi confirmada pelo laudo do exame que descartou meningite.[323]

Saúde

 
Lula em tratamento de câncer e Dilma Rousseff em São Bernardo do Campo, em dezembro de 2011

Em 29 de outubro de 2011, Lula foi diagnosticado com câncer de laringe pela equipe do médico Paulo Hoff, do Hospital Sírio-Libanês. Fumante durante quarenta anos, após começar a apresentar rouquidão por um tempo prolongado, foi identificado um tumor maligno de tamanho médio (dois a três centímetros) na laringe. A assessoria de imprensa do Instituto Lula, sua organização não governamental, informou que o tratamento iria iniciar com uma sessão de quimioterapia em 31 de outubro,[324] mas, a pedido de Lula, não foi divulgado o número de sessões que foram realizadas. No entanto, foi divulgada a duração aproximada do tratamento, que se estimava de três meses segundo o oncologista Artur Katz, responsável pelo tratamento. Lula realizou o tratamento no Hospital Sírio-Libanês.[325]

Antecipando-se aos efeitos adversos da quimioterapia, que incluem a alopecia, cortou a barba e os cabelos, deixando apenas o bigode.[326] Em 28 de março de 2012, o Hospital Sírio-Libanês informou que os exames de Lula mostravam "ausência de tumor visível", demonstrando boa resposta ao tratamento.[327] Em vídeo, Lula disse que sentia intensa náusea, o que o impedia de se alimentar e o fez emagrecer cerca de 16 quilos rapidamente, além de manter uma dieta ausente de sólidos.[328]

Em janeiro de 2021, foi diagnosticado com COVID-19 durante uma viagem a Cuba, onde manteve-se em quarentena.[329] Em abril de 2022, recebeu a quarta dose da vacina contra a doença.[330] Em junho de 2022, foi novamente diagnosticado com COVID-19, permanecendo assintomático.[331]

Imagem pública

Prêmios e honrarias

 
Lula recebendo o Título de Cidadão Paulistano e a Medalha Anchieta da Câmara Municipal de São Paulo em 2012

Em 2020, Lula foi agraciado com seu 36.º título de doutor honoris causa.[332] Em 2011, a Fundação Sciences-Po da França concedeu-lhe o título de doutor honoris causa. Foi o primeiro latino-americano a receber essa distinção. A Sciences Po foi fundada em 1871 e apenas 16 personalidades no mundo possuíam essa premiação até então.[333] Em 2020, foi condecorado pela prefeita Anne Hidalgo como cidadão honorário de Paris.[334]

Dentre os prêmios recebidos por Lula no Brasil, estão a Ordem do Mérito Militar,[335] a Ordem do Mérito Naval, a Ordem do Mérito Aeronáutico,[336][337] a Ordem do Cruzeiro do Sul, a Ordem do Rio Branco,[338][339] a Ordem Nacional do Mérito e a Ordem do Mérito Judiciário Militar.[340][341] Em âmbito internacional, foi condecorado com as medalhas da Ordem da Águia Asteca (México),[342] a Ordem Amílcar Cabral (Cabo Verde),[343] a Ordem da Liberdade, a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito e a Ordem de Camões (Portugal),[344] a Ordem Nacional do Mérito (Argélia),[345] a Ordem de Boyacá (Colômbia),[344] a Ordem Nacional do Mérito (Argélia)[346] e a Ordem Marechal Francisco Solano López (Paraguai).[347]

Em 2009, a Forbes considerou Lula a 33.ª pessoa mais poderosa do mundo,[348] e os jornais Le Monde e El País classificaram-no como o "homem do ano".[349] Para o Financial Times, Lula foi uma das 50 pessoas que moldaram a década de 2000 devido a seu "charme e habilidade política" e também por ser "o líder mais popular da história do país".[350] Em 2010, o jornal Haaretz escreveu que ele era o "profeta do diálogo" por suas intermediações em busca da paz no Oriente Médio.[351][352] Nos anos de 2004, 2010 e 2023, foi incluído na lista das cem pessoas mais influentes do mundo, elaborada pela revista Time.[353]

Em 1995, a banda Os Paralamas do Sucesso lançou a canção "Luís Inácio (300 Picaretas)", que faz alusão ao trecho de uma fala de Lula em 1993.[354][nota 32]

Em 1996, foi lançada a biografia Lula, o Filho do Brasil, de Antonio Candido.[356] Em 2009, o cineasta Fábio Barreto dirigiu o filme Lula, o Filho do Brasil, que retrata a vida de Lula até os 35 anos, baseando-se no livro de Candido.[357] O filme foi um fracasso de crítica e público,[358][359] acusado de ser propaganda política,[360][361] e os produtores até o exibiram de graça.[362] Alguns observadores no Brasil disseram que o filme foi um sinal de culto à personalidade.[363]

Lula foi retratado nos documentários Peões, que mostra a luta do movimento sindical do ABC Paulista, e Entreatos, que acompanha sua campanha política de 2002, ambos lançados em 2004.[364][365] Lula ainda participou de dois documentários dirigidos por Oliver Stone sobre Hugo Chávez: South of the Border (2009) e Mi amigo Hugo (2014).[366][367]

Em 2017, foi lançado o filme Polícia Federal: A Lei É para Todos, retratando a história da Operação Lava Jato da perspectiva de seus autores, com Lula sendo interpretado pelo ator Ary Fontoura.[368] No ano seguinte, foi lançada a série O Mecanismo, da Netflix, que também trata da Operação Lava Jato e traz um personagem que faz alusão a Lula, João Higino, interpretado por Arthur Kohl.[369]

Relações com a imprensa e notícias falsas

Diferentes comentaristas criticaram a relação de Lula com os meios de comunicação, tanto por suas críticas aos veículos da imprensa como por suas propostas de regular a mídia.[nota 33] Em 2004, o governo Lula cogitou expulsar do país o jornalista americano Larry Rohter, do The New York Times, por escrever uma reportagem sobre a suposta propensão de Lula a beber, mas a decisão foi revogada depois de uma retratação por escrito do repórter.[372] Em 2019, o site Aos Fatos checou o discurso de Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, concluindo que este havia feito seis declarações falsas, quatro verdadeiras e uma imprecisa.[373] Em 2020, citou o nazismo para atacar a TV Globo e acabou, em parte, defendendo os ataques de Bolsonaro direcionados a jornalistas.[374] A declaração recebeu críticas da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo e da Federação Nacional dos Jornalistas.[375]

Em 2018, a revista Veja concluiu que Lula era uma das maiores vítimas de notícias falsas no Brasil, sendo a grande maioria delas de viés negativo.[376] Dentre as de maior repercussão, estava a de que saiu na capa da revista Forbes como um dos homens mais ricos do Brasil, a de ser o dono da empresa JBS, de ter um luxuoso avião a jato avaliado em 50 milhões de dólares, de ser dono uma grande mansão no Uruguai, de receber aposentadoria por invalidez, de ter saído na capa da revista The Economist como um dos maiores corruptos do mundo[377] e também de ter enviado 30 bilhões de reais para o exterior,[378] além da que o acusa de ter recebido 317 milhões de reais em uma delação premiada.[379][380] Todas as notícias foram divulgadas por sites ou políticos ligados a partidos de direita e circularam em aplicativos de celular como o WhatsApp, em canais do YouTube e por emails.[381]

Histórico eleitoral

Ano Cargo Partido Principal opositor Partido Votos para Lula Resultado
Total % P.
1982 Governador de São Paulo PT Franco Montoro PMDB 1 144 648 10,77% 4.º Não eleito
1986 Deputado Federal (por São Paulo) N/A N/A 651 763 4,22% 1.º Eleito
1989 Presidente do Brasil Fernando Collor PRN 31 075 803 46,97% 2.º Não eleito
1994 Fernando Henrique Cardoso PSDB 17 122 127 27,07% 2.º Não eleito
1998 21 475 218 31,71% 2.º Não eleito
2002 José Serra 52 793 364 61,27% 1.º Eleito
2006 Geraldo Alckmin 58 295 042 60,83% 1.º Reeleito
2022 Jair Bolsonaro PL 60 345 999 50,90% 1.º Eleito

Cronologia sumária

Ver também

Notas

  1. "Em entrevista à Rádio Brasil Campinas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou nesta quarta-feira (9) sua crença católica e lembrou que ao sair da prisão, em 2019, foi visitar o Papa Francisco, na Itália, e o Conselho Mundial de Igrejas, na Suíça, para iniciar uma campanha mundial contra a desigualdade. “Sou batizado e crismado na Igreja Católica. Sou católico há 76 anos”, contou, em resposta a questionamento da rádio, emissora da Arquidiocese da cidade paulista."[1]
  2. O apelido Lula foi incorporado oficialmente a seu sobrenome em 1982.[2]
  3. a b A localidade onde Lula nasceu é a atual cidade de Caetés. No ano de seu nascimento (1945), Caetés era um distrito da cidade de Garanhuns, antes denominado São Caetano, cujo nome foi alterado para Caetés pelo decreto-lei nº 92, de 31 de março de 1938. Pela lei estadual n.º 4987, de 20 de dezembro de 1963, dezoito anos depois do nascimento de Lula, o distrito foi emancipado, desmembrando-se de Garanhuns e elevado à categoria de município.[3]
  4. A data de nascimento de Lula foi registrada incorretamente como sendo 6 de outubro de 1945. De acordo com seu irmão, Frei Chico, "um dia minha mãe foi ao cartório em Santos registrar os filhos. Levou anotado todas as datas e os nomes. Mas acredito que ficou intimidada pela atitude da escrivã, que sugeriu mudar o nome da minha irmã ali, na hora, de Sebastiana para Ruth, seu próprio nome, em sua 'homenagem', e ela acabou se atrapalhando com tantas datas."[4]
  5. Os outros filhos do casal eram José Inácio (conhecido como Zé Cuia), Jaime, Marinete, Genival (Vavá), José (Frei Chico) e Maria. Outros dois filhos morreram antes do nascimento de Lula e dois gêmeos após.[6] Quando Aristides e Dona Lindu reataram, após seu retorno de São Paulo, tiveram ainda as filhas Sebastiana e Tiana (Ruth).[7]
  6. Na avaliação de Richard Bourne, "Aristides provavelmente nunca quis que a sua primeira família viesse para sul, e implicava que o único membro que ele gostaria de ver era seu cão favorito, que teve de ser deixado para trás."[17]
  7. Lula considerava seu pai tirânico, ignorante e alcoólico, além de preferir sua segunda família. Por outro lado, o considerava um trabalhador, que tentava sustentar ambas as famílias.[20]
  8. Relembrando o acidente, Lula afirmou: "Quebrou o parafuso de uma prensa. Eu fiz o parafuso e quando fui colocar, o companheiro prensista que estava cochilando distraiu-se, largou o braço da prensa, a prensa fechou e eu perdi meu dedo."[40]
  9. Em outro momento, Lula observou que, dentre os trabalhadores da Metalúrgica Independência, "o orgulho dos militares terem chegado ao poder era muito grande. As pessoas confiavam no exército brasileiro [...] [e] eu achava que o golpe era uma coisa boa."[54] Para seu biógrafo Richard Bourne, Lula era um "típico jovem trabalhador": fanático sobre futebol e não muito interessado em política ou sindicatos.[55]
  10. Lula considerava que os sindicatos eram uma perda de tempo, um espaço para disputas triviais e com uma capacidade limitada.[58]
  11. Embora Lula tivesse contatos indiretos com vários comunistas, somente aceitou se encontrar com Demaria. Lula não gostava dos métodos de atuação dos comunistas, através de subterfúgios, e afirmou a seu irmão Frei Chico que não voltaria a fazer parte de reuniões secretas.[74] Em 1978, Frei Chico foi detido pelo DOI-CODI,[75] sendo espancado, amarrado e torturado em uma "Poltrona dos Dragões." Ele permaneceu 78 dias na prisão.[76]
  12. De acordo com John D. French, a partir de depoimento de José de Segadas, "Lula encarnava a esperança, há muito tempo mantida por homens de poder [incluindo Paulo Egydio] de que um dirigente sindical legítimo e não comunista poderia um dia emergir para libertar os patrões e funcionários do governo de homens desonestos que eles não respeitavam, mas sem os quais não conseguiriam viver face à ameaça 'comunista'."[78]
  13. Na prisão, Lula foi relativamente bem tratado. Recebeu assistência odontológica e quando sua mãe faleceu as autoridades permitiram que fosse ao velório.[93]
  14. Com base no relato de John D. French, "em seu radicalismo imprudente, o PT ocupava a extrema esquerda no espectro político no processo que levou à restauração dos governos civis eleitos a partir de 1985 e nos seus desdobramentos."[104]
  15. Durante um seminário em Cuba, Fidel disse a Lula: "Em todos os tempos, em qualquer país, em qualquer regime, você já ouviu falar de algum trabalhador, como você, que teve 1,2 milhão de votos, como você teve? Você não tem o direito de fazer isso com os pobres, com os trabalhadores brasileiros! Volte para a política!"[108]
  16. Lula defendia um sistema parlamentarista de governo, mas como deputado votou a favor do sistema presidencialista, que tinha o aval da maior parte de seu partido.[113]
  17. O desempenho de Lula no Congresso é disputado. Para Richard Bourne, ele "não exerceu um papel proeminente no Congresso ou na Assembleia Constituinte."[118]
  18. O presidenciável Fernando Collor alertou que Lula confiscaria as poupanças e destinaria imóveis que pertenciam à classe média para os sem-teto.[123]
  19. O candidato Mário Covas, que havia ficado em quarto lugar, juntou-se a Lula em comícios em apoio à candidatura petista..[128] O tucano FHC também lhe apoiou.[129]
  20. Ainda nas eleições de 1989 que o gesto "L", de Lula, o qual havia sido criado por Mario Milani, se popularizou[132] e mais tarde viralizou em um fenômeno da mídia.[133]
  21. No dia seguinte ao debate, a TV Globo levou ao ar uma versão editada do debate em sua exibição no Jornal Nacional. O diretor-geral, Boni, entre outros, posteriormente sustentou que a edição foi favorável a Collor e teria influenciado o eleitorado.[134] O episódio foi retratado no documentário Beyond Citizen Kane.[135]
  22. Os sequestradores de Abilio Diniz foram apresentados pela polícia vestindo camisetas do PT; aberto inquérito para apurar se coube à polícia vestir os criminosos, foi arquivado dois anos depois por falta de provas.[136][137] Em seu livro Notícias do Planalto: a imprensa e Fernando Collor, Mario Sergio Conti escreveu: "as investigações posteriores provaram que nenhum militante do PT estivera envolvido no sequestro de Abílio Diniz, realizado por aventureiros ligados a grupos esquerdistas da América Central. Os sequestradores disseram em juízo que policiais civis os torturaram e, antes de os apresentarem à imprensa, os forçaram a vestir camisetas do PT. A Polícia Civil estava sob o comando do secretário da Segurança, Luiz Antônio Fleury Filho. A vítima, Abílio Diniz, protestou contra a tortura de seus algozes. Quase um ano depois, em outubro de 1990, o governador de São Paulo, Orestes Quércia, superior imediato de Fleury, disse numa entrevista ao Estado de S. Paulo que durante o sequestro 'houve pressões no sentido de que se conduzissem as investigações para envolver o PT'."[138]
  23. Conforme Richard Bourne, "[...] nunca ficou claro o que o partido quis dizer com socialismo. Ideologicamente, o PT tinha sido desde o início, e permaneceu, uma ampla coalizão de sindicalistas, intelectuais, pessoas de movimentos sociais, radicais católicos, socialistas e marxistas de diferentes convicções."[139] O biógrafo Richard Bourne chegou a conclusões semelhantes, apontando para uma entrevista concedida por Lula ao jornal Folha de S. Paulo, em que defendia uma sociedade que "não restringisse a liberdade do espírito ou o desejo de um cidadão de progredir na vida."[140]
  24. Em 1994, Lula desejava contratar Duda Mendonça para gerir sua campanha, mas o PT vetou a indicação. Para 2002, impôs ao partido "fazer campanha com o Duda e contratar bom profissionais, não mais fazer aquela campanha romântica."[160][161][162]
  25. De acordo com o Barcelona Centre for International Affairs, "sectores situados à sua esquerda [...] transitaram entre a desilusão, a impaciência e a revolta."[175] Em 2003, escrevendo para a revista Crítica Marxista, Armando Boito Jr registrou que ' O governo Lula, que gerara alguma expectativa positiva em parte da esquerda brasileira e internacional, revelou-se uma espécie de 'terceira via' da periferia, disseminando a perplexidade, a decepção e a revolta entre trabalhadores e intelectuais." Boito Jr. escreveu que Lula manteve e aprofundou "pilares do modelo capitalista neoliberal dependente."[179]
  26. Diretor-geral de Pesquisas para Mercados Emergentes da Goldman Sachs, Paulo Leme classificou em 2003 como acertadas as decisões do governo na economia. Para Leme, "a coisa mais importante é o sucesso do programa de estabilização econômica. A condução da política fiscal e monetária foi acertada" e "a inflação vem caindo muito, o ajuste das contas externas é muito impressionante e o resultado disso tudo é que o país recuperou a confiança do investidor."[180][175]
  27. Em seu primeiro mandato, FHC registrou 55 viagens ao exterior. O ritmo de viagens ao exterior superou ainda as médias de Itamar Franco (15 visitas), Fernando Collor (27) e José Sarney (41).[190]
  28. Dentre os críticos, o escritor Ferreira Gullar afirmou em 2010 que "[...] Difícil é conquistar o cara que vive por sua conta. Difícil é conquistar a mim, que trabalho e vivo do meu dinheiro. Não me conquistam comprando, como o Lula comprou todos os pobres do Brasil. Por isso é que ele tem 80 por cento de aprovação. Ele comprou os pobres. Não tem preocupações de fiscalizar, e pôr em prática a natureza do programa, que é quando o cara conseguir trabalho sair do programa. Ele quer que tenha cada vez mais gente no programa. Ou seja, pessoas sem trabalho e dependentes da bondade dele. Não está preocupado em resolver problema social nenhum. O Lula é um esperto. Só pensa no poder dele."[203]
  29. Em 2009, foi controversa a nomeação de Dias Toffoli, com os críticos questionando sua ligação com o PT, sua idade e seus conhecimentos jurídicos.[212] Toffoli havia advogado para o partido durante eleições anteriores. A mobilização da base aliada garantiu sua aprovação com 58 votos a favor e 9 contrários.[213]
  30. Envolvido no escândalo do mensalão, o delator Pedro Corrêa afirmou que Lula possuía conhecimento do esquema.[236] Em 2016, o MPF acusou Lula de comandar um esquema de corrupção na Petrobras que ficou conhecido como "petrolão". Segundo o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, "sem o poder de decisão de Lula, esse esquema seria impossível [...] Lula era o maestro dessa grande orquestra concatenada para saquear os cofres públicos."[237]
  31. De acordo com o IBOPE, a aprovação pessoal de Lula em dezembro de 2010 era de 87%; a de seu governo, de 80%.[247] Na mesma época, o Datafolha apurou que 83% dos brasileiros consideravam o governo Lula como "ótimo" ou "bom."[248]
  32. Em setembro de 1993, enquanto percorria estados da Amazônia em campanha para a eleição presidencial de 1994, disse: "Há no congresso uma minoria que se preocupa e trabalha pelo país, mas há uma maioria de uns trezentos picaretas que defendem apenas seus próprios interesses."[355]
  33. A jornalista Maria Carolina Maia opinou que "[...] não pode passar despercebido o fato de que, alçado ao poder, Lula e o PT concentraram artilharia pesada contra a imprensa livre, pilar da democracia, buscando miná-la. Em oito anos de governo, foram várias as tentativas de cercear a atividade jornalística."[370] A CNN mencionou, em 2022, que as propostas de regulação da mídia por parte de Lula causavam "temor de censura, uso político e tentativas de intervenção do Estado."[371]

Referências

  1. «A igreja contribuiu com minha formação política, diz Lula». Lula. 2 de setembro de 2022. Consultado em 15 de outubro de 2023. Cópia arquivada em 24 de maio de 2022 
  2. «Da infância à prisão: a trajetória de Lula em fotos». Revista Veja. 8 de abril de 2018. Consultado em 4 de fevereiro de 2023. No mesmo ano, em 1982, Lula se candidata ao governo de São Paulo e, nessa época, incorpora o apelido "Lula" ao sobrenome, como forma de facilitar a identificação nas urnas. 
  3. «Brasil / Pernambuco / Caetés: história & fotos». IBGE. 2022. Consultado em 12 de outubro de 2022 
  4. «Afinal, Lula nasceu no dia 6 ou 27 de outubro?». UOL. Aventuras na História. 29 de julho de 2022. Consultado em 12 de outubro de 2022 
  5. «Biografia». Biblioteca da Presidência da República. 2022. Consultado em 12 de outubro de 2022 
  6. Bourne 2008, p. 2-3
  7. Bourne 2008, p. 3
  8. «El hombre que asombra al mundo». El País. 10 de dezembro de 2009. Consultado em 12 de outubro de 2022 
  9. Bourne 2008, p. 3
  10. Paraná 2010, p. 14-15
  11. Bourne 2008, p. 3
  12. Fábio Farah (4 de novembro de 2002). «Todos os irmãos do presidente». IstoÉGente. Consultado em 12 de outubro de 2022. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2002 
  13. Bourne 2008, p. 3
  14. Paraná 2010, p. 16
  15. Morais 2021, p. 217
  16. French 2022, p. 77-79
  17. Bourne 2008, p. 4
  18. French 2022, p. 79-80
  19. Morais 2021, p. 219-220
  20. Bourne 2008, p. 5
  21. Morais 2021, p. 221-226
  22. French 2022, p. 80-81
  23. French 2022, p. 470
  24. Eliane Brum (2002). «Pai padrasto». Época. Consultado em 12 de outubro de 2022. Arquivado do original em 9 de março de 2005 
  25. Morais 2021, p. 218
  26. French 2022, p. 121
  27. French 2022, p. 216-218
  28. Paraná 2010, p. 30
  29. French 2022, p. 79
  30. Morais 2021, p. 228
  31. French 2022, p. 217
  32. Morais 2021, p. 232-233
  33. Morais 2021, p. 233-234
  34. Bourne 2008, p. 13
  35. Morais 2021, p. 234
  36. French 2022, p. 109
  37. Morais 2021, p. 234
  38. Morais 2021, p. 235
  39. Morais 2021, p. 236
  40. French 2022, p. 220
  41. Morais 2021, p. 237-239
  42. Morais 2021, p. 239
  43. Marcos Sérgio Silva (8 de março de 2010). «Um dedo de discórdia». Trip. UOL. Consultado em 19 de setembro de 2014 
  44. French 2022, p. 224
  45. Morais 2021, p. 240
  46. Morais 2021, p. 240
  47. French 2022, p. 226-231
  48. «Aspectos históricos: parque Anchieta». Prefeitura de São Bernardo do Campo. 1 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2014. Arquivado do original em 21 de julho de 2014 
  49. «Biografia de Luiz Inácio Lula da Silva» (PDF). Presidência da República. Consultado em 26 de março de 2010. Arquivado do original (PDF) em 14 de junho de 2011 
  50. French 2022, p. 200, 235
  51. French 2022, p. 179
  52. French 2022, p. 261
  53. Morais 2021, p. 241
  54. French 2022, p. 159
  55. Bourne 2008, p. 17
  56. José Luis Rodríguez Zapatero (10 de dezembro de 2009). «El hombre que asombra al mundo». El País. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  57. French 2022, p. 202
  58. Bourne 2008, p. 20
  59. French 2022, p. 314-316
  60. Gaspari 2004, p. 330
  61. Ricardo Kotscho (17 de novembro de 2011). «Lula ficou com a cara de seu irmão Frei Chico». R7. Record. Consultado em 15 de julho de 2014. Arquivado do original em 19 de novembro de 2011 
  62. Morais 2021, p. 256
  63. French 2022, p. 199-200
  64. Morais 2021, p. 261-262
  65. French 2022, p. 212
  66. Morais 2021, p. 261-262
  67. Morais 2021, p. 263
  68. French 2022, p. 319
  69. Morais 2021, p. 267
  70. French 2022, p. 200
  71. French 2022, p. 319-324
  72. Morais 2021, p. 268
  73. Morais 2021, p. 273-274
  74. Bourne 2008, p. 27
  75. Bourne 2008, p. 28
  76. Bourne 2008, p. 29
  77. Morais 2021, p. 284-286
  78. French 2022, p. 435
  79. Morais 2021, p. 310
  80. Morais 2021, p. 320
  81. French 2022, p. 433
  82. Morais 2021, p. 310-311
  83. Morais 2021, p. 321-322
  84. French 2022, p. 200
  85. French 2022, p. 449-453
  86. French 2022, p. 455-457
  87. Bourne 2008, p. 36
  88. a b c «Greves do ABC». Memória Globo. 28 de outubro de 2021. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  89. French 2022, p. 459
  90. Bourne 2008, p. 39
  91. French 2022, p. 460-461
  92. French 2022, p. 459
  93. Bourne 2008, p. 44
  94. Leandro Machado (8 de novembro de 2019). «Como foi o primeiro 'Lula livre' em 1980, quando ex-presidente foi preso pela ditadura». BBC News. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  95. Bourne 2008, p. 44
  96. «Lula demorou 13 dias para ir de PE a SP e quatro eleições para chegar à Presidência». Folha de S. Paulo. UOL. 1 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2014 
  97. French 2022, p. 47-48
  98. French 2022, p. 464
  99. French 2022, p. 511
  100. «A campanha que uniu Lula e Fernando Henrique Cardoso, na ditadura». O Globo. 5 de outubro de 2022. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  101. Bourne 2008, p. 44, 51
  102. French 2022, p. 512
  103. French 2022, p. 513
  104. French 2022, p. 514
  105. French 2022, p. 514
  106. Morais 2021, p. 355
  107. Morais 2021, p. 417
  108. Morais 2021, p. 419-420
  109. «Saiba mais sobre Luiz Inácio Lula da Silva». International Press. 31 de outubro de 2006. Consultado em 26 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 27 de julho de 2014 
  110. Bourne 2008, p. 62
  111. Morais 2021, p. 419
  112. Bourne 2008, p. 67
  113. Bourne 2008, p. 68
  114. «COMO LULA E ALCKMIN VOTARAM NA CONSTITUINTE». Congresso em Foco. 28 de outubro de 2006. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  115. Bourne 2008, p. 68
  116. «Lula». O Estado de S. Paulo. 2014. Consultado em 26 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2014 
  117. «Quem foi Quem na Constituinte». Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. 1988. Consultado em 26 de fevereiro de 2023 
  118. Bourne 2008, p. 95
  119. Onis, Juan (1989). «Brazil on the Tightrope toward Democracy» (PDF). Foreign Affairs (em inglês). 68 (4). Washington, D.C.: Council on Foreign Relations. Consultado em 1 de março de 2023 
  120. Bourne 2008, p. 71
  121. Bourne 2008, p. 72
  122. Bourne 2008, p. 73-74
  123. Bourne 2008, p. 73
  124. Bourne 2008, p. 73
  125. «Lurian ri por último». Folha de S. Paulo. 26 de julho de 2009. Consultado em 1 de março de 2023 
  126. Bourne 2008, p. 74
  127. a b «Eleição Presidencial 1989». Tribunal Superior Eleitoral. 2023. Consultado em 1 de março de 2023 
  128. «A ética de Covas, por Lula». GGN. 30 de outubro de 2011. Consultado em 1 de março de 2023 
  129. Bourne 2008, p. 75
  130. «Eleições Presidenciais - 1989». Memória Globo. 28 de outubro de 2021. Consultado em 1 de março de 2023 
  131. Bourne 2008, p. 74
  132. «Jornalista Mario Milani lança livro "A Voz do Gesto" neste sábado, 27». Cabeza News. 27 de agosto de 2022. Consultado em 1 de março de 2023 
  133. «Gesto repetido por artistas, políticos e milhões de brasileiros anônimos para saudar ex-presidente Lula nasceu em Cascavel». O Presente. 3 de julho de 2022. Consultado em 1 de março de 2023 
  134. «Qual foi a 'mutreta' que Lula acusa Globo de ter feito nas eleições de 1989». UOL. 10 de março de 2021. Consultado em 1 de março de 2023 
  135. «Muito além do Cidadão Kane, a verdade sobre a Rede Globo». Jornal GGN. 28 de dezembro de 2013. Consultado em 1 de março de 2023 
  136. «Marta vincula fala de Serra ao sequestro de Abílio Diniz». O Globo. 24 de maio de 2012. Consultado em 1 de março de 2023 
  137. Maria Eduardo Guimarães (21 de novembro de 1997). «Em 89, Abílio foi sequestrado». Folha de S. Paulo. Consultado em 1 de março de 2023 
  138. «Em 1989, sequestro de Abílio Diniz foi relacionado ao PT e desmentido logo após eleições, mostra pesquisa». Rede Brasil Atual. 25 de setembro de 2010. Consultado em 1 de março de 2023 
  139. Bourne 2008, p. 78
  140. Bourne 2008, p. 67
  141. Bourne 2008, p. 77-78
  142. Bourne 2008, p. 78
  143. «O SOCIALISMO PETISTA» (PDF). 3º Congresso do PT. Fundação Perseu Abramo. Consultado em 1 de março de 2023 
  144. «PT criou "governo paralelo" para fiscalizar Collor». Folha de S. Paulo. 25 de novembro de 2002. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  145. Bourne 2008, p. 79-80
  146. Camila Moraes (18 de abril de 2016). «Quando o PT estava do outro lado: sigla lidera pedidos de impeachment». El País. Consultado em 2 de março de 2023 
  147. Bourne 2008, p. 80
  148. Bourne 2008, p. 81
  149. «CARAVANAS VÃO AO BRASIL PROFUNDO». Memorial da Democracia. 23 de abril de 1993. Consultado em 1 de março de 2023 
  150. «Viagem ao Coração do Brasil: as caravanas da cidadania». Fundação Perseu Abramo. Consultado em 9 de setembro de 2023 
  151. Bourne 2008, p. 82
  152. Bourne 2008, p. 83-86
  153. Maria Lima (2010). «A grande mentira: na TV, PT diz que Lula estabilizou economia» (PDF). O Globo. Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 1 de março de 2023 
  154. Bourne 2008, p. 86
  155. Bourne 2008, p. 91
  156. Bourne 2008, p. 95-96
  157. Bourne 2008, p. 96-97
  158. «Suplicy anuncia resultado das prévias do PT com vitória de Lula». Agência Senado. Senado Federal. 20 de março de 2002. Consultado em 1 de março de 2023 
  159. Bourne 2008, p. 97
  160. Marcelo Rubens Paiva (28 de outubro de 2002). «Campanha do PT pagou R$ 1,27 mi a Zezé di Camargo & Luciano». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2023 
  161. Eduardo Cucolo (13 de outubro de 2002). «Horário eleitoral põe frente a frente "orixás do marketing político"». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2023 
  162. Bourne 2008, p. 98
  163. Bourne 2008, p. 99
  164. «Leia íntegra da carta de Lula para acalmar o mercado financeiro». Folha de S. Paulo. 24 de junho de 2002. Consultado em 2 de março de 2023 
  165. «José Alencar: O empresário mineiro que fez a ponte entre Lula e o mercado». O Globo. 29 de março de 2011. Consultado em 2 de março de 2023 
  166. Bourne 2008, p. 100
  167. «Eleições 2002 - Resultado da eleição». Tribunal Superior Eleitoral. 2002. Consultado em 2 de março de 2023 
  168. Bourne 2008, p. 101
  169. Josias de Souza (8 de outubro de 2002). «ACM declara voto em Lula no 2º turno». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2023 
  170. «Petista é primeiro governante de esquerda eleito do país». Folha de S. Paulo. 28 de outubro de 2002. Consultado em 2 de março de 2023 
  171. Ricardo Mignone (14 de dezembro de 2002). «Lula chora ao ser diplomado no TSE». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de março de 2023 
  172. Plínio Fraga (1 de janeiro de 2003). «Lula toma posse hoje como o 39º presidente do Brasil». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  173. «Leia os principais pontos do discurso de posse de Lula no Congresso». Consultor Jurídico. 1 de janeiro de 2003. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  174. «Lula, el sindicalista perseverante». La Vanguardia. 2 de setembro de 2006. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  175. a b c d e f g h i j «Luiz Inácio Lula da Silva». Barcelona Centre for International Affairs. 17 de janeiro de 2023. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  176. «Lula presidente: relembre os ministérios escolhidos pelo petista em 2002 e 2006». O Globo. 31 de outubro de 2022. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  177. a b c Luis Guilherme Camfield Barbosa (Julho de 2012). "O GOVERNO LULA E A POLÍTICA ECONÔMICA BRASILEIRA: CONTINUIDADE OU RUPTURA?" . Revista Todavia. Acessado em 04-02-2023.
  178. «Meirelles defende autonomia do BC». Super Notícia. O Tempo. 14 de junho de 2006. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  179. Armando Boito Jr. (Julho a dezembro de 2021). "A hegemonia neoliberal no governo Lula" . Conselho Latino-americano de Ciências Sociais. Acessado em 05-02-2023.
  180. «Política econômica de Lula divide analistas». BBC. Junho de 2003. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  181. «Especial - Programa Fome Zero - ( 08' 41" )». Rádio Câmara. 6 de fevereiro de 2006. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  182. Thiago Resende (28 de janeiro de 2023). «Fome Zero completa 20 anos com retrocesso em indicadores». Folha de S. Paulo. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  183. Carlos Madeiro (11 de agosto de 2017). «Com redução de 543 mil benefícios em 1 mês, Bolsa Família tem maior corte da história». UOL. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  184. «30/11 - Orçamento do Bolsa Família cresce 60% para 2013». Governo Federal. 30 de novembro de 2012. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  185. «Lula reafirma posição do Brasil contra a guerra no Iraque». Agência Brasil. 28 de janeiro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  186. Simone de Mello (28 de janeiro de 2006). «Lula e Schröder acertam apoio mútuo no Conselho de Segurança». Deutsche Welle. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  187. Daniel Gallas (11 de novembro de 2006). «Ex-embaixadores criticam política externa do governo Lula». BBC News. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  188. Paulo Roberto de Almeida (Junho de 2004). "Uma política externa engajada: a diplomacia do governo Lula" . Revista Brasileira de Política Internacional. Acessado em 05-02-2023.
  189. CRONOLOGIA DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA (2003 – 2006) (PDF). Brasília: Ministério das Relações Exteriores. 2007. p. 85-86. ISBN 85-7631-071-6 
  190. Eduardo Scolese e Pedro Dias Leite (10 de dezembro de 2006). «Lula dá 18 voltas ao redor do mundo em 4 anos de governo». Folha de S. Paulo. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  191. «Entenda o escândalo do mensalão». R7. 8 de outubro de 2009. Consultado em 5 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 29 de maio de 2010 
  192. «Confira situação dos 25 condenados do processo do mensalão». G1. 18 de novembro de 2013. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  193. Mariana Oliveira e Nathalia Passarinho (15 de agosto de 2012). «STF volta a rejeitar inclusão de Lula como réu no processo do mensalão». G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  194. «RETROSPECTIVA 2006: CRONOLOGIA DA CAMPANHA ELEITORAL». G1. 26 de dezembro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  195. Bourne 2008, p. 198
  196. Alexandre Caverni (2 de outubro de 2006). «LULA FICA COM 48,61% DOS VOTOS E ENFRENTA ALCKMIN NO 2O TURNO». Reuters. G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  197. Bourne 2008, p. 198, 201
  198. Bourne 2008, p. 203-204
  199. «Presidente Lula é reeleito com mais de 58 milhões de votos». Agência Senado. 30 de outubro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  200. «Lula é reeleito presidente do Brasil com mais de 57 mi de votos». Folha de S. Paulo. 29 de outubro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  201. «LULA É REELEITO E PROMETE CRESCER SEM ESTOURAR GASTOS». G1. 30 de outubro de 2006. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  202. «Lula toma posse para exercer o segundo mandato». Agência Senado. 1 de janeiro de 2007. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  203. Alexandra Lucas Coelho (25 de outubro de 2010). «"Lula comprou os pobres do Brasil"». Público. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  204. «Salário mínimo não tem aumento acima da inflação pela 1ª vez desde 2003». G1. 2 de janeiro de 2017. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  205. «Saiba mais sobre o PAC». Agência Câmara de Notícias. 23 de janeiro de 2007. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  206. Célio Yano (28 de outubro de 2022). «Lula promete recriar o PAC se eleito. Como foi a versão original do programa». Gazeta do Povo. Consultado em 5 de fevereiro de 2023 
  207. Silvio Navarro e Maria Clara Cabral (23 de dezembro de 2007). «Com base recorde em 2007, Lula fracassa no Congresso». Folha de S. Paulo. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  208. Amauri Arrais (3 de novembro de 2007). «Eleição 2008 divide base aliada de Lula». G1. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  209. «Lula vai convocar conselho político para apaziguar base--Múcio». O Estado de S. Paulo. 9 de fevereiro de 2009. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  210. «Lula é só elogios a Renan e Collor». Veja. 14 de julho de 2009. Consultado em 7 de fevereiro de 2023 
  211. Marcelo Ninio (18 de junho de 2009). «Lula defende Sarney e critica o "denuncismo" da imprensa». Folha de S. Paulo. Consultado em 7 de fevereiro de 2023 
  212. Débora Pinho (24 de setembro de 2009). «O dia da sabatina do ex-advogado geral da União». Consultor Jurídico. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  213. «Senado aprova nome de Toffoli». Tribunal de Justiça do Ceará. 1 de outubro de 2009. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  214. Laryssa Borges e Talita Fernandes (30 de maio de 2014). «Nunca antes um partido indicou tantos ministros para o Supremo». Veja. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  215. Sheila de Carvalho e Allyne Andrade e Silva (20 de novembro de 2020). «STF e a diversidade racial: o que perdemos sem um ministro negro?». JusDh. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  216. Fabrícia Peixoto (27 de dezembro de 2010). «Em oito anos, Lula visitou 85 países em busca de parceiros comerciais e políticos». BBC. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  217. Robson Bonin e Jeferson Ribeiro (23 de novembro de 2009). «Ao lado de Ahmadinejad, Lula defende direito do Irã a programa nuclear pacífico». G1. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  218. «Irã assina acordo nuclear proposto por Brasil e Turquia». BBC. 17 de maio de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  219. «Haitianos vêm ao Brasil pedir fim da ocupação». A Tarde. 6 de março de 2006. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  220. Fabrícia Peixoto (12 de julho de 2010). «Ajuda do Brasil ao Haiti equivale a gastos com manutenção das tropas». BBC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  221. «Quem criou o Sisu? Conheça a história do programa!». Pravaler. 31 de março de 2022. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  222. Jasmille Novas (29 de agosto de 2022). «ELEIÇÕES 2022: quais foram as UNIVERSIDADES FEDERAIS criadas no Governo Lula?». FDR. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  223. «Governo Lula multiplica número de jovens negros na universidade». Geledés. 21 de julho de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  224. a b Nabil Bonduki (2014). Os pioneiros da habitação social - Cem anos de política pública no Brasil (PDF) (Relatório). 1 Editora UNESP ed. pp. 32–39 
  225. Cibele Maria Lima Rodrigues (2011). «Políticas e moradia popular no governo Lula: discursos, disputas e negociações». Cadernos de Estudos Sociais. 26 (2) 
  226. Perry Anderson (31 de março de 2011). «Lula's Brazil». London Review of Books. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  227. John Paul Rathbone (31 de maio de 2014). «After Latin America's boom years, anticipating the deluge». Financial Times. Consultado em 8 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 6 de abril de 2014 
  228. Gabriela Ghiraldelli (29 de setembro de 2022). «Fatos Primeiro: Lula erra sobre Brasil ter sido sexta economia mundial». CNN Brasil. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  229. Heloisa Cristaldo (31 de agosto de 2016). «PT deixa o poder após 13 anos com avanços sociais e economia debilitada». Agência Brasil. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  230. «Gini Index». The World Bank. 2022. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  231. Salles-Costa, Rosana; et al. (26 de outubro de 2020). «Food Insecurity Increases in Brazil from 2004 to 2018: Analysis of national surveys». Current Developments in Nutrition. doi:10.1093/cdn/nzac034. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  232. «Brazil». Global Hunger Index. 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  233. Nathalia Passarinho (10 de maio de 2010). «Lula leva título de 'Campeão Mundial na Luta Contra Fome' pela ONU». G1. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  234. «Governo do PT se resume em 4.880 dias de escândalos e corrupção que somam mais de R$ 47 bilhões». R7. 12 de maio de 2016. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  235. Samuel Lima e Victor Pinheiro (27 de maio de 2022). «É falso que Petrobras tenha sofrido prejuízo de 'R$ 900 bilhões' com corrupção». O Estado de S. Paulo. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  236. Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Mateus Coutinho (31 de maio de 2016). «DELATOR DIZ QUE LULA SABIA DO MENSALÃO». O Estado de S. Paulo. Senado Federal. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  237. «MPF acusa Lula de comandar corrupção na Petrobras». Deutsche Welle. 14 de setembro de 2016. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  238. Guulherme Peixoto, Carlos Marcelo e Renato Scapolatempore (18 de agosto de 2022). «Lula sobre corrupção: 'No meu governo houve investigação e transparência'». Correio Braziliense. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  239. «Lula no JN: 'A corrupção só aparece quando você permite que ela seja investigada'; trecho». G1. 25 de agosto de 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  240. a b Abramov, Oleg; Condé, Eduardo Salomão (27–31 de outubro de 2014). «Entre continuidade e ruptura: análise em dois níveis das agendas sociais dos governos FHC e Lula». 38º Encontro Anual da ANPOCS. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  241. Carlos Eduardo Moreno Sampaio (17 de março de 2010). «Estatísticas sobre Analfabetismo no Brasil». Senado Federal. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  242. «Total reserves (includes gold, current US$) - Brazil». The World Bank. 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  243. «Unemployment, total (% of total labor force) (modeled ILO estimate) - Brazil». The World Bank. 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  244. «Inflation, consumer prices (annual %) - Brazil». The World Bank. 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  245. «Taxas de juros básicas – Histórico». Banco Central do Brasil. 2022. Consultado em 9 de fevereiro de 2023 
  246. «Brazil Elects First Female President». Wilson Center. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  247. Robson Bonin (16 de dezembro de 2010). «Popularidade de Lula bate recorde e chega a 87%, diz Ibope». G1. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  248. «Acima das expectativas, Lula encerra mandato com melhor avaliação da história». Folha de S. Paulo. 20 de dezembro de 2010. Consultado em 8 de fevereiro de 2023 
  249. «No exterior, palestra de Lula pode valer até R$ 332 mil; confira primeira palestra». Folha de S. Paulo. 3 de março de 2011. Consultado em 10 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 1 de novembro de 2011 
  250. «Lula agradece a Deus pela cura do câncer e diz que é um homem de muita fé». Infogospel. 30 de março de 2011. Consultado em 10 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 20 de julho de 2014 
  251. «São Paulo elege 'poste' de Lula». Tribuna do Norte. 29 de outubro de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  252. «'Poste' em 2012, Haddad volta à disputa eleitoral sob sombra de padrinho». Folha de S. Paulo. 12 de setembro de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  253. Ana Flor (28 de outubro de 2012). «Aposta de Lula na renovação, Haddad chega à prefeitura». Reuters. G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  254. «Lula terá coluna mensal distribuída pelo New York Times». O Globo. 23 de abril de 2013. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  255. «Lula diz que não será candidato e pede fim da boataria». Exame. 8 de abril de 2014. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  256. Alan Ghani (3 de março de 2016). «Especial: Resumão completo sobre a Operação "Lava Jato" e o "Petrolão"». Infomoney. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  257. «Entenda o caso». Ministério Público Federal. 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  258. Gustavo Ribeiro e Laura Beal Bordin (14 de setembro de 2016). «MPF: Lula foi o "comandante máximo" do esquema de corrupção na Petrobras». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  259. Mônica Bergamo (7 de março de 2021). «Lava Jato tirou R$ 172 bi de investimentos e 4,4 milhões de empregos, diz CUT». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  260. «Lava Jato acabou com 4,4 milhões de empregos, aponta Dieese». Poder360. 16 de março de 2021. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  261. Felipe Matoso (26 de outubro de 2014). «Dilma deve se descolar da imagem de Lula no 2º mandato, avaliam aliados». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  262. «Panorama das manifestações de 15 de março no Brasil». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  263. «Protestos testam força do movimento anti-Dilma». Deutsche Welle. 14 de março de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  264. Flávio Ferreira e Mônica Bergamo (11 de março de 2016). «Promotores denunciam Lula por ocultação de patrimônio em tríplex». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  265. João Pedroso de Campos (6 de julho de 2019). «Lula se torna réu pela décima vez na Justiça Federal». Veja. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  266. «Depoimentos ligam Lula a reforma de imóvel da OAS». Folha de S. Paulo. 27 de dezembro de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  267. «Arquivos da Odebrecht que incriminam Lula têm data posterior à apreensão na Suíça». Brasil247. 3 de março de 2020. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  268. «Delcídio teria dito que Lula mandou comprar silêncio do Cerveró». G1. 3 de março de 2020. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  269. «Envio de termo a Lula é "abuso de poder" de Dilma, avaliam juristas». El País. 17 de março de 2020. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  270. Michelle Barros (17 de março de 2020). «Nomeação de Lula como ministro da Casa Civil gera protestos pelo país». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  271. Mariana Oliveira (18 de março de 2020). «Gilmar Mendes suspende nomeação de Lula como ministro da Casa Civil». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  272. Alexandre Schossler e Fernando Caulyt (16 de março de 2020). «Dilma joga última cartada e convoca Lula». Deutsche Welle. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  273. Gustavo Garcia, Fernanda Calgaro, Filipe Matoso, Laís Lis e Mateus Rodrigues (31 de agosto de 2016). «Senado aprova impeachment, Dilma perde mandato e Temer assume». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  274. João Fellet (12 de julho de 2017). «Moro condena Lula a 9 anos e meio de prisão por caso do tríplex no Guarujá». BBC. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  275. «Moro condena Lula por caso do triplex no Guarujá». Terra. 12 de julho de 2017. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  276. Renan Ramalho e Filipe Matoso (24 de janeiro de 2018). «Em decisão unânime, tribunal condena Lula em 2ª instância e aumenta pena de 9 para 12 anos». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  277. «Lula se entrega à PF e é preso para cumprir pena por corrupção e lavagem de dinheiro». G1. 7 de abril de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  278. «Luiz Inácio Lula da Silva é primeiro ex-presidente brasileiro preso por crime comum». G1. 7 de abril de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  279. «Em decisão unânime, 5ª Turma do STJ mantém condenação de Lula e reduz pena para 8 anos e 10 meses». G1. 8 de abril de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  280. «Lula diz que vai se entregar e provar sua inocência: 'Não estou escondido'». G1. 7 de abril de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  281. Nathália Pase (2 de março de 2019). «'Vou levar para o céu o meu diploma de inocente', diz Lula ao se despedir de neto». Poder360. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  282. G. Alessi, M. Rossi e T. Bendinelli (11 de maio de 2017). «Lula cobra provas, acusa Lava Jato de politização, mas contradiz seu instituto». El País. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  283. Glenn Greenwald, Edoardo Ghirotto, Fernando Molica, Leandro Resende e Roberta Paduan (12 de julho de 2019). «Novos diálogos revelam que Moro orientava ilegalmente ações da Lava Jato». Veja. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  284. «Lula deixa a prisão em Curitiba; as últimas notícias». El País. 8 de novembro de 2019. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  285. «Maioria do STF rejeita recurso que busca manter condenações de Lula. Julgamento continua dia 22». G1. 15 de abril de 2021. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  286. «STF mantém decisão que declarou Sergio Moro parcial ao condenar Lula». CNN Brasil. 23 de junho de 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  287. Rayanne Azevedo (28 de outubro de 2022). «Lula é inocente? O que significa ter as condenações anuladas pelo STF?». Deutsche Welle. UOL. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  288. Luiza Calegari (13 de julho de 2017). «Lula anuncia oficialmente intenção de ser candidato em 2018». Exame. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  289. Chico Marés (11 de setembro de 2017). «Após depor em Curitiba, Lula vai retomar caravana pelo país por Minas Gerais». Gazeta do Povo. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  290. «Ônibus da caravana de Lula no Paraná são atingidos por tiros». G1. 27 de março de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  291. «Lula tem 33%, Bolsonaro, 15%, Marina, 7%, e Ciro, 4%, aponta pesquisa Ibope». G1. 10 de agosto de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  292. «Da cadeia, Lula articulou ações que resultaram no isolamento de Ciro». Folha de S. Paulo. 1 de agosto de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  293. «PT anuncia Haddad como vice na chapa de Lula e acordo com o PCdoB». G1. 6 de agosto de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  294. «Comitê da ONU diz que Lula deveria disputar eleição; para Itamaraty, recomendação não tem impacto jurídico». BBC News. 17 de agosto de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  295. «Por 6 votos a 1, TSE rejeita candidatura de Lula nas eleições». Agência Brasil. 1 de setembro de 2018. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  296. Lauriberto Brasil (11 de setembro de 2018). «PT oficializa Haddad candidato a presidente e Manuela como vice». Poder360. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  297. Mazui, Guilherme (28 de outubro de 2018). «Jair Bolsonaro é eleito presidente e interrompe série de vitórias do PT». G1. Consultado em 6 de março de 2023 
  298. Luan Martendal (7 de maio de 2022). «Da prisão às eleições: os principais fatos que marcaram reviravolta de Lula». UOL. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  299. «Lula, a esquerda e a Frente Ampla». Instituto Humanitas Unisinos. 17 de novembro de 2022. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  300. Lauriberto Pompeu e Luiz Vassallo (5 de agosto de 2022). «Após convenções, Lula fecha com 9 partidos; Bolsonaro reúne três siglas». UOL. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  301. Beatriz Carneiro e Daniel Reis (29 de julho de 2022). «Alckmin é oficializado como vice na chapa de Lula». CNN Brasil. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  302. «Psol decide que não anunciará pré-candidatura presidencial neste ano». Poder360. 26 de setembro de 2021. Consultado em 10 de fevereiro de 2022 
  303. Rosanne D'Agostino (30 de julho de 2022). «Federação PSOL-Rede oficializa apoio à chapa Lula-Alckmin em convenção nacional». G1. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  304. «Ex-presidente Lula apresenta programa socioambiental». Sudinfo. 21 de junho de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  305. Bruno Meyerfeld (1 de outubro de 2022). «Brasil nas urnas: entre Bolsonaro e Lula, escolha decisiva sob tensão». Le Monde. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  306. «Bolsonaro já gastou R$ 343 bi do governo para a sua reeleição». A Tribuna. 1 de julho de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  307. «Lula critica uso da máquina pública por Bolsonaro». O Estado de S. Paulo. UOL. 8 de outubro de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  308. Jean-Philip Struck (31 de outubro de 2022). «Com frente ampla, Lula freia a extrema direita». Deutsche Welle. Consultado em 10 de fevereiro de 2023 
  309. Carolina Cerqueira e Danilo Moliterno (30 de outubro de 2022). «Disputa entre Lula e Bolsonaro é a eleição para presidente mais acirrada da história». CNN Brasil. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  310. «Leia a íntegra do discurso de Lula na avenida Paulista». UOL. 31 de outubro de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  311. «Brazil starts presidential transition». Bnamericas. 3 de novembro de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  312. «Manifestantes protestam pelo país contra eleição de Lula». CNN Brasil. 15 de novembro de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  313. «Lula recebe faixa de criança, indígena, negro, mulher, operário e pessoa com deficiência em nome do 'povo brasileiro'». Folha de S. Paulo. 1 de janeiro de 2023. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  314. Ian Kisil Marino (12 de janeiro de 2023). «União e reconstrução». Diplomatique. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  315. Karla Gamba (29 de dezembro de 2022). «Terceiro governo de Lula tem o maior número de ministras da história». O Tempo. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  316. Lucas Francisco Neto (9 de janeiro de 2023). «Tentativa de golpe de Estado é um crime relativamente novo». A Gazeta. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  317. Paulo Narciso (5 de maio de 2008). «Lourdes, o amor mineiro de Lula». Jornal Hoje em Dia. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  318. «QUEM SÃO OS FILHOS DE LULA, NOVO PRESIDENTE DO BRASIL». Aventuras na História. 30 de outubro de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  319. Roberto Oliveira (3 de fevereiro de 2017). «Ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva morre aos 66 anos em SP». UOL. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  320. Luiza Calegari (18 de maio de 2022). «Quem é Rosângela da Silva, a Janja, socióloga que se casa com Lula nesta quarta-feira, 18». O Povo. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  321. «Lula se casa com Janja em SP; Gil do Vigor e políticos estão entre os convidados». G1. 18 de maio de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  322. «Justiça manda suspender passaporte diplomático dado a filho de Lula». G1. 5 de julho de 2012. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  323. «Neto de Lula não morreu de meningite, aponta laudo; instituto diz que causa foi infecção por bactéria Staphylococcus aureus». G1. 2 de abril de 2019. Consultado em 30 de junho de 2024 
  324. José Roberto Burnier e Monalisa Perrone (31 de outubro de 2011). «Lula inicia tratamento contra câncer na laringe com sessão quimioterápica». Jornal Hoje. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  325. «Lula é diagnosticado com tumor e fará quimioterapia, diz hospital». BBC News. 29 de outubro de 2011. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  326. Flávio Freire e Tatiana Farah (16 de novembro de 2011). «Em tratamento contra o câncer, Lula raspa barba e cabelo». O Globo. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  327. «Exames mostram que tumor de Lula desapareceu, diz hospital». G1. 28 de março de 2012. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  328. «Lula agradece a Deus pela cura do câncer e diz que é um homem de muita fé». O Diário. 30 de março de 2012. Consultado em 11 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 20 de julho de 2014 
  329. «Lula diz que foi diagnosticado com Covid-19 em Cuba e fez quarentena no país». G1. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  330. «Lula toma 4ª dose da vacina contra a covid». Poder360. 4 de abril de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  331. «Lula é diagnosticado com covid-19 pela 2ª vez e anuncia isolamento». O Estado de S. Paulo. Exame. 6 de junho de 2022. Consultado em 11 de fevereiro de 2023 
  332. «Lula recebe seu 36º título de Doutor Honoris Causa». Brasil 247. 21 de maio de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  333. «Lula recebe título de doutor "honoris causa" pela sétima vez nesta terça». UOL. 27 de setembro de 2011. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  334. «Lula recebe prêmio de cidadão honorário de Paris». G1. 20 de março de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  335. «Decreto». Diário Oficial da União. 27 de dezembro de 2022. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  336. «GRAUS DA ORDEM DO MÉRITO MILITAR». Forças Armadas. 5 de maio de 2008. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 14 de abril de 2011 
  337. «PROPONENTES» (PDF). Aeronáutica. 5 de maio de 2008. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original (PDF) em 16 de maio de 2013 
  338. «Ordem do Cruzeiro do Sul». Ministério das Relações Exteriores. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 2 de setembro de 2010 
  339. «Ordem do Rio Branco». Ministério das Relações Exteriores. 1 de março de 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 26 de setembro de 2010 
  340. «Condições de Concessão» (PDF). Forças Armadas. 5 de maio de 2008. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original (PDF) em 15 de maio de 2013 
  341. «Presidente Lula é condecorado com a Ordem do Mérito Judiciário Militar». Palácio do Planalto. 10 de setembro de 2003. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 14 de junho de 2011 
  342. «Lula será condecorado com Ordem da Águia Asteca no México». UOL. 3 de agosto de 2007. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  343. «Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de condecoração da ordem Amílcar Cabral». Biblioteca Presidencial. 28 de julho de 2004. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  344. a b «Entidades Estrangeiras Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Luiz Inácio Lula da Silva". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 10 de junho de 2023 
  345. «Lula e Bouteflika convocam empresários a buscar parceria». SERPRO. 5 de maio de 2006. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  346. «Uribe oferece ao Brasil saída ao Pacífico por estrada amazônica». UOL. 5 de maio de 2008. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  347. «Presidente do Paraguai pede a revisão do Tratado de Itaipu». Rádios EBC. 21 de maio de 2007. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  348. «The World's Most Powerful People». Forbes. 11 de novembro de 2009. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  349. «'Le Monde' escolhe Lula como 'homem do ano 2009'». G1. 24 de dezembro de 2009. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  350. «Lula é uma das 50 pessoas que moldaram a década, diz 'Financial Times'». G1. 29 de dezembro de 2009. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  351. «Jornal israelense vê Lula como 'profeta do diálogo'». G1. 12 de março de 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  352. Adar Primor (11 de março de 2010). «Brazil leader talks Mideast peace, how to be friends with both Israel and Iran». Haaretz. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  353. «Revista Time coloca Lula na lista das 100 pessoas mais influentes de 2023». Folha de S.Paulo. 13 de abril de 2023. Consultado em 17 de abril de 2023 
  354. Vírgula (27 de outubro de 2010). «Ex-Presidente Lula completa 65 anos de vida, conheça um pouco de sua história». Universo Online. Consultado em 9 de setembro de 2020. Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 
  355. «Frase dos "300 picaretas" foi dita em 93». Folha de S. Paulo. 4 de abril de 2003. Consultado em 2 de março de 2023 
  356. «Luis Carlos Barreto planeja filmar biografia do presidente Lula». Folha de S. Paulo. 1 de dezembro de 2006. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  357. Holden, Stephen (13 de janeiro de 2012). «'Lula: Son of Brazil,' Directed by Fábio Barreto – Review». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 9 de setembro de 2020 
  358. «Filme sobre Lula é fracasso de bilheteria, diz 'El País'». Grupo Bandeirantes. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 19 de abril de 2013 
  359. «Lula, Son of Brazil (Lula, o Filho do Brasil) (2012)». Rotten Tomatoes. 2023. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  360. «Filme sobre Lula pode influenciar eleição presidencial, diz 'NYT'». BBC Brasil. 12 de janeiro de 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  361. «Dilma admite que filme de Lula pode ajudar nas eleições de 2010». Veja. 24 de novembro de 2009. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  362. «CineB exibe em comunidades filme sobre Lula». Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. 17 de maio de 2012. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  363. «O culto da personalidade na indicação ao Oscar». Veja. 23 de setembro de 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2011 
  364. Luiz Zanin (2 de dezembro de 2006). «Peões e Entreatos». O Estado de S. Paulo. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  365. Rafael Cariello (10 de dezembro de 2006). «"Atos" é mais explicitamente político que o filme original». Folha de S. Paulo. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  366. Reed Johnson (1 de setembro de 2009). «Oliver Stone heads 'South of the Border' to chat up Chavez and others». Los Angeles Times. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 4 de setembro de 2009 
  367. Jeffrey Tayler (10 de setembro de 2020). «Oliver Stone's Disgraceful Tribute to Hugo Chávez». Foreign Policy. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Arquivado do original em 4 de setembro de 2009 
  368. Pedro Galvão (5 de março de 2017). «Primeiro longa nacional inspirado na Lava-Jato assume perspectiva dos investigadores». Uai Entretenimento. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  369. «"O Mecanismo": saiba quais personagens foram inspirados em nomes como Lula e Moro na série da Netflix». GZH. 23 de março de 2018. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  370. Maria Carolina Maia (20 de setembro de 2010). «Avesso a críticas, governo Lula vê imprensa livre como adversário». Veja. Consultado em 21 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 27 de julho de 2021 
  371. Katia Brembatt (9 de maio de 2022). «Interesse de Lula em regular mídia levanta temor de controle e censura, segundo especialistas». CNN. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  372. Lucas Borges Teixeira (16 de agosto de 2019). «Lula não expulsou jornalista americano, mas pedido chegou a ser feito». UOL. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  373. Ana Freitas, Bruno Fávero e Luiz Fernando Menezes (24 de abril de 2019). «Checamos o discurso de Lula no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC um dia após ser solto». Aos Fatos. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  374. «Lula cita nazismo ao atacar Globo e defende críticas de Bolsonaro à imprensa». GZH. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  375. «Lula cita nazismo ao atacar Globo e defende críticas de Bolsonaro à imprensa». Folha de S. Paulo. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  376. Daniel Bergamasco, Ione Aguiar e João Pedroso de Campos (12 de janeiro de 2018). «Lula, Temer e Moro são os maiores alvos de notícias falsas». Veja. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  377. «[Agência Lupa] #Verificamos: É falsa capa da The Economist que coloca Lula como político mais corrupto do mundo». Agência Lupa. 26 de abril de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  378. «[Agência Lupa] #Verificamos: É falso que Lula e Dilma 'mandaram R$ 30 bilhões para fora do Brasil'». Agência Lupa. 18 de abril de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  379. «'Delação bomba' não diz que Lulinha embolsou R$ 317 milhões - Me Engana que Eu Posto». Veja. 20 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  380. «Grana por cliques: Fake news a R$ 25 mil por mês: como o Google treinou e enriqueceu blogueiros antipetistas». The Intercept. 20 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 
  381. «Mitos sobre Lula - Mentira ou verdade». Instututo Lula. 20 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de fevereiro de 2023 

Bibliografia

Livros
  • Branford, Sue (2005). Lula and the Workers Party in Brazil. Nova Iorque: New Press. ISBN 1-56584-984-1 
  • Bourne, Richard (2008). Lula of Brazil. Rochester, Nova Iorque: University of California Press. ISBN 0-520-24663-2 
  • Bourne, Richard (2008). Lula of Brazil: The Story So Far. Berkeley, Califórnia: University of California Press. ISBN 978-0-520-93252-4 
  • French, John D. (2022). Lula e a política da astúcia: de metalúrgico a presidente do Brasil. Traduzido por Fortes, Lia Machado. São Paulo: University of North Carolina Press/Fundação Perseu Abramo. ISBN 978-65-5891-069-5 
  • Gaspari, Elio (2004). A Ditadura Encurralada – o sacerdote e o feiticeiro. São Paulo: Companhia das Letras. ISBN 978-85-359-0509-0 
  • Kucinski, Bernardo (1998). A Síndrome da Antena Parabólica: Ética no Jornalismo Brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo .
  • Kucinski, Bernardo (2002). A Síndrome da Antena Parabólica: Ética no Jornalismo Brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. ISBN 85-86469-12-2 .
  • Morais, Fernando (2021). Lula: Biografia. 1. São Paulo: Companhia das Letras. 416 páginas. ISBN 65-5921-292-0 
  • Paraná, Denise (1996). Lula, o filho do Brasil. [S.l.]: Fundação Perseu Abramo. ISBN 85-85833-17-3 
  • Paraná, Denise (2008). Lula, o filho do Brasil 3ª ed. [S.l.]: Fundação Perseu Abramo. ISBN 978-85-7643-062-9. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  • Paraná, Denise (2010). A história de Lula, o filho do Brasil. Rio de Janeiro: Objetiva. ISBN 978-85-390-0087-6 
Artigos


Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Luiz Inácio Lula da Silva:
  Citações no Wikiquote
  Textos originais no Wikisource
  Imagens e media no Commons
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias
  Base de dados no Wikidata

Precedido por
Jair Bolsonaro
 
39.º Presidente do Brasil

2023 – atualmente
Sucedido por
Precedido por
Fernando Henrique Cardoso
 
35.º Presidente do Brasil

2003 – 2011
Sucedido por
Dilma Rousseff
Precedido por
novo partido político
 
Presidente do Partido dos Trabalhadores

1980 – 1988
Sucedido por
Olívio Dutra
Precedido por
Luiz Gushiken
 
Presidente do Partido dos Trabalhadores

1990 – 1994
Sucedido por
Rui Falcão