Abrir menu principal

Apeadeiro de Limede-Cadima

apeadeiro em Portugal
Limede - Cadima
Encerramento 5 de Janeiro de 2009
Linha(s) Ramal da Figueira da Foz
(PK 31,034)
Coordenadas 40° 19′ 13,28″ N, 8° 37′ 50,86″ O
Concelho Cantanhede
Serviços Ferroviários
Horários em tempo real

O Apeadeiro de Limede - Cadima, originalmente conhecido como Limêde - Cadima, é uma interface encerrada do Ramal da Figueira da Foz, que servia as localidades de Lemede e Cadima, no Distrito de Coimbra, em Portugal.

Mapa dos caminhos de ferro em 1895, onde esta gare surge com o nome de Limede.

HistóriaEditar

InauguraçãoEditar

O Ramal da Figueira da Foz foi inaugurado, como parte da Linha da Beira Alta, em 3 de Agosto de 1882, pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta.[1][2]

Século XXEditar

Em 1902, as populações das freguesias de Cadima, Tocha e Outil, e do lugar de Limede, fizeram uma petição à Companhia da Beira Alta para a construção de um armazém e as correspondentes vias de acesso junto ao Apeadeiro de Limede, de forma a receber a classificação de estação e fazer o serviço de mercadorias em pequena e grande velocidade.[3]

Em 1933, a Companhia da Beira Alta prolongou a plataforma de Limede em 13 m, para o lado da Figueira da Foz, e abriu um novo caminho de acesso, com uma cancela em madeira[4], em 1934 construiu uma serventia de acesso ao cais «Cardoso».[5] Em 1935, foram feitas obras de reparação nos edifícios da estação e da arrecadação, e os pavimentos de betonilha foram substituídos por soalho.[6] Em 1939, foram instalados quatro novos prumos de carril para suporte das correntes da passagem de nível.[7]

Em 1946, a Companhia da Beira Alta foi integrada na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que começou a explorar a Linha da Beira Alta em 1 de Janeiro do ano seguinte.[8]

Um despacho da Direcção-Geral de Caminhos de Ferro de 28 de Maio de 1949, publicado no Diário do Governo n.º 132, II Série, de 9 de Junho, aprovou um projecto da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses para modificar os quadros de distâncias de aplicação na Linha da Beira Alta, de forma a dar distâncias próprias a vários apeadeiros, incluindo Limede - Cadima.[9]

EncerramentoEditar

Por motivos de segurança, o Ramal da Figueira da Foz foi encerrado ao tráfego ferroviário pela Rede Ferroviária Nacional em 5 de Janeiro de 2009.[10][11][12][13] A empresa Comboios de Portugal assegurou, até 1 de Janeiro de 2012, um serviço rodoviário de substituição.[14]

Ver tambémEditar

Urbanos de Coimbra
(Serviços ferroviários suburbanos
de passageiros, na região de Coimbra)

  extinto em 2009 •   em funcionamento
  extinto em 2004 •   extinção prev. até 2021


 
   
 
(ʟ) Lobazes 
   
 Moinhos (ʟ)
(ʟ) Miranda do Corvo 
   
 Trémoa (ʟ)
(ʟ) Padrão 
   
 Vale de Açor (ʟ)
(ʟ) Meiral 
   
 Ceira (ʟ)
(ʟ) Lousã-A 
   
 Conraria (ʟ)
(ʟ) Lousã 
   
 Carvalhosas (ʟ)
(ʟ) Prilhão-Casais 
   
 S. José (Calhabé) (ʟ)
(ʟ) Serpins 
 
 
 Coimbra-Parque (ʟ)
(ʟ) Coimbra 
 
 
 
 
 
 
       
 
 
 
 
 
   
 
 
 
(ʟ)(n) Coimbra-B 
         
 
(n) Souselas 
       
 
 
 
(f)(n) Pampilhosa 
   
 Bencanta (n)
(f) Mala 
   
 Espadaneira (n)
(f) Silvã-Feiteira 
   
 Casais (n)
(f) Enxofães 
   
 Taveiro (n)
(f) Murtede 
   
 V. Pouca Campo (n)
(f) Cordinhã 
   
 Amial (n)
(f) Cantanhede 
   
 Pereira (n)
(f) Limede-Cadima 
   
 Formoselha
(f) Casal 
   
 Alfarelos (a)(n)
(f) Arazede 
   
 Montemor (a)
(f) Bebedouro 
   
 Marujal (a)
(f) Liceia 
   
 Verride (a)
(f) Santana-Ferreira 
   
 Reveles (a)
(f) Costeira 
   
 Bif. de Lares (a)(o)
(f) Alhadas 
   
 Lares (o)
(f) Carvalhal 
   
 Fontela (o)
(f) Maiorca 
   
 Fontela-A (o)
 
   
 Figueira da Foz (f)(o)

Linhas: a R. Alfarelosf R. Figueira da Foz
ʟ R. Lousãn L. Norteo L. Oeste
Fonte: Diagrama oficial (2001)

Referências

  1. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1686). p. 133-139. Consultado em 14 de Julho de 2013 
  2. REIS et al, 2006:12
  3. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (347). 1 de Junho de 1902. p. 170-171. Consultado em 28 de Dezembro de 2016 
  4. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 50. Consultado em 28 de Dezembro de 2016 
  5. «O que se fez nos caminhos de ferro em Portugal, em 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1129). 1 de Janeiro de 1935. pp. 27–29. Consultado em 28 de Dezembro de 2016 
  6. «Os Nossos Caminhos de Ferro em 1935» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 48 (1153). 1 de Outubro de 1935. p. 5-9. Consultado em 28 de Dezembro de 2016 
  7. «O que se fez em caminhos de ferro no ano de 1939» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 52 (1249). 1 de Janeiro de 1940. p. 35-40. Consultado em 28 de Dezembro de 2016 
  8. REIS et al, 2006:62-63
  9. «Parte Oficial» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1478). 16 de Julho de 1949. p. 471. Consultado em 17 de Agosto de 2015 
  10. «BE quer obras em ramal ferroviário encerrado». Jornal de Notícias. 123 (220). Controlinveste Media SGPS, S. A. 7 de Janeiro de 2011. 19 páginas. ISSN 0874-1352 
  11. «PNR defende ramal ferroviário da Pampilhosa». Correio da Manhã. 4 de Setembro de 2011. Consultado em 14 de Julho de 2013 
  12. «Ramal ferroviário Pampilhosa-Figueira da Foz debateu-se em Mira». Notícias Ribeirinhas. 30 de Setembro de 2011. Consultado em 14 de Julho de 2013 [ligação inativa]
  13. «Transportes: Reabertura de ramal ferroviário entre Pampilhosa e Figueira da Foz defendido em debate público». SIC Notícias. 26 de Maio de 2011. Consultado em 14 de Julho de 2013 [ligação inativa]
  14. MADEIRA, Paulo (17 de Dezembro de 2011). «CP encerra linhas do Leste e Beja-Funcheira a 1 de Janeiro». Público. Consultado em 14 de Julho de 2013 

BibliografiaEditar

  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externasEditar