Abrir menu principal

Eleições estaduais na Paraíba em 1998

As eleições estaduais na Paraíba em 1998 ocorreram em 4 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador José Maranhão, o vice-governador Roberto Paulino, o senador Ney Suassuna, 12 deputados federais e 36 estaduais. Como o candidato mais votado obteve um total superior à metade mais um dos votos válidos o pleito foi decidido em primeiro turno e conforme a Constituição a posse do governador e de seu vice-governador se daria em 1º de janeiro de 1999 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][4][nota 1]

1994 Brasil 2002
Eleições estaduais na  Paraíba em 1998
4 de outubro de 1998
(Decisão em primeiro turno)
José Maranhão - cropped.jpg Replace this image male.png
Candidato José Maranhão Gilvan Freire
Partido PMDB PSB
Natural de Araruna, PB São Mamede, PB
Vice Roberto Paulino Hamurabi Duarte
Votos 877.852 175.234
Porcentagem 80,72% 16,11%


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

Advogado natural de Araruna e graduado na Universidade Federal da Paraíba, José Maranhão pertencia ao PTB sendo eleito deputado estadual em 1954, 1958, 1962. Secretário de Agricultura no governo José Fernandes de Lima, foi reeleito via MDB em 1966, entretanto teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos por dez anos pelo Ato Institucional Número Cinco em 1969.[5] Filiado ao PMDB por conta da reforma partidária ocorrida no governo João Figueiredo, elegeu-se deputado federal em 1982, 1986 e 1990.[6] Em sua passagem por Brasília votou a favor emenda Dante de Oliveira e em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral, subscreveu a Constituição de 1988 e votou favor do impeachment de Fernando Collor em 1992.[7][8][3][9] Eleito vice-governador do estado em 1994, foi efetivado governador após a morte de Antônio Mariz em setembro de 1995 sendo reeleito agora com 80,72% dos votos válidos garantido assim o quarto triunfo consecutivo do PMDB nas disputas pelo Palácio da Redenção.[2][nota 2][nota 3]

Outro vitorioso nas urnas foi o advogado Roberto Paulino. Formado na Universidade Paraibana de Educação, nasceu em Guarabira onde fixou-se como empresário. Eleito prefeito da referida cidade via MDB em 1976, migrou para o PMDB sendo eleito deputado estadual em 1982 e 1986. De volta à prefeitura de Guarabira em 1988, elegeu-se deputado federal em 1994, mandato do qual se licenciou para assumir o cargo de secretário de Articulação Municipal do governo Antônio Mariz e em 1998 foi eleito vice-governador da Paraíba na chapa de José Maranhão, a quem sucedeu às vésperas do pleito de 2002 quando o titular renunciou para disputar um mandato de senador.[10][nota 4]

Radicado no Rio de Janeiro desde 1965, o empresário Ney Suassuna é formado em Pedagogia na Faculdade Castelo Branco e em Administração e Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.[11] Nascido em Campina Grande, foi assessor técnico do Ministério do Planejamento durante grande parte do Regime Militar de 1964 nas gestões de Roberto Campos e João Paulo dos Reis Veloso. Proprietário do Colégio Anglo-Americano, possui negócios nos setores de construção civil e construção naval. Presidente da Associação Comercial da Barra da Tijuca[12] e vice-presidente da Federação das Associações Comerciais do Rio de Janeiro, filiou-se ao PMDB e perdeu a eleição para senador em 1982, todavia foi eleito primeiro suplente do senador Antônio Mariz em 1990 sendo efetivado quatro anos depois quando o titular foi eleito governador da Paraíba e em 1998 Ney Suassuna foi reeleito senador.

Resultado da eleição para governadorEditar

Candidatos a governador do estado Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
José Maranhão
PMDB
Roberto Paulino
PMDB
15
Paraíba Unida
(PMDB, PSDB, PPB, PL, PFL, PSC, PSL, PTB, PST, PDT)
877.852
80,72%
Gilvan Freire
PSB
Hamurabi Duarte
PT
40
Frente de Oposição Popular
(PSB, PT, PCdoB, PV)
175.234
16,11%
José Valadares
PRP
Fernando Vieira
PRN
44
Frente Progressista Renovadora
(PRP, PRN, PSDC)
14.090
1,29%
Pastor César
PMN
Wellington Cariri
PMN
33
Frente Democrática Social
(PMN, PPS)
11.095
1,02%
Marcelino Rodrigues
PSTU
Antônio Ferreira
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
9.244
0,85%
  Eleito

Resultado da eleição para senadorEditar

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Ney Suassuna
PMDB
Robinson Viana
PMDB
Maria de Fátima
PMDB
15
Paraíba Unida
(PMDB, PSDB, PPB, PL, PFL, PSC, PSL, PTB, PST, PDT)
455.359
41,64%
Tarcísio Burity
PPB
Manuel Gaudêncio
PPB
Marconi Góes
PPB
11
Paraíba Unida
(PMDB, PSDB, PPB, PL, PFL, PSC, PSL, PTB, PST, PDT)
394.294
36,05%
Cozete Barbosa
PT
Valtécio Brandão
PCdoB
Albenor Carvalho
PSB
13
Frente de Oposição Popular
(PSB, PT, PCdoB, PV)
216.006
19,75%
Márcio Porto
PMN
Aroldo Alves
PMN
Alberto Figueiredo
PMN
33
Frente Democrática Social
(PMN, PPS)
11.267
1,03%
Jaime Carneiro
PRN
José Antônio da Silva
PRN
Cícero Freire
PRN
36
Frente Progressista Renovadora
(PRP, PRN, PSDC)
9.489
0,87%
Chico Asfora[nota 5]
PSL
Laudeci Lima
PSL
Cabeto
PSL
17
Paraíba Unida
(PMDB, PSDB, PPB, PL, PFL, PSC, PSL, PTB, PST, PDT)
7.237
0,66%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[13][14]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Wilson Braga PSDB 80.367 6,77% Conceição   Paraíba
Damião Feliciano PTB 76.101 6,41% Campina Grande   Paraíba
Inaldo Leitão PMDB 70.734 5,96% Sousa   Paraíba
Efraim Morais PFL 69.272 5,84% Santa Luzia   Paraíba
Ricardo Rique PMDB 69.053 5,82% Campina Grande   Paraíba
Domiciano Cabral PMDB 55.585 4,68% João Pessoa   Paraíba
Enivaldo Ribeiro PPB 51.385 4,33% Campina Grande   Paraíba
Carlos Dunga PMDB 49.357 4,16% Pombal   Paraíba
Marcondes Gadelha PFL 48.439 4,08% Sousa   Paraíba
Adauto Pereira PFL 45.338 3,82% Pombal   Paraíba
Armando Abílio PMDB 44.403 3,74% Itaporanga   Paraíba
Avenzoar Arruda PT 16.649 1,40% Bonito de Santa Fé   Paraíba

Deputados estaduais eleitosEditar

Estavam em jogo 36 vagas na Assembleia Legislativa da Paraíba.[1][2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Olenka Maranhão PMDB 43.740 3,41% João Pessoa   Paraíba
Zenóbio Toscano PMDB 29.354 2,29% Guarabira   Paraíba
Chica Motta PMDB 29.022 2,26% Catolé do Rocha   Paraíba
Robson Dutra PMDB 28.878 2,25% Campina Grande   Paraíba
Nominando Diniz PMDB 28.198 2,2% Princesa Isabel   Paraíba
Ricardo Coutinho PT 25.388 1,98% João Pessoa   Paraíba
Tião Gomes PMDB 23.771 1,85% Pombal   Paraíba
Djaci Brasileiro PMDB 23.574 1,84% Igaracy[nota 6]   Paraíba
Quintans PSDB 22.473 1,75% Sumé   Paraíba
Gervásio Maia PMDB 22.344 1,74% Catolé do Rocha   Paraíba
Wilson Santiago PSDB 22.080 1,72% Uiraúna   Paraíba
Ruy Carneiro PMDB 20.767 1,62% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Iraê Lucena PMDB 20.630 1,61% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Vital do Rego Filho PDT 19.921 1,55% Campina Grande   Paraíba
Ariano Fernandes PMDB 19.661 1,53% João Pessoa   Paraíba
Lúcia Braga PSL 19.565 1,52% João Pessoa   Paraíba
José Lacerda Neto PFL 19.365 1,51% São José de Piranhas   Paraíba
Pedro Medeiros PMDB 19.339 1,51% São João do Cariri   Paraíba
Lindolfo Pires PMDB 18.345 1,43% Sousa   Paraíba
Rômulo Gouveia PMDB 17.809 1,39% Campina Grande   Paraíba
João Paulo PFL 17.214 1,34% Campina Grande   Paraíba
Estefânia Maroja PMDB 16.473 1,28% João Pessoa   Paraíba
Ademir Morais PFL 16.339 1,27% Santa Luzia   Paraíba
Valdecir Amorim PSDB 16.164 1,26% Teixeira   Paraíba
Arthur Cunha Lima PMDB 15.915 1,24% Campina Grande   Paraíba
Walter Brito PMDB 15.739 1,23% Campina Grande   Paraíba
Carlos Mangueira PMDB 14.797 1,15% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
João da Penha PMDB 14.655 1,14% João Pessoa   Paraíba
Aércio Pereira PFL 14.148 1,1% Pombal   Paraíba
Vituriano de Abreu PMDB 14.136 1,1% Cajazeiras   Paraíba
Socorro Marques PSDB 13.930 1,09% Malta   Paraíba
Frei Anastácio PT 13.508 1,05% Esperança   Paraíba
João Fernandes PSDB 12.362 0,96% Boqueirão   Paraíba
Zarinha PFL 12.234 0,95% Cajazeiras   Paraíba
Sargento Dênis PV 12.036 0,94% Recife   Pernambuco
Luiz Couto PT 11.849 0,92% Soledade   Paraíba

Aspectos da campanhaEditar

Curiosidades da eleiçãoEditar

A eleição de 1998 marcou a primeira participação do PRONA numa eleição na Paraíba. Sem integrar nenhuma coligação, lançou chapa própria com 4 candidatos (Martha Izabel disputou uma vaga na Câmara dos Deputados, enquanto que Mario Roberto Barros, Dan Manoel e Vandré concorreram a deputado estadual), obtendo desempenho pouco expressivo nas urnas.

O PST reestreou em eleições 5 anos depois da fusão do partido homônimo com o PTR que originou o PP. Apoiando a candidatura de José Maranhão, lançou 3 postulantes para a Assembleia Legislativa (Pastor Cícero, Arlindo do Táxi e Geraildes Leite), também sem votações de destaque.

Tendo participado apenas do pleito municipal de João Pessoa 2 anos antes, o PCO disputou também sua primeira eleição estadual em 1998. Lourdes Sarmento, que concorreu à prefeitura da capital paraibana em 1996 (ficou em último lugar), foi a única representante da legenda, recebendo 317 votos como candidata a deputada estadual.

Dois candidatos renunciaram à disputa para deputado federal ou tiveram as candidaturas barradas: Vilar (PMDB) e Odilon Ribeiro (PSDB). Heraldo Teixeira (PPB), Elsinho (do mesmo partido), Adalberto Guilherme (PMDB), Maria Paulino (também do PMDB), Ana Carla (PSL), Nilo Feitosa (PFL), Maurício Alves (também do PFL), Junot Barros (PMN), Vavá (PRP) e Vera Teberges (também do PRP) foram os candidatos a deputado estadual que desistiram de concorrer ou foram indeferidos.

8 partidos ficaram de fora da disputa eleitoral: PTN, PCB, PAN, PRTB, PGT, PSN, PSD e PTdoB.

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 1999.
  2. Conforme os bancos de dados da Justiça Eleitoral o recorde de votos nas eleições para o governo paraibano é de Flávio Coutinho que em 1955 cravou o percentual de 90,35%.
  3. Para que pudesse assumir o cargo de vice-governador, José Maranhão renunciou aos últimos dias de mandato como deputado federal em prol de Robson Paulino.
  4. A passagem de Roberto Paulino como secretário de estado permitiu a convocação de Ricardo Rique que seria efetivado após a eleição de Cássio Cunha Lima para prefeito de Campina Grande em 1996.
  5. Chico Asfora substituiu Ronaldo Medeiros, que teve sua candidatura ao Senado indeferida pelo TSE.
  6. Na época do nascimento de Djaci Farias, o município de Igaracy chamava-se Boqueirão dos Cochos.

Referências

  1. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 21 de julho de 2017 
  2. a b c «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 21 de julho de 2017 
  3. a b «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 21 de julho de 2017 
  4. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 21 de julho de 2017 
  5. Governador da PB quer rejeição do FSE (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 19/09/1995. Brasil, p. 1-5. Página visitada em 21 de julho de 2017.
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Maranhão». Consultado em 21 de julho de 2017 
  7. A nação frustrada! Apesar da maioria de 298 votos, faltaram 22 para aprovar diretas (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 26/04/1984. Capa. Página visitada em 21 de julho de 2017.
  8. Sai de São Paulo o voto para a vitória da Aliança (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/01/1985. Primeiro caderno, p. 06. Página visitada em 21 de julho de 2017.
  9. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8.». Consultado em 24 de julho de 2017 
  10. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Roberto Paulino». Consultado em 21 de julho de 2017 
  11. «Senado Federal do Brasil: senador Ney Suassuna». Consultado em 21 de julho de 2017 
  12. A associação emergente da Barra (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 26/03/1995. Cidade, p. 18. Página visitada em 21 de julho de 2017.
  13. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 21 de julho de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  14. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 21 de julho de 2017 
  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.