Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2008

62.ª temporada de Fórmula 1

O Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA de 2008 foi a 59.ª temporada da competição anual de Fórmula 1, categoria de monopostos reconhecida pela Fédération Internationale de l'Automobile (FIA). O campeonato foi disputado em dezoito etapas, iniciando na Austrália em 16 de março e terminando no Brasil em 2 de novembro. Nesta temporada ocorreu a estreia do Grande Prêmio de Singapura, realizado no Circuito Urbano de Marina Bay, sendo a primeira corrida da história da Fórmula 1 a ser realizada à noite. O Grande Prêmio da Europa passou a ser sediado no Circuito Urbano de Valência, em Valência, Espanha.

Fórmula 1 de 2008
Formula1 logo93.png
Campeão (piloto): Reino Unido Lewis Hamilton (1.º titulo)
Campeão (equipe): Itália Ferrari (16.º titulo)
Anterior: 2007  BSicon RACE.svg  Posterior: 2009

O piloto inglês Lewis Hamilton da McLaren conquistou seu primeiro campeonato de pilotos com a diferença final de um ponto para o brasileiro Felipe Massa da Ferrari, que ficou com a segunda colocação, enquanto seu companheiro de equipe Kimi Räikkönen ficou com a terceira colocação. A Ferrari também venceu o campeonato de construtores, ficando a McLaren com a segunda colocação e a BMW Sauber com a terceira colocação. Na conquista do título, Hamilton se tornou o piloto mais jovem a conquistar o campeonato mundial desta categoria, sendo superado posteriormente por Sebastian Vettel em 2010, bem como o primeiro piloto negro a conquistá-lo. Ele também foi o primeiro campeão britânico desde Damon Hill em 1996.[1]

Onze equipes iniciaram o campeonato, porém a Super Aguri anunciou sua desistência em 6 de maio de 2008, alegando problemas financeiros e completando apenas quatro corridas. Esta foi a última temporada que a equipe Honda participou, deixando a Fórmula 1 no final de dezembro também alegando problemas financeiros. Esta foi também a última temporada com a utilização de pneus ranhurados, usados ​​desde 1998, sendo substituídos pelos pneus slicks na temporada seguinte.

Equipes e pilotosEditar

 
Lewis Hamilton, que conquistou seu primeiro título mundial da categoria.
 
Felipe Massa, segundo colocado no campeonato.
 
Kimi Räikkönen, terceiro colocado no campeonato.

Havia um total de sete equipes inscritas para competir no campeonato por meio de um acordo com a Formula One Management (FOM) e quatro equipes possuindo acordo com a Grand Prix Manufacturers Association (GPMA). Todas as equipes tiveram direito de indicar dois pilotos para competir no campeonato. Pela primeira vez na história da Fórmula 1, não houveram trocas de pilotos entre as equipes no decorrer da temporada. Todas as equipes competiram com pneus fornecidos pela Bridgestone.[2]

Em 14 de fevereiro de 2006, o presidente da FIA, Max Mosley, anunciou que todas as equipes interessadas em competir na temporada de 2008 teriam um prazo de sete dias para enviarem seus pedidos de inscrição.[3] Ao todo, foram recebidas 21 inscrições de equipes. Em 28 de abril de 2006, a FIA anunciou que apenas doze licenças haviam sido concedidas, onze para as equipes que formaram o grid e uma para a equipe Prodrive F1, liderada pelo ex-piloto e dirigente David Richards. No entanto, apesar da equipe ter sido aceita, Richards anunciou mais tarde que a equipe não competiria em 2008 devido a uma disputa sobre a legalidade dos carros projetados.[4] Algumas das equipes rejeitadas pela FIA foram a Minardi,[5] Jordan Grand Prix,[6] Direxiv[7] e Carlin Motorsport.[8]

Equipe Construtor Chassi Motor[a] N.º Pilotos Etapas
  Scuderia Ferrari Marlboro Ferrari F2008[9] Ferrari 056 1   Kimi Räikkönen[10] Todas
2   Felipe Massa[11] Todas
  BMW Sauber F1 Team BMW Sauber F1.08[12] BMW P86/8 3   Nick Heidfeld[13] Todas
4   Robert Kubica[13] Todas
  ING Renault F1 Team Renault R28[14] Renault RS27 5   Fernando Alonso[15] Todas
6   Nelson Piquet Jr.[15] Todas
  AT&T Williams Williams-Toyota FW30[16] Toyota RVX-08[17] 7   Nico Rosberg[18] Todas
8   Kazuki Nakajima[18] Todas
  Red Bull Racing Red Bull-Renault RB4[19] Renault RS27 9   David Coulthard[20] Todas
10   Mark Webber[21] Todas
  Panasonic Toyota Racing Toyota TF108[22] Toyota RVX-08 11   Jarno Trulli[23] Todas
12   Timo Glock[24] Todas
  Scuderia Toro Rosso Toro Rosso-Ferrari STR2B[25]
STR3[26]
Ferrari 056 14   Sébastien Bourdais[27] Todas
15   Sebastian Vettel[28] Todas
  Honda Racing F1 Team Honda RA108[29] Honda RA808E 16   Jenson Button[30] Todas
17   Rubens Barrichello[31] Todas
  Super Aguri F1 Team Super Aguri-Honda SA08[32] Honda RA808E 18   Takuma Sato[2] 1–4[nota 1]
19   Anthony Davidson[2] 1–4[nota 1]
  Force India F1 Team Force India-Ferrari VJM01[35] Ferrari 056[36] 20   Adrian Sutil[37] Todas
21   Giancarlo Fisichella[37] Todas
  Vodafone McLaren Mercedes McLaren-Mercedes MP4-23[38] Mercedes FO108V 22   Lewis Hamilton[39] Todas
23   Heikki Kovalainen[40] Todas
Notas
[a] ^ Todos os motores possuíam configuração V8 de 2,4 litros.

Mudanças nas equipesEditar

 
A Force India F1 entrou na Fórmula 1 após Vijay Mallya adquirir a equipe Spyker.

Rumores sobre a possível venda da equipe Spyker F1 surgiram nos últimos meses da temporada de 2007.[41] Em 24 de outubro de 2007, o empresário indiano Vijay Mallya recebeu permissão para renomear a equipe para Force India F1. A nova equipe realizou uma cerimônia com os novos pilotos em janeiro de 2008, apresentando Giancarlo Fisichella como primeiro piloto e Adrian Sutil como segundo, além do piloto de testes Vitantonio Liuzzi.[37]

Em 28 de abril de 2006, o grupo de engenharia automobilística Prodrive anunciou oficialmente a entrada na Fórmula 1 após a FIA anunciar a lista de equipes aptas a participar do campeonato de 2008. O presidente da FIA, Max Mosley, anunciou que a Prodrive havia sustentado sua entrada na Fórmula 1 com apoiadores e recursos financeiros considerados suficientes. Além disso, o diretor executivo da Prodrive, David Richards, possuía experiência como diretor da equipe Benneton anteriormente.[42] No entanto, em 23 de novembro de 2007, após longas negociações com a FIA em relação aos projetos dos carros, Richards anunciou que a Prodrive F1 não conseguiria competir no campeonato de 2008, por conta de situações legais envolvendo estes projetos.[43]

Após já se iniciar a temporada de 2008, no dia 6 de maio a equipe Super Aguri F1 anunciou sua desistência do campeonato e saída da Fórmula 1. A equipe estava com problemas financeiros desde o final de 2007 após não receber pagamentos de um contrato de patrocínio.[44] A Super Aguri rejeitou uma oferta de compra em janeiro de 2008 de um consórcio indiano liderado pelo CEO do Spice Group, sob a condição de o piloto indiano Narain Karthikeyan pilotar na equipe, porque isso significava rebaixar ou demitir um de seus pilotos do grid em 2007.[45] Apesar disso, a Super Aguri não conseguiu assinar nenhum contrato até que acordos fossem alcançados com seus patrocinadores.[46] Takuma Sato e Anthony Davidson foram confirmados como pilotos em 10 de março.[47] A Super Aguri anunciou que havia sido feito um grande acordo com o Magma Group para resolver os problemas financeiros da equipe, no entanto o acordo fracassou.[48] No início da temporada de 2008, o presidente da FIA Max Mosley já havia afirmado que a equipe não chegaria à disputa da última corrida na temporada.[49]

Mudanças de pilotosEditar

 
Após competir na categoria por dez anos, Ralf Schumacher decidiu não participar da temporada de 2008. Ele foi substituído na Toyota pelo campeão da GP2 Series em 2007, Timo Glock.

Fernando Alonso, bicampeão mundial, deixou a McLaren após uma única temporada para voltar à Renault.[50] Ele foi substituído na McLaren por Heikki Kovalainen, que já havia substituído Alonso na Renault na temporada anterior. Giancarlo Fisichella, outro piloto da Renault em 2007, foi contratado pela nova equipe Force India F1, substituindo o piloto da Spyker Sakon Yamamoto, que se tornou o piloto de testes da Renault.[51] O lugar de Fisichella na Renault foi ocupado pelo então piloto de testes da equipe Nelson Piquet Jr., filho do tricampeão mundial Nelson Piquet.[50]

Após um teste mal sucedido para a Force India em dezembro de 2007, Ralf Schumacher deixou a Toyota para ingressar na Deutsche Tourenwagen Masters (DTM). O campeão da GP2 Series em 2007, Timo Glock, que também havia sido piloto de testes da BMW Sauber, ocupou a vaga deixada por Schumacher.[52]

Sébastien Bourdais, que conquistou seu quarto título consecutivo de Champ Car em 2007, ingressou na Toro Rosso em 2008, substituindo Vitantonio Liuzzi, que foi contratado pela Force India como piloto de testes.[53]

CalendárioEditar

O Conselho Mundial da FIA aprovou o calendário de 2008 em 24 de outubro de 2007.[54]

Etapa Grande Prêmio Circuito Data
1 Grande Prêmio da Austrália   Melbourne Grand Prix Circuit, Melbourne 16 de março
2 Grande Prêmio da Malásia   Sepang International Circuit, Kuala Lumpur 23 de março
3 Grande Prêmio do Barém   Bahrain International Circuit, Manama 6 de abril
4 Grande Prêmio da Espanha   Circuit de Catalunya, Barcelona 27 de abril
5 Grande Prêmio da Turquia   Istanbul Park, Istambul 11 de maio
6 Grande Prêmio de Mônaco   Circuit de Monaco, Monte Carlo 25 de maio
7 Grande Prêmio do Canadá   Circuit Gilles Villeneuve, Montreal 8 de junho
8 Grande Prêmio da França   Circuit de Nevers Magny-Cours, Magny Cours 22 de junho
9 Grande Prêmio da Grã-Bretanha   Silverstone Circuit, Silverstone 6 de julho
10 Grande Prêmio da Alemanha   Hockenheimring, Hockenheim 20 de julho
11 Grande Prêmio da Hungria   Hungaroring, Budapeste 3 de agosto
12 Grande Prêmio da Europa   Circuito Urbano de Valência, Valência 24 de agosto
13 Grande Prêmio da Bélgica   Circuit de Spa-Francorchamps, Stavelot 7 de setembro
14 Grande Prêmio da Itália   Autodromo Nazionale Monza, Monza 14 de setembro
15 Grande Prêmio de Singapura   Marina Bay Street Circuit, Singapura 28 de setembro
16 Grande Prêmio do Japão   Fuji Speedway, Shizuoka 12 de outubro
17 Grande Prêmio da China   Shanghai International Circuit, Xangai 19 de outubro
18 Grande Prêmio do Brasil   Autódromo José Carlos Pace, São Paulo 2 de novembro

Mudanças no calendárioEditar

 
O novo Circuito Urbano de Marina Bay que passou a sediar o Grande Prêmio de Singapura à noite.

Singapura sediou seu primeiro Grande Prêmio em 2008, com contrato para as próximas cinco temporadas. A corrida, realizada em um circuito de rua projetado pelo KBR, é a primeira corrida noturna da história da Fórmula 1.[55] Além da corrida, a segunda sessão de treinos livres e a sessão de qualificação também ocorrem à noite.[56]

O Grande Prêmio da Europa foi sediado no Circuito Urbano de Valência em 2008, passando de Nürburgring, que sediou o evento até 2007. Como os dois circuitos alemães são habilitados a sediar uma corrida de Fórmula 1, o Grande Prêmio da Alemanha ocorreu em Hockenheimring em 2008, e continuou a alternar entre esses dois circuitos anualmente até 2014.[57]

O Indianapolis Motor Speedway não sediou um Grande Prêmio em 2008 após sete temporadas. No entanto, um possível retorno a Indianapolis no futuro não foi totalmente descartado, embora o Grande Prêmio dos Estados Unidos tenha retornado em 2012 no Circuito das Américas em Austin, Texas.[58]

Antes do Grande Prêmio da França de 2007, foi anunciado que seria o último Grande Prêmio a ser realizado em Magny-Cours.[59] Algumas alternativas sugeridas para o Grande Prêmio da França incluem Paul Ricard ou um novo circuito perto da Disneyland Paris ou do Aeroporto Charles de Gaulle. No entanto, em 24 de julho de 2007, Bernie Ecclestone anunciou sua decisão de manter a corrida em Magny-Cours em 2008 e 2009, caso não houvesse outras alternativas.[60]

Mudanças no regulamentoEditar

Uma centralina eletrônica padrão foi fornecida pela Microsoft MES, uma joint venture entre a Microsoft e a McLaren Electronic Systems.[61] O controle de tração e o controle de largada foram banidos junto com vários outros auxílios eletrônicos, incluindo a redução de frenagem do motor.[62] O desenvolvimento dos motores sofreu um congelamento para as cinco temporadas seguintes, iniciando em 2008, com a primeira troca de motor não programada da temporada causando uma punição de dez posições no grid de largada.[63][64] O combustível dos carros deve ser composto por ao menos 5,75% de materiais biodegradáveis.[65]

Caixas de câmbio adicionais foram disponibilizadas para as últimas quatro corridas, e a punição de cinco posições no grid de largada para trocas não previstas continuou. Caso um piloto não terminasse uma corrida, ele poderia trocar a caixa de câmbio para a próxima sem receber uma penalidade.[66] A utilização de um carro reserva foi restringido. Cada equipe não teria permissão para ter mais de dois carros disponíveis para uso a qualquer momento. Nesse contexto, um carro era considerado se contivesse uma célula de sobrevivência parcialmente montada, equipada com um motor, qualquer suspensão dianteira, carroceria, radiadores, tanques de óleo ou trocadores de calor.[66]

A Bridgestone seria fornecedora oficial de pneus para as temporadas de 2008 a 2010.[67] Eles também marcariam seus pneus para condições extremas de chuva com uma linha branca na ranhura central, para diferenciá-la do composto para chuva menos intensa.[68] Nenhuma equipe competidora foi autorizada a realizar mais de 30 mil quilômetros de testes durante o ano de 2008.[66]

Treinos classificatóriosEditar

A primeira parte da qualificação (Q1) teve seu tempo prolongado para 20 minutos e a parte final da qualificação (Q3) diminuiu para 10 minutos. Um tempo mínimo de volta para cada sessão de qualificação foi implementado a partir da etapa do Barém, visando evitar os pilotos que retornam aos boxes em velocidades perigosamente baixas, como ocorrido na etapa da Malásia. O tempo mínimo de volta foi diferente para cada etapa.[69]

A partir de 8 de maio de 2008, a FIA anunciou que, com a saída da equipe Super Aguri, os procedimentos de qualificação foram alterados. Em vez de seis pilotos serem eliminados ao final da primeira sessão, apenas os cinco pilotos com os piores tempos seriam eliminados. Seguindo nesta linha, ao final da segunda sessão, os cinco pilotos com os piores tempos também seriam eliminados.[70]

Pré-temporadaEditar

 
Bicampeão mundial Fernando Alonso durante os testes com a Renault R28 no Circuito Ricardo Tormo, em Valência.

A primeira sessão de testes da pré-temporada foi realizada em Jerez em 14 de janeiro de 2008. Ferrari, McLaren e Toyota testaram seus novos carros de 2008. A Williams testou uma versão modificada do Williams FW29, de 2007, enquanto a Renault e a Red Bull testaram seus carros de 2007. Honda, Toro Rosso, Super Aguri e Force India também compareceram. A BMW Sauber não estava presente por conta do lançamento de seu novo carro.[71] As próximas quatro sessões de testes foram realizadas em Valência, sendo a primeira em 22 de janeiro. Renault e Williams foram as únicas equipes na pista no primeiro dia de testes, com seus carros de 2008.[72] Nos três dias seguintes, todas as equipes foram à pista, com exceção da Super Aguri. No início de fevereiro, três sessões de testes foram realizados em Barcelona. Mais uma vez, todas as equipes, exceto a Super Aguri, estavam na pista. No primeiro dia de testes, Kazuki Nakajima sofreu um acidente com sua Williams FW30.[73] Em 4 de fevereiro, Ferrari e Toyota foram ao Barém para continuar testando seus novos carros.[74]

Em 12 de fevereiro, os testes retornaram a Jerez. Red Bull e Williams foram as únicas equipes na pista no primeiro dia.[75] No segundo dia de testes, todas as equipes foram à pista, com exceção de Ferrari e Toyota, que ainda estavam testando no Barém. Depois de adiar o lançamento do SA08 e cancelar os testes em Valência, a Super Aguri testou uma versão modificada de seu carro de 2007 pela primeira vez.[76]

Os testes foram novamente para Barcelona em 19 de fevereiro. O primeiro dia de testes começou na chuva com a Williams, Red Bull, Renault e Toyota presentes. A BMW estava testando por conta própria ainda em Jerez.[77] A Super Aguri não compareceu, apesar de prometer uma entrevista com a mídia, alegando motivos de força maior. No segundo dia, a Ferrari esteve na pista e liderou os tempos com Felipe Massa na pista molhada. A McLaren se juntou no último dia. A última sessão de testes começou em 25 de fevereiro, com todas as equipes, exceto a Super Aguri. Lewis Hamilton liderou no primeiro dia, mantendo a dobradinha da McLaren no segundo dia e a Toyota foi mais rápida com Jarno Trulli no terceiro dia.[78]

N.º Circuito Resultados
1   Circuito de Jerez, Jerez Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
14 de janeiro   Kimi Räikkönen   Ferrari 1:19.845 59 [79]
15 de janeiro   Fernando Alonso   Renault 1:19.503 70 [80]
16 de janeiro   Timo Glock   Toyota 1:19.779 96 [81]
2   Circuito Ricardo Tormo, Valência Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
22 de janeiro   Felipe Massa   Ferrari 1:12.182 97 [82]
23 de janeiro   Heikki Kovalainen   McLaren-Mercedes 1:11.000 92 [83]
24 de janeiro   Kimi Räikkönen   Ferrari 1:11.189 88 [84]
3   Circuito de Barcelona-Catalunha, Montmeló Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
1 de fevereiro   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes 1:22.263 84 [85]
2 de fevereiro   Sebastian Vettel   Toro Rosso-Ferrari 1:21.679 89 [86]
3 de fevereiro   Mark Webber   Red Bull-Renault 1:22.385 65 [87]
4   Circuito de Jerez, Jerez Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
12 de fevereiro   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes 1:19.102 89 [88]
13 de fevereiro   Mark Webber   Red Bull-Renault 1:18.628 72 [89]
14 de fevereiro   Heikki Kovalainen   McLaren-Mercedes 1:17.974 96 [90]
5   Circuito de Barcelona-Catalunha, Montmeló Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
19 de fevereiro   Nico Rosberg   Williams-Toyota 1:30.675 73 [91]
20 de fevereiro   Felipe Massa   Ferrari 1:30.673 40 [92]
21 de fevereiro   Kazuki Nakajima   Williams-Toyota 1:22.153 32 [93]
6   Circuito de Barcelona-Catalunha, Montmeló Dia Piloto Equipe Melhor tempo Voltas Ref.
25 de fevereiro   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes 1:22.276 78 [94]
26 de fevereiro   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes 1:21.234 82 [95]
27 de fevereiro   Jarno Trulli   Toyota 1:20.801 83 [78]

ResumoEditar

Início asiático da temporadaEditar

A temporada de 2008 iniciou de maneira incomum no GP da Austrália, com nove carros retirados por acidentes, cinco retirados com falhas, uma desqualificação e apenas sete pilotos que concluíram a corrida. Lewis Hamilton evitou toda a confusão ocorrida atrás dele e abriu uma larga vantagem na primeira posição, mesmo com diversas entradas do carro de segurança.[96] Ao final, parabenizou a McLaren pela qualidade superior do carro, afirmando inclusive que sua dirigibilidade era superior que a versão da temporada anterior, alfinetando inclusive o campeão mundial Fernando Alonso, afirmando que o desenvolvimento do carro se deu com a sua saída da equipe.[97] Os dois pilotos da Ferrari não fizeram uma boa corrida, com os dois carros retirados por falhas no motor. Felipe Massa declarou após a corrida que os carros da Ferrari não deveriam sofrer este tipo de falha, considerando a alta confiabilidade de seu motor.[98]

 
Pit stop da equipe Super Aguri durante o GP da Malásia.

Na segunda etapa da temporada no GP da Malásia, após não obter resultados satisfatórios na Austrália, a Ferrari conquistou uma vitória dominante, com Kimi Räikkönen cruzando a linha de chegada cerca de vinte segundos à frente de Robert Kubica da BMW Sauber. Massa, que largou na pole position, teve um problema durante a troca de pneus em seu pit stop e depois sofreu novamente um problema de motor, sendo obrigado a se retirar. Tanto Hamilton como Heikki Kovalainen da McLaren sofreram uma punição de cinco posições no grid de largada por atrapalhar Nick Heidfeld durante o treino classificatório.[99] Hamilton teve um ótimo início e, já no final da primeira volta, subiu para a quinta colocação, enquanto Kovalainen mas não conseguiu superar o sétimo lugar nas etapas iniciais. Hamilton também sofreu um problema com a poeira dos freios de outros carros, fazendo com que sua parada levasse cerca de vinte segundos, e fazendo com que terminasse na quinta posição, sem chances de disputar o pódio.[100] A surpresa da corrida ficou por conta de Jarno Trulli da Toyota, que conseguiu manter o ritmo da classificação e terminou a corrida na quarta posição.[101]

 
Jenson Button cruzando a areia de contenção da pista durante o GP do Barém.

Para fechar a primeira parte das corridas asiáticas da temporada, no Grande Prêmio do Barém, Massa precisava de uma vitória ou pelo menos um desempenho forte para ofuscar os desempenhos ruins nas duas primeiras etapas. Largando em segundo, já na primeira volta ultrapassou Kubica, que tinha largado na pole. A partir daí, a Ferrari passou a dominar a corrida, com Räikkönen pulando da quarta posição para a segunda, terminando a corrida apenas três segundos atrás de Massa, consolidando a primeira dobradinha da Ferrari na temporada.[102] Hamilton teve mais uma corrida ruim, mesmo largando na terceira posição do grid, acabou caindo para a décima colocação ao bater na traseira de Alonso e quebrar o bico do carro, necessitando de uma parada extra para troca. A BMW Sauber obteve um bom resultado, com Kubica fechando o pódio na terceira posição e Heidfeld terminando em quarto, assumindo a liderança do campeonato de construtores após a corrida.[103] Com a segunda colocação, Räikkönen também assumiu a liderança do campeonato de pilotos, com Kubica subindo para o segundo lugar e Hamilton, após um resultado ruim, ocupando a terceira posição.[104]

Disputa entre Räikkönen e Hamilton na EuropaEditar

 
Räikkönen conquistou sua segunda vitória na corrida espanhola

No desembarque da Fórmula 1 na Europa em 2008, Kimi Räikkönen teve um ótimo desempenho na qualificação e conquistou a pole position.[105] Räikkönen manteve a liderança na primeira curva, quando Felipe Massa passou por Fernando Alonso e conquistou a segunda posição.[106] No entanto, um incidente na parte de trás do grid envolvendo Adrian Sutil e Sebastian Vettel provocou a entrada do carro de segurança logo na primeira volta, retomando a corrida normalmente na quarta volta.[107] Um grave acidente envolveu Heikki Kovalainen na volta 22 após um furo no seu pneu provocar um impacto a cerca de 210 quilômetros por hora nas berreiras de contenção, provocando novamente a entrada do carro de segurança.[108][109] Räikkönen conquistou sua segunda vitória da temporada quando cruzou a linha ao final da 66ª volta, com cerca de 3,2 segundos de vantagem à frente de Massa, segundo colocado.[110] Hamilton terminou em terceiro, à frente de Robert Kubica, Mark Webber e Jenson Button, que marcaram os primeiros pontos da Honda na temporada.[111] Kazuki Nakajima terminou em sétimo lugar, à frente de Jarno Trulli, que estava na sexta posição antes que sua equipe o chamasse por engano para o pit lane, confundindo o carro danificado de Timo Glock com o seu.[110][112]

 
Acidente entre Giancarlo Fisichella e Kazuki Nakajima no GP da Turquia.

Com a saída dos dois carros da Super Aguri do campeonato mundial, algumas alterações foram feitas na sessão de classificação, reduzindo o número de carros eliminados nas primeira e segunda sessões de seis para cinco, mantendo os dez pilotos na terceira sessão.[113] Na qualificação, ocorreu um confronto direto entre Ferrari e McLaren, com a BMW Sauber não apresentando um ritmo forte como nas classificações anteriores. Felipe Massa conquistou sua segunda pole position na sequência, marcando um tempo de 1:27.617, logo à frente das McLarens de Kovalainen e Hamilton.[114] O líder do campeonato Räikkönen se classificou em quarto, à frente de Kubica e Webber, com o top 10 sendo completado por Alonso, Trulli, Heidfeld e Coulthard.[114] Logo no início da corrida, Hamilton ultrapassou Kovalainen e conquistou a segunda colocação, atrás de Massa.[115] Fisichella e Nakajima colidiram logo na primeira volta, depois que Fisichella freou muito tarde e sobrevoou o carro de Nakajima, fazendo com que o piloto italiano abandonasse a corrida e o japonês teve que parar nos boxes para troca de asa.[116] Este acidente causou a entrada do safety car na pista.[117] Após uma troca da liderança durante a prova entre Massa, Hamilton e Räikkönen, Felipe Massa venceu a corrida, sendo sua terceira vitória consecutiva neste circuito, cruzando a linha de chagada 3,7 segundos à frente de Hamilton, com Räikkönen mais de meio segundo atrás em terceiro.[118][117] Os dois carros da BMW Sauber de Kubica e Heidfeld terminaram em quarto e quinto respectivamente, enquanto Alonso, Webber e Rosberg fecharam a zona de pontuação dos oito primeiros.[117]

 
Felipe Massa, que conquistou sua terceira pole position seguida no campeonato no GP de Mônaco.

Na corrida mais tradicional do campeonato, Massa conquistou sua terceira pole position da temporada com um tempo de 1:15.787, ocupando a primeira fila juntamente com seu companheiro de equipe Räikkönen.[119] Hamilton ficou em terceiro lugar na grelha, com um tempo de qualificação apenas 0,052 segundos mais lento que o de Massa, sendo seguido por Kovalainen.[120] Em contraste com a sessão seca de qualificação de sábado, pancadas de chuva frequentes tomaram conta da pista no domingo de manhã, deixando-a escorregadia e potencialmente perigosa.[121] Embora a chuva tenha diminuído no início da tarde, elas retornaram vinte minutos antes do início da corrida.[122] No momento do aviso de três minutos, a maioria dos pilotos havia optado pelo pneu intermediário, e somente Piquet começou a corrida com pneus de chuva forte.[123] Massa manteve a liderança na primeira curva, enquanto Hamilton usava a saída da pista para passar Räikkönen por dentro.[122] As condições da pista se mostraram ruins quando Hamilton fez contato com barreiras do lado de fora da curva doze na sexta volta, necessitando de uma parada para troca de pneus.[124] A vantagem de 12 segundos de Massa sobre Räikkönen na sexta volta foi reduzida quando o safety car entrou na pista após acidente de Coulthard e Bourdais.[125] Após a saída do safety car, Massa foi punido com um drive through por não montar os pneus do carro antes dos três minutos para largada, caindo para a quarta posição. Com isso, com a parada de Kubica, Hamilton assumiu a liderança da prova.[122] O ritmo lento durante as primeiras voltas fez com que a corrida atingisse seu tempo regulamentar de duas horas após apenas 76 voltas das 78 previstas, consolidando a vitória de Hamilton, seguido por Kubica em segundo, à frente de Massa e Webber. Vettel conquistou os primeiros pontos da Toro Rosso na temporada, chegando em quinto, à frente de Barrichello, Nakajima e Kovalainen.[126]

Vitória inédita no Canadá e liderança brasileira na EuropaEditar

 
Robert Kubica, que conquistou a única vitória da BMW Sauber na temporada e sua primeira vitória na carreira durante o GP do Canadá.

Na chegada da Fórmula 1 às Américas na temporada de 2008, Lewis Hamilton marcou sua segunda pole position da temporada, seguido por Felipe Massa e Kimi Räikkönen. As condições do treino classificatório foram prejudicadas por diversos trechos da pista que se desintegraram, o que fez com que a maioria dos pilotos registrassem tempos mais lentos na terceira sessão em comparação com a primeira. Os oficiais da pista repararam os problemas na pista por diversas vezes durante o treino.[127] A corrida começou com Hamilton mantendo a liderança e criando uma vantagem de cinco segundos sobre Robert Kubica. Na 16ª volta, o carro de Adrian Sutil teve uma falha na caixa de câmbio e em seguida incendiou-se, fazendo com que o carro de segurança entrasse na pista.[128][129] Quando Räikkönen estava saindo do pit lane, a luz indicadora vermelha foi acesa, fechando a saída. Kubica conseguiu frear a tempo, evitando a colisão, contudo Hamilton não percebeu a parada e atingiu o carro de Räikkönen, fazendo com que os dois abandonassem a corrida.[130][131] Após todas as paradas, Kubica passou a dividir a liderança da prova com seu companheiro de equipe Nick Heidfeld. Fernando Alonso da Renault estava na terceira colocação e brigando com Heidfeld pela segunda colocação, quando girou o carro e bateu na proteção da pista, danificando sua asa dianteira e suspensão.[128] Kubica manteve sua vantagem e conquistou a primeira vitória na sua carreira, tendo o pódio sendo completado pelo companheiro Heidfeld e David Coulthard da Red Bull. Os outros oito melhores colocados foram Glock, Massa, Trulli, Barrichello e Vettel.[132]

 
Felipe Massa vence o GP da França e assume a liderança do campeonato, sendo o primeiro brasileiro a alcançar tal feito desde Ayrton Senna em 1993.

No retorno à Europa, Kimi Räikkönen conquistou a 200ª pole position da Ferrari em sua história durante o Grande Prêmio da França, com o tempo de 1:16.449.[133][134] Räikkönen fez um bom começo, mantendo sua primeira posição, com Felipe Massa logo atrás mantendo seu segundo lugar.[135] Alonso, que largou em terceiro, foi ultrapassado por Jarno Trulli e Robert Kubica, mas passou novamente por Kubica na saída da curva fechada. No final da volta dez, Raikkonen liderou com uma diferença de 3,2 segundos para Massa. Na volta 13, Lewis Hamilton recebeu uma penalidade de drive-through por cortar a curva sete na primeira volta e ganhar uma vantagem.[136] Ele cumpriu a penalidade imediatamente e voltou na 13ª posição. Pouco antes da metade da corrida, o ritmo de Raikkonen diminuiu e Massa atrás o alcançou, ultrapassando seu companheiro de equipe na volta 39.[135] Na volta 46, Massa abriu uma vantagem de dez segundos sobre seu companheiro de equipe. Na volta 55, uma chuva fraca começou a cair, e embora continuasse chovendo levemente nas próximas voltas, não foi forte suficiente para provocar uma troca de pneus.[137] Massa cruzou a linha para vencer a corrida, com Räikkönen quase dezoito segundos atrás, assumindo também a liderança do campeonato. Trulli manteve o terceiro lugar e conquistou seu primeiro pódio desde o Grande Prêmio da Espanha de 2005 e o primeiro pódio da Toyota desde o Grande Prêmio da Austrália de 2006.[138]

 
Kovalainen, que largou na pole, e Hamilton, que venceu o GP da Grã-Bretanha

Durante o Grande Prêmio da Grã-Bretanha, em Silverstone, Heikki Kovalainen conquistou sua primeira pole position com o tempo de 1:21.049. Mark Webber largaria ao lado dele na segunda colocação, o melhor resultado de qualificação da Red Bull Racing até aquele momento e Kimi Raikkonen largaria em terceiro.[139] A pista estava molhada e os pilotos optaram por utilizar pneus intermediários.[140] Os três pilotos que largaram na frente não conseguiram aderência na largada e foram ultrapassados por Lewis Hamilton já na primeira curva, com Kovalainen retomando a primeira posição em seguida.[141] Felipe Massa girou duas vezes, durante sua primeira e terceira volta, fazendo com que caisse para as últimas posições.[142] Hamilton diminuiu a diferença para Kovalainen e o ultrapassou na curva Stowe durante a sua quinta volta. Durante a volta 10, Kovalainen passou por uma poça e rodou o carro, sendo ultrapassado por Raikkonen, que aumentou seu ritmo conforme a pista secava e chegou a ficar a um segundo de Hamilton.[142] Contudo, quando a chuva retornou Hamilton já estava com pneus intermediários, enquanto Raikkonen teve que fazer uma nova parada pois estava com pneus de pista seca.[143] Faltando vinte voltas para o final da corrida, a chuva ficou extremamente forte. Enquanto todos os pilotos estavam com pneus intermediários, Rubens Barrichello já tinha equipado o carro com os pneus para chuva extrema, sendo cerca de nove segundos mais rápido por volta do que a maioria do pelotão e rapidamente subiu para o quarto lugar.[144] Hamilton cruzou a linha de chegada para vencer a corrida com uma diferença maior de um minuto para Nick Heidfeld em segundo e Barrichello em terceiro, consagrando o melhor desempenho da Honda em 2008. A margem de vitória foi a maior desde o Grande Prêmio da Austrália de 1995.[144] Raikkonen terminou em quarto, a frente de Kovalainen e Alonso. Raikkonen também fez a volta mais rápida, sua sexta consecutiva. Jarno Trulli terminou na sétima posição e Kazuki Nakajima terminou a corrida em oitavo.[145]

Disputa acirrada entre construtores na EuropaEditar

 
Kimi Raikkonen, que terminou o GP da Alemanha na sexta posição.

O Grande Prêmio da Alemanha, realizado no circuito de Hockenheimring, em Hockenheim, marcou a terceira pole position de Lewis Hamilton na temporada, após marcar um tempo de 1:15.666, sendo seguido por Felipe Massa na segunda posição e Heikki Kovalainen na terceira posição.[146] No início da corrida, Hamilton, Massa e Kovalainen mantiveram suas posições no grid. Hamilton rapidamente começou a ganhar uma vantagem considerável dos outros carros, a uma média de meio segundo por volta.[147] Na primeira parada dos pilotos, Hamilton tinha uma vantagem de quase vinte segundos sobre Massa ao fazer o pit stop na volta 18. Saindo dos boxes, Hamilton cometeu um erro e foi ultrapassado por Jarno Trulli. Os dois pilotos quase colidiram na curva 4, com Hamilton reduzindo o ritmo pelo resto da volta esperando que Trulli parasse.[148] Hamilton recuperou a liderança na volta 22 depois que Massa, Kovalainen e Trulli fizeram suas paradas, contudo reduziu a vantagem de Massa para onze segundos. Na 36ª volta, a suspensão traseira direita de Timo Glock falhou ao sair da curva final, causando um forte impacto com o muro externo da pista e acionando o safety car. Quando o pit lane reabriu na volta 38, a maioria dos pilotos entrou, exceto Hamilton.[148] Nelson Piquet Jr., ao adotar uma estratégia de única parada, fez seu pit stop logo antes do safety car entrar na pista e reabasteceu suficientemente até o final da corrida.[149] Promovido ao terceiro lugar após a parada dos outros pilotos, assumiu a liderança quando Hamilton e Nick Heidfeld fizeram suas últimas paradas.[150] Após uma nova entrada do safety car na volta 42, Hamilton passou a liderar, enquanto Heidfeld e Piquet estavam em segundo e terceiro.[149] Hamilton foi o primeiro a cruzar a linha de chegada na volta final, enquanto Piquet conquistou a segunda posição e o primeiro pódio de sua carreira, apenas cinco segundos atrás, e Massa completou o pódio na terceira posição.[149] Foi a primeira vez que dois brasileiros subiram ao pódio juntos desde o Grande Prêmio da Bélgica de 1991, quando Ayrton Senna e Nelson Piquet dividiram o pódio.[151]

 
Felipe Massa lamentando após seu motor quebrar faltando três voltas para o final e enquanto liderava o GP da Hungria.

Pelo segundo final de semana consecutivo, Lewis Hamilton cravou a pole position, dessa vez no Grande Prêmio da Hungria, disputado no Hungaroring em Mogyoród, com um tempo de 1:20.899, largando a frente de Heikki Kovalainen em segundo e Felipe Massa em terceiro.[152] Massa fez uma boa largada passando a frente de Kovalainen e dividindo a primeira curva ao lado de Hamilton, ultrapassando-o já nesta primeira oportunidade.[153] A medida que a corrida avançava, Massa começou a abrir uma pequena vantagem sobre Hamilton, que passou a economizar combustível buscando ultrapassar Massa no final da corrida.[154] Os mecânicos da McLaren cronometraram a parada de Massa para estimar a quantidade de combustível que ele recebeu, e quando Hamilton fez sua primeira parada na próxima volta, eles o abasteceram para correr três voltas a mais do que Massa.[154] Durante as paradas da volta 29, três desses pilotos tiveram problemas durante o reabastecimento: Rubens Barrichello e Sébastien Bourdais sofreram incêndios repentinos, enquanto a mangueira de combustível de Nico Rosberg emperrou, fazendo com que ele perdesse tempo.[155] Na liderança, Massa continuou a se afastar gradualmente de Hamilton, e a diferença entre os dois aumentou para cinco segundos no final da volta 40. Na volta seguinte, o pneu dianteiro esquerdo de Hamilton sofreu ao se aproximar da segunda curva. A volta lenta ao pit lane e a parada para trocar o pneu o deixou em décimo lugar.[154] Massa agora tinha 23 segundos de vantagem sobre Kovalainen e desacelerou seu ritmo de acordo, ajustando o desempenho do motor para colocá-lo sob menos estresse mecânico.[153] Nas últimas voltas, Kovalainen reduziu sua diferença de Massa para 15 segundos. No entanto, quando Massa abriu a volta 68, seu motor falhou, forçando-o a abandonar a liderança a três voltas do final, fazendo com que Kovalainen assumisse-a.[153] Sendo assim, Kovalainen tornou-se o centésimo piloto da história da Fórmula 1 a vencer um Grande Prêmio.[156] Timo Glock também obteve o melhor resultado da sua carreira com a segunda colocação, seu primeiro pódio. Kimi Raikkonen ficou com o terceiro lugar, apesar de uma falha na suspensão traseira de seu carro durante as últimas voltas.[153]

 
Mark Webber conquistou apenas a décima segunda colocação no GP da Europa, em Valência.

No retorno da categoria à Espanha na temporada, o Circuito Urbano de Valência recebeu o Grande Prêmio da Europa, onde Felipe Massa conquistou sua quarta pole position da temporada, com um tempo de 1:38.989, seguido no grid por Lewis Hamilton em segundo e Robert Kubica em terceiro.[157] No início da corrida não havia previsão de chuva, a temperatura do ar era de 28°C (82°F) e a temperatura da pista era de 44°C (111°F). Os primeiros colocados da corrida começaram de forma limpa, sem incidentes, contudo na curva quatro Fernando Alonso e Kazuki Nakajima colidiram. Alonso abandonou sua corrida em casa, enquanto Nakajima realizou uma parada para troca do seu bico e continuou na corrida.[158][159] Na sua última parada, a Ferrari liberou Massa de seu pit stop enquanto a Force India de Adrian Sutil se estava entrando no pit lane. Os carros não chegaram a colidir pois Massa recuou assim que percebeu o que havia acontecido. Este incidente foi considerado perigoso pela direção de prova e estava sendo investigado pelos comissários. Pouco depois, foi anunciado que o incidente seria investigado após a corrida. A Ferrari sofreu uma advertência pelos comissários e foi multada em dez mil euros, mas o brasileiro manteve sua vitória.[160] Em um segundo erro de pit stop da Ferrari, Kimi Räikkönen deixou sua box com a mangueira de combustível ainda conectada em seu carro. O incidente deixou um mecânico da Ferrari com pequenos ferimentos e Raikkonen também perdeu uma posição.[161] Massa venceu a corrida e as três primeiras posições mantiveram-se como na largada, com Hamilton em segundo e Kubica em terceiro.[162]

Vitória inédita na Itália e polêmica na primeira corrida noturnaEditar

 
Ferrari acidentada de Kimi Raikkonen após um toque com Lewis Hamilton faltando duas voltas para o final da corrida.

No Grande Prêmio da Bélgica, Lewis Hamilton largou na pole pela quinta vez na temporada, marcando um tempo de 1:47.338 no Circuito de Spa-Francorchamps.[163] Na primeira volta, ocorreram colisões entre Jarno Trulli e Sébastien Bourdais, Heikki Kovalainen e Nick Heidfeld, além de Giancarlo Fisichella e Kazuki Nakajima.[164] Lewis Hamilton manteve a liderança, enquanto Kimi Raikkonen assumiu a segunda posição, ultrapassando seu companheiro de equipe, Felipe Massa, na reta Kemmel.[165] Na segunda volta, Hamilton perdeu o controle do carro na curva La Source, sendo ultrapassado por Raikkonen pouco antes de chegar na Eau Rouge. Após dez voltas, Raikkonen abriu uma vantagem de três segundos sobre Hamilton, sendo este o primeiro dos líderes a entrar nas boxes na volta 11, seguido por Räikkönen uma volta depois. Massa e Fernando Alonso pararam na volta 13, com Heidfeld parando uma volta depois. Após a segunda parada dos pilotos, na volta 27, Raikkonen estava cinco segundos a frente de Hamilton, porém Hamilton passou a reduzir a vantagem.[166] Uma chuva forte começou na volta 41. Hamilton diminuiu a diferença para Raikkonen para menos de um segundo. Hamilton tentou ultrapassar Raikkonen na chicane da Bus Stop, mas ele saiu da pista, tendo uma nova tentativa na curva La Source, conquistando a posição mas causando danos à asa dianteira de Raikkonen.[167] Na próxima volta, Raikkonen girou por conta da chuva e devolveu a liderança para Hamilton. Raikkonen perdeu o controle de sua Ferrari na curva Blanchimont e colidiu com a barreira, abandonando a corrida.[168] Hamilton foi o primeiro a cruzar a linha de chegada, seguido por Massa e Heidfeld. Porém, mesmo após o pódio já formado, duas horas após a corrida a FIA anunciou que Hamilton obteve vantagem ao cruzar a chicane da Bus Stop na tentativa de ultrapassar Raikkonen, recebendo uma punição de drive through e adicionando 25 segundos ao seu tempo final, passando a vitória da corrida para Massa e caindo para a terceira colocação.[169]

 
Sebastian Vettel da Toro Rosso-Ferrari tornou-se o piloto mais jovem a marcar a pole position e vencer uma corrida na história da Fórmula 1 ao terminar na primeira colocação do GP da Itália.

No Grande Prêmio da Itália, após uma sessão chuvosa de classificação, Sebastian Vettel da Toro Rosso-Ferrari marcou um tempo de 1:37.555, conquistando a primeira pole position da temporada e da carreira.[170][171] A corrida iniciou atrás do safety car, pois uma forte chuva impossibilitava a largada normal. O safety car entrou no pit lane ao final da segunda volta. Vettel manteve a liderança na primeira curva, seguido por Heikki Kovalainen em segundo e Mark Webber em terceiro. Vettel abriu uma diferença de dois segundos sobre Kovalainen, que enfrentou dificuldade de visibilidade por conta da água que era lançada pelo carro a frente. Na oitava volta, a diferença de Vettel sobre Kovalainen já estava em 6,3 segundos.[172][173] Na volta 13, Felipe Massa ultrapassou Nico Rosberg para conquistar o quarto lugar, havendo repetidas disputas entre os pilotos nas três voltas seguintes, com Massa consolidando a quarta posição na volta 15.[174] Vettel foi para os boxes na volta 18, sendo seguido por Kovalainen, Webber e Massa quatro voltas depois.[175] Webber foi ultrapassado na curva oito por Massa na volta 35, rodando após a curva mas conseguindo retornar na sétima colocação, com Massa conquistando a quarta. Com estratégia de parada única, Robert Kubica assumiu a terceira colocação.[172] Uma volta depois, no entanto, Lewis Hamilton ultrapassou Webber na curva três.[174] Sebastian Vettel cruzou a linha de chegada na volta 53 com 12,5 segundos de vantagem sobre Kovalainen, tornando-se o piloto mais jovem na história da Fórmula 1 a vencer um Grande Prêmio, com Kubica na terceira posição.[176][177]

 
Carro de Nelson Piquet Jr após sofrer um acidente controverso, que resultou no escândalo conhecido como Crashgate.

O Grande Prêmio de Singapura de 2008 foi a primeira corrida da história da Fórmula 1 a ser realizada à noite, e contou com a quinta pole position de Felipe Massa na temporada, com um tempo de 1:44.801, seguido no grid por Lewis Hamilton em segundo e Kimi Raikkonen em terceiro.[178] Durante a volta de aquecimento da corrida, Nelson Piquet Jr. rodou na Curva 23, mas se recuperou imediatamente. Na largada, Massa, Hamilton e Räikkönen passaram a primeira sequência de curvas com segurança e mantiveram suas posições. Depois de dez voltas, Massa construiu uma vantagem de mais de três segundos para Hamilton e Räikkönen estava mais sete segundos atrás de Hamilton. Na volta 12, Alonso foi o primeiro piloto a entrar nas boxes.[179] Duas voltas depois, seu companheiro de equipe Nelson Piquet Jr. perdeu o controle do carro e bateu no muro da curva 17.[180] Isso resultou no primeiro período de safety car da corrida. Nos boxes, a Ferrari liberou Massa ainda com a mangueira de combustível ainda presa ao carro, espalhando combustível por todo o pit lane e sendo obrigado a parar ao final do pit para a retirada da mangueira. Nico Rosberg passou a liderar a corrida até receber uma punição de dez segundos, juntamente com Robert Kubica, por entrar nos boxes enquanto estava fechado, enquanto Massa recebeu uma punição de drive through por deixar os boxes de forma perigosa.[181] Com isso, Alonso assumiu a liderança da corrida.[182] Após 45 voltas, Alonso abriu uma vantagem para Timo Glock na segunda colocação em pouco mais de seis segundos e Rosberg por mais onze segundos, em terceiro. Após a parada de Glock, Rosberg assumiu a segunda colocação. Na volta 50, Adrian Sutil rodou na curva dez e danificou a suspensão dianteira, abandonando a prova e trazendo novamente o safety car, que saiu na volta 52.[181] Fernando Alonso manteve sua liderança sobre Rosberg e conquistou sua primeira vitória pela Renault desde seu retorno à equipe. Rosberg manteve a segunda posição e Hamilton ficou com a terceira.[180] Após a corrida, um escândalo envolvendo a equipe Renault tomou conta do noticiário por causa do acidente que envolveu Piquet na volta 14 (ver seção Crashgate).[183]

Encerramento da temporadaEditar

 
Fernando Alonso conquistou sua segunda vitória consecutiva no campeonato após vencer o GP do Japão.

No retorno à Ásia, Lewis Hamilton marcou sua sexta pole position no campeonato durante o Grande Prêmio do Japão, com um tempo de 1:18.404, sendo seguido no grid por Kimi Raikkonen e Heikki Kovalainen.[184] Raikkonen largou melhor que Hamilton e dividiu a primeira curva com ele, fazendo com que Hamilton travasse as rodas e fosse na direção de Raikkonen, que ao se defender colidiu com Kovalainen, fazendo com que os três pilotos saíssem da pista e Robert Kubica assumiu a liderança, seguido por Fernando Alonso e Kovalainen.[185] Na segunda volta, Felipe Massa perdeu o ponto de freada da curva 10 e colidiu com Hamilton, fazendo com que este rodasse na pista e fosse forçado a fazer uma parada para troca de pneus e reabastecimento, o retornando para a pista em 18.º lugar.[186] Na volta 17, Massa e Hamilton receberam penalidades de drive through, pelas colisões que haviam provocado nas duas primeiras voltas, com Hamilton cumprindo a punição na mesma volta e Massa na volta seguinte.[187] Na volta 17, após as paradas de Kubica e Raikkonen, Kovalainen enfrentou problemas de motor e abandonou a corrida. Alonso parou na volta seguinte e retornou na liderança da corrida, abrindo oito segundos de vantagem nas voltas seguintes.[188] Na volta 51, enquanto Sébastien Bourdais saia do pit lane, Massa que estava em oitavo tentou ultrapassá-lo mas colidiram na primeira curva, fazendo com que Massa rodasse na pista e voltasse atrás de Bourdais.[189] Na volta 55, Raikkonen tentou ultrapassar Kubica para retomar a segunda colocação, porém sem sucesso.[190] Fernando Alonso cruzou a linha de chegada na volta 67 para conquistar sua segunda vitória consecutiva da temporada, cinco segundos a frente de Kubica e seis a frente de Raikkonen, na terceira colocação.[191]

 
Líderes da prova disputando posição durante a primeira volta do GP da China

Na penúltima etapa, no Grande Prêmio da China, Lewis Hamilton conquistou novamente a pole position, sua sétima no campeonato, marcando um tempo de 1:36.303, seguido no grid por Kimi Raikkonen e Felipe Massa.[192] Hamilton largou bem e manteve sua liderança na primeira curva. Hamilton aumentou sua vantagem para Raikkonen até a volta 10, quando ele começou a diminuir a diferença.[193] Massa e Fernando Alonso fizeram sua parada na volta 14, enquanto estavan na terceira e quarta posições, seguidos por Hamilton e Raikkonen que pararam na volta seguinte, quando Heikki Kovalainen assumiu a liderança provisória..[194] Hamilton retomou a liderança na volta 18, quando abriu sete segundos de vantagem para Raikkonen e 14 segundos para Massa.[195] Kovalainen sofreu um furo na volta 35, sendo forçado a realizar mais uma parada nos boxes e voltando para a pista na 17ª colocação.[196] A diferença entre os pilotos da Ferrari começou a diminuir e Massa ultrapassou Raikkonen na reta oposta na volta 49, para assumir o segundo lugar da corrida.[195] Lewis Hamilton conquistou sua quinta vitória da temporada quando cruzou a linha no final da volta 56, pouco mais de 15 segundos a frente de Massa na segunda colocação, com Raikkonen em terceiro.[197]

 
Felipe Massa cruzou a linha de chegada do GP do Brasil como campeão mundial, mas perdeu o título após ultrapassagem de Lewis Hamilton sobre Timo Glock na última curva.

No encerramento da temporada, no Grande Prêmio do Brasil, a diferença entre Lewis Hamilton e Felipe Massa era de apenas sete pontos. A pole position foi conquistada pelo brasileiro Felipe Massa, que marcou um tempo de 1:12.368, sendo seguido no grid por Jarno Trulli em segundo e Kimi Raikkonen em terceiro.[198][199] Massa manteve a liderança da corrida na primeira curva, seguido por Trulli, Raikkonen, Hamilton e Heikki Kovalainen. Dois acidentes, envolvendo David Coulthard e Nelson Piquet Jr. causaram a entrada do carro de segurança no final da primeira volta.[200][201] Na volta 11, todos os pilotos nas seis primeiras posições fizeram suas paradas e trocaram os pneus para os macios.[202] Hamilton permaneceu atrás de Fisichella na sexta colocação e, apesar de seu carro estar mais rápido, ele não conseguiu ultrapassá-lo até a 18ª volta.[203] Timo Glock reabasteceu na volta 36, para que completasse a corrida sem parar novamente.[203] Massa fez sua parada na volta 38, enquanto Fernando Alonso e Hamilton pararam duas voltas depois. Quando Raikkonen parou na volta 43, Massa recuperou a liderança e ficou à frente de Alonso. A chuva leve começou a cair na volta 63.[204] Alonso e Raikkonen fizeram mais uma parada na volta 65, enquanto Hamilton e Sebastian Vettel pararam e colocaram pneus intermediários na volta seguinte.[203] Glock permaneceu com seus pneus de pista seca e subiu para a quarta posição.[205] Massa parou na volta 67, fazendo com que os dez primeiros, com exceção de Glock, estivessem com pneus intermediários. A chuva piorou a partir da volta 69, quando Vettel assumiu a quinta posição. Quando Massa cruzou a linha de chegada para ganhar a corrida, Hamilton passou Vettel e assumiu a sexta colocação. Os dois ainda passaram Glock nos momentos finais, o já que ele era o único com pneus de pista seca.[203] Ao terminar a corrida na quinta posição, Hamilton conquistou o campeonato mundial com um ponto de diferença de Massa, sendo o piloto mais jovem a conquistar um campeonato mundial até o título de Vettel em 2010. O terceiro lugar de Raikkonen atrás de Alonso foi suficiente para garantir à Ferrari o título dos construtores e a terceira colocação de Raikkonen no campeonato de pilotos.[205]

Resultados e classificaçãoEditar

Grandes PrêmiosEditar

Etapa Grande Prêmio Pole position Tempo Volta mais rápida Tempo Vencedor Construtor Descrição
1   Grande Prêmio da Austrália   Lewis Hamilton 1:26.714   Heikki Kovalainen 1:27.418   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes Descrição
2   Grande Prêmio da Malásia   Felipe Massa 1:35.748   Nick Heidfeld 1:35.366   Kimi Räikkönen   Ferrari Descrição
3   Grande Prêmio do Barém   Robert Kubica 1:33.096   Heikki Kovalainen 1:33.193   Felipe Massa   Ferrari Descrição
4   Grande Prêmio da Espanha   Kimi Räikkönen 1:21.813   Kimi Räikkönen 1:21.670   Kimi Räikkönen   Ferrari Descrição
5   Grande Prêmio da Turquia   Felipe Massa 1:27.617   Kimi Räikkönen 1:26.506   Felipe Massa   Ferrari Descrição
6   Grande Prêmio de Mônaco   Felipe Massa 1:15.787   Kimi Räikkönen 1:16.689   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes Descrição
7   Grande Prêmio do Canadá   Lewis Hamilton 1:17.886   Kimi Räikkönen 1:17.387   Robert Kubica   BMW Sauber Descrição
8   Grande Prêmio da França   Kimi Räikkönen 1:16.449   Kimi Räikkönen 1:16.630   Felipe Massa   Ferrari Descrição
9   Grande Prêmio da Grã-Bretanha   Heikki Kovalainen 1:21.049   Kimi Raikkonen 1:32.150   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes Descrição
10   Grande Prêmio da Alemanha   Lewis Hamilton 1:15.666   Nick Heidfeld 1:15.987   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes Descrição
11   Grande Prêmio da Hungria   Lewis Hamilton 1:20.899   Kimi Raikkonen 1:21.195   Heikki Kovalainen   McLaren-Mercedes Descrição
12   Grande Prêmio da Europa   Felipe Massa 1:38.989   Felipe Massa 1:38.708   Felipe Massa   Ferrari Descrição
13   Grande Prêmio da Bélgica   Lewis Hamilton 1:47.338   Kimi Raikkonen 1:47.930   Felipe Massa   Ferrari Descrição
14   Grande Prêmio da Itália   Sebastian Vettel 1:37.555   Kimi Raikkonen 1:28.047   Sebastian Vettel   Toro Rosso-Ferrari Descrição
15   Grande Prêmio de Singapura   Felipe Massa 1:44.801   Kimi Raikkonen 1:45.599   Fernando Alonso   Renault Descrição
16   Grande Prêmio do Japão   Lewis Hamilton 1:18.404   Felipe Massa 1:18.426   Fernando Alonso   Renault Descrição
17   Grande Prêmio da China   Lewis Hamilton 1:36.303   Lewis Hamilton 1:36.325   Lewis Hamilton   McLaren-Mercedes Descrição
18   Grande Prêmio do Brasil   Felipe Massa 1:12.368   Felipe Massa 1:13.736   Felipe Massa   Ferrari Descrição

Sistema de pontuaçãoEditar

Uma pontuação é atribuída a cada piloto que terminou entre os oito melhores em cada corrida. O sistema de pontuação desta temporada foi o mesmo utilizado desde 2003 e que vigorou até 2009, concedendo dez pontos ao vencedor, oito pontos ao segundo colocado e seis pontos ao terceiro colocado, fornecendo uma pontuação decrescente aos pilotos que conquistarem as posições subsequentes.[206]

Posição  1.º   2.º   3.º   4.º   5.º   6.º   7.º   8.º 
Pontos 10 8 6 5 4 3 2 1

Em caso de empate na pontuação final de pilotos ou construtores, o primeiro critério de desempate a ser adotado é o número de vitórias; caso não seja possível atribuir uma posição mesmo assim, será considerado o piloto que tiver atingido a melhor posição de chegada em alguma das corridas.[206]

Campeonato de PilotosEditar

Pos. No. Piloto AUS
 
MAL
 
BAR
 
ESP
 
TUR
 
MON
 
CAN
 
FRA
 
GBR
 
ALE
 
HUN
 
EUR
 
BEL
 
ITA
 
SIN
 
JAP
 
CHN
 
BRA
 
Pts.
1 22   Lewis Hamilton 1 5 13 3 2 1 Ret 10 1 1 5 2 3 7 3 12 1 5 98
2 2   Felipe Massa Ret Ret 1 2 1 3 5 1 13 3 17 1 1 6 13 7 2 1 97
3 1   Kimi Räikkönen 8 1 2 1 3 9 Ret 2 4 6 3 Ret 18 9 15 3 3 3 75
4 4   Robert Kubica Ret 2 3 4 4 2 1 5 Ret 7 8 3 6 3 11 2 6 11 75
5 5   Fernando Alonso 4 8 10 Ret 6 10 Ret 8 6 11 4 Ret 4 4 1 1 4 2 61
6 3   Nick Heidfeld 2 6 4 9 5 14 2 13 2 4 10 9 2 5 6 9 5 10 60
7 23   Heikki Kovalainen 5 3 5 Ret 12 8 9 4 5 5 1 4 10 2 10 Ret Ret 7 53
8 15   Sebastian Vettel Ret Ret Ret Ret 17 5 8 12 Ret 8 Ret 6 5 1 5 6 9 4 35
9 11   Jarno Trulli Ret 4 6 8 10 13 6 3 7 9 7 5 16 13 Ret 5 Ret 8 31
10 12   Timo Glock Ret Ret 9 11 13 12 4 11 12 Ret 2 7 9 11 4 Ret 7 6 25
11 10   Mark Webber Ret 7 7 5 7 4 12 6 10 Ret 9 12 8 8 Ret 8 14 9 21
12 6   Nelson Piquet Jr. Ret 11 Ret Ret 15 Ret Ret 7 Ret 2 6 11 Ret 10 Ret 4 8 Ret 19
13 7   Nico Rosberg 3 14 8 Ret 8 Ret 10 16 9 10 14 8 12 14 2 11 15 12 17
14 17   Rubens Barrichello DSQ 13 11 Ret 14 6 7 14 3 Ret 16 16 Ret 17 Ret 13 11 15 11
15 8   Kazuki Nakajima 6 17 14 7 Ret 7 Ret 15 8 14 13 15 14 12 8 15 12 17 9
16 9   David Coulthard Ret 9 18 12 9 Ret 3 9 Ret 13 11 17 11 16 7 Ret 10 Ret 8
17 14   Sébastien Bourdais 7 Ret 15 Ret Ret Ret 13 17 11 12 18 10 7 18 12 10 13 14 4
18 16   Jenson Button Ret 10 Ret 6 11 11 11 Ret Ret 17 12 13 15 15 9 14 16 13 3
19 21   Giancarlo Fisichella Ret 12 12 10 Ret Ret Ret 18 Ret 16 15 14 17 Ret 14 Ret 17 18 0
20 20   Adrian Sutil Ret Ret 19 Ret 16 Ret Ret 19 Ret 15 Ret Ret 13 19 Ret Ret Ret 16 0
21 18   Takuma Sato Ret 16 17 13 NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP 0
22 19   Anthony Davidson Ret 15 16 Ret NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP 0
Pos. No. Piloto AUS
 
MAL
 
BAR
 
ESP
 
TUR
 
MON
 
CAN
 
FRA
 
GBR
 
ALE
 
HUN
 
EUR
 
BEL
 
ITA
 
SIN
 
JAP
 
CHN
 
BRA
 
Pts.
Cor Resultado
Ouro Vencedor
Prata 2.º lugar
Bronze 3.º lugar
Verde Terminou, nos pontos
Azul Terminou, sem pontos
Púrpura Ret – Retirou-se
Vermelho NQ – Não qualificado
Preto DSQ – Desqualificado
Branco NL – Não largou
C – Corrida cancelada
Azul claro AT – Apenas Treino
Sem cor NP – Não participou
Les – Lesionado
EX – Excluído

Negrito – Pole position
Itálico – Volta mais rápida
† - Classificado por ter completado mais de 90% da prova

Campeonato de ConstrutoresEditar

A pontuação de cada construtor é definida pela soma da pontuação de seus dois pilotos no campeonato regular. Em caso de empate na pontuação final de pilotos ou construtores, o primeiro critério de desempate a ser adotado é o número de vitórias; caso não seja possível atribuir uma posição mesmo assim, será considerado o piloto que tiver atingido a melhor posição de chegada em alguma das corridas.[206]

Pos. Construtor No. AUS
 
MAL
 
BAR
 
ESP
 
TUR
 
MON
 
CAN
 
FRA
 
GBR
 
ALE
 
HUN
 
EUR
 
BEL
 
ITA
 
SIN
 
JAP
 
CHN
 
BRA
 
Pts.
1   Ferrari 1 8 1 2 1 3 9 Ret 2 4 6 3 Ret 18 9 15 3 3 3 172
2 Ret Ret 1 2 1 3 5 1 13 3 17 1 1 6 13 7 2 1
2   McLaren-Mercedes 22 1 5 13 3 2 1 Ret 10 1 1 5 2 3 7 3 12 1 5 151
23 5 3 5 Ret 12 8 9 4 5 5 1 4 10 2 10 Ret Ret 7
3   BMW Sauber 3 2 6 4 9 5 14 2 13 2 4 10 9 2 5 6 9 5 10 135
4 Ret 2 3 4 4 2 1 5 Ret 7 8 3 6 3 11 2 6 11
4   Renault 5 4 8 10 Ret 6 10 Ret 8 6 11 4 Ret 4 4 1 1 4 2 80
6 Ret 11 Ret Ret 15 Ret Ret 7 Ret 2 6 11 Ret 10 Ret 4 8 Ret
5   Toyota 11 Ret 4 6 8 10 13 6 3 7 9 7 5 16 11 Ret 5 Ret 8 56
12 Ret Ret 9 11 13 12 4 11 12 Ret 2 7 9 13 4 Ret 7 6
6   Toro Rosso-Ferrari 14 7 Ret 15 Ret Ret Ret 13 17 11 12 18 10 7 18 12 10 13 14 39
15 Ret Ret Ret Ret 17 5 8 12 Ret 8 Ret 6 5 1 5 6 9 4
7   Red Bull-Renault 9 Ret 9 18 12 9 Ret 3 9 Ret 13 11 17 11 16 7 Ret 10 Ret 29
10 Ret 7 7 5 7 4 12 6 10 Ret 9 12 8 8 Ret 8 14 9
8   Williams-Toyota 7 3 14 8 Ret 8 Ret 10 16 9 10 14 8 12 14 2 11 15 12 26
8 6 17 14 7 Ret 7 Ret 15 8 14 13 15 14 12 8 15 12 17
9   Honda 16 Ret 10 Ret 6 11 11 11 Ret Ret 17 12 13 15 15 9 14 16 13 14
17 DSQ 13 11 Ret 14 6 7 14 3 Ret 16 16 Ret 17 Ret 13 11 15
10   Force India-Ferrari 20 Ret Ret 19 Ret 16 Ret Ret 19 Ret 15 Ret Ret 13 19 Ret Ret Ret 16 0
21 Ret 12 12 10 Ret Ret Ret 18 Ret 16 15 14 17 Ret 14 Ret 17 18
11   Super Aguri-Honda[nota 1] 18 Ret 16 17 13 NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP 0
19 Ret 15 16 Ret NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP NP
Pos. Construtor No. AUS
 
MAL
 
BAR
 
ESP
 
TUR
 
MON
 
CAN
 
FRA
 
GBR
 
ALE
 
HUN
 
EUR
 
BEL
 
ITA
 
SIN
 
JAP
 
CHN
 
BRA
 
Pts.
Cor Resultado
Ouro Vencedor
Prata 2.º lugar
Bronze 3.º lugar
Verde Terminou, nos pontos
Azul Terminou, sem pontos
Púrpura Ret – Retirou-se
Vermelho NQ – Não qualificado
Preto DSQ – Desqualificado
Branco NL – Não largou
C – Corrida cancelada
Azul claro AT – Apenas Treino
Sem cor NP – Não participou
Les – Lesionado
EX – Excluído

Negrito – Pole position
Itálico – Volta mais rápida
† - Classificado por ter completado mais de 90% da prova

ControvérsiasEditar

Casos de racismo na EspanhaEditar

 
Cartaz criado por torcedores espanhóis durante os testes da pré-temporada, zombando de Hamilton.

Durante o campeonato de 2007, ocorreu a ida do então campeão Fernando Alonso para a McLaren, enquanto Lewis Hamilton fazia sua estreia na Fórmula 1 vindo de um título GP2 Series em 2006.[207] Superando todas as expectativas em sua temporada inicial, conquistou pódio em nove das dez corridas iniciais, vencendo quatro corridas ao longo da temporada, sendo considerado por muitos analistas como o melhor início de temporada de um piloto na categoria. Por conta deste início fenomenal, uma rivalidade muito forte foi criada com o seu companheiro de equipe, Alonso, que pretendia defender seu título mundial nesta temporada. Em uma entrevista, inclusive, logo após o GP do Canadá daquele ano, primeira vitória da carreira de Hamilton, Alonso acusou a McLaren de favorecer o piloto britânico nas corridas.[208] Ao final do campeonato, os dois pilotos conquistaram a mesma pontuação, 109 pontos cada um (um ponto a menos que Kimi Raikkonen, campeão naquele ano), tendo Hamilton permanecido com a segunda posição, por conta dos critérios de desempate.[209]

Como já era tradicional na Fórmula 1, todos os testes oficiais de pré-temporada foram realizados em território espanhol. Contudo, por conta dos acontecimentos da temporada passada, Hamilton não era bem visto na Espanha. Durante a terceira sessão de testes, no Circuito da Catalunha em Montmeló, diversos jornalistas locais reportaram casos de vaias dos torcedores espanhóis contra Hamilton, enquanto este deslocava-se no paddock. Contudo, um grupo de torcedores promoveram diversos atos racistas, com casos de blackface, cânticos e xingamentos contra sua raça, além de insultos contra sua própria família. O Circuito da Catalunha tomou medidas rápidas para deter os infratores, removendo-os e isolando a área próxima aos boxes do piloto britânico.[210]

Após os acontecimentos, a Federação Internacional de Automobilismo alertou que poderia impor sérias sanções contra a Espanha, incluindo a possibilidade de remover as duas corridas da temporada no país (GP da Espanha em Montmeló e GP da Europa em Valência). Chamando os eventos de "repugnantes", o ministro do esporte britânico Gerry Sutcliffe disse à BBC que os eventos "questionam se a Espanha tem capacidade de receber um evento ao nível da Fórmula 1".[211] Após investigação, a FIA decidiu manter as corridas na Espanha, porém emitiu um comunicado, onde afirmou que caso mais algum grave caso de racismo ocorresse partindo de torcedores espanhóis, a organização voltaria atrás e cancelaria as duas provas. Além disso, a FIA ainda lançou o programa "Every Race", como forma de conscientizar o torcedor e conter o racismo dentro da categoria.[212] Tanto os Grandes Prêmios da Espanha como da Europa transcorreram sem nenhum caso de racismo registrado.[213]

CrashgateEditar

 
Fernando Alonso recebendo a premiação do primeiro lugar no GP de Singapura, enquanto Flavio Briatore recebe a premiação dos construtores.

O Grande Prêmio de Singapura de 2008 foi a décima quinta corrida do campeonato e ocorreu em 28 de setembro. Foi a primeira corrida noturna na história da Fórmula 1.[183] No fim de semana de corrida, apesar de Fernando Alonso ter obtido um bom desempenho nos treinos livres, a Renault teve uma sessão de qualificação ruim e teve posições baixas no grid, com Alonso iniciando na décima quinta posição, por conta de uma falha mecânica, e Nelson Piquet Jr. logo após, em décimo sexto.[214]

 
Momento da retirada do carro de Nelson Piquet Jr da pista, com a corrida sob regime de carro de segurança.

Durante a volta de aquecimento, Piquet Jr. rodou uma vez na pista, mas conseguiu concluir a volta e iniciar a corrida.[215] Após o início, Alonso foi o primeiro piloto a fazer um pit stop já na volta doze, retornando na última colocação.[216] Ele colocou uma carga menor de combustível no início da corrida, na tentativa de aumentar sua velocidade para ultrapassar os carros à sua frente, já que a maioria dos pilotos que se qualificam nas últimas posições do grid tendem a fazer o oposto e colocam cargas de combustível maiores para fazer um pit stop a menos do que os líderes, podendo economizar até trinta segundos. Três voltas depois da parada de Alonso, Piquet Jr. bateu na proteção do circuito na curva dezessete, uma das curvas que não tinha guindaste por perto, necessitando da entrada do carro de segurança para retirada do carro de Piquet Jr.[217]

O regulamentos da Fórmula 1 em 2008 deixavam claro que o pit lane estaria fechado até que todos os carros fossem alinhados atrás do carro de segurança. Portanto, a vantagem dos carros da frente seria eliminada antes que eles pudessem realizar sua parada e, após ela, eles voltariam à corrida atrás dos que já haviam parado.[206] Alonso, que parou antes da entrada do carro de segurança, ganhou uma vantagem significativa. Para evitar uma falta de combustível, alguns pilotos precisaram parar para reabastecer enquanto o pit lane estava fechado e foram penalizados por isso. Nenhuma ação foi tomada inicialmente sobre o acidente. Piquet Jr. inicialmente caracterizou o acidente como um simples erro.[183] No boletim de imprensa pós-corrida da Renault F1, a equipe descreveu o desempenho de Alonso como uma "movimentação tática brilhante", enquanto Briatore e Symonds atribuíram o uso do carro de segurança como um caso de sorte.[218]

Em 30 de agosto de 2009, reportagens da emissora de televisão brasileira Rede Globo declararam que Piquet Jr. recebeu ordem de provocar um acidente durante a corrida de Singapura.[219] A Federação Internacional de Automobilismo (FIA), anunciou imediatamente que estava investigando "supostos incidentes em um evento anterior da Fórmula 1".[220] Após isso, foi divulgado que o evento em questão era o GP de Singapura. Uma reunião extraordinária do Conselho Mundial do Automobilismo ocorreu em 21 de setembro de 2009, em Paris. Após uma audiência de noventa minutos, o conselho impôs um efeito suspensivo à Renault de dois anos. Isso significava que, se um incidente semelhante ocorresse antes de 2011, a Renault seria banida da Fórmula 1.[221] Flavio Briatore, chefe da equipe Renault e apontado como mandante do esquema, foi banido indefinidamente de qualquer evento sancionado pela FIA, enquanto Pat Symonds, engenheiro-chefe da Renault e também apontado como envolvido no esquema, recebeu uma proibição de cinco anos.[222] Além disso, Briatore foi proibido de gerenciar pilotos, sob a pena da suspensão de suas superlicenças por período indefinido. Alonso foi inocentado de irregularidades, já que a FIA não encontrou evidências de que ele ou seus mecânicos soubessem alguma coisa sobre o esquema.[223]

Ver tambémEditar

Notas

  1. a b c A Super Aguri anunciou sua retirada do campeonato no dia 6 de maio de 2008, com efeitos imediatos, alegando dificuldades financeiras.[33][34]

Referências

  1. «Lewis Hamilton becomes youngest world Formula One champion». Heraldsun.co.au. 3 de novembro de 2008. Consultado em 2 de novembro de 2008. Arquivado do original em 22 de setembro de 2009 
  2. a b c «2008 FIA Formula One Entry List». FIA.com. 4 de janeiro de 2008. Consultado em 4 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2008 
  3. «Mosley gives GPMA deadline to sign up». Manipe F1. 14 de fevereiro de 2006. Consultado em 14 de fevereiro de 2006. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2005 
  4. «Prodrive rule out 2008 Formula One entry». Formula1.com. 23 de novembro de 2007. Consultado em 24 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2007 
  5. «Minardi to return under Stoddart for 2008» (em inglês). Manipe F1. 28 de março de 2006. Consultado em 24 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2007 
  6. «Jordan entry for 2008 confirmed» (em inglês). Manipe F1. 2 de abril de 2006. Consultado em 24 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2007 
  7. «Direxiv entry for 2008 confirmed» (em inglês). Manipe F1. 1 de abril de 2006. Consultado em 24 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2007 
  8. «Carlin confirms F1 entry application» (em inglês). Yahoo Sports. 11 de abril de 2006. Consultado em 24 de março de 2021. Cópia arquivada em 5 de junho de 2011 
  9. «Ferrari unveil the F2008». Formula 1. 6 de janeiro de 2008. Consultado em 5 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2008 
  10. «Ferrari confirm Räikkönen, Massa for '07». formula1.com. 10 de setembro de 2007. Consultado em 5 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 12 de outubro de 2007 
  11. «Ferrari extend Massa's contract to 2010». formula1.com. 16 de outubro de 2007. Consultado em 24 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2007 
  12. «F1.08 a 'radical evolution', says Rampf». formula1.com. 14 de janeiro de 2008. Consultado em 5 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2008 
  13. a b «BMW Sauber retain Heidfeld and Kubica for 2008». formula1.com. 21 de agosto de 2007. Consultado em 6 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2008 
  14. «R28 designed for optimum tyre performance». formula1.com. 31 de janeiro de 2008. Consultado em 6 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2008 
  15. a b «Alonso to partner Piquet at Renault for 2008». formula1.com. 10 de dezembro de 2007. Consultado em 6 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2007 
  16. «New Williams breaks cover in Spain». formula1.com. 21 de janeiro de 2008. Consultado em 6 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2008 
  17. «Toyota engines for Williams in 2007». formula1.com. 27 de julho de 2006. Consultado em 20 de outubro de 2006. Arquivado do original em 30 de setembro de 2007 
  18. a b «Williams confirm Rosberg, Nakajima for 2008». formula1.com. 7 de novembro de 2007. Consultado em 8 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 29 de novembro de 2007 
  19. «Red Bull debut the RB4 at Jerez». formula1.com. 16 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2008 
  20. «Red Bull confirm Coulthard for 2008». formula1.com. 6 de julho de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 23 de março de 2008 
  21. «Webber aims to improve on 2007». autosport.com. 16 de janeiro de 2008. Consultado em 16 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2008 
  22. «Longer wheelbase, new aero concept for latest Toyota». formula1.com. 10 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2008 
  23. «Trulli commits to Toyota future». formula1.com. 28 de julho de 2006. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 23 de março de 2008 
  24. «Glock to race for Toyota in 2008». formula1.com. 19 de novembro de 2007. Consultado em 19 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2007 
  25. «Vettel: Starting '08 with '07 car has advantages». formula1.com. 28 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 31 de janeiro de 2008 
  26. «New Toro Rosso hits the track in Spain». formula1.com. 16 de abril de 2008. Consultado em 16 de abril de 2008. Cópia arquivada em 20 de abril de 2008 
  27. «Bourdais secures 2008 Toro Rosso seat». formula1.com. 10 de agosto de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2008 
  28. «Vettel to stay at Toro Rosso for 2008». formula1.com. 2 de agosto de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 23 de março de 2008 
  29. «Honda targeting points at every race». formula1.com. 29 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2008 
  30. Brundle, Martin (19 de julho de 2007). «Honda keep Button & Barrichello». London: The Times. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Arquivado do original em 18 de abril de 2017 
  31. «Barrichello staying with Honda for 2008». formula1.com. 19 de julho de 2007. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 24 de março de 2008 
  32. «February launch for new Super Aguri». formula.com. 8 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2008 
  33. «Super Aguri pulls out of F1». ITV-F1.com. 6 de maio de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 23 de setembro de 2009 
  34. «Super Aguri put into administration». ITV-F1.com. 7 de maio de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 23 de setembro de 2009 
  35. «Force India usher in a new era at Mumbai launch». formula1.com. 7 de fevereiro de 2008. Consultado em 11 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2008 
  36. «Exclusive interview – Spyker's Dr Vijay Mallya». formula1.com. 10 de outubro de 2007. Consultado em 10 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2007 
  37. a b c «Fisichella, Sutil, Liuzzi confirmed at Force India». formula1.com. 10 de janeiro de 2007. Consultado em 11 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2008 
  38. «McLaren launch the MP4-23 in Stuttgart». formula1.com. 2 de julho de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2008 
  39. «Hamilton commits to McLaren until 2012». formula1.com. 18 de janeiro de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2008 
  40. «Kovalainen to partner Hamilton at McLaren for 2008». formula1.com. 14 de dezembro de 2007. Consultado em 14 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2007 
  41. «Mallya and Mol are new Spyker owners». formula1.com. 10 de maio de 2007. Consultado em 14 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 21 de outubro de 2007 
  42. «And the 12th team for 2008 is...». formula1.com. 28 de abril de 2006. Consultado em 22 de junho de 2007. Arquivado do original em 24 de outubro de 2007 
  43. «Prodrive rule out 2008 Formula One entry». formula1.com. 23 de novembro de 2007. Consultado em 23 de novembro de 2007. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2007 
  44. «Super Aguri set to cut 30 jobs». autosport.com. 20 de novembro de 2007. Consultado em 2 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2008 
  45. «Indian group considering Aguri investment». autosport.com. 31 de janeiro de 2008. Consultado em 2 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2008 
  46. «Sato and Davidson not yet confirmed». autosport.com. 4 de janeiro de 2008. Consultado em 4 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2008 
  47. «Super Aguri F1 team confirms new partner and drivers for 2008 season». Super Aguri F1 team official website. 10 de março de 2008. Consultado em 10 de março de 2008. Arquivado do original em 23 de novembro de 2008 
  48. «Super Aguri withdraw from Formula One». autosport.com. 6 de maio de 2008. Consultado em 6 de maio de 2008. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2010 
  49. «Mosley concerned about Aguri's survival». GPUpdate.net. 30 de janeiro de 2007. Consultado em 28 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 16 de junho de 2012 
  50. a b «Alonso returns to Renault for 2008» (em inglês). Reuters. 10 de dezembro de 2007. Consultado em 25 de Março de 2021. Cópia arquivada em 25 de março de 2021 
  51. «2008 driver line-up almost set as Fisichella joins Force India» (em inglês). RaceFans. 10 de janeiro de 2008. Consultado em 25 de Março de 2021. Cópia arquivada em 25 de março de 2021 
  52. «Ralf Schumacher to leave Toyota» (em inglês). Autosport. 1 de outubro de 2007. Consultado em 25 de Março de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2021 
  53. «Toro Rosso confirm Bourdais for 2008» (em inglês). AutoSport. 10 de agosto de 2007. Consultado em 25 de Março de 2021. Cópia arquivada em 25 de março de 2021 
  54. «2008 FIA Formula One Calendar». formula1.com. 24 de outubro de 2007. Consultado em 24 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2007 
  55. «Singapore confirms 2008 night race». formula1.com. 11 de maio de 2007. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 17 de maio de 2010 
  56. «Night-time practice and qualifying for Singapore». Formula1.com. 31 de janeiro de 2008. Consultado em 3 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2008 
  57. «Valencia hosts grand prix in 2008 - CNN.com». CNN. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 7 de julho de 2007 
  58. «Indianapolis won't host US GP in 2008». autosport.com. 12 de julho de 2007. Consultado em 3 de maio de 2010. Cópia arquivada em 14 de julho de 2007 
  59. «French Grand Prix under threat for 2008». ITV-F1.com. 29 de março de 2007. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 11 de janeiro de 2008 
  60. «Ecclestone agrees to keep French GP». Autosport. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2007 
  61. «McLaren, Microsoft confirm ECU supply». autosport.com. 11 de dezembro de 2006. Consultado em 11 de dezembro de 2006. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2006 
  62. «Traction control axed from 2008». formula1.com. 30 de março de 2007. Consultado em 30 de março de 2007. Arquivado do original em 3 de julho de 2007 
  63. «Engine freeze shortened to five years». autosport.com. 13 de janeiro de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2008 
  64. «Teams agree engine penalty rule tweak». ITV-F1.com. 18 de janeiro de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2008 
  65. «F1 Rule Changes for 2008». Formula1.com. 18 de janeiro de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Cópia arquivada em 23 de março de 2010 
  66. a b c «Understanding F1 2008: New regulations». f1complete.com. Consultado em 9 de março de 2008. Arquivado do original em 18 de março de 2008 
  67. «Bridgestone to be sole tyre supplier». formula1.com. 6 de julho de 2006. Consultado em 6 de julho de 2006. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2009 
  68. «Bridgestone to mark extreme wet tyres in 2008». formula1.com. 3 de julho de 2008. Consultado em 3 de julho de 2008. Cópia arquivada em 8 de julho de 2008 
  69. «Deciding the grid - A history of F1 qualifying formats». Formula 1 (em inglês). Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2016 
  70. «Qualifying adjusted after Aguri exit». ITV-F1.com. 8 de maio de 2008. Consultado em 3 de maio de 2010. Arquivado do original em 25 de setembro de 2009 
  71. «2008 testing gets underway in Spain». Formula1.com. 14 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2008 
  72. «Valencia day one – Alonso leads Hülkenberg». Formula1.com. 22 de janeiro de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2008 
  73. «Barcelona day one – Hamilton sets the standard». Formula1.com. 2 de fevereiro de 2008. Consultado em 10 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008 
  74. «Bahrain day one – Ferrari one-two in testing». Formula1.com. 4 de fevereiro de 2008. Consultado em 4 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008 
  75. «Jerez day one – Red Bull lead Williams in Spain». Formula1.com. 12 de fevereiro de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2008 
  76. «Jerez day two – McLaren enjoy a flying start». Formula1.com. 13 de fevereiro de 2008. Consultado em 13 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2008 
  77. «Barcelona day one – Rosberg sets wet benchmark». Formula1.com. 20 de fevereiro de 2008. Consultado em 20 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2008 
  78. a b «Team Testing - 27th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  79. «Team Testing - 14th January - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  80. «Team Testing - 15th January - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  81. «Team Testing - 16th January - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  82. «Team Testing - 22th January - Valencia - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  83. «Team Testing - 23th January - Valencia - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  84. «Team Testing - 24th January - Valencia - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  85. «Team Testing - 1st February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  86. «Team Testing - 2nd February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  87. «Team Testing - 3rd February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  88. «Team Testing - 12th February - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  89. «Team Testing - 13th February - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  90. «Team Testing - 14th February - Jerez - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  91. «Team Testing - 19th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  92. «Team Testing - 20th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  93. «Team Testing - 21th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  94. «Team Testing - 25th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  95. «Team Testing - 26th February - Barcelona - 2008» (em inglês). TSL Timing. Consultado em 26 de maio de 2020 
  96. «Fórmula 1 - GP da Austrália 2008». GloboEsporte. Consultado em 27 de maio de 2020 
  97. «Hamilton x Alonso: Companheiros infelizes se tornam rivais respeitáveis». Universo Online. Consultado em 29 de maio de 2020 
  98. «2008 Australia Grand Prix - Stats». StatsF1. Consultado em 29 de maio de 2020 
  99. Noble, Jonathan. «McLaren drivers docked five places». Autosport (em inglês). Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2018 
  100. «Räikkönen vence GP da Malásia e traz "normalidade" à F-1». Universo Online. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  101. «Malaysian Grand Prix as it happened» (em inglês). BBC. 23 de março de 2008. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2020 
  102. «Ferrari pair cruise to easy one-two». Race Fans. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  103. «Bahrein - Race Standings» (em inglês). F1. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2019 
  104. «Raikkonen leads crushing Ferrari one-two». Race Fans. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 10 de julho de 2018 
  105. «Kimi Raikkonen on pole position». France24 (em inglês). 26 de abril de 2008. Consultado em 28 de Junho de 2020. Cópia arquivada em 2 de julho de 2012 
  106. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 27 de abril de 2008. Consultado em 12 de abril de 2009. Arquivado do original em 17 de novembro de 2008 
  107. «Spanish GP - Sunday - Race Report: Kimi all the way (well nearly)». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 27 de abril de 2008. Consultado em 12 de abril de 2009. Arquivado do original em 6 de abril de 2009 
  108. Jonathan Noble and Pablo Elizalde (27 de abril de 2008). «Kovalainen expected to race in Turkey». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 12 de abril de 2009. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  109. Alan Henry (2008). Autocourse 2008–09. [S.l.]: CMG Publishing. p. 126. ISBN 1-905334-31-1 
  110. a b «Race Classification». Fédération Internationale de l'Automobile. 2 de novembro de 2008. Consultado em 1 de março de 2009. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2010 
  111. «Spain race analysis - Ferrari unbeatable, as midfield battle rages». Formula One. 28 de abril de 2008. Consultado em 28 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2012 
  112. «Spain Sunday quotes: Toyota». Autosport. 27 de abril de 2008. Consultado em 12 de abril de 2009. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  113. «Team demise changes Qualifying». BBC Sport. 7 de maio de 2008. Consultado em 3 de março de 2009. Cópia arquivada em 11 de maio de 2008 
  114. a b «FIA official Qualifying Classification». FIA. 9 de maio de 2008. Consultado em 9 de maio de 2008. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2010 
  115. Henry, Alan (11 de maio de 2008). «McLaren review Turkey». guardian.co.uk. London: Guardian News and Media. Consultado em 7 de março de 2009. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  116. Elizalde, Paolo (11 de maio de 2008). «Force India laments troubled start». Autosport Official Website. Consultado em 15 de maio de 2008. Cópia arquivada em 14 de maio de 2008 
  117. a b c «Official FIA race report». Fédération Internationale de l'Automobile. 11 de maio de 2008. Consultado em 25 de abril de 2009. Arquivado do original em 17 de novembro de 2008 
  118. «FIA official Race Classification». FIA. 9 de maio de 2008. Consultado em 9 de maio de 2008. Arquivado do original em 16 de novembro de 2008 
  119. Steven English (24 de maio de 2008). «Massa heads all-Ferrari front row». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 9 de maio de 2009. Cópia arquivada em 26 de maio de 2008 
  120. Alan Henry (dezembro de 2008). Autocourse 2008–2009. [S.l.]: CMG Publishing. p. 144. ISBN 1-905334-31-1 
  121. Jonathan Noble (25 de maio de 2008). «Drivers 'nervous' ahead of wet Monaco». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 28 de maio de 2008 
  122. a b c Geoff Creighton and Emlyn Hughes (25 de maio de 2008). «As it happened: Raceday in Monte Carlo». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 28 de maio de 2008 
  123. Jonathan Noble (25 de maio de 2008). «Tyre strategies – Monaco GP». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 27 de maio de 2008 
  124. Sarah Holt (25 de maio de 2008). «Monaco Grand Prix: As it happened». BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 27 de maio de 2009 
  125. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 25 de maio de 2008. Consultado em 10 de maio de 2009. Arquivado do original em 17 de novembro de 2008 
  126. «Race Classification». Fédération Internationale de l'Automobile. 25 de maio de 2008. Consultado em 23 de abril de 2009. Arquivado do original em 4 de junho de 2011 
  127. «Qualifying analysis — take nothing for granted in Montreal». Formula1.com. 8 de junho de 2008. Consultado em 8 de junho de 2008. Cópia arquivada em 8 de junho de 2008 
  128. a b «Canada Sunday quotes: Force India». autosport.com. 8 de junho de 2008. Consultado em 10 de julho de 2008. Cópia arquivada em 12 de junho de 2008 
  129. Matt Beer (8 de junho de 2008). «Kubica leads historic BMW 1-2 in Canada». autosport.com. Consultado em 10 de julho de 2008. Cópia arquivada em 10 de julho de 2008 
  130. Pablo Elizalde (8 de junho de 2008). «Hamilton, Rosberg hit with grid penalty». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 19 de maio de 2009. Cópia arquivada em 11 de junho de 2008 
  131. «Canada Sunday quotes: Ferrari». autosport.com. 8 de junho de 2008. Consultado em 15 de julho de 2008. Cópia arquivada em 11 de junho de 2008 
  132. «Canada Sunday quotes: Renault». Autosport. 8 de junho de 2008. Consultado em 11 de junho de 2008. Cópia arquivada em 11 de junho de 2008 
  133. Matt Beer (21 de junho de 2008). «Raikkonen on Ferrari's 200th pole - France». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 24 de maio de 2009. Cópia arquivada em 23 de junho de 2008 
  134. Hall, Sam (27 de maio de 2017). «Kimi Räikkönen takes pole for F1 Monaco Grand Prix». Autoweek. Consultado em 18 de abril de 2020. Cópia arquivada em 18 de abril de 2020 
  135. a b «Official FIA race report». Fédération Internationale de l'Automobile. 22 de junho de 2008. Consultado em 13 de maio de 2009. Arquivado do original em 17 de novembro de 2008 
  136. «It all goes wrong for Hamilton in Magny-Cours». The Official Formula 1 Website. 22 de junho de 2008. Consultado em 26 de maio de 2009. Arquivado do original em 13 de julho de 2010 
  137. Emlyn Hughes and Geoff Creighton (24 de junho de 2008). «Live: Raceday at Magny Cours». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 25 de maio de 2009. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2008 
  138. «Trulli overjoyed with podium». Sky Sports. Sky. 22 de junho de 2008. Consultado em 30 de junho de 2009. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2008 
  139. Strang, Simon; Straw, Edd (5 de julho de 2008). «Hamilton 'happy' with fourth on the grid». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 5 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 8 de junho de 2011 
  140. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 6 de julho de 2008. Consultado em 7 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2010 
  141. Mike Norrish and agencies (6 de julho de 2008). «Lewis Hamilton wins British Grand Prix». The Daily Telegraph. Consultado em 6 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2008 
  142. a b «British GP - Sunday - Race Report: Lewis shows his class». Grandprix.com. Inside F1, Inc. 6 de julho de 2008. Consultado em 7 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 1 de abril de 2016 
  143. Matt Beer (6 de julho de 2008). «Hamilton takes dominant home victory». Autosport. Haymarket Publishing. Consultado em 8 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2011 
  144. a b Lyon, Sam (6 de julho de 2008). «British Grand Prix: As it happened». BBC Sport. BBC. Consultado em 24 de junho de 2014. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2020 
  145. Creighton, Geoff; Hughes, Emelyn (6 de julho de 2008). «As it happened: Raceday at Silverstone». Autosport. Haymarket Publications. Consultado em 24 de junho de 2014. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  146. «2008 German Grand Prix Qualifying times». Formula 1. 19 de julho de 2008. Consultado em 13 de março de 2009. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2008 
  147. «German GP - Sunday - Race Report». Grandprix.com. Consultado em 4 de março de 2009. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2009 
  148. a b Creighton, Geoff; Hughes, Emlyn (20 de julho de 2008). «Live:Raceday at Hockenheim». Autosport.com. Consultado em 4 de março de 2009. Cópia arquivada em 30 de julho de 2008 
  149. a b c Benson, Andrew (20 de julho de 2008). «German Grand Prix». BBC Sport. Consultado em 21 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2008 
  150. Henry, Alan, ed. (dezembro de 2008). Autocourse 2008-09. [S.l.]: CMG Publishing. 187 páginas. ISBN 1-905334-31-1 
  151. Henry, Alan, ed. (dezembro de 2008). Autocourse 2008-09. [S.l.]: CMG Publishing. pp. 190–191. ISBN 1-905334-31-1 
  152. Hamilton, Lewis (2 de agosto de 2008). «Qualifying – selected driver quotes». Fórmula 1. Consultado em 14 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 13 de julho de 2010 
  153. a b c d Hughes, Mark (7 de agosto de 2008). «F1 Report, Hungarian Grand Prix: Felipe's Pain, Heikki's Gain». Autosport. 193 (6): 40 
  154. a b c Arron, Simon (2008). «Grands Prix 2008: Hungarian Grand Prix». Autocourse 2008–2009. [S.l.]: Crash Media Group. p. 195. ISBN 978-1-905334-31-5 
  155. Arron, Simon (2008). «Grands Prix 2008: Hungarian Grand Prix». Autocourse 2008–2009. [S.l.]: Crash Media Group. p. 198. ISBN 978-1-905334-31-5 
  156. Henry, Alan (2008). «Grands Prix 2008: Hungarian Grand Prix». Autocourse 2008–2009. [S.l.]: Crash Media Group. pp. 200–201. ISBN 978-1-905334-31-5 
  157. Matt Beer (23 de agosto de 2008). «Massa beats Hamilton to Valencia pole». Autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 15 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2008 
  158. «Official FIA race report». Fédération Internationale de l'Automobile. 24 de agosto de 2008. Consultado em 20 de agosto de 2009. Arquivado do original em 31 de julho de 2009 
  159. Sarah Holt (24 de agosto de 2008). «As it happened - European Grand Prix». BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2008 
  160. «Europe: Massa fined, keeps win». Manipe F1. 24 de agosto de 2008. Consultado em 24 de agosto de 2008. Arquivado do original em 23 de agosto de 2009 
  161. «Pit-lane dramas plague Ferrari as Raikkonen retires». 24 de agosto de 2008. Consultado em 25 de agosto de 2008. Arquivado do original em 25 de agosto de 2008 
  162. «2008 Formula 1 Telefonica Grand Prix of Europe». The Official Formula 1 Website. Consultado em 10 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2008 
  163. «Belgian GP - Saturday - Qualifying Session Results». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 6 de setembro de 2008. Consultado em 22 de novembro de 2009. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2008 
  164. «Belgium race analysis - controversy blows title chase wide open». Formula1.com. 8 de setembro de 2008. Consultado em 23 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2008 
  165. «Belgium Sunday quotes: Ferrari». Autosport.com. 7 de setembro de 2008. Consultado em 27 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2008 
  166. James Allen (8 de setembro de 2008). «James Allen's verdict». ITV-F1. Consultado em 24 de setembro de 2008. Arquivado do original em 22 de setembro de 2008 
  167. Matt Beer (7 de setembro de 2008). «Hamilton takes thrilling Spa victory». autosport.com. Consultado em 27 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2008 
  168. Jonathan Noble and Pablo Elizalde (7 de setembro de 2008). «Hamilton hails 'incredible' victory». autosport.com. Consultado em 27 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2008 
  169. FIA, the Stewards of the Meeting (7 de setembro de 2008). «2008 Belgian Grand Prix, Document 49» (PDF). FIA.com. Consultado em 25 de setembro de 2008. Arquivado do original (PDF) em 11 de setembro de 2008 
  170. «Record-breaking Vettel puts Toro Rosso on pole at Monza». Formula1.com. Formula One Management. 13 de setembro de 2008. Consultado em 28 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2012 
  171. «Qualifying Results». Formula1.com. Formula One Management. 13 de setembro de 2008. Consultado em 19 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2008 
  172. a b «Italian GP - Sunday - Race Incidents». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 14 de setembro de 2008. Consultado em 2 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2008 
  173. «Italy Sunday quotes: McLaren». autosport.com. Haymarket Publishing. 14 de setembro de 2008. Consultado em 26 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 16 de setembro de 2008 
  174. a b Geoff Creighton and Emlyn Hughes (14 de setembro de 2008). «As it happened: Raceday at Monza». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 20 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2008 
  175. «Italy Pit Stop Summary». Formula1.com. Formula One Management. 14 de setembro de 2008. Consultado em 26 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2009 
  176. «Italy Results». Formula1.com. Formula One Management. 14 de setembro de 2008. Consultado em 26 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2008 
  177. «Vettel takes historic Italian Grand Prix win». Formula1.com. Formula One Management. 14 de setembro de 2008. Consultado em 27 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2008 
  178. «Singapore Saturday quotes: McLaren». Autosport.com. 27 de setembro de 2008. Consultado em 28 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2008 
  179. «Alonso steals Singapore win from 15th on grid». GPUpdate.net. 28 de setembro de 2008. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de março de 2012 
  180. a b «Renault celebrates 'amazing' victory». GPUpdate.net. 28 de setembro de 2008. Consultado em 29 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 21 de março de 2012 
  181. a b «Singapore GP – Sunday – Press Conference». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 28 de setembro de 2008. Consultado em 6 de setembro de 2009. Arquivado do original em 3 de setembro de 2009 
  182. «Alonso steals Singapore win from 15th on grid». GPUpdate.net. 28 de setembro de 2008. Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  183. a b c «Renault blames Briatore & Symonds». BBC Sport. 17 de setembro de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2009 
  184. Matt Beer (12 de outubro de 2008). «Hamilton secures Japanese GP pole». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 4 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2008 
  185. «Japanese GP – Sunday – Race Report: The mystery of the Renault diamond». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 12 de outubro de 2008. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2008 
  186. «Penalties put Hamilton and Massa out of contention at Fuji». Formula1.com. Formula One Management. 12 de outubro de 2008. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2008 
  187. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 14 de outubro de 2008. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 14 de novembro de 2008 
  188. Simon Strang (12 de outubro de 2008). «Kovalainen says Hamilton's move 'fair'». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2008 
  189. Geoff Creighton and Emlyn Hughes (12 de outubro de 2008). «As it happened: Raceday at Fuji Speedway». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2008 
  190. «Japan Sunday quotes: Ferrari». autosport.com. Haymarket Publishing. 12 de outubro de 2008. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2008 
  191. «Japanese Grand Prix – selected driver quotes». Formula1.com. Formula One Management. 12 de outubro de 2008. Consultado em 10 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2008 
  192. «Chinese GP - Saturday - Qualifying Session: Results». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 18 de setembro de 2008. Consultado em 19 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 14 de novembro de 2008 
  193. «China race analysis - Hamilton answers his critics». Formula1.com. Formula One Management. 20 de outubro de 2008. Consultado em 7 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 23 de outubro de 2008 
  194. «China Pit Stop Summary». Formula1.com. Formula One Management. 19 de outubro de 2008. Consultado em 7 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2008 
  195. a b Sarah Holt (19 de outubro de 2008). «Chinese Grand Prix: As it happened». BBC Sport. British Broadcasting Corporation. Consultado em 7 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2008 
  196. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 19 de outubro de 2008. Consultado em 20 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 17 de novembro de 2008 
  197. «Chinese GP - Sunday - Race Report: Lewis's Chinese takeaway». GrandPrix.com. Inside F1, Inc. 19 de outubro de 2008. Consultado em 7 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2009 
  198. Matt Beer (1 de novembro de 2008). «Massa grabs Brazil pole, Hamilton fourth». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 14 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 30 de abril de 2019 
  199. «Massa storms to vital pole, Hamilton qualifies fourth in Brazil». Formula1.com. Formula One Management. 1 de novembro de 2008. Consultado em 14 de novembro de 2008. Arquivado do original em 6 de novembro de 2008 
  200. «volta Chart». Fédération Internationale de l'Automobile. 2 de novembro de 2008. Consultado em 9 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2010 
  201. «Brazil race analysis – Hamilton holds his nerve for glory». Formula1.com. Formula One Management. 3 de novembro de 2008. Consultado em 15 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2008 
  202. «Brazil Pit Stop Summary». Formula1.com. Formula One Management. 2 de novembro de 2008. Consultado em 15 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2008 
  203. a b c d Geoff Creighton and Emlyn Hughes (2 de novembro de 2008). «As it happened: Showdown at Interlagos». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 14 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2019 
  204. «Race Facts». Fédération Internationale de l'Automobile. 2 de novembro de 2008. Consultado em 27 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2008 
  205. a b Pablo Elizalde (2 de novembro de 2008). «Glock said car was very hard to drive». autosport.com. Haymarket Publishing. Consultado em 15 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2008 
  206. a b c d «2008 Formula One Sporting Regulations» (PDF). Fédération Internationale de l'Automobile. Consultado em 27 de maio de 2020 
  207. «Túnel do tempo! Há dez anos, Hamilton vencia a GP2». Red Bull. Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 22 de junho de 2020 
  208. «Ex-McLaren diz que Alonso tinha razão em 2007: "Queriam Hamilton campeão"». UOL. Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 22 de junho de 2020 
  209. «Do you remember… Hamilton's rookie title bid hitting the rocks in China». Formula 1 (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 22 de abril de 2020 
  210. Abend, Lisa (5 de fevereiro de 2008). «Sports Racism: The Stain in Spain». Time (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2017 
  211. «Hamilton saddened by racist abuse» (em inglês). BBC News. 4 de fevereiro de 2008. Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2020 
  212. {{Citar web |url=http://www.theguardian.com/sport/2008/nov/01/lewis-hamilton-spain |titulo=Spanish racists vent hate for Hamilton |data=2008-11-01 |acessodata=2020-06-22 |obra=The Guardian |lingua=en|wayb=20151008092415}
  213. «McLaren, FIA condemn racist attacks on Hamilton». ESPN.com (em inglês). 30 de outubro de 2008. Consultado em 22 de junho de 2020 
  214. «Grid Standings - 2008 Singapore Grand Prix». Formula 1 (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  215. Arron, Simon (28 de setembro de 2008). «Lewis Hamilton in pole position for F1 title after Felipe Massa's costly Singapore slip». The Daily Telegraph. Singapore. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  216. Hamilton, Maurice (4 de setembro de 2009). «FIA charges Renault over Nelson Piquet Jr crash in Singapore». The Guardian. London. Consultado em 17 de setembro de 2009 
  217. «Singapore crash: what they are saying». The Telegraph. London. 17 de setembro de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2009 
  218. Gorman, Ed (17 de setembro de 2009). «A load of utter rubbish from Renault after a "complicated" night for Nelson Piquet». Formula One Blog. The Times. Consultado em 18 de setembro de 2009. Arquivado do original em 22 de setembro de 2009 
  219. Hamilton, Maurice (31 de agosto de 2009). «Renault may quit Formula One over new cheating claim». The Guardian. London. Consultado em 13 de setembro de 2009 
  220. «F1 launches Singapore race probe». BBC News. 31 de agosto de 2009. Consultado em 17 de setembro de 2009 
  221. «FIA Press Release». Fédération Internationale de l'Automobile. Arquivado do original em 4 de outubro de 2009 
  222. «Renault handed suspended F1 ban». BBC Sport. 21 de setembro de 2009. Consultado em 22 de maio de 2010 
  223. Noble, Jonathan (21 de setembro de 2009). «Renault given two-year suspended ban». autosport.com. Haymarket Publications. Consultado em 21 de setembro de 2009 

Ligações externasEditar