Afeganistão

país da Ásia
(Redirecionado de Geografia do Afeganistão)
د افغانستان اسلامي امارت (pastó)
(Də Afġānistān Islāmī Imārat)
امارت اسلامی افغانستان (dari)
(Emārat-e Eslāmi-ye Afghānestān)

Emirado Islâmico do Afeganistão
Bandeira do Emirado Islâmico do Afeganistão
Brasão do Emirado Islâmico do Afeganistão
Bandeira Brasão
Lema: لا إله إلا الله محمد رسول الله
Lā ʾilāha ʾillā l–lāh, Muḥammadun rasūlu l–lāh ("Não outra divindade além de Alá; Maomé é o seu profeta") (Chahada)
Hino nacional: دا د باتورانو کور
Dā də bātorāno kor ("Esta é a Pátria dos Corajosos")[1][2][3][4]
Gentílico: afegão, afegã, afegane e afegânico

Localização Afeganistão

Localização do Afeganistão.
Capital Cabul
Cidade mais populosa Cabul
Língua oficial pastó e dari[5]
Religião oficial Islamismo
Governo Autocracia islâmica unitária teocrática sob governo provisório
 - Emir e Comandante dos Fiéis Hibatullah Akhundzada
 - Primeiro-ministro Mohammad Hassan Akhund (interino)
 - 1º Vice-primeiro-ministro Abdul Ghani Baradar (interino)
 - 2º Vice-primeiro-ministro Abdul Salam Hanafi (interino)
Formação  
 - Império Hotaqui 1709-1738 
 - Império Durrani 1747-1842 
 - Emirado 1823-1926 
 - Reconhecido 19 de agosto de 1919 
 - Reino 9 de junho de 1926 
 - República 17 de julho de 1973 
 - Emirado Islâmico 7 de setembro de 1996 
 - República Islâmica 26 de janeiro de 2004 
 - Queda da República Islâmica 15 de agosto de 2021 
Área  
 - Total 652 090 km² (41.º)
 - Água (%) n/d
 Fronteira Irão (O)
Turquemenistão (NO)
Uzbequistão (N)
Tajiquistão (N)
China (NE)
Paquistão (SE)
População  
 - Estimativa para 2018 32 225 560[6] hab. (34.º)
 - Censo 1979 13 051 358 hab. 
 - Densidade 46 hab./km² (150.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 61,689 bilhões*[7] 
 - Per capita US$ 1 972[7] 
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 21,706 bilhões*[7] 
 - Per capita US$ 693[7] 
IDH (2019) 0,511 (169.º) – baixo[8]
Moeda Afegane (AFA)
Fuso horário (UTC+4:30)
Clima Desértico
Org. internacionais ONU
Cód. ISO AFG
Cód. Internet .af
Cód. telef. +93
Website governamental www.president.gov.af

Mapa Afeganistão

O Afeganistão (em persa e pastó: افغانستان, Afġānistān), oficialmente Emirado Islâmico do Afeganistão (em pastó: د افغانستان اسلامي امارت, Da Afġānistān Islāmī Imārāt e em persa: امارت اسلامی افغانستان, Imârat-i Islâmī-yi Afġânistân), é um país sem litoral, montanhoso, localizado no centro da Ásia, estando na encruzilhada entre o Sul da Ásia, a Ásia Central e a Ásia Ocidental. Faz fronteira com o Paquistão ao sul e ao leste, com o Irã ao oeste, com o Turcomenistão, Uzbequistão e Tajiquistão ao norte e com China no nordeste. Ocupando 652 230 km², sendo o 41.º maior do mundo em área, o Afeganistão é predominantemente montanhoso, com planícies no norte e sudoeste. Cabul é a capital e a maior cidade, com uma população estimada em 4,6 milhões, sendo o 37.º país mais populoso do mundo,[9] composta principalmente de etnias pastós, tajiques, hazaras e usbeques.

O território do Afeganistão foi um ponto essencial para a rota da seda e para a migração humana. Arqueólogos encontraram evidências de presença humana remontantes ao Paleolítico Médio (c.50 000 a.C.).[10] A civilização urbana pode ter começado entre 3 000 e 2 000 a.C.[11] O país fica em uma localização geoestratégica importante que liga o Oriente Médio à Ásia Central e ao subcontinente indiano,[12] tendo sido a casa de vários povos através dos tempos.[13] A terra tem testemunhado muitas campanhas militares, desde a Antiguidade: as mais notáveis feitas por Alexandre o Grande, Chandragupta Máuria, Gêngis Cã, pela União Soviética e, mais recentemente, pelos Estados Unidos e OTAN.[10][11] Também foi local de origem de várias dinastias locais como os Greco-bactrianos, Cuchanas, Safáridas, Gasnévidas, Gúridas, Timúridas, Mogóis e muitos outros que criaram seus próprios impérios.[carece de fontes?]

A história política moderna do Afeganistão começa em 1709, com a ascensão dos pastós (ou Pastós), quando a dinastia Hotaki foi criada em Candaar, seguida por Ahmad Shah Durrani, subindo ao poder em 1747.[14][15][16] A capital do Afeganistão foi transferida em 1776 de Candaar para Cabul e parte do Império Afegão foi cedida aos impérios vizinhos em 1893. No final do século XIX, o Afeganistão tornou-se um Estado tampão, no grande jogo entre os impérios britânico e russo.[17] Essa circunstância histórica, combinada com o terreno montanhoso do país, impediu o domínio de potências imperialistas sobre o país, mas também resultou em baixo desenvolvimento econômico.[18] Depois da Terceira Guerra Anglo-Afegã e a assinatura do Tratado de Rawalpindi em 1919, o país recuperou o controle de sua política externa com os britânicos.[19] Após a revolução marxista de 1978 e a invasão soviética em 1979, teve início uma guerra entre as forças governamentais apoiadas por tropas soviéticas e os rebeldes mujahidin, apoiados pelos Estados Unidos, Paquistão, Arábia Saudita e outros países muçulmanos.[20] Nesse conflito, mais de um milhão de afegãos perderam a vida, muitos deles vítimas de minas terrestres.[21][22] Após a vitória dos rebeldes, em 1992, teve início uma guerra civil, entre diversos grupos rebeldes, que foi vencida pelos talibãs. Depois dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, teve início um novo conflito, decorrente da intervenção de forças norte-americanas no país.[23] Em dezembro de 2001 o Conselho de Segurança das Nações Unidas autorizou a criação da Força Internacional de Assistência para Segurança para ajudar a manter a segurança no Afeganistão e ajudar a administração do presidente Hamid Karzai.[24] A guerra de vinte anos entre o governo e o talebã atingiu o clímax com a ofensiva talebã em 2021 e a consequente queda de Cabul.

As décadas de guerra fizeram do Afeganistão o país mais perigoso do mundo,[25] incluindo o título de maior produtor de refugiados e requerentes de asilo.[26] Enquanto a comunidade internacional está reconstruindo o Afeganistão dilacerado pela guerra, grupos terroristas como a rede Haqqani e Hezbi Islami estão ativamente envolvidos na insurgência talibã por todo o país,[27] que inclui centenas de assassinatos e ataques suicidas.[28] De acordo com a Organização das Nações Unidas, os insurgentes foram responsáveis por 75% das mortes de civis em 2010 e 80% em 2011.[29][30]

EtimologiaEditar

O nome Afeganistão (em persa: افغانستان, [avɣɒnestɒn])[31] significa "Terra dos Afegãos",[32] que se origina a partir do etnônimo "Afegão". Historicamente, o nome "Afegão" designa as pessoas pastós, o maior grupo étnico do Afeganistão.[33] Este nome é mencionado na forma de Abgan, no século III, pelo Império Sassânida,[34] como Avagana (afghana), no século VI, pelo astrônomo indiano Varahimira.[33] Um povo chamado de Afegãos é mencionado várias vezes no século X, no livro de geografia Hudud al-'alam, principalmente quando se faz referência a uma vila: "Saul, uma agradável vila nas montanhas. Onde vivem os Afegãos."[35]

Al-Biruni faz referência no século XI a várias tribos nas montanhas da fronteira ocidental do Rio Indo, conhecidas como Montanhas Sulaiman.[36] ibne Batuta, um famoso estudioso marroquino que visitou a região em 1333, escreve: "Nós viajamos para Cabul, antigamente uma grande cidade, o lugar agora é habitado por uma tribo de persas chamados afegãos. Eles vivem nas montanhas e desfiladeiros e possuem considerável força, e são muitas vezes salteadores. Sua principal montanha é chamada de Kuh Sulaiman."[37]

 
O nome "Afghaunistan" é escrito nesta litografia de 1847 por James Rattray

Um importante estudioso persa do século XVI explica extensamente sobre os afegãos. Por exemplo, ele escreve:

Os homens de Cabul e Khilji voltaram para casa; e quando eles foram questionados sobre os Muçulmanos do Coistão (as montanhas) e como estavam as coisas por lá, eles disseram, "Não chame de Coistão, mas Afeganistão, pois não há nada lá além dos afegãos e os distúrbios." Assim, é evidente que, o povo do país chamam a sua casa no seu próprio idioma como Afeganistão, e se nomeavam Afegãos.[38]
— Firishta 1560-1620 d.C.

É amplamente aceito que os termos pastó e afegão são sinônimos. Nos escritos do século XVII o poeta pastó Khushal Khan Khattak é mencionado:

Puxe sua espada e mate qualquer um, que diz que pastó e afegão não são um! Os Árabes sabem e assim fazem os Romanos: afegãos são pastós, pastós são afegãos![39]

A última parte do nome, -istão é um sufixo persa para "lugar", proeminente em muitas línguas da região. O nome "Afeganistão" é descrito no século XVI pelo imperador mogol Babur em suas memórias e também pelo estudioso persa Firishta e os descendentes de Babur, referindo-se a tradicional étnica afegã (pastó) territórios entre as montanhas de Indocuche e o Rio Indo.[40] No início do século XIX, Políticos afegãos decidiram por adotar o nome Afeganistão para todo o Império Afegão após sua tradução para o inglês já havia aparecido em diversos tratados com o Império Qajar e a Índia Britânica.[41] Em 1857, na análise de John William Kaye The Afghan Warm Friedrich Engels descreve o "Afeganistão" como:

[...]um extensivo país da Ásia[...] entre a Pérsia e as Índias, e na outra direção entre Indocuche e o Oceano Índico. Ele anteriormente incluía as províncias persas de Coração e Coistão juntamente com Herate, Baluchistão, Caxemira, Sinde e uma considerável parte da região de Punjabe[...] suas principais cidades são Cabul, a capital, Gásni, Pexauar e Candaar.[42]

O Reino do Afeganistão foi, por vezes referido como Reino de Cabul, como mencionado pelo estadista e historiador britânico Mountstuart Elphinstone.[43] O Afeganistão foi oficialmente reconhecido como um estado soberano pela comunidade internacional após a assinatura do Tratado de Rawalpindi em 1919.[44][45]

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História do Afeganistão
 
Expansão do califado

Humanos viveram no que hoje é o Afeganistão há pelo menos 50 000 anos.[46] Assentos permanentes emergiram na região há cerca de 9 000 anos atrás,evoluindo gradualmente à Civilização do Vale do Indo (Xortugai), the Civilização do Oxo (Dasliji) e a Civilização de Helmande (Mundigaque) no terceiro milênio antes de Cristo.[47] Os povos indo-arianos migraram pela região da Báctria-Margiana para Gandara, seguidos pelo surgimento da Cultura de Iaz I da Idade do Ferro (cerca de 1500–1100 a.C.),[48] que tem sido intimamente associada à cultura retratada no Avestá, os antigos textos religiosos do Zoroastrismo.[49] A região, então conhecida como "Ariana", caiu perante os Persas Aquemênidas no século VI a.C., que conquistou as áreas a leste até além do Rio Indo. O macedônio Alexandre o Grande invadiu a região no século IV a.C. e se casou com Roxana em Báctria antes de invadir o vale do Rio Cabul, de onde ele enfrentou resistência das tribos aspásios. O Reino Greco-Báctrio se tornou o canto mais a leste do Mundo Helênico. Após a conquista pelos indianos do Império Máuria, o budismo e o hinduísmo floresceram na região por séculos. O imperador Canisca I, do Império Cuchana, que governou de suas capitais gêmeas de Capisa e Purusapura, desempenhou um papel importante na disseminação do budismo Maaiana à China e a Ásia Central. Várias outras dinastias budistas se originaram nesta região também, incluindo os quidaritas, heftalitas, alconitas, nezaques, zambis e xaís turcos.

 
2003-2008

Os muçulmanos levaram o Islã para Herate e Zaranje, controlados pelos Sassânidas, em meados do século VII, enquanto a islamização mais completa foi alcançada entre os séculos IX e XII sob as dinastias Safárida, Samânida, Gasnévida e Gúrida. Partes da região foram posteriormente governadas pelos impérios Corásmio, Calji, Timúrida, Lodi, Sur, Mogal e Safávida.[50] A história política do moderno estado afegão começou com o Império Hotaqui, cujo o fundador Miruais Cã declarou o sul do Afeganistão independente em 1709. Em 1747, Amade Xá Durrani estabeleceu o Império Durrani com sua capital em Candaar. Em 1776, a capital Durrani foi transferida para Cabul, enquanto Pexauar se tornou a capital de inverno até que esta caiu em batalha para os Siques em 1823. No final do século XIX, o Afeganistão tornou-se um Estado tampão no "Grande Jogo" entre os impérios Britânico e Russo.[51][52]

Na Primeira Guerra Anglo-Afegã, de 1839 a 1842, tropas britânicas, vindas da Índia, tomaram o controle do Afeganistão, mas acabaram sendo derrotados decisivamente. Após a Terceira Guerra Anglo-Afegã de 1919, o país conseguiu se tornar independente da influência estrangeira. Em 1926, o Afeganistão se tornou uma monarquia sob comando de Amanulá Cã. Contudo, em 1973, o rei Zair foi derrubado e uma república de partido único foi estabelecida. Em 1978, após um segundo golpe de estado, o Afeganistão se tornou um Estado socialista, que levou a nação a passar boa parte da década de 1980 envolvido na Guerra Afegã-Soviética contra os rebeldes mujahidins. Em 1996, a maior parte do país havia sido tomado por fundamentalistas do grupo Talibã, que estabeleceram um regime totalitarista radical; eles foram derrubados do poder na invasão dos Estados Unidos em 2001, mas mantiveram controle e influência sob boa parte do país, especialmente nas zonas rurais e montanhosas. A guerra civil no país continuou entre o novo governo afegão e os insurgentes talibãs, que resultou em mais de 150 mil mortos, atrocidades, atentados terroristas, torturas, sequestros e assassinatos. Como a nova república afegã dependia imensamente da ajuda econômica e militar dos americanos, quando os Estados Unidos começou a se retirar, em 2020, o exército afegão entrou em colapso e o governo central começou a ruir.[53]

Em maio de 2021, o Talibã iniciou uma grande ofensiva generalizada e em poucos meses dominou a maioria dos distritos do país. Em agosto daquele ano, eles entraram na capital Cabul, completando o colapso da república afegã.[54]

GeografiaEditar

 
Mapa topográfico do Afeganistão
 Ver artigo principal: Geografia do Afeganistão

O Afeganistão é um país ao meio de um enclave montanhoso, com planícies a norte e sudoeste, localizado no sul da Ásia[12][55][56][57][58][59][60] ou na Ásia Central.[61] Faz parte do Grande Oriente Médio no mundo islâmico e fica entre as latitudes 29 N e 39 N e longitudes 60 E e 75 E. O ponto mais alto do país é Noshaq com 7 492 metros, acima do nível do mar.

 
Paisagens do Afeganistão

Apesar de ter numerosos rios e reservatórios, grande parte do país está seco. A bacia endorreica de Sistan é uma das regiões mais secas do mundo.[62] Além da chuva habitual que cai no Afeganistão, o país recebe neve durante o inverno no Indocuche e nas Montanhas Pamir, posteriormente, o derretimento dessa neve na primavera entra nos rios, lagos e riachos.[63][64] No entanto dois terços da água do país flui para os países vizinhos do Irã, Paquistão e Turcomenistão. O estado necessita de mais de 2 bilhões de dólares para reabilitar os sistemas de irrigação, de modo que a água seja gerida corretamente.[65]

Ao nordeste da cordilheira de Indocuche e em torno da Província de Badakhshan, existe uma área geologicamente ativa em que ocorrem fortes sismos, quase todos os anos.[66] Eles podem ser mortais e destrutivos, por vezes, causando deslizamento de terra e no inverno avalanches.[67] Os últimos fortes terremotos ocorreram em 1998, em Badakhshan perto do Tajiquistão, matando 6 mil pessoas.[68] Isto foi seguido pelos terremotos de 2002 em Indocuche, no qual mais de 150 pessoas morreram em vários países da região, e mais de mil ficaram feridos. O terremoto de 2010 deixou 11 afegãos mortos, mais de 70 feridos, e 2 mil casas destruídas.[carece de fontes?]

Os principais recursos naturais do país são: carvão mineral, cobre, minério de ferro, lítio, urânio, terra-rara, cromita, ouro, zinco, talco, barita, enxofre, chumbo, mármore, pedras preciosas e semipreciosas, gás natural, petróleo, entre outras coisas.[69] Em 2010, funcionários do Estados Unidos e Afeganistão estimaram que os depósitos minerais inexplorados localizados, em 2007, pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos valem entre US$ 900 bilhões e US$ 3 trilhões.[70][71]

Tem 652 230 km²,[72] sendo então o 41° maior país do mundo,[73] pouco maior que a França e menor que Myanmar. Faz fronteira com o Paquistão no sul e no leste, o Irã a oeste, Turcomenistão, Uzbequistão e Tajiquistão no norte, e a República Popular da China no extremo oriente.[carece de fontes?]

DemografiaEditar

 Ver artigo principal: Demografia do Afeganistão


 
Pirâmide etária do país em 2015

Com a capital em Cabul e uma área de 647 500 km²; e 32 milhões de habitantes (46 hab/km²), o Afeganistão é um dos países mais pobres e inóspitos do mundo. A instabilidade política e os conflitos internos arruinaram a sua já débil economia e infraestruturas a tal ponto que um terço da população afegã abandonou o país.[carece de fontes?]

Segundo uma estimativa de 2006, a população cresce 2,67% ao ano. O índice de natalidade é de 46,6 a cada mil habitantes, enquanto o índice de mortalidade é 20,34 a cada mil habitantes. A taxa de mortalidade infantil é de 160,23 mortes a cada mil nascimentos. A expectativa de vida é de 43,34 anos.[carece de fontes?]

Em 2001, o país tinha diferentes grupos étnicos. Os pastós, que tradicionalmente dominaram o país, eram 52 por cento da população; os hazaras eram 19 por cento; os tajiques, que habitavam a porção mais ao norte, eram 21 por cento; os uzbeques, que também habitavam no norte, eram 5 por cento.[18]

ReligiãoEditar

Mais de 99% da população afegã é muçulmana. Cerca de 80 a 85% destes são seguidores do ramo sunita, e entre 15 a 20% são seguidores do ramo xiita, ramo do islamismo predominante entre os hazaras.[18] Há, ainda, outros 3% de muçulmanos não confessionais.[74][75][76] Até a década de 1890, a região em torno de Nuristão era conhecida como Cafiristão (terra dos cafires ou cafir (incrédulos)), por causa de seus habitantes não muçulmanos, o nuristanis, um povo etnicamente distinto cujas práticas religiosas incluíam o animismo, politeísmo e xamanismo.[77] Há pequenas minorias de cristãos, budistas, parsis, sikhs e hindus.[78][79]

O Afeganistão é um dos vários países islâmicos que prevê a pena de morte por apostasia ou blasfémia.[80][81][82]

CriminalidadeEditar

 Ver artigo principal: Criminalidade no Afeganistão

O crime está presente em várias formas. As formas de criminalidade incluem o narcotráfico, o branqueamento de capitais, fraude, corrupção, etc.[carece de fontes?]

O Afeganistão é o maior produtor mundial de ópio. De 80 a 90% da heroína consumida na Europa provêm de ópio produzido no Afeganistão. O tráfico de ópio tornou-se um importante negócio ilegal no Afeganistão desde a queda do regime talibã, em 2001. De acordo com um inquérito realizado em 2007 pelo Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC), 93% dos opiáceos no mercado mundial tiveram origem no Afeganistão.[carece de fontes?]

Outras formas de criminalidade incluem roubo, bem como sequestros e assaltos.[carece de fontes?]

PolíticaEditar

 Ver artigo principal: Política do Afeganistão

Em 27 de setembro de 1996 as forças talibãs, constituídas de ex-estudantes, derrubaram o presidente, capturaram a capital, Cabul, e passaram a controlar grande parte do país. Em novembro desse ano outras facções negociavam um governo nacional de coalizão.[carece de fontes?]

O primeiro presidente do Afeganistão pós-talibã, Hamid Karzai, foi escolhido pelo governo dos Estados Unidos para dirigir um governo interino, após a queda dos Talibã.[carece de fontes?]

Foram realizadas eleições a 9 de Outubro de 2004, com mais de 10 milhões de afegãos registrados para votar, mas a maioria dos 17 candidatos da oposição não reconheceu o resultado das eleições, alegando fraude; uma comissão independente encontrou evidências de fraude, mas considerou que isto não teria afectado os resultados. Karzai obteve 55,4% dos votos e foi empossado como presidente a 7 de dezembro. Estas foram as primeiras eleições desde 1969, quando houve eleições para o parlamento.[carece de fontes?]

O governo de Karzai incluía membros da Aliança do Norte, um grupo político formado por elementos de diferentes regiões e grupos étnicos nomeados pela Loya jirga - conselho ligado às antigas tradições afegãs, inicialmente constituído por membros da etnia Pashtun, majoritária, e foi formado por diferentes líderes regionais e tribais, autoridades políticas, militares e religiosas, funcionários do governo, etc.[carece de fontes?]

Em 2014, após um conturbado processo, Ashraf Ghani foi eleito e empossado presidente do país.[83] Em 15 de agosto de 2021, o Talibã voltou ao poder depois de tomar a capital Cabul. O então presidente, Ashraf Ghani, abandonou o país depois disso, e saiu rumo ao Tajiquistão.[84][85] O governo do Afeganistão tem estado sob o controle efetivo de facto pelo Emirado Islâmico do Afeganistão.[86]

Direitos HumanosEditar

A Amnistia Internacional tem documentado tortura e maus-tratos em numerosas instalações de detenção no Afeganistão. Jornalistas foram presos, espancados ou mortos. A pena de morte é muitas vezes aplicada. Muitas crianças sofrem casamentos forçados e a violência doméstica é generalizada.[87]

Há também abuso infantil e abuso sexual de crianças através da prática dos Bacha Bazi.[88]

Até à data, os Hazara no Afeganistão são discriminados e perseguidos.[89][90]

De acordo com a ONG Global Rights, cerca de 90% das mulheres afegãs sofrem abusos físicos e sexuais abuso psicológico e casamentos forçados, habitualmente ás mãos da própria família.[91]

Em 2012, o Afeganistão registou 240 casos de crimes de "honra", muito embora se acredite que o número real de casos é muito maior. Destes crimes reportados, 21% foram cometidos pelos maridos das vítimas, 7% pelos seus irmãos, 4% pelos pais e os restantes por outros familiares. A Comissão Independente dos Direitos Humanos do Afeganistão (AIHRC) chegou também á conclusão de que 15% dos crimes de "honra" e violações foram cometidos por policiais afegãos. A AIHRC também afirmou que as instituições judiciárias culpam as vítimas de violação pelo crime e as condenam como castigo.[92]

Apesar dos testes de virgindade terem sido proibidos em 2016, continuam a ser efectuados, e caso o resultado não seja o que se espera, as mulheres afegãs podem ser presas ou executadas.[93]

Símbolos nacionaisEditar

A bandeira nacional foi adaptada pelo governo de transição em 2002. A bandeira é um rectângulo com proporções de 1:2, dividida em três barras verticais de igual largura e de cores preta à tralha, vermelha ao centro e verde ao batente. No centro da barra vermelha, o símbolo tradicional do Afeganistão, com uma mesquita no centro.[carece de fontes?]

O brasão de armas tem aparecido de alguma forma sobre a Bandeira do Afeganistão desde o início da nação. A mais notável ausência foi durante a década de 1980 quando um regime comunista dominou o país, e nos finais dos anos 1990, durante o Estado do Talibã.[carece de fontes?]

A mais recente alteração do brasão de armas foi a inserção da inscrição das shahada em árabe no topo do mesmo. Abaixo, está uma imagem de uma mesquita com um mehrab que se confronta com um local de oração em Meca. Anexa à mesquita estão duas bandeiras, tomadas de posição das bandeiras do Afeganistão. Abaixo da mesquita encontra-se uma inscrição que indica o nome da nação. Em torno da mesquita está uma grinalda vegetal.[carece de fontes?]

"Sorud-e Melli" (em persa: سرودی ملی, Hino nacional) é o hino nacional, adoptado em 2006. De acordo com o artigo 20 da constituição do Afeganistão: "O hino nacional deverá ser em pastó e terá a menção "Alá é o maior", assim como os nomes das etnias do Afeganistão".[94]

SubdivisõesEditar

 Ver artigo principal: Subdivisões do Afeganistão
 
As 34 províncias do Afeganistão, numeradas

O Afeganistão subdivide-se em 34 províncias:

1. Badakhshan

2. Badghis

3. Baghlan

4. Balkh

5. Bamiã

6. Daikondi

7. Farah

8. Fariab

9. Ghazni

10. Ghowr

11. Helmand

12. Herat

13. Jozjan

14. Cabul

15. Candaar

16. Kapisa

17. Khost

18. Konar

19. Konduz

20. Laghman

21. Logar

22. Nangarhar

23. Nimroz

24. Nurestão

25. Paktia

26. Paktika

27. Panjshir

28. Parwan

29. Samangan

30. Sar-i Pol

31. Takhar

32. Uruzgan

33. Vardak

34. Zabol

EconomiaEditar

 Ver artigo principal: Economia do Afeganistão

O Afeganistão é um país extremamente pobre, muito dependente da agricultura (principalmente da papoula -, matéria-prima do ópio) e da criação de gado. A economia sofreu fortemente com a recente agitação política e militar, e uma severa seca veio se juntar às dificuldades da nação entre 1998 e 2001. A maior parte da população continua a ter alimentação, vestuário, alojamento e cuidados de saúde insuficientes, e estes problemas são agravados pelas operações militares e pela incerteza política. A inflação continua a ser um problema sério.[carece de fontes?]

Depois do ataque da coligação liderada pelos Estados Unidos que levou à derrota dos Talibã em Novembro de 2001 e à formação da Autoridade Afegã Interina (AAI) resultante do acordo de Bona de Dezembro de 2001, os esforços internacionais para reconstruir o Afeganistão foram o tema da Conferência de Doadores de Tóquio para a Reconstrução do Afeganistão em Janeiro de 2002, onde foram atribuídos 4,5 bilhões de dólares a um fundo a ser administrado pelo Banco Mundial. As áreas prioritárias de reconstrução são: a construção de instalações de educação, saúde e saneamento, o aumento das capacidades de administração, o desenvolvimento de setores agrícolas e o de reconstrução das ligações rodoviárias, energéticas e de telecomunicações. Dois terços da população vivem com menos de dois dólares por dia. A taxa de mortalidade infantil é de 160,23 por mil nascimentos.[carece de fontes?]

InfraestruturaEditar

EducaçãoEditar

 Ver artigo principal: Educação no Afeganistão
 
Estudantes de uma Escola Feminina no Afeganistão (2005)

A partir de 2006 mais de quatro milhões de estudantes de ambos os sexos estavam matriculados em escolas por todo o país. No entanto, ainda existem obstáculos significativos à educação no Afeganistão, decorrentes da falta de financiamento, edifícios escolares inseguros e normas culturais. A falta de professoras é uma questão que diz respeito a alguns pais afegãos, especialmente em áreas mais conservadoras. Alguns pais ainda não permitem que as suas filhas sejam ensinadas por homens.[carece de fontes?]

Alfabetização de toda a população está estimada (em 1999) em 36%, a taxa de alfabetização do sexo masculino é de 51% e do feminino 21%. Até agora, existem 9,5 mil escolas no país.[carece de fontes?]

Outro aspecto da educação que está mudando rapidamente no Afeganistão é a cara do ensino superior. Após a queda do regime talibã, a Universidade de Cabul foi reaberta para estudantes de ambos os sexos. Em 2006, a Universidade Americana do Afeganistão também abriu suas portas, com o objectivo de proporcionar um mundo de classe, Inglês como língua, a coaprendizagem ambiente educacional no Afeganistão. A universidade aceita alunos provenientes do Afeganistão e os países vizinhos. Trabalhos de construção vão começar em breve no novo sítio selecionado para a Universidade de Balkh em Mazari Sharif. O novo edifício para a universidade, incluindo o edifício para o Departamento de Engenharia, seria construído em 600 acres (2,4 km²) de terras, ao custo de 250 milhões de dólares americanos.[carece de fontes?]

TransportesEditar

A rede rodoviária está atualmente sendo reconstruída e também está sendo ampliada. A chamada estrada do anel, a principal artéria do país, que interliga cerca de 60% da população, foi restaurada. Em 2007, 715 quilômetros de estrada já haviam sido renovadas.[95] No entanto, a conclusão do último trecho de 400 quilômetros de extensão, que acabaria com a última lacuna no noroeste do país, está atrasada devido à precária situação de segurança local.[96] Além disso, mais de 800 quilômetros de estradas secundárias foram renovados ou recém-criados em meados de 2007. A rede rodoviária toda é composta de 42 150 quilômetros, dos quais 12 350 km são pavimentados.[97]

O rio Amu Dária, situado na fronteira, bem como o rio Panj são obstáculos naturais ao transporte terrestre para o Uzbequistão e o Tajiquistão, pois existem apenas algumas pontes sobre esses dois rios. Além disso, às vezes há um alto risco de minas e muitas estradas são frequentemente inundadas, dependendo da estação. Aplicam-se, no Afeganistão, os regulamentos de tráfego rodoviário da RDA.[98]

Existem mais de 60 aeroportos no Afeganistão, a maioria dos quais são simples pistas de cascalho. Os aeroportos maiores existem apenas em algumas cidades e são predominantemente usados pela Força Aérea dos Estados Unidos para fins militares.[99] A maior aeroporto do país é o Aeroporto Internacional de Cabul. Mais de uma dúzia de companhias aéreas voam para destinos no Afeganistão, sendo que as principais companhias aéreas afegãs são a Ariana Afghan Airlines, a Kam Air e a Pamir Airways.[100]

CulturaEditar

 Ver artigo principal: Cultura do Afeganistão

EsportesEditar

O Afeganistão participou das Olimpíadas treze vezes desde 1936. Suas únicas medalhas foram dois bronzes, por intermédio do atleta Rohullah Nikpai, no taekwondo.[101]

O esporte nacional do Afeganistão é o buzkashi, onde os atletas a cavalo tentam levar a carcaça de uma cabra ou bezerro à linha de chegada. Outros esportes populares incluem o futebol e críquete. A seleção masculina afegã de futebol não teve destaque em torneios internacionais. Ela foi classificada na 153ª posição no ranking da FIFA em agosto de 2021.[102] Por outro lado, a seleção feminina afegã, de futebol, foi classificada na 152ª posição no ranking da FIFA nesta mesma data.[103] O críquete, por outro lado, foi trazido por refugiados afegãos depois de voltarem do Paquistão para seu país.[104][105]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «BBCNazer.com | زندگى و آموزش | حرف های مردم: سرود ملی». www.bbc.co.uk. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  2. mdweyal@gmail.com, Dr N. M. Weyal. «د ملي سرود تاریخ | روهي». Rohi.Af (em pastó). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  3. «ملا فقیر محمد درویش د جهادي ترنم منل شوی سرخیل». نن ټکی اسیا (em pastó). 16 de janeiro de 2018. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  4. Tharoor, Ishaan (19 de junho de 2013). «The Taliban's Qatar Office: Are Prospects for Peace Already Doomed». Time. ISSN 0040-781X. Consultado em 19 de agosto de 2021 
  5. «Article Sixteen of the Constitution of Afghanistan». Consultado em 27 de novembro de 2012. From among the languages of Pashto, Dari, Uzbeki, Turkmani, Baluchi, Pashai, Nuristani, Pamiri (alsana), Arab and other languages spoken in the country, Pashto and Dari are the official languages of the state. 
  6. «Afghan Population Estimates» (PDF). Central Statistics Organization. 2019. Consultado em 6 de julho de 2019 
  7. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI), ed. (Outubro de 2014). «World Economic Outlook Database». Consultado em 29 de outubro de 2014 
  8. «Human Development Report 2019» (PDF) (em inglês). Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas. Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  9. «Afghanistan Population 2019». worldpopulationreview.com. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  10. a b «The Afghans – Their History and Culture». Center for Applied Linguistics. 30 de junho de 2002. Consultado em 10 de setembro de 2010. Arquivado do original em 17 de Março de 2010 
  11. a b Griffin, Luke (14 de janeiro de 2002). «The Pre-Islamic Period». Afghanistan Country Study. Illinois Institute of Technology. Consultado em 14 de outubro de 2010. Arquivado do original em 3 de Novembro de 2001 
  12. a b «Afghanistan country profile». BBC News. 2 de outubro de 2010. Consultado em 7 de novembro de 2010 
  13. Baxter, Craig (1997). «Chapter 1. Historical Setting». Library of Congress Country Studies on Afghanistan. Consultado em 24 de junho de 2010 
  14. «Last Afghan empire». Louis Dupree, Nancy Hatch Dupree and others. Encyclopædia Britannica Online. Consultado em 22 de agosto de 2010 
  15. D. Balland (2010). «Afghanistan x. Political History». Encyclopædia Iranica Encyclopædia Iranica Online ed. Columbia University 
  16. M. Longworth Dames, G. Morgenstierne, and R. Ghirshman (1999). «AFGHĀNISTĀN». Encyclopaedia of Islam CD-ROM Edition v. 1.0 ed. Leiden, The Netherlands: Koninklijke Brill NV 
  17. «Western Powers and the Great Game». Center for Applied Linguistics. 30 de junho de 2002. Consultado em 14 outubro de 2010. Arquivado do original em 17 de Março de 2010 
  18. a b c Afghanistan, the CIA, bin Laden, and the Taliban, em inglês, acesso em 02 de outubro de 2014.
  19. Gomes, Aureo de Toledo (1 de abril de 2008). «Modern Afghanistan: a history of struggle and survival» (publicado em 2008). Contexto internacional. 30 (1): 209–215. ISSN 0102-8529. doi:10.1590/S0102-85292008000100006. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  20. PEAR, Robert (18 de abril de 1988). «Arming Afghan guerrilhas». The new york times. Consultado em 24 de junho de 2018 
  21. «Afghanistan (1979–2001)». Users.erols.com. Consultado em 14 de novembro de 2010 
  22. UNICEF, Land-mines: A deadly inheritance
  23. «Afghanistan». Berkley Center for Religion, Peace, and World Affairs. Consultado em 1 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 5 de Fevereiro de 2011 
  24. «United Nations Security Council» (PDF). United Nations. Naval Postgraduate School. 5 de Dezembro de 2001. Consultado em 6 outubro de 2010 
  25. «The World's Most Dangerous Countries». Forbes. 14 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2012 
  26. «Quais países mais geram refugiados pelo mundo?». epocanegocios.globo.com. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  27. «Cópia arquivada». Consultado em 28 de março de 2012. Arquivado do original em 14 de novembro de 2012 
  28. «President Karzai Address to the Nation on Afghanistan's Peace Efforts». The Embassy of Afghanistan in Washington, DC. Consultado em 10 de Outubro de 2011. Arquivado do original em 12 de outubro de 2011 
  29. «Citing rising death toll, UN urges better protection of Afghan civilians». United Nations Assistance Mission in Afghanistan. 9 de março de 2011 
  30. Haddon, Katherine (6 de Outubro de 2011). «Afghanistan marks 10 years since war started». AFP. Consultado em 6 de Outubro de 2011 
  31. Cowan, William and Jaromira Rakušan. Source Book for Linguistics. 3ª ed. Amsterdam and Philadelphia: John Benjamins, 1998.
  32. Banting, Erinn (2003). Afghanistan: The land. [S.l.]: Crabtree Publishing Company. p. 4. 32 páginas. ISBN 0-7787-9335-4. Consultado em 22 de agosto de 2010 
  33. a b Ch. M. Kieffer (15 de Dezembro de 1983). «Afghan». Encyclopædia Iranica Encyclopædia Iranica Online ed. Columbia University 
  34. «History of Afghanistan». Encyclopædia Britannica Online. Consultado em 22 de novembro de 2010 
  35. Vogelsang, Willem (2002). The Afghans. [S.l.]: Wiley-Blackwell. p. 18. 382 páginas. ISBN 0-631-19841-5. Consultado em 22 de agosto de 2010 
  36. Morgenstierne, G. (1999). «AFGHĀN». Encyclopaedia of Islam CD-ROM Edition v. 1.0 ed. Leiden, The Netherlands: Koninklijke Brill NV 
  37. ibne Batuta (2004). Travels in Asia and Africa, 1325–1354 reprint, illustrated ed. [S.l.]: Routledge. p. 416. ISBN 0-415-34473-5. Consultado em 10 de setembro de 2010 
  38. "Khurasan", The Encyclopaedia of Islam, page 55. [S.l.]: Brill. 2009. Consultado em 22 outubro de 2010. In pre-Islamic and early Islamic times, the term "Khurassan" frequently had a much wider denotation, covering also parts of what are now Soviet Central Asia and Afghanistan; early Islamic usage often regarded everywhere east of western Persia, sc. Djibal or what was subsequently termed 'Irak 'Adjami, as being included in a vast and ill-defined region of Khurasan, which might even extend to the Indus Valley and Sind.' 
  39. extract from "Passion of the Afghan" by Khushal Khan Khattak; translated by C. Biddulph in "Afghan Poetry Of The 17th Century: Selections from the Poems of Khushal Khan Khattak", London, 1890.
  40. Zahir ud-Din Mohammad Babur (1525). «Events Of The Year 910». Memoirs of Babur. Packard Humanities Institute. Consultado em 22 de agosto de 2010. Arquivado do original em 14 de Novembro de 2012 
  41. E. Huntington, "The Anglo-Russian Agreement as to Tibet, Afghanistan, and Persia", Bulletin of the American Geographical Society, Vol. 39, No. 11 (1907).
  42. Friedrich Engels (1857). «Afghanistan». Andy Blunden. The New American Cyclopaedia, Vol. I. Consultado em 25 de agosto de 2010 
  43. Elphinstone, M., "Account of the Kingdom of Cabul and its Dependencies in Persia and India", London 1815; published by Longman, Hurst, Rees, Orme & Brown.
  44. M. Ali, "Afghanistan: The War of Independence, 1919", Cabul [s.n.], 1960.
  45. Afghanistan's Constitution of 1923 under King Amanullah Khan (English translation).
  46. Ruchi Kumar (4 de fevereiro de 2020). «The Afghan artefacts that survived Taliban destruction». BBC. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  47. Dyson, Tim (2018), A Population History of India: From the First Modern People to the Present Day, ISBN 978-0-19-882905-8, Oxford University Press, pp. 4–5 ; Fisher, Michael H. (2018), An Environmental History of India: From Earliest Times to the Twenty-First Century, ISBN 978-1-107-11162-2, Cambridge University Press, p. 33 
  48. Anthony, David W. (2007). The Horse, the Wheel, and Language: How Bronze-Age Riders from the Eurasian Steppes Shaped the Modern World. [S.l.]: Princeton University Press. p. 454. ISBN 978-0691058870 
  49. Mallory, J.P.; Adams, Douglas Q. (1997). Encyclopedia of Indo-European Culture illustrated ed. [S.l.]: Taylor & Francis. p. 310. ISBN 1884964982 
  50. The Far East and Australasia 2003. [S.l.]: Psychology Press. 14 de junho de 2002. ISBN 9781857431339 
  51. Tomsen, Peter (2014), The Wars of Afghanistan, ISBN 978-1610392624, pp. 41–2 
  52. Rashid, Ahmed (2000), Taliban, ISBN 1-86064-417-1, p. 187 
  53. Ladwig, Walter C. (2017). The Forgotten Front: Patron-Client Relationships in Counter Insurgency. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 302. ISBN 9781107170773. Consultado em 15 de maio de 2018 
  54. «Sob o comando do Talibã, o Afeganistão retorna aos seus dias mais sombrios». G1. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  55. «Composition of macro geographical (continental) regions, geographical sub-regions, and selected economic and other groupings». UNdata. 26 de abril de 2011. Consultado em 13 de julho de 2011. Arquivado do original em 13 de Julho de 2011 
  56. «Location: Southern Asia, north and west of Pakistan, east of Iran». The World Factbook. CIA. Consultado em 24 de junho de 2010. Arquivado do original em 24 de maio de 2011 
  57. Britannica: Afghanistan; Center for South Asia Outreach Arquivado em 27 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine.
  58. «South Asia». Web.worldbank.org. Consultado em 19 de maio de 2012 
  59. «U.S. maps». Pubs.usgs.gov. Consultado em 19 de maio de 2012 
  60. «Syracuse University». Maxwell.syr.edu. 6 de março de 2012. Consultado em 19 de maio de 2012 
  61. «Afghanistan». Encyclopædia Britannica. Consultado em 17 de março de 2010. Arquivado do original em 25 de Fevereiro de 2010 
  62. «History of Environmental Change in the Sistan Basin 1976–2005» (PDF). Consultado em 20 de julho de 2007. Arquivado do original (PDF) em 7 de Agosto de 2007 
  63. «Snow in Afghanistan: Natural Hazards». NASA. 3 de fevereiro de 2006. Consultado em 6 de maio de 2012 
  64. «Snow may end Afghan drought, but bitter winter looms». Reuters. 18 de janeiro de 2012 
  65. «Afghanistan's woeful water management delights neighbors». Csmonitor.com. 15 de junho de 2010. Consultado em 14 de novembro de 2010. Arquivado do original em 14 de Novembro de 2010 
  66. Crone, Anthony J. (Abril de 2007). Earthquakes Pose a Serious Hazard in Afghanistan (PDF) (Relatório). US Geological Survey. Fact Sheet FS 2007–3027 
  67. «Earthquake Hazards». USGS Projects in Afghanistan. US Geological Survey. 1 de Agosto de 2011. Consultado em 13 de Outubro de 2011 
  68. «'Seven dead' as earthquake rocks Afghanistan». BBC News. 19 de Abril de 2010. Consultado em 13 de Outubro de 2011 
  69. Peters, Steven G.; et al. (Outubro de 2007). Preliminary Assessment of Non-Fuel Mineral Resources of Afghanistan, 2007 (PDF) (Relatório). USGS Afghanistan Project/US Geological Survey/Afghanistan Geological Survey. Fact Sheet 2007–3063 
  70. «Afghanistan's untapped minerals 'worth $3 trillion'». The Independent. London. 18 de junho de 2010. Consultado em 15 de outubro de 2011 
  71. «Afghans say US team found huge potential mineral wealth». BBC News. 14 de Junho de 2010. Consultado em 13 de Outubro de 2011 
  72. «Land area (sq. km)». World Development Indicators. World Bank. 2011. Consultado em 13 de Outubro de 2011 
  73. «CIA Factbook – Area: 41». CIA. 26 de novembro de 1991. Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  74. «COUNTRY PROFILE: AFGHANISTAN» (PDF) (em inglês). Library of Congress – Federal Research Division. Agosto de 2008. Consultado em 6 de maio de 2014 
  75. «Chapter 1: Religious Affiliation» (em inglês). Pew Research - Religion & Public Life Project. 9 de agosto de 2012. Consultado em 6 de maio de 2014 
  76. «Religions» (em inglês). CIA - The World Factbook. Consultado em 6 de maio de 2014 
  77. Klimberg, Max. «Nuristan» (em inglês). Encyclopædia Iranica. Consultado em 6 de maio de 2014 
  78. Lavina Melwani. «Hindus Abandon Afghanistan (em português: Hindus abandonam o Afeganistão)» (em inglês). Hinduism Today. Consultado em 6 de maio de 2014 
  79. Sanjoy Majumde (25 de setembro de 2003). «Sikhs struggle in Afghanistan (em português: Sikhs lutam no Afeganistão)» (em inglês). BBC News - Sul da Ásia. Consultado em 6 de maio de 2014 
  80. Evans, Robert (10 de Dezembro de 2013). «Atheists face death in 13 countries, global discrimination: study». Reuters 
  81. «Afghan 'blasphemy' death sentence». BBC. 23 de Janeiro de 2008 
  82. «Freedom of Thought 2013: A Global Report on the Rights, Legal Status, and Discrimination Against Humanists, Atheists, and the Non-religious» (PDF). International Humanist and Ethical Union (IHEU). 2013 
  83. "Novo presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani toma posse". Página acessada em 29 de setembro de 2014.
  84. BRASIL, JORNAL DO (15 de agosto de 2021). «Presidente do Afeganistão Ghani renuncia e deixa o país; é criado conselho temporário». Internacional. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  85. Agências (15 de agosto de 2021). «Os talibãs chegam a Cabul e cercam a capital após uma ofensiva relâmpago». EL PAÍS. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  86. «Presidente do Afeganistão deixa o país; Talibã diz que tomou controle do palácio presidencial em Cabul». G1. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  87. «Afghanistan 2017/2018». Amnesty International. 2018 
  88. Goldstein, Joseph (20 de Setembro de 2015). «U.S. Soldiers Told to Ignore Sexual Abuse of Boys by Afghan Allies». The New York Times 
  89. Rafiq, Arif (28 de Julho de 2016). «The Persecution of Afghanistan's Hazaras Has Less to Do with Religion Than You Think». The National Interest 
  90. Seerat, Rustam Ali (27 de Agosto de 2015). «Peril and Persecution in Afghanistan». Foreigm Policy 
  91. «Afghanistan: No Country for Women». www.aljazeera.com. Consultado em 21 de maio de 2019 
  92. «240 cases of honor killing recorded in Afghanistan, AIHRC». The Khaama Press News Agency (em inglês). 9 de junho de 2013. Consultado em 21 de maio de 2019 
  93. Observador; Observador. «Afeganistão. Ainda há mulheres a ser condenadas por não serem virgens». Observador. Consultado em 21 de maio de 2019 
  94. «Office of the President» (em árabe). Constituição da República Islâmica do Afeganistão. Consultado em 6 de maio de 2014. Arquivado do original em 5 de Março de 2009 
  95. «Afghanistan unter dem Terror der Taliban – Erfolgsmeldungen aus Afghanistan». Aus Politik und Zeitgeschichte. 2007. Consultado em 3 de novembro de 2019 
  96. Peter Wonacott: Afghan Road Project Shows Bumps in Drive for Stability, The Wall Street Journal
  97. CIA - The World Factbook
  98. Wulf Schmiese: „ Die Gefahr ist größer geworden“. 26 de julho de 2008.
  99. «Afghanistan Airports» 
  100. «Air Companies operating or connected to Afghanistan» 
  101. Afghanistan in Olympics Cópia arquivada no Wayback Machine Sport Reference
  102. «Men's Ranking» (em inglês). FIFA. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  103. «Women's Ranking» (em inglês). FIFA. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  104. «Sports in Afghanistan» (em (em inglês)). afghan-web.com. 10 de novembro de 2011 
  105. «Buzkashi - National Sport of Afghanistan» (em (em inglês)). kidzworld.com. 10 de novembro de 2011 

Ligações externasEditar