Abrir menu principal

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

instituto federal de educação ciência e tecnologia público federal em Fortaleza, Ceará
(Redirecionado de Instituto Federal do Ceará)
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
IFCE
Fundação 1909 (110 anos) (Escola de Aprendizes e Artífices)
1937 (82 anos) (Liceu Industrial de Fortaleza)
1942 (77 anos) (Escola Industrial de Fortaleza)
1968 (51 anos) (Escola Técnica Federal do Ceará)
1999 (20 anos) (Centro Federal de Educação Tecnológica)
2008 (11 anos) (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia)
Tipo de instituição Pública Federal
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação
Localização Brasão de Fortaleza.svgFortaleza, Bandeira do Ceará.svg Ceará
Funcionários técnico-administrativos 1.602 [1]
Reitor(a) Prof. Virgílio Augusto Sales Araripe
Docentes 1.721 [1]
Total de estudantes 33.449 (2018.2) [2]
Ensino médio integrado ao ensino técnico 2.981 [2]
Ensino técnico 12.959 [2]
Graduação 16.675 [2]
Pós-graduação 833 [2]
Campus 32
Conceito Institucional 5(2018)[3]
Cores da escola      Verde
     Vermelho
     Preto
Afiliações CONIF, Faubai
Índice Geral de Cursos 3(2016)[4]
Orçamento anual 607.685.184,00(2018)[5]
Página oficial ifce.edu.br

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) é um Instituto Federal de educação superior, básica e profissional, pluricurricular e multicampi, com atuação no Ceará. Especializado na oferta de educação profissional e tecnológica, nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com a prática pedagógica[6], atua em todas as regiões do estado por meio de seus 32 campi e atendendo mais de 33 mil alunos em uma área total instalada em mais de 5,9 milhões de m².[7]

O Índice Geral de Cursos do IFCE atualmente (2016) é 3 e o Conceito Institucional (2018) é 5.[4][3] Recentes avaliações do Ministério da Educação apontam para elevação nos indicadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes, como avaliações de cursos, avaliações institucionais e Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Últimas avaliações resultaram em várias notas 4 em cursos e uma nota 5 (nota máxima) para o Campus de Sobral, como um campus de excelência para o IFCE.[8][9][10][11][12][13][14] Em 2009 o Instituto figurou na lista do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM como a melhor do Ceará na posição 148 no Brasil.[15]

A Instituição é ainda uma das que faz parte da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial - Embrapii, com um polo de inovação que já aplicou mais de R$17 milhões em investimentos de pesquisa.[16][17] O IFCE é o sucessor do legado que formou alunos que ajudaram a transformar a sociedade em muitos aspectos, ressaltando alguns famosos como o físico Cláudio Lenz Cesar, o cantor Falcão, o jornalista Flávio Paiva, o escritor Lira Neto, o ator Jesuíta Barbosa e o político e ex senador Inácio Arruda.

Índice

HistóriaEditar

 
Oficina de Tipografia e Encardenação em 1915.

De Escola de Aprendizes a Centro FederalEditar

Em 1909 o presidente Nilo Peçanha autorizou a criação das Escolas de Aprendizes Artífices - EAA, tendo no Ceará iniciado suas atividades em 1910 num prédio onde funcionava a Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará - EAMCE, na Praia de Iracema, inaugurada em 25 de maio com presença do governador Nogueira Accioli.[18] Na inauguração só funcionava a oficina de tipografia e no ano seguinte, em 1911 passou a funcionar a sapataria e a alfaiataria e finalmente as de marcenaria e carpintaria e serralheria e mecânica em 1912.[19] A Escola de Artífices participou em 1911 da Exposição Universal que aconteceu em Turim, na Itália e obteve medalhas de ouro e prata com vários artefatos levados pelos estudantes, alem de menção honrosa.[19] O governo do Ceará fez uma mudança com a EAA, transferindo a escola, em 1914, para um prédio ao lado do Theatro José de Alencar.[20] Durante os anos inicias foi precário o funcionamento, tanto que as oficinas não funcionavam com motores, sendo as instalações todas com máquinas manuais.[19] Somente em 1915 houve a inauguração dos motores e outras máquinas elétricas. Nessa época a Escola de Aprendizes começou a publicar a "Revista Pedagógica", em 1917, em que eram apresentados e discutidos temas de ensino que envolviam as atividades da instituição.[21] A lista dos primeiros formados na Escola de Aprendizes Artífices do Ceará é muito pequena tendo em 1922 terminados os cursos apenas 13 alunos num período de 12 anos de atividades da escola, entre 1910 e 1921. Tal situação decorreu da dificuldade dos alunos, a maioria pobres e precisando trabalhar para sobreviver.[19] Em 1931 as Escolas de Marinheiros foram extintas, e por isso, no Ceará, a Escola de Artífices passou a ocupar as instalações, no bairro Jacarecanga, entre 1932 e 1939.[22]

 
Vista aérea do "Campo do Prado" onde foi construído o Prédio da Escola Industrial de Fortaleza

A transformação para Liceu Industrial aconteceu ainda na gestão de Carlos Câmara, em 1937.[23] Nessa época Câmara articulou com o governo do Ceará a viabilização da sede própria da instituição, por meio de doação de terreno em Fortaleza, o antigo "Campo do Prado".[24][25] A doação do terreno aconteceu por meio do Decreto 548 de 4 de maio de 1939. Devido o Brasil ter entrado na Segunda Guerra Mundial, o local foi utilizado como abrigo e preparação para os Soldados da Borracha do Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia, até 1945.[26] Em 1939 Waldyr Diogo de Siqueira foi nomeado diretor e no ano seguinte, 1940, o liceu foi transferido para um prédio da Rede de Viação Cearense no Centro de Fortaleza.[20] O MEC alterou a denominação de Liceu para Escola em 1942. Siqueira foi o diretor que acompanhou a construção da nova sede, mas foi Jorge Raupp quem inaugurou, em 1952 o projeto do arquiteto Emílio Hinko.[27] A instituição contava na época com uma estrutura para "atender 800 alunos, contando, além das salas de aulas e oficinas, de dormitórios, ginásio, campo de tênis e piscina".[28] Raupp foi empossado diretor em 1951 e já naquele ano participou de treinamento na área de ensino industrial nos Estados Unidos no Estado de Nova Iorque em um programa de cooperação americano.[29] O ensino técnico passou por mudanças em 1959, já com idade mínima de 14 anos e transformando as escolas em autarquias.[30] Em 1961 com a primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional foi estabelecido o ensino profissional de nível médio e nessa época que surgiram os primeiros cursos técnicos integrados foram os técnicos em estradas e edificações em 1962.[31] No final da década de 60 o governo militar realizou um acordo com o Banco Internacional de Desenvolvimento que modernizou as Escolas Técnicas Federais, com a do Ceará recebendo diversos maquinários importados de países como Alemanha, Suíça, Franca, Estados Unidos e Tcheco-Eslováquia.[32][33]

A transição entre "Escola Industrial" para "Escola Técnica" já estava prevista na legislação por meio do Decreto-Lei 4.127 de 1942.[34] Tal momento aconteceu em 1968 por meio de portaria do MEC.[31] O Gestor que passou mais tempo sobre essa denominação foi o professor César Araripe, por 21 anos. Em 1973 ele foi em comitiva, com outros gestores federais, para os Estados Unidos por meio do programa Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional - USAID, passando por treinamento sobre o ensino médio daquele país, na Universidade da Califórnia em San Diego.[35] Na década de 1980 a Escola entrou na era da informática com a oferta do curso técnico de Informática Industrial em 1987. Nessa época o professor Mauro, que foi o último diretor desse período, era o coordenador do curso e foi o responsável pela popularização de redes locais para o uso no ensino, tendo sido destaque em feiras locais e nacionais.[36] Nessa época a inovação também era parte do ambiente acadêmico da escola com seus alunos e professores envolvidos na elaboração de protótipos para patentes, como o da agulha que inutiliza a reutilização para evitar a transmissão de AIDS, em 1991.[37] Com a chegada de Fernando Henrique Cardoso à presidência o ensino técnico federal tinha um reconhecimento e uma qualidade ainda bem elevados, tanto que críticos dos problemas educacionais do país batizaram a situação de "Belíndia", citando em 1995 o caso do Ceará que ofertava apenas 200 vagas para uma concorrência de 3000 estudantes.[38] A interiorização teve início por meio do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Técnico (PROTEC), lançado em Brasília no ano de 1986 e efetivado com a inauguração em 1995 das Unidades de Ensino Descentralizadas (UnEDs) de Juazeiro do Norte e de Cedro.[39]

 
Fachada do Campus de Fortaleza com o letreiro do CEFET. Ao lado o antigo letreiro da Escola Técnica Federal do Ceará.

Com a mudança para Cefet a oferta de cursos superiores foi iniciada em 1999 com cursos de graduação tecnológica. Nessa mesma época foi ciado o Centro de Pesquisa e Qualificação Tecnológica (CPQT), uma Instituição sem fins lucrativos para gerir recursos para ofertas de pós-graduação Lato sensu ofertados nessa época. Em 2003 a LG Electronics iniciou uma parceria com o Cefet com doação de computadores e depois a construção de prédios e laboratórios, tendo em 2006 sido inaugurado um novo bloco de salsas de aula.[40][41] Foi na mudança para Cefet que houve o Plano de Expansão Fase II da rede de ensino tecnológico do país, planejamento realizado pelo Governo Federal em 2007, que foram escolhidas seis cidades polos do Ceará, das 150 cidades em todo o Brasil, para ampliação dos Cefets. A primeira cidade a ter uma UnED foi Maracanaú em 2007. O Governo do Ceará reforçou a estrutura com a transferência em 2008 das unidades do Instituto Centro de Ensino Tecnológico do Ceará - CENTEC de Sobral e Limoeiro do Norte.[42] Ainda em 2008 iniciou as atividades a UnED de Quixadá.

Transformações no Ensino AgropecuárioEditar

 
Escola Agrotécnica Federal de Iguatu Elza Barreto em 1984

O ensino agrícola federal no Ceará não estava previsto no Decreto 22.470 de 1947 que criava a rede de estabelecimento, mas previu que o poderia ser criado mediante acordo com os entes federativos.[43] Um acordo só surgiu em 1954, quando o Deputado federal Alencar Araripe e o Ministro da Agriculta João Cleofas assinaram acordo para a instalação no Crato do ensino rural. Então foi criado no ano seguinte o primeiro curso da Escola Agrícola do Crato, tratorista, em 1955. Quase dez anos depois, em fevereiro de 1964, muda a denominação para Colégio Agrícola.[44] Em 1967, o governo militar realizou uma mudança na gestão do ensino agrícola, transferindo do Ministério da Agricultura para o Ministério da Educação - MEC.[45] A instituição muda de nome e passa a se chamar, em 1979, Escola Agrotécnica Federal de Crato.[46]

Nessa época a Lei Orgânica do Ensino Agrícola, Decreto-Lei 9.613 de 1946, estabelecia um ensino que incluiu mulheres, mesmo que em espaços separados e também estimulava uma prática pedagógica extensiva, buscando o relacionamento da instituição com as vizinhança.[47] Em 1983 foi editado um decreto que possibilitou que as atividades desenvolvidas pelos alunos internados nas escolas pudessem ser comercializadas em benefício desses alunos por meio das cooperativas escolas, tendo então cada unidade criado a sua.[48]

O campus Iguatu do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará teve origem em 1955, com a criação do curso de extensão de Economia Rural Doméstica, ainda vinculado ao Ministério da Agricultura. O curso procurava capacitar pessoas alfabetizadas pudessem melhorar o nível de vida no lar, por meio do bordado, pintura preparação de alimentos, corte e costura, crochê, tricô, práticas agrícolas, noções de higiene, enfermagem etc., afim de proporcionar melhores condições de vida aos participantes.[49] Em 1962, o Ministério da Agricultura criou o Colégio de Economia Doméstica Rural Elza Barreto. Com a função de formar professores para o magistério do curso de Extensão em Economia. Os alunos técnicos formados pelo curso eram integrados ao processo de desenvolvimento da região, visando o crescimento socioeconômico da comunidade por meio da introdução de técnicas e conhecimentos na área, bem como conjugar ensino e produção agropecuária. Com o tempo, o educandário ganhou reconhecimento e, em 4 de setembro de 1979, mudou o nome para Escola Agrotécnica Federal de Iguatu.

Entre Universidade Tecnológica e Instituto FederalEditar

No começo do Governo Lula, houve uma expectativa muito grande na possibilidade de melhoria do ensino profissional, notadamente revelado durante o encontro pedagógico de 2004 do Cefet que fez um extenso debate sobre a transformação para Universidade Tecnológica.[50] No ano seguinte, com a criação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, os planos pareciam que tinham possibilidade de se realizarem e a instituição elaborou um Plano de Desenvolvimento Institucional 2005-2009 voltado para essa meta, mas que foi revisto com o plano do MEC por meio de seu plano de expansão e reestruturação do ensino tecnológico da rede federal com uma marca unificada, estabelecendo uma rede mais sólida e abrangente.[51][52] Criado oficialmente no dia 29 de dezembro de 2008, pela Lei nº 11.892, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Instituto Federal do Ceará realizou a fusão do Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará e das Escolas Agrotécnicas Federais dos municípios de Crato e de Iguatu[53]. Foi assim que o IFCE surgiu de fato em 2009, já contando com nove unidade em funcionamento nas cidades de Fortaleza, Crato, Iguatu, Juazeiro do Norte, Cedro, Maracanaú, Quixadá, Sobral e Limoeiro do Norte e estava preparando para inaugurar em 2010 mais três unidades, agora todas denominadas como campus.[54]

Vida estudantilEditar

 
Panfleto do Guia do Aluno para os ingressantes no Campus de Fortaleza

IngressoEditar

A nova institucionalidade do IFCE tornou a entrada na instituição numa pluralidade de opções e possibilidades que permitem um amplo acesso aos vários tipos de ensino ofertados. Na graduação o meio mais amplo de acesso é o Sistema de Seleção Unificada - SISU, adotado em 2010.[55] É possível ingressar na graduação, também, por editais de transferidos e graduados. Em cursos novos o Instituto utiliza vestibulares tradicionais para selecionar os ingressantes.[56] Em 2018 a instituição ofertou 2977 vagas, tendo se inscrito 54.407 candidatos.[57] Em 2019 houve um aumento de vagas, para 3052, com nota de corte média de 743,24.[58] [59]

Na oferta de vagas em cursos de Formação Inicial ou Continuada ou cursos técnicos subsequentes, editais específicos estabelecem as formas de seleção. Para os cursos técnicos integrados ou concomitantes o aluno tem que ser menor de idade ou estar cursando o ensino médio para entrar na vaga, alem de ser aprovado em exame estabelecido por edital específico.[60]

Assistência ao EducandoEditar

Sendo uma instituição de ensino mantida pelo Governo Federal, o IFCE está incluso no Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES, que tem um objetivo social de melhorar o acesso e a permanência dos alunos, em situação de vulnerabilidade social, na instituição.[61] Em todos os campi existem ações de assistência tais como serviço de merenda, atendimentos odontológico, médico, psicológico, pedagógico e serviço social, nutricionista, com destaque para oferta de auxílios que atendem a milhares de alunos de todos os campi.[62] No início de todo semestre letivo são lançados editais de auxílio estudantil para seleção de alunos nas áreas de acordo com o decreto Decreto Nº 7.234, de 19 de julho de 2010: moradia, alimentação, transporte, óculos, Proeja, visitas e viagens técnicas, acadêmico, didático-pedagógico, discentes mães/pais, apoio ao desporto e à cultura, formação e pré-embarque internacional.[63]Nos campi de Umirim, Iguatu e Crato existem ainda alojamentos para a moradia dos alunos dos cursos agrícolas.[64] Os alunos do IFCE, ao serem matriculados, são incluídos automaticamente no sistema de seguro estudantil. Tal seguro é válido para cursos presenciais e a distância e somente para matrículas ativas. O seguro cobre os seguintes acidentes: morte acidental, invalidez permanente total ou parcial por acidente e despesas médicas hospitalares e odontológicas.[65]

BolsasEditar

Vários tipos de bolsa de estudo são ofertadas todos os semestres para os alunos e pesquisadores. Para o desenvolvimento acadêmico do aluno, existem também bolsas de pesquisa regidas pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - Pibic, que são regidas por editais específicos, sempre vinculadas às pesquisas desenvolvidas pelos professoras da instituição.[66] São bolsas oriundas de instituições como o CNPq, CAPES e FUNCAP, dentre outras. Para os alunos das licenciaturas, existe também as bolsas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - Pibid, para por em práticas em escolas públicas o processo de didática das várias áreas de formação que o IFCE oferta.[67] Em parceia com a Apple, foi criado o Programa Educacional Brasileiro de Desenvolvimento para iOS (BEPiD) no IFCE com o lançamento de 70 bolsas para alunos de graduação.[68][69]

EstágioEditar

A maioria dos cursos do IFCE tem em seus programas a obrigatoriedade do estágio profissional, que tem o acompanhamento de professor orientador e em cada campus existe um setor que registra a matrícula de estágio e acompanha a documentação e os contratos com as empresas, que fazem parcerias para contratação de alunos, notadamente na captação e divulgação de vagas para a comunidade acadêmica.[70] Convênios entre o IFCE e entidades fazem parte do rol de instituições e empresas que ofertam estágios para os alunos, como o firmado em 2015 com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará - Sinduscom.[71]

 
IFCE Campus Fortaleza durante o Intervalo da Manhã com a fila de alunos para pegar a merenda.

Cultura e arteEditar

 
Painel realizado por alunos do curso de Artes Visuais do IFCE Campus Fortaleza retratando figuras folclóricas da cultura popular brasileira no pátio do bloco central do Campus Fortaleza.

A arte e a cultura no IFCE tem uma tradição forte em Fortaleza, notadamente o Coral, em atividades desde 1956, tendo relevado o talento do cantor lírico Paulo Abel,[72] e também em função de ter tido os primeiros cursos de nível superior do estado voltados para formação de atores[73] e artistas plásticos. Os cursos de artes de Fortaleza agitam ativamente a vida cultural da capital e do interior participando de festivais, eventos artísticos e salões tais como: Festival de Teatro de Fortaleza, Festival Nordestino de Teatro, dentre outros.[74][75] Nas artes visuais alunos egressos são destaques em salões nacionais e internacionais com apoio e organização de eventos no campus Fortaleza. Pelo interior, vários campi desenvolvem atividades culturais nas áreas de teatro, dança, música e folclore, organizando grupos culturais diversos formados por alunos e também membros da comunidade em projetos de extensão.[76][77][78][79][80][81][82]

EsportesEditar

 
Piscina do Campus de Fortaleza

O IFCE tem uma vasta estrutura esportiva espalhada por 21 dos 32 campi. São 19 ginásios, 9 piscinas, 7 campos de futebol, 7 salas de musculação e 3 pistas de atletismo.[83][84] O campus Fortaleza teve até 2010 uma estrutura vasta para os esportes, mas parte do seu parque esportivo foi desfeito para abrigar a nova estrutura de salas e laboratórios. No lugar da pista de atletismo foi construído um novo espaço de práticas esportivas com um ginásio com medidas esportivas para práticas oficiais e mais salas de aula e salas de ginásticas e uma piscina para hidroginástica.

A Escola Técnica iniciou em 1975 os JETECs que foram organizados até o ano de 2008. Com a mudança para IFCE em 2009 passou a ser organizado os Jogos do Instituto Federal - JIF. Em 2018 o IFCE organizou os Jogos dos Institutos Federais nacional, no Centro de Formação Olímpica do Nordeste, em Fortaleza.[85] Em 2017 os esportes no IFCE tiveram um avanço na estrutura administrativa e na participação com resultados em todos os níveis em que participou, notadamente os ouros da aluna Rayane Magalhães, do curso superior de Gestão Desportiva e de Lazer do campus Fortaleza onde participou dos Jogos Universitários Paralímpicos, organizados pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário com três medalhas de ouro nas provas 50 e 100 metros nado livre e 100 metros de costas,[86] e ainda quatro ouros na competição Panamericana.[87] da Federação Internacional do Esporte Universitário. A natação do IFCE tem se destacado nos JIFs tendo feito, em 2017, 18 medalhas: 4 de ouro, 7 de prata e 7 de bronze.[88] Na natação escolar é bem forte e já gerou atletas de destaque como a estudante Mirna Lorena Araújo de Fortaleza, que recebeu bolsa de alto rendimento esportivo do Governo do Ceará.[89]

Ações afirmativasEditar

Para promover políticas de ações afirmativas o IFCE tem organizado vários setores em vários grupos, como os Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABIs), presentes em 14 campi, e os Núcleos de Acessibilidade às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNEs), presentes em 21 campi. Esses núcleos congregam servidores e alunos para promover pesquisas e ações institucionais de reparação e adequação da estrutura para promover um ambiente de equidade para todos os que fazer a comunidade "ifceana", tais como ações do programa de estudos sobre Danças Africanas Ancestrais do Campus Fortaleza.[90][91] Uma das políticas mais extensivas é a oferta, no SISU, de 50% das vagas para estudantes oriundos de escolas públicas.[92] O publico LGBT tem apoio institucional, mais recentemente por meio do Guia de Diversidade Sexual.[93] Também existem políticas e ações para diminuir as desigualdades de gênero[94] bem como o combate a violência contra a mulher.[95] As mulheres estão presentes nas ações afirmativas como por exemplo no edital “Mulheres na Ciência” que incentiva a participação em pesquisas.[96]

Participação na gestãoEditar

Pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB a gestão democrática é princípio que no IFCE esta determinando em sua missão, visão e valores institucional, alem do estatuto, regimento e outros documentos como o plano político-pedagógico institucional. Os alunos participam da gestão, sendo eleitos em processos consultivos na comunidade discente, exercitando essa participação democrática em várias instâncias, como o Conselho Superior, Conselho Acadêmico, Conselho de Classe, Comissão Própria de Avaliação, dentre outros colegiados, que deliberam, auxiliam e acompanham a gestão institucional.[97]

Entidades estudantisEditar

Os alunos do IFCE tem como entidade representativa principal o Diretório Central dos Estudantes José Montenegro de Lima.[98] Em cada campus com ensino técnico integrado se organiza um grêmio estudantil e em cada curso superior existe um centro acadêmico. O DCE do Instituto é filiado à União Nacional dos Estudantes - UNE.[99] Os grêmios do IF são filiados à União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - UBES.[100] Para formação de novas entidades o Diretoria de Assuntos Estudantis - DAE da Reitoria publicou em 2016 um guia de formação de Entidades Estudantis, que orienta e auxilia os alunos nessa empreitada.[101] A DAE tem apoiado as entidades com o patrocínio de viagens para membros, em participação de eventos regionais e nacionais, bem como o apoio em eventos internos e na mediação entre as entidades e a gestão do IFCE.[102][103] É por meio do DCE que os alunos de Fortaleza tem acesso à carteira de estudante, que habilita a meia-entrada nos transporte públicos e em eventos.[104]

EgressosEditar

Para se tornar um egresso, o aluno deve ter concluído algum curso do IFCE e ter participado da solenidade de formatura para poder obter o certificado ou diploma, que precisa vir junto com a Colação de grau, para alunos de graduação. No IF existe um manual de cerimonia de conclusão de curso onde as turmas participam do planejamento do evento.[105] O Programa de Acompanhamento ao Egresso dos Cursos Regulares da Instituição foi instituído em 2018 para promover o acompanhamento dos egressos e promover uma melhor inserção no mercado de trabalho e formação continuada, alem de procurar fortalecer a relação dos ex-alunos de maneira continuada com a instituição e procurar entender melhor o perfil de formação de nossa comunidade acadêmica.[106] Em 1985 a Escola Técnica começou a organizar um encontro de ex alunos, os egressos, para confraternizar e relembrar os momentos vividos por eles durante os estudos na instituição com o dia do ex aluno e 9 de dezembro. Em 2017 aconteceu o 33º encontro de ex alunos. O encontro tem sido palco também de homenagens de ex alunos que fizeram serviços relevantes para a sociedade de Fortaleza.[107][108] A data comemorativa foi consolidada no calendário da instituição pela portaria nº 161, de 9 de dezembro de 1983.[109] Mas outros campi realizam encontros de ex alunos em outras datas como em Crato e Juazeiro do Norte em julho e setembro.[110] Abaixo segue lista de alguns egressos ilustres:

Ensino - Pesquisa - ExtensãoEditar

 
Portão IFCE Canindé

Na mudança para a nova institucionalidade, o IFCE se aprofundou no sistema de organização de ensino que é submetida as universidades do Brasil com o planejamento realizando as ações distribuídas entre ensino, pesquisa e extensão. Nesse sentido várias políticas de ensino do governo federal abarcam todos os alunos atendidos pela Instituição. A estrutura de salas de aulas é composta por 663 salas.[7]

EnsinoEditar

O IFCE ofertou no ano de 2017, 247 cursos em vários níveis e em todas as áreas sendo 133 cursos técnicos (62 subsequentes, 40 concomitantes, 31 integrados)[111], 101 de nível superior (25 bacharelados, 41 licenciaturas e 35 tecnológicos)[112] e 22 de pós-graduação (12 especializações e 10 mestrados)[113].[2] O quadro de professores em 2017 era de 1417 professores, dos quais 394 (27,8%) eram doutores, 758 (53%) mestres e 210 (14,8%) especialistas.[114][115] As licenciaturas tem um destaque na instituição, sendo ofertadas em todas as regiões do estado sendo 41 cursos nas seguintes áreas: artes visuais, ciências biológicas, educação física, educação profissional científica e tecnológica, física, geografia, letras, letras português-Inglês, matemática, música, pedagogia, química e teatro. As engenharias ganham destaque entre os bacharelados com 14 cursos ofertados nas seguintes áreas: ambiental, sanitária, civil, aquicultura, computação, controle e automação, mecatrônica, produção civil, telecomunicações e mecânica.[112]

Na Educação a distância - EaD o Instituto oferta 13 cursos técnicos, duas licenciaturas em matemática e Educação Profissional científica e tecnológica (EPCT), um tecnólogo em hotelaria e uma especialização em Orientação e Mobilidade.[116] Estes cursos são habilitados pela rede Universidade Aberta do Brasil - UAB e pela Rede E-Tec. Na avaliação mais recente do MEC a EaD do IFCE ficou com nota 4.[117] O E-Tec Idiomas sem Fronteiras é uma parceria do IFCE com outros institutos federais que foi lançado em 2014 e atua em todo o país ofertando inglês e espanhol.[118]

Pesquisa e InovaçãoEditar

Em 2019 o Instituto Federal do Ceará começou a implementar sua Política de Inovação, regulamentando institucionalmente as atualizações da Lei de Inovação Tecnológica onde uma série de medidas pretendem dinamizar as ações de pesquisa e inovação.[119] Toda a rede atual que se enquadra nas ações que essa Política vai contemplar passarão a ser disponibilizadas para iniciativas de pesquisa de seus docentes, discentes e instituições e empresas que queiram fazer parcerias para desenvolvimento e inovação nos laboratórios do IFCE. Em 2018 foram contabilizados 559 laboratórios nas unidades do IF, com ênfase nas áreas de 'Controle e Processos Industriais', 'Informação e Comunicação' e 'Recursos Naturais'.[7]

A pesquisa no IFCE tem se consolidado em áreas de destaque como as ofertantes nos seguintes cursos de mestrado: Tecnologia em Alimentos (campus de Limoeiro do Norte), Ensino de Ciências e Matemática, Tecnologia e Gestão Ambiental, Engenharia de Telecomunicações e Profissional em Artes (campus de Fortaleza), Energias Renováveis e Ciência da Computação (campi de Fortaleza e Maracanaú), Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação, Educação Profissional e Tecnológica e Ensino de Física (em rede). São 99 grupos de pesquisas em várias áreas do conhecimento em todos os campi do estado.[120] Sendo membro da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP todos os campi do IFCE estão interligados por fibra óptica com alta velocidade de acesso a internet.[121]

Alguns resultados de pesquisas que ganharam destaque pela inovação: ferramenta de autodescrição para deficientes visuais desenvolvida no Núcleo de Tecnologias Assistivas,[122] mochila que gera energia com movimento do corpo,[123] remédio contra gripe à base de acerola e caju, premiado nos Estados Unidos, desenvolvido pelo aluno Helyson, do curso técnico em meio ambiente, em Limoeiro do Norte,[124] a adsorção de fármacos desenvolvida pelo Grupo de Analítica de Materiais (Gama) de Quixadá,[125] a Internet of Save Energy (IoSE) é uma solução de hardware e software que mede e controla os circuitos elétricos de uma unidade consumidora, desenvolvida no Laboratório de Inovação Tecnológica do campus Fortaleza,[126] dentre outras.

O Instituto Federal tem desenvolvido sua presença no Ceará e o resultado da sua atuação na área de inovação fica patente com a participação em projetos como o Parque Tecnológico do Ceará, em desenvolvimento pelo Governo do Estado, que terá presença em vários polos.[127][128][129] Em parceria com o governo de Portugal o IF será um dos polos no Brasil do Atlantic International Research Centre.[130] Outro destaque nas pesquisas é a parceria com a Universidade Ben-Gurion do Neguev e o governo de Israel para pesquisas em diversas áreas, do meio ambiente e sistemas tecnológicos e uma acordo de cooperação de 3 milhões de dólares para investimentos em pesquisa no Brasil.[131][132][133][134][135] Em âmbito nacional, o IFCE é signatário da Embrapii, criando em Fortaleza um Polo de Inovação com foco em sistemas embarcados, tendo parceria com 10 empresas.[136][137][138] Assessorando toda essa estrutura inovativa do IFCE, existe o Núcleo de Inovação Tecnológica que gerencia a geração de patentes.[139]

ExtensãoEditar

A extensão do IFCE tem realizado muitas atividades sociais, notadamente organização de cursos rápidos para o público em geral, nas áreas de atuação do ensino regular da instituição, bem como ações de cunho esportivo, cultural e artístico, por meio dos grupos e clubes de alunos e servidores. Para fomentar o empreendedorismo social, em vários campi existem Times Enactus, grupos de alunos que planejam uma atividade social de cunho filantrópico que planeja inovações em comunidades carentes. O time Enactus de Maracanaú é um caso de sucesso, tendo já conquistados vários prêmios locais e alcançando o segundo lugar nacional em 2014.[140] O Time Enactus de Iguatu e o caso de sucesso mais recente tendo sido o campeão nacional de 2017 e 2018, tendo ido representar o Brasil no mundial em Londres (2017) e San José (Califórnia) (2018).[141][142] Em Iguatu[143] e Crato[144] existem ainda cooperativas-escola ligadas à produção agrícola desses campi. Também é incentivado a participação dos alunos no Parlamento Jovem Brasileiro, tendo conseguido boa colocação com o aluno Francisco Cavalcante de Sousa, do campus Jaguaribe, no ano de 2017.[145]

Algumas ações de extensão do IFCE merecem destaque, como o Centro de Treinamento de treinadores e instrutores de cães-guia, para pessoas com deficiência visual, no Campus de Limoeiro do Norte, pioneiro no Nordeste;[146] ou o cadastro gratuito Cadastro Ambiental Rural, feito por alunos do Crato para pequenos proprietários rurais;[147]

EmpreendedorismoEditar

 
Prédio da Incubadora de Empresas do Campus de Fortaleza

O sistema de Incubadoras de empresas do IFCE iniciou suas atividades com a primeira unidade em Fortaleza no ano de 2005. Casos de sucesso dessa incubadora são as empresas "AED Tecnologia", criadora do "mototaxímetro" e do mouse para cegos,[148] e a empresa "3V3 Tecnologia", que produz equipamentos de automação agrícola para a empresa "Cemag".[149] Atualmente vários campi estão estruturando espaços para incubação de iniciativas empreendedoras para alunos e ex alunos. O acesso ao espaço que proporciona infraestrutura para o desenvolvimento das empresas é feito por meio de edital específico, em cada campus ofertante.[150][151][152] Em 2016 as incubadoras do IFCE passaram a ser uma política institucional com a aprovação de um regimento unificado para todos os campi.[153] Em 2017 o IFCE estabeleceu uma parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Ceará para incubar ideias de negócios inovadores de alunos da instituição.[154]

As empresas juniores passaram a ser uma política institucional com a entrada em virgo da nova Lei nº 13.267 de 6 de abril de 2016, que disciplina o estabelecimento das empresas em instituições de ensino, com a parceria da Brasil Júnior, entidade maior que congrega as empresas juniores no país. Em 2016 ainda o regulamento do Programa institucional de Empresas Juniores foi aprovado.[155] Atualmente vários campi do Instituto vem implantando e melhorando as ações da Empresas Juniores: Tauá,[156] Maracanaú,[157] Crateús,[158] Iguatu,[159] Juazeiro do Norte,[160] dentre outras iniciativas ainda em andamento.

Divulgação CientíficaEditar

O IFCE realiza vários eventos de divulgação científica, como mostras de trabalhos e encontros de estudantes, notadamente o Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação - CONNEPI[161] e o Universo IFCE,[162] dentro da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.[163][164] Outros acontecimentos como observações astronômicas são realizados periodicamente,[165] bem como palestras com cientistas de várias áreas, abertas ao público em geral. Também participa de eventos internacionais como a Genius Olympiad,[166] I-SWEEEP, feira de sustentabilidade ambiental,[167] Feira Internacional Mostratec[168] dentre outras. Os 60 Centros de Inclusão Digital do IFCE funcionam como uma importante iniciativa de divulgação científica e formação básica em comunidades carentes de 22 municípios do estado.[169] Também foi destaque do IFCE a participação na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia - FEBRACE, em 2017 com os alunos do Campus de Juazeiro do Norte[170] e em 2018 a aluna Myllena Cristyna ganhou premiações nacionais e representou o Brasil e feira mundial.[171] Ainda em 2018 o Campus Fortaleza sediou o Space Apps, evento internacional de hackathon da NASA para desenvolvimento de Aplicativo móvel para divulgação científica[172] e o aluno Leonardo Silva de Oliveira do Campus Cedro ficou em 3º lugar no Prêmio Jovem Cientista para o ensino médio.[173]

Olimpíadas de ConhecimentoEditar

Os alunos do nível médio são incentivados a participar de várias olimpíadas de conhecimento, como Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas - OBMEP,[174] Olimpíada Brasileira de Astronomia - OBA,[175] Olimpíada Brasileira de Biologia - OBB,[176] Olimpíada Brasileira de Física na Escola Pública - OBFEP,[177] Olimpíada Brasileira de Informática - OBI,[178] Olimpíada Brasileira de Geografia,[179] Olimpíada Brasileira de Química - OBQ,[180] Olimpíada Nacional em História do Brasil - ONHB,[181][182] Olimpíada Brasileira de Agropecuária - OBAP[183][184] e Olimpíada Brasileira de Robótica - OBR. Em 2017 o IFCE de Caucaia foi a melhor escola pública na OBR.[185] No nível superior os alunos também participam de olimpíadas e campeonatos de divulgação científica colocando o IFCE em destaque também nessa área, como o torneio de Pontes de Macarrão da Universidade Federal do Ceará.[186]

InternacionalEditar

A Reitoria do Instituto Federal valoriza a política de internacionalização tendo criado uma Diretoria em sua estrutura e organizando de maneira estruturada ações para a efetivação da internacionalização de suas ações, tando levando alunos para cursar parte dos cursos por Intercâmbio educacional, como o Ciência sem Fronteiras, que possibilitou à dezenas de alunos do IFCE passar parte de suas graduações em instituições estrangeira,[187] quanto trazendo alunos estrangeiros intercambistas para cursar parte de seus estudos no Brasil, tendo recebido estudantes do Canadá, Alemanha, Guiana Francesa, Japão, Tailândia, Colômbia, Bélgica, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Congo, dentre outros.[188][189] O IFCE também tem várias parcerias com várias instituições e universidades de vários países para a oferta de bolsas e qualificação de docentes e técnicos.[190] Ao todo, desde 2009 já foram enviados ao exterior 96 professores, 17 técnicos administrativos e 275 alunos.[191] O Parlamento Juvenil MERCOSUL é um projeto educacional do bloco que tem representantes do IFCE concorrendo e tendo eleito o aluno Francisco Hermeson para o biênio 2018-2020.[192][193] A instituição também incentiva participação no Programa Jovens Embaixadores da Embaixada dos Estados Unidos e que ex-aluno do Instituto Federal já consegui boa colocação nele.[194]

BibliotecasEditar

O IFCE tem uma sistema de bibliotecas dirigido pelo Departamento de Bibliotecas da Pró-Reitoria de Ensino. São 32 bibliotecas, sendo a maior delas a Biblioteca Waldyr Diogo de Siqueira, do campus Fortaleza, com mais de 50 mil volumes em seu acervo.[195] O IFCE vem estruturando as bibliotecas em cada campus, para melhorar a estrutura de apoio ao sistema de ensino-pesquisa-extensão, com o plano de construção de 10 novos prédios de bibliotecas nos campi Caucaia, Ubajara, Jaguaribe, Morada Nova, Tabuleiro do Norte, Umirim, Tauá, Tianguá, Baturité e Camocim.[196] O Acervo, em 2018, de todas as bibliotecas do Instituto contabilizou mais de 221 mil volumes.[7]

PublicaçõesEditar

Com uma estrutura nova voltada para a gestão das publicações científicas, o IFCE está organizando uma editora, EDIFCE, que pretende sistematizar a política editorial da instituição dando mais destaque e autonomia para a publicação de livros.[197] Durante a implantação da editora o instituto tem feito chamadas para publicação de livros dos professores e técnicos.[198] A revista científica Conexões é a principal revista do IFCE com mais de 10 anos de atuação e mais de 100 artigos científicos divulgados.[199] A Coordenadoria de Publicações Científicas tem trabalhado para ampliação de espaços de publicação do IFCE resultado no surgimento de novas publicações digitais tais como: Mopuã, das áreas de artes visuais, dança, teatro e música; a Journal of Mechatronics Engineering, que envolve diversas engenharias; e a Revista de Educação Física, Saúde e Esporte, relacionada à saúde e à educação física,[200] Acta Kariri, do campus de Crato, voltada para as áreas de agricultura, zootecnia e sistemas de Informação.[201]

OrganizaçãoEditar

A Gestão Superior do Instituto Federal do Ceará, de acordo com seu Estatuto, é exercida inicialmente pelo Conselho Superior, presidido pelo Reitor e composto por membros da comunidade escolhidos por eleição própria e também pelo Colégio de Dirigentes, também presidido pelo Reitor e composto de todos os Diretores de Campi e todos os Pró-Reitores.[202]

O Instituto Federal do Ceará precisou passar por uma reorganização administrativa quando fundiu e sobrepôs estruturas administrativas semelhantes das autarquias que lhe deram corpo: CEFET/Ce e as Agrotécnicas do Crato e Iguatu. Nesse sentido o IFCE surgiu com uma Reitoria em Fortaleza e cinco Pró-Reitorias nas áreas de Administração, Educação, Pesquisa e Inovação, Extensão e Desenvolvimento Institucional. Essa composição de temas para uma gestão superior foi deliberada pela última equipe de gestão das instituições formadoras. Com a escolha de um novo reitor em 2012, foram debatidos toda a estrutura e o planejamento da Instituição e com a posse do novo Reitor em 2013, houve mudanças na estrutura da gestão. A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional virou uma Diretoria dentro da Pró-Reitoria de Administração e surgiu uma nova Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas.[203]

CampiEditar

Os atuais 32 campi do IFCE estão espalhados por todo o estado, presentes em todas as mesorregiões do Ceará.

 
Mapa do Ceará com a marcação dos municípios que tem campus do IFCE

PessoalEditar

O quadro de pessoal do IFCE é composto de servidores públicos de carreira própria, como os docentes de Educação Básica Técnica e Tecnológica, EBTT e os Técnicos Administrativos em Educação, TAE. Alem dos servidores de carreira, também existem os servidores temporários e também tem os terceirizados, que fazem os serviços complementares ao da missão institucional. Em 2008, ultimo ano antes da mudança para IFCE, o quadro de servidores era composto de um total de 642 e de temporários era 102, sendo que 397 eram docentes.[204] Em 2017 o IFCE tinha 3367 servidores sendo 1809 docentes e 1556 técnicos.[205] Os servidores do IFCE se congregam na Associação dos Servidores da Escola Técnica Federal do Ceará - ASSETECE desde 1981.[206] Na defesa dos interesses dos servidores dos Institutos Federais existe um sindicato nacional, Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - SINASEFE, que no Ceará tem várias seções sindicais.[207]

Planejamento e avaliaçãoEditar

No âmbito da administração, atividade meio da instituição, é possível exercitar a tríade ensino-pesquisa-extensão por meio dos instrumentos de planejamento e avaliação institucional como o Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI e a Comissão Própria de Avaliação - CPA.[208] O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES cria vários instrumentos que integram e melhoram a atuação das instituições, especialmente na possibilidade de atuação de todos que fazem o IFCE acontecer, por meio de consultas e questionários e reuniões. O IFCE já realizou dois períodos de planejamento, 2009-2013 e 2014-2018. O planejamento para o próximo período, 2019-2023 foi publicado recentemente dando uma visão ampliada sobre a estrutura atual e o planejamento para a implementação do plano para o período até 2023.[209][7]

Formatados pelo grupo gestor, com participação da comunidade acadêmica, seus princípios (missão, visão e valores) foram revisados no ano de 2010, dada a nova institucionalidade do IFCE, a fim de se adequarem às recentes características. Após revisão feita pelo grupo gestor, os textos foram disponibilizados para a comunidade acadêmica, a fim de levantar suas contribuições. O acompanhamento desse processo ficou a cargo da pró-reitoria de Desenvolvimento Institucional. Uma vez compilados, os textos da missão, da visão e dos valores foram submetidos ao Conselho Superior do IFCE, sendo ratificado em 2011, em resolução aprovando as seguintes redações dos princípios:[210]

  • Missão

Produzir, disseminar e aplicar os conhecimentos científicos e tecnológicos na busca de participar integralmente da formação do cidadão, tornando-a mais completa, visando sua total inserção social, política, cultural e ética.

  • Visão

Tornar-se padrão de excelência no ensino, pesquisa e extensão na área de Ciência e Tecnologia.

  • Valores

Nas suas atividades, o IFCE valorizará o compromisso ético com responsabilidade social, o respeito, a transparência, a excelência e a determinação em suas ações, em consonância com os preceitos básicos de cidadania e humanismo, com liberdade de expressão, com os sentimentos de solidariedade, com a cultura da inovação, com idéias fixas na sustentabilidade ambiental.

FinanciamentoEditar

Sendo uma autarquia do Governo Federal, sua gestão financeira é regida pela Lei orçamentária anual - LOA e gerida com autonomia institucional pela Pró-Reitoria de Administração e Planejamento. A principal base de cálculo para o valor de repasse do governo para a gestão do IFCE é o número de alunos atendidos, mas o orçamento não se restringe aos valores atribuídos pela LOA. Instituições de financiamento e fomento científico também influenciam no sistema orçamentário, notadamente na oferta de bolsas e na expansão da estrutura de laboratórios e bibliotecas. Entre 2014 e 2018 o orçamento do Instituto Federal do Ceará teve um aumento na despesa de pessoal de quase 80% devido ao aumento no quadro de servidores. no mesmo período as matrículas aumentaram 300% enquanto o custeio aumentou apenas 26%.[7]

Orçamento realizado no período 2014-2018[7]
Grupo de despesas 2014 2015 2016 2017 2018 2014-2018
Pessoal 266.410.128 352.419.780 325.043.911 419.576.405 456.563.101 1.820.013.325
Custeio 102.519.516 108.022.701 118.764.304 121.061.781 129.840.732 580.209.034
Investimento 83.500.351 63.535.927 45.358.522 9.839.883 11.971.735 214.206.418
Total 452.429.995 523.978.408 489.166.737 550.478.069 598.375.568 2.614.428.777

Governo abertoEditar

Levando adiante, no âmbito do IFCE, a politica de Governo aberto, foi implementado sistemas de prestação de contas, como o "IFCE em Números", iniciativa premiada pelo governo, que possibilita tanto informações para planejamento, como prestação de conta com informações acadêmicas da instituição.[211] A sistemática de transparência de gestão é realizada pela prestação de contras no "Portal da Transparência" do Governo Federal, bem como pela publicação de todos os atos institucionais em Boletim de Serviço de cada unidade e também em relatórios de cada setor pelas pró-reitorias a cada ano ou ciclo de planejamento. O IFCE conta ainda com uma Ouvidoria, que opera a partir da Reitoria, para realizar especificamente o atendimento individual de cada demanda específica por acesso a informação, direcionando aos setores e prestando contas à Ouvidoria-Geral da União.[212] O IFCE integra a "Plataforma Nilo Peçanha" que divulga dados de todas as instituições da Rede Federal de Ensino Tecnológico com dados acadêmicos e orçamentários dando um panorama bem completo sobre o ensino, a gestão orçamentários e gestão de pessoas.[213]

Sustentabilidade ambientalEditar

A gestão ambiental do IFCE está nominalmente presente em seus valores, como uma ideia presente em suas atividades.[214] Nesse sentido a responsabilidade socioambiental se converte em ações como a Coleta Seletiva Solidária, estabelecida em vários campi, que visa destinar a geração de resíduos para grupos de catadores, de maneira a melhorar os processos de seleção e destinação da reciclagem. Por meio da Agenda Ambiental da Administração Pública Federal (A3P) o Instituto implementa ações como: "IFCE de Responsabilidade Socioambiental" e "Limpo e Verde".[215] Existem ações para a implementação de geração de energia limpa, como a instalação de energia solar fotovoltaica em campis como Maracanaú,[216] Juazeiro do Norte[217] e planejamento em Fortaleza.[218][219]

ControvérsiasEditar

Greves e manifestaçõesEditar

Depois de entrar em vigor a nova Constituição brasileira de 1988, os servidores da Escola Técnica Federal do Ceará puderam e organizaram um sindicato e tiveram o direito à greve. Desde a criação do IFCE, já foram realizados greves em 2011,[220] 2012 e 2015. Tendo participado da Greve no ensino público federal do Brasil em 2012 e da Greve no ensino público federal do Brasil em 2015, as maiores já registradas, mesmo que tais paralisações sejam motivadas por pautas de melhorias na educação do sistema federal, e de melhores condições de salários dos servidores da educação, atrasos no calendário acadêmico afetaram a oferta de novas vagas e a formatura dos alunos.[221][222] Em 2014 estudantes do campus Fortaleza fizeram uma intensa mobilização pelo Passe livre e meio-passe que resultou em confronto com forças policiais e ocupação de vias públicas e do prédio do IFCE.[223] A situação gerou o cancelamento das aulas daquele dia de manifestação.[224] Neste mesmo ano os servidores também fizeram manifestação pela jornada de trabalho de 30 horas semanais pedindo que a Reitoria da instituição implementasse normativo que regulamenta essa possibilidade de trabalho, tendo havido paralisação de atividades em diversos campi.[225] [226]

Assédio moralEditar

Dentro das pautas das greves, fora a luta por melhores condições estruturais, a luta contra o assédio moral é uma pauta sempre constante dos servidores.[227] Em 2011 uma servidora do campus de Quixadá denunciou seus chefes, notadamente durante a greve, tendo vido a acionar judicialmente a instituição, que resultou no afastamento e posterior condenação judicial das chefias a pagarem multas pelo dano moral causado à servidora.[228] Em 2017 a sombra do assédio veio por meio da onda de ataques religiosos sobre a educação sexual nas escolas intitulada de "Ideologia do género" que mobilizou professor em busca de garantia de direitos em várias instâncias, como a Defensoria Pública do Estado do Ceará.[229]

Assédio e violência SexualEditar

Denuncias de assédio tem surgido e gerado insegurança dentro dos campi do IFCE. Em Maracanaú um servidor foi afastado em 2018 e esta sendo processado administrativa por assédio sexual.[230] Já em 2017, no campus de Fortaleza, uma tentativa de estupro deixou a comunidade acadêmica muita abalada, revelando uma situação de insegurança no campus, que reagiu aumentando o número de câmeras e mais rigor na entrada de alunos e visitantes.[231] A situação em Fortaleza gerou uma mobilização, com várias manifestações dos estudantes e da comunidade.[232]

ExpansãoEditar

Depois da mudança de institucionalidade que criou uma nova forma de instituição educacional pretendida ser extensiva pelo país ofertando ensino médio técnico e ensino superior, foi implantada uma agenda de expansão que gerou críticas por ter criado situações em que a qualidade das condições de trabalho e de ensino foram comprometidas em troca da imagem política de inauguração e novos espaços para ensino.[233] Exemplo disso foi a conversão da fazenda na cidade de Umirim que foi transformada em campus gerando críticas e mobilização pela melhoria de condições de trabalho e segurança com manifestações em 2014, dos servidores e alunos do campus, como contratação de terceirizados para segurança e serviços gerais e construções diversas.[234] Mesmo com essas críticas a gestão tentou esclarecer a situação informando que tais agendas são parte de planos que fogem a gestão, bem como contingenciamentos de verbas pela gestão do governo federal.[235] Problemas em concursos para o aumento de servidores também surgiram ao longo da expansão, o que gerou fortes críticas do sindicato.[236]

Referências

  1. a b «Atualizada relação de cargos vagos e ocupados no IFCE». IFCE. Consultado em 4 de abril de 2018 
  2. a b c d e f «IFCE Em Numeros». ifceemnumeros.ifce.edu.br. Consultado em 6 de novembro de 2018 
  3. a b «Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados e-mec». Ministério da Educação. Consultado em 6 de novembro de 2018 
  4. a b «MEC divulga as melhores instituições para estudar no Brasil - Investe CE». Investe CE. 27 de novembro de 2017. Consultado em 9 de março de 2018 
  5. «Orçamento Anual de 2018 - Volume II da LOA» (PDF). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. 14 de fevereiro de 2018. Consultado em 17 de fevereiro de 2018 
  6. Online, IFCE. «Competências - IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 13 de março de 2017 
  7. a b c d e f g IFCE, IFCE (6 de fevereiro de 2019). «PDI 2019-2023 IFCE» (PDF). IFCE. Consultado em 19 de fevereiro de 2019 
  8. IFCE (8 de março de 2018). «IFCE recebe nota máxima em avaliação do MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 9 de março de 2018 
  9. IFCE (11 de setembro de 2017). «Campus recebe nota 4 em avaliação do MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 9 de março de 2018 
  10. «Cursos do campus de Crato recebem nota 4 do MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  11. «Mecatrônica Industrial recebe conceito 4 do MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  12. «Curso de Engenharia Ambiental é reconhecido pelo MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  13. «Letras e Zootecnia de Crateús são reconhecidos pelo MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  14. «Engenharia Civil recebe nota 4». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  15. «Ceará fora das 100 melhores notas do ENEM - Sindicato APEOC». Sindicato APEOC. 26 de julho de 2010. Consultado em 9 de março de 2018 
  16. «Quem não aposta em inovação, acaba fora da modernização». Blog do Eliomar. 19 de setembro de 2018. Consultado em 9 de abril de 2019 
  17. «Polos de Inovação da Rede recebem avaliação positiva da Embrapii». portal.conif.org.br. Consultado em 9 de abril de 2019 
  18. Sombra, José Castellar (27 de maio de 1910). «Escola de Aprendizes Artífices». Jornal do Ceará. Consultado em 21 de março de 2019 
  19. a b c d CAMARA, João (1922). Almanach estatístico, administrativo, mercantil, industrial e literário do Estado do Ceará. Fortaleza: TYP. Gadelha. pp. 669–682 
  20. a b SANTOS, Deribaldo (2007). Os Cem anos de CEFET/CE : compromisso social, desenvolvimento tecnológico e aproximação com o mercado. Fortaleza: UECE. 21 páginas 
  21. Castelo, Plácido Aderaldo (1970). História do Ensino no Ceará. Fortaleza: Departamento de Impressa Oficial. 189 páginas 
  22. SOARES, Manoel (julho de 1982). «As Escolas de Aprendizes Artífices - estrutura e evolução». FGV. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  23. «Lei 378 de 13 de ejaneiro de 1937». www2.camara.leg.br. 15 de janeiro de 1937. Consultado em 21 de março de 2019 
  24. Juracir, Juracir (21 de fevereiro de 1937). «Vida Desportiva: Requiescat in Pace! Futeból Cearense». A Razão. Consultado em 21 de março de 2019 
  25. Soares, R (28 de abril de 1937). «Vida Esportiva: Voltanda à Ribalta». A Razão. Consultado em 21 de março de 2019 
  26. «Rumo a Amazônia». O Radical. 4 de março de 1943. Consultado em 26 de março de 2019 
  27. SOUSA, José Bonifácio de (1967). «Datas e fatos para a História do Ceará (in Revista do Instituto do Ceará - ANNO LXXXI)» (PDF). Instituto do Ceará. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  28. Diário de Notícias, Diário de Notícias (26 de março de 1952). «O Brasil de Norte a Sul: Ceará - Escola Industrial». Diário de Notícias. Consultado em 20 de março de 2019 
  29. «Intercâmbio Panamericano». Diário de Notícias. 14 de janeiro de 1951. Consultado em 22 de março de 2019 
  30. «Lei - 3.552 de 16/02/1959 - Publicação Original [Diário Oficial da União de 17/02/1959] (p. 3009, col. 1)». legis.senado.gov.br. Consultado em 4 de abril de 2019 
  31. a b FIGUEIREDO, Severina Gadelha (2008). «A Educação Profissional e Tecnológica nas Políticas Públicas de Educação: Análise Crítica de seus Princípios, Finalidade e Objetivos.» (PDF). Universidade Federal do Ceará. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  32. «Escolas Técnicas do NE vão ser reequipadas em setembro». Diário de Pernambuco. 6 de agosto de 1967. Consultado em 4 de abril de 2019 
  33. «MEC reequipa ensino industrial: convênios». Correio da Manhã. 28 de julho de 1967. Consultado em 4 de abril de 2019 
  34. «Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 21 de março de 2019 
  35. «Professores Brasileiros vão estudar Processo Americano». memoria.bn.br. O Jornal. 24 de junho de 1973. Consultado em 21 de março de 2019 
  36. «Professores da PUC-RJ e UFC criam rede local para ensino». Jornal do Commercio. 17 de junho de 1988. Consultado em 4 de abril de 2019 
  37. «Professor inventa sistema que evita risco de agulhas». Jornal do Brasil. 14 de novembro de 1991. Consultado em 4 de abril de 2019 
  38. «A Belíndia da educação». O Fluminense. 18 de julho de 1995. Consultado em 4 de abril de 2019 
  39. LEANDRO Neto, Raimundo (2013). «A EXPANSÃO DO ENSINO TÉCNICO INDUSTRIAL DA REDE FEDERAL NO CEARÁ: o caso do IFCE – Campus de Cedro (1986-1999)» (PDF). UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  40. «Cefet-Ce Inaugura unidade no Pirambu» (PDF). Notícias SEMTEC. 7 de dezembro de 2003. Consultado em 27 de março de 2019 
  41. «Jovens são capacitados no Pirambu». Diário do Nordeste. 29 de abril de 2006. Consultado em 28 de março de 2019 
  42. «O campus — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  43. «Decreto nº 22.470, de 20 de Janeiro de 1947». www2.camara.leg.br. Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de abril de 2019 
  44. «Decreto nº 53.558, de 13 de Fevereiro de 1964». www2.camara.leg.br. Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de abril de 2019 
  45. «Decreto nº 60.731, de 19 de Maio de 1967». www2.camara.leg.br. Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de abril de 2019 
  46. «O campus — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  47. «Lei Orgânica do Ensino Agrícola - 1946». www2.camara.leg.br. Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de abril de 2019 
  48. «Decreto Numerado - 88244 de 20/04/1983 - Publicação Original [Diário Oficial da União de 22/04/1983] (p. 6482, col. 2)». legis.senado.gov.br. Consultado em 4 de abril de 2019 
  49. «O campus — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  50. GADELHA, Severina (2004). Antes que ninguém conte... eu cont. Fortaleza: CEFET-CE. pp. 198–211 
  51. «Plano de Desenvolvimento Institucional 2005-2009» (PDF). IFCE. 2005. Consultado em 27 de março de 2019 
  52. Gomes, Ana Elizabeth de Almeida (2006). «Cefet do Ceará amplia instalações com recursos do Proep» (PDF). FNDE. Consultado em 27 de março de 2019 
  53. Online, IFCE. «Histórico - IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 13 de março de 2017 
  54. IFCE (2011). «Relatório de Gestão de 2010» (PDF). IFCE. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  55. «IFCE não adota Enem para Teatro e Artes Visuais - Cidade - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste. Consultado em 21 de fevereiro de 2018 
  56. «Sisu — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 21 de fevereiro de 2018 
  57. «IFCE SISU 2019: consulte NOTAS DE CORTE de todos cursos». melhores do enem. 14 de dezembro de 2018. Consultado em 8 de abril de 2019 
  58. Bolsa, Quero. «Notas de corte SISU na IFCE - Quero Bolsa». querobolsa.com.br. Consultado em 8 de abril de 2019 
  59. Educação, E+B. «E+B Educação :: Dicas e notícias sobre bolsas de estudo, cursos, ENEM e carreiras.». E+B Educação. Consultado em 8 de abril de 2019 
  60. «Para quem quer ser aluno do IFCE — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 21 de fevereiro de 2018 
  61. MEC. «Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes)». Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  62. «Pró-reitoria de Extensão — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2018 
  63. «Auxílios — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  64. IFCE. «IFCE levanta informações sobre alojamentos». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  65. «Seguro Estudantil — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  66. «Pibic — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  67. «Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  68. «IFCE oferta 70 vagas de estágio para o Programa BEPiD em Fortaleza». Ceará. 24 de agosto de 2015 
  69. «IFCE lança parceria com Apple para formação de desenvolvedores». Ceará. 7 de março de 2014 
  70. IFCE, IFCE (19 de dezembro de 2018). «Vagas de Estágio». IFCE. Consultado em 8 de março de 2019 
  71. IFCE, IFCE (18 de dezembro de 2015). «IFCE e SINDUSCON firmam parceria». IFCE. Consultado em 8 de março de 2019 
  72. IFCE. «Por Dentro do IFCE». Por Dentro do IFCE. Consultado em 29 de junho de 2018 
  73. «CMFor celebra o Dia Mundial do Teatro». Camara Municipal de Fortaleza. 2 de Abril de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  74. «Licenciatura presente no Festival de Teatro de Fortaleza». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  75. «IFCE participa do Festival Nordestino de Teatro». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  76. Portal Vermelho (31 de maio de 2017). «Belchior: Coral do IFCE leva álbum "Alucinação" para palco do TJA - Portal Vermelho». Portal Vermelho. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  77. «Campus integra programação do Corredor Cultural». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  78. «Campus Iguatu realiza Semana Estudantil». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  79. «Secretaria de Cultura de Crato promove "Alpendre Literário" – Diário Cariri». blogs.diariodonordeste.com.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  80. «Campus de Sobral promove Show Cultural». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  81. «Campus de Crateús abriga exposição de pinturas». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  82. «Evento aborda arte musical no campus de Crateús». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  83. «Sinopses estatística da educação básica». INEP. 2017. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  84. «Anuário Estatístico do Instituto Federal do Ceará - 2017» (PDF). IFCE. 2017. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  85. «Fortaleza sediará edição 2018 dos Jogos dos Institutos Federais». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  86. CONIF (8 de agosto de 2017). «Aluna do IFCE é ouro nos Jogos Universitários Paralímpicos». Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  87. «Aluna conquista quatro ouros em competição internacional». IFCE. 27 de julho de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  88. «IFCE é campeão geral da natação nos JIF». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  89. «Nadadora Mirna Lorena conquista sete medalhas no II Torneio IFCE de Natação». www.esporte.ce.gov.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  90. «NEABIs e NAPNEs — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  91. «Danças Africanas Ancestrais são tema de oficinas». IFCE. 31 de julho de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  92. IFCE (10 de dezembro de 2012). «IFCE implanta o sistema de cotas sociais». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 1 de março de 2018 
  93. IFCE (31 de janeiro de 2018). «DAE publica Guia pelo respeito ao público LGBT». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 1 de março de 2018 
  94. «Edital estimula participação feminina nas ciências». IFCE. 28 de agosto de 2018. Consultado em 28 de agosto de 2018 
  95. «Evento em Crateús aborda combate à violência contra a mulher e desigualdade de gênero». IFCE. 28 de março de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2018 
  96. Freitas, Luís Carlos de (28 de fevereiro de 2019). «IFCE realiza série de ações em homenagem às mulheres». IFCE. Consultado em 7 de março de 2019 
  97. IFCE, IFCE (7 de fevereiro de 2017). «Aprova o regimento do conselho academico» (PDF). IFCE. Consultado em 1 de março de 2019 
  98. «Eleições do DCE JML ocorrem de 3 a 5 de outubro». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  99. «UNE - União Nacional dos Estudantes » CONGRESSO DA UNE INTENSIFICA MOBILIZAÇÃO E ELEGE QUASE 7 MIL DELEGADOSCONGRESSO DA UNE INTENSIFICA MOBILIZAÇÃO E ELEGE QUASE 7 MIL DELEGADOS». www.une.org.br. Consultado em 5 de março de 2018 
  100. UBES (12 de novembro de 2016). «Prepare-se! Vem aí o 3º Encontro Nacional de Grêmios da UBES». Ubes - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas. Consultado em 5 de março de 2018 
  101. «Guia de Formação de Entidades Estudantis — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE» (PDF). ifce.edu.br. Consultado em 1 de março de 2018 
  102. «Relatório de gestão 2013 - 2016 Diretoria de Assuntos Estudantis.» (PDF). IFCE. 2017. Consultado em 5 de março de 2018 
  103. UBES (26 de julho de 2011). «11º ENET da UBES: programação». Ubes - União Brasileira dos Estudantes Secundaristas. Consultado em 5 de março de 2018 
  104. «Entidades Estudantis - Mobilidade - Prefeitura Municipal de Fortaleza». catalogodeservicos.fortaleza.ce.gov.br. Consultado em 5 de março de 2018 
  105. IFCE, IFCE (7 de dezembro de 2016). «Manual de Cerimonia de Colação de Grau e de Conclusão de Curso» (PDF). IFCE. Consultado em 8 de março de 2019 
  106. «Instituído regulamento de acompanhamento do egresso». IFCE. 14 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  107. IFCE. «Encontro do Ex-aluno acontecerá em 9 dezembro». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 25 de fevereiro de 2018 
  108. «IFCE presta homenagem de honra à presidente do Senge-CE». Senge-CE. 14 de dezembro de 2015. Consultado em 25 de fevereiro de 2018 
  109. «10/12 - Dia do Ex-aluno — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  110. «Ex-alunos promovem encontro no campus Crato». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  111. IFCE, IFCE (26 de maio de 2018). «Cursos técnicos». IFCE. Consultado em 7 de março de 2019 
  112. a b IFCE, IFCE (10 de julho de 2018). «Cursos superiores». IFCEe. Consultado em 7 de março de 2019 
  113. IFCE, IFCE (2 de julho de 2018). «Cursos de pós-graduação». IFCE. Consultado em 7 de março de 2019 
  114. «Sinopse Estatística da Educação Superior 2016». Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. 20 de setembro de 2018. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  115. «"Painel Lattes" - Comparativo por Geografia, Instituição de Vínculo e Área de Atuação». CNPq. 30 de novembro de 2016. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  116. «Cursos EaD — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 11 de março de 2018 
  117. «EaD do IFCE recebe nota 4 no recredenciamento do MEC». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  118. «Lançado o programa e-Tec Idiomas Sem Fronteiras — Portal IFRN». Portal IFRN. 27 de maio de 2014. Consultado em 11 de março de 2018 
  119. Sampaio, Deborah (15 de fevereiro de 2019). «Política de Inovação recebe contribuições até 01/03». IFCE. Consultado em 19 de fevereiro de 2019 
  120. «Grupos de pesquisa — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  121. «Relatorio_de_Gestao_RNP_2011» (PDF). RNP. 2012. Consultado em 15 de março de 2018 
  122. «IFCE lança ferramenta de autodescrição para deficientes visuais». Ceará. 30 de agosto de 2014 
  123. «Alunos do CE criam mochila que gera energia com movimento do corpo». Ceará. 27 de junho de 2015 
  124. «Aluno ganha medalha por remédio contra gripe à base de acerola e caju». Educação. 9 de julho de 2015. Consultado em 1 de março de 2018 
  125. «Professores e alunos de Química do IFCE de Quixadá são destaque no Diário do Nordeste – Diário Sertão Central». blogs.diariodonordeste.com.br. Consultado em 2 de março de 2018 
  126. «Solução promete reduzir em até 25% gastos com energia». Diário do Nordeste. 10 de junho de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  127. «Governo dá 1º passo para Parque tecnológico do Ceará». Diário do Nordeste. 15 de setembro de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  128. Prefeitura de Fortaleza (5 de fevereiro de 2014). «Prefeitura de Fortaleza apresenta Parque Tecnológico». Consultado em 2 de março de 2018 
  129. «Governo apresenta relatório final do Parque Tecnológico do Ceará». www.nutec.ce.gov.br. Consultado em 2 de março de 2018 
  130. Online, O POVO. «Ceará terá centro de tecnologia em parceria com Portugal». www.opovo.com.br. Consultado em 16 de março de 2018 
  131. «Ceará e Israel podem ter novos projetos em conjunto | CAMBICI | Câmara Brasil-Israel de Comércio e Indústria». Consultado em 9 de abril de 2019 
  132. Nordeste, Diário do (6 de agosto de 2017). «Comitiva universitária israelense visitará campus do IFCE em Quixadá». Diário Sertão Central. Consultado em 9 de abril de 2019 
  133. «Semelhança climática favorece intercâmbio». Diário do Nordeste. Consultado em 9 de abril de 2019 
  134. «Especialização em Inovação do IFCE com inscrições abertas». Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico. 20 de novembro de 2013. Consultado em 9 de abril de 2019 
  135. «Embaixador Yossi Shelley visita o Ceará». embassies.gov.il. Consultado em 9 de abril de 2019 
  136. dedos, doze. «Embrapii». Embrapii. Consultado em 2 de março de 2018 
  137. IFCE. «Polo de Inovação fecha 10ª parceria com empresas de tecnologia». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 2 de março de 2018 
  138. Online, O POVO. «Artigos. Os caminhos da inovação». www.opovo.com.br. Consultado em 16 de março de 2018 
  139. «Patentes e registros — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 2 de março de 2018 
  140. «Enactus Maracanaú ganha prêmio nacional». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  141. Brandão, Denise (11 de agosto de 2017). «Cearenses disputam em Londres título de melhor projeto social». G1. Consultado em 2 de março de 2018 
  142. «IFCE Iguatu é bicampeão nacional de empreendedorismo social». IFCE. 21 de julho de 2018. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  143. «Cooperativa disponibiliza animais para venda em Iguatu». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  144. Lopes, Nailton (2011). «COETAGRI DO IFCE - CAMPUS CRATO» (PDF). IFCE. IFCE. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  145. «Aluno é pré-selecionado para Parlamento Jovem Brasileiro». IFCE. 11 de agosto de 2017. Consultado em 8 de novembro de 2018 
  146. freitas, Ellen. «Limoeiro terá 1º centro de formação de cão-guia do CE - Regional - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste. Consultado em 2 de março de 2018 
  147. «No CE, alunos do IFCE Crato realiza cadastro gratuito de imóveis rurais». Ceará. 20 de abril de 2016 
  148. «Cearenses criam ´mouse´ para cegos». Diário do Nordeste. 7 de abril de 2013. Consultado em 15 de março de 2018 
  149. Serpa, Egídio (10 de fevereiro de 2017). «Novo equipamento da Cemag possui tecnologia cearense». Diário do Nordeste. Consultado em 15 de março de 2018 
  150. «Incubadora terá novo edital em agosto». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  151. «Campus de Tianguá inaugura incubadora». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  152. «Campus de Acaraú realizará I Seminário da Incubadora de Empresas». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  153. «Regimento Interno das Incubadoras de Empresas no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.» (PDF). IFCE. 24 de outubro de 2016. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  154. Conteúdos, Gerenciador de. «FIEC e IFCE assinam convênio de inovação». www1.sfiec.org.br. Consultado em 2 de março de 2018 
  155. «Regulamento do Programa Institucional de Empresas Juniores» (PDF). IFCE. 19 de dezembro de 2016. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  156. «Tauá seleciona 12 estudantes para Empresa Júnior». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  157. «Maracanaú apresenta agenda de empreendedorismo». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  158. «Prefeito de Crateús demonstra interesse em parcerias com o IFCE». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  159. «Empresa Júnior é lançada no mercado - Regional - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste. Consultado em 30 de abril de 2018 
  160. «EJEC Projetos e Soluções». EJEC Projetos e Soluções. Consultado em 30 de abril de 2018 
  161. «IX Connepi tem representação de 215 alunos de instituto federal cearense». www20.opovo.com.br. Consultado em 5 de março de 2018 
  162. IFCE. «Universo IFCE ocorrerá nos dias 24 e 25 de novembro». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 2 de março de 2018 
  163. «UNIVERSO IFCE, 14ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, IFCE NA PRAÇA E A 2ª SEMANA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, ARTE E CULTURA». www.sertaoalerta.com.br. Consultado em 5 de março de 2018 
  164. «Campus do IFCE de Quixadá realiza Semana Nacional de Ciência e Tecnologia - Noticias». Noticias. 13 de outubro de 2011 
  165. «Satélite: Astronomia». Diário do Nordeste. 14 de outubro de 2017. Consultado em 2 de março de 2017 
  166. «Alunos de Limoeiro mostram pesquisas em Nova Iorque». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 3 de março de 2018 
  167. «Estudantes do interior do Ceará criam reator de biodiesel sem uso de eletricidade por R$ 80». Noticias. 13 de setembro de 2014. Consultado em 3 de março de 2018 
  168. «Estudantes cearenses desenvolvem gerador ecológico que produz energia em prédios». Noticias. 28 de julho de 2014. Consultado em 3 de março de 2018 
  169. «Perguntas frequentes — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 30 de abril de 2018 
  170. Graziela, Sheyla (2 de abril de 2017). «Projeto de Juazeiro é finalista da Febrace 2017». IFCE. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  171. «IFCE representa o país em feira mundial». IFCE. 14 de maio de 2018. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  172. «Fortaleza sedia encontro do Space Apps nesta quinta». IFCE. 4 de setembro de 2018. Consultado em 10 de setembro de 2018 
  173. «Prêmio Jovem Cientista - Vencedores 2018». Prêmio Jovem Cientista. Consultado em 1 de novembro de 2018 
  174. «Clube da matemática prepara alunos para a OBMEP». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. 15 de março de 2016. Consultado em 2 de março de 2018 
  175. «Campus garante ouro, prata e bronze na XX OBA». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. 1 de novembro de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  176. «XIV Olimpíada Brasileira de Biologia - 2018 LISTA DEFINITIVA DOS CLASSIFICADOS - 3ª fase» (PDF). http://www.olimpiadasdebiologia.butantan.gov.br. 23 de abril de 2018. Consultado em 10 de setembro de 2018 
  177. «Alunos do IFCE premiados na OBFEP». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. 3 de junho de 2014. Consultado em 2 de março de 2018 
  178. «Aluno de Aracati supera concorrentes de ITA, IME e USP em Olimpíada de Informática». Noticias. 10 de dezembro de 2015 
  179. «IFCE é ouro na Olimpíada Nacional de Geografia». IFCE. 14 de setembro de 2018. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  180. «Mensagem do Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) aos participantes das Olimpíadas de Química» (PDF). OBQ. 2009. Consultado em 3 de março de 2018 
  181. «Ceará tem disparado o maior número de equipes na final da Olimpíada de História do Brasil». Noticias. 23 de junho de 2017. Consultado em 3 de março de 2018 
  182. Lima, Dowglas (21 de agosto de 2018). «IFCE conquista prata em Olimpíada de História». IFCE. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  183. «Estudantes de Iguatu participam de Olimpíada Brasileira de Agropecuária». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. 20 de setembro de 2017. Consultado em 3 de março de 2018 
  184. «IFCE Campus Iguatu conquista medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Agropecuária». IFCE. 17 de setembro de 2018. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  185. «Alunos do IFCE ficam com melhor colocação entre escolas públicas na Olimpíada Brasileira de Robótica». Diário do Nordeste. 28 de setembro de 2017. Consultado em 2 de março de 2018 
  186. «IFCE é destaque em olimpíadas de conhecimento». IFCE. 13 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  187. «Noventa e cinco alunos fazem intercâmbio pelo CsF». IFCE. 6 de outubro de 2013. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  188. IFCE, IFCE (1 de dezembro de 2015). «Campus recebe estudantes do Canadá». IFCE. Consultado em 8 de fevereiro de 2019 
  189. Joathan / Braga, Ícaro / Juliana (17 de abril de 2013). «IFCE promove City Tour International». IFCE. Consultado em 8 de março de 2019 
  190. «Assessoria de Relações Internacionais». IFCE. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  191. «Evento apresenta a internacionalização do IFCE». IFCE. 11 de agosto de 2016. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  192. «Candidatos do Ceará». Parlamento Juvenil MERCOSUL. Consultado em 1 de novembro de 2018 
  193. Oliveira, Mauricio da Costa. «RESULTADO OFICIAL PJM 2018 - Ceará». pjm.mec.gov.br. PJM. Consultado em 8 de janeiro de 2019 
  194. «Ex-aluno é finalista de Programa de Jovens Embaixadores». IFCE. 8 de novembro de 2018. Consultado em 8 de novembro de 2018 
  195. «Café amplia debate sobre biblioteca acessível». ifce.edu.br. IFCE. 30 de outubro de 2018. Consultado em 1 de novembro de 2018 
  196. IFCE (5 de agosto de 2016). «IFCE planeja construção de mais 10 bibliotecas». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 1 de março de 2018 
  197. «IFCE inicia implantação de editora». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  198. «Aberta seleção para custeio de publicações científicas». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  199. «Revista Conexões – Ciência e Tecnologia comemora 10 anos de criação». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  200. «Lançadas mais três revistas científicas». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  201. «Crato lança revista científica». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  202. «Estatuto do IFCE» (PDF). IFCE. 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  203. «Novas instalações da Progep são entregues». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  204. IFCE, IFCE (2009). «Relatório de Gestão do CEFET-CE 2008» (PDF). Relatório de Gestão do CEFET-CE. Consultado em 27 de fevereiro de 2019 
  205. IFCE, IFCE (2018). «Relatório de Gestão do Exercício de 2017» (PDF). Relatório de Gestão. Consultado em 27 de fevereiro de 2019 
  206. «ASSETECE - ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DA ESCOLA TECNICA FEDERAL CE - CNPJ 6750699000193». empresasdobrasil.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2019 
  207. «Seções Sindicais». www.sinasefe.org.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2019 
  208. «MEC/SAPIEnS». www2.mec.gov.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  209. «Gestores discutem sistemática de elaboração do PDI 2019-2023». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  210. Online, IFCE. «Missão, Visão e Valores - IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 13 de março de 2017 
  211. CONIF (12 de dezembro de 2016). «IFB e IFCE recebem prêmio de boa prática de gestão». Consultado em 22 de março de 2018 
  212. rafaellarc. «Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE — Ouvidorias.gov». www.ouvidorias.gov.br. Consultado em 22 de março de 2018 
  213. «Plataforma traz detalhes sobre a Rede Federal no País». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE 
  214. «Carta de Sustentabilidade Socioambiental» (PDF). IFCE. Consultado em 1 de março de 2018 
  215. IFCE (18 de janeiro de 2018). «Fortaleza discute criação de política ambiental». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 1 de março de 2018 
  216. IFCE (5 de março de 2018). «Mais energia solar em Maracanaú». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 5 de março de 2018 
  217. IFCE (16 de novembro de 2017). «Campus de Juazeiro recebe doação da Receita Federal». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 5 de março de 2018 
  218. IFCE (14 de março de 2016). «Campus de Fortaleza analisa instalação de energia solar». Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE. Consultado em 5 de março de 2018 
  219. «Fontes alternativas de energia no Ceará – Parte 4 - Blog Verde». Blog Verde. 22 de agosto de 2012. Consultado em 5 de março de 2018 
  220. «Professores do IFCE fecham cruzamento e fazem protesto em Quixadá - Noticias». tribunadoceara.uol.com.br. Consultado em 16 de março de 2019 
  221. «O direito do servidor público à revisão geral anual de seus vencimentos». Jusbrasil 
  222. «IFCE vai entregar calendário dia 14». Diário do Nordeste. Consultado em 11 de março de 2019 
  223. «Manifestantes ocupam IFCE após confronto com a Polícia». Diário do Nordeste. 16 de maio de 2014. Consultado em 11 de março de 2019 
  224. CE, Do G1 (15 de maio de 2014). «Estudantes desocupam campus do IFCE após manifestação em Fortaleza». Ceará. Consultado em 11 de março de 2019 
  225. «Sindjustiça acompanha manifestação dos servidores do IFCE pela jornada de 30 horas semanais». SindJustiça Ceará. Consultado em 16 de março de 2019 
  226. CE, Do G1 (4 de novembro de 2014). «14 unidades do IFCE decidem parar as atividades, diz sindicato». Ceará. Consultado em 16 de março de 2019 
  227. «IFCE esclarece sobre possível paralisação de docentes e servidores». Blog do Eliomar. 10 de setembro de 2013. Consultado em 11 de março de 2019 
  228. admin. «Diretores do IFCE de Quixadá são condenados pela Justiça Federal por assédio moral». APUFPR. Consultado em 11 de março de 2019 
  229. «Professores pedem atuação da Defensoria sobre possível assédio nas escolas | Defensoria Pública Geral do Ceará». www.defensoria.ce.def.br. Consultado em 11 de março de 2019 
  230. IFCE, IFCE (21 de agosto de 2018). «Direção-geral comunica afastamento de servidor». IFCE. Consultado em 10 de março de 2019 
  231. Povo, O. (12 de dezembro de 2016). «Estudante sofre tentativa de estupro em campus do IFCE». O Povo - Fortaleza. Consultado em 11 de março de 2019 
  232. «Estudantes e servidores do IFCE realizam ato público contra a cultura do estupro». Diário do Nordeste. Consultado em 11 de março de 2019 
  233. Nordeste, Diário do. «Servidores do IFCE realizam ato público em visita do ministro Cid Gomes». blogs.diariodonordeste.com.br. Consultado em 11 de março de 2019 
  234. Povo, O. (16 de setembro de 2013). «Ceará: servidores do IFCE de Umirim realizam Assembleia contra insegurança». O Povo - historico. Consultado em 16 de março de 2019 
  235. Nordeste, Diário do. «IFCE esclarece informação sobre implantação dos campi no Interior». blogs.diariodonordeste.com.br. Consultado em 11 de março de 2019 
  236. «Concurso do IFCE: em nota, servidores se solidarizam com candidatos e apontam problemas estruturais». www.sindsifce.com.br. Consultado em 16 de março de 2019 

BibliografiaEditar

  • GADELHA, Severina. Educação profissional com compromisso social : cem anos de uma caminhada singular. Fortaleza : IFCE, 2010.
  • _________________ Antes que ninguém conte... eu conto. Fortaleza : CEFET-CE, 2004.
  • MADEIRA, Maria das Graças de Loiola. Recompondo memórias da educação : a Escola de Aprendizes Artífices do Ceará (1910 - 1918). Fortaleza : CEFET-CE, 1999.
  • MAGALHÃES, Suzana Marly da Costa. O Ensino profissionalizante no Brasil: o caso da Escola Técnica Federal do Ceará. Fortaleza : Universidade Federal do Ceará, 1994.
  • SANTOS, Deribaldo. Os Cem anos de CEFET/CE : compromisso social, desenvolvimento tecnológico e aproximação com o mercado. Fortaleza : UECE, 2007.
  • SILVA, Solonildo Almeida da (org.). Arte : interlocuções IFCE e UFC. Fortaleza : Expressão, 2014.

Ligações externasEditar