Abrir menu principal

Clássicos do Fluminense Football Club

Ver artigo principal: Fluminense Football Club

Esta página contém um resumo dos clássicos e confrontos importantes do Fluminense Football Club no futebol.

Índice

Clássicos cariocasEditar

 
Livros sobre clássicos do Fluminense.

Clássicos contra os principais rivais do Fluminense, apontados por pesquisa na ordem abaixo, ordem essa que se mantém também pelos critérios de maior número de jogos e pela presença de público nos confrontos.[1][2][3]

Segundo dados do arquivo do site Estatísticas do Fluminense,[4] as médias de públicos pagantes dos principais clássicos do Fluminense disputados no antigo Estádio do Maracanã (entre 1950 e 2010) foram de 60.107 contra o Flamengo, de 43.735 contra o Vasco, de 34.359 contra o Botafogo, de 25.127 contra o America e de 22.527 contra o Bangu, médias que acrescidas dos não pagantes, poderiam ser cerca de 20% maiores nesse período, dadas as questões das gratuidades então vigentes no Maracanã.[5]

 Ver artigo principal: Os quatro grandes do Rio de Janeiro

Fla-FluEditar

Fla-Flu, ou Clássico das Multidões,[6] disputado contra o Flamengo, clássico que detém o recorde mundial de público confirmado entre clubes, quando em 1963, 194.603 espectadores compareceram ao Maracanã.[7][8]

Este evento é considerado um dos maiores clássicos do futebol, sendo imortalizado pelo jornalista Mário Filho (torcedor do Flamengo), que deu a ele também o nome de "Clássico das Multidões", e por seu irmão o jornalista e escritor Nelson Rodrigues (torcedor do Fluminense), que é autor de diversas frases sobre o clássico como “O Fla-Flu não tem começo. O Fla-Flu não tem fim". "O Fla-Flu começou quarenta minutos antes do nada". "E aí então as multidões despertaram”.[9]  

Localizados no bairro de Laranjeiras, desde a Década de 1910 quando se deram os primeiros confrontos até o início da Década de 1930, os campos de jogo do Flamengo, na Rua Paysandu, e do Fluminense, na Rua Guanabara (atual Pinheiro Machado), ficavam muito próximos um do outro, o que possivelmente colaborou para o crescimento da rivalidade.[10] Talvez por isso e pelo fato do futebol do Flamengo ter surgido de uma dissidência do Fluminense, o escritor e jornalista Nelson Rodrigues interpretava a relação da dupla Fla-Flu apontando-os como os Irmãos Karamazov do futebol brasileiro,[11] personagens do famoso romance de Fiódor Dostoiévski que se passava dentro de um contexto de forte rivalidade familiar.[12]

A vitória tricolor por 1 a 0 em 14 de outubro de 1951, na qual foi estimulada uma "Disputa de torcidas", marcou o primeiro Fla-Flu que fez jus ao título de "Clássico das Multidões", pois além dos 109.212 torcedores registrados houve um grande derrame de ingressos falsos, com a imprensa carioca estimando em 40 000 o número de pessoas que teriam estado no Maracanã naquele dia, além dos espectadores registrados.[13]

Clássico dos GigantesEditar

Clássico dos Gigantes, disputado contra o Vasco da Gama, que já decidiu o Campeonato Brasileiro e único clássico carioca a ser disputado pela Copa Libertadores.[14]

Fluminense e Vasco, além de terem grandes torcidas frequentemente se confrontam em momentos decisivos e costumam levar grandes públicos em seus jogos, já tendo ocorrido públicos maiores de 100.000 pessoas por pelo menos onze vezes ou maiores do que 50.000 por pelo menos oitenta e oito até 2018.[15] Ainda em 1952, uma multidão ficou de fora na vitória do Fluminense por 1 a 0, em 21 de setembro, pois a administração do Maracanã não mandou confeccionar ingressos suficientes.[16] Apesar disso, foram registrados 123.059 presentes (109.325 pagantes) nesse dia.[17][18]

Os dois clubes são detentores de oito títulos do Campeonato Brasileiro, sendo quatro para cada um deles. O momento mais importante do Clássico dos Gigantes foi a decisão do Campeonato Brasileiro de 1984, vencida pelo Fluminense.

Nos jogos válidos pela Copa Libertadores da América de 1985 estes clubes empataram duas vezes, sendo uma por 0 a 0 e outra por 3 a 3. Com relação a esta segunda partida, o Fluminense posteriormente foi declarado vencedor pela Conmebol, pois o Vasco escalou irregularmente o jogador Gersinho. O Vasco seria campeão da Libertadores em 1998, enquanto o Flu alcançaria o vice-campeonato em 2008.[19][20]

Clássico VovôEditar

Clássico Vovô, disputado contra o Botafogo, o grande clássico de futebol mais antigo do Brasil e terceiro mais antigo do continente americano. A decisão do Campeonato Carioca de 1971, maior público desse confronto, levou mais de 160.000 torcedores ao Maracanã.[21][22]

O nome se dá por serem os dois clubes praticantes de futebol mais antigos entre os grandes clubes do Rio de Janeiro,[23] sendo este também o grande clássico mais antigo do Brasil e o terceiro mais antigo do continente americano, pois o seu primeiro jogo foi em 22 de outubro de 1905, amistoso que o Fluminense venceu por 6 a 0.[24][25][26] O primeiro jogo oficial foi em 13 de maio de 1906, válido pelo Campeonato Carioca e o Fluminense o ganhou por 8 a 0,[27] na primeira vez que o Botafogo usou a sua tradicional camisa alvinegra.[28]

Leonardo Affonso de Miranda Pereira, em seu livro "Footballmania",[29] relata o desenvolvimento das duas primeiras equipes de futebol a se tornarem populares no Rio de Janeiro a partir das notícias da época. Fundado por homens feitos e entusiastas do esporte, o pioneiro Fluminense serviu de inspiração para o surgimento de outros clubes de futebol, entre eles o Botafogo, fundado por jovens rapazes de 14 anos, ainda estudantes de escola.

Segundo o jornalista Mário Filho, o Botafogo nasceu em oposição ao Fluminense,[30] que era considerado um clube quase inglês, defensor do modelo do "association" em detrimento ao individualismo brasileiro,[31] e desde o início do Século XX o Clássico Vovô sempre foi palco de muitas disputas, dentro e fora de campo.[32]

Clássicos no passadoEditar

Confrontos muito tradicionais, apontados como clássicos em outros momentos da História, notadamente no caso do America, que durante décadas foi considerado como um dos grandes clubes cariocas, caindo de rendimento esportivo a partir do final da década de 1980, e no caso do Bangu, em seus melhores momentos nos gramados:[33][34][35]

Fluminense versus America
Fluminense versus America, disputado contra o America, o representante da Grande Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro.[36]

O America, clube que historicamente representa a região da cidade do Rio de Janeiro conhecida como Grande Tijuca, na Zona Norte,[37] e o Fluminense, clube do bairro de Laranjeiras, na Zona Sul, fazem um confronto que completou 100 anos de História em 2008. No total, America e Fluminense disputaram nove finais até os dias atuais, com seis vitórias tricolores e três americanas, com quatro públicos, três com o número de presentes desconhecidos nos dias atuais, tendo levado mais de 100.000 expectadores ao Maracanã.[38] A primeira decisão envolvendo estes dois clubes foi válida pelo Torneio Início de 1916, quando o Fluminense sagrou-se campeão ao vencer o America por 1 a 0, na primeira edição da história desta competição, com renda em benefício da instituição denominada Patronato de Menores e cerca de 5.000 espectadores presentes ao Campo da Rua Guanabara, do Fluminense.[39][40]

Em 1914, o America sofreu uma grande dissidência, quando cerca de 70 jogadores e sócios descontentes com a diretoria, resolveram em reunião ingressar em outro clube. Após debaterem, escolheram o Fluminense como o clube a ser adotado, entre estes, Marcos Carneiro de Mendonça, campeão carioca pelo America no ano anterior e que viria a ser o primeiro goleiro da Seleção Brasileira, tendo sido titular do Flu entre 1914 e 1922 e, mais tarde, presidente do Tricolor.[41]

Fluminense versus Bangu
Fluminense versus Bangu, disputado contra o Bangu, clube mais representativo da Zona Oeste do Rio de Janeiro, estando o Fluminense localizado na Zona Sul.[42]

A principal característica deste confronto está na origem diferente dos clubes, pois enquanto o Fluminense foi fundado e representava integrantes da elite, o Bangu, apesar de fundado por britânicos, era ligado a Fábrica Bangu e logo passou a ser representado e a representar o seu operariado, daí receber denominações como "grêmio operário" ou "clube proletário" em sua trajetória.[43] No ano da fundação do Bangu, em 1904, o clube suburbano cobrava 2$000 de jóia e 1$000 de mensalidade aos seus associados, contra 50$000 de jóia e 5$000 de mensalidade cobradas pelo Fluminense, com o Alvirubro abrindo assim desde o início a possibilidade de participação de trabalhadores menos especializados em seus quadros.[44]

A primeira partida oficial entre tricolores e alvirubros aconteceu em 10 de junho de 1906 e terminou com a vitória do Flu por 4 a 0 no Campo da Rua Ferrer, em partida pelo primeiro Campeonato Carioca, com dois gols de Horácio da Costa Santos, um de Edwin Cox e um de Félix Frias.[45] Fluminense e Bangu já decidiram quatro edições do Campeonato Carioca, com três vitórias tricolores e uma baguense, além do Torneio de Kiev de 1989.[46] As três últimas partidas desse confronto válidas pelo Campeonato Carioca de 1951 levaram 232.006 torcedores ao Maracanã, embora na partida com maior número de pagantes, a decisão do Campeonato Carioca de 1988, com 88.162 ingressos vendidos, não se conheça na atualidade o número de torcedores que teriam estado presentes.[47]

Clássicos interestaduaisEditar

 
Logotipo do Clube dos Treze.

Confrontos contra cubes fundadores do Clube dos Treze, quase todos com pelo menos dois títulos do Campeonato Brasileiro, com exceção do Atlético Mineiro, clube que já se sagrou campeão da Copa Libertadores da América, entre outros tantos títulos importantes.

Fluminense versus Corinthians, o grande clássico interestadual do Fluminense.Editar

Considerando-se os confrontos interestaduais, o clássico contra o Sport Club Corinthians Paulista é o mais representativo entre os diversos confrontos contra grandes clubes brasileiros disputados pelo Fluminense,[48] dado o fato de estes clubes frequentemente se cruzarem em momentos decisivos de suas histórias, seja pela final da Copa Rio, na disputa direta pelo Torneio Rio-São Paulo, desde 1940, ou por fases eliminatórias do Campeonato Brasileiro ou da Copa do Brasil;[49][50][51] na grande disputa do Campeonato Brasileiro de 2010, quando os dois clubes disputaram o título desde o início deste campeonato, com o Corinthians tendo perdido o vice-campeonato para o Cruzeiro na última rodada, assim como ocorreu o inverso em 2011, quando o Corinthians foi o campeão e o Fluminense, campeão simbólico do segundo turno deste Brasileiro, o terceiro.

Nove confrontos na história proporcionaram mais de 55.000 torcedores nos estádios do Maracanã ou do Morumbi, com uma média de público no Maracanã de 30.266 pagantes até agosto de 2009.[52]

Até mesmo nas categorias de base, os dois clubes costumam se confrontar em momentos decisivos: sendo os dois maiores ganhadores da Copa São Paulo de Juniores, se enfrentaram em duas finais da competição de base mais tradicional do Brasil (em 1973 e 2012), com uma vitória para cada lado.

A primeira partida, disputada no Estádio de Laranjeiras em 16 de abril de 1933 terminou em 4 a 4, o que parecia pronunciar a intensidade dos confrontos.[53]

Fluminense versus São Paulo, o recordista em clássicos interestaduais.Editar

O clássico entre Fluminense e São Paulo é, entre os confrontos interestaduais do Fluminense, aquele que mais se realizou, chegando ao número de 121 partidas ao fim do Campeonato Brasileiro de 2018, bem a frente do segundo confronto interestadual do Fluminense em número de jogos, este contra o Palmeiras, com 109 partidas neste mesmo período, tendo como terceiro colocado neste quesito o Corinthians, com 107, e em quarto, outro grande clube paulista, o Santos, com 97, sendo portanto, os quatro maiores clubes paulistas, os adversários de outros estados contra os quais o Flu mais jogou até 2018.[54]

A vitória do Fluminense por 7 a 3 em 21 de dezembro de 1941, no Estádio do Pacaembu, é até os dias atuais o confronto interestadual com mais gols do Fluminense e do São Paulo - no caso do clube paulista, empatado com outros dois.[55]

Entre os inúmeros confrontos marcantes entre Fluminense e São Paulo, o mais importante foi válido pela disputa da Copa Libertadores da América de 2008, recorde de público deste clássico com 72.910 torcedores presentes ao Maracanã, no qual o centroavante Washington fez o gol da classificação do Flu na vitória por 3 a 1, já no fim desta eletrizante partida.[52]

Até o presente, foram 8 partidas com públicos acima de 50.000 espectadores nos jogos realizados entre estes dois clubes nos estádios do Maracanã ou do Morumbi.[52]

Fluminense versus Palmeiras, o encontro das colônias italianas.Editar

No clássico entre Fluminense e Palmeiras, duas partidas deram títulos importantes para o Tricolor, nas conquistas do Torneio Rio-São Paulo de 1960 e do Campeonato Brasileiro de 2012, assim como foi em um confronto contra o Fluminense que o Palmeiras venceu o seu primeiro Torneio Rio-São Paulo, ainda no ano de 1933. A dramática disputa nas semifinais da Taça Brasil de 1960, também foi um momento muito importante na história deste clássico.

Em 1970, o Fluminense venceu a partida válida pelo quadrangular final do Campeonato Brasileiro, disputado também contra o Atlético Mineiro e contra o Cruzeiro. O gol de Mickey selou a vitória tricolor no Maracanã por 1 a 0, e deixou o Fluminense em vantagem na disputa pela Taça de Prata.

Os dois clubes campeões da Copa Rio, Fluminense e Palmeiras, jogaram entre si pela Copa Libertadores da América de 1971, com vitória tricolor por 2 a 0 no Pacaembu e vitória palmeirense por 3 a 1 no Maracanã.

Nas semifinais da Copa do Brasil de 2015, pênaltis polêmicos nas duas partidas decidiram a classificação em favor do Palmeiras[56] para as finais desta competição.

66.884 torcedores viram a vitória tricolor por 1 a 0 no Campeonato Brasileiro de 2009,[52] no Maracanã, sendo estes dois clubes os representantes da colônia italiana em seus estados.[57]

Fluminense versus Santos, tradição desde 1918.Editar

O clássico contra o Santos foi o primeiro dos atuais confrontos interestaduais do Fluminense contra outros grandes clubes a ser realizado, tendo o Tricolor vencido a primeira partida realizada no campo do adversário por 6 a 1, em 9 de junho de 1918, valendo disputa pela Taça Carioca e pela Taça Sudan.[54]

Em 5 de março de 1961, na vitória do Santos sobre o Flu no Maracanã por 3 a 1 perante 39.990 pagantes, fora os privilegiados que não pagaram pelo ingresso, Pelé fez um gol que ficou imortalizado como o Gol de Placa (daí surgindo esta expressão, utilizada comumente quando alguém faz um gol muito bonito), iniciativa do então repórter Joelmir Betting, do jornal “O Esporte” (SP), que decidiu que o gol marcado por Pelé naquela tarde precisaria ser eternizado, convencendo a direção do jornal a produzir uma placa de bronze, placa esta que seria descerrada uma semana depois.[58]

No Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1969, 87.872 torcedores pagaram ingressos no Maracanã para ver um empate por 0 a 0, que não refletiu o grande futebol apresentado pelas duas equipes nesta partida.[59]

As semifinais do Campeonato Brasileiro de 1995 (Flu 4 a 1 e derrota por 5 a 2) significaram a classificação santista para a final, pois o regulamento não previa então o critério de que gol fora de casa valeria o dobro, para efeito de desempate.

Nos confrontos pela Copa Sul-Americana de 2005, uma vitória de 2 a 1 para cada lado e a classificação tricolor na disputa de pênaltis, em plena Vila Belmiro.

Fluminense versus Atlético Mineiro, multidões em campo.Editar

Exceto clubes paulistas, o clássico entre Fluminense e Atlético Mineiro é o clássico tricolor interestadual pelo qual foram realizados mais confrontos, com 91 partidas realizadas até o fim do ano de 2018, já tendo decidido o título nacional em 1970, quando mais de 132.000 torcedores[60] (112.403 pagantes) compareceram ao Estádio do Maracanã. Em Minas Gerais, 102.531 torcedores pagaram ingressos no empate por 0 a 0 em 21 de novembro de 1976.[52]

Na disputa da Copa dos Campeões de 1937 (FBF), o Fluminense derrotou o Galo por 6 a 0 no Estádio de Laranjeiras e veio a ser derrotado por 4 a 1 no Estádio Presidente Antônio Carlos, tendo o Galo sagrado-se campeão ao final, com o Fluminense tendo terminado esta competição como vice campeão.[61]

No Campeonato Brasileiro de 2012 os dois times travaram uma disputa acirrada durante a maior parte do campeonato, tendo como resultado final o Fluminense campeão e o Galo, vice.[62]

Foram disputadas até hoje 5 partidas entre os dois clubes em competições oficiais da Conmebol, 4 válidas pela antiga Copa Conmebol e 1 pela Copa Sul-Americana, com 3 vitórias do Fluminense e 2 do Atlético.

Fluminense versus Cruzeiro, emoções em campo.Editar

A partida mais importante do clássico entre Fluminense e Cruzeiro foi a do quadrangular decisivo do campeonato nacional de 1970, sendo o clube mineiro vice campeão em 2010, quando o Flu conquistou o seu terceiro título nacional.

Este é o confronto contra um dos outros 11 maiores clubes do Brasil[63][64] mais tardio do Fluminense, com a primeira partida ocorrendo apenas em 11 de junho de 1941,[65] principalmente considerando que a primeira partida contra os também tradicionais clubes mineiros Tupi (8 de maio de 1921), Villa Nova (24 de junho de 1923), América (8 de setembro de 1929), Atlético (16 de agosto de 1930) e mesmo o refundado Siderúrgica (18 de janeiro de 1934), aconteceram muito antes.[66]

O maior público foi em 11 de agosto de 2002, quando 66.828 torcedores compareceram ao Maracanã (59.866 pagantes) para verem a goleada tricolor por 5 a 1 na estreia de Romário, enquanto o maior público no Estádio do Mineirão foi em 19 de novembro de 1975, quando 55.814 torcedores pagantes viram Paulo César Lima decretar a vitória tricolor por 2 a 1, com um gol olímpico no fim da partida.[52]

Em 1952 o Fluminense conquistou o Torneio José de Paula Júnior contra o Cruzeiro, torneio que também teve a participação do América-MG e do Atlético-MG.

O Flu eliminou o Cruzeiro na Taça Brasil de 1960 e foi eliminado por ele na Taça Brasil de 1966.[67]

Em 2006, o Fluminense eliminou o Cruzeiro nas quartas de final da Copa do Brasil com duas vitórias: 3 a 2 no Mineirão e 1 a 0 no Maracanã, resultado que garantiu o Tricolor nas semifinais da competição.

Fluminense versus Internacional, batalhas e uma grande polêmica.Editar

O clássico contra o Internacional tem um histórico de grandes jogos, seja a semifinal do Campeonato Brasileiro de 1975, quando o Internacional venceu o Fluminense por 2 a 0 no Estádio do Maracanã perante 97.908 espectadores pagantes,[52] fora os não pagantes habituais, seja na escandalosa decisão da Copa do Brasil de 1992, quando o árbitro José Aparecido de Oliveira assinalou um pênalti inexistente no final da partida que deu o título ao Colorado,[68] nas oitavas de finais da Copa Libertadores da América de 2012, quando após um empate por 0 a 0 em Porto Alegre o Fluminense conquistou a vaga após vencer a segunda partida por 2 a 1 ou na semifinal da edição inicial da Primeira Liga.

O Inter venceu a primeira partida da história, em 1937, debaixo de uma enorme tempestade em Porto Alegre, por 1 a 0, somente voltando a ganhar do Fluminense em 1967, a partir daí, o Flu só ganharia de novo do Inter em 1978, após 14 jogos.[69] . Ao ser derrotado pelo Inter no primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2013, o Fluminense perdeu uma invencibilidade que já durava nove partidas contra o Colorado. Ao ganhar do Internacional em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2019 por 2 a 1, o Fluminense quebrou uma série de 13 partidas e 6 anos sem vitória sobre Internacional, iniciada justamente após o fim da série tricolor em 2013.[70][71] Uma característica desse confronto são as longas séries de invencibilidade dos clubes sobre o outro.

Em entrevistas para o jornais LANCE! (RJ) e posteriormente para o Zero Hora (RS), Pinga confessou que "cavou o pênalti" que decidiu a Copa do Brasil de 1992:[72][73]

Foi eu que sofri aquele pênalti na decisão da Copa do Brasil. Na verdade, eu "cavei". Disse isso na época e reafirmo hoje. O Luciano (ex-jogador do colorado) cobrou uma falta pela direita, eu fui tentar dominar, e a bola escapou de meu domínio. Nesse momento, um jogador do Fluminense me deu um leve toque. Claro que não com força suficiente para cair, mas aproveitei e me joguei.

Fluminense versus Grêmio, guerreiros em campo.Editar

Igualmente acirrado é o clássico disputado entre Fluminense e Grêmio, disputado pela primeira vez no ano de 1937, em Porto Alegre, com vitória do Fluminense por 4 a 0.

Na disputa da Zona Sul da Taça Brasil de 1960, o Flu sagrou-se campeão pelo saldo de gols (0 a 1, 4 a 2 e 1 a 1).

Nas quartas de finais do Campeonato Brasileiro de 1982, aconteceu o maior público deste confronto, quando 69.112 torcedores pagaram ingressos para assistir a vitória gremista por 2 a 1 no Maracanã,[52] resultado que combinado ao empate por 1 a 1 ocorrido anteriormente no Estádio Olímpico, valeu a classificação gremista para as semifinais. O Fluminense alcançaria o bicampeonato nacional em 1984, com o Grêmio tendo terminado em terceiro.

A vitória gremista no Maracanã por 3 a 2 em partida válida pela Copa do Brasil de 2010, quebrou uma sequência sem vitórias do Grêmio contra o Fluminense na cidade do Rio de Janeiro que se arrastava desde 1997, ao todo, 10 jogos. Já no Campeonato Brasileiro de 2010, o Fluminense conquistaria o tricampeonato brasileiro e o Grêmio terminaria em quarto, assim como na conquista do tetracampeonato brasileiro pelo Flu, o Grêmio ficaria com o terceiro posto.

Na disputa da fase de grupos da Copa Libertadores da América de 2013 o Grêmio venceu o Fluminense no Rio de Janeiro por 3 a 0, havendo empate por 0 a 0 na Arena do Grêmio, quando Rhayner teve um gol legítimo anulado pela arbitragem,[74] que valeu ao Grêmio a passagem para a segunda fase, tendo sido o Flu o primeiro colocado deste grupo.

A emocionante vitória tricolor por 5 a 4 no Estádio do Engenhão foi a partida com mais gols deste cotejo, com Fred marcando quatro gols em 16 de novembro de 2011. O placar pouco comum de 5 a 4 se repetiria em 5 de maio de 2019, quando o Fluminense começou perdendo por 3 a 0 em 20 minutos e depois virou o jogo com o gol da vitória saindo nos acréscimos, através do colombiano Yony González, o único a fazer mais de um gol nessa partida, tendo anotado dois, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2019 e disputada na Arena do Grêmio.[75]

Fluminense versus Bahia, recorde de público fora da Região Sudeste.Editar

No clássico contra o Bahia, o Fluminense leva ampla vantagem,[76] mas uma das derrotas foi pela semifinal do Campeonato Brasileiro de 1988, por 2 a 1, em partida que classificaria o Esporte Clube Bahia para a final e lhe concederia o seu segundo título nacional, perante cerca de 120.000 torcedores na Fonte Nova,[77] sendo 112.438 deles, pagantes.[78]

Na primeira partida, em 4 de março de 1945, a vitória do Flu na Bahia por 2 a 1 lhe valeu as conquistas das taças Esporte Clube Bahia e Prefeito de Salvador.[79]

Em 1971 o Fluminense conquistou o Torneio José Macedo Aguiar ao vencer em Salvador o Bahia por 1 a 0, competição disputada também contra o Vitória e o Flamengo.

Outros jogos importantes foram no mata-mata pelas oitavas de final Copa do Brasil de 2007, quando o Flu desclassificaria o Bahia e se sagraria campeão ao final dessa competição.[80]

Confrontos contra outros campeões brasileiros e vices com melhor performanceEditar

Fluminense versus Sport, duelos importantes na Copa do Brasil.Editar

Contra o Sport Club do Recife, um gigante da Região Nordeste, a vantagem tricolor é menor e os duelos mais equilibrados.[81]

O primeiro campo do Sport foi na Avenida Malaquias, tendo o rubro negro comprado uma arquibancada de ferro do Fluminense em 1918, com capacidade para 2.000 pessoas.[82] Apesar dessa relação bastante antiga, o primeiro confronto só aconteceria em 16 de julho de 1947, com vitória tricolor por 2 a 1 na Ilha do Retiro.[83]

46.115 torcedores pagaram ingressos para acompanhar a vitória tricolor no Maracanã por 3 a 0 pelo Campeonato Brasileiro de 1975, maior público do confronto, embora o público presente seja desconhecido nos dias atuais.[84] Em Recife o maior público foi de 32.937 torcedores (32.408 pagantes) no empate por 1 a 1 válido pelo Campeonato Brasileiro de 2012, no qual o Fluminense conquistou o tetracampeonato brasileiro.[85]

O Fluminense desclassificou o Sport nas semifinais da Copa do Brasil de 1992, quando chegaria ao vice campeonato, e seria desclassificado pelo Sport nas oitavas de finais da Copa do Brasil de 2003, quando o Sport chegaria até as semifinais, nas partidas mais importantes desse confronto.[86]

Fluminense versus Guarani, festa pelo título brasileiro de 2010.Editar

Contra a tradicional agremiação campineira, o Guarani Futebol Clube, campeão brasileiro de 1978, o Fluminense tem vantagem nas estatísticas,[76] embate que teve como jogo mais importante a partida que definiu o título do Campeonato Brasileiro de 2010 em favor do Tricolor, perante 40.995 torcedores no Estádio do Engenhão.[87]

Na partida contra o Fluminense em 29 de outubro de 1939 estrearia Zuza, maior artilheiro da História do Guarani, com 221 gols, tendo feito um tento na vitória bugrina por 3 a 2.[88]

Jaime Silva, presidente histórico do Guarani era torcedor do Flu, tendo inclusive levado Telê Santana para o Bugre por conta de sua idolatria pelo então jogador.[89] Jaime foi o principal responsável pela construção do Estádio Brinco de Ouro da Princesa e do Parque Polidesportivo do Guarani, sendo considerado um dos maiores presidentes do Bugre.[90]

Palmeiras e Fluminense foram os convidados de honra para as partidas de inauguração do Brinco de Ouro, mas como choveu muito no dia da partida contra o clube paulistano, 31 de maio de 1953, a maioria das solenidades de inauguração foram transferidas para o confronto contra o Fluminense, disputado em 4 de junho, com vitória tricolor por 1 a 0, gol de Marinho.[91]

Em 26 de novembro de 1975 o Estádio Brinco de Ouro da Princesa recebeu 34.513 espectadores em partida contra o Fluminense pelo Campeonato Brasileiro daquele ano, recorde deste estádio antes da construção de seu tobogã, vitória tricolor por 2 a 1.[92]

Fluminense versus Athletico Paranaense, equilíbrio e jogos importantes.Editar

O Tricolor mantém retrospectos muito equilibrados contra os dois clubes paranaenses campeões brasileiros,[93] sendo que nos confrontos contra o Club Athetico Paranaense as partidas mais importantes foram a final da edição inicial da Primeira Liga em 2016, quando o Fluminense sagrou-se campeão ao vencer o Athletico por 1 a 0 em Juiz de Fora, e a semifinal do Campeonato Brasileiro de 2001, disputada na Arena da Baixada, então tomada por 30.458 pagantes e vencida pelo Furação por 3 a 2, na campanha que deu ao Athletico o seu título nacional.[94] Outros confrontos igualmente importantes foram no mata-mata pelas quartas de final Copa do Brasil de 2007, quando o Tricolor desclassificaria o Athletico na Arena da Baixada, vindo a ser campeão posteriormente, e pelas semifinais da Copa Sul-Americana, quando o Athletico desclassificaria o Fluminense no Maracanã.[80]

Em 30 de janeiro de 1935 ocorreu o primeiro confronto, com vitória tricolor por 4 a 0 em Curitiba.[95]

A dupla ofensiva Assis e Washington, apelidada de Casal 20, famoso seriado de TV em sua época vitoriosa,[96] veio do Athletico para o Fluminense em 1983, sendo ídolos em comum dos dois clubes.[97][98]

A vitória tricolor por 2 a 1 pelo Campeonato Brasileiro de 2009 registrou o recorde de público deste confronto, com 55.030 torcedores presentes ao Maracanã. Além desse, outros dois jogos registraram públicos acima de 40.000 no Rio de Janeiro: 43.691 torcedores em 15 de novembro de 2016 e 40.005 torcedores em 31 de julho de 2010.[52]

Fluminense versus Coritiba, festa em 1984 e tensão em 2009.Editar

Contra o Coritiba Foot Ball Club,[76] as quartas de finais do Campeonato Brasileiro de 1984 marcaram o encontro do time que seria campeão daquele ano, o Fluminense, com o campeão brasileiro do ano seguinte, o Coritiba, com o Tricolor se classificando para as semifinais com uma vitória por 5 a 0 no Maracanã tomado por 60.385 pagantes, fora os torcedores que tinham direito às gratuidades.[99]

Duílio Dias Júnior, zagueiro do Fluminense na vitoriosa campanha de 1984, cria do Coritiba, é filho do maior goleador do Coxa, o ídolo Duílio Dias, com 202 gols marcados em sua carreira.[100]

Na primeira partida entre os dois clubes, 11 gols, vitória do Flu por 8 a 3 no Estádio Durival Britto e Silva em 1949.[101]

Coritiba e Fluminense fizeram a decisão do Torneio Mauricio Fruet em 1985, disputado em Curitiba, após eliminarem Atlético Paranaense e Colorado respectivamente, tendo o Coritiba vencido por 1 a 0.[102][103]

Em 2009 Fluminense e Coritiba decidiram no Estádio Couto Pereira com 32.631 torcedores presentes uma vaga na primeira divisão, com o Flu mantendo-se e rebaixando o Coxa com o empate de 1 a 1, tendo havido atos de violência por parte da torcida local após o encerramento da partida, dentro do estádio e pelas ruas de Curitiba.[104][105][106]

Pelo Campeonato Brasileiro de 2015, 28.041 presentes para Fluminense 2 a 0 Coritiba (23.004 pagantes), fora os muitos milhares que voltaram para casa por falta de estacionamento (entre outras coisas porque o estacionamento da UERJ estava fechado) ou sem ingresso pelas filas imensas, por falha na organização do evento.[107]

Fluminense versus Vitória, vice campeão brasileiro de 1993.Editar

Embora nunca tenha conquistado o título brasileiro, o Esporte Clube Vitória passou perto em 1993, quando chegou ao vice campeonato, assim como em 1999, quando chegou em terceiro, sendo o clube da Região Nordeste com mais pontos conquistados na História do Campeonato Brasileiro entre 1971 e 2017,[108] com mais pontos conquistados na Copa do Brasil[109] e o maior campeão da Copa do Nordeste, com 5 conquistas.

A primeira partida ocorreu em 5 de abril de 1923, empate por 1 a 1 no Campo da Graça, em Salvador.[110][111]

Em 19 de fevereiro de 1975, 33.948 torcedores pagantes proporcionaram o maior público desse confronto em Salvador, na vitória tricolor em partida amistosa por 2 a 0.[84]

Em 13 de junho de 1976, Fluminense e Vitória fizeram um combinado contra outro formado por jogadores estrangeiros, com o combinado que representou os dois clubes vencendo os estrangeiros por 3 a 1 no Estádio da Fonte Nova. Já a partida pelo Campeonato Brasileiro deste ano, disputada no Maracanã, terminou com triunfo do Vitória por 1 a 0, no primeiro confronto por competição oficial entre os dois clubes.[112]

55.083 torcedores presenciaram a vitória do Flu por 4 a 0 em 29 de novembro de 2009, no maior público do Fluminense contra um clube nordestino no Estádio do Maracanã. 50.687 espectadores presenciaram o triunfo do Vitória por 2 a 1 nesse mesmo estádio, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2014.[84]

O Fluminense sagrou-se o primeiro campeão do Campeonato Brasileiro de Futebol Sub 20 organizado pela CBF, ao vencer o Vitória por 3 a 0 no Estádio do Barradão no dia 2 de setembro de 2015.[113]

Fluminense versus Portuguesa, vice campeã brasileira de 1996.Editar

Completa o grupo dos vinte clubes mais bem colocados no Ranking de Pontos conquistados no Campeonato Brasileiro até 2017,[114] todos relacionados neste artigo, a Associação Portuguesa de Desportos, vice-campeã brasileira de 1996, que também ostenta as conquistas do Torneio Rio-São Paulo em 1952 e em 1955. Nesta competição, o Fluminense sagrou-se campeão de 1957 justamente na partida disputada contra a Lusa no Estádio do Pacaembu, pela penúltima rodada.[115]

Ainda pelo Torneio Rio-São Paulo, em sua edição de 1950, vitória da Lusa por 6 a 5 no Pacaembu, na partida com maior número de gols, 24.177 torcedores presentes no maior público desse confronto em São Paulo na vitória lusa por 3 a 1 em 1955, e na edição de 1961, vitória tricolor por 7 a 0 no Estádio de Laranjeiras, com quatro gols de Waldo, na maior goleada deste confronto e Pinheiro ainda tendo perdido um pênalti.[116]

Contra a Portuguesa o Fluminense tem confortável vantagem nas estatísticas, com a primeira partida tendo sido jogada em 23 de fevereiro de 1930, na vitória da Lusa por 3 a 1 no Estádio da Ponte Grande.[116]

No Torneio dos Campeões de 1982, a Lusa eliminou o Fluminense nas quartas de final, assim como na Copa do Brasil de 2010 o Tricolor eliminou a Portuguesa nas oitavas de final.

Na partida com maior público, vitória tricolor por 3 a 1 no Estádio do Maracanã perante 42.023 torcedores presentes, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2008.[117]

Confrontos contra o destaque da Região Centro OesteEditar

Fluminense versus Goiás, e um Primeiro de Maio festivo.Editar

Contra o Goiás Esporte Clube, agremiação do Centro Oeste com mais participações no Campeonato Brasileiro, 40 em 2019, com a sua melhor classificação tendo sido o terceiro lugar em 2005, o Fluminense tem boa vantagem, com o empate em 1º de maio de 1975 tendo levado 53.600 pagantes ao Serra Dourada,[52] e a vitória por 2 a 1 em 1976 tenha valido ao Flu a conquista do Troféu Irapuam Costa Jr, em confrontos que se realizam desde 12 de fevereiro de 1965, com vitória do Fluminense por 4 a 1 no Estádio Pedro Ludovico.[118]

Na disputa do Torneio Interestadual de Goiânia de 1978 o Goiás acabou campeão com o abandono de Fluminense, único clube que poderia lhe tirar o título, pois o Flu não disputou dois jogos, um deles justamente contra o Goiás.[119]

Pela Copa do Brasil, o Fluminense eliminou o Goiás em 2009 e 2017, tendo sido eliminado por ele em 2013.[118]

Na Copa Sul-Americana de 2014 o Flu ganhou o Goiás por 2 a 1 com o mando de campo e perdeu por 1 a 0 com o mando do clube goiano, sendo eliminado pela regra do gol fora de casa valer mais para efeito de critério de desempate.[120]

40.075 torcedores compareceram ao Maracanã em 3 de agosto de 2014, na vitória tricolor por 2 a 0 pelo Campeonato Brasileiro, o maior público desse confronto no Rio de Janeiro.[121]

Confrontos contra o destaque da Região NorteEditar

Fluminense versus Paysandu, grande público em 1998 e hostilidade em 2015.Editar

Contra o Paysandu Sport Club, clube da Região Norte que mais participou do Campeonato Brasileiro, com 27 participações até 2017, campeão da Copa dos Campeões de 2002, o Fluminense tem ampla vantagem com poucas derrotas, e a primeira partida tendo acontecido em 1946, Flu 2 a 1.[122]

O Fluminense foi campeão do Torneio Quadrangular Pará-Guanabara em 1966, disputado em Belém, jogando contra o Paysandu, Clube do Remo e Botafogo-RJ.[123]

O goleiro Castilho, recordista em partidas como jogador pelo Fluminense, terminou a sua vitoriosa carreira no Paysandu, clube de onde veio Aldo, lateral direito que seria campeão brasileiro e tricampeão carioca entre 1983 e 1985.[124][125]

A vitória do Paysandu por 2 a 0 em 20 de setembro de 1998 levou 60.000 torcedores ao Estádio Mangueirão, no maior público do confronto.[126]

Em sua campanha vitoriosa na conquista da Copa dos Campeões de 2002, o Paysandu empatou em 0 a 0 com o Fluminense, ainda na primeira fase da competição.[127]

Tendo o Flu eliminado o Paysandu na Copa do Brasil de 2002,[128] treze anos depois encontrou um ambiente bastante hostil na partida que terminou com a vitória tricolor por 2 a 1 em Belém, perante 33.911 torcedores, que lhe valeu a classificação para as semifinais da Copa do Brasil de 2015.[129]

Clássicos internacionaisEditar

Fluminense versus Boca Juniors, o grande clássico internacional do Fluminense.Editar

Fluminense e Boca se confrontam desde 1956,[130] mas as seguidas disputas pela Copa Libertadores da América entre 2008 e 2012 criaram um sentimento de rivalidade e jogos muito disputados quando estas equipes se confrontam.[131][132]

Na Copa Libertadores da América de 2008 o Fluminense desclassificou o Boca nas semifinais em um jogo eletrizante disputado no Estádio do Maracanã, quando venceu por 3 a 1 perante 84.632 torcedores no maior público desse confronto.[52]

Na primeira fase da Libertadores 2012 o Fluminense quebrou uma invencibilidade de 36 jogos do clube portenho em seu estádio perante 47.769 espectadores, entre eles cerca de 4.000 tricolores,[133] com o Boca, quebrando uma invencibilidade de 29 jogos e cerca de 27 anos do Flu com o mando de campo em competições da Conmebol na partida de volta.[134]

Após se encontrarem de novo nas oitavas de final, o Boca ganhou a primeira partida com uma arbitragem contestada até pela imprensa argentina,[135] empatando no último minuto na partida do Rio de Janeiro, desclassificando o Fluminense.[134]

Fluminense versus LDU, duas finais da Conmebol no cartel.Editar

Fluminense e LDU se confrontaram pela primeira vez em 2008, mas depois disso, seguidos encontros pela Copa Libertadores e Copa Sul-Americana entre 2008 e 2017 criaram tradição e rivalidade por conta de jogos extremamente disputados, entre eles os acontecidos em duas finais de competições da Conmebol, na Copa Libertadores da América de 2008 e na Copa Sul-Americana de 2009, conquistadas pelo clube equatoriano.[136]

Se enfrentariam novamente pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana de 2017, quando quase 46.000 tricolores compareceram ao primeiro jogo, com o Tricolor vindo a eliminar posteriormente a LDU em seu estádio.[137][138]

Enlaces externosEditar

BibliografiaEditar

FLA-FLU...e as multidões despertaram (autoria de Nélson Rodrigues e Mário Filho, organizado por Oscar Maron Filho e Renato Ferreira, Editora Europa, 1987).[139]
FLA-FLU, O Jogo do Século (autoria de Roberto Assaf e Clóvis Martins, Editora Letras e Expressões, 1999).
Fluminense Football Club 1902-2002 - 100 anos de glórias (livro oficial do centenário, autoria de Pedro da Cunha e Menezes, Jacobsson Estúdio, 2002).
Fluminense Football Club - História, Conquistas e Glórias no Futebol (autoria de Antônio Carlos Napoleão, Editora Mauad, 2003).
Clássico Vovô (autoria de Alexandre Mesquita e Jefferson Almeida, edição dos autores, 2006).
Carioca de 1971: A verdadeira história da vitória do Fluminense sobre a Selefogo alvinegra (autoria de Eduardo Coelho, Maquinária Editora, 2011).
1995: O Campeão do Centenário (autoria de Paulo-Roberto Andel, Editora Multifoco, 2013).
Clássicos do Futebol Brasileiro (autoria de José Renato Sátiro Santiago Jr. e Marcelo Unt, edição dos autores, 2014).
Onde você estava naquele inesquecível gol de barriga? (autoria de Paulo-Roberto Andel e André Viana, Vilarejo Metaeditora, 2016).
Fla, Flu e Bangu: as cores de cada paixão (autoria de Carlos Molinari, Paulo Rocha e Sergio Du Bocage, Editora Nova Terra, 2016).

Ver tambémEditar

Referências

  1. GloboEsporte.com (10 de julho de 2012). «Corinthians é visto como o maior rival no futebol nacional, diz pesquisa (apontando as principais rivalidades para cada clube, não a importância dos clássicos).». GloboEsporte.com. Consultado em 15 de junho de 2017 
  2. BOLTHAUSER, João Cláudio - Os clássicos, página editada em 13 de novembro de 2017 e disponível em 25 de novembro de 2017.
  3. Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Clássicos - Média de público de clássicos em estádio - Maracanã, site consultado em 29/06/2011.
  4. Site Estatísticas do Fluminense.
  5. Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Clássicos - Média de público de clássicos em estádio - Maracanã, e nos casos de America e Bangu, em Especiais - Público - Média de público por adversário - America/Bangu - Maracanã, site consultado em 29/06/2011.
  6. Livro “Fla-Flu… E as Multidões Despertaram”, de Nelson Rodrigues e Mário Filho, Editora Europa, 1987
  7. ALLIATTI, Alexandre; LAMAS, Eduardo e MARÁ, Márcio (8 de julho de 2012). «Um milagre, um recorde, um estádio que não cai: o Fla-Flu de 1963». Consultado em 28 de novembro de 2015 
  8. Stein, Leandro (8 de fevereiro de 2014). «O jogo que eternizou a grandeza do Fla-Flu: 194 mil no Maracanã em 1963». Site Trivela. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  9. ALLIATTI, Alexandre (6 de julho de 2012). «O Fla-Flu como ele é: Mario Filho e Nelson Rodrigues eternizam clássico». Site Globoesporte.com. Consultado em 6 de março de 2018 
  10. COSTA, Leda (11 de maio de 2012). «Estádio Bastos Padilha: do Fla-Flu da Lagoa ao Flamengo e Corinthians no Futebol Feminino». Site Ludopédio. Consultado em 13 de abril de 2018 
  11. Rodrigues, Nelson. «Os Irmãos Karamazov». Site Sempreflu. Consultado em 29 de julho de 2016 
  12. SHO. «Os irmãos Karamazov; Fedor Dostoievski». Site Resumos e Trabalhos. Consultado em 29 de julho de 2016 [ligação inativa]
  13. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (27 de setembro de 2012). «Públicos do Fluminense no Campeonato Carioca de 1951». Consultado em 27 de novembro de 2014 
  14. BENEVENUTTE, Thiago (6 de maio de 2015). «Raio-x dos confrontos brasileiros na Libertadores tem 155 jogos e só um invicto». Globoesporte.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  15. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (4 de fevereiro de 2013). «História de Fluminense versus Vasco.». CampeõesDoFutebol.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  16. JORNAL DOS SPORTS de 24 de setembro de 1952 (edição eletrônica 07079), página 5, Perspectivas do grande campeonato, página disponível em 21 de março de 2018.
  17. JORNAL DOS SPORTS de 24 de setembro de 1952 (edição eletrônica 07079), página 4, Coluna do estádio, página disponível em 21 de março de 2018.
  18. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (1 de dezembro de 2012). «Um grande e esquecido Clássico dos Gigantes». PanoramaTricolor.com. Consultado em 27 de maio de 2014 
  19. (10 de junho de 2007). Em 1985, Vasco e Fluminense empatavam pela Libertadores (em português). NetVasco.com. Visitado em 27 de maio de 2014
  20. BONSANTI, Bruno (13 de fevereiro de 2015). «Os 10 maiores clássicos da história da Libertadores». Trivela.com. Consultado em 1 de abril de 2016 
  21. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (3 de dezembro de 2014). «Grandes clássicos mais antigos do futebol do Brasil de do continente americano». Site Campeões do Futebol. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  22. JÁCOME, Mauro (2 de outubro de 2013). «Para embalar de vez». PanoramaTricolor.com. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  23. JORNAL DOS SPORTS - O velho clássico ditando a sorte do Fluminense - Jornal dos Sports de 13 de dezembro de 1952, página 8 (edição eletrônica 07149), página disponível em 21 de março de 2018.
  24. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - Súmula de Fluminense 6 - 0 Botafogo, disputado em 22 de outubro de 1905, página editada em 18 de setembro de 2008 e disponível em 24 de março de 2017.
  25. Site da revista PLACAR - Maior goleada do clássico Fluminense-Botafogo completa 110 anos, página editada em 13 de maio de 2016 e disponível em 24 de março de 2017.
  26. Revista Placar - Os grandes clássicos - maio de 2005.
  27. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (3 de outubro de 2012). «História do primeiro Clássico Vovô oficial». CampeõesDoFutebol.com. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  28. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (29 de junho de 2014). «História do Clássico Vovô». CampeõesDoFutebol.com. Consultado em 9 de maio de 2019 
  29. DE MIRANDA PEREIRA, Leonardo Affonso (2000). Footballmania. Uma História Social do Futebol no Rio de Janeiro 1 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 376 páginas. ISBN 852091053X. Consultado em 21 de maio de 2014 
  30. FILHO, Mário - A rivalidade Fluminense e Botafogo - Jornal dos Sports de 13 de dezembro de 1952, página 5 (Edição eletrônica 07149), página disponível em 21 de março de 2018.
  31. MICHIELIN (organizador), Francisco (2014). As coisas incríveis do futebol - As melhores crônicas de Mário Filho - O individualismo no futebol brasileiro. [S.l.]: Editora EX Machina 
  32. DE MIRANDA PEREIRA, Leonardo Affonso (2000). Footballmania. Uma História Social do Futebol no Rio de Janeiro 1 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 376 páginas. ISBN 852091053X. Consultado em 21 de maio de 2014 
  33. THUSWOHL, Maurício - Site REDE BRASIL ATUAL, página editada em 17 de maio de 2015 e disponível em 18 de fevereiro de 2017.
  34. SABARÁ, Maurício - Site TERCEIRO TEMPO - America do Rio de todos os tempos, página editada em 3 de fevereiro de 2014 e disponível em 18 de fevereiro de 2017.
  35. MOLINARI, Carlos - Site BANGU.NET, 1966 (crônica A festa da vitória - no final da página, assim como em observação que consta nela), página disponível em 18 de fevereiro de 2017.
  36. Site SANGUE NA VEIA - "A Tijuca de chuteiras: O America F.C. - Fernado Valle" (informação citada retirada do livro "CAMPOS SALES 118 - A HISTÓRIA DO AMÉRICA"), página disponível em 9 de julho de 2017.
  37. Site SANGUE NA VEIA - "A TIJUCA DE CHUTEIRAS: O AMÉRICA F.C. - FERNANDO VALLE" (informação citada retirada do livro "CAMPOS SALES 118 - A HISTÓRIA DO AMÉRICA"), página disponível em 9 de julho de 2017.
  38. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno - Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - História de Fluminense x America - Um clássico centenário, página editada em 26 de outubro de 2014 e disponível em 18 de novembro de 2017.
  39. Jornal O Paiz, de 17 de abril de 1916, página 5, página disponível em 10 de dezembro de 2017
  40. Site RSSSF Brasil Torneio Início do Rio de Janeiro, página disponível em 10 de dezembro de 2017
  41. Livro Fluminense Football Club História, Conquistas e Glórias no Futebol, por Antônio Carlos Napoleão (2003)
  42. Site FOLHADATERRANET - Parabéns ao gigante da Zona Oeste, página editada em 17 de abril de 2013 e disponível em 19 de fevereiro de 2018.
  43. Livro Os perigos da paixão: visitando jovens torcidas cariocas, página 44, por TEIXEIRA, Rosana Câmara, Editora ANNABLUME (2003).
  44. Livro Footballmania: uma história social do futebol do Rio de Janeiro, páginas 33 e 34, por Leonardo Affonso de Miranda Pereira (2000)
  45. Site RSSSF Brasil Campeonato Carioca de 1906, página disponível em 10 de dezembro de 2017
  46. RSSSF Brasil - Fichas técnicas de jogos que deram títulos ao Fluminense, página editada em 3 de janeiro de 2013 e disponível em 8 de maio de 2019.
  47. LIMA, Ricardo de Freitas. «Estatísticas Fluminense >> Especiais >> Adversários >> Maiores Públicos contra Adversário >> Nacionais >> Bangu». Fluzão.info. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  48. OLIVEIRA, Guilherme (16 de outubro de 2015). «Os 11 maiores clássicos interestaduais do Brasil.». Site Onze Ideal. Consultado em 15 de junho de 2017 
  49. Blog Flusócio - Idas e vindas de Fluminense versus Corinthians[ligação inativa]
  50. História de Fluminense versus Corinthians
  51. Site Jornalheiros/2011/06/recordar-e-viver-invasao-corintiana-em.html A verdade sobre a invasão corinthiana em 1976
  52. a b c d e f g h i j k - Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Públicos - Maiores públicos contra adversários, página disponível em 15 de janeiro de 2016.
  53. Site Jornalheiros /2011/09/historia-fluminense-x-corinthians.html Relação de todos os jogos entre Fluminense e Corinthians
  54. a b RSSSF Brasil Principais adversários do Fluminense
  55. ARRUDA, Marcelo Leme de (26 de outubro de 2015). «Matches of clubs from "G-12" with most goals scored». RSSSFBrasil.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2018 
  56. DE LAURENTIIS, Francisco e ALVES, Marcus (29 de outubro de 2015). «Após queda do Flu, Cavalieri detona arbitragem: 'Fomos eliminados por pênaltis polêmicos'». ESPN Brasil. Consultado em 5 de novembro de 2015 
  57. Jornal O Globo de 21 de março de 1993, página 49, reportagem Vasco, Flu e a guerra das colônias, por Marcos Malafaia e Milton Costa Carvalho
  58. Livro Almanaque do Santos |publicado= página 116 |autor= Nascimento, Guilherme|data= 21 de janeiro de 2013 |acessodata=29 de outubro de 2013
  59. Jornal O Globo, capa e Esportes páginas 1 e 3, da edição de 27 de outubro de 1969
  60. Jornal O Estado de S. Paulo, de 21 de dezembro de 1970
  61. Gabriel Gama (27 de julho de 2011). «Galo e Flu deu origem a verso famoso do hino alvinegro». observatoriodoesporte. Consultado em 5 de novembro de 2013. Arquivado do original em 22 de outubro de 2013 
  62. «Em "final" antecipada, Fluminense e Atlético-MG se enfrentam em BH». Site da revista Placar. 20 de outubro de 2012. Consultado em 5 de novembro de 2013. Arquivado do original em 8 de novembro de 2013 
  63. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 17 de outubro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  64. RODRIGUES, Rodolfo e GINI, Paulo Villena (3 de agosto de 2009). «Livro A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil». Panda Books. Consultado em 26 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 2 de abril de 2014 
  65. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (17 de agosto de 2013). «Principais adversários do Fluminense». RSSSF Brasil. Consultado em 26 de dezembro de 2013 
  66. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 26 de dezembro de 2013 
  67. Fichas técnicas de jogos do Fluminense na Taça Brasil
  68. Site Jornalheiros História de Fluminense versus Internacional
  69. FILHO, Paulo Cezar (11 de junho de 2012). «História – Fluminense x Internacional». Site Flunews. Consultado em 29 de janeiro de 2014 
  70. NETFLU (13 de agosto de 2018). «Incômodo jejum: Fluminense não vence o Internacional desde 2012». NETFLU. Consultado em 3 de agosto de 2019 
  71. MATOS, Pedro (3 de agosto de 2019). «Estatísticas e números do confronto entre Fluminense e Internacional». Notícias Inter. Consultado em 3 de agosto de 2019 
  72. Jornal LANCE!, de 7 de junho de 2005, página 7
  73. Jornal Zero Hora,de 10 de fevereiro de 2008, página 48
  74. Site Jornalheiros Fluminense versus Grêmio post sobre a partida de 10 de abril de 2010
  75. FOX SPORTS (5 de maio de 2019). «Incrível! Grêmio abre 3 a 0, Fluminense vira e garante vitória por 5 a 4 nos acréscimos». NetFlu.com. Consultado em 6 de maio de 2019 
  76. a b c LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 5 de novembro de 2015 
  77. Estádio Octávio Mangabeira, página disponível em 6 de novembro de 2015[ligação inativa]
  78. RSSSF Brasil - Maiores públicos de futebol no Brasil, página editada em 21 de abril de 2015 e disponível em 5 de novembro de 2015
  79. RSSSF Brasil - Principais títulos do Fluminense, página editada em 27 de outubro de 2013 e disponível em 6 de janeiro de 2016
  80. a b BARBOSA DA SILVA, Sidney - Site Campeões do Futebol, página editada em 13 de fevereiro de 2007 e disponível em 5 de novembro de 2015
  81. LIMA, Ricardo de Freitas. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 1 de outubro de 2016 
  82. Site JC ON LINE - Especial Sport 100 anos, página disponível em 20 de novembro de 2011
  83. LIMA, Ricardo de Freitas. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  84. a b c - Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Públicos - Maiores públicos contra adversários, página disponível em 31 de maio de 2018.
  85. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto - RSSSF Brasil - Fichas técnicas do Fluminense em 2012, página editada em 5 de dezembro de 2012 e disponível em 31 de maio de 2018.
  86. RSSSF Brasil - Brazil Cup History, página editada em 11 de junho de 2012 e disponível em 5 de novembro de 2015.
  87. «Guarani x Fluminense». Site Jogos do Guarani. Consultado em 6 de janeiro de 2015 
  88. RODRIGUES, Carlos - Jornal CORREIO POPULAR - Os dez maiores artilheiros da história do Bugre, página editada em 8 de janeiro de 2018 e disponível em 8 de abril de 2018.
  89. Jornal LANCE: Um dos presidentes mais respeitados do Bugre era tricolor, página editada e disponível em 4 de setembro de 2010
  90. Site TERRA - Morre Jaime Silva, ex-presidente do Guarani, página editada em 14 de janeiro de 2007 e disponível em 20 de novembro de 2015
  91. FERRARI, Gabriel - Site oficial do GUARANI F.C. - Brinco de Ouro completa 65 anos de história, página editada em 30 de maio de 2018 e disponível em 31 de maio de 2018.
  92. Público recorde no Brinco de Ouro em 1975, página disponível em 5 de novembro de 2015
  93. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 25 de julho de 2016 
  94. BARBOSA DA SILVA, Sidney (28 de setembro de 2015). «Atlético-PR na conquista da Série A 2001». Site Campeões do Futebol. Consultado em 5 de novembro de 2015 
  95. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 23 de novembro de 2015 
  96. FREITAS, Bruno e LIMA, Vanderlei - Site UOL - Casal 20 além da vida..., página disponível em 19 de maio de 2018.
  97. FREIRE, Fernando - Site Globoesporte.com, página editada em 6 de julho de 2014 e disponível em 19 de maio de 2018.
  98. Site Globoesporte.com - Morre Washington, ex-parceiro de Assis no Atlético-PR e Fluminense, página editada em 25 de maio de 2014 e disponível em 19 de maio de 2018.
  99. TORRES, Fernando (13 de julho de 2011). «Fluzão 5 x 0 Coxa: Goleada tricolor no caminho do Bicampeonato». Site oficial do Fluminense Footbal Club. Consultado em 5 de novembro de 2015 
  100. Jornal Gazeta do Povo - Duílio, o maior goleador da história do Coxa, página editada em 21 de outubro de 2012 e disponível em 19 de maio de 2018.
  101. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (25 de outubro de 2012). «Flu x Coxa». Site Panorama Tricolor. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  102. RSSSF Brasil - Torneio " Mauricio Fruet " 1985, página editada em 5 de novembro de 2004 e disponível em 18 de setembro de 2018.
  103. Site História do Coritiba, página disponível em 18 de setembro de 2018.
  104. Fluminense empata, se salva e rebaixa Coritiba em jogo com tumulto e invasão de campo GAZETA ESPORTIVA, Equipe da - Site IG, página editada em 6 de dezembro de 2009 e disponível em 5 de novembro de 2015
  105. Site ESPN - Seis torcedores do Coritiba são condenados à prisão por batalha campal em 2009, página editada em 17 de março de 2017 e disponível em 18 de março de 2017.
  106. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto - RSSSF Brasil - Fichas técnicas do Fluminense em 2009, página editada em 11 de junho de 2012 e disponível em 31 de maio de 2018.
  107. Site Globoesporte.com - Invicto no Maraca, Flu vence o Coritiba e gruda no G-4; Coxa entra no Z-4, página editada em 4 de junho de 2015 e disponível em 17 de setembro de 2018.
  108. «Ranking Histórico 1971-2015». Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  109. «Ranking Histórico 1989-2012». Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  110. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 1 de outubro de 2016 
  111. FILHO, Paulo Cezar (8 de agosto de 2013). «História – Fluminense x Vitória». Flunews. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  112. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  113. VENANCIO, Pedro - Site Globoesporte - Título brasileiro sub-20 do Flu é justo e premia investimento da base tricolor, página editada em 3 de setembro de 2015 e disponível em 5 de setembro de 2015
  114. «Ranking Histórico 1971-2015». Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  115. FILHO, Paulo Cezar. «História – Fluminense x Portuguesa». Site Flunews. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  116. a b LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona adversário». Fluzão.info. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  117. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (17 de setembro de 2013). «HISTÓRIA DE PORTUGUESA DESP. (SP) X FLUMINENSE (RJ)». Site Campeões do Futebol. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  118. a b LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona Adversário». Fluzão.info. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  119. RSSSF Brasil - Torneio Interestadual de Goiânia de 1978, página disponível em 6 de janeiro de 2016
  120. FOX SPORTS, Equipe do site (3 de setembro de 2014). «Melhores momentos de Goiás 1 x 0 Fluminense pela Sul-Americana. Flu eliminado». TV Fox Sports. Consultado em 12 de abril de 2016 
  121. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Públicos >> Maior público contra adversário >> Nacionais >> Seleciona Adversário». Fluzão.info. Consultado em 13 de maio de 2018 
  122. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona Adversário». Fluzão.info. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  123. RSSSF - Brasil Torneio Quadrangular Pará-Guanabara, página editada em 14 de novembro de 2011 e disponível em 2 de março de 2018
  124. MICHELETTI, Rogério e TRIGO, Sérgio - Site TERCEIRO TEMPO - Castilho, ex-goleiro do Fluminense e Paysandu, página disponível em 2 de março de 2018
  125. Site EXPLOSÃO TRICOLOR - EXCLUSIVO – Entrevista com o ex-lateral Aldo, página editada em 29 de maio de 2016 e disponível em 2 de março de 2018
  126. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Públicos >> Maior público contra adversário >> Nacionais >> Seleciona Adversário». Fluzão.info. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  127. Livro Enciclopédia do futebol paraense, por Ferreira da Costa, IV edição (2007).
  128. LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Adversários >> Nacionais >> Seleciona Adversário». Fluzão.info. Consultado em 23 de março de 2019 
  129. «Fluminense provoca Yago Pikachu após vitória sobre Paysandu: 'capturado'». Site UOL. Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  130. Site Jornalheiros/2011/04/historia-fluminense-x-times-argentinos Retrospecto do Fluminense contra times argentinos
  131. «Jornal O DIA: Para Abel, Flu e Boca é o maior clássico do futebol sul americano». Consultado em 28 de outubro de 2013. Arquivado do original em 21 de setembro de 2013 
  132. Flu x Boca já virou um clássico sul americano, diz Peter Siemsen[ligação inativa]
  133. DIAS, Domingos Cachineiro Rodrigues (7 de março de 2012). «Boca Juniors 1 X 2 Fluminense - Vitória épica e Histórica!!!». Site Sempreflu. Consultado em 30 de março de 2014 
  134. a b BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (12 de abril de 2012). «Invencibilidade do Fluminense em competições da Conmebol com o mando de campo». Site RSSSF Brasil. Consultado em 30 de março de 2014 
  135. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (12 de abril de 2012). «Fichas técnicas do Fluminense em 2012». Site RSSSF Brasil. Consultado em 30 de março de 2014 
  136. «Fluminense Football Club | O'Tricolor.com». Fluminense Football Club | O'Tricolor.com (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2018 
  137. «História – Fluminense x LDU Quito | Flu Notícias - Notícias do Fluminense». flunoticias.com.br. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  138. «LDU x Fluminense - Copa Sul-Americana 2017-2017 - globoesporte.com». globoesporte.com. Consultado em 21 de janeiro de 2018 
  139. ANDEL, Paulo-Roberto - Publicações sobre o Fluminense (da Redação), página atualizada e disponível em 30 de janeiro de 2019.