Eleições gerais no Brasil em 1962

← 1958 • Flag of Brazil (1960–1968).svg • 1966
Eleições Gerais de 1962
409 Deputados Federais
11 Governadores
23 Senadores
1076 Deputados Estaduais
7 de Outubro de 1962
Câmara dos Deputados
Eleições gerais no Brasil em 1962
  PSD (123)
  PTB (104)
  PDC (18)
  PTN (11)
  PSP (23)
  PST (6)
  PSB (5)
  MTR (3)
  PL (5)
  PR (10)
  PRT (3)
  UDN (94)
  PRP (4)
Senado Federal
Eleições gerais no Brasil em 1962
  PSD (16)
  PTB (11)
  PDC (1)
  PTN (2)
  PSP (2)
  PST (1)
  PSB (1)
  MTR (1)
  PL (1)
  UDN (9)
Tribunal Superior Eleitoral

Em 7 de outubro de 1962 (domingo) houve eleições diretas para governador em onze estados e foram eleitos os membros do Congresso Nacional do Brasil, no último pleito antes do Regime Militar de 1964. Estavam em jogo dois terços das vagas no Senado Federal[1] e 409 assentos da Câmara dos Deputados. Os estados de Alagoas, Goiás, Guanabara, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte e Santa Catarinaelegeriam seus governadores em 1965, sendo que o resultado da eleição em Alagoas não foi validado por questões legais. Foi a única eleição realizada no governo João Goulart, sob a vigência do regime parlamentarista da Emenda Constitucional Número 4 de 1961. O resultado das eleições levou o Presidente João Goulart a nomear Hermes Lima como Presidente do Conselho até que fosse realizado o Plebiscito de 1963, no qual o regime presidencialista foi o vencedor, restaurando os poderes executivos do Presidente da República. A eleição sofreu forte interferência dos Estados Unidos que, através do embaixador Lincoln Gordon, forneceram cinco milhões de dólares para a campanha dos candidatos de oposição a João Goulart. Os recursos foram repassados através do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD).[2][3][4][nota 1]

Governadores eleitos em 1962Editar

Na relação abaixo foram destacados em negrito os governadores de estado eleitos em 1965 visto que a duração uniforme dos mandatos só ocorreu a partir de 1970.

Estado Região Governador Partido Vice-governador Detalhes
  Acre N José Augusto de Araújo[nota 2] PTB Não havia[nota 3] AC 1962
  Alagoas NE Muniz Falcão[nota 4] PSP Cleto Luz[nota 4] AL 1965
  Amazonas N Plínio Coelho[nota 2] PTB Não havia AM 1962
  Bahia NE Lomanto Júnior UDN Orlando Moscoso[nota 5] BA 1962
  Ceará NE Virgílio Távora UDN Figueiredo Correia CE 1962
  Espírito Santo SE Francisco Aguiar[nota 6] PTB Rubens Rangel ES 1962
  Goiás CO Otávio Lage UDN Osíris Teixeira GO 1965
  Guanabara SE Negrão de Lima PSD Eloy Dutra GB 1965
  Maranhão NE José Sarney UDN Antônio Jorge Dino[nota 7] MA 1965
  Mato Grosso CO Pedro Pedrossian PSD Lenine Póvoas MT 1965
  Minas Gerais SE Israel Pinheiro PSD Clóvis Salgado da Gama MG 1965
  Pará N Alacid Nunes UDN Renato Franco PA 1965
  Paraíba NE João Agripino UDN Severino Cabral[nota 8] PB 1965
  Paraná S Paulo Pimentel PTN Plínio da Costa PR 1965
  Pernambuco NE Miguel Arraes[nota 2] PST Paulo Guerra PE 1962
  Piauí NE Petrônio Portela[nota 9] UDN João Clímaco d'Almeida[nota 10] PI 1962
  Rio de Janeiro SE Badger da Silveira[nota 2] PTB João Batista da Costa RJ 1962
  Rio Grande do Norte NE Valfredo Gurgel PSD Clóvis Mota RN 1965
  Rio Grande do Sul S Ildo Meneghetti PSD Não havia RS 1962
  Santa Catarina S Ivo Silveira PSD Francisco Dall'Igna[nota 11] SC 1965
  São Paulo SE Ademar de Barros[nota 12] PSP Laudo Natel SP 1962
  Sergipe NE Seixas Dória[nota 2] PSD Celso Carvalho SE 1962

Senadores eleitos em 1962Editar

Estado Região Eleito em 1962 Partido Suplente Detalhes
  Acre N Adalberto Sena[5]
José Guiomard
Oscar Passos
PTB
PSD
PTB
Godwasser Santos
José Kairala[6]
Eduardo Assmar
AC 1962
  Alagoas NE Arnon de Melo
Rui Palmeira[7]
UDN
UDN
Hermann Torres
Mário Gomes de Barros
AL 1962
  Amazonas N Artur Virgílio Filho[8]
Mourão Vieira[9]
PTB
PTB
Desiré Guarani
Edmundo Levi
AM 1962
  Bahia NE Antônio Balbino
Josaphat Marinho
PSD
PST
Eduardo Catalão
Artur Leite
BA 1962
  Ceará NE Carlos Jereissati[10]
Wilson Gonçalves
PTB
UDN
Antônio Jucá
Vicente Augusto
CE 1962
  Espírito Santo SE Eurico Resende
Raul Giuberti
UDN
PSP
Paulo Barros
Silverio Del Caro
ES 1962
  Goiás CO José Feliciano Ferreira
Pedro Ludovico[8]
PSD
PSD
Armando Storni
José Elias Isaac
GO 1962
  Guanabara SE Aurélio Viana[11]
Gilberto Marinho
PTB
PTN
Adamastor Lima
Hélio Damasceno
GB 1962
  Maranhão NE Sebastião Archer
Vitorino Freire
PSD
PSD
José Matos de Carvalho
Miguel Lins
MA 1962
  Mato Grosso CO Bezerra Neto
Filinto Müller
PTB
PSD
Gastão Müller
Humberto Neder
MT 1962
  Minas Gerais SE Benedito Valadares
Nogueira da Gama
PSD
PTB
Ovídio de Abreu
Valter Ataíde
MG 1962
  Pará N Catete Pinheiro
Lobão da Silveira
PST
PSD
Pedro Carneiro
Moura Palha
PA 1962
  Paraíba NE Argemiro de Figueiredo
João Agripino[12]
UDN
UDN
Augusto Abrantes
Domício Gondim
PB 1962
  Paraná S Adolfo Franco
Amaury Silva[13]
UDN
PTB
Milton Menezes
Melo Braga
PR 1962
  Pernambuco NE José Ermírio de Moraes
Pessoa de Queiroz
PTB
UDN
Pinto Ferreira
Severino Jordão
PE 1962
  Piauí NE José Cândido Ferraz
Sigefredo Pacheco
UDN
PSD
Manoel da Silva Dias
Cláudio Pacheco
PI 1962
  Rio de Janeiro SE Aarão Steinbruch[8]
Vasconcelos Torres
PTB
PTB
Olegário Bernardes
Gouveia Vieira
RJ 1962
  Rio Grande do Norte NE Dinarte Mariz
Valfredo Gurgel[14]
UDN
PSD
Cortez Pereira[15]
Manuel Vilaça[16]
RN 1962
  Rio Grande do Sul S Daniel Krieger
Mem de Sá[17]
PSD
PSD
Nestor Pereira
Gay da Fonseca
RS 1962
  Santa Catarina S Atílio Fontana
Konder Reis
PSD
UDN
Renato Silva
Celso Ramos
SC 1962
  São Paulo SE Auro de Moura Andrade
Lino de Matos
PSD
PTN
Miguel Leuzzi
Lineu Gomes
SP 1962
  Sergipe NE Leite Neto[18]
Júlio César Leite
PSD
PSD
José Rollemberg
Dilton Costa
SE 1962

Câmara dos Deputados em 1962Editar

Estado PSD PTB PSP UDN PL PTN PSB PRP PR PST PDC MTR PRT Total
  TF Acre 4 3 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 7
  Alagoas 1 1 2 5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 9
  Amazonas 2 3 0 0 2 0 0 0 0 0 0 0 0 7
  TF Amapá 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1
  Bahia 9 8 0 9 0 1 1 1 2 0 0 0 0 31
  Ceará 8 5 0 6 0 1 0 0 0 1 0 0 0 21
  Espírito Santo 2 2 0 1 0 2 0 1 0 0 0 0 0 8
  Guanabara 3 9 0 6 0 0 2 0 0 0 1 0 0 21
  Goiás 7 2 2 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 13
  Maranhão 11 0 3 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 16
  Minas Gerais 21 6 1 16 0 0 0 0 4 0 0 0 0 48
  Mato Grosso 3 1 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 8
  Pará 4 2 2 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 10
  Paraíba 5 2 0 6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 13
  Pernambuco 3 11 0 6 0 0 1 0 1 1 1 0 0 24
  Piauí 3 3 0 2 0 0 0 0 0 0 0 0 0 8
  Paraná 6 10 0 5 0 0 0 0 0 0 4 0 0 25
  TF Rio Branco 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1
  Rio de Janeiro 5 8 2 3 0 0 1 0 0 2 0 0 0 21
  Rio Grande do Norte 3 2 0 1 0 0 0 0 0 0 1 0 0 7
  TF Rondônia 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1
  Rio Grande do Sul 7 14 0 1 3 0 0 1 0 0 2 1 0 29
  Santa Catarina 6 2 0 6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 14
  Sergipe 2 0 0 4 0 0 0 0 1 0 0 0 0 7
  São Paulo 8 9 9 7 0 7 0 1 2 2 9 2 3 59
Total 123 104 23 94 5 11 5 4 10 6 18 3 3 409

Notas

  1. As informações sobre a interferência americana nas eleições de 1962 foram trazidas a público pelos livros de autoria do ex-agente da CIA, Philip Agee, que morreu exilado em Cuba em 2008.
  2. a b c d e Teve o mandato cassado e os direitos políticos suspensos pelo Regime Militar de 1964.
  3. O Art. 2º da Lei nº 4.070, de 15 de junho de 1962 fez referência à eleição direta do governador e dos deputados estaduais, e no que tange ao Executivo o Art. 4º menciona apenas a posse do governador.
  4. a b Emenda Constitucional datada de 8 de abril de 1965 exigia a maioria dos votos válidos para a homologação do pleito, entretanto com tal quórum não foi atingido, coube à Assembleia Legislativa realizar uma eleição indireta em 8 de novembro para apontar o nome do governador do estado. Na ausência de uma deliberação parlamentar o estado foi entregue ao interventor federal, General João Batista Tubino entre 31 de janeiro e 15 de agosto de 1966 quando Lamenha Filho foi nomeado governador.
  5. Já havia sido eleito para o cargo em 1958.
  6. Renunciou ao mandato de governador em 5 de abril de 1966.
  7. Assumiu o governo após o titular ter renunciado para concorrer ao Senado Federal em 1970.
  8. Não pôde assumir em face de não ter se afastado de suas empresas em tempo hábil. Foi substituído por Antônio Juarez Farias.
  9. Renunciou ao mandato em 12 de agosto de 1966 e foi eleito senador em novembro.
  10. Renunciou ao mandato juntamente com o titular e foi eleito para o mesmo cargo por via indireta em setembro. Durante 30 dias o governo esteve nas mãos do deputado José Odon Maia Alencar, presidente da Assembleia Legislativa.
  11. Cassado em 19 de julho de 1966 e assim a Assembleia Legislativa elegeu Jorge Bornhausen vice-governador do estado em 9 de março de 1967.
  12. Foi cassado pelos militares em 6 de junho de 1966.

Referências

  1. Recém-criado, o estado do Acre elegeu três senadores.
  2. «MORAES NETO, Geneton. O dia em (sic) Lincoln Gordon falou sobre dois temas explosivos. Primeiro: os Estados Unidos queriam que o Brasil participasse da Guerra do Vietnam (sic). Segundo: a CIA financiou a campanha de candidatos simpáticos aos EUA (Portal G1)». Consultado em 1º de novembro de 2014 
  3. Luiz Gonzaga Belluzzo (11 de janeiro de 2014). «Que revelação é essa?». Carta Capital. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  4. CPDOC. «Lincoln Gordon». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  5. Eleito para um mandato de quatro anos a ser renovado em 1966.
  6. Convocado para o exercício do mandato foi alvejado por um tiro em pleno Senado Federal vindo a falecer em Brasília em 4 de dezembro de 1963.
  7. Faleceu em 16 de dezembro de 1968.
  8. a b c Teve o mandato cassado em 1969 com base no AI-5.
  9. Faleceu em 17 de junho de 1963.
  10. Faleceu em 9 de maio de 1963.
  11. Disputou a reeleição por Alagoas em 1970, sem sucesso.
  12. Eleito governador da Paraíba em 1965.
  13. Foi Ministro do Trabalho e Previdência Social (18 de junho de 1963 a 31 de março de 1964) no governo João Goulart. Teve o mandato cassado no início do Regime Militar de 1964.
  14. Eleito governador do Rio Grande do Norte em 1965.
  15. Escolhido governador do Rio Grande do Norte pelo presidente Emílio Garrastazu Médici em 1970.
  16. Efetivado com eleição do titular ao governo potiguar.
  17. Foi Ministro da Justiça (14 de janeiro a 28 de junho de 1966) no governo Castelo Branco.
  18. Faleceu no Rio de Janeiro em 10 de dezembro de 1964

Ligações externasEditar