Casseta & Planeta, Urgente!

programa humorístico da Rede Globo

Casseta & Planeta, Urgente! foi um programa humorístico satírico brasileiro, estrelado pelo grupo Casseta & Planeta. Foi transmitido pela Globo entre 28 de abril de 1992 e 21 de dezembro de 2010. Foi um dos mais bem-sucedidos programas de humor da televisão brasileira.[1]

Casseta & Planeta, Urgente!
Informação geral
Formato sitcom
Gênero
Duração Até 25 minutos
Criador(es) Integrantes do grupo Casseta & Planeta
País de origem  Brasil
Idioma original (em português brasileiro)
Produção
Diretor(es)
Apresentador(es)
Narrador(es) Carlos Alberto
Elenco
Tema de abertura Instrumental
Tema de encerramento Instrumental
Exibição
Emissora original Rede Globo
Formato de exibição
Transmissão original 28 de abril de 199221 de dezembro de 2010
Temporadas 19
Episódios Vários
Cronologia
Casseta & Planeta Vai Fundo
Programas relacionados Dóris Para Maiores
Ligações externas
Site oficial

O programa foi um derivado direto de Doris para Maiores, primeiro programa com participação regular do grupo na frente das câmeras, do qual herdou o lema Jornalismo mentira, humorismo verdade, baseado no programa jornalístico Documento Especial: Televisão Verdade. O formato era livremente inspirado no do Fantástico e de outros programas similares. Uma apresentadora feminina (Kátia Maranhão, nos dois primeiros anos do programa, e Maria Paula, a partir de 1994) introduzia os diversos quadros interpretados pelo grupo de comediantes. Geralmente, as atrações incluíam coberturas jornalísticas e documentários falsos, paródias de outros programas de TV (novelas, filmes, seriados) e de campanhas publicitárias, entrevistas com populares e videoclipes com paródias de músicas de sucesso.

HistóriaEditar

Em seus primeiros anos, o programa era transmitido uma vez por mês, alternando-se na faixa Terça Nobre com outras atrações. Uma característica marcante da primeira fase do Casseta foram as grandes viagens pelo Brasil e pelo mundo, incluindo a cobertura das Copas do Mundo de Futebol de 1994 e 1998. Nova Iorque, Tóquio, Roma, Curaçao, Lisboa, Cidade do México, Buenos Aires e Miami foram alguns dos destinos do grupo.

Em 1998, respondendo ao grande sucesso, o programa se tornou semanal, com duração de meia hora. A mudança permitiu maior agilidade na cobertura de atualidades (muitas vezes do próprio dia de exibição do episódio). Em compensação, as viagens internacionais se tornaram menos frequentes e menos elaboradas.

Nesta fase, aproximando-se do modelo de programas humorísticos mais tradicionais, o Casseta focalizaria seus esforços em quadros regulares com personagens carismáticos (Carlos Maçaranduba, Fucker & Sucker, Seu Creysson). Também foi estendida gradualmente a participação de Maria Paula como atriz, com destaque para as sátiras de novelas. Porém, Maria Paula reencontraria sua importância como "âncora" do programa por volta de 2002, quando se tornou apresentadora dos quadros interativos (inspirado no esquema do Você Decide, os telespectadores telefonavam para escolher o final de um quadro entre três opções).

As participações especiais de artistas e celebridades no Casseta & Planeta são uma tradição que se fortaleceu com o aumento da popularidade do programa. Em fins da década de 1990, o quadro Papo Casseta apresentava breves entrevistas com os astros convidados.

Em 2004, Luana Piovani substituiu Maria Paula durante a sua primeira licença-maternidade. Em 2006, a morte de Bussunda levou ao cancelamento dos quadros que tinham a participação do comediante, como Diário de um Macho, Penitenciária de detenção máxima e As encalhadas, e ao fim de todos os personagens interpretados por ele—incluindo o próprio Lula, o que significou uma grande baixa na cobertura da campanha presidencial desse ano pelo Casseta & Planeta. Hubert foi escolhido pelos telespectadores para substituir Bussunda como intérprete do Lula.

A 16ª temporada do programa, inaugurada em 10 de abril de 2007, retomou a tradição das grandes viagens no novo quadro Casseta Brasil Adentro, uma paródia das caravanas documentais do Fantástico e do Jornal Nacional. Em 2007 o programa também deixa de ter a participação de Pojucan, artista gráfico que tinha sido responsável pelas vinhetas desde a primeira temporada.

Em 2008, a atriz Cláudia Rodrigues, que no ano anterior havia sido protagonista de A Diarista, substituiu Maria Paula durante sua segunda licença-maternidade, desta vez durante toda a temporada. Maria Paula fez apenas uma participação no primeiro episódio.

CancelamentoEditar

Em 26 de novembro de 2010, a Globo, através de um comunicado, informou que o programa seria cancelado após 18 anos no ar. Um dos motivos é o enfraquecimento do humorístico diante dos programas concorrentes, a decisão dos integrantes de iniciar projetos pessoais em 2011 e a preparação de uma nova versão do programa, prevista para abril de 2012.[2] O último episódio de Casseta e Planeta, Urgente! foi ao ar em 21 de dezembro de 2010.

Reformulação e retornoEditar

 Ver artigo principal: Casseta & Planeta Vai Fundo

Em 2012, o programa foi reformulado e retornou à programação da Globo com o título de Casseta & Planeta Vai Fundo. O programa teve temas semanais e foi exibido por duas temporadas, assim como os demais seriados da emissora. Nessa versão, o programa não contou com Maria Paula no elenco, que foi substituída por Miá Mello e Maria Melilo. Em 21 de dezembro do mesmo ano, o programa foi cancelado devido à baixa audiência.[3]

ElencoEditar

Membros antigosEditar

† - Falecido quando membro

Participações especiaisEditar

  • Kátia Maranhão: jornalista, apresentou o programa nas temporadas de 1992 e 1993
  • Luana Piovani: participou durante alguns episódios da temporada de 2004, durante a primeira licença-maternidade de Maria Paula
  • Cláudia Rodrigues: participou de toda a temporada de 2008, durante a segunda licença-maternidade de Maria Paula

Quadros e paródiasEditar

O programa Casseta & Planeta, Urgente! tem como um dos quadros de maior sucesso os produtos absurdos fabricados pela megaempresa monopolista Organizações Tabajara, que vende coisas como o Olho Mágico de Caixão Tabajara, Higienic Paper Remote Control Tabajara, Meleca Disfarceitor Tabajara, Refrigerante Cola Tabajara Diet Light sem Açúcar sem Calorias. Os produtos anunciados possuem nomes que lembram inglês, mas usam o radical em português. São eles o prefixo 'personal' e os sufixos 'ation' e 'ator'. Exemplos: 'Personal Código Penal Tabajara', 'Personal Banheiro Transportation Tabajara' e 'Internet Controleitor System Tabajara'.

 
Bussunda (1962-2006).

A grande concorrente das Organizações Tabajara, o Grupo Capivara, quase quebrou, até ser comprado pelo grande empresário Seu Creysson (uma sátira ao fato de a companhia aérea Transbrasil ter sido vendida por quase nada). Seu Creysson também foi candidato a presidente em 2002, tendo grande apoio popular. A ficção se misturou com a realidade, onde showmícios de Seu Creysson foram promovidos na vida real, com grande sucesso de público (um dos showmícios, em São Paulo, foi incluído no DVD que conta com os melhores momentos da primeira temporada da série). Devido ao uso das urnas eletrônicas, não pôde receber a avalanche de votos reais que consagrara o Macaco Tião em 1988.

Outros quadros e personagens famosos:

  • Tabajara Futebol Clube (autointitulado "O Pior Time do Mundo", sátira à crise nos clubes de futebol brasileiros e à corrupção de seus dirigentes)
  • Diário de um Macho com Carlos Maçaranduba & Ulson Montanha (sátira aos pitboys, normalmente rapazes de classe média-alta, praticam artes marciais apenas pelo prazer de bater e frequentemente se envolvem em atos de violência)
  • Fucker & Sucker (sátira à polícia brasileira e aos seriados norte-americanos)
  • Sauna Gay com Vanderney
  • Sambabaca (sátira aos grupos de samba e pagode, são conhecidos por só terem um só sucesso)
  • Cassestreet Boys (sátira à boy band Backstreet Boys)
  • As Encalhadas
  • Legião dos Super-Heróis Brasileiros (sátira aos super-heróis dos quadrinhos mundiais)
  • Os Espermatozoides do Barulho
  • Filme com Sérias Restrições Orçamentárias
  • Organizações Tabajara (empresa autodefinida monopolista, cujas chamadas são inspiradas nos infomerciais exibidos por outras emissoras, notadamente os da Polishop)
  • Seu Creysson (empresário, conhecido por seu português errado repleto de solecismos e seu sotaque característico)
  • Penitenciária de Detenção Máxima
  • Otário Eleitoral Gratuito (sátira ao horário eleitoral gratuito)
  • High Schoolacho Musical: sátira ao filme High School Musical
  • Jáeroporto: sátira com a crise no setor aéreo brasileiro em 2007
  • As Vagabad Girl - Birutney Spears e Chuparis Hilton (sátira às popstars Britney Spears e Paris Hilton)
  • Mc Ferrow e Mc Deumal (sátira aos cantores de funk carioca)
  • No cafofo do Osama (sátira ao terrorista Osama Bin Laden. Durante a eleição de Barack Obama, chegou a se intitular No cafofo do Obama)
  • Grupo Gagoto Magoto (com o nome inspirado no grupo brasileiro Sorriso Maroto, seus integrantes trocam a letra R pela letra G. Também é uma sátira aos grupos de pagode brasileiros)
  • Guerreiro, o bombeiro
  • Acarajette Lovve (ex-cantora de axé music, interpretada por Beto Silva, que se intitula maior e melhor do que as três principais cantoras de axé da atualidade: Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Cláudia Leitte. Todas participaram do quadro.) Quando alguém, especialmente seu empresário, lhe diz Você é a melhor cantora de axé music do mundo, ela responde: Do mundo só não. Da Bahia!!!!!!!!!!!
  • Kiekeílson (sátira aos jogadores de futebol que se envolvem em escândalos)
  • Branco é Branco, Preto é Preto, mas o Michael era o Tal (paródia à morte do cantor Michael Jackson)
  • Os Melhores Hinos das Seleções da Copa (sátira aos hinos das seleções da Copa do Mundo de 2010)

Novelas, Séries e MinissériesEditar

Sessões de filmesEditar

  • Sessão da Tarde = Sessão... Sessão... Sessão o Quê Mesmo? / Sessão Uns Pentelhos / Sessão Uns Vagabundos / Sessão Espírita da Tarde (em alusão ao sucesso dos filmes espíritas) / Sessão já vai Tarde
  • Tela Quente = Cela Quente / Cera Quente / Tela Parente / Tela Dentro / Tela Morna / Panela Quente

TelejornaisEditar

Programas de entretenimento e esporteEditar

  • Big Brother Brasil = Big Brother Brasília, Big Brother Copa do Mundo, Big Brother Amazônia, Big Bial Brasil e Big Brother Casseta
  • Caldeirão do Huck = Narigão do Huck
  • Domingão do Faustão = Coringão do Vazão, Barrigão do Faustão, Tô Magrão no Faustão, Vomitão do Faustão e Camisão do Faustão
  • Esporte Espetacular = Espera Espetacular (paródia aos atrasos nas obras para a Copa do Mundo FIFA 2014), Roubada Espetacular, Pobre Espetacular, Portugal Espetacular
  • Hipertensão = Hipertesão, Hiperpensão e Hipereleição (sátira à campanha presidencial brasileira em 2010)
  • Mais Você = Mais ou Menos Você com Janus Maria Brega, Menos Você com Anã Maria Braga
  • Programa do Jô = Quilograma do Jô
  • Video Show = Video Xô

Campanhas filantrópicasEditar

Filmes e desenhos animadosEditar

  • Crepúsculo = Trepúsculo / Trepúsculo no Brasil, o primeiro filme sobre vampiros feito no Brasil que não chupa o sangue do contribuinte
  • Nosso Lar = Tropa do Nosso Lar de Elite 2: o primeiro filme espírita policial totalmente psicografado pelo comandante Xavier
  • Os Simpsons = Os Suplicympsons (sátira à família Suplicy)
  • Naruto = Severinaruto: o primeiro ninja nordestino brasileiro.
  • Tropa de Elite/Tropa de Elite 2 = Tropa de Eleitos / Traque de Elite / Tropa do Nosso Lar de Elite 2: o primeiro filme espírita policial totalmente psicografado pelo comandante Xavier
  • Harry Potter = Harry Bope de Elite / Enche o Potter
  • Bob Esponja = Bope Esponja / Bebum Esponja/Lula Esponja Cabeca Quadrada
  • Liga da Justiça = Super Liga da Dieta, com Abdominal Women, Capitão Soja e Alface Atômico

PersonalidadesEditar

Eventos esportivosEditar

ControvérsiasEditar

Favela NavalEditar

Entre 1997 a 1998, a Globo sofreu 132 processos judiciais movidos por policiais militares, depois que o programa satirizou o Caso Favela Naval, ocorrido na cidade de Diadema, na região metropolitana de São Paulo, no qual dez policiais foram filmados agredindo moradores da Favela Naval em uma blitz. Na ocasião, os policiais afirmaram que consideraram a sátira uma ofensa à profissão de policial.

Durante a esquete, o programa executou uma canção que dizia: Meu capitão/Não sei por quê/Bate feliz quando tiver/Um bando de PMs batendo, extorquindo, subornando pessoas... De acordo com o advogado Luiz Camargo de Aranha Neto, que defendeu a emissora, todos os pedidos de indenização foram negados. A Justiça de São Paulo entendeu que os policiais não tinham legitimidade para propor as ações, por não aparecerem nas cenas gravadas e nem seus nomes serem mencionados.[4][5][6][7]

Acusações de discriminaçãoEditar

Em 2003, o programa foi acusado de discriminação à população do Rio Grande do Sul devido às constantes piadas relacionando os gaúchos à homossexualidade. Uma campanha realizada pelos habitantes do estado propôs um boicote ao programa. Na cidade gaúcha de Cachoeira do Sul, foi realizado um abaixo-assinado pedindo a retirada do programa do ar.[8][9][10]

No dia 16 de setembro de 2008, o programa levou ao ar no quadro Otário Eleitoral Gratuito, um personagem "Tinoco, o homem toco", que possuía os braços e as pernas amputados, declarando: "Você me conhece: eu sou o 'Tinoco, o homem toco'. Vote em mim que eu não vou meter a mão. E se eu roubar, não vou conseguir fugir". Tal conteúdo gerou notas de repúdio da Comissão de Direitos Humanos e Assistência Judiciária da Ordem dos Advogados do Brasil-RJ, acusando o quadro de ser "profundamente preconceituoso" e de igualar os deficientes físicos aos corruptos.[11] O Identidade - Grupo de Ação pela Cidadania de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais também enviou uma denúncia contra a Rede Globo ao Ministério Público Federal por discriminação às pessoas com deficiência.[11] Em resposta, a rede de TV estranhou "que a OAB-RJ tenha tomado uma iniciativa contra a liberdade de criação e expressão artística" e sugeriu "que as pessoas verdadeiramente interessadas se empenhem mais em mudar a realidade do que em criticar a ficção".[11]

Em 2003, o programa entrou no "Ranking da Baixaria na TV", da campanha "Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania", realizada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados em parceria com 60 organizações não-governamentais, que recebe denúncias sobre a qualidade da programação da TV.[12][13] A campanha recebeu 72 denúncias contra o programa por discriminação.[14] Em 2005, o programa entrou novamente no ranking, com 7 denúncias por ridicularização da pessoa humana.[15]

Referências

  1. Ratier, Rodrigo (2004). «Planeta Casseta». Mundo Estranho. Consultado em 15 de outubro de 2020. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2006 
  2. «Programa 'Casseta & Planeta urgente' sai do ar após 18 anos». G1. 26 de novembro de 2010. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  3. Vannucci, José Armando (29 de novembro de 2012). «Globo coloca ponto final no "Aventuras do Didi" e "Casseta & Planeta Vai Fundo"». Parabólica. Consultado em 2 de outubro de 2014. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2012 
  4. Costa, Priscyla (21 de fevereiro de 2008). «Igreja Universal usa meio legal para alcançar objetivo ilegal». Observatório do Direito à Comunicação. Consultado em 15 de outubro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2011 
  5. Pinho, Débora (1 de setembro de 2001). «Casseta: TV Globo se livra de indenizar policial de Diadema.». Consultor Jurídico. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  6. «TJ-SP rejeita pedido de PM de Diadema contra Casseta & Planeta». Consultor Jurídico. 27 de maio de 2002. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  7. «Justiça paulista livra Rede Globo de indenizar policial militar». Portal Imprensa. 8 de setembro de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2020 
  8. «Casseta & Planeta dá um tempo aos gaúchos». Gazeta Digital. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  9. «Casseta e Planeta é sinônimo de mentira?». Coletiva.net. 30 de junho de 2003. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  10. «Gaúchos propõem boicote ao "Casseta & Planeta"». Estadão. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  11. a b c Naldoni, Thaís (22 de setembro de 2008). «"Casseta & Planeta" é acusado de preconceito contra deficientes». Portal Imprensa (em inglês). Consultado em 15 de outubro de 2020 
  12. Roedel, Patrícia (9 de outubro de 2007). «Big Brother lidera 13º ranking da baixaria na TV». Observatório da Imprensa. Consultado em 3 de novembro de 2016 
  13. «"Kubanacan" lidera ranking da baixaria na TV». Estado de São Paulo. 17 de novembro de 2003. Consultado em 9 de outubro de 2020 
  14. Nunes, Letícia (25 de novembro de 2003). «Um ano de luta contra a baixaria». Observatório da Imprensa. Consultado em 10 de outubro de 2020 
  15. «Televisão: Os campeões da baixaria». Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 2 de fevereiro de 2005. Consultado em 10 de outubro de 2020 

Ligações externasEditar