Abrir menu principal

Wikipédia β

Partido Social Democrata (Portugal)

partido político português
(Redirecionado de PPD/PSD)
Partido Social Democrata
Partido Popular Democrático
Logo PSD cor.PNG
Presidente Rui Rio
Secretário José Silvano
Fundação 6 de maio de 1974
Sede Rua de S. Caetano à Lapa, 9
1249-087, Lisboa, Portugal Portugal
Ideologia Atualmente:
Conservadorismo liberal[1][2]
Liberalismo clássico[3][4]
Anteriormente:
Social-democracia portuguesa[5][6]
Espectro político Atualmente:
Centro-direita
Anteriormente:
Centro-esquerda a Centro
Publicação Povo Livre
Ala jovem Juventude Social Democrata
Membros  (2015) 117.100
Afiliação internacional Actualmente: Internacional Democrata Centrista
Anteriormente: Internacional Liberal
Afiliação europeia Partido Popular Europeu
Grupo no Parlamento Europeu Grupo do Partido Popular Europeu
Assembleia da República
89 / 230
Parlamento Europeu
6 / 21
Assembleia Legislativa da Madeira
24 / 47
Assembleia Legislativa dos Açores
19 / 57
Presidentes de Câmaras Municipais
98 / 308
Vereadores Municipais
729 / 2 074
Cores Laranja (oficial)
Página oficial
www.psd.pt
Francisco Sá Carneiro foi um dos fundadores do PSD e o seu primeiro líder

O Partido Social Democrata (PPD/PSD)[nota 1] é um partido político português de centro-direita[8][9][10] fundado em 6 de maio de 1974 por Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão e Joaquim Magalhães Mota sob o nome Partido Popular Democrático (PPD). Foi legalizado em 25 de Janeiro de 1975, passando a designar-se a 3 de Outubro de 1976, Partido Social Democrata (PSD). Sozinho ou em coligação, o PSD obteve 11 governos (número recorde na III República Portuguesa).

Índice

HistóriaEditar

Social-democracia e Social Democracia Portuguesa em comparaçãoEditar

A social-democracia é uma ideologia que surgiu em fins do século XIX e início do século XX por partidários do marxismo que acreditavam que a transição para uma sociedade socialista poderia ocorrer sem revoluções, mas por meio de uma evolução democrática. A ideologia social-democrata prega uma gradual reforma legislativa do sistema capitalista a fim de torná-lo mais igualitário.

A corrente social-democrata é a principal ideologia do partido, embora com idiossincrasias que diferenciam o PSD dos restantes partidos da social-democracia tradicional europeia. Em Portugal, é usualmente classificado como um partido de centro-direita. O partido não tomou a designação "social democrata" desde a fundação porque alguns dias antes do seu anúncio público surgiu um partido de direita cristã conservadora com a designação de Partido Cristão Social Democrata (que, no entanto, desapareceu pouco depois). Curiosamente, Adelino da Palma Carlos, o velho aliado político de Sá Carneiro, fundou um outro partido chamado Partido Social Democrata Português em 15 de Julho de 1974, que desapareceu depois do 28 de Setembro de 1974. Por essas razões, só em 1976 o PPD se torna PSD − Partido Social Democrata. A sua organização de juventude que antes se chamava Núcleo da juventude do Partido Popular Democrático passou a chamar-se Juventude Social Democrata (JSD).[11] Os Trabalhadores Social Democratas (TSD) são uma organização enquadrada nos princípios programáticos do PSD, com plena autonomia na sua organização, actividades e funções sindicais e laborais[12]. Para além deste órgão, o partido possui uma estrutura de Autarcas Social Democratas, os Grupos Parlamentares do Partido Social Democrata na Assembleia da República e nas Assembleias Regionais dos Açores e da Madeira e o Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata no Parlamento Europeu e Grupo Europeu Social Democrata, visto que o PSD teve um papel fundamental na integração Europeia desde a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia.

A social-democracia é uma ideologia política que apoia intervenções económicas e sociais do Estado para promover justiça social dentro de um sistema capitalista, e uma política envolvendo Estado de bem-estar social, sindicatos e regulação econômica para promover uma distribuição de renda mais igualitária e um compromisso para com a democracia representativa. A social-democracia que serviu de ponto de referência do PSD resultava, sobretudo, do prestígio que então alcançava o modelo do SPD que, depois de ter abandonado o programático marxismo em 1959, alcançava um enorme prestígio na Europa, principalmente com o estilo de Helmut Schmidt, reformista, humanista personalista de teóricos da Europa central, nórdica e anglo-saxónica, concebeu um projecto de social democracia adaptado à idiossincrasia de Portugal e à sua tradição histórica, apercebendo-se, de antemão, da ditadura de esquerda que se poderia instaurar em Portugal, num país que, na altura, era muito atrasado. O Partido Social Democrata é, assim, um partido de ideologia social-democrata, de natureza reformista, personalista e com carácter não-confessional, ou seja, laico, que, de modo peculiar, no caso português, combateu o colectivismo económico e os movimentos totalitários marxistas, subsequentes à Revolução de 25 de Abril de 1974, com a intenção de instaurar, em Portugal, uma democracia parlamentar e representativa, o Estado Social de Direito e a integração de Portugal na Comunidade Económica Europeia.

A verdadeira identidade do PSD é social-democrata, tal como descreve Sá Carneiro: «Numa época em que, em certas sociedades, o poder é pertença de minorias compostas pelos detentores do grande capital e por membros da tecno-estrutura; em que, noutras sociedades, dele se apropriou uma classe burocrática que domina não só todo o aparelho de Estado como todas as estruturas económicas e sociais – ou se quer apropriar uma elite de intelectuais auto-iluminados que pretendem pôr em prática os seus dogmas e as soluções mais ou menos originais que conceberam – pergunto-me: poderão as sociais-democracias retirar o exclusivo do poder às minorias oligárquicas, promovendo a sua efectiva transferência a nível político, económico ou social, para toda a população, desde os órgãos do Estado às unidades de produção?(…) O Programa que aprovámos mostra bem que o nosso caminho tem de consistir na construção de uma democracia real. Não basta apenas rejeitar, ainda que claramente, as via oferecidas pelo neocapitalismo e pelo neoliberalismo, por incapazes de resolverem as contradições da sociedade portuguesa e de evitarem a inflação, o desemprego, a insegurança e a alienação na sociedades que constroem. Não bastam reformas de repartição ou redistribuição de riqueza, sobretudo pela utilização da carga fiscal. Há que introduzir profundas reformas estruturais, que alterem mecanismos do poder e substituam à procura do lucro outras motivações que dinamizem a actividade económica e social. Propomo-nos, assim, construir não apenas uma simples democracia formal, burguesa, mas sim, uma autêntica democracia política, económica, social e cultural. A democracia política implica o reconhecimento da soberania popular na definição dos órgãos do poder político, na escolha dos seus titulares e na sua fiscalização e responsabilização; exige a garantia intransigente das liberdades individuais, o pluralismo efectivo a todos os níveis e o respeito das minorias; não existe se não houver alternância democrática dos partidos no poder, mediante eleições livres, com sufrágio universal, directo e secreto.

A democracia económica postula a intervenção de todos na determinação dos modos e dos objectivos de produção, o predomínio do interesse público sobre os interesses privados, a intervenção do Estado na vida económica e a propriedade colectiva de determinados sectores produtivos; pressupõe ainda a intervenção dos trabalhadores na gestão das unidades de produção. A democracia social impõe que sejam assegurados efectivamente os direitos fundamentais de todos à saúde, à habitação, ao bem-estar e à segurança social; exige ainda a redistribuição dos rendimentos, pela utilização de uma fiscalidade justa e progressiva.

Finalmente a democracia cultural consiste em garantir a todos a igualdade de oportunidades no acesso à educação e à cultura e no favorecimento da expressividade cultural de cada um.(…) A aprovação dos estatutos veio consagrar o carácter eminentemente democrático do Partido, que, aliás, ficou bem expresso na forma como decorreu este Congresso: a participação entusiástica e espontânea de tantos dos delegados prolongou as nossas horas de trabalho, exigiu-nos um esforço suplementar. Mas mostrou bem que a democracia é a única maneira de um grupo, tão numeroso, chegar ao consenso entre variadas opiniões, sem submissão a despotismos iluminados.»[13]

 
Rui Rio, Presidente do PSD (2018)

GéneseEditar

As raízes do Partido Social Democrata revelam a sua identidade muito peculiar: criado, no início da década de 1970, por Francisco Sá Carneiro, que foi primeiro-ministro de Portugal durante cerca de onze meses, no ano de 1980, advogado de profissão, licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. O grupo inicial de Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão e Joaquim Magalhães Mota contou desde logo com a colaboração de um valioso grupo de jovens professores e assistentes das Faculdades de Direito. De Coimbra vieram Mota Pinto, Barbosa de Melo, Figueiredo Dias, Costa Andrade e Xavier de Bastos; entre os lisboetas, contaram-se Sousa Franco, Rui Machete, Sérvulo Correia, Jorge Miranda e Marcelo Rebelo de Sousa. Na maioria eram docentes de direito político, mas não faltaram penalistas, todos irmanados na defesa do rigor do Estado de Direito.

Ao fundar o PPD, em 6 de maio de 1974, Francisco Sá Carneiro retomava um seu património sistemático, tendo por referencial ideológico o "centro político" social-democrata. Jovem advogado, com 35 anos em 1969, filho do espírito liberal do Porto, militante da Acção Católica, afirmou-se sob a ditadura como o mais coerente dos combatentes pelo Estado de Direito. As suas cartas pessoais a Marcello Caetano, traduziam uma inquietação genuína e alheia a estigmas auto-promocionais e carreiristas. Em maio de 1969, por exemplo, indignava-se com o exílio do Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes "Mas o Senhor D. António, bispo da diocese e da cidade que Vossa Excelência vai, pela primeira vez como Presidente do Conselho, visitar, continua na fronteira, que há quase dez anos não pode atravessar nem mesmo para o enterro da própria mãe." O Bispo, depois amnistiado, endossara a Salazar, em 1958, uma destemida missiva de denúncia. Já desterrado, participara, a convite do Papa João XXIII, na organização do Concílio Vaticano II (1962), e residia em Espanha. À partida, os deputados "liberais", saídos das eleições de 1969, eram franco-atiradores da heterodoxia, sem solução política para as guerras de África, difusamente crédulos na evolução sem ruptura. Nenhum programa os unia, forjaram ansiedades. Chamaram-lhes "liberais" por contraponto aos outros, os da antiga e melancólica continuidade. Foram, em larga medida, uma projecção iconográfica da imprensa e do pânico situacionista. Eram úteis a Caetano por traduzirem, além da cosmética, a flexibilização da "Primavera política".

Mas Sá Carneiro, antigo aluno de Caetano, que respeitava, foi politicamente unívoco. Ao integrar as listas da União Nacional, a convite do renovador Melo e Castro, declarou "total independência em relação ao Governo de Marcello Caetano". Melo e Castro não comunicou ao sucessor de Salazar a condição prévia, inédita nos anais do regime. Daí que, em maio de 1971, ao comentá-la, Caetano declarasse a Sá Carneiro que a considerava inaceitável, por implicar a ausência de espírito de disciplina; e que não o teria aceite nas listas se a conhecesse. O deputado lamentou o equívoco e desafiou "O meu lugar está inteiramente ao dispor". Caetano contemporizou.

Depois da morte prematura de José Pedro Pinto Leite, pivot dos "liberais" e arauto de uma política que designou de "centro reformista",[14] inspiradora de medidas avançadas de Caetano, Sá Carneiro reclamou o seu legado. E foi em nome do "centro reformista", pouco estruturante, que se afirmou como o mais outspoken político surgido após o eclipse de Salazar. O seu discurso espelhou aspirações crescentes das classes médias descompreensão do autoritarismo, crescimento económico, a Europa democrática como padrão. Nas intervenções parlamentares, Sá Carneiro privilegiou a defesa das liberdades públicas e do primado do Direito e bateu-se pela "democracia de tipo europeu e ocidental". Fora da Assembleia, defendeu presos políticos, incluindo comunistas, como José Pedro Soares, que visitou em Caxias. E em 1972, em entrevista ao República, feita por Jaime Gama, declarou-se "social-democrata". O que era, à época, uma escandalosa heresia. A Assembleia Nacional, espaço ritual de liturgias, tornou-se palco de uma impressiva batalha. Logo em 1969 um ariete da ultradireita, Francisco Casal-Ribeiro, alertava Caetano para a acção de Sá Carneiro e dos seus colegas "Há líderes, mas com aspecto de "clandestinidade" e acolitados por uma espécie de sublíderes, cuja actividade, dentro e fora da Assembleia Nacional, é preocupante e cuja acção pode, de um momento para o outro, tornar-se explosiva e, porque não dizê-lo, subversiva". A animosidade dos debates, com ecos na opinião pública, apesar da censura, obrigou Caetano a nomear (outubro de 1970) um vigilante líder da maioria alinhada.

O "centro político", que teria expressões avulsas como a SEDES, era periférico num país bipolar e maniqueísta. Entre a direita instalada e a esquerda marxista, clandestina ou tolerada, o Estado Novo deixara a terra de ninguém. Os liberais foram assim remetidos para a periferia, risível para um discípulo de Caetano, André Gonçalves Pereira, que em 1971 lhe assegurava "Quanto aos liberais, coitaditos, o seu principal defeito é não terem força nenhuma, para além de natural e legitimamente quererem fazer propaganda pessoal". Caetano passou a queixar-se dos "liberais" (ou "cavalos de Troia", labéu da imprensa hostil, que era quase toda) como de trânsfugas ingratos que escaparam ao promotor. Mas Sá Carneiro identificara-se, desde a primeira hora, e também por isso fez do isolamento uma força multiplicável. De tal modo que, em maio de 1971, um Caetano endurecido, de facto refém das Forças Armadas e da sacra missão imperial, advertia Sá Carneiro "Depois veio a República e a Constituição de 1911. As liberdades foram enunciadas em termos mais amplos. E foi o que se viu: desordem política, confusão social, caos financeiro, miséria económica e, finalmente, um país arruinado que, sem luta, procura na autoridade remédio para os seus males. É bem verdade que a História não ensina os homens." O desacerto entre o ímpeto renovador dos "liberais" e o gradualismo de Caetano ficou um irreparável divórcio no Verão de 1971, durante os trabalhos da revisão da Constituição.

O desígnio democrático transmutara-se em vertigem cívica e Sá Carneiro liderou catorze deputados, subscritores do projecto-lei a defender a eleição do Presidente da República por sufrágio universal. (A eleição directa fora extinta em 1959, após a campanha de Humberto Delgado.) Incrédulo, já com o sentido fatal do cerco que o levaria a pedir por duas vezes a demissão, Caetano criticou Mota Amaral "Admira-me mesmo que pessoas que dizem apoiar o Chefe do Governo procurem, no presente momento histórico, tão cheio de incertezas e de ameaças, em que o mundo enfrenta uma vaga de anarquia, desarmar o Poder, ou forçá-lo". Como a maioria recusasse discutir o projecto na especialidade, Sá Carneiro e seis outros "liberais" protestaram ruidosamente e saíram do hemiciclo em plena sessão - foi o abandono simbólico da barca caetanista.

A dimensão social da cruzada no hemiciclo tornara-se irreversível e, em 1972, quando a reeleição de Tomás trouxe o sol-posto da abertura, Sá Carneiro sondou Spínola para se candidatar. O governador da Guiné, já em rodagem para a ruptura, ainda mandou avaliar "Quem eram os liberais, e quantos? Uns gatos pingados, pensei eu" Ao morrer de 1971, os "gatos pingados" deixaram de ser assimiláveis e alimentaram a hipótese de uma "terceira via", entre o autoritarismo e o socialismo. Mas não adquiriram coesão grupal e agiram ao sabor do improviso individualista. Sá Carneiro demitiu-se em 24 de Janeiro, alegando falta de condições para o exercício das funções de deputado. Sintetizou mais de três anos de iniciativas em São Bento "A única vez que a maioria me deu razão foi quando aceitou a minha renúncia". Mas dedicou-se à escrita, como colunista às vezes censurado do Expresso, criado, em Janeiro de 1973, por Balsemão. O "Congresso dos Liberais" (Julho de 1973), onde a "terceira via" se poderia ter vertebrado, foi uma decepção. Contudo, apesar desse débil gregarismo, os reformistas haviam convertido a sua luta num drama nacional. E suscitavam, em maio de 1973, a repreensão pública de Caetano: "Eu por mim sempre me tive na conta de um liberal, mas não pertenço ao número desses inocentes e não se pode esperar que alinhe na conivência. Penso no exemplo de Kerensky na Rússia, que todavia ainda dispunha de tantas lições de história contemporânea. Ou no de Eduardo Berés, na Checoslováquia." Daí que, entre as confluentes legitimidades do 25 de Abril, a cruzada de Sá Carneiro pela democracia de tipo ocidental se destaque como um património sistemático.

 
Francisco Pinto Balsemão, membro da chamada Ala Liberal, foi um dos fundadores do PSD e o segundo militante do partido a chegar a Primeiro-Ministro

O Partido tem, portanto,em parte, a sua génese na Ala Liberal da Assembleia Nacional, composta por uma geração de políticos adeptos de uma forte liberalização do regime do Estado Novo. Coube a personalidades que pontificaram na Ala Liberal do antes do 25 de Abril, como Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão, Mota Amaral, Joaquim Magalhães Mota, Miller Guerra, entre outros, expôs as fragilidades do regime, influenciando algumas decisões e rompendo com os cânones de uma linha mais dura e pouco flexível que aos pouco foi acabando por ceder. Um total de 30 deputados formaram a "ala liberal" da futura Assembleia sendo Sá Carneiro um dos mais activos elementos do grupo: é neste ambiente que tem, em parte, o Partido tem a sua génese. Exemplos concretos das acções dos chamados “liberais” como fundamentais na transição da ditadura para Democracia Liberal, contam-se, entre outras, medidas apresentadas aquando do projecto de revisão constitucional em 1970. Dele já constavam a abolição da censura e a proclamação da liberdade de Imprensa; a eliminação dos entraves administrativos à liberdade de associação; a extinção dos tribunais plenários, onde se fazia a paródia de julgamento dos presos políticos; a proibição das medidas de segurança sem termo certo, que, aplicada aos mesmos presos políticos, acabavam por se assemelhar à prisão perpétua; a limitação da prisão preventiva sem culpa formada a um prazo máximo de setenta e duas horas; a inclusão do direito ao trabalho e do direito à emigração na lista dos direitos fundamentais; o reforço dos poderes da Assembleia Nacional e a modernização dos seus métodos de trabalho; a restauração do sufrágio universal para a eleição do Presidente da República; a proibição do veto presidencial às leis de revisão constitucional.

Entre 1970 e 1971, o número de detenções por motivos políticos voltou a aumentar,os ecos da violência e da ilegalidade dos métodos usados na instrução dos processos foram denunciados por apoiantes dos presos e chegaram à Assembleia Nacional pela voz de Sá Carneiro e de outros deputados "liberais". O recuo no terreno das liberdades expressava uma clara travagem a nível político-institucional naquilo que a chamada Primavera Marcelista continha de promessa de renovação contínua do regime.

Contra isto se insurgiram os deputados da Ala Liberal, que apresentaram várias iniciativas legislativas ao longo do ano de 1972.

Após sucessivas desilusões, os deputados da Ala Liberal foram abandonando a Assembleia. Sá Carneiro foi o primeiro, em 1973, com a famosa expressão "É o fim!", seguindo-se-lhe vários outros. Passaram à oposição, nomeadamente através de artigos publicados no jornal Expresso, fundado por Pinto Balsemão em Janeiro de 1973. Os esforços dos "liberais" terão tido o efeito de desacreditar a experiência marcelista junto de largos sectores das classes médias portuguesas.

Foi, no entanto, na cidade do Porto, sua cidade natal, que o Partido Social Democrata teve a sua génese, em parte, no diálogo entre amigos e colegas dos meios republicanos do Porto, como Miguel Veiga, Artur Santos Silva (pai) ou Mário Montalvão Machado. Sá Carneiro professava o republicanismo e a laicidade como as formas de organização estrutural do Estado Português, como refere na célebre entrevista de 1973 concedida a Jaime Gama no Jornal República: "Os conceitos de catolicismo progressista e de democracia cristã são bastante equívocos para mim – e não aceito enquadrar-me em qualquer deles. Entendo que os partidos políticos – que considero absolutamente indispensáveis a uma vida política sã e normal – não carecem de ser confessionais, nem devem sê-lo. Daí que não me mostre nada favorável, nem inclinado, a filiar-me numa democracia cristã. É evidente que a palavra pode não implicar nenhum conceito confessional e nesse sentido apresentar-se apenas como um partido que adopte os valores cristãos. Simplesmente, em política, parece-me que os valores não têm que ter nenhum sentido confessional e, portanto, se amanhã me pudesse enquadrar em qualquer partido, estou convencido de que, dentro dos quadros da Europa Ocidental, comummente aceites, iria mais para um, partido socialdemocrata." Foi no escritório dos maçons e resistentes antifascistas Mário Cal Brandão e António Macedo, conhecido como "A Toca", que o Partido Popular Democrático tem, em parte, a sua génese: nestes meios republicanos do Porto de resistência ao Estado Novo, maçons como Artur Santos Silva (pai) e republicanos como Mário Montalvão Machado, defendiam a ideia de criar um partido social-democrata de tipo europeu, para além do PPD/PSD ter sido gerado nos escritórios de Francisco Sá Carneiro e de Mário Montalvão Machado da Rua da Picaria, no dialogo político entre os dois colegas e amigos.[15] A cidade do Porto foi sempre um baluarte dos social-democratas portugueses, embora a sua identidade política também emergiu, secundariamente, em Lisboa, das ideias liberais do Prof. Adelino da Palma Carlos, que teve, no seu Governo: o I Governo Provisório, entre os seus ministros, Francisco Sá Carneiro, e sempre teve, entre os seus militantes e dirigentes, outros «republicanos históricos» e social-democratas que não eram capazes de dar caução ao marxismo teórico em que, na altura, se enredava o PS, como Mário Montalvão Machado, Artur Santos Silva (pai), José Augusto Seabra, Artur Andrade, Artur da Cunha Leal, Olívio França ou Nuno Rodrigues dos Santos, que lhe imprimiram, de algum modo, o seu carácter reformista, humanista e social-democrata. E mesmo, de modo temporário, outros «republicanos históricos» mais a Esquerda, como Emídio Guerreiro.

A social-democracia que servia de ponto de encontro a todos estes heterogéneos percursos pouco tinha a ver com o marxismo e os movimentos operários do século XIX. Resulta, sobretudo, do prestígio, repete-se, que então alcança o modelo do SPD que, depois de ter abandonado o programático marxismo em 1959, alcança um enorme prestígio na Europa, principalmente com o estilo de Helmut Schmidt.

 
Helmut Schmidt, Chanceler da Alemanha Ocidental entre 1974 a 1982. O PSD de Sá Carneiro, que se assumiu como social democrata em 1974, invocou a prática do SPD de Helmut Schmidt.

Neste sentido, O PSD assume as especificidades que o caracterizam como um partido personalista, para o qual o início e o fim da política reside na pessoa humana; um partido de forte pendor nacional; um partido com valores e princípios claros, permeável à criatividade e à imaginação, aberto à inovação e à mudança; um partido que, sendo social-democrata, a favor de um Estado-Providência forte e seguro para organizar a actividade económica, valoriza também o liberalismo político e a livre iniciativa caracterizadora de uma economia aberta de mercado, própria das sociedades contemporâneas que são globalizadas; um partido que é dialogante, aberto à pluralidade de opiniões e à sociedade civil, defensor da moderação e da convivência pacífica entre homens de credos e raças diferentes, herdeiro da tradição universalista portuguesa que é estruturalmente avessa a qualquer forma de xenofobia; um partido empenhado na construção europeia, defensor da identidade nacional e dos valores pátrios que deram corpo à Nação Portuguesa, herdeiro de um sentido atlântico e de uma aliança profunda com os povos de expressão lusa; um partido que, apostando na eficácia, valoriza o humanismo, bem como os grandes princípios da justiça, da liberdade e da solidariedade;um partido não confessional,ou seja, laico; um partido inter-classista, vocacionado para representar as diversas categorias da população portuguesa, e apostado na defesa da cooperação entre as classes sociais como a via mais adequada para a obtenção do bem comum e do progresso colectivo; um partido que aposta no reconhecimento do mérito e na capacidade de afirmação pessoal e social, cada vez mais necessárias numa sociedade onde cresce o espaço para a realização das capacidades individuais, e onde importa distinguir os talentos pessoais.

O PSD afirma-se como um Partido de bases activas e militantes. Os dirigentes locais do PSD afirmam-se na primeira linha do combate político, na defesa dos valores da social-democracia e dos princípios e na defesa dos anseios das populações dos respectivos Concelhos, Distritos e Regiões Autónomas, bem como foi um Partido que se empenhou na Autonomia Administrativa dos Açores e da Madeira. O Partido Social Democrata, desde a sua fundação, sempre se assumiu como o Partido da Autonomia. Assim, as estruturas do PSD nos Açores e na Madeira dispõe de autonomia, num modelo de solidariedade recíproca bem sucedida, que tem potenciado a sua implantação e a sua adequação à realidade insular.

Após o 25 de AbrilEditar

 
Mota Pinto, que encabeçava o chamado "grupo de Coimbra" do PSD, foi o terceiro Primeiro-Ministro do partido e faleceu dias antes do congresso da Figueira da Foz, em Maio de 1985.

Francisco Sá Carneiro durante vários anos combateu a ordem estabelecida após a Revolução dos Cravos, visto que queria o Governo e o Parlamento, e não o Conselho da Revolução e a Assembleia do Movimento das Forças Armadas, como órgãos de soberania.

Aliança Democrática (1979–83)Editar

Sá Carneiro venceu as eleições legislativas de 1979 em coligação com o CDS de Diogo Freitas do Amaral e o PPM de Gonçalo Ribeiro Telles (a coligação chamava-se Aliança Democrática). O PSD haveria de participar em todos governos de Portugal nos 16 anos seguintes, mas o primeiro governo de centro-direita foi de curta duração: Sá Carneiro morreu na noite de 4 de Dezembro de 1980, em circunstâncias trágicas e nunca, até hoje, completamente esclarecidas, quando o avião no qual seguia se despenhou em Camarate, pouco depois da descolagem do aeroporto de Lisboa, quando se dirigia ao Porto para participar num comício de apoio ao candidato presidencial da coligação, o General António Soares Carneiro. Juntamente com ele faleceu o Ministro da Defesa, o democrata-cristão Adelino Amaro da Costa, bem como a sua companheira Snu Abecassis, para além de assessores, piloto e co-piloto. Nesse mesmo dia, Sá Carneiro gravara uma mensagem de tempo de antena onde exortava ao voto no candidato apoiado pela AD, ameaçando mesmo demitir-se caso Soares Carneiro perdesse as eleições (o que viria de facto a suceder três dias mais tarde, sendo assim o General António Ramalho Eanes reeleito para o seu segundo mandato presidencial). Dada a sua trágica morte, pode-se muito bem especular sobre se teria ou não demitido em função dos acontecimentos subsequentes… Ainda hoje há duas teses relativas à sua morte: a de acidente (eventualmente motivado por negligência na manutenção de um avião que não era novo), ou a de atentado (nesse último caso, desconhecendo-se quem o perpetrara e contra quem teria sido ao certo - Sá Carneiro ou Amaro da Costa).

O PSD e o governo passam a ser liderados por Francisco Pinto Balsemão (1981-1983), que assumiu o governo umas semanas após a morte de Sá Carneiro. Balsemão demitiu-se em Dezembro de 1982 na sequência de um mau resultado nas eleições autárquicas de 1982, num contexto de grave crise económica.

Bloco Central (1983–85)Editar

O PS vence as eleições legislativas antecipadas de 1983, mas não consegue conquistar uma maioria. Na altura, Portugal estava a viver uma grave crise económica; o PS (liderado por Mário Soares) e o PSD (liderado por Nuno Rodrigues dos Santos) acabam por decidir formar uma aliança de governo — o chamado Bloco Central — para assegurar a estabilidade política e aplicar as medidas necessárias para enfrentar a crise. Do lado do PSD, Carlos Alberto Mota Pinto é designado para ser Vice-Primeiro-Ministro. Ainda em 1983, o governo do Bloco Central pede um resgate ao FMI, o qual é concedido e acaba por durar até 1985, fazendo com que este governo de coligação fique marcado pela aplicação de duras medidas de austeridade. Nuno Rodrigues dos Santos morreu em Abril de 1984 e Carlos Alberto da Mota Pinto sucede-lhe como Presidente do PSD.

Em Fevereiro de 1985, Mota Pinto demitiu-se da liderança do PSD e do cargo de Vice-Primeiro-Ministro, devido à crescente oposição interna.[16] Estava agendado um congresso do PSD para 18 e 19 de Maio, onde possivelmente Mota Pinto poderia concorrer (e eventualmente ser relegitimado). Contudo, em 6 de Maio de 1985 Carlos Mota Pinto morre.[16]

Cavaquismo (1985–95)Editar

 
Aníbal Cavaco Silva foi Primeiro-Ministro de Portugal entre 1985 e 1995 e Presidente da República entre 2006 e 2016. Cavaco Silva conquistou as duas únicas maiorias absolutas do PSD em solitário e foi o primeiro militante do partido a chegar a Presidente da República. Os 10 anos de "Cavaquismo" foram geralmente marcados por crescimento económico e pela modernização do país, que permitiram uma convergência sem precedentes com a média dos países da Europa Ocidental.

Em 18-19 de Maio de 1985, num histórico congresso realizado na Figueira da Foz, Aníbal Cavaco Silva, que havia sido Ministro das Finanças do Governo de Sá Carneiro, vence a corrida à liderança do partido, quando inicialmente nem sequer era candidato. Cavaco Silva rompe com o Bloco Central e são convocadas eleições legislativas antecipadas.

O PSD venceria as eleições legislativas de 1985, sem maioria absoluta. Os projectos do Governo necessitavam de equilíbrio com a terceira força parlamentar, o recém-criado Partido Renovador Democrático, inspirado pela figura política de Ramalho Eanes. Até 1987, o equilíbrio manteve-se, mas uma moção de censura, nesse último ano, fez cair o governo minoritário do PSD.

Convocadas eleições legislativas antecipadas para Julho de 1987, o PSD torna-se então o primeiro partido político português a atingir a maioria absoluta parlamentar após o 25 de Abril. Cavaco Silva viria a obter nova maioria absoluta nas eleições legislativas de 1991 para mais quatro anos.

À data de 1995, os 10 anos de governo de Cavaco Silva tinham sido marcados, na sua maioria, por um significativo crescimento económico e modernização de Portugal, o que resultou numa aproximação sem precedentes do PIB per capita e dos padrões de vida de Portugal com a média dos países da Europa Ocidental. Contudo, a partir de 1992, devido aos efeitos da crise cambial do Sistema Monetário Europeu, Portugal entrou em crise económica: o crescimento abrandou em 1992 e Portugal entrou em recessão em 1993, o que levou o governo de Cavaco Silva a tomar impopulares medidas de austeridade fiscal. O terceiro governo de Cavaco Silva também foi marcado por medidas controversas como um grande aumento das propinas no Ensino Superior (o que levou a largos protestos dos estudantes), o aumento de 50% nas portagens na Ponte 25 de Abril (que levou a uma das maiores manifestações desde a revolução do 25 de Abril: o bloqueio da Ponte em 24 de Junho de 1994) e a persistência em continuar com a construção da Barragem de Foz Côa. O crescimento económico regressou a partir de 1995, mas a relação dos portugueses com Cavaco Silva já não era a mesma que lhe tinha dado a segunda maioria absoluta quatro anos antes.

Oposição (1995–02)Editar

Fim do Cavaquismo (1995–96)Editar

Em Fevereiro de 1995, Cavaco Silva (ainda Primeiro-Ministro), anunciou que não se ia candidatar a um quarto mandato como Primeiro Ministro e que ia deixar a liderança do PSD. Contudo, Cavaco Silva esperava que o PSD continuasse a governar Portugal depois de 1995: o seu Ministro da Defesa, Fernando Nogueira foi eleito Presidente do PSD para contestar as eleições legislativas de outubro de 1995 e Cavaco Silva pretendia candidatar-se a Presidente da República nas eleições presidenciais de 1996. O PSD obteve um fraco resultado nas legislativas de Outubro de 1995, o que leva à demissão de Fernando Nogueira; António Guterres torna-se Primeiro-Ministro de um governo minoritário do PS, fazendo com que, pela primeira vez desde 1980, o PSD não participasse num governo de Portugal. Em Janeiro de 1996, Cavaco Silva perde as eleições presidenciais para o socialista Jorge Sampaio, pelo que o PS passa a deter quer o governo quer a Presidência de Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa (1996–99)Editar

 
Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente do PSD entre 1996 e 1999 e Presidente da República desde 2016.

Em 1996, Marcelo Rebelo de Sousa assume a liderança do PSD, substituindo Fernando Nogueira. A liderança de Marcelo Rebelo de Sousa foi marcada por uma aproximação ao governo de António Guterres, tendo o PSD viabilizado três Orçamentos de Estado do governo. Marcelo Rebelo de Sousa também reatou as relações institucionais entre o PSD e o PCP,[17] que estavam cortadas há cerca de 20 anos.

Marcelo Rebelo de Sousa foi um dos promotores da adesão do PSD ao Partido Popular Europeu (até 1996 o PSD era membro do Partido da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa).

A liderança de Marcelo Rebelo de Sousa é ainda marcada pela realização de dois referendos nacionais, no ano de 1998, cuja iniciativa partiu do líder do PSD, que viu também as suas posições saírem vencedoras.[18] O primeiro foi o referendo nacional sobre a questão do aborto, em 28 de Junho: vitória do não (50,91%) — ainda que com quase seis milhões de eleitores (68,06%) a optarem pela abstenção. O segundo foi o referendo sobre a regionalização administrativa, a 8 de Novembro: 63,59% dos votantes são contrários à proposta de reforma administrativa; abstenção de 51,3%.

A ruptura com o líder do CDS-PP, Paulo Portas, com quem Marcelo preparava uma aliança política, resultou no fim do seu consulado no PSD.[18] Como tal, foi já sob a presidência de José Durão Barroso que o PSD se apresentou nas eleições legislativas de 1999.[19]

A ascensão dos liberais: Durão Barroso (1999–04)Editar

 
Durão Barroso foi Primeiro-Ministro entre 2002 e 2004. O seu governo foi marcado por políticas de austeridade e consolidação orçamental delineadas pela Ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite. Barroso foi subsequentemente Presidente da Comissão Europeia entre 2004 e 2014.

Em Maio de 1999, Durão Barroso, um liberal que fora ministro de Cavaco Silva e que regressara a Portugal após a conclusão do seu doutoramento nos EUA, é eleito como sucessor de Marcelo Rebelo de Sousa. O PSD perde as eleições legislativas de outubro de 1999 (pelo que Guterres é reeleito para um segundo mandato como Primeiro-Ministro). Como consequência, a liderança de Barroso é contestada; Barroso consegue ser reeleito por uma escassa margem contra Pedro Santana Lopes no Congresso de Viseu em Fevereiro de 2000. Nas eleições presidenciais de Janeiro de 2001, Joaquim Ferreira do Amaral, o candidato do PSD e antigo ministro de Cavaco Silva, perde contra o incumbente Jorge Sampaio. Contudo, uma série de acontecimentos ao longo de 2001 fazem com que o governo de António Guterres sofra danos na sua popularidade e credibilidade: em Março ocorre a tragédia de Entre-os-Rios, ao longo do ano o crescimento económico abranda significativamente e intrigas no interior do PS danificam a autoridade de Guterres. Em Dezembro de 2001, o PS de António Guterres sofre um resultado desastroso nas eleições autárquicas; por outro lado, o PSD tem o melhor resultado em eleições autárquicas, conquistando 159 câmaras municipais (incluindo as dos maiores municípios, tais como Lisboa, Porto, Coimbra, Sintra e Vila Nova de Gaia).

Governo de coligação PSD–CDS: Durão Barroso e Santana Lopes (2002–05)Editar

Na sequência do mau resultado do PS nas eleições autárquicas de dezembro de 2001, António Guterres demite-se do cargo de Primeiro-Ministro e de líder do PS. O Presidente Jorge Sampaio convoca eleições antecipadas para Março de 2002, que o PSD vence, embora sem maioria absoluta, tendo de recorrer a uma coligação com o CDS-PP de Paulo Portas.

Na altura, Portugal estava a entrar num período de crise económica que acabaria por levar a uma estagnação de mais de uma década. Portugal tinha entrado no Euro e tinha ultrapassado o limite do défice orçamental. O governo de coligação de Durão Barroso foi marcado pela introdução de fortes medidas de austeridade e consolidação orçamental, delineadas pela Ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite.

Em Junho e Julho de 2004 a crise na escolha de candidatos para a presidência da Comissão Europeia faz com que surja um convite a Durão Barroso para aceitar concorrer ao cargo. Durão pondera e decide apresentar a sua demissão de primeiro-ministro ao presidente da República, Jorge Sampaio, que convida o seu entretanto eleito sucessor na liderança partidária, Pedro Santana Lopes, para o cargo de líder do governo, o que provoca a demissão do líder do Partido Socialista, Eduardo Ferro Rodrigues.

Oposição (2005–11)Editar

O governo de Santana cai após apenas quatro meses, por iniciativa de Jorge Sampaio, que decide convocar eleições antecipadas para Fevereiro de 2005. Estas eleições legislativas de 2005 seriam ganhas pelo Partido Socialista, então recém-liderado por José Sócrates. Santana Lopes não conseguiu controlar o défice orçamental, pelo que o governo de Sócrates, ao qual o PSD fazia oposição, foi inicialmente também marcado por austeridade num contexto de crise e estagnação económica.

O líder seguinte foi Luís Marques Mendes, eleito no congresso de Pombal, após Pedro Santana Lopes ter convocado um congresso extraordinário na sequência da derrota nas eleições legislativas. Porém, Marques Mendes sofreu uma intensa oposição interna e acabou por ser vencido por Luís Filipe Menezes em 28 de Setembro de 2007, em eleições directas. Este, foi líder da Comissão Política Nacional do PSD entre 28 de Setembro de 2007 e 18 de abril de 2008, tendo apresentado a sua demissão devido a pressões constantes sobre a sua liderança, originadas pela oposição interna. Sucedeu-lhe, então, Manuela Ferreira Leite, eleita em 31 de maio de 2008, com 37,6 % dos votos. Em segundo lugar das directas do partido ficou Pedro Passos Coelho, com 31,7 % dos votos, seguindo-se Pedro Santana Lopes, com 29,8 % e Patinha Antão, com 0,7 % dos votos.

Governo de coligação PSD–CDS: Passos Coelho (2011–15)Editar

 
Pedro Passos Coelho, líder do PSD entre 2010 e 2018 e Primeiro-Ministro de Portugal entre 2011 e 2015. O seu governo foi marcado por políticas de austeridade no contexto do resgate da Troika a Portugal.

A liderança de Manuela Ferreira Leite não resistiria, porém, à derrota nas eleições legislativas de 2009, embora o partido tivesse obtido uma surpreendente vitória nas eleições europeias realizadas escassos meses antes. Sucedeu-lhe Pedro Passos Coelho, que venceu as eleições directas de 27 de Março de 2010 com 61,06% dos votos, derrotando Paulo Rangel, Aguiar-Branco e Castanheira Barros[20], e acabaria por se tornar Primeiro-Ministro ao vencer as eleições legislativas de 2011. Sem maioria absoluta, o PSD viu-se obrigado a reeditar a coligação com o CDS/PP para formar governo. Passos Coelho assumiu desde logo um programa de tendência liberal, virando ideologicamente o partido à direita e afastando-se da matriz centrista e social-democrata tradicional do PSD[21]. Governando sob o programa de assistência financeira da Troika, o governo de Passos Coelho apostou por uma política de privatizações em massa, flexibilização do mercado de trabalho e cortes de salários e pensões, o que acabou por provocar largos protestos no país (notavelmente as manifestações de 15 de Setembro de 2012) e uma demarcação clara de dois grupos dentro do PSD — um de tendência mais liberal (encabeçado pelo próprio Passos Coelho) e outro mais ligado à "matriz social-democrata", ligado a figuras como Rui Rio, Manuela Ferreira Leite[22] (que se aproximou a ala social-democrata, em detrimento da liberal) ou José Pacheco Pereira[23].

Oposição (2015– )Editar

Passos Coelho (2015–18)Editar

O PSD acabaria por passar à oposição após as eleições legislativas de 2015, ao falhar a maioria absoluta em conjunto com o CDS/PP. Na sequência destas eleições, o PS de António Costa forma um governo com o suporte parlamentar do Bloco de Esquerda, PCP e PEV. Passos Coelho era crítico das políticas do governo de Costa de redução e reversão da austeridade, temendo que levassem a uma nova crise financeira, possivelmente com necessidade de um novo resgate da Troika.[24][25] Em 19 de Julho de 2016, Passos Coelho anunciou abertamente uma data para o início desse possível colapso da economia: numa reunião com deputados do PSD disse "Aproveitem bem as férias, que em Setembro vem aí o diabo".[26] As previsões de Passos Coelho acabaram por não se concretizar: em 2016 o governo obteve um défice orçamental de 2,1% (o mais baixo da Terceira República)[27][28] e em 2017 a economia de Portugal cresceu 2,7% (o maior crescimento desde 2000),[29] o que afetou a credibilidade da estratégia de Pedro Passos Coelho para regressar ao governo.[30][31] Nas eleições autárquicas de 2017, o PSD obteve o pior resultado da sua história, ficando mesmo em terceiro lugar nos municípios de Lisboa e Porto, o que levou a que Passos Coelho anunciasse que não se iria recandidatar nas eleições internas previstas para Janeiro de 2018.

Reascensão da ala social-democrata: Rui Rio (2018– )Editar

Nas eleições directas de Janeiro de 2018, a disputa deu-se entre candidatos das duas tendências — Pedro Santana Lopes representou a tendência liberal (do antecessor Passos Coelho), enquanto Rui Rio encabeçou a ala social-democrata[32]. Este último acabou por ser eleito líder do partido com 54,37% dos votos.[33]

Símbolos do partidoEditar

 
Logotipo do PSD

A cor laranja foi avançada por Conceição Monteiro como sendo uma cor quente, mas não vermelho, ideologicamente conotado com o PCP e o PS. Laranja apareceu nesse ano como a cor da moda internacional e a Carris tinha acabado de encomendar uma frota de autocarros cor-de-laranja. O símbolo nasce em Julho, a autoria pertence sobretudo a Augusto Cid, embora haja múltiplos e alegados pais da ideia. A sua mais completa teorização deve-se a Pedro Roseta. Laranja apareceu desta forma, como sendo uma cor diferente em relação aos partidos que estavam mais à Esquerda do PSD e que alberga as três setas, que representam os valores centrais da Social-Democracia, derivado de um dos símbolos do Partido Social Democrata alemão. Um dos símbolos mais reproduzidos pelos antifascistas são as três setas. De origem alemã, portanto, as três setas representam originalmente as três lutas do Partido Social Democrata Alemão (Sozialdemokratische Partei Deutschland), que se recusava a apoiar a monarquia, o nazismo ou o comunismo. O símbolo, criado em 1932, que traz a inscrição Gegen Papen, Hilter, Thälmann: Contra Papen (chanceler anteriormente filiado no Democrata-cristão católico Partido do Centro, que governou a então República de Weimar em 1932 e lutou contra os nazistas, mas se aliou a eles assim que Hitler tomou o poder), Hitler (o célebre líder nacional-socialista) e Thälmann (líder do partido comunista alemão à época). Nascidas espontaneamente na luta dos militantes sociais-democratas contra o nazismo, as setas da social-democracia exprimiam muito bem a aliança entre as organiza­ções dos trabalhadores reunidas na Frente de Bronze, a grande organiza­ção de luta antinazi criada pelo Partido Social-Democrata Alemão: o próprio Partido (S.P.D.); os sindicatos; e a organização "Bandeira do Reich” com as organizações desportivas de trabalhadores. As setas simbolizavam, portanto, os três factores do movimento: o poder político e in­telectual; a força económica e social; a força física. O seu paralelismo exprimia o pensamento da frente unida: tudo devia ser mobilizado contra o inimigo comum - o nazismo. O símbolo das sociais-democracias espalhou-se depois largamente: era dinâmico e ofensivo, significava o avanço do Povo para um futuro novo e diferente. Traduzia bem, de acordo com o pensamento de Eduard Bernstein, a importância fundamental do movimento, das conquistas sucessivas e pro­gressivas realizadas por via democrática.Lembrava aos sociais-democratas as qualidades fundamentais que lhes eram exigidas: a actividade, a disciplina e a união.Ao símbolo do PSD, as três setas, foram sucessivamente atribuídos outros significados que correspondem, na realidade, às linhas fundamentais do programa do PSD. As setas representam os valores fundamentais da Social-Democracia: a liberdade, a igualdade e a solidariedade; mostram que a democracia só existirá verdadeiramente se for simultaneamente política, económica e social. Finalmente, as cores simbolizam movimentos e correntes de pensamento que contribuíram para a síntese ideológica e de acção da Social-Democracia: a negra, recorda os movimentos libertários do século passado, a vermelha, lembrando as lutas das classes trabalhadoras e dos seus movimentos de massa, e a branca, apontando os valores do homem da Europa consubstanciada no Personalismo. Em resumo, o símbolo do PSD expressa bem a vontade irreversível de ascensão, de caminhada para um futuro diferente, para a construção de uma sociedade nova, na Justiça e na Liberdade.[34]

Ideologia do partidoEditar

O Partido Social Democrata é um partido não confessional,[35] ou seja, tem carácter laico. O laicismo é uma doutrina política e social que defende e promove a separação do Estado das igrejas e das comunidades religiosas, assim como a neutralidade do Estado em matéria religiosa. Assim o PSD opõe-se simultaneamente ao ateísmo de Estado e à teocracia ou teodemocracia. Reconhece porém a matriz essencialmente humanista cristã dos cidadãos portugueses, frequentemente mediada pela Igreja Católica Romana.[35]

Para além da laicidade, o PSD preconiza o regime republicano como forma de governo: forma de governo na qual um representante, normalmente chamado presidente, é escolhido pelos cidadãos para ser o chefe de país. A forma de eleição é normalmente realizada por voto livre e secreto, em intervalos regulares, variando conforme o país. Entre a facção social-democrata do PSD (tal como na população portuguesa em termos estatísticos), o catolicismo romano é maioritário, apesar da social-democracia, no Centro da Europa continental e da Europa Nórdica estar ligada, principalmente, aos cristãos protestantes,[36] principalmente sobre a forma de socialismo cristão ou semelhante.[37] O S.P.D. alemão, por exemplo, é eleitoralmente forte junto à população alemã de confissão luterana (e protestante em geral) e nas regiões norte e leste da Alemanha.[38]

O PSD começou por ser um partido que se situava entra a Esquerda social-democrata e o Centro-Esquerda social-democrata não-marxista, nunca tendo ultrapassado uma posição de Liberalismo Social avançado de Centro-Direita reformista que lhe deu Aníbal Cavaco Silva[39][40] e também Sá Carneiro, durante o tempo da Aliança Democrática, num tempo de reactivar a Economia portuguesa, que estava coletivizada. Difundir e defender o pensamento social-democrata no mundo do trabalho, defender a democracia política, económica, social e cultural inspirada nos valores do Estado de Direito, lutar pela garantia dos Direitos Humanos civis e políticos dos cidadãos, defender a democracia, a liberdade e a independência sindicais são alguns dos objectivos do partido.

 
Anthony Giddens, um importante teórico da moderna Terceira-Via

NacionalidadeEditar

O PSD tem sido um dos principais partidos a propor alterações na Lei de Nacionalidade no sentido de abranger um maior número de luso-descendentes. A recente alteração na referida lei, de 2006, originou-se de proposta do deputado Neves Moreira, passando a permitir um processo mais facilitado para os netos de portugueses adquirirem a nacionalidade derivada (naturalização), caso seus pais tenham falecido sem a nacionalidade portuguesa.

O partido luta pela ampliação dos direitos dos luso-descendentes, tendo proposto, em Dezembro de 2009, nova alteração com vistas a garantir a nacionalidade originária (dupla cidadania) a netos de portugueses nascidos no estrangeiro cujos pais faleceram sem obter a nacionalidade portuguesa.

Ainda neste âmbito, o PSD foi contra a alteração que restringe o direito a voto dos emigrantes portugueses ao escrutínio presencial, temendo o alijamento de direito inalienável a todo cidadão português. Segundo alega o partido, muitos emigrantes portugueses localizam-se em regiões distantes da rede consular, que recentemente sofreu redução, dificultando assim o exercício do voto.

Filiação InternacionalEditar

Resultados EleitoraisEditar

 
Pedro Passos Coelho, último Primeiro-Ministro eleito pelo PSD (2011-2015)

Eleições legislativasEditar

Data Líder CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1975 Francisco Sá Carneiro 2.º 1 507 282
26,39 / 100,00
81 / 250
1976 Francisco Sá Carneiro 2.º 1 335 381
24,35 / 100,00
 2,04
73 / 263
 8 Oposição
1979 Francisco Sá Carneiro Aliança Democrática
80 / 250
 7 Governo
1980 Francisco Sá Carneiro
82 / 250
 2 Governo
1983 Carlos Alberto da Mota Pinto 2.º 1 554 804
27,24 / 100,00
75 / 250
 7 Governo
1985 Aníbal Cavaco Silva 1.º 1 732 288
29,87 / 100,00
 2,73
88 / 250
 13 Governo
1987 Aníbal Cavaco Silva 1.º 2 850 784
50,22 / 100,00
 20,35
148 / 250
 60 Governo
1991 Aníbal Cavaco Silva 1.º 2 902 351
50,60 / 100,00
 0,38
135 / 230
 13 Governo
1995 Fernando Nogueira 2.º 2 014 589
34,12 / 100,00
 16,48
88 / 230
 47 Oposição
1999 José Manuel Durão Barroso 2.º 1 750 158
32,32 / 100,00
 1,80
81 / 230
 7 Oposição
2002 José Manuel Durão Barroso 1.º 2 200 765
40,21 / 100,00
 7,89
105 / 230
 24 Governo
2005 Pedro Santana Lopes 2.º 1 653 425
28,77 / 100,00
 11,44
71 / 230
 34 Oposição
2009 Manuela Ferreira Leite 2.º 1 654 777
29,11 / 100,00
 0,34
81 / 230
 10 Oposição
2011 Pedro Passos Coelho 1.º 2 159 742
38,65 / 100,00
 8,54
108 / 230
 27 Governo
2015 Pedro Passos Coelho Portugal à Frente
89 / 230
 19 Governo
(outubro-novembro de 2015)
Oposição
(novembro de 2015-)

Eleições europeiasEditar

Data Cabeça de Lista CI. Votos % +/- Deputados +/-
1987 Pedro Santana Lopes 1.º 2 111 828
37,45 / 100,00
10 / 24
1989 António Capucho 1.º 1 358 958
32,75 / 100,00
 4,70
9 / 24
 1
1994 Eurico de Melo 2.º 1 046 918
34,39 / 100,00
 1,64
9 / 25
 
1999 Pacheco Pereira 2.º 1 078 528
31,11 / 100,00
 3,28
9 / 25
 
2004 João de Deus Pinheiro Força Portugal
7 / 24
 2
2009 Paulo Rangel 1.º 1 131 744
31,71 / 100,00
8 / 22
 1
2014 Paulo Rangel Aliança Portugal
6 / 21
 2

Eleições presidenciaisEditar

Data Candidato
apoiado
1ª Volta 2ª Volta Notas
CI. Votos % CI. Votos %
1976 António Ramalho Eanes 1.º 2 967 137
61,59 / 100,00
1980 António Soares Carneiro 2.º 2 325 481
40,23 / 100,00
1986 Diogo Freitas do Amaral 1.º 2 629 597
46,31 / 100,00
2.º 2 872 064
48,82 / 100,00
1991 Mário Soares 1.º 3 459 521
70,35 / 100,00
Apoio tácito
1996 Aníbal Cavaco Silva 2.º 2 595 131
46,09 / 100,00
2001 Joaquim Ferreira do Amaral 2.º 1 498 948
34,68 / 100,00
2006 Aníbal Cavaco Silva 1.º 2 773 431
50,54 / 100,00
2011 Aníbal Cavaco Silva 1.º 2 231 956
52,95 / 100,00
2016 Marcelo Rebelo de Sousa 1.º 2 410 286
52,00 / 100,00

Eleições autárquicasEditar

 
Luís Filipe Menezes, Presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia entre 1997 e 2013

(Os resultados excluem coligações que envolvem o partido)

Câmaras MunicipaisEditar

Data CI. Votos % +/- Presidentes CM +/- Vereadores +/-
1976 2.º 1 012 351
24,27 / 100,00
115 / 304
624 / 1 908
1979 4.º 733 384
14,70 / 100,00
 9,57
101 / 305
 14
475 / 1 900
 149
1982 4.º 750 296
14,62 / 100,00
 0,08
88 / 305
 13
439 / 1 913
 36
1985 1.º 1 649 338
33,99 / 100,00
 19,37
149 / 305
 61
819 / 1 975
 380
1989 2.º 1 552 846
31,39 / 100,00
 2,60
113 / 305
 36
780 / 1 997
 39
1993 2.º 1 822 925
33,71 / 100,00
 2,32
116 / 305
 3
805 / 2 006
 25
1997 2.º 1 761 383
32,85 / 100,00
 0,86
127 / 305
 11
803 / 2 021
 2
2001 2.º 1 488 897
28,34 / 100,00
 4,51
142 / 308
 15
774 / 2 044
 29
2005 2.º 1 523 420
28,27 / 100,00
 0,07
138 / 308
 4
743 / 2 046
 31
2009 2.º 1 270 137
22,95 / 100,00
 5,32
117 / 308
 21
666 / 2 078
 77
2013 2.º 834 455
16,70 / 100,00
 6,25
86 / 308
 31
531 / 2 086
 135
2017 2.º 831 551
16,07 / 100,00
 0,63
79 / 308
 7
493 / 2 074
 38

Eleições regionaisEditar

 
Mota Amaral presidiu ao Governo Regional dos Açores entre 1976 e 19965

Região Autónoma dos AçoresEditar

Data Líder CI. Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1976 João Bosco Mota Amaral 1.º 59 114
53,8 / 100,0
27 / 43
Governo
1980 João Bosco Mota Amaral 1.º 68 960
57,4 / 100,0
 3,6
30 / 43
 3 Governo
1984 João Bosco Mota Amaral 1.º 60 162
56,4 / 100,0
 1,0
28 / 44
 2 Governo
1988 João Bosco Mota Amaral 1.º 51 503
48,6 / 100,0
 7,8
26 / 51
 5 Governo
1992 João Bosco Mota Amaral 1.º 61 110
53,6 / 100,0
 5,0
28 / 51
 2 Governo
1996 Madruga da Costa 2.º 46 449
41,0 / 100,0
 12,6
24 / 52
 4 Oposição
2000 Madruga da Costa 2.º 32 642
32,5 / 100,0
 8,5
18 / 52
 6 Oposição
2004 Victor do Couto Cruz Coligação Açores
19 / 52
 1 Oposição
2008 Carlos Costa Neves 2.º 27 254
30,3 / 100,0
18 / 57
 1 Oposição
2012 Berta Cabral 2.º 35 572
33,0 / 100,0
 2,7
20 / 57
 2 Oposição
2016 Duarte Freitas 2.º 28 790
30,9 / 100,0
 2,1
19 / 57
 1 Oposição

Região Autónoma da MadeiraEditar

Data Líder CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1976 Jaime Ornelas Camacho 1.º 63 963
59,6 / 100,0
29 / 41
Governo
1980 Alberto João Jardim 1.º 81 051
65,3 / 100,0
 5,7
35 / 44
 6 Governo
1984 Alberto João Jardim 1.º 81 872
67,7 / 100,0
 2,4
40 / 50
 5 Governo
1988 Alberto João Jardim 1.º 78 185
62,4 / 100,0
 5,3
41 / 53
 1 Governo
1992 Alberto João Jardim 1.º 74 369
56,9 / 100,0
 5,5
39 / 57
 2 Governo
1996 Alberto João Jardim 1.º 77 365
56,9 / 100,0
 
41 / 59
 2 Governo
2000 Alberto João Jardim 1.º 72 588
56,0 / 100,0
 0,9
41 / 61
  Governo
2004 Alberto João Jardim 1.º 73 973
53,7 / 100,0
 2,3
44 / 68
 3 Governo
2007 Alberto João Jardim 1.º 90 377
64,2 / 100,0
 10,5
33 / 47
 11 Governo
2011 Alberto João Jardim 1.º 71 556
48,6 / 100,0
 15,6
25 / 47
 9 Governo
2015 Miguel Albuquerque 1.º 56 690
44,3 / 100,0
 4,3
24 / 47
 1 Governo

Lista de PresidentesEditar

Militantes eleitos para altos cargos do EstadoEditar

Presidentes da RepúblicaEditar

Presidentes da Assembleia da RepúblicaEditar

Primeiros-MinistrosEditar

Símbolos do partidoEditar

ObrasEditar

Sá Carneiro, principal ideólogo social-democrata, foi autor de várias obras, das quais se destacam:

  • Uma tentativa de participação política (1973)[44]
  • Por uma social-democracia portuguesa (1975)[45]
  • Poder civil, autoridade democrática e social-democracia (1975)[46]
  • Uma Constituição para os Anos 80: Contributo para um Projecto de Revisão (1979).[47]

A identidade originária do PPD / PSDEditar

Notas

  1. O partido está registado no Tribunal Constitucional com este nome. No entanto, a sigla usada continua a conter PPD.[7]

Referências

  1. Krouwel, André (2012). Party Transformations in European Democracies (em inglês). [S.l.]: State University of New York Press. p. 348. 451 páginas. ISBN 9781438444833 
  2. http://www.parties-and-elections.eu/portugal.html
  3. http://www.psd.pt/ficheiros/dossiers_politicos/dossier1389616993.pdf
  4. Marchi, Riccardo. [S.l.]: Texto https://books.google.pt/books?id=myN2CwAAQBAJ&pg=PT87&lpg=PT87&dq=ppd/psd+ideologia&source=bl&ots=3FY4Cl2Mnq&sig=X3iMewCHbAG0T4RyMK7QEgN79gE&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjIppKg6-fRAhVLcRQKHSMnBeg4ChDoAQg2MAg#v=onepage&q=ppd%2Fpsd%20ideologia&f=false  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
    Liberalismo clássico
  5. http://www.ionline.pt/279723
  6. Relações internacionais dos Partidos Políticos portugueses por Cristina Crisóstomo in Janus 2009.
  7. «Partidos registados e suas denominações, siglas e símbolos». Tribunal Constitucional. Consultado em 15 de março de 2015. 
  8. «Political parties: a guide to the conundrums of Portuguese politics | Portugal Daily View». www.portugaldailyview.com (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  9. Carvalhais, Isabel Estrada; Oliveira, Catarina Reis (1 de julho de 2015). Diversidade Étnica e Cultural na Democracia Portuguesa: Não-nacionais e Cidadãos Nacionais de Origem Migrante na Política Local e na Vida dos Partidos Políticos. [S.l.]: Alto Comissariado para as Migrações (ACM). ISBN 9789896850654 
  10. «European Election Database (EED)». www.nsd.uib.no (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  11. História da Social-Democracia e da JSD
  12. «Princípios e Valores dos TSD» 
  13. CARNEIRO, Francisco Sá, Por uma Social-Democracia Portuguesa, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1975, pp. 42-44.
  14. Ala liberal, o desencanto do reformismo
  15. Mário Montalvão Machado, Francisco Sá Carneiro - 20 Anos depois, Lisboa, Gradiva Publicações, 2001 e Passos da vida: recordações, pessoas, histórias, tribunais, política, Porto, M. M. Machado, 2003, 370 pp.
  16. a b Carvalho, Manuel (15 de janeiro de 2017). «Mota Pinto, o aliado de Soares que militava no PPD». Público. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  17. «"Quando cheguei ao PSD reatei relações com o PCP"». Expresso. 11 de dezembro de 2015. Consultado em 3 de outubro de 2016. 
  18. a b «O conturbado percurso político do professor como líder do PSD». Jornal de Notícias. 3 de novembro de 2009. Consultado em 3 de outubro de 2016. 
  19. Uma breve história dos Governos de coligação (e a excepção da AD), ionline.pt, recuperado em 10 de dezembro 2015
  20. «Pedro Passos Coelho é o novo líder do PSD». Jornal visao 
  21. Group, Global Media. «Perfil - Perfil: Passos Coelho, um ″liberal″ na política desde a adolescência». DN. Consultado em 17 de janeiro de 2018. 
  22. «Ferreira Leite: programa da coligação afasta-se de matriz social-democrata». tvi24. 31 de julho de 2015 
  23. Pereira, José Pacheco. «Opinião. A doença que está a encolher o PSD». PÚBLICO 
  24. Santos Costa, Filipe (13 de setembro de 2016). «Passos: se houver novo resgate será "por consequência de ato deliberado"». Expresso. Consultado em 25 de junho de 2018. 
  25. Gonçalves, Alberto (1 de novembro de 2015). «A "vacina"». Diário de Notícias. Consultado em 25 de junho de 2018. 
  26. Rodrigues, Sofia (21 de julho de 2016). «PSD dramatiza situação económica: "Vem aí o diabo"». Consultado em 26 de maio de 2018. 
  27. Aguiar, Nuno; Peres Jorge, Rui (24 de março de 2017). «Défice de 2016 fica em 2,1% do PIB, o mais baixo desde 1974». Jornal de Negócios. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  28. «Portugal sai do Procedimento por Défice Excessivo». Jornal de Notícias. 16 de junho de 2017. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  29. Varzim, Tiago (14 de fevereiro de 2018). «Economia portuguesa cresce 2,7% em 2017, o maior crescimento desde 2000». Jornal de Notícias. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  30. «Quando chegará o diabo de Passos?». Sol. 2 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  31. Dinis, Rita (16 de novembro de 2016). «Onde anda o Diabo? PSD às voltas para não mudar discurso». Observador. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  32. Group, Global Media. «PSD - O que separa Rio e Santana». DN. Consultado em 17 de janeiro de 2018. 
  33. Group, Global Media (13 de janeiro de 2018). «Nacional - PSD: Rui Rio vence eleições com 54,37% dos votos». DN 
  34. ROSETA, Pedro; Introdução de "Dez Congressos Dez Anos de Vida" preparado pelos Serviços de Informática e Documentação do Partido Social Democrata por ocasião do XI Congresso realizado em Braga de 23 a 25 de março 1984 (publicação do PSD)
  35. a b «Programa do partido Social Democrata» (PDF) , pág. 12
  36. Christian Socialism
  37. The Encyclopedia of Christianity, Volume 4 Por Erwin Fahlbusch, Geoffrey William Bromiley
  38. Germany transformed: political culture and the new politics Por Kendall L. Baker, Russell J. Dalton, Kai Hildebrandt
  39. O PS visto de dentro: a organização vista de dentro os militantes e os eleitos - Modulo 3 A base social e eleitoral do PS - Formadores: Politólogo Professor André Freire (Politólogo, Auxiliar do ISCTE e investigador sénior do CIESISCTE) e Diogo Moreira (Politólogo, doutorando e investigador júnior do ICS/UL)
  40. 3AcountryPT&ei=KBETTtWqBcKV8QOy78nSDg&usg=AFQjCNGFJ8ISlCEtvS2jaApMp8MecbN_PQ&cad=rja FUNDAMENTOS IDEOLÓGICOS DO PSD - Formação Política da JSD por Pedro Rodrigues
  41. Centrist Democrat International - Members
  42. IDU: International Democrat Union - Regional Unions - EDU
  43. EPP Group in the Member States: Portugal
  44. Uma tentativa de participação política
  45. Por uma social-democracia portuguesa
  46. Poder civil, Autoridade democrática e social-democracia
  47. Uma constituição para os anos 80: contributo para um projecto de revisão

Ligações externasEditar