Rogério Ceni

futebolista brasileiro

Rogério Mücke Ceni (Pato Branco, 22 de janeiro de 1973), mais conhecido como Rogério Ceni, é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como goleiro. Atualmente comanda o São Paulo.

Rogério Ceni
Rogério Ceni
Rogério Ceni em 2005, durante um evento
Informações pessoais
Nome completo Rogério Mücke Ceni[1]
Data de nasc. 22 de janeiro de 1973 (49 anos)
Local de nasc. Pato Branco, Paraná, Brasil
Nacionalidade brasileiro
italiano[2]
Altura 1,88 m[3]
destro
Apelido M1T0
Goleiro Artilheiro
Informações profissionais
Clube atual São Paulo
Posição ex-goleiro
Função treinador
Clubes de juventude
1990
1990–1993
Sinop
São Paulo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1990
1990–2015
Sinop
São Paulo
00011 0000(0)
01237 00(131)
Seleção nacional
1996–2006 Brasil 00017 0000(0)
Times/clubes que treinou
2017
2018–2019
2019
2019–2020
2020–2021
2021–
São Paulo
Fortaleza
Cruzeiro
Fortaleza
Flamengo
São Paulo
Última atualização: 13 de outubro de 2021

Revelado em 1990 pelo Sinop, do Mato Grosso, foi contratado no mesmo ano pelo São Paulo, equipe da qual foi titular de 1997 até 2015 e é considerado o maior e melhor jogador da história do clube, por ter conquistado praticamente todos os títulos possíveis, sendo em muitos deles decisivo. Dentre suas principais características está a lealdade ao clube, que serviu por 25 anos ininterruptos, sendo atualmente o jogador que mais vestiu a camisa de um mesmo clube na história do futebol mundial, tendo superado Pelé, que vestiu a camisa do Santos em 1116 jogos, além do norte-irlandês Noel Bailie, que mantém o recorde europeu com 1014 jogos pelo Linfield United, e Ryan Giggs, que disputou 963 partidas pelo Manchester United.[4]

Rogério possui inúmeros outros recordes expressivos, tal como o de maior goleiro artilheiro da história do futebol mundial (com 131 gols na data de sua aposentadoria), o jogador que mais vezes foi capitão de uma mesma equipe (982 jogos), e também o de jogador que mais venceu por um mesmo clube na história (com mais de 601 vitórias, batendo o recorde de Ryan Giggs, que era de 589 vitórias). Ficou conhecido pela torcida são-paulina como Mito[5] (com variações como M1TO ou até mesmo M1T000, em referência aos mais de mil jogos pelo clube), um apelido criado pelo jornalista Vitor Birner[5] em meados do ano 2000, com reconhecimento pelo espírito profissional, raçudo e comprometido com o clube, apelido o qual, depois das grandes atuações e dos vários títulos importantes entre 2005 e 2008, se popularizou. Em 2021, entrou numa lista seleta de pessoas que conquistaram o Campeonato Brasileiro como jogador e como técnico de futebol, sendo o 8° a conseguir tal feito.[6]

Carreira como jogadorEditar

Inicio no SinopEditar

Nascido no interior do Paraná, na cidade de Pato Branco, mas tendo crescido no estado de Mato Grosso, ele foi revelado como goleiro pelo Sinop Futebol Clube, da cidade homônima, onde até hoje moram a maior parte de seus familiares e onde obteve seu primeiro título profissional.[7] Com apenas 17 anos, em 1990, foi lançado pelo então técnico do Sinop, Nilo Neves ao time profissional, na época ele se dividia entre o trabalho no Banco do Brasil e a prática esportiva.[8] Sua primeira partida de futebol profissional foi no dia 15 de abril de 1990, contra o Cáceres. Pelo clube mato-grossense, Rogério Ceni realizou 11 partidas e sofreu seis gols.

São PauloEditar

 
Rogério Ceni comemora após a conquista do tricampeonato brasileiro em 2008

Foi contratado com 17 anos pelo São Paulo, em 7 de setembro de 1990, ficando com o posto de quarto goleiro. Foi vice-campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 1992 na condição de reserva do promissor Alexandre, numa decisão perdida nos pênaltis para o Vasco da Gama de Valdir Bigode. Em julho de 1992, após a fatídica morte do goleiro Alexandre num acidente de carro, Rogério Ceni subiu em definitivo para o time e foi promovido a terceiro goleiro do time profissional, através de Telê Santana, começando a ser inscrito para alguns jogos do campeonato paulista, mais precisamente no dia 20 de agosto no empate de 0 a 0 contra o Guarani em Campinas, quando sentou no banco de reservas de Zetti pela primeira vez na carreira. Foi inscrito para a Supercopa da Libertadores daquele ano.

Em 1993 voltou para os juniores sendo campeão como titular da Copa São Paulo. Sempre se espelhando em Zetti, o jovem batalhou muito e imediatamente subiu como reserva absoluto. Nesse mesmo ano, aos vinte anos de idade fez sua estreia como profissional no dia 25 de junho de 1993, contra o Tenerife no Torneio Santiago de Compostela, pegando um pênalti na vitória do São Paulo por 4 a 1. Fez parte do elenco vitorioso que ganhou vários títulos, comandado por Telê Santana. Nesta fase, integrou a equipe de baixo, conhecida como "Expressinho", que conquistou o título da Copa CONMEBOL, em 1994, com o então jovem treinador Muricy Ramalho (que se tornou seu amigo pessoal) no comando da equipe.[9] Depois de seis anos de espera, após a saída de Zetti em 1996 para o Santos, Rogério Ceni assumiu a posição de goleiro titular do time. Inicialmente, era conhecido apenas como "Rogério"; passou a ser chamado também pelo sobrenome posteriormente.

Recebeu por seis vezes a Bola de Prata, prêmio este concedido pela revista Placar ao melhor jogador da posição durante o Campeonato Brasileiro, e no ano de 2008, além do troféu de prata, recebeu a Bola de Ouro como o melhor jogador do Campeonato Brasileiro.[10] Rogério Ceni é o segundo jogador mais premiado do prêmio Bola de Prata na história do futebol brasileiro, atrás apenas de Zico.[11][12] Em 2001, o São Paulo recebeu um documento cujo teor era o de uma proposta oficial do Arsenal para contratar o jogador. O documento era timbrado pela empresa Tango Sports Marketing, que pertencia ao empresário de Rogério, Oliveira Júnior. Todavia, tanto o clube inglês quanto Oliveira Júnior negaram ter feito a proposta. O presidente do São Paulo, Paulo Amaral, suspendeu Rogério Ceni por 29 dias, acusando-o de haver forjado o documento para obter aumento salarial.[13] Por conta desta "rusga" com o presidente do clube, jornais, à época, chegaram a noticiar que a final da Copa dos Campeões de 2001, contra o Flamengo, seria a última partida de Rogério com a camisa do clube.[14] Por fim, Rogério entendeu-se com os dirigentes, foi reintegrado à equipe e ganhou um aumento.[13] O caso foi referido pela jornalista Milly Lacombe, que afirmou no programa televisivo Arena Sportv que Rogério havia forjado uma assinatura. O jogador processou-a por calúnia e obteve ganho de causa.[15]

Em 2005, foi o melhor ano para Rogério, sendo o líder do time vencedor, conquistando o Paulista, a Libertadores e o Mundial de Clubes, sendo o ano que Rogério mais balançou as redes adversarias e entrando de vez com um dos maiores ídolos da história do São Paulo FC. Sendo nesse ano o melhor jogador da Libertadores e do Mundial de Clubes da FIFA.[16] No ano de 2006 foi condecorado com o troféu de ouro concedido para o melhor goleiro do Campeonato Brasileiro, juntamente com o troféu de melhor jogador do campeonato, prêmios concedidos pela CBF em grande festa realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 2007, voltou a receber o prêmio de Melhor Goleiro do Campeonato Brasileiro, além de Craque do Brasileirão e Craque da Torcida, todos concedidos pela CBF.[17]Rogério entrou três vezes na lista dos dez melhores goleiros do mundo, elaborada anualmente pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS), entidade com sede na Alemanha. Em 2005 foi o nono colocado, em 2006 ficou na sexta colocação e em 2007 ficou na quinta colocação.[18] Foi indicado ao prêmio Bola de Ouro, da revista France Football, em 2007, sendo o primeiro jogador atuando na América do Sul a concorrer ao prêmio, mas acabou ficando em um vigésimo sétimo lugar.[19] Depois dele, Neymar foi indicado ao prêmio Bola de Ouro da FIFA em 2011, sendo o segundo a ser indicado pela France Football e o primeiro a ser indicado pela FIFA.

Seu profissionalismo e dedicação ao clube e o carisma que tem junto a torcida são destaques que marcam a carreira do jogador, e determinantes para ter recebido o slogan: "Todos têm goleiros, só nós temos Rogério Ceni". No dia 7 de setembro de 2010, Rogério Ceni completou vinte anos vestindo a camisa do São Paulo, sendo três deles pelas categorias de base.[20] Já no dia 7 de setembro de 2011, Ceni fez seu milésimo jogo pelo São Paulo, no qual venceu por 2 a 1 o Atlético Mineiro.[21]

Em 27 de março de 2011, Rogério Ceni alcançou a marca de 100 gols na carreira no jogo válido pelo campeonato paulista contra o Corinthians, jogo no qual acabou 2 a 1 para o tricolor paulista. No dia 27 de janeiro de 2012 Ceni operou o ombro para corrigir uma instabilidade em seu ombro direito, lesionado doze dias antes,[22] com previsão de volta em seis meses.[23] Seu retorno aos gramados ocorreu no dia 29 de julho, na vitória do São Paulo por 4 a 1 sobre o Flamengo.[24] Marcou seu primeiro gol depois da volta contra o Bahia, no jogo de ida pela Copa Sul-Americana. Em 2014 Ceni criticou duramente a CBF e fez parte do movimento por melhorias na estrutura do futebol brasileiro, denominado Bom Senso F.C..[25]

AposentadoriaEditar

No dia 5 de junho de 2015, Rogério Ceni prorrogou seu contrato com o São Paulo, desta vez o termo aditivo estendeu o contrato até 31 de dezembro de 2015, permitindo assim que ele disputasse mais uma vez o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.[26] Esta foi a segunda vez que o atleta adiou sua aposentadoria.[27]

Sua última partida oficial pelo São Paulo foi em 28 de outubro de 2015, na derrota para o Santos na Vila Belmiro por 3 a 1, pela Copa do Brasil.[28]

No dia 11 de dezembro do mesmo ano, Rogério fez sua despedida oficial dos gramados. Em jogo festivo no Estádio do Morumbi, foram reunidos alguns jogadores que foram campeões mundiais pelo São Paulo, que foram distribuídos em duas equipes: os campeões de 1992 e 1993 contra os campeões de 2005. O goleiro atuou pela equipe de 2005, convertendo um pênalti no final da partida. A banda Ira! fez um show no intervalo do jogo e Rogério, junto com o vocalista Nasi, cantou "Envelheço na Cidade".[29] Ao final do jogo, Rogério agradeceu aos torcedores pelos 25 anos de São Paulo, e declarou: "Gostaria que, quando eu morresse, eu fosse cremado e as minhas cinzas fossem jogadas aqui no Morumbi, para que eu possa sempre lembrar do que aconteceu".[30]

Seleção NacionalEditar

Participou de 17 partidas pela Seleção Brasileira. Porém, não obteve com a camisa do Brasil o mesmo sucesso que conseguiu no São Paulo.

Sua primeira convocação aconteceu em abril de 1996, para o amistoso contra a África do Sul. No entanto, foi na Copa das Confederações FIFA de 1997 que teve a oportunidade de entrar pela primeira vez em campo. Mas, ainda assim, se indispôs com o então técnico Zagallo. O goleiro reclamou publicamente da “brincadeira” de outros jogadores de, sem permissão, cortar o cabelo dos colegas, alegando que faltava liderança na equipe. Isso irritou o Velho Lobo, que viu falta de respeito com a comissão técnica e não o convocou mais, o tirando de qualquer chance de ser convocado para a Copa do Mundo FIFA de 1998.[31]

Com a entrada de Vanderlei Luxemburgo no comando da Seleção, depois da Copa na França, o goleiro teve nova chance, e passou a ser o goleiro titular do Brasil. Mas se queimou ao não admitir em público sua falha em dois gols tomados, no empate de 2 a 2, em um amistoso contra o Barcelona, em 1999.[32]

Depois de um longo exílio, o goleiro voltou a ser convocado pelo técnico Emerson Leão, em 2000, onde voltou a ser o titular do Brasil. Na vitória por 1 a 0 sobre a Colômbia, no dia 17 de novembro, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA de 2002, Rogério teve a chance de bater uma falta e quase marcou o seu primeiro gol com a camisa amarelinha.[33]

Acabou caindo novamente da titularidade quando Luiz Felipe Scolari assumiu o comando da Seleção, onde tinha em Marcos seu goleiro de confiança. Ainda assim, foi convocado para a Copa do Mundo FIFA de 2002 e integrou o elenco pentacampeão do mundo como terceiro goleiro.[34]

Ceni representou o Brasil em outro mundial quatro anos depois, sendo convocado por Carlos Alberto Parreira para a Copa do Mundo FIFA de 2006, realizada na Alemanha.[35] No dia 22 de junho, na goleada por 4 a 1 contra o Japão,[36] em jogo válido pela terceira rodada do Grupo F, Ceni substituiu Dida aos 36 minutos do segundo tempo, tendo a oportunidade de estrear em uma Copa do Mundo. Este fato significou a quebra de um tabu que já durava 40 anos, pois a última vez que a Seleção Brasileira tinha utilizado dois goleiros numa mesma Copa havia sido em 1966, na Inglaterra.[37]

Jogos pela Seleção BrasileiraEditar

Lista de jogos do goleiro Rogério Ceni pela Seleção Brasileira.[38][39][40][41][42][43]

[nota-4] (Jogo 17): Rogério Ceni entrou aos 82 minutos, e o placar do jogo no momento era 4 a 1 para o Brasil. Foi o goleiro Dida que sofreu o gol da Seleção Japonesa.[44]

Carreira como treinadorEditar

São PauloEditar

Em 2016, foi auxiliar do então técnico da Seleção Brasileira, Dunga, para a Copa América Centenário.[45] No dia 24 de novembro de 2016, foi anunciado como novo técnico do São Paulo, assinando vínculo de dois anos, até o fim de 2018, e assumindo a nova função a partir do início da temporada 2017.[46] Se apresentou dia 8 de dezembro, após sua apresentação ter sido adiada pelo fato trágico ocorrido com a equipe da Chapecoense.[47]

Sua primeira partida no comando do São Paulo ocorreu no dia 19 de janeiro de 2017, em jogo contra o River Plate, válido pela Florida Cup. Após empate em 0 a 0 no tempo normal, o São Paulo venceu por 8 a 7 na disputa de pênaltis, onde enfrentou o Corinthians na final do torneio.[48] Na decisão contra o Corinthians, após um novo empate em 0 a 0, o São Paulo venceu a disputa de pênaltis por 4 a 3, dando a Ceni seu primeiro título como treinador de futebol.[49] Em sua primeira partida oficial, estreou com derrota por 4 a 2 contra o Audax, pelo Campeonato Paulista.[50] Sua primeira vitória ocorreu em 9 de fevereiro, em partida contra o Moto Club, válida pela Copa do Brasil.[51] Em sua primeira partida comandando o São Paulo no Morumbi, goleou a Ponte Preta por 5 a 2 sendo a primeira vitória[52] do campeonato paulista desse ano.[53] Em seu primeiro clássico, venceu o Santos por 3 a 1 em plena Vila Belmiro.[54] No dia 3 de julho de 2017, um dia após a derrota por 2 a 0 para o Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro, foi demitido pelo São Paulo.[55] No total, comandou o time por 37 jogos, conquistando catorze vitórias, treze empates e dez derrotas.[56]

PolêmicaEditar

No ponto de vista de algumas pessoas, Rogério Ceni haveria sido contratado para comandar o clube paulista em 2017 apenas para ajudar na recandidatura de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, então presidente do São Paulo.[57][58] O técnico foi contratado no final de 2016 com um projeto de trazer de volta as glórias passadas do São Paulo, além de ajudar o time a encontrar novamente o rumo das vitórias e títulos.[59] Porém, com o passar do tempo, o que aconteceu foi um desmanche do clube com a venda de jogadores fundamentais para o elenco.[60][61] O resultado foi um time cada vez mais enfraquecido e um acúmulo de maus resultados que levaram até a demissão do mesmo, um pouco depois de Leco já ter sido reeleito presidente do Tricolor Paulista.[62]

FortalezaEditar

No dia 10 de novembro de 2017, assinou com o Fortaleza para 2018, no ano do centenário do clube.[63] Fez sua estreia oficial no comando do Fortaleza em 17 de janeiro, na vitória por 4 a 0 sobre o Uniclinic, em jogo válido pela segunda rodada do Campeonato Cearense.[64] Terminou o Campeonato Cearense com o vice-campeonato após duas derrotas nas finais para o rival Ceará.[65] Na Série B, teve um grande inicio, chegando a liderar o campeonato de forma isolada, conquistando o título simbólico de campeão do primeiro turno.[66] Conseguiu o acesso matemático para a Série A de 2019 na 34ª rodada, após vitória por 2 a 1 sobre o Atlético Goianiense, fora de casa.[67] Na 36ª rodada, após uma vitória por 1 a 0 sobre o Avaí, conquistou o título com duas rodadas de antecedência, sendo seu primeiro título oficial como treinador — já havia vencido o torneio amistoso Florida Cup com o São Paulo em 2017.[68] Em 30 de novembro, o Fortaleza anunciou a renovação do contrato de Ceni para a temporada de 2019.[69]

Em sua segunda temporada, conquistou o Campeonato Cearense após vitória nos dois jogos da final sobre o Ceará, conquistando seu segundo título no comando do Fortaleza.[70] Na mesma temporada também foi campeão da Copa do Nordeste, após vencer os dois jogos da finalíssima sobre o Botafogo-PB pelo placar mínimo de 1 a 0, conquistando assim seu terceiro título como treinador e terceiro título seguido no comando do Leão em apenas seis meses.[71]

CruzeiroEditar

Em 11 de agosto de 2019, o Fortaleza confirmou a saída de Ceni para comandar o Cruzeiro, com contrato até o fim de 2020.[72] O treinador estreou pelo clube mineiro com vitória por 2 a 0 sobre o Santos, em partida válida pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.[73] Porém, foi demitido com menos de dois meses no cargo, após uma sequência de cinco jogos sem vitória. O estopim foi a ausência do meia Thiago Neves na partida contra o Ceará, que terminou em 0 a 0. Após o empate no Castelão, Ceni se desentendeu[74] com alguns líderes do elenco e teve a sua demissão confirmada no dia 26 de setembro após reunião com Itair Machado, vice-presidente de futebol do clube.[75][76]

Retorno ao FortalezaEditar

A volta de Ceni ao Fortaleza foi anunciada em 29 de setembro, menos de dois meses depois do técnico deixar o clube cearense.[77]

Na partida contra o Grêmio, em 19 de outubro, completou 100 jogos no comando do Fortaleza. A conta leva em consideração apenas jogos oficiais e considera ainda as partidas contra o São Bento, fora de casa, pela Série B de 2018, e o duelo contra o Flamengo. Em ambos, Rogério Ceni estava suspenso, mas escalou o time e acompanhou a partida do camarote do estádio.[78] Na 35ª rodada, venceu o Santos por 2 a 1, garantindo a permanência do Fortaleza na primeira divisão do Campeonato Brasileiro.[79] Na rodada seguinte, após vitória por 2 a 1 sobre o Goiás no Serra Dourada, classificou o Fortaleza pela primeira vez a uma competição internacional, a Copa Sul-Americana de 2020.[80] Após o fim da temporada, teve seu nome especulado para comandar o Athletico Paranaense e o Santos, mas acabou renovando seu contrato até o fim de 2020.[81]

Em 9 de novembro de 2020, Ceni rescindiu contrato com o Fortaleza para assumir o comando do Flamengo.[82]

FlamengoEditar

2020Editar

Em 10 de novembro de 2020, Rogério Ceni foi anunciado como treinador do Flamengo com contrato válido até dezembro de 2021.[83]

No dia 26 de fevereiro de 2021, sagrou-se campeão do Campeonato Brasileiro de 2020, adiado por conta da pandemia de COVID-19. O título foi comemorado no estádio do Morumbi, ambiente muito frequentado pelo treinador durante sua carreira como goleiro.[84] Ele entrou nesse dia para um grupo seleto de pessoas que ganharam o campeonato brasileiro como jogador e como técnico.[85]

Uma de suas marcas na equipe campeã brasileira de 2020 foi recuar o volante Willian Arão para atuar de zagueiro,[86] e colocar o meia Diego Ribas para atuar como primeiro volante.[87] A ideia de Ceni com essas mexidas foi melhorar a saída de bola da equipe. Foi a partir dessas mexidas que o Flamengo engrenou no campeonato e finalmente alcançou a primeira posição, na penúltima rodada do certame.

2021Editar

Após o título brasileiro, ganhou folga juntamente com o elenco principal para o início do Campeonato Carioca, retornando ao comando da equipe principal em 31 de março, na vitória por 3 a 0 sobre o Bangu.[88] Conquistou seu segundo título no comando do Flamengo no dia 11 de abril, ao derrotar o Palmeiras nos pênaltis, pela Supercopa do Brasil.[89] Já em 22 de maio, conquistou o Campeonato Carioca ao derrotar o Fluminense por 3 a 1.

Na madrugada do dia 10 de julho, Ceni foi demitido após uma derrota para o Atlético Mineiro por 2 a 1 no Mineirão.[90] Ao todo, comandou o Flamengo em 45 partidas, com 23 vitórias, 11 empates e 11 derrotas, obtendo 59,3% de aproveitamento.[91]

Retorno ao São PauloEditar

2021Editar

Em 13 de outubro de 2021, Rogério Ceni aceitou a proposta para ser o novo técnico do São Paulo após a demissão de Hernán Crespo.[92] Ceni assinou contrato até dezembro de 2022.[93]

Conseguiu, no fim do ano, retirar o Tricolor Paulista da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, que o clube havia brigado para não entrar.[94] Após uma vitória contra o Sport por 2 a 0, o São Paulo se salvou do rebaixamento.[95] A equipe acabou ficando em 13º lugar, na zona de classificação para a Copa Sul-Americana de 2022.

2022Editar

 
Rogério como treinador do São Paulo em 2022.

No começo da temporada 2022, o cargo de Rogério Ceni foi muito contestado, pois o clube não havia vencido os três primeiros jogos do Campeonato Paulista, jogando muito mal[96] e inclusive perdendo por 4 a 3 para o Red Bull Bragantino, de virada.[97] Muitos torcedores chegaram a pedir a saída do treinador.[98]

Após a primeira vitória na quarta partida contra o Santo André, Ceni deu uma entrevista curiosa sobre a situação do clube no momento e seu relacionamento com as pessoas do clube: [99]

Após expor parte da situação do clube, torcedores defenderam Rogério, argumentando que o treinador pensava na situação do clube e para o bem da instituição, aumentando o apoio para o comandante.[100] Após isso, o time começou a engatar uma boa sequência de resultados, saindo até mesmo da zona de rebaixamento do estadual (posição que o clube ficou nos primeiros jogos).[101]

Em 5 de março, após a vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians,[102] Rogério Ceni tornou-se o primeiro técnico na história do São Paulo a vencer todos os seus primeiros quatro clássicos disputados (número válido apenas desde seu retorno ao clube no ano anterior).[103] Rubens Salles, Levir Culpi, Oswaldo Alvarez, Paulo Autuori e Muricy Ramalho eram os detentores do recorde; todos haviam vencido seus três primeiros clássicos disputados. Após a vitória no Majestoso, Ceni ganhou a fama de "M1TO dos clássicos" devido ao fato de ter ganhado todos os clássicos desde a sua volta ao Tricolor.[104][105]

De cotado para o rebaixamento, o time de Rogério chegou a final do campeonato e enfrentou o Palmeiras de Abel Ferreira. Apesar de ter vencido o jogo de ida por 3 a 1,[106] no Morumbi, o São Paulo foi goleado por 4 a 0 no jogo de volta, no Allianz Parque, e terminou com o vice-campeonato.[107] Na premiação do Paulistão 2022, que ocorreu no dia 4 de abril, Rogério foi eleito o melhor treinador da competição. A escolha foi muito questionada, pois Abel Ferreira havia sido o campeão com uma ótima campanha.[108]

CaracterísticasEditar

Ceni destaca-se por ser o maior goleiro artilheiro na história do futebol mundial. Sua precisão nas cobranças, tanto de faltas quanto de pênaltis, fizeram dele, em agosto de 2006, o goleiro com o maior número de gols marcados na história do esporte, superando o paraguaio José Luis Chilavert.[109][110] Chama a atenção também por ser o jogador com mais vitórias pelo mesmo time,[111] superando o galês Ryan Giggs, do Manchester United, que possui 589 vitórias. Ultrapassou essa marca no jogo contra o Goiás, em 27 de outubro de 2014, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro.[112][113]

Goleiro artilheiroEditar

 
Rogério Ceni contra o Bahia, pelo Brasileirão 2012: habilidade com os pés

O primeiro gol de Rogério foi marcado numa cobrança de falta em 15 de fevereiro de 1997, contra o União São João, em Araras, pelo Campeonato Paulista. Em 11 de setembro de 2005, ao fazer um gol de pênalti pelo Campeonato Brasileiro, se tornou o goleiro com mais gols em uma só temporada. Em 20 de agosto de 2006, Rogério tornou-se o maior goleiro artilheiro da história ao marcar, contra o Cruzeiro, em cobrança de falta ensaiada, seu 63º gol em partidas oficiais, superando a marca de 62 gols que antes pertencia ao goleiro paraguaio Chilavert. Nesse mesmo jogo marcou outro, de pênalti, chegando aos 64 gols.

Além do jogo em que quebrou o recorde, o goleiro artilheiro fez dois gols numa mesma partida outras quatro vezes. A primeira contra a Inter de Limeira, na casa do adversário, pelo Campeonato Paulista, em 25 de abril de 1999: vitória de 2 a 1 com um gol de pênalti e outro de falta. A segunda dobradinha veio em 17 de julho de 2004, pelo Campeonato Brasileiro, agora no Morumbi, outra vitória por 2 a 1, esta sobre o Figueirense, também com um pênalti e uma falta. No vitória por 4 a 0 frente ao Tigres, do México, pelas quartas-de-final da Copa Libertadores da América de 2005 fez dois gols de falta. Com um pênalti desperdiçado, Rogério perdeu a chance de marcar pela primeira vez três gols num mesmo jogo. O quarto jogo em que Rogério marcou dois gols em uma só partida foi contra o Club de Regatas Vasco da Gama, no Morumbi, pela décima sétima rodada do Campeonato Brasileiro de 2008. O placar foi 4 a 0 e o goleiro artilheiro anotou os dois últimos, um de pênalti e outro de falta.[114]

Foi o artilheiro do time em 2005, com 21 gols, e em 2006 com 16 gols. O Palmeiras e o Cruzeiro são os times contra os quais mais fez gols (sete gols cada), seguido pelo Grêmio (seis gols). 2005 foi o ano em que mais marcou gols. Foram 21, sendo que o último deles foi na semifinal do Mundial de Clubes, contra o Al-Ittihad, o que o tornou no primeiro goleiro do mundo a marcar um gol no Mundial de Clubes.

É o goleiro que mais marcou gols no Campeonato Paulista, Copa dos Campeões, Torneio Rio-São Paulo, Copa Sul-Americana, Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores da América e na Copa do Mundo de Clubes da FIFA (o único goleiro a marcar nesse torneio); é também o goleiro que mais marcou gols de falta, 62[115] (ou 60 pela IFFHS), sendo que um foi com bola rolando. É o goleiro que mais fez gols de pênalti da história do futebol mundial, superando Chilavert (que fez 45) em 4 de agosto de 2011, na vitória de 3 a 0 contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro; é também o goleiro que mais deu assistências.

Em 25 de fevereiro de 2010, ao anotar, de falta, um gol sobre o Once Caldas na derrota de 2 a 1, tornou-se o maior artilheiro do São Paulo na história da Libertadores, isoladamente, com onze gols marcados.[116]

Seu centésimo gol foi no dia 27 de março de 2011, pelo Campeonato Paulista, em jogo realizado em Barueri contra o Corinthians. De falta, Rogério contribuiu com a vitória por 2 a 1 da equipe tricolor, a qual decretou o fim de longo período de invencibilidade dos corintianos no clássico.[117][118]

Em 2013, Rogério Ceni se tornou o 7º maior artilheiro do São Paulo em competições oficiais na história do clube. No dia 13 de novembro deste mesmo ano, ao anotar o gol de pênalti contra o Flamengo, se tornou, com 54 gols, ao lado de Careca, o terceiro maior artilheiro do São Paulo na história do Campeonato Brasileiro. Ficando atrás somente de Serginho Chulapa e Luís Fabiano.

Em 2015, no dia 29 de março, com um gol de falta sobre o Linense, no estádio do Morumbi, Rogério superou Marcelinho Carioca em número de gols de falta por um só clube, alcançando a marca de 60 gols de falta, contra 59 de Marcelinho. Em 3 de junho, com um gol de pênalti sobre o Santos, que decretou a vitória de 3 a 2 no clássico disputado no estádio do Morumbi, Rogério iguala o também ídolo Raí, tanto em gols no Morumbi (72), quanto em gols com a camisa do São Paulo (128). Três dias depois, com um gol de pênalti sobre o Grêmio, que decretou a vitória de 2 a 0 no jogo disputado no estádio do Morumbi, Rogério ultrapassa o também ídolo Raí tanto em em gols no Morumbi (73), quanto em gols com a camisa do São Paulo (129).[119]

Mário Sérgio foi o único treinador a vetar as cobranças de faltas de Rogério Ceni.[120]

Atualmente é o quinto maior artilheiro do Estádio do Morumbi, com 74 gols, e o décimo maior da história do clube, com 131 gols, ultrapassando até mesmo o segundo maior ídolo do clube, Raí[121] em ambos os critérios, com dados consolidados e finalizados até o dia 11 de dezembro de 2015 (data da despedida).

RecordesEditar

  • Em 27 de julho de 2005, completou 618 jogos pelo São Paulo tornando-se o jogador que mais vezes atuou com a camisa do clube, quebrando o recorde de 617 partidas que pertencia a Valdir Peres;[122]
  • Em 22 de julho de 2007, na vitória do São Paulo sobre o Cruzeiro por 2 a 1 no Mineirão, completou 309 jogos em campeonatos brasileiros atuando pelo mesmo time quebrando o recorde que pertencia a Roberto Dinamite que havia atuado em 308 partidas pelo Vasco;
  • No dia 1 de setembro de 2007, com uma goleada de 6 a 0 sobre o Paraná, no Morumbi, Rogério se tornou o goleiro são-paulino com a maior série de jogos sem sofrer gols em Campeonatos Brasileiros, superando Valdir Peres, que ficou 694 minutos sem ser vazado, em 1983;[123] A série foi interrompida aos 47 minutos do segundo tempo da vitória de 2 a 1 sobre o Santos, em 15 de setembro, após nove jogos inteiros e dois parciais sem ter que ir buscar a bola no fundo das redes. No total, foram 990 minutos sem sofrer gols, que colocaram Rogério à frente da segunda maior sequência invicta da história do Campeonato Brasileiro (perde apenas para Emerson Leão que, jogando pelo Palmeiras em 1973, permaneceu invicto por 1057 minutos;
  • No Campeonato Brasileiro de 2007, Rogério e o São Paulo com dezenove gols contra em 38 partidas se tornou o segundo goleiro menos vazado de toda a história de Campeonatos Brasileiros, perdendo apenas para Emerson Leão que jogando pelo Palmeiras em 1973 tomou treze gols;
  • No dia 30 de abril de 2008, na partida contra o Nacional, do Uruguai, válida pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América, completou a marca de 800 jogos;[124]
  • No dia 19 de agosto de 2009, com um vitória sobre o Fluminense por 1 a 0, Rogério Ceni tornou-se o jogador que mais partidas jogou da história do Campeonato Brasileiro, superando Zinho, que jogou por Flamengo, Palmeiras e Cruzeiro, que detinha o recorde com 369 partidas;
  • Na primeira partida pela repescagem na Copa Libertadores da América no Morumbi na goleada de 5 a 0 do São Paulo contra o Bolívar, Rogério Ceni chegou a 83 jogos superando o goleiro Manga e se tornando o brasileiro o recordista de Jogos na Copa Libertadores da América, com 82 jogos;
  • No ano de 2006, com o título Brasileiro, Rogério Ceni se tornou o jogador com mais títulos conquistados oficiais com a camisa do São Paulo, superando o zagueiro Ronaldão e o atacante Müller com 13 títulos. São 22 títulos ao todo, sendo 16 deles em competições oficiais. Rogério ainda tem três títulos quando atuava nas categorias de base;
  • É o segundo goleiro da história que tem mais títulos em um só clube, ficando atrás apenas do Português Vítor Baía que conquistou 27 títulos pelo o Porto;
  • Em 28 de outubro de 2010, em partida contra o Clube Atlético Paranaense (2 a 1 para o São Paulo) pelo Campeonato Brasileiro, chegou a marca de 700 jogos como capitão de um time, marca ainda não alcançada por nenhum outro jogador (é o atleta que mais entrou com a tarja de capitão no mundo). Ele recebeu a tarja de capitão no ano de 1999;[125]
  • No dia 28 de abril de 2010, completou 900 jogos pelo São Paulo Futebol Clube, no empate com o Universitario, na cidade de Lima;[126]
  • Em 23 de julho de 2011, na partida contra o Atlético Goianiense com 108 jogos consecutivos superou o goleiro Suly, que na década de 1960 atuou em 107 partidas seguidas na meta tricolor e se isolou como jogador que mais vezes atuou consecutivamente da história do São Paulo.[127] A sequência foi quebrada quando ele completou 132 jogos seguidos e não pôde jogar o próximo, contra o Vasco, devido a dores no tornozelo esquerdo. Na partida foi substituído por Denis e o resultado foi 0 a 0;[128]
  • Depois da aposentadoria do zagueiro norte-irlandês Noel Bailie, no dia 30 de abril de 2011, Rogério Ceni se tornou o jogador em atividade com o maior número de partidas por um só clube. Bailie tinha 1.014 jogos pelo Linfield e Ceni tinha 974 jogos na época;[129]
  • Em 22 de maio de 2011, na partida contra o Fluminense válida pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro completou uma série de 8786 minutos. É o atleta que mais minutos consecutivos jogou na história do São Paulo. Nesta partida foi substituído por Denis aos onze minutos do segundo tempo devido a dores no tornozelo esquerdo;[130]
  • É o goleiro do São Paulo que mais venceu e que tem melhor aproveitamento em disputas de pênalti pós-jogo: 12 (em 16);
  • Rogério é o maior vencedor do Troféu Mesa Redonda: ganhou as edições de 2004, 2005, 2006 e 2007;
  • Rogério é o maior vencedor da Bola de Prata, premiação concedida pela revista Placar para os melhores de cada posição no Campeonato Brasileiro, ele ganhou em 2000, 2003, 2004, 2006, 2007, 2008 e em 2008 ganhou uma Bola de Ouro;
  • Em 7 de setembro de 2011, completou 1000 partidas pelo clube do Morumbi, tornando-se o terceiro jogador a atuar mais partidas pelo mesmo clube no Brasil.
  • No dia 8 de junho de 2011, completou 100 jogos consecutivos na meta tricolor, contra o Atlético-MG pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. A última vez que Rogério desfalcou o time foi contra o Mirassol pelo Campeonato Paulista de 2010, quando os titulares foram poupados para a disputa da Copa Libertadores;[131]
  • No dia 16 de outubro de 2012, na vitória do São Paulo sobre o Figueirense, o goleiro Rogério Ceni completou uma marca de 500 jogos no estádio tricolor. É o recordista geral de jogos no Estádio do Morumbi;
  • No dia 8 de setembro de 2013, pela 19º rodada do Campeonato Brasileiro, Rogério Ceni comemorou uma marca de 500 jogos em campeonatos nacionais, sendo disparado o recordista absoluto de atuações.
  • É o jogador que mais entrou em campo com a faixa de capitão no mundo: 980 jogos.
  • No dia 24 de novembro de 2013 completou 1.117 jogos com a camisa do São Paulo, se tornando o jogador com mais jogos por uma única equipe na historia do futebol.
  • Em 20 de abril de 2014, o goleiro recebeu três certificados do Guinness, o livro dos recordes como jogador que mais vezes atuou e foi capitão de um mesmo time na história do futebol. Ganhou a oficialização como jogador que mais vezes atuou por um mesmo time na história do futebol mundial, onde atuou por 1.139 e o certificado de jogador que mais foi capitão de um mesmo time com 888 partidas. O Guinness também apurou recorde de gols que indica 117, o máximo já anotado por um goleiro.[132]
  • No dia 27 de outubro de 2014, o goleiro superou o recorde de Ryan Giggs de mais vitórias em um único time, contra o Goiás no Morumbi, recorde que antes era de 589 jogos.
  • Em 5 de março de 2022, agora como técnico do São Paulo, tornou-se o técnico com mais vitórias nos seus primeiros clássicos na história do clube. O agora treinador venceu todos os seus primeiros quatro clássicos no comando do clube, ultrapassando técnicos históricos do clube como Muricy Ramalho e Paulo Autuori.[133]

Vida pessoalEditar

Rogério Ceni foi casado com Sandra Ceni entre 2000 e 2014 e tem duas filhas gêmeas, Clara e Beatriz, nascidas em 2004. O jogador também tem um filho com a atriz Ana Paula Vieira, chamado Henrique, fruto de uma relação fora do casamento: Henrique nasceu em 2012, mas somente em 2014 o jogador o reconheceu publicamente, declarando por nota em seu site oficial que é o pai da criança.[134]

Em relação a gostos pessoais, Rogério Ceni é conhecido por apreciar sons musicais voltados ao estilo rock 'n' roll. Suas bandas favoritas são AC/DC, Dire Straits, Lynyrd Skynyrd, Pink Floyd, Meat Loaf, Scorpions, Metallica, U2 e o artista norte-americano Elvis Presley. O atleta inclusive já assistiu muitos shows no Estádio do Morumbi, como o de Roger Waters, ex-baixista e ex-vocalista do Pink Floyd.[135]

Em 2008, recebeu uma homenagem da banda de rock Dr. Sin, da qual todos seus integrantes são torcedores do São Paulo. A banda fez uma música chamada “Número 1" especialmente para Rogério.[136]

Em entrevista ao canal Fox Sports, Ceni revelou seus principais desejos quando se aposentar do futebol: ir a um jogo do tenista Roger Federer (o qual é fã declarado) e dormir até mais tarde.[137]

Estatísticas como jogadorEditar

ClubeEditar

  • Atualizadas até 14 de dezembro de 2015
Clube Ano Campeonato
Brasileiro
Copa
do Brasil
Competições
internacionais¹
Outros
torneios²
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
São Paulo
1990
1991
1992
1993 1 0 12 0 13 0
1994 5 0 8 0 10 0 23 0
1995 4 0 4 0 14 0 22 0
1996 6 0 6 0
1997 25 2 4 0 7 0 34 1 70 3
1998 22 0 5 0 5 0 25 3 57 3
1999 23 1 3 0 12 1 27 3 65 5
2000 24 3 12 1 10 0 32 4 78 8
2001 23 0 7 0 2 0 24 2 56 2
2002 23 1 7 1 1 0 21 3 52 5
2003 41 2 7 0 9 0 13 0 70 2
2004 42 3 17 2 9 0 68 5
2005 38 10 18 6 19 5 75 21
2006 29 8 15 3 13 5 57 16
2007 35 7 11 1 20 2 66 10
2008 35 4 11 0 21 1 67 5
2009 16 2 3 0 15 0 34 2
2010 38 4 12 1 20 3 70 8
2011 36 2 7 0 4 0 21 6 68 8
2012 24 3 10 1 34 4
2013 35 2 18 3 16 1 69 6
2014 35 8 6 1 8 0 15 1 64 10
2015 23 3 5 1 8 0 18 4 53 8
Total 577 65 67 4 201 18 392 45 1237 131

¹Estão incluídos jogos e gols da Copa Libertadores, Copa Sul-Americana, Recopa Sul-Americana, Copa CONMEBOL, Copa Mercosul, Copa Intercontinental e Copa do Mundo de Clubes da FIFA

²Estão incluídos jogos e gols pelo Campeonato Paulista, Torneio Rio-São Paulo, Copa Eusébio 2013, Copa Suruga Bank de 2013, Super Series de 2015 e amistosos

Gols e assistênciasEditar

  • Total de gols marcados: 131
  • Gols de falta: 61
  • Gols de pênalti: 69
  • Gols de bola rolando: 1
  • Assistências: 8

Pênaltis defendidosEditar

  • Pênaltis defendidos totais na carreira: 51
  • Em decisões da Copa Libertadores da América: 7 de 21 (33,3%)
  • Em decisões do Torneio Rio-São Paulo: 6 de 19 (31,5%)
  • Em decisões da Copa CONMEBOL: 3 de 13 (23%)
  • Em decisões do Torneio Santiago de Compostela: 1 de 5 (20%)
  • Vitórias em decisões por pênalti: 13 de 16 (81,2%)

Estatísticas como treinadorEditar

Atualizadas até 3 de julho de 2022

Equipe Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
São Paulo 92 42 28 22 55.8%
Fortaleza 153 81 33 39 60.13%
Cruzeiro 8 2 2 4 33.33%
Flamengo 45 23 11 11 59.26%

Patrocinadores pessoaisEditar

Títulos como jogadorEditar

Fonte:[138]

Sinop[138]
São Paulo[138]
Categorias de base[138]
Seleção Brasileira[138]

Prêmios individuaisEditar

HonrariasEditar

Títulos como treinadorEditar

Fortaleza[140]
Flamengo

Prêmios individuaisEditar

HonrariasEditar

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rogério Ceni
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Rogério Ceni

Referências

  1. Fernando Faro (22 de janeiro de 2013). «Rogério Ceni faz 40 anos de olho em mais títulos no São Paulo». Estadão. Consultado em 30 de março de 2022 
  2. «Perfil de Rogério Ceni». Transfermarkt 
  3. «Perfil de Rogério Mücke Ceni». oGol. Consultado em 25 de novembro de 2012 
  4. «Perto da aposentadoria, Ceni supera até marca de Pelé». R7. 10 de dezembro de 2015. Consultado em 4 de abril de 2022 
  5. a b «Rogério Ceni; o voto salvador, o Mito e a trajetória de um ícone do futebol». Blog do Birner. 12 de dezembro de 2015. Consultado em 30 de março de 2022 
  6. «Campeão, Rogério Ceni se torna o 8º a vencer o Brasileiro como técnico e jogador: 'Rio vai amanhecer alegre'». Extra. 25 de fevereiro de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  7. «Campeão estadual pelo Sinop, Rogério Ceni volta a MT após 14 anos». GloboEsporte.com. 22 de novembro de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  8. Leonardo Bonassoli (8 de abril de 2011). «Ídolo coxa-branca carrega a gratidão de Rogério Ceni». Gazeta do Povo. Consultado em 30 de março de 2022 
  9. «Primeiro título de Muricy e Rogério Ceni juntos completa 20 anos». Terra. 21 de dezembro de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  10. «Rogério Ceni ganha Bola de Ouro da Placar; são-paulinos dominam». iG. Consultado em 2 de maio de 2019 
  11. Rodolfo Rodrigues (3 de dezembro de 2018). «Zico e Rogério Ceni são os jogadores mais premiados na Bola de Prata». R7. Consultado em 30 de março de 2022 
  12. «Segundo maior premiado na Bola de Prata, Ceni se aposenta». Placar. 7 de dezembro de 2015. Consultado em 30 de março de 2022 
  13. a b «São-paulino Rogério Ceni demonstra irritação durante entrevistas». Folha de S.Paulo. 4 de agosto de 2006. Consultado em 30 de março de 2022 
  14. Ricardo Perrone (10 de julho de 2001). «Rogério Ceni se despede do São Paulo contra o Flamengo». Folha de S.Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  15. «Rogério Ceni encerra processo contra Milly Lacombe e recebe R$ 60 mil de indenização». Portal IMPRENSA. 10 de novembro de 2010. Consultado em 21 de junho de 2019 
  16. «Ceni é eleito melhor jogador do Mundial». Folha de S.Paulo. 18 de dezembro de 2005. Consultado em 30 de março de 2022 
  17. «Rogério Ceni é eleito o Craque do Brasileirão 2007». O Globo. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de março de 2022 
  18. «Rogério Ceni é o quinto melhor goleiro do mundo em votação». Estadão. 14 de janeiro de 2008. Consultado em 30 de março de 2022 
  19. «Le classement du Ballon d'Or 2007» (em francês). France Football. 2 de dezembro de 2007. Consultado em 5 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 20 de abril de 2010 
  20. Marcelo Prado (7 de setembro de 2010). «Rogério Ceni: a história de um mito e seus 20 anos de trabalho e dedicação». GloboEsporte.com. Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  21. Dassler Marques (7 de setembro de 2011). «No jogo mil de Ceni, São Paulo bate Atlético-MG com festa e lidera». Terra. Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  22. «Cirurgia no ombro direito de Rogério Ceni é bem-sucedida». GloboEsporte.com. 27 de janeiro de 2012. Consultado em 30 de março de 2022 
  23. Vitor Pajaro (29 de maio de 2012). «Médico do São Paulo elogia evolução de Ceni e cogita retorno nas finais da Copa do Brasil». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  24. Diego Ribeiro e Sergio Gandolphi (29 de julho de 2012). «Na volta de Ceni, Fabuloso brilha, e São Paulo goleia o Flamengo». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  25. «Após vitória, Rogério Ceni dispara contra CBF e cobra ação de Dilma». UOL. 17 de julho de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  26. «Rogério Ceni renova com o São Paulo até o final deste ano». O TEMPO. 5 de junho de 2015. Consultado em 30 de março de 2022 
  27. Edsel Britto (5 de junho de 2015). «Aposentadoria adiada: Rogério Ceni renova com o São Paulo até dezembro». O Dia. Consultado em 30 de março de 2022 
  28. «Santos atropela o São Paulo na Vila e volta à final da Copa do Brasil». UOL. 28 de outubro de 2015. Consultado em 30 de março de 2022 
  29. Alexandre Lozetti e Marcelo Hazan (11 de dezembro de 2015). «Goleiro, artilheiro e cantor: Rogério Ceni se despede em festa no Morumbi». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  30. Tomás Rosolino (11 de dezembro de 2015). «Emocionado, Ceni pede que joguem suas cinzas no Morumbi». Terra. Consultado em 30 de março de 2022 
  31. «O episódio do corte de cabelo». Blog do Paulinho. 26 de abril de 2009. Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  32. «Você Sabia? Seleção Brasileira já enfrentou o Barcelona». Eu Vivo Esporte. Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  33. «Rogério Ceni entra para história ao cobrar falta». Folha de Londrina. 17 de novembro de 2000. Consultado em 5 de abril de 2022 
  34. «Scolari convoca a seleção para a Copa; Romário fica fora». UOL. 6 de maio de 2002. Consultado em 5 de abril de 2022 
  35. «Parreira convoca seleção que vai disputar a Copa do Mundo 2006». Revista Época. 15 de maio de 2006. Consultado em 5 de abril de 2022 
  36. Daniel Tozzi e João Henrique Medice (22 de junho de 2006). «Japão sai na frente, mas é goleado pelo Brasil e volta antes para casa». UOL. Consultado em 5 de abril de 2022 
  37. Daniel Tozzi e João Henrique Medice (22 de junho de 2006). «Rogério Ceni é o 1º goleiro da história a entrar durante jogo». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  38. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20160304000402/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil199697.htm. Arquivado do original em 4 de março de 2016  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  39. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20150924092400/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil199899.htm. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  40. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20150924092402/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil200001.htm. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  41. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20150924092403/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil200203.htm. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  42. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20150924092405/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil200405.htm. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  43. rssfbrasil.com https://web.archive.org/web/20150924092407/http://www.rssfbrasil.com/sel/brazil200607.htm. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  44. «Veja a ficha técnica e o lance-a-lance de Japão 1 x 4 Brasil». Folha de S.Paulo. 22 de junho de 2006. Consultado em 5 de abril de 2022 
  45. Almir Leite e Gonçalo Junior (31 de maio de 2016). «Rogério Ceni é auxiliar pontual da seleção a partir desta terça». Estadão. Consultado em 30 de março de 2022 
  46. Igor Amorim (24 de novembro de 2016). «Rogério Ceni é o novo técnico do São Paulo». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  47. «Veja repercussão do acidente com a delegação da Chapecoense». G1. 29 de novembro de 2016. Consultado em 30 de março de 2022 
  48. Marcio Porto (20 de janeiro de 2017). «Sidão brilha na estreia de Ceni, e São Paulo enfrentará Corinthians em final». LANCE!. Consultado em 30 de março de 2022 
  49. Marcio Porto (21 de janeiro de 2017). «Sidão brilha, e São Paulo é campeão sobre o Corinthians nos pênaltis». LANCE!. Consultado em 30 de março de 2022 
  50. «Em jogo de seis gols, São Paulo de Ceni perde para o Audax no Paulistão». GloboEsporte.com. 5 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  51. «São Paulo elimina o Moto Club na Copa do Brasil em 1ª vitória de Ceni». GloboEsporte.com. 9 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  52. «São Paulo faz 5 na Ponte Preta em estreia de Ceni como técnico no Morumbi». www.uol.com.br. Consultado em 3 de junho de 2022 
  53. «São Paulo atropela e goleia a Ponte Preta na estreia de Ceni no Morumbi». GloboEsporte.com. 12 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  54. «São Paulo vence de virada e põe fim à soberania do Santos na Vila Belmiro». GloboEsporte.com. 15 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  55. «São Paulo demite Rogério Ceni». GloboEsporte.com. 3 de julho de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  56. «Rogério Ceni é demitido do São Paulo». Placar. 3 de julho de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  57. «Ceni vira cabo eleitoral dos candidatos à presidência». Band. 24 de fevereiro de 2017. Consultado em 30 de março de 2022 
  58. Humberto Luiz Peron (3 de julho de 2017). «Ceni funcionou como escudo e cabo eleitoral, mas não como técnico». Blog Peron na Arquibancada. Consultado em 30 de março de 2022 
  59. Alexandre Lozetti e Marcelo Prado (8 de dezembro de 2016). «Rogério Ceni é apresentado técnico do São Paulo: "Em busca da glória"». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  60. Rodrigo Mattos (1 de julho de 2017). «São Paulo vende R$ 181 mi em jogador em 2017 para reformular elenco». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  61. «São Paulo arrecada R$ 188 milhões com vendas de jogadores e apresenta superávit em balanço de 2017». GloboEsporte.com. 27 de abril de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  62. Alexandre Lozetti e Martin Fernandez (18 de abril de 2017). «Leco vence Pimenta e é reeleito presidente do São Paulo até final de 2020». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  63. Alexandre Lozetti e Thaís Jorge (10 de novembro de 2017). «Rogério Ceni assina com o Fortaleza e é novo técnico para 2018». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  64. «Gustavo brilha, marca quatro vezes, e Fortaleza estreia no Cearense goleando Uniclinic». GloboEsporte.com. 17 de janeiro de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  65. «Ceará vence de novo e Fortaleza de Rogério Ceni fica com o vice». Gazeta Esportiva. 8 de abril de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  66. «Fortaleza vence Juventude, quebra jejum e 'fatura' 1.º turno da Série B». Estadão. 28 de julho de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  67. «Subiu! E com folga! Fortaleza bate Atlético-GO fora de casa e garante volta à Série A». GloboEsporte.com. 3 de novembro de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  68. «Fortaleza vence Avaí no fim, conquista Série B e dá primeiro título a Ceni». UOL. 10 de novembro de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  69. Beatriz Carvalho e Thaís Jorge (30 de novembro de 2018). «Campeão da Série B, Rogério Ceni renova contrato com Fortaleza para 2019». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  70. «Fortaleza volta a vencer o Ceará e é campeão estadual». Superesportes. 21 de abril de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  71. «Fortaleza é campeão da Copa do Nordeste e chega ao 3º título com Ceni». UOL. 29 de maio de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  72. Gabriel Pazini (11 de agosto de 2019). «Cruzeiro anuncia Rogério Ceni como novo treinador do clube». O TEMPO. Consultado em 30 de março de 2022 
  73. «Cruzeiro vence líder Santos, e Ceni estreia com "xeque-mate" em Sampaoli». UOL. 18 de agosto de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  74. «Isolado após conversa no vestiário do Castelão, Rogério Ceni tem futuro em xeque no Cruzeiro». GloboEsporte.com. 26 de setembro de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  75. «Rogério Ceni deixa o cargo de técnico do Cruzeiro após somente oito jogos». Terra. 26 de setembro de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  76. «Rogério Ceni não resiste à pressão e é demitido pelo Cruzeiro; clube já contacta possível substituto». GloboEsporte.com. 26 de setembro de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  77. Beatriz Carvalho e Thaís Jorge (29 de setembro de 2019). «Fortaleza anuncia retorno de Rogério Ceni». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  78. «Rogério Ceni completará 100 jogos no comando do Fortaleza contra o Grêmio, neste sábado». O POVO. 18 de outubro de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  79. Beatriz Carvalho e Davi César (29 de novembro de 2019). «Análise: Ceni e elenco vibrante dão ao Fortaleza ano memorável com títulos e permanência». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  80. Gustavo de Negreiros (1 de dezembro de 2019). «Fortaleza pode ser a primeira equipe cearense a jogar uma partida oficial fora do País». Diário do Nordeste. Consultado em 30 de março de 2022 
  81. Davi César e Thaís Jorge (14 de dezembro de 2019). «Rogério Ceni renova com o Fortaleza para 2020». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  82. «Fortaleza confirma saída de Ceni; técnico viaja para fechar com Fla». UOL. 9 de novembro de 2020. Consultado em 30 de março de 2022 
  83. «Flamengo oficializa contratação do técnico Rogério Ceni, ex-Fortaleza». GloboEsporte.com. 10 de novembro de 2020. Consultado em 30 de março de 2022 
  84. «Flamengo é campeão brasileiro mesmo após perder para o São Paulo no Morumbi». UOL. 25 de fevereiro de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  85. Rodolfo Rodrigues (25 de fevereiro de 2021). «Rogério Ceni é o 8º a conquistar o Brasileirão como jogador e técnico». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  86. Leo Burlá (4 de abril de 2021). «Arão "vira" zagueiro com Ceni, se firma como coringa e acirra briga no Fla». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  87. «Diego Ribas se destaca, e números comprovam eficiência de meia como volante no Flamengo». OneFootball. 1 de abril de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  88. «Titulares voltam e Flamengo vence Bangu com direito a golaço de Arrascaeta». UOL. 31 de março de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  89. «Rogério Ceni comemora dois títulos em cinco meses de Flamengo e mira era de ouro». Goal.com. 11 de abril de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  90. «Flamengo anuncia na madrugada a demissão de Rogério Ceni». GloboEsporte.com. 10 de julho de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  91. «Flamengo demite Rogério Ceni de madrugada». Placar. 10 de julho de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  92. «Rogério Ceni aceita proposta e será o novo técnico do São Paulo». GloboEsporte.com. 13 de outubro de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  93. Rubens Chiri (13 de outubro de 2021). «Rogério Ceni é o novo técnico do São Paulo». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  94. «São Paulo termina Brasileirão 2021 com série de recordes negativos». GloboEsporte.com. 11 de dezembro de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  95. Yago Rudá (27 de novembro de 2021). «São Paulo vence o Sport e chega à pontuação mágica para fugir da Série B». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  96. «Início de Paulistão do São Paulo é o pior desde 1960». Terra. 4 de fevereiro de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  97. «São Paulo leva virada do Bragantino e segue sem vitória no Paulistão». Placar. 3 de fevereiro de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  98. «Após derrota, Rogério Ceni é muito criticado nas redes sociais». TNT Sports. 3 de fevereiro de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  99. Marcelo Baseggio (9 de fevereiro de 2022). «Ceni admite possíveis atritos no CT: "Quando cheguei, não tinha água na piscina"». Gazeta Esportiva. Consultado em 30 de março de 2022 
  100. «Rogério Ceni agradece apoio da torcida do São Paulo». Terra. 10 de fevereiro de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  101. «São Paulo alcança seis jogos de invencibilidade antes de sequência de clássicos». UOL. 1 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  102. Rafael Marson (5 de março de 2022). «Tabu mantido! Calleri marca com menos de um minuto, e São Paulo derrota o Corinthians no Morumbi». LANCE!. Consultado em 30 de março de 2022 
  103. «Rogério Ceni estabelece recorde histórico no São Paulo em vitória contra o Corinthians; entenda». Jovem Pan. 7 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  104. «Mais um para a conta! Rogério Ceni tem retrospecto incrível em clássicos no retorno ao São Paulo». Terra. 6 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  105. «Com Ceni no banco, São Paulo tem 100% de aproveitamento e defesa intacta em clássicos». GloboEsporte.com. 7 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  106. Ricardo Magatti (30 de março de 2022). «No 1º jogo da final, São Paulo vence Palmeiras por 3 a 1 no Morumbi». Terra. Consultado em 5 de abril de 2022 
  107. «Palmeiras destrói vantagem do São Paulo, faz 4 a 0 e leva o Paulistão». R7. 3 de abril de 2022 
  108. José Edgar de Matos e Leonardo Lourenço (5 de abril de 2022). «Por que Rogério Ceni? Entenda como o técnico do São Paulo foi eleito o melhor do Paulistão». GloboEsporte.com 
  109. «Rogério Ceni bate recorde de Chilavert». Folha de Londrina. 1 de fevereiro de 2002. Consultado em 30 de março de 2022 
  110. «Rogério Ceni bate recorde de Chilavert». Record. 20 de agosto de 2006. Consultado em 30 de março de 2022 
  111. Carlos Augusto Ferrari (27 de outubro de 2014). «Após novo recorde, Rogério Ceni freia euforia sobre título: "É muito difícil"». GloboEsporte.com. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  112. «Com vitória sobre o Goiás, Rogério Ceni bate novo recorde mundial». Folha de S.Paulo. 27 de outubro de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  113. «São Paulo vence Goiás, e Rogério Ceni bate recorde de vitórias». O Globo. 27 de outubro de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  114. «São Paulo goleia o Vasco com dobradinhas de André Lima e Ceni». GloboEsporte.com. 3 de agosto de 2008. Consultado em 30 de março de 2022 
  115. Diego Salgado (19 de maio de 2020). «Ceni no São Paulo x Marcelinho no Corinthians: Quem fez mais gols de falta?». UOL. Consultado em 30 de março de 2022 
  116. André Avelar (25 de fevereiro de 2010). «Rogério Ceni marca, mas São Paulo perde na Copa Libertadores». Estadão. Consultado em 30 de março de 2022 
  117. Matheus Lara (27 de março de 2018). «São Paulo celebra sete anos do 100º gol de Ceni, marcado contra o Corinthians». Esporte Fera. Consultado em 30 de março de 2022 
  118. Marcio Porto (27 de março de 2016). «Centésimo gol de Rogério Ceni completa cinco anos: relembre!». LANCE!. Consultado em 30 de março de 2022 
  119. Marcelo Hazan (7 de junho de 2015). «Ceni vira 10º maior artilheiro, e Tricolor tem recorde de vitórias no Morumbi». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  120. «Único a vetar, Mário Sérgio assume erro: "bateria até escanteio"». Terra. 27 de março de 2011. Consultado em 30 de março de 2022 
  121. Michael Serra (2 de outubro de 2011). «O maior goleador do Morumbi». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  122. «Em festa de Ceni, São Paulo perde e se complica». UOL. 23 de julho de 2005. Consultado em 30 de março de 2022 
  123. «São Paulo goleia Paraná e ruma ao penta». GloboEsporte.com. 1 de setembro de 2007. Consultado em 30 de março de 2022 
  124. Juca Pacheco (30 de abril de 2008). «Rogério completa 800 jogos no São Paulo». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  125. Kaue Freitas (28 de outubro de 2010). «Rogério Ceni completa 700 jogos como capitão». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  126. Kaue Freitas (28 de abril de 2010). «"Todos têm goleiro, só nós temos Rogério Ceni"». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  127. «Rogério bate mais um recorde: relembre todos eles - SPFC». www.saopaulofc.net. Consultado em 21 de junho de 2019 
  128. Kaue Freitas (30 de outubro de 2011). «Fora contra o Vasco, Rogério Ceni consolida mais um recorde». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  129. «Ceni torna-se o jogador com mais atuações por um só clube no mundo». LANCE! 
  130. Kaue Freitas (22 de maio de 2011). «Rogério Ceni bate mais um recorde no São Paulo». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  131. Kaue Freitas (8 de junho de 2011). «Rogério Ceni: Centenário é com ele». Site oficial do São Paulo. Consultado em 30 de março de 2022 
  132. Carlos Augusto Ferrari (20 de abril de 2014). «Rogério Ceni recebe três certificados do Guinness: jogos, gols e capitão». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  133. «Rogério Ceni estabelece recorde histórico no São Paulo em vitória contra o Corinthians; entenda». Jovem Pan. 7 de março de 2022. Consultado em 30 de março de 2022 
  134. «Rogério Ceni confirma que tem filho fruto de relação extraconjugal». GloboEsporte.com. 22 de novembro de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  135. «Fã de rock, Ceni tem encontro com Roger Waters, fundador do Pink Floyd». GloboEsporte.com. 4 de abril de 2012. Consultado em 30 de março de 2022 
  136. «Rogério Ceni: Um M1TO». Tricolor na Web. Consultado em 22 de dezembro de 2014 
  137. «Rogério Ceni revela seus dois principais desejos após aposentadoria». UOL. 15 de abril de 2014. Consultado em 30 de março de 2022 
  138. a b c d e «Rogério Ceni (carreira)». Site oficial do São Paulo. Consultado em 14 de maio de 2015 
  139. [1]
  140. Beatriz Carvalho (22 de outubro de 2020). «Ceni conquista 4° título com Fortaleza e marca história: "Ganhamos na alma e no coração"». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  141. Cahê Mota (24 de abril de 2021). «Rogério Ceni diz que Taça Guanabara tem "significado especial" para o Flamengo». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  142. «Dagoberto e Gustagol na seleção de melhores da Série B do Brasileirão». Goal.com. 23 de novembro de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  143. «A seleção com os melhores da Série B 2018». OneFootball. 20 de novembro de 2018. Consultado em 30 de março de 2022 
  144. «A seleção da Copa do Nordeste de 2019, com 8 jogadores do Fortaleza, 2 do Botafogo e 1 do Bahia». Blog de Cassio Zirpoli. 4 de junho de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  145. Beatriz Carvalho (22 de abril de 2019). «Fortaleza é grande vencedor na noite, com Rogério Ceni técnico da seleção do Cearense». GloboEsporte.com. Consultado em 30 de março de 2022 
  146. «Tinga é eleito melhor do Cearense 2020 e "craque da galera"; confira vencedores do Troféu Verdes Mares». GloboEsporte.com. 30 de outubro de 2020. Consultado em 30 de março de 2022 
  147. «Noite das personalidades esportivas premia os destaques do ano de 2019». Secretaria do Esporte do Ceará. 10 de dezembro de 2019. Consultado em 30 de março de 2022 
  148. Roberto Wagner (26 de fevereiro de 2021). «Melhor técnico, Rogério Ceni faz história no Prêmio Bola de Prata». Metrópoles. Consultado em 30 de março de 2022 
  149. «Rogério Ceni e cinco jogadores do Flamengo são eleitos para 'Seleção da Galera' do Carioca 2021». LANCE!. 24 de maio de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  150. «Rogério Ceni e cinco jogadores do Flamengo são eleitos para 'Seleção da Galera' do Carioca 2021». Terra. 24 de maio de 2021. Consultado em 30 de março de 2022 
  151. «Paulistão: seleção tem cinco jogadores do Palmeiras e três do Bragantino». UOL. 4 de abril de 2022. Consultado em 5 de abril de 2022 
  152. Thaís Jorge (1 de setembro de 2020). «Rogério Ceni se torna cidadão honorário de Fortaleza». GloboEsporte.com. Consultado em 31 de março de 2022 

Ligações externasEditar

Precedido por
Pintado
Hernán Crespo
Treinador do São Paulo
2017
2021–
Sucedido por
Dorival Júnior
Precedido por
Antônio Carlos Zago
Zé Ricardo
Treinador do Fortaleza
2018–2019
2019–2020
Sucedido por
Zé Ricardo
Marcelo Chamusca
Precedido por
Mano Menezes
Treinador do Cruzeiro
2019
Sucedido por
Abel Braga
Precedido por
Domènec Torrent
Treinador do Flamengo
2020–2021
Sucedido por
Renato Gaúcho