Cristianismo

religião monoteísta, a maior do mundo, baseada na figura de Jesus de Nazaré
(Redirecionado de Igreja cristã)
 Nota: "O Caminho" redireciona para este artigo. Para o filme com Martin Sheen, veja The Way (filme).

Cristianismo (do grego Xριστός, "Christós", messias, ungido, do heb. משיח "Mashiach") é uma religião monoteísta abraâmica baseada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré. É a maior e mais difundida religião do mundo, com cerca de 2,4 bilhões* de seguidores, representando um terço da população global.[3][4] Estima-se que seus adeptos, conhecidos como cristãos, constituem a maioria da população em 157 países e territórios.[5] A maioria dos cristãos acredita que Jesus é o Filho de Deus, cuja vinda como o Messias foi profetizada na Bíblia hebraica (chamada de Antigo Testamento no cristianismo) e registrada no Novo Testamento.[6]

Cristianismo
Cristianismo
Cruz cristã
Cristianismo
Santo Sepulcro, em Jerusalém, sede dos dois locais mais sagrados do cristianismo: o Calvário, onde Jesus teria sido crucificado, e o túmulo onde ele teria sido sepultado e ressuscitado.
Divindade Deus no Cristianismo
Fundador(es) Jesus
Origem Século I, na Judeia, Império Romano
Ramificações cristianismo ocidental e cristianismo oriental
Tipo Monoteísta
Religiões relacionadas Abraâmicas
Número de adeptos 2,4 bilhões* de pessoas[1][2]
Membros Cristãos
Escrituras Bíblia
Lugares sagrados Jerusalém
Língua litúrgica Latim
Templos Igrejas
Clero Papa, bispo, padre, freira, pastor(a)
Cisma Judaísmo do Segundo Templo e judaísmo helenístico
Predominância geográfica América, Europa, África Subsaariana e Oceania
Mapa dos países com predominância de cristãos

O cristianismo permanece culturalmente diverso em seus ramos ocidental e oriental, bem como em suas doutrinas relativas à justificação e à natureza da salvação, eclesiologia, ordenação e cristologia. Os credos de várias denominações cristãs geralmente têm em comum Jesus como o Filho de Deus — o Logos encarnado — que ministrou, sofreu e morreu na cruz, mas ressuscitou dos mortos para a salvação da humanidade. Os quatro evangelhos canônicos de Mateus, Marcos, Lucas e João descrevem a vida e os ensinamentos de Jesus, com o Antigo Testamento como contexto do evangelho.

O cristianismo começou no século I como uma seita judaica com influência helenística, na província romana da Judéia. Os discípulos de Jesus espalharam sua fé pela região do Mediterrâneo oriental, apesar de serem significativamente persegudios. A inclusão dos gentios levou o cristianismo a se separar lentamente do judaísmo (século II). O imperador Constantino descriminalizou o cristianismo no Império Romano pelo Édito de Milão (313), convocando posteriormente o Concílio de Nicéia (325), onde o cristianismo primitivo foi consolidado no que se tornaria a igreja estatal do Império Romano (380). A Igreja do Oriente e a Ortodoxia Oriental dividiram-se por diferenças na cristologia (século V),[7] enquanto a Igreja Ortodoxa e a Igreja Católica se separaram no Cisma Oriente-Ocidente (1054). O protestantismo se dividiu da Igreja Católica em várias denominações na era da Reforma Protestante (século XVI). Após a Era dos Descobrimentos (séculos XV a XVII), o cristianismo se expandiu por todo o mundo por meio do trabalho missionário, comércio extensivo[8] e colonialismo. Essa religião um papel proeminente no desenvolvimento da civilização ocidental, particularmente na Europa desde a Antiguidade Tardia até a Idade Média.[9][10][11]

Os seis principais ramos cristãos são a Igreja Católica (1,3 bilhão), o Protestantismo (800 milhões),[nota 1] a Igreja Ortodoxa (220 milhões), as Igrejas Ortodoxas Orientais (60 milhões),[13][14] a Igreja do Oriente (0,6 milhões) e o Restauracionismo (35 milhões),[15] embora existam milhares de comunidades menores, apesar dos esforços em direção à unidade (ecumenismo).[16] Apesar de um declínio na adesão no Ocidente, o cristianismo continua sendo a religião dominante na região, com cerca de 70% dessa população se identificando como cristã.[17][18] O cristianismo está crescendo na África e na Ásia, os continentes mais populosos do mundo.[17] Os cristãos continuam sendo muito perseguidos em muitas regiões do mundo, particularmente no Oriente Médio, Norte da África, Leste Asiático e Sul da Ásia.[19][20]

Etimologia

Os primeiros cristãos judeus se referiam a si mesmos como 'O Caminho' (em grego koiné: τῆς ὁδοῦ, transl.: tês hodoû), provavelmente vindo de Isaías 40:3, "prepare o caminho do Senhor". De acordo com Atos 11:26, o termo "cristão" (Χρῑστῐᾱνός, Khrīstiānós), que significa "seguidores de Cristo" em referência aos discípulos de Jesus, foi usado pela primeira vez na cidade de Antioquia pelos habitantes não judeus de lá.[21] O uso registrado mais antigo do termo "cristianismo/cristianismo" (Χρῑστῐᾱνισμός, Khrīstiānismós) foi por Inácio de Antioquia por volta de 100 a.C.[22]

Crenças

Embora os cristãos em todo o mundo compartilhem convicções básicas, também existem várias diferenças de interpretações e opiniões sobre a Bíblia e as tradições sagradas nas quais o cristianismo se baseia.[23]

Credos

 Ver artigo principal: Confissão de fé
 
Um ícone cristão oriental representando o Imperador Constantino e os Padres do Primeiro Concílio de Nicéia (325) como detentores do credo niceno-constantinopolitano de 381

Declarações doutrinárias concisas ou confissões de crenças religiosas são conhecidas como credos. Eles começaram como fórmulas batismais e foram posteriormente expandidos durante as controvérsias cristológicas dos séculos IV e V para se tornarem declarações de fé. "Jesus é o Senhor" é o credo mais antigo do cristianismo e continua a ser usado, como no Conselho Mundial de Igrejas.[24]

O Credo dos Apóstolos é a declaração mais amplamente aceita dos artigos da fé cristã. É usado por várias denominações cristãs para fins litúrgicos e catequéticos, mais visivelmente por igrejas litúrgicas da tradição cristã ocidental, incluindo a Igreja Latina da Igreja Católica, Luteranismo, Anglicanismo e Ortodoxia de Rito Ocidental. Também é usado por presbiterianos, metodistas e congregacionais.[25][26]

Este credo particular foi desenvolvido entre os séculos II e IX. Suas doutrinas centrais são as da Trindade e de Deus o Criador. Cada uma das doutrinas encontradas neste credo pode ser atribuída a declarações correntes no período apostólico. O credo foi aparentemente usado como um resumo da doutrina cristã para candidatos ao batismo nas igrejas de Roma.[27] Seus pontos incluem:

O Credo Niceno foi formulado, em grande parte em resposta ao arianismo, nos concílios de Nicéia e Constantinopla em 325 e 381, respectivamente,[28][29] e ratificado como o credo universal da cristandade pelo Primeiro Concílio de Éfeso em 431.[30]

O Credo de Calcedônia, desenvolvido no Concílio de Calcedônia em 451,[31] embora rejeitado pelos ortodoxos orientais,[32] ensinou Cristo "a ser reconhecido em duas naturezas, inconfundivelmente, imutavelmente, indivisivelmente, inseparavelmente": uma divina e uma humana, e que ambas as naturezas, embora perfeitas em si mesmas, também estão perfeitamente unidas em uma pessoa.[33]

O Credo Atanásio, recebido na Igreja Ocidental como tendo o mesmo estatuto do Nicênico e Calcedônio, diz: "Adoramos um Deus em Trindade e Trindade em Unidade; sem confundir as Pessoas nem dividir a Substância".[34]

A maioria dos cristãos (católicos, ortodoxos orientais, ortodoxos orientais e protestantes) aceita o uso de credos e subscreve pelo menos um dos credos mencionados acima.[35]

Certos protestantes evangélicos, embora não todos, rejeitam os credos como declarações definitivas de fé, mesmo concordando com parte ou com a totalidade da substância deles. Por exemplo, a maioria dos batistas não usa credos "na medida em que não buscaram estabelecer confissões de fé obrigatórias uns nos outros".[36] Entre outros grupos que também rejeitam credos estão grupos com raízes no restauracionismo, como a Igreja Cristã (Discípulos de Cristo) e as Igrejas de Cristo.[37][38][39]

Jesus

 Ver artigos principais: Jesus e Cristo
 
As várias representações de Jesus

O princípio central do cristianismo é a crença em Jesus como o Filho de Deus e o Messias (Cristo).[40] Os cristãos acreditam que Jesus, como o Messias, foi ungido por Deus como salvador da humanidade e sustentam que a vinda de Jesus foi o cumprimento das profecias messiânicas do Antigo Testamento. O conceito cristão de messias difere significativamente do conceito judaico contemporâneo. A crença cristã central é que, por meio da crença e aceitação da morte e ressurreição de Jesus, os humanos pecadores podem se reconciliar com Deus e, assim, receber a salvação e a promessa da vida eterna.[41]

Embora tenha havido muitas disputas teológicas sobre a natureza de Jesus ao longo dos primeiros séculos da história cristã, geralmente os cristãos acreditam que Jesus é Deus encarnado e "verdadeiro Deus e verdadeiro homem" (ou totalmente divino e totalmente humano). Jesus, ao tornar-se plenamente humano, sofreu as dores e as tentações de um homem mortal, mas não pecou. Como totalmente Deus, ele ressuscitou. De acordo com o Novo Testamento, ele ressuscitou dos mortos, ascendeu ao céu, está sentado à direita do Pai[42] e finalmente retornará.[43]

De acordo com os evangelhos canônicos de Mateus e Lucas, Jesus foi concebido pelo Espírito Santo e nasceu da Virgem Maria. Pouco da infância de Jesus está registrada nos evangelhos canônicos.[44]

Morte e ressurreição

 
Crucificação, representando a morte de Jesus na Cruz, pintura de Diego Velázquez, c. 1632

Os cristãos consideram a ressurreição de Jesus a pedra angular de sua fé (ver 1 Coríntios 15) e o evento mais importante da história.[45] Entre as crenças cristãs, a morte e a ressurreição de Jesus são dois eventos centrais nos quais se baseia grande parte da doutrina e da teologia cristãs.[46] De acordo com o Novo Testamento, Jesus foi crucificado, morreu fisicamente, foi sepultado em uma tumba e ressuscitou dos mortos três dias depois.

O Novo Testamento menciona várias aparições pós-ressurreição de Jesus em diferentes ocasiões para seus doze apóstolos e discípulos, incluindo "mais de quinhentos irmãos de uma vez",[47] antes da ascensão de Jesus ao céu. A morte e ressurreição de Jesus são comemoradas pelos cristãos em todos os cultos, com destaque especial durante a Semana Santa, que inclui a Sexta-feira Santa e o Domingo de Páscoa. A morte e ressurreição de Jesus são geralmente consideradas os eventos mais importantes na teologia cristã, em parte porque demonstram que Jesus tem poder sobre a vida e a morte e, portanto, tem autoridade e poder para dar vida eterna às pessoas. As igrejas cristãs aceitam e ensinam o relato do Novo Testamento sobre a ressurreição de Jesus, com pouquíssimas exceções. Alguns estudiosos modernos usam a crença cristãs na ressurreição como ponto de partida para estabelecer a continuidade do Jesus histórico e a proclamação da igreja primitiva.[48] Alguns cristãos liberais não aceitam uma ressurreição corporal literal,[49] vendo a história como um mito ricamente simbólico e espiritualmente nutritivo. Discussões sobre reivindicações de morte e ressurreição ocorrem em muitos debates religiosos e diálogos inter-religiosos.[50] O apóstolo Paulo, um cristão convertido e missionário, escreveu: "Se Cristo não ressuscitou, toda a nossa pregação é inútil e sua confiança em Deus é inútil".[51][52]

Salvação

 Ver artigo principal: Salvação

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna".

— João 3:16, NVI[53]

O apóstolo Paulo, como os judeus e pagãos romanos de seu tempo, acreditava que o sacrifício pode trazer novos laços de parentesco, pureza e vida eterna.[54] Para Paulo, o sacrifício necessário era a morte de Jesus: os gentios que são "de Cristo" são, como Israel, descendentes de Abraão e "herdeiros segundo a promessa".[55][56] O Deus que ressuscitou Jesus dentre os mortos também dá nova vida aos "corpos mortais" dos cristãos gentios, que se tornaram com Israel, os "filhos de Deus" e, portanto, não estavam mais "na carne".[57][54]

 
A Lei e o Evangelho de Lucas Cranach, o Velho (1529); Moisés e Elias apontam o pecador a Jesus para a salvação.

As igrejas cristãs modernas tendem a se preocupar muito mais em como a humanidade pode ser salva de uma condição universal de pecado e morte do que na questão de como judeus e gentios podem fazer parte da família de Deus. De acordo com a teologia ortodoxa oriental, com base em sua compreensão da expiação apresentada pela teoria da recapitulação de Irineu, a morte de Jesus é um resgate. Isso restaura a relação com Deus, que é amoroso e se aproxima da humanidade, e oferece a possibilidade de theosis e divinização, tornando-se o tipo de homem que Deus quer que a humanidade seja. Segundo a doutrina católica, a morte de Jesus satisfaz a ira de Deus, suscitada pela ofensa à honra de Deus causada pela pecaminosidade humana. A Igreja Católica ensina que a salvação não ocorre sem a fidelidade dos cristãos; os convertidos devem viver de acordo com os princípios do amor e normalmente devem ser batizados. Na teologia protestante, a morte de Jesus é considerada como uma pena substitutiva carregada por Jesus, pela dívida que deve ser paga pela humanidade quando ela quebrou a lei moral de Deus.[58]

Os cristãos diferem em seus pontos de vista sobre até que ponto a salvação dos indivíduos é pré-ordenada por Deus. A teologia reformada coloca ênfase distinta na graça ao ensinar que os indivíduos são completamente incapazes de autorredenção, mas que a graça santificadora é irresistível.[59][60] Em contraste, católicos, cristãos ortodoxos e protestantes arminianos acreditam que o exercício do livre arbítrio é necessário para ter fé em Jesus.[61]

Trindade

 Ver artigo principal: Trindade (cristianismo)
 
A Trindade é a crença de que Deus é um Deus em três pessoas: o Pai, o Filho (Jesus) e o Espírito Santo. Na imagem, o Escudo da Trindade.

Trindade refere-se ao ensino de que o único Deus compreende três pessoas distintas e eternamente coexistentes: o Pai, o Filho (encarnado em Jesus Cristo) e o Espírito Santo. Juntas, essas três pessoas às vezes são chamadas de Divindade,[62][63][64] embora não haja um único termo usado nas Escrituras para denotar a Divindade unificada.[65] Nas palavras do Credo Atanasiano, uma declaração inicial da crença cristã, "o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus, e ainda não há três Deuses, mas um só Deus".[66] Eles são distintos um do outro: o Pai não tem fonte, o Filho é gerado pelo Pai e o Espírito procede do Pai. Embora distintas, as três pessoas não podem ser separadas uma da outra. Embora alguns cristãos também acreditem que Deus apareceu como o Pai no Antigo Testamento, concorda-se que ele apareceu como o Filho no Novo Testamento e continuará a se manifestar como o Espírito Santo no presente. Mas, ainda assim, Deus ainda existia como três pessoas em cada uma dessas épocas.[67] No entanto, tradicionalmente existe a crença de que foi o Filho que apareceu no Antigo Testamento.[68]

A Trindade é uma doutrina essencial do cristianismo tradicional. Desde antes dos tempos do Credo Niceno (325), o cristianismo defendia a natureza misterioza da Trindade de Deus como uma profissão de fé normativa. De acordo com Roger E. Olson e Christopher Hall, por meio da oração, meditação, estudo e prática, a comunidade cristã concluiu "que Deus deve existir tanto como uma unidade quanto como uma trindade", codificando isso no concílio ecumênico no final do século IV.[69][70]

Segundo esta doutrina, Deus não está dividido no sentido de que cada pessoa tem um terço do todo; em vez disso, cada pessoa é considerada totalmente Deus (ver pericorese). A distinção reside em suas relações, sendo o Pai não gerado; o Filho sendo gerado do Pai; e o Espírito Santo procedendo do Pai e (na teologia cristã ocidental) do Filho. Independentemente dessa aparente diferença, as três "pessoas" são eternas e onipotentes. Outras religiões cristãs, incluindo o universalismo unitário, as testemunhas de Jeová e o mormonismo, não compartilham dessas opiniões sobre a Trindade.

A palavra grega trias[71] é vista pela primeira vez neste sentido nas obras de Teófilo de Antioquia; seu texto diz: "da Trindade, de Deus, e de Sua Palavra, e de Sua Sabedoria".[72] O termo pode ter sido usado antes dessa época; seu equivalente latino, trinitas, aparece depois com uma referência explícita ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, na obra de Tertuliano.[73][74] No século seguinte, a palavra era de uso geral, sendo também encontrada em muitas passagens de Orígenes.[75]

Trinitarismo

 Ver artigo principal: Trinitarismo
 
O Crucifixo, pintura de Giotto, c. 1304

O termo trinitarismo denota os cristãos que acreditam no conceito da Trindade. Quase todas as denominações e igrejas cristãs possuem crenças trinitárias. Embora as palavras "Trindade" e "Triúne" não apareçam na Bíblia, a partir do século III os teólogos desenvolveram o termo e o conceito para facilitar a apreensão dos ensinamentos do Novo Testamento de Deus como sendo Pai, Filho e Espírito Santo. Desde aquela época, os teólogos cristãos tiveram o cuidado de enfatizar que a Trindade não implica que existam três deuses (a heresia antitrinitária do triteísmo), nem que cada hipóstase da Trindade seja um terço de um Deus infinito (parcialismo), nem que o Filho e o Espírito Santo são seres criados e subordinados ao Pai (arianismo). Em vez disso, a Trindade é definida como um Deus em três pessoas.[76][77]

Antitrinitarismo

 Ver artigo principal: Antitrinitarismo

O termo antitrinitarismo refere-se à teologia que rejeita a doutrina da Trindade. Várias visões não trinitárias, como o adocionismo ou o modalismo, existiam no cristianismo primitivo, levando às disputas sobre a cristologia.[78] O antitrinitarismo reapareceu no gnosticismo dos cátaros entre os séculos XI e XIII, entre grupos com teologia unitária na Reforma Protestante do século XVI,[79] no Iluminismo do século XVIII, entre grupos restauracionistas surgidos durante o Segundo Grande Despertar do século XIX e, mais recentemente, nas igrejas Pentecostais do Nome de Jesus.

Escatologia

 Ver artigo principal: Escatologia cristã

O fim das coisas, seja o fim de uma vida individual, o fim dos tempos ou o fim do mundo, em termos gerais, é a escatologia cristã; o estudo do destino dos humanos conforme revelado na Bíblia. As principais questões da escatologia cristã são a Grande Tribulação, a morte e a vida após a morte (principalmente para grupos evangélicos), o milenarismo e o arrebatamento seguinte, a Segunda Vinda de Jesus, a Ressurreição dos Mortos, o Céu (para ramos litúrgicos), o Purgatório e o Inferno, o Juízo Final, o fim do mundo e os Novos Céus e Nova Terra. Os cristãos acreditam que a segunda vinda de Cristo ocorrerá no fim dos tempos, após um período de severa perseguição (a Grande Tribulação). Todos os que morreram serão ressuscitados fisicamente dentre os mortos para o Juízo Final. Jesus estabelecerá plenamente o Reino de Deus em cumprimento das profecias das escrituras.[80][81]

Morte e vida após a morte

 
Cemitério com crucifixos em túmulos de soldados estadunidenses mortos durante a Segunda Guerra Mundial em Colleville-sur-Mer, na França

A maioria dos cristãos acredita que os seres humanos experimentam o julgamento divino e são recompensados com a vida eterna ou com a condenação eterna. Isso inclui o julgamento geral na ressurreição dos mortos, bem como a crença (mantida por católicos,[82][83] ortodoxos[84][85] e a maioria dos protestantes) em um julgamento particular para a alma individual após a morte física.

No ramo católico do cristianismo, aqueles que morrem em 'estado de graça', ou seja, sem nenhum pecado mortal que os separe de Deus, mas ainda imperfeitamente purificados dos efeitos do pecado, passam pela purificação completa através do estado intermediário do purgatório para alcançar a santidade necessária para estar na presença de Deus.[86] Aqueles que atingirem esse objetivo são chamados de santos (latim sanctus, "santo").[87]

Alguns grupos cristãos, como os adventistas do sétimo dia, defendem o mortalismo, a crença de que a alma humana não é naturalmente imortal e fica inconsciente durante o estado intermediário entre a morte corporal e a ressurreição. Esses cristãos também defendem o aniquilacionismo, a crença de que, após o julgamento final, os ímpios deixarão de existir em vez de sofrer o tormento eterno. As Testemunhas de Jeová têm um ponto de vista semelhante.[88]

Práticas

 Ver artigos principais: Culto cristão, Serviço (igreja) e Missa
 
Missa da meia-noite da véspera de Natal em uma igreja paroquial católica em Nova York, Estados Unidos
 
As mulheres anabatistas da Velha Ordem e anabatistas conservadoras, por modéstia, usam vestidos de capa e coberturas na cabeça, o último dos quais é ensinado como uma ordenança da igreja.[89]

Dependendo da denominação específica do cristianismo, as práticas podem incluir o batismo, a Eucaristia (a Santa Ceia ou a Ceia do Senhor), a oração (incluindo a Oração do Senhor), a confissão, a crisma, os ritos funerários, os ritos do casamento e a educação religiosa das crianças. A maioria das denominações tem clérigos ordenados que conduzem cultos comunitários regulares.[90]

Os ritos, rituais e cerimônias cristãs não são celebrados em uma única língua sagrada. Muitas igrejas cristãs ritualísticas fazem distinção entre linguagem sagrada, linguagem litúrgica e linguagem vernacular. As três línguas importantes no início da era cristã eram: latim, grego e siríaco.[91][92]

Culto comunitário

Os cultos normalmente seguem um padrão ou forma conhecida como liturgia.[nota 2] Justino Mártir descreveu a liturgia cristã do século II em sua Primeira Apologia (c. 150) ao imperador Antonino Pio, e sua descrição permanece relevante para a estrutura básica do culto litúrgico cristão:

E no dia chamado domingo, todos os que vivem nas cidades ou nos campos se reúnem em um lugar, e as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas são lidos, enquanto o tempo permite; então, quando o leitor cessou, o presidente instrui verbalmente e exorta à imitação dessas boas coisas. Então todos nos levantamos juntos e oramos e, como dissemos antes, quando nossa oração termina, pão, vinho e água são trazidos, e o presidente da mesma maneira oferece orações e ações de graças, de acordo com sua capacidade, e o povo concorda. dizendo Amém; e há uma distribuição para cada um, e uma participação daquilo que foi dado graças, e para aqueles que estão ausentes, uma porção é enviada pelos diáconos. E aqueles que são bons e dispostos, dão o que cada um acha adequado; e o que é recolhido é depositado com o presidente, que socorre os órfãos e as viúvas e aqueles que, por doença ou qualquer outra causa, estão em necessidade, e aqueles que estão em cativeiro e os estrangeiros que peregrinam entre nós, e em uma palavra cuida de todos os que precisam.[94]

Assim, como Justino descreveu, os cristãos se reúnem para o culto comunitário normalmente no domingo, o dia da ressurreição, embora outras práticas litúrgicas geralmente ocorram fora desse cenário. As leituras das Escrituras são extraídas do Antigo e do Novo Testamento, mas especialmente dos evangelhos.[95] A instrução é dada com base nessas leituras, na forma de um sermão ou homilia. Há uma variedade de orações congregacionais, incluindo ação de graças, confissão e intercessão, que ocorrem durante todo o serviço e assumem uma variedade de formas, incluindo recitadas, responsivas, silenciosas ou cantadas.[90] Salmos, hinos, canções de adoração e outras músicas da igreja podem ser cantadas.[96][97] Os serviços podem ser variados para eventos especiais, como dias de festa importantes.[98]

Quase todas as formas de culto incorporam a Eucaristia, que consiste em uma refeição. É reencenado de acordo com a instrução de Jesus na Última Ceia que seus seguidores fazem em memória dele, como quando ele deu pão aos seus discípulos, dizendo: "Este é o meu corpo", e deu-lhes vinho dizendo: "Este é o meu sangue".[99] Na igreja primitiva, os cristãos e aqueles que ainda não completavam a iniciação se separavam para a parte eucarística do serviço religioso.[100] Algumas denominações, como as igrejas luteranas confessionais, continuam a praticar a 'comunhão fechada'.[101] Eles oferecem a comunhão àqueles que já estão unidos naquela denominação ou, às vezes, em uma igreja individual. Os católicos restringem ainda mais a participação a seus membros que não estejam em estado de pecado mortal. Muitas outras igrejas, como Comunhão Anglicana e a Igreja Metodista Unida, praticam a 'comunhão aberta', uma vez que veem a comunhão como um meio para a unidade, e não como um fim, e convidam todos os cristãos crentes a participar.[102][103]

Sacramentos ou ordenanças

Descrição da Eucaristia (século II)

E esta comida é chamada entre nós Eukharistia [a Eucaristia], da qual ninguém pode participar, exceto o homem que acredita que as coisas que ensinamos são verdadeiras e que foi lavado com a lavagem que é para a remissão dos pecados e para a regeneração, e que está vivendo como Cristo ordenou. Pois não os recebemos como pão comum e bebida comum; mas assim como Jesus Cristo, nosso Salvador, tendo sido feito carne pela Palavra de Deus, teve carne e sangue para nossa salvação, assim também fomos ensinados que a comida que é abençoada pela oração de Sua palavra e de da qual nosso sangue e nossa carne por transmutação são nutridos, é a carne e o sangue daquele Jesus que se fez carne.

Justino[94]

 Ver artigos principais: Sacramento e Ordenança (cristianismo)

A definição funcional mais convencional de um sacramento é que ele é um sinal externo, instituído por Cristo, que transmite uma graça interior e espiritual por meio de Cristo. Os dois sacramentos mais amplamente aceitos são o batismo e a eucaristia; no entanto, a maioria dos cristãos também reconhece cinco sacramentos adicionais: crisma, ordenação, penitência, unção dos enfermos e matrimônio.[104]

Juntos, esses são os Sete Sacramentos reconhecidos pelas igrejas na tradição da Alta Igreja — notavelmente católicos, cristãos orientais, ortodoxos orientais, católicos independentes, católicos antigos, muitos anglicanos e alguns luteranos. A maioria das outras denominações e tradições normalmente afirmam apenas o batismo e a eucaristia como sacramentos, enquanto alguns grupos protestantes, como os quakers, rejeitam a teologia sacramental.[104] Certas denominações do cristianismo, como os anabatistas, usam o termo "ordenanças" para se referir a ritos instituídos por Jesus para os cristãos observarem.[105] Sete ordenanças foram ensinadas em muitas igrejas anabatistas menonitas conservadoras, que incluem "batismo, comunhão, lava-pés, casamento, unção com óleo, beijo sagrado e oração".[106]

Além disso, a Igreja do Oriente tem dois sacramentos adicionais no lugar dos sacramentos tradicionais do matrimônio e da unção dos enfermos. Estes incluem o fermento sagrado (Melka) e o sinal da cruz.[107]

Calendário litúrgico

 Ver artigo principal: Ano litúrgico

Católicos, cristãos orientais, luteranos, anglicanos e outras comunidades protestantes tradicionais enquadram o culto em torno do ano litúrgico.[108] O ciclo litúrgico divide o ano em uma série de estações, cada uma com suas ênfases teológicas e modos de oração, que podem ser significados por diferentes formas de decoração das igrejas, cores de paramentos e paramentos para o clero,[109] leituras bíblicas, temas para pregação e até tradições e práticas diferentes, muitas vezes observadas pessoalmente ou em casa.

Os calendários litúrgicos cristãos ocidentais são baseados no ciclo do rito romano da Igreja Católica[109] e os cristãos orientais usam calendários análogos baseados no ciclo de seus respectivos ritos. Os calendários reservam dias santos, como solenidades que comemoram um evento na vida de Jesus, Maria ou dos santos, e períodos de jejum, como quaresma e outros eventos piedosos ou festas menores comemorando santos. Grupos cristãos que não seguem uma tradição litúrgica costumam manter certas celebrações, como Natal, Páscoa e Pentecostes: são as celebrações do nascimento de Cristo, ressurreição e descida do Espírito Santo sobre a Igreja, respectivamente. Algumas denominações, como os quakers, não fazem uso de um calendário litúrgico.[110]

Símbolos

 Ver artigos principais: Cruz cristã, Chi Rho e Ichthys
 
Um antigo símbolo circular de ichthys, criado pela combinação das letras gregas ΙΧΘΥΣ em uma roda em Éfeso, Ásia Menor
 
Objetos religiosos cristãos: uma Bíblia, um crucifixo e um rosário

A maioria das denominações cristãs geralmente não pratica o aniconismo,[111] a evitação ou proibição de imagens devocionais, mesmo que os primeiros cristãos judeus, invocando a proibição da idolatria no Decálogo, evitassem figuras em seus símbolos.[112]

A cruz, hoje um dos símbolos mais amplamente reconhecidos, foi usada pelos cristãos desde os primeiros tempos.[113][nota 3] Tertuliano, em seu livro De Corona, conta como já era tradição os cristãos traçarem o sinal da cruz na testa.[115] Embora a cruz fosse conhecida pelos primeiros cristãos, o crucifixo não apareceu em uso até o século V.[116]

Entre os primeiros símbolos cristãos, o do peixe ou ichthys parece ter ficado em primeiro lugar em importância, como visto em fontes monumentais como túmulos das primeiras décadas do século II. Sua popularidade aparentemente surgiu da palavra grega ichthys (peixe) formando um acróstico para a frase grega Iesous Christos Theou Yios Soter (Ἰησοῦς Χριστός, Θεοῦ Υἱός, Σωτήρ), (Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador), um resumo conciso da fé cristã.[117]

Outros símbolos cristãos importantes incluem o monograma chi-rho, a pomba e o ramo de oliveira (símbolo do Espírito Santo), o cordeiro sacrificial (representando o sacrifício de Cristo), a videira (simbolizando a conexão do cristão com Cristo) e muitos outros. Todos estes derivam de passagens do Novo Testamento.[116]

Batismo

 Ver artigo principal: Batismo
 
Batismo infantil por efusão em uma Igreja Católica na Venezuela
 
Batismo do crente adulto por imersão, Northolt Park Baptist Church, na Grande Londres, União Batista da Grã-Bretanha

O batismo é o ato ritual, com uso de água, pelo qual uma pessoa é admitida como membro da Igreja. As crenças sobre o batismo variam entre as denominações. As diferenças ocorrem em primeiro lugar sobre se o ato tem algum significado espiritual. Algumas, como as igrejas católica e ortodoxa, bem como luteranas e anglicanas, defendem a doutrina da regeneração batismal, que afirma que o batismo cria ou fortalece a fé de uma pessoa e está intimamente ligado à salvação. Os batistas e as Assembleias dos Irmãos veem o batismo como um ato puramente simbólico, uma declaração pública externa da mudança interior que ocorreu na pessoa, mas não como espiritualmente eficaz. Em segundo lugar, existem diferenças de opinião sobre a metodologia (ou modo) do ato. Esses modos são: por imersão; se a imersão for total, por submersão; por afusão (derramamento); e por aspersão. Aqueles que sustentam a primeira opinião também podem aderir à tradição do batismo infantil;[118][119] todas as Igrejas Ortodoxas praticam o batismo infantil e sempre batizam por imersão total repetida três vezes em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.[120][121] A Igreja Luterana e a Igreja Católica também praticam o batismo infantil,[122] geralmente por afusão e utilizando a fórmula trinitária. Os cristãos anabatistas praticam o batismo do crente, no qual um adulto escolhe receber a ordenança após tomar a decisão de seguir a Jesus.[123] As denominações anabatistas, como os menonitas, amish e huteritas, usam o derramamento como modo de administrar o batismo do crente, enquanto os anabatistas das tradições dos dunkers e dos irmãos do rio batizam por imersão.[124][125][126][127]

Oração

"... ‘Pai nosso que estais nos céus, santificado seja o vosso nome. Venha o seu reino. Seja feita a tua vontade assim na terra como no céu. Dá-nos hoje o pão nosso de cada dia. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal'".

Oração do Senhor, Mateus 6:9–13[128]

No Evangelho de São Mateus, Jesus ensinou a Oração do Senhor, que foi considerada um modelo para a oração cristã.[129] A liminar para os cristãos rezarem o Pai Nosso três vezes ao dia foi dada na Didache e passou a ser recitada pelos cristãos às 9h, 12h e 15h.[130][131]

Na Tradição Apostólica do século II, Hipólito de Roma instruiu os cristãos a orar em sete horários fixos de oração: "ao levantar, ao entardecer, ao deitar, à meia-noite" e "na terceira, sexta e nona horas do dia, sendo horas associadas à Paixão de Cristo".[132] Posições de oração, incluindo ajoelhar-se, ficar de pé e prostrar-se têm sido usadas para esses sete tempos fixos de oração desde os dias da Igreja primitiva.[133] Breviários são usados pelos cristãos ortodoxos orientais para rezar essas horas canônicas enquanto se voltam para a direção leste da oração.[134][135]

A Tradição Apostólica determina que o sinal da cruz seja usado pelos cristãos durante exorcismos menores de batismos, durante as abluções antes de rezar em horários fixos de oração e em momentos de tentação.[136]

A oração de intercessão é a oração oferecida em benefício de outras pessoas. Existem muitas orações de intercessão registradas na Bíblia, incluindo orações do apóstolo Pedro em favor de pessoas enfermas e de profetas do Antigo Testamento em favor de outras pessoas. Na Epístola de Tiago, nenhuma distinção é feita entre a oração de intercessão oferecida pelos crentes comuns e o proeminente profeta do Antigo Testamento, Elias. A eficácia da oração no cristianismo deriva do poder de Deus e não do estatuto daquele que ora.[137]

A igreja antiga, tanto no cristianismo oriental quanto no ocidental, desenvolveu uma tradição de pedir a intercessão dos santos (falecidos), e esta continua sendo a prática da maioria das igrejas ortodoxas orientais, ortodoxas orientais, católicas e algumas igrejas luteranas e anglicanas.[138] Além de certos setores dentro das duas últimas denominações, outras Igrejas da Reforma Protestante, no entanto, rejeitaram a oração aos santos, em grande parte com base na única mediação de Cristo.[139] O reformador Huldrych Zwingli admitiu que havia oferecido orações aos santos até que sua leitura da Bíblia o convenceu de que isso era idolatria.[140]

Segundo o Catecismo da Igreja Católica: "A oração é a elevação da mente e do coração a Deus ou o pedido de coisas boas a Deus". O Livro de Oração Comum na tradição anglicana é um guia que fornece uma ordem definida para os serviços, contendo orações definidas, leituras das escrituras e hinos ou salmos cantados.[141]

Escrituras

 Ver artigos principais: Bíblia e Cânone bíblico
 
A Bíblia é o livro sagrado do cristianismo

O cristianismo, como outras religiões, tem adeptos cujas crenças e interpretações bíblicas variam. O cristianismo considera o cânone bíblico, o Antigo Testamento e o Novo Testamento, como a palavra inspirada de Deus. A visão tradicional da inspiração é que Deus trabalhou por meio de autores humanos para que o que eles produzissem fosse o que Deus desejava comunicar. A palavra grega que se refere à inspiração em 2 Timóteo 3:16 é theopneustos, que significa literalmente "inspirado por Deus".[142]

Alguns acreditam que a inspiração divina torna as Bíblias atuais inerrantes. Outros alegam inerrância para a Bíblia em seus manuscritos originais, embora nenhum deles exista. Outros ainda sustentam que apenas uma tradução específica é inerrante, como a Bíblia do Rei Jaime.[143][144][145]

O cânone do Antigo Testamento aceito pelas igrejas protestantes, que é apenas o Tanaque (o cânone da Bíblia hebraica), é mais curto do que o aceito pelas igrejas ortodoxa e católica, que também incluem os livros deuterocanônicos que aparecem na Septuaginta, sendo o cânone da Igreja Ortodoxa um pouco maior que o católico;[7] os protestantes consideram o último como documentos históricos apócrifos importantes que ajudam a informar a compreensão das palavras, gramática e sintaxe usadas no período histórico de sua concepção. Algumas versões da Bíblia incluem uma seção apócrifa separada entre o Antigo Testamento e o Novo Testamento.[146]

Algumas denominações têm escrituras sagradas canônicas adicionais além da Bíblia, incluindo as obras padrão do movimento dos Santos dos Últimos Dias e o Princípio Divino na Igreja da Unificação.[147]

História

 Ver artigo principal: História do cristianismo

Cristianismo primitivo

 Ver artigo principal: Cristianismo primitivo
 
Jesus como o Bom Pastor em pintura do século III nas Catacumbas de Roma

Era apostólica

 Ver artigo principal: Cristianismo judaico

O cristianismo se desenvolveu durante o século I como uma seita cristã judaica com influência helenística[148] do judaísmo do Segundo Templo.[149][150] Uma comunidade cristã judaica primitiva foi fundada em Jerusalém sob a liderança dos Pilares da Igreja, ou seja, Tiago, o Justo, irmão de Jesus, Pedro e João.[151]

O cristianismo judaico logo atraiu gentios tementes a Deus, criando um problema para sua perspectiva religiosa judaica, que insistia na observância rigorosa dos mandamentos judaicos. O apóstolo Paulo resolveu isso insistindo que a salvação pela fé em Cristo e a participação em sua morte e ressurreição pelo batismo eram suficientes.[152] A princípio ele perseguiu os primeiros cristãos, mas depois de uma experiência de conversão, ele pregou aos gentios e é considerado como tendo tido um efeito formativo na emergente identidade cristã separada do judaísmo. Eventualmente, sua saída dos costumes judaicos resultaria no estabelecimento do cristianismo como uma religião independente.[153][154][155]

Período pré-niceno

 
Um fólio do Papiro 46, uma coleção de epístolas paulinas do início do século III

Este período formativo foi seguido pelos primeiros bispos, que os cristãos consideram os sucessores dos apóstolos de Cristo. A partir do ano 150, os mestres cristãos começaram a produzir obras teológicas e apologéticas voltadas para a defesa da fé. Esses autores são conhecidos como os Pais da Igreja[156] e o estudo deles é chamado patrística.[157] Os primeiros pais notáveis incluem Inácio de Antioquia, Policarpo, Justino Mártir, Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria e Orígenes.[158]

A perseguição aos cristãos ocorreu de forma intermitente e em pequena escala pelas autoridades judaicas e romanas, com a ação romana começando na época do Grande Incêndio de Roma no ani 64. Exemplos de primeiras execuções sob autoridade judaica relatadas no Novo Testamento incluem as mortes de Santo Estêvão e Santiago Maior. A perseguição deciana foi o primeiro conflito em todo o império,[159][160] quando o édito de Décio no ano 250 exigia que todos no Império Romano (exceto os judeus) realizassem um sacrifício aos deuses romanos. A perseguição diocleciana que começou no ano 303 também foi particularmente severa. A perseguição romana aos cristãos terminou em 313 com o Édito de Milão.[161]

Enquanto o cristianismo proto-ortodoxo estava se tornando dominante, também existiam seitas heterodoxas ao mesmo tempo, que mantinham crenças radicalmente diferentes. O cristianismo gnóstico desenvolveu uma doutrina duoteísta baseada na ilusão e na iluminação, em vez do perdão dos pecados. Com apenas algumas escrituras se sobrepondo ao cânone ortodoxo em desenvolvimento, a maioria dos textos e evangelhos gnósticos foram eventualmente considerados heréticos e suprimidos pelos cristãos tradicionais. Uma divisão gradual do cristianismo gentio deixou os cristãos judeus continuando a seguir a Lei de Moisés, incluindo práticas como a circuncisão. No século V, eles e os evangelhos judaico-cristãos seriam amplamente suprimidos pelas seitas dominantes tanto no judaísmo quanto no cristianismo.[162]

Popularização e consolidação no Império Romano

 
Busto de Augusto marcado com uma cruz, um tipo de vandalismo comum durante o declínio do politeísmo greco-romano

O cristianismo se espalhou para os povos de língua aramaica ao longo da costa do Mediterrâneo e também para as partes interiores do Império Romano e também do Império Parta e do posterior Império Sassânida, incluindo a Mesopotâmia, que foi dominada em diferentes épocas e em graus variados por esses impérios.[163] A presença do cristianismo na África começou em meados do século I no Egito e no final do século II na região de Cartago. Afirma-se que Marcos, o Evangelista, iniciou a Igreja de Alexandria por volta do ano 43; várias igrejas posteriores reivindicam esse fato histórico como seu próprio legado, incluindo a Igreja Ortodoxa Copta.[164][165][166] Africanos importantes que influenciaram o desenvolvimento inicial do cristianismo incluem Tertuliano, Clemente de Alexandria, Orígenes de Alexandria, Cipriano de Cartago, Atanásio e Agostinho de Hipona.

O rei Tiridates III fez do cristianismo a religião oficial na Armênia entre os anos 301 e 314,[167] que se tornou o primeiro Estado oficialmente cristão. Essa religião não era inteiramente nova na Armênia, tendo penetrado no país pelo menos desde o século III, mas pode ter estado presente ainda antes na região.[168]

Constantino I foi exposto ao cristianismo em sua juventude e, ao longo de sua vida, seu apoio à religião cresceu, culminando no batismo em seu leito de morte.[169] Durante seu reinado, a perseguição aos cristãos sancionada pelo Estado terminou com o Édito de Tolerância de Galério no ano 311 e o Édito de Milão em 313. Nesse ponto, o cristianismo ainda era uma crença minoritária, compreendendo talvez apenas cinco por cento da população romana.[170] Influenciado por seu conselheiro Mardônio, o sobrinho de Constantino, Juliano, tentou, sem sucesso, suprimir o cristianismo.[171] Em 27 de fevereiro de 380, Teodósio I, Graciano e Valentiniano II estabeleceram o cristianismo niceno como a Igreja Estatal do Império Romano.[172] Assim que se ligou ao Estado, o cristianismo enriqueceu; a Igreja solicitava doações dos ricos e agora podia possuir terras.[173]

 
  Propagação do cristianismo no Império Romano no ano 325
  Propagação do cristianismo no Império Romano no ano 600

Constantino também foi fundamental na convocação do Primeiro Concílio de Nicéia em 325, que procurou abordar o arianismo e formulou o Credo Niceno, que ainda é usado pelo catolicismo, ortodoxia oriental, luteranismo, anglicanismo e muitas outras igrejas protestantes.[174][35] Nicéia foi o primeiro de uma série de concílios ecumênicos, que definiram formalmente elementos críticos da teologia da Igreja, notadamente no que diz respeito à cristologia.[175] A Igreja do Oriente não aceitou o terceiro e seguintes concílios ecumênicos e ainda hoje está separada por seus sucessores (Igreja Assíria do Oriente).[176][177]

Em termos de prosperidade e vida cultural, o Império Bizantino foi um dos picos da história cristã e da civilização cristã,[178] e Constantinopla permaneceu como a cidade líder do mundo cristão em tamanho, riqueza e cultura.[179] Houve um interesse renovado na filosofia grega clássica, bem como um aumento na produção literária em grego vernacular.[180] A arte e a literatura bizantina ocupavam um lugar de destaque na Europa e o impacto cultural da arte bizantina no mundo ocidental durante esse período foi enorme e de significado duradouro.[181] A ascensão posterior do Islã no norte da África reduziu o tamanho e o número de congregações cristãs, deixando em grande número apenas a Igreja Copta no Egito, a Igreja Ortodoxa Etíope no Chifre da África e a Igreja Núbia no Sudão (Nobácia, Macúria e Alódia).[182][183]

Idade média

 
Um exemplo de arte bizantina, um mosaico deësis na Hagia Sophia em Constantinopla

Com o declínio e queda do Império Romano do Ocidente, o papado tornou-se um ator político, visível pela primeira vez nas negociações diplomáticas do Papa Leão I com hunos e vândalos.[184] A Igreja também entrou em um longo período de atividade missionária e expansão entre as várias tribos. Enquanto os arianistas instituíam a pena de morte para os pagãos praticantes, o que mais tarde se tornaria o catolicismo também se espalhou entre os húngaros, os germânicos,] os celtas, os bálticos e alguns povos eslavos.[184]

Por volta de 500, o cristianismo foi completamente integrado à cultura bizantina e do Reino Ostrogótico[176] e Bento de Núrsia estabeleceu sua regra monástica, criando um sistema de regulamentos para a fundação e administração de mosteiros.[184] O monaquismo tornou-se uma força poderosa em toda a Europa[184] e deu origem a muitos dos primeiros centros de aprendizagem, mais notoriamente na Irlanda, Escócia e Gália, contribuindo para o Renascimento Carolíngio do século IX.[184]

No século VII, os muçulmanos conquistaram a Síria (incluindo Jerusalém), o norte da África e a Espanha, convertendo parte da população cristã ao islamismo e colocando o restante sob um estatuto legal separado. Parte do sucesso dos muçulmanos foi devido à exaustão do Império Bizantino em suas décadas de conflito com a Pérsia.[185] A partir do século VIII, com a ascensão dos líderes carolíngios, o papado buscou maior apoio político no Reino Franco.[186]

A Idade Média trouxe grandes mudanças dentro da igreja. O Papa Gregório Magno reformou dramaticamente a estrutura e administração eclesiástica.[187] No início do século VIII, a iconoclastia tornou-se uma questão polêmica, quando foi patrocinada pelos imperadores bizantinos. O Segundo Concílio de Niceia (787) finalmente se pronunciou a favor dos ícones religiosos.[188] No início do século X, o monaquismo cristão ocidental foi ainda mais rejuvenescido pela liderança do grande mosteiro beneditino da Abadia de Cluny.[189]

No Ocidente, a partir do século XI, algumas escolas catedrais mais antigas tornaram-se universidades (ver, por exemplo, Universidade de Oxford, Universidade de Paris e Universidade de Bolonha). Anteriormente, o ensino superior tinha sido o domínio das escolas catedrais ou escolas monásticas (Scholae monasticae) cristãs, lideradas por monges e freiras. Evidências de tais escolas datam do século VI.[190] Essas novas universidades expandiram o currículo para incluir programas acadêmicos para clérigos, advogados, funcionários públicos e médicos.[191] A universidade é geralmente considerada como uma instituição que tem sua origem no cenário cristão medieval.[192][193][194]

 
O Papa Urbano II no Concílio de Clermont, onde ele pregou a Primeira Cruzada

Acompanhando o surgimento das "cidades novas" em toda a Europa, foram fundadas ordens mendicantes, trazendo a vida religiosa consagrada do mosteiro para o novo ambiente urbano. Os dois principais movimentos mendicantes foram os franciscanos[195] e os dominicanos,[196] fundados por Francisco de Assis e Domingos de Gusmão, respectivamente. Ambas as ordens fizeram contribuições significativas para o desenvolvimento das grandes universidades da Europa. Outra nova ordem foram os cistercienses, cujos grandes mosteiros isolados lideraram o assentamento de antigas áreas selvagens. Neste período, a construção de igrejas e a arquitetura eclesiástica atingiram novos patamares, culminando nas ordens de arquitetura românica e gótica e na construção das grandes catedrais europeias.[197]

O nacionalismo cristão surgiu durante esta época em que os cristãos sentiram o impulso de recuperar terras nas quais o cristianismo havia florescido historicamente.[198] Em 1095, sob o pontificado de Urbano II, as Cruzadas foram lançadas.[199] Estas foram uma série de campanhas militares na Terra Santa e em outros lugares, iniciadas em resposta aos apelos do imperador bizantino Aleixo I Comneno contra a expansão turca. As Cruzadas acabaram fracassando em abafar a agressão islâmica e até mesmo contribuiu para a inimizade cristã com o saque de Constantinopla durante a Quarta Cruzada.[200]

Durante um período que se estende do século VII ao XIII, a igreja cristã passou por uma alienação gradual, resultando em um cisma que dividiu o cristianismo em um ramo chamado latino ou ocidental, a Igreja Católica Romana,[nota 4] e um ramo oriental, em grande parte grego, a Igreja Ortodoxa. Estas duas igrejas discordam sobre uma série de processos e questões administrativas, litúrgicas e doutrinais, principalmente a primazia da jurisdição papal.[201][202] O Segundo Concílio de Lyon (1274) e o Concílio de Florença (1439) tentaram reunir as igrejas, mas em ambos os casos, os ortodoxos orientais se recusaram a implementar as decisões e as duas principais igrejas permanecem em cisma até os dias atuais. No entanto, a Igreja Católica Romana tem alcançado união com várias pequenas igrejas orientais.[203]

No século XIII, uma nova ênfase no sofrimento de Jesus, exemplificada pela pregação dos franciscanos, teve como consequência voltar a atenção dos fiéis para os judeus, a quem os cristãos haviam colocado a culpa pela morte de Jesus. A tolerância limitada do cristianismo aos judeus não era nova — Agostinho de Hipona disse que os judeus não deveriam ter permissão para desfrutar da cidadania que os cristãos consideravam garantida — mas a crescente antipatia pelos judeus foi um fator que levou à expulsão dos judeus da Inglaterra em 1290, a primeira de muitas expulsões na Europa.[204][205]

Começando por volta de 1184, após a cruzada contra a heresia dos cátaros,[206] várias instituições, amplamente referidas como a Inquisição, foram estabelecidas com o objetivo de suprimir a heresia e assegurar a unidade religiosa e doutrinária dentro do cristianismo através da conversão e repressão.[207]

Reforma Protestante e Contrarreforma

 
Iconoclastia protestante: o beeldenstorm durante a Reforma Protestante holandesa

O Renascimento do século XV trouxe um renovado interesse em estudos antigos e clássicos. Outra grande cisma, a Reforma, resultou na divisão da cristandade ocidental em várias denominações cristãs.[208] Em 1517, Martinho Lutero protestou contra a venda de indulgências e logo passou a negar vários pontos-chave da doutrina católica romana. Outros, como Zwingli e Calvino ainda criticaram o ensino católico romano e adoração. Estes desafios desenvolveram no movimento chamado de protestantismo, que repudiou o primado do papa, o papel da Tradição, os sete sacramentos e outras doutrinas e práticas[209] (ver: Cinco solas). A Reforma na Inglaterra começou em 1534, quando o Rei Henrique VIII tinha se declarado chefe da Igreja da Inglaterra. No início em 1536, os mosteiros por toda a Inglaterra, País de Gales e Irlanda foram dissolvidos.[210]

Em parte como resposta à Reforma Protestante, a Igreja Católica Romana engajou-se em um processo significativo de reforma e renovação, conhecido como Contrarreforma ou Reforma Católica.[211] O Concílio de Trento reafirmou e clarificou a doutrina católica romana. Durante os séculos seguintes, a concorrência entre o catolicismo romano e o protestantismo tornou-se profundamente envolvida com as lutas políticas entre os Estados europeus.[212]

Enquanto isso, a descoberta da América por Cristóvão Colombo em 1492 provocou uma nova onda de atividade missionária. Em parte de zelo missionário, mas sob o impulso da expansão colonial pelas potências europeias, o cristianismo se espalhou para a América, Oceania, Ásia Oriental e África Subsaariana.

Em toda a Europa, as divisões causadas pela Reforma levou a surtos de violência religiosa e o estabelecimento de igrejas separadas do Estado na Europa Ocidental: o luteranismo em partes da Alemanha e na Escandinávia e o anglicanismo na Inglaterra em 1534. Em última instância, essas diferenças levaram à eclosão de conflitos em que a religião desempenhou um papel chave. A Guerra dos Trinta Anos, a Guerra Civil Inglesa e as Guerras religiosas na França são exemplos proeminentes. Estes eventos intensificaram o debate sobre a perseguição cristã e tolerância religiosa.[213]

No renascimento do neoplatonismo, os humanistas renascentistas não rejeitaram o cristianismo; muito pelo contrário, muitas das maiores obras da Renascença foram dedicadas ao cristianismo e a Igreja Católica patrocinou muitas obras de arte renascentista.[214] Grande parte, se não a maior parte, da nova arte foi encomendada ou dedicada à Igreja.[214] Alguns estudiosos e historiadores atribuem ao cristianismo a contribuição para o surgimento da Revolução Científica.[215][216] Muitas figuras históricas conhecidas que influenciaram a ciência ocidental se consideravam cristãs, como Nicolau Copérnico,[217] Galileu Galilei,[218] Johannes Kepler,[219] Isaac Newton[220] e Robert Boyle.[221]

Pós-iluminismo

 
Catedral da Nossa Senhora de Estrasburgo transformada em Templo da Razão como parte da descristianização da França durante a Revolução Francesa

Na era conhecida como a Grande Divergência, quando no ocidente o Iluminismo e a revolução científica trouxeram grandes mudanças sociais, o cristianismo foi confrontado com várias formas de ceticismo e com certas ideologias políticas modernas, como as versões do socialismo e do liberalismo.[222] Nessa época, eventos que variaram do mero anticlericalismo à explosões de violência contra o cristianismo, como a descristianização durante a Revolução Francesa,[223] a Guerra Civil Espanhola, e a hostilidade geral dos movimentos marxistas, especialmente da Revolução Russa de 1917 quando o ateísmo Marxista-leninista desencadeou a perseguição aos Cristãos na União Soviética e a posterior perseguição aos Cristãos no Bloco do Leste sob o ateísmo de Estado.[224][225][226]

Especialmente premente na Europa foi a formação dos Estados-nação após a era napoleônica. Em todos os países europeus, diferentes denominações cristãs encontraram-se em competição, em maior ou menor grau, umas com as outras e com o Estado. Variáveis são os tamanhos relativos das denominações e da orientação religiosa, política e ideológica do Estado. Urs Altermatt da Universidade de Friburgo, olhando especificamente para o catolicismo na Europa, identifica quatro modelos para as nações europeias. Em países tradicionalmente católicos, como Bélgica, Espanha, e até certo ponto a Áustria, comunidades religiosas e nacionais são mais ou menos idênticas. A simbiose cultural e a separação são encontradas na Polônia, Irlanda e Suíça, todos os países com denominações concorrentes. A competição é encontrada na Alemanha, nos Países Baixos e novamente na Suíça, todos os países com populações minoritárias católicas que, em maior ou menor grau, se identificam com a nação. Finalmente, a separação entre a religião (mais uma vez, especificamente o catolicismo) e do Estado é encontrada em grande parte na França e Itália, países onde o Estado se opôs-se à autoridade da Igreja Católica.[227]

Os fatores combinados da formação dos Estados-nação e do ultramontanismo, especialmente na Alemanha e nos Países Baixos, mas também na Inglaterra em um grau muito menor,[228] muitas vezes forçaram as igrejas, organizações e crentes católicos a escolher entre as demandas nacionais do estado e a autoridade da Igreja, especificamente do papado. Este conflito atingiu o ápice no Concílio Vaticano I, e na Alemanha levaria diretamente ao Kulturkampf.[229]

O compromisso cristão na Europa caiu à medida que a modernidade e o secularismo se firmaram,[230] particularmente na República Tcheca e na Estônia,[231] enquanto os compromissos religiosos na América têm sido geralmente altos em comparação com a Europa. As mudanças no cristianismo mundial no último século foram significativas, desde 1900, o Cristianismo se espalhou rapidamente nos países do Sul Global e do Terceiro Mundo.[232] O final do século XX mostrou a mudança da adesão cristã ao Terceiro Mundo e ao Hemisfério Sul em geral,[233][234] com o Ocidente não mais sendo o principal polo do cristianismo. Aproximadamente 7 a 10% dos árabes são cristãos, mais prevalentes no Egito, Síria e Líbano.[235]

Demografia

Porcentagem de cristãos por país

Com cerca de 2,3 bilhões de adeptos,[236][237][238] dividida em três ramos principais de católicos, protestantes e ortodoxos, o cristianismo é a maior religião do mundo.[238] A parte cristã da população mundial representa cerca de 33% da humanidade nos últimos cem anos, o que significa que uma em cada três pessoas no mundo são cristãs. Isso mascara uma grande mudança na demografia do cristianismo; grandes aumentos no mundo em desenvolvimento (cerca de 23 000/dia) têm sido acompanhados por reduções substanciais no mundo desenvolvido, principalmente na Europa e América do Norte (cerca de 7 600/dia).[239] O cristianismo ainda é a religião predominante na Europa, América e África Austral. Na Ásia, é a religião dominante na Geórgia, Armênia, Timor-Leste e Filipinas.[240]

No entanto, o cristianismo está em declínio em muitas áreas, incluindo o norte e o oeste dos Estados Unidos,[241] Oceania (Austrália e Nova Zelândia), no norte da Europa (incluindo o Reino Unido,[242] Escandinávia e outros lugares), França, Alemanha, as províncias canadenses de Ontário, Colúmbia Britânica e Quebec, e partes da Ásia (especialmente no Oriente Médio,[243][244][245] Coreia do Sul,[246] Taiwan,[247] e Macau[248]). A população cristã não está diminuindo no Brasil, no sul dos Estados Unidos[249] e na província de Alberta, no Canadá,[250] mas o percentual está diminuindo. Em países como a Austrália[251] e a Nova Zelândia,[252] a população cristã está em declínio tanto em números quanto em percentual. Na maioria dos países desenvolvidos a frequência à igreja do mundo entre as pessoas que continuam a identificar-se como cristãs vem caindo ao longo das últimas décadas.[253] Algumas fontes visualizam isto simplesmente como parte de um distanciamento dos membros das instituições tradicionais,[254] enquanto outros apontam para sinais de um declínio na crença e na importância da religião em geral.[255]

Há muitos movimentos carismáticos que se tornaram bem estabelecidos em grandes partes do mundo, especialmente na África, América Latina e Ásia.[256][257][258][259][260] O líder muçulmano da Arábia Saudita, Sheikh Ahmad al Qatanni, informou para a Aljazeera que todos os dias 16 mil muçulmanos africanos se convertem ao cristianismo. Ele alegou que o islã estava perdendo 6 milhões de muçulmanos africanos que tornam-se cristãos por ano,[261][262][263][264] incluindo os muçulmanos na Argélia, França, Índia, Marrocos, Rússia e na Turquia.[265] Também é relatado que o cristianismo é popular entre pessoas de diferentes origens na Índia (hindus principalmente), Malásia,[266] Mongólia,[267] Nigéria,[268] Coreia do Norte e Vietnã.[269]

O cristianismo, de uma forma ou de outra, é a única religião estatal das nações seguintes: Costa Rica (católica romana),[270] Dinamarca (Igreja Luterana),[271] El Salvador (Católica Romana),[272] Inglaterra (Igreja Anglicana),[273] Finlândia (Igreja Luterana e Ortodoxa),[274][275] Geórgia (Igreja Ortodoxa da Geórgia),[276] Grécia (Igreja Ortodoxa Grega),[272] Islândia (Igreja Luterana),[277] Liechtenstein (Católica Romana),[278] Malta (Católica Romana),[279] Mônaco (Católica Romana),[280] Noruega (Igreja Luterana),[281] e Vaticano (católica romana).[282] Existem inúmeros outros países, como o Chipre, que apesar de não terem uma igreja estabelecida, continuam a dar reconhecimento oficial a uma denominação cristã específica.[283]

Denominações

 Ver artigo principal: Denominação cristã

As três divisões principais do cristianismo são o catolicismo, a ortodoxia e o protestantismo:[284][285] Existem outros grupos cristãos que não se encaixam perfeitamente em uma destas categorias primárias.[286] O Credo Niceno é "aceito como autorizado pela Igreja Católica Romana, Ortodoxa, Anglicana e as principais igrejas protestantes".[287] Há uma diversidade de doutrinas e práticas entre os grupos que se autodenominam cristãos. Estes grupos são por vezes classificados sob denominações, embora por razões teológicas muitos grupos rejeitam este sistema de classificação.[288][289][290][291] Outra distinção que às vezes é traçada é entre o cristianismo oriental e o cristianismo ocidental.

Quadro sintético da relação histórica dos principais ramos do Cristianismo

Catolicismo

 Ver artigo principal: Igreja Católica
 
Basílica de São Pedro, na Praça de São Pedro, o centro da Igreja Católica

A Igreja Católica compreende as igrejas particulares, liderada por bispos, em comunhão com o Papa, o Bispo de Roma, como sua mais alta autoridade em matéria de moral, fé e governança da Igreja.[292][293] Como a Igreja Ortodoxa, o Igreja Católica Romana, através da sucessão apostólica, traça suas origens à comunidade cristã fundada por Jesus Cristo.[294][295]

Os católicos defendem que o "una, santa, católica e apostólica" fundada por Jesus subsiste plenamente na Igreja Católica Romana, mas também reconhece outras igrejas e comunidades cristãs[292][296] e trabalha no sentido da reconciliação entre todos os cristãos.[292] A fé católica é detalhada no catecismo da Igreja Católica.[297][298]

As 2 782 sé episcopais[299] são agrupadas em 23 ritos particulares, sendo o maior do rito latino, cada um com tradições distintas em relação à liturgia e à administração dos sacramentos.[300]

Com mais de 1,1 bilhão de membros batizados, a Igreja Católica é a maior igreja cristã, representando mais da metade de todos os cristãos e um sexto da população mundial.[238][301][302]

Igreja Ortodoxa

 Ver artigo principal: Igreja Ortodoxa
 
Catedral de São Jorge em Istambul: a sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, cujo líder é considerado o primus inter pares na Igreja Ortodoxa

A Igreja Ortodoxa, ou ortodoxia bizantina, compreende as igrejas em comunhão com a Sé Patriarcal do Oriente, como o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla. Como a Igreja Católica Romana, a Igreja Ortodoxa também tem sua herança à fundação do cristianismo através da sucessão apostólica e tem uma estrutura episcopal, embora a autonomia do indivíduo, principalmente nas igrejas nacionais, seja enfatizada.[303]

Uma série de conflitos com o cristianismo ocidental sobre questões de doutrina e autoridade culminou com o Grande Cisma. A orotodoxia bizantina é a segunda maior denominação única no Cristianismo, com mais de 200 milhões de adeptos, embora os protestantes, coletivamente, os superem substancialmente.[304] Como uma das instituições religiosas mais antigas do mundo, a Igreja Ortodoxa desempenhou um papel proeminente na história e na cultura da Europa Oriental e do Sudeste europeu, do Cáucaso e do Oriente Próximo.[305]

Ortodoxia oriental

 Ver artigos principais: Cristianismo oriental e Ortodoxia oriental
 
Catedral da Santíssima Trindade em Addis Ababa, a sede da Igreja Ortodoxa Etíope.

As Igrejas Ortodoxas Orientais (também chamadas de igrejas "Antigas Orientais") são aquelas igrejas orientais que reconhecem os três primeiros concílios ecumênicos — Niceia, Constantinopla e Éfeso — mas rejeitam as definições dogmáticas do Concílio de Calcedônia e, em vez disso, defendem uma cristologia miafisisma.

A comunhão Ortodoxa Oriental consiste em seis grupos: Igreja Ortodoxa Síria, Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Ortodoxa Etíope, Igreja Ortodoxa Eritreia, Igreja Ortodoxa Siríaca Malankara (Índia) e Igreja Apostólica Armênia.[306] Estas seis igrejas, embora estejam em comunhão umas com as outras, são completamente independentes hierarquicamente.[307] Essas igrejas geralmente não estão em comunhão com a Igreja Ortodoxa Oriental, com a qual estão em diálogo para erigir uma comunhão.[308] E, juntas, têm cerca de 62 milhões de membros em todo o mundo.[309][310][311]

Como algumas das instituições religiosas mais antigas do mundo, as Igrejas Ortodoxas Orientais têm desempenhado um papel proeminente na história e cultura da Armênia, Egito, Turquia, Eritreia, Etiópia, Sudão e partes do Oriente Médio e da Índia.[312][313] Como a parte cristã oriental das denominações cristãs, seus bispos são iguais em virtude da ordenação episcopal e suas doutrinas podem ser resumidas no fato de que as igrejas reconhecem a validade de apenas os três primeiros concílios ecumênicos.[314]

Igreja Assíria do Oriente

 Ver artigo principal: Igreja Assíria do Oriente
 
Uma igreja nestoriana do século VI na aldeia assíria de Geramon em Hakkari, sudeste da Turquia.

A Igreja Assíria do Oriente, com um patriarcado ininterrupto estabelecido no século XVII, é uma denominação cristã oriental independente que reivindica a continuidade da Igreja do Oriente — em paralelo ao patriarcado católico estabelecido no século XVI que evoluiu para a Igreja Católica Caldeia, uma igreja católica oriental em comunhão plena com o Papa. É uma igreja cristã oriental que segue a tradicional cristologia e eclesiologia da Igreja histórica do Oriente. Em grande parte anicônica e não em comunhão com qualquer outra igreja, pertence ao ramo oriental do cristianismo siríaco e usa o rito siríaco oriental em sua liturgia.[315]

Sua principal língua falada é o siríaco, um dialeto do aramaico oriental, e a maioria de seus adeptos são assírios étnicos. Está oficialmente sediada na cidade de Erbil, no norte do Curdistão iraquiano, e sua área original também se espalha pelo sudeste da Turquia e noroeste do Irã, correspondendo à antiga Assíria. Sua hierarquia é composta por bispos metropolitanos e bispos diocesanos, enquanto o baixo clero consiste em padres e diáconos, que servem em dioceses (eparquias) e paróquias em todo o Oriente Médio, Índia, América do Norte, Oceania e Europa (incluindo o Cáucaso e a Rússia).[316]

Protestantismo

 Ver artigos principais: Reforma Protestante e Protestantismo
 
Principais ramos protestantes

No século XVI, Martinho Lutero, Ulrico Zuínglio e João Calvino inauguraram o que veio a ser chamado de protestantismo. Os herdeiros teológicos primários de Lutero são conhecidos como luteranos. Os herdeiros de Zwingli e Calvino são muito mais amplas denominalmente e são amplamente referidos como a Tradição Reformada.[317]

A maioria das tradições protestantes se ramificam a partir da Tradição Reformada, de alguma forma. Além dos ramos luteranos e reformados da Reforma, há o anglicanismo após a Reforma Inglesa. A tradição anabatista foi amplamente condenada ao ostracismo por parte dos outros protestantes na época, mas conseguiu uma medida de afirmação na história mais recente. Alguns (mas não a maioria) dos batistas preferem não ser chamados de protestantes, alegando uma linha direta ancestral que remonta aos apóstolos, no século I.[318]

Os mais antigos grupos protestantes se separaram da Igreja Católica no século XVI durante a Reforma Protestante, seguido em muitos casos, por novas divisões.[317] Por exemplo, a Igreja Metodista surgiu do ministro anglicano John Wesley e do movimento evangélico de renovação na Igreja Anglicana.[319][320] Várias igrejas pentecostais e não denominacionais, que enfatizam o poder purificador do Espírito Santo, por sua vez, cresceram a partir da Igreja Metodista.[320][321]

Devido ao fato de que metodistas, pentecostais, evangélicos e outros enfatizarem que "aceitam Jesus como seu Senhor e Salvador pessoal",[322] o que vem da ênfase dos Irmãos Morávios e de John Wesley no Novo Nascimento,[323] muitas vezes eles se referem a si mesmos como pessoas nascidas de novo, constituindo o movimento do evangelicalismo.[324][325]

As estimativas do número total de protestantes são muito incertas, em parte devido à dificuldade em determinar quais as denominações devem ser colocadas nesta categoria, mas parece claro que o protestantismo seja o segundo maior grande grupo de cristãos após o catolicismo em número de seguidores. Todavia, a Igreja Ortodoxa é maior do que qualquer denominação protestante única.[238]

Um grupo especial são as igrejas anglicanas descendentes da Igreja da Inglaterra e que organizaram na Comunhão Anglicana. Algumas igrejas anglicanas se consideram tanto protestantes quanto católicas.[326] Alguns anglicanos consideram sua igreja um ramo da "Santa Igreja Católica" ao lado da Igreja Católica Romana e das Igrejas Ortodoxas Orientais, um conceito rejeitado pela Igreja Católica Romana e algumas Ortodoxas Orientais.[327][328]

Alguns grupos de indivíduos que possuem princípios básicos protestantes se identificam simplesmente como "cristãos" ou "cristãos renascidos". Eles normalmente se distanciam da confessionalismo de outras comunidades cristãs,[nota 5] chamando a si mesmos de "não confessionais". Muitas vezes fundada por pastores individuais, eles têm pouca afiliação com denominações históricas.[330]

Restauracionismo

 Ver artigo principal: Restauracionismo
 
O Templo de Salt Lake, é hoje uma das imagens mais icônicas da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.[331]

O Segundo Grande Despertar, um período de renascimento religioso que ocorreu nos Estados Unidos durante o início dos anos 1800, viu o desenvolvimento de um número de igrejas independentes. Elas geralmente se viam como a restauração da igreja original de Jesus Cristo, em vez de reformar uma das igrejas existentes.[332] A crença ordinária detida pelos restauradores era que as outras divisões do cristianismo tinha introduzido defeitos doutrinários no cristianismo, que era conhecido como a Grande Apostasia[333][334] (ver: Constantinismo e Reviravolta de Constantino)

Algumas das igrejas que tiveram origem durante este período são historicamente ligadas à reuniões em acampamento no centro-oeste e norte de Nova York no início de século XIX. O milenarismo e o adventismo estadunidenses, que surgiu do protestantismo evangélico, influenciou o movimento das Testemunhas de Jeová (com 7 milhões de membros),[335] e, como uma reação especificamente para William Miller, os Adventistas do Sétimo Dia. Outros, incluindo os Discípulos de Cristo[336] e as Igrejas de Cristo, têm suas raízes no Movimento da Restauração contemporânea de Stone-Campbell, que foi centrada em Kentucky e no Tennessee.

Outros grupos originários deste período incluem o cristadelfianos e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a maior denominação do movimento Santo dos Últimos Dias, com mais de 15 milhões de membros.[337][338][339][nota 6][341] Enquanto as igrejas originários do Segunda Grande Despertar têm algumas semelhanças superficiais, sua doutrina e as práticas variam significativamente.

Outros

 Ver artigo principal: Cristianismo esotérico

O antitrinitarismo inclui todos os sistemas de crença cristã de que rejeitam, total ou parcialmente, a doutrina da Trindade, isto é, o ensinamento de que Deus é três hipóstases distintas e ainda coeternamente iguais e que estão indissoluvelmente unidas em uma essência.[342][343] Na antiguidade, esporadicamente, na Idade Média, e novamente após a Reforma e até hoje, existiram pontos de vista diferentes sobre a divindade dos da Trindade e da cristologia tradicionais. Embora diversas, essas visões podem ser geralmente classificadas nos que mantêm Cristo apenas divino e não diferindo-o do Pai, aqueles que detêm Cristo como um Deus menor do que o Pai; em outras formas de ser completamente humano e um mensageiro como o humano criado perfeito.[344][345][346]

 
Catedral Vétero de Utrecht, nos Países Baixos, um templo da Velha Igreja Católica

Na Itália, Polônia, Lituânia, Transilvânia, Hungria, Romênia e Reino Unido, as Igrejas Unitárias surgiram da tradição da Reforma Protestante no século XVI;[347] a Igreja Unitária da Transilvânia é um exemplo de denominação que surgiu nesta era.[348] Eles adotaram a doutrina anabatista de credobatismo.[349]

Várias comunidades menores, como o Velha Igreja Católica e as Igrejas Católicas Independentes, incluem a palavra católica em seu título e têm muito em comum com o catolicismo romano, mas já não estão em comunhão com a Sé de Roma. A Igreja Católica Velha está em comunhão com a Comunhão Anglicana.[350]

Cristãos espirituais, como os doukhobors e os molokans, romperam com a Igreja Ortodoxa Russa e mantêm estreita associação com menonitas e quakers devido a práticas religiosas semelhantes; todos esses grupos são, além disso, considerados coletivamente como igrejas da paz devido à sua crença no pacifismo.[351][352]

O judaísmo messiânico (ou movimento messiânico) é o nome de um movimento cristão composto por várias correntes, cujos membros podem se considerar judeus. O movimento se originou nas décadas de 1960 e 1970 e combina elementos da prática religiosa judaica com o cristianismo evangélico. O judaísmo messiânico afirma os credos cristãos, como o messianismo e a divindade de "Yeshua" (o nome hebraico de Jesus) e a natureza trina de Deus, ao mesmo tempo que adere a algumas leis e costumes dietéticos judaicos.[353]

Os cristãos esotéricos consideram o cristianismo uma religião de mistério[354] e professam a existência e a posse de certas doutrinas ou práticas esotéricas,[355] escondidas do público, mas acessíveis apenas a um estreito círculo de "iluminados", pessoas "iniciadas" ou altamente educadas.[356][357] Algumas das instituições cristãs esotéricas incluem a Fraternidade Rosacruz, a Sociedade Antroposófica e o Martinismo.

O cristianismo não denominacional consiste em igrejas que tipicamente se distanciam do confessionalismo ou credo de outras comunidades cristãs por não se alinharem formalmente com uma denominação cristã específica.[358] O cristianismo não denominacional surgiu no século XVIII através do Movimento de Restauração, com seguidores se organizando simplesmente como "cristãos" e "discípulos de Cristo",[358][359] mas muitos tipicamente aderem ao cristianismo evangélico.[289][360][361]

Legado

Influência na cultura ocidental

No sentido horário a partir do topo: teto da Capela Sistina, no Vaticano; Catedral de Notre-Dame de Paris; casamento ortodoxo; estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; presépio

A cultura ocidental, ao longo da maior parte de sua história, foi quase equivalente à cultura cristã, e uma grande parte da população do hemisfério ocidental pode ser descrita como praticante ou cristão nominal. A noção de "Europa" e de "Mundo Ocidental" está intimamente ligada ao conceito de "Cristianismo e Cristandade". Muitos até atribuem o cristianismo por ser o elo que criou uma identidade europeia unificada.[362]

Embora a cultura ocidental contivesse várias religiões politeístas durante seus primeiros anos sob a civilização greco-romana, à medida que o poder romano centralizado diminuía, o domínio da Igreja Católica era a única força consistente na Europa Ocidental.[363] Até o Iluminismo,[363] a cultura cristã guiou o curso da filosofia, literatura, arte, música e ciência ocidentais.[363][364]

O cristianismo teve um impacto significativo na educação, pois a igreja criou as bases do sistema ocidental de educação[365] e foi o patrocinador da fundação de universidades no mundo ocidental, visto que a universidade é geralmente considerada como uma instituição que tem sua origem no cenário cristão medieval. Historicamente, o cristianismo sempre foi um patrono da ciência e da medicina; muitos clérigos católicos,[366] jesuítas em particular,[367][368] foram ativos nas ciências ao longo da história e deram contribuições significativas para o desenvolvimento da ciência.[369]

O protestantismo também teve uma influência importante na ciência. De acordo com a Tese de Merton, houve uma correlação positiva entre o surgimento do puritanismo inglês e do pietismo alemão, por um lado, e as primeiras ciências experimentais, por outro. A influência civilizadora do cristianismo inclui bem-estar social,[370] fundação de hospitais,[370] economia (como a ética protestante do trabalho),[370][371] arquitetura,[372] política,[373] literatura,[374] higiene pessoal (ablução),[375][376] e vida familiar.[377][378]

Cristãos orientais (particularmente cristãos nestorianos) contribuíram para a civilização islâmica árabe durante o reinado Omíada e do Abássida, traduzindo obras de filósofos gregos para o siríaco e, posteriormente, para o árabe.[379][380][381] Eles também se destacaram em filosofia, ciência, teologia e medicina.[382][383][384]

Os cristãos têm feito uma miríade de contribuições para o progresso humano em uma ampla e diversa gama de campos,[385] incluindo filosofia[386][387] ciência e tecnologia,[215][388][389][390][391][392] belas artes e arquitetura,[393] política, literatura, música e negócios.[394] Em 100 anos de prêmios Nobel, entre 1901 e 2000, 65,4% dos ganhadores identificaram o cristianismo, em suas várias formas, como sua preferência religiosa.[395]

Pós-cristianismo é o termo para o declínio do cristianismo, particularmente na Europa, Canadá, Austrália e, em menor grau, no Cone Sul, nos séculos XX e XXI, considerado em termos de pós-modernismo. Refere-se à perda do monopólio do cristianismo sobre os valores e a visão de mundo nas sociedades historicamente cristãs.[396]

Os cristãos culturais são pessoas seculares com uma herança cristã que podem não acreditar nas reivindicações religiosas do cristianismo, mas que mantêm uma afinidade pela cultura popular, arte, música e assim por diante relacionadas à religião.[397]

Ecumenismo

 Ver artigo principal: Ecumenismo
 
A Bandeira Cristã é uma bandeira ecumênica projetada no início do século XX para representar todo o cristianismo e a cristandade.[398]

Grupos e denominações cristãs há muito expressam ideais de reconciliação e, no século XX, o ecumenismo cristão avançou de duas maneiras.[399] Uma maneira era uma maior cooperação entre grupos, como a Aliança Evangélica Mundial fundada em 1846 em Londres ou a Conferência Missionária de Protestantes de Edimburgo em 1910, a Comissão de Justiça, Paz e Criação do Conselho Mundial de Igrejas fundada em 1948 por igrejas protestantes e ortodoxas, e conselhos nacionais semelhantes, como o Conselho Nacional de Igrejas da Austrália, que inclui os católicos.[399]

A outra forma era uma união institucional com igrejas unidas, uma prática que pode ser rastreada até as uniões entre luteranos e calvinistas no início do século XIX na Alemanha. Igrejas congregacionalistas, metodistas e presbiterianas uniram-se em 1925 para formar a Igreja Unida do Canadá,[400] e em 1977 para formar a Igreja Unida na Austrália. A Igreja do Sul da Índia foi formada em 1947 pela união de igrejas anglicanas, batistas, metodistas, congregacionalistas e presbiterianas.[401]

A Bandeira Cristã é uma bandeira ecumênica projetada no início do século XX para representar todo o cristianismo e a cristandade.[398]

A Comunidade de Taizé destaca-se por ser composta por mais de cem irmãos de tradição protestante e católica.[402] A comunidade destaca a reconciliação de todas as denominações e a sua igreja matriz, situada em Taizé, Saône-et-Loire, França, é denominada "Igreja da Reconciliação".[402] A comunidade é conhecida internacionalmente, atraindo mais de 100 mil jovens peregrinos anualmente.[403]

Passos para a reconciliação em nível global foram dados em 1965 pelas igrejas católica e ortodoxa, revogando mutuamente as excomunhões que marcaram seu Grande Cisma em 1054;[404] a Comissão Católica Anglicana Internacional (ARCIC) trabalhando pela plena comunhão entre essas igrejas desde 1970;[405] e algumas igrejas luteranas e católica que assinaram a Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação em 1999 para lidar com os conflitos que estão na origem da Reforma Protestante. Em 2006, o Concílio Metodista Mundial, representando todas as denominações metodistas, adotou a declaração.[406]

Críticas, perseguição e apologética

Críticas

 Ver artigo principal: Crítica ao cristianismo
 
Uma cópia da Summa Theologica de Tomás de Aquino, uma famosa obra apologética cristã.

As críticas ao cristianismo e aos cristãos remontam à Era Apostólica, com o Novo Testamento registrando atritos entre os seguidores de Jesus e os fariseus e escribas (por exemplo, Mateus 15: 1–20 e Marcos 7: 1–23).[407] No século II, o cristianismo foi criticado pelos judeus por vários motivos, por ex. que as profecias da Bíblia Hebraica não poderiam ter sido cumpridas por Jesus, visto que ele não teve uma vida de sucesso.[408] Além disso, um sacrifício para remover pecados antecipadamente, para todos ou como um ser humano, não se encaixava no ritual de sacrifício judaico; além disso, diz-se que Deus julga as pessoas por seus atos e não por suas crenças.[409][410] Um dos primeiros ataques abrangentes ao cristianismo veio do filósofo grego Celso, que escreveu A Verdadeira Palavra, uma polêmica criticando os cristãos como membros não lucrativos da sociedade.[411][412][413] Em resposta, o padre gegro Orígenes publicou seu tratado Contra Celsum, uma obra seminal da apologética cristã, que sistematicamente abordou as críticas de Celso e ajudou a trazer ao cristianismo um nível de respeitabilidade acadêmica.[413][414]

No século III, as críticas ao cristianismo aumentaram. Rumores selvagens sobre os cristãos foram amplamente divulgados, alegando que eles eram ateus e que, como parte de seus rituais, devoravam crianças e se engajavam em orgias incestuosas.[415][416] O filósofo neoplatonista Porfírio escreveu o Adversus Christianos, de quinze volumes, como um ataque abrangente ao cristianismo, em parte com base nos ensinamentos de Plotino.[417][418]

Por volta do século XII, a Mishné Torá (por Maimônides) estava criticando o cristianismo com base na adoração de ídolos, em que os cristãos atribuíam divindade a Jesus, que tinha um corpo físico.[419] No século XIX, Nietzsche começou a escrever uma série de polêmicas sobre os ensinamentos "não naturais" do cristianismo (por exemplo, abstinência sexual), e continuou sua crítica ao cristianismo até o fim de sua vida.[420] No século XX, o filósofo Bertrand Russell expressou sua crítica ao cristianismo em Why I Am Not a Christian, formulando sua rejeição do cristianismo no cenário de argumentos lógicos.[421]

A crítica ao cristianismo continua até hoje, por exemplo, teólogos judeus e muçulmanos criticam a doutrina da Trindade sustentada pela maioria dos cristãos, afirmando que esta doutrina em vigor assume que existem três deuses, indo contra o princípio básico do monoteísmo.[422] O erudito do Novo Testamento, Robert M. Price, esboçou a possibilidade de que algumas histórias da Bíblia sejam baseadas parcialmente em mitos.[423]

Perseguição

 Ver artigo principal: Perseguição aos cristãos
 
Cristãos fugindo de suas casas no Império Otomano, por volta de 1922. Muitos cristãos foram perseguidos e/ou mortos durante o Genocídio Armênio, o Genocídio Grego e o Genocídio Assírio.[424]

Os cristãos são um dos grupos religiosos mais perseguidos do mundo, especialmente no Oriente Médio, Norte da África e Sul e Leste da Ásia.[425] Em 2017, o Portas Abertas estimou que aproximadamente 260 milhões de cristãos são submetidos anualmente a "perseguição alta, muito alta ou extrema",[426] sendo que a Coreia do Norte é considerada a nação mais perigosa para os cristãos.[427]

Em 2019, um relatório[428][429] encomendado pelo governo britânico para investigar a perseguição global de cristãos descobriu que a perseguição aumentou e é maior no Oriente Médio, Norte da África, Índia, China, Coreia do Norte e América Latina, entre outros,[430] e que é global e não se limita aos Estados islâmicos.[429] Esta investigação descobriu que aproximadamente 80% dos crentes perseguidos em todo o mundo são cristãos.[20]

Apologética

 Ver artigo principal: Apologética cristã

A apologética cristã visa apresentar uma base racional para o cristianismo. A palavra "apologética" (grego: ἀπολογητικός apologētikos) vem do verbo grego ἀπολογέομαι, apologeomai, que significa "(eu) falo em defesa de". A apologética cristã assumiu muitas formas ao longo dos séculos, começando com o apóstolo Paulo. O filósofo Tomás de Aquino apresentou cinco argumentos para a existência de Deus na Summa Theologica, enquanto sua Summa contra Gentiles foi uma importante obra apologética.[431][432] Outro famoso apologista, G. K. Chesterton, escreveu no início do século XX sobre os benefícios da religião e, especificamente, do cristianismo. Famoso por usar o paradoxo, Chesterton explicou que, embora o cristianismo tivesse mais mistérios, era a religião mais prática.[433][434] Ele apontou o avanço das civilizações cristãs como prova de sua praticidade.[433] O físico e sacerdote John Polkinghorne, em sua obra Questions of Truth, discute o assunto religião e ciência, um tema que outros apologistas cristãos, como Ravi Zacharias, John Lennox e William Lane Craig se envolveram, com os dois últimos homens opinando que o modelo do Big Bang é uma evidência da existência de Deus.[435]

Ver também

Notas

  1. As denominações Adventismo, Anabatismo (Amish, Apostólica, Bruderhof, Hutteritas, Menonitas, River Brethren e Schwarzenau Brethren), Anglicanismo, Batista, Irvingianismo, Luteranismo, Metodismo , Moravianismo/Hussitas, Pentecostalismo, Irmãos de Plymouth, Quakerismo, Cristianismo Reformado (Congregacionalista , Reforma continental e Presbiterianos) e Valdensianismo são as principais famílias do protestantismo. Outros grupos que às vezes são considerados protestantes incluem congregações cristãs não-denominacionais.[12]
  2. Frequentemente, é feita uma distinção entre igrejas "litúrgicas" e "não litúrgicas" com base em quão elaborado ou antiquado é o culto; neste uso, as igrejas cujos serviços não são escritos ou improvisados são descritas como "não litúrgicas".[93]
  3. Minucius Felix fala da cruz de Jesus em sua forma familiar, comparando-a a objetos com uma trave ou a um homem com os braços estendidos em oração.[114]
  4. A igreja ocidental foi chamado Latina na época pelos cristãos orientais e não cristãos, devido à sua realização de seus rituais e assuntos em língua latina.
  5. Confessionalismo é um termo empregado pelos historiadores para descrever "a criação de identidades fixas e sistemas de crenças para as igrejas separadas que anteriormente tinha sido mais fluido em sua auto-compreensão, e que não tinha começado, buscando identidades separadas por si mesmos, eles queriam ser verdadeiramente católica e reformada."[329]
  6. A igreja conta todos os membros que já foram batizados, que não foram excomungados nem tiveram seus nomes removidos dos registros da igreja. Pesquisas independentes estimam que cerca de 50% das pessoas nas listas da Igreja SUD não se identificam com a religião. [340]

Referências

  1. Johnson, Todd M.; Grim, Brian J., eds. (2020). «All Religions (global totals)». World Religion Database. Leiden, Boston: BRILL, Boston University 
  2. «Religion by Country 2023». World Population Review. Consultado em 3 de maio de 2023 
  3. «Religion Information Data Explorer». Global Religious Futures. Consultado em 13 de outubro de 2022 
  4. Jan Pelikan, Jaroslav (13 de agosto de 2022). «Christianity». Encyclopædia Britannica 
  5. Analysis (19 de dezembro de 2011). «Global religious landscape: Christians» (PDF). Pewforum.org. Consultado em 17 de agosto de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 23 de março de 2018 
  6. Woodhead 2004, p. n.p
  7. a b Kimbrough 2005, p. 23
  8. Bautista & Lim 2009, p. 28
  9. Beyer 2006, p. 146
  10. «An Essay on Western Civilization in Its Economic Aspects». Cambridge University Historical Series: 40 
  11. Caltron 1953, p. 2
  12. Melton 2005, p. 398
  13. «Christian Traditions». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 19 de dezembro de 2011 
  14. «Status of Global Christianity, 2019, in the Context of 1900–2050» (PDF). Center for the Study of Global Christianity 
  15. Riswold 2009
  16. Peter, Laurence (17 de outubro de 2018). «Orthodox Church split: Five reasons why it matters». BBC. Consultado em 17 de outubro de 2018 
  17. a b «Global Christianity – A Report on the Size and Distribution of the World's Christian Population» (PDF). Pew Research Center. Cópia arquivada (PDF) em 1 de agosto de 2019 
  18. Henderso & Maoz 2020, pp. 129–130
  19. «Christian persecution 'at near genocide levels». BBC News. 3 de maio de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  20. a b Wintour, Patrick (2 de maio de 2019). «Persecution of Christians coming close to genocide' in Middle East - report». The Guardian. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  21. Peterson 1959, pp. 353–72
  22. Elwell & Comfort 2001, pp. 266, 828.
  23. Olson 2002a, pp. 29-30
  24. Tayviah 1995, p. 29
  25. Rogers 1985, pp. 62–63
  26. Orr, James. «The Apostles' Creed». International Standard Bible Encyclopedia. Reformed. Consultado em 19 de maio de 2011. Arquivado do original em 22 de junho de 2011 
  27. Pelikan & Hotchkiss 2003
  28. «"We Believe in One God....": The Nicene Creed and Mass». Catholics United for the Fath. Fevereiro de 2005. Consultado em 16 de junho de 2014. Arquivado do original em 19 de agosto de 2014 
  29. Encyclopedia of Religion, "Arianism".
  30. «Council of Ephesus». Catholic Encyclopedia 
  31. «First Meeting of the Council of Chalcedon». Christian History Institute. Arquivado do original em 6 de abril de 2014 
  32. Peter Theodore Farrington (fevereiro de 2006). «The Oriental Orthodox Rejection of Chalcedon». Glastonbury Review (113). Arquivado do original em 19 de junho de 2008 
  33. Papa Leão I. «Letter to Flavian». Arquivado do original em 20 de junho de 2022 
  34. «Athanasian Creed». Catholic Encyclopedia 
  35. a b «Our Common Heritage as Christians». The United Methodist Church. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2006 
  36. Avis 2002, p. 111
  37. White, Howard A. «The History of the Church». Arquivado do original em 30 de novembro de 2017 
  38. Cummins 1991, pp. 14–15
  39. Rhodes 2005, p. 123
  40. Woodhead 2004, p. 45
  41. Metzger & Coogan 1993, pp. 513, 649
  42. s:Nicene Creed
  43. Acts 1:9–11
  44. Gambero 1999
  45. Hanegraaff 2002, p. 15
  46. «The Significance of the Death and Resurrection of Jesus for the Christian». Australian Catholic University National. Consultado em 16 de maio de 2007. Arquivado do original em 1 de setembro de 2007 
  47. 1Cor 15:6
  48. Fuller 1965, p. 11
  49. Funk 1998
  50. Lorenzen 2003, p. 13
  51. 1Cor 15:14
  52. Ball & Johnsson 2002
  53. «John 3:16 New International Version». Bible Gateway. Consultado em 21 de outubro de 2022 
  54. a b Eisenbaum 2004, pp. 671–702
  55. Gal. 3:29
  56. Wright 1997, p. 121
  57. Rom. 8:9,11,16
  58. Grensted 1920, p. 191
  59. Assembleia de Westminster 1646
  60. «A Defense of Calvinism». Spurgeon. Arquivado do original em 10 de abril de 2008 
  61. «Grace and Justification». Catecismo da Igreja Católica. Arquivado do original em 15 de agosto de 2010 
  62. Kelly 1958, pp. 87–90
  63. Alexander & Rosner 2001, p. 514ff
  64. McGrath 2012, p. 61
  65. Metzger & Coogan 1993, p. 782
  66. Kelly 1964
  67. Bowden 2005
  68. Hornik & Parsons 2003, pp. 32–35
  69. Olson 2002b, p. 15
  70. Fowler 1997, p. 58
  71. τριάς. Liddell, Henry George; Scott, Robert; A Greek–English Lexicon no Perseus Project.
  72. Theophilus of Antioch. «Book II.15». Apologia ad Autolycum. Col: Patrologiae Graecae Cursus Completus (em grego e latim). 6. [S.l.: s.n.] 
  73. McManners 1990, p. 50
  74. Tertullian. «De Pudicitia» (em latim). Capítulo 21. Nam et ipsa ecclesia proprie et principaliter ipse est spiritus, in quo est trinitas unius diuinitatis, Pater et Filius et Spiritus sanctus. 
  75. McManners 1990, p. 53
  76. «Trinity». Oxford Dictionaries. Consultado em 4 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 20 de agosto de 2016 
  77. «Catechism of the Catholic Church, 253–267: The dogma of the Holy Trinity» (em inglês). Arquivado do original em 28 de abril de 2005 
  78. Harnack 1894
  79. Feldmeth 2008, p. 135
  80. Thomas Aquinas, «Summa Theologicum, Supplementum Tertiae Partis». questions 69 through 99 
  81. Calvin, John. «Institutes of the Christian Religion, Book Three, Ch. 25». reformed.org. Consultado em 1 de janeiro de 2008 
  82. «Particular Judgment». Catholic Encyclopedia 
  83. Ott 1952, p. 566
  84. David Moser. «What the Orthodox believe concerning prayer for the dead» 
  85. Ken Collins. «What Happens to Me When I Die?». Arquivado do original em 28 de setembro de 2008 .
  86. «Audience of 4 de agosto de 1999». Vatican.va. 4 de agosto de 1999. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  87. «The Communion of Saints». Catholic Encyclopedia 
  88. "The death that Adam brought into the world is spiritual as well as physical, and only those who gain entrance into the Kingdom of God will exist eternally. However, this division will not occur until Armageddon, when all people will be resurrected and given a chance to gain eternal life. In the meantime, "the dead are conscious of nothing." What is God's Purpose for the Earth?" Official Site of Jehovah's Witnesses. Watchtower, 15 de julho de 2002.
  89. Hartzler 2013, p. 48
  90. a b White 2010, pp. 71–82
  91. Buck 1999, p. 6
  92. Brock Parker, p. 135
  93. Russell 2010, p. 21
  94. a b Justin Martyr, First Apology §LXVII
  95. White 2010, p. 36
  96. Witvliet 2007, p. 11
  97. Wallwork, Norman (2019). «The Purpose of a Hymn Book» (PDF). Joint Liturgical Group of Great Britain. Consultado em 24 de junho de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 26 de junho de 2020 
  98. «The Calendar». Church of England. Consultado em 25 de junho de 2020 
  99. Silone 1937
  100. Benz 2008, p. 35
  101. «Understanding Closed Communion». Arquivado do original em 12 de agosto de 2006 
  102. «An open table: How United Methodists understand communion – The United Methodist Church». Igreja Metodista Unida. Consultado em 24 de junho de 2020 
  103. «Canon B28 of the Church of England» 
  104. a b Cross & Livingstone 1997, p. 1435ff
  105. Krahn, Cornelius; Rempel, John D. (1989). «Ordinances». Global Anabaptist Mennonite Encyclopedia 
  106. Hartzler 2013, p. 87
  107. Holy Apostolic Catholic Assyrian Church of the East, Archdiocese of Australia, New Zealand and Lebanon.
  108. Senn 2012, p. 103
  109. a b Fortescue, Adrian (1912). «Christian Calendar». The Catholic Encyclopedia. Robert Appleton Company. Consultado em 18 de julho de 2014 
  110. Hickman, White & Stookey 1986
  111. Kitzinger 1954, pp. 83–150
  112. Freedberg 1977, p. 176
  113. «ANF04. Fathers of the Third Century: Tertullian, Part Fourth; Minucius Felix; Commodian; Origen, Parts First and Second». Christian Classics Ethereal Library. 1 de junho de 2005. Consultado em 5 de maio de 2009 
  114. (Octavius of Minucius Felix, chapter XXIX).
  115. Tertuliano, De Corona, capítulo 3
  116. a b Dilasser 1999, pp. 18-21
  117.   Hassett, Maurice M. (1913). «Symbolism of the Fish». In: Herbermann, Charles. Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  118. «Book of Common Prayer, 1979, Episcopal». Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2022 
  119. Felton 2006, p. 21
  120. «Baptism». Orthodox Church in America. Arquivado do original em 12 de outubro de 2010 
  121. «Baptism». Arquivado do original em 30 de setembro de 2014 
  122. Olson, Karen Bates (12 de janeiro de 2017). «Why infant baptism?» (em inglês). Living Lutheran. Consultado em 11 de maio de 2022 
  123. Eby, Edwin R. «Early Anabaptist Positions on Believer's Baptism and a Challenge for Today» (em inglês). Pilgrim Mennonite Conference. Consultado em 11 de maio de 2022. Arquivado do original em 11 de maio de 2022 
  124. Kurian & Day 2017, p. 292
  125. Kraybill 2010, p. 23
  126. Nolt & Loewen 2010, p. 198
  127. Brackney 2012, p. 279
  128. «Matthew 6:9–13 Evangelical Heritage Version (EHV)». Consultado em 10 de março de 2020 
  129. Jordan 2000, p. 102
  130. Milavec 2003, p. 242
  131. Beckwith 2005, p. 193
  132. Chadwick 1993, pp. 357-358
  133. Lössl 2010, p. 135
  134. Kurian, Jake. «"Seven Times a Day I Praise You" – The Shehimo Prayers». Diocese do Sudoeste da América da Igreja Síria Ortodoxa Malankara. Consultado em 2 de agosto de 2020 
  135. Cecil 1906, p. 399
  136. Hipólito 2009, pp. 8, 16, 17
  137. Alexander & Rosner 2001
  138. «What We Believe» (em inglês). Igreja Católica Anglo-luterana. Consultado em 12 de maio de 2022. Arquivado do original em 18 de maio de 2007 
  139. Ferguson & Packer 1988 capítulo: Saints
  140. Gray 2003, p. 140
  141. «The Book of Common Prayer». Igreja da Inglaterra. Consultado em 24 de junho de 2020 
  142. Virkler & Ayayo 2007, p. 21
  143. «Inspiration and Truth of Sacred Scripture». Catecismo da Igreja Católica. Arquivado do original em 9 de setembro de 2010 (§ 105–108)
  144. «Of the Holy Scripture Being the True Word of God». Second Helvetic Confession. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2007 
  145. «Chicago Statement on Biblical Inerrancy». Arquivado do original em 29 de janeiro de 1998 
  146. Metzger & Coogan 1993, p. 39
  147. Bowker 2011, pp. 13-14
  148. «Evodius of Antioch → Antioch, Church of». Brill Encyclopedia of Early Christianity Online. doi:10.1163/2589-7993_eeco_dum_00001220 
  149. Cory 2015, pp. 20 e as posteriores
  150. Benko 1984, pp. 22 e as posteriores
  151. McGrath 2006, p. 174
  152. Seifrid 1992, pp. 210–211, 246–247
  153. Wylen 1995, pp. 190–192
  154. Dunn 1999, pp. 33–34
  155. Boatwright, Gargola & Talbert 2004, p. 426
  156. «Fathers of the Church». New Advent, Catholic Encyclopedia 
  157. «Patrística – Os Escritos dos Santos Padres da Igreja». Veritatis Splendor. Consultado em 22 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 19 de junho de 2006 
  158. «Church Father (Christianity)». Encyclopedia Britannica 
  159. Martin, D. (2010). «The "Afterlife" of the New Testament and Postmodern Interpretation». Cópia arquivada em 8 de junho de 2016 
  160. «The "Afterlife" of the New Testament and Postmodern Interpretation». Yale University. Arquivado do original em 12 de agosto de 2016 
  161. «O que foi o Edito de Milão?». Página oficial da Opus Dei. Consultado em 28 de abril de 2023 
  162. Ehrman & Pleše 2011, pp. 197–216
  163. Whitby 2006
  164. Meinardus 2002, p. 28
  165. Lettinga, Neil. «A History of the Christian Church in Western North Africa». Arquivado do original em 30 de julho de 2001 
  166. «History of Christianity in Africa». All About Religion. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 16 de novembro de 2010 
  167. Brunner 2006, p. 685
  168. Lint 2009, p. 269
  169. Harris 2017, p. 38
  170. Chidester 2000, p. 91
  171. Ricciotti 1999
  172. Bettenson. «Theodosian Code XVI.i.2». Documents of the Christian Church. p. 31 
  173. Burbank & Copper 2010, p. 64
  174. McTavish 2010, p. 126
  175. McManners 1990, p. 37ff
  176. a b Harari 2015, pp. 243, 247
  177. Leustean 2014, p. 8
  178. Cameron 2006, p. 42.
  179. Cameron 2006, p. 47.
  180. Browning 1992, pp. 198–208.
  181. Browning 1992, p. 218.
  182. «Oriental Orthodoxy». World Heritage Encyclopedia (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2020. Arquivado do original em 8 de abril de 2016 
  183. «Oriental Orthodoxy». Patheos Library (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2020. Arquivado do original em 30 de setembro de 2010 
  184. a b c d e González 1984, pp. 238–242
  185. Mullin 2008, p. 88.
  186. Mullin 2008, pp. 93–94.
  187. González 1984, pp. 244–47
  188. González 1984, p. 260
  189. González 1984, pp. 278–281
  190. Riché 1978, pp. 126–127, 282–298
  191. Rudy 1984, p. 40
  192. Verger 1999
  193. Verger 2007, p. 257
  194. Rüegg 1992, pp. XIX–XX
  195. González 1984, pp. 303–307, 310ff., 384–386
  196. González 1984, pp. 305, 310ff., 316ff
  197. González 1984, pp. 321–323, 365ff
  198. Parole de l'Orient 2005, p. 488
  199. González 1984, pp. 292–300
  200. Riley-Smith 1999
  201. «The Great Schism: The Estrangement of Eastern and Western Christendom». Orthodox Information Centre. Consultado em 26 de maio de 2007 
  202. Duffy 1997, p. 91
  203. O'Brien 1901, p. 70
  204. MacCulloch 2011, p. 699
  205. Telushkin 2008, pp. 192–193
  206. González 1984, pp. 300, 304–05
  207. González 1984, pp. 310, 383, 385, 391
  208. Simon 1966, p. 7
  209. Simon 1966, pp. 39, 55–61
  210. Schama 2000, pp. 306–10
  211. Bokenkotter 2004, pp. 242–44
  212. Simon 1966, pp. 109–120
  213. Coffey 2004, pp. passim
  214. a b «Looking at the Renaissance: Religious Context in the Renaissance». Open University. Consultado em 20 de maio de 2007 
  215. a b Gilley & Stanley 2006, p. 164
  216. Dobrzycki & Hajdukiewicz 1969, p. 11
  217. Sharratt 1994, pp. 17, 213
  218. National Catholic Reporter, 8 de outubro de 2004, p. 2a. A review of James A. Connor Kepler's Witch: An Astronomer's Discovery of Cosmic Order amid Religious War, Political Intrigue and Heresy Trial of His Mother, Harper San Francisco.
  219. «Newton, Isaac». The Galileo Project. Rice University. Consultado em 5 de julho de 2008. Arquivado do original em 27 de agosto de 2004 
  220. «The Boyle Lecture». St. Marylebow Church. Consultado em 18 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 18 de maio de 2007 
  221. Novak 1988, p. 63
  222. Chambers 1974, capítulo 21
  223. Marsh 2011, p. 47
  224. Adappur 2000, p. 306
  225. Blainey 2011, p. 494
  226. Altermatt 2007, pp. 15–34
  227. Heimann 1995, pp. 165–73
  228. Smith 2011, p. 360
  229. «Religion may become extinct in nine nations, study says». BBC News. 22 de março de 2011 
  230. «図録▽世界各国の宗教». .ttcn.ne.jp. Consultado em 17 de agosto de 2012. Arquivado do original em 18 de agosto de 2012 
  231. Jenkins 2011, pp. 101–133
  232. Kim & Kirsteen 2008, p. 2
  233. Hanciles 2008
  234. Fargues 1998
  235. «World». 33,39% de uma população de 7 bilhões. CIA world facts. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2013 
  236. «The List: The World's Fastest-Growing Religions». foreignpolicy.com. Maio de 2007. Consultado em 4 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 21 de maio de 2007 
  237. a b c d «Major Religions Ranked by Size». Adherents.com. Consultado em 5 de maio de 2009. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2009 
  238. Ustorf 2003, pp. 219–20
  239. «Table of religions, by region». Encyclopædia Britannica 
  240. ARIS 2008 Report: Part IA – Belonging. «American Religious Identification Survey 2008». B27.cc.trincoll.edu. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 18 de maio de 2011 
  241. «New UK opinion poll shows continuing collapse of 'Christendom'». Ekklesia. 23 de dezembro de 2006. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  242. Barrett & Kurian Johnson, p. 139 (Reino Unido), 281 (França), 299 (Alemanha)
  243. «Christians in the Middle East». BBC News. 15 de dezembro de 2005. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  244. Katz, Gregory (25 de dezembro de 2006). «Is Christianity dying in the birthplace of Jesus?». Chron. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  245. «Number of Christians among young Koreans decreases by 5% per year». Omf. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2007 
  246. «Christianity fading in Taiwan». American Buddhist Net. 10 de novembro de 2007. Consultado em 5 de maio de 2009. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2009 
  247. Greenlees, Donald (26 de dezembro de 2007). «A Gambling-Fueled Boom Adds to a Church's Bane». Macao: New York Times. Consultado em 30 de junho de 2011 
  248. Barry A. Kosmin and Ariela Keysar (2009). «AMERICAN RELIGIOUS IDENTIFICATION SURVEY (ARIS) 2008» (PDF). Hartford, Connecticut, USA: Trinity College. Consultado em 1 de abril de 2009. Arquivado do original (PDF) em 7 de abril de 2009 
  249. «Religions in Canada». Census 2001. 9 de março de 2010. Consultado em 19 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2007 
  250. «Australian 2006 census – Religion». Census Data. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  251. «Table 28 – QuickStats About Culture and Identity – Tables». 2006 Census Data. Arquivado do original em 24 de julho de 2011 .
  252. Putnam 2002, p. 408
  253. McGrath 2006, p. xvi
  254. Marber 2003, p. 99
  255. Stoll 1990
  256. Jeff Hadden (1997). «Pentecostalism». Consultado em 24 de setembro de 2008. Arquivado do original em 27 de abril de 2006 
  257. Pew Forum on Religion and Public Life (24 de abril de 2006). «Moved by the Spirit: Pentecostal Power and Politics after 100 Years». Consultado em 24 de setembro de 2008 
  258. «Pentecostalism». Britannica Concise Encyclopedia. 2007. Consultado em 21 de dezembro de 2008. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2009 
  259. Ed Gitre (13 de novembro de 2000). «The CT Review: Pie-in-the-Sky Now». Christianity Today Magazine 
  260. «التنصير في إفريقيا». Al Jazeera. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2001 
  261. «Six Million African Muslims Convert to Christianity Each Year». OrthodoxyToday.org. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 16 de julho de 2006 
  262. «Six million African Muslims leave Islam per year». American Thinker. Consultado em 19 de novembro de 2010 
  263. «Over a Million Muslim Converts to Christianity». Mens News Daily. 31 de dezembro de 2006. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 19 de março de 2008 
  264. «35,000 Moslems convert into Christianity each year in Turkey». Chowk. 30 de outubro de 2009. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 25 de maio de 2011 
  265. «160,000 Have Converted Out of Hinduism in Malaysia in 25 Years». Christianaggression.org. 16 de maio de 2005. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 23 de novembro de 2007 
  266. «Religions in Mongolia». Mongolia-attractions.com. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 13 de maio de 2011 
  267. «Religious Demographic Profiles – Pew Forum». Consultado em 4 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2009 
  268. «Annual Report on International Religious Freedom for 2005 – Vietnam». U.S. Department of State. 30 de junho de 2005. Consultado em 11 de março de 2007. Arquivado do original em 24 de março de 2006 
  269. «Costa Rica». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  270. «Denmark». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  271. a b «El Salvador». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  272. «Church and State in Britain: The Church of privilege». Centre for Citizenship. Consultado em 11 de maio de 2008. Arquivado do original em 9 de junho de 2002 
  273. «Official Religions of Finland». Finish Tourist Board. Consultado em 11 de maio de 2008. Arquivado do original em 12 de maio de 2006 
  274. «State and Church in Finland». Euresis. Consultado em 11 de maio de 2008. Arquivado do original em 20 de julho de 2011 
  275. «McCain Praises Georgia For Adopting Christianity As Official State Religion». BeliefNet. Consultado em 11 de abril de 2009 
  276. «Iceland». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  277. «Liechtenstein». U.S. Department of State. Consultado em 11 de maio de 2008. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2003 
  278. «Malta». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  279. «Monaco». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  280. «Norway». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  281. «Vatican». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de maio de 2008 
  282. «Cyprus». U.S. Department of State. Consultado em 11 de maio de 2008. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2003 
  283. Rhodes 2005, p. 14
  284. «Divisions of Christianity». North Virginia College. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 20 de maio de 2003 
  285. «The LDS Restorationist movement, including Mormon denominations». Religious Tolerance. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 10 de abril de 2005 
  286. «Nicene Creed». Encyclopædia Britannica Online. 2007. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 19 de março de 2006 
  287. Ahlstrom 2004, p. 381
  288. a b Nash, Donald. «Why the Churches of Christ are not a Denomination» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 16 de julho de 2004 
  289. Wendell Winkler. «Christ's Church is not a Denomination» 
  290. David E. Pratt. «What does God think about many Christian denominations?». Arquivado do original em 28 de agosto de 2008 
  291. a b c Segundo Concílio Vaticano, Lumen Gentium.
  292. Duffy 1997, p. 1
  293. Hitchcock 2004, p. 281
  294. Norman 2007a, p. 11, 14
  295. «Paragraph 865». Catecismo da Igreja Católica. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2001 
  296. Marthaler 1994, prefácio
  297. John Paul II, Pope (1997). «Laetamur Magnopere». Vatican. Consultado em 9 de março de 2008. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2008 
  298. Annuario Pontificio (2007), p. 1172.
  299. Barry 2001, p. 71
  300. «Number of Catholics and Priests Rises». Zenit.org. 12 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2008 
  301. «CIA World Factbook». Central Intelligence Agency. 2007. Arquivado do original em 12 de junho de 2007 
  302. Cross & Livingstone 1997, p. 1199
  303. Fairchild, Mary. «Eastern Orthodox Denomination». Learn Religions. Consultado em 22 de maio de 2014 
  304. Ware 1993, p. 8
  305. «Oriental Orthodox Churches». World Council of Churches. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 6 de abril de 2010 
  306. «An Introduction to the Oriental Orthodox Churches». Pluralism.org. 15 de março de 2005. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 19 de novembro de 2008 
  307. OONS. «Middle Eastern Oriental Orthodox Common Declaration». Syrian Orthodox Resources. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 26 de junho de 2010 
  308. Lamport 2018, p. 601
  309. «Orthodox Christianity in the 21st Century». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017 
  310. «Orthodox churches (Oriental)». World Council of Churches (em inglês) 
  311. Betts 1978
  312. Meyendorff 1989
  313. Hindson & Mitchell 2013, p. 108
  314. Baumer 2006
  315. Hunter 2014, pp. 601–620
  316. a b McManners 1990, pp. 251–59
  317. Carroll 2004, pp. 20-24
  318. «About The Methodist Church». Methodist Central Hall Westminster. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2007 
  319. a b «American Holiness Movement». Finding Your Way, Inc. Consultado em 31 de dezembro de 2007 
  320. «Christianity: Pentecostal Churches». Finding Your Way, Inc. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 19 de maio de 2004 
  321. «Statement of Belief». Cambridge Christ United Methodist Church. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  322. «The New Birth by John Wesley (Sermon 45)». The United Methodist Church GBGM. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 13 de setembro de 2007 
  323. «God's Preparing, Accepting, and Sustaining Grace». The United Methodist Church GBGM. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2008 
  324. «Total Experience of the Spirit». Warren Wilson College. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 3 de setembro de 2006 
  325. Sykes, Booty & Knight 1998, p. 219
  326. Gregory Hallam. «Orthodoxy and Ecumenism» 
  327. Gregory Mathewes-Green. «Whither the Branch Theory?». Anglican Orthodox Pilgrim. 2 (4). Arquivado do original em 23 de março de 2006 
  328. MacCulloch 2004, p. xxiv
  329. «Classification of Protestant Denominations» (PDF). Pew Forum on Religion & Public Life / U.S. Religious Landscape Survey. Consultado em 27 de setembro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 4 de julho de 2008 
  330. «Salt Lake Temple». LDS. Consultado em 14 de setembro de 2010. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2002 
  331. McManners 1990, p. 91f
  332. «The Restorationist Movements». Religious Tolerance. Consultado em 31 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 12 de dezembro de 2006 
  333. «What is Restorationism?». Got Questions Ministries. Consultado em 31 de dezembro de 2007 
  334. «Membership 2005». JW-Media.org. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2009 
  335. Ahlstrom 2004
  336. «Statistical Report 2008». Lds.org. 31 de dezembro de 2008. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 14 de abril de 2009 
  337. «LDS Church says membership now 13 million worldwide». Salt Lake Tribune. 25 de junho de 2007 
  338. «One Million Missionaries, Thirteen Million Members». LDS Church. 25 de junho de 2007. Arquivado do original em 2 de julho de 2007 
  339. John Dart (21 de agosto de 2007). «Counting Mormons: study says LDS numbers inflated, Christian Century». Arquivado do original em 25 de janeiro de 2008 
  340. Hales, Brook P. «Relatório Estatístico de 2013». Church of Jesus Christ. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  341. «Do You Believe in a Devil?». Birmingham: CMPA. Consultado em 8 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 30 de agosto de 2010 
  342. Kevin Knight. «The dogma of the Trinity». Catholic Encyclopedia 
  343. John 6:14 Jesus identified as a prophet. The greater Moses.
  344. «Unitarian Views of Jesus». UUA.org. Arquivado do original em 15 de março de 2007 
  345. «Socinianism: Unitarianism in 16th-17th century Poland and Its Influence». sullivan-county.com 
  346. Melton 2005, p. 543
  347. Fahlbusch et al. 2008, p. 603
  348. Bochenski 2013
  349. «Old Catholic Church of the Beatitudes». Arquivado do original em 11 de outubro de 2011 
  350. Fahlbusch 2008, p. 208
  351. Fleming, Rowan & Chambers 2004, p. 4
  352. Ariel 2006, p. 208
  353. Besant 2001
  354. Hanegraaff et al. 2005
  355. «Esotericism». Merriam-Webster Online Dictionary. 13 de agosto de 2010. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2008 
  356. «Esoteric». Merriam-Webster Online Dictionary. Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original em 7 de setembro de 2008 
  357. a b Journal of American History 1997, p. 1400
  358. Barnett, Joe R. «Who are the Churches of Christ» (em inglês). Southside Church of Christ. Consultado em 7 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 29 de abril de 2015 
  359. Hughes & Roberts 2001, p. 63
  360. Cherok 2011, p. 47
  361. Dawson & Olsen 1961, p. 108
  362. a b c Koch 1994
  363. Dawson & Olsen 1961
  364. «Forms of Christian education». Encyclopædia Britannica. Arquivado do original em 26 de setembro de 2013 
  365. Hough 2007, p. 68
  366. Woods 2005, p. 109.
  367. «Jesuit». Encyclopædia Britannica 
  368. Wallace 1984
  369. a b c «Church and social welfare». Encyclopædia Britannica 
  370. Hillerbrand 2016, p. 174
  371. Fletcher 1931, pp. 113-126
  372. «Church and state». Encyclopædia Britannica 
  373. Buringh & van Zanden 2009, pp. 409–445
  374. Gariepy 2009, p. 16
  375. Warsh & Strong-Boag 2006, p. 315
  376. «The tendency to spiritualize and individualize marriage». Encyclopædia Britannica 
  377. Rawson 2010, p. 111
  378. Hill 1993, p. 4
  379. Brague 2009, p. 164
  380. Ferguson 2011, p. 100
  381. Kaser 2011, p. 135
  382. Rémi Brague. «Assyrians contributions to the Islamic civilization». Arquivado do original em 17 de março de 2010 
  383. «Nestorian». Britannica 
  384. «Religion of History's 100 Most Influential People». Arquivado do original em 28 de novembro de 1999 
  385. «Religion of Great Philosophers». Arquivado do original em 18 de janeiro de 2000 
  386. Spinello 2012, p. 147
  387. Steane 2014, p. 179
  388. «Christian Influences in the Sciences». rae.org. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  389. «World's Greatest Creation Scientists from Y1K to Y2K». Creation Safaris. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2016 
  390. «100 Scientists Who Shaped World History». Arquivado do original em 19 de novembro de 2005 
  391. «50 Nobel Laureates and Other Great Scientists Who Believe in God». Arquivado do original em 24 de maio de 2007 
  392. «Religious Affiliation of the World's Greatest Artists». Arquivado do original em 11 de dezembro de 2005 
  393. «Wealthy 100 and the 100 Most Influential in Business». Arquivado do original em 19 de novembro de 2005 
  394. Shalev 2003, p. 57
  395. Oosthuizen 1968
  396. Mallory & Baldwin 1973, p. 64
  397. a b «Resolution». Religious Publicity Service of the Federal Council of the Churches of Christ in America. Federal Council Bulletin. 25-27. 1942 
  398. a b McManners 1990, pp. 581–584
  399. McManners 1990, p. 413ff
  400. McManners 1990, p. 498
  401. a b Oxford 2000, p. 694
  402. Bowden 2005, p. 307
  403. McManners 1990, p. 373
  404. McManners 1990, p. 583
  405. «Methodist Statement» (PDF). Consultado em 19 de novembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 16 de janeiro de 2010 
  406. Bromiley 1982, p. 175
  407. Dunn 1999, pp. 112–113
  408. Norman 2007b, p. 11
  409. Akers 2000, p. 103
  410. Ferguson 1993, pp. 562–564
  411. Thomas 2004, pp. 72–73
  412. a b Olson 1999, p. 101
  413. McGuckin 2004, pp. 32–34
  414. Ferguson 1993, pp. 556–561
  415. Sherwin-White 1964, pp. 23–27
  416. Kurian & Smith 2010, p. 527
  417. Kannaday 2005, pp. 32–33
  418. Kessler & Wenborn 2005, p. 168
  419. Magnus & Higgins 1996, pp. 90–93
  420. Russell 1999, pp. 77–87
  421. McGrath 2006, pp. 125–126
  422. Price 2011
  423. Barton 1998.
  424. Kaplan 2005, pp. 665–676
  425. Weber, Jeremy (11 de janeiro de 2017). «'Worst year yet': the top 50 countries where it's hardest to be a Christian». Christianity Today. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  426. Enos, Olivia (25 de janeiro de 2017). «North Korea is the world's worst persecutor of Christians». Forbes. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  427. Mounstephen, Philip (abril de 2019). «Interim report» (PDF). Bishop of Truro’s Independent Review for the Foreign Secretary of FCO Support for Persecuted Christians. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  428. a b Mounstephen, Philip (julho de 2019). «Final Report and Recommendations» (PDF). Bishop of Truro’s Independent Review for the Foreign Secretary of FCO Support for Persecuted Christians. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  429. Kay, Barbara (8 de maio de 2019). «Our politicians may not care, but Christians are under siege across the world». National Post. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  430. Dulles 2005, p. 120
  431. Bush 1983, p. 275
  432. a b «Why I Believe in Christianity». Society of Gilbert Keith Chesterton 
  433. Hauser 2011, pp. 16–20
  434. Howson 2011, p. 92

Bibliografia

  • «Chapter X». The Westminster Confession of Faith. Londres: Assembleia de Westminster. 1646. Arquivado do original em 28 de maio de 2014 
  • The Journal of American History (em inglês). Oxford: Oxford University Press. 1997 
  • The Oxford companion to Christian thought. Oxford: Oxford University Press. 2000. ISBN 978-0-19-860024-4 
  • Parole de l'Orient. 30. Jounieh: Université Saint-Esprit. 2005 
  • Adappur, Abraham (2000). Religion and the Cultural Crisis in India and the West. Boston: Intercultural Publications. ISBN 978-81-85574-47-9 
  • Ahlstrom, Sydney E. (2004). A Religious History of the American People. [S.l.: s.n.] 
  • Akers, Keith (2000). The Lost Religion of Jesus: Simple Living and Nonviolence in Early Christianity. Nova Iorque: Lantern Books. ISBN 978-1-930-05126-3 
  • Altermatt, Urs (2007). «Katholizismus und Nation: Vier Modelle in europäisch-vergleichender Perspektive». In: Urs Altermatt, Franziska Metzger. Religion und Nation: Katholizismen im Europa des 19. und 20. Jahrhundert (em alemão). Stuttgart: Kohlhammer. ISBN 978-3-17-019977-4 
  • Alexander, T.D.; Rosner, B.S, eds. (2001). «Prayer». New Dictionary of Biblical Theology. Downers Grove, IL: Intervarsity Press 
  • Ariel, Yaakov (2006). «Judaism and Christianity Unite! The Unique Culture of Messianic Judaism». In: Gallagher, Eugene V.; Ashcraft, W. Michael. Jewish and Christian Traditions. Col: Introduction to New and Alternative Religions in America. 2. Westport, CN: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-275-98714-5 
  • Avis, Paul (2002). The Christian Church: An Introduction to the Major Traditions. Londres: SPCK. ISBN 0-281-05246-8 
  • Bautista, Julius; Lim, Francis Khek Gee (2009). Christianity and the State in Asia: Complicity and Conflict. Abingdon-on-Thames: Taylor & Francis. ISBN 9781134018871 
  • Bahnsen, Greg (4 de dezembro de 2014). «A Reformed Confession Regarding Hermeneutics». Artigo 6. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2014 
  • Ball, Bryan; Johnsson, William, eds. (2002). The Essential Jesus. Nampa: Pacific Press. ISBN 0-8163-1929-4 
  • Barrett, David B.; Kurian, Thomas; Johnson, Todd M., eds. (2001). World Christian Encyclopedia. Nova Iorque: Oxford University Press 
  • Barry, John F. (2001). One Faith, One Lord: A Study of Basic Catholic Belief. Nova Iorque: William H. Sadlier. ISBN 0-8215-2207-8 
  • Barton, James L. (1998). Turkish Atrocities: Statements of American Missionaries on the Destruction of Christian Communities in Ottoman Turkey, 1915–1917. Londres: Gomidas Institute. ISBN 1-884630-04-9 
  • Baumer, Christoph (2006). The Church of the East: An Illustrated History of Assyrian Christianity. Londres-Nova Iorque: Tauris. ISBN 978-1-84511-115-1 
  • Beckwith, Roger T. (2005). Calendar, Chronology And Worship: Studies in Ancient Judaism And Early Christianity. Leiden: BRILL. ISBN 978-90-04-14603-7 
  • Benko, Stephen (1984). Pagan Rome and the Early Christians. Bloomington: Indiana University Press. ISBN 978-0-253-34286-7 
  • Benton, John (1988). Is Christianity True?. Darlington: Evangelical Press. ISBN 0-85234-260-8 
  • Benz, Ernst (2008). The Eastern Orthodox Church: Its Thought and Life. Piscataway: Transaction Publishers. ISBN 978-0-202-36575-6 
  • Besant, Annie (2001). Esoteric Christianity or the Lesser Mysteries. Chestnut Hill: Adamant Media Corporation. ISBN 978-1-4021-0029-1 
  • Bettenson, Henry, ed. (1943). Documents of the Christian Church. Nova Iorque: Oxford University Press 
  • Betts, Robert B. (1978). Christians in the Arab East: A Political Study 2ª rev. ed. Atenas: Lycabettus Press. ISBN 978-0-8042-0796-6 
  • Beyer, Peter (2006). Religions in Global Society. Londres: Routledge 
  • Blainey, Geoffrey (2011). A Short History of Christianity. Nova Iorque: Viking 
  • Boatwright, Mary Taliaferro; Gargola, Daniel J.; Talbert, Richard John Alexander (2004). The Romans: From Village to Empire. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-511875-8 
  • Bochenski, Michael I. (2013). Transforming Faith Communities: A Comparative Study of Radical Christianity in Sixteenth-Century Anabaptism and Late Twentieth-Century Latin America (em inglês). Eugene: Wipf and Stock Publishers. ISBN 978-1-62189-597-8 
  • Bokenkotter, Thomas (2004). A Concise History of the Catholic Church. Nova Iorque: Doubleday. ISBN 978-0-385-50584-0 
  • Bowden, John Sthephen (2005). Encyclopedia of Christianity. Nova Iorque: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-522393-4 
  • Bowker, John (2011). The Message and the Book. Londres: Atlantic Books 
  • Brackney, William H. (2012). Historical Dictionary of Radical Christianity (em inglês). Lanham: Scarecrow Press. ISBN 978-0-8108-7365-0 
  • Brague, Rémi (2009). The Legend of the Middle Ages. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-07080-3 
  • Briggs, Charles A. (1913). The fundamental Christian faith: the origin, history and interpretation of the Apostles' and Nicene creeds. Nova Iorque: C. Scribner's sons 
  • Brock, Rita Nakashima; Parker, Rebecca Ann (2008). Saving Paradise: How Christianity Traded Love of this World for Crucifixion and Empire. Boston: Beacon Press. ISBN 978-0-8070-6750-5 
  • Bromiley, Geoffrey W., ed. (1982). International Standard Bible Encyclopedia: E-J. [S.l.: s.n.] ISBN 0-8028-3782-4 
  • Browning, Robert (1992). The Byzantine Empire. Washington, DC: The Catholic University of America Press. ISBN 978-0-8132-0754-4 
  • Brunner, Borgna (2006). Time Almanac with Information Please 2007. Nova Iorque: Time Home Entertainment. ISBN 978-1-933405-49-0 
  • Buck, Christopher (1999). Paradise and Paradigm: Key Symbols in Persian Christianity and the Baha'i Faith. Albany: State University of New York Press. ISBN 978-0-7914-4062-9 
  • Burbank, Jane; Copper, Frederick (2010). Empires in World History: Power and the Politics of Difference. Princeton: Princeton University Press 
  • Buringh, Eltjo; van Zanden, Jan Luiten (2009). «Charting the 'Rise of the West': Manuscripts and Printed Books in Europe, A Long-Term Perspective from the Sixth through Eighteenth Centuries». The Journal of Economic History. 69 (2) 
  • Bush, L Russ, ed. (1983). Classical Readings in Christian Apologetics. Grand Rapids: Zondervan. ISBN 978-0-310-45641-4 
  • Caltron, J.H Hayas (1953). Christianity and Western Civilization. Redwood City: Stanford University Press 
  • Cameron, Averil (2006). The Byzantines. Oxford: Blackwell. ISBN 978-1-4051-9833-2 
  • Carroll, James Milton (2004). «The Trail of Blood». The School of Biblical & Theological Studies 
  • Cecil, Mary (1906). A Sketch of Egyptian History from the Earliest Times to the Present Day. Londres: Methuen 
  • Chadwick, Henry (1993). The Early Church. Londres: Penguin 
  • Chambers, Mortimer; Crew, Herlihy; Rabb, Woloch (1974). The Western Experience: The Early Modern Period. II. Nova Iorque: Alfred A. Knopf. ISBN 0-394-31734-3 
  • Cherok, Richard J. (2011). Debating for God: Alexander Campbell's Challenge to Skepticism in Antebellum America (em inglês). Abilene: ACU Press 
  • Coffey, John (2000). Persecution and Toleration in Protestant England 1558–1689. Londres: Pearson Education 
  • Chidester, David (2000). Christianity: A Global History. São Francisco: HarperOne 
  • Cory, Catherine (2015). Christian Theological Tradition. Abingdon-on-Thames: Routledge. ISBN 978-1-317-34958-7 
  • Cross, F.L.; Livingstone, E.A., eds. (1997). The Oxford Dictionary of the Christian Church. Nova Iorque: Oxford University Press. ISBN 0-19-211655-X 
  • Cummins, Duane D. (1991). A handbook for Today's Disciples in the Christian Church (Disciples of Christ) Revisada ed. St Louis, MO: Chalice Press. ISBN 978-0-8272-1425-5 
  • Dawson, Christopher; Olsen, Glenn (1961). Crisis in Western Education reimpresão ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8132-1683-6 
  • Deppermann, Klaus (1987). Melchior Hoffman: Social Unrest and Apocalyptic Vision in the Age of Reformation. Londres: Bloomsbury Publishing. ISBN 0-567-08654-2 
  • Dilasser, Maurice (1999). The Symbols of the Church. Collegeville, MN: Liturgical Press. ISBN 0-8146-2538-X 
  • Dobrzycki, Jerzy; Hajdukiewicz, Leszek (1969). «Kopernik, Mikołaj». Polski słownik biograficzny (Polish Biographical Dictionary) (em pol). XIV. Breslávia: Academia de Ciências da Polônia 
  • Duffy, Eamon (1997). Saints and Sinners, a History of the Popes. New Haven: Yale University Press. ISBN 0-300-07332-1 
  • Dulles, Avery Robert Cardinal (2005). A History of Apologetics. São Francisco: Ignatius Press. ISBN 978-0-89870-933-9 
  • Dunn, James D. G. (1999). Jews and Christians: The Parting of the Ways, A.D. 70 to 135. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 0-8028-4498-7 
  • Eisenbaum, Pamela (2004). «A Remedy for Having Been Born of Woman: Jesus, Gentiles, and Genealogy in Romans» (PDF). Journal of Biblical Literature. 123 (4). doi:10.2307/3268465. Arquivado do original (PDF) em 27 de junho de 2008 
  • Ehrman, Bart D.; Pleše, Zlatko (2011). «The Jewish Christian Gospels». The Apocryphal Gospels: Texts and Translations. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-973210-4. 216 
  • Elwell, Walter; Comfort, Philip Wesley (2001). Tyndale Bible Dictionary. Carol Stream: Tyndale House Publishers. ISBN 0-8423-7089-7 
  • Esler, Philip F. (2004). The Early Christian World. Abingdon-on-Thames: Routledge 
  • Fahlbusch, Erwin; et al. (2008). The Encyclodedia of Christianity (em inglês). 5. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 978-0-8028-2417-2 
  • Fargues, Philippe (1998). «A Demographic Perspective». In: Pacini, Andrea. Christian Communities in the Middle East. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-829388-0 
  • Farrar, F.W. (1904). Mercy and Judgment. A Few Last Words On Christian Eschatology With Reference to Dr. Pusey's, "What Is Of Faith?. Londres/Nova Iorque: Macmillan 
  • Feldmeth, Nathan P. (2008). Pocket Dictionary of Church History. Westmont: InterVarsity Press. ISBN 9780830827039 
  • Felton, Gayle Carlton (2006) [1997]. By Water and The Spirit: Making Connections for Identity and Ministry (PDF). Nashville: Discipleship Resources. Cópia arquivada (PDF) em 27 de junho de 2022 
  • Ferguson, Sinclair; Wright, David, eds. (1988). New Dictionary of Theology. Downers Grove: Inter-Varsity Press. ISBN 0-85110-636-6 
  • Ferguson, Everett (1993). Backgrounds of Early Christianity 2ª ed. Grand Rapids, Michigan: William B. Eerdmans Publishing Company. ISBN 978-0-8028-0669-7 
  • Ferguson, Kitty (2011). Pythagoras: His Lives and the Legacy of a Rational Universe. Londres: Icon Books Limited 
  • Fleming, John A.; Rowan, Michael J.; Chambers, James Albert (2004). Folk Furniture of Canada's Doukhobors, Hutterites, Mennonites and Ukrainians (em inglês). Calgary: University of Alberta. ISBN 978-0-88864-418-3 
  • Fletcher, Banister (1931). History of Architecture on the Comparative Method. Nova Iorque: Scribner 
  • Foutz, Scott. «Martin Luther and Scripture». Arquivado do original em 14 de abril de 2000 
  • Fowler, Jeaneane D. (1997). World Religions: An Introduction for Students. Eastbourne: Sussex Academic Press. ISBN 1-898723-48-6 
  • Fuller, Reginald H. (1965). The Foundations of New Testament Christology. Nova Iorque: Scribners. ISBN 0-684-15532-X 
  • Freedberg, David (1977). «The Structure of Byzantine and European Iconoclasm». In: Bryer, Anthony; Herrin, Judith. Iconoclasm. Birmingham: University of Birmingham. ISBN 0-7044-0226-2 
  • Froehle, Bryan; Gautier, Mary (2003). Global Catholicism, Portrait of a World Church. Colaborador: Center for Applied Research in the Apostolate, Georgetown University. Ossining: Orbis books. ISBN 1-57075-375-X 
  • Funk, Robert (1998). The Acts of Jesus: What Did Jesus Really Do?. Salem: Polebridge Press. ISBN 0-06-062978-9 
  • Gambero, Luigi (1999). Mary and the Fathers of the Church: The Blessed Virgin Mary in Patristic Thought. São Francisco: Ignatius Press. ISBN 978-0-89870-686-4 
  • Gariepy, Henry (2009). Christianity in Action: The History of the International Salvation Army. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing 
  • Gilley, Sheridan; Stanley, Brian, eds. (2006). The Cambridge History of Christianity: World Christianities C.1815-c.1914. 8. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-81456-1 
  • Glenny, W. Edward (Dezembro de 1997). «Typology: A Summary of the Present Evangelical Discussion» (PDF). Journal of the Evangelical Theological Society 
  • Gordon, Melton J. (2005). Encyclopedia of Protestantism. Nova Iorque: Infobase Publishing. ISBN 978-0-8160-6983-5 
  • González, Justo L. (1984). The Story of Christianity 1º ed. Nova Iorque: Harper & Row. ISBN 0-06-063315-8 
  • Gray, Madeleine (2003). The Protestant Reformation. Eastbourne: Sussex Academic Press 
  • Grensted, L. W. (1920). A Short History of the Doctrine of the Atonement. Manchester: Manchester University Press 
  • Hanciles, Jehu (2008). Beyond Christendom: Globalization, African Migration, and the Transformation of the West. Ossining: Orbis Books. ISBN 978-1-60833-103-1 
  • Hanegraaff, Hank (2002) [2000]. Resurrection: The Capstone in the Arch of Christianity. Nashville: Thomas Nelson. ISBN 978-1-4185-1723-6 
  • Hanegraaff, Wouter J.; et al. (2005). Dictionary of Gnosis & Western Esotericism. Leiden: Brill 
  • Harari, Yuval Noah (2015). Sapiens: A Brief History of Humankind. Traduzido por Harari, Yuval Noah; Purcell, John; Watzman, Haim. Londres: Penguin Random House UK. ISBN 978-0-09-959008-8 
  • Harnack, Adolf von (1894). «History of Dogma». Christian Classics Liberal Library. I 
  • Harris, Jonathan (2017). Constantinople: Capital of Byzantium 2ª ed. Londres: Bloomsbury Academic. ISBN 978-1-4742-5467-0 
  • Hartzler, Rachel Nafziger (2013). No Strings Attached: Boundary Lines in Pleasant Places: A History of Warren Street/Pleasant Oaks Mennonite Church (em inglês). Eugene: Wipf and Stock Publishers. ISBN 978-1-62189-635-7 
  • Hauser, Chris (2011). «Faith and Paradox: G.K. Chesterton's Philosophy of Christian Paradox». The Dartmouth Apologia: A Journal of Christian Thought. 6 (1) 
  • Heimann, Mary (1995). Catholic Devotion in Victorian England. [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 978-0-19-820597-5 
  • Henderso, Errol A; Maoz, Zeev (2020). Scriptures, Shrines, Scapegoats, and World Politics: Religious Sources of Conflict and Cooperation in the Modern Era. Michigan: University of Michigan Press. ISBN 9780472131747 
  • Hickman, Hoyt L.; White, James F.; Stookey, Laurence H. (1986). Handbook of the Christian Year. Nashville: Abingdon Press. ISBN 0-687-16575-X 
  • Hill, Donald (1993). Islamic Science and Engineering. Edimburgo: Edinburgh Univ. Press. ISBN 0-7486-0455-3 
  • Hillerbrand, Hans J. (2016). Encyclopedia of Protestantism: 4-volume Set. Potomac: Pickle Partners Publishing. ISBN 978-1-78720-304-4 
  • Hindson, Ed; Mitchell, Dan (2013). The Popular Encyclopedia of Church History. Eugene: Harvest House Publishers. ISBN 978-0-7369-4806-7 
  • Hinnells, J., ed. (2005). The Routledge Companion to the Study of Religion. Londres: Routledge 
  • Hipólito (2009) [215]. «Apostolic Tradition» (PDF). Portsmouth: St. John's Episcopal Church. Cópia arquivada (PDF) em 4 de fevereiro de 2019 
  • Hitchcock, Susan Tyler (2004). Geography of Religion. Washington, D.C.: National Geographic Society. ISBN 0-7922-7313-3 
  • Hornik, Heidi J.; Parsons, Mikeal Carl (2003). Interpreting Christian Art: Reflections on Christian art. Macon: Mercer University Press. ISBN 0-86554-850-1 
  • Hough, Susan Elizabeth (2007). Richter's Scale: Measure of an Earthquake, Measure of a Man. Princeton: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-12807-8 
  • Howson, Colin (2011). Objecting to God. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-1-139-49856-2 
  • Hughes, Richard Thomas; Roberts, R. L. (2001). The Churches of Christ (em inglês). Westport: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-313-23312-8 
  • Jenkins, Philip (2011). «The Rise of the New Christianity». The Next Christendom: The Coming of Global Christianity. Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press. ISBN 9780199767465 
  • Jordan, Anne (2000). Christianity. Cheltenham: Nelson Thornes. ISBN 978-0-7487-5320-8 
  • Kannaday, Wayne Campbell (2005). Apologetic Discourse and the Scribal Tradition. [S.l.: s.n.] ISBN 90-04-13085-3 
  • Kaplan, S. (2005). «"Religious Nationalism": A Textbook Case from Turkey». Comparative Studies of South Asia, Africa and the Middle East. 25 (3). doi:10.1215/1089201x-25-3-665 
  • Kaser, Karl (2011). The Balkans and the Near East: Introduction to a Shared History. Münster: LIT Verlag Münster. ISBN 978-3-643-50190-5 
  • Kelly, J.N.D (1958). Early Christian Doctrines. Londres: A&C Black 
  • —————— (1964). The Athanasian Creed. Nova Iorque: Harper & Row 
  • Kessler, Edward; Wenborn, Neil (2005). A Dictionary of Jewish-Christian Relations. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-82692-6 
  • Kim, Sebastian; Kim, Kirsteen (2008). Christianity as a World Religion. Londres: Continuum 
  • Kimbrough, S. T. (2005). Orthodox And Wesleyan Scriptural Understanding And Practice. Yonkers: St Vladimir's Seminary Press. ISBN 978-0881413014 
  • Kirsch, Jonathan (2005). God Against the Gods. Nova Iorque: Penguin Publishing Group 
  • Kitzinger, Ernst (1954). «The Cult of Images in the Age before Iconoclasm». Dumbarton Oaks Papers. 8. doi:10.2307/1291064 
  • Koch, Carl (1994). The Catholic Church: Journey, Wisdom, and Mission. Winona: St. Mary's Press 
  • Kraybill, Donald B. (2010). Concise Encyclopedia of Amish, Brethren, Hutterites, and Mennonites (em inglês). Baltimore: JHU Press. ISBN 978-0-8018-9911-9 
  • Kreeft, Peter (2001). Catholic Christianity. São Francisco: Ignatius Press. ISBN 0-89870-798-6 
  • Kurian, George Thomas; Smith, James (2010). The Encyclopedia of Christian Literature. 1. Lanham: Scarecrow Press. ISBN 0-8108-6987-X 
  • Kurian, George Thomas; Day, Sarah Claudine (2017). The Essential Handbook of Denominations and Ministries (em inglês). Grand Rapids: Baker Books 
  • Lamport, Mark A. (2018). Encyclopedia of Christianity in the Global South (em inglês). Lanham: Rowman & Littlefield. ISBN 978-1-4422-7157-9 
  • Lamport, Mark A.; Raheb, Mitri, eds. (2020). The Rowman & Littlefield Handbook of Christianity in the Middle East. Lanham: Rowman & Littlefield. ISBN 9781538124185 
  • Letham, Robert (2005). The Holy Trinity in Scripture, History, Theology, and Worship. Phillipsburg: P & R Publishing. ISBN 0-87552-000-6 
  • Leustean, Lucian N., ed. (2014). Eastern Christianity and Politics in the Twenty-First Century. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 978-1-317-81866-3 
    • Hunter, Erica C.D. «The Holy Apostolic Catholic Assyrian Church of the East» 
  • Lim, Timothy H. (2017). The Dead Sea Scrolls: a very short introduction 2ª ed. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-198779520 
  • Lindberg, David C.; Numbers, Ronald L. (1986). «Introduction». God & Nature: Historical Essays on the Encounter Between Christianity and Science. Berkeley e Los Angeles: University of California Press. ISBN 978-0-520-05538-4 
  • Lindberg, David (1992). The Beginnings of Western Science. Chicago: University of Chicago Press 
  • Lint, Theo Maarten van (2009). «The Formation of Armenian Identity in the First Millennium». Church History and Religious Culture. 89 (1/3) 
  • Lorenzen, Thorwald (2003). Resurrection, Discipleship, Justice: Affirming the Resurrection Jesus Christ Today. Macon: Smyth & Helwys. ISBN 1-57312-399-4 
  • Lössl, Josef (2010). The Early Church: History and Memory. Londres: A&C Black. ISBN 978-0-567-16561-9 
  • MacCulloch, Diarmaid (2004). The Reformation: A History. Nova Iorque: Viking Adult 
  • —————— (2011). A History of Christianity: The First Three Thousand Years. Londres: Penguin 
  • Magnus, Bernd; Higgins, Kathleen Marie (1996). The Cambridge Companion to Nietzsche. [S.l.: s.n.] ISBN 0-521-36767-0 
  • Mallory, James D.; Baldwin, Stanley C. (1973). The kink and I: a psychiatrist's guide to untwisted living. Wheaton: Victor Books 
  • Marber, Peter (2003). Money Changes Everything: How Global Prosperity Is Reshaping Our Needs, Values and Lifestyles. Upper Saddle River: FT Press. ISBN 0-13-065480-9 
  • Marsh, Christopher (2011). Religion and the State in Russia and China: Suppression, Survival, and Revival. Nova Iorque: Continuum International Publishing Group 
  • Marthaler, Berard (1994). Introducing the Catechism of the Catholic Church, Traditional Themes and Contemporary Issues. Mahwah: Paulist Press. ISBN 0-8091-3495-0 
  • Mathison, Keith (2001). The Shape of Sola Scriptura. Moscow: Canon Press. ISBN 9781885767745 
  • McClintock, John (1889). Cyclopaedia of Biblical, Theological, and Ecclesiastical Literature. Nova Iorque: Harper&Brothers, originalmente da Universidade Harvard 
  • McGrath, Alister E. (2006). Christianity: An Introduction. Hoboken: Wiley-Blackwell. ISBN 1-4051-0899-1 
  • —————— (2012). Historical Theology: An Introduction to the History of Christian Thought 2ª ed. Hoboken: Wiley. ISBN 9780470672860 
  • McGuckin, John Anthony (2004). «The Scholarly Works of Origen». The Westminster Handbook to Origen. Louisville: Westminster John Knox Press. ISBN 978-0-664-22472-1 
    • Thomas, Stephen (2004). capítulo do livro. «Celsus» 
  • McLaughlin, R. Emmet (1986). Caspar Schwenckfeld, reluctant radical: his life to 1540. Yale University Press: New Haven. ISBN 0-300-03367-2 
  • McManners, John (1990). Oxford Illustrated History of Christianity. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-822928-3 
  • McTavish, T. J. (2010). A Theological Miscellany: 160 Pages of Odd, Merry, Essentially Inessential Facts, Figures, and Tidbits about Christianity. Nashville: Thomas Nelson. ISBN 978-1-4185-5281-7 
  • Meconi, David V. (2000). «Pagan Monotheism in Late Antiquity». Journal of Early Christian Studies. 8 (1). doi:10.1353/earl.2000.0013 
  • Meinardus, Otto F. A. (2002). Two Thousand years of Coptic Christianity. Cairo: American University in Cairo Press. ISBN 9789774247576 
  • Metzger, Bruce M.; Coogan, Michael, eds. (1993). Oxford Companion to the Bible. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504645-5 
  • Meyendorff, John (1989). Imperial unity and Christian divisions: The Church 450-680 A.D. Col: The Church in history. 2. Crestwood, NY: St. Vladimir's Seminary Press. ISBN 978-0-88141-055-6 
  • Milavec, Aaron (2003). The Didache: Faith, Hope, & Life of the Earliest Christian Communities, 50–70 C.E. Glen Rock: Paulist Press. ISBN 978-0-8091-0537-3 
  • Mullin, Robert Bruce (2008). A short world history of Christianity. Louisville: Westminster John Knox Press 
  • Noll, Mark (2009). «Science, Religion, and A.D. White: Seeking Peace in the "Warfare Between Science and Theology"» (PDF). The Biologos Foundation: 4. Consultado em 14 de janeiro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 22 de março de 2015 
  • Nolt, Steven M.; Loewen, Harry (2010). Through Fire and Water: An Overview of Mennonite History (em inglês). Scottdale: MennoMedia 
  • Norman, Edward (2007a). The Roman Catholic Church, An Illustrated History. Berkeley: University of California. ISBN 978-0-520-25251-6 
  • Norman, Asher (2007b). Twenty-six Reasons why Jews Don't Believe in Jesus. Spring Valley: Feldheim Publishers. ISBN 978-0-977-19370-7 
  • Novak, Michael (1988). Catholic social thought and liberal institutions: Freedom with justice 2ª ed. New Brunswick: Transaction. ISBN 9780887387630 
  • O'Brien, Thomas J., ed. (1901). «An Advanced Catechism of Catholic Faith and Practice: Based Upon the Third Plenary Council Catechism, for Use in the Higher Grades of Catholic Schools». An advanced catechism of Catholic faith and practice: based upon The Third Plenary Council Catechism. Akron, OH; Chicago, IL: D. H. McBride. n. 133 
  • Olson, Roger E. (1999). The Story of Christian Theology: Twenty Centuries of Tradition & Reform. Downers Grove: InterVarsity Press. ISBN 978-0-8308-1505-0 
  • —————— (2002a). The Mosaic of Christian Belief. Westmont: InterVarsity Press. ISBN 978-0-8308-2695-7 
  • —————— (2002b). The Trinity. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 978-0-8028-4827-7 
  • Oosthuizen, G.C. (1968). Postchristianity in Africa. Londres: C Hurst & Co Publishers Ltd. ISBN 0-903983-05-2 
  • Orlandis, Jose (1993). A Short History of the Catholic Church. Strongsville: Scepter Publishers. ISBN 1-85182-125-2 
  • Ott, Ludwig (1952). Grundriß der Dogmatik. Friburgo: [s.n.] 
  • Otten, Herman J. (1988). Baal or God? Liberalism or Christianity, Fantasy vs. Truth: Beliefs and Practices of the Churches of the World Today.... 2ª ed. New Haven: Lutheran News 
  • Pelikan, Jaroslav; Hotchkiss, Valerie, eds. (2003). Creeds and Confessions of Faith in the Christian Tradition. New Haven: Yale University Press. ISBN 0-300-09389-6 
  • Peterson, E. (1959). «Christianus». Frühkirche, Judentum und Gnosis (em alemão). Freiburg: Verlag Herder 
  • Price, Robert M. (2011). The Christ Myth Theory and its Problems. Cranford: American Atheist Press. ISBN 1-57884-017-1 
  • Putnam, Robert D. (2002). Democracies in Flux: The Evolution of Social Capital in Contemporary Society. Oxford: Oxford University Press 
  • Rawson, Beryl (2010). A Companion to Families in the Greek and Roman Worlds. Hoboken: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-4443-9075-9 
  • Rhodes, Ron (2005). The Complete Guide to Christian Denominations. Eugene: Harvest House Publishers. ISBN 0-7369-1289-4 
  • Ricciotti, Giuseppe (1999). Julian the Apostate: Roman Emperor (361–363). Charlotte: TAN Books. ISBN 978-1-5051-0454-7 
  • Riché, Pierre (1978). Education and Culture in the Barbarian West: From the Sixth through the Eighth Century. Columbia: University of South Carolina Press. ISBN 0-87249-376-8 
  • Riches, John (2000). The Bible: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0192853431 
  • Riley-Smith, Jonathan (1999). The Oxford History of the Crusades. Nova Iorque: Oxford University Press 
  • Riswold, Caryn D. (2009). Feminism and Christianity: Questions and Answers in the Third Wave (em inglês). Eugene: Wipf and Stock Publishers. ISBN 978-1-62189-053-9 
  • Robinson, George (2000). Essential Judaism: A Complete Guide to Beliefs, Customs, and Rituals. Nova Iorque: Pocket Books 
  • Rogers, Jack (1985). Presbyterian Creeds. Louisville: Westminster John Knox Press. ISBN 978-0-66425496-4 
  • Rudy, Willis (1984). The Universities of Europe, 1100–1914. Madison: Fairleigh Dickinson University Press. ISBN 9780838631775 
  • Rüegg, Walter (1992). «Foreword. The University as a European Institution». A History of the University in Europe: Universities in the Middle Ages. 1. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-36105-2 
  • Russell, Bertrand (1999). Andersson, Stefan; Greenspan, Louis, eds. Russell on Religion: Selections from the Writings of Bertrand Russell. [S.l.: s.n.] ISBN 0-415-18091-0 
  • Russell, Thomas Arthur (2010). Comparative Christianity: A Student's Guide to a Religion and Its Diverse Traditions. Irvine: Universal-Publishers. ISBN 978-1-59942-877-2 
  • Schama, Simon (2000). A History of Britain. Nova Iorque: Hyperion. ISBN 0-7868-6675-6 
  • Smith, Helmut Walser (2011). The Oxford Handbook of Modern German History. Oxford: OUP. ISBN 9780199237395 
  • Seifrid, Mark A. (1992). «'Justification by Faith' and The Disposition of Paul's Argument». Justification by Faith: The Origin and Development of a Central Pauline Theme. Col: Novum Testamentum. Leiden: Brill Publishers. ISBN 90-04-09521-7 
  • Senn, Frank C. (2012). Introduction to Christian Liturgy. Minneapolis: Fortress Press. ISBN 978-1-4514-2433-1 
  • Servetus, Michael (2007). Restoration of Christianity. Lewiston: Edwin Mellen Press 
  • Shalev, Baruch A. (2003). 100 Years of Nobel Prizes. Nova Delhi: Atlantic Publishers & Distributors. ISBN 978-0-935047-37-0 
  • Sharratt, Michael (1994). Galileo: Decisive Innovator. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-56671-1 
  • Sheed, Frank (1993). Theology and Sanity. São Francisco: Ignatius Press 
  • Sherwin-White, A.N. (1964). «Why Were the Early Christians Persecuted? – An Amendment». Past and Present. 27 (27). doi:10.1093/past/27.1.23 
  • Silone, Ignazio (1937). Bread and Wine. [S.l.: s.n.] 
  • Simon, Edith (1966). Great Ages of Man: The Reformation. Nova Iorque: Time-Life Books. ISBN 0-662-27820-8 
  • Spinello, Richard A. (2012). The Encyclicals of John Paul II: An Introduction and Commentary. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 978-1-4422-1942-7 
  • Spitz, Lewis (2001). The Protestant Reformation. San Luis: Concordia Publishing House. ISBN 0-570-03320-9 
  • Steane, Andrew (2014). Faithful to Science: The Role of Science in Religion. Oxford: OUP. ISBN 978-0-19-102513-6 
  • Stoll, David (1990). Is Latin America Turning Protestant?. Berkeley: University of California Press 
  • Sykes, Stephen; Booty, John; Knight, Jonathan (1998). The Study of Anglicanism. Minneapolis: Augsburg Fortress Publishers. ISBN 0-8006-3151-X 
  • Talbott, Thomas (1995). «Three Pictures of God in Western Theology» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 13 de abril de 2008 
  • Tayviah, Frederick K. D. (1995). Why Do Bad Things Keep on Happening? (em inglês). Lima: CSS Publishing. ISBN 978-1-55673-979-8 
  • Telushkin, Joseph (2008). Jewish Literacy. Nova Iorque: HarperCollins 
  • Ustorf, Werner (2003). «A missiological postscript». In: McLeod, Hugh; Ustorf, Werner. The Decline of Christendom in Western Europe, 1750–2000. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Verger, Jacques (1999). Culture, enseignement et société en Occident aux XIIe et XIIIe siècles (em francês) 1ª ed. Rennes: Presses universitaires de Rennes. ISBN 978-2-86847-344-8 
  • —————— (2007). «The Universities and Scholasticism». The New Cambridge Medieval History: c. 1198–c. 1300. V. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Virkler, Henry A.; Ayayo, Karelynne G., eds. (2007). Hermeneutics: Principles and Processes of Biblical Interpretation 2ª ed. Grand Rapids: Baker Academic. ISBN 978-0-8010-3138-0 
  • Wallace, William A (1984). Prelude, Galileo and his Sources. The Heritage of the Collegio Romano in Galileo's Science. Princenton: Princeton University Press 
  • Walsh, Chad. Campus Gods on Trial. Rev. and enl. ed. Nova Iorque: Macmillan Co., 1962, t.p. 1964. xiv, [4], 154 p.
  • Ware, Kallistos (1993). The Orthodox Church (em inglês). Londres: Penguin Adult. ISBN 978-0-14-014656-1 
  • Warsh, Cheryl Krasnick; Strong-Boag, Veronica (2006). Children's Health Issues in Historical Perspective. Waterloo: Wilfrid Laurier Univ. Press. ISBN 978-0-88920-912-1 
  • White, James F. (2010). Introduction to Christian Worship Third Edition: Revised and Expanded 3ª ed. Nashville: Abingdon Press. ISBN 978-1-4267-2285-1 
  • Whitby, Michael (2006). Christian Persecution, Martyrdom and Orthodoxy. Oxford: OUP. ISBN 9780199278121 
  • Witvliet, John D. (2007). The Biblical Psalms in Christian Worship: A Brief Introduction and Guide to Resources. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 978-0-8028-0767-0 
  • Woodhead, Linda (2004a). An Introduction to Christianity. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 9780521786553 
  • —————— (2004b). Christianity: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-280322-1 
  • Woods, Thomas E. (2005). How the Catholic Church Built Western Civilization. Washington, DC: Regnery 
  • Wright, N.T. (1997). What Saint Paul Really Said: Was Paul of Tarsus the Real Founder of Christianity?. Oxford: Oxford 
  • Wylen, Stephen M. (1995). The Jews in the Time of Jesus: An Introduction. Glen Rock: Paulist Press. ISBN 0-8091-3610-4 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons