Campeonatos estaduais de futebol do Brasil

Os campeonatos estaduais de futebol do Brasil são as competições masculinas profissionais adultas de futebol no Brasil que ocorrem geralmente entre janeiro e maio em cada uma das unidades federativas do Brasil. Historicamente, por questões econômicas e geográficas, as distâncias entre as principais cidades do país fizeram com que o povo brasileiro desenvolvesse uma forte cultura de disputa por estados. Assim, cada Unidade da Federação brasileira possui seu próprio campeonato, hoje em dia durando em torno de quatro meses.[1][2]

Por causa desses campeonatos, algumas disputas entre rivais do mesmo estado ou cidade tem peso equivalente ou maior a uma disputa com os principais clubes de outros estados. Esses jogos são chamados de clássicos. Alguns exemplos são Fla-Flu e Clássico dos Milhões, no Rio de Janeiro; Derby, Choque Rei, Majestoso e San-São, em São Paulo; Grenal, no Rio Grande do Sul; Clássico Mineiro, em Minas Gerais; Atletiba, no Paraná; Clássico dos Clássicos e Clássico das Multidões, em Pernambuco; Ba-Vi, na Bahia; Clássico de Florianópolis e Clássico do Interior, em Santa Catarina; Clássico-Rei, no Ceará, entre Ceará e Fortaleza, e no Rio Grande do Norte entre ABC e América de Natal; Re-Pa, no Pará; Clássico das Multidões em Alagoas; Super Clássico, no Maranhão; Rivengo, no Piauí; Clássico dos Maiorais, na Paraíba; Derby Sergipano, em Sergipe; Derby do Cerrado, em Goiás; Rio-Nal, no Amazonas; Clássico dos Gigantes, no Espírito Santo; entre outros.

Grêmio vs. União Frederiquense pelo Campeonato Gaúcho do Rio Grande do Sul

Ao menos o campeão — mais vagas a depender do estado — está automaticamente qualificado para jogar a Copa do Brasil do ano seguinte.[3] Além disso, os clubes mais bem posicionados de cada estado que estão fora das três primeiras divisões nacionais se qualificam para a Série D do Brasileirão do ano seguinte.[4] As melhores equipes em cada liga estadual também podem se qualificar para copas regionais, como a Copa do Nordeste e a Copa Verde. Em alguns estados existem uma recopa entre o campeão do campeonato estadual contra o da copa estadual. Para se preparar para o estadual as equipes fazem jogos-treino e algumas optam por enfrentar selecionados municipais em diversas regiões.

A final do Campeonato Carioca de 1963, um Fla-Flu (vencido pelo Flamengo em penalidades após empate sem gols), detém o recorde mundial de público de partidas entre clubes: 194.603 espectadores.[5][6][7][8]

História editar

 Ver artigo principal: História do futebol do Brasil

Surgimento dos primeiros campeonatos editar

 
São Paulo Athletic Club e Club Athletico Paulistano na final do Campeonato Paulista de 1902 (2x1), primeiro estadual jogado no Brasil.

O futebol começou a ser difundido no Brasil através de imigrantes europeus que chegavam ao país. A versão comumente aceita é a de que Charles Miller, paulistano que estudara na Inglaterra e retornou à sua terra natal em 1894, teria sido a primeira pessoa a trazer o esporte para o Brasil.[9]

O primeiro clube a se dedicar ao futebol foi o clube paulista São Paulo Athletic Club (SPAC), em 1894, incentivado por Miller, inicialmente praticado exclusivamente por sócios da instituição e progressivamente se espalhando a outros clubes.[9] Em 1901 foi fundada a Liga Paulista de Foot-Ball, articulada por Antonio Casimiro da Costa, esportista filiado ao Sport Club Internacional, inspirado por modelos semelhantes de ligas que conhecera na Europa.[9][10] No ano seguinte, em 1902, ocorreu a primeira edição do Campeonato Paulista de Futebol - vencida pela equipe do SPAC - a qual inaugurou o entusiasmo do público da capital paulista pelo esporte, que não o tinha aderido completamente até então, além do estabelecimento das primeiras rivalidades futebolísticas, como a entre SPAC e Paulistano.[9][11]

Meio classificatório para competições nacionais editar

As primeiras competições nacionais de clubes eram torneios entre competições estaduais.

Em 1920, a CBD lançou o Campeonato Brasileiro de Clubes Campeões, reunindo os campeões carioca, gaúcho e paulista do ano anterior. O triangular, em pleno amadorismo, é tido como um dos antecedentes do Campeonato Brasileiro de Futebol.

Em 1937, a FBF, entidade defensora do profissionalismo, organiza o Torneio dos Campeões, reunindo campeões estaduais de ligas filiadas, em vez de organizar o que seria seu quarto Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais. O certame reuniu 5 campeões estaduais profissionais (antigo DF, ES, MG, antigo RJ, SP) de 1936. Em 2023, foi oficializado pela CBF como primeira edição do Brasileirão.

A Taça Brasil foi jogada de 1959 a 1968, reunindo os campeões estaduais da maioria das unidades federativas do Brasil. Apresentou 16 clubes em sua edição inaugural e 23 na última. Suas dez edições foram unificadas como Campeonato Brasileiro em 2010.

A Copa do Brasil, a segunda grande competição nacional, jogada desde 1989, possui os estaduais como principal forma de classificação, englobando times de todos os estados.

Em 2000 e 2001, os campeões carioca e paulista do mesmo ano ganharam vaga na Copa dos Campeões Regionais.

Valor editar

 
Partida entre Botafogo e Fluminense (conhecido como o Clássico Vovô) no Campeonato Carioca em 1963

Protagonistas em quase todo o século XX, sendo reconhecido o papel histórico que tiveram no desenvolvimento do esporte em um país continental e de desigualdades regionais como o Brasil, os estaduais são há algum tempo alvos de críticas e questionamentos por parte dos grandes clubes e impressa especializada, de modo que o "peso" de tal conquista vem diminuindo.[1][2][12][13]

Em que pese ser popular o pensamento de que são exclusividade brasileira, certames regionais/provinciais também existem na Europa, embora quase sempre como uma divisão inferior do sistema de ligas nacional, caso da Inglaterra. Outro caso é o de ficar restrito aos clubes menores e elencos "B" dos principais clubes, como na Copa Cataluña, em que Barcelona utiliza seu time alternativo. O Brasil difere por ter estaduais com autonomia, calendário e plantel principal de grandes clubes.[14]

Baixo rendimento financeiro; má organização; desinteresse dos torcedores (em um contexto de futebol globalizado), principalmente nas fases inicias; desgaste físico dos jogadores em torneios mais prestigiados; pouco desafio técnico; dentre outros problemas de logística, são alguns apontamentos.[15][16][17]

A principal crítica, no entanto, se refere ao espaço que ocupam no calendário, inflando o total de partidas no ano, o que reduz a pré-temporada e influi negativamente no desempenho dos atletas durante o começo do Campeonato Brasileiro. Além disso, como o Brasileirão é "empurrado", acaba tendo de ocorrer rodadas próximas às datas da FIFA, o que faz com que a convocação para a Seleção Brasileira desfalque os times em jogos importantes. Sem os estaduais, as rodadas do nacional ocorreriam de forma mais espaçada entre uma e outra, o que refletiria diretamente na qualidade das mesmas.[1][2][13][18][19]

Em 2002, verificou-se um dos calendários mais conturbados do futebol nacional, tendo a CBF de compatibilizar: estaduais, interestaduais, competições nacionais — Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Copa dos Campeões —, Copa Libertadores e a parada para a Copa do Mundo. Ocorreu uma valorização dos interestaduais frente aos estaduais, saindo-se como solução, em alguns estados, a disputa destes últimos apenas por não participantes daqueles, e depois, a confrontação entre os melhores de cada qual em um "superestadual".[20] No ano seguinte, extinguiu-se quase todos os regionais e a Copa dos Campeões.

 
Partida no Campeonato Acriano entre Atlético Acreano e Alto Acre em 2015

Porém, também é notório a importância social e econômica que ainda possuem para os clubes pequenos da capital, do interior e de regiões de futebol menos desenvolvido, sendo em muitos casos a única competição na temporada.[18][21][22][23][24] Servem também para que profissionais dos times de menor investimento sejam vistos pelos de maior, servindo de verdadeira vitrine, em especial para os mais jovens.[18][25][26] Outro papel é o de manter e fortalecer rivalidades locais, principalmente em cenário de distanciamento dos rivais no âmbito nacional.[27] Frutos das especificidades do país, estaduais são tidos como elementos importantes da cultura futebolística brasileira, sendo que campanhas ruins nos mesmos possuem o condão de demitir treinadores de clubes da Série A.[26]

Apesar da extinção não estar no plano da CBF e muito menos das federações estaduais, reformas foram feitas, tendo havido nas últimas edições um processo de redução no número de times e datas dos principais estaduais.[18] Pelo Paulistão, por exemplo, os finalistas enfrentaram 23 jogos em 2013, passando para 19 em 2014, 18 em 2017 e 16 desde 2020. O estadual paulista é considerado o mais competitivo e rico, sendo uma exceção em razão da quantidade de times das três primeiras divisões nacionais, mais bem estruturados, portanto.[18][28][29]

Pesquisa de dezembro de 2021 (Convocados/XP Investimentos), sobre a "competição mais amada" pelos torcedores brasileiros (2,3 mil entrevistados), que permitia mais de uma opção, teve os estaduais com 21%, atrás de Brasileiro (60%), Libertadores (58%), Copa do Brasil (57%), Copa do Mundo (54%) e Champions League (36%), mas à frente dos nacionais da Europa, cujo mais votado, Premier League, teve 16%.[30]

O Partido da Causa Operária (PCO) é um partido político que se manifestou em defesa dos estaduais.[31]

Peculiaridade fluminense editar

 
Partida pelo Campeonato Carioca entre Botafogo de Futebol e Regatas do Rio de Janeiro e o Resende Futebol Clube da cidade de Resende, do interior do estado do Rio de Janeiro. Diferente de outros estaduais, o Campeonato Carioca usa o gentílico do município e não do estado

O único campeonato estadual a não utilizar o gentílico oficial de quem nasce no estado é o do Rio de Janeiro, já que, popularmente, o torneio se chama Campeonato Carioca (carioca é o gentílico oficial do município do Rio de Janeiro), ao invés de Campeonato Fluminense. Isso ocorre por três motivos: o primeiro, por conta da tradição, já que os quatro grandes clubes e os demais times da atual capital da UF, quando o Rio de Janeiro era a capital do Brasil e do Distrito Federal, disputavam o prestigiado Campeonato Carioca, e não o desvalorizado Campeonato Fluminense, que era disputado apenas pelas equipes do que hoje é o interior do estado (a capital do antigo RJ era Niterói); o segundo, pela razão popular e cultural de carioca ser o gentílico pelo qual os habitantes de todo o estado do RJ são usualmente conhecidos nas demais regiões do país;[32] e o terceiro, por haver uma tradicional agremiação no estado que se chama Fluminense, o que poderia gerar reclamações dos rivais. Por esses motivos, a competição é oficialmente chamada de Campeonato Estadual do Rio de Janeiro, em convergência com a instituição que o organiza: a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ), fruto da fusão, em 1978, entre a expressiva Federação Carioca de Futebol (FCF), do extinto Estado da Guanabara, e a mais humilde Federação Fluminense de Desportos (FFD). Sem participação popular no processo, os estados foram unificados em 1975.

Campeonatos estaduais editar

Estaduais da primeira divisão editar

Todas as 27 unidades federativas do Brasil possuem a primeira divisão.

Estaduais da segunda divisão editar

Apenas a unidade federativa de Roraima nunca teve a segunda divisão. Acre e Amapá não organizaram uma em 2023.

Estaduais da terceira divisão editar

Onze unidades federativas tiveram uma terceira divisão em 2023.

Estaduais da quarta divisão editar

Atualmente, somente duas unidades federativas, Rio de Janeiro e São Paulo, têm a quarta divisão.

Estaduais da quinta divisão editar

Atualmente, somente a unidade federativa do Rio de Janeiro organizou a quinta divisão.

Supercampeonatos editar

Campeonato estadual extra editar

Outros estaduais extintos ou sem disputa editar

Entre os estaduais que não são mais disputados, temos um de primeira divisão: o Campeonato Fluminense, que acabou devido a fusão dos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara

Torneios extras editar

Estes títulos são designados aos times de melhor campanha após os times de maior investimento do Brasil que estão na disputa do estadual. Em alguns casos é jogado um mata-mata que define o campeão, mas geralmente o time é designado campeão por fazer campanha de destaque.

Turnos estaduais editar

Ao final de um turno do campeonato estadual, seus vencedores levam o troféu que designam figuras que remetem a cultura e história do estado. Se destacam por ter uma tradição muito grande. Ídolos e finais marcantes fazem parte de sua história.

Abaixo as unidades federativas com turnos definidos. À esquerda corresponde ao primeiro turno, e à direita ao segundo turno:

Estatísticas editar

Atuais e maiores campeões editar

 
Troféus do Campeonato Gaúcho 2019-2023

O clube mais vezes campeão estadual no Brasil é o ABC, vencedor de 57 títulos potiguares, o que lhe rende o recorde mundial de mais títulos em uma mesma competição. Esta equipe também detém o recorde de títulos seguidos, dez (entre 1932 e 1941), ao lado do América Mineiro (que ganhou o Campeonato Mineiro seguidamente entre 1916 e 1925). Bahia aparece em segundo, com 50 taças; Paysandu e Rio Branco-AC aparecem em seguida, com 49 títulos.[33][34] Atlético-MG (48) fecha o top-5.[34]

ABC é também o com mais títulos em relação ao número de edições do respectivo estadual: 55,33% (o único com mais de 50%).

Os campeões em mais de um estado, por razão de desmembramento, foram Operário (ganhou 4 títulos no MT e 11 no MS) e Comercial (ganhou 1 título no MT e 9 no MS).[35]

Em sublinhado, maior campeão de sua respectiva região.

Campeonato Último campeão Maior campeão
Campeonato Acriano Rio Branco (49º)[36] Rio Branco (49)
Campeonato Alagoano CRB (33º)[37] CSA (40)
Campeonato Amapaense Trem (8º)[38] Macapá (17)
Campeonato Amazonense Amazonas FC (1º) Nacional (43)
Campeonato Baiano Bahia (50º) Bahia (50)
Campeonato Brasiliense Real Brasília (1º) Gama (13)
Campeonato Capixaba Real Noroeste (3º)[39] Rio Branco (37)
Campeonato Carioca Fluminense (33º)[40] Flamengo (37)
Campeonato Catarinense Criciúma (11º) Avaí / Figueirense (18)
Campeonato Cearense Fortaleza (46º)[41] Fortaleza (46)
Campeonato Fluminense Goytacaz (5º)[nota 1] Americano / Goytacaz (5)
Campeonato Gaúcho Grêmio (42º)[42] Internacional (45)
Campeonato Goiano Atlético Goianiense (17º)[43] Goiás (28)
Campeonato Maranhense Maranhão (15º) Sampaio Corrêa (36)
Campeonato Mato-Grossense Cuiabá (12º)[44] Mixto (23)[45]
Campeonato Mineiro Atlético Mineiro (48º)[46] Atlético Mineiro (48)
Campeonato Paraense Águia de Marabá (1º) Paysandu (49)
Campeonao Paraibano Treze (17º) Botafogo (30)
Campeonato Paranaense Athletico Paranaense (26º) Coritiba (39)
Campeonato Paulista Palmeiras (25º) Corinthians (30)
Campeonato Pernambucano Sport Recife (43º) Sport Recife (43)
Campeonato Piauiense Ríver (32º) Ríver (32)
Campeonato Potiguar América de Natal (37º) ABC (57)
Campeonato Rondoniense Porto Velho (3º) Ferroviário (17)
Campeonato Roraimense São Raimundo (14º) Baré (26)
Campeonato Sergipano Itabaiana (11º) Sergipe (36)
Campeonato Sul-Mato-Grossense Costa Rica (2º) Operário (12)
Campeonato Tocantinense Tocantinópolis (6º) Palmas (8)

Todos os campeonatos de 2022 foram encerrados

Campeões estaduais por século editar

Estes são os clubes que obtiveram o maior número de títulos em seus estados no século XX e no século XXI.

Campeonato Século XX (até 2000) Século XXI (2001–Atual)
Clube Títulos Clube Títulos
Campeonato Acriano Rio Branco 35 Rio Branco 13
Campeonato Alagoano CSA 37 CRB 7
Campeonato Amapaense Macapá 17 Santos 6
Campeonato Amazonense Nacional 37 Nacional 6
Campeonato Baiano Bahia 42 Vitória 11
Campeonato Brasiliense Brasília 8 Brasiliense 11
Campeonato Capixaba Rio Branco 35 Serra 5
Campeonato Carioca Fluminense 28 Flamengo 11
Campeonato Fluminense Americano / Goytacaz 5 Extinto
Campeonato Catarinense Avaí 13 Figueirense 8
Campeonato Cearense Ceará 37 Fortaleza 14
Campeonato Gaúcho Internacional 33 Internacional 12
Campeonato Goiano Goiás 18 Goiás 10
Campeonato Maranhense Sampaio Corrêa 26 Sampaio Corrêa 9
Campeonato Mato-Grossense Mixto 22 Cuiabá 11
Campeonato Mineiro Atlético Mineiro 38 Cruzeiro
Atlético Mineiro
9
Campeonato Paraense Remo
Paysandu
38 Paysandu 11
Campeonato Paraibano Botafogo 24 Botafogo 7
Campeonato Paranaense Coritiba 30 Coritiba 9
Campeonato Paulista Corinthians 23 Santos
Corinthians
7
Campeonato Pernambucano Sport 33 Sport 9
Campeonato Piauiense River 24 River 7
Campeonato Potiguar ABC 47 ABC 9
Campeonato Rondoniense Ji-Paraná 7 Vilhena 5
Campeonato Roraimense Baré 24 São Raimundo 10
Campeonato Sergipano Sergipe 31 Confiança 9
Campeonato Sul-Mato-Grossense Operário 10 CENE 6
Campeonato Tocantinense Gurupi 2 Palmas 7

Cronologia editar

Atualizado até 2023

Posição Campeonato Ano Primeiro campeão Edições Quant. vencedores Interrompido N.º atual de equipes
1.º Campeonato Paulista 1902 São Paulo Athletic Club 136 18 Não 16
2.º Campeonato Baiano 1905 Internacional de Cricket 119 21 Não 10
3.º Campeonato Carioca 1906 Fluminense 126 8 Não 12
4.º Campeonato Paraense 1908 União Sportiva 111 7 Sim 12
5.º Campeonato Amazonense 1914 Manáos 108 20 Sim 9
Campeonato Fluminense[nota 2] 1915 Ararigboya 53 28 Sim Ext.
[nota 3]
6.º Campeonato Paranaense[nota 2] 1915 International 109 20 Não 12
7.º Campeonato Mineiro[nota 2] 1915 Atlético Mineiro 109 7 Não 12
8.º Campeonato Pernambucano[nota 2] 1915 SC Flamengo 109 8 Não 13
9.º Campeonato Cearense[nota 2] 1915 Ceará 109 11 Não 10
10.º Campeonato Piauiense 1916 Parnahyba 126 26 Não 8
11.º Campeonato Capixaba 1917 América 107 23 Não 10
12.º Campeonato Maranhense 1918 Luso Brasileiro 102 14 Sim 8
13.º Campeonato Sergipano 1918 Cotinguiba 100 16 Sim 10
14.º Campeonato Potiguar 1919 América 103 10 Sim 8
15.º Campeonato Gaúcho 1919 Brasil de Pelotas 103 17 Sim 12
16.º Campeonato Paraibano 1919 Palmeiras 102 16 Sim 10
17.º Campeonato Acriano 1919 Rio Branco 96 14 Sim 11
18.º Campeonato Catarinense 1924 Avaí 98 23 Sim[47] 12
19.º Campeonato Alagoano 1927 CRB 93 11 Sim 8
20.º Campeonato Mato-Grossense 1943 Mixto 80 18 Sim 10
21.º Campeonato Goiano 1944 Atlético Goianiense 80 9 Não 12
22.º Campeonato Amapaense 1944[48] Macapá 78 14 Sim 8
23.º Campeonato Roraimense 1946[49] Roraima 29[nota 4] 6 Sim 9
24.º Campeonato Brasiliense 1959 G.E. Brasiliense 65 23 Não 10
25.º Campeonato Sul-Mato-Grossense 1979 Operário 45 13 Não 10
26.º Campeonato Rondoniense 1991[50] Ji-Paraná 33[nota 4] 13 Não 8
27.º Campeonato Tocantinense 1993 Tocantinópolis 31[nota 4] 10 Não 10
Total 2560 424 [nota 5]280

Maiores goleadas editar

Estado Divisão Data Mandante Placar Visitante Estádio Fontes
  Acre Primeira Divisão 8 de março de 1958 Independência 20 — 0 Botafogo Futebol Clube (Rio Branco) José de Melo
Segunda Divisão 26 de agosto de 2014 São Francisco 0 — 7 Amax Florestão
  Alagoas Primeira Divisão 28 de janeiro de 1945[nota 6] Maceió 0 — 22 CSA Pajuçara
Segunda Divisão 1943 Andaraí 11 — 0 Torre
  Amapá Primeira Divisão 27 de outubro de 2004 São José 17 — 2 Santos Zerão
Segunda Divisão 1988 Cristal 5 — 0 Lagoa
  Amazonas Primeira Divisão 24 de setembro de 1922 Nacional 24 — 0 Brasil Sport [51]
Segunda Divisão 2 de dezembro de 2007 Nacional B 9 — 0 CDC Manicoré Vivaldo Lima
Terceira Divisão Desconhecido
  Bahia Primeira Divisão 1 de maio de 1930 Ypiranga 16 — 0 Democrata
Segunda Divisão 4 de dezembro de 1985 Estrela de Março 0 — 8 Galícia Vila Canária
Terceira Divisão 5 de novembro de 2000 Itapetinga 11 — 1 Renascente Primavera
  Ceará Primeira Divisão 1919 Bangu 16 — 0 Hespéria
Segunda Divisão 10 de junho de 2004 América 0 — 10 Uruburetama Antony Costa
21 de fevereiro de 2016 Ferroviário 10 — 0 Campo Grande Presidente Vargas [52]
Terceira Divisão 27 de setembro de 2009 Pacajuense 19 — 1 Aliança Atlética Assis Benício
  Distrito Federal Primeira Divisão 30 de julho de 1961 Rabello 12 — 0 Sobradinho Paulo Linhares
Segunda Divisão 3 de outubro de 2021 ARUC 10 — 0 Bolamense Defelê
Terceira Divisão 24 de outubro de 2006 Legião 12 — 0 Bosque Mané Garrincha
  Espírito Santo Primeira Divisão 10 de fevereiro de 2010 Espírito Santo 2 — 14 [nota 7] Rio Branco Sumaré
Segunda Divisão 29 de junho de 2002 CTE Colatina 8 — 1 Riachuelo Justiniano de Melo e Silva
9 de abril de 2016 Castelo 7 — 0 ESSE Emílio Nemer
  Antigo Rio de Janeiro Primeira Divisão 4 de março de 1944 Petropolitano 14 — 4 Portela Carlos Guinle
13 de dezembro de 1942 Fluminense 11 — 1 Cordeiro
Segunda Divisão 12 de novembro de 1978 Rio das Ostras 0 — 5 Costeira
  Goiás Primeira Divisão 12 de setembro de 1948 Atlético 14 — 0 Botafogo
Segunda Divisão 10 de junho de 2004 Goiânia 10 — 0 América Pedro Ludovico
Terceira Divisão 9 de novembro de 2008 Inhumas 12 — 1 Monte Cristo Zico Brandão
  Maranhão Primeira Divisão 2 de setembro de 1934 Sampaio Corrêa 20 — 0 Santos Dumont
Segunda Divisão 23 de novembro de 2008 JV Lideral 6 — 0 [nota 8] Urbano Santos Walter Lira
  Mato Grosso Primeira Divisão 7 de novembro de 1943 Dom Bosco 15 — 1 Estado Novo
9 de julho de 1980 Mixto 14 — 0 Humaitá
21 de março de 2010 Cáceres 0 — 14 Sorriso Geraldão
Segunda Divisão 20 de agosto de 2009 Mixto 14 — 0 Tangará Dutrinha
Terceira Divisão 23 de agosto de 2008 Sorriso 8 — 1 Vera
17 de agosto de 2008 Matupá 7 — 0 Guarantã do Norte
26 de outubro de 2008 Água Boa 7 — 0 Porto Alegre do Norte
  Mato Grosso do Sul Primeira Divisão 5 de novembro de 1980 Operário 11 — 0 Taveirópolis Morenão
Segunda Divisão 15 de setembro de 2012 Corumbaense 23 — 1 Coxim Arthur Marinho [53]
Terceira Divisão 3 de agosto de 2008 Nova Andradina 7 — 0 Alcinópolis Andradão
  Minas Gerais Primeira Divisão 17 de junho de 1928 Palestra Itália 14 — 0 Alves Nogueira Estádio do Barro Preto
29 de julho de 1928 América 14 — 0 Palmeiras
Segunda Divisão 31 de julho de 1932 Tupy 10 — 0 Montes Claros
Terceira Divisão 11 de setembro de 2016 Arsenal 0 — 9 [nota 9] Coimbra Arena do Jacaré
  Pará Primeira Divisão 11 de junho de 1922 Paysandu 17 — 0 Panther FC Curuzu
Segunda Divisão 25 de outubro de 2015 Águia de Marabá 12 — 1 Tiradentes Zinho de Oliveira
  Paraíba Primeira Divisão 1 de junho de 1941 Botafogo 16 — 1 Sport
24 de agosto de 1941 Treze 15 — 0 Sport
Segunda Divisão 27 de junho de 2009 Perilima 1 — 9 Atlético Cajazeirense Amigão
17 de maio de 2009 Cruzeiro 8 — 0 Perilima José Cavalcanti
21 de julho de 2012 Sport Campina 0 — 8 Desportiva Guarabira Amigão
26 de setembro de 2018 Queimadense 0 — 8 Perilima Romerão [54]
Terceira Divisão 17 de Novembro de 2021 Paraíba 5 — 0 Santos-PB Zezão
  Paraná Primeira Divisão 7 de setembro de 1931 Palestra Itália 16 — 0 Paranaense
Segunda Divisão 30 de março de 2000 Cataratas 19 — 0 Real Beltronense Estádio do ABC
Terceira Divisão 15 de julho de 2001 Roma Apucarana 10 — 0 Tamandaré Bom Jesus da Lapa
Quarta Divisão 28 de outubro de 2001 Dois Vizinhos 7 — 0 Quatro Barras Frederico Galvão
  Pernambuco Primeira Divisão 1 de julho de 1945 Náutico 21 — 3 Flamengo Aflitos [55]
Segunda Divisão 11 de maio de 2003 Petrolândia 0 — 9 Serrano Galegão
15 de setembro de 2013 Araripina 9 — 0 Flamengo Chapadão do Araripe
4 de outubro de 2017 Ferroviário do Cabo 0 — 9 Cabense Gileno de Carli
Terceira Divisão 14 de maio de 2000 Comercial 5 — 0 Nacional
  Piauí Primeira Divisão 18 de dezembro de 1960 Botafogo 14 — 3 Rio Negro
20 de novembro de 1960 Auto Esporte 12 — 1 Santa Cruz Lindolfo Monteiro
2 de outubro de 1960 Flamengo 11 — 0 Santa Cruz
Segunda Divisão 21 de novembro de 2015 Altos 6 — 0 Comercial Felipão
  Rio de Janeiro Primeira Divisão 30 de maio de 1909 Botafogo 24 — 0 Mangueira Voluntários da Pátria [56]
Segunda Divisão 5 de novembro de 1933 São Christóvão 14 — 0 Édison Figueira de Melo
Terceira Divisão 13 de março de 2011 Duquecaxiense 13 — 0 Futuro Bem Próximo Maracanãzinho
Quarta Divisão 15 de outubro de 2017 7 de Abril 8 — 0 Riostense Los Larios
Quinta Divisão 11 de julho de 2021 Belford Roxo 9 — 0 Bela Vista CFZ
  Rio Grande do Norte Primeira Divisão 1 de dezembro de 1944 Santa Cruz 13 — 0 Atlético Potiguar
Segunda Divisão 6 de agosto de 2005 Macau 9 — 0 Universal Walter Bichão
  Rio Grande do Sul Primeira Divisão 23 de maio de 1976 Internacional 14 — 0 Ferro Carril Beira-Rio
Segunda Divisão 13 de junho de 1985 Santa Cruz 11 — 0 Encantado Plátanos
Terceira Divisão 31 de maio de 2015 Garibaldi 0 — 8 Palmeirense Alcides Santa Rosa
1 de maio de 2016 Sapucaiense 0 — 8 Guarany Cristo Rei
4 de maio de 2016 Sapucaiense 0 — 8 Rio Grande Cristo Rei
  Rondônia Primeira Divisão 14 de maio de 2006 Ulbra Ji-Paraná 21 — 0 Shallon Biancão [57]
Segunda Divisão 25 de setembro de 2005 Ulbra Ji-Paraná 17 — 1 Operário Biancão
  Roraima Primeira Divisão 20 de abril de 2002 Atlético Roraima 16 — 1 Progresso Canarinho
  Santa Catarina Primeira Divisão 20 de janeiro de 1963 Metropol 12 — 1 Flamengo Euvaldo Lodi
Segunda Divisão 5 de junho de 2015 Juventus 9 — 0 Blumenau Victório Pierozan
Terceira Divisão 12 de setembro de 2013 Pinheiros 14 — 0 Maga Estádio Domingos Silveira Gonzales
16 de setembro de 2018 Próspera 14 — 0 Curitibanos Mário Balsini
  São Paulo Primeira Divisão 16 de maio de 1920 A.A. das Palmeiras 0 — 12 Paulistano Chácara da Floresta [58]
Segunda Divisão 12 de dezembro de 1955 Ferroviária 15 — 1 Velo Clube Fonte Luminosa [59]
Terceira Divisão 9 de novembro de 1986 Descalvadense 15 — 1 Estrela da Bela Vista Felisberto Bortoletto
Quarta Divisão 16 de agosto de 2015 Grêmio Mauaense 14 — 2 ECUS Pedro Benedetti [60]
Quinta Divisão 18 de abril de 1999 Flamengo 10 — 0 Jacareí Ninho do Corvo
Sexta Divisão 25 de agosto de 2002 Grêmio Barueri 9 — 0 Gazeta Vila Porto
  Sergipe Primeira Divisão 6 de junho de 1996 Sergipe 14 — 0 Propriá João Hora
Segunda Divisão 23 de outubro de 2011 Neópolis 12 — 0 Canindé Velho Chico
  Tocantins Primeira Divisão 12 de março de 2022 Tocantinópolis 13 — 1 Tocantins Ribeirão [61]
Segunda Divisão 7 de novembro de 2015 Tocantins 13 — 0 Nova Conquista Castanheirão

Jogadores com mais títulos editar

# Jogadores NT NC NE NR Estaduais APT AUT Tempo
Quaretinha 12 1 1 1 PA (12) 1956 (PA) 1972 (PA) 16 anos
Givanildo Oliveira 12 4 3 2 PE (10), RJ, SP 1969 (PE) 1982 (PE) 13 anos
Durval 12 5 5 4 DF, PA, PB, PE (6), SP (3) 2003 (PB) 2017 (PE) 14 anos
Jorge Henrique de Souza 12 8 8 4 CE, DF, PE (3), PR, RJ, RS (2), SC e SP (2) 2001 (PE) 2021 (SC) 20 anos
Quarenta 10 1 1 1 PA (10) 1928 (PA) 1945 (PA) 17 anos
Fontes:[62][63][64][65][66][67][68]

NT = número de títulos; NC = número de clubes; NE = número de estados; NR = número de regiões; APT = ano primeiro título; AUT = ano último título.

Por times:

  • Quarentinha: Paysandu (12), maior campeão por um mesmo estado e mesmo clube;[64]
  • Givanildo: Santa Cruz (7), Sport (3), Corinthians, Fluminense;
  • Durval: Sport (6), Santos (3), Athletico Paranaense, Botafogo-PB, Brasiliense. Venceu 10 vezes em 10 anos, de 2003 a 2012 (o que inclui um tetracampeonato com o Sport e um tri com o Santos);[69]
  • Jorge Henrique: Náutico (3), Corinthians (2), Athletico Paranaense, Brasiliense, Ceará, Figueirense, Internacional, Vasco da Gama. Venceu ainda um Mineiro - Segunda Divisão (terceiro nível estadual), em 2022, pelo North EC;
  • Quarenta: Paysandu (10).

Treinadores com mais títulos editar

# Treinadores NT NC NE NR Estaduais APT AUT Tempo
Givanildo Oliveira 19 10 6 3 AL (2), BA, CE (2), MG, PA (8), PE (5) 1986 (AL) 2018 (PA) 32 anos
Maurício Simões 14 6 4 1 MA, PB (3), PI (3), SE (7) 1994 (PI) 2008 (SE) 14 anos
Vanderlei Luxemburgo 14 9 5 2 ES, MG (2), PE, RJ, SP (9) 1983 (ES) 2020 (SP) 37 anos
Ferdinando Teixeira 13 4 2 1 CE (2), RN (11) 1984 (RN) 2008 (RN) 24 anos
Hélio dos Anjos 12 6 4 3 BA, GO (5), PA (2), PE (4) 1992 (BA) 2021 (PE) 29 anos
Fontes:[65][70][71][72]

NT = número de títulos; NC = número de clubes; NE = número de estados; NR = número de regiões; APT = ano primeiro título; AUT = ano último título.

Por times:

  • Givanildo: Paysandu (5), Sport (4), Remo (3), CRB, CSA, América-MG, Ceará, Fortaleza, Santa Cruz, Vitória;
  • Maurício Simões: Confiança (4), Picos (3), Sergipe (3), Treze (2), Campinense, Maranhão;
  • Vanderlei: Palmeiras (5), Santos (2), Atlético-MG, Bragantino, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Rio branco, Sport;
  • Ferdinando Teixeira: ABC (5), América-RN (4), Alecrim (2), Fortaleza (2). Venceu ainda um Alagoano Segunda Divisão, em 2005, pelo CSA;
  • Hélio dos Anjos: Goiás (5), Sport (3), Naútico, Paysandu, Remo, Vitória. Venceu ainda um Paulista - Série A2, em 2023, pela Ponte Preta;

Givanildo e Vanderlei empatam em títulos no século XXI (9). Givanildo venceu por mais times diferentes neste século (8).[73]

Conquistas como jogador: Givanildo: 12 (sub-título acima), sendo o maior campeão geral (como jogador e treinador: 31 taças); Vanderlei Luxemburgo: 3 Cariocas (pelo Flamengo); Hélio dos Anjos: 5 (RJ: 3, pelo Flamengo; SC: 2, pelo Joinville).

Ver também editar

Notas e referências

Notas

  1. 1978.
  2. a b c d e Esses campeonatos começaram no mesmo ano, mas:
  3. A última edição, em 1978, possuiu seis times.
  4. a b c A federação considera apenas a fase profissional.
  5. Os números do Campeonato Fluminense não são considerados para esta coluna.
  6. A partida válida pelo Campeonato de 1944
  7. Em 1919, o Vitória venceu o Moscoso por 19 a 0, porém, como ambas as equipes desistiram, essa partida foi cancelada
  8. Em 2009, o Viana venceu o Chapadinha por 11 a 0, porém, devido a uma suspeita de manipulação de resultado, o jogo foi cancelado.
  9. Em 2016, o Itaúna (representado pelo Guarani de Conselheiro Lafaiete) venceu o Venda Nova por 11 a 0, porém, devido ao Itaúna ser eliminado da competição por não registrar seus jogadores, essa partida foi cancelada.

Referências

  1. a b c Amir Somoggi (29 de setembro de 2016). «MUDA, CALENDÁRIO : 'Fim dos estaduais se faz necessário'». Lance!. Consultado em 20 de junho de 2017. Cópia arquivada em 20 de junho de 2017 
  2. a b c João Carlos Assumpção (30 de setembro de 2016). «MUDA, CALENDÁRIO : 'Sem charme, Estaduais têm de ser repensados'». Lance!. Consultado em 20 de junho de 2017. Cópia arquivada em 20 de junho de 2017 
  3. «Copa do Brasil de 2009» (PDF). CBF. 17 de dezembro de 2008. Consultado em 19 de fevereiro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 6 de março de 2009 
  4. «CBF enxuga Série C e cria a D em 2009». globoesporte.com. 9 de abril de 2008. Consultado em 19 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 10 de abril de 2008 
  5. Stein, Leandro (8 de fevereiro de 2014). «O jogo que eternizou a grandeza do Fla-Flu: 194 mil no Maracanã em 1963». Site Trivela. Consultado em 2 de abril de 2014 
  6. «Em foco: A mística do Fla-Flu.». Site do jornal O Globo (foto 3/7). Consultado em 5 de abril de 2015 
  7. «Fla-Flu é o clássico de maior público da história do futebol mundial». Site do jornal O DIA. 4 de março de 2017. Consultado em 6 de março de 2018 
  8. Coelho, Paulo Vinícius (7 de julho de 2020). «Fla-Flu é o clássico com maior público na história do futebol e agora será também o de menos espectadores». globoesporte. Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  9. a b c d Gambeta, Wilson (2013). A bola rolou: o velódromo paulista e os espetáculos de futebol (1895/1916) (PDF). São Paulo : Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP: [s.n.] pp. 8–12, 26. doi:10.11606/T.8.2014.tde-01102014-162931 
  10. Ragazzi, Julio Cezar (27 de janeiro de 2022). «O início do futebol em São Paulo e o Campeonato Paulista de 1902 » São Paulo Antiga». São Paulo Antiga. Consultado em 11 de setembro de 2022 
  11. Gambeta, Wilson (2013). «A pedagogia da bola». A bola rolou: o velódromo paulista e os espetáculos de futebol (1895/1916 (PDF). São Paulo : Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP: [s.n.] pp. 127–131. doi:10.11606/T.8.2014.tde-01102014-162931 
  12. SOUZA NETO, Georgino Jorge de. A Tríplice Coroa e a Legitimidade dos Campeonatos Regionais: quanto vale um Estadual?. Ludopédio, São Paulo, v. 141, n. 55, 2021. Disponível em: https://ludopedio.org.br/arquibancada/a-triplice-coroa-e-a-legitimidade-dos-campeonatos-regionais-quanto-vale-um-estadual/.
  13. a b Vickery, Tim (15 de janeiro de 2014). «Por que os campeonatos estaduais de hoje precisam acabar». BBC News Brasil. Consultado em 11 de janeiro de 2022 
  14. «Rafael Reis - Brasil é o único país com campeonatos estaduais: verdade ou lenda urbana?». blogdorafaelreis.blogosfera.uol.com.br. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  15. Bonin, Robson. «#FUTEBOL#Os estaduais perderam importância | Radar». VEJA. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  16. «Blogueiros: Clubes fazem certo ao diminuírem importância dos Estaduais?». www.uol.com.br. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  17. Cesar, Mauro (1 de março de 2022). «Modorrentos, sonolentos Estaduais precisam de salvação, ou extinção | Blogs». ESPN. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  18. a b c d e «Por que os Estaduais estão perdendo relevância? E o que fazer com eles?». Betway. 10 de janeiro de 2022. Consultado em 15 de setembro de 2022 
  19. Mansur, Carlos Eduardo (23 de março de 2023). «Racional nos Estaduais, insano nas disputas nobres: as duas caras do calendário brasileiro». ge. Consultado em 24 de março de 2023 
  20. «Top 10: Torneios "curiosos", Revista Placar, acessado em 20 de dezembro de 2010.». Consultado em 10 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2016 
  21. Sardinha, Tássio (16 de janeiro de 2022). «Por que ainda existem os Campeonatos Estaduais? -». Ciencia da Bola. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  22. Megale, André (30 de abril de 2010). «A importância dos Estaduais». Universidade do Futebol. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  23. Bellini, Higor Marcelo Maffei (27 de março de 2020). «A importância de ajudar aos times menores para manter as competições». Lei em Campo. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  24. «Os campeonatos estaduais e sua importância para os clubes menores». Fala Universidades. 23 de julho de 2020. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  25. DORTA, Lucas. Qual a função dos estaduais? Não valem nada mesmo? Ludopédio, São Paulo, v. 127, n. 23, 2020.
  26. a b Sardinha, Tássio (16 de janeiro de 2022). «Por que ainda existem os Campeonatos Estaduais? -». Ciencia da Bola. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  27. Bocage, Sergio du (25 de janeiro de 2022). «Coluna – A importância dos campeonatos estaduais permanece». Agência Brasil. Consultado em 14 de setembro de 2022 
  28. Furtado, Tatiana (23 de janeiro de 2022). «Paulistão: Aos 120 anos, estadual se mantém como o mais rico do país, com clubes do interior mostrando força e tradição». Extra Online. Consultado em 15 de setembro de 2022 
  29. Cobos, Paulo (25 de janeiro de 2022). «Paulistinha, Paulista ou Paulistão? Como cada grande de São Paulo deve encarar o Estadual | Blogs». ESPN. Consultado em 15 de setembro de 2022 
  30. Agência Brasil (15 de junho de 2022). «Brasileirão é o campeonato mais amado pelo torcedor». ISTOÉ Independente. Consultado em 15 de setembro de 2022 
  31. «Defender os campeonatos estaduais • Diário Causa Operária». 14 de março de 2023. Consultado em 30 de maio de 2023 
  32. Lucas, Jorge Alexandre (1 de janeiro de 2014). «Somos todos cariocas: identidade e pertencimentos no mundo globalizado». Revista Científica Ciência em Curso (em francês). 3 (2): 111–123. ISSN 2317-0077 
  33. «Confira os maiores campeões estaduais do país». Confederação Brasileira de Futebol. 26 de janeiro de 2016. Consultado em 20 de julho de 2017 
  34. a b Marques, João Vitor (31 de março de 2022). «Atlético disputa lugar no top 5 de maiores campeões estaduais do Brasil». Superesportes. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  35. Zirpoli, Cassio (8 de janeiro de 2022). «Os 77 maiores campeões estaduais de 1902 a 2021, entre 2,6 mil títulos na história». cassiozirpoli.com. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  36. «Humaitá é 3º clube do interior a conquistar Campeonato Acreano; último foi em 2013». ge. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  37. «CRB conquista o 32º título alagoano; confira o ranking dos campeões do estado». ge. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  38. «Trem conquista o bi consecutivo do Campeonato Amapaense e chega ao quinto título na história». ge. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  39. «Campeonato Capixaba 2022: Com lei do ex, Real Noroeste vence o Vitória-ES e conquista o bicampeonato». ge. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  40. «É campeão! Fluminense fatura o Campeonato Carioca de 2022». GZH. 2 de abril de 2022. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  41. «Tetracampeão! Fortaleza goleia Caucaia e fatura o Campeonato Cearense 2022 - Jogada». Diário do Nordeste. 24 de abril de 2022. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  42. «Grêmio volta a vencer Ypiranga e conquista pentacampeonato gaúcho - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  43. «Atlético-GO Comemora Aniversário Em Grande Estilo - Futebol Na Veia». www.futebolnaveia.com.br. 8 de abril de 2022. Consultado em 11 de dezembro de 2022 
  44. «É CAMPEÃO! Cuiabá goleia o União Rondonópolis-MT e fica com o título Estadual». Lance!. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  45. «Vencido espetacularmente o campeão da cidade». O Estado de Mato Grosso. Cuiabá-MT. 18 de junho de 1944 
  46. «FMF - Atlético vence o Cruzeiro e é o campeão do Mineiro SICOOB 2022». fmf.com.br. Consultado em 12 de dezembro de 2022 
  47. http://fcf.com.br/campeoes-e-vice-campeoes-do-futebol-catarinense/
  48. http://www.fafamapa.com.br/pagina.php?pg=exibir_blog&idcategoria=2
  49. Jornal do Sports - Rio de Janeiro, 15 de Outubro 1976
  50. https://www.ffer.com.br/Publicacao.aspx?id=158773
  51. «Outro Brasil já perdeu de 24 a 0 em maior goleada da história do país». globoesporte 
  52. «10 a 0! Ferroviário estreia com super goleada sobre o Campo Grande na B». globoesporte.com 
  53. «Goleada sensacional: Corumbaense faz 23 a 1 em cima do Coxim em MS». globoesporte 
  54. «Perilima atropela a Queimadense e aplica 8 a 0 em jogo válido pelo Grupo do Agreste». Globoesporte 
  55. «Maior goleada do futebol pernambucano aconteceu nos Aflitos». SuperEsportes 
  56. «Botafogo 24x0 Mangueira». Futpédia Globoesporte 
  57. «Relembre outras goleadas históricas no Brasil no século 21». Goal.com 
  58. «AA das Palmeiras 0x12 Paulistano». Futpédia Globoesporte 
  59. «Placar final: Ferroviária 15x1 Velo Clube». Ferroviária S/A 
  60. «Torcedor-massagista ajuda Mauaense na histórica goleada por 14 a 2». globoesporte.com 
  61. https://ge.globo.com/to/futebol/campeonato-tocantinense/jogo/12-03-2022/tocantinopolis-tocantins-ec.ghtml
  62. DA COSTA, Ferreira (2015). Fatos e Personagens do Re-Pa. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 216-220
  63. DA COSTA, Ferreira (2002). 1973 - Quarentinha abandona futebol após 18 anos de glórias. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, p. 89
  64. a b BRANDÃO, Caio (12 de janeiro de 2016). «Nos 400 anos de Belém, um timaço só com grandes jogadores paraenses que serviram a Seleção». Trivela. Consultado em 19 de julho de 2017. Trata-se do meia que defendeu-o dos anos 50 aos 70 e é o maior campeão estadual do Brasil, com doze taças. 
  65. a b Serra, Elton (17 de janeiro de 2017). «Sem Nutella: Givanildo é o técnico mais raiz do Brasil | Blogs». ESPN. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  66. «Vencedor, Durval chega a taça de número 19 e põe fim ao maior jejum de toda carreira». Diário de Pernambuco. 29 de junho de 2017. Consultado em 6 de agosto de 2017 
  67. «Campeão mundial pelo Corinthians, Jorge Henrique vai defender o Camboriú-SC». esportes.yahoo.com. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  68. Convidado (8 de maio de 2020). «Há 30 anos, a Bulgária de Stoichkov visitava o Mangueirão sem vencer a seleção paraense». Trivela. Consultado em 19 de janeiro de 2023. (...) único a superar Quarenta em títulos estaduais: 12, que ainda são um recorde nacional, igualados neste século pelo zagueiro Durval. 
  69. Cassio Zirpoli (16 de maio de 2012). «O decacampeão Durval, de Cruz do Espírito Santo». Blog de Esportes. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  70. Aguiar, Vítor; Mendes, Yago (20 de maio de 2021). «De títulos, eles entendem...». Diario de Pernambuco. Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  71. «Tri de Cuca, 'rei dos estaduais' e mais, confira os técnicos campeões da década de MG - Futebol Interior». Consultado em 22 de janeiro de 2022 
  72. «Após sofrer infarto, ex-técnico Ferdinando Teixeira passará por cirurgia na segunda-feira». ge. 25 de julho de 2019. Consultado em 16 de junho de 2023 
  73. «Rodolfo Rodrigues - Quem são os técnicos com mais títulos estaduais no século XXI». www.uol.com.br. Consultado em 14 de janeiro de 2021 

Ligações externas editar