Abrir menu principal
Ver artigo principal: Linha do Norte

A Linha do Norte é uma ligação ferroviária entre as cidades de Lisboa e do Porto, em Portugal, constituindo a principal via de caminhos de ferro neste país. As obras iniciaram-se em 17 de Setembro de 1853, em Lisboa, tendo o primeiro lanço a entrar ao serviço sido até ao Carregado, em 28 de Outubro de 1856, pela Companhia Central e Peninsular dos Caminhos de Ferro em Portugal.[2] No entanto, vários problemas de ordem financeira levaram ao encerramento da empresa, pelo que foi sobre a exploração do estado que a linha chegou depois a Virtudes em 31 de Julho de 1857, a Ponte de Santana em 28 de Abril de 1858, e à Ponte de Asseca em 29 de Junho do mesmo ano.[2] Em 1859, a construção e exploração da linha foi contratada à Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, que tinha sido criada pelo empresário espanhol José de Salamanca y Mayol para esse fim.[2] Assim, foi já pela administração da Companhia Real que a linha chegou a Santarém em 1 de Julho de 1861, ao Entroncamento em 7 de Novembro de 1862 (em conjunto com o lanço até Abrantes da Linha do Leste), a Soure em 22 de Maio de 1864, e a Taveiro em 10 de Abril desse ano.[2] O percurso até Vila Nova de Gaia foi construído de Norte para Sul, tendo a linha atingido Estarreja em 8 de Junho de 1863, e feita a ligação em Taveiro em 19 de Abril de 1864.[3] As obras estiveram então vários anos paralisadas devido ao difícil processo de planeamento e construção da Ponte de D. Maria Pia, sobre o Rio Douro, tendo o lanço de Vila Nova de Gaia a Campanhã sido inaugurado em 5 de Novembro de 1877, concluindo a Linha do Norte.[2] A linha foi totalmente duplicada em 1930[2], e electrificada em 1966.[4]

Linha do Norte
Estação de Santa Apolónia, Lisboa, início da Linha do Norte
Estação de Santa Apolónia, Lisboa, início da Linha do Norte
Esboço cartográfico, à escala
Esboço cartográfico, à escala
Comprimento:314 km
Bitola:Bitola larga
Continuation backward
000000 Linha do Minho
Continuation backward
000000 Linha do MinhoValença
Unknown route-map component "tCONTg" Unknown route-map component "utCONTg" Straight track
Linha do MinhoPorto-São Bento
Station on track
336,079 Porto-Campanhã
Unknown route-map component "tSTR" Unknown route-map component "utXBHF-L" Unknown route-map component "XBHF-R"
336,079 Porto-Campanhã
Unknown route-map component "tSTR" Unknown route-map component "utCONTf" Unknown route-map component "eKRWgl" Unknown route-map component "exKRW+r"
Metro: Linha A (Metro do Porto) Linha B (Metro do Porto) Linha C (Metro do Porto) Linha E (Metro do Porto) Linha F (Metro do Porto) (Campanhã)
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
000000 Linha do Minho
Unknown route-map component "tSTRl"
Unknown route-map component "eABZq+l" + Unknown route-map component "PORTALr"
Unknown route-map component "TUNNEL1q"
Unknown route-map component "exSTRl" + Unknown route-map component "eKRZr"
Unknown route-map component "exKRZ" Unknown route-map component "exSTR+r"
000000 Túnel da China I      
Unknown route-map component "exTUNNEL1" Unknown route-map component "hSTRa" Unknown route-map component "exLSTR" Unknown route-map component "exSTR"
335,082
334,850
Viaduto de Campanhã (232 m); T. Seminário I (114 m)
Unknown route-map component "exCONTgq"
Unknown route-map component "extSTRaq" + Unknown route-map component "MASKm" + Unknown route-map component "exhSTRa@g"
Unknown route-map component "extSTReq" Unknown route-map component "ehKRZ" Unknown route-map component "exSTRr" Unknown route-map component "exSTR"
334,850 Ramal da AlfândegaPorto-Alf.
Unknown route-map component "exhSKRZ-G2" Unknown route-map component "RP2q" Unknown route-map component "hSKRZ-G2" Unknown route-map component "exSTR"
Ponte de D. Maria Pia ➀ × Av. Paiva Couceiro
Unknown route-map component "num1l"
Unknown route-map component "exhKRZWe" + Unknown route-map component "GRZq"
Transverse water
Unknown route-map component "hKRZW" + Unknown route-map component "GRZq"
Transverse water + Unknown route-map component "num2r"
Unknown route-map component "exhKRZWae" + Unknown route-map component "GRZq"
334,350 Ponte de São João ➁ (500 m) × DouroPRTVNG
Unknown route-map component "exSTRl" Unknown route-map component "exSTRq" Unknown route-map component "ehABZg+r" Unknown route-map component "exSTR"
334,350
333,943
Viaduto de General Torres (407 m); (➀ traj. abd.)
Unknown route-map component "uSTR+l"
Enter and exit tunnel + Urban transverse track
Unknown route-map component "uCONTfq" Unknown route-map component "exSTR"
333,749
333,520
Túnel da Serra do Pilar II (229 m)
Unknown route-map component "uXBHF-L"
Unknown route-map component "XPLTeq" + Stop on track
Unknown route-map component "exSTR"
333,342 General Torres Metro: Linha D (Metro do Porto) (G.Torres)
Unknown route-map component "uCONTf" Unknown route-map component "eABZg+l" Unknown route-map component "exTUNNEL2q" Unknown route-map component "exSTRr"
(proj. orig. 1866, abd.)
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. C. Reis
Unknown route-map component "ENDEaq" Unknown route-map component "ABZgr"
Unknown route-map component "hSKRZ-G2a"
× R. Choupelo
Unknown route-map component "hSKRZ-G2e"
× R. B.º C.P.
Non-passenger station/depot on track
Unknown route-map component "exENDEa" Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. Serpa Pinto
Unknown route-map component "exKRWl" Unknown route-map component "eKRWg+r"
Station on track
332,239 V. N. de Gaia (Devesas)
Unknown route-map component "SKRZ-G4o"
× Vª Eng. E. Cardoso
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Machado Santos
Stop on track
330,943 Coimbrões
Unknown route-map component "SKRZ-G4o"
× A1
Unknown route-map component "exKDSTa" Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Entre-Muros
Unknown route-map component "exBUE" Unknown route-map component "eBUE"
Unknown route-map component "exKRWl" Unknown route-map component "eKRWg+r"
329,979 Desvio da Madalena
Unknown route-map component "eBUE"
× R. Pitada
Stop on track
329,319 Madalena
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Apeadeiro
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Ant.º F. Sousa
Unknown route-map component "eBUE"
Level crossing
Unknown route-map component "eABZgl" Unknown route-map component "exKDSTeq"
Fáb. Cerâmicas Valadares
Station on track
327,800 Valadares
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. J. M. C. Portugal
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Medeiros
Unknown route-map component "eBUE"
Level crossing
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× Av. Francelos
Level crossing
Stop on track
325,365 Francelos
Level crossing
× R. Pedras
Level crossing
× R. Moutadas
Level crossing
× Av. V. Gama
Stop on track
323,815 Miramar
Unknown route-map component "eBUE"
× R. N. Mira
Level crossing
× R. Redondelo
Straight track Unknown route-map component "lELC"
322,500 ZN Aguda
Unknown route-map component "STR~L" + Unknown route-map component "RP2oeRP2"
Unknown route-map component "STR~R" + Unknown route-map component "RP2owRP2"
× Av. P. Aguda ∥ Av. S. Cabral ∥ R. Ervideiro
Unknown route-map component "eBUE"
× R. Caçadores
Stop on track
321,808 Aguda
Level crossing
× R. J. Correia
Level crossing
× R. Eirado
Level crossing
× R. J. R. Melo
Station on track
320,394 Granja
Level crossing
× R. Praia Nova
Unknown route-map component "hKRZWae"
Level crossing
× R. M. Vento
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× acesso ped. praia
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
× acesso ped. praia
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
× R. 66
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "hKRZWae"
Unknown route-map component "eSHI3gl" Unknown route-map component "exvSHI3+r-"
(traç. ant.)
Unknown route-map component "tSTRa" Unknown route-map component "exvBHF-KBHFa"
Espinho(est. ant.)
Station on track
316,792 Espinho
Unknown route-map component "tBHF" Unknown route-map component "exvSTR"
316,792 Espinho
Unknown route-map component "tSTR" + Unknown route-map component "RP2q"
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "exvBUE"
PN × Rua 15
Unknown route-map component "tSTRe" + Unknown route-map component "exSTRc2"
Unknown route-map component "exv-STR" + Unknown route-map component "exvSTR3-"
(túnel / traç. ant.)
Unknown route-map component "c" Unknown route-map component "eABZg+1"
Unknown route-map component "c" + Unknown route-map component "exSTRc4"
Unknown route-map component "KBHFxa"
Espinho-Vouga
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 Linha do Vouga
Straight track Unknown route-map component "c" One way leftward Unknown route-map component "dCONTfq"
Stop on track
314,992 Silvade
Stop on track
313,313 Paramos
Station on track
311,900 Esmoriz
Stop on track
309,376 Cortegaça
Stop on track
307,544 Carvalheira-Maceda
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZgr"
R. MacedaBase Aérea (des.)
Station on track
300,776 Ovar
Stop on track
296,973 Válega
Stop on track
293,759 Avanca
Unknown route-map component "SPLa"
290,900
Unknown route-map component "vDST-STR"
Esterreja Amoníaco
Unknown route-map component "SPLe"
290,190
Station on track
287,421 Estarreja
Stop on track
284,815 Salreu
Stop on track
283,383 Canelas
Transverse water Unknown route-map component "hKRZWae" Transverse water
279,997
279,743
Ponte do Vouga (254 m) × Rio Vouga
Unknown route-map component "SPLa"
279,466
Unknown route-map component "vSTR-DST"
Portucel Cacia
Station on track
278,718 Cacia
Unknown route-map component "SPLe+vBHF"
278,718 Cacia
Unknown route-map component "SPLa"
276,249
Unknown route-map component "vSTR-DST"
Plataforma de Cacia
Unknown route-map component "SPLe"
274,684
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
× R. Liberdade
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
000000 Ramal Porto d'Aveiro
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
Transverse water Unknown route-map component "hKRZWae" Transverse water
274,222
273,974
Ponte de Esgueira (248 m) × Ria de Aveiro
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 Ramal de Aveiro
Straight track Unknown route-map component "STR+l" Unknown route-map component "CONTfq"
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eKRZu" Unknown route-map component "eABZg+r"
Ramal de Aveiro-MarCanal do Cojo
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZg+r" Straight track
Ramal C. São RoqueCanal de São Roque
Station on track
272,676 Aveiro
Unknown route-map component "XBHF-L" Unknown route-map component "KXBHFe-R"
272,676 Aveiro
Stop on track
266,008 Quintãs
Station on track
258,046 Oiã
Station on track
252,240 Oliveira do Bairro
Stop on track
248,482 Paraimo
Station on track
244,643 Mogofores
Straight track Unknown route-map component "lELC"
242,455 ZN Curia
Stop on track
241,652 Curia
Stop on track
240,653 Aguim
Unknown route-map component " HSTeBHF"
236,086 Mealhada
Unknown route-map component "exCONTg" Straight track
R. Fig. FozF. Foz
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 Linha da Beira Alta
Unknown route-map component "exSHI3l"
Unknown route-map component "exvSHI3+r-" + Unknown route-map component "vSTRg+l"
Unknown route-map component "CONTfq"
Station on track
231,303 Pampilhosa
Unknown route-map component "SPLe+vBHF"
231,303 Pampilhosa
Unknown route-map component "vSTRg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
220,403 Cimpor
Station on track
224,971 Souselas
Unknown route-map component "SPLe+vBHF"
224,971 Souselas
Stop on track
222,097 Vilela - Fornos
Stop on track
220,490 Adémia
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
220,403 Moacir
Station on track
217,294 Coimbra - B
Unknown route-map component "ABZg2" Unknown route-map component "STRc3"
217,024 Ramal de Coimbra
Unknown route-map component "LSTR" + Unknown route-map component "STRc1"
Unknown route-map component "KBHF2+4xe" Unknown route-map component "exSTRc3"
Coimbra
Unknown route-map component "LSTR" Unknown route-map component "exSTRc1" Unknown route-map component "exCONT4"
Ramal da LousãLousã (des.)
Transverse water Unknown route-map component "hKRZWae" Transverse water
216,780
216,690
P.te Mondego V.º (93 m) × Mondego
Transverse water Unknown route-map component "hKRZWae" Transverse water
216,483
216,380
P.te Mondego N.º (187 m) × Mondego
Stop on track
215,201 Bencanta
Stop on track
213,800 Espadaneira
Stop on track
212,562 Casais
Station on track
211,159 Taveiro
Stop on track
208,544 Vila Pouca do Campo
Stop on track
206,916 Amial
Unknown route-map component "hKRZWae"
P.te Arzila × R.ª Cernache
Stop on track
203,318 Pereira
Stop on track
201,211 Formoselha
Station on track
198,339 Alfarelos
Unknown route-map component "SPLa+vBHF"
198,339 Alfarelos
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
000000 Ramal de Alfarelos
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "vSTRgr"
Stop on track
191,365 Vila Nova de Anços
Unknown route-map component "hKRZWae"
188,378 Ponte do Mocate (83 m) × Rib. Mocate
Unknown route-map component "vSTRg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
Quimigal Soure
Station on track
185,347 Soure
Unknown route-map component "SPLe+vBHF"
185,347 Soure
Straight track Unknown route-map component "lELC"
183,080 ZN Soure
Unknown route-map component "hKRZWae"
181,947 Ponte do Simões (66 m) × Rib. Simões
Stop on track
180,137 Simões
Stop on track
175,316 Pelargia
Station on track
169,604 Pombal
Non-passenger station/depot on track
167,739 Pombal-Resguardo
Station on track
161,232 Vermoil
Stop on track
155,616 Litém
Station on track
149,293 Albergaria dos Doze
Enter and exit tunnel
148,052
147,391
Túnel de Albergaria (661 m)
Station on track
139,011 Caxarias
Straight track Unknown route-map component "lELC"
136,000 ZN Caxarias
Stop on track
132,514 Seiça-Ourém
Unknown route-map component "hKRZWae"
132,080 Ponte do Seiça (61 m) × R. Seiça
Enter and exit tunnel
130,695
130,370
T. Chão Maçãs (650 m)
Station on track
129,563 Chão de Maçãs-Fátima
Stop on track
125,240 Fungalvaz
Non-passenger station/depot on track
122,900 Fungalvaz-Resguardo
Stop on track
120,678 Paialvo
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
114,736 Ramal de Tomar
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
114,736 Ramal de Tomar Tomar
Station on track
114,413 Lamarosa
Unknown route-map component "SKRZ-G2o"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Inf. Sagres
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
106,858 Linha da Beira Baixa
Unknown route-map component "vSTRg+l" Unknown route-map component "CONTfq"
Unknown route-map component "RP2e" Unknown route-map component "vSKRZ-G2u" Unknown route-map component "RP2w"
× V.º E. D. Poitout
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× R. Eug.º Andr.; × R. 5 Out.
Unknown route-map component "KDSTaq"
Unknown route-map component "ABZ+lr" + Unknown route-map component "SPLe"
Unknown route-map component "KDSTeq"
EMEF; Fernave; TVT
Station on track
106,302 Entroncamento
Scenic interest Station on track
106,302 Entroncamento (museu)
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "KDSTeq"
104,560 MSC
Unknown route-map component "exCONTg" Straight track
L.ª T. Novas a Alcanena(dem.)
Unknown route-map component "exKXBHFe-L" Unknown route-map component "XBHF-R"
102,095 Riachos-Torres Novas-Golegã
Unknown route-map component "RP2q" + Unknown route-map component "eBUE"
× estr. Relvas
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
Station on track
093,654 Mato de Miranda
Unknown route-map component "hKRZWae"
088,361 Ponte do Alviela (61 m) × R. Alviela
Unknown route-map component "vSTRg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
EPAC
Unknown route-map component "SPLe+vHST"
083,826 Vale de Figueira
Station on track
074,400 Santarém
Station on track Scenic interest
074,400 Santarém (museu)
Unknown route-map component "hKRZWae"
060,031 Ponte da Asseca (104 m) × Rib. Asseca
Unknown route-map component "exCONTgq" Unknown route-map component "eABZg+r"
Ramal de Rio MaiorR. Maior
Stop on track
066,291 Vale de Santarém
Straight track Unknown route-map component "lELC"
065,310 ZN Vale Sant.
Non-passenger station/depot on track
063,186 Santana-Cartaxo Resguardo
Stop on track + Unknown route-map component "lhSTRa@f"
060,300 Santana-Cartaxo
Unknown route-map component "hkABZg2" Unknown route-map component "hkSTR-c3"
057,775 C.ª Setil NorteL.ª Vendas Novas
Junction both to and from left Unknown route-map component "CONTfq"
000000 Linha Vendas Novas
Unknown route-map component "hSTR+hk12" Unknown route-map component "hkABZl+34" Unknown route-map component "hCONTfq"
Unknown route-map component "hkABZg+1" Unknown route-map component "hkSTR-c4"
056,634
Station on track
056,400 Setil
Station on track + Unknown route-map component "lhSTRe@g"
056,400 Setil
Stop on track
054,292 Reguengo-Vale Pedra-Pontével
Stop on track
059,934 Virtudes
Unknown route-map component "vENDEal"
Station on track
046,945 Azambuja
Unknown route-map component "vBHF"
046,945 Azambuja
Unknown route-map component "SPLe"
044,458
Stop on track
043,196 Espadanal da Azambuja
Stop on track
040,553 Vila Nova da Rainha
Stop on track
038,237 Carregado-Norte
Stop on track
036,456 Carregado
Non-passenger station/depot on track
034,736 Castanheira do Ribatejo
Station on track
034,234 Castanheira do Ribatejo
Unknown route-map component "eBUE"
Unknown route-map component "RP2e" Unknown route-map component "SKRZ-G2hl" Unknown route-map component "hRP2oWeq"
P.te Carmona × EN10Tejo
Straight track Unknown route-map component "lELC"
032,860 subestação VFX
Stop on track
030,164 Vila Franca de Xira
Unknown route-map component "eHST"
Quintas das Torres
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
Unknown route-map component "SKRZ-GDBUE"
Underbridge
pass. aérea
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. F. F. Reis
Underbridge
pass. aérea
Unknown route-map component "WVIADUKT2-R"
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× R. Hq. Taveira
Unknown route-map component "vENDEal"
Station on track
026,014 Alhandra
Unknown route-map component "SPLe+vBHF"
026,014 Alhandra
Underbridge
pass. aérea
Unknown route-map component "ABZg+l" Unknown route-map component "KDSTeq"
Cimpor
Unknown route-map component "hKRZWae"
Level crossing
Level crossing
Unknown route-map component "hKRZWae"
Unknown route-map component "hKRZWae"
Station on track
021,810 Alverca
Unknown route-map component "SPLa+vBHF"
021,810 Alverca
Unknown route-map component "KDSTaq" Unknown route-map component "vABZg+r-STR"
021,165
Unknown route-map component "KDSTaq" Unknown route-map component "vABZgr-STR"
020,511
Unknown route-map component "vÜSTu+r"
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1"
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
Unknown route-map component "evBUE"
× R. Lezírias
Unknown route-map component "vHST"
017,470 Póvoa
Unknown route-map component "KDSTaq" Unknown route-map component "vABZg+r-STR"
016,928 Sodapóvoa
Unknown route-map component "vSBRÜCKE"
pass. aérea
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× IC2
Unknown route-map component "vHST"
014,904 Santa Iria
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× EN 10IC2
Unknown route-map component "vSBRÜCKE"
pass. aérea
Unknown route-map component "evBUE"
Unknown route-map component "vSTR" + Unknown route-map component "v-SHI4l"
Unknown route-map component "v-SHI4+r"
013,843
Unknown route-map component "vSTR-SHI2gl"
Unknown route-map component "v-LSTR" + Unknown route-map component "vSHI2+r-"
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1" Unknown route-map component "dBRÜCKE1" Unknown route-map component "dLSTR"
Unknown route-map component "dSTR" Unknown route-map component "vÜWBl" Unknown route-map component "dLSTR"
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1" Unknown route-map component "vLSTR"
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1" Unknown route-map component "vLSTR"
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1" Unknown route-map component "SPLe+vDST"
Interface da Bobadela
Unknown route-map component "vWBRÜCKE1" Unknown route-map component "LSTR"
× Canal da Bobadela
Unknown route-map component "vHST" Unknown route-map component "LSTR"
11,013 Bobadela
Unknown route-map component "vSTR-SHI3g+l" Unknown route-map component "SHI3r"
010,438
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
× ponte particular Galp
Unknown route-map component "vÜSTr"
Unknown route-map component "vSBRÜCKE"
pass. aérea
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
× acesso IC2EN 10
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
× acesso EN 10IC2
Transverse water + Unknown route-map component "vhLGD-La"
Unknown route-map component "vSTR" + Unknown route-map component "lhvSTR(m)"
Transverse water + Unknown route-map component "vhLGD-Ra"
× Rio Trancão
Unknown route-map component "RP2e" + Unknown route-map component "vhLGD-Le"
Unknown route-map component "vSTR" + Unknown route-map component "lhvSTR(m)"
Unknown route-map component "RP2w" + Unknown route-map component "vhLGD-Re"
× R. D. J. Morais
Unknown route-map component "vHST"
009,625 Sacavém
Unknown route-map component "vSTR" Unknown route-map component "exKDSTa"
Sacavém-Louças
Unknown route-map component "exv-SHI2l" + Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "exvSHI2+r-" + Unknown route-map component "exSHI1r"
Linha de Sacavém
Unknown route-map component "vSTR" Unknown route-map component "exvCONTf-"
Porto de Lisboa
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× Av. Inf. D. Henrique (= IC2)
Unknown route-map component "vSKRZ-G2u"
× acesso IC2
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× Ponte Vasco da Gama
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× Av. Peregrinação
Unknown route-map component "vSBRÜCKE"
pass. aérea
Unknown route-map component "vHST"
7,644 Moscavide
Unknown route-map component "vSKRZ-G4u"
× Av. Boa Esperança / R. J. P. Ribeiro
Unknown route-map component "vÜST"
Unknown route-map component "utCONTg" Unknown route-map component "evHST"
006,800 Olivais
Station on track
006,480 Oriente
Unknown route-map component "utXBHF-L" Unknown route-map component "vXBHF-R"
006,480 Oriente
Unknown route-map component "utCONTf" Unknown route-map component "vSTR"
Metro: L.ª Vermelha (Oriente)
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. Pádua / Av. Ulisses
Unknown route-map component "vÜSTr"
Unknown route-map component "RP1e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP1w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× R. Cors. Ilhas
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vÜSTl"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. M. Gomes da Costa
Unknown route-map component "evHST"
005,300 Cabo Ruivo
Station on track
003,992 Braço de Prata
Unknown route-map component "vBHF"
003,992 Braço de Prata
Unknown route-map component "RP4e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP4w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× Av. Inf. D. Henrique
Unknown route-map component "RP1e" + Unknown route-map component "vhLGD-L"
Unknown route-map component "vSTR"
Unknown route-map component "RP1w" + Unknown route-map component "vhLGD-R"
× R. V. Formoso Cima
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZgr"
000000 Linha de Cintura
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "vSTRgr"
Unknown route-map component "eBHF"
Poço do Bispo(dem.)
Level crossing
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× P.º Marialva
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Cç. Dq. Lafões
Unknown route-map component "SKRZ-G2u"
× Cç. Grilo
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZg+r"
001,643 C.ª de Xabregas
Unknown route-map component "CONTgq" Unknown route-map component "ABZg+r"
Unknown route-map component "SKRZ-G1o"
Viaduto de Xabregas × Lg. Mq. Nisa
Unknown route-map component "eABZg+l" Unknown route-map component "exCONTfq"
Linha de SacavémPorto de Lisboa
Non-passenger station/depot on track
Lisboa-Santa Apolónia (P.M.O.)
Unknown route-map component "SKRZ-G4u"
Av. Mz.º Albqq.
Unknown route-map component "ABZgl" Unknown route-map component "CONTfq"
000000 Linha da Matinha
Unknown route-map component "eABZg2" Unknown route-map component "exSTRc3"
(pj. abd. 1912[1])
End station
000,000 Lisboa-Santa Apolónia
Unknown route-map component "KXBHFe-L" + Unknown route-map component "exSTRc12"
Unknown route-map component "exSTR3+4" + Unknown route-map component "utKXBHFa-R"
Unknown route-map component "utCONTgq"
Unknown route-map component "utSTRq" + Unknown route-map component "exSTR+1"
Unknown route-map component "utSTRr" + Unknown route-map component "exSTRc4"
Metro: Linha Azul (Santa Apolónia)
Unknown route-map component "d"
Unknown route-map component "exSTR" + Unknown route-map component "KBHFaq"
Unknown route-map component "TRAJEKTq" Unknown route-map component "dCONTfq"
Sul e SuesteLinha do Alentejo
Unknown route-map component "exLSTR"
(proj. abd.)
Unknown route-map component "KBHFxa"
Cais do Sodré
Continuation forward
Linha de CascaisCascais

Índice

Fases de construção da Linha do Norte[3]
DataLançoExtensão original (Km)Observações
28 de Outubro de 1856 S. Apolónia - Carregado36,454
30 de Julho de 1857Carregado - Quinta das Virtudes13,866
30 de Abril de 1858Quinta das Virtudes - Ponte de Santana9,934
29 de Junho de 1858Ponte de Santana - Ponte de Asseca7,546
1 de Julho de 1861Ponte de Asseca - Santarém6,600
7 de Novembro de 1862Santarém - Entroncamento32 (aprox.)Junto com o lanço até Abrantes da Linha do Leste
19 de Novembro de 1862Vila Nova de Gaia - Estarreja44,823Abertura provisória
8 de Junho de 1863Vila Nova de Gaia - Estarreja44,823Abertura definitiva
10 de Abril de 1864Estarreja - Taveiro76,257
22 de Maio de 1864Entroncamento - Soure79,048
7 de Julho de 1864Soure - Taveiro25,809
5 de Novembro de 1877Vila Nova de Gaia - Porto - Campanhã26,437Conclusão da linha

Século XIXEditar

AntecedentesEditar

No Século XIX, as vias de comunicação em Portugal revelaram-se muito deficientes, especialmente as rodoviárias; o principal meio de transporte era a navegação, efectuada ao longo da costa, e pelos rios.[5] Assim, durante o governo de António Bernardo da Costa Cabral, iniciaram-se os primeiros esforços para a implementação do transporte ferroviário.[6] Em Agosto de 1844, Benjamim de Oliveira sugere a construção, com capitais britânicos, de um caminho de ferro entre Lisboa e o Porto; no entanto, este projecto foi recusado, porque se pensava que uma ligação ferroviária entre Lisboa e Alcácer do Sal era mais necessária, e seria mais lucrativa.[6] Em Dezembro desse ano, foi formada, por iniciativa de José Bernardo da Costa Cabral, a Companhia das Obras Públicas.[6] Um dos objectivos desta empresa era instalar uma via férrea de Lisboa a Espanha e à rede ferroviária europeia, e de construir um grande cais para navios transatlânticos na capital portuguesa.[6] Este projecto, lançado por iniciativa de D. Luís I, estabelecia que os passageiros seriam transportados de comboio de toda a Europa até Lisboa, onde poderiam embarcar em navios com destino às Américas.[6]

Em 19 de Abril de 1845, o governo português assinou um contrato com a Companhia das Obras Públicas, para a construção e aperfeiçoamento de várias infra-estruturas de comunicação no interior do país, tendo uma das cláusulas feito uma referência explícita à instalação de uma linha férrea entre Lisboa e a fronteira com Espanha.[2] No entanto, os conflitos políticos que se fizeram sentir no ano seguinte impediram a concretização deste projecto.[7] Após a situação política ter estabilizado, o interesse por esta ligação ferroviária voltou a aumentar, tendo um empresário inglês, Hardy Hislop, apresentado uma proposta para este caminho de ferro, que implicava a ligação a Espanha através de Badajoz, passando por Santarém.[7] O governo nomeou, em 18 de Julho de 1851, uma comissão para analisar este projecto, que elaborou, em 20 de Outubro do mesmo ano, as bases para o concurso do troço entre Lisboa e Santarém.[2]

 
Pavilhão montado na Estação do Carregado, para a cerimónia de inauguração.

Construção do troço até ao CarregadoEditar

Este concurso foi aberto pelo então ministro da Fazenda, Fontes Pereira de Melo, entre 6 de Maio e 31 de Julho de 1852, tendo a obra sido atribuída, de forma provisória, à Companhia Central e Peninsular dos Caminhos de Ferro em Portugal, representada por Hardy Hislop, com uma garantia de juro de 6%.[2] Em 30 de Agosto do mesmo ano, foi criado o Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria, que veio trazer um grande impulso aos projectos de desenvolvimento nacional, como os transportes ferroviários.[2] Em 9 de Dezembro, Hardy Hislop apresentou ao governo o plano do engenheiro Rumball para o traçado entre Lisboa e Santarém, que partia do Largo do Intendente, com um ramal entre Chelas e Xabregas, para dar ligação ao porto fluvial.[2] Em 3 de Fevereiro de 1853, este projecto foi aprovado, tendo o ponto de partida sido alterado para o Cais dos Soldados.[2] Apesar da oposição do engenheiro White, que previu, desde logo, as dificuldades que iriam surgir mais tarde em expandir a estação, devido à falta de espaço sentida naquele local, o governo insistiu em colocar ali a estação, tendo assinado o contracto definitivo em 11 de Maio, que foi legalizado em 18 de Agosto.[2] As normas a aplicar na fiscalização da construção foram decretadas em 5 de Setembro, e as obras iniciaram-se no dia 17 do mesmo mês, pelos empreiteiros Shaw & Waring, sediados em Londres.[2]

No entanto, em 5 de Setembro de 1855, as obras foram suspensas devido a conflitos entre a Companhia Peninsular e os empreiteiros, tendo o governo tomado conta das obras logo no dia seguinte.[2] Em Janeiro de 1856, chega a Portugal B. Wattier, professor da Escola de Engenharia de Paris[8], com o objectivo de dirigir as obras, função que principia em 7 de Fevereiro, assistido pelos engenheiros Margiochi e Gromicho Couceiro.[2] O trajecto para o Caminho de Ferro do Leste, lavrado pelo engenheiro Joaquim Nunes de Aguiar, e aprovado por Wattier, preconizava a passagem ao sul de Santarém, junto à Ponte da Asseca, relegando a travessia do Rio Tejo para Constância.[9] O traçado após o Entroncamento foi elaborado por Wattier, passando por Coimbra, mas sem chegar ao Porto, porque, naquela altura, ainda não se havia decidido onde colocar a Estação naquela cidade.[9]

Em Maio, são efectuados, por ordem do governo, vários estudos sobre a construção dos troços até Espanha e ao Porto, devendo o caminho de ferro até esta cidade ser construído como um prolongamento da estrada real até Coimbra.[10] Entretanto, o governo português tentou chegar a acordo com os empreiteiros, mas sem sucesso; assim, em 28 de Agosto adiantou a quantia de 460.000$000 a esta companhia, usando como penhor as acções que detinha em carteira.[2] O troço até ao Carregado foi inaugurado em 28 de Outubro de 1856[2], com uma bitola de via de 1,45 metros[2], e aberto à exploração no dia seguinte, para passageiros; os serviços de mercadorias só se iniciaram em 1 de Novembro de 1858.[8] A construção do primeiro troço desta linha, que chegou a empregar 3000 obreiros, trouxe vários problemas financeiros e técnicos, como a transposição do Rio de Sacavém (actual Rio Trancão).[8] Devido à Estação Ferroviária de Santa Apolónia ainda não estar concluída, foi utilizada uma interface provisória junto ao Palácio de Coimbra.[11]

 
Fotografia antiga da gare de Espinho.

Troço entre o Carregado e Vila Nova de GaiaEditar

Após a ligação até ao Carregado ter sido concluída, e apesar do apoio financeiro do estado, a instabilidade da empresa concessionária gerava vários problemas, sofrendo as obras e os estudos várias interrupções; assim, verificou-se impossível a meta estabelecida no contrato, de chegar até Santarém em Setembro de 1857.[2] O governo rescindiu, assim, o contrato com a Companhia, e centrou-se na construção da ligação até à margem sul do Rio Douro, junto à cidade do Porto.[2] Assim, em Abril de 1857, começou a negociar com o engenheiro e empresário inglês Samuel Morton Peto, que já tinha efectuado vários projectos ferroviários na América do Norte e no Reino Unido.[2] Morton Peto seria o empreiteiro, enquanto que a direcção da Companhia seria assegurada pelo engenheiro João Crisóstomo de Abreu e Sousa, por parte do governo.[2] No dia 14 de Abril, o projecto de construção da futura Linha do Norte foi discutido nas Cortes, tendo-se decidido que a construção da ligação ferroviária ao Porto seria dividida em duas fases; inicialmente, deveria ser concretizada a união entre Lisboa a Santarém e Coimbra, a partir do Carregado, e a segunda fase contemplaria a ligação entre Coimbra e a cidade do Porto, com a construção de uma ponte sobre o Rio Douro.[10]

O contracto definitivo foi assinado em 29 de Agosto, comprometendo-se Morton Peto a criar uma nova companhia, que seria subsidiada pelo estado português em 5500 libras por quilómetro, e que substituiria a Companhia Central e Peninsular dos Caminhos de Ferro em Portugal.[2] Nesse dia, foi publicado um decreto, que ordenou que o troço entre Santarém e o Porto passasse pelas localidades de Atalaia, Tomar, Pombal, Coimbra, Pampilhosa e Avelãs.[12] A estação ferroviária do Porto deveria ser construída na margem Sul do Rio Douro, sendo o acesso à cidade assegurado com a construção de uma ponte.[12] Apesar das várias dificuldades encontradas, as obras foram prosseguindo, tendo o troço até Virtudes sido aberto à exploração no dia 31 de Julho de 1857, até à Ponte de Santana em 28 de Abril de 1858, e à Ponte de Asseca em 29 de Junho.[2]

No entanto, continuaram os problemas de construção, tendo Morton Peto chegado a considerar construir, por sua própria conta e em 3 anos, os troços entre Pombal e Vila Nova de Gaia e a ligação até Tomar, deixando apenas por construir o troço entre Tomar e Pombal, que seria assegurado pela sua companhia, quando estivesse formada.[2] Apesar do prazo para a criação desta companhia ter sido, segundo uma portaria de 13 de Abril, alargado até 31 de Maio de 1859, todos os seus esforços revelaram-se infrutíferos, tendo o contrato sido anulado em 6 de Junho.[2]

Assim, o governo contratou de forma provisória, em 30 de Julho, o empresário espanhol José de Salamanca y Mayol, que tal como Morton Peto, já tinha concluído vários projectos ferroviários no estrangeiro.[2] Este contrato estabelecia a concessão de um subsídio quilométrico de 4.500 libras para a construção do Caminho de Ferro do Leste, e de 5.400 libras para o do Norte.[2] No mesmo dia, abriu-se um concurso para estes projectos, que foi encerrado em 12 de Setembro; neste dia, foi assinado o contrato definitivo com José de Salamanca, que foi o único participante deste concurso.[2] Este formou a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses tendo como objectivo construir e explorar as Linhas do Leste e Norte.[2] A 14 de Setembro de 1859, foi redigido um novo contrato, que estabeleceu que a ligação ferroviária ao Porto deveria partir da Ponte da Pedra ou de outro ponto próximo da Linha do Leste, e terminar dentro da cidade do Porto; a construção deste troço, oficialmente denominado como Linha do Norte, não deveria ter uma duração superior a 5 anos.[12] No dia 10 de Novembro de 1860, o governo aprovou a escritura pública, e o trespasse da concessão para José de Salamanca e a Companhia Real[13], mas devido a alterações no contrato assinado em 14 de Setembro, foi lavrado um novo contrato em 20 de Dezembro de 1860.[11] Este documento estabelecia que o troço já construído, entre Lisboa e Ponte da Asseca, deveria ser adquirido pela Companhia, e a bitola alterada de 1,45 para 1,67 metros.[14] O empreiteiro que, até esta data, tinha sido responsável pela exploração neste troço, reclamou deste acto, mas sem sucesso.[14]

Após um largo período de estagnação, a formação desta Companhia trouxe um novo impulso aos projectos ferroviários, tendo sido edificada a Estação Ferroviária de Lisboa-Santa Apolónia, alargada a bitola no troço já concluído, e retomados os trabalhos de construção da linha.[2] Assim, o Caminho de Ferro do Leste chegou até Santarém em 1 de Julho de 1861, Abrantes em 7 de Novembro de 1862, e a fronteira com Espanha em 24 de Setembro de 1863.[2] Na Linha do Norte, as obras avançaram em duas frentes; a primeira seguiu de Vila Nova de Gaia para Sul, tendo o lanço até Estarreja entrado ao serviço provisoriamente em 19 de Novembro de 1862, e de forma definitiva em 8 de Junho de 1863, e a linha atingido Taveiro em 10 de Abril de 1864.[3] A segunda frente, a partir do Entroncamento para Norte, chegou a Soure em 22 de Maio do mesmo ano, e a Taveiro em 7 de Julho, completando a ligação de Lisboa a Gaia; assim, para concluir a Linha do Norte, só faltava a quinta secção, que respeitava à passagem do Rio Douro.[2] Os lucros de exploração nesta linha revelaram-se inicialmente abaixo do esperado, com a maior parte do tráfego efectuado no regime de pequena velocidade[15]; uma das principais razões para este resultado foi a falta de ligações rodoviárias até às estações, que só foram totalmente construídas em 1872.[16]

 
Ponte D. Maria Pia, quando foi inaugurada, em 1877.

Travessia do Rio DouroEditar

No dia 25 de Junho de 1865, a Companhia Real assumiu a exploração, que até aí se encontrava no poder de José de Salamanca.[2] Num acordo, feito em em 27 de Novembro, foi sugerida a localização da futura Estação do Porto junto ao Mosteiro de São Bento de Avé-Maria; no entanto, a lei que autorizou este acordo, em 2 de Março de 1866, ordenou que fosse construída no Campo do Cirne, nas proximidades do Prado do Repouso.[2] Simultaneamente, formou-se uma terceira corrente de opinião, defendendo a Variante do Seminário, que a atravessava o Rio mais a montante.[2] De acordo com a lei assinada em 1866, a Companhia Real estudou a implantação de uma estação de mercadorias na margem esquerda, e o atravessamento do Rio Douro, tendo este projecto sido aprovado em 1869; no entanto, as já inseguras condições da Companhia ficaram ainda mais deterioradas por uma crise económica em 1868, e as relações com José de Salamanca eram cada vez mais tensas, atingindo o seu auge em 1872, quando este se recusou a construir a última secção da Linha do Norte, tendo a Companhia sido intimada pelo Estado, segundo a lei de 1866.[2]

Um novo director foi então nomeado para a Companhia Real, o engenheiro Manuel Afonso de Espregueira, com o propósito de concluir a construção desta secção da Linha do Norte.[2] Para tal, apresentou um projecto elaborado pelo chefe de construção, o engenheiro Pedro Inácio Lopes, que propunha a construção de uma ponte entre a Serra do Pilar e o Monte do Seminário, permitindo um traçado mais adequado para ser ligado às Linhas do Minho e Douro.[2] O governo aceitou este plano, e submeteu-o às Cortes em 5 de Fevereiro de 1873, tendo sido aprovado no dia 18 do mesmo mês; no entanto, só em 26 de Fevereiro de 1875[2] é que foi legalizado, após várias alterações, tendo o contrato sido elaborado em 6 de Março do mesmo ano.[2] Devido à aprovação deste plano, parte das obras do projecto anterior, que já se tinham iniciado, foram abandonadas, tendo ainda sido abertos cerca de 3000 metros de via, entre Gaia e Gervide, e um túnel na Serra do Pilar, com 450 metros de comprimento.[2] Entretanto, desde 5 de Janeiro de 1875 que se tinham iniciado a preparação para as obras da ponte, que tinham sido entregues, por concurso, a Gustave Eiffel; a montagem da ponte terminou no dia 28 de Outubro de 1877, tendo a inauguração tido lugar em 5 de Novembro do mesmo ano.[2]

Com a conclusão da Linha do Norte, a Estação de Campanhã, que já era o terminal da Linha do Minho, tornou-se comum às duas linhas, aumentando consideravelmente o seu movimento de passageiros e mercadorias.[17]

 
Horário dos Sud Express, em 1888.

Décadas de 1880 e 1890Editar

Em 1 de Julho de 1882, foi inaugurada a Linha da Beira Alta, que inicialmente se compreendia entre a Figueira da Foz até à estação fronteiriça de Vilar Formoso.[3] Nesse ano, começaram a circular comboios rápidos de passageiros entre Lisboa e Madrid, e em 4 de Novembro de 1887 iniciou-se o serviço Sud Express, entre Lisboa e Calais, em França.[18]

Em 18 de Outubro de 1885, foi inaugurado o Ramal de Coimbra, que se iniciava em Coimbra B e terminava na estação central daquela cidade.[3] Em 1888, entrou ao serviço o Ramal de Alfarelos, que unia a Linha do Oeste à estação de Alfarelos, na Linha do Norte[19], e em 11 de Novembro desse ano o Ramal da Alfândega, entre a Alfândega do Porto e a estação de Campanhã.[18]

Em 15 de Abril de 1890, foi duplicado o lanço de Olivais ao Carregado, tendo a via dupla atingido Azambuja em 16 de Março de 1891 e Santana em 19 de Maio de 1891.[3] O lanço entre Olivais e Poço do Bispo só foi duplicado em 6 de Junho de 1892, enquanto que o lanço de Torres Novas ao Entroncamento foi passado para via dupla em 8 de Abril de 1893, de Mato de Miranda a Santarém em 6 de Maio do mesmo ano, e de Mato Miranda a Torres Novas em 7 de Maio.[3] Em 8 de Novembro de 1896 entrou ao serviço a Linha Urbana do Porto, unindo Campanhã à Estação de São Bento.[3]

Entretanto, em 5 de Setembro de 1891 entrou ao serviço a Linha de Cintura de Lisboa, unindo a estação de Braço de Prata, na Linha do Norte, a Campolide, na Linha do Oeste.[3]

Ligação projectada à Linha de CascaisEditar

Em 1870, o engenheiro M. A. Thomé de Gamond propôs a instalação de um grande porto marítimo em Lisboa, e uma ligação ferroviária entre a cidade e Colares, passando por Cascais e Sintra.[20] Este projecto defendia que o caminho de ferro deveria sair da Linha do Norte no Embarcadouro de Leste, junto ao Novo Porto, continuar até à Praça do Comércio, onde seria edificada uma estação, e continuar até Sintra, com várias estações no caminho.[20] Este projecto foi retomado com o Plano Geral das Obras, publicando em 1874, e uma comissão para o seu estudo foi formada em 16 de Março de 1883.[20] Em 1888, o engenheiro Pedro Inácio Lopes defendeu junto da Associação dos Engenheiros Civis a construção de uma ligação ferroviária, de características urbanas, entre a Estação de Lisboa-Santa Apolónia e Alcântara, onde se iria ligar à Linha de Cascais, que já se encontrava em construção entre Alcântara e Cascais.[20] No entanto, este projecto não foi construído, devido a problemas técnicos na passagem do Dique do Arsenal, e receios que a linha tivesse efeitos negativos na estética da Praça do Comércio.[20]

 
Comboio inaugural da Linha do Vouga, em Espinho.

Século XXEditar

Décadas de 1900 a 1930Editar

Em Janeiro de 1902, todo o traçado estava equipado com carris de 40 Kg/m, excepto no lanço entre Pampilhosa e o Porto.[21] No mês seguinte, chegou uma remessa de carris da casa Ougrée-Marihaye, para renovar as vias neste troço, e continuar a construção de uma segunda via entre Vila Nova de Gaia e Espinho.[22] Antes da renovação, os carris utilizados apresentavam cerca de 30 Kg de peso.[23] Em 1 de Abril, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou que a Câmara de Espinho tinha questionado o governo sobre um terreno público necessário para a duplicação da via férrea, tendo a Companhia Real assegurado que iria respeitar os direitos da autarquia, mas que não iria permitir quaisquer interrupções nas obras, de forma a que a via dupla estivesse pronta antes de se iniciar o horário de Verão.[24] Nessa altura, os trabalhos da duplicação estavam a decorrer com grande actividade, prevendo-se que estariam concluídos antes do final do mês de Abril.[24] Em 1 de Março, a Gazeta reportou que estava prevista a instalação de um apeadeiro entre Cacia e Estarreja, para servir a localidade de Canelas, no Concelho de Estarreja.[25] Em 20 de Junho, foram publicadas novas tarifas da Companhia Real para os comboios tramways das estações de São Bento e Campanhã até Aveiro, devido à entrada ao serviço do novo apeadeiro.[26]

A via dupla foi inaugurada de Vila Nova de Gaia até Granja em 19 de Maio de 1902, Espinho em 1 de Setembro de 1902, Esmoriz em 20 de Outubro de 1906, Ovar em 25 de Outubro, Estarreja em 27 de Outubro, Aveiro em 17 de Maio de 1907.[3] O lanço de Coimbra B a Alfarelos foi duplicado em 26 de Outubro de 1908, de Pombal a Albergaria em 13 de Maio de 1910, e de Alfarelos a Pombal em 14 de Outubro de 1911.[3]

Entretanto, em 15 de Janeiro de 1904, foi inaugurada a Linha de Vendas Novas, que ligava Vendas Novas, na Linha do Alentejo, ao Setil, na Linha do Norte.[3] Em 21 de Dezembro de 1908, entrou ao serviço o primeiro lanço da Linha do Vouga, de Espinho a Oliveira de Azeméis, enquanto que o Ramal de Aveiro, que ligava a Linha do Vouga à estação de Aveiro, abriu à exploração em 8 de Setembro de 1911.[3]

A Gazeta de 1 de Dezembro de 1913 noticiou que estavam quase concluídas as terraplanagens para a duplicação do lanço entre Coimbra B e Mogofores e estavam a ser adaptadas as pontes de Souselas, prevendo-se que brevemente se iria iniciar o assentamento de via, de forma a que a segunda via entrasse ao serviço com o próximo horário de Verão.[27] No entanto, o lanço da Pampilhosa à Mealhada só foi duplicado em 11 de Dezembro de 1915, da Mealhada a Mogofores em 8 de Julho de 1915, e de Coimbra-B à Pampilhosa em 30 de Abril de 1925.[2]

A via foi duplicada de Paialvo ao Entroncamento em 15 de Junho de 1927, Entroncamento a Chão de Maçãs em 5 de Julho do mesmo ano, Oliveira do Bairro a Mogofores em 14 de Maio de 1929, e de Aveiro a Oliveira do Bairro em 30 de Maio de 1930.[3][2]

Entretanto, em 24 de Setembro de 1928 foi inaugurado o Ramal de Tomar, que ligava aquela cidade à Estação de Lamarosa, na Linha do Norte.[3]

Em 1932, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses ampliou várias estações, e renovou um lanço de 22 Km da Linha do Norte, utilizando carris de 45 Kg.[28] Em 1934, foram remodelados outros 22 Km de via, e também foram feitas obras de ampliação em várias estações, especialmente através da instalação de sistemas eléctricos e da construção de habitações, escolas e postos de saúde, destacando-se o bairro para o pessoal em Vila Nova de Gaia e o dispensário anti-tuberculoso no Entroncamento.[29]

 
Locomotiva em manobras em S. Apolónia, em 1956.

Décadas de 1950 e 1960Editar

Em 6 de Abril de 1955, foi assinado um contrato entre a CP e o consórcio Groupement d'Étude et d'Électrification de Chemin de Fer en Monophasé 50 Hz, para electrificar o troço entre Lisboa e o Carregado, junto com a Linha de Sintra.[30] Este projecto foi oficialmente inaugurado em 28 de Abril de 1957, no âmbito das comemorações dos 100 anos do transporte ferroviário em Portugal.[31] A electrificação chegou ao Entroncamento em Junho de 1958, a Pombal em Setembro de 1963, a Coimbra em Outubro do mesmo ano, à Pampilhosa em Março de 1964, a Quintans em Junho do mesmo ano, a Esmoriz em Novembro, e a Vila Nova de Gaia em Julho de 1965.[32] Nos finais desse ano, previa-se a conclusão da electrificação da Linha do Norte para 1966[32], o que se verificou.[4]

No entanto, considerou-se que o projecto de electrificação não fora bem planeado, sido demasiado precipitado, uma vez que não se aproveitou para corrigir os traçados nem modernizar a linha antes da electrificação.[33] Desta forma, qualquer alteração no traçado ficaria muito mais onerosa e complicada, devido à presença das infra-estruturas eléctricas, condenando a Linha do Norte a um traçado planeado há cerca de um século atrás; por outro lado, quando foram levadas a cabo as indispensáveis operações de renovação e modernização da linha, as obras foram muito mais lentas, tendo-se assistido à coexistência de infra-estruturas novas e antigas, como via, sinalização, e comunicações.[33] Esta situação ainda veio exacerbar as já reduzidas condições de segurança, com as obras baseadas principalmente em trabalho manual, e provocou vários conflitos de sinalização, resultando em vários acidentes, quase sempre apontados como falha humana.[33] Estes factores geraram fortes perturbações na circulação ferroviária, alienando os passageiros mais exigentes.[33]

 
Estação do Entroncamento em 1990.

Década de 1990Editar

Nova ponte sobre o DouroEditar

 Ver artigo principal: Ponte de São João

Já desde meados do Século XX que se reconhecia que o facto da Ponte D. Maria Pia ser a única ligação entre as redes ferroviárias a Norte e Sul do Rio Douro gerava grandes problemas de tráfego, situação agravada por transportar uma só via férrea.[34] Com efeito, como reconheceu a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses num comunicado publicado no Diário Popular de 21 de Maio de 1966, só quando fosse eliminado aquele estrangulamento de tráfego, através da duplicação do lanço entre General Torres e Campanhã, é que se poderia providenciar um serviço ferroviário adequado às necessidades das regiões a Norte do Douro.[34] Desta forma, a empresa encomendou ao engenheiro Edgar Cardoso, que já tinha projectado a Ponte da Arrábida, o anteprojecto para uma nova ponte ferroviária, tendo-se nessa altura já iniciado os estudos.[34] No entanto, a companhia admitiu que estava com problemas em obter os recursos financeiros necessários para esta obra, uma vez que não tinha sido prevista no plano intercalar de fomento.[34]

O Decreto-Lei n.º 307, de 1981, criou o Gabinete da Ponte Ferroviária Sobre o Rio Douro, entidade que foi expandida no Gabinete do Nó Ferroviário do Porto pelo Decreto-Lei n.º 347, de 1986.[35] Este novo gabinete tinha como objectivo não só construir a nova ponte, mas também desenvolver a rede férrea nos arredores da cidade do Porto, incluindo a remodelação da Linha do Norte até Aveiro.[35]

A Ponte de São João entrou ao serviço em 24 de Junho de 1991, tendo a Ponte de D. Maria Pia tendo sido encerrada no mesmo dia.[36]

Em 1993, o recorde de velocidade ferroviária em Portugal foi atingido por um comboio entre Espinho e Avanca.[37] Este comboio era formado pela locomotiva número 5601 e 3 carruagens Corail, uma das quais adaptada para um laboratório, tendo atingido uma velocidade de 220 km/h.[37] Devido ao facto de a velocidade máxima neste lanço ser de apenas 140 km/h, tiveram de ser feitas várias obras na via e na catenária, de modo a se se proceder ao teste.[37]

Em 1998, foi inaugurada a Gare do Oriente, em Lisboa.[38]

 
Nova estação de Espinho, em 2009.

Século XXIEditar

Na Década de 2000, iniciou-se um projecto para enterrar a modificar o traçado da Linha do Norte dentro da cidade de Espinho, de forma a que a via férrea passasse a circular no interior de um túnel em vez de atravessar a cidade pela superfície.[39] A circulação dos comboios passou a ser feita pelo túnel em Maio de 2008.[39]

Acidentes e incidentesEditar

A Gazeta dos Caminhos de Ferro de 1 de Agosto de 1902 relatou que um comboio teve de parar na Linha do Norte depois de ter colidido contra várias travessas, que tinham sido postas na via com o intuito de o fazer descarrilar.[40] Segundo a Gazeta, a Linha do Norte tinha sido uma das que em Portugal tinham sido mais vezes alvo de sabotagem.[40]

Em Janeiro de 1914, ocorreu um grande movimento de greve dos trabalhadores da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que por várias vezes sabotaram a via férrea, provocando alguns descarrilamentos.[41]

Em Dezembro de 2000, a circulação ferroviária na Linha do Norte foi por várias vezes interrompida, devido a uma vaga de mau tempo na Europa.[42] No dia 8 de Dezembro, a subida das águas do Rio Mondego provocou inundações em Formoselha, o que levou à suspensão do tráfego naquele lanço, tendo sido atingidos vários comboios suburbanos e regionais e um Alfa Pendular, cujos passageiros tiveram de fazer o resto da viagem até Lisboa de autocarro.[43]

Em Janeiro de 2011, chuvas fortes e falta de protecções junto à via férrea provocaram dois deslizamentos de terras junto ao Apeadeiro de Coimbrões, no Concelho de Vila Nova de Gaia, que condicionaram a circulação ferroviária em ambas as direcções, durante várias horas.[44]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Alvaro SANTOS “Tourist” Planta de Lisboa : Folha Nº 1 1924
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at TORRES, Carlos Manitto (1 de Janeiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1681). p. 9-12. Consultado em 15 de Janeiro de 2014 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 19 de Setembro de 2017 
  4. a b REIS et al, 2006:102
  5. MARTINS et al, 1996:8
  6. a b c d e MARTINS et al, 1996:11
  7. a b REIS et al, 2006:12
  8. a b c VIEGAS, 1988:61
  9. a b MARTINS et al, 1996:16
  10. a b VIEGAS, 1988:59
  11. a b MARTINS et al, 1996:15
  12. a b c VIEGAS, 1988:60
  13. MARTINS et al, 1996:17
  14. a b MARTINS et al, 1996:18
  15. MARTINS et al, 1996:19
  16. MARTINS et al, 1996:20
  17. SOUSA, José Fernando de (16 de Julho de 1902). «As estações do Minho e Douro no Porto» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (350). p. 209-211. Consultado em 21 de Setembro de 2017 
  18. a b MARTINS et al, 1996:249
  19. RODRIGUES et al, 1993:384
  20. a b c d e MARTINS et al, 1996:29
  21. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (338). 16 de Janeiro de 1902. p. 26. Consultado em 15 de Janeiro de 2014 
  22. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (339). 1 de Fevereiro de 1902. p. 42. Consultado em 15 de Janeiro de 2014 
  23. «Orçamento da Companhia Real» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (340). 16 de Fevereiro de 1902. p. 51. Consultado em 15 de Janeiro de 2014 
  24. a b «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (343). 1 de Abril de 1902. p. 107. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  25. «Linhas Portuguezas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (341). 1 de Março de 1902. p. 75. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  26. «Tarifas de Transporte» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (349). 1 de Julho de 1902. p. 197. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  27. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 76 (1823). 1 de Dezembro de 1963. p. 346. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  28. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1932» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1081). 1 de Janeiro de 1933. p. 10-14. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  29. «O que se fez nos Caminhos de Ferro Portugueses, durante o ano de 1934» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 47 (1130). 16 de Janeiro de 1935. p. 50-51. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  30. REIS et al, 2006:117
  31. REIS et al, 2006:125
  32. a b «Otros países, otras noticias». Via Libre (em espanhol). 2 (24). 1 de Dezembro de 1965. p. 24 
  33. a b c d MARTINS et al, 2006:64-65
  34. a b c d «A Nova Ponte Sobre o Rio Douro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 79 (1883). 1 de Julho de 1966. p. 125-126. Consultado em 17 de Setembro de 2017 
  35. a b MARTINS et al, 1996:222-228
  36. REIS et al, 2006:189
  37. a b c «252 y 5600: Automotoras de Alta Velocidad». Maquetren (em espanhol). 2 (18). Madrid: Resistor, S. A. 1993. p. 37-39 
  38. REIS et al, 2006:111-114
  39. a b «Em cima da via-férrea de Espinho, surgirá uma pala e o chão lembrará uma rede de pesca». Consultado em 31 de Outubro de 2016 
  40. a b «Selvagerias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 15 (351). Lisboa. 1 de Agosto de 1902. p. 229. Consultado em 21 de Setembro de 2017 
  41. MARQUES, 2014:117-126
  42. LOPES, Maria (8 de Dezembro de 2000). «Chuva, vento e muitos sustos». Público. 11 (3918). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. p. 20-21 
  43. BOTELHO, Leonete; FONSECA, Francisco; SOARES, Andreia (9 de Dezembro de 2000). «Dois milhões às escuras». Público. 11 (3919). Lisboa: Público, Comunicação Social, S. A. p. 21 
  44. FERNANDES, Sandra (9 de Janeiro de 2011). «Linha do Norte cortada, acidentes, cheias e tornado». Jornal de Notícias. 123 (222). Controlinveste Media SGPS, S. A. p. 14. ISSN 0874-1352 ID 0874-1352 Verifique |issn= (ajuda) 

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Linha do Norte
  • TAVARES, João; ESTEVES, Joaquim (2000). 100 Obras de Arquitectura Civil no Século XX: Portugal 2.ª ed. Lisboa: Ordem dos Engenheiros. 286 páginas. ISBN 972-97231-7-6 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
  • RODRIGUES, Luís; TAVARES, Mário; SERRA, João (1993). Terra de Águas. Caldas da Rainha História e Cultura 1.ª ed. Caldas da Rainha: Câmara Municipal de Caldas da Rainha. 527 páginas 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • VIEGAS, Francisco (1988). Comboios Portugueses: Um Guia Sentimental. Lisboa: Círculo de Editores. 185 páginas 

Leitura recomendadaEditar

  • CERVEIRA, Augusto; CASTRO, Francisco Almeida e (2006). Material e tracção: os caminhos de ferro portugueses nos anos 1940-70. Col: Para a História do Caminho de Ferro em Portugal. 5. Lisboa: CP-Comboios de Portugal. 270 páginas. ISBN 989-95182-0-4 
  • QUEIRÓS, Amílcar (1976). Os Primeiros Caminhos de Ferro de Portugal: As Linhas Férreas do Leste e do Norte. Coimbra: Coimbra Editora. 45 páginas 
  • SALGUEIRO, Ângela (2008). A Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses: 1859-1891. Lisboa: Univ. Nova de Lisboa. 145 páginas